1 MÊS EM 10 IMAGENS. Agosto Índice. 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas. Expansion. Contraction

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 MÊS EM 10 IMAGENS. Agosto 2015. Índice. 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas. Expansion. Contraction"

Transcrição

1 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1 Todo mês, a SYZ Wealth Management publica em 1 mês em 1 imagens um panorama da atividade econômica do mundo. Uma imagem, muitas vezes, vale mais que um longo discurso. A cada mês, escolhemos 1 imagens que mostram os dados chave que marcaram a atualidade financeira e econômica do mês, acompanhado de um breve comentário quanto ao respectivo significado. Este documento é baseado em informações coletadas até a segunda-feira anterior à publicação. Publicação da equipe Recherche & Analyse SYZ Wealth Management Tel. +1 () Índice 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas. Estados Unidos Crescimento baseado totalmente no consumo doméstico. Zona do euro Sempre buscando um crescimento de quase % em 1. Brasil Mais uma (última) elevação das taxas. China Divergência entre a bolsa de valores e a economia. Commodities A desaceleração na China continua 7. Commodities Petróleo: o desequilíbrio entre a oferta e a demanda persiste. Taxas europeias Apesar dos recentes problemas, as taxas e o spread de crédito continuam baixos 9. Taxa de juros Em busca de curvas de rendimentos planas 1. Câmbio O dólar já inclui uma alta nas taxas 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas Se o Fundo Monetário Internacional recentemente rebaixou suas estimativas de crescimento para 1, a dinâmica de crescimento mundial permanece relativamente sólida, com crescimento esperado em linha com os últimos três anos (+,% contra +,%). A divisão geográfica deste crescimento é feita, no entanto, entre as economias emergentes e as economias desenvolvidas: a aceleração registrada nos últimos três anos compensou a queda dos primeiros, que alcançaram este ano, com exceção de 9, o ritmo mais fraco de expansão desde 1. Nos Estados Unidos, depois do alívio do primeiro trimestre, o consumo das famílias colocou a economia no caminho do crescimento. Na zona do euro, a retomada cíclica observada desde o início do ano se manteve, favorecida pelas condições financeiras favoráveis e o fim do período de austeridade orçamentária generalizado. Quanto à economia japonesa, a mesma permanece sujeita a uma política monetária muito estimulante e deve retomar, em 1, com um crescimento positivo. Ao contrário, a desaceleração na China, as recessões na Rússia e no Brasil e, de forma mais geral, o impacto da baixa dos preços de commodities sobre os países produtores diminuíram a contribuição das economias emergentes ao crescimento mundial. O dinamismo, neste momento, está vinculado às economias desenvolvidas. Índice ISM/PMI de atividade industrial Expansion Contraction US EMU BRIC avg JPN Source: SYZ Asset Management 1

2 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1. Estados Unidos Crescimento baseado totalmente no consumo doméstico Se a retomada de crescimento esperada ocorreu nos últimos meses, o ritmo de expansão da economia norteamericana luta para atingir uma aceleração significativa e chegar aos % prometidos no início do ano. Os fracos investimentos corporativos desde o fim de 1, devidos, em parte ao impacto da queda dos preços de petróleo sobre o setor de energia, explicam esta dificuldade para superar o ritmo de crescimento de,% que é característico desde 1. A força do dólar e suas consequências para as empresas exportadoras constituem, sem dúvida, outro fator. Em contrapartida, o consumo das famílias acelerou durante o último ano, em um ambiente de desemprego e preços de energia baixos, de condições de crédito facilitadas e alta nos preços imobiliários. No segundo trimestre, este é praticamente o único fator que contribui para o aumento de,% (anualizado) do PIB. De fato, enquanto a indústria e os setores exportadores passam por um momento difícil, a demanda doméstica final deixa enfim o longo período de convalescência e agora impulsiona o crescimento. Bastam dados macroeconômicos positivos no aspecto de crescimento salarial seriam suficientes para que o Fed deixe de lado as últimas dúvidas sobre a possibilidade de retomada das taxas. Índice SYZ de atividade doméstica EUA e PIB (variação anual) SYZ US PRIVATE DOMESTIC ACTIVITY INDEX US GDP YoY%(R.H.SCALE) - -. Zona do euro Segue o objetivo de atingir um crescimento de % em 1 Na espera das primeiras estimativas de PIB do segundo trimestre da zona do euro, as diferentes pesquisas de atividade e confiança publicadas nas últimas semanas foram encorajadoras. A retomada cíclica do crescimento na Europa, observada desde o início do ano, não parece ter perdido força na primavera e no início do verão. Com efeito, após a alta registrada no primeiro trimestre, os índices PMI de atividade na indústria e nos serviços se estabilizaram nos últimos meses em um nível que demonstra crescimento aproximado de % para a zona do euro. O índice de sentimento econômico, também, se manteve relativamente estável na primavera após a retomada do primeiro trimestre e a alta do mês de julho permitiu atingir o nível mais alto em quatro anos, coerente com um ritmo de crescimento anual de aproximadamente %. Índice do sentimento econômico e PIB (variação anual) As divergências em termos de ritmo de crescimento e dinâmica persistem, mas são sensivelmente menos importantes que em outros anos. As principais economias dos países periféricos (Espanha, Itália, Irlanda) são as que registram retomadas mais pronunciadas, beneficiando-se do conjunto entre austeridade orçamentária e condições financeiras particularmente favoráveis (baixa do euro, preço do petróleo e taxas de juros, facilidade nas condições de crédito...). Se a Alemanha ainda demonstra crescimento sólido, a França não participa tanto da retomada, apesar dos recentes sinais de melhora. No entanto, todas as economias da união monetária (exceto a Grécia) vêm se expandindo com um crescimento médio, para a zona do euro em conjunto, de aproximadamente % para 1. Este será um dos melhores resultados nos últimos 1 anos ECONOMIC SENTIMENT INDEX EURO AREA - GDP YoY %(R.H.SCALE) - -

3 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1. Brasil Mais uma (última) elevação das taxas O banco central brasileiro mais uma vez aumentou a taxa de juros em + bps para 1,%, o nível mais alto desde. De fato, a situação econômica permanece delicada com uma inflação galopante (acima de +%), uma economia contraída, um banco central que continua a apertar a política monetária e um governo que tenta acabar com o relaxament fiscal e orçamentário. Taxa do banco central brasileiro e inflação A demanda doméstica sofreu, assim, com as medidas restritivas. Além disso, outros elementos surgem para assombrar o cenário: a moeda fraca acentua as pressões inflacionárias, o risco de baixa na classificação de crédito da dívida brasileira como high yield (resultado negativo publicado pela S&P em julho) e o preço do petróleo que permanece baixo demais para oferecer uma alividada SELIC target rate(r.h.scale) BR BROAD NATIONAL CPI OR IPCA (%YOY) NADJ. China Divergência entre a bolsa de valores e a economia Nas últimas semanas, as preocupações dos investidores com relação à China aumentaram com a queda dos índices da bolsa chinesa e os indicadores econômicos pessimistas já há algum tempo. Além disso, o novo elemento que assombra o cenário é o questionamento quanto a eficácia das medidas adotadas pelas autoridades para evitar uma desaceleração tão pronunciada na economia. Com efeito, os índices da bolsa doméstica chinesa demonstram uma forte correção depois de muitos meses de euforia. Os índices de Shanghai e Shenzhen caíram 1% e % desde o início de junho, embora continuem com forte alta desde o início do ano (respectivamente + 1% e +9%). E mais, a segunda economia mundial está sujeita a desaceleração do crescimento como mostram os diferentes indicadores econômicos. Ainda assim, a forte divergência que surgiu há um ano entre a desaceleração do crescimento e a explosão nas bolsas começa, em dois meses, a diminuir... Índice de ações de Shanghai e produção industrial SHANGHAI INDEX CH - INDUSTRIAL PRODUCTION YoY % (MAV M, RH) 1 1 Jan- Jan-9 Jan-1 Jan-11 Jan-1 Jan-1 Jan-1 Jan-1 Source: Datastream 1 1

4 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1. Commodities A desaceleração na China continua Os preços de commodities continuam a cair em um cenário de oferta excedente e fortalecimento do dólar, com aumento na expectativa de alta nas taxas do FED. Em julho, os preços de energia caíram 17%, enquanto os preços de metais (preciosos e industriais) diminuíram mais de %. A clássica correlação negativa entre dólar e commodities tem um papel importante no declínio dos preços, mas o aumento da capacidade de produção nos últimos anos combinado a uma forte queda na demanda chinesa também são responsáveis pela tendência de baixa. A China tem sido o maior consumidor do mundo de commodities industriais e petróleo, e a diminuição do crescimento econômico do país tem efeitos sobre a demanda mundial e, portanto, sobre os preços. Os preços do petróleo sofreram baixa de % em julho, os preços de cobre e minério de ferro (dois recursos naturais chave para a economia chinesa) não escaparam e também sofreram uma perda de 1%. PIB chinês e índice diversificado de commodities A recente queda nas bolsas de Shanghai e Shenzhen e aumentaram a inquietude com relação à economia chinesa. O crash pode ter impactos sobre o consumo, aumentar o risco de crise financeira e acentuar a desaceleração do crescimento do país, o que continua a impactar os preços das commodities DJUBS Commodity TR(R.H.SCALE) China GDP Growth YoY % 7. Commodities Petróleo: o desequilíbrio entre a oferta e a demanda persiste Apesar da recuperação na primavera, os preços de WTI mais uma vez chegaram a menos de $ por barril, uma queda de -1% no mês de julho (a maior queda desde outubro de ). A desaceleração da economia chinesa e o fortalecimento do dólar explicam este colapso, mas o desequilíbrio persistente entre oferta e demanda também derrubam o preço do petróleo. O excesso de oferta é difícil de ser absorvido em um cenário onde uma alta na demanda é limitada. Os níveis de produção excedentes nos Estados Unidos e nos países membros da OPEP influenciam a precificaçao. Nos Estados Unidos, a evolução das reservas de petróleo cru ilustra bem este desequilíbrio. Entre 9 e 1, os estoques americanos de petróleo evoluíram entre e milhões de barris, sendo que o valor máximo foi alcançado somente em 1 e 1. Em 1, as reservas de petróleo ultrapassaram a produção de milhões de barris em março. Apesar da baixa após o pico alcançado na primavera, o nível dos estoques permanece muito acima da média para o período. Com a OPEP reafirmando que não pretende reduzir sua produção de petróleo e o Irã voltando a ser o maior exportador com o fim das sanções comerciais, um retorno do equilíbrio entre demanda e oferta parece ser a ordem do dia. Evolução anual das reservas de petróleo cru nos Estados Unidos mio barrels Weeks Source: Bloomberg/ SYZ AM

5 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1. Taxas europeias Apesar dos recentes problemas, as taxas e o spread de crédito continuam baixos Os movimentos recentes nas taxas governamentais europeias foram significativos (até +9bp na taxa de 1 anos na Alemanha e +1bp na taxa de 1 anos na Itália), a alta foi acompanhada por abertura nos spreads entre países do centro da zona do euro e países periféricos. No entanto, considerando uma perspectiva histórica mais longa, a amplitude destes movimentos é limitada. Seguindo um período de não discriminação entre países, a crise financeira de reintroduziu uma diferenciação em função da qualidade dos credores (1). A diferença entre bons e maus alunos é amplificada com o início da crise das dívidas na primavera de 1 (), culminando no fim de 11 (), diante das primeiras medidas de Mario Draghi, chefe do BCE. Depois de alguns meses de pressão, as declarações com relação à irreversibilidade da zona do euro () deram início a um longo movimento de reconvergência das taxas europeias, mantido pela melhoria gradual do crescimento e as medidas de apoio ao crédito, anunciadas pelo BCE em 1 (). Por fim, pouco depois do anúncio feito pelo BCE quanto ao programa para compra de títulos no início de 1 (), esta tendência de baixa nas taxas de juros e compressão do spread foi interrompida pelo medo de deflação e os riscos elevados com relação à Grécia. O acordo entre a Grécia e seus credores assinado em julho (7), no entanto, pôs um fim a este movimento das taxas, que ainda assim se mantem em níveis historicamente baixos. Taxas governamentais de 1 anos na Alemanha, Itália, e zona do euro (média das taxas dos países membros) EMU 1y rate GER 1y rate ITA 1y rate Source: SYZ AM, IMF 9. Taxa de juros Em busca de curvas de rendimentos planas Em 1, a combinação entre a baixa nas taxas dos bancos centrais depois da crise financeira e os primeiros sinais de recuperação do crescimento levaram a um forte aumento na curva das taxas de rendimento (a diferença entre as taxas de longo e curto prazo) dos dois lados do Atlântico. Esta diferença permanece importante, flutuando de acordo com a evolução das taxas de longo prazo. Desde o ano passado, no entanto, a curva tende a reduzir, nos Estados Unidos e na Europa, mas por causas diferentes: nos Estados Unidos, a perspectiva do início da normalização da política do Fed alimentou a retomada das taxas de curto prazo, enquanto as taxas de longo prazo permanecem contidas pela ausência de pressão inflacionária. Se o Fed aumentar as taxas de curto prazo até o fim do ano, esta tendência de diminuir a curva deve se manter, com o rigor da política monetária pesando sobre as perspectivas de crescimento e de inflação e limitando a retomada das taxas de longo prazo. Na Europa, ocorreu o contrário, com a curva diminuindo com relação a taxas de longo prazo, com o temor da deflação e o programa de aquisição de títulos do BCE levando as taxas de longo prazo a baixas recorde. Com um BCE ainda manipulador e a ameaça de deflação, o recente episódio de aumento gerado pela retomada das taxas de longo prazo aparentemente não deve se prolongar e a curva do EUR deve mesmo voltar a baixar. Queda nas curvas de taxas governamentais dos EUA e Alemanha (taxa de 1 anos taxa de anos) US GER Source: SYZ AM, Bloomberg

6 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1 1. Câmbio O dólar já inclui uma alta nas taxas do Fed Depois de dois anos de relativa estabilidade, o dólar americano, desde meados de 1, vem registrando clara apreciação, atingindo o patamar mais alto desde. No último ano, a moeda aumentou mais de % comparada a outras divisas importantes (EUR, JPY, GBP, CAD, SEK e CHF). Esta apreciação reflete a divergência entre os Estados Unidos e o resto do mundo desenvolvido, não só em termos de crescimento econômico, mas também (sobretudo), em termos de política monetária: enquanto quase todos os principais bancos centrais continuam a facilitar a política, em 1, o Fed encerrou seu programa de compra de títulos e preparou os investidores ao aumento da taxa, congelada em % desde o final de. Se a bolha no crescimento americano no início do ano, por um lado, gerou dúvidas quanto à capacidade do Fed de aumentar a Taxa Fed em 1 e provocou uma (modesta) queda no dólar, a retomada do crescimento dos EUA reestabeleceu a perspectiva de uma alta na taxa de 1 até hoje... e o dólar, assim, retomou o caminho da alta. O mercado de câmbio parece estar integrado (ao menos em parte) ao movimento do Fed e o potencial de novas apreciações do dólar parece, a curto prazo, relativamente limitado. Índice do dólar (DXY) e a taxa de juros do Federal Reserve US DOLLAR INDEX US FED FUND TARGET RATE(R.H.SCALE) 7 1

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Index. 1. A inflação no centro das decisões do BCE, do BoJ e do Fed? Novembro 2015

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Index. 1. A inflação no centro das decisões do BCE, do BoJ e do Fed? Novembro 2015 1 MÊS EM 10 IMAGENS Todo mês, a SYZ Wealth Management publica em 1 mês em 10 imagens um panorama da atividade econômica do mundo. Uma imagem, muitas vezes, vale mais que um longo discurso. A cada mês,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Índice. Junho de 2016. Wanda Mottu. Adrien Pichoud. Maurice Harari. 1. Estados Unidos - Crescente apreensão com a atividade

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Índice. Junho de 2016. Wanda Mottu. Adrien Pichoud. Maurice Harari. 1. Estados Unidos - Crescente apreensão com a atividade 1 MÊS EM 1 IMAGENS Junho de 1 Adrien Pichoud Wanda Mottu Maurice Harari Economist Analyst Analyst Índice 1. Estados Unidos - Crescente apreensão com a atividade... 1. Taxas norte-americanas - Uma curva

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

O Cenário do Fed para 2015

O Cenário do Fed para 2015 JANEIRO 015 POLÍTICA ECONÔMICA GLOBAL Sumário Este artigo tem como objetivo relatar e discutir as principais variáveis macroeconômicas a serem consideradas pelo Federal Reserve em suas decisões para 015.

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015 24/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Mais uma semana bastante volátil de mercado, com as tensões se elevando conforme os indicadores econômicos chineses demonstram um crescimento aquém do projetado

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central;

Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; 19-mai-2014 Taxas de juros domésticas recuam com dados fracos de atividade doméstica; Dólar recua na semana com fluxo e operações de swap do Banco Central; Ibovespa subiu 1,7% na semana, e acumula alta

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Clique para editar o estilo do subtítulo mestre PMI Emergentes vs. PMI Desenvolvidos Global JP Morgan: PMI composto, manufatura e serviços sa ESTADOS UNIDOS EUA: PMI composto, manufatura e serviços sa

Leia mais

Economia internacional

Economia internacional Economia internacional A atividade econômica global segue aquecida em, em ritmo um pouco inferior ao elevado patamar alcançado em. Esse desempenho reflete a intensidade do crescimento nos Estados Unidos

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Novembro/2014 Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Temor de baixa inflação global nos parece exagerado, mas tende a manter liquidez global elevada até meados do próximo ano.

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Abril/2015. Panorama Geral. O mês que passou

Abril/2015. Panorama Geral. O mês que passou Panorama Geral O mês que passou Abril/2015 O mês anterior teve como destaque na China, o anúncio, por parte do banco central chinês, do corte de um ponto porcentual no depósito compulsório das instituições

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 6 Edição: outubro/2014 nº 50 Informações referentes a setembro/2014 Cenários Cenário Internacional A economia norte-americana continua indicando crescimento sustentável. No entanto, nos últimos meses,

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

A economia internacional dá sinais de desaceleração. Mesmo que ainda incipientes...

A economia internacional dá sinais de desaceleração. Mesmo que ainda incipientes... A economia internacional dá sinais de desaceleração. Mesmo que ainda incipientes... Rodnei Fagundes Dias* Ivan Tiago Machado Oliveira** Conforme apontam os dados para as grandes economias do planeta, após

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica?

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? 1 26 de Janeiro de 2015 2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? A actual conjectura económica torna inevitável a seguinte questão: 2015, será um ano de mais medidas de austeridade ou

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: GDP Mais Fraco no Primeiro Trimestre...Pág.3 Europa: Curva

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 9 de março de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Dados positivos nos Estados Unidos aproximam aumento de juros; DXY tem forte alta na semana;

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 17 de novembro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana Economia internacional: Bancos Centrais dominam atenção dos mercados. BCE sinaliza política monetária expansionista;

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 1 TÓPICOS Economia Americana: GDP...Pág.3 Economia Global: Europa...Pág.4 Economia Brasileira: A Inflação, o Setor Elétrico e a Gasolina...Pág.5 Mercados:Bolsas,RendaFixaeMoedas...Págs.6,7,8

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

Brasília, 24 de março de 2015.

Brasília, 24 de março de 2015. Brasília, 24 de março de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Página 1 de 16 Exmo. Sr. Presidente da Comissão

Leia mais