JETA 2010 Jornada de Engenharia, Tecnologia e Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JETA 2010 Jornada de Engenharia, Tecnologia e Administração"

Transcrição

1

2 JETA 2010 Jornada de Engenharia, Tecnologia e Administração A Jornada de Engenharia, Tecnologia e Administração - JETA - é um evento destinado ao aluno dos cursos do Campus São José e seus convidados, ex-alunos e membros da comunidade. Foi planejado para oferecer perspectivas e oportunidades de atuação em tecnologias relacionadas às áreas atuais de desenvolvimento no Campus. A Jornada de Engenharia, Tecnologia e Administração contou com uma palestra geral de abertura no 1º horário do dia 13/10 e palestras específicas para os cursos de Tecnologia, Engenharias e Administração no 2 o horário. Para os dias 14 e 15/10 foram oferecidos Minicursos relacionados às respectivas áreas e Mesas Redondas com representantes da Magneti Marelli no dia 14/10 e da NSK no dia 15/10. O UNISAL espera que, ao participar das palestras e dos mini-cursos, os alunos tenham experiências de integração com seus colegas de outros cursos, desenvolvimento efetivo em sua área de interesse e uma contribuição efetiva para suas escolhas futuras. Programação: 13/10-19:00hs Palestra Geral: A Globalização, o mercado de trabalho e a internacionalização do currículo universitário. Lara A. Crivelaro Bezzon Pathways Educação Internacional - Zatti A globalização é um fenômeno integrante da realidade do mundo atual e o mercado demanda profissionais preparados para atuarem em ambientes internacionais. A busca pelo melhor currículo torna-se essencial para quem está ingressando no mercado de trabalho. O grande desafio dos jovens passa a ser buscar capacitação internacional com certificação, desenvolvimento de habilidades gerenciais, aprimoramento das competências profissionais internacionais demandadas, ampliação de network e benchmarking e a aprendizagem sobre a prática profissional a partir de temas relativos aos pontos básicos de excelência nas organizações. A internacionalização universitária é sem dúvida um dos grandes desafios das universidades brasileiras. Enquanto os países da Europa articulam sua educação em torno de um espaço comum Europeu de qualidade, garantindo a desenvoltura internacional de seus alunos, formando cidadãos críticos com visão globalizada, prontos para o enfrentamento das exigências do mercado de trabalho, assim como garantindo o desenvolvimento de pesquisas conjuntas e a produção do conhecimento voltados para a garantia da soberania de seu bloco, no Brasil ainda não despertamos para esse tema. Esta palestra tratou da importância do aluno estar sempre atento a oportunidades e não desperdiçar situações em que ele possa estar exposto à novas experiências internacionais. 13/10-21:00hs Mauro Miyashiro Instituto de Pesquisas Eldorado - Zatti

3 "TCC - Diferencial Competitivo" A palestra apresentou uma descrição do mercado de trabalho para engenheiros eletroeletrônicos e da computação, como se preparar e o TCC como diferencial competitivo no momento de ir à procura de uma oportunidade no mercado de trabalho. 13/10-21:00hs Arquitetura Integrada em Automação (CLPs, redes e IHM) Cesar Moraes; Jeferson Nascimento; Leandro Domingues - Intereng Automação Industrial Jan Dec Nesta palestra, foram apresentados os principais componentes da Automação Industrial da atualidade: desafio, informação, controle, comunicação e potência. Um novo conceito no setor foi apresentado, composto pelos seguintes ítens: otimização de desempenho, minimização do custo de integração, redução do tempo de colocação no mercado e cumprimento de normas civis e ambientais 15/10 19:00hs Jan Dec Adalberto Dancs - Sistema Diesel - Magnetti Marelli A palestra descreveu as características dos motores diesel e suas condições de funcionamento, a evolução dos sistemas diesel em termos de consumo, aplicação, ruídos e emissões de gases, evolução das exigências de emissões para motores diesel e novos sistemas de catalisadores para motores diesel por adição de amônia (Ad Blue), a fim de reduzir NOx. As principais características dos sistemas a diesel apresentadas foram: taxa de compressão elevada, ignição espontânea, alta pressão de injeção, alto rendimento e alto torque. Popularmente, o motor diesel é conhecido pelos seguintes pontos negativos: grande porte, ruidosos, poluentes e custo elevado. Atualmente, sua evolução está no sentido de se aprimorarem os seguintes sistemas: motores aspirados (mistura ar-combustível entra no cilindro por sucção na descida do pistão estágio de admissão), bomba injetora mecânica, bicos injetores mecânicos, motores de baixa rotação e combustível com alto índice de enxofre (max. 3000ppm). Cleberson Lopez Catalisadores - Magnetti Marelli Foram abordados os seguintes assuntos: definição de catalisador, tipos de colméia e substratos cerâmicos, evolução dos sistemas catalisadores, condições térmicas e químicas para seu funcionamento, história da legislação de controle de emissões, influência do lambda em seu funcionamento, composição do WashCoat (camada de óxidos inorgânicos que abriga os metais preciosos que realizam o processo catalítico), impacto ambiental dos poluentes, reação de oxidação do CO e do HC para dióxido de carbono e água, reação e redução do NOx. Vinício Franco -Mistura estequiométrica (lambda 1) - Magnetti Marelli

4 Apresentou-se um esquema simplificado para cálculo estequiométrico de uma mistura ar/combustível de motor e uma demonstração do cálculo de lambda, bem como, sua aplicação nos sistemas de controle de injeção de combustíveis, servindo como parâmetro de correção da mistura, onde lambda maior que 1 indica mistura pobre (com mais ar) e lambda menor que 1 indica mistura rica (com mais combustível). 15/10 19:00hs Auditório Jan Dec Tecnologia em Rolamentos: Projeto, Especificação e Aplicações. - Leandro Baeza - NSK Brasil Nesta palestra, foram apresentados os tipos de rolamentos mais utilizados na indústria mecânica e automotiva: rolamentos fixos de uma carreira de esferas, rolamentos de esferas de contato angular, rolamentos autocompensadores de esferas, rolamentos autocompensadores de rolos, rolamentos de rolos cilíndricos, rolamentos de rolos cônicos e rolamentos axiais. Também foram abordados assuntos como: cuidados necessários com os rolamentos, instalação de rolamentos automotivos, aplicação automotiva, principais ocorrências em rolamentos automotivos e condições de falha e contramedidas. Igor Montone Injeção Plástica para segmento Automotivo - Synchro Plast Foram apresentadas as estruturas básicas das injetoras plásticas, fundamentos da injeção de plásticos, sistemas com múltiplos pontos de injeção, injeção de produtos compostos por mais de um material, sistemas de injeção seqüencial e com molde rotativo. Samuel Silva Araujo Afonso Desenvolvimento da Base do Dinamométrico de Motores Honda A palestra baseou-se na apresentação dos principais tipos de dinamômetros e suas aplicações partindo para o estudo de caso da implantação da base de um dinamômetro para motores à combustão interna de 240CV, mostrando os materiais utilizados, os processos de usinagem, métodos de controle de qualidade e dimensional e adversidades de processo e seus métodos de contorno. Minicursos: 1. Treinamento e Programação de Robô Mitsubishi - CIM Automação LTDA. O mini-curso de Programação de Robô Industrial Mitsubishi foi conduzido por Leonardo Tadeu Erps Gaspar da CIM Automação com a finalidade de proporcionar aos alunos o contato com a programação e operação de um Robô Industrial Mitsubishi. Os principais tópicos abordados no curso foram, inicialmente, as precauções de segurança usadas para a operação do robô, a execução de programas e análise dos indicadores operacionais da unidade de programação, a identificação de instruções e do fluxo de programação e finalmente a operação do robô para um exemplo prático utilizando a unidade de programação remota. Ao final do curso, os alunos desenvolveram seus próprios programas para a movimentação do braço robótico Mitsubishi através da manipulação e controle dos principais parâmetros e variáveis utilizadas para a operação de um robô industrial. 2. Introdução aos Microcontroladores Freescale - Filipe Tonussi.

5 O mini-curso apresentou as principais aplicações de um microcontrolador e em seguida o descritivo do microcontrolador Freescale hcs08jm60 e a revisão da linguagem C. Na sequência, apresentou-se o ambiente de programação e como se criar um novo projeto. Para a parte prática do curso desenvolveu-se algumas aplicações: Leitura e escrita em um I/O, Pisca LED e um semáforo com LED. 3. Altium - Ferramenta de Design - Eduardo Aparecido dos Santos. O sistema Altium Designer é um software completo exclusivo para desenvolvimento de protótipos e projetos. É muito amplo seu conceito, pois integra Três plataformas: 1 Emulação em desenvolvimento FPGA; 2 Simulação e testes dos protótipos; 3 Designer; Schematic, PCB e arquivos Gueber; No minicurso foi mencionado o 3º tópico. Um dos objetivos principais foi demonstrar as ferramentas e o que é possível desenvolver com auxílio das mesmas. Para facilitar a compreensão foi demonstrado algumas das funções principais. O software Eagle também é para desenvolvimento, porém apenas de Schematics e Pcbs. Este software é muito interativo e didático, mas não possui algumas das características de desenvolvimento que o Altium Designer possui como exemplo: simulação. O minicurso abordou a apresentação do software do Eagle através de comparações de comandos para desenvolvimento de placas. Alguns comandos do Eagle não necessitam de muitas informações para execução, exigindo apenas do conhecimento específico e entender o objetivo do qual foram criados, por exemplo: Configuração Clareance, Drc, Layers etc... Alguns destes comandos também estão contidos no Altium Designer, mas com a necessidade de várias informações que o Eagle não possui, assim apresentou-se a comparação dos dois softwares e ferramentas para facilitar o entendimento. Para executar esses comandos e comparações, foram realizados dois exercícios práticos, um para cada dia do curso. No primeiro dia finalizou-se a confecção de um circuito de uma fonte simples, para caráter didático do aprendizado. Os alunos puderam observar como ficaria o projeto finalizado na projeção em 3D do PCB, através do softwarepov-ray 3D. No segundo dia foram apresentadas mais algumas das ferramentas do Altium Designer na qual, cada integrante pode elaborar um pequeno circuito de uma fonte simples e o desenvolvimento do PCB e 3d pelo sistema Altium Designer. 4. Controladores Lógico Programáveis CLP HI Tecnologia Marcos Vinicius B. de Melo O Controlador Lógico Programável (CLP) é um equipamento eletrônico digital com hardware e software compatíveis com aplicações industriais. Utiliza uma memória programável para armazenar internamente instruções e para implementar funções específicas, tais como lógica, seqüenciamento, temporização, contagem e aritmética, controlando, por meio de módulos de entradas e saídas, vários tipos de máquinas ou processos. O minicurso utilizou um kit de treinamento da HI Tecnologia para apresentar as principais características de programação do CLP através de exemplos aplicados. Basicamente, os principais tópicos abordados foram: Conceituação do CLP e de Processos, Interfaces de I/O,

6 Circuitos de Comando e de Potência, Sensores e Atuadores, Ambiente de Programação, Aspectos básicos de comunicação, Criação de um projeto, Parametrização, Apresentação do Editor Ladder, Conceitos de programação, Contatos, Relés, Contatos auxiliares, Temporizadores, Flip-flops, Operações matemáticas, Intertravamento e Sequenciamento 5. Calculadora HP - Carlos Renato Meneghetti (Magoo) O mini-curso sobre calculadoras científicas HP abordou assuntos relevantes para a utilização eficiente do dispositivo, entre eles, os seguintes tópicos se destacam: Menus de utilização; criação e utilização de variáveis, aritmética com símbolos, aplicação eficiente do stack, teclas EEX, +/-, SWAP; resolução de equações trigonométricas e sistemas utilizando matrizes; integral e derivada; ferramenta para traçar e analisar gráficos; conversões e operações com números complexos e função poly. 6. Seis Sigma - Metodologia para a redução drástica de custos nas empresas- Prof. Posgraduação Prof. Msc. Magno Pereira e Profa. Erika Cristina O mini-curso contempla um histórico da evolução do conceito da qualidade nas últimas décadas até os dias atuais, inserindo a metodologia Seis Sigma no contexto. Foca os onceitos, definições e histórico do Seis Sigma e aborda as estruturas necessárias para implantação deste nas empresas. Relata as características que devem conter os projetos Seis Sigmas, bem como o método DMAIC (Define, Mesure, Analyze, Improve e Control) que representa um dos pilares mais importantes da metodologia, detalhando cada uma destas etapas e as ferramentas da qualidade que podem ser utilizadas. 7. Visual C# - Carlos Fernando Papotti O C# (pronuncia-se "C sharp") é uma linguagem de programação criada para o desenvolvimento de uma variedade de aplicações que executam sobre o.net Framework. C# é uma linguagem simples, poderosa, com tipagem segura e orientada a objetos. As várias inovações no C# permitem o desenvolvimento rápido de aplicações, mantendo a expressividade e a elegância das linguagens C-style. Visual C# é uma implementação da linguagem C# pela Microsoft. Visual Studio suporta Visual C# com um editor de código completo, compilador, modelos de projeto, designers, assistentes de código, um depurador poderoso e fácil de usar e outras ferramentas. A biblioteca de classes do.net Framework fornece acesso a vários serviços do sistema operacional e outras classes úteis e bem estruturadas que aceleram significativamente o ciclo de desenvolvimento. O minicurso apresentou os recursos da Linguagem C# para desenvolvimento de aplicações práticas, utilizando Visual C# como ambiente de desenvolvimento. Alguns tópicos abordados foram a informação de referência sobre conceitos, palavras-chave, tipos, operadores, atributos, diretivas de pré-processador, comutadores de compilador, erros do compilador e avisos do compilador de programação C#, além de fornecer o código-fonte de um exemplo que demonstra como programar utilizando Visual C#.

7 8. Solid works - Innocenzo Scandiffio O SolidWorks é um software para automação de projeto mecânico, compatível com a plataforma Windows, o qual se utiliza de um ambiente 3D para projeto virtual de componentes (Peças) e conjunto de peças (máquinas) baseado em entidades paramétricas. Desta forma o SolidWorks possibilita que o projetista e o engenheiro possa de forma rápida e fácil, projetar componentes, máquinas e equipamentos através de modelamento paramétrico de sólidos ou superfícies, oferecendo inúmeras vantagens em relação ao projeto bidimensional, como detecção de componentes, simulações, visualização real do protótipo, geração de detalhamento e etc. O objetivo do mini curso foi proporcionar aos discentes conhecimentos básicos de modelamentos de sólidos geométricos, detalhamentos, cotagem e montagem de componentes. 9. Drivers e Condicionamento de Sinais - Francisco Frambini O minicurso desenvolveu os seguintes assuntos: Drivers com transistores bipolares (BJT), transístores MOS-FET de intensificação e IGBTs (transistores bipolares com Gate Isolado). Polarização dos transístores nos pontos de corte e saturação, dissipação de potência e velocidade de comutação. Características dos sinais de Controle: PWM, PPM e controladores. On-Off com semicondutores e relês. Relês de Estado Sólido utilizando Tiristores, SCRs e TRIACs. Pontes H, motores de passo e Servo-motores. Condicionamento de Sinais: Amplificadores Operacionais, principais configurações: Inversor, não-inversor, somador, subtrator, buffer, Integrador, Derivador, Amplificador para Instrumentação. Filtros com Op Amp: Filtro Passa-Baixas, Passa-Altas e Passa-faixa. Banda Passante, atenuação e Diagramas de Bode. Conversores tensão-corrente, Corrente-Tensão, Resistência-tensão, tensãofrequencia e Frequencia-Tensão. Exemplos Práticos de Projetos 10. SMT - Sebastião Roberto Fratassi. Já a algum tempo a tecnologia de montagem superficial de componentes ou SMT (Surface Mount Tecnology) está desbancando em grande parte da sua antecessora, a tecnologia de furos passantes o THT (Through-Hole Tecnology), também conhecida como de montagem "convencional". O objetivo do minicurso foi apresentar uma explanação básica da tecnologia de montagem THT e componente PTH e a tecnologia SMT com componente SMD, e em seguida de Reparo e Retrabalho. As mudanças dinâmicas têm como resultados hoje, componentes muito pequenos, como micro BGAs e resistores e capacitores 0201ou Também têm resultado em componentes complexos eletricamente, como os Circuitos Integrados (CIs), dispostos como QFP e BGA, que substituem um circuito eletrônico inteiro, antes eram composto por dezenas/centenas componentes.

8 Os componentes SMD (Surface Mount Device) são diferentes dos PTH ou convencionais, por não possuírem terminais, sendo no próprio encapsulado, possuindo os extremos metalizados como terminais, curtos, rígidos e de diversas formas. Na tecnologia SMT os componentes (SMD) podem ser montado do lado de soldagem da PCI, chamado de bottom, e do lado dos componentes chamados de Top, ou de ambos os lados chamado de TOP e BOTTOM. Podem compartilhar a placa com componentes THT tendo assim uma técnica de montagem mista ou Through-hole Top e Bottom. 12. Sensores e Controle de Temperatura - Sensym Industria e Com. de Equipamentos LTDA. - Gustavo Pereira Lopes Este mini-curso teve como objetivo apresentar conceitos sobre medição e controle de temperatura, abordando os tipos de sensores existentes bem como suas especificações e aplicações. Abordou-se também o controle automático de temperatura, seus controladores e tipos de atuação. Com exemplos de aplicações práticas este curso apresentou tópicos como: definição de Temperatura; escala Internacional de Temp. ITS-90; tipos de Sensores de Temperatura; termômetros; termopares; termoresistência; aplicações e dicas; tubos de Proteção; fluxograma de malha de controle/monitoramento; controladores de temperatura; relés de estado sólido x contator e tipos de controle ON-OFF e PID. 13. Inglês para Executivos Elizete Helena Rondini Forte O objetivo deste mini curso é apresentar um esboço de 100 expressões idiomáticas da Língua Inglesa utilizadas no cotidiano de empresários, empreendedores, professores, palestrantes, enfim, dar suporte à pessoas que necessitam de vários tipos de serviços de hotelaria, aeroportos, restaurantes, cafés, taxis, lojas de conveniência, shoppings, apresentações, convites, agradecimentos, cumprimentos e despedidas pessoais. Análises de gramática contextualizada também constituem objetivo do mini curso, de acordo com a necessidade dos alunos, individualizadamente; caracterizando, assim, um brief help da utilização da competência lingüística do Inglês. 14. Jogos de empresas conceitos de mercado e formação de preço de venda Amaury Aranha O programa consiste em um "GAME" empresarial em que alunos reunidos em grupo, fazem o planejamento de vendas de um produto, levando em consideração características de desempenho conjunturais, projetando vários cenários na formação de preço dos produtos a serem vendidos. As rodadas do GAME, possibilitam ao aluno entender os efeitos econômico e financeiro na empresa que são extraídos com a apuração de Demonstrativos Econômico, Fluxo de Caixa e Balanço Patrimonial. 15. A internacionalização da Exportação Sérgio Augusto Lucke O comércio internacional é uma atividade praticada entre as nações e caracterizado sempre por intensa competição, dinamizando as economias e com papel decisivo em seu próprio desenvolvimento. Atualmente, deixou de ser um diferencial e passou a ser condição básica

9 de sobrevivência das nações. A atividade exportadora pode afetar as políticas econômicas dos governos e as estratégias empresariais, extrapolando a realidade dos mercados internos. Ao exportar, as empresas têm ganhos com economia de escala, produzem mais e melhor, de forma eficiente, com mais qualidade e menores custos. É um aprendizado com o ambiente de concorrência, além de flexibilidade frente a diversas estruturas de demanda e os requisitos de diferentes dimensões culturais. A finalidade do curso é fornecer uma visão geral do processo de exportação, desde o contexto internacional e globalizado, com vantagens e riscos, até um roteiro completo das principais etapas da exportação, entrando em detalhes específicos do processo e particulares dos procedimentos, buscando responder as perguntas básicas: Porque? Como? Para onde exportar?. É analisado também o contexto brasileiro, com suas potencialidades e condições de infraestrutura, e seu posicionamento no mercado mundial. O curso está composto pelos módulos: 1. Relações Internacionais; 2. O Comércio Exterior; 3. A Logística de Transporte; 4. A Globalização; 5. Considerações para Internacionalização; 6. O Brasil Dados e Contexto; 7. Como Exportar com Sucesso. 16. Apresentação Eficaz em Público - Prof. Roberto Bertolla Com o objetivo de treinar as principais técnicas para uma apresentação em público eficaz, o mini-curso teve como conteúdo um foco voltado a técnicas para minimizar o medo de falar em público e um outro foco em técnicas e dicas de utilização do PowerPoint com eficiência. O mini-curso foi composto por dinâmicas, que levaram todos os participantes ao palco, para lhe dar com o improviso e a fala.

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 2010 VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 Curso Oferecido SolidWorks Carga Horária 10 horas Nº Vagas: 30 Depto. Resp. Mecânica Gerente Resp. Karla Lieberenz Resp.

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010

VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 2010 VII SEMANA DA ENGENHARIA Cursos Oferecidos pela UaiSoccer VII S E M E L T 2010 Curso Oferecido SolidWorks Carga Horária 10 horas Nº Vagas: 30 Depto. Resp. Mecânica Gerente Resp. Karla Lieberenz Resp.

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Parte 02 O Controlador Lógico Programável

Parte 02 O Controlador Lógico Programável Parte 02 O Controlador Lógico Programável 2.0 Introdução: Para controlar uma planta industrial, seja a mais simples ou complexa, necessitamos de um sistema de controle, obviamente que quanto mais complexa

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA Bases Tecnológicas DESENHO TÉCNICO I Utilização de instrumentos para a elaboração de desenhos; Construções geométricas; Normas gerais de desenho técnico; Projeções ortogonais;

Leia mais

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Antes que a unidade eletrônica de controle (Electronic Control Unit ECU) atue de forma precisa no motor, a ECU deve estimar com a maior de precisão possível

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015

A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 A Engenharia de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistemas Dinâmicos Classe dos Sistemas Dinâmicos: Tempo time-driven Descritos por equações diferenciais na variável

Leia mais

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Treinamento Branqs Automação, 2007 Elaboração: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes Aprovação: Fernando José Cesilio Branquinho Branqs Automação Ltda. Rua do Comércio, nº

Leia mais

Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP. Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP. Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Desenvolvimento de um Curso de Programação em CLP Área Temática: Tecnologia e Produção Mariana Santos Matos Cavalca 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Carlos Eduardo de Andrade Pereira 2 Eduardo Cima

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Controladores Lógicos Programáveis Parte 1 1. Introdução O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente CLP, tem revolucionado os comandos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

UNED-CUBATÃO 2008. Conhecimentos básicosb Automação Industrial

UNED-CUBATÃO 2008. Conhecimentos básicosb Automação Industrial CEFET-SP UNED-CUBATÃO 2008 Conhecimentos básicosb de Automação Industrial J. Caruso - 2008 Definições Automação é um sistema de equipamentos eletrônicos e/ou mecânicos que controlam seu próprio funcionamento,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB AUTOMAÇÃO DE UM FORNO PARA TRATAMENTO DE CHAPAS COM CONTROLE VIA CLP E SISTEMA SUPERVISÓRIO RIO Trabalho de Estágio Supervisionado WEG INDÚSTRIAS LTDA. DIVISÃO AUTOMAÇÃO Wander Samuel Maass ACADÊMICO Edson

Leia mais

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação.

1. Especificar a arquitetura dos controladores lógicos compatíveis a cada aplicação. Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos nova geração de motores a gasolina Guia de produtos VOLVO PENTA MOTORES MARÍTIMOS A GASOLINA O futuro está aqui. A Volvo Penta, líder absoluta em inovações náuticas, estabelece o novo padrão em tecnologia

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012

VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012 1 VII CONGRESO BOLIVARIANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre del 2012 CONTROLE DE UMA AUTOCLAVE CLÍNICA UTILIZANDO CLP José Maria Galvez 1, Gilva Altair Rossi de Jesus 2, Gleberson Marques

Leia mais

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com.

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com. Este Treinamento abrange a configuração e programação da linha de Controladores Programáveis fabricados e comercializados pela e o Software de Programação PROCP. Indústria Porto Alegre Av. Ernesto Neugebauer,

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Golf 1.6-2009 Apresentador Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino. Professor do Universo do Mecânico (UMEC). Consultor

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC Tiago Menezes Xavier de Souza¹, Igor dos Passos Granado¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí- PR- Brasil tiago_x666@hotmail.com,

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Novatec Editora Capítulo 1 Introdução No primeiro capítulo é feita uma introdução geral sobre controladores digitais baseados em microprocessador

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Etec Rubens de Faria e Souza

Etec Rubens de Faria e Souza ETEC RUBENS DE FARIA E SOUZA SOROCABA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 017/01/2015 DE 13/03/2015. PROCESSO Nº 1797/2015 AVISO DE DEFERIMENTO

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS Gustavo Peloi da Silva 1 ; Abel Fidalgo Alves 2 RESUMO: O avanço da eletronica de

Leia mais

AUTOR(ES): JOÃO FRIEDMANN SOBRINHO, ERIK GIL PINTO, MARCOS ZAMPAOLO DA ROSA

AUTOR(ES): JOÃO FRIEDMANN SOBRINHO, ERIK GIL PINTO, MARCOS ZAMPAOLO DA ROSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: FRESADORA CNC DIDÁTICA PROGRAMADA POR CLP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Fuelbox F100. Injeção eletrônica programável

Fuelbox F100. Injeção eletrônica programável Fuelbox F100 Injeção eletrônica programável Descrição A Fuelbox F100 é uma unidade de gerenciamento eletrônico de motores com até 12 cilindros, indicada para veículos de alto desempenho, veículos de competição,

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA

SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E PROCESSOS INDUSTRIAIS Fundamentos de Instrumentação para Controle de Processos ARTIGO SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA Ederson Luis Posselt,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CENTRAL ELETRÔNICA AUTOMOTIVA

DESENVOLVIMENTO DE CENTRAL ELETRÔNICA AUTOMOTIVA DESENVOLVIMENTO DE CENTRAL ELETRÔNICA AUTOMOTIVA ALEXANDRE GRANVIL SOUZA (ULBRA) xgranville@hotmail.com Gerson Antunes Soares (ULBRA) gerson@inf.ufsm.br Berenice de Oliveira Bona (ULBRA) berebona@terra.com.br

Leia mais

Informativo de Assistência Técnica Brasil

Informativo de Assistência Técnica Brasil Informativo de Assistência Técnica Brasil 010/12 29 Agosto 2012 AA/SBZ1-TSS Emitente: Mauricio Pimenta Destinatário Assunto Rede Bosch Diesel Center e Bosch Truck Service Lançamento do Sistema Bosch de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2014 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122732 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Móvel

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia AUTOMAÇÃO CODICRED 44637-04 PROGRAMA DE DISCIPLINA 01 SÍNTESE DISCIPLINA: CURSO (S): Engenharia

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem

A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem Anderson Rodrigo Cassiano dos Santos, Antonio Carlos Falcão Petri, Domingos de Carvalho Villela Júnior, Leonardo

Leia mais

Programação C para microcontroladores PIC

Programação C para microcontroladores PIC Programação C para microcontroladores PIC eletrocursos.gnomio.com 1/6 Sumário Histórico do Documento... 3 Treinadores Responsáveis... 3 Carga Horária... 3 Ementa... 3 Objetivos... 3 Conteúdo Programático...

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Validade: A partir de 01/91 Departamento acadêmico: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica:

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

EMENTA INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO NIVEL I

EMENTA INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO NIVEL I Descrição Curso introdutório que prepara o aluno para trabalhar na área de automação industrial, onde o mesmo poderá aplicar seus conhecimentos na área Industrial, Comercial e Residencial. O curso está

Leia mais

IND 1 DT MICROMASTER 430

IND 1 DT MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 Uma visão geral l Inversores trifásicos de 400V projetados para aplicações com cargas de torque quadrático (bombas, ventiladores, etc.) l Quatro tamanhos de carcaça: FS

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros Solução em software exclusivo, o SIM V.T 3D oferece um design intuitivo, animações em 3D, animação virtual

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência 2 Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular Área de formação 522. Eletricidade e Energia Curso de formação Técnico/a de Instalações Elétricas Nível de qualificação do QNQ 4 Componentes de Sociocultural Duração: 775 horas Científica Duração: 400

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais