PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO HENRIQUE DUARTE LIMA JONATHAN CARVALHO DINIZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO HENRIQUE DUARTE LIMA JONATHAN CARVALHO DINIZ"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO HENRIQUE DUARTE LIMA JONATHAN CARVALHO DINIZ RELATÓRIO TÉCNICO FINAL SISTEMA DE PREVISÃO DE CONDIÇÕES ADVERSAS DE CONDUÇÃO ENVOLVENDO NEBLINA EM RODOVIAS Orientador: Prof. MSc. Afonso Ferreira Miguel CURITIBA 2013

2 HENRIQUE DUARTE LIMA JONATHAN CARVALHO DINIZ RELATÓRIO TÉCNICO FINAL SISTEMA DE PREVISÃO DE CONDIÇÕES ADVERSAS DE CONDUÇÃO ENVOLVENDO NEBLINA EM RODOVIAS Relatório Técnico Final apresentado ao Curso de Engenharia de Computação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial de avaliação da disciplina de Projeto Final II, coordenada pelo Prof. Ph.D. Luiz A. de P. Lima Jr. Orientador: Afonso Ferreira Miguel. CURITIBA 2013

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DETALHAMENTO DO PROJETO VISÃO GERAL DO PROJETO Relação entre os módulos Módulo de Aquisição Módulo Central BLOCO DE SOFWARE Diagrama de Classes Pseudo-código Calcular Ponto de Orvalho Pseudo-código Encontrar Zero Pseudo-código Pivoteamento Parcial Pseudo-código Método dos Mínimos Quadrados Pseudo-código Desvio Padrão BLOCO DE HARDWARE Diagrama Elétrico do Módulo de Aquisição Diagrama Elétrico do Módulo Central IMPLEMENTAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS Módulo de Aquisição Módulo Central CRONOGRAMA DO PROJETO PLANO DE TESTES INTRODUÇÃO PLANO DE TESTES DO MÓDULO DE AQUISIÇÃO Descrição Resultados esperados Resultados obtidos PLANO DE TESTES DO MÓDULO CENTRAL Descrição Resultados esperados Resultados obtidos ANÁLISE DOS RISCOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 43

4 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Relação entre os módulos do projeto... 8 Figura 2: Diagrama de blocos do módulo de aquisição... 9 Figura 3: Diagrama de blocos do módulo central Figura 4: Diagrama de classes do projeto Figura 5: Pseudo-códido do cálculo do ponto de orvalho Figura 6: Diagrama de atividade do algoritmo de cálculo de ponto de orvalho Figura 7: Pseudo-código da funcionalidade que verifica a existência de zero Figura 8: Diagrama de atividade do algoritmo que verifica a existência de zero Figura 9: Pseudo-código da funcionalidade de pivoteamento parcial Figura 10: Diagrama de atividade da seleção do pivô Figura 11: Diagrama de atividade da permutação entre as linhas da matriz Figura 12: Diagrama de atividade do escalonamento da matriz Figura 13: Pseudo-código do método dos mínimos quadrados Figura 14: Fórmulas utilizadas no método dos mínimos quadrados (MMQ) Figura 15: Diagrama de atividade do método de ajuste de curva Figura 16: Exemplo de ajuste de curva Figura 17: Algumas famílias de curvas para ajustes não lineares Figura 18: Pseudo-código do cálculo do desvio padrão Figura 19: Diagrama de atividade do algoritmo de cálculo do desvio padrão Figura 20: Diagrama elétrico do módulo de aquisição Figura 21: Diagrama elétrico do módulo central Figura 22: Layout do software de previsão de neblina Figura 23: Ambiente remoto do módulo central Figura 24: Cronograma do projeto referente ao Projeto Final I Figura 25: Cronograma do projeto referente ao Projeto Final II... 31

5 5 Figura 26: Dados de incidência de neblina Figura 27: Dados parciais de incidência de neblina Figura 28: Funcionamento evidenciando a incidência de neblina Figura 29: Funcionamento evidenciando a não incidência de neblina... 35

6 RESUMO O projeto consiste no desenvolvimento de um conjunto de dispositivos, interligados utilizando a tecnologia de rede sem fio ZigBee, que a partir do monitoramento de algumas variáveis do ambiente seja capaz de prever e disponibilizar a probabilidade de ocorrência de neblina. A aplicação ao qual o produto do projeto se destina é em relação ao monitoramento de trechos de rodovia com alta incidência de neblina, a fim de permitir que os responsáveis pela via possam realizar tomadas de decisão a partir das informações geradas, visando evitar a ocorrência de acidentes. Os diversos módulos, responsáveis por monitorar as variáveis do ambiente, contarão com um sistema embarcado desenvolvido em linguagem de programação C, e serão configurados para encaminhar os dados coletados para uma central responsável por realizar o processamento dos mesmos, bem como disponibilizar o resultado do processamento, ou seja, a probabilidade de ocorrência de neblina. Com as especificações definidas, bem como todos os escopos a serem seguidos, obteve-se êxito na implementação do projeto propriamente dito, tanto na parte de software quando na parte de hardware, onde estão envolvidos todo o processamento, sendo este a do cálculo da probabilidade de ocorrência de neblina e os módulos central e de aquisição.

7 7 1. INTRODUÇÃO Os acidentes de trânsito [1] representam um grave problema social, pois em muitos casos causam diversos problemas psicológicos nos envolvidos, assim como ceifa a vida de muitas pessoas, e consequentemente afeta famílias de forma permanente e devastadora. Há também um aspecto econômico envolvido, visto que os acidentes geram elevados custos para os responsáveis por determinada rodovia, sendo este um importante aspecto que deve ser observado por uma concessionária que detém o direito sobre a administração de uma via. Muitos dos acidentes em rodovias estão diretamente ligados à baixa visibilidade oriunda dos efeitos da neblina. Para mitigar as consequências das condições desfavoráveis de visibilidade causadas por neblina é necessário prever a ocorrência desta situação climática, com algumas horas de antecedência, sobre uma determinada região. Com o conhecimento prévio é possível que a concessionária ou órgão responsável pela administração de uma determinada via, elabore medidas preventivas, como informar aos condutores da via sobre a situação através de painéis eletrônicos, ou mesmo alterando a velocidade máxima de circulação. Foi desenvolvido o projeto em sua totalidade, bem como todos os seus requisitos, sendo esta a parte de software, responsável pelo algoritmo que realiza o cálculo de probabilidade de ocorrência de neblina e a parte de hardware, onde foram implementados o módulo central e o módulo de aquisição das variáveis do ambiente. Neste documento, estará sendo descrito os detalhes do projeto implementado. Serão descritas as funcionalidades, bem como o bloco de hardware e software do projeto e os módulos desenvolvidos. Estarão sendo descritos também o cronograma do projeto, os procedimentos de validação/teste, a análise dos riscos do projeto e por fim, os resultados obtidos após o término da implementação.

8 8 2. DETALHAMENTO DO PROJETO 2.1. VISÃO GERAL DO PROJETO Relação entre os módulos Segue abaixo, na Figura 1, o relacionamento entre os módulos do projeto. Figura 1: Relação entre os módulos do projeto. Na Figura 1, observa- se que o módulo central solicita aquisição dos dados ao módulo de aquisição 1. Na sequência, o módulo de aquisição 1 realizará a aquisição dos dados em questão. Logo após, estes dados serão transmitidos ao módulo central. Finalizado esta etapa, o módulo central realiza o mesmo procedimento para os n módulos de aquisição Módulo de Aquisição O diagrama de blocos abaixo, apresentado na Figura 2, representa o funcionamento do módulo responsável pela aquisição das variáveis do ar e do solo, necessárias para a tarefa de previsão de neblina, sendo este o papel do módulo central.

9 9 Figura 2: Diagrama de blocos do módulo de aquisição. Descrição do diagrama de blocos do módulo de aquisição O módulo de aquisição não realiza nenhuma atividade até que o mesmo receba do módulo central, uma solicitação de aquisição das variáveis. Na sequência, após receber uma solicitação, o módulo de sensoriamento realizará a aquisição da temperatura do ar e da umidade relativa do ar, bem como a aquisição da temperatura do solo. Após estas três variáveis serem obtidas, o módulo de aquisição realizará o cálculo do ponto de orvalho e transmitirá, através do módulo de comunicação, os dados ao módulo central.

10 Módulo Central O diagrama de blocos abaixo, apresentado na Figura 3, representa o funcionamento do módulo responsável pelo processo de previsão de neblina. Figura 3: Diagrama de blocos do módulo central.

11 11 Descrição do diagrama de blocos do módulo central O módulo central solicitará os dados do ar e do solo ao módulo de aquisição, e aguardará o recebimento dos dados em um tempo máximo estipulado. Após os dados serem recebidos, primeiramente será calculado o ponto de orvalho com base na temperatura do ar e na umidade relativa do ar. Após o cálculo do ponto de orvalho, é aplicado o método de ajuste de curvas para os pontos de temperatura do solo, bem como para os pontos de ponto de orvalho. O ajuste de curvas é realizado para vários formatos de equações, todas em função do tempo. Na sequência, será selecionada a melhor equação que representa o comportamento da temperatura do solo e a melhor equação que representa o comportamento do ponto de orvalho, levando-se em consideração o desvio padrão das equações. Logo após, serão igualadas as duas equações, a fim de obter uma previsão do momento em que ocorrerá a saturação da quantidade de água no ar. A partir do resultado, será verificado se o tempo calculado está na faixa de tempo máximo de previsão, bem como será calculado um grau de certeza com base no desvio padrão. Por fim, as informações serão disponibilizadas ao usuário.

12 BLOCO DE SOFTWARE Diagrama de Classes O diagrama de classes abaixo, apresentado na Figura 4, representa as principais abstrações necessárias para a realização das atividades do módulo central. Para o desenvolvimento do mesmo, utilizou-se o software Astah [2]. Figura 4: Diagrama de classes do projeto. No diagrama acima, observa-se que a classe do módulo central possui seis instâncias da classe Equação, sendo estas referentes a três formas distintas de ajustes de equação para temperatura do solo e de forma análoga, outras três para o ponto de orvalho. Importante destacar, que o método CalcularProbabilidade determina a probabilidade a partir do menor desvio padrão, ou seja, quanto menor o desvio padrão, maior a probabilidade de ocorrer neblina, visto que neste caso a curva foi bem ajustada. O valor desta probabilidade será calculada por uma fórmula a ser determinada empiricamente, que relaciona desvio padrão e confirmação da previsão.

13 Pseudo-código Calcular Ponto de Orvalho O pseudo-código abaixo representa o implementação genérica da funcionalidade de cálculo de ponto de orvalho. método CalcularPOrvalho(t, h : double[]) : double[] variáveis n : tamanho(t); k : inteiro; PO : double[]; fim-variáveis início fim para k de 0 até n-1 PO[k] := ( (h[k]/100) ^(1/8) )*(112 +0,9*t[k]) +(0,1*t[k])-112; fim-para retorna PO; Figura 5: Pseudo-código do cálculo do ponto de orvalho. No pseudo-código acima, é recebido como parâmetro a temperatura do ar e a umidade do ar. A partir destas duas variáveis, utilizam-se as mesmas para determinar o ponto de orvalho, levando-se em consideração uma equação aproximada [3] previamente definida. Por fim, após o cálculo do ponto de orvalho, o resultado é retornado. Abaixo, na Figura 6, é possível visualizar o diagrama de atividade do algoritmo de cálculo de ponto de orvalho. O diagrama abaixo foi desenvolvido utilizando-se o software BizAgi [4].

14 Figura 6: Diagrama de atividade do algoritmo de cálculo de ponto de orvalho. 14

15 Pseudo-código Encontrar Zero O pseudo-código abaixo representa o implementação genérica da funcionalidade que verifica a existência de zero, na diferença entre as duas funções, em um determinado intervalo. método EncontrarZero(temp : Equação, POrvalho : Equação, t1, t2, tinc : double) : boolean variáveis v1, v2 : double; fim-variáveis início fim v1 := temp.estimar(t1) - POrvalho.Estimar(t1); para k de t1+tinc até t2 v2 := temp.estimar(k) - POrvalho.Estimar(k); se v1 > 0 E v2 < 0 retorna verdadeiro fim-se se v1 < 0 E v2 > 0 retorna verdadeiro; fim-se fim-para retorna falso; Figura 7: Pseudo-código da funcionalidade que verifica a existência de zero. No pseudo-código acima, é recebido como parâmetro o objeto que representa a equação da temperatura do solo, bem como o objeto que representa a equação do ponto de orvalho. É recebido também o intervalo no qual pretende-se verificar a ocorrência de zero, ou seja, se há um momento em que a equação da temperatura do solo é igual a equação do ponto de orvalho. Outro parâmetro necessário é o chamado tinc, sendo este a variação entre os pontos, que serão verificados a ocorrência de zero. Levando-se em consideração os parâmetros citados acima, é verificado se há um momento onde a diferença entre as duas equações sofre uma mudança de sinal, ou seja, cruza o eixo das ordenadas. Por fim, após todo o processo, caso não seja encontrado nenhum ponto de mudança de sinal, é retornado o valor falso. Caso contrário, é retornado o valor verdadeiro.

16 16 Abaixo, na Figura 8, é possível visualizar o diagrama de atividade do algoritmo da funcionalidade que verifica a existência de zero. O diagrama abaixo foi desenvolvido utilizando-se o software BizAgi [4]. Figura 8: Diagrama de atividade do algoritmo que verifica a existência de zero.

17 Pseudo-código Pivoteamento Parcial O pseudo-código abaixo representa a implementação genérica da funcionalidade responsável por escalonar o sistema de equação (Pivoteamento Parcial) [5]. método PivoteamentoParcial(A : double[][]) : double variáveis k, p : inteiro; c1, c2: double; fim-variáveis início fim para k de 0 até n-2 max := abs(a[k][k]); p := k; para i de k+1 até n-1 se abs(a[i][k]) > max então max := abs(a[i][k]); p := i; fim-se fim-para se p k então para j de k até n-1 temp := A[k][j]; A[k][j] =: A[p][j]; A[p][j] := temp; fim-para fim-se para l de k+1 até n-1 m := A[l][k] / A[k][k]; para c de k+1 até n-1 A[l][c] := A[l][c] - m*a[k][c]; fim-para fim-para fim-para retorna A; Figura 9: Pseudo-código da funcionalidade de pivoteamento parcial. No pseudo-código acima, é recebido uma matriz que representa um sistema de equação, onde a última coluna representa o termo independente. A partir deste sistema, no primeiro laço de repetição aninhado, ocorre a seleção do pivô. No segundo laço de repetição aninhado, ocorre a permutação entre as linhas da matriz. Já no terceiro laço de repetição aninhado, ocorre o escalonamento da matriz. Por fim, após todo o processo, a matriz escalonada é retornada.

18 18 Abaixo, nas Figuras 10, 11 e 12, é possível visualizar o diagrama de atividade do algoritmo da funcionalidade responsável por escalonar o sistema de equação. Os diagramas abaixo foram desenvolvidos utilizando-se o software BizAgi [4]. Figura 10: Diagrama de atividade da seleção do pivô. Figura 11: Diagrama de atividade da permutação entre as linhas da matriz.

19 19 Figura 12: Diagrama de atividade do escalonamento da matriz Pseudo-código Método dos Mínimos Quadrados O pseudo-código abaixo representa a implementação genérica da funcionalidade responsável por ajustar uma curva em relação a um determinado conjunto de pontos [6].

20 método MMQ(t', ft' : double[]) 20 variáveis M: double[][]; c1, c2: double; n = tamanho(t ); fim-variáveis início M[0][0] := M[0][1] := M[0][2] := M[1][0] := M[1][1] := M[1][2] := 0; para k de 1 até n M[0][0] := M[0][0] + 1; M[0][1] := M[0][1] + t'[k]; M[1][1] := M[1][1] + t'[k]* t'[k]; M[0][2] := M[0][2] + ft'[k]; M[1][2] := M[1][2] + ft'[k]*t'[k]; fim-para M[1][0] := M[0][1]; M := PivoteamentoParcial(M); c2 := M[1][2] / M[1][1]; c1 := (M[0][2] - M[0][1]*c2) / M[0][0]; fim Figura 13: Pseudo-código do método dos mínimos quadrados. No pseudo-código acima, é recebido o tempo e uma variável dependente do tempo, podendo ser a temperatura do solo ou o ponto de orvalho. A partir destas informações, é realizado o procedimento de somatórios para determinar a reta que melhor se ajusta a estes pontos pelo MMQ, como mostra a Figura 14. n 1 k=1 n t k [ k=1 n t k k=1 n (t k ) 2 k=1 ] [ c1 c2 ] = n ft k k=1 n ft k t k [ k=1 ] Figura 14: Fórmulas utilizadas no método dos mínimos quadrados (MMQ). Abaixo, na Figura 15, é possível visualizar diagrama de atividade do algoritmo da funcionalidade responsável por escalonar o sistema de equação. O diagrama abaixo foi desenvolvido utilizando-se o software BizAgi [4].

21 Figura 15: Diagrama de atividade do método de ajuste de curva. 21

22 22 Para melhor exemplificar o funcionamento do método dos mínimos quadrados, para ajuste de curvas, segue abaixo um exemplo de ajuste [6] : Figura 16: Exemplo de ajuste de curva [6]. Há algumas situações, a família de funções que mais se ajustam a um conjunto de pontos pode não ser linear. Para que seja possível aplicar o MMQ, é necessário realizar uma linearização através de uma transformação conveniente, ou seja, alguma transformação que encaixa-se nos casos abaixo. A tabela de curvas de ajuste [6] pode ser visualizada na Figura 17.

23 23 Figura 17: Algumas famílias de curvas para ajustes não lineares [6] Pseudo-código Desvio Padrão O pseudo-código abaixo representa a implementação genérica da funcionalidade responsável por realizar o cálculo do desvio padrão [7]. método DesvioPadrão() : double variáveis ft : double; n : tamanho(ft); k : inteiro; soma : inteiro; dif : double; fim-variáveis início fim soma := 0; para k de 0 até n-1 dif := ft[k] - Estimar(k); soma := soma + dif*dif; fim-para retorna sqrt( (1/(n-1)*soma ); Figura 18: Pseudo-código do cálculo do desvio padrão. O pseudo-código acima é responsável por realizar o cálculo do desvio padrão da equação com base nos pontos utilizados no ajuste de curvas. Por fim, após todo o cálculo do desvio padrão, o resultado é retornado.

24 24 Abaixo, na Figura 19, é possível visualizar o diagrama de atividade do algoritmo da funcionalidade responsável calcular o desvio padrão. O diagrama abaixo foi desenvolvido utilizando-se o software BizAgi [4]. Figura 19: Diagrama de atividade do algoritmo de cálculo do desvio padrão.

25 BLOCO DE HARDWARE Diagrama Elétrico do Módulo de Aquisição Na Figura 20 mostrada abaixo, é apresentado o diagrama elétrico/lógico do módulo de aquisição das variáveis do ambiente, sendo estas a temperatura e umidade relativa do ar, bem como a temperatura do solo. O diagrama elétrico foi desenvolvido utilizando-se o software Cadsoft Eagle [8]. Figura 20: Diagrama elétrico do módulo de aquisição. O diagrama elétrico do módulo de aquisição consiste basicamente no microcontrolador ATmega168 [9] interligado com o módulo de comunicação XBee Pro S2B [10]. Estão presentes também os sensores de temperatura [11] e umidade relativa do ar [12], bem como da temperatura do solo [11].

26 Diagrama Elétrico do Módulo Central Na Figura 21 mostrada abaixo, é apresentado o diagrama elétrico/lógico do módulo central, que tem por finalidade solicitar os dados ao módulo de aquisição, bem como realizar os procedimentos de cálculo de ponto de orvalho, escalonamento de matrizes, ajuste de curvas a fim de obter a possibilidade de ocorrência de neblina. O diagrama elétrico foi desenvolvido utilizando-se o software Cadsoft Eagle [8]. Figura 21: Diagrama elétrico do módulo central. O diagrama elétrico do módulo central consiste basicamente do Raspberry Pi [14] interligado com o módulo de comunicação XBee Pro S2B [10]. Há também os reguladores de tensão, sendo estes o regulador de tensão para 3,3V L7833 [13], que alimentará o módulo de comunicação, e outro regulador de tensão para 5V L7805 [13], que alimentará o Raspberry Pi [14].

27 IMPLEMENTAÇÂO E INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS Módulo de Aquisição Como foi citado no tópico anterior, o módulo de aquisição foi implementado utilizando-se um microcontrolador ATmega168 [9] interligado com o módulo de comunicação XBee Pro S2B [10]. Estão presentes também os sensores de temperatura [11] e umidade relativa do ar [12], bem como da temperatura do solo [11]. Toda a programação do módulo de aquisição foi desenvolvida em linguagem de programação C, utilizando o software Arduino, onde foram implementadas funções de aquisição de temperatura, umidade relativa e ponto de orvalho. Foi implementado também a função responsável pela integração com o módulo central, que tem por finalidade enviar os dados ao mesmo quando solicitado. O módulo de comunicação XBee [10] do módulo de aquisição foi configurado com o Function Set Router, para que assim fosse possível se comunicar com o módulo de comunicação XBee [10] do módulo central Módulo Central Como também foi citado nos tópicos anteriores, o módulo de aquisição foi implementado utilizando-se o Raspberry Pi [14] interligado com o módulo de comunicação XBee Pro S2B [10]. Toda a programação do software de processamento de previsão de neblina foi desenvolvida utilizando-se o framework de desenvolvimento QT Nokia [16], utilizando o software Arduino [17], onde foram implementadas funções da probabilidade propriamente dita e o grau de certeza. Foi implementado também a função responsável pela integração de comunicação, onde foi possível conectar-se com o mesmo para que assim fosse possível enviar solicitações ao módulo de aquisição. O layout do software de previsão de neblina pode ser visualizado na Figura 22.

28 28 Figura 22: Layout do software de previsão de neblina. No software titulado como Neblina é possível carregar arquivos com os dados das aquisições do módulo de aquisição, permitindo assim que seja possível visualizar se houve ou não a ocorrência, bem como o grau de certeza do mesmo. Ao iniciar-se o software, o mesmo solicita ao módulo de aquisição as informações, durante um determinado período de tempo estipulado, bem como em um formato pré-definido. As aquisições estarão sendo salvas em um arquivo.csv pronto para ser carregado diretamente pela aba menu do software Neblina. Como trata-se do módulo central, o mesmo pode vir a ser acessado remotamente através do software VNC Viewer [18]. Através deste software, qualquer usuário pode conectar-se ao módulo central remotamente, bem como utilizar as suas funcionalidades visuais como se estivesse em frente ao mesmo. O ambiente remoto pode ser visualizado na Figura 23.

29 29 Figura 23: Ambiente remoto do módulo central. O módulo de comunicação XBee [10] do módulo central foi configurado com o Function Set Coordinator, para que assim fosse possível se comunicar com o módulo de comunicação XBee [10] do módulo de aquisição.

30 30 3. CRONOGRAMA DO PROJETO O desenvolvimento do projeto Sistema de Previsão de Condições Adversas de Condução Envolvendo Neblina em Rodovias, descrito detalhadamente nos tópicos acima, tem prazos mostrados no cronograma da Figura 24, que refere-se às atividades já cumpridas no decorrer da disciplina de Projeto Final I, e no gráfico da Figura 25, que refere-se atividades cumpridas no decorrer da disciplina de Projeto Final II. As atividades, bem como suas respectivas durações e porcentagens de conclusão, estão presentes no cronograma. O cronograma do projeto foi desenvolvido utilizando-se o software Microsoft Project [15]. são: A data de inicio do projeto, a data de término do projeto e a duração do projeto o Data de início do projeto: 04/02/2013. o Data de término do projeto: 29/11/2013. o Duração do projeto: 180 dias (724 Horas). Figura 24: Cronograma do projeto referente ao Projeto Final I.

31 Figura 25: Cronograma do projeto referente ao Projeto Final II. 31

32 32 4. PLANO DE TESTES 4.1. INTRODUÇÃO Há uma dificuldade elevada para realizar os testes práticos de validação, visto que é necessário realizar varias visitas, em horários pouco oportunos, em regiões afastadas do meio urbano, o que pode inviabilizar o procedimento. Para contornar a dificuldade de uma validação em campo, serão realizados testes de aquisição, referente o módulo de aquisição e testes de emulação de dados anteriormente adquiridos, referente ao módulo de módulo central. Estes testes serão realizados a fim de confirmar e validar o correto funcionamento do projeto PLANO DE TESTES DO MÓDULO DE AQUISIÇÃO Descrição Para validar o funcionamento do módulo de aquisição, serão realizados testes de aquisição dos dados de temperatura do ar e do solo, bem como a umidade relativa do ar, utilizando-se os sensores presentes nos módulos de sensoriamento. Para validar os dados adquiridos, serão comparados os resultados obtidos com equipamentos eletrônicos de medição. Para validar a humidade relativa e a temperatura do ar, será utilizado um termo higrômetro, que tem por finalidade medir a temperatura e a humidade relativa do ar. Para validar a temperatura do solo, será utilizado um multímetro com termômetro externo, que tem por finalidade medir a temperatura do solo Resultados esperados Através dos procedimentos de teste citados acima, será possível garantir que os dados coletados estão condizentes com a realidade e são aptos a serem processados para realizar o processo de previsão Resultados obtidos Após realizada a aquisição dos dados juntamente com equipamentos eletrônicos de medição, sendo estes um sensor de temperatura do ar para validar a temperatura do ambiente, um sensor de temperatura fixado no solo para validar a temperatura do solo e um sensor de humidade relativa para validar a humidade relativa aferida pelo módulo de aquisição, foi possível constatar que a aquisição

33 33 estava precisamente em uma faixa de 2 a 3% de variação referente aos equipamentos eletrônicos. Logo, obteve-se êxito nos testes e os dados estavam aptos a serem enviados e processados pelo módulo central PLANO DE TESTES DO MÓDULO CENTRAL Descrição Para validar o funcionamento do módulo central, serão realizados testes a partir da emulação de dados de temperatura do ar e do solo, bem como a umidade relativa do ar, utilizando-se os módulos de sensoriamento. Emular aquisição dos dados de temperatura do ar e do solo, bem como a umidade relativa do ar, utilizando-se dados fornecidos por estações meteorológicas que disponibilizam informações on-line. Neste procedimento, o módulo central receberá os dados e realizará o processamento das variáveis em questão. A previsão realizada pelo módulo central será comparada com uma situação posterior a da aquisição dos dados Resultados esperados Ao emular a aquisição das variáveis do ambiente e do solo, através do teste descrito no tópico acima, será possível verificar a consistência dos resultados gerados, sem ser necessário realizar múltiplas visitas em locais de difícil acesso, sem comprometer o processo de validação e teste Resultados obtidos Baseando-se no plano de testes descrito acima, foram utilizados dados disponibilizados on-line por estações meteorológicas, em duas diferentes ocasiões, sendo uma ocasião em um dia normal, onde não houve a incidência de neblina e a outra ocasião em um dia diferente, onde houve a incidência de neblina em um período de tempo. Os dados foram inseridos em uma planilha para que pudessem ser carregados pelo software implementado no módulo central. Foram utilizados arquivos parcialmente preenchidos, para que assim fosse possível validar se o software de previsão estava conseguindo realizar o processamento corretamente para a faixa de horário real onde realmente houve ou não a incidência de neblina. Os exemplos das planilhas dos dados utilizados podem ser visualizadas nas Figuras 26 e 27.

34 34 Figura 26: Dados de incidência de neblina. Figura 27: Dados parciais de incidência de neblina.

35 35 Foram realizados testes de funcionamento do software para ambas as situações, sendo a de incidência de neblina e a de não incidência de neblina. O funcionamento pode ser vializado nas Figuras 28 e 29. Figura 28: Funcionamento evidenciando a incidência de neblina. Figura 29: Funcionamento evidenciando a não incidência de neblina. Obteve-se êxito nesta etapa do projeto, visto que o software desenvolvido para a previsão de neblina funcionou precisamente, baseando-se nas informações completas dos das aquisições.

36 36 5. ANÁLISE DOS RISCOS Em relação ao desenvolvimento do projeto, foram analisados os riscos de projeto, levando-se em consideração os integrantes da equipe, falhas técnicas ou de hardware, bem como problemas gerais no decorrer do projeto. Foram também identificadas e descritas as ações que podem ser tomadas para a prevenção dos riscos. A tabela foi desenvolvida baseando-se nos seguintes campos: Identificação do risco: número sequencial; Descrição do risco: explanação básica sobre o risco em questão; Probabilidade de ocorrência: Alta = 3, Média = 2 e Baixa = 1; Impacto no projeto caso o risco ocorra: Alta = 3, Média = 2 e Baixa = 1; Severidade: expressa como S=P*I (Probabilidade x Impacto); Ação para prevenção (ou redução): ação que visa ser tomada de forma preventiva, de modo a reduzir a probabilidade de ocorrência do risco; Ação de contingência: ação que visa ser tomada após a ocorrência do risco, de modo a reduzir o impacto sobre o projeto. Risco 1 Integrante Jonathan Carvalho Diniz se desligar do projeto PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA: 1 IMPACTO NO PROJETO: 3 RESPONSABILIDADE: Jonathan Carvalho Diniz SEVERIDADE: 3 DESCRIÇÃO DO RISCO: AÇÃO PARA PREVENÇÃO: AÇÃO DE CONTINGÊNCIA: O integrante Jonathan Carvalho Diniz se desvincular do projeto por motivos diversos. Dialogar com o outro integrante da equipe no inicio do projeto, sobre disponibilidade tempo, responsabilidade e comprometimento com o projeto. Manter as documentações padronizadas e atualizadas de acordo com o andamento do projeto.

37 37 Risco 2 Integrante Henrique Duarte Lima se desligar do projeto PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA: 1 IMPACTO NO PROJETO: 3 RESPONSABILIDADE: Henrique Duarte Lima SEVERIDADE: 3 DESCRIÇÃO DO RISCO: AÇÃO PARA PREVENÇÃO: AÇÃO DE CONTINGÊNCIA: O integrante Henrique Duarte Lima se desvincular do projeto por motivos diversos. Dialogar com o outro integrante da equipe no inicio do projeto, sobre disponibilidade tempo, responsabilidade e comprometimento com o projeto. Manter as documentações padronizadas e atualizadas de acordo com o andamento do projeto. Risco 3 Problemas financeiros no desenvolvimento do projeto PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA: 1 IMPACTO NO PROJETO: 3 RESPONSABILIDADE: Integrantes da equipe SEVERIDADE: 3 DESCRIÇÃO DO RISCO: AÇÃO PARA PREVENÇÃO: AÇÃO DE CONTINGÊNCIA: Indisponibilidade de fundos para o desenvolvimento do projeto, sendo este, por parte dos integrantes da equipe. Realização de uma estimativa de custo detalhada e de uma análise por parte dos integrantes da equipe, contemplando uma melhor relação custo x beneficio. Elaborar uma planilha com as necessidades e seus devidos custos, para que assim não ocorra uma extrapolação de orçamento. Minimizar os possíveis prejuízos oriundos do intempero financeira.

JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO

JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO CURITIBA 19-06-2013 JULIANA

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Exercício Estudar a descrição do sistema, examinar os planos de projetos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MRC MONITORAMENTO REMOTO DE CALOR

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MRC MONITORAMENTO REMOTO DE CALOR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MRC MONITORAMENTO REMOTO DE CALOR CURITIBA 2011 2 BRUNO BAPTISTA BUCKERIDGE HENRIQUE DUARTE

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios Introdução Geral Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações Relatórios Deslocamentos e paradas Velocidade Telemetria Acessos Falhas de comunicação Cadastro Cliente Subcliente

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Manual Telemetria - RPM

Manual Telemetria - RPM Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Telemetria RPM... 4 Pré-requisitos necessários para utilizar o menu Telemetria RPM... 5 Faixas RPM... 11 Configura Faixa do Veículo... 15 Acumulado

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved.

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved. b 1 Conteúdo Capítulo 1... 3 Instalando o Neonews... 3 Neonews no Linux... 6 Capítulo 2... 7 Configurando o NeoNews... 7 Capítulo 3... 13 Teclas de Atalho do NeoNews Player... 13 2 Capítulo 1 Instalando

Leia mais

Gestão do custo do projeto

Gestão do custo do projeto Nome: N. Série: Gestão do custo do projeto A gestão do custo é representada pelos processos necessários para cumprimento do orçamento. São eles o Planejamento dos Recursos, a Estimativa dos Custos, o Orçamento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Relatório técnico final

Relatório técnico final Estufa Relatório técnico final Integrantes: Cleiton J. Marcon Jefferson A. A. Parisotto Professor Orientador: Guilherme Nogueira 4º Bimestre Visto: Sumário Sumário... 2 Índice das Figuras... 3 Índice das

Leia mais

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Data Logger utilizando o ZAP-900 HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00057 Versão 1.00 novembro-2013 HI Tecnologia Data Logger utilizando o ZAP-900 Apresentação Esta nota de

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Alef Turatti. Franciedson Néry. Israel Kenjy. Jackson Ueda SHINY GLASS. Curitiba

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Alef Turatti. Franciedson Néry. Israel Kenjy. Jackson Ueda SHINY GLASS. Curitiba Pontifícia Universidade Católica do Paraná Alef Turatti Franciedson Néry Israel Kenjy Jackson Ueda SHINY GLASS Curitiba 2013 Alef Turatti Franciedson Néry Israel Kenjy Jackson Ueda SHINY GLASS Projeto

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Claudio Roberto Ferretto Junior. Éric Guimarães Zeni. Jub Gomes da Costa WINDOWS X.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Claudio Roberto Ferretto Junior. Éric Guimarães Zeni. Jub Gomes da Costa WINDOWS X. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Claudio Roberto Ferretto Junior Éric Guimarães Zeni Jub Gomes da Costa WINDOWS X Curitiba 2013 Claudio Roberto Ferretto Junior Éric Guimarães Zeni Jub Gomes da

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO LUCAS ANTONIO JOHNSON

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO LUCAS ANTONIO JOHNSON PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO LUCAS ANTONIO JOHNSON RELATÓRIO TÉCNICO FINAL idash CURITIBA 2014 1 ADRIANNO ESNARRIAGA

Leia mais

INTRODUÇÃO... 4 COMPOSIÇÃO DA TELA PRINCIPAL (PAINEL DE CONTROLE)... 5 CADASTROS... 6

INTRODUÇÃO... 4 COMPOSIÇÃO DA TELA PRINCIPAL (PAINEL DE CONTROLE)... 5 CADASTROS... 6 Sumário INTRODUÇÃO... 4 APLICATIVO WEB... 4 COMO ACESSAR... 4 COMPOSIÇÃO DA TELA PRINCIPAL (PAINEL DE CONTROLE)... 5 CADASTROS... 6 CLIENTES... 7 VEÍCULOS... 9 RASTREADORES... 11 SIM CARD... 13 TÉCNICOS

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA Central de Coleta e Armazenamento de Dados (Especificação) A Central de Coleta e Armazenamento de Dados deverá apresentar as seguintes características: 1. Receber, de forma contínua,

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Manual de Instrução de Uso dos Aparelhos HOBOs e Programa BoxCar Pro 4.0

Manual de Instrução de Uso dos Aparelhos HOBOs e Programa BoxCar Pro 4.0 Universidade Federal de Santa Catarina CTC - Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br de Uso dos Bolsista: Isis Soares Pereira do Nascimento

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04 Prof. Fábio Diniz FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DE PROJETOS Na aula anterior Project Charter. EAP / WBS. MS Project.

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

Sumário. Manual Frota

Sumário. Manual Frota Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Aba Frota... 4 Abastecimento... 4 Calendário... 26 Agenda Data... 38 Agenda Km... 59 Agendamento... 81 Agendas realizadas...104 Agenda...123

Leia mais

Rede Brasileira de Calibração - RBC

Rede Brasileira de Calibração - RBC Página 1 de 7 BRASIL Acesso à informação --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 24 Data da Acreditação 08/10/1997 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO.

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. Fábio Vinicius de Freitas Damiati (Universidade Estadual de

Leia mais

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada - Para acessar o módulo deve-se ir ao menu FERRAMENTAS, sub-menu INTELIGÊNCIA EMBARCADA. O menu, ilustrado abaixo, contém as seguintes opções: Configurando

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA Manual do Usuário SisCommercePDV NFC-e Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA MANUAL DO USUÁRIO SisCommercePDV Emissor de Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) *Manual em desenvolvimento

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PRO CONTROL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PRO CONTROL Elaborado Por: Henrique Aren Troitinho Versão: 1.0 Data: 04/11/08 Elaborado por: Henrique Aren Troitinho Versão: 1.0 Data: 04/11/2008 Página 2 de 22 Índice: 1. Finalidade do Pro Control Pág. 03 2. Instalação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Motivação Por que estudar Gerenciamento de Projetos? As habilidades mais valorizadas pelas organizações são Liderança (89%) Comunicação (78%) Conhecimento em Gerenciamento de

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

DOCUMENTO Nº 04 DO CONTRATO DE PPP Anexo 01.16 do Edital. Acordo de Níveis de Serviços (ANS)

DOCUMENTO Nº 04 DO CONTRATO DE PPP Anexo 01.16 do Edital. Acordo de Níveis de Serviços (ANS) DOCUMENTO Nº 04 DO CONTRATO DE PPP Anexo 01.16 do Edital Acordo de Níveis de Serviços (ANS) Sumário Sumário...1 1. Introdução...3 2. Descrição dos Campos das Planilhas...4 2.1. Planilha Disponibilidade

Leia mais

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect Pedro José Faure Gonçalves Gas Detect Projeto apresentado nas disciplina de Microprocessadores II e Eletrônica II Ministrado pelo prof. Afonso Miguel No curso de Engenharia de Computação Na Universidade

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores 1 Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores Francisco Carlos Parquet Bizarria 1,2 José Walter Parquet Bizarria 1 Michele Bazana de ouza 1 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Simular de Financiamento

Simular de Financiamento Simular de Financiamento Versão: PI001 1. Objetivo deste documento Este documento tem como objetivo autorizar formalmente o início de um projeto e contém informações necessárias para o entendimento do

Leia mais

Mathcad 14 Guia Prático

Mathcad 14 Guia Prático Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Mathcad 14 Guia Prático Mestrando: Delvanei G. Bandeira Jr Orientador: Ivo Barbi, Dr. Ing. Instituto de Eletrônica de Potência

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE-04091 Aula 13 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 13 Pro. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Instrução Normativa CGM nº 002, de 30 de abril de 2013.

Instrução Normativa CGM nº 002, de 30 de abril de 2013. Instrução Normativa CGM nº 002, de 30 de abril de 2013. Aprova o Plano Anual de Auditoria do Sistema Municipal de Controle Interno. A Controladoria-Geral do Município, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais