Os arquivos e o Arquivo (e vice-versa): temas para os Estudos Organizacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os arquivos e o Arquivo (e vice-versa): temas para os Estudos Organizacionais"

Transcrição

1 Os arquivos e o Arquivo (e vice-versa): temas para os Estudos Organizacionais Autoria: Amon Barros Resumo O texto discute o Arquivo enquanto conceito e enquanto espaço (em transição). Parto do pressuposto de que aprofundar o entendimento desses termos pode contribuir para que a pesquisa histórica em Administração avance como novos questionamentos sobre diversos objetos, inclusive os documentos e os arquivos. No percurso, discorri sobre as mudanças influenciadas pelo avanço das tecnologias de informação, especialmente da internet, e fiz algumas ponderações sobre os Estudos Organizacionais que se valem de arquivos. Concluo que, para além de ser uma discussão metodológica ou conceitual, refletir sobre os arquivos pode ajudar na aproximação e utilização de documentos para construir narrativas históricas. 1

2 Introdução O objetivo deste texto é discutir sobre o Arquivo (conceito), os arquivos (espaços e conjuntos de documentos) i e a Administração, mais especificamente do ponto de vista dos Estudos Organizacionais e da História. O interesse no debate emergiu, por um lado, da percepção de que, embora estes termos permeiem textos sobre o uso de documentos como fontes para pesquisa histórica em Administração (e.g. COSTA e SARAIVA, 2011) e que pensam o saber administrativo (e.g. BARROS, et al., 2011), eles muitas vezes não têm um tratamento específico nos trabalhos da área. Além disso, empiricamente pensar sobre o tema se fez importante durante a elaboração de trabalhos realizados anteriormente os quais nem sempre inquiriam arquivos e documentos a partir de um entendimento mais claro sobre suas características ainda que tenham sido consultados diversos registros em arquivos físicos ou digitalizados. Isso me levou a questionar se realizava pesquisas documentais ou em arquivos e qual a implicação de uma ou de outra coisa. Durante o percurso de desenvolvimento de pesquisas anteriores refleti de forma mais detida sobre a utilização de documentos como fontes para a realização da pesquisa histórica e, o que é o objeto desse texto, sobre o Arquivo e sua função ativa de criação de memória e enquanto conceito filosófico a ser permanentemente revisitado. Nesse texto, defendo que o documento remete a um arquivo, seja no sentido de um conjunto de outros documentos produzidos sob as mesmas regras, seja como enunciados que possibilitam a emergência de determinado discurso materializado em textos ou outros registros. A ampliação da compreensão do que pode ser considerado como arquivo é efeito das discussões pós-modernas (COOK, 2012a) ii. A discussão também é impactada pelos efeitos das transformações práticas provocadas pela web e pelas tecnologias de informação de modo geral, que ampliam a capacidade de armazenamento e difusão de registros. A utilização da internet abre espaço para uma gama de pesquisas, reduz os custos de armazenamento e disponibilização de documentos (que podem ser digitalizados para serem mais bem preservados e divulgados). A internet não só transforma a pesquisa com fontes históricas, com a ampliação da disponibilização de materiais digitalizados, mas também desafia o conceito de arquivo enquanto um lugar e as visões mais tradicionais relacionadas ao seu surgimento orgânico, como efeito natural das atividades de uma determinada organização, como defende, por exemplo, Schellenberg (2003). A problemática sobre o uso de arquivos é recorrente no campo da História e na Arquivologia (COOK, 2012a; SCHWARTZ e COOK, 2002). Está presente também nas discussões da área de Administração, embora em menor medida, especialmente nas áreas de memória organizacional e de sistemas de informação (cf. CORAIOLA, 2012; 2013). De acordo com Schwartz e Cook (2002), além de ser um conceito com desenvolvimentos na filosofia, como na discussão estabelecida por Derrida (1995), o arquivo é objeto de toda uma área de saber, a Arquivologia, além de ser um espaço físico (e virtual, no caso da internet), bem como alvo de uma profissão específica (de arquivista). Como aponta Featherstone (2000), a crescente capacidade de armazenar informações não elimina a necessidade de se decidir sobre o que deve ser deixado de fora dos arquivos. A função de arquivar (ou descartar) relacionada ao trabalho do arquivista em organizações dedicadas a guardar arquivos fica relativamente ampliada, na medida em que a capacidade de armazenar informações se torna mais disseminada. Ainda assim, os dados ausentes e a 2

