A profissão de Correspondente Internacional: entre ameaças e oportunidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A profissão de Correspondente Internacional: entre ameaças e oportunidades"

Transcrição

1 A profissão de Correspondente Internacional: entre ameaças e oportunidades Luciane Fassarella Agnez 1 Resumo: Este trabalho se propõe a rever o conceito de correspondente internacional e as formas de cobertura do jornalismo internacional. A reflexão abrange as transformações no perfil desse profissional ao longo das últimas décadas, os desafios que surgem pela introdução das tecnologias digitais nas rotinas produtivas e os limites impostos por fatores econômicos, com foco na realidade de jornalistas brasileiros que exercem essa função em grandes grupos de comunicação. As décadas de 1970 e 1980 são marcadas como o auge dessa atividade, sendo eleita por autores e profissionais como o topo da carreira de repórter; enfrentou uma acentuada redução a partir dos anos 1990; e, atualmente, de acordo com pesquisa em andamento, apresenta indício de remodelação que vão além do paradigma da ameaça ou da extinção, mas podem sinalizar novas oportunidades para o profissional jornalista que se dedica a cobrir a conjuntura internacional. Palavras-chave: Correspondente Internacional; Jornalismo Internacional; Produção da Notícia; Tecnologias Digitais; Perfil Profissional. 1. Introdução No Brasil, grande parte dos trabalhos sobre as agências de notícias estão voltados para a história específica de alguma agência, com uma evidente hegemonia da Agência Estado, com temáticas relativas ao jornalismo digital ou ao modelo de negócio. Um enfoque mais comum é a análise de conteúdo ou de discurso de como o Brasil é abordado em coberturas de veículos internacionais, ou comparando coberturas de meios nacionais com as realizadas por estrangeiros sobre determinado assunto. Bibliografia 1 Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UNB) e Professora do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB).

2 específica sobre a questão dos correspondentes internacionais é ainda mais raro, estando a maior parte do volume de trabalhos publicados tanto no Brasil, como no exterior, limitada a relatos autobiográficos, memorialistas ou coletânea de reportagens de jornalistas consagrados. Assim, o presente trabalho é uma etapa inicial para estender o debate acadêmico e teorizado sobre a atuação desse profissional, intimamente relacionada às questões de rotina profissional, de modelos de negócio das empresas jornalísticas, de introdução e adaptação a tecnologias e, por fim, de novas posturas editoriais O correspondente internacional ontem e hoje O correspondente internacional é o profissional que se estabelece em diversas partes do mundo e mantém abastecida a rede de informações formada pelas agências de notícias. Logo de início, é importante fazer uma diferenciação clara entre o correspondente internacional, que é o profissional que fica instalado (residente) em outro país, e o enviado especial, que seria uma forma temporária de correspondente enviado para determinadas regiões para cobrir eventos ou fatos pontuais. É bem verdade que este último pode ser considerado primo-irmão do correspondente internacional, como afirma Clovis Rossi (1999), e sua existência sem dúvida faz parte do cenário que atravessa a realidade da cobertura internacional, mas para fins conceituais é relevante elucidar a distinção. Ressalva feita, cabe compreender que os meios de comunicação de maior porte, especialmente impressos e TV, quando desejam uma cobertura internacional de alta qualidade, independente e autêntica, também investem nessa atividade jornalística com profissionais próprios, não dependendo exclusivamente dos conteúdos fornecidos pelas agências internacionais. A editoria internacional, por sua vez, não é considerada jornalismo especializado, porque se dedica a todas as editorias, em âmbito estrangeiro. Mas por essa abrangência toda é que o correspondente deve ser especializado em tudo, 2 O presente trabalho da autora faz parte de pesquisa mais ampla de doutoramento pelo Programa de Pósgraduação em Comunicação da Universidade de Brasília, Linha Jornalismo e Sociedade, sob a orientação da Profa. Dra. Dione Oliveira Moura

3 saber lidar com vários tipos de matérias (BRITO, 2004, p. 3). Essa generalidade é, então, umas das marcas do profissional que exerce a função de correspondente. Outra característica é o amplo repertório cultural que deve conhecer referente ao país em que cobre, incluindo noções históricas, geopolíticas e até mesmo a fluência no idioma (ou nos idiomas, dependendo da região). O revés é que, apesar de toda essa imersão na cultura e nos hábitos da localidade onde vive, não deve perder o referencial do seu próprio país e nem mesmo o olhar estrangeiro, capaz de observar os fatos numa perspectiva mais conjuntural e menos interna. Se por um lado o correspondente internacional deve conhecer a fundo a cultura do país em que reside, por outro lado, não pode se aculturar (BRITO, 2004, p. 10). O jornalista Fritz Utzeri, que foi correspondente pelo Jornal do Brasil na década de 1980 nos Estados Unidos e em Paris, destacou que, para ele, não haveria posição dentro do jornalismo melhor que a do correspondente, ressaltando que a ocupação era vista como uma promoção dentro da carreira de repórter ou até mesmo um prêmio. Citando o também jornalista Reale Jr., correspondente em Paris por mais de 30 anos, ele define a função de correspondente como um repórter da geral numa cidade que não é a dele, ou seja, alguém capaz de tratar de todos os tipos de assunto traduzindo a realidade do país onde está, fazendo o máximo possível de comparações que permitam às pessoas identificar o que está acontecendo com os referenciais que estão acostumadas a usar aqui em casa (UTZERI, 1989, p. 145). Ele também destaca a autonomia dos correspondentes, apontando estes como os jornalistas mais livres, por trabalhar fora das redações, em horários diferentes, quase sempre de casa (realidade da maioria dos jornalistas brasileiros no exterior), sem pautas fixas ou encomendadas pelo veículo para o qual trabalha. A liberdade traz consigo uma grande responsabilidade e disciplina na apuração. O corresponde seria, justamente, os olhos e ouvidos do jornal naquela outra localidade. Naquele momento, o autor destacava que os veículos brasileiros já vinham reduzindo o período de permanência dos correspondentes no exterior, criando um rodízio entre diferentes profissionais. O prazo adequado para um correspondente ficar no exterior está em torno de quatro a cinco anos. O primeiro ano é um ano de construção, não se sabe de nada. No segundo, já se começa a ficar a vontade, e o terceiro é o ano em

4 que, efetivamente, a pessoa já é conhecida, já tem um alentado caderninho de endereços. Quando chega a esse ponto a pessoa é transferida, pega o caderninho, arquiva na mala, e vai para outro lugar com uma nova folha em branco (UTZERI, 1989, p. 153). Duas décadas depois, talvez seja de se questionar se um correspondente carregue em sua mala um caderninho de contatos, ou se eles não estão arquivados em seus smartphones, tablets, HD s portáteis ou até mesmo em espaços de armazenamento virtuais. Enfatizando as mudanças nas rotinas de trabalho, outro que também descreveu o trabalho dos correspondentes no início dos anos 1980 foi o jornalista americano John Hohenberg. Para ele, maioria dos correspondentes internacionais acredita que sua primeira obrigação é contar a história do povo do país onde trabalham, e não somente os atos oficiais do governo e os comunicados de seu Ministério à imprensa (HOHENBERG, 2008, p. 37). Esse trabalho exigia longas jornadas e um razoável período para contatos e estabelecimentos de fontes, indo além da leitura de jornais ou das facilidades de comunicação dos países em que estão sediados. Dependiam de telegramas e de reações cordiais com a sua embaixada, por exemplo. Ele destaca que, para obter suas próprias fontes de informação, era necessário tempo e muito dinheiro, ressaltando os custos para transmissão das mensagens. Assim, estar fisicamente no país, era essencial para se estabelecer determinados contatos, apesar das dificuldades de comunicação com seus colegas de trabalho em seu país de origem. Em tempos de internet, para os jornalistas mais jovens, essas declarações podem perder um pouco o sentido. O profissional correspondente tem enfrentado nesse início de século os desafios de se adaptar a um novo cenário tecnológico, comercial (modelos de negócios) e até mesmo editorial, com alterações nos enfoques das regiões na conjuntura internacional. Do ponto de vista tecnológico, Silva (2011) destaca que hoje é possível fazer o trabalho jornalístico, em qualquer lugar do mundo, com um smartphone, um carregador de bateria e um cartão de crédito. Com o tempo, além de diminuir a quantidade e o peso do que se achava recomendável levar para uma missão jornalística, também mudou essencialmente a prioridade desse equipamento: do que é necessário para coletar informação para o que é preciso para transmiti-la (SILVA, 2011, p. 59). Para o autor, as tecnologias do final do século XX ajudaram bastante o trabalho do correspondente,

5 que precisou ir se adaptando e adaptando a sua rotina às novas possibilidades que surgiram. O desenvolvimento das tecnologias acompanhou toda a história dos correspondentes internacionais, das cartas que atravessavam os continentes em navios aos canais de notícias 24 horas e a internet, que permitem ao profissional hoje saber o que está acontecendo em toda parte. John Maxwell Hamilton reflete em seu livro sobre os correspondentes internacionais: A tecnologia poupa tempo na transmissão, mas o devora de outras maneiras. A exigência passou a ser por matérias ao vivo, imediatas. Diminuiu a possibilidade de tempo para pesquisar informações, procurar fontes diversas, confrontar opiniões, pensar. É óbvio que a pressa é inimiga da profundidade. O imediatismo que se exige do jornalista nessa segunda década do século XXI, inclusive do correspondente, pode ser um dos grandes problemas para o futuro de sua credibilidade (SILVA, 2011, p. 66). Para Silva (2011), a ocupação profissional de correspondente internacional, glorificada entre os séculos XIX e XX, passa por uma profunda crise de identidade nesse início de novo século, assim como toda a atividade jornalística. A questão das transformações no modelo de negócio aparece como um problema estrutural básico, impondo uma redução de custos, por um lado, multiplicando a oferta de serviços e, por conseguinte, o trabalho dos jornalistas. As novas tecnologias de comunicação, além disso, possibilitam acesso muito mais fácil e rápido aos fatos ocorridos no exterior do que nunca. A pressão para que as notícias internacionais sejam colhidas de modo virtual em nome da contenção de despesas torna-se enorme (SILVA, 2011, p. 169). Menos correspondentes atuando diretamente na cobertura internacional pode acarretar uma perda de qualidade. Além disso, exigi-se dos profissionais uma maior habilidade com as tecnologias, uma produção ainda mais ágil, com maior volume e, agora, visando diferentes canais, como os tradicionais texto, imagem, áudio e vídeo, e os mais atuais serviços de SMS (celular) ou de não-mídia 3. Além disso, com a volatilidade da web, informações de quase todo lugar do mundo circulam rapidamente por todo o globo. Mais do que isso, qualquer cidadão, munido de um celular ou um computador, torna-se um potencial produtor de 3 Ao longo do século XX, as agências internacionais desenvolveram serviços que não visam exclusivamente o setor de mídia, ou seja, a venda de conteúdos jornalísticos para meios de comunicação. Assim, os serviços de não-mídia são aqueles voltados para outros setores da economia, como os produtos setorizados, vendidos diretamente para empresas e governos.

6 informação, de qualquer lugar, a qualquer momento. O correspondente, que exercia fundamentalmente o papel de apurar e distribuir informações de diversas regiões, fomentando essa rede de comunicação, é agora apenas mais um elemento nesse amplo cenário, que impõe à atividade diversos desafios, mas, possivelmente, também diferentes oportunidades. O jornalista Timothy Ash, em artigo publicado no final de 2010 no Observatório da Imprensa, afirma que o correspondente internacional é uma espécie ameaçada. Ele aponta três características essenciais do trabalho dos correspondentes que deveriam ser preservadas: testemunhar (ver e acompanhar, de modo independente, eventos, pessoas e circunstâncias); decifrar (contextualizar e explicar os fatos); e interpretar (o que o fato representa, num quadro comparativo e histórico mais amplo). Sobre testemunhar, Ash destaca que há uma variedade muito grande de maneiras de fazer isso na atualidade, decorrente do desenvolvimento tecnológico (câmeras digitais, celular, laptops, internet móvel, etc.), entre os quais se destacam as testemunhas oculares e amadoras (não jornalistas), que relatam o que presenciaram por meio de blogs e redes sociais. Mas isso não substitui o que é exercido pelo correspondente. Quanto à sucursal estrangeira enxugada de hoje, com um único correspondente multitarefa correndo como uma lebre maluca, tentando desesperadamente cumprir os prazos diferenciados para online e impresso, o problema é que o pobre jornalista tem pouquíssimo tempo para pesquisar a fundo qualquer matéria nem dá para parar para pensar. [...] O perigo reside em fazer uma separação muito rígida entre o intérprete e a testemunha. Por mais que se tenha milhares de filmagens, blogs e transcrições online, nada se compara a estar lá (ASH, 2010). Silva (2011) afirma ser esse um momento de crise de identidade e função, ciente de que a opinião de muitos profissionais e pesquisadores aponta para a extinção do correspondente internacional, mas não é nisso em que acredita. Minha convicção é de que o correspondente é necessário agora, tanto ou mais do que foi no passado (SILVA, 2001, p. 170). Assim, fontes e mediações de credibilidade, como os jornalistas, tornamse ainda mais essenciais diante do alto volume de informações, quase sempre caóticas, que estão disponíveis na web. Para ele, nem o intelectual comentarista (capaz de análises de grande qualidade, relativas ao cenário internacional, agora disponíveis a grandes parcelas da população por meio de blogs e perfis em redes sociais), nem o

7 chamado jornalismo-cidadão (os testemunhos de cidadãos comuns que circulam em diversas plataformas de comunicação) substituem a atividade do correspondente internacional. Numa visão de futuro, Silva (2011) aposta no que Michael Schudson define como reportagens subjuntivas, como um dos gêneros a que os profissionais dessa atividade deveriam se dedicar a fim de reconquistar o prestígio perdido ou prestes a ser perdido (SILVA, 2011, p. 174). Trata-se de trabalhar com o futuro possível, com as tendências, com as análises de conjectura, mais do que com o fato ocorrido, como mero relato. Comentando a obra de Silva (2011), Antônio Brasil (2011) considera o livro saudosista, abordando um tipo específico de correspondente internacional que, na sua opinião, poderia estar diante de uma extinção. Dessa maneira, aproveita a oportunidade para discutir um ressurgimento do jornalismo internacional. O correspondente da era digital está mais próximo das novas tecnologias e de novos desafios. Está cada vez mais distante dos velhos modelos e das velhas capitais [...], mas buscando novas pautas, novos veículos de comunicação e novos públicos. O correspondente da era digital vive e sobrevive espalhado pelos "buracos" do mundo como freelancer e operando seu kitcorrespondente virtual (BRASIL, 2011). Brasil (2011) destaca outro mito saudosista do perfil dos jornalistas: o aventureiro e ousado, que não teria como único caminho os grandes veículos de prestígio. Para ele, o correspondente internacional tradicional está pagando pela crise financeira que atinge as empresas de comunicação. Além disso, critica a postura dos profissionais e veículos que encaravam a correspondência como um prêmio, mais uma questão de status do que de compromisso com o público. [...]proliferam novas formas de fazer jornalismo internacional. E não só os jornalistas freelancers ou stringers trabalham de forma solitária para pequenas empresas, muitas vezes em condições precárias. Hoje, muitos leitores se cotizam e fazem doações para enviar seus blogueiros especializados ou "novos" correspondentes para cobrir os grandes eventos internacionais (BRASIL, 2011). Na visão do autor, as diversas formas que sobressaem hoje para se cobrir as notícias do estrangeiro não são excludentes, mas sim complementares, ou alternativas aos correspondentes tradicionais. Sem dúvida, eles merecem continuar existindo e

8 garantindo seus privilégios. Que não são poucos. Mas, cada vez mais, terão que enfrentar um novo mundo com mais competição e menos privilégios (BRASIL, 2011). Por esses aspectos, Hamilton e Jenner (2004) já apontavam, no início dos anos 2000, três grandes transformações que estariam refletindo diretamente na atividade jornalística de correspondência internacional: as pressões econômicas sobre a cobertura de notícias internacionais, sobretudo por parte dos grupos tradicionais de mídia; uma interdependência global, inclusive no fluxo informacional; e as inovações tecnológicas, em especial a partir da internet. Diante disso, os autores se opõem à afirmação de que os correspondentes estrangeiros seriam uma espécie em extinção. Ao contrário, defendem que, se por um lado, o correspondente enfrenta adversidades ou está em perigo no ambiente tradicional, por outro, há evidências de que a atividade possa florescer em novos ambientes. Para eles, a metáfora, então, seria a da evolução, e não a da extinção. 3. Formas de cobertura e os desafios para a correspondência internacional na atualidade O imperativo econômico tem se mostrado preponderante na decisão das empresas de mídia sobre o modelo de cobertura de notícias do estrangeiro, com vistas, sempre, à redução de custos. Entretanto, as tendências econômicas não significam que os principais meios de comunicação vão dispensar a figura do correspondente estrangeiro. Se toda conversa sobre extinção é exagerada, o que as tendências realmente apontam é para a busca de alternativas economicamente viáveis (HAMILTON; JENNER, 2004). A partir dessas reflexões, tomando por base uma revisão de literatura e pesquisas com jornalistas e veículos de comunicação americanos, os autores sugerem uma nova tipologia de correspondentes internacionais, como estímulo para futuras pesquisas para a construção de um novo modelo de notícias estrangeiras. Essa tipologia considera o correspondente tradicional, mais bem treinado e com um custo de manutenção cada vez mais proibitivo, o qual não deve desaparecer, mas sim ser mantido pelos grandes grupos de mídias como parte de uma crescente cadeia de informações com fluxo internacional. Outro tipo é o conhecido enviado especial, uma

9 alternativa mais econômica para coberturas de qualidade sobre acontecimentos específicos. Entretanto, Hamilton e Jenner (2004) consideram outras formas de produzir notícias do estrangeiro como novos tipos de correspondência internacional. Entre elas, a contratação de um jornalista nativo para enviar informações de sua localidade. Outra possibilidade é a própria imprensa local, que é capaz de identificar num fato um potencial de interesse internacional e, assim, realizar uma cobertura já pensando na circulação pelo estrangeiro. Os autores ainda consideram a produção do noticiário realizado sem sair da redação, como, por exemplo, o uso de informações divulgadas por organizações, por meio de relatórios, ou pelas redes de televisão de outros países ou em grande parte pela internet. Por fim, eles também consideram a existência do correspondente amador, a variável mais demonizada, quando qualquer pessoa pode publicar notícias e imagens pela internet. 4. Sinais de mudanças O jornalismo internacional no Brasil não tem grande tradição, mas o contexto das últimas três décadas influenciou na cobertura das notícias do estrangeiro, quando podemos destacar: as aberturas políticas em toda a América Latina e em outras regiões do mundo; a despolarização do mundo e sua reorganização em diversos grupos econômicos regionais; e o crescimento do papel do Brasil na economia e política internacionais. Mais recentemente, contudo, que passamos a ter jornalistas brasileiros fixados em regiões tidas, antes, como periféricas. No início de 2009, a TV Globo colocou correspondentes no Japão, na África do Sul e em Portugal, motivada pela concorrência da TV Record, que já possuía profissionais nesses locais. Os jornais brasileiros de maior porte (O Globo, Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo), detentores também das principais agências nacionais (Agência Globo, Folhapress e Agência Estado), apesar de ainda concentrarem a maior parte da cobertura internacional em regiões como a América do Norte, América do Sul e Europa, nos últimos anos têm investido em profissionais em regiões como China, África e Oriente Médio.

10 Na década de 1950, o material das agências correspondia a aproximadamente 90% do noticiário internacional publicado em jornais brasileiros. Desde então, a proporção vem diminuindo, mas ainda é bem alta. Pesquisa realizada nos anos 1970 analisou o noticiário internacional de O Estado de S. Paulo e do Jornal do Brasil durante uma semana. O Estado teve 55,8% da editoria preenchida com material das chamadas grandes agências Agence France Press (AFP), United Press International (UPI), Associated Press (AP), Reuters, a italiana ANSA, a alemã DPA e a espanhola EFE. Reproduções de jornais estrangeiros, como The New York Times e Washington Star, somavam 9,4%; 4,8% de outras fontes externas e apenas 30% dos textos publicados era de seus correspondentes internacionais. No JB, 42,5% da editoria era ocupada com reportagens e entrevistas dos correspondentes, enquanto os mais de 50% restantes eram alimentados com despachos de agências (CASTRO, 2006, p. 53). Castro (2006), em meados dos anos 2000, realizou o mesmo levantamento durante uma semana em dois jornais cariocas O Globo e Jornal do Brasil e dois paulistas O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. A conclusão apontou que os noticiários de agências estrangeiras ainda ocupavam mais de 50% da editoria de internacional nesses veículos. Esse volume tem a ver com a forma como os veículos nacionais têm acesso às informações do estrangeiro, se por profissionais próprios, ou não. Até a década de 70, quase todos os correspondentes fixos que se reportavam ao Brasil eram jornalistas estrangeiros. Eles garantiam o envio do noticiário internacional, com uma perspectiva voltada às questões brasileiras, mas não com um olhar nacional (PUFF, 2005, p. 68). A década de 1970 é considerada a fase de ouro do jornalismo internacional brasileiro. Em meio à ditadura militar, quando pouco se podia noticiar sobre o que acontecia no país, as informações de outras regiões ganhavam ainda mais destaque. Além disso, foi o período em que o país mais manteve correspondentes no exterior, que tinham mais do que a missão de reportar os fatos, mas, sobretudo, de atuar como comentaristas, estabelecendo análises conjecturais. Destacam-se nesse período a figura de grandes jornalistas, como Paulo Francis, Reali Júnior, Cláudio Abramo, entre outro. Há cerca de 25 anos o Estado de S. Paulo possuía dez correspondentes permanentes. A Folha de

11 S. Paulo possuía sete, enquanto o Jornal do Brasil e O Globo andavam com equipes em número equivalente (NATALI, 2004, p. 56). Na década de 1990, entretanto, a crise financeira dos grupos de comunicação brasileiros resultou numa redução de despesas e manter profissionais expatriados deixou de ser uma prioridade. Além disso, o período corresponde ao de ascensão das tecnologias da comunicação, que, em certa medida, permitem ter acesso aqui mesmo das redações, com rapidez, às notícias de diferentes partes do mundo. Se há trinta anos, empresas mantiveram até suntuosas sucursais em capitais como Paris e Londres, hoje, o número de profissionais, atuando em pequenos escritórios, foi bastante reduzido (CASTRO, 2006, p. 62). Naquele momento, a autora afirma que a Folha de S. Paulo, por exemplo, contava com um único correspondente fixo, em Washington, e passou a adotar o modelo de bolsistas jovens repórteres ou redatores que passam um período de nove meses no exterior, em sistema de rodízio então alocados em Nova Iorque, Londres e Bueno Aires. Naquele momento, a maior equipe de correspondentes era do jornal O Globo, com seis profissionais (Buenos Aires, Nova York, Washington, Paris, Londres e Pequim) (CASTRO, 2006). A partir de dados levantados nesta pesquisa 4, verifica-se que a Folha de S. Paulo conta hoje com 9 colaboradores distribuídos entre EUA, Inglaterra, Espanha, China, Argentina, Israel e Irã. Em O Globo são atualmente 12, abrangendo Japão, França, Inglaterra, EUA, Alemanha, Argentina, Espanha, Israel, China, Suíça e México. O Estado de S. Paulo, que por muito tempo comportou a maior cobertura internacional (NATALI, 2004) conta com 6 profissionais distribuídos entre EUA, França, Suíça, Argentina e China, mas pela Agência Estado (do mesmo grupo) há mais dois profissionais, alocados nos EUA e na Inglaterra. Cabe aqui uma observação: as três principais agências de notícia brasileiras estão vinculadas a esses três jornais: Agência Estado, Agência Globo e Folhapress. O sistema de trabalho é cooperado, ou seja, o material produzido por esses 4 Levantamento realizado pela autora, entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, a partir de dados coletados no mailing list do Portal Comunique-se <www.comunique-se.com.br>, confrontados com dados coletados junto às seguintes empresas brasileiras de comunicação, por meio de contato com seus profissionais e/ou informações disponibilizadas em seus sites: Agência Estado, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, Valor Econômico, Brasil de Fato, Veja, Carta Capital, Rádio Jovem Pan, RedeTV!, TV Bandeirantes, TV Globo, TV Record e SBT. Atualizado em julho de 2012.

12 correspondentes é compartilhado por todas as empresas do grupo, entre impresso, internet, agências e rádios, quando é o caso. Os jornais impressos continuam sendo os que mais enviam jornalistas brasileiros para o exterior, acompanhados pelas empresas de televisão. Além dos três diários já citados, Valor Econômico (gestão compartilhada entre Editora Globo e Folha de S. Paulo) também possui um colaborador nos EUA e o Brasil de Fato (jornal semanal lançado em 2003) mantém correspondentes na Venezuela, Honduras e Itália. Entre as revistas semanais o quadro atual é bem mais magro. A Veja que chegou a ter cinco correspondentes internacionais, hoje só conta com um, nos EUA. Além da publicação da Editora Abril, a Carta Capital tem dois colaboradores (Itália e França). No caso das rádios brasileiras, foram poucas as experiências na adoção de correspondentes internacionais. O caso emblemático, e inicial, é a do programa Repórter Esso, que exerceu uma grande importância principalmente na cobertura da Segunda Guerra Mundial. Mas a produção ficava a cargo do departamento de marketing da patrocinadora do programa. Natali (2004) relata ainda que a primeira transmissão por correspondente realizado por uma rádio brasileira foi pela Jovem Pan, na década de 1970, com a colaboração do jornalista Reali Júnior. Hoje, a Jovem Pan continua sendo a única a trabalhar com um correspondente internacional, atualmente nos EUA. As televisões, principalmente por conta da concorrência, têm investido nos últimos cinco anos em novos territórios de cobertura, inclusive em regiões tidas, antes, como periféricas. A primeira a ter um escritório fora do país foi a TV Globo, em 1973, em Nova York. No início de 2009, a TV Globo colocou correspondentes no Japão, na África do Sul e em Portugal, motivada pela concorrência da TV Record, que já possuía profissionais nesses locais. No caso da África do Sul havia outra motivação: a Copa do Mundo de Mas, encerrado o campeonato, o correspondente já não se encontra mais no país. Atualmente, a maior emissora do país dispõe de profissionais nos EUA, Argentina, Itália, Portugal, Japão, Inglaterra e França. A principal concorrência vem da TV Record, que desde 2008 tem investido no seu jornalismo, inclusive o internacional. A emissora tem correspondentes nos EUA, Inglaterra, Japão, Israel, Portugal e África do Sul.

13 Com menos tradição no jornalismo, a TV Bandeirantes (EUA, França e Argentina), o SBT (Irlanda, França, Itália, Inglaterra e EUA) e a Rede TV! (EUA, França e Argentina) também trabalham com jornalistas fora do país. Por fim, a TV Brasil, sistema público que integra a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), mantém um correspondente fixo na Argentina, que, além da televisão, colabora para a Rádio e a Agência que integram o mesmo sistema, e em 2012 contratou um jornalista, considerado multimídia para ficar alocado em Moçambique com a responsabilidade de cobrir para diferentes mídias do sistema EBC. Em resumo, entre os jornalistas brasileiros que trabalham atualmente no exterior como correspondentes vinculados a empresas de mídia nacionais, identificados por esta pesquisa, 47% estão em jornais impressos, 42% em TV, 6% em agência, 4% em revista e 1% em rádio 5. Do ponto de vista de distribuição geográfica, está evidente que EUA, França e Inglaterra, os centros hegemônicos da economia e da política internacional, ainda concentram grande número de jornalistas atuando pelas empresas brasileiras. Mas a vizinha Argentina, que só recebeu importância sob esse aspecto de cobertura a partir de meados dos anos 2000, já aparece como a segunda nação que mais recebe profissionais. Um dos motivos aparentes é o fortalecimento do Mercosul, como bloco econômico regional. A China é outro destaque e, mesmo que em número bastante reduzido, aparecem correspondentes em outras regiões da América Latina, África e Oriente Médio. 5 Não foi encontrada pela autora nenhuma compilação ou organização que registre o total de correspondentes brasileiros no exterior. Foram contatadas entidades como a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e a Associação Brasileira das Empresas de Rádio e Televisão (ABERT). Como informado na nota número 4, o levantamento foi realizado pela autora, por meio do mailing list do Portal Comunique-se, como base de referência, confrontado com dados disponibilizados pelas empresas citadas.

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Conheça agora o que pensam os profissionais de comunicação brasileiros e compare os resultados deste estudo às suas impressões e opiniões.

INTRODUÇÃO. Conheça agora o que pensam os profissionais de comunicação brasileiros e compare os resultados deste estudo às suas impressões e opiniões. INTRODUÇÃO Interpretações, previsões, comparações, sentenças: tudo isso faz parte do cotidiano de qualquer setor. Na comunicação, não poderia ser diferente. Especialmente neste momento de mudanças constantes

Leia mais

Formação, Qualificação e Empregabilidade. Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais

Formação, Qualificação e Empregabilidade. Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais Formação, Qualificação e Empregabilidade Tema Central: Your Ticket to the Future Potencialização das Competências Secretariais Queremos que os olhares do mundo voltem para a visibilidade e valorização

Leia mais

Rompimento dos modelos de negócio e o papel das mídias sociais

Rompimento dos modelos de negócio e o papel das mídias sociais Disciplina: Administração de Produtos Editoriais Prof. Renato Delmanto (renato.delmanto@gmail.com) Aula Mercado Ediorial Texto de apoio Rompimento dos modelos de negócio e o papel das mídias sociais Nic

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Contribuições do Jornalismo de Agências para o Webjornalismo

Contribuições do Jornalismo de Agências para o Webjornalismo Contribuições do Jornalismo de Agências para o Webjornalismo Gabriella Luccianni Morais Souza Calaça 1 Resumo: Este trabalho pretende abordar as características do jornalismo de agências de notícias, bem

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo

Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Pós Graduação em Jornalismo Investigativo Público - alvo O curso foi desenvolvido para profissionais interessados em aprofundar seus conhecimentos em técnicas de reportagem e investigação jornalística,

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América

Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América Regras da terça edição de 2015 Por favor, leia com atenção as regras antes de iniciar o processo de

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1

Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1 RESUMO Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1 Isadora Nicastro Schwanke Julião 2 Emerson de Castro Firmo da Silva 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Este trabalho é um estudo de caso

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas WEBJORNALISMO Aula 03: Contextualizando o webjornalismo Prof. Breno Brito Conceitos e Nomenclaturas Jornalismo digital Jornalismo eletrônico Ciberjornalismo Jornalismo on-line Webjornalismo 2 Prof. Breno

Leia mais

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA Case vencedor do VII Prêmio ANATEC na categoria B2B Serviços BANCA ASSINATURA CUSTOMIZADA PORTFÓLIO A maior provedora de conteúdo de economia, negócios e finanças da América

Leia mais

Onde os estudantes querem viajar?*

Onde os estudantes querem viajar?* RELATÓRIO DE MÍDIA ESTATÍSTICAS Ao final de cada feira, durante o circuito de seis cidades do Salão do Estudante, a BMI entrega a todos os expositores uma avaliação, onde são colhidas informações e opniões

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO Mobilidade e Cobertura de Eventos: O Lançamento da Nona Bienal do Mercosul Produzido Por Um Tablet 1. Rafael SILVA 2 Natalia Silveira RECH 3 Paula PUHL 4 RESUMO O objetivo deste artigo é destacar o jornalismo

Leia mais

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015 Correio Lageano 02 de dezembro FALANDO EM VINHOS SITE SITE TURISMO E NEGÓCIOS PORTAL DA ILHA SITE REVISTA DESTAQUE DEZEMBRO R7 R7 ou R7.com é um portal de notícias

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Índice Atividades: Pág. 03 Resultados 2012: Pág. 04 Imprensa Mídia/Origem Meses: Pág. 06 Imprensa Segmentos de imprensa: Pág. 07 Imprensa Qualidade dos espaços

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Internet, ensino de jornalismo e comunidade

Internet, ensino de jornalismo e comunidade Internet, ensino de jornalismo e comunidade Paulo Roberto Botão Mestre em Comunicação Social pela Umesp Instituto Superior de Ciências Aplicadas (Isca Faculdades) Limeira/SP Universidade Metodista de Piracicaba

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

JORNALISMO INTERNACIONAL. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

JORNALISMO INTERNACIONAL. Ingresso Julho 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias JORNALISMO INTERNACIONAL Ingresso Julho 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Jornalismo Internacional O novo papel assumido pelo Brasil no cenário global, somado às profundas transformações

Leia mais

Prêmios Internacionais. cobertura

Prêmios Internacionais. cobertura Prêmios Internacionais cobertura Festivais Inegavelmente, o Brasil é uma potência criativa global. Essa posição de destaque tem se consolidado ainda mais nos últimos anos e a grande vitrine desse processo

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

Construindo um bom relacionamento com a mídia

Construindo um bom relacionamento com a mídia Unidade de Projetos de Termo de Referência para Construindo um bom relacionamento com a mídia Dezembro de 2009 Elaborado em: 4/12/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 10 LÍDER DO GRUPO TEMÁTICO

Leia mais

ETAPAS. 1ª Inscrições. 2ª Seleção. 3ª Palestra Inaugural.

ETAPAS. 1ª Inscrições. 2ª Seleção. 3ª Palestra Inaugural. O PROJETO O curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta atinge a maioridade e chega a sua 18º edição, cada vez mais se consolidando como uma importante porta de entrada de novos profissionais no mercado

Leia mais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais

A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A melhor maneira de ficar informado em São José dos Pinhais A sua agência de notícias em São José dos Pinhais O PautaSJP.com é um canal de Comunicação de São José dos Pinhais e Região, criado em 02 de

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3. Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM-SP

Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3. Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM-SP Agência de Jornalismo ESPM-SP: múltiplos olhares 1 (Modalidade: Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série)) Giovanna HUEB 2 Professor orientador: Renato ESSENFELDER 3 Escola Superior de Propaganda e Marketing

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

A elite dos jornalistas brasileiros: Representatividade e legitimidade dentro do grupo profissional

A elite dos jornalistas brasileiros: Representatividade e legitimidade dentro do grupo profissional A elite dos jornalistas brasileiros: Representatividade e legitimidade dentro do grupo profissional Fábio Henrique Pereira Índice 1 Montagem e veiculação da enquete........... 3 2 Uma elite fragmentada.................

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

PORTAL É REFERÊNCIA DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO RÚGBI NO BRASIL 1

PORTAL É REFERÊNCIA DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO RÚGBI NO BRASIL 1 PORTAL É REFERÊNCIA DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO RÚGBI NO BRASIL 1 Projeto iniciado por estudantes universitários é o único a realizar a cobertura diária no país e ajuda esporte a retomar seu espaço na

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Prémio ESTAÇÃO IMAGEM 2015 Viana do Castelo

Prémio ESTAÇÃO IMAGEM 2015 Viana do Castelo Prémio ESTAÇÃO IMAGEM 2015 Viana do Castelo REGULAMENTO Inscrições em www.estacao-imagem.com de 26 de Fevereiro a 5 de Abril de 2015. A Câmara Municipal de Viana do Castelo é o parceiro principal para

Leia mais

Mídia kit CanaOnline 2014 2015. revista digital do setor sucroenergético. sucroenergético.

Mídia kit CanaOnline 2014 2015. revista digital do setor sucroenergético. sucroenergético. Mídia kit Mídia CanaOnline 2014 2015 revista digital AA revista digital do setor sucroenergético sucroenergético. O jornalismo mais premiado do setor sucroenergético Clivonei Roberto e Luciana Paiva recebem

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA Ingresso Janeiro 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MEDIA TRAINING: COMO SE COMUNICAR COM A IMPRENSA Num mundo midiático e acelerado,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

Prêmios Internacionais. cobertura

Prêmios Internacionais. cobertura Prêmios Internacionais cobertura Festivais Inegavelmente, o Brasil é uma potência criativa global. Essa posição de destaque tem se consolidado ainda mais nos últimos anos e a grande vitrine desse processo

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 Igor Samuel de Oliveira PRADO 2 Juscelino Ribeiro de OLIVEIRA Júnior 3 Shaianna da Costa ARAÚJO 4 Orlando Maurício de Carvalho BERTI

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47 Sumário Introdução Pauta do livro 13 1 Empregos fixos freelance Quem mexeu no nosso queijo? 17 2 Empreendedorismo A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23 3 Terceirização

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Folhaleaks e Wikileaks: vazamentos, jornalismo e o impacto político

Folhaleaks e Wikileaks: vazamentos, jornalismo e o impacto político UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E POLÍTICA Folhaleaks e Wikileaks: vazamentos, jornalismo e o impacto

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Mídia Kit Jornal Correio

Mídia Kit Jornal Correio Mídia Kit Jornal Correio Com mais de 77 anos de tradição, o Jornal Correio faz parte da história de Uberlândia e não para de evoluir. De olho no que acontece no país e no mundo, é um jornal moderno, completo

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo WEBJORNALISMO Aula 04: Características do Webjornalismo Prof. Breno Brito Características do webjornalismo O webjornalismo apresenta algumas características específicas em relação a aspectos que quase

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini ALEXANDRA HOHENBERGER PLANEJAMENTO SITE INSTITUCIONAL

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO EDITAL As Faculdades Integradas Barros Melo vêm tornar público aos alunos regularmente matriculados nos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Sistemas de Publicação em Ciberjornalismo Rotinas produtivas

Sistemas de Publicação em Ciberjornalismo Rotinas produtivas Sistemas de Publicação em Ciberjornalismo Rotinas produtivas Luciana Mielniczuk UFRGS UFSM luciana.mielniczuk@gmail.com redação jornalística em fins de 1980 X redação jornalística hoje Uma redação jornalística

Leia mais

10º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo PROGRAMAÇÃO DE COMUNICAÇÕES COORDENADAS. Sexta-feira, 09 de novembro de 2012, 14h00 18h15

10º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo PROGRAMAÇÃO DE COMUNICAÇÕES COORDENADAS. Sexta-feira, 09 de novembro de 2012, 14h00 18h15 10º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo PROGRAMAÇÃO DE COMUNICAÇÕES COORDENADAS Sexta-feira, 09 de novembro de 2012, 14h00 18h15 Desafios teórico-metodológicos para o estudo do jornalismo:

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação 1 Informar, esclarecer e entreter o leitor, elevando seu nível de compreensão dos fatos, das tendências que sejam relevantes para a sua vida pessoal, profissional e sua compreensão do mundo. Eurípedes

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

Joice Vieira Estagiária do Jornal Correio

Joice Vieira Estagiária do Jornal Correio Considero o Programa Correio de Futuro um ponta pé inicial para minha carreira profissional, pois apesar de não ter experiência em redação de jornal, o programa foi uma porta aberta que me levou a fazer

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais