PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS"

Transcrição

1 PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS FORMATOS: São as várias conformações na qual uma informação digital pode ser armazenada. Um formato de arquivo é um algoritmo expresso por um software para codificação de dados, bem como informações sobre o dado estrutura, layout, compressão. Existem centenas de formatos de arquivos, mas somente uns poucos são essenciais para as atividades de uma bibliotecas digitais.

2 PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS FORMATO DE ARQUIVOS São apresentados de acordo com princípios estruturais e organizacionais pré-definidos. Esses princípios são chamados de formato de arquivo. ESPECIFICAÇÃO DE FORMATO Os formatos de arquivo estão normalmente registrados num documento chamado de especificação de formato. Uma especificação de formato informa os detalhes necessários para construir um arquivo válido de um tipo específico e para desenvolver aplicações de decodificar e executar o arquivo. Sem a especificação do formato, um arquivo é apenas uma cadeia de 0 s e 1 s sem significado. O FORMATO É DEPENDENTE DE SOFTWARE Existem formatos que são independentes de um software específico, por exemplo os arquivos ASCII e UNICODE, mas a maioria está vinculado a um software individualmente ou a um grupo de software

3 PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS Formatos de arquivo Para decodificar um formato de arquivo uma especificação formal deve estar disponível. Essa disponibilidade tem forte impacto na vulnerabilidade à obsolescência de um arquivo. As especificações são de três tipos: exemplos PROPRIETÁRIAS ESPECIFICAÇÕES FECHADAS - Representam os softwares de maior sucesso; - Evoluem rapidamente: muitas versões, pouca compatibilidade retrospectiva; - Softwares antigos nunca tiveram suas especificações liberadas PROPRIETÁRIOS ESPECIFICAÇÃO ABERTA - Alguns formatos proprietários disponibilizaram publicamente suas especificações, permitindo que outras empresas produzam software que possam lê-los; - Subconjunto de formatos proprietários são adotados como norma, como é o caso do PDF/A versão para arquivos do formato proprietário aberto do PDF da Adobe s; NÃO PROPRIETÁRIOS ESPECIFICAÇÃO ABERTA - Em termos de garantia de disponibilidade por longo prazo, especificações produzidas por órgãos normatizadores são as mais seguras; - Geralmente representantes de várias instâncias são envolvidos na sua criação ODF

4

5 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Resolução corresponde à capacidade de detalhamento de uma imagem, quanto maior a resolução da imagem, maior será a sua capacidade de exibir detalhes. Ela expressa a quantidade de pontos de informação, ou pixels, armazenados em um arquivo de imagens. Unidade de medida é o DPI, pontos por polegadas, sigla para dots per inch, ou ainda por PPI, pixels por polegada, sigla para pixel per inch. Resolução e tamanho dos arquivos quanto maior a resolução maior o tamanho do arquivo digital resultante.

6 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO Profundidade de Cor ou Profundidade de Bit ou Bit Deep Indica o número de bits usados para descrever a cor de cada pixel. Quanto maior a profundidade de cor, mais cores ou escalas de cinza podem ser representadas. Por exemplo: profundidade de cor de 1 bit só pode representar preto ou branco (ou seja, ligado ou desligado); cor de 8 a escala de cinza de 8 bits podem descrever até 256 tonalidades de cinza e a bits descrevem até 256 cores. True Color Para criar a chamada cor real (ou true color ) é necessário uma representação de 24-bits, assim teremos 16,7 milhões de cores, que corresponde a uma combinação de 256 tons de verde, 256 tons de vermelho e 256 tons azul, que é mais do que o olho humano pode identificar

7 Correspondência Arquivo mapa-de-bits, imagem na tela ou memória do computador Resolução: 3 pixels Imagem na Tela 10 X 20 pixels Imagem na Tela 3,33 X 6,66 pol Profundidade de cor -1 bit: preto e branco - 4 bits: colorido, 16 cores - 8 bits: escala de cinzas - 8 bits: colorido, 256 cores -24 bits: colorido, cores truecolor Arquivo mapa-de-bits Informações adicionais, metadados, dependentes do formato

8 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO Imagens em preto e branco exigem só 1-bit para indicar qual pixels são brancos e quais são pretos. Imagens em escala de cinza precisam de 8 bits para exibir 256 graduações diferentes de cinza. Imagens de cor são exibidas usando 4 bits (16 cores), 8 bits (256 cores) e 24 bits (16 milhões de cores) chamada True Color ou Cor Verdadeira.

9 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Compressão Outro conceito adjacente à captação de imagem é a compressão de arquivos, que é o processo pelo qual reduzimos o tamanho dos arquivos em bytes, tendo como perspectiva a otimização do armazenamento. Existem duas formas básicas de compreensão de imagens: com perda ou sem perda de informação ou qualidade da imagem. Na compressão sem perda, a imagem resultante da operação de descompressão é exatamente a mesma da imagem original. 30 pontos brancos

10 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Tipos de Imagem Imagens de Mapa de Bits ou Bitmapeadas Preenchem cada pixel para formar uma figura. TIFF Tagged-Image File Format (.tif) GIF Graphic Interchange Format (.gif) JPEG Joint Photograpics Expert Group (.jpg) Imagens vetoriais As figuras são geradas matematicamente através de fórmulas e descrição geométrica Tem como características o redimensionamento sem perda de resolução

11 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS [ tipos de imagem TIFF GIF JPEG BMP ] Formatos de Imagem TIFF Tagged-Image File Format (.tif) armazena imagens bitmapeadas; comporta alto nível de detalhes suporta compressão com e sem perdas ideal para o tratamento da imagem antes da conversão elevada definição de cores não perde resolução quando o tamanho original da imagem é alterada volumoso

12 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS [ tipos de imagem TIFF GIF JPEG BMP ] Formatos de Imagem JPEG Joint Photograpics Expert Group (.jpg) armazena imagens bitmapeadas de 24 bits 16,7 milhões de cores imagens de alta qualidade em arquivos pequenos compressão com perdas que dependem do nível de compressão ideal para impressão e tela perde muita qualidade quando o seu tamanho original é alterado voltado para ambiente internet

13 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS [ tipos de imagem TIFF GIF JPEG ] Formatos de Imagem GIF Graphic Interchange Format (.gif) armazena imagens bitmapeadas de 8 bits cores imagens animadas compressão sem perdas tamanho reduzido adequado para tela, ícones e miniaturas (thumbnail) voltado para a Internet não perde qualidade quando o tamanho é alterado

14 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Imagem mestre ou imagem de arquivo ou imagem de preservação [Imagem de altíssima fidelidade usada para preservação, reprodução e derivação de outras imagens em formatos apropriados, tais como miniaturas e imagens de serviço]. Compressão a recomendação é que a imagem máster esteja livre de compressão, entretanto quando for imperativo o seu uso ela deve ser sem perdas de informação e geradas por métodos não proprietários. É necessário enfatizar que a compressão adiciona um grau a mais de complexidade aos processos de migração voltados para a preservação de longo prazo (CDLI). Formato recomendado TIFF (Tagged Image File Format) formato de 24 bits, compressão interna sem perdas de dados (LZW) acionado opcionalmente. O formato é capaz de gerar imagens com alto grau de detalhes apropriadas para arquivo. Profundidade de cor: escala de cinza de 8 bits, cor de 24 bits

15 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Imagem de acesso ou de serviço. [Imagens de alta qualidade, comprimidas tendo em vista a otimização da recuperação, do acesso, da transmissão e da apresentação. Para cada registro a biblioteca pode oferecer um conjunto de imagens de acesso com graus variados de resolução] Formato recomendado JPEG (Joint Photographic Expert Group) formato de 24 bits, com o atributo de compressão com perda de dados, porém com alta taxa de compactação, o que torna apropriado para transmissão e apresentação, mas não para arquivo. Profundidade de cor escala de cinza de 8 bits, cor de 24 bits por pixel Compressão compressão de 10:1 para escala de cinza e 20:1 para cores

16 CAPTURA DE IMAGENS - especificações RESOLUÇÃO PROFUNDIDADE DE COR COMPRESSÃO FORMATOS Imagem prévia, ícone ou miniatura ( thumbnail image ). [uma imagem pequena apresentada para permitir o usuário julgar se é de interesse recuperar a imagem de alta qualidade correspondente] Formato recomendado GIF (Graphic Interchange Format) formato de 8 bits, compressão sem perdas de dados (LZW), apropriado para apresentação de baixa resolução. Compressão: nativa do GIF Profundidade de cor cor de 8 bits por pixel

17 CAPTURA DE IMAGENS - especificações NÍVEIS DE NIVEIS DE FORMATO DE ARQUIVO USADA PARA OBSERVAÇÔES Imagem de preservação ou arquivo máster Formato: TIFF Compressão: sem compres. ou compres. sem perdas Resolução de captura: 600 ppi, RGB (300 ppi para dimensões maiores que 8,5 x 11 ) Cor: 8 bits escala de cinza ou 24 bits Armazenamento de longo prazo e impressão Não deve ser alterada, redimensionada nem comprimida Imagem de acesso ou serviço Formato: JPEG Compressão: 10:1 para escala de cinza; e 20:1 para cores Resolução espacial: 600, 1500, 3000 pixels ao longo Cor: 8 bits escala de cinza ou 24 bits Para exibição Derivada do máster, é alterada para permitir transmissão e apresentação na Web e outros usos Ícone ou thumbnail Formato: GIF Compressão: nativa do GIF Resolução espacial: ao longo ou 72 ppi Cor: 4 bits escala de cinza ou 8 bits Para exibição em tela Derivada da imagem de acesso, tamanho reduzido, nas não alterada Impressão Formato: PDF ou TIFF Compressão sem perdas para o TIFF (LZW para materiais B&W) Cor: 8 bits escala de cinza ou 24 bits Para impressão

18 ESPECIFICAÇÃO POR TIPO DE DOCUMENTO ORIGINAL PRESERVAÇÃO ACESSO ÍCONE Documentos textuais B&W Formato: TIFF Compressão: sem perdas Cor: 8 bits escala de cinza Resolução:espacial: 6000 X 3000 pixels Formato: JPEG Compressão: 10:1 Cor: 8 bits escala de cinza Resolução Espacial: 600 X 480 pixels.ou Resolução: 200 dpi Formato: GIF Compressão: nativa do GIF Cor: 4 bits escala de cinza Resolução Espacial: 150 x 100 pixels Ilustração, Mapas, Manuscritos, etc. Formato: TIFF Compressão: não Cor: 24 bits, RGB Resolução Espacial: 6000 x 3000 pixels.ou Resolução: 600 dpi Formato: JPEG Compressão: 20:1 Cor: 24 bits Resolução Espacial: 600 X 480 pixels ou Resolução: 300 dpi Formato: GIF Compressão: nativa do GIF Cor: 8 bits Resolução Espacial: 150 x 100 pixels Objetos tridimensionais Use câmara digital Formato: TIFF Resolução: dpi Compressão: não Cor: 24 bits, RGB Formato: JPEG Compressão: 20:1 Resolução: 300 dpi Formato: GIF Compressão: nativa do GIF cor: 4 bits escala de cinza ou 8 bits Resolução: 72 dpi Fotografias B&W Formato: TIFF Compressão: não Cor: 8 bits escala de cinza Resolução espacial: 4000 pixels no comprimento ou Resolução: 600 dpi Formato: JPEG Compressão: 10:1 Cor: 8 bits escala de cinza Resolução espacial: 600x480 pixels ou Resolução: 300 dpi Formato: GIF Compressão: nativa do GIF cor: 4 bits escala de cinza Resolução: 72 dpi Fotografias em cores Formato: TIFF Compressão: não Cor: 24 bits, RGB Resolução espacial: 4000 pixels no comprimento ou Resolução: 600 dpi Formato: JPEG Compressão: 20:1 Cor: 24 bits Resolução espacial: 600x480 pixels ou Resolução: 300 dpi Formato: GIF Compressão: nativa do GIF cor: 8 bits Resolução: 72 dpi Áudio Música, discurso WAVE, AIF MP3, AAC, Real Áudio Vídeo Originais mantidos em formato dependente de mídia MPEG 4, Real Vídeo, Quick Times (Downloading e Streaming)

19 ARQUIVOS TEXTUAIS [ ASCII e UNICODE SGML, HTML e XML PDF ] Materiais textuais [conversão para formatos abertos e padronizados quando possível ou de uso amplo] ASCII (ISOA641) American Standard Code for Information Interchange) (7 bits 128 carc.) UNICODE (ISO Universal Character Set) (16 bits) RTF Rich Text Format formatar textos e gráficos para transferência entre aplicações ODF Open Document Format Materiais textuais pesquisáveis, documentos estruturados SGML, HTML, XML Imagem e processo de OCR + indexação Materiais textuais cuja a aparência é importante PDF, PDF-Archival

20 ARQUIVOS SONOROS [ formato digital de áudio freqüência de amostragem etc. ] O fato dos arquivos de áudio serem relativamente volumosos tem implicado num empenho contínuo da indústria de multimídia na busca de novas e melhores soluções de compressão e também de esquemas de reprodução (playback). Por esta razão, os formatos digitais de áudio apropriados para a distribuição via web são menos estáveis do que os formatos digitais de texto e de imagem, e tendem a se tornar obsoletos muito rapidamente (LC) Tipo de material - arquivos de música - voz: entrevista

21 ARQUIVOS SONOROS [ formato digital de áudio freqüência de amostragem etc. ] Formatos: downloaded e streaming files Microsoft WAVE (.wav) formado por seqüência de valores numéricos que são interpretados pelo computador, possui alta qualidade e facilidade de edição, porém resulta em arquivos volumosos impróprios para transmissão via Internet. MPEG2 Layer III (.mp3) são arquivos semelhantes aos arquivos WAV, de elevada qualidade e extremamente compactados, e portanto adequados para transmissão por rede. MIDI (Musical Instruments Digital Intarface) conforme indica a sigla, MIDI é um interface digital para instrumentos digitais, constituindo-se numa especificação padronizada (protocolo) que permite que instrumentos eletrônicos de qualquer fabricante se comuniquem uns com os outros e com o computador. RealAudio (.ra) sistema avançado de de compressão e transmissão de áudio que possibilita a audição via Internet. O RealAudio player fica no computador do usuário e descomprime o arquivo de som, tocando em tempo real, enquanto o servidor de RealAudio roda no emissor. Os navegadores mais comuns possuem suporte (plug-in) para este formato AIFF - Audio Interchange File Format (.aif) Formato de áudio de propriedade da Apple

22 ARQUIVOS SONOROS [ formato digital de áudio freqüência de amostragem etc. ] freqüência de amostragem (sampling rate) Indica a precisão com que um arquivo digital descreve o som analógico que ele representa; corresponde a freqüência que a medida de amplitude de um sinal analógico é tomada em um intervalo fixo de tempo no processo de conversão digital. Quanto maior a freqüência de amostragem, melhor é a performance do arquivo de áudio. Exemplo: um CD comercial tem a freqüência de amostragem de 44,1 khz, significando que o sinal é medido vezes por segundo Número de canais Mono, estéreo, quadrifônico, Dolby 5.1, DTS Tratamento de ruído, por exemplo Dolby

23 ARQUIVOS DE VIDEO formatos de vídeo MPEG - Moving Pictures Experts Group (.mpg) Padrão internacional utilizado para a compactação de imagens, possibilitando a gravação de filmes digitais. Resulta em elevados índices de compressão, sem apresentar perda perceptível na qualidade da imagem. O processo de compressão MPEG é extremamente demorado, AVI - Audio Video Interleaved (Entrelaçamento de Áudio e Vídeo) (.avi) Formato de arquivo audiovisual desenvolvido pela Microsoft, para plataforma Windows. Quik Time (.mov) Formato de arquivo desenvolvido pela Apple. Real Video (.rm) Formato de arquivo de vídeo semelhante ao áudio sob demanda arquivo streaming de video tamanho da janela (160x120, 320x420, 640x480) presença de som, qualidade do som (estéreo ou não) duração captação dos frames tipo e quantidade de compactação

24

25 Conversão retrospectiva Pode ser impraticável em termos técnicos, legais e econômicos Digitalização de uma parte de uma coleção ou de uma coleção particular coleção única e de alto valor Digitalizar materiais muito demandados Tornar esses materiais mais disponíveis, multiplicá-los e preservar os originais analógicos Digitalizar quando requisitado Ao acaso, não configura um metodologia de desenvolvimento de coleção Destacar itens de diversas coleções Digitalizar exemplos fortes, formado uma coleção de destaques Apontar para recursos externos

26 USO PRETENDIDO E USUÁRIOS DAS IMAGENS [os usos pretendidos irão determinar a qualidade das imagens, a resolução e a profundidade de cor; subseqüentemente a escolha da tecnologia de digitalização e/ou de fotografia e as especificações do sistema como um todo] Quais são as metas institucionais para utilização das imagens; Avalie quais são os usuários reais e potenciais e suas necessidades: que qualidade de imagem eles necessitam? Avalie através de que meio os usuários vão acessar as imagens digitais (Internet, CD- ROM/DVD, etc.); Considere não somente os usos imediatos, mas também os usos que podem ocorrer no futuro; Qual é finalidade das imagens para o usuário? Para fins administrativos do museu (gestão da coleção, seguro, empréstimo, etc.); para ilustração dos artefatos; para impressão; para publicação de newsletters, material publicitário, catálogos, etc.; para acesso via web, complementando um registro (simples visualização); ou para criar um CD/DVD da coleção;

27 PRIORIDADES DE [é necessário decidir sobre quais artefatos da coleção devem ser digitalizados e qual é a programação para tal] As prioridades devem considerar as metas institucionais e os usos pretendidos; Alguns critérios de seleção podem incluir: a qualidade do material original, objetos de alto valor informacional e alto interesse (destaques da coleção), objetos que freqüentemente estão em exposição, digitalização como parte de um processo em andamento de gestão de coleção (digitalização de imagens de novas aquisições, empréstimo, etc.)

28 INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA [o processo de digitalização deve estar plenamente integrado à estratégia geral de tecnologia da informação da instituição (armazenamento, padrões, backup, largura de banda, etc.)] A infra-estrutura de TI da instituição atual comporta as exigências presentes e futuras de uma base de dados de imagem? Considere a necessidade de desenvolver um planejamento de longo prazo voltado para a atualização tecnológica da instituição que contemple o aumento da capacidade de armazenamento on-line e off-line e o aumento do acesso à base de dados de imagens.

29 ARMAZENAMENTO É importante ganhar o apoio institucional para o Projeto, pois os recursos digitais vão necessitar de uma estratégia de armazenamento e preservação de longo prazo; Avalie cuidadosamente as mídias de armazenamento para cópias de arquivo, cada qual tem prós e contras; Os arquivos másteres de imagens digitais são muito grandes exigindo um espaço de armazenamento considerável; é necessário também tomar em conta o crescimento do número dessas imagens; esses arquivos devem ser armazenados off-line; Os arquivos de disseminação e os thumbnails devem ser armazenados on-line em servidores ou em discos rígidos de grande capacidade linkados com a base de dados e a página web; É uma boa prática manter cópias de back-up das imagens e armazenar as cópias off-site. Armazene em formatos padronizados.

30 COPYRIGHT e SEGURANÇA A menos que a instituição detenha os direitos sobre as imagens, é necessário conhecer as nuances da lei e obter as permissões adequadas e necessárias para a digitalização, disseminação e usos futuros das imagens; No caso de contratar um fotógrafo, obtenha todos direitos de divulgação das fotos, isso para todo os tipos possíveis de disseminação; Procurar os detentores de direitos autorais pode consumir muito tempo; alguns vão fornecer permissão, outros não e alguns sequer vão responder. As imagens que estarão na página web devem ter uma resolução suficientemente baixa para desencorajar usos inapropriados; as imagens podem ter marca d água incluídas via, por exemplo, o software Photoshop. A instituição pode proteger-se colocando uma declaração de copyright no site, estabelecendo que é de responsabilidade do usuário a obediência às leis de copyright.

31 QUALIDADE DA IMAGEM Defina os padrões de qualidade no começo do projeto e oriente a equipe envolvida para segui-los; aplique esta regra para os demais parceiros em caso de projetos colaborativos; As imagens devem ser capturadas na mais alta qualidade que a tecnologia e o orçamento permitem; Rotinas regulares devem ser estabelecidas para manter o controle de qualidade; As imagens devem ser consistentes em termos de resolução, tamanho do arquivo e profundidade de cor; a instituição deve desenvolver um padrão comum de imagem de forma que o usuário saiba sempre o que esperar. O controle de qualidade se aplica as imagens e aos metadados; Auto-regulamentação e checagem cruzada resulta sempre num resultado efetivo num ambiente de digitalização

32 Diferentes tipos de imagem requerem diferentes níveis de qualidade e de resolução, a melhor opção é capturar a imagem no mais alto nível de qualidade e derivar as imagens de mais baixa resolução - para a base de dados e para a web - a partir da primeira digitalização. As imagens devem ser capturadas numa única operação; Geralmente os scanners planos são fáceis de usar, mas as câmaras digitais exigem maiores conhecimentos técnicos (iluminação, ajustes de velocidade e abertura de diafragma, fotometria, etc.) e os melhores resultados são obtidos quando efetuadas por profissionais equipados com máquinas mais sofisticadas; Não use compressão para arquivos de preservação (máster).

33 FOTOGRAFIA No processo de obtenção de fotos de objetos tri-dimensionais é necessário considerar as condições de iluminação, a locação, as condições do objeto original e, sobretudo, o risco da movimentação e da exposição do objeto ao calor e a luz excessiva típicas de um estúdio fotográfico; Recomenda-se que todas as fotos ângulos, detalhes, cópias - sejam feitas numa única operação de forma que o objeto fique exposto o mínimo possível às condições desfavoráveis de luz e calor e também ao possível deslocamento.

34 GESTÃO DAS IMAGENS [para as imagens manterem a usabilidade por longo prazo, é necessário registro preciso de informações técnicas sobre elas e sua criação] Cada imagem deve ter um identificador único na base de dados e sua localização (se possível use código de barra): Mantenha em meio impresso copia da localização das imagens; Informações técnicas - ou metadados que devem ser registradas quando a imagem for digitalizada e devem seguir rigorosamente os padrões estabelecidos no começo do projeto para controlar termos; o esquema adotado em comum por todos os parceiros deve incluir as seguintes informações: Descrição do Material fonte (original) Data da digitalização Scanner: tipo, fabricante, modelo Resolução Compressão Profundidade de cor Equipe responsável

35

36 Scanner São aparelhos de leitura ótica que permite converter ilustrações, fotos e textos em papel para um formato digital que pode ser manipulado por computador. Todos os scanners se baseiam no princípio da refletância da luz, que consiste em posicionar a imagem de forma que uma luz a ilumine. Um sensor capta a luz refletida pela figura formando uma imagem digital. Os scanners mais simples usam lâmpada fluorescente, enquanto os mais sofisticados usam lâmpada do tipo catado-frio No entanto, um fator determinante para a qualidade da imagem escaneada é o sensor: SENSORES: CCD (Charge Couple Device) São os mais comuns; usado Em quase todos os scanners domésticos, em aparelhos de fax e câmeras digitais. Transforma a luz refletida em em sinais elétricos que por sua vez são convertidos em bits através de um circuito denominado analógico-digital. Os scanners de mesa possuem vários sensores CCD organizados em forma de linha reta. PMT (Photo Multiplier Tube) Usado nos aparelhos mais sofisticados scanner de tambor - destinados à industria gráfica e para impressão de alta qualidade. CIS (Contact Image Sesor) Usa uma série de leds vemelhos, azuis e verde para substituir espelhos e lentes. Gasta pouca energia, é barato e destinado a aplicações simples.

37 tipos Scanner Flatbed ou Plano São os scanners de mesa, digitalizam documentos ou imagens em papel (opacos). Ideal para digitalizar uma grande variedade de formatos livros, desenhos, fotos. Muitos fabricantes oferecem um opcional chamado tampa adaptadora para transparências, que permite digitalizar transparências - slides e negativos fotográficos. Scanner Híbrido Oferece mecanismos distintos em seu corpo: um para opacos e outro para transparências/filmes de forma independente. Scanner de Filme Permite a digitalização de filmes com alto desempenho. Scanner de Tambor Também chamados de rotativos. São equipamentos pesados que apresentam altíssima qualidade e fidelidade de imagem. Atendem a bureau de imagens, gráficas e editoras. Scanner de Folhas Soltas Se encontram nos aparelhos de fax e nas multifuncionais Scanner de mão Capazes de digitalizar pequenas porções de imagem por deslocamento do aparelho sobre a superfície a digitalizar.

38 O escaner características técnicas RESULUÇÃO DE HARDWARE : número de fotocélulas por área de sua matriz de fotocélulas Fonte de luz RESULUÇÃO DE SOFTWARE : resolução que o escanner pode gerar através de software por inserção de pontos (interpolação) além da sua matriz de fotocélulas Documento Sensor matriz de fotocélulas (resolução de hardware )

39 O escaner características técnicas Alimentador de folhas capacidade (no. Folhas, peso Tipo de interface Resolução máxima por hardware: resolução real do sensor do escaner em dpi Resolução de software : Modo de digitalização: simplex (uma face) ou duplex (ambas as faces) Velocidade: em páginas (ppm) por minuto, num determinado modo e numa determinada resolução Tamanho dos documentos: capacidade de receber folhas de papel em formatos An

40 características técnicas Resolução Ótica É a medida do número de pontos por polegada que um scanner consegue ler, o que informa quantos pontos de informação existem numa determinada área digitalizada pelo equipamento. Quanto maior for a resolução de um scanner, mais detalhadas serão as imagens obtidas por ele. É expresso por DPI ou DPP (Dots Per Inch ou Ponto Por Polegadas). Um scanner com uma resolução de 300 DPI, significa que ele consegue ler pontos por polegada quadrada do documento original. Atenção!!! Antes de digitalizar é necessário definir o que se pretende fazer com o arquivo resultante, para assim estabelecer a resolução adequada. - arquivo para preservação alta resolução, acima de 600 DPI - imagem para a Internet 80 DPI - imagem para impressão acima de 300 DPI - arquivos para enviar por 150 DPI Quando dizemos que um scanner possui resolução ótica de 600 x 1200, significa que o aparelho possui 600 DPI na cabeça e que o motor de passo pode avançar 1200 pulos por polegada, A resolução ótica depende também da qualidade dos componentes óticos: lentes, espelhos e da luminosidade da fonte de luz Resolução Interpolada É a medida da resolução que o scanner pode gerar por inserção (ou interpolação) de informação. Ou seja, são pontos (pezes) calculados por software e inseridos para preencher o intervalo entre pontos que o hardware realmente capturou. Por exemplo: um scanner com a resolução ótica de 300 DPI interpolada para 9600 DPI, significa que o scanner lê os 300 pontos por polegada e no intervalo entre dois pontos que foram capturados, calcula e insere 32 pontos.

41 características técnicas Profundidade de Cor Quantidade de informação que o scanner usa para descrever a cor. Significa que quanto maior for o valor da profundidade de cor, maior será o número de cores diferentes que o scanner consegue distinguir. É expressa em bits. Por exemplo: - profundidade de cor de 1 bit só distingue preto e branco - profundidade de cor de 8 bits 256 cores ou tons de cinza - profundidade de cor de 24 bits true color - 16,7 milhões de cores Tipos de Conexão - Interface de Comunicação - Conexão por porta paralela simplicidade na conexão e instalação - Porta USB (Universal Serial Bus) simplicidade, velocidade de transferência - Conexão por interface SCSI (Small Computer System Interface) mais cara e requer cartão controlador SCSI e cabos especiais - FireWire Software Software para gerenciar as operações de digitalização. Os programas podem incluir: - OCR reconhecimento ótico de caracteres. Ao digitalizar o texto o software permite convertê-lo em formato texto reconhecido pelo computador, para ser corrigido, alterado ou complementado. - Correção de tom ou de cor - Correção seletiva de cores Velocidade Velocidade de varredura, expresso por segundos por página, entretanto a velocidade também depende do seu computador, da complexidade do material que está sendo processado, e outras variáveis. 20 segundos por página é um bom número Alimentador Automático de Documentos (ADF) Unidades de Transparência

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S -

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S - Produção Gráfica 2 FORMATOS DE ARQUIVOS A R Q U I V O S D I G I T A I S - FORMATOS DE ARQUIVOS PARA IMAGEM BITMAPEADAS Uma imagem bitmapeada, uma ilustração vetorial ou um texto são armazenados no computador

Leia mais

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING

KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING KIP 720 SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO CIS COM A AVANÇADA TECNOLOGIA KIP REAL TIME THRESHOLDING SISTEMA DE DIGITALIZAÇÃO KIP 720 Scanner de imagens KIP 720 O scanner monocromático e colorido KIP 720 apresenta

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF TUTORIAL DE DIGITALIZAÇÃO DIRIGIDO AO USO DO PROCESSO ELETRÔNICO Adaptado do tutorial elaborado pelo colega MAICON FALCÃO, operador de computador da subseção judiciária de Rio Grande. Introdução Este tutorial

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

Formatos de Arquivos da Internet

Formatos de Arquivos da Internet Guia de Consulta Rápida Formatos de Arquivos da Internet Marcelo Silveira Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida Formatos de Arquivos da Internet de Marcelo Silveira Copyright

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Registro Digital. E Padrões de Digitalização

Registro Digital. E Padrões de Digitalização Registro Digital E Padrões de Digitalização INTRODUÇÃO... 1 SELECIONAR UM SCANNER... 2 PADRÕES DE FORMATOS DE ARQUIVOS... 4 DIRETRIZES PARA DIGITALIZAÇÃO... 5 NOMEAR E ORGANIZAR ARQUIVOS DIGITAIS...11

Leia mais

Apresentação do Projeto Gráfico

Apresentação do Projeto Gráfico Arte-final Arquivo feito no computador utilizando softwares específicos que permitem a produção de um fotolito para impressão gráfica. Programas Utilizados para a Produção de Arte-final. Dependendo das

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED Preparação de documentos 1 Preparação de Documentos Quais documentos digitalizar? Eliminação: remoção e destruição de duplicatas, materiais sem importância

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS RESUMO

DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS RESUMO DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Sônia Teresinha Duarte de Oliveira 1 RESUMO O processo de digitalização propicia os meios de se codificar documentos capturados através de um scanner ou máquina fotográfica

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA RECIFE,

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Scanner FI-7280 Funções Altíssima velocidade de digitalização Alimentador de grande volume Equipado com LCD Equipado com função de proteção avançada de papel Redutor de Desvio - mecanismo estável de alimentação

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº. 02/2010.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº. 02/2010. 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 02/2010. ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 2 ESCOPO DO FORNECIMENTO 1. Constitui o objeto desta

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007

FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 FOTOGRAFIA DIGITAL Conceitos básicos e aplicações práticas Alexandre Cruz Leão 1 Paulo Baptista 2 revisado em Fevereiro/2007 1 Doutorando em Artes pela UFMG 2 Professor do Departamento de Fotografia, Teatro

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

Roxio Easy CD & DVD Burning

Roxio Easy CD & DVD Burning Roxio Easy CD & DVD Burning Guia de Introdução 2 Começando a usar o Easy CD & DVD Burning Neste guia Bem-vindo ao Roxio Easy CD & DVD Burning 3 Sobre este guia 3 Sobre o conjunto Easy CD & DVD Burning

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem Uma imagem bitmapeada é formada por um conjunto de pixels. gerados no momento da digitalização da imagem (através do scanner ou câmera digital). PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital 2 Resolução x dimensão

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

Gestão, metodologia e digitalização de documentos:

Gestão, metodologia e digitalização de documentos: Gestão, metodologia e digitalização de documentos: resultados de um projeto conjunto entre o Arquivo da Cidade e a Câmara Municipal de Belo Horizonte Vilma Camelo Sebe Yuri Melo Mesquita O Arquivo Público

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB Professora Andréia Freitas 2012 3 semestre Aula 03 MEMORIA, F. Design para a Internet. 1ª Edição. Rio de Janeiro:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/8 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

SED 2.0. Guia Rápido. Módulo 1 Servidor de OCR Sistema Eletrônico de Documentos. Nesta Edição

SED 2.0. Guia Rápido. Módulo 1 Servidor de OCR Sistema Eletrônico de Documentos. Nesta Edição SED 2.0 Guia Rápido Módulo 1 Servidor de OCR Sistema Eletrônico de Documentos Nesta Edição 1 Parâmetros da Digitalização 2 Configuração do MODO AVANÇADO 3 Adicionando Documento ao Cadastro 4 Utilizando

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits)

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) Geração e captura de imagem 1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) 1.1. Formatos mais comuns Existe a necessidade muitas vezes de transferir uma imagem de um programa para outro, quando um

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

AvCapture. Manual do Usuário. Avision Inc.

AvCapture. Manual do Usuário. Avision Inc. AvCapture Manual do Usuário Avision Inc. Copyright 2002 Avision Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida de nenhuma forma e por nenhum meio sem prévio consentimento

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Compressão de Imagens

Compressão de Imagens Compressão de Imagens Compressão de Imagens Geradas por Computador (Gráficos) Armazenamento (e transmissão) como um conjunto de instruções (formato de programa) que geram a imagem Utilização de algum esquema

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Capitulo 11 Multimídias

Capitulo 11 Multimídias Capitulo 11 Multimídias Neste capítulo são exploradas as ferramentas multimídias presentes no SO Android customizadas para o Smartphone utilizado neste manual. É inegável o massivo uso destas ferramentas,

Leia mais

SCANNER. Introdução. Aplicações para o scanner. Ilustrações. Texto

SCANNER. Introdução. Aplicações para o scanner. Ilustrações. Texto SCANNER Introdução O scanner traduz as informações que vê na página para um formato que o computador pode usar. O scanner é como uma fotocopiadora, exceto que cria um arquivo de computador em vez de uma

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS 2 O que é Software Aplicativo? SOFTWARES APLICATIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Software que realiza tarefa útil específica Suítes de aplicativos Softwares empresariais Softwares

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

Chapter 2 Guia de referência rápida 2-

Chapter 2 Guia de referência rápida 2- Chapter 2 Guia de referência rápida 2- Este capítulo descreve como descompactar e exibir imagens de maneira rápida com o kit de desenvolvimento de software (SDK) para captura de imagens.net RasterMaster.

Leia mais

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo B. Piropo Computadores usam internamente o sistema binário. O sistema binário adota apenas dois algarismos com os quais pode representar qualquer número. Portanto: Computadores só podem trabalhar com números.

Leia mais

Scanner modelo: ScanSnap S1300i

Scanner modelo: ScanSnap S1300i Scanner modelo: ScanSnap S1300i Scanner ScanSnap Duplex Colorido A4 AAD Especificações Funcionais Velocidade de digitalização melhorada (12 páginas por minuto) Sincronize facilmente com dispositivos ipad/iphone

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Aspectos básicos do vídeo

Aspectos básicos do vídeo Vídeo Aspectos básicos do vídeo Codec: quer dizer compressor e descompressor. É um algoritmo que controla a forma como os ficheiros de vídeo são comprimidos durante a codificação e descomprimidos durante

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

1 Crie uma pasta (dentro do seu diretório) com o seu nome. 2. Se tiver dúvida pergunte o seu professor

1 Crie uma pasta (dentro do seu diretório) com o seu nome. 2. Se tiver dúvida pergunte o seu professor i.exe FrontPage Criação de Home Page s PPaaggi innaa 1 Sobre FrontPage Parte 1 Front Page é uma ferramenta para criação e gerenciamento de web s.o aluno não necessita de nenhum conhecimento de programação

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Scanner FI-6770 Funções Capaz de digitalizar documentos a 90 ppm / 180 ipm Equipado com funções inteligentes para operação eficiente AAD ergonômico Funções Veloz e equipado com Flatbed O fi-6770 equipado

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

Scanner Wi-fi ScanSnap ix500

Scanner Wi-fi ScanSnap ix500 Scanner Wi-fi ScanSnap ix500 Funções Digitalize diretamente para um dispositivo móvel via Wi-Fi; Digitalize em alta velocidade com o Processador GI ; Tracionamento de documentos mais confiável; Design

Leia mais

Orientações para Digitalização de Processos Físicos

Orientações para Digitalização de Processos Físicos ORIENTAÇÕES PARA DIGITALIZAÇÃO DE PROCESSOS JUDICIAIS O ano de 2015 representa um marco e um grande avanço no que diz respeito à modernização dos acervos processuais do TJBA. Inicia-se o processo de digitalização

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

Assistência total, desde a digitalização até à aplicação! O surpreendentemente versátil ScanSnap ix500! ix500

Assistência total, desde a digitalização até à aplicação! O surpreendentemente versátil ScanSnap ix500! ix500 Assistência total, desde a digitalização até à aplicação! O surpreendentemente versátil ScanSnap ix500! ix500 Funções Digitalize diretamente para um dispositivo móvel via Wi-Fi Digitalize em alta velocidade

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres Representação de Informação -- Texto -- Sistemas Informáticos I, 2004/2005 (c) Paulo Marques SLIDES 5 Representação de Informação Como é que se representa texto? Como é que se representam imagens? Como

Leia mais

Scanners de Microfilme. DV PLUS 2400 DV PLUS 3000 Com software Powerfilm

Scanners de Microfilme. DV PLUS 2400 DV PLUS 3000 Com software Powerfilm Scanners de Microfilme DV PLUS 2400 DV PLUS 3000 Com software Powerfilm A velocidade digital com a potência analógica Proteja os dados importantes com um arquivo de referência Será que, quando você precisar,

Leia mais