A MASSA DO MÓDULO LUNAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MASSA DO MÓDULO LUNAR"

Transcrição

1 A MASSA DO MÓDULO LUNAR Resumo Sérgio Noriaki Sato Muitas vezes os colegas professores, até por saberem que trabalho com Modelagem Matemática, perguntam-me o que a Modelagem é e como podem implementála em seus trabalhos. Minha concepção de Modelagem Matemática é a mesma de BARBOSA, 2001, ou seja, a de um ambiente de aprendizagem. Este relato de experiência apresenta um acompanhamento de investigação matemática que realizei junto a um grupo de alunos que trabalhavam com o software Lunar Lander 1. Desta forma, iniciou-se um trabalho de modelagem e investigação matemática, nos moldes de PONTE, 2003, sobre um módulo espacial em pouso na Lua. Meu objetivo era que eles realizassem uma investigação matemática e extraíssem informações sobre o tema escolhido; e, desta forma, pudessem praticar a Modelagem Matemática. O grupo atuou comigo de forma satisfatória e conseguimos determinar a massa do módulo lunar do software 2 em 7670 kg. Palavras-chave: Investigação Matemática; Projeto Interdisciplinar; Modelagem Matemática Relato Sou professor de Matemática 3 do Ensino Médio de uma escola particular na cidade de São Paulo, de grande tradição, até mesmo por completar, em 2010, 50 anos de fundação. A disciplina de Matemática que desenvolvo ocorre apenas para os alunos do terceiro ano do Ensino Médio. A minha disciplina é oferecida como uma frente (ou 1 O Lunar Lander é um software free desenvolvido pela equipe do PhET da Universidade do Colorado, em Bolder, EUA, e que pode ser conseguido no endereço 2 Apenas como comentário, o site Wikipédia informa, em sua versão em inglês, que o módulo lunar, chamado de Eagle (águia) tinha massa de kg. 3 Além de professor universitário. 741

2 divisão) da disciplina principal e minha função é trabalhar com os conteúdos já vistos nos anos anteriores (revisão) e realizar uma preparação especial para os processos seletivos do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e do IME (Instituto Militar de Engenharia). Sempre que posso (e não posso tanto quanto gostaria, pois o colégio é muito tradicional) desenvolvo projetos de convite à modelagem matemática e isto passou a ser um modo interessante de envolver os alunos numa perspectiva de formação científica, conforme ZEICHNER, De forma geral os alunos têm os pré-requisitos matemáticos e particularmente o grupo que atendi está acima da média. O professor de Física estava usando um software denominado Lunar Lander que essencialmente é um jogo. Neste jogo o participante controla um módulo lunar, uma pequena nave que desce na Lua. De fato, visualmente, é muito parecido com os módulos lunares que pousaram na Lua no final dos anos sessenta e início dos anos 70 do século XX. Um dos motivos da atividade é que, este ano, em 20 de julho, comemoram-se os 40 anos da chegada dos astronautas ao nosso satélite natural. No jogo o módulo é controlado pelas setas direcionais do teclado, pela barra de espaço e temos, ainda, vários indicadores, que formam o painel de controle, como pode ser visto na figura a seguir. O módulo inicialmente está em repouso a 50m acima da superfície da Lua. O painel de controle de fundo amarelo, no alto à direita, contém: uma seta azul que indica a inclinação do eixo vertical do módulo; um altímetro (na figura indicando 37m), um medidor denominado range, que indica a que distância se está do alvo principal da missão (na figura indicando 45m); um medidor de velocidade vertical, v_y, em metros por segundo (na figura, -6,5); um medidor de velocidade horizontal, v_x, também em metros por segundo (na figura 0,0); um indicador do empuxo recebido do motor principal, denominado thrust, em newtons; e a indicação de quanto combustível resta a disposição do 742

3 módulo, tanto na barra vertical verde, quanto no indicador digital, logo abaixo, que na figura mostra 817kg de combustível. Pode-se, ainda, habilitar ou não o som e a visualização dos vetores de velocidade e aceleração que atuam sobre o módulo. O objetivo do jogo é pousar o maior número de vezes no solo lunar, o mais suavemente possível (protegendo assim a nave e a tripulação), com o combustível disponível, inicialmente em 817kg. Vence a competição o participante que marcar mais pontos. Os pousos devem ocorrer nas regiões planas, pois as rochas e penhascos destroem a nave e a missão se encerra. Pousar mais de uma vez na mesma região plana não concede novos pontos. A pontuação é maior se o pouso é realizado em locais estreitos, entre rochas, e menor se nas grandes áreas planas. De fato, são 5 pontos nas grandes áreas planas e 50 pontos nas regiões estreitas. Dez pontos extras são concedidos se o pouso ocorre com velocidade inferior a 2,0m/s, velocidade total do módulo, como a resultante dos efeitos vertical e horizontal. A nave também é destruída, mesmo que seja uma zona plana, se a velocidade do módulo superar 12m/s. Como controles adicionais existem os botões do teclado R e P que, respectivamente, são usados para reiniciar (reset) e para pausa (pause). A barra de espaço desliga o motor principal, se ele estiver ligado, e liga o motor principal, em máximo empuxo, de N, se ele estiver originalmente desligado. A intenção do professor de Física, neste jogo, exceto as comemorações do pouso na Lua, era estudar os efeitos da gravidade na queda livre, no lançamento vertical, a dinâmica dos vetores, velocidade e aceleração, na movimentação do módulo. Para os alunos, obviamente, trata-se de um jogo, e, portanto, de um ambiente no qual podem brincar, ainda que também possam discutir conceitos de Física. O jogo permite que se possa determinar a altura máxima que o módulo atinge, ou mesmo com que velocidade ele pousa na Lua. Uma das primeiras perguntas que os alunos fizeram ao professor de Física foi Qual a aceleração da gravidade na superfície da Lua?. O professor respondeu de memória que seria algo próximo de um sexto da gravidade terrestre. De fato é o valor que costumeiramente é usado! Como na superfície da Terra a aceleração é próxima de 9,8m/s 2, a aceleração na superfície lunar é de 9,8/6 = 1,63m/s 2. Parte das atividades que fizeram com o jogo Lunar Lander foi exatamente determinar a aceleração gravitacional lunar. Com os dados disponíveis, quais sejam: a 743

4 altura em que o módulo é inicialmente abandonado e a velocidade de impacto do modulo na Lua, um dos alunos, com um sorriso malicioso, me disse que tiveram que matar a tripulação do módulo, mas eles conseguiram esta informação. Tudo pela Ciência!. De fato, como se pode ver na figura a seguir, a tripulação virtual não sobreviveu ao desastrado pouso, se é que podemos dizer assim. O módulo foi abandonado da altura de 50m e atingiu o solo com velocidade final de 12,6m/s. Como os próprios alunos me disseram, a equação de Torricelli 4 resolve este problema. A equação de Torricelli é v 2 = v a.Δy, onde v e v 0 representam, respectivamente, a velocidade final e a velocidade inicial do módulo; a aceleração a que o módulo está sujeito e Δy é a distância percorrida entre as posições inicial e final. Para o problema em questão, v = 12,6m/s; v 0 = 0 (o módulo é abandonado no início da simulação para tanto basta não acionar o motor principal do módulo) e Δy = 50m. Assim posto, v 2 = v a.Δy 12,6 2 = 2.a ,76 = 100.a a = 158,76/100 = 1,59m/s 2, o que está bem razoável, dadas as imprecisões que desconhecemos dos cálculos do próprio software 5. Para efeito deste trabalho, adotar-se-á o valor de 1,6m/s 2 para a aceleração da superfície lunar. Aproveitei a oportunidade para lembrar aos alunos que a equação de Torricelli é ela mesma um modelo. E como modelo permite interpretar um fenômeno a partir dos parâmetros deste fenômeno, nos levando a conclusões. 4 5 Torricelli foi um físico e matemático italiano, aluno de Galileu Galilei, que viveu entre 1608 e De acordo com o site Wikipédia, a aceleração equatorial na superfície lunar é de 0,1654g, onde g = 9,80m/s 2, o que produz a aceleração da superfície da Lua, 1,62m/s

5 Na verdade o próprio jogo Lunar Lander utilizava equações como esta para simular (e mesmo modelar) a situação de um pouso na Lua. Mas o que eles, os alunos, propuseram ao professor de Física? Depois de terem brincado com o jogo e respondido as várias questões que o professor de Física formulou, eles perguntaram ao professor qual é a massa do módulo. O professor disse-lhes que esta informação não estava disponível e que, mesmo tendo consultado o site que originou o jogo, ele não sabia a resposta. E ficou nisto! Os alunos perguntaram se não havia uma forma de se determinar isto e o professor disse-lhes apenas que a massa não tinha relação com a queda livre, pois corpos com massas diferentes caem com a mesma aceleração (o que está corretíssimo!) e encerrou a questão e aula. Um dos alunos perguntou se não seria possível determinar esta massa, pois o professor de Matemática de revisão sempre insistia que se pode explorar um fenômeno matematicamente. O professor disse que mesmo que isto seja possível o problema envolvia uma massa variável e isto implicaria em Matemática Superior, o que estava além do conhecimento deles! Questão encerrada. Até pelo menos eles me procurarem. De fato, sempre os estimulo a questionar a realidade e sempre reafirmo que a matemática pode ser o instrumento para discutí-la, conforme BASSANEZI, O fato é que eles me trouxeram o problema. Qual é a massa do módulo espacial usada no jogo de simulação Lunar Lander? De fato a postura do colega de Física não me é nova! 6. Por isso, preferi omitir os nomes dos envolvidos e da instituição. Formulação do problema Após uma reunião com o grupo, fora do horário de aula 7, estabelecemos que precisávamos determinar como a massa da nave varia e se de fato o software se utilizava deste conceito de massa variável. 6 Há ainda alguma relutância de colegas professores em ver o ambiente de Modelagem Matemática como facilitador na negociação de significados, mas como prática profissional insisto, conforme afirmou D AMBRÓSIO, na oportunidade da palestra de abertura do IV CNMEM, em Piracicaba, SP, em 2003, que (...) o professor deve subverter o status quo (...). 7 Fizemos a reunião no período da tarde, depois da aula regular da manhã e antes das atividades de revisão. 745

6 Era evidente, pelo painel de controle, que a massa de combustível variava, mas talvez esta variação fosse desprezada pelo software. O que sugeri e o grupo acatou, após rápida discussão, era que usássemos os modelos de Galileu e Torricelli para o chamado MUV Movimento Uniformemente Variado. Se a aceleração do módulo lunar se mostrasse constante nas equações, isto significaria que a massa total do módulo era constante. Caso encontrássemos variações significativas nesta aceleração, isto significaria que a massa do módulo lunar variava e esta variação seria a do combustível. Como o painel de controle do Lunar Lander nos informa altura e velocidades, mas não tempo, a equação de Torricelli novamente nos seria útil. A ideia era tabular as alturas e velocidades e determinar a aceleração total sobre o módulo. Pedi que os alunos fizessem a coleta de dados e me trouxessem no próximo encontro. De fato não tive que esperar muito. Por recebi os dados, que me permitiram organizar na tabela a seguir. y(m) v_y(m/s) 50 0, , , , , , , , ,0 Os que eles me relataram é que com o jogo em pausa o motor principal foi acionado (eles haviam descoberto durante as muitas partidas que disputaram que poderiam fazer isto sem consumir combustível) e com a pausa liberada a nave subia verticalmente e cada vez mais rápido, dado que o empuxo do motor, era de N. Importante destacar que um dos alunos do grupo já havia mencionado que se este empuxo é capaz de fazer com que o módulo suba verticalmente então é porque este empuxo é superior ao peso do módulo na Lua. E assim ele já havia me trazido alguns rascunhos de onde se pode escrever: > Peso > m.g > m.1,6 m < 45000/1,6 = kg. Assim, já sabíamos que o módulo não poderia ter massa superior a 28125kg, pois, não fosse isto, o empuxo não seria capaz de erguer a nave. Retomando os dados da última tabela e adaptando a equação de Torricelli para as condições que os alunos haviam colocado no jog,o temos: v 2 = v a.Δy v 2 = 2.a.(y 746

7 50) a = v 2 /(2y 100). Se a massa do módulo é constante, então a aceleração advinda das forças constantes que atuam sobre o módulo (empuxo e peso) deveriam produzir uma aceleração constante. O grupo de alunos já havia concluído que se a massa do módulo se reduz, em função da queima de combustível, a aceleração ascendente deveria crescer. Mostrei a eles os valores encontrados 8 e que podem ser vistos abaixo. y(m) v_y(m/s) a (m/s 2 ) 50 0, ,8 4, ,4 4, ,5 4, ,0 4, ,3 4, ,6 4, ,8 4, ,0 4,62 Ao observar os resultados o grupo foi unânime quanto à variação da aceleração, até porque já havíamos estabelecido a precisão máxima de três algarismos significativos 9. Pensei até em discutir um pouco de análise de variância, para aproveitar o momento para discutir estatística, mas o grupo considerou tão evidente a variação da aceleração que isto ficou só na minha vontade. Eles me perguntaram qual seria o próximo passo? E eu devolvi a pergunta a eles. Pedi que se reunissem e pensassem no que fazer agora. Alguns dias depois, pessoalmente e na escola, eles me contaram que conversaram com o professor de Física que a aceleração do módulo era variável e mostraram como sabiam disto. Neste momento, o professor de Física teve a certeza de que eu estava ajudando. Na verdade, se ele se importou, não me disse! Ao contrário, pediu-me que continuasse ajudando os alunos, pois ele estava sem tempo. Disse-me, ainda, que já havia adiantado a eles que a massa do módulo seria variável e que apenas com Matemática Superior o problema poderia ser abordado. Pessoalmente, me senti como adepto da Modelagem Matemática, desafiado a ajudar os alunos na análise do problema da massa do módulo, ou usando os recursos que eles já tinham, ou, então, aprendendo junto com eles um novo caminho. 8 9 Respondi a eles por . O conceito de algarismo significativo é mais robusto estatisticamente do que o popular quantidade de casas decimais e coerente com um experimento. 747

8 Assim, pedi aos alunos que tabulassem a variação de massa do combustível do módulo para que pudéssemos analisar como era esta variação. E neste caso a informação de tempo era importante. O que eles me relataram é que cronometraram o consumo de combustível a máximo empuxo de N e os resultados estão na tabela a seguir. t(s) m(kg) Os alunos perceberam que a variação de combustível tinha algo de linear, pela proporcionalidade na variação da massa. Contudo, alguns deles já me adiantavam que não existia uma reta que passasse por todos os pontos. O que eles na verdade me diziam é que a reta que passava por dois pontos escolhidos aleatoriamente não se ajustava aos demais pontos. Disse a eles, então, que precisávamos encontrar uma reta que, mesmo que não passasse perfeitamente por todos os pontos, passasse entre eles, com o menor erro possível. Pedi que pesquisassem sobre Mínimos Quadrados e Ajustes de funções. Na verdade estava escondendo o jogo, como diz o dito popular. Pensava em usar o recurso de ajuste de funções (linha de tendência) que o Excel possui. Fiquei surpreso quando o próprio grupo me informou que este recurso estava lá no Excel, mas que eles não tinham entendido em que base isto funcionava. Discutimos por uma hora todas as bases nas quais se apoia o recurso de linha de tendência do Excel, e só isto já fazia valer a pena a discussão do jogo Lunar Lander. Aplicada a linha de tendência linear aos valores dados, o R de Pearson encontrado foi de -0,99991, o que indicava fortíssima tendência linear e que ela era decrescente, pois R < 0, o que tinha todo o significado para o grupo, pois o combustível sofria redução com o tempo. A função ajustada pelo Excel foi m = ,68.t, onde m é a massa residual de combustível, em kg, e t é o tempo de consumo contínuo deste combustível, em segundos. A função encontrada permitiu prever o tempo máximo de uso do empuxo de N, pois m = ,68.t = 0 t = 816/14,68 = 55,6 s. Este resultado foi 748

9 validado pelo próprio software. Na verdade os alunos já sabiam deste tempo devido a sua experiência em usá-lo como jogo. Neste momento tínhamos a certeza da variação da massa do módulo e acreditávamos que esta variação se dá em função da massa de combustível. Mas como ter certeza disto? Não havia razão, pelo menos assim pensava o grupo inicialmente, de que a massa variasse em função de outra coisa, que não a massa consumida de combustível. Mas disse a eles que o rigor científico nos exigia esta certeza. Um deles sugeriu então que acompanhássemos a velocidade do módulo, após o término do combustível e tabelássemos a posição do módulo e sua velocidade. Deveríamos então obter uma aceleração constante. A tabela a seguir retira qualquer dúvida e novamente a ajuda vem da equação de Torricelli. y(m) v_y(m/s) a (m/s 2 ) , ,3-1, ,4-1, ,6-1, ,4-1,60 E para aqueles que ficaram com vontade de saber a altura máxima atingida pelo módulo, isto também pode ser determinado pela equação de Torricelli e também foi validado pelo software, onde se registrou o valor máximo da altura em m, como atesta a figura a seguir do painel de controle. Ainda que seja bem difícil se conseguir v_y exatamente igual a zero. O grupo já estava seguro de que a massa do módulo variava em função da queima de combustível e apenas isto. 749

10 Mas a questão ainda permanecia: Qual é a massa do módulo lunar? Precisamos de alguma expressão matemática em que pudéssemos ter a massa do módulo. Disse aos alunos, que estão fazendo várias revisões para os vestibulares, que era missão deles encontrar algo. E eles encontraram! O teorema do impulso afirma que o produto entre a força resultante e o tempo de aplicação da força é igual ao produto entre a massa e a variação de velocidade. Em termos matemáticos 10 F.Δt = m.δv. Mas há um problema! Isto só é verdadeiro se a massa for constante. Sabemos que a massa varia linearmente com o tempo. Fiz a sugestão de levar em conta esta variação e considerar uma massa média. Na verdade, a ideia foi usar como massa constante a massa média do intervalo Δt considerado. Assim, o teorema do impulso fica: F.Δt = m.δv. Onde F é a força resultante, ou seja, a diferença entre o empuxo e o peso do módulo, F = E P. Ocorre que o peso do módulo também depende da massa do módulo, pois P = m.g, então F = E m.g. A massa do módulo deveria ser uma massa M fixa, menos aquela perda média de massa, no intervalo considerado. Isto posto ficamos com F = (M - Δm/2).g. Então, o teorema do impulso torna-se finalmente: [45000 (M - Δm/2).g].Δt = (M - Δm/2).Δv Pedi a eles, então, que a partir da massa residual no tanque do módulo e da velocidade vertical, ambas dadas pelo painel de controle, e também das medidas de tempo cronometradas, calculássemos o valor de M. Δm Δm t +. gt +. v Da última equação, tem-se que M = 2 2 v + gt A tabela a seguir mostra os dados obtidos e a massa estimada para o módulo. Combustível residual (kg) Velocidade vertical na pausa (m/s) Tempo de impulso estimado 11 (s) Perda de massa (kg) Semiperda (kg) Massa estimada (kg) ,1 3, ,0 7635, ,2 4, ,5 7664, Na verdade uma variação da segunda lei de Newton, F = m.a. O tempo de impulso foi estimado pela equação ajustada entre a massa residual e o tempo. 750

11 722 27,7 6, ,0 7640, ,8 7, ,5 7665, ,8 8, ,0 7673, ,9 11, ,0 7677, ,3 14, ,5 7670, ,4 16, ,0 7677, ,0 21, ,5 7668, ,7 27, ,0 7674, ,9 33, ,5 7671, ,1 37, ,5 7678, ,8 41, ,5 7676, ,6 45, ,5 7672, ,9 48, ,5 7675, ,9 49, ,5 7674, ,4 50, ,0 7670, ,5 52, ,0 7675, ,3 53, ,5 7672, ,8 54, ,5 7691, ,8 55, ,5 7670,52 Os alunos ficaram um pouco preocupados ao ver os resultados para a massa do módulo, pois esperavam uma massa fixa na última coluna. Os tranquilizei de que estamos estimando a massa do módulo a partir de dados que variam. Como eles já haviam estudado um pouco de estatística, pedi que calculassem o coeficiente de variação para a massa do módulo. Eles não se lembravam o que era inicialmente. Lembrei-os que era a razão entre o desvio padrão e a média dos dados, e que eles poderiam facilitar as operações com o uso do Excel novamente. Por eles me retornaram o valor de 0,158%, que é baixíssimo! Por fim, adotamos a média das massas encontradas, 7.670kg, como sendo a massa do módulo. Considerações finais Levamos nossos resultados para a classe e o grupo foi aplaudido pelos colegas. O professor de Física ficou impressionadíssimo, mas não tem puxado muita conversa comigo. Pedi que o grupo apontasse o que chamou mais a atenção a eles neste evento: 1. A aquisição de conhecimentos relativos à Estatística, na prática. 2. Aplicação dos conceitos de Física na prática, ainda que simulada. 3. Consideraram o Lunar Lander um jogo pedagógico muito bem feito e parabenizam à equipe do PhET da Universidade do Colorado. 751

12 4. A aquisição de habilidades quanto ao emprego da planilha de cálculo Excel para a determinação de tendências no comportamento de uma variável. 5. Que a Matemática é um instrumento interessante para mediar nossa comunicação com a realidade o que validou a fala popular Gente... A Matemática serve para alguma coisa!. 6. Que mesmo um simples jogo de computador, ainda que tenha pretensões pedagógicas, pode proporcionar um cenário para mais aprendizagem. Assim, isto ratifica minha posição quanto à Modelagem Matemática como um ambiente de aprendizagem onde o aluno também fala além de ouvir; onde o professor coordena e não apenas transmite conteúdo; conteúdo este que é aberto e não fechado e no qual a visão de mundo possa ser mais relacional a partir de uma perspectiva que não é apenas cognitiva, mas cognitiva-emocional. A partilha de valores, como a tenacidade, medida através da vontade em resolver o problema, foi para mim um troféu. Referências BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem Matemática: concepções e experiências de futuros professores. Tese de doutorado. Rio Claro: Unesp, BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto, PONTE, João Pedro da et al. Investigações Matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, ZEICHNER, Keneth. A formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa, Portugal: Educa,

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Natel Marcos Ferreira

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Natel Marcos Ferreira SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Natel Marcos Ferreira Movimento 1. Nível de ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

Lançamento Vertical e Queda Livre

Lançamento Vertical e Queda Livre Lançamento Vertical e Queda Livre 1 (Uerj 13) Três pequenas esferas, e uma mesma altura, verticalmente para o solo Observe as informações da tabela: Esfera Material Velocidade inicial E 1 chumbo E alumínio

Leia mais

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique.

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique. NOME: Nº. Progressão Parcial da1 a série (EM) TURMA: 21D DATA: 23/ 03/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio ASSUNTO: Exercício de revisão sobre movimento acelerado VALOR: NOTA: 1) Escreva no espaço abaixo

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Projeto PIBID-IFRS-BG Área: Física Plano de Aula para Aplicação de Atividade Didática Nº de

Leia mais

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical 01 Em uma queda livre, a resultante das forças é o peso; assim: R = P m a = m g a = g = constante Então, se há um movimento uniformemente variado (MUV), os itens b, d, e, g e h estão corretos, e os itens

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

Lista de exercícios nº 2

Lista de exercícios nº 2 F107 Física (Biologia) Turma B Prof. Odilon D. D. Couto Jr. Lista de exercícios nº 2 MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Exercício 1: A velocidade escalar média é definida como a razão entre a distância total percorrida

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Por: George Schlesinger Existem diversos tipos de gráficos: linhas, barras, pizzas etc. Estudaremos aqui os gráficos

Leia mais

Capítulo 16. Gravitação. Página 231

Capítulo 16. Gravitação. Página 231 Capítulo 16 Gravitação Página 231 O peso de um corpo é consequência da força de gravidade com que o corpo é atraído pela Terra ou por outro astro. É medido com dinamômetro. Não levando em conta os efeitos

Leia mais

MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal. profº CARLOS ALÍPIO

MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal. profº CARLOS ALÍPIO 1 MOVIMENTO SOB A AÇÃO DA GRAVIDADE QUEDA LIVRE Lançamento obliquo e horizontal 2 QUEDA LIVRE MOVIMENTO SOB AÇÃO DA GRAVIDADE Na natureza podemos observar que um corpo abandonado dentro do campo gravitacional

Leia mais

Modelando o controle do crescimento humano

Modelando o controle do crescimento humano Modelando o controle do crescimento humano Marília Zabel (1) ; Ana Luiza Hein (2) ; Vitória Raissa Prada Fronza (3) (1) Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

Cinemática sem fórmulas?

Cinemática sem fórmulas? Cinemática sem fórmulas? Prof. Fernando Lang da Silveira IF-UFRGS Segundo Piaget a idéia de velocidade nas crianças é geneticamente anterior a de espaço percorrido, de deslocamento. Einstein, ao assistir

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Cálculo de resultante I Considere um corpo sobre o qual atual três forças distintas. Calcule a força resultante. F 1 = 10 N 30 F

Leia mais

Medir a aceleração da gravidade... com um telemóvel! Fisiquipédia 9

Medir a aceleração da gravidade... com um telemóvel! Fisiquipédia 9 Medir a aceleração da gravidade... com um telemóvel! Acelerómetros Uma das medidas de segurança de computadores e smarthphones modernos é a incorporação de um acelerómetro nestes aparelhos. Como o nome

Leia mais

Provas Comentadas OBF/2011

Provas Comentadas OBF/2011 PROFESSORES: Daniel Paixão, Deric Simão, Edney Melo, Ivan Peixoto, Leonardo Bruno, Rodrigo Lins e Rômulo Mendes COORDENADOR DE ÁREA: Prof. Edney Melo 1. Um foguete de 1000 kg é lançado da superfície da

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão Perguntas 1. A Figura 1 é uma gráfico

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton.

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton. CAPÍTULO 8 As Leis de Newton Introdução Ao estudarmos queda livre no capítulo cinco do livro 1, fizemos isto sem nos preocuparmos com o agente Físico responsável que provocava a aceleração dos corpos em

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.)

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) 1. INTRODUÇÃO Ao caminhar por praias do Nordeste brasileiro, uma pessoa, com certeza, passa junto de coqueiros bem carregados de cocos verdes. Em meio à bela paisagem,

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

A equação da posição em função do tempo t do MRUV - movimento retilíneo uniformemente variado é:

A equação da posição em função do tempo t do MRUV - movimento retilíneo uniformemente variado é: Modellus Atividade 3 Queda livre. Do alto de duas torres, uma na Terra e outra na Lua, deixaram-se cair duas pedras, sem velocidade inicial. Considerando que cada uma das pedras leva 3,0s atingir o solo

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Cinemática Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Unifesp) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após

Leia mais

SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS

SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS 1. MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO M.U.V. Na maior parte dos casos a velocidade dos objetos em movimento não

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO

A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO Ranieri Miranda Imperatori (IF-Sudeste/Rio Pomba) Silvana Lucas Bomtempo Matos (IF-Sudeste/Rio Pomba) RESUMO Este artigo tem como objetivo,

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL Marcelo Rolim EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CIÊNCIAS (FÍSICA) 8ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL 2º TRIMESTRE/2012 Exercícios de Revisão 01. Calcule a distância percorrida por um móvel

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

Larissa Vilela de Rezende Lucas Fré Campos

Larissa Vilela de Rezende Lucas Fré Campos ENSINANDO REGRA DE TRÊS SIMPLES COM MATERIAL DOURADO EM UMA ESCOLA ESTADUAL DE LAVRAS Resumo Larissa Vilela de Rezende Lucas Fré Campos UFLA/DEX, larissavilela@outlook.com.br UFLA/DEX, lucas_fre@matematica.ufla.br

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 05 Taxas de variação e função lineares III Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

P R O V A DE FÍSICA II

P R O V A DE FÍSICA II 1 P R O V A DE FÍSICA II QUESTÃO 16 A figura mostra uma barra rígida articulada no ponto O. A barra é homogênea e seu peso P está em seu ponto médio. Sobre cada uma de suas extremidades são aplicadas forças

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Energia Cinética e Potencial 1. (UEM 01) Sobre a energia mecânica e a conservação de energia, assinale o que for correto. (01) Denomina-se energia

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA BRAZ, Bárbara Cândido. USF/Matemática, Fecilcam, babicbraz@hotmail.com CEOLIM, Amauri Jersi. Fecilcam,

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO

O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO Débora da Silva Soares 1 Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho debbie_mat@yahoo.com.br Nilton Silveira Domingues

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação Apresentação Após lecionar em colégios estaduais e particulares no Estado de São Paulo, notei necessidades no ensino da Física. Como uma matéria experimental não pode despertar o interesse dos alunos?

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO.

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. Francisca Valdielle Gomes Silva Discente do Curso de Matemática da Universidade

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

FÍSICA, 1º Ano do Ensino Médio Potência Mecânica. A máquina a vapor

FÍSICA, 1º Ano do Ensino Médio Potência Mecânica. A máquina a vapor POTÊNCIA MECÂNICA POTÊNCIA MECÂNICA No século XVIII, o desenvolvimento da máquina a vapor trouxe uma contribuição significativa para a expansão da indústria moderna. A demanda por carvão exigia que as

Leia mais

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir:

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: 1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: Com relação ao movimento mostrado no gráfico, assinale a alternativa CORRETA. a) A partícula inicia

Leia mais

Proposta de ensino de Força peso e Aceleração da Gravidade para o ensino médio com uso de sensores da PASCO

Proposta de ensino de Força peso e Aceleração da Gravidade para o ensino médio com uso de sensores da PASCO Proposta de ensino de Força peso e Aceleração da Gravidade para o ensino médio com uso de sensores da PASCO Gilmar Wagner Guilherme Liguori Mateus H. R. Zaniti Rafael Henrique Campos Rogério Hisashi Honda

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON Aluno (a): N Série: 1º Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 Disciplina: FÍSICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON 01. Explique a função do cinto de segurança de um carro, utilizando o

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

EAM- FÍSICA. Comentários da prova de Física EAM 2012:

EAM- FÍSICA. Comentários da prova de Física EAM 2012: Comentários da prova de Física EAM 2012: Comentários elaborado pelo Professor Xiru e revisado Pela Professora Cristiane professores do Liderança Cursos Preparatórios, Rio Grande-RS. No geral, a prova foi

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical.

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Habilidades: Compreender os conceitos físicos que se relacionam ao movimento dos corpos. Saber calcular as grandezas físicas relacionados com o lançamento vertical.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO Pré Vestibular ísica / / luno: Nº: Turma: LEIS DE NEWTON 01. (TEC daptada) Dois blocos e de massas 10 kg e 20 kg, respectivamente, unidos por um fio de massa desprezível, estão em repouso sobre um plano

Leia mais

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315.

(Desconsidere a massa do fio). SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA. a) 275. b) 285. c) 295. d) 305. e) 315. SISTEMAS DE BLOCOS E FIOS PROF. BIGA 1. (G1 - cftmg 01) Na figura, os blocos A e B, com massas iguais a 5 e 0 kg, respectivamente, são ligados por meio de um cordão inextensível. Desprezando-se as massas

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades. Representação Gráfica de Funções

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades. Representação Gráfica de Funções Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades BC 0005 Bases Computacionais da Ciência Representação Gráfica de Funções Prof a Maria das Graças Bruno Marietto graca.marietto@ufabc.edu.br

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA.

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. Eugeniano Brito Martins Ana Carolina Costa Pereira eugenianobm@yahoo.com.br carolinawx@gmail.com Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Estado

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 10.2 Conteúdo:

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 10.2 Conteúdo: UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 10.2 Conteúdo: Estudo das forças: aplicação da leis de Newton. Habilidades: Utilizar as leis de Newton para resolver situações problemas. REVISÃO

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel.

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel. A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL Márcia Santos Melo Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul marciameloprofa@hotmail.com Marcos Henrique Silva Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais