Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta"

Transcrição

1 L.E. Semana 2 Segunda Feira Variações linguísticas: Norma Padrão e Norma culta Diferença entre a norma padrão e a norma culta

2 o português não é homogêneo O português, como todas as línguas, é heterogêneo: Cada grupo dentro de uma comunidade possui características próprias do seu falar. A essas diferentes modalidades de língua chamamos variedades linguísticas.

3 A norma padrão A norma-padrão brasileira surgiu no séc. XIX, partindo da necessidade que alguns membros letrados das altas camadas da sociedade viram, e veem, em unificar a língua, tornando-a unitária e homogênea e combatendo as mudanças e as variações.

4 A norma padrão Estabeleceu-se com equívocos: a supervalorização da escrita em detrimento da fala e a visão das mudanças linguísticas como prejudiciais à língua em vez de meras mudanças.

5 A norma padrão No passado colonial, usar tal variante, ou seja, o português de Portugal, significava se afastar da mestiçagem e da pequenez do Brasil: a cultura portuguesa era colocada como superior à do Brasil.

6 A norma culta O termo norma culta, como foi dito, designa a variedade utilizada pelas pessoas que possuem mais contato com a cultura escrita, enciclopédica.

7 A norma culta No Brasil, considera-se como falante de norma culta apenas as pessoas que já se formaram no Ensino Superior. Por isso, seus falantes, em sua maioria, são pertencentes às camadas mais privilegiadas da sociedade.

8 Sintetizando... A norma-padrão pode ser considerada o padrão ideal que se constitui no português que alguns escolheram arbitrariamente como o melhor que deve ser utilizado por quem preza o valor de sua língua ; enquanto a norma culta pode ser considerada o padrão real, ou seja, o padrão que realmente é utilizado pela sociedade. (Aryon Dall Igna Rodrigues)

9 Exercício Quando eu falo com vocês, procuro usar o código de vocês. A figura do índio no Brasil de hoje não pode ser aquela de 500 anos atrás, do passado, que representa aquele primeiro contato. Da mesma forma que o Brasil de hoje não é o Brasil de ontem, tem 160 milhões de pessoas com diferentes sobrenomes. Vieram para cá asiáticos, europeus, africanos, e todo mundo quer ser brasileiro. A importante pergunta que nós fazemos é: qual é o pedaço de índio que vocês têm? O seu cabelo? São seus olhos? Ou é o nome da sua rua? O nome da sua praça? Enfim, vocês devem ter um pedaço de índio dentro de vocês. Para nós, o importante é que vocês olhem para a gente como seres humanos, como pessoas que nem precisam de paternalismos, nem precisam ser tratadas com privilégios. Nós não queremos tomar o Brasil de vocês, nós queremos compartilhar esse Brasil com vocês. TERENA, M. Debate. MORIN, E. Saberes globais e saberes locais. Rio de Janeiro: Garamond, 2000 (adaptado).

10 Exercício Na situação de comunicação da qual o texto foi retirado, a norma padrão da língua portuguesa é empregada com a finalidade de A) demonstrar a clareza e a complexidade da nossa língua materna. B) situar os dois lados da interlocução em posições simétricas. C) comprovar a importância da correção gramatical nos diálogos cotidianos. D) mostrar como as línguas indígenas foram incorporadas à língua portuguesa. E) ressaltar a importância do código linguístico que adotamos como língua nacional. Gabarito B - O enunciador faz referência a um código, linguístico ou outro, que o torne compreensível a seu interlocutor. Observe o fragmento: Quando eu falo com vocês, procuro usar o código de vocês.

11 Resumo da Aula O Brasil é um país linguisticamente heterogêneo, pois é repleto de variações linguísticas; A norma padrão se constitui naquela escolhida como ideal ; a norma culta é aquela que deve ser usada socialmente. As variações linguísticas determinam maior ou menor prestígio social.

Conscientização sociolinguística

Conscientização sociolinguística L.E. Semana 2 Segunda Feira Conscientização sociolinguística Relação entre a estrutura linguística e os aspectos sociais e culturais da produção linguística o português não é homogêneo Produção linguística

Leia mais

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Linguagem Coloquial e Culta Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Introdução Os critérios que determinam a norma (padrões de uso)de uma língua se estabelecem ao longo do tempo principalmente pela ação da

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM Olá, «Agora vamos assistir a uma Apresentação para fazermos algumas Reflexões sobre a Linguagem. Ao final desta unidade espera-se que você possa entender alguns aspectos que

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado?

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? L.E. Semana 4 Segunda Feira Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? Considerações acerca da unificação pretendida pelo acordo ortográfico O que é o acordo ortográfico é um tratado internacional firmado

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua.

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua. 1 de 6 28/3/2013 00:36 A vidade de estudo 1- Nivelamento Português- 2012A Período: 11/03/2013 17:00 à 09/05/2013 23:59 (Horário de Brasília) Status: ABERTO Valor: 1.00 Gabarito: Gabarito não está liberado!

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO

A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO A SINTAXE NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS ANÁLISE E DEBATE: UM DIÁLOGO COM O ENSINO Pâmela da SILVA; Michaela Andréa Bette CAMARA, Vânia Carmem LIMA. Universidade Federal de Goiás UFG Campus Jataí CAJ.

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Respeito. Respeito - NÃO: Respeito - SIM:

Respeito. Respeito - NÃO: Respeito - SIM: Exercitando o Caráter 4 a 6 anos Respeito Como você quer que as pessoas lhe tratem? Provavelmente é da mesma maneira como as outras pessoas também querem ser tratadas. Pessoas boas demonstram respeito

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

GUIMARÃES, Cleusa Divina 1. Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem.

GUIMARÃES, Cleusa Divina 1. Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem. Produção de Textos Científicos e Técnicas de Comunicação. GUIMARÃES, Cleusa Divina 1 Palavras-chave: Competência redacional, aperfeiçoamento, desenvolvimento, aprendizagem. Introdução O Curso Produção

Leia mais

GRUPO I POPULAÇÃO E POVOAMENTO. Nome N. o Turma Avaliação. 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde.

GRUPO I POPULAÇÃO E POVOAMENTO. Nome N. o Turma Avaliação. 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde. Nome N. o Turma Avaliação GRUPO I 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde. Conceito Definição a. Cultura 1. Discriminação de povos ou pessoas, por certos grupos de indivíduos,

Leia mais

Hélio Fonseca de Araújo

Hélio Fonseca de Araújo Hélio Fonseca de Araújo L I B R A S Língua Brasileira de Sinais helio.libras@globomail.com Autores: Hélio Fonseca de Araújo Formado em Pedagogia Proficiência em Tradução e Interpretação da LIBRAS/Língua

Leia mais

Programa Anual do Português

Programa Anual do Português Montevideo Programa Anual do Português 1. Abrangência: Objetivo geral: Proporcionar aos alunos conhecimentos do idioma português permitindo um intercâmbio nas distintas situações de comunicação oral e

Leia mais

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO)

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) 847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) FORMAÇÃO ESPECÍFICA 1ª/2ª FASE 1.INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características do Exame de Espanhol a nível de escola a realizar em

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa SINTAXE DO PORTUGUÊS I AULA 1-2015 Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa Profa. Dra. Márcia Santos Duarte de Oliveira FFFLCH-DLCV/ USP marcia.oliveira@usp.br n O linguista

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL Autora: DINIZ, Ana Maria C. Almeida Universidade Estadual da Paraíba UEPB e-mail: ana_diniz_4@hotmail.com 1 RESUMO O presente artigo objetiva

Leia mais

ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA

ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA ESTÁGIO EM ENSINO DE ANÁLISE LINGUÍSTICA AULA 04: PROPOSTAS DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE ANÁLISE LINGUÍSTICA LIÇÃO 1 REGÊNCIA (Adaptada de uma atividade elaborada para alunos do 9º

Leia mais

Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor

Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor Tema central: Reportagem: valores sociais Produção de texto Introdução: A palavra é o meio de que cada um de nós se utiliza para dizer do outro, para

Leia mais

2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA

2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA 2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA MÓDULO 34 Olá, fiotes e fiotas rsrsrsrs (ok... sem graça...). Eu acho que dei essa matéria umas três vezes em aula... Então aqui há um

Leia mais

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL?

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? ELAINE HELENA NASCIMENTO DOS SANTOS O objetivo deste trabalho é discutir sobre o preconceito

Leia mais

Revista Didática Sistêmica, ISSN , Volume 7 janeiro a junho de 2008 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SEMESTRAL ISSN:

Revista Didática Sistêmica, ISSN , Volume 7 janeiro a junho de 2008 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SEMESTRAL ISSN: FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Revista Didática Sistêmica SEMESTRAL ISSN: 1809-3108 Volume 7, janeiro a junho de 2008 RESENHA MARIANI, Bethânia. Colonização Lingüística. Língua, Política e

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Um texto constitui uma unidade comunicativa, uma unidade de uso da língua. Na sua construção e organização,

Leia mais

Eu quero falar : o trabalho com a oralidade nas aulas de Língua Portuguesa

Eu quero falar : o trabalho com a oralidade nas aulas de Língua Portuguesa Eu quero falar : o trabalho com a oralidade nas aulas de Língua Portuguesa Prof. Msc. Patrícia Medeiros de Oliveira (IFBA) Mestra em Estudo de Linguagens Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 2 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto: contexto de produção, circulação e recepção de textos. A linguagem é uma prática social humana de interação

Leia mais

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES

O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES O TRATAMENTO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 5º A 8º SÉRIES Ariany Maldonado Querino Lucélia de Fátima Ribeiro Mônica Tironi Silvana Tangleica Taymara Daiane Ribeiro

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

O conceito de competência comunicativa revisitado

O conceito de competência comunicativa revisitado O conceito de competência comunicativa revisitado O construto da Competência Comunicativa (doravante CC) foi utilizado pela primeira vez por Dell Hymes, em uma palestra para pais de crianças especiais.

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

Colégio Madre Carmen Sallés

Colégio Madre Carmen Sallés Colégio Madre Carmen Sallés Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Desde 1962 evangelizando através da educação em Brasília DF AV. L2 NORTE QUADRA 604 Bloco D Tel: 3223-2863 www.carmensalles.com.br

Leia mais

MATRIZ DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS FRANCÊS

MATRIZ DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS FRANCÊS MATRIZ DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS FRANCÊS Para integralizar a Matriz de Transição do Licenciatura em Letras Português Francês, o aluno terá que atender às oito categorias abaixo, considerando,

Leia mais

ESPANHOL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

ESPANHOL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL Prova 15 2014 Tipo de prova: Escrita / Oral 1ª e 2ª Fases 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRMÁTIC rnaldo Nogari Júnior G-CLC-UENP/ CJ) arnaldo_nogarijr@hotmail.com Layane Suellen Miguel G-CLC-UENP/ CJ) lala.wordshipper@hotmail.com Michelle ndressa Vieira G-CLC-UENP/

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 RELAÇÃO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA FRAGMENTO 1

LÍNGUA PORTUGUESA FRAGMENTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA As questões da prova de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base nos dois fragmentos que seguem, adaptados do texto Falar & escrever bem (Margot Cardoso, Revista Vencer, fevereiro

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Palavras-chave: Variação linguística. Preconceito linguístico. Escola. Professor.

Palavras-chave: Variação linguística. Preconceito linguístico. Escola. Professor. ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: RECONHECIMENTO DO PRECONCEITO E POSSIBILIDADE DE TRABALHO 379 COM A VARIEDADE PADRÃO Andreia Rezende Garcia Reis* andreiargarcia@yahoo.com.br Mariana Altomar Barbosa** marialtomarbarbosa@gmail.com

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova escrita e oral 2016 Prova 21. 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência

Leia mais

5º ano. Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016

5º ano. Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016 4 Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016 5º ano Leia o texto abaixo, em seguida responda. PECHADA O apelido foi instantâneo. No primeiro dia de aula, o aluno novo já estava sendo chamado de Gaúcho.

Leia mais

VARIANTES SOCIAIS, REGIONAIS E CULTURAIS:

VARIANTES SOCIAIS, REGIONAIS E CULTURAIS: VARIANTES SOCIAIS, REGIONAIS E CULTURAIS: Olá a todos! Vamos assistir a uma Apresentação da Profa. Ms. Helba Carvalho sobre as variantes sociais, regionais e culturais. Ao final desta, espera-se que você

Leia mais

COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO

COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO COMO COMBATER O PRECONCEITO LINGUÍSTICO: A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA PRESENTE NO LIVRO DIDÁTICO Francisca Bruna de Oliveira Peixoto Graduanda do Curso de Letras - Habilitação em Língua Espanhola da Universidade

Leia mais

Ensino Fundamental II. Atividade especial. 6º ao 9º ano. ao 9º ano. Atividade especial Copa do Mundo na África. Atendimento ao professor

Ensino Fundamental II. Atividade especial. 6º ao 9º ano. ao 9º ano. Atividade especial Copa do Mundo na África. Atendimento ao professor Atividade especial Atividade especial Copa domundo Mundo na África Copa do na África Ensino Fundamental II 6ºEnsino ao 9º ano Fundamental II 6º ao 9º ano Atividade especial Copa do Mundo na África Editora

Leia mais

Atividade 1. Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor

Atividade 1. Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor Atividade 1 Uma miscigenação ainda maior A Copa do Mundo e as crônicas de humor Tema Por meio da temática Copa do Mundo no Brasil, aproveitando situações engraçadas e cômicas que acontecem entre estrangeiros

Leia mais

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE Estruturas linguisticas da Libras Car@ alun@, já sabe como é a gramática da Libras, então vai observar como é a estrutura linguistica da Libras. Variação linguística A comunicação da comunidade surda do

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: POSSÍVEIS ABORDAGENS Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com RESUMO: Diante do fracasso educacional que estamos vivenciando

Leia mais

CC8 Comunicação e colaboração

CC8 Comunicação e colaboração CC8 Comunicação e colaboração Uso da Língua e adequação linguística aos contextos de comunicação através da internet Diferentes usos da língua associados aos contextos de comunicação através da internet.

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

VENHA PRO NOSSO ARRAIÁ!! 1

VENHA PRO NOSSO ARRAIÁ!! 1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PORTUGUÊS BRASILEIRO COMO LE VENHA PRO NOSSO ARRAIÁ!! 1 Junho é o mês das Festas Juninas. Convidamos você a participar dessas festas, conhecendo

Leia mais

Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU

Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU O Tradutor e Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras) em seu espaço de atuação

Leia mais

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS)

LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) LISTAGEM DOS COMPONENTES CURRICULARES COMPLEMENTARES (ELETIVOS) Componente Curricular Complementar Total Teórica Prática EAD 1 Pré-requisitos 1. Alfabetização e Letramento BA000492 2. Análise de Livros

Leia mais

1 o PROCESSO SELETIVO/2011

1 o PROCESSO SELETIVO/2011 1 o PROCESSO SELETIVO/2011 PROVA DE REDAÇÃO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. 1. Este caderno contém a Prova de Redação. (A Prova Objetiva compõe um caderno à

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 6º ano Usar a Língua Portuguesa como língua materna, para integrar e organizar o mundo e a própria identidade com visão empreendedora e como pensador capaz de

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): NOME DO LIVRO: O MUNDINHO DE BOAS ATITUDES AUTOR:INGRID BIESEMEYER BELLINGHAUSEN Competências Perceber a importância do auto respeito. Desenvolver o senso critico.

Leia mais

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve:

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve: 5 O Conceito Tempo Entender e conceituar o tempo sempre foi um desafio para o homem. Isaac Newton (1643 1727) criou o conceito de tempo absoluto, verdadeiro, matemático que flui constante e uniformemente.

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Anexo Entrevista G2.5

Anexo Entrevista G2.5 Entrevista G2.4 Entrevistado: E2.5 Idade: 38 anos Sexo: País de origem: Tempo de permanência em Portugal: Feminino Ucrânia 13 anos Escolaridade: Imigrações prévias: --- Ensino superior (professora) Língua

Leia mais

Estrangeirismos: Influências que enriquecem a Língua Portuguesa ou invasões impertinentes?

Estrangeirismos: Influências que enriquecem a Língua Portuguesa ou invasões impertinentes? Estrangeirismos: Influências que enriquecem a Língua Portuguesa ou invasões impertinentes? Camila Schlatter Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: Estrangeirismos são palavras ou expressões de outras

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês - Prova Escrita e Prova Oral 2016 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento

Leia mais

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas N.º 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8.º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM LEITURA/EDUCAÇÃO LITERÁRIA:

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS DE LÍNGUAS E HUMANIDADES Planificação anual de ESPANHOL 10.º ano (iniciação) Turmas: E Professora: Cecília Marinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

A LÍNGUA COMO UMA QUESTÃO POLÍTICA: RESENHA DE POLÍTICAS DA NORMA E CONFLITOS LINGUÍSTICOS

A LÍNGUA COMO UMA QUESTÃO POLÍTICA: RESENHA DE POLÍTICAS DA NORMA E CONFLITOS LINGUÍSTICOS PABST, Luiza U. A língua como uma questão política: resenha de Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos. ReVEL, v. 14, n. 26, 2016. [www.revel.inf.br]. A LÍNGUA COMO UMA QUESTÃO POLÍTICA: RESENHA DE

Leia mais

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar 2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa CEF Serviço de Bar CONTEÚDOS 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS 46 TEXTOS DE TEATRO - AUTO DA BARCA DO INFERNO,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

Além da minha língua materna, falo

Além da minha língua materna, falo Turma (nível) Nasci em Aprendo português há Estou em Portugal há Além da minha língua materna, falo 77 Assinale com V (verdadeiro), F (falso) A sul do Tejo 1.É seguro que o tempo vai estar idêntico ao

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO. (A preencher pelo aluno) (A preencher pelo professor) Nível:

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO. (A preencher pelo aluno) (A preencher pelo professor) Nível: ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO Teste de Diagnóstico PPT (Português para Todos) 8 Páginas Duração: 90 minutos janeiro de 2016 (A preencher pelo aluno) Nome: (Indique o seu nome e apelido) Data:

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Linguagens 1ª Débora/ Roberta 8º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1 FOCO: IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA LÍNGUA PORTUGUESA Compreender e usar a Língua Portuguesa como língua

Leia mais

O ENSINO DA ORALIDADE: UMA ABORDAGEM POR MEIO DOS GÊNEROS

O ENSINO DA ORALIDADE: UMA ABORDAGEM POR MEIO DOS GÊNEROS O ENSINO DA ORALIDADE: UMA ABORDAGEM POR MEIO DOS GÊNEROS RACHEL ÂNGELA RODRIGUES DIAS (COLÉGIO 7 DE SETEMBRO). Resumo O ensino da oralidade, muitas vezes, limita se à prática da leitura em voz alta, individual

Leia mais

Unidade 5: Práticas linguísticas

Unidade 5: Práticas linguísticas Unidade 5: Práticas linguísticas 1. Apresentação: sinal pessoal e nome Na unidade anterior você aprendeu o que é sinal pessoal, então veja as figuras abaixo e entenda claramente as características de cada

Leia mais

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico

Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Livros didáticos de língua portuguesa para o ensino básico Maria Inês Batista Campos maricamp@usp.br 24/09/2013 Universidade Estadual de Santa Cruz/UESC Ilhéus-Bahia Objetivos Compreender o livro didático

Leia mais

HISTÓRIAREAL. Bruno conta como conquistar o alto desempenho profissional sem abrir mão da vida pessoal. Bruno Hohl. Natura

HISTÓRIAREAL. Bruno conta como conquistar o alto desempenho profissional sem abrir mão da vida pessoal. Bruno Hohl. Natura HISTÓRIAREAL Bruno Hohl Natura Bruno conta como conquistar o alto desempenho profissional sem abrir mão da vida pessoal Tenho mais consciência sobre minhas prioridades e as da Natura. GTD é a organização

Leia mais

Workshops and games on linguistic variation

Workshops and games on linguistic variation Oficinas e jogos de variação linguística Workshops and games on linguistic variation Monique Débora Alves de Oliveira, mestranda, FAPERJ/UFRJ/SME, mnqdbr@gmail.com. Resumo Este trabalho tem a preocupação

Leia mais

O QUE PRECISO SABER DA. Lei de 24 de abril de 2002

O QUE PRECISO SABER DA. Lei de 24 de abril de 2002 O QUE PRECISO SABER DA Lei 10.436 de 24 de abril de 2002 Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza

Leia mais

CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE

CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE DIFERENTES ORIGENS, UM SÓ POVO P. 21 Somos um povo miscigenado. Os povos indígenas habitavam esse território.

Leia mais

Brasil e a afrodescendência

Brasil e a afrodescendência Brasil e a afrodescendência RESUMO Nesse texto vamos falar sobre a centralização da raça branca, as consequências da escravidão nos dias atuais e a importância da cultura africana no Brasil. Vamos mostrar

Leia mais

PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS. Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF

PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS. Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF A Importância de publicar Prestação de contas à sociedade, divulgando o que aprendeu e descobriu, com o

Leia mais

Variação prosódica no Português Europeu: um falar, uma identidade

Variação prosódica no Português Europeu: um falar, uma identidade Marisa Cruz Laboratório de Fonética (CLUL/FLUL) Universidade de Lisboa Compreensão e Produção do Português Oral Professora Doutora Sónia Frota 4 de Dezembro de 2012 Variação prosódica no Português Europeu:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Exercícios Gerais Resolução de Questões do ENEM

Exercícios Gerais Resolução de Questões do ENEM Exercícios Gerais Resolução de Questões do ENEM Lista de Exercícios 1. Sou feliz pelos amigos que tenho. Um deles muito sofre pelo meu descuido com o vernáculo. Por alguns anos ele sistematicamente me

Leia mais

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme.

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. A câmera fotográfica é constituída essencialmente por

Leia mais

Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos.

Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 3º Ano Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir discursos com diferentes finalidades, tendo em conta a situação

Leia mais

Texto: O perigo de classificar o brasileiro por raça. Estudo dirigido

Texto: O perigo de classificar o brasileiro por raça. Estudo dirigido Texto: O perigo de classificar o brasileiro por raça Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros O texto apresenta uma opinião dos autores acerca da difícil tarefa em classificar o brasileiro por raça ; Existe uma

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE. Parte I

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE. Parte I AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DE FIXAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO IX PROVA TAREFA 4 Unidade Portugal Série: 4 o ano (3 a série) Período: MANHÃ Data: 21/9/2011 PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova:

Leia mais

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Tema central: Criação de um conto fantástico Produção de texto Introdução: O conto fantástico é um gênero que tem como característica o fato de apresentar ou

Leia mais

própria comunidade científica, o contato foi considerado apenas como fator secundário. Quando nos voltamos para a realidade dos estudos lingüísticos

própria comunidade científica, o contato foi considerado apenas como fator secundário. Quando nos voltamos para a realidade dos estudos lingüísticos 1. Introdução Línguas em contato pressupõem indiscutivelmente pessoas em contato. Nesta perspectiva, ao considerarmos que as necessidades do homem desde o início da história da humanidade levaram os indivíduos

Leia mais

MEMÓRIAS NO PÁTIO: CONTRIBUIÇÕES DOS SABERES TRADICIONAIS KRAHÔ PARA A EDUCAÇÃO ESCOLAR BILINGUE, INTERCULLTURAL DIFERENCIADA DA ALDEIA MANOEL ALVES

MEMÓRIAS NO PÁTIO: CONTRIBUIÇÕES DOS SABERES TRADICIONAIS KRAHÔ PARA A EDUCAÇÃO ESCOLAR BILINGUE, INTERCULLTURAL DIFERENCIADA DA ALDEIA MANOEL ALVES 20 MEMÓRIAS NO PÁTIO: CONTRIBUIÇÕES DOS SABERES TRADICIONAIS KRAHÔ PARA A EDUCAÇÃO ESCOLAR BILINGUE, INTERCULLTURAL DIFERENCIADA DA ALDEIA MANOEL ALVES Aurinete Silva Macedo 1 aurisilma@yahoo.com.br Francisco

Leia mais