3 veracidade dos dados presentes são inerentes a pesquisas em arquivos: sempre haverá um juízo sobre o que será ou não preservado, o que não muda com a internet. Contudo, como nota L Eplattenier (2009) acerca da pesquisa histórica no campo de Retórica e Composição, também na subárea de estudos históricos na Administração, são poucos os textos que tratam de refletir sobre especificidades da pesquisa em arquivos, embora seja possível mapear discussões que margeiam o tema. Por ser uma subárea relativamente pequena, é compreensível que existam poucos textos refletindo de forma mais detida sobre as metodologias e os métodos históricos em Administração. Na maior parte das vezes, os trabalhos se limitam a recontar o processo que permitiu o acesso aos arquivos e algumas vezes as metodologias e técnicas auxiliares para classificação e análise dos dados. Este trabalho discute o tema do ponto de vista de um pesquisador da área de Administração, e mais especificamente de Estudos Organizacionais, no contexto dos estudos históricos. O argumento desenvolvido não é exaustivo o que seria impossível e tampouco busca extrair um conceito que permita operacionalizar pesquisas em ou sobre arquivos ou delimitar o conceito Arquivo de forma fixada. Como dito, além do uso massivo dos computadores e da digitalização de um número cada vez maior de documentos, a discussão sobre os arquivos também foi impactada profundamente pelos questionamentos advindos da filosofia de base pós-modernista ou pós-estruturalista e o debate permanece aberto em relação a possíveis transformações dos conceitos que estruturam tal campo de saber (ver, por exemplo, COOK, 2012a; ZIMMERMAN, 2007; SCHWARTZ e COOK, 2002; FEATHERSTONE, 2006; 2000). Além de retomar alguns pontos dos debates sobre o Arquivo como conceito e os arquivos, seus efeitos e suas causas, este texto discute algumas implicações da rede mundial de computadores e suas potencialidades para a pesquisa arquivística de cunho histórico. A reflexão realizada se alinha à que já fizeram Coraiola (2012) num estudo que se concentra especialmente sobre a análise da evolução da legislação que trata dos arquivos no Brasil e Costa e Saraiva (2011) que discutiram o processo de produção da memória nas organizações. Há outro objetivo mais prático que é estimular a discussão sobre a importância da preservação de arquivos não só de instituições públicas, como também de organizações privadas, que podem contribuir para fundamentar narrativas históricas não apenas da Administração, mas de diversos outros campos da vida e do cotidiano dos quais organizações empresariais, públicas ou sociais fizeram e fazem parte. O Arquivo, os arquivos Há diversas compreensões possíveis para o que se entende por arquivo. A palavra pode se referir a um lugar, a um conjunto de documentos ou, mais genericamente, a uma coleção de dados ainda desordenada, mas com alguma ligação entre si sempre atribuída. Para Stoler (2009), o arquivo numa perspectiva mais estrita se refere a uma instituição ou a um conjunto de documentos que ela guarda. Contudo, há um alargamento dos significados da palavra Arquivo que passa a se referir também a uma evocação metafórica que se refere a um corpus, uma coleção de fontes. Na visão de Schellenberg (2003) principal autor da vertente modernista das discussões sobre arquivos (COOK, 2012a) para definir o que pode ser considerado parte de um arquivo é 3

4 preciso analisar se os documentos [...]foram produzidos no decorrer de atividades organizadas e com finalidades definidas, se foram criados no processo de alcançar objetivos administrativos, legais, empresariais, ou outra finalidade social, então o material é potencialmente arquivável (SHELLENBERG, 2003, p. 13, tradução livre). Schellenberg (2003) enfatiza que o motivo pelo qual o material foi arquivado deve ultrapassar a finalidade para a qual foram inicialmente designados ou o motivo pelo qual foram acumulados. O autor aponta ainda que o arquivo é mantido para o uso de outras pessoas que não aquelas que produziram os objetos. Além disso, sempre que manuscritos históricos se tornam parte da documentação de uma atividade organizada [...] eles também podem ser considerados arquivos (SCHELLENBERG, 2003, p. 18, tradução livre). Nessa visão apontada por Cook (2012a) como modernista, o papel das instituições que arquivam registros é selecionar itens não a partir de seus valores individuais, mas em relação a um conjunto que documenta certa produção. Dessa perspectiva, os arquivos se desenvolveriam naturalmente a partir das atividades de certa organização ou, em menor medida, de um indivíduo. A abordagem modernista questiona a ideia de que haveria uma versão unívoca na história que os documentos refletiriam objetivamente, e que poderia ser contada pelo historiador neutro e imparcial, mas não se detém sobre as intencionalidades que perpassam a produção dos documentos. Ou seja, aceita a ideia de que diferentes pontos de vista podem ser adotados para se narrar um fato, mas difere da perspectiva que emerge a partir dos debates provocados pelo pós-modernismo, pois não entende as provas documentais como decorrência de ações inseridas em tramas de poder que dão forma e delimitam discursos e possibilidades de fazer (e lembrar). Cook (2012a, p. 15) critica o entendimento de Schellenberg, pois embora os modernistas tenham feito a crítica à unicidade da história apontando que há possibilidades de interpretações (em contraposição à noção de que o documento é a reprodução de atos e fatos empíricos), não se detiveram sobre a natureza do documento e o que ele representa (e como pode fazê-lo). Neste texto, o Arquivo é entendido a partir dessa acepção pós-moderna que, como apontado a partir de Stoler (2009), expande o significado do conceito deixando de vislumbrar apenas os espaços (as organizações que arquivam) e o que eles contêm, para se referir a uma metáfora relacionada a um conjunto de possibilidades de dizer (e fazer) que é preservada nas tramas de poder (cf. FOUCAULT, 2008). O pós-modernismo questiona a possibilidade de um documento ou um Arquivo serem percebidos como algo natural ou orgânico. As origens de nossos Arquivos modernos já implicam, com efeito, na combinação de um grupo (os eruditos ), de lugares (as bibliotecas ) e de práticas (de cópia, de impressão, de comunicação, de classificação, etc.). É, em pontilhados, a indicação de um complexo técnico [...]. Nelas se conjugam a criação de um novo trabalho ( colecionar ), a satisfação de novas necessidades (a justificação de grupos familiares e políticos recentes, graças à instauração de tradições, de cartas e de direitos de propriedade específicos), e a produção de novos objetos (os documentos que se isolam, conservam e recopiam) cujo sentido, de agora em diante, é definido pela sua relação com o todo (a coleção). [...] É produtor e reprodutor. (DE CERTEAU, 2000, p , grifos no original). Ou seja: o Arquivo é construído a partir de práticas humanas, sujeito assim às vicissitudes que dão contorno a essas ações. A flexibilização das formas como as fontes são delimitadas e utilizadas foi apontada por Foucault (2008) como um dos desafios metodológicos da nova história. 4

5 O documento, pois, não é mais, para a história, essa matéria inerte através da qual ela tenta reconstituir o que os homens fizeram ou disseram [...] ela procura definir, no próprio tecido documental, unidades, conjuntos, séries, relações. É preciso desligar a história da imagem com que ela se deleitou durante muito tempo e pela qual encontrava sua justificativa antropológica: a de uma memória milenar e coletiva que se servia de documentos materiais para reencontrar o frescor de suas lembranças ela é o trabalho e a utilização de uma materialidade documental (livros, textos, narrações, registros, atas, edifícios, instituições, regulamentos, técnicas, objetos, costumes etc.) que apresenta sempre e em toda a parte, em qualquer sociedade, formas de permanências, quer espontâneas, quer organizadas (FOUCAULT, 1995, p. 7-8). O Arquivo pode ser entendido como um legado de ações que já aconteceram, mas que deixaram registros inscritos (e não necessariamente escritos). Stoler (2002) aponta que o arquivo (incluindo os espaços físicos) não é apenas uma fonte de conhecimento, mas deve ser também entendido como objeto de reflexão, tópico a ser analisado por quem se aventura a buscar conteúdos, é instrumento de conhecimento e de poder sendo construído na interseção desses jogos (STOLER, 2009). Uma vez que se preocupa com arquivos coloniais, Stoler (2002; 2009) enfatiza que arquivos podem ser entendidos como monumentos erigidos por seus mantenedores para legitimar e retroalimentar uma dada visão no lugar de outra qualquer. Assim, para além de questionar a veracidade dos documentos, torna-se necessário pensar sobre quais eram (e quais são) os seus usos, as possibilidades que abrem, bem como os caminhos que são cerrados. Encarar o documento como um monumento (FOUCAULT, 2008) é essencial para poder entender a própria dinâmica que permite sua preservação. Como aponta Foucault (2008, p. 8) [o] documento não é o feliz instrumento de uma história que seria em si mesma, e de pleno direito, memória a história é, para uma sociedade, uma certa maneira de dar status e elaboração à massa documental de que ela não se separa. Ou seja, como aponta Rago (1995), os textos dos documentos não revelam o passado da forma como realmente existiu. Por sua vez, os arquivos, nas palavras de Schawrtz e Cook (2002, p. 2, tradução livre), [...] enquanto registros têm poder sobre a forma e a direção de pesquisas acadêmicas em história, memória coletiva e identidade nacional, sobre como nos conhecemos enquanto indivíduos, grupos e sociedades. Nesse sentido, devemos encarar os documentos a partir de um ponto de vista inquisidor e também as instituições que os guardam. Além disso, os documentos remetem a enunciados que os extrapolam e não se relacionam apenas às normas de arquivamento da instituição que os abriga ou das pessoas que os seleciona, mas a um aparato discursivo que permeia toda a sociedade (FOUCAULT, 2008). Os arquivos e o direito a acessá-los e aos documentos que guardam são fruto de construções sociais, que se estabelecem também a partir das necessidades de informação e dos valores sustentados por governos e pela sociedade civil (SCWHARTZ e COOK, 2002). A existência deles é afetada por aspectos materiais, como o desenvolvimento de tecnologias que impactam os registros produzidos pelas pessoas. Também é possível afirmar que a relação com a construção e preservação de arquivos é um construto e também um signo que extrapola os agentes individuais (ver DERRIDA, 1995). De um lado, temos os responsáveis por arquivar documentos de uma organização (qualquer que seja ela). De outro, temos os indivíduos que também são influenciados pelo contexto em que se inserem para decidir sobre o que deve ou não ser produzido, arquivado ou dispensado. Schwartz e Cook (2002) apontam que as forças sociais devem ser levadas em consideração até quando se pensa na produção de cada documento individual (independente de sua forma 5

6 de registro, seja vídeo, foto ou texto). Nesse caso, o documento é uma forma de mediação entre o seu produtor e o seu destinatário e seu registro e disponibilização é mediada pelos responsáveis pelo arquivo. Steedman (2009) aponta que a noção daquilo que é ou não é histórico passa na verdade por dois crivos. É o pesquisador em interação com os dados que torna algo em história (ou em narrativa). Nesse contexto, devemos considerar, ainda, a crescente facilidade de se armazenar e disponibilizar informações a preços declinantes amplia a possibilidade e a atratividade de criação de bancos de dados virtuais que compreendam até aspectos que outrora poderiam ser considerados irrelevantes (GIL e ELDER, 2012). Assim, boa parte das organizações e, mesmo, das pessoas pode se responsabilizar por armazenar e divulgar informações que considera relevantes na medida em que documentam essa ou aquela atividade humana. Se antes apenas os grandes nomes tinham um arquivo passível de ser tornado público ou consultado, o aumento de tempo e de informações que é produzida e transmitida via internet, já pode fornecer material de arquivo sobre um indivíduo que em geral ficam em servidores dos provedores de serviços ao mesmo tempo em que elas são gravadas iii. Como aponta Cook (2012a), o arquivista será chamado a sair de uma posição passiva, na qual espera que um arquivo seja produzido para então preservá-lo, para passar a ser um criador do arquivo. Mas, ainda que seja considerado todo o aumento na capacidade de armazenamento, é a decisão de manter algo registrado, como parte de um repertório que pode ser acessado ação que não se realiza alheia às dinâmicas de poder que torna um registro passível de análise para o pesquisador. Como aponta Marques (2007, p. 14): a memória se constitui como um campo de lutas políticas, em que se confrontam diferentes relatos da história, visando ao controle do arquivo. Pensar o arquivo demanda, pois, uma atenta consideração das operações da memória e do esquecimento, de suas interconexões. A organização que arquiva em seus espaços físicos também perde o monopólio da guarda de documentos já que estes podem ser armazenados e agrupados por um número cada vez maior de organizações e pessoas iv. Para Featherstone (2000), o arquivo, mais do que ser visto como um espaço específico no qual são depositados diversos registros e minúcias que registram a cultura, é chamado a circunscrever todos os aspectos da vida cotidiana. Assim, o problema se torna não o que colocar nos arquivos, mas o que deixar de fora (FEATHERSTONE, 2000, p. 170, tradução livre). Essa questão sempre acompanhou, ainda que implicitamente, os arquivos, mas atualmente ganha nova dimensão em boa medida devido aos diversos meios técnicos de armazenamento e reprodução que vêm surgindo. Assim, a ampliação do significado do arquivo se deve em parte ao advento e à disseminação do uso da internet, bem como do crescente número de documentos digitalizados, que ampliam tanto a possibilidade de se criar arquivos, como sua acessibilidade. Como se discutirá na seção seguinte essa nova perspectiva abre caminhos de pesquisa e permite que sejam feitas novas perguntas e encontradas novas respostas, seja em antigos arquivos digitalizados, em arquivos que se tornam acessíveis por novas regulamentações ou em arquivos formados a partir da coletânea de fontes que não se originaram diretamente das atividades de uma só organização. 6

7 Os arquivos na internet Como notam De Certeau (2000) e Foucault (2008), a escrita da história não se resume à coleta mecânica de fatos e seu ajuntamento. Ela é efeito do posicionamento do autor, do contexto em que é escrita e dos elementos de que dispõe. De Certeau (2000) ressalta ainda a importância de todo o aparato técnico para a escrita da história, que se modifica na medida em que novas formas e possibilidades de fazer emergem. A partir de Derrida (1995), é possível afirmar que a internet e outros desenvolvimentos tecnológicos provocam mudanças na constituição dos arquivos e nas relações que as sociedades estabelecem com eles. O autor afirma: o que não é mais arquivado da mesma maneira, não é mais vivenciado da mesma maneira (DERRIDA, 1995, p. 18). O surgimento da internet impõe mudanças no significado do termo arquivo e do arquivamento. Como notam Gil e Elder (2012), se anteriormente o deslocamento físico do pesquisador aos arquivos guardados por instituições era condição essencial para uma pesquisa em arquivos, atualmente o aparato tecnológico permite o alcance de mais pessoas ao mesmo tempo a um conjunto de documentos que esteja disponibilizado digitalmente. Possibilita também que as coletas sejam feitas por meio de ferramentas eletrônicas que permitem a busca ou contagem de uma palavra ou expressão, por exemplo. Dessa forma, o pesquisador fica livre da necessidade de ter que ler cada documento, o que traz uma modificação potencial não apenas na forma como a pesquisa é realizada, mas também na relação do pesquisador com seus dados de forma global. A acessibilidade traz ainda questões como a possibilidade da experimentação de certa angústia por não se conseguir analisar os dados à exaustão, explorando toda a sua complexidade em todos os seus detalhes (FEATHERSTONE, 2000). Trazendo essa noção para as demandas colocadas pela pesquisa científica na forma como é realizada atualmente, torna-se ainda mais relevante a ideia de que por um lado todo objeto é construído e de que, por outro, essa construção (ou esse recorte) sempre deixará de fora informações relevantes sobre aquilo que é estudado. Featherstone (2006) aponta que a imensa quantidade de informações armazenada e acessada de forma desordenada pode perder seu sentido no meio da massa de documentos e outras fontes disponíveis na internet. Com o advento da digitalização, a sobrevivência e a usabilidade da cultura e da história não precisa depender exclusivamente da disponibilidade de espaço para, ou a constituição física dos artefatos [embodiements] da produção cultural, muito menos do orçamento de uma só instituição. Agora pode ser possível manter cópias de qualquer coisa que é considerado verdadeira ou potencialmente de significância cultural por séculos e fazê-lo em um meio que, esperamos, será comparativamente fácil de conservar e facilmente pesquisável. Ao invés de beneficiar alguns poucos afortunados, essas riquezas poderiam estar à disposição de qualquer um com acesso à Internet e um computador, desde que os recursos estejam no domínio público (ZIMMERMAN, 2007, p. 993). Caygill (1999) aponta para a importância política de se entender que a web pode realizar um potencial libertador do conhecimento (não de todo ele, obviamente), na medida em que revisita as hierarquias que são constituintes dos arquivos tradicionais, seja em relação ao distanciamento entre a instituição que mantém o arquivo e suas regras para registro, organização e acesso, seja em relação ao que pode ser arquivado e por quem. Uma vez que 7

8 aqueles que conhecem o passado têm mais possibilidades de formular interpretações que impactam o presente, a distribuição de acesso aos arquivos e sua interpretação sempre foi uma faceta das disputas de poder. A perspectiva de Caygill (1999) valoriza o trabalho do pesquisador, pois ainda que se entenda a web como um depositário de conhecimentos, ou seja, com eles já existindo lá, é necessário fazer as perguntas e as conexões corretas para que seja possível chegar às informações desejadas. Esse processo, não é apenas um processo de busca, mas também de criação de novos conhecimentos que emergem das ligações efetuadas para se chegar ao ponto desejado. Assim, diferentes pesquisadores com acesso à internet podem produzir diversas narrativas sobre um mesmo objeto presente nos arquivos virtuais, dado que em certo sentido é o próprio processo envolvido na busca que norteará as descobertas realizadas. Conforme Zimmerman (2007), a acessibilidade não é algo que se resume a facilitar o acesso de forma trivial. A disponibilidade dos documentos na internet permite que sejam realizadas pesquisas que não poderiam ser feitas de outra forma (por falta de fundos, por exemplo), além de permitir um nível de detalhamento muito maior, por ampliar as bases de dados consultáveis. Para alguns a internet funcionaria como uma espécie de arquivo geral da humanidade. Tal noção é questionável, já que algo sempre ficará de fora, como mostra, por exemplo, o trabalho de digitalização de arquivos referentes à história recente do continente africano, apresentado por Isaac, Lalu e Nygren (2005). O acesso ao computador e às ferramentas de digitalização bem como à rede mundial de computadores não é equanimemente distribuído. Some-se que a internet não é um só arquivo. Entendo que um arquivo deve ser composto por certas intencionalidades que o perpassam, dando unidade e especificidade àquilo que é guardado, na medida em que há um significante subjacente que é compartilhado. Além disso, a disponibilização de arquivos online, não os coloca imediatamente à disposição daqueles a quem pode interessar. Sem a mediação das organizações que os produziram para os arranjarem na internet de forma mais ou menos coerente (o que, por vezes, acontece), eles podem se apresentar como um conjunto caótico de dados, ainda que alguma característica comum lhes perpasse como pertencer a uma mesma época ou a um mesmo órgão de Estado ou versarem sobre um mesmo conjunto de práticas. Um conjunto de documentos, para ser considerado como arquivo, deve estar organizado mediante regras (sempre questionáveis e precárias), mas também pode ser pensado como parte de um Arquivo, mais abrangente, que os ligaria: o conjunto de elementos que narra uma determinada prática disseminada pelo corpo social, por exemplo. Yakel (2006) aponta que na relação entre o pesquisador e os arquivos, os arquivistas têm um papel fundamental de mediação. Como conhecedores dos documentos, estas pessoas são capazes de responder a perguntas mais elaboradas que, de outra forma (como na interação com uma base de dados na internet) não poderiam ser solucionadas. Yakel (2006) entende que o papel do arquivista permanece importante, ainda que venha sendo paulatinamente modificado com a emergência de novas experiências de navegação na web que permitem, por exemplo, que visitantes dos sites etiquetem (coloquem palavras-chave e/ou descrições) nos documentos que analisaram ou que os caminhos já elaborados por outras pessoas de um documento a outro fiquem registrados para visitantes futuros. Os pesquisadores que passaram pelos arquivos antes podem deixar rastros ou pistas de pesquisas aos que vão aos arquivos depois, mas também elaboram certa narrativa a partir daqueles dados. Como coloca Featherstone (2006), a ordenação em caixas e seções separadas que dava certo sentido aos 8

9 arquivos perde importância diante da descentralização alcançada a partir da disponibilização de arquivos na web. Cook (2012b) enfatiza a importância do papel do arquivista e do pesquisador já que coloca que a proveniência de um arquivo que anteriormente era entendida a partir das estruturas burocráticas que o produziram, deve ser repensada a partir de um olhar mais aberto. O foco do princípio de proveniência se deslocaria para a função, atividade, discurso e comportamento, ao invés de, como no passado, permanecer centrado nas estruturas, cargos, mandatos e origem. [...] o significado de proveniência é transformado de suas origens estruturalistas para um discurso contínuo centrado em funções, atividades, processos, forças sociais, e nas relações pessoais e organizacionais e culturas que coletivamente levam a criação de documentos, dentro e através de vidas pessoais e organizacionais em constante evolução. A nova proveniência oferece múltiplas perspectivas e muitas ordens de valor, ao invés de uma ordem fixa (COOK, 2012b, p ). Assim, a internet abriga uma miríade de documentos, que podem estar organizados como arquivos antes do pesquisador tomar contato com eles e que podem depois serem (re)organizados. A instantaneidade e o volume das comunicações que podem ser trocadas e guardadas ou, por fim, arquivadas permitem novas formas de se ver o que pode ser considerado arquivo ou material de pesquisa (GIL e ELDER, 2012) e o pesquisador pode disponibilizar os conjuntos de documentos que coleciona a outros pesquisadores. Esses dados têm que ser (re)avaliados e (re)organizados por cada um ou por cada grupo que nele tem interesse, mesmo que para isso às vezes seja necessário desfazer ordens e articulações que haviam sido definidas previamente. Aqueles que estão previamente organizados são em sua própria disposição, monumentos a certos poderes ou visões de mundo, pois como Kurtz (2007) e Schartz e Cook (2002) apontam que o processo de arquivar é sempre político. A metáfora do flaneur, por outro lado, pode caracterizar o passeio pelas coleções de fontes vistas inicialmente como disformes (FEATHERSTONE, 2006). Pesquisas em Administração e o uso de arquivos Na área de Administração no Brasil, não há muitos trabalhos que se utilizam de arquivos para elaborar reflexões. Um dos poucos trabalhos de fôlego sobre o tema é a tese de Coraiola (2013). Em parte, isso pode ser fruto das dificuldades de se encontrarem arquivos que permitam ao pesquisador elaborar reflexões mais aprofundadas sobre o seu objeto de pesquisa. Saraiva e Costa (2011) discutem que parte do problema se deve ao fato de os arquivos serem memórias selecionadas e, uma vez que muitas pesquisas são feitas em organizações com fins lucrativos preocupadas com sua imagem, se torna mais improvável que arquivos com registros que possam ser considerados negativos sejam mantidos. Poucas empresas brasileiras executam esforços na manutenção de seus arquivos (COSTA e SARAIVA, 2011). Coraiola (2012) ressalta que apenas após 1960 a preservação de documentos empresariais para fins históricos começou a acontecer no País, diferentemente de empresas de países europeus que estabeleceram a prática no começo do século XX, e dos Estados Unidos da América (EUA), França e Inglaterra que começaram a fazê-lo após a Segunda Guerra Mundial. Conforme aponta Adkins (1997), os arquivos empresariais ganharam força nos EUA mais rapidamente nos anos 1970, tendo perdido ímpeto após a onda 9

10 da aplicação da reengenharia nos anos 1990, que tinha como um dos motes a redução de custos organizacionais. Para Adkins (1997), a legitimidade da manutenção de arquivos de empresas foi fortemente apoiada pelas pesquisas relacionadas pelos economistas que pesquisavam história empresarial (ou, mais propriamente, Business History). Além disso, a autora salienta que se num primeiro momento os esforços se direcionavam para a organização de material que pudesse contar a história das empresas de um ponto de vista positivo e como um esforço de relações públicas, com o tempo os arquivos passaram a ser vistos como instrumento para memória das empresas. Para a autora, isso se deve em parte a mudanças na composição da força de trabalho das empresas, que passava a ser cada vez mais instável, fazendo assim com que os trabalhadores deixassem de ser, em certo sentido, repositórios da memória das organizações. A memória organizacional é, por sua vez, objeto de estudos frequente da Administração, especialmente por parte dos autores que se posicionam no campo dos Estudos de Memória das Organizações (Organizational Memory Studies), que em geral se preocupa com aspectos relacionados à aprendizagem da organização e a aspectos de sua permanência ao longo do tempo. O arquivo, por sua vez, é composto por registros dos quais historiadores podem ser valer para rever aquilo que a memória apresenta como fatos, construindo novas narrativas sobre o que se passou (ROWLINSON, et al., 2010). E não apenas os arquivos da própria empresa, já que eles são sujeitos às decisões da própria organização sobre o que preservar e o que ser deixado ao esquecimento. Coraiola (2013) reforça a importância dos arquivos externos para se refletir sobre as organizações. Para operacionalizar sua pesquisa nos arquivos das organizações, Coraiola (2013, p. 44, tradução livre) define o conceito da seguinte maneira: um arquivo organizacional é uma coleção de documentos e registros produzidos por indivíduos, grupos, organizações ou Estados [1] que possuem uma natureza orgânica, [2] não são mais utilizados no desenvolvimento de atividades rotineiras e [3] foram preservados porque seu valor vai além de aspectos meramente técnicos, administrativos ou jurídicos. Como se percebe, Coraiola (2013) delineia um conceito bastante próximo à Schellenberg (2003), embora no restante do seu trabalho adote uma visão mais aberta em relação aos arquivos. A definição operacional estabelecida por Coraiola (2013) é útil e pertinente, mas deve ser colocada em perspectiva, na medida em que circunda o que é o arquivo empresarial e o delimita em torno de três elementos específicos, especialmente a intencionalidade de o arquivo ser um repositório da memória. Mas, do ponto de vista aqui adotado, é importante estar atento à intencionalidade de quem estabelece o arquivo (seja pessoa ou organização), operando assim novas possibilidades de articulação de histórias narráveis (MARQUES, 2007). Como afirma Marques (2007), em relação aos arquivos literários, os arquivos empresariais também são mediados por uma miríade de práticas discursivas que os perpassa. A metarreflexão sobre as lógicas dos arquivos que guardam os documentos a se estudar é um desafio extra para essas pesquisas. Os arquivos como formadores de parte importante do que se estabelecera como memória organizacional são fonte e lugar de disputas. Como colocam Costa e Saraiva (2011, p. 1764) acerca da formação da memória, ela é em parte constituída a partir das escolhas dos gestores. Contudo, como aponta Coraiola (2013), os trabalhadores e outros agentes também podem registrar eventos dos quais uma organização participa (como mudanças no contexto decorrentes da instalação de uma fábrica, por exemplo), ao mesmo tempo em que se observa 10

11 que o arquivista adota práticas e táticas para negociar o que deve ser guardado. Mas, de toda forma, essa intencionalidade atribuída às formas de representação do passado não pode ser desvinculada das relações de poder inerentes a esse resgate (COSTA e SARAIVA, 2011, p. 1764), e numa organização a capacidade de exercer poder não é equanimemente distribuída. No que concerne aos órgãos públicos é possível especular que parte das dificuldades em relação ao acesso a arquivos e documentos se dá por carências estruturais do País e dos entes federados para manter e preservar documentos, bem como pela historicamente baixa accountability do poder público. Há também que se considerar que apenas recentemente a preocupação com a publicidade dos documentos públicos ganhou forma consolidada com a Lei nº de 18 de novembro de 2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação (BRASIL, 2011), que regulou o acesso a informações públicas, embora a discussão sobre a manutenção de arquivos venha de mais tempo, tendo sido promulgada a Lei de Arquivos em Assim, é de se esperar que o poder público ainda esteja se organizando para atender a demandas por informações que porventura sejam feitas sendo que isso não exclui a ideia de que o sigilo é utilizado como forma de restringir o acesso a dados relevantes e como instrumento de poder v. De toda forma, os avanços foram poucos no que se refere ao acesso aos arquivos produzidos por organizações públicas ou privadas (CORAIOLA, 2012). Devido às restrições discutidas aqui na utilização de arquivos em geral, parece especialmente interessante, ainda que pouco ortodoxo, estender o conceito do que são arquivos e do que é passível de ser arquivado. A noção flexibilizada do que seja um arquivo ou do que é uma fonte histórica fornece uma possibilidade de se pensar narrativas históricas a partir de materiais alternativos àqueles que as organizações produzem e frequentemente mantêm em segredo. Essa discussão pode ser estabelecida a partir da perspectiva de produção, acumulação e dispersão tratadas por Foucault (2008). Entretanto, essa visão não substitui a necessidade de se dedicar a ampliar a acessibilidade das fontes produzidas pelas diversas organizações e que, por vezes, são por elas arquivadas. Considerações finais Defendo aqui que o pesquisador da área de Administração com interesse na pesquisa em arquivos pode avançar na reflexão sobre a pesquisa histórica ao interrogar os documentos de que se vale e as instituições que os abrigam, tentando compreender as práticas que permearam a ação de arquivar. Esse campo de pesquisas é ainda mais ampliado pela internet e a diversidade de dados com a qual ela permite contato. Assim, entendo que incorporar os arquivos não como espaços onde se encontram documentos, mas como instituições e como repertório de práticas e saberes pode contribuir para o desenvolvimento da subárea de estudos históricos e para a Administração de maneira geral. A preocupação com a história no campo dos Estudos Organizacionais vem se ampliando e discutir sobre o Arquivo e os arquivos pode ser importante para que a aproximação entre as áreas se dê de forma mais sólida. Nesse sentido, resgatei algumas das discussões que vêm sendo estabelecidas fora da Administração, mas também me aproximei de alguns trabalhos da área que trabalharam com arquivos. Espero que o texto contribua para desenvolvimentos de modo a trazer maior atenção sobre o uso de arquivos e sobre sua importância, ao mesmo tempo em que advoga a permanente suspeição em relação às informações ali contidas, uma vez que o próprio arquivo pode ser objeto de estudo. 11

12 Conforme indicado na introdução deste texto, não pretendi fazer uma avaliação exaustiva das discussões sobre o arquivo e a Arquivologia. Nesse sentido, a principal dificuldade encontrada ao longo do trabalho foi tentar delinear um conceito (ainda que provisório) do que define algo como arquivável e uma coleção enquanto arquivo. Embora o texto tenha avançado sobre esses pontos, especialmente o primeiro, novos desenvolvimentos são necessários para tentar delinear de forma mais precisa as condições para um conjunto de documentos ou dados poder ser considerado um arquivo. De todo modo, a imprecisão parece ser o elemento que caracteriza esse período tanto do lado conceitual (pelos questionamentos colocados pelo pósmodernismo), quanto pela perspectiva do espaço que abriga os arquivos e as práticas de arquivar (transformadas pelos avanços tecnológicos, especialmente a internet). O texto de Cook (2012a) dá indicativos de como as mudanças estão transformando a prática e a teoria relacionadas aos arquivos, mas também não é conclusivo e se concentra em apontar tendências. Featherstone (2000), por sua vez, deixa claro que a definição do que é ou não arquivável se modifica de acordo com o contexto sociocultural dessa prática. Mesmo o valor daquilo que já foi processado e arquivado muda com o tempo e atualmente observamos uma mudança paradigmática nos significados e nas práticas que constituem os arquivos, provocados pela internet e pelas tecnologias de informação em geral (FEATHERSTONE, 2006). Como ensaio, este trabalho não pretende trazer uma visão definitiva sobre nenhuma das questões colocadas. Por isso, considero que o texto cumprirá um papel relevante se contribuir para fortalecer a discussão sobre a aproximação entre Administração e a História, chamando a atenção para a importância de refletirmos sobre as fontes utilizadas na construção de narrativas e fomentar pesquisas em arquivos, especialmente os disponibilizados na internet. Possibilidades a explorarmos no futuro incluem documentos disponibilizados pelo Wikileaks (www.wikileaks.org), pelo projeto Opening the Archives entre a Universidade Estadual de Maringá e a Brown University (http://library.brown.edu/openingthearchives/), documentos de acordos assinados com organizações multilaterais, como o Banco Mundial (http://www.worldbank.org/projects?lang=en) ou, mesmo, refletir sobre as revelações feitas por Edward Snowden sobre as atividades de vigilância da National Security Agency (NSA) e seus efeitos sobre os negócios e empresas que lidam com informações de milhões de usuáriosconsumidores. Explorar a massa de documentos que tratam direta ou indiretamente das organizações e seus impactos pode ser um caminho interessante tanto para as pesquisas históricas, como para os estudos que se propõem a refletir criticamente sobre seus objetos. A disponibilização de documentos diversos em arquivos não é fruto exclusivo da tecnologia, mas também da disponibilidade de pessoas e instituições de tornarem seus acervos acessíveis para o público em geral. Nesse sentido, aprofundar as discussões sobre arquivos na Administração e nos estudos históricos dentro desse campo pode estimular a criação e disponibilização de novos arquivos públicos ou privados que permitam novas questões acerca do desenvolvimento da área e seu presente. No caso dos estudos levados a cabo na Administração é interessante notar que na maior parte das vezes os documentos analisados se inserem em teias mais ou menos limitadas: se por um lado é possível ligá-los às tramas sociais que os engendram, por outro produzem efeitos especialmente em uma organização inserida em seu contexto específico. Stoler (2002, p. 107, tradução livre) observa: para entender um arquivo é necessário entender as instituições às quais ele serve. Não apenas as organizações de posse de arquivos, mas as instituições em sentido amplo que podem remeter àqueles arquivos para fundar, reforçar ou legitimar determinadas práticas. O arquivo é um aspecto crucial para quem olha para o 12

13 passado em busca de respostas para o presente, mas é também constituinte do presente. Não se tratou aqui, assim, de um debate metodológico e nem quis elaborar um conceito final do que seja um arquivo, mas contribuir para ampliar o interesse sobre as questões subtendidas ao seu uso, bem como as implicações para a prática de pesquisa. Referências ADKINS, E. W. The Development of Business Archives in the United States: An Overview and a Personal Perspective. American Archivist, v. 60, n. 1, p. 8 33, Winter BARROS, A; CRUZ, R; XAVIER, W; CARRIERI, A; LIMA, G. Apropriação dos saberes administrativos: um olhar alternativo sobre o desenvolvimento da área. Rev. Adm. Mackenzie, v.12, n.5, p , set/out, BRASIL. Lei Nº , de 18 de novembro de Dispo/nível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2011/lei/l12527.htm>. Acesso em: 01/03/2014. BRUNO, F. Monitoramento, classificação e controle nos dispositivos de vigilância digital. Revista Famecos, v. 1, n. 36, p , CAYGILL, H. Meno and the internet: between memory and the archive. History of the human sciences, v.12, n.1, COOK, T. A ciência arquivística e o pós-modernismo: novas formulações para conceitos antigos. InCID: R. Ci. Inf. e Doc. Ribeirão Preto, v. 3, n.2, p. 3-27, jul./dez., 2012a.. Entrevista. InCID: R. Ci. Inf. e Doc. Ribeirão Preto, v. 3, n.2, p , jul./dez. 2012b. CORAIOLA, D. M. Importância dos arquivos empresariais para a pesquisa histórica em administração no Brasil. Cadernos Ebape.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p , From memory keeping to memory managing: the evolution of organizational memory work in the Canadian banking sector. 159f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, COSTA, A. SARAIVA, L; Memória e formalização do passado nas organizações. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 6, p , Nov./dez., DE CERTEAU, M. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, DERRIDA, J. Archive fever: a freudian impression. Trad. PRENOWITZ, E. Diacritics, v. 25, n. 2, p. 9-63, Summer, FEATHERSTONE, M. Archive. Theory, Culture & Society, v. 23, n. 2-3, p , Archiving cultures. British Journal of Sociology, v. 51, n. 1, , FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

14 GILL, F; ELDER, C. Data and archives: the internet as site and subject. International Journal of Social Research Methodology, v.15, n. 4, p , July, ISAACMAN, A; LALU, P; NYGREN, T. Digitization, History, and the Making of a Postcolonial Archive of Southern African Liberation Struggles: The Aluka Project. Africa Today v. 52 n. 2, Winter, Disponível em: < Acesso em: 01/02/2014. KURTZ, M. A Postcolonial Archive? On the Paradox of Practice in a Northwest Alaska Project.Archivaria: The Journal of the Association of Canadian Archivists, 61 pp , L EPLATTENIER, B. An argument for archival research methods: thinking beyond methodology. College English, v. 72, n. 1, p , September, MARQUES, R. O arquivo literário como figura epistemológica. Matraga, Rio de Janeiro, v. 14, n. 21, p , jul./dez., NEAL, G. (Producer); MaCDONALD, I. B. (Director); BERRY, P. (Writer). The Last Enemy. (Five Episodes). London: BBC, PETERS, M. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Belo Horizonte: Autêntica Editora, Rowlinson, M; Booth, C; Clark, P; Delahaye, A; Procter, S. Social Remembering and Organizational Memory. Organization Studies, v. 31, n.1, p , SCHAWRTZ, J; COOK, T. Archives, records and power: the making of modern memory. Archival Science, v. 2, n. 1, p. 1-19, SCHELLENBERG, T. R. Modern Archives: principles & techniques. 3ª ed. Chicago: The Society of Americans Arquivists, STEEDMAN, C. (2009). Romance in the archive. Paper presented at Framing Facts: Contesting the Innocence of the Archive, Department of Sociology, University of Warwick. Disponível em: <http://www2.warwick.ac.uk/fac/soc/sociology/staff/academicstaff/bhambra/gurminderkbha mbra/research/iasproject/2/>. Acesso em 01/04/2014. STOLER, A. L. Along the Archival Grain: epistemic anxieties and colonial common sense Princeton: Princeton University Press, Colonial archives and the arts of governance. Archival Science, v. 2, n. 1, p , YAKEL, E. Archives and manuscripts: inviting the user into the virtual archives. OCLC Systems and Services: International Digital Library Perspectives, v. 22, n. 3, p , ZIMMERMAN, D.L. ( ). Can our culture be saved? The future of digital archiving. Minnesota Law Review, v. 91 n. 5,

15 i A diferenciação dos termos a partir de maiúscula ou não foi feito apenas quando julguei importante sublinhar o termo, ou evidenciar o uso dado. ii Sei que a definição desse termo é controversa, mas não cabe nesse texto tentar delinear essa discussão. Para uma introdução ver Peters (2000). iii O que faz emergir discussões sobre a privacidade não apenas de indivíduos, mas também de organizações sociais ou corporações. Veja por exemplo a discussão colocada por Bruno (2008) ou, no campo da ficção a série produzida pela BBC One The Last Enemy (NEAL, MACDONALD e BERRY, 2008). iv É claro que há uma imensa gama de registros que dificilmente será disponibilizada na web, até pelos custos e dificuldades operacionais implicadas nas operações de digitalização e na quantidade de registros produzidos ao longo da história humana. v Como aponta Derrida (1995) é possível medir a efetividade de uma democracia ao se avaliar a abertura para que a sociedade participe e acesse arquivos para poder interpretá-los e fazer inquéritos a partir deles. 15

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Carlos Eduardo dos Reis Professor No Departamento de Metodologia do Ensino, Centro de Ciências da Educação,

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA.

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA. OS DESAFIOS DA SALVAGUARDA, MANUTENÇÃO E ACESSO AS INFORMAÇÕES NA ERA DIGITAL Sergio Marques da Silva Nunes 1 RESUMO: A assim chamada Era Digital exerceu e continua exercendo um papel fundamental em nossas

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega.

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. Novakoski, Rodrigo 1 ; Silva, Aline Pereira 2 ; Schreiner,

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral 1 INTRODUÇÃO POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Ernesto Carlos Bodê A Preservação Digital é um problema

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO Cristiane Lessa Zwirtes 1 Daniela Giareta Durante 2 Resumo A gestão de documentos é um atividade fundamental em todas as organizações, por meio da organização

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil Martina Rillo Otero 1 Sumário Objetivos da pesquisa Metodologia Quem foram as organizações que responderam à pesquisa? O que elas pensam

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br 1. A comunicação científica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais