Modelos de Gestão, Interoperabilidade e Análise de Informação de Biodiversidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de Gestão, Interoperabilidade e Análise de Informação de Biodiversidade"

Transcrição

1 FUNDAÇÂO MEMORIAL Cátedra Unesco Memorial da América Latina Gerenciamento Integrado de Recursos Hídricos para a América Latina Modelos de Gestão, Interoperabilidade e Análise de Informação de Biodiversidade Pedro Luiz Pizzigatti Corrêa Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais Núcleo de Apoio a Pesquisa em Computação e Biodiversidade Laboratório de Automação Agrícola

2 Agenda 1. Introdução 2. Análise de dados de Biodiversidade 3. Interoperabilidade em Biodiversidade 4. Modelos de Gestão Nacional 5. Referências

3 Agenda 1. Introdução 2. Análise de dados de Biodiversidade 3. Interoperabilidade em Biodiversidade 4. Modelos de Gestão Nacional 5. Referências

4 1 - Introdução Por que da Informática para a Biodiversidade ou Ecológica? Avanços na Tecnologia permitiram a criação de um ambiente cooperativo, envolvendo o compartilhamento do conhecimento; Convenções Internacionais e tratados na área ambiental estão contribuindo para a mudança nos paradigmas de acesso livre e compartilhado de informação sobre biodiversidade; Essas novas demandas estão catalisando o desenvolvimento de uma área recente do conhecimento chamada Informática para a Biodiversidade ou Informática Ecológica; Iniciativas internacionais como: GBIF (Global Biodiversity Information Biodiversity) and IABIN (Inter-American Biodiversity Information Network) Iniciativas nacionais: BIOTA regional e nacional As decisões no uso e conservação da biodiversidade podem ser mais adequadas com um rápido e confiável acesso aos dados disponíveis e com o uso de avançadas ferramentas computacionais para análise e a visualização espacial dos dados, bem como a construção de cenários de impacto ambiental e vulnerabilidade.

5 1 - Introdução O que é Informática para a Biodiversidade?

6 Agenda 1. Introdução 2. Análise de dados de Biodiversidade 3. Interoperabilidade em Biodiversidade 4. Modelos de Gestão Nacional 5. Referências

7 2- Análise de Dados Biodiversidade A partir de dados disponíveis, identifica-se um modelo que represente um ecossistema. Objetivo: - enteder o seu comportamento; - representar o conhecimento; - Realizar simulações baseada em cenários, entender o comportamento de um determinado ecossistema.

8 2- Modelagem de distribuição de espécies O que é Modelagem de Distribuição de Espécies? Um modelo que usa distribuição de espécies observadas e/ou características biológias para prever sua distribuição atual (potencial). Distribuição considerada: Observada localidade onde a espécie foi observada; Atual distribuição atual da espécie; Potencial loccalidades nas quais a espécie pode ser encontrada. Termo é largamente utilizado, porém enganoso, uma vez que é distribuição adequada da espécies no ambiente que está sendo modelado em vez da distribuição das espécie real. Também conhecido como modelagem de: nicho ecológico, nicho ambiental, adequação do ambiente and envelope bioclimático.

9 2- Modelagem de distribuição geográfica de espécies Nicho Ecológico George E. Hutchinson A primeira idéia de nicho (Grinnell, 1917) foi definida simplesmente como o (habitat) local onde os requisitos para uma determinada espécie viver e se reproduzir estão presentes. (Elton, 1927) acrescentou a idéia do lugar que a espécie ocupa no nível trófico do ambiente biológico. (Gaus, 1934) acrescentou a intensidade da competição entre as espécies. Finalmente, o nicho ecológico prazo (Hutchinson, 1957) foi definida como uma área com uma hipervolume n-dimensional onde cada dimensão representa a gama de condições ambientais ou recursos necessários para a sobrevivência e reprodução das espécies, tais como temperatura, umidade, salinidade, ph,, recursos alimentares, locais para a intensidade, nidificação luz, pressão de predação, a densidade populacional, entre outros.

10 2- Modelagem de Distribuição de Espécies Pontos de Occurrencia Camadas Ambientais (ex. temperature, solo, altitude, bioma) Distribuição Potencial Figura de Giannini (2011) Tese

11 2-Modelagem de Distribuição de Espécies Objetivo da modelagem Estimar a probabilidade presença de uma dada espécie numa região geográfica Baseada em dois tipos de dados Dados de ocorrência Pontos georeferenciados Representam a presença ou ausência de espécies Dados ambientais Nicho fundamental da espécie; Exemplo: temperatura, precipitação, altitude etc.

12 2-Modelagem de Distribuição de Espécies O mapa de distribuição potencial pode representar cenários: Distribuição potencial atual: Condições ambientais atuais Distribuição potencial prévia: Condições ambientais no passado Distribuição potencial futura: Condições ambientais que simulam mudanças bioclimáticas.

13 2-Modelagem de Distribuição de Espécies Modelagem de Distribuição de Espécies (aplicações) Utilizada em atividades relacionadas a conservação de espécies Exemplo de aplicação Identificação de áreas com alto risco de perda de biodiversidade Reintrodução de espécies Previsão de invasão potencial de espécies Entender o impacto das mudanças climáticas na distribuição as espécies Ferramentas de modelagem geram um modelo baseado em nicho.

14 2- Processo de Modelagem de Distribuição de espécies (SANTANA et al, 2008)

15 2- Processo de Modelagem de Distribuição de espécies 2 Levantamento de pontos de ocorrências de espécies: Acesso a portais de biodiversidade: coleções de dados disponíveis. Exemplo: GBIF, IABIN and SpeciesLink 3 Levantamento de camadas ambientais: Dados ambientais georeferenciados: (GIS) 4 Análise de viabilidade da modelagem: Avaliação se os dados bióticos e abióticos estão de acordo com os objetivos da análise

16 2- Processo de Modelagem de Distribuição de espécies 5/6/7 Escolha do algoritmo, definições dos parâmetros de acordo com as características do algoritmo 8/9 Pós análise: Validação automáca curva ROC (Receiver Operating Characteristic); AUC (Area Under the ROC curve). Validação do analista

17 2-Métodos e Ferramentas para modelagem Esses métodos de modelagem são também chamados de modelos estatísticos, baseados em regras e métodos de aprendizagem de máquina. Exemplos: omaximum Entropy (MaxEnt) (Phillips et al., 2006) ogenetic Algorithms (GA): an example of such algorithm is GARP: Genetic Algorithm for Rule-Set Production (Stockwell, 1999; Stockwell and Noble, 1992; Stockwell and Peters, 1999) oneural Networks (NN) (Olden and Jackson, 2002; Pearson et al., 2002) omultiple Regressions (MR) (Guisan and Zimmermann, 2000) olinear Models (GLM: Generalized Linear Models) (Austin et al., 1994) oadditive models (GAM: Generalized Additive Models) (Yee and Mitchell, 1991) otrees for classification (ATC: Classification Tree Analysis) (Breiman et al., 1984)

18 2-Métodos e Ferramentas para algorithm modelagem Occurrence Points: geographical points where a species is found. Niche Points: values that the environmental variables assume in each occurrence point, transforming the geographical points into points in the environmental space. Algorithm Niche Model: probability function of occurrence of a given species with domain in the space of the environmental variables. P i = (lat, long) + Precipitation Prob = F(x 1,, x N ) Precipitation Potential Distribution Map: application of the niche model on a given geographic region, resulting in a georeferenced map, that contains the occurrence probabilities of a species. Niche Model + Environmental Variables locality data Model temperature Projection precipitation topography Potential Distribution Map Precipitation

19 2-Métodos e Ferramentas para openmodeller modelagem Projeto Temático financiado pela FAPESP Disponível em: Objetivo Desenvolver um ambiente open source para modelagem de distribuição de espécies Desenvovido por: EPUSP Escola Politécnica da USP INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CRIA Centro de Referência em Informação Ambiental

20 2-Métodos e Ferramentas para modelagem Algorithmos disponíveis no openmodeller: AquaMaps Distances algorithm: Distance to Average, Minimum Distance and Environmental Distance Bioclim; Climate Space Model (Sutton and Giovanni, 2004); GARP Genetic Algorithm for Rule-set Production (Stockwell and Peters, 1999; Stockwell and Noble, 1992); GARP BestSubsets (Anderson et al., 2003) Support Vector Machine SVM (Giovanni and Lorena, 2007); Neural Networks (Rodrigues at al., 2010) Maximum Entropy (in development).

21

22 2- openmodeller: High Performance Architecture OM Desktop Client Web Services OM Web Client Service Provider OM Cluster

23 2- openmodeller: Janela Principal

24 Seleção de Camada If the layer database is SSL protected (https), a password will be necessary

25 Seleção de Camada After accessed, the available layers can be loaded through this window

26 Algoritmos All available algorithms are displayed here It is also possible to copy algorithms in order to make changes in its parameters

27 Acessando ocorrências de espécies Provide ready services for accessing remote data using web services

28 Experimento Follow the experiment progress More information available in the Logs tab

29 Experimento concluído The output map, with the occurrence probability in different colours, depending on the intensity

30 Experiment finished Table with the occurrence points and the information associated

31 Experimento concluído The final Log, with all the experiment progress information

32 Experimento concluído Additional information about the probability variables and metadata

33 Experimento concluído More metadata about the experiment

34 Armazena o modelo gerado Save the output experiment for future usage

35 2- Exemplo de Modelagem Experimento com o Bioma cerrado (Siqueira, 2007). Modelagem do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Objetivo: Identificar quais são as áreas potenciais desse Bioma no Estado. Materiais e métodos Selecionadas 17 espécies da flora que são típicas desse bioma Para cada espécie foram criados 100 modelos Os 10 melhores modelos foram selecionados e foram agregados resultando num único modelo para cada espécie. O Modelo do Bioma Cerrado foi definido agregando os 17 modelos das espécies do cerrado.

36 2- Exemplo de Modelagem a Dados ambientais do modelo: Climatic data: Worldclim version 1.1 Global Cimate Surface (0.83km resolution) Monthly precipitation (12 layers) Monthly maximum temperatures (12 layers) Monthly mean temperatures (12 layers) Monthly minimum temperatures (12 layers) Topographic data: U.S. Geological Survey (1km resolution): Elevation (1 layer) Relief (1 layer) Aspect of the land (1 layer) Humidity retention capacity (1 layer) Soil Map of the São Paulo state - Scale 1: (1 layer)

37 2- Exemplo de Modelagem - a

38 2- Exemplo de Modelagem - a

39 2- Exemplo de Modelagem - a Potential distribution of the Cerrado biome for the São Paulo state, obtained from the sum of the 10 best models (among 100 generated) for 17 species of Cerrado using the GARP algorithm, from the 69 localities sampled in the exclusive scope of Cerrado.

40 2-Distribuição de uma diatomácea de água doce b Historicamente, a composição de espécies de diatomáceas em águas doces pensou-se estar fortemente influenciada por variáveis químicas da água: concentração de fósforo, nitratos, carbono orgânico dissolvido, ph, condutividade específica, entre outras variáveis. Embora a temperatura ser considerada uma variável de menor influência do que algumas outras, a composição de espécies de diatomáceas tem sido associada a variações climáticas de temperatura na superfície da água. Kumar et al. (2009)

41 2-Distribuição de uma diatomácea de água doce b Didymosphenia geminata a) Escaneamento por micrografia eletrônica de varredura de D geminata. Barra de escala é igual a 0,05 mm. b) Light micrograph da porção pf de vida da célula, mostrando talo extracelular. Barra de escala é igual a 0,01 mm. c) Imagem de colônias crescendo ativamente ligadas a pedras em um riacho. Barra de escala é igual a cerca de 10 cm. d) Felt-soled (tecido / cobertura) em águas rasas com 100% cobertura do substrato por D geminata e talos. As células de diatomáceas são capazes de sobreviver em equipamento dos pescadores. Kumar et al. (2009)

42 Distribuição da Didymosphenia geminata localizações de presenças (308) e ausências (2724) Kumar et al. (2009)

43 Modelo de Distribuiçao da Didymosphenia geminata Kumar et al. (2009)

44 Perfis Bioclimáticos O índice de fluxo básico foi um dos melhores preditores da presença de D geminata e foi selecionado em todos os quatro modelos. O teste de jackknife acerca da importância de variáveis no modelo Maxent indicou que a temperatura média durante o trimestre mais quente e o índice de fluxo básico foram dois dos melhores preditores de habitat potencialmente adequado para Didymosphenia geminata com contribuições de 30,3% e 14,5%, respectivamente. Note: SD = standard deviation, BIO = the bioclim variable (www.worldclim.org) Kumar et al. (2009)

45 A presença confirmada, e uma porção de registros publicados de D. geminata de todo o mundo SPAULDING, ELWELL (2007) Annotated by Leslie Matthews, VT DEC

46 Global view of suitable stream habitats Um mapa de distribuição global com base em modelos de nichos ecológicos mostra habitats adequados para disseminação de D. geminata em todos os continentes, exceto na Antártida. SPAULDING, ELWELL (2007)

47 Registros de ocorrência da D. geminata WHITTON, ELLWOOD, KAWECKA (2009)

48 2-Distribuição de uma diatomácea de água doce b Os impactos econômicos: Um mapa de distribuição global com base em modelos de nichos ecológicos, mostra habitats adequados para disseminação de D. geminata em todos os continentes, auxiliando na análise dos seguintes impactos potenciais: : Comerciais da pesca da enguia; Municipais, industriais e agrícolas ingestão de água; Na comunidade, a água potável municipal e uso doméstico; Nos valores locais de recreação; Na mineração de ouro de aluvião, em obstruir a extração e entupimento de filtros; Na saúde humana, desde irritação nos olhos ocasional em nadadores e lesões de escorregar nas pedras. BRANSON (2006)

49 2-Métodos e Ferramentas para modelagem Kepler Kepler ( https://kepler-project.org/ ) software para a análise e modelagem de dados científicos. Usando a interface gráfica do Kepler e seus componentes, os analistas podem criar workflows científicos (streaming de dados de sensores, imagens de satélite, simulação, dados observacionais, etc) e execução de análises complexas sobre os dados. Componentes disponíveis em R; Projeto financiado pelo NSF.

50 2-Métodos e Ferramentas para modelagem Exemplo de tela do Kepler

51 2-Métodos e Ferramentas para modelagem Um workflow científico mostrado na interface do Kepler. Este workflow processa dados de ocorrência para criar um nicho de modelo ecológico.

52 BioMod 2-Métodos e Ferramentas para modelagem O BIOMOD ( ) é uma plataforma computacional para a previsão de um conjunto de distribuição de espécies, permitindo o tratamento de uma gama de incertezas metodológicas em modelos e da análise das relações entre espécie e ambiente. Inclui a capacidade de modelar a distribuição das espécies com várias técnicas, modelos de teste com uma grande variedade de abordagens, distribuição de espécies em diferentes condições ambientais (por exemplo, clima ou alterações em terrenos) e funções de dispersão. Ele permite avaliar espécies migratórias. O software é implementado em R e é código aberto.

53 Agenda 1. Introdução 2. Análise de dados de Biodiversidade 3. Interoperabilidade em Biodiversidade 4. Modelos de Gestão Nacional 5. Referências

54 3 Interoperabilidade em Biodiversidade A troca de informação é, hoje em dia, uma tarefa crítica e com importância crescente; Exemplos: Banco: transferência de fundos; Aplicações B2B (processamento de compras entre empresas) Dados científicos Química: ChemML, Genética: BSML (Bio-Sequence Markup Language), Biodiversidade: Darwincore, ABCD Saúde: HL-7, TISS Cada área de aplicação tem os seus próprios standards para representar a informação XML tornou-se a base para a geração de formatos de troca de dados; Cada padrão baseado em XML define quais os elementos válidos para compartilhar; Oa elementos utilizados para compartilhamento de dados são os Metadados.

55 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Por que Metadados? - Dados sobre Dados; - Documenta quem, o que, onde, quando e como sobre o dado; - - Permite o re-uso e compartilhamento entre os Consumidores e produtores

56 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Por que Metadados? Informações sobre os dados perdem-se com o tempo!!! William K. Michener, Meta-information concepts for ecological data management, Ecological Informatics, Volume 1, Issue 1, January 2006, Pages 3-7, ISSN , DOI: /j.ecoinf (http://www.sciencedirect.com/science/article/B7W63-4HJRS57-3/2/ea2e08412c f540e c0)

57 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Duas perspectivas sobre Metadados Perspectiva do Produtor dos Dados Valoração do dado acessíveis pelos os consumidores Ligação entre o autor dos dados e os consumidores Educa os consumidores sobre as características dos dados Perspectivas dos Consumidores (usuários) Descoberta se o dado existe; Identifica a fonte e quem gerou; Permite fazer julgamento sobre a qualidade de usabilidade antes de obte-lo; Facilita a pesquisa, recuperação, integração e utilização do dado. Craglia:

58 3 Interoperabilidade em Biodiversidade ois Níveis de metadado Descoberta do Metadado Descobre se um recurso existe; obtem a informação: Responsável pelo dado Localização Como obter informações futuras Metadado Completo Fornece uma descrição completa do recurso, tais como: Qualidade do Dado Acesso completo e visualização Por humanos Por máquinas

59 Arquitetura Genérica Usuários precisam descobrir, comparar e acessar os recursos Cliente Web acesso ao catálogo Acesso ao recurso Service Oriented Architecture - Consumidores localizam o registro dos servidores registra index a web services Fornecedores necessitam divulgar seus recursos resources Fornecedores de dados metadata Necessário metadados de qualidade

60 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Padrões de Metadados Dublin Core ISO 19115/19139 FGDC Biological Data Profile Ecological Metadata Language (EML) Natural Collections Descriptions (NCD) MRTG Multimedia Metadata Schema

61 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Dublin Core Padrão para Metadados descritivos para auxiliar a descoberta de recursos em rede (via indexação; e também objetos não-textuais) 2 niveis: simples e qualificado Dublin Core pode ser entendido como uma simples linguagem para fazer afirmações sobre recursos (assunto). A linguagem tem duas classes de termos - elementos (nomes) e qualificadores (adjetivos).

62 Conjunto de Elementos Title Dublin Core Format Creator Subject Description Publisher Contributor Date Identifier Source Language Relation Coverage Rights Type

63 A record catalogued in Dublin Core, (in this case, using the NBII s cataloguing tool)

64 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Ferramentas e Metadados Para criação de Dublin Core HTML metatags and RDF/XML DC-dot <http://www.ukoln.ac.uk/metadata/dcdot/> MetaMaker <http://www.fao.org/aims/tools/metamaker.jsp>

65 Quem usa Dublin Core? National Biological Information Infrastructure (NBII) U.S. Environmental Resources Information Network (ERIN) Australia Ecological Monitoring and Assessment Network (EMAN) Canada European Environment Agency (EEA) European Union Inter-American Biodiversity Information Network (IABIN) North/Central/South American nation partners Food and Agriculture Organization (FAO) United Nations

66 O que pode ser descrito bem em Dublin Core? Documentos Livros Artigos de Jornal Planos de Gerenciamento e Conservação Relatórios de Pesquisa e Resumos Casos de Estudos Padrões espécies Banco de Dados CheckList de Espécies Material de treinamento Planilhas Resumos de Projetos Imagens Arquivos de Som Objeto do mundo físico.

67 3 Interoperabilidade em Biodiversidade ISO / Padrão para metadados que descreve a informação geográfica e serviços, por exemplo: qualidade, extensão temporal, espacial e distribuição. ISO define um modelo de dados, por exemplo: - Elementos de metadados obrigatório e condicional - o conjunto mínimo de metadados para uma grande quantidade de aplicações de metadados tais como descoberta, verificar adequação ao uso, acesso, transferência e utilização de dados - Elementos de metadados opcionais - Um mecanismo com extensões que serve as ncessecidades específicas ISO define a codificação XML do modelo ISO na forma de um conjunto de esquemas ISO 19115: ISO 19139:

68 3 Interoperabilidade em Biodiversidade FGDC Biological Data Profile (BDP) Perfil específico dos dados geográficos do Federal Geographic Data Committee Content Standard for Digital Geospatial Metadata (FGDC CSDGM) The FGDC BDP é um padrão de metadados adotado pelo EUA (antigo NBII) Projetado para uso com dados geoespaciais e não geoespaciais, e descrição também de outros recursos de informação, tais como pesquisa de campo, relatórios de pesquisa, coletas de amostras Em processo de padronização - ISO

69 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Ecological Metadata Language (EML) Padrão aberto, padronizada pela comuniade de usuários; Modular e extensível; pode descrever grande variedade de métodos e formatos fora do padrão de dados como os encontrados em pesquisas ecológicas visa compatibilizar com outros padrões de metadados, incluindo Dublin Core, CSDGM FGDC, FGDC Biological Profile, ISO 19115, ISO 8601 Date and Time Standard, OGC Geography Markup Language; Associado com o sistema Morpho/Metacat para digitalização, gerenciamento e publicação de metadados.

70 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Natural Collections Descriptions Natural Collections Descriptions (NCD) é uma proposta de padrão para descrever materiais de museus de história natural no nível de coleção; um registro NCD decreve uma coleção inteira. Coleções Um agrupamento de coisas com algo em comum; Pode estar disperso em departamentos, instituições, países Aplicação Registros NCD visam o gerenciamento, descoberta e acesso a coleções.

71 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Metadados para Multimedia Definido em parceria pelo GBIF-TDWG Task Group on Multimedia Resources: Objetivo: permitir aproveitar a abundância de imagens, áudio e vídeo que "representam uma importante fonte para a documentação das ocorrências de espécies, dados descritivos, identificação taxonômica, ilustração de páginas de espécies, e muitas outras demandas dos produtores e consumidores de dados de biodiversidade." Voltado para núcleo comum que contem de metadados técnicos, descrição de conteúdo, de atribuição e licenciamento.

72 3 Interoperabilidade em Biodiversidade Quais são os desafios? - Obter bons metadados... - Metadados como parte da publicação dos dados - Treinamento e capacitação - Utilizar e se necessário desenvolver ferramentas - Automatizar o processo.

73 Agenda 1. Introdução 2. Análise de dados de Biodiversidade 3. Interoperabilidade em Biodiversidade 4. Modelos de Gestão Nacional 5. Referências

74 4-Modelos de Gestão Nacional Experiências Nacionais em Gestão de Sistemas de Informação em Biodiversidade ajudam a: Estabalecer um modelo para gestão de dados de biodiversidade nacional. Fornecer exemplos de governança para de Sistemas de Informação de Biodiversidade para o Brasil; Estabelecer princípios para as Políticas de Dados em biodiversidade.

75 4 NBII Conceito National Biological Information Infrastructure Iniciativa dos EUA Criada no início da década 1993 Objetivo geral: desenvolver mecanismos para tornar disponível informação biológica gerada por setores públicos e privados para ser utilizada por formuladores de políticas públicas, pesquisadores e público em geral. CAMPBELL J. NBII Enterprise Architecture = Business Architecture, 2003, v1.0 (Techinical Report)

76 Objetivos específicos: 4 NBII Conceito Framework para gestão de informação sobre biologia e ecologia dos EUA; Desenvolvimento, seleção e distribuição de ferramentas e padrões de interoperabilidade; Capacitar os participantes do NBII para desenvolverem produtos e serviços relacionados ao NBII.

77 Métodos de Acesso Fluxo de Informações 4 NBII Representação Conceitual do NBII Formuladores de Políticas Agências Federais Consumidores de Informação Biológica Cientistas e Pesquisadores Gestores ambientais Educadores Infraestrutura de Informação Biológica Nacional (National Biological Information Infraestructure) Framework Empresarial Agências Locais e Estaduais Universidades Museus Fornecedores de Informação Biológica Público em Geral Organizações Privadas Iniciativas Complementares

78 4 NBII Conceito: consumidores e serviços ao cidadão Serviços ao Cidadão Consumidores de Informação Biológica Linhas de Negócios Subfunções Formuladores de Políticas Cientistas e Pesquisadores Gestores de Recursos Educadores Público Geral Iniciativas Complementare s Os clientes NBII procuram informações biológicas que não só são provenientes dos Serviços ao Cidadão como também dão suporte à prestação de Serviços ao Cidadão. Ciência em geral e Inovação Gestão Ambiental Saúde Recursos Naturais Gestão de Desastres Educação Segurança Interna Pesquisa Científica e Técnica e Inovação Monitoramento e Previsão Ambiental Recuperação Ambiental Prevenção e Controle da Poluição Prevenção de Doenças Monitoramento da Saúde Pública Gestão de Recursos Hídricos Conservação; gestão de áreas terrestres e marítimas Recursos Recreacionais e Gestão de Turismo Inovação da Agricultura e Serviços Monitoramento e Predição de Desastres Preparação para Desastres e Planejamento Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante Ensino Superior Preservação Cultural e Histórica Exposição Cultural e Histórica Segurança das Fronteiras e Transportes Defesa contra catástrofes Acordos Internacionais e Comércio Desenvolvimento Internacional e Ajuda Humanitária

79 4 NBII Conceito: fornecedores de Informação Canais de Recursos Biológicos Fornecedores de Informação Biológica Participantes Funções Agências Federais Nós de Informação do NBII Gestão de Conhecimento Ferramentas e Tecnologia Administração dos Nós Divulgação e Educação Agências locais e estaduais Universidades Museus Organizações Privadas Fornecedores do NBII contribuem com fontes biológicas através da participação em um dos quatro canais Nós Clearinghouse do NBII Iniciativas Complementares Metadados biológicos Dados brutos biológicos Registro de dados em Clearinghouse Compartilhamento de Recursos e Integração de Dados Experiência e Lições Aprendidas Iniciativas Internacionais Programa NBII Gerenciamento e Liderança do Programa Gestão de Informação Garantia de Qualidade e Treinamento Conteúdo Biológico Apoio Tecnológico

80 4 NBII NBII encerrou oficialmente suas atividades em 15 de janeiro de Muitos dos sistemas (259) foram mantidos pelo USGS Biological Informatics. - Outros mantidos por organizações. - Atualmente o EUA não mantem mais um acesso único dados de biodiversiddade. - Projetos como DataOne (USGS) deram continuidade a algumas iniciativas. - Iniciativa proposta: EcoINFORMA

81 4 - CONABIO Comisión Nacional para el Conocimiento y Uso de la Biodiversidad (www.conabio.gob.mx) CONABIO missão "é promover, coordenar, apoiar e implementar atividades voltadas para o conhecimento da biodiversidade e sua conservação e uso sustentável em benefício da sociedade.

82 4 - CONABIO Espécies: Sistema Nacional de Informação em Biodiversidade (SNIB): backbone que organiza, analisa e distribui informações sobre espécies da Flora e Fauna Mexicana. Coleções Científicas repatriadas e nacionais.

83 4 - CONABIO Ecossistemas: Monitoramento dos Ecossistemas para entender sua dinâmica, tendências e causas de mudanças. Informação é gerada através da colaboração de especialistas para priorizar áreas baseadas em critérios Biológicos, ecológicos e sociais para propor estratégias de conservação, gerenciamento e restauração.

84 4 - CONABIO Genes: Sistemas de Informação de Organismos Vivos Modificados - Análise da diversificação de espécies domésticas. Sistema que utiliza método de análise de risco na introdução de organismos vivos modificados.

85 4 - CONABIO

86 4- Instituto Humboldt ONG Criada em Ligada ao Ministério de Meio Ambiente da Colômbia. Responsável pela pesquisa científica sobre biodiversidade, incluindo recursos aquáticos e genéticos. Coordena o Sistema Nacional de Informação sobre Biodiversidade e da formação do inventário nacional da biodiversidade.

87 4-Instituto Humboldt Sistema Nacional de Información sobre Biodiversidad (SiB) programa de pesquisa institucional para permitir a tomada de decisão, pesquisa e educação em biodiversidade, através produtos e serviços de informação na Internet, suportada por uma comunidade que integra atores e usuários de diferentes origens (academia, autoridades ambientais, instituições de pesquisa, empresa privada, governo, entre otros). O programa deve garantir que os dados gerados estejam de acordo com um padrões estabelecidos.

88 4- Instituto Humboldt Sistema Nacional de Información sobre Biodiversidad (SiB) Sistema de visualização georeferenciado; Sistema para visualização de indicadores de Biodiversidade; Sistema Nacional de Coleções Biológicas

89 4-Instituto Humboldt

90 4 - Brasil Iniciativas em andamento: Ministério do Meio Ambiente (MMA): Grupo de Trabalho em Integração de Sistemas e Banco de Dados - definição de padrões de metadados para aquisição de dados pelas Instiuições Federais e desenvolvimento de um portal para integração e publicação de informações do MMA; Instituto Virtual de Biodiverdade: iniciativa do MMA para estabelecer um modelo de gestão de Biodiversidade brasileiro (coordenado pelo MMA); Sistema de Informação em Biodiversidade Brasileiro (MMA);

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico Recuperação de Informação em Infraestruturas de Dados Espaciais usando Mecanismos de Representação do Conhecimento Autores

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Seminário de Informação em Biodiversidade no âmbito do MMA e instituições vinculadas Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Eduardo Dalcin Instituto de

Leia mais

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Prof. Dr. Anselmo C. Paiva Prof.Dr. Aristófanes C. Silva Núcleo de Computação Aplicada NCA UFMA Contexto Projeto: Desenvolvimento

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Metadados. Data 01/08/06

Metadados. Data 01/08/06 Metadados Data 01/08/06 Assuntos Clearinghouse Portal geodata.gov Metadados geoespaciais Padrões de documentação Padrão FGDC e perfis de metadados Implementação / Tarefas Clearinghouse Criada pela Executive

Leia mais

Modelagem espacial de florestas estacionais do Domínio do Cerrado no Estado de Minas Gerais utilizando envelope climático

Modelagem espacial de florestas estacionais do Domínio do Cerrado no Estado de Minas Gerais utilizando envelope climático Modelagem espacial de florestas estacionais do Domínio do Cerrado no Estado de Minas Gerais utilizando envelope climático Gleyce Campos Dutra 1, Luis Marcelo Tavares de Carvalho 1, Ary Teixeira de Oliveira

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Fabiana S. Santana, Renata L. Stange, Igor Y. Gushiken, Jefferson C. Ferreira, Sergio R. Almeida, Pedro L.P. Corrêa, Antonio M.

Fabiana S. Santana, Renata L. Stange, Igor Y. Gushiken, Jefferson C. Ferreira, Sergio R. Almeida, Pedro L.P. Corrêa, Antonio M. INPE Outubro, 2008 Fabiana S. Santana, Renata L. Stange, Igor Y. Gushiken, Jefferson C. Ferreira, Sergio R. Almeida, Pedro L.P. Corrêa, Antonio M. Saraiva fabiana.santana@usp.br, amsaraiv@usp.br Apoio:

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

X Apenas Poster Comunicação Oral ou Poster (Assinalar com X a opção de submissão desejada)

X Apenas Poster Comunicação Oral ou Poster (Assinalar com X a opção de submissão desejada) Apenas Comunicação Oral X Apenas Poster Comunicação Oral ou Poster (Assinalar com X a opção de submissão desejada) SUSCEPTIBILIDADE À INVASÃO POR ACACIA DEALBATA MILL. NA BACIA DO RIO MONDEGO: PROPOSTA

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya

PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA. Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya PERDA DA BIODIVERSIDADE DEVIDA AO IMPACTO CLIMÁTICO DO USO DO SOLO NA ACV: DADOS REGIONAIS DE TRANSFERÊNCIA DE CARBONO PARA A ATMOSFERA Marcela Valles Lange & Cassia Maria Lie Ugaya Introdução Categoria

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

I Jornada de Prospectiva e Gestão do Conhecimento Biodiversidade: a experiência do CRIA com as atividades de gestão da informação

I Jornada de Prospectiva e Gestão do Conhecimento Biodiversidade: a experiência do CRIA com as atividades de gestão da informação I Jornada de Prospectiva e Gestão do Conhecimento Biodiversidade: a experiência do CRIA com as atividades de gestão da informação Dora Ann Lange Canhos dora@cria.org.br O desafio social... Renato Dagnino

Leia mais

O ambiente GeoNetwork

O ambiente GeoNetwork O ambiente GeoNetwork Catálogo Web para a documentação, edição e disseminação de metadados geográficos. Características principais: livre e de código aberto; mecanismos de busca avançados; edição de metadados

Leia mais

Márcio de Carvalho Saraiva marcio@dsc.ufcg.edu.br

Márcio de Carvalho Saraiva marcio@dsc.ufcg.edu.br DSC/CEEI/UFCG Márcio de Carvalho Saraiva marcio@dsc.ufcg.edu.br 1 o geoprocessamento? o SIG? o o aplicação simples o aplicação complexa o o 2 SIG? o "Geoprocessamento é o conjunto de tecnologias que utilizam

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Quebrando paradigmas: a disponibilização de dados de biodiversidade - o exemplo do PPBio Amazônia Ocidental

Quebrando paradigmas: a disponibilização de dados de biodiversidade - o exemplo do PPBio Amazônia Ocidental Quebrando paradigmas: a disponibilização de dados de biodiversidade - o exemplo do PPBio Amazônia Ocidental Flávia Fonseca Pezzini, Ricardo Braga-Neto, Debora Drucker, William Magnusson flaviapezzini@gmail.com

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Wasmália Bivar Diretoria de Estatísticas Luiz Paulo Souto Fortes Diretoria de Geociências Seminário

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Estrutura da apresentação 1. Breve histórico 2. Conceitos básicos 3. Finalidade do Portal 4. Informações

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS André Zular 1 ; André O. Sawakuchi 1 ; Paulo C.F.Giannini 1 ; Carlos C.F. Guedes

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE PULVERIZAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. PERNOMIAN, Viviane Araujo. DUARTE, Fernando Vieira

SISTEMA AUTOMÁTICO DE PULVERIZAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. PERNOMIAN, Viviane Araujo. DUARTE, Fernando Vieira REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica MetrixND especificações MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica Visão geral O MetrixND da Itron é uma ferramenta de modelagem flexível, bastante usada pelos principais serviços de previsão

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008 Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento Lúbia Vinhas 13/05/2008 Desejo saber estatísticas sobre áreas queimadas. Desejo fazer análises por localização, por classes de uso ou ainda por seleção

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Projeto DataGEO Implantação de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de São

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável.

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. Definição da especificidade de nicho: Duas espécies quando ocupam o mesmo biótopo devem

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 11.1 11 OBJETIVOS OBJETIVOS APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a

Leia mais

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves Soluções para SMART CITIES Nuno Alves Agenda Contexto Organizacional Conceito e Objetivos Intergraph Smart Cities 12/7/2014 2014 Intergraph Corporation 2 Intergraph Corporation Intergraph Intergraph helps

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL

APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE DECISÃO PARA A EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Como os sistemas de informação podem ajudar cada gerente a tomar as melhores decisões em caso de problemas não-rotineiros e

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Danny Vélez. Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade

Danny Vélez. Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade Danny Vélez Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade Tapir GBIF Portal ISO 19115 Ecosistema de ferramentas e padrões Plinian Core ABCD Audubon Core Padrões Darwin Core IPT Metadados

Leia mais

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS do no OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM do no < ESCOPO objetivos origem > :: O modelo de referência Open Archival rmation System é um esquema conceitual que disciplina e

Leia mais

O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies. Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr.

O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies. Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr. O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA 2 Estudos relacionados à distribuição geográfica das espécies

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica

O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica O modelo de financiamento coletivo crowdfunding e as suas possibilidades de sustentabilidade para a pesquisa científica Samantha Sasha de Andrade Universidade Estadual Paulista UNESP e-mail: ssashadrade@gmail.com

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Tecnologias de GED Simone de Abreu

Tecnologias de GED Simone de Abreu Tecnologias de GED Simone de Abreu A rapidez na localização da informação contida no documento é hoje a prioridade das empresas e organizações, já que 95% das informações relevantes para o processo de

Leia mais

MIG - Metadados para Informação Geográfica

MIG - Metadados para Informação Geográfica MIG - Metadados para Informação Geográfica Introdução à Norma ISO 19115 Henrique Silva, Instituto Geográfico Português, hsilva@igeo.pt Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 Metadados para Informação Geográfica

Leia mais

Programa CBERS. Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais

Programa CBERS. Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais Programa CBERS Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais Observação da Terra e benefícios sociais NASA Conhecimento em Observação da Terra John McDonald (MDA) A questão fundamental Como garantir capacitação

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais Open Archives um marco na história das Bibliotecas Digitais Motivação Pontiac G6 Preço igual (EUA) USD $17,000 Motivação Dificuldades encontradas pelos pesquisadores no ciclo da comunicação científica

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Cloud Computing O modelo no cenário Geoespacial Technology Session Latin America Geospatial Forum 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Iara Musse Felix Diretora, Santiago e Cintra Consultoria, Brazil Alguns

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR Mario Rodrigues Pinto de Sousa Filho FUNCEME Fortaleza mario.rodrigues@funceme.br

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Eduilson L. N. C. Carneiro, Gilberto Câmara, Laércio M. Namikawa Divisão de Processamento de Imagens (DPI) Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Serviços Editoriais da Emerald

Serviços Editoriais da Emerald Serviços Editoriais da Emerald Produção, Hospedagem & Disseminação Emerald Group Publishing 29/10/2014 www.emeraldgrouppublishing.com Sobre a Emerald Group Publishing Editora independente Mais de 320 colaboradores

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Avaliação de Algoritmos de Modelos de Distribuição de Espécies para Predição de Risco. Líliam César de Castro Medeiros

Avaliação de Algoritmos de Modelos de Distribuição de Espécies para Predição de Risco. Líliam César de Castro Medeiros Avaliação de Algoritmos de Modelos de Distribuição de Espécies para Predição de Risco de Eclosão de Mosquitos Aedes spp. Líliam César de Castro Medeiros CCST Objetivo: Avaliar o desempenho de algoritmos

Leia mais

O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas

O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas O Mercado Geoespacial e a Atuação da Santiago & Cintra Consultoria: Entendimento das Necessidades, Aplicações e Soluções Integradas Iara Musse Felix Diretora de Desenvolvimento de Negócios da Salvador

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais