REGIMENTO INTERNO DA UNIMED CUIABÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DA UNIMED CUIABÁ"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DA UNIMED CUIABÁ APROVADO NA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PERMANENTE INICIADA EM , CONTINUADA EM E CONCLUÍDA EM INTRODUÇÃO Este Regimento Interno da Unimed Cuiabá, complementar a seu Estatuto, é um instrumento que servirá para regular, disciplinar e harmonizar as relações, ações e interesses entre ela e seus cooperados. Dentro dos limites do Estatuto Social e das leis pertinentes ao cooperativismo, regulará e disciplinará também as relações de colaboração recíproca a que se obrigam os cooperados da Unimed Cuiabá, conforme o artigo 2º do Estatuto Social, e que alicerçam a existência da Cooperativa. Este Regimento tem caráter abrangente não sendo admitido que setores, órgãos sociais e serviços da Cooperativa adotem regimentos paralelos devendo aqueles, quando necessário, elaborar roteiros de trabalho e/ou normas orientadoras, sempre em consonância com o Estatuto Social e com este Regimento Interno. CAPÍTULO I Da denominação, sede, foro, área de cooperação, prazo de duração e exercício social Art. 1º A Unimed Cuiabá atuará exclusivamente na área definida no artigo 1º defendendo seus direitos geográficos de contratação e respeitando os limites das demais singulares de Mato Grosso. Parágrafo único. A redução ou a expansão da área de atuação deverão ser aprovados pela Assembléia Geral mediante modificação do inciso III, do artigo 1º do Estatuto Social ante prévia fundamentação do Conselho de Administração ou de quem o solicitar. CAPÍTULO II Do objetivo social Art. 2º As ações da Cooperativa estarão sempre voltadas para a promoção da defesa econômica e social de seus cooperados (artigo 2º, do Estatuto Social), para o cumprimento de seus objetivos específicos ( 1º, incisos I a III, do artigo 2º, do Estatuto Social) e para alcance dos atos integrantes do seu objeto ( 3º, incisos I a VII, do artigo 2º, do Estatuto Social). Parágrafo único. A restrição imposta pelo 4º, do artigo 2º, do Estatuto Social, no que concerne a criar serviços próprios, visa proteger o cooperado contra ações da Cooperativa quando esta pretender desviar-se de seu papel de intermediadora do mercado de trabalho médico passando a executar, com recursos próprios contratados, os serviços que caberiam ao cooperado. 1

2 CAPÍTULO III Dos cooperados Art. 3º O médico cooperado é o elo fundamental na consolidação das relações cooperativistas e deve participar ativamente na construção da Cooperativa dentro dos princípios de colaboração recíproca com os demais sócios, conforme estabelece o artigo 2º, do Estatuto Social. Art. 4º O Cooperado deve comunicar, por escrito e sob protocolo, quaisquer falhas ou atos, de natureza médica ou não, que contrariem a ética profissional, a moral, as leis vigentes, ou que possam prejudicar o nome, o conceito e o funcionamento da UNIMED ou perturbar a sua estrutura administrativa e financeira. Art. 5º O cooperado deve cumprir e respeitar o Estatuto Social e este Regimento Interno não se admitindo alegações de desconhecimento de seus textos. Art. 6º Em razão do caráter nacional do sistema Unimed, os cooperados deverão atender, obrigatoriamente, sem qualquer tipo de discriminação, os clientes de outras singulares, que se encontrem na área de atuação, respeitando o Manual de Intercâmbio, desde que devidamente identificados, salvo orientação em contrário da Unimed Cuiabá. Art. 7º A prestação de serviços médicos aos clientes da Unimed Cuiabá deverá ser feita por cooperado pertencente a seu quadro social, em pleno gozo de seus direitos, na condição de pessoa física e dentro da(s) especialidade(s) em que se cooperou e que deve(m) estar devidamente registrada(s) no CRM-MT. Parágrafo único. Em caráter de exceção, ela poderá ser feita por cooperado de outras cooperativas do sistema Unimed, em cujas áreas de ação os clientes eventualmente se encontrem ou por médicos credenciados nos locais onde não se dispuser de cooperado. Art. 8º O atendimento médico ao cliente da Unimed Cuiabá, prestado por médico não cooperado, mas cuja conta de honorários profissionais for assinada por médico cooperado, inclusive por meio eletrônico, é considerado infração e será objeto de aplicação de penalidade, após processo administrativo disciplinar. Art. 9º O cooperado deverá manter atualizado junto ao CRM-MT, o registro da(s) especialidade(s) em que se cooperou. 1º Em caso de formação em novas especialidades deverá, antes de oferecêlas aos clientes Unimed, registrar a qualificação no CRM-MT e obter o consentimento da Cooperativa antes de iniciar os atendimentos. 2

3 2º A Unimed divulgará especialidade de seus cooperados somente se houver comprovação de seu registro no CRM-MT. 3º Cooperados admitidos no passado, sem o competente registro da especialidade em que atuam, terão seus nomes e endereços incluídos no GUIA MÉDICO DA UNIMED CUIABÁ, juntamente com os demais cooperados, em ordem alfabética, em seção especial desse manual que relacionará todos os cooperados sem menção de suas especialidades. Art. 10º Qualquer modificação de local, dia e hora de atendimento deverá ser comunicada à Unimed, para inclusão dos novos dados nos registros de informações aos clientes. Art. 11 Em caso de interrupção de suas atividades médicas por prazo de até 180 (cento e oitenta) dias, o cooperado deverá informar por escrito ao Conselho de Administração para que este possa justificar-se perante os clientes Unimed bem como para desativar os meios de comunicação de consultas e de procedimentos a seu alcance. 1º O não retorno às atividades como cooperado após 180 (cento e oitenta dias) determinará a imediata suspensão de benefícios e início da contagem de tempo para aplicação da penalidade prevista no inciso III, do artigo 16, do Estatuto Social. 2º Afastamento superior a 180 (cento e oitenta) dias somente será tolerado nas condições previstas no artigo 13, do Estatuto Social e seus incisos. 3º O afastamento superior a 180 dias, não devidamente comunicado, ensejará a aplicação da penalidade prevista no inciso III, do artigo 16, do Estatuto Social. 4º Quando o afastamento não for comunicado mas os sistemas de controle detectarem queda acentuada da produção em duas folhas consecutivas, o Conselho de Administração deverá proceder à devida apuração para as medidas cabíveis. Art. 12. Eventuais divergências entre o Cooperado e a Cooperativa deverão ser dirimidas perante os órgãos sociais da Cooperativa, não sendo ético ao Cooperado manifestar sua insatisfação aos clientes, conforme inciso VIII, do artigo 10, do Estatuto Social. Seção I Da admissão Art. 13. Para admitir novos cooperados, além das condições previstas no artigo 3º do Estatuto Social deverá ser observado também as condições previstas nos incisos I e II do artigo 5º, do Estatuto Social, e demais condições nele previstas (parágrafo 3º e 4º do artigo 3º) e neste Regimento. 3

4 Art. 14. Cabe à Comissão Técnica receber e analisar os pedidos de admissão de novos cooperados e emitir parecer sobre a necessidade da admissão, anexando: I Laudo técnico da vistoria das instalações; II Provas de regularização do profissional e de suas instalações junto aos órgãos públicos; III Documentação fotográfica do local e dos equipamentos para o Banco de Dados da Unimed Cuiabá. Art. 15. Os candidatos a cooperados serão inicialmente atendidos no Setor de Atendimento ao Cooperado que os orientará quanto à documentação que deve instruir o processo a ser apreciado pela Comissão Técnica. Art. 16 São requisitos indispensáveis à admissão: I Estar regularmente inscrito no CRM-MT; II Ter a especialidade a que se candidatar devidamente registrada no CRM- MT; III Dispor de local de atendimento, que será inspecionado pela Comissão Técnica, com o Alvará Municipal de localização; IV Comprovar a existência dos instrumentos e utensílios necessários ao exercício da especialidade; V Dispor da tecnologia de informática exigida pela Unimed Cuiabá. Art. 17 A admissão de novos cooperados levará em conta a conveniência para a Cooperativa e a necessidade de cada área da Medicina, a ser definida e divulgada anualmente, pelo Conselho de Administração, com base em estudo técnico coordenado pela Comissão Técnica, consultada a Câmara de Especialidade. Art. 18 A admissão de Cooperados dar-se-á uma única vez por ano civil, durante o segundo trimestre. 1º A admissão de cooperados dar-se-á mediante seleção na hipótese de o número de candidatos ser superior à necessidade técnica da Cooperativa. 2º O Conselho de Administração definirá previamente os critérios e normas e indicará a forma de seleção, devidamente aprovada em assembléia geral. 3º O Conselho de Administração deverá submeter os candidatos a ingresso a um estágio probatório de 2 (dois) anos, devendo o médico interessado comprovar domicílio em município da região de atuação da Unimed Cuiabá. Art. 19 Cumpridas todas as condições de admissão e selecionados os novos cooperados, deverão estes, antes da assinatura do termo de cooperação, freqüentar uma jornada prática e teórica de conhecimento da Cooperativa e do cooperativismo a ser ministrada por autoridades especializadas, por membros do Conselho de Administração e por profissionais executivos da Unimed Cuiabá. 4

5 Seção II Dos direitos Art. 20 Os direitos previstos no artigo 