Olá, colegas do Ponto! Vamos conversar hoje sobre as alíquotas do ICMS. É um assunto bastante simples, mas que pode gerar muita confusão.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Olá, colegas do Ponto! Vamos conversar hoje sobre as alíquotas do ICMS. É um assunto bastante simples, mas que pode gerar muita confusão."

Transcrição

1 Olá, colegas do Ponto! Vamos conversar hoje sobre as alíquotas do ICMS. É um assunto bastante simples, mas que pode gerar muita confusão. Inicialmente, é importante conhecermos sua classificação: Alíquotas internas: utilizadas nas operações internas, isto é, naquelas operações em que o vendedor e o adquirente da mercadoria encontram-se situados no mesmo Estado. Alíquotas externas: são divididas em alíquotas interestaduais (aplicáveis a operações em que o vendedor e o adquirente situam-se em Estados diferentes) e alíquotas de exportação (aplicáveis às exportações). Conforme dispõe a CF/88, as alíquotas internas são fixadas por lei estadual, observados os limites constitucionais. Já as alíquotas externas são determinadas por resolução do Senado Federal, atualmente as Resoluções 22/89 e 95/ Alíquotas interestaduais Nas operações interestaduais, as alíquotas serão de 7% ou 12%, de acordo com o Estado de origem (onde se localiza o vendedor) e o Estado de destino (onde se situa o comprador). Vejamos a seguir um quadro explicativo: I Regra geral Qualquer região 12% Sudeste (exceto ES) Sul II Regra dos desiguais Sudeste (exceto ES) Sul 7% Norte Nordeste Centro-Oeste Espírito Santo (ES) III Regra dos iguais Norte Nordeste Centro-Oeste Espírito Santo (ES) 12% Norte Nordeste Centro-Oeste Espírito Santo (ES)

2 Se você está pensando que isso vai dar trabalho para memorizar, não se preocupe. Basta entender o porquê dessas distinções e ficará tudo muito fácil. As alíquotas interestaduais foram estabelecidas com o objetivo de privilegiar as regiões com menor desenvolvimento econômico. Vejamos como isso funciona analisando o percurso do ICMS em uma operação interestadual. Vamos imaginar o exemplo de uma venda de calçados, em que o vendedor reside no RS e o comprador em MG. Conforme nossa tabela acima, temos a aplicação da primeira regra, onde a alíquota incidente é de 12%. O vendedor pagará a seu Estado (RS) 12% do valor da venda, enquanto o comprador se creditará de 12% perante seu Estado (MG). O Estado que arrecada o ICMS ( que sai ganhando ) é, em geral, o de origem (RS). O Estado de destino (MG) terá de arcar com os créditos a que tem direito o comprador, isto é, quando esse comprador for dar saída a essas mercadorias no futuro, poderá deduzir esses créditos do valor devido a MG. Imagine agora a mesma operação, mas com o comprador localizado em MT. Teremos a aplicação da segunda regra da nossa tabela, com a alíquota de 7%. Nesse caso, o Estado de origem (RS) terá uma desvantagem, pois receberá apenas 7% do valor da operação. Já MT será beneficiado, porque contra ele o comprador terá um crédito de apenas 7%. Como se vê, a regra dos desiguais (como passamos a chamar) concede um privilégio ao Estado de destino, em detrimento do Estado de origem. Lembra daquela história de tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais? Pois é, os Estados localizados no Norte, Nordeste, Centro-Oeste e o Estado do Espírito Santo, por possuírem um menor desenvolvimento econômico, terão alíquota reduzida quando forem destinatários de mercadoria oriunda dos Estados do Sul e Sudeste (aqui excluído o Espírito Santo). Mas o que ocorre se tanto o Estado de origem quanto Estado de destino for um desses Estados do N, NE, CO ou ES? Bom, aí não podemos tratar desigualmente Estados que estão em situação de igualdade, certo? A alíquota nesse caso será a da regra dos iguais, que será igual à da regra geral, isto é, 12%. Lembrar isso na hora da prova é muito simples. Primeiro, vamos dividir os Estados brasileiros em dois blocos: I Bloco A: Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Espírito Santo II Bloco B: Sul e Sudeste, exceto Espírito Santo 2

3 Depois, basta verificarmos a regra aplicável de acordo com a situação: Toda e qualquer venda destinada ao Bloco B terá aplicação de 12% (regra geral); Se a mercadoria parte do Bloco B para o Bloco A, a alíquota é de 7% (regra dos desiguais); Se a venda ocorre entre contribuintes do Bloco A, a alíquota é de 12% (regra dos iguais). Simples, não é? Conhecendo essas regrinhas básicas não há mais como fazer confusão nessa matéria. Só lembramos, por fim, que a alíquota interestadual na prestação de serviço de transporte aéreo de passageiros, de carga e de mala postal segue regra diversa. Aqui será sempre aplicável a alíquota de 4%, seja qual for a origem e o destino da prestação. 2. Alíquotas internas Como já vimos antes, as alíquotas internas são estabelecidas por lei estadual. Isso significa que cada Estado é livre para fixar as suas próprias alíquotas internas, dentro dos limites previstos na CF. Em São Paulo, até 2008, a alíquota vigente para as mercadorias em geral era de 17%, embora na prática ficasse em 18%, pois todo fim de ano era editada uma lei definindo o aumento temporário de 1% para o exercício seguinte. Com a Lei /08, a alíquota foi definitivamente fixada em 18%. A CF faculta ao Senado Federal estabelecer as alíquotas mínimas e máximas para as operações internas. Contudo, essa competência não foi ainda exercida, inexistindo até o momento resolução tratando da matéria. Atenção Devemos lembrar a importância dada pelas bancas de concurso aos modais deve e pode na atribuição das competências constitucionais. A CF prevê que o Senado estabelecerá as alíquotas aplicáveis às operações e prestações, interestaduais e de exportação, mas que lhe é facultado estabelecer alíquotas mínimas nas operações internas e fixar alíquotas máximas nas mesmas operações para resolver conflito específico que envolva interesse de Estados. Assim, o Senado deve fixar as alíquotas externas (e realmente o fez) por resolução. Por outro lado, ele pode fixar alíquotas internas máximas e mínimas (o que ainda não ocorreu). Atente-se a isso, pois essa distinção já foi objeto de prova! 3

4 A primeira limitação da CF à determinação das alíquotas internas é a de que elas não poderão ser inferiores às alíquotas interestaduais, salvo acordo entre Estados mediante convênio. Logo, os Estados não podem, por conta própria (isto é, por lei estadual), fixar uma alíquota interna abaixo de 12%. Podem fazê-lo, porém, se houver convênio para isso. Esse é o caso, por exemplo, dos preservativos e do ovo integral pasteurizado, que são tributados à alíquota de 7%. Atenção Muito cuidado com alguns manuais do ICMS Paulista que, em edições de 2009, informam serem também tributadas à alíquota de 7% as seguintes mercadorias: arroz, farinha de mandioca, feijão, charque, pão francês ou de sal e sal de cozinha, lingüiça, mortadela, salsicha, sardinha enlatada e vinagre. Na verdade, desde 30/01/2007, com a edição do Decreto , esses itens passaram a ser abrangidos pelo art. 3º (cesta básica) do Anexo II do RICMS/SP, que manda reduzir a base de cálculo do imposto, de forma que a carga tributária resulte no percentual de 7%. Mas o que isso quer dizer? A redução da base de cálculo do ICMS é uma forma alternativa encontrada pelos Estados para reduzir a tributação sem precisar modificar a alíquota. Por exemplo, uma base de cálculo de R$ 1.000,00, tributada à alíquota de 7%, resultará em um ICMS de R$ 70,00. Mas como chegaríamos a esse valor de R$ 70,00 com uma alíquota de 12%? Simples. Basta reduzir a BC de 41,67%. Assim, a nova BC será de R$ 583,33 (1.000,00 416, 67), que tributada a 12% resultará em R$ 70,00. Para a alíquota de 18%, a redução deve ser de 61,11%. Embora o resultado final pareça o mesmo, há diferenças práticas. O mais importante efeito dessa redução é a proporcional redução dos créditos do contribuinte. Como a jurisprudência tem visto a redução da BC como uma isenção parcial, o fisco obriga o contribuinte que tem suas saídas reduzidas de 61,11%, por exemplo, a reduzir os créditos de suas entradas na mesma proporção. Já quando a alíquota é de 7%, sem redução de BC, isso não ocorre. Nesse caso, o contribuinte mantém seu direito de creditamento integral. Aliás, você percebeu que as mercadorias listadas acima, tributadas à alíquota de 7% ou com redução de BC, são justamente aquelas que consideramos bens de primeira necessidade? Pois é, aqui temos outro critério estabelecido na CF para a fixação das alíquotas internas, que é o da seletividade em função da essencialidade. Isso quer dizer que o ICMS poderá ser graduado de modo a gravar com alíquotas menores as mercadorias essenciais para o ser humano e com alíquotas mais elevadas as mais supérfluas. Assim, em São Paulo, temos diversas mercadorias tributadas à alíquota de 25%, como os perfumes e cosméticos, armas e munições, fogos de artifício, jogos de vídeo-game, bolas e tacos de bilhar, cigarros e bebidas alcoólicas. Observem que aqui a essencialidade leva em conta um fator extrafiscal, isto é, indutor de condutas desejáveis pelo Estado quanto à saúde e segurança da população. Ou será que podemos dizer que um cigarro não é essencial a um fumante ou que os cosméticos não são essenciais para a maioria das mulheres? 4

5 Atenção É importante lembrar que a seletividade em função da essencialidade é obrigatória no IPI e facultativa no ICMS. Embora a esse respeito haja certa controvérsia doutrinária, para fins de concurso temos que aceitar essa distinção. Vale a pena conhecer também a diferença entre seletividade e essencialidade, que tem gerado muita confusão. Seletividade é técnica de tributação que faz incidir alíquotas diferentes em função de algum critério estabelecido explícita ou implicitamente pela CF. Esse critério pode ser, por exemplo, o regional, onerando em menor grau as regiões com menor desenvolvimento econômico. É o que ocorre com as alíquotas interestaduais. Pode levar em conta também a localização e uso do bem, como se dá com o IPTU. Ou pode ser o da essencialidade, que é o que prevalece para o ICMS. Essencialidade como critério da seletividade é aquele que distingue as mercadorias e serviços em função de sua serventia às necessidades humanas básicas. As alíquotas serão maiores quanto mais supérfluas forem as mercadorias, gravando-se em menor grau os bens de primeira necessidade. Agora, qual será a alíquota no caso de operação interestadual com bens que, em razão da essencialidade, têm alíquotas diferenciadas? Por exemplo, uma venda de bebidas alcoólicas entre RJ e BA. Veja que o princípio da seletividade em função da essencialidade apenas se aplica nas operações internas. Nas operações interestaduais, a alíquota será sempre de 7% ou 12%, de acordo com as regrinhas que vimos no tópico Alíquotas na importação e exportação Como vimos, a CF prevê que resolução do Senado deve fixar as alíquotas externas, isto é, as alíquotas interestaduais e de exportação. A exportação, porém, merece uma explicação adicional. Esse dispositivo constitucional foi criado na redação original da CF, que autorizava a incidência do ICMS sobre a exportação de produtos semi-elaborados definidos em lei complementar e bens não-industrializados. Para esses casos, a Resolução 22/89 do Senado definiu a alíquota de 13%. Mas com o advento da EC 42/03, a exportação de toda e qualquer mercadoria passou a ser imune ao ICMS. Com isso, perdeu sentido falar em alíquota de exportação. Esses dispositivos, portanto, restaram tacitamente revogados. 5

6 No caso de importação, será sempre aplicável a alíquota interna do Estado em que se situar o destinatário da mercadoria. Atenção O ICMS-Importação é sempre devido ao Estado destinatário físico da mercadoria, ou, nos termos da LC 87/96, o do estabelecimento onde ocorrer a entrada física. Assim, se a mercadoria for desembaraçada no Porto de Santos (SP) e for fisicamente destinada a estabelecimento localizado no DF, este último Estado é que arrecadará o imposto, calculado com sua alíquota interna. Se não fosse dessa forma, teríamos uma óbvia desigualdade, pois os Estados que não possuem portos nunca receberiam o ICMS-Importação. Lembre ainda que a incidência do ICMS na importação independe de o adquirente ser ou não contribuinte habitual do imposto. Se, por exemplo, um concursando importar para seu uso próprio uma cadeira ergonômica linha top, com assento estofado, braço regulável e encosto reclinável em 5 posições, ainda assim pagará ICMS por isso. 4. Alíquotas nas operações interestaduais com consumidor final Nos casos de venda ou prestação de serviços a consumidor final localizado em outro Estado, a CF prevê algumas regras específicas. Se o destinatário não for contribuinte do ICMS, aplica-se a alíquota interna do Estado de origem. Dessa forma, se uma papelaria de SP vende canetas a um escritório de advocacia situado no ES (ou seja, não-contribuinte), deverá utilizar a alíquota de 18% (e não de 7%), pois o adquirente não é contribuinte do ICMS. Já se o destinatário for contribuinte do ICMS, e adquirir as mercadorias para consumo próprio, aplica-se a alíquota interestadual, mas o Estado de destino terá direito ao diferencial de alíquota. Diferencial de alíquota corresponde à diferença entre a alíquota interna do Estado de destino e a alíquota interestadual aplicável à operação. Por exemplo, se uma empresa do RJ vende um conjunto de tacos e bolas de bilhar a um fabricante de garrafas situado em SP, que pretende instalar na fábrica uma mesa de bilhar para seus funcionários, recolherá o ICMS à alíquota de 12%. O contribuinte de SP, por sua vez, terá de pagar a seu Estado o diferencial de alíquota, que no caso será de 13% (25% - 12%). 6

7 Como se vê, o cálculo do diferencial deve levar em conta a alíquota interna prevista para a mercadoria no Estado de destino. Mas aí você pode ter pensado: seria possível então que a alíquota interna fosse igual ou menor do que a alíquota interestadual? Sim. Há diversas mercadorias tributadas à alíquota de 12% no Estado de São Paulo, como é o caso dos computadores. Se uma empresa estabelecida em SP comprar computadores para sua área comercial de uma loja situada em PE não terá de pagar o diferencial de alíquota, pois a diferença entre a alíquota interna aplicável a computadores (12%) e a alíquota interestadual dessa operação (12%) é zero. O mesmo ocorre nos casos em que a alíquota interna fixada para a mercadoria for de 7%. 5. Questões de prova resolvidas Analise as seguintes questões da recente prova para Auditor Fiscal da Receita Estadual do Espírito Santo AFRE-ES/ (AFRE-ES/2009) As alíquotas do ICMS interestadual são estabelecidas pelo estado que recebe as mercadorias, para poder cobrar a diferença entre essa e a alíquota interna. Viagem total! Como já vimos, as alíquotas interestaduais são estabelecidas por resolução do Senado Federal, e não pelos Estados. Afirmativa incorreta. 2. (AFRE-ES/2009) A alíquota interestadual de ICMS, via de regra, é menor que a alíquota interna de determinados estados. Essa questão não é tão simples quanto pode parecer. Na verdade, de acordo com a CF, é vedado aos Estados, via de regra, fixarem suas alíquotas internas abaixo das alíquotas interestaduais. Mas veja que falamos em via de regra porque essa regra comporta exceção, que é a possibilidade de os Estados o fazerem por meio de convênio. Mas vamos analisar essa regra mais a fundo. Se a CF diz que não pode ser abaixo, isso significa que pode ser no mesmo patamar. Logo, não é vedado aos Estados fixarem suas alíquotas em 12%, que corresponde à maior alíquota interestadual existente. Dessa forma, a afirmativa da questão não seria correta, pois a alíquota interestadual de ICMS não precisa ser menor que a alíquota interna. A CF autoriza que elas sejam iguais. Esse foi o raciocínio do examinador ao elaborar essa questão, que considerou a assertiva incorreta. Mas, infelizmente, ele não foi muito preciso nessa questão. A nosso ver, é correto sim dizer que a alíquota interestadual, via de regra, É menor que a alíquota interna, pois é o que geralmente ocorre. As alíquotas internas são, em geral, quase sempre, via de regra, fixadas em 17%, 18% e 19% pelos Estados. Assim, embora possam fazê-lo, apenas excepcionalmente os Estados estabelecem alíquotas internas de 12%. O examinador teria sido mais feliz se 7

8 tivesse dito que a alíquota interestadual de ICMS, via de regra, DEVE SER menor que a alíquota interna de determinados estados. Aí sim poderíamos dizer, com certeza, que a assertiva está errada. Vamos ver agora algumas questões extraídas da prova para Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo de (AFR-SP/2006 adaptada) Julgue o item abaixo. Zeus, experiente AFR, notou a seguinte situação no estabelecimento de Plácido e Silva, industrial de utensílios domésticos, estabelecido em São Paulo, capital: Nas vendas para contribuintes de Belo Horizonte/MG e Feira de Santana/BA, destacava o ICMS com alíquota de 7%. Nessas condições, o AFR corretamente impugnou o procedimento. Questão bastante simples. Exige apenas que conheçamos as regras das alíquotas interestaduais. Uma venda de SP para a BA cai na regra dos desiguais, que prevê uma alíquota de 7%. Até aqui tudo certo. Já a operação que envolve SP e MG está sujeita à regra geral, exigindo a aplicação da alíquota de 12%. Esse foi o procedimento impugnado pelo AFR, o que torna correta a assertiva. 4. (AFR-SP/2006) Analise as seguintes afirmações sobre a alíquota do ICMS: I. Os Estados e o Distrito Federal estão impedidos de fixar alíquotas internas inferiores às previstas para as operações interestaduais. II. As alíquotas aplicáveis às operações e prestações interestaduais são estabelecidas por Resolução do Senado Federal. III. Em todas as operações interestaduais devem ser utilizadas alíquotas interestaduais. IV. A alíquota incidente na operação de importação é a alíquota interna. V. Nas operações interestaduais entre contribuintes da região Nordeste a alíquota é de 12%. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I e II. (B) II e III. (C) II, III e IV. (D) II, IV e V. (E) III e V. Vocês notaram a semelhança entre essa questão, elaborada pela FCC em 2006, e as questões elaboradas pelo CESPE na prova para AFRE-ES/2009, analisadas mais acima? Aí verificamos a importância desse tema. Vamos analisar as assertivas, uma a uma. I. Realmente, a CF veda aos Estados e ao DF fixarem suas alíquotas internas em patamares inferiores aos da alíquota interestadual. Porém, não podemos esquecer da exceção. Eles podem ultrapassar esse limite mínimo se acordado mediante convênio. Assertiva errada. 8

9 II. Afirmação correta. Cabe ao Senado Federal, por resolução, estabelecer as alíquotas interestaduais. Vale o lembrete de que, em relação às alíquotas internas, o Senado pode apenas fixar os limites mínimo e máximo. III. Aqui devemos lembrar das operações interestaduais com destino a consumidor final. Se o adquirente for não-contribuinte do ICMS, o vendedor deverá recolher o imposto aplicando a alíquota interna. Logo, nem todas as operações interestaduais farão uso das alíquotas interestaduais, o que deixa a assertiva incorreta. IV. Conforme já vimos, nas importações incide a alíquota interna do Estado ao qual a mercadoria se destina fisicamente. Afirmação correta. V. Essa questão pegou muita gente, porque se acostumou a acreditar que toda venda com destino ao Norte, Nordeste, Centro-Oeste ou Espírito Santo pede a alíquota de 7%. Mas nós não cometeremos esse erro, certo? Como já estudamos, se o vendedor também for de uma dessas regiões, a alíquota será de 12%, pela regra dos iguais. Assim, é correta a alternativa D. 5. (AFR-SP/2006) Analise o artigo 2o, VI, da Lei no 6.374/89, que diz o seguinte: Art. 2o Ocorre o fato gerador do imposto:.... VI na entrada em estabelecimento de contribuinte de mercadoria oriunda de outro Estado ou do Distrito Federal destinada a consumo ou ao ativo permanente. Tal dispositivo está ligado ao 5o do mesmo artigo com a seguinte dicção: 5o Nas hipóteses dos incisos VI e XIV, a obrigação do contribuinte consistirá, afinal, em pagar o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual. Sabemos que essa hipótese de fato gerador foi incluída na Lei Estadual para viabilizar a cobrança do diferencial de alíquota nas operações interestaduais das aquisições de mercadorias, para uso ou consumo, por estabelecimentos contribuintes do imposto, conforme a seguinte disposição da Constituição Federal: Art o... VII em relação às operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final localizado em outro Estado, adotar-se-á: a) a alíquota interestadual, quando o destinatário for contribuinte do imposto; b)...; VIII na hipótese da alínea a do inciso anterior, caberá ao Estado da localização do destinatário o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual. Tendo em vista as disposições acima e considerando que todos os estabelecimentos abaixo são inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de São Paulo e, ainda, que a 9

10 alíquota interna é maior do que a interestadual, NÃO vão pagar a diferença de alíquota na aquisição interestadual de um bem do ativo permanente, os seguintes estabelecimentos: (A) armazém geral, estabelecimento comercial atacadista e empresa de serviço de transporte intramunicipal. (B) estabelecimento industrial, empresa de leasing e órgão da administração pública que não pratica com habitualidade operação ou prestação sujeita ao imposto. (C) órgão da administração pública que não pratica com habitualidade operação ou prestação sujeita ao imposto, produtor rural que comercializa sementes selecionadas e empresa fornecedora de refeições a presos de cadeia pública. (D) empresa prestadora de serviço de transporte intramunicipal, armazém geral e empresa de leasing. (E) empresa prestadora de serviço de transporte interestadual, instituição financeira e armazém geral. Aqui o examinador quis confundir o candidato, e poucos realmente conseguiram entender o xis da questão. Na alternativa D, verificamos que nenhuma das pessoas ali listadas pratica atividade abrangida pelo ICMS, muito embora sejam obrigadas a se inscreverem no Cadastro de Contribuintes pela legislação estadual. O serviço de transporte intramunicipal não é tributado pelo ICMS, que só alcança o transporte intermunicipal e interestadual. Armazém geral não pratica atividade mercantil, pois é prestador de serviço, tributado pelo ISS. A atividade de leasing (arrendamento mercantil) também não é tributável pelo ICMS, por expressa disposição da Lei Kandir (art. 3º, VIII, da LC 87/96), salvo no caso de opção de compra do bem arrendado. Isso porque o arrendamento mercantil não é operação mercantil. Na verdade, ele possui natureza jurídica mista, de financiamento e locação, apenas caracterizando operação de venda se ao final do contrato o arrendatário optar pela aquisição do bem. Somente nesse caso, em que há efetiva transferência da propriedade do bem ao arrendatário, haverá a incidência do ICMS. Daí a ressalva da Lei Kandir, que autoriza a tributação nesse específico caso. Pois bem. Se essas pessoas não praticam atividade sujeita à incidência do ICMS, elas não são contribuintes. E, como já vimos antes, nas operações interestaduais com não-contribuintes o diferencial de alíquota não é devido. É o remetente da mercadoria que deverá aplicar sobre a operação a alíquota interna de seu Estado. Atenção! É muito comum pensarmos que toda pessoa inscrita no Cadastro de Contribuintes do Estado é contribuinte do imposto. Mas não. Contribuinte do ICMS é aquele que pratica atividade sujeita à incidência desse tributo. As legislações estaduais costumam exigir a 10

11 inscrição de alguns não-contribuintes, seja para facilitar a fiscalização ou ainda porque elas podem, em alguns casos, revestir a condição de responsável tributário. Portanto, não confunda contribuinte com pessoa inscrita no cadastro estadual. Se, de um lado, há pessoas inscritas no cadastro do Estado que não revestem a condição de contribuintes, de outro, há contribuintes que não estão inscritos no cadastro estadual, seja por desconhecimento da necessidade de inscrição ou pela intenção mesmo de se evadir da tributação. Bom, se você prestar bastante atenção, perceberá que as demais alternativas trazem ao menos uma pessoa que pratica atividade tributável. Logo, são contribuintes do ICMS e ficam sujeitas ao diferencial de alíquota, o que deixa como correta a alternativa D. A respeito do leasing é interessante mencionar que, em recente decisão, no REsp RS, a Primeira Turma do STJ firmou o posicionamento, já apresentado pelo STF em seus últimos julgados sobre a matéria, de que o ICMS não incide sobre a entrada de aeronaves importadas, sob o regime de leasing operacional, contratado sem opção de compra. A questão aqui é a seguinte. A CF determina que o ICMS incide sobre a entrada de bem ou mercadoria importados do exterior, qualquer que seja sua finalidade. E com base nisso os Estados queriam tributar, inclusive, a entrada de bens no País decorrente de contrato de leasing sem opção de compra, isto é, de bens que após um determinado período retornariam a seu país de origem, em outras palavras, operação que não implica sequer transferência de propriedade (circulação de mercadoria). Essa decisão do STJ é importante porque aponta para a consolidação na jurisprudência da necessidade de verificar-se se a entrada do bem oriundo do exterior implica a ocorrência de circulação de mercadorias (isto é, transferência de propriedade) para que possa incidir o ICMS. Com isso, atenua-se a idéia assentada no passado pela jurisprudência de que a incidência desse imposto na importação ocorreria sempre, independentemente da natureza jurídica da operação. Instruções: Para responder às questões abaixo considere as seguintes informações: A Indústria A. P. da Silva, localizada em Campinas/SP, adquire por R$ 1 milhão, da Fábrica de Máquinas C. Lopes, localizada em Poços de Caldas/MG, uma prensa e a instala no setor produtivo de seu parque industrial, em operação sujeita ao ICMS. Em relação ao ICMS incidente nessa operação interestadual, considere que ambas as alíquotas internas do imposto dos Estados envolvidos sejam de 18%, que não haja isenção alguma nessa operação, nem no Estado remetente, nem no Estado destinatário. 6. (AFR-SP/2006) A fábrica de máquinas C. Lopes deve pagar ao fisco mineiro (A) R$ ,00 (B) R$ ,00 (C) R$ ,00 (D) R$ ,00 (E) R$ ,00 11

12 7. (AFR-SP/2006) A Indústria A.P. da Silva deve pagar ao fisco paulista (A) R$ ,00 (B) R$ ,00 (C) R$ ,00 (D) R$ ,00 (E) R$ ,00 Depois de tudo que estudamos, não há como errar essas duas questões, não é? Como temos uma operação interestadual entre contribuintes, o vendedor deverá calcular o ICMS devido ao fisco mineiro à alíquota interestadual, que no caso é de 12%, por aplicação da regra geral. Já o adquirente, que destinará o bem para consumo final, deve pagar ao fisco paulista o diferencial de alíquota, que corresponde a 6% (18% - 12%). Aplicando essas alíquotas ao valor de R$ 1 milhão, concluímos facilmente que as alternativas corretas são, respectivamente, C e A. Um forte abraço e bons estudos! Ivan Ozai 12

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alíquota frete operação intermunicipal com não contribuinte do ICMS - SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alíquota frete operação intermunicipal com não contribuinte do ICMS - SP Alíquota frete operação intermunicipal com não contribuinte do ICMS - SP 28/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4.

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme Tabela de Códigos Fiscais.

Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme Tabela de Códigos Fiscais. 2 - PRENCHIMENTO DE NOTA FISCAL MERCANTIL. 2.1 CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações) Composto por quatro dígitos, deverá, obrigatoriamente, ser informado no preenchimento da Nota Fiscal conforme

Leia mais

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL

ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL ICMS Emenda Constitucional 87/2015 Diferencial de Alíquotas/DIFAL Em 16/04/2015 foi publicada a Emenda Constitucional (EC) nº 87/2015, com o objetivo de equiparar as operações de vendas interestaduais

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011.

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA 2.1

Leia mais

Palestrante Clélio Chiesa Mestre e Doutor pela PUC/SP. Professor de graduação e pós-graduação em Direito Tributário. Consultor e Advogado.

Palestrante Clélio Chiesa Mestre e Doutor pela PUC/SP. Professor de graduação e pós-graduação em Direito Tributário. Consultor e Advogado. Tema: Estorno dos créditos de ICMS e alíquota de 4% nas operações interestaduais. Inconstitucionalidades. Posição do STF, STJ e Conselhos de Contribuintes. Palestrante Clélio Chiesa Mestre e Doutor pela

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4 SUMÁRIO Conteúdo CONCEITO DE ICMS...1Erro! Indicador não definido. PRINCIPIOS QUE REGEM O ICMS... 2 BASE DE CALCULO DO ICMS... 2 ICMS Tabelas de Alíquotas nas Operações Interestaduais... 3 ICMS-ST... 4

Leia mais

Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral. Apresentação: Helen Mattenhauer

Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral. Apresentação: Helen Mattenhauer Pergunte à CPA Aspectos Gerais do Armazém Geral Apresentação: Helen Mattenhauer 08/10/2013 DEPOSITO FECHADO x ARMAZÉM GERAL Armazém Geral: é a empresa que realiza o armazenamento de bens e mercadorias

Leia mais

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF Tema 1: Quentinho do forno!!! MP 670/2015 PLV 7/2015 Nova tabela do IRPF Isenção de PIS/PASEP e de COFINS sobre óleo diesel Dedução para professores de gastos com livros para si e seus dependentes. Princípio

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

ITCD. Imposto de transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens e direitos.

ITCD. Imposto de transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens e direitos. ITCD Imposto de transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens e direitos. Histórico: regulado juntamente com o atual ITBI antiga competência estadual. ITCD Previsão legal: Art. 155, I e 1º, CF; Art.

Leia mais

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria Sobre o que é este Ebook! Se Você esta lendo este Ebook é porque tem interesse sobre Pricing. No Brasil mais

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 27 de Abril, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Emissão de Documentos Fiscais em Santa Catarina Matéria elaborada com base na Legislação vigente

Leia mais

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA

A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Meus Caros, A EMENDA CONSTITUCIONAL 87 E PARTILHA DO ICMS ENTRE OS ESTADOS O QUE VAI MUDAR PARA SUA EMPRESA Fizemos esse manual no formato - perguntas e respostas- com o objeto de ajudá-lo na emissão de

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI 1 Interessado: 6ª DRRE/ARIQUEMES. EMENTA: Diferencial de alíquota. Bens do ativo fixo. Produtor rural. Leasing. Incidência do ICMS na opção de compra. 1. DO RELATÓRIO: A 6ª DRRE, com suporte no disposto

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ANÁLISE DA RECEITA PÚBLICA GERÊNCIA DE RECUPERAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA DECRETO nº 2334/2010 de 18 de janeiro de 2010, Procedimentos

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte.

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte. de Segmentos CFOP 17/03/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Lei Complementar nº 87/1996... 4 3.2. RICMS

Leia mais

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos. ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Devolução de Mercadorias - Roteiro de Procedimentos Nas relações de comércio é muito comum, por motivos como mercadoria em desacordo com o pedido, qualidade insatisfatória, não observância de

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

ICMS do Rio de Janeiro Questões (v. 1) Prezados Alunos

ICMS do Rio de Janeiro Questões (v. 1) Prezados Alunos Prezados Alunos Na proximidade de mais um processo seletivo para o cargo de Auditor Fiscal da Receita Estadual do Estado do Rio de Janeiro nada mais necessário do que promover uma atualização das questões

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO! hiltonds@ig.com.br!!! hilton@cavalcanteesilva.com.br!

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO! hiltonds@ig.com.br!!! hilton@cavalcanteesilva.com.br! FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO hiltonds@ig.com.br hilton@cavalcanteesilva.com.br GESTÃO DE TRIBUTOS - COMEX IMPOSTOS ESTADUAIS ICMS Art. 155, II, da CF/88

Leia mais

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 )

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 ) ICMS/SP - Industrialização - Operações triangulares de industrialização 20 de Agosto de 2010 Em face da publicação do novo Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, este procedimento foi

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Informativo FISCOSoft ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Os armazéns gerais têm por finalidade a guarda e a conservação das mercadorias remetidas a eles pelos estabelecimentos

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING. (atualizado até 17/01/2014)

ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING. (atualizado até 17/01/2014) ARRENDAMENTO MERCANTIL OU LEASING (atualizado até 17/01/2014) 2 ÍNDICE 1. CONCEITOS...4 1.1. Arrendamento Mercantil ou Leasing...4 1.2. Arrendador...4 1.3. Arrendatário...4 2. SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO...5

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e ICMS - IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

Emenda Constitucional nº 87/2015 - Alterações no ICMS em operações de e-commerce. Orlando Dalcin odalcin@tozzinifreire.com.br

Emenda Constitucional nº 87/2015 - Alterações no ICMS em operações de e-commerce. Orlando Dalcin odalcin@tozzinifreire.com.br Emenda Constitucional nº 87/2015 - Alterações no ICMS em operações de e-commerce Orlando Dalcin odalcin@tozzinifreire.com.br ICMS Aspectos da Regra Matriz Aspecto Material Saída de mercadorias de estabelecimento

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais

Alguns questionamentos sobre a RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012

Alguns questionamentos sobre a RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 Alguns questionamentos sobre a RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 DRT-05 Quando é aplicável a alíquota interestadual de 4%? Informamos que é plenamente aplicável desde 1º de Janeiro de 2.013 para as operações

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS TRÊS TIPOS DE DIFERENCIAIS (não confunda!!!) 1 Diferencial clássico 2 Diferencial S.T. 3 Diferencial nas

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária (*) Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais Emenda Constitucional 87/2015 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 "Art. 155 (...) 2º (...) VII - nas operações

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Consulta Operações personalizadas de vendas que realiza. PARECER Nº 097/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE VENDAS PERSONALIZADAS PELO SENAC-RO À EXCEÇÃO DAS VENDAS DE LIVROS, QUE GOZAM DE

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS GUIA COMPLEMENTAR - SIMPLES NACIONAL Introdução - Casos de Emissão do DAS Complementar - Geração do DAS Após o

Leia mais

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NAS OPERAÇÕES COM APARELHOS CELULARES. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP ICMS - ICMS: imposto de conformação nacional exaustivamente regrado pela CF/88;

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935 Ementa: CONSULTA À LEGISLAÇÃO - TRIBUTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) E SEUS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELACIONADOS. 1. Relatório A encaminhou a esta Gerência de Tributação,

Leia mais

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 1 RESOLUÇÃO 13 X DECRETO 4316/95 RESOLUÇÃO 13 DECRETO 4316 COMENTÁRIOS Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA CARTILHA DE ORIENTAÇÕES OPERAÇÕES COM VENDA DE VEÍCULOS ADQUIRIDOS EM CONSIGNAÇÃO E VENDA DE VEICULOS USADOS ADQUIRIDOS PARA REVENDA www.contabilidadearthuso.com.br 1 1-OPERAÇÕES DE CONSIGNAÇÃO COM VEÍCULOS:...

Leia mais

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012 Prezado cliente, As constantes mudanças na legislação fiscal têm afetado muito as empresas, os sistemas e as empresas de contabilidade, que precisam estar preparadas para atender as obrigatoriedades legais.

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Comentários ao edital do AFRE/RJ

Comentários ao edital do AFRE/RJ Comentários ao edital do AFRE/RJ Prezados alunos, Depois de meses de expectativa, foi publicado o edital do sexto concurso para seleção de auditores-fiscais da Receita do Estado do Rio de Janeiro. A continuada

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE Anexos 4.0 Substituição Tributária Anexos 4.2 Substituição Tributária das Operações com Água Mineral, Água Potável, Cerveja, Chope, Gelo e Refrigerante. Protocolo ICMS 11/1991 Alterações: Protocolo ICMS

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2011

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2011 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2011 Acrescenta a alínea c ao inciso VII do 2º do Art. 155 da Constituição, para determinar que seja adotada a alíquota interestadual quando o destinatário não

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE IIl! ICMS! ISS! RECUPERAÇÃO DE IMPOSTOS! SIMPLES Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela

Leia mais

ICMS Questões Atuais

ICMS Questões Atuais Com Paulo Almada ICMS Questões Atuais EC 87/2015 (E-commerce) Exigência de emissão de Nota Fiscal Eletrônica(NF-e) para todos os contribuintes e em todas as operações; Obrigatoriedade do MDF-e(Manifesto

Leia mais

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004 ICMS Substituição Tributária Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador, gerando uma antecipação do pagamento do imposto incidente nas operações seguintes. Responsabilidade Tributária

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais