CONHECIMENTO E COMPORTAMENTO DE COMPRA EM RELAÇÃO A ALIMENTOS TRANSGÊNICOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO E COMPARATIVO COM CONSUMIDORES BRASILEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTO E COMPORTAMENTO DE COMPRA EM RELAÇÃO A ALIMENTOS TRANSGÊNICOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO E COMPARATIVO COM CONSUMIDORES BRASILEIROS"

Transcrição

1 CONHECIMENTO E COMPORTAMENTO DE COMPRA EM RELAÇÃO A ALIMENTOS TRANSGÊNICOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO E COMPARATIVO COM CONSUMIDORES BRASILEIROS ROBERTO FAVA SCARE; RODRIGO ORATI; KARINA HARTUNG. FEA-RP / USP - PENSA, RIBEIRÃO PRETO, SP, BRASIL. APRESENTAÇÃO ORAL ADMINISTRAÇÃO RURAL E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Conhecimento e Comportamento de Compra em Relação a Alimentos Transgênicos: Um Estudo Exploratório e Comparativo com Consumidores Brasileiros Grupo de Pesquisa: Administração Rural e Gestão do Agronegócio Resumo Este estudo exploratório objetivou contribuir com o entendimento sobre o impacto que a nova rotulagem e identificação de alimentos transgênicos proposta pela legislação brasileira terá no comportamento do consumidor. Visando medir o conhecimento e envolvimento com o tema e as intenções de compra dos consumidores, através de coleta de dados por questionário eletrônico via website, imagens diferentes de produtos passíveis de transgenia foram apresentadas aleatoriamente a cada um dos aproximadamente 1600 respondentes (transgênica e não transgênica). O conhecimento do brasileiro sobre biotecnologia foi medido e comparado com os resultados de um teste também aplicado nos EUA e na União Européia. Na comparação percebeu-se que o conhecimento dos brasileiros da amostra é superior ao dos cidadãos dos EUA e União Européia. Os resultados indicaram que as intenções de compra de consumidores expostos aos 1

2 alimentos transgênicos são inferiores às intenções dos consumidores expostos aos alimentos não transgênicos. Palavras-chaves: Transgênicos, Envolvimento, Conhecimento, Intenções de Compra. Abstract This exploratory study aims to contribute with the knowledge about the impact of the new GMO s labeling and special symbol identification proposed by the new Brazilian legislation will affect the behavior of the consumer. The study measure the knowledge and involvement of consumer with the GMOs topic and the buying intentions of consumers. This objective is reached through data collection by an electronic questionnaire at website. Different images of the same processed product (margarine) that could be make with transgenic inputs were randomly showed to each one of the almost 1600 respondents (transgenic and not transgenic). The Brazilians knowledge on biotechnology was measured and compared with the results of a test also applied in USA. and the European Union. The comparison results clearly shows that the knowledge of the Brazilians sample is superior to the citizens of U.S.A. and European Union. The results indicated that the intentions of buying of consumers exposed to GMOs are inferior to the intentions of the consumers exposed to not GMOs. Key-words: GMOs, Involvement, Knowledge, Buying Intentions. 1. INTRODUÇÃO Tão polêmico quanto às demais áreas da biotecnologia, a engenharia genética com foco nos organismos geneticamente modificados têm estado em grande evidência atualmente no Brasil. Debates acalorados são realizados em diferentes fóruns analisando potenciais benefícios e possíveis riscos associados ao cultivo e consumo desses produtos; discussões essas que muitas vezes também são balizadas por questões éticas e religiosas. Nos últimos anos, os avanços do agronegócio no Brasil permitiram ao país a consolidação como um grande fornecedor global de alimentos. A região do cerrado passou a ser explorada principalmente em decorrência dos avanços genéticos proporcionados pelas pesquisas da Embrapa. O país é hoje o maior exportador de produtos como soja, açúcar, carnes, frango, café e suco de laranja (ORDONEZ et al. 2004). Em março de 2005, após a aprovação da nova lei de biossegurança nacional, o cultivo e a comercialização de algumas variedades de soja foram autorizados. Dessa forma, com a liberação da produção de soja transgênica no país, estão chegando ao mercado consumidor os primeiros produtos que foram processados a partir desses grãos. A questão da legislação sobre a rotulagem foi iniciada em março de 2003, através de um decreto que definiu as normas de identificação e rotulagem dos alimentos transgênicos e foi finalizada em março de 2004, quando através de consulta pública, definiu-se pela identificação mostrada na figura abaixo. Figura 1: Símbolo obrigatório de identificação de alimentos transgênicos 2

3 Fonte: Ministério da Justiça (2003) A responsabilidade pela fiscalização e cumprimento da legislação existente sobre o assunto é de responsabilidade de diversos órgãos governamentais. Contudo, esta tarefa ainda não tem sido efetiva e com isso, a rotulagem ainda é inexistente nos alimentos brasileiros. Espera-se que, frente à pressão da sociedade, de grupos de defesa de consumidores e do meio ambiente, em breve o governo cumpra o seu papel, fiscalize e faça valer as leis sobre a rotulagem. É diante deste iminente cenário que se pretende avaliar o comportamento dos consumidores frente aos alimentos transgênicos rotulados, através de uma abordagem conceitual de seu grau de conhecimento, interesse (envolvimento) e intenções de compra. Baseado na literatura sobre atitudes, estes três fatores citados são um dos componentes da formação das atitudes e consequentemente do comportamento. 1. OBJETIVOS Este trabalho tem o objetivo principal contribuir com o entendimento sobre o impacto que a nova rotulagem de alimentos transgênicos proposta pela legislação brasileira terá no comportamento do consumidor. Assim, pode-se destacar como objetivos específicos: a) Identificar elementos que possam contribuir para a formação das intenções de compra (atitudes) dos consumidores em relação aos alimentos transgênicos; b) Verificar o grau de conhecimento e envolvimento (interesse) dos brasileiros participantes da amostra frente ao tema; c) Verificar a influência da rotulagem de transgênicos nas intenções de compra dos consumidores; 2. Revisão Bibliográfica 2.1. Alimentos transgênicos As técnicas da engenharia genética, utilizadas para a produção dos alimentos transgênicos, são oriundas da moderna biotecnologia. A Convenção para Diversidade Biológica 1 (CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY, 2005) define biotecnologia como qualquer aplicação tecnológica que faz uso de sistemas biológicos, organismos vivos, ou derivados deles, para criar ou modificar produtos para uso específico. 1 Convention on Biological Diversity (CBD). Para mais informações, consulte o website 3

4 O Protocolo de Biossegurança de Cartagena 2 (CARTAGENA PROTOCOL ON BIOSAFETY, 2000, p.4) define a biotecnologia moderna mais precisamente como a aplicação de: (a) técnicas in vitro de ácidos nucléicos, incluindo DNA recombinante e injeção direta de ácido nucléico em células ou organelas, ou (b) fusão de células de família taxonômica diferente, que resulta em reprodução psicologicamente natural ou recombinação de barreiras e que não são técnicas usadas em geração e seleção tradicionais. Sobre os organismos geneticamente modificados, a Organização Mundial da Saúde (2005) 3 declara: Os organismos geneticamente modificados podem ser definidos como organismos cujo material genético (DNA) foi alterado de modo artificial. A tecnologia geralmente é denominada biotecnologia moderna ou tecnologia genética, ou também, tecnologia de DNA recombinante, ou ainda, engenharia genética. Nesta técnica transferem-se genes selecionados individualmente de um organismo a outro, também entre espécies não relacionadas. Tais métodos são utilizados para se criar plantas geneticamente modificadas, que são então usadas para cultivar alimentos geneticamente modificados Atitudes e intenções O estudo de atitudes é de extrema relevância para se compreender melhor os aspectos pertinentes ao comportamento do consumidor. A análise de atitudes constitui um objetivo importantíssimo para entender muitos dos aspectos relacionados ao comportamento de compra do consumidor (KARSAKLIAN, 2000). Constata-se a importância de se estudar atitudes sob uma abordagem mercadológica para se compreender melhor as ações ou intenções dos consumidores em relação aos objetos que eles se relacionam. Diante da possibilidade de identificação e avaliação das atitudes, o comportamento dos indivíduos pode ser influenciado ou até modificado Conceitos e definições Fishbein e Azjen (1975) definem atitude apresentando os conceitos de afeto, cognição e conação e relacionando-os com atitude. O afeto refere-se aos sentimentos de um indivíduo a respeito de um objeto; a cognição refere-se ao conhecimento, crença, opinião ou pensamento a respeito do objeto e a conação refere-se às intenções de comportamento e suas ações a respeito do objeto. Os autores (p. 216, tradução) conceituam 4 atitude como: Um sentimento geral favorável ou não favorável para com um objeto de estímulo. Quando uma pessoa forma uma crença sobre o objeto, ela automaticamente e simultaneamente adquire uma atitude para 2 Cartagena Protocol on Biosafety (CPB). O texto completo do protocolo e outras informações podem ser encontrados no website 3 Organização Mundial da Saúde (World Health Organization). Website: 4 Os autores fazem referência ao trabalho de Thrurstone,

5 com o objeto. Toda crença liga o objeto a algum atributo, e a atitude para com o objeto é uma função de suas avaliações desses atributos. Complementando este conceito e em concordância com o conceito apresentado por Fishnein e Azjen (1975), Sheth, Mittal e Newman (2001, p. 367) afirmam que as atitudes formam-se com base em alguma experiência com um objeto ou uma informação sobre ele, [...] residem na mente e precedem e produzem o comportamento, e ainda discorrem que as atitudes são simplesmente uma avaliação geral realizada pelo consumidor Modelo de três componentes da atitude O modelo de três componentes apresenta a atitude como um elemento formado por três dimensões principais: a cognitiva, a afetiva e a conativa. O componente cognitivo refere-se ao conhecimento e percepções do indivíduo originado da experiência direta com o objeto da atitude e informações correlatas de várias fontes, formando as crenças em relação aos objetos. As emoções e sentimentos formam o componente afetivo da atitude, e são tratados como avaliativos, captando a avaliação direta e global em relação ao objeto de atitude. Já o componente conativo diz respeito à probabilidade ou tendência de um indivíduo em realizar uma ação ou comportar-se de uma maneira peculiar em relação a um objeto de atitude (SHIFFMAN e KANUK, 2000). A figura abaixo ilustra o modelo dos três componentes: Figura 5: Representação do Modelo dos Três Componentes Fonte: Elaborado pelo autor, com base em Sheth, Mittal e Newman (2001). Para se explicar o efeito de cada um dos três componentes na formação da atitude, e como se relacionam entre si, utiliza-se a hierarquia das atitudes; que segundo Sheth, Mittal e Newman, (2001, p. 370) é a seqüência em que os três componentes ocorrem. Os três principais modelos de hierarquias são os de hierarquia de aprendizado, hierarquia emocional e hierarquia de baixo envolvimento. A hierarquia de aprendizado é também conhecida como hierarquia de alto envolvimento, pois se pressupõe o alto envolvimento do indivíduo em relação ao objeto, motivando-o a buscar maior número de informações e considerar um maior número de alternativas até agir em relação ao objeto (SOLOMON, 2002). 5

6 Quando se tem uma atitude em relação a um objeto, esta será baseada em algum conhecimento ou crença em relação ao objeto. Esta crença despertará sentimentos e emoções a respeito do objeto, como uma emoção positiva ou negativa, e então, tem-se a intenção de se agir de determinada maneira em relação ao objeto (vide figura 6). (SHETH, MITTAL e NEWMAN, 2001) Figura 6: Hierarquia de aprendizado na atitude. Fonte: SHETH, MITAL E NEWMAN (2001). Para Sheth, Mittal e Newman (2001, p. 368): Crenças são expectativas quanto ao que alguma coisa é ou não é, ou quanto que determinado objeto fará ou não fará. As declarações de crença ligam um objeto (pessoa, marca, loja etc.) a um atributo ou benefício. Logo, uma crença sobre determinado objeto implicará em um pensamento sobre as características, propriedades ou qualidades do objeto. Existem três tipos de crenças, que podem ser definidas como descritivas, avaliativas e normativas. Crenças descritivas são as que ligam um objeto a uma qualidade ou estado. Crenças avaliativas ligam um objeto a percepções e preferências pessoais. Crenças normativas estão relacionadas aos julgamentos éticos e morais para com o objeto (SHETH, MITTAL e NEWMAN, 2001). O modelo da hierarquia de aprendizado é o mais discutido e utilizado, sendo que se supõe que a maior parte das atitudes seja construída nessa seqüência (SHETH, MITAL E NEWMAN, 2001; SOLOMON, 2002). A hierarquia emocional, também conhecida como hierarquia experimental ou por impulso (SOLOMON, 2002), aborda que o indivíduo irá expressar sua atitude com base em uma forte resposta afetiva e suas reações emocionais. Neste tipo de situação a pessoa primeiramente expressará sentimentos em relação ao objeto, e após isso agirá e finalmente pensará sobre seus atos (vide figura 7). Figura 7: Hierarquia emocional na atitude. Fonte: SHETH, MITAL E NEWMAN (2001) O modelo da hierarquia de baixo envolvimento é definido como a seqüência em que os três componentes ocorrem na tomada de atitude da pessoa em relação a objetos de pouco interesse em sua vida (SHETH, MITAL e NEWMAN, 2001, p. 371). Os autores ainda 6

7 discorrem que o envolvimento não está necessariamente ligado ao objeto em si, mas à sua visão e importância relativa para o indivíduo. A figura 8 apresenta o modelo de hierarquia de baixo envolvimento. Figura 8: Hierarquia de baixo envolvimento na atitude. Fonte: SHETH, MITAL E NEWMAN, (2001). Os três componentes que formam a atitude, apesar de se desenvolverem segundo uma hierarquia, apresentam uma consistência entre si. Essa consistência entre os três componentes os tornam mutuamente interdependentes e influenciados. Uma atitude poderá ser formada ou até mudada, segundo o modelo, alterando-se um dos três componentes ATITUDES E INTENÇÕES EM RELAÇÃO A ALIMENTOS TRANSGÊNICOS Após a realização de ampla pesquisa bibliográfica, o autor do presente trabalho encontrou uma quantidade relativamente baixa de trabalhos e artigos publicados que tratam especificamente sobre atitudes relacionadas a alimentos transgênicos. Este fato pode ser explicado pelo alto grau de atualidade do assunto no Brasil e no mundo. Contudo, encontraram-se vários trabalhos sobre o assunto na forma de pesquisas de opinião pública, com resultados interessantes, embora com pouca fundamentação teórica e de conceitos. Um dos pontos-chave de muitos estudos sobre atitudes de consumidores frente a alimentos transgênicos é a relação dos riscos e benefícios percebidos. Sob esta abordagem, Moon e Balasubramanian (2001) realizaram pesquisa survey sobre a opinião dos cidadãos dos EUA e do Reino Unido. O estudo examina as percepções públicas e a disposição a pagar um preço prêmio. Os autores concluíram que os consumidores do Reino Unido são significativamente mais dispostos a pagar um prêmio para evitar alimentos transgênicos do que os norte-americanos. Também estabelece que a percepção de risco exerce um impacto maior na disposição de pagar do que a percepção de benefícios. Apesar dos argumentos em defesa dos transgênicos, a resistência dos consumidores em geral ainda é alta. Por isso, na tentativa de descobrir meios que contrabalançassem estas atitudes negativas, Renton e Fortin (2002) realizaram um estudo onde testam os efeitos em consumidores de benefício adicional (maior prazo de validade) em pão e leite geneticamente modificados. Contrariamente às expectativas iniciais dos autores, o benefício não foi suficiente para neutralizar as atitudes negativas. Partindo do pressuposto de que as atitudes dos consumidores brasileiros em relação aos alimentos transgênicos são em geral negativas, Matos (2004) realizou dois experimentos visando descobrir se essas atitudes poderiam ser atenuadas diante de benefícios adicionais. Para isso manipulou os fatores modificação (presente x ausente) e benefícios adicionais do produto (nenhum, saúde, preço inferior e maior validade) no produto leite. Como resultado verificou-se que: 7

8 - a presença de modificação genética no produto gerou avaliações desfavoráveis da imagem e das intenções em relação ao mesmo; - os benefícios adicionais testados não alteraram a percepção negativa, atuando, no caso do benefício de preço inferior, no sentido contrário; - consumidores mais envolvidos com OGMs apresentam imagem e intenções comportamentais mais favoráveis; - as variáveis demográficas como sexo, idade e escolaridade influenciam nas atitudes dos consumidores. Algumas pesquisas de representatividade analisaram as atitudes, a confiança e o grau de conhecimento dos consumidores frente aos transgênicos. Neste sentido, Gaskel et al. (2003) e Hallman et al. (2004) realizaram estudos para avaliar o conhecimento, opinião e interesse respectivamente, dos europeus e norte-americanos frente a alimentos transgênicos. Gaskell et al. (2003) conduziram diversas pesquisas sobre a opinião dos europeus sobre biotecnologia (1991, 1993, 1996, 1999 e 2002). Os resultados da edição de 2002 mostram que a maioria dos europeus considera os alimentos transgênicos sem utilidade e arriscados para a sociedade. No período houve diminuição do apoio e aumento da rejeição aos alimentos e cultivos transgênicos. Contudo, no período houve pouca modificação nas atitudes como um todo dos europeus sobre alimentos e cultivos transgênicos e há uma aparente estabilidade. Sobre a intenção de compra, quando aos respondentes eram apresentados benefícios (como menos resíduos de pesticidas, menos danos ao meio-ambiente, sabor melhorado, menos gordura, mais barato), a maioria dos respondentes se mostrou contra a compra ou consumo destes alimentos. De forma interessante, preço mais baixo se mostrou o benefício com o menor incentivo à compra de alimentos transgênicos. Das 14 dimensões avaliadas na pesquisa, valores materiais, otimismo sobre biotecnologia, confiança em agentes envolvidos em biotecnologia e envolvimento com o assunto biotecnologia se revelaram consistentemente associadas com o apoio às aplicações da biotecnologia, consideradas simultaneamente no modelo. Hallman et al. (2004) sugerem que a população norte-americana em geral tem pouco conhecimento sobre os alimentos transgênicos e as leis de segurança alimentar e rotulagem, embora conheça bem as agências responsáveis por fiscalizar e controlar os alimentos. Entre os norte-americanos que conhecem um pouco sobre o assunto, percebeu-se grande incerteza e dificuldade em ter uma opinião concreta e definida sobre o assunto. Em uma parte do estudo, os autores fizeram um quiz" (teste) sobre conhecimento básico de biotecnologia similar ao aplicado por Gaskell et al. (2003). Como esperado pelos autores, os participantes que não obtiveram um número adequado de respostas corretas neste teste foram os que tiveram mais dificuldade em expressar uma opinião favorável/desfavorável aos alimentos transgênicos. Com o objetivo de avaliar a disposição dos consumidores em comprar alimentos transgênicos que não contenha qualquer benefício adicional, Hossain et al. (2002) realizaram um estudo com uso de modelo logístico envolvendo as dimensões de características sócioeconômicas e valores pessoais de cidadãos norte-americanos. Os resultados indicam que consumidores mais jovens, com conhecimento sobre biotecnologia, com grau de educação alto são geralmente mais dispostos a comprar alimentos transgênicos. Da mesma forma, indivíduos com confiança nos cientistas e no governo são mais dispostos a comprar alimentos GM. Por outro lado consumidores céticos sobre empresas de biotecnologia e com fortes crenças religiosas são menos prováveis a aceitar esses tipos de alimentos. 8

9 Através de um levantamento teórico de alguns estudos, Curtis et al. (2004) afirma que aceitação de consumidores aos alimentos transgênicos em países em desenvolvimento, com exceção aos EUA, é maior que nos países em desenvolvimento e se origina da urgente necessidade em termos de disponibilidade e conteúdo nutricional dos alimentos. Também argumenta que os níveis mais baixos de riscos percebidos pelos consumidores de países em desenvolvimento podem ser devido à confiança nos governos, às percepções positivas da ciência e a influência positiva da mídia. Sob o enfoque do consumo de alimentos orgânicos e de consumidores que lêem os rótulos dos alimentos Onyango et al. (2004) obteve conclusões interessantes. Em seu estudo foi analisada a disposição de norte-americanos a consumir três tipos de carnes: carne de animais alimentados com ração transgênica, carne de animais geneticamente modificados para produzirem menos gordura e colesterol, carne de animais geneticamente modificados para prevenir intoxicação alimentar. Os resultados do trabalho indicaram que consumidores que compram alimentos orgânicos regularmente e também lêem os rótulos dos alimentos com freqüência possuem menos probabilidade de consumir alimentos transgênicos. 3. METODOLOGIA A primeira fase compõe-se de uma pesquisa exploratória visando o entendimento do problema a partir de fontes secundárias, principalmente bases bibliográficas, pesquisas e estudos efetuados sobre o assunto além de fontes estatísticas. Já a segunda fase do estudo foi elaborada a partir de um amplo levantamento de campo utilizando a abordagem descritiva quantitativa. A segunda fase do trabalho fez uso de métodos quantitativos, com algumas características do tipo de pesquisa descritiva, por meio do método de Survey. Este estudo tem como população-alvo os consumidores brasileiros de alimentos acessam a internet (meio utilizado para a coleta dos dados do questionário). Deve-se ressaltar que a forma de coleta dos dados via internet, considerada não-aleatória, é um importante limitante do estudo. Para convidar os respondentes à pesquisa, os autores enviaram convites para seus contatos pessoais, grupos de s de alunos e professores de cursos de graduação, pósgraduação strictu sensu, pós-graduação lato sensu, e profissionais cadastrados no banco de contatos de Grupos de Estudos em Agronegócios. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1. ANÁLISE DA AMOSTRA Apesar de suas limitações, principalmente por ser uma forma de amostragem não aleatória, o instrumento de coleta eletrônica de dados via website se mostrou muito eficiente, pois permitiu o alcance de uma quantidade bem alta de respondentes amostra de 1928 respondentes, além da agilidade de não requer a necessidade de tabulação manual. Analisando o perfil sócio-demográfico dos respondentes, a maior categoria foi 21 a 30 anos representando 47,5%. Também pode se concluir que 83,7% dos participantes tinham pelo menos 21 anos. A participação do sexo masculino foi ligeiramente superior com 56,6%, enquanto o sexo feminino foi representado por 43,4%. 9

10 Em relação ao grau de educação, percebeu um elevado grau de instrução dos participantes, sendo que a categoria universitário (3º grau) completo foi a mais representativa com 41,6%. Se considerarmos os participantes que ao menos iniciaram ou já obtiveram o grau universitário (3º grau), obtém-se o valor de 94,2% do total. A renda familiar dos participantes da amostra também se mostrou relativamente elevada, com 30% dos participantes na categoria R$ 2501 a R$ Se considerarmos todos os participantes com pelo menos R$ 2501, atingisse o valor de 76,5% com renda familiar acima deste valor. Sobre a situação civil, 57,6% dos participantes são solteiros e 36,8% são casados ANÁLISE DO CONHECIMENTO E ENVOLVIMENTO COM ALIMENTOS TRANGÊNICOS E BIOTECNOLOGIA Com base na literatura, foram propostas algumas questões, em duas seções, para se avaliar o conhecimento dos brasileiros frente aos alimentos transgênicos. Como já constatado na literatura sobre atitudes e intenções apresentada anteriormente, o conhecimento e o grau de envolvimento (interesse) são importantes influenciadores do comportamento. Na primeira seção foram construídas questões para se medir o grau de percepção, interesse e conhecimento declarado (percebido). Na segunda seção, foi apresentado aos participantes um teste (quiz) com questões básicas para se medir o conhecimento real sobre alimentos transgênicos e biotecnologia. A amostra obtida mostrou que parte expressiva dos respondentes, equivalente a 93,1%, já sabiam previamente do que se tratava transgenia (modificação genética). Ao serem perguntados sobre quanto já ouviram, leram ou assistiram sobre alimentos transgênicos (geneticamente modificados), 35,8% assinalaram a categoria suficiente, seguida pela categoria nem muito, nem pouco com 24,7%. Apenas 21,1% afirmaram ter ouvido, lido ou assistido pouco ou nada sobre transgênicos. Os resultados da questão que tratou sobre a freqüência com que os participantes têm discutido sobre alimentos transgênicos é muito importante, pois pode ser usada como um instrumento de medida do envolvimento e interesse dos respondentes ao tema. Como identificado anteriormente na literatura sobre atitudes e intenções, o grau de envolvimento é um importante influenciador do comportamento. Neste quesito, as categorias com maior número de respostas foram raramente representando 37%,6%, seguida por 33,5% da categoria às vezes. Participantes que demonstraram alto envolvimento (interesse) pelo tema atingiram 17,7% (13,3% representados pela categoria frequentemente e 4,4% pela categoria sempre ) A crença de que já existem alimentos contendo ingredientes transgênicos à venda nos supermercados foi assinalada pela grande maioria (91,3%) dos respondentes. Os participantes que não sabem representaram 7,5%, enquanto que 1,2% acreditam que não existem alimentos deste tipo à venda em supermercados. A maioria dos participantes acredita que já tenham comido alimentos que contenham ingredientes transgênicos (82,6%), enquanto que 3,6% declaram que não acreditam. Os que não souberam responder representaram 13,8%. O grau de auto-conhecimento declarado (percebido) pelos participantes foi razoável, totalizando 60,7% dos participantes classificados a partir da categoria nem muito nem 10

11 pouco (27,8%), suficiente (28,3%) e muito (4,6%). Respondentes na categoria pouco e nada representaram, respectivamente, 36% e 3,3%. Os resultados da segunda seção (avaliação do conhecimento real - teste quiz) indicam que o conhecimento dos brasileiros da amostra coletada pode ser considerado de regular a bom. Das 10 questões apresentadas, em 7 delas mais de 60% dos respondentes assinalaram as respostas corretas (vide tabela 6). Tabela 29: Questões do teste (quiz) em porcentagem Questões do teste (quiz ) 16 - Tomates comuns não contém genes, enquanto tomates transgênicos (geneticamente modificados) contém Ao comer uma fruta transgênica (geneticamente modificada) os genes da pessoa também podem ser modificados. Resposta correta Resposta incorreta Não sabe ou não tem certeza 78,30% 5% 16,60% 82,90% 1,80% 15,40% 18 - Os genes da mãe determinam o sexo de um bebê. 77,70% 10,90% 11,40% 19 - Animais transgênicos (geneticamente modificados) são sempre maiores que os animais normais. 73,70% 4,20% 22,10% 20 - Não é possível transferir genes de animais para plantas. 44,80% 16% 39,30% 21 - Tomates transgênicos (geneticamente modificados) com genes de peixe provavelmente teriam sabor de peixe A clonagem de seres vivos produz cópias geneticamente idênticas Mais da metade dos genes humanos são idênticos aos genes dos macacos Pesquisadores frequentemente modificam plantas para que elas não possam se reproduzir. 61,10% 3,40% 35,50% 77,40% 8,90% 13,70% 59,40% 7,40% 33,10% 37,90% 28,10% 34,10% 25 - Organismos maiores têm mais genes. 72,40% 3,10% 24,60% Fonte: Elaborado pelo autor Na comparação internacional dos resultados deste teste (quiz) sobre biotecnologia, o Brasil se mostra numa situação melhor que os EUA e a União Européia. Esta situação pode ser evidenciada na tabela 7, a seguir. Das dez questões formuladas, o Brasil apresentou níveis de acerto superiores aos EUA e UE em 9 delas. Apesar deste resultado de destaque, os dados devem ser examinados com cautela, pois, como já antes informado, a amostra desta pesquisa realizada entre os brasileiros não possui características aleatórias e de representatividade nacional. Tabela 31: Comparativo da porcentagem de respostas corretas entre os participantes do Brasil, EUA e UE 11

12 Porcentagem de respondentes com respostas corretas 16 - Tomates comuns não contém genes, enquanto tomates transgênicos (geneticamente modificados) contém Ao comer uma fruta transgênica (geneticamente modificada) os genes da pessoa também podem ser modificados. Brasil (2004) EUA (2004) UE (2002) n=1635 n=600 n= ,3% 40,0% 36,0% 82,9% 45,0% 49,0% 18 - Os genes da mãe determinam o sexo de um bebê. 77,7% 57,0% 53,0% 19 - Animais transgênicos (geneticamente modificados) são sempre maiores que os animais normais. 73,7% 36,0% 38,0% 20 - Não é possível transferir genes de animais para plantas. 44,8% 30,0% 26,0% 21 - Tomates transgênicos (geneticamente modificados) com genes de peixe provavelmente teriam sabor de peixe A clonagem de seres vivos produz cópias geneticamente idênticas Mais da metade dos genes humanos são idênticos aos genes dos macacos Pesquisadores frequentemente modificam plantas para que elas não possam se reproduzir. 61,1% 42,0% *** 77,4% 54,0% 66,0% 59,4% 40,0% 52,0% 37,9% 44,0% *** 25 - Organismos maiores têm mais genes. 72,4% 38,0% *** * Hallman et al. (2004) ** Gaskell et al. (2003) *** Perguntas não pesquisadas Fonte: Elaborado pelo autor 4.3. RELAÇÃO ENTRE AS INTENÇÕES DE COMPRA DE ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E ALIMENTOS NÃO TRANSGÊNICOS Para avaliar se a hipótese da modificação genética (transgenia) resultaria em uma intenção de compra desfavorável, compararam-se os grupos de produto transgênico com os grupos de produto não transgênico. Através da técnica de análise de variância univariada, percebe-se que a média da variável intenção de compra é significativamente diferente entre os grupos, considerando um nível de significância de 5%. Tabela 34: Análise univariada de variância (transgênico e não transgênico) Intenção global de compra Between Groups Within Groups Total Fonte: Elaborado pelo autor Sum of Squares df Mean Square F Sig. 65, ,592 6,113, , , , Através do gráfico a seguir, pode-se inferir que a intenção de compra dos consumidores expostos aos produtos não transgênicos é maior que dos consumidores expostos aos produtos transgênicos. Portanto, a presença da transgenia resulta em uma intenção de compra desfavorável. 12

13 Gráfico 19: Média de intenção global de compra (transgênico e não transgênico) Fonte: Elaborado pelo autor 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo exploratório objetivou contribuir com o entendimento sobre o impacto que a nova rotulagem e identificação de alimentos transgênicos proposta pela legislação brasileira terá no comportamento do consumidor. Vale ressaltar novamente que o cumprimento da legislação já deveria estar sendo feito. Contudo, receando suas implicações nas intenções de compra dos consumidores, as empresas de alimentos estão postergando a rotulagem dos alimentos. Portanto, os objetivos deste trabalho se enquadram no sentido de se tentar prever a reação dos consumidores diante deste cenário. Antes de apresentar as conclusões, é necessário salientar que este estudo é exploratório e indicatório (não conclusivo) e por isso seus resultados devem ser analisados com cautela, pois representam as intenções de compra apenas da amostra coletada (não probabilística), e não de toda a população brasileira. Na verificação do grau de conhecimento dos brasileiros representados pela amostra frente ao tema, pode-se dizer que em sua maioria apresentaram um grau de conhecimento médio a alto. Quando se comparam os resultados dos brasileiros com os resultados dos EUA e União Européia, usando o mesmo teste de conhecimento, o grau de conhecimento dos brasileiros sobre biotecnologia é expressivamente superior. A superioridade brasileira provavelmente é oriunda do alto grau de educação dos brasileiros que participaram da amostra. Entre os participantes brasileiros, 94,2% ao menos iniciaram ou já obtiveram o grau universitário (3º grau), enquanto que as amostras das pesquisas dos EUA e UE eram representativas de todas as faixas da população dos países. Buscando responder à hipótese de que os alimentos transgênicos possuem uma intenção de compra desfavorável em relação aos não transgênicos, compararam-se as intenções de compra de consumidores expostos a alimentos transgênicos com os 13

14 consumidores expostos a alimentos não transgênicos. Os resultados confirmaram que a presença da transgenia causa uma intenção de compra desfavorável quando comparada aos produtos não transgênicos. Na busca de estudos sobre intenções (atitudes) frente a alimentos transgênicos no Brasil para embasamento teórico poucos estudos foram encontrados. Por isso, apesar dos resultados indicativos aqui encontrados, ainda há a necessidade de pesquisas adicionais para se avaliar realmente a influência dos produtos transgênicos nas intenções de compra dos consumidores brasileiros. Nesta tarefa, novas pesquisas sobre o tema poderiam abordar a disposição para pagar (willingness to pay), impacto da rotulagem em diferentes produtos transgênicos (industrializados, não industrializados, etc.), benefícios nutricionais proporcionados por novos alimentos transgênicos ainda em desenvolvimento, efeito de certificações independentes (terceiros) que atestem a segurança dos alimentos, entre outros. 6. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARTAGENA PROTOCOL ON BIOSAFETY. Convention on Biological Diversity, Montreal, Canadá, 29 de janeiro, CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY. Disponível na Internet: <www.biodiv.org>. Acesso em 05 de setembro de CURTIS, K. R., MCCLUSKEY, J. J., WAHL, T. I. Consumer Acceptance of Genetically Modified Food Products in the Developing World. AgBioForum, 7, p DONEGÁ, R. A. Atitudes em relação a sites de leilão on-line: um estudo exploratório com internautas brasileiros. Dissertação de Mestrado, São Paulo, FISHBEIN, M.; AJZEN, I. Belief, Attitude, Intention and Behavior: An Introduction to Theory and Research. Addison-Wesley, Reading, MA, GASKELL, G., ALLUM, N.C. e STARES, S.R. Europeans and Biotechnology in Eurobarometer Bruxelas: Comissão Européia, HALLMAN, W. K., HEBDEN, W. C., CUITE, C. L., AQUINO, H. L., e LANG, J. T. Americans and GM Food: Knowledge, Opinion and Interest in Food Policy Institute, Cook College, Rutgers - The State University of New Jersey, HOSSAIN, F., ONYANGO, B., ADELAJA, A., SCHILLING, B., HALLMAN, W. Consumer Acceptance of Food Biotechnology - Willingness to Buy Genetically Modified Food Products. Trabalho em elaboração. Food Policy Institute, The State University of New Jersey, junho de KARSAKLIAN, E. Comportamento do Consumidor. Editoras Atlas. São Paulo: MATOS, C. A. Os Fatores que Influenciam as Atitudes do Consumidor quanto aos Produtos Transgênicos: uma abordagem experimental. In: ENANPAD, Curitiba, Paraná: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Portaria número 2658, 22 de dezembro de MOON, W., BALASUBRAMANIAN, S. K. Public perceptions and willingness-to-pay a premium for non-gm foods in the US and UK. AgBioForum, v. 4, N. 3/4, artigo, p , ONYANGO, B., GOVINDASAMY, R., NAYGA R. M., Measuring U.S. Consumer Preferences for Genetically Modified Foods Using Choice Modeling Experiments: The Role of Price, Product Benefits and Technology. American Agricultural Economics Association Annual Meeting, Denver, Colorado, EUA, agosto,

15 ONYANGO, B., NAYGA R. M., SCHILLING, B. Role of Product Benefits and Potential Risks in Consumer Acceptance of Genetically Modified Foods. AgBioForum, 7(4), p , ORDONEZ, H., NEVES, M.F., SCARE, R.F., PALAU, H., SENESI, S. O Mercosul como o principal fornecedor de alimentos para o mundo: Potencialidades, Ameaças e Oportunidades. SOBER - XLII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, Cuiabá, 2004 RENTON, M., FORTIN, D. R. Taming Frankenstein: An Experimental Investigation Into the Effects of Additional Product Benefits on Consumer Acceptance of GM Products. In: Academy of Marketing Science, Florida, EUA: SHETH, J.N.; MITTAL, B.; NEWMAN, B.E. Comportamento do Cliente: Indo Além do comportamento do Consumidor. Editora Atlas. São Paulo: SOLOMON, M. R. O Comportamento do Consumidor: Comprando, Possuindo e Sendo. 5ª. Ed. Bookman: WORLD HEALTH ORGANIZATION. Disponível na Internet: <www.who.int/en>. Acesso em 05 de setembro de

16 APÊNDICE I - QUESTIONÁRIO Parte 1 - Intenções de compra Olhe atentamente a este produto: Exibição aleatória da imagem da margarina para cada respondente (Doriana comum, Doriana transgênica, Vigor comum, Vigor transgênica) 5 - De acordo com o que foi apresentado, o produto é: 1 - transgênico (geneticamente modificado) 2 - não transgênico (não geneticamente modificado) 6 - De acordo com o que foi apresentado, a marca do produto é: 1 - marca Doriana 2 - marca Vigor 7 - Considero o produto acima uma das opções de minha compra. 1 - discordo totalmente 2 - discordo 3 - não discordo nem concordo 4 - concordo 5 - concordo totalmente 8 - Compraria o produto acima. 1 - discordo totalmente 2 - discordo 3 - não discordo nem concordo 4 - concordo 5 - concordo totalmente 9 - Recomendaria o produto acima a minha família e amigos. 1 - discordo totalmente 2 - discordo 3 - não discordo nem concordo 4 - concordo 5 - concordo totalmente Parte 2 Conhecimento e interesse sobre transgênicos e biotecnologia O restante da pesquisa tratará sobre modificação genética ou transgenia, que pode ser usada para a produção de alimentos. Modificação genética ou transgenia envolve métodos que possibilitam aos cientistas criar novas variedades de plantas e animais. Eles fazem isso retirando genes de uma planta ou animal e inserindo-os em células de outra planta ou animal. Esse processo também costuma ser chamado de engenharia genética ou biotecnologia Antes desta pesquisa, você já sabia do que se tratava transgenia (modificação genética)? 1 - sim 2 - não 11 - Quanto você ouviu, leu ou assistiu sobre alimentos transgênicos (geneticamente modificados)? 1 - nada 2 - pouco 3 - nem muito nem pouco 4 - suficiente 5 - muito 12 - Com que freqüência você tem discutido sobre alimentos transgênicos (geneticamente modificados) com alguém? 1 - nunca 2 - raramente 3 - às vezes 4 - frequentemente 5 - sempre 13 - Você acredita que já existam alimentos contendo ingredientes transgênicos (geneticamente modificados) à venda nos supermercados? 14 - Você acredita que já tenha comido alimentos contendo ingredientes transgênicos (geneticamente modificados)? 15 - Quanto você acredita saber sobre alimentos transgênicos (geneticamente modificados)? 1 - nada 2 - pouco 3 - nem muito nem pouco 4 - suficiente 5 - muito 16 - Tomates comuns não contêm genes, enquanto tomates transgênicos (geneticamente modificados) contém Ao comer uma fruta transgênica (geneticamente modificada) os genes da pessoa também podem ser modificados Os genes da mãe determinam o sexo de um bebê. 16

17 19 - Animais transgênicos (geneticamente modificados) são sempre maiores que os animais normais Não é possível transferir genes de animais para plantas Tomates transgênicos (geneticamente modificados) com genes de peixe provavelmente teriam sabor de peixe A clonagem de seres vivos produz cópias geneticamente idênticas Mais da metade dos genes humanos são idênticos aos genes dos macacos Pesquisadores frequentemente modificam plantas para que elas não possam se reproduzir Organismos maiores têm mais genes. Parte 3 - Informação socioeconômica 32 - Idade menos de a a a a 50 mais de Sexo masculino feminino 34 - Educação ensino fundamental (1º grau) incompleto ensino fundamental (1º grau) completo ensino médio (2º grau) incompleto ensino médio (2º grau) completo universitário (3º grau) incompleto universitário (3º grau) completo mestrado ou doutorado) 35 - Renda familiar até R$ 350 R$ 350 a R$ R$ a R$ R$ a R$ R$ a R$ mais de R$ Quantas pessoas contribuem para essa renda familiar? ou mais 37 - Quantas pessoas são sustentadas com essa renda familiar? ou mais 38 - Estado civil solteiro(a) casado(a) divorciado(a) outro 39 - Religião católica protestante budista islâmicaoutra 40 - Cidade de residência 41 - Estado de residência 17

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante.

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. 32 Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. Os OGMs liberados no meio ambiente são regulados pelas agências

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA Como fazer pesquisa de mercado? Por quê fazer pesquisa de mercado? Qual é o meu negócio? Qual a finalidade do meu produto/serviço? Por quê fazer pesquisa de mercado? Eu sei o que estou vendendo, mas...

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor O consumo de carne no Brasil vem apresentando crescimento em todos os segmentos: bovino, suíno e de frango. Dentre eles, o consumo de carne bovina

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Kayatt e Fukuma Advogados e Consultores Jurídicos Legislação de Biossegurança a) Lei 8974/95- chamada de Lei de Biossegurança foi aprovada

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

6 Métodos e técnicas da pesquisa

6 Métodos e técnicas da pesquisa 6 Métodos e técnicas da pesquisa 93 6 Métodos e técnicas da pesquisa 6.1. Introdução Nos primeiros capítulos deste trabalho foram apresentadas as principais evoluções ocorridas tanto no ambiente da Internet

Leia mais

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO Trabalho apresentado no 4º Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado, Opinião e Mídia em 2010. SÃO PAULO MARÇO DE 2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados

5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados 5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados Ao longo da história o boca a boca sempre se mostrou como um meio eficaz de promoção de produtos e serviços, como advento da Internet esse poder

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA

PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA Viviane Leão da Silva Onishi Suely da Penha Sanches PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG 1 PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG MARKET RESEARCH: CONSUMER PRODUCT PROFILE OF DAIRY PRODUCTS (YOGURT, BUTTER AND

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO BATISTA, Giovani de Paula PUCPR giovanip_batista@hotmail.com GUENO, Renata UFPR renata_gueno@hotmail.com PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE TRANSGÊNICOS JULHO 2001 OPP 081 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar junto a população da área em estudo opiniões sobre os transgênicos. - Brasil.

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime -

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Tipo Exportação Elaborado para: Preparado por: FLUXO DE ANÁLISE Página Introdução... Perfil da Amostra... Análise dos dados >> Freqüência de consumo... Análise dos

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL Simpósio sobre biossegurança de Organismos Geneticamente Modificados Dra. Luciana Di Ciero Diretora Científica da ANBIO e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

Leia mais

Sobre o portal. Tráfego. Possibilidades de cooperação

Sobre o portal. Tráfego. Possibilidades de cooperação Sobre o portal Tráfego O Estheticon oferece informações abrangentes sobre medicina estética. Ele foi desenvolvido como um portal educacional, permitindo que os pacientes encontrem detalhes de médicos e

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO Visando subsidiar a formulação de políticas e estratégias de ação que promovam, a médio e longo prazos, a redução das desigualdades

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Brasil além da bola - Copa 2014

Brasil além da bola - Copa 2014 Expectativas e percepção dos brasileiros sobre a Copa 2014 no Brasil. Legado, imagem e patrocínios. 10 de Junho de 2014 Avaliações são realizadas cotizando-se promessas, e as expectativas que geram, com

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE TÍTULO DO PROGRAMA A História do Alimento SINOPSE O documentário defende as pesquisas científicas e a engenharia genética envolvendo alimentos. Faz um retrospecto da produção agrícola para mostrar que

Leia mais