A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle."

Transcrição

1 ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO Instance Na instância são executados processos e espaços em memória, estes permitem ao Oracle cumprir com seu papel de manter a integridade, confidencialidade e disponibilidade dos dados armazenados. A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle. Por ser fundamental no funcionamento do banco de dados (BD), a arquitetura e a descrição dos caches e processos da instância serão tratados em posts posteriores, por enquanto fiquemos com a visão geral que a instância é usada para gerência e acesso ao banco de dados. Database Segundo Loney e Bryla, database é uma coleção de dados em disco em um ou mais arquivos em servidor de banco de dados que coleta e mantém informações relacionadas. Para um banco de dados (database) ser usado ele precisa ser montado, ou seja, associado a uma instância. Antes disso, os dados estão inacessíveis a qualquer usuário ou aplicação. Separar a instância do banco é apenas uma forma didática de explicar, pois, na prática, esta separação não ocorre. No entanto, pode acontecer de haver múltiplas instâncias rodando na mesma máquina, cada uma associada ao seu banco de dados físico. Nota do autor: costuma existir uma confusão entre banco de dados (database) e o servidor de BD. Pode-se dizer que o servidor de BD é a associação do banco de dados com a instância.

2 Schema Representa a coleção de vários objetos de um usuário de banco de dados como, por exemplo, tabelas, índices, seqüências, sinônimos etc. São associados a um banco de dados na razão de vários esquemas para um BD. Tablespace e Datafile Um banco de dados é armazenado logicamente em uma ou mais tablespaces que, por sua vez, é armazenada fisicamente no disco em um ou mais arquivos para cada tablespace. Segment Os objetos do Banco (tabelas, índices, etc) são armazenados como segmentos. Existem diferentes tipos de segmentos, como: - Data segments (segmento de dados): armazena os dados das tabelas não clusterizadas. Para tabelas particionadas, cada partição tem seu segmento de dados. - Index segments: segmentos de índices. Vale a regra da partição. - Undo segments (de undo): a informação deste segmento é usado para gerar a leitura consistente e, durante o recovery, o rollback de informações não comitadas. - Temporary segments (temporários): usadas quando um comando SQL precisa de uma área temporária para completar a execução. A relação é de um ou mais segmentos para um tablespace. Extent Cada segmento contém um ou mais extents, que são grupos de blocos de dados contíguos (ou adjacentes). Por exemplo, quando se cria uma tabela, o BD aloca um número inicial de extents para o segmento, quando estes extents enchem, o BD automaticamente aloca um número incremental de extents. (Estes valores são configuráveis pela clausula STORAGE do comando CREATE TABLE ou ALTER TABLE ou podem ser otimamente dimensionados pelo Oracle). É importante notar que cada extent só pode estar em um data file. DB Block e OS Block Blocos de banco de dados é o menor nível de granularidade e é onde as informações são armazenadas. O DB Bloco é um múltiplo do OS Block (bloco do sistema operacional) e o tamanho é definido por uma variável (DB_BLOCK_SIZE) no momento da criação do tablespace.

3 Tablespace SYSTEM: O tablespace SYSTEM é considerado um tablespace permanente, além disso, todos os segmentos que precisam ser mantidos por um usuário ou uma aplicação além dos limites de uma sessão ou transação devem ser armazenados em um tablespace permanente. Os segmentos de um usuário nunca devem residir neste tablespace. A partir do Oracle 10g, é possível especificar um tablespace permanente padrão além do recurso de especificar um temporário padrão no Oracle 9i. Também a partir do Oracle 10g, o este tablespace é gerenciado localmente por padrão, ou seja, toda a utilização de espaço é gerenciada por um *segmento de bitmap na primeira parte do primeiro arquivo de dados do tablespace. Usar tablespace gerenciados localmente remove parte da disputa ou concorrência que pode ser gerada neste tablespace porque operações de alocação e desalocação de espaço não precisam usar tabelas de dicionário de dados. Para verificar se o tablespace SYSTEM é gerenciado localmente ou não, entre com a seguinte consulta e verifique a coluna EXTENT_MANAGEMENT: <!--[if!supportlinebreaknewline]-- > <!--[endif]--> O tablespace SYSTEM é responsável por armazenar o dicionário de dados e seus respectivos objetos (metadados). Quantos mais objetos forem criados nos bancos de dados de uma instância Oracle, maior será este tablespace.

4 Tablespace SYSAUX: Como o tablespace anterior, o SYSTEM, este não deve ter segmentos de usuários. O conteúdo deste tablespace são membros de processos realmente auxiliares, por isso, caso haja algum processo que esteja ocupando muito espaço neste tablespace, interessante pensar em trocá-lo de lugar. O monitoramento poderá ser realizado através do EM Database Control. Este tablespace auxiliar não existe nas versões anteriores ao Oracle 10g e foi criado especialmente para aliviar o tablespace SYSTEM de segmentos associados a algumas aplicações do próprio banco de dados como o Oracle ultra search, Oracle Text e até mesmo segmentos relacionados ao funcionamento do Oracle Enterprise Manager entre outros. Como resultado da criação do tablespace SYSAUX, alguns dos gargalos de I/O freqüentemente associados ao tablespace SYSTEM foram reduzidos ou eliminados. Vale salientar, que o este tablespace não pode se colocado em modo offline e é parte integrante obrigatória em todos os bancos de dados a partir do Oracle 10g. Existe uma visão no dicionário de dados que exibe os dados relacionados com os ocupantes atuais neste tablespace: Tablespace temporários:

5 Segundo Rodrigo Almeida, uma das atuais autoridades em Oracle, a tablespace temporária, ou como nós conhecemos por TEMP, é utilizada para armazenar informações de ordenação (SORT) ou para armazenar dados de tabelas temporárias (CREATE TEMPORARY TABLE). A principio, a Tablespace Temporária tem seu lugar físico reservado no servidor, determinado pelo DBA, porém, sua principal função no banco de dados é auxiliar a memória do Oracle (SGA), em seu principal componente, o SORT_AREA_SIZE. É possível ter mais de um tablespace temporário ativo e online no banco de dados, mas até o Oracle 10g, várias sessões do mesmo usuário usariam o mesmo tablespace temporário, pois, apenas um tablespace temporário padrão poderia ser atribuído a um usuário. Para resolver esse possível problema de gargalo, podemos na versão 11g, utilizar grupos de tablespace temporários. Um grupo de tablespaces temporários deve consistir em ao menos um tablespace temporário e ele não pode ser vazio. Uma vez que um grupo de tablespaces temporários não tenha membros, ou seja, não tenha nenhum tablespace, ele deixará de existir. Ao invés de se atribuir a um usuário apenas um tablespace, podemos atribuir um grupo deles. Interessante observar que um grupo com três tablespaces poderá ceder espaço para organização dos dados de uma consulta A (esta que poderá utilizar ORDER BY, GROUP BY, DISTINCT, UNION, INTERSECT e/ou MINUS) e os outros tablespaces continuarão disponíveis para realizar o mesmo trabalho, de forma paralela, para outras consultas deste mesmo usuário. A criação de um grupo de tablespaces temporários é muito simples. Após criarmos os tablespaces, aqui neste exemplo chamaremos de TMP_1, TMP_2 e TMP_3, alteramos os mesmo para adicionar ao grupo TMP_GROUP:

6 Neste momento, o grupo de tablespaces temporários, chamado de TMP_GROUP contém três membros. Para eliminar um grupo de tablespaces, primeiramente teremos que eliminar os seus membros; a eliminação dos membros de um grupo de tablespaces poderá ser realizada atribuindo uma string vazia ao seu grupo: Como um grupo de tablespaces temporários somente existirá se tiver pelo menos um tablespace, neste momento ele já não mais existe. Para checarmos os grupos de tablespaces temporários que existem em servidor de bancos de dados Oracle: Tablespace de UNDO: Esse tablespace que contém seus segmentos de reconstrução em versões anteriores ao Oracle 9i chamado de RBS (tablespace de rollback), possui a capacidade de recuperar transações incompletas ou abortadas. Um segmento de undo é usado para salvar o valor antigo qparcialuando um processo altera dados de um banco de dados. Ele armazena a localização dos dados e também os dados da forma como se encontravam antes da modificação.

7 Embora um banco de dados possa ter mais de um tablespace de UNDO, apenas um poderá estar ativo em um dado momento. Caso este necessite de mais espaço a AUTOEXTEND não estiver ativado, um novo arquivo de dados poderá ser adicionado. Tablespace BIGFILE: Um tablespace BIGFILE facilita a administração do banco de dados porque consiste em apenas um arquivo de dados. Um único arquivo deste tipo de tablespace poderá chegar até 128TB de tamanho se o tamanho de bloco do tablespace for 32K. Tablespaces gerenciados localmente As extensões são gerenciadas no tablespace através de bitmaps. Cada bit no bitmap corresponde a um bloco ou um grupo de blocos. Quando uma extensão é alocada ou liberada para reutilização, as alterações do servidor Oracle valores do bitmap para mostrar o novo estatuto dos blocos. Tablespace gerenciadas pelo Dicionário As extensões são gerenciadas pelo dicionário de dados. O servidor atualiza as tabelas do Oracle adequada no dicionário de dados sempre que uma extensão é alocada ou não alocado. Isto é para compatibilidade com versões anteriores, é recomendável que você use tablespaces gerenciados localmente.

8 Status de uma Tablespace Offline: Você pode fazer um Habbo tabela de modo que esta parte do banco de dados está temporariamente indisponível para uso geral. O resto do banco de dados é aberta e disponível para os usuários acessarem dados. Quando você colocá-lo offline, você pode usar as seguintes opções: Normal: A tablespace pode ser tirado do ar, normalmente, se não existem condições de erro para qualquer um dos arquivos de dados do tablespace. Banco de Dados Oracle garante que todos os dados são gravados no disco, tendo um posto de controle para todos os arquivos de dados do tablespace como leva-los offline. Temporária: A tablespace pode ser tirado do ar temporariamente, mesmo se não houver condições de erro para um ou mais arquivos do tablespace. Oracle Database tem os arquivos de dados (que ainda não estão offline) offline, realizando checkpointing sobre eles como se faz isso. Se não houver arquivos off-line, mas você usa a cláusula temporária, a recuperação de mídia não é obrigada a trazer a tabela online. No entanto, se um ou mais arquivos do tablespace estiver offline por causa de erros de gravação, e você toma o tablespace offline temporariamente, o tablespace requer recuperação antes que você pode trazer de volta online. Imediata: Uma tablespace pode ser tirado do ar imediatamente, sem banco de dados Oracle, tendo um posto de controle em qualquer um dos arquivos de dados. Quando você especificar imediato, os meios de recuperação para as tablespace é necessária antes que a tabela pode ser colocado online. Você não pode tomar uma tablespace offline imediatamente se o banco de dados está sendo executado no modo no archive. Você não pode tomar uma tablespace offline imediatamente se o banco de dados está sendo executado no modo NOARCHIVELOG. Para recuperar: A configuração PARA RECUPERAR foi substituído. A sintaxe é suportado para compatibilidade com versões anteriores Oracle Managed Files (OMF) Gere directamente criação de arquivos e exclusão ao nível do sistema operacional. As operações são especificadas em termos de objetos de banco de dados ao invés de nomes. Oracle internamente usa sistema de arquivos padrão de interfaces para criar e excluir arquivos conforme necessário para as estruturas de banco de dados, tais como tablespaces, arquivos de log redo on-line e arquivos de controle. Os administradores precisam especificar o diretório de sistema do arquivo a ser utilizado para um determinado tipo de arquivo. Depois disso, a Oracle consegue criar arquivos originais quando necessário e também elimina os arquivos que não são necessários. As vantagens incluem: * Não há necessidade de se preocupar com os nomes de arquivo e armazenamento. A Oracle fornece um nome de arquivo exclusivo. * Elimina a necessidade para o DBA para gerenciar diretamente os arquivos do sistema operacional. * Permite operações a serem especificadas em termos de objetos e não os arquivos. * Reduz a possibilidade de substituição de um arquivo. Evita a corrupção acidental de arquivos de dados.

9 * Reduz o desperdício de espaço em disco consumido pelos arquivos obsoletos. Quando uma tabela for interrompida, os arquivos relevantes são removidos automaticamente no nível do host. Os parâmetros de inicialização a seguir especificam a localização do arquivo: * Db_create_file_dest: Define a localização do sistema de arquivos padrão do diretório onde o Oracle cria arquivos de dados ou arquivos temporários quando não há especificação do arquivo é dado na instrução de criação do objeto. * Db_create_online_log_dest_n: Define a localização do sistema de diretório de arquivo padrão para arquivos de log redo on-line e arquivos de controle quando não há especificação do arquivo é dado na instrução de criação. Este parâmetro de inicialização pode ser usado várias vezes em que n especifica uma cópia multiplexada do arquivo de log on-line ou controle refazer. Note que o diretório de sistema de arquivo especificado por um desses parâmetros já deve existir. Oracle não criá-la. O diretório também deve ter permissões para permitir a Oracle para criar os arquivos nele. O local padrão é usado sempre que um local não é explicitamente especificado para a operação de criar um arquivo. Oracle cria o arquivo, e assim criado um arquivo é um arquivo de gestão da Oracle. O exemplo a seguir define / u01/oracle/data/applic como o diretório padrão para usar ao criar arquivos de gestão da Oracle: DB_CREATE_FILE_DEST = '/ u01/oracle/data/applic' Por padrão, esse local seria aplicável para arquivos de dados, arquivos temporários, arquivos de redo log on-line e arquivos de controle. No entanto, o parâmetro de inicialização db_create_online_log_dest_n podem ser incluídos no arquivo de parâmetros de inicialização para identificar a localização predefinida para o servidor de banco de dados online para criar arquivos de log e refaz arquivos de controle. Por exemplo: DB_CREATE_ONLINE_LOG_DEST_1 = '/ u03/oracle/redo/applic' DB_CREATE_ONLINE_LOG_DEST_2 = '/ u04/oracle/redo/applic' Além disso, a localização DB_CREATE também pode ser alterado com o comando ALTER SYSTEM. Por exemplo, os seguintes comandos mudar o local do diretório OMF para '/ u05/oracle/data/applic, e cria um novo espaço de tabela. ALTER SYSTEM SET DB_CREATE_FILE_DEST = '/ u05/oracle/data/applic; CREATE TABLESPACE tbs_1; # cria def.size de 100MB CREATE TABLESPACE tbs_3 DATAFILE AUTOEXTEND ON 800M MAXSIZE; Para mais informações, consulte o capítulo sobre a utilização do Oracle Managed Files no Oracle Database 10g Administrator's Guide do. Com os sistemas de RAC, a instalação OMF só pode ser usado se o sistema de cluster está utilizando o sistema de arquivo cluster. A disponibilidade do sistema de arquivos de cluster com um conjunto de sistemas de arquivos montados, permite que um

10 diretório para ser configurada para arquivos OMF. O DBCA também suporta Oracle Managed Files para sistemas operacionais que oferecem suporte a um sistema de arquivo cluster. ASM AUTOMATIC STORAGE MANAGER Automatic Storage Manager (ASM) é um gerenciador de volumes e ao mesmo tempo um sistema de arquivos para banco de dados Oracle o qual suporta configurações do tipo single-instance e RAC. O ASM é uma solução alternativa de gerenciamento de volume de discos, sistemas de arquivos e raw devices. O ASM utiliza agrupamento de discos para armazenar arquivos de dados; um ASM disk group nada mais é do que uma coleção de discos os quais o ASM gerencia como se fosse apenas uma unidade de disco. Dentro de um disk group, os arquivos de banco de dados Oracle são apresentados em uma interface semelhante ao sistema de arquivos unix e linux. O conteúdo dos arquivos são eventualmente redistribuidos para evitar gargalos e garantir estabilidade de desempenho. Seu desempenho é semelhante ao desempenho de raw devices. Voce pode adicionar ou remover discos de um disk group sem interromper o serviço de banco de dados. Quando você remove ou adiciona discos de um disk group, o ASM automaticamente redistribui os arquivos e, conseqüentemente elimina a necessidade de parada de serviços para redistribuição de conteúdos. O gerenciador ASM possui flexíveis opções de espelhamento. ASM normal e alta redundância de disk groups, espelhamentos tipo two-way e three-way respectivamente. Permite o uso de redundância externa do tipo RAID. O ASM também utiliza o Oracle Managed Files (OMF) para simplificar o gerenciamento de arquivos banco de dados. O OMF automaticamente cria os arquivos em sua respectivas pastas. Além disso, atribui nomes aos arquivos e remove-os, defragmentando áreas de disco, quando as tablespaces ou arquivos são excluídos. O ASM simplifica as tarefas de administração de storage consolidando os dados de storage em um reduzido grupo de discos. Isso possibilita a unificação do storage para diversos bancos de dados e oferece melhorias de desempenhos dos processos de leitura e gravação em discos. Os arquivos ASM podem ser configurados com outros gerenciadores de storage, como raw devices e sistemas de arquivos de terceiros. Isto simplifica a integração do ASM com os demais sistemas de armazenamento já existentes.

11 Exercícios Adicionais : 1 Descubra os segmentos contidos no banco SQL> SELECT SEGMENT_TYPE, COUNT(1) FROM DBA_SEGMENTS GROUP BY SEGMENT_TYPE ORDER BY SEGMENT_TYPE 2 Saiba qual a tablespace default para criação de objetos SQL > select default_tablespace from user_users; 3 Saiba as caracteristicas de um segmento SQL > select segment_name,segment_type,tablespace_name,bytes,blocks,extents from user_segments where segment_name='cliente'; 4 Vamos Criar uma TableSpace: SQL> CREATE TABLESPACE RECURSOS_HUMANOS datafile /oracle/oradata/rh_01.dbf size 100m autoextend on next 100m maxsize 4096m; OBS1: repare que o nome da nossa tablespace no exemplo acima se chama RECURSOS_HUMANOS e nosso primeiro data file adicionado a nossa tablespace se chama RH_01.dbf. Podemos analisar que são nomes explicativos e de fácil identificação, como deve ser. Vamos adicionar um Data File: Ex2.: SQL> ALTER TABLESPACE RECURSOS_HUMANOS add datafile /u02/oradata/rh_02.dbf size 100m autoextend on next 200m maxsize 4096m; OBS2: repare que neste exemplo acima estamos adicionando um outro Data File há uma TableSpace já existente e estamos dando continuidade a sequência dos Data Files como pode ser observado no exemplo. Além disto observe que estou passando outro caminho para este outro Data File, isto para me dá uma maior segurança com os dados. Esta é uma boa prática de Administração Oracle.

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management Oracle 10g ASM Implementando o Automatic Storage Management Automatic Storage Management de clusters a máquinas multiprocessadas distribui o I/O entre os recursos elimina o balanceamento manual de I/O

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11 UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas Administracão de Banco de Dados ORACLE Backup / Recovery AULA 11 Prof. MsC. Eng. Marcelo Bianchi AULA 09 A ARQUITETURA DO ORACLE O conhecimento da arquitetura Oracle

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO SQL SERVER 2008 Lílian Simão Oliveira O Banco de Dados SQL Server mapeia um banco em um conjunto de arquivos do sistema operacional As informações de log e de dados nunca ficam

Leia mais

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA Os tres componentes (instância, Listener e opcionalmente o DataBase Control) tem seus próprios utilitários de linha de comando que podem ser usados para inicialização, ou, uma

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

SQL Introdução ao Oracle

SQL Introdução ao Oracle SQL Introdução ao Oracle Estagiários: Daniel Feitosa e Jaqueline J. Brito Sumário Modelo de armazenamento de dados Modelo físico Modelo lógico Utilizando o SQL Developer Consulta de Sintaxe Sumário Modelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS: UM ESTUDO NO ORACLE 10G TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

TREINAMENTO. Apresentação. Objetivos. Dados Principais. Tecnologia Abordada Oracle Databese 11g

TREINAMENTO. Apresentação. Objetivos. Dados Principais. Tecnologia Abordada Oracle Databese 11g Apresentação Dados Principais Combinando quinze dias em 60 horas de conteúdo, o treinamento para os DBAs Oracle gerenciam os sistemas de informação mais avançados do setor e têm alguns dos maiores salários

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup RMAN: Ambiente de backup Olá amigos! Após algumas séries de colunas explicando os conceitos e modos que o RMAN pode trabalhar, iremos aprender a utilizar essa ferramenta para auxiliar os serviços administrativos

Leia mais

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados Oracle 10g - Workshop de Administração I Objetivos do Curso Este curso foi projetado para oferecer ao participante uma base sólida sobre tarefas administrativas fundamentais. Neste curso, você aprenderá

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de bancos de dados Oracle oracle série 4.5 Avisos legais Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho

Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho Valderes S. Sobrinho 1, Alexandre Galvani 1 1 Curso de Tecnologia em Banco de Dados - Faculdade de Tecnologia de Bauru

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS... 4 DEFINIÇÕES PRELIMINARES... 4 HISTÓRIA... 4 TAREFAS DO ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS:... 5 Instalar o SGBD... 5 Implementar

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior. Áreas de Trabalho (Tablespace)

Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior. Áreas de Trabalho (Tablespace) Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Áreas de Trabalho (Tablespace) Estruturado Bancode Dados Estruturas de Memória Instância

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.5, janeiro-junho/2014 GERENCIAMENTO E ALTA DISPONIBILIDADE EM ARMAZENAMENTO DE BANCO DE DADOS Fabio dos Santos Canedo Gustavo César Bruschi Luis Alexandre da Silva Vitor de Oliveira Teixeira FATEC Bauru - SP e-mail: vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Advanced IT S/A. EM10g Grid Control. Introdução. Introdução. Agenda. Como alcança estes objetivos Grid Control Home Page Pode gerenciar:

Advanced IT S/A. EM10g Grid Control. Introdução. Introdução. Agenda. Como alcança estes objetivos Grid Control Home Page Pode gerenciar: Agenda Advanced IT S/A EM10g Grid Control Denise Cunha Advanced IT S/A - DBA Gerenciando Deployments (distribuições) Estendendo o EM Sistema de Jobs Start e Stop do EM Objetivos Extrair informações críticas

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Instalação RAC10g em Linux

Instalação RAC10g em Linux Instalação RAC10g em Linux Humberto Corbellini humberto.corbellini@advancedit.com.br Agenda Visão Geral Storage compartilhado Hardware utilizado Sistema operacional Configuração de rede Drivers e opções

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD Curso Banco de Dados Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia Brasília 2012 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 3 2- DESCRIÇÃO DO ASSUNTO... 4 2.1- Estrutura fisica

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa).

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa). ARQUITETURA ORACLE O conhecimento da arquitetura interna do ORACLE é de extrema importância para a compreensão das técnicas de otimização do produto. Basicamente, os seus mecanismos de execução são as

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe

Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Oracle Database em High Availability usando Microsoft Windows Clusters Server (MSCS) e Oracle Fail Safe Objetivos: Apresentar conceitos do Microsoft Windows Clusters Server Apresentar a arquitetura do

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 GERALDA SILVIA DE VASCONCELOS JARDIM 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo descreve a importância do mecanismo

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Sistema de Arquivos Ciclo 5 AT1 Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Referência: Deitel Cap. 13 Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais,

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Processamento de Transações Ambiente com SGBD Distribuído Transações

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia Objetivo O objetivo deste guia é tão somente o de servir como referência, um lembrete, da sintaxe dos comandos de administração de bancos de dados Oracle mais usuais. Sendo assim ele não tem o objetivo

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Sistema de Arquivos FAT

Sistema de Arquivos FAT Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos FAT Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br FAT A FAT é o sistema de arquivos usado pelo MS-DOS e outros sistemas operacionais baseados em Windows para organizar

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Meu Monitor do SQL Server mysql série 1.4 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia O material contido neste documento é fornecido

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios BANCO DE DADOS TRANSAÇÃO Reconstrução ( recovery ) Idéia básica Em algum momento no tempo, todo sistema computacional apresentará uma falha. Prof. Edson Thizon O SGBD deve incorporar mecanismos de proteção

Leia mais

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Sumário Executivo... 3 Introdução... 3 Arquitetura do Oracle Database

Leia mais

Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados

Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados Gerenciamento e alta disponibilidade em armazenamento de banco de dados Fabio Samuel dos Santos Canedo Vitor de Oliveira Teixeira Gustavo Cesar Bruschi (Orientador) FATEC BAURU acheroniano@gmail.com vitor.teixeira2@fatec.sp.gov.br

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Visão Geral Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento) formada por um conjunto de comandos SQL cujo objetivo é preservar a integridade e a consistência dos dados. Ao final

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos)

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Agenda Sobre Rodrigo Mufalani Clico de dados Visão Geral Avanced Compression Visão Geral External Tables Performance Disponibilidade

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger

SISTEMA DE ARQUIVOS. Instrutor: Mawro Klinger SISTEMA DE ARQUIVOS Instrutor: Mawro Klinger Estrutura dos Discos As informações digitais, quer sejam programas ou dados do usuário, são gravadas em unidades de armazenamento. O HD é uma unidade de armazenamento

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Manual de referência do Device Storage Manager

Manual de referência do Device Storage Manager Manual de referência do Device Storage Manager Avisos sobre direitos autorais e marcas comerciais Copyright 2003 Hewlett-Packard Development Company, L.P. É proibida a reprodução, adaptação ou tradução

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate)

Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate) Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate) Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Sistemas de arquivos FAT e FAT32

Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Introdução Sistemas de arquivos FAT e FAT32 Muitos usuários de Windows já ouviram falar em partições FAT ou FAT32 sem saber ao certo o que isso significa. Essas são siglas de sistemas de arquivos para

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker TITLE Speaker Lendas do Oracle Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para ver uma cópia desta

Leia mais

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware 3 Implementando e gerenciando dispositivos de hardware Uma boa parte das questões do exame está concentrada nessa área. Saber implementar e, principalmente, solucionar problemas relacionados a dispositivos

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas: I. Uma das funções de um DBA é gerenciar os mecanismos de segurança de acesso aos dados armazenados em um SGBD (Sistema Gerenciador

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

CA ARCserve Backup para Windows

CA ARCserve Backup para Windows CA ARCserve Backup para Windows Guia do agente para Microsoft SQL Server r16.5 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Aplica-se às seguintes edições: Advanced Server Virtual Edition Advanced Server SBS Edition Advanced Workstation

Leia mais

Guia de procedimentos de backups

Guia de procedimentos de backups Guia de procedimentos de backups Sumário Sobre o guia 3... 4 Procedimentos de backup do banco de dados Oracle... 5 Backup lógico... 6 Backup físico... 7 Envio de backup... para fita 9 2 3 Sobre o guia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade Introdução... 2 Causas do Tempo Inativo... 2 Proteção contra Falha do

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Banco de Dados Distribuídos

Banco de Dados Distribuídos A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

CA ARCserve Backup para Windows

CA ARCserve Backup para Windows CA ARCserve Backup para Windows Guia do Agente para Máquinas Virtuais r16 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais