17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA"

Transcrição

1 Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi Curso: Comunicação Social Jornalismo Instituição: Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Comunicação (FAC)

2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS JANAINA BÁRBARA BOLONEZI Brasília - DF 2015

3 JANAINA BÁRBARA BOLONEZI A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS Artigo jornalístico apresentado para o XVII Concurso Nacional Museu da Imprensa, na categoria ensino superior. Brasília - DF 2015

4 A IMPORTÂNCIA DE ENTENDER MUSEUS COMO CENTROS DE FORMAÇÃO NO PAÍS Janaina Bolonezi 1. Introdução Encontrar uma pessoa que nunca tenha visitado um museu em toda sua vida no Brasil não é uma tarefa difícil. Segundo pesquisas do IBGE, 96% dos brasileiros não frequentam museus. Muitas vezes interpretados como uma espécie de depósito, visitar museus em busca de conhecimento não é um hábito comum e dificilmente esses ambientes são vistos pela população brasileira como um local de construção do saber. Responsáveis pela preservação da cultura e história da humanidade, os museus possuem grande papel na identificação do homem com sua história e na conscientização da preservação de seu patrimônio cultural. Seus acervos podem ser considerados uma fonte quase inesgotável de conhecimento em diversas áreas. Como grandes espaços de formação que são, é extremamente importante que os museus sejam valorizados no Brasil como patrimônio cultural e educativo. 2. Breve histórico sobre a concepção dos museus na sociedade e no Brasil Para entender o atual papel dos museus na sociedade é importante remeter ao passado. Ao longo do tempo, a concepção dos museus foi se transformando e mudando de foco. Inicialmente, na Grécia Antiga e Roma Antiga, os museus eram grandes centros de conhecimento, na época eram neles onde aconteciam as discussões filosóficas.

5 Foi na Idade Média, com a criação dos gabinetes de curiosidade (antecessores diretos dos museus atuais), que, pela primeira vez, esse objetivo começou a se transformar. O museu perdeu seu papel de centro de conhecimento e começou a ser entendido como local de visita e observação até a chegada do século XIX. No século XIX, antes do advento das universidades, o museu muda novamente e passa a ser compreendido como centro de ciências. Eram nos museus onde as pesquisas eram realizadas e publicadas. Nessa época, no Brasil e em várias partes do mundo, o museu era muito mais que somente um local para exposição de acervo. Passado algum tempo, já na década de 20, no Brasil, a criação do Museu Histórico Nacional, os movimentos modernistas e a semana de arte moderna repercutiram na concepção dos museus. Como o Museu Histórico Nacional foi por muito tempo referência para criação de novos museus, foram criados, nesse período, os museus de história oficial, de exaltação da nação e de nacionalismo. Nos anos 50 e 60, alguns movimentos folcloristas começam a eclodir no Brasil e é chegado o momento de repensar a concepção dos museus novamente. Na década de 80 são abertos os primeiros museus privados, uma vez que até aquele momento eram todos museus públicos. Enfim, nos anos 90 e 2000, temos a repercussão da nova museologia, que impera hoje. A nova museologia começa a criar uma diferente forma de se pensar museus. A preocupação passa a não ser só com o acervo, mas também com o público visitante e o acesso. Atualmente, a nova museologia (unida à criação de museus a céu aberto, eco

6 museus, museus comunitários, museus sem acervo, entre outros) significa uma grande mudança no foco dos museus brasileiros e de como são entendidos pela população. 3. O desafio dos museus no Brasil na atualidade Após as transformações significativas ao longo do tempo, o século XXI apresenta grandes desafios para os museus brasileiros. Como deixaram de ser entendidos como centros educativos e de aprendizagem cultural, existe o desafio de potencializar o papel dessas instituições no desenvolvimento da sociedade e enfatizar seu valor social. O grande desafio atual é que os museus sejam entendidos como locais de observação, interação e reflexão pela população. Entender museus como lugares capazes de oferecer uma experiência ao mesmo tempo educativa e divertida é essencial para que os museus sejam vistos atualmente como os grandes centros de formação que são. 4. Considerações finais Investigando a historia dos museus no Brasil entendemos um pouco melhor os motivos desses não serem interpretados como centros de formação no país. Para que a população possa praticar o olhar crítico diante das peças existentes nos museus, devemos pensar, primeiramente, na valorização dos museus como patrimônio cultural. Essa valorização pode acontecer por meio de divulgação, apoio governamental e, sobretudo, pela escola. Na escola, o indivíduo pode compreender desde muito cedo as relações existentes entre o patrimônio cultural dos museus e a sua própria trajetória.

7 Entender e valorizar museus como centros de formação é considerá-los como locais de aprendizado contínuo. Locais que promovem aprendizado para todos, em diferentes ocasiões, independentemente de idade e grau de conhecimento. O aprendizado nos museus tem um caráter único, sempre condicionado à experiência individual do visitante e das circunstâncias em que ocorreu a visita. Cada visita a um museu pode ser vista como uma grande aula, interpretada de diversas formas por cada um dos visitantes. No fim, percebemos que museus são, e sempre foram, importantes centros de conhecimento no Brasil e merecem ser valorizados como tal.

8 Referências bibliográficas: ARRUDA DA COSTA, Rila. Museus do Amazonas - evolução das unidades museológicas e da política de patrimônio no Brasil. EDUA, SUANO, Marlene. O que é museu. São Paulo: Brasiliense, RODRIGUES, Ana Ramos. O museu e o ensino de história. Disponível em: Acesso em: 02/02/2015. CHAGAS, Mario. Museu: coisa velha, coisa antiga. Rio de Janeiro, UNIRIO, 1987.

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE MUSEUS

POLITICA NACIONAL DE MUSEUS DÉCADA DE 30, QUANDO DA CRIAÇÃO DO SPHAN 1937 - Criado o SPHAN - Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (hoje IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional); Atuação na museologia

Leia mais

Tópicos Especiais em Museologia I 60 4

Tópicos Especiais em Museologia I 60 4 UFPE PROACAD DCA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PERÍODO LETIVO:2013.1 DEPARTAMENTO: Departamento de Antropologia e Museologia DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CRÉD CÓDIGO NOME TEÓRICA PRÁTICA MUSL 0013 Tópicos

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAV5730TU - Estado, Sociedade e Educação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAV5730TU - Estado, Sociedade e Educação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAV5730TU - Estado, Sociedade e Educação Docente(s) Sandra Lucia Ferreira Acosta Soares Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Artes Cênicas,

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Profª. Luciana Silveira Cardoso

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Profª. Luciana Silveira Cardoso Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Criação: Resolução nº030/ceg/2009 de 30 de setembro de 2009. Portaria Noormativa nº 40/2007/MEC - Exclusivamente para Registro de Diploma. Curso Reconhecido

Leia mais

Patrimônio, museus e arqueologia

Patrimônio, museus e arqueologia Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Patrimônio, museus e arqueologia http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47543

Leia mais

Cartaz para Campanha Publicitária 1

Cartaz para Campanha Publicitária 1 Cartaz para Campanha Publicitária 1 Camila Menezes TORRES 2 Maria Aparecida Torrecillas ABREU 3 Flávia Meneguelli Ribeiro SETUBAL 4 Flávia Mayer dos Santos SOUZA 5 Centro Universitário de Vila Velha, Vila

Leia mais

Existem diferentes tipos de entrevista, entre os quais a entrevista de emprego, a entrevista médica, a entrevista jornalística, etc.

Existem diferentes tipos de entrevista, entre os quais a entrevista de emprego, a entrevista médica, a entrevista jornalística, etc. GÊNERO ENTREVISTA Existem diferentes tipos de entrevista, entre os quais a entrevista de emprego, a entrevista médica, a entrevista jornalística, etc. Basicamente um gênero oral, a entrevista pressupõe

Leia mais

2ª RETIFICAÇÃO ONDE SE LÊ: 20. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

2ª RETIFICAÇÃO ONDE SE LÊ: 20. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES EDITAL DE ABERTURA CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA EDITAL Nº 12/ MIRACEMA / / 22/07/2014 2ª RETIFICAÇÃO 20. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ATIVIDADES PREVISTAS PERÍODO Publicação do Edital

Leia mais

Roteiro de Observação para Exposição

Roteiro de Observação para Exposição Roteiro de Observação para Exposição Este roteiro é um instrumento para auxiliá-lo na observação da exposição. O objetivo específico do exercício é analisar a forma como o museu comunica por meio de sua

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO E OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. A Geografia Levada a Sério

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO E OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA.  A Geografia Levada a Sério SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO E OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 1 A educação é a mais poderosa arma pela qual se pode mudar o mundo. Nelson Mandela 2 Aquarela Toquinho Vinícius de Moraes M.

Leia mais

Ação Educativa em Museus de Arte: uma proposta para o MUnA

Ação Educativa em Museus de Arte: uma proposta para o MUnA Ação Educativa em Museus de Arte: uma proposta para o MUnA Dorcas Weber Professora do ensino de arte - PMU Comunicação - Relato de Pesquisa O conceito de museu e o alcance de suas ações foram os principais

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A O LIVRO INFANTIL UTILIZADO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIO DO PROFESSOR Autoras: Camila Karolina de Freitas, Adriana Aparecida da Silva e Juliana Renovato Vizza Orientador: Luís

Leia mais

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira

Concurso Público Osasco PEB I SLIDES Prof. Amarildo Vieira Concurso Público Osasco PEB I - 2017 SLIDES Prof. Amarildo Vieira PEDAGOGO UNIb ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR PUC/SP BACHARELANDO EM DIREITO Uninove DIRETOR DE ESCOLA PMSP/SP PROFESSOR

Leia mais

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Página 1 de 9 Como entender o Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Em 08 de julho de 2016

Leia mais

A LENTE FOTOGRÁFICA COMO INSTRUMENTO PARA ENSINAR CIÊNCIAS: A PARTIR DO ESTUDANTE DA ESCOLA MUNICIPAL SÃO PEDRO PARINTINS/AM. Resultado de Pesquisa

A LENTE FOTOGRÁFICA COMO INSTRUMENTO PARA ENSINAR CIÊNCIAS: A PARTIR DO ESTUDANTE DA ESCOLA MUNICIPAL SÃO PEDRO PARINTINS/AM. Resultado de Pesquisa A LENTE FOTOGRÁFICA COMO INSTRUMENTO PARA ENSINAR CIÊNCIAS: A PARTIR DO ESTUDANTE DA ESCOLA MUNICIPAL SÃO PEDRO PARINTINS/AM Resultado de Pesquisa Denis de Oliveira Silva Luciene de Souza Coelho José Camilo

Leia mais

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES): TAINÁ GIGLIO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL NA ESCOLA: EDUCAR E TRANSFORMAR

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL NA ESCOLA: EDUCAR E TRANSFORMAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL NA ESCOLA: EDUCAR E TRANSFORMAR Ruan Carlos de Oliveira Magalhães¹; Nayanne Barros Queiroz¹, Natiane do Nascimento Colares¹, Cosmo Helder Ferreira da Silva² ¹Discente do curso de

Leia mais

PROGRAMA AMIGOS DO MUSEU

PROGRAMA AMIGOS DO MUSEU O Museu da Cana é uma instituição sem fins lucrativos que busca na parceria com pessoas físicas e jurídicas recursos para: - manutenção de acordo com as boas práticas museológicas; - realização de seus

Leia mais

TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO

TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: POSSIBILIDADES DAS VIVÊNCIAS LÚDICAS NO TEMPO ÓCIO VIVIDO PELAS CRIANÇAS NO RECREIO CATEGORIA:

Leia mais

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA Renato Baldin O ESPAÇO Continente 1. Conceituação O Espaço Que espaço é esse? De qual espaço estamos falando? Breve história dos museus... A partir de sua

Leia mais

POSSIBILIDADES EDUCATIVAS PRESENTES NO MUSEU CENTRO DE ARTE POPULAR CEMIG NA CIDADE DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS

POSSIBILIDADES EDUCATIVAS PRESENTES NO MUSEU CENTRO DE ARTE POPULAR CEMIG NA CIDADE DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS POSSIBILIDADES EDUCATIVAS PRESENTES NO MUSEU CENTRO DE ARTE POPULAR CEMIG NA CIDADE DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS Daniela de Souza Lopes (Faculdade de Minas - BH, dlsouz_32@hotmail.com ); Vanessa Augusta

Leia mais

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL www.idestur.org.br Um novo olhar sobre o Universo Rural NO TURISMO DE EXPERIÊNCIA EM ÁREAS RURAIS E NATURAIS VENDEMOS SONHOS

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Exposições

Leia mais

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO.

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. PACHECO 1, Jade Alves de Souza; SOARES 2, Nayana Carvalho; SILVA 3, Bianca Fernandes

Leia mais

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural

Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural Perspectivas do Plano Municipal de Cultura - PMC O Plano Municipal de Cultura de São Luís (PMC-São Luís) foi concebido e trabalhado durante o ano de 2012, tendo sido

Leia mais

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Universidade Federal do Espírito Santo. CCHN DLL. Abril 2012. Segundo encontro: Formação continuada de professores de inglês. The

Leia mais

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Objetivos Objetivos Cognitivos sobre meio ambiente Levar os indivíduos e os grupos sociais a adquirirem largas experiências, contatos

Leia mais

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL Margarida Filipe Ramos 30.01.13 Apresentação do Museu da Água da EPAL Reservatório da Mãe d Água das Amoreiras Reservatório

Leia mais

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica

Tecnologia no mundo, tecnologia na escola. Currículo e inovação pedagógica Tecnologia no mundo, tecnologia na escola Currículo e inovação pedagógica PAUTA: 1. O QUE É CURRÍCULO? 2. O QUE QUER O CURRÍCULO ESCOLAR NA ATUALIDADE? 3. LER, ESCREVER, PESQUISAR, PENSAR NO CONTEXTO DAS

Leia mais

Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal

Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação FABICO MUSEOLOGIA CURSO DE BACHARELADO EM MUSEOLOGIA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação FABICO MUSEOLOGIA CURSO DE BACHARELADO EM MUSEOLOGIA Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação CURSO DE BACHARELADO EM / CURSO DE FABICO/ UFRGS Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1230154-pais-tem-boom-de-cursos-de-museologia.shtml.

Leia mais

Jornalismo Opinativo

Jornalismo Opinativo Jornalismo Opinativo Jornalismo Discurso jornalístico: a) A informação, cujo interesse é saber o que se passa. b) A opinião, cujo interesse é saber o que se pensa sobre o que se passa. Jornalismo Informativo

Leia mais

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO.

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO. PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO laylla.lopes@hotmail.com RESUMO: Este trabalho realiza uma análise sobre a participação

Leia mais

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ELISANDRO RAFAEL BAUMGARTEN ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS Horizontina 2015 ELISANDRO

Leia mais

InfoPress CLIPPING DE IMPRENSA ABRIL/2014. Período 01 a 30 de abril de 2014

InfoPress CLIPPING DE IMPRENSA ABRIL/2014. Período 01 a 30 de abril de 2014 InfoPress CLIPPING DE IMPRENSA ABRIL/2014 Período 01 a 30 de abril de 2014 Releases produzidos Museu da Energia de Salesópolis promove atividades ao ar livre no feriado de Páscoa Programação inclui observação

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL José Mauro Gouveia (Universidade de Brasília) Eliane Braga de Oliveira (Universidade de Brasília) A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA

Leia mais

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho A Exposição Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho Quadro Geral da Disciplina Museológica 1 Museologia Geral Teoria museológica (fato museológico) História dos museus Administração museológica Curadoria

Leia mais

(des)liga-te: nem 8 nem 80

(des)liga-te: nem 8 nem 80 Elementos do Grupo Ana de Matos Diana Reis Giselene Coimbra Patrícia Marinho Sandra Rodrigues E6938 A74074 A59605 A72021 A72987 Ficha de Atividade (des)liga-te: nem 8 nem 80 Introdução ao tema No âmbito

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

ENSINAR SOBRE GUARULHOS.

ENSINAR SOBRE GUARULHOS. ENSINAR SOBRE GUARULHOS. O ensino no Brasil começou a tomar rumos diferentes, com a criação da lei nº 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases da E- ducação, criou-se um mecanismo para tentar quebrar esses

Leia mais

primeiros filósofos da humanidade.

primeiros filósofos da humanidade. Gregos primeiros filósofos da humanidade. Como os gregos definiam Filosofia? Uma forma de conhecimento capaz de explicar as diversas mudanças e maravilhas que ocorriam na natureza (1). Como nasceu a Filosofia?

Leia mais

Workshop de Fotografia da Natureza

Workshop de Fotografia da Natureza Workshop de Fotografia da Natureza Professor: Yuri Fanchini Messas Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4421411t0 E-mail: contato@yurimessas.com.br Website: www.yurimessas.com.br

Leia mais

HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL

HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL Período colonial: 1784_ Casa dos Pássaros, Casa de História Natural. Colecionava e preparava (taxidermizava) produtos naturais, aves e adornos indígenas para Lisboa. 1808_chegada

Leia mais

SANTA BÁRBARA ENGENHARIA

SANTA BÁRBARA ENGENHARIA SANTA BÁRBARA ENGENHARIA PRÊMIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL - CBIC AGOSTO / 2011 QUEM É A SANTA BÁRBARA ENGENHARIA? A Santa Bárbara Engenharia é um empresa mineira, que atua há mais de 44 anos no mercado

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

4. Perfil do Candidato: Mestre em Museologia ou áreas afins. Graduado em Museologia ou áreas afins. Julgamento de títulos Peso 3. Prova escrita Peso 3

4. Perfil do Candidato: Mestre em Museologia ou áreas afins. Graduado em Museologia ou áreas afins. Julgamento de títulos Peso 3. Prova escrita Peso 3 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA E MUSEOLOGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital

Leia mais

A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERMEDIADA POR JOGOS MATEMÁTICOS

A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERMEDIADA POR JOGOS MATEMÁTICOS A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERMEDIADA POR JOGOS MATEMÁTICOS Autor (Italo Pereira Da Silva Medeiros); Coautor (Antônio Carlos Belarmino Segundo)¹; Coautor (Rodolfo Moreira Cabral)²; Coautor (Yan Ynácio

Leia mais

MUSEU DA ESCOLA PARANAENSE - MEP

MUSEU DA ESCOLA PARANAENSE - MEP MUSEU DA ESCOLA PARANAENSE - MEP O Museu da Escola Paranaense tem como objetivo sensibilizar e despertar os gestores das escolas públicas, professores, alunos e a comunidade, ter um olhar para os assuntos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL Nome do autor: Jairton Mauro Rech Aplicativo utilizado: BrOffice impress Disciplina: Matemática

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

Dança em cadeira de rodas e inclusão. Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira

Dança em cadeira de rodas e inclusão. Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira Dança em cadeira de rodas e inclusão Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira No último século ocorreram mudanças sociais importantes no mundo. Podemos observar mudanças de comportamentos, de organização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia.

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual Suzana dos Santos Gomes * * Mestre em Educação FAE-UFMG, professora de Cultura Religiosa PUC Minas. A AVALIAÇÃO ESTÁ presente na vida humana

Leia mais

O desafio da construção e o uso de indicadores culturais

O desafio da construção e o uso de indicadores culturais diálogo O desafio da construção e o uso de indicadores culturais Gabriela Aidar Coordenadora dos Programas Educativos Inclusivos Núcleo de Ação Educativa gaidar@pinacoteca.org.br Programas do Núcleo de

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO

E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO 50anos de EXAME FAZ 50 ANOS E TE CONVIDA PARA DISCUTIR O FUTURO Raros são os períodos em que temos consciência de estar vivenciando a história sendo feita. É exatamente o que ocorre hoje: as transformações

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR. Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil

EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR. Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil Quem são as crianças? Únicas, possuem saberes, desejos, interesses,

Leia mais

Museu Farmaco Hospitalar do Imperial Hospital de Caridade

Museu Farmaco Hospitalar do Imperial Hospital de Caridade Museu Farmaco Hospitalar do Florianópolis / SC Etapa de Restauração do Antigo Casarão da Fundação Senhor dos Passos e desenvolvimento do Plano Museológico RESUMO DO PROJETO O projeto prevê a estruturação

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação

ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento e Formulário de Certificação Aprovados em ata da décima segunda reunião ordinária do Departamento de Letras, realizada no dia 10 de junho de 2016. O ambiente intelectual

Leia mais

Organização da Disciplina. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 1

Organização da Disciplina. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 1 Política de Desenvolvimento Econômico Aula 1 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Disciplina Surgimento da ideia de Valorização do município, para o desenvolvimento Como é feito o Importância do

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: HISTÓRIA DO DIREITO Código da Disciplina: JUR 249 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 1º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

INTERVENÇÕES DO PIBID NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS, O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS.

INTERVENÇÕES DO PIBID NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS, O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS. INTERVENÇÕES DO PIBID NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS, O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS. Fernando Batista Galdino(1); Patrícia Ferreira Rodrigues(1); Roney Jacinto de Lima(2); Maria do Socorro dos Santos (3). Universidade

Leia mais

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA

USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA POSSIBILIDADE PEDAGÓGICA FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE FÁTIMA HELENA DA FONSECA MIRANDA USO DE BLOG EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Educação em Química no Brasil: conquistas e perspectivas da pesquisa. Ensino de Química III 2011 Profª Tathiane Milaré.

Educação em Química no Brasil: conquistas e perspectivas da pesquisa. Ensino de Química III 2011 Profª Tathiane Milaré. Educação em Química no Brasil: conquistas e perspectivas da pesquisa Ensino de Química III 2011 Profª Tathiane Milaré Ensino de Química 6,5 milhões de alunos no EM 2 milhões de alunos no ES (Dados de 2000)

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

Informações da Organização

Informações da Organização Informações da Organização Nome: CERTI? Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras CNPJ: 78.626.363/0001-24 Endereço: Campus Universitário UFSC Endereço Complemento: Numero: Setor C Bairro:

Leia mais

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Jornalismo e Divulgação Científica Graduação em Engenharia Ambiental Pós-Graduação em Ciências Ambientais 2 Introdução Prof. Sandro Donnini Mancini Agosto,

Leia mais

Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS

Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS Pâmela Cunha da Silva¹, Email: paamelacunhaa@gmail.com ; Yuri Hoesel dos Santos¹ ; Camila Daiane Bittencourt Leite¹;

Leia mais

Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus

Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus A Rede Portuguesa de Museus é composta por 146 museus, cuja diversidade de coleções, de instalações,

Leia mais

Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014

Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014 ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Caveiras, Casas, Pedras e Uma Figueira Serviço Educativo Outubro de 2013 a Fevereiro de 2014 coordenação / documentação Teresa Santos A propósito da exposição Caveiras, casas,

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República da Polônia (doravante

Leia mais

Dezembro/2014. Período. 1 a 31 de dezembro de 2014

Dezembro/2014. Período. 1 a 31 de dezembro de 2014 Dezembro/2014 Período 1 a 31 de dezembro de 2014 Museu da Energia de Itu celebra seus 15 anos com exposição da chegada da energia elétrica na cidade A mostra destaca equipamentos de iluminação típicos

Leia mais

N O R M A S DE ACESSO E CONSULTA DE DOCUMENTOS 2009

N O R M A S DE ACESSO E CONSULTA DE DOCUMENTOS 2009 www.cm-estarreja.pt N O R M A S DE ACESSO E CONSULTA DE DOCUMENTOS N O R M A S DE ACESSO E CONSULTA DE DOCUMENTOS Divisão Administrativa e Jurídica S E C T O R D E A R Q U I V O SUMÁRIO 1. Princípios Normativos

Leia mais

Feira do Empreendedor

Feira do Empreendedor Feira do Empreendedor 2018 O Sebrae O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

Porquê estudar Psicologia?

Porquê estudar Psicologia? INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir o objeto de estudo da Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Entender a Psicologia Organizacional

Leia mais

RESULTADO DA AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

RESULTADO DA AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS RESULTADO DA AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Palestra: ÁGUA E GESTÃO: REFLETINDO SOBRE O NOVO CENÁRIO Palestrantes: Gladys Nunes; Micheline Savignon; Rodrigo Ismael Lacerda Data:

Leia mais

Cultura ética educacional

Cultura ética educacional Cultura ética educacional Prof. Dante Bonetti de Freitas OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Entender os conceitos de burocracia e desburocratização. Analisar a estratégia educacional como fator de mudança. Compreender

Leia mais

HERNÁNDEZ HERNÁNDEZ, Francisca. Los museos arqueológicos y su museografía. Gijón: Trea, 2010

HERNÁNDEZ HERNÁNDEZ, Francisca. Los museos arqueológicos y su museografía. Gijón: Trea, 2010 HERNÁNDEZ HERNÁNDEZ, Francisca. Los museos arqueológicos y su museografía. Gijón: Trea, 2010 Alejandra Saladino * Em tempos onde os desdobramentos da Arqueologia de Contrato são muitas vezes dramáticos

Leia mais

3º Curso de Gestão de Conflitos Socioambientais Introdução teórico-metodológica

3º Curso de Gestão de Conflitos Socioambientais Introdução teórico-metodológica 3º Curso de Gestão de Conflitos Socioambientais Introdução teórico-metodológica Justificativa Diversos conflitos entre atores sociais estão ocorrendo em diversas regiões do país, muitos deles com enfrentamentos

Leia mais

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Museu da Abadia São Geraldo Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Informações gerais Mantenedores Mosteiro São Geraldo Abadia São Geraldo Coordenação Dom Afonso Vieira,

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO G A B A R I T O PÓS RECURSO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO G A B A R I T O PÓS RECURSO : CONSULTORIA EM PROJETOS EDUCACIONAIS E CONCURSOS FUNÇÃO: TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR ÁREA JURÍDICA CÓD. 201 4. 02 12. 02 24. 01 5. 01 13. 01 25. 02 6. 01 14. 01 26. 05 7. 03 15. 03 27. 04 8. 04 16. 02

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

do seu consumidor, provocar uma ação e ser fixada em sua memória, pois é preciso lembrar que essa ferramenta está ali para apenas um fim: vender

do seu consumidor, provocar uma ação e ser fixada em sua memória, pois é preciso lembrar que essa ferramenta está ali para apenas um fim: vender 15 INTRODUÇÃO A teledramaturgia tem uma importância única para a televisão brasileira, pois desde seu início na década de 1950, a TV destina grandes espaços de sua programação para produtos como telenovelas,

Leia mais

DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA

DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA DO PEIXE DO RIO NO ALANDROAL À FEIRA DO QUEIJO ALENTEJANO EM SERPA O Fim-de-semana prometia uns dias de Sol, estava na altura de voltarmos a estrada, e procurar na Internet, um destino a contento da Família.

Leia mais

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica EDUCAÇÃO FÍSICA E A PRÁTICA DE ENSINO: POSSIBILIDADE DE UMA RELAÇÃO QUE SUPERE A DICOTOMIA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA SOARES JÚNIOR, Néri Emilio UEG GT-04: Didática Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Projeto Brasil misturado Duração: 01/11/12 a 30/11/12 Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Culminância: Dia 30 de novembro Característica: Projeto interdisciplinar, envolvendo

Leia mais

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização:

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização: Museu da Chapelaria São João da Madeira 20 a 23 de setembro Organização: Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva Objetivos: Relacionar

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Área Temática: Cultura Elizabeth Johansen (Coordenadora da Ação de Extensão) Elizabeth Johansen

Leia mais

NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL

NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL 02748 NAS TRILHAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÃO SOBRE AS INFÂNCIAS E O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO Maria das Graças Pereira Soares 1 Este trabalho é parte integrante dos estudos da pesquisa de

Leia mais

Instrução VIP Personalizada

Instrução VIP Personalizada Instrução VIP Personalizada Professor: Yuri Fanchini Messas Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4421411t0 E-mail: contato@yurimessas.com.br Website: www.yurimessas.com.br

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TURISMO COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL

EDUCAÇÃO PARA O TURISMO COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL EDUCAÇÃO PARA O TURISMO COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL Alana Patrícia Pires de Oliveira; Edilza Laray de Jesus, Dra; Ana Rosa Guimarães Bastos Proença Universidade do Estado do Amazonas UEA, alanapires20@gmail.com

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

VIVÊNCIA ACADÊMICA NAS AULAS DE ARTE DO COLÉGIO ESTADUAL PROF.ª LENI MARLENE JACOB

VIVÊNCIA ACADÊMICA NAS AULAS DE ARTE DO COLÉGIO ESTADUAL PROF.ª LENI MARLENE JACOB VIVÊNCIA ACADÊMICA NAS AULAS DE ARTE DO COLÉGIO ESTADUAL PROF.ª LENI MARLENE JACOB Isabel Cristina Rickli Ramos (Bolsista PIBID) isabel.cristinarr@hotmail.com Bruna Karla Zapotoczny (Bolsista PIBID) bruna_czny@hotmail.com

Leia mais