17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA"

Transcrição

1 Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi Curso: Comunicação Social Jornalismo Instituição: Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Comunicação (FAC)

2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS JANAINA BÁRBARA BOLONEZI Brasília - DF 2015

3 JANAINA BÁRBARA BOLONEZI A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS Artigo jornalístico apresentado para o XVII Concurso Nacional Museu da Imprensa, na categoria ensino superior. Brasília - DF 2015

4 A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS Janaina Bolonezi 1. Introdução Encontrar uma pessoa que nunca tenha visitado um museu em toda sua vida no Brasil não é uma tarefa difícil. Segundo pesquisas do IBGE, 96% dos brasileiros não frequentam museus. Muitas vezes interpretados como uma espécie de depósito, visitar museus em busca de conhecimento não é um hábito comum e dificilmente esses ambientes são vistos pela população brasileira como um local de construção do saber. Responsáveis pela preservação da cultura e história da humanidade, os museus possuem grande papel na identificação do homem com sua história e na conscientização da preservação de seu patrimônio cultural. Seus acervos podem ser considerados uma fonte quase inesgotável de conhecimento em diversas áreas. Como grandes espaços de formação que são, é extremamente importante que os museus sejam valorizados no Brasil como patrimônio cultural e educativo. 2. Breve histórico sobre a concepção dos museus na sociedade e no Brasil Para entender o atual papel dos museus na sociedade é importante remeter ao passado. Ao longo do tempo, a concepção dos museus foi se transformando e mudando de foco. Inicialmente, na Grécia Antiga e Roma Antiga, os museus eram grandes centros de conhecimento, na época eram neles onde aconteciam as discussões filosóficas.

5 Foi na Idade Média, com a criação dos gabinetes de curiosidade (antecessores diretos dos museus atuais), que, pela primeira vez, esse objetivo começou a se transformar. O museu perdeu seu papel de centro de conhecimento e começou a ser entendido como local de visita e observação até a chegada do século XIX. No século XIX, antes do advento das universidades, o museu muda novamente e passa a ser compreendido como centro de ciências. Eram nos museus onde as pesquisas eram realizadas e publicadas. Nessa época, no Brasil e em várias partes do mundo, o museu era muito mais que somente um local para exposição de acervo. Passado algum tempo, já na década de 20, no Brasil, a criação do Museu Histórico Nacional, os movimentos modernistas e a semana de arte moderna repercutiram na concepção dos museus. Como o Museu Histórico Nacional foi por muito tempo referência para criação de novos museus, foram criados, nesse período, os museus de história oficial, de exaltação da nação e de nacionalismo. Nos anos 50 e 60, alguns movimentos folcloristas começam a eclodir no Brasil e é chegado o momento de repensar a concepção dos museus novamente. Na década de 80 são abertos os primeiros museus privados, uma vez que até aquele momento eram todos museus públicos. Enfim, nos anos 90 e 2000, temos a repercussão da nova museologia, que impera hoje. A nova museologia começa a criar uma diferente forma de se pensar museus. A preocupação passa a não ser só com o acervo, mas também com o público visitante e o acesso. Atualmente, a nova museologia (unida à criação de museus a céu aberto, eco

6 museus, museus comunitários, museus sem acervo, entre outros) significa uma grande mudança no foco dos museus brasileiros e de como são entendidos pela população. 3. O desafio dos museus no Brasil na atualidade Após as transformações significativas ao longo do tempo, o século XXI apresenta grandes desafios para os museus brasileiros. Como deixaram de ser entendidos como centros educativos e de aprendizagem cultural, existe o desafio de potencializar o papel dessas instituições no desenvolvimento da sociedade e enfatizar seu valor social. O grande desafio atual é que os museus sejam entendidos como locais de observação, interação e reflexão pela população. Entender museus como lugares capazes de oferecer uma experiência ao mesmo tempo educativa e divertida é essencial para que os museus sejam vistos atualmente como os grandes centros de formação que são. 4. Considerações finais Investigando a historia dos museus no Brasil entendemos um pouco melhor os motivos desses não serem interpretados como centros de formação no país. Para que a população possa praticar o olhar crítico diante das peças existentes nos museus, devemos pensar, primeiramente, na valorização dos museus como patrimônio cultural. Essa valorização pode acontecer por meio de divulgação, apoio governamental e, sobretudo, pela escola. Na escola, o indivíduo pode compreender desde muito cedo as relações existentes entre o patrimônio cultural dos museus e a sua própria trajetória.

7 Entender e valorizar museus como centros de formação é considerá-los como locais de aprendizado contínuo. Locais que promovem aprendizado para todos, em diferentes ocasiões, independentemente de idade e grau de conhecimento. O aprendizado nos museus tem um caráter único, sempre condicionado à experiência individual do visitante e das circunstâncias em que ocorreu a visita. Cada visita a um museu pode ser vista como uma grande aula, interpretada de diversas formas por cada um dos visitantes. No fim, percebemos que museus são, e sempre foram, importantes centros de conhecimento no Brasil e merecem ser valorizados como tal.

8 Referências bibliográficas: ARRUDA DA COSTA, Rila. Museus do Amazonas - evolução das unidades museológicas e da política de patrimônio no Brasil. EDUA, SUANO, Marlene. O que é museu. São Paulo: Brasiliense, RODRIGUES, Ana Ramos. O museu e o ensino de história. Disponível em: Acesso em: 02/02/2015. CHAGAS, Mario. Museu: coisa velha, coisa antiga. Rio de Janeiro, UNIRIO, 1987.

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Página 1 de 9 Como entender o Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Em 08 de julho de 2016

Leia mais

Distribuição regional dos equipamentos culturais municipais no Brasil em 2001

Distribuição regional dos equipamentos culturais municipais no Brasil em 2001 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Fev 2008 Dados da organização: Nome: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Endereços: Brasília:

Leia mais

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ELISANDRO RAFAEL BAUMGARTEN ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS Horizontina 2015 ELISANDRO

Leia mais

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL www.idestur.org.br Um novo olhar sobre o Universo Rural NO TURISMO DE EXPERIÊNCIA EM ÁREAS RURAIS E NATURAIS VENDEMOS SONHOS

Leia mais

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL Margarida Filipe Ramos 30.01.13 Apresentação do Museu da Água da EPAL Reservatório da Mãe d Água das Amoreiras Reservatório

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL José Mauro Gouveia (Universidade de Brasília) Eliane Braga de Oliveira (Universidade de Brasília) A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA

Leia mais

Informações da Organização

Informações da Organização Informações da Organização Nome: CERTI? Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras CNPJ: 78.626.363/0001-24 Endereço: Campus Universitário UFSC Endereço Complemento: Numero: Setor C Bairro:

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3 Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro O racismo no Brasil:

Leia mais

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. 16 TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

Leia mais

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo Ariane Holzbach Gama Filho / UERJ Resumo: O trabalho vai narrar a experiência desenvolvida no curso de Comunicação Social da Universidade Gama Filho

Leia mais

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Perspectivas do Plano Municipal de Cultura - PMC O Plano Municipal de Cultura de São Luís (PMC-São Luís) foi concebido e trabalhado durante o ano de 2012, tendo sido

Leia mais

HISTORIA DO DESIGN III

HISTORIA DO DESIGN III Blucher Design Proceedings Agosto de 2014, Número 3, Volume 1 HISTORIA DO DESIGN III Nelson Rodrigues da Silva - nelson.rodrigues@belasartes.br Centro Universitário Belas Artes de São Paulo - Bacharelado

Leia mais

Formigueiro-de-Cabeça-negra ( ), Formicivora erythronotos Foto Gabriel Toledo. 15 a 17 de setembro

Formigueiro-de-Cabeça-negra ( ), Formicivora erythronotos Foto Gabriel Toledo. 15 a 17 de setembro Formigueiro-de-Cabeça-negra ( ), Formicivora erythronotos Foto Gabriel Toledo 15 a 17 de setembro O FESTIVAL! Educação Ambiental e turismo de observação Criado em 2012, o projeto Aves de Paraty da Associação

Leia mais

Conteúdo 5 - Design Gráfico Brasileiro O design antes do design ( ) professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 5 - Design Gráfico Brasileiro O design antes do design ( ) professor Rafael Hoffmann Conteúdo 5 - Design Gráfico Brasileiro O design antes do design (1808-1950) professor Rafael Hoffmann (...) uma cultura visual distintamente brasileira entrelaçada com os estilos internacionais do final

Leia mais

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica Tecnologia no mundo, tecnologia na escola Currículo e inovação pedagógica PAUTA: 1. O QUE É CURRÍCULO? 2. O QUE QUER O CURRÍCULO ESCOLAR NA ATUALIDADE? 3. LER, ESCREVER, PESQUISAR, PENSAR NO CONTEXTO DAS

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA:

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: 1993 Nº Despacho PROJETO DE LEI Nº 377/93 CRIA O ECOMUSEU DO FLAMENGO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Lei nº 2360/95 Sancionada em 06/09/95 Autora: Vereadora LEILA MAYWALD A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE FÁTIMA HELENA DA FONSECA MIRANDA USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO

Leia mais

14/05/14. Tema 5 - Mobilizações e Movimentos Sociais na Área do Trabalho e no Contexto Rural. Objetivos da Aula. Para início de conversa

14/05/14. Tema 5 - Mobilizações e Movimentos Sociais na Área do Trabalho e no Contexto Rural. Objetivos da Aula. Para início de conversa Tema 5 - Mobilizações e Movimentos Sociais na Área do Trabalho e no Contexto Rural Professora Ma. Laura Santos Objetivos da Aula Discorrer sobre o desenvolvimento das cooperativas no decorrer do século

Leia mais

XI Encontro Nacional de Educação para a Cidadania Global Rumo a uma Educação Transformadora. Lisboa, 09 de julho de 2016

XI Encontro Nacional de Educação para a Cidadania Global Rumo a uma Educação Transformadora. Lisboa, 09 de julho de 2016 XI Encontro Nacional de Educação para a Cidadania Global Rumo a uma Educação Transformadora Lisboa, 09 de julho de 2016 manuela38ster@gmail.com DIA PARA AGIR Rumo a uma Educação Transformadora A NOSSA

Leia mais

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual Suzana dos Santos Gomes * * Mestre em Educação FAE-UFMG, professora de Cultura Religiosa PUC Minas. A AVALIAÇÃO ESTÁ presente na vida humana

Leia mais

Interprograma vivendo a arte 1. Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

Interprograma vivendo a arte 1. Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR Interprograma vivendo a arte 1 Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3 Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR 1 Trabalho submetido ao XIX Expocom, na categoria A Audiovisual,

Leia mais

IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE

IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE Mariana de Vasconcelos Neves¹,Mariana Lira Ibiapina², Francisca Joelina Xavier³ ¹ Universidade Estadual Vale do Acaraú

Leia mais

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA

REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA REFLEXÕES DOCENTES ACERCA DA DISCALCULIA Liziane Batista Souza Universidade Federal de Santa Maria -UFSM liziane.souza6@gmail.com Danieli Martins Ambrós Universidade Federal de Santa Maria -UFSM danieliambros@yahoo.com.br

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

Concurso Infeção VIH Teste? Porquê?

Concurso Infeção VIH Teste? Porquê? Concurso Infeção VIH Teste? Porquê? INTRODUÇÃO O Concurso Infeção VIH Teste? Porquê? é uma iniciativa da Unidade de Investigação em Epidemiologia Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (UID/DTP/04750/2013)

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda 8ª Série Direção e Finalização de Arte para Meios Impressos A atividade prática supervisionada (ATPS) é um

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação

ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação Aprovados em ata da décima segunda reunião ordinária do Departamento de Letras, realizada no dia 10 de junho de 2016. O ambiente intelectual

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

Economia para Jornalistas

Economia para Jornalistas RECEBIDO EM: / / PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO IV CURSOS DE EXTENSÃO N o TÍTULO DO CURSO Economia para Jornalistas PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: João Victor Guedes Neto Cargo:

Leia mais

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica EDUCAÇÃO FÍSICA E A PRÁTICA DE ENSINO: POSSIBILIDADE DE UMA RELAÇÃO QUE SUPERE A DICOTOMIA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA SOARES JÚNIOR, Néri Emilio UEG GT-04: Didática Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Situação socioeconômica das décadas 60 e 70 no mundo Divisão de blocos econômicos ( países desenvolvidos x não

Leia mais

NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE

NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE Para refletir... A educação seja doravante permanente, isto é, um processo

Leia mais

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES DEVERES DA ESCOLA NA OFERTA DE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, COM IGUALDADE DE CONDIÇÕES E OPORTUNIDADES PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: da convenção às orientações legais e pedagógicas para uma educação inclusiva.

Leia mais

pensar / criar / agir

pensar / criar / agir Um lugar para: pensar / criar / agir encontrar / conviver / cooperar conectar / dialogar / interagir questionar / criticar / debater reconhecer / resgatar /referenciar estudar / pesquisar / inovar imaginar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO.

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. PACHECO 1, Jade Alves de Souza; SOARES 2, Nayana Carvalho; SILVA 3, Bianca Fernandes

Leia mais

VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho

VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho VIVENCIANDO UM CONCURSO PÚBLICO: UMA OUTRA VISÃO PARA AS PROVAS. E.M. Antônio Coelho Ramalho Professor(es) Apresentador(es): Mila Zeiger Pedroso Marli Alves Dos Santos Realização: Foco do Projeto Utilização

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE Sandra Regina RICCI Mestranda em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás sandraricci@brturbo.com.br

Leia mais

Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014

Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014 ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014 coordenação / documentação Teresa Santos A propósito da exposição Caveiras, casas,

Leia mais

Futuro Integral. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: SESC Parana Unidade Apucarana

Futuro Integral. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: SESC Parana Unidade Apucarana Futuro Integral Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: SESC Parana Unidade Apucarana Cidade:

Leia mais

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Aline Villela Abbade Débora A. dos Santos Ferreira Julho 2009/01 Apresentação do tema: Começamos a elaborar este projeto levando em consideração que

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva E-mail: anasiqueira_4@hotmail.com WWW.INSTITUTOCONSCIENCIAGO.COM.BR 2. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2.1. As perspectivas de formação docente 2.2. Formação inicial e

Leia mais

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Objetivos Objetivos Cognitivos sobre meio ambiente Levar os indivíduos e os grupos sociais a adquirirem largas experiências, contatos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDIÇÃO DE LIVROS TÉCNICO-CIENTÍFICOS PARA O CONTROLE DO CÂNCER FACINA, TF 1 ; CASADO, L 2

A IMPORTÂNCIA DA EDIÇÃO DE LIVROS TÉCNICO-CIENTÍFICOS PARA O CONTROLE DO CÂNCER FACINA, TF 1 ; CASADO, L 2 A IMPORTÂNCIA DA EDIÇÃO DE LIVROS TÉCNICO-CIENTÍFICOS PARA O CONTROLE DO CÂNCER FACINA, TF 1 ; CASADO, L 2 1 Instituto Nacional de Câncer (INCA) 2 Instituto Nacional de Câncer (INCA) tfacina@inca.gov.br

Leia mais

GRELHA DE CORREÇÃO PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS A B

GRELHA DE CORREÇÃO PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS A B GRELHA DE CORREÇÃO PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS A B PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATAÇÃO, EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO, PARA O PREENCHIMENTO

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE Profª Fabiana Principais Legislações que regem a Educação Permanente em Saúde : 8ª Conferência Nacional de Saúde - 1986 Constituição Brasileira de 1988 Lei 8080, de 19 de

Leia mais

Jornalismo Opinativo

Jornalismo Opinativo Jornalismo Opinativo Jornalismo Discurso jornalístico: a) A informação, cujo interesse é saber o que se passa. b) A opinião, cujo interesse é saber o que se pensa sobre o que se passa. Jornalismo Informativo

Leia mais

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Projeto Brasil misturado Duração: 01/11/12 a 30/11/12 Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Culminância: Dia 30 de novembro Característica: Projeto interdisciplinar, envolvendo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Escola de Conselhos Prof. Dr. PAULO C. DUARTE PAES.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Escola de Conselhos Prof. Dr. PAULO C. DUARTE PAES. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Escola de Conselhos Prof. Dr. PAULO C. DUARTE PAES pdpaes@yahoo.com.br De acordo com o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea Carlos Henrique Paganetto Roma Junior SUSTENTABILIDADE NA SOCIEDADE Problemas centrais Uso insustentável e predatório dos recursos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia.

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA OFICINA 1 STORYTELLING Segunda, 06/02, das 19h às 22h30 OFICINA 2 PLANEJAMENTO INTELIGENTE Terça, 07/02, das 19h às 22h30 OFICINA 3 APLICAÇÕES DAS TEORIAS DE GRUPO

Leia mais

http://portaldoprofessor.mec.gov.br http://twitter.com/portalprofessor Implantação de ambientes tecnológicos nas escolas Distribuição de conteúdos educativos, soluções e sistemas de informação Formação

Leia mais

LUGAR ONDE ESTUDO; b) PENSANDO A REALIDADE; c) A ESCOLA QUE DESEJO; d) ESTUDAR PRA QUÊ? Os temas devem ser inseridos e articulados

LUGAR ONDE ESTUDO; b) PENSANDO A REALIDADE; c) A ESCOLA QUE DESEJO; d) ESTUDAR PRA QUÊ? Os temas devem ser inseridos e articulados PROGRAMA CRIANÇAS E JOVENS DO RIO GRANDE ESCREVENDO HISTÓRIAS REGULAMENTO A Equipe de Apoio a Leitura, Livro e Literatura/CGA/DP, da Secretaria de Estado da Educação, através do presente Regulamento, apresenta

Leia mais

CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA E DE ENSINO DE GRAMÁTICA EM DEPOIMENTOS DE PROFESSORES DE 6º. AO 9º. ANO DA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL PAULISTA

CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA E DE ENSINO DE GRAMÁTICA EM DEPOIMENTOS DE PROFESSORES DE 6º. AO 9º. ANO DA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL PAULISTA CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA E DE ENSINO DE GRAMÁTICA EM DEPOIMENTOS DE PROFESSORES DE 6º. AO 9º. ANO DA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL PAULISTA ANDRADE, Maria de Fátima Ramos de RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: ABSTRACT:

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

NA CASA... Traço linha pinto risco

NA CASA... Traço linha pinto risco NA CASA... Traço linha pinto risco Dois seres animados surgem da forma improvisada que nasce na folha de papel. A partir da relação entre a forma, a textura e a sensação, partimos à descoberta, no universo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA COMO REFLEXO DE SUA FORMAÇÃO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA COMO REFLEXO DE SUA FORMAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA COMO REFLEXO DE SUA FORMAÇÃO RESUMO Marcos Antônio dos Santos Alves - Graduando em Geografia-UEPB marcos-santos44@hotmail.com Maria José Guerra

Leia mais

NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL

NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL 02748 NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO Maria das Graças Pereira Soares 1 Este trabalho é parte integrante dos estudos da pesquisa de

Leia mais

Letras e Outras Expressões

Letras e Outras Expressões I Encontro de Boas Práticas Educativas 19 e 20 de setembro de 2014 Letras e Outras Expressões Agrupamento de Escolas Emídio Garcia Bragança Agrupamento de Escolas Emídio Garcia Bragança Letras e Outras

Leia mais

TRABALHOS ACADÊMICOS

TRABALHOS ACADÊMICOS TRABALHOS ACADÊMICOS 86 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Jorge Eto 1 ; Marco Aurélio Borges Rodrigues Mariano 2, Daniela Dellacorte 3, Tânia de Oliveira 4, Gerson Bibiano 5 RESUMO:

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO

TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO CATEGORIA:

Leia mais

A TENDA. EU: SER PESSOA

A TENDA. EU: SER PESSOA UNIDADE 1: A TENDA. EU: SER PESSOA 1º ESO Quem sou eu? Como é a minha tenda? Quero montar a tenda e preciso conhecer todos os elementos Necessito conhecer-me para amar-me. 4. Meu corpo muda e se constrói

Leia mais

A LEI /03 E UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO ATRAVÉS DA LITERATURA

A LEI /03 E UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO ATRAVÉS DA LITERATURA A LEI 10.639/03 E UMA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO ATRAVÉS DA LITERATURA Gisele Ferreira da Silva 1 - INTRODUÇÃO Diante da complexidade de nossa história e sociedade, medidas e políticas afirmativas tornaram-se

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS JOSÉ MARIA DOS SANTOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO /2016

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS JOSÉ MARIA DOS SANTOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO /2016 MATEMÁTICA 2º CICLO Domínios / Capacidades transversais Descritores Instrumentos de avaliação Exprime-se oralmente com correção e clareza, usando termos da Testes de avaliação 45 % Números e Operações

Leia mais

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Museu da Abadia São Geraldo Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Informações gerais Mantenedores Mosteiro São Geraldo Abadia São Geraldo Coordenação Dom Afonso Vieira,

Leia mais

DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA

DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA O Fim-de-semana prometia uns dias de Sol, estava na altura de voltarmos a estrada, e procurar na Internet, um destino a contento da Família.

Leia mais

Informações da Organização

Informações da Organização Informações da Organização Nome: Associação Junior Achievement de Santa Catarina CNPJ: 01.852.526/0001-62 Endereço: Rua Camilo Silveira de Souza Endereço Complemento: Numero: 193 Bairro: Capoeiras Cidade:

Leia mais

Algumas palavras sobre Arte e Educação

Algumas palavras sobre Arte e Educação 122 Algumas palavras sobre Arte e Educação Não há dúvida de que toda forma de arte é educativa: aguça nossa sensibilidade, exercita nossa capacidade de refletir, de decifrar metáforas, de simbolizar, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília CHAMADA PÚBLICA Nº 0004/CCEI/2016 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DOS CURSOS DO PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL E PROMOÇÃO SOCIAL DA TERCEIRA IDADE - PROEXT 2016 O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS CEILÂNDIA DO INSTITUTO

Leia mais

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO.

EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. EXPERIÊNCIA COMO ORIENTADORA DO PACTO NACIONAL PELA IDADE CERTA EM CATALÃO-GO. SILVA, Gislene de Sousa Oliveira 1 Universidade Federal de Goiás Regional Catalão-GO. FIRMINO, Janaina Karla Pereira da S.

Leia mais

A música volta às escolas brasileiras: o que fazer?

A música volta às escolas brasileiras: o que fazer? A música volta às escolas brasileiras: o que fazer? Ao refletir sobre a volta da música às escolas brasileiras, no Ensino Fundamental, tive a certeza de que este momento é especial. Após um pouco mais

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

Parcerias Família- Escola: Práticas estruturais e relacionais que apoiam o sucesso estudantil

Parcerias Família- Escola: Práticas estruturais e relacionais que apoiam o sucesso estudantil Parcerias Família- Escola: Práticas estruturais e relacionais que apoiam o sucesso estudantil Dra. Susan M. Sheridan Nebraska Center for Research on Children, Youth, Families and Schools (Centro para Pesquisa

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Nilton Bahlis dos Santos, Alessandra dos Santos, Antonio Cordeiro, Mercia Maria Santos, Nathielly de Souza Campos, Rodrigo

Leia mais

Cordel como ferramenta de ensino-aprendizagem em EJA, na disciplina de História

Cordel como ferramenta de ensino-aprendizagem em EJA, na disciplina de História Cordel como ferramenta de ensino-aprendizagem em EJA, na disciplina de História Patricia Maria dos Santos 1 patriciasanto@outlook.com Marinaide Lima de Queiroz Freitas 2 naide12@hotmail.com RESUMO Este

Leia mais

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Agosto/2011 Tema da aula Visões do ciclo de política: clássica; processo simples e linear; Implementação como formulação

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV poderá atuar em instituições de preservação, divulgação e estudo da memória histórica, como arquivos, museus, editoras, instituições

Leia mais

Atendemos na Feira de artesanato Miramar no Largo da Alfandega SC Fone: celular:

Atendemos na Feira de artesanato Miramar no Largo da Alfandega SC Fone: celular: O jogo provoca um conflito interno, que leva o indivíduo a encontrar soluções aos seus problemas. Seu pensamento sai enriquecido e reestruturado, apto a lidar com novas transformações. O jogo assume, portanto

Leia mais

Regulamento do Concurso O meu Postal de Férias! 1. Tema do concurso: O que tornou este teu verão inesquecível? 2. Objetivo do concurso:

Regulamento do Concurso O meu Postal de Férias! 1. Tema do concurso: O que tornou este teu verão inesquecível? 2. Objetivo do concurso: Regulamento do Concurso O meu Postal de Férias! O presente Regulamento define as regras de funcionamento do concurso O meu Postal de Férias!, cuja organização pertence à Agência Nacional para a Qualificação

Leia mais

A Pedagogia da Aventura

A Pedagogia da Aventura A Pedagogia da Aventura Os PCN s destacam a cultura corporal de movimento, explicitando a intenção de trabalhar com as práticas: Jogos Lutas Atividades Rítmicas e Danças Esportes Ginástica Como produções

Leia mais

1 Manual do atendimento psicopedagógico

1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico 1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico FACULDADE DE ARTES DULCINA DE MORAES APRESENTAÇÃO Neste manual você irá encontrar as

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Fábio Adriano Hering

Currículos dos Cursos UFV. HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Fábio Adriano Hering 164 HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura COORDENADOR Fábio Adriano Hering fahering@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 165 Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV poderá atuar em instituições

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TÉCNICO INFORMÁTICA FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

A VERDADEIRA AMAZÔNIA

A VERDADEIRA AMAZÔNIA A VERDADEIRA AMAZÔNIA SAMUEL HANAN e IVES GANDRA MARTINS* A realização da Conferência Ministerial de Defesa das Américas, em Manaus, embalada pelo debate do Plano Colômbia, trouxe à baila, por alguns dias

Leia mais

Construção de FANZINE Nuria Meurer

Construção de FANZINE Nuria Meurer Construção de FANZINE Nuria Meurer Agradecimento. Quero agradecer aos professores que participaram deste trabalho, levando novas formas de aprendizagem, iniciando o processo de autoria na produção da Fanzine

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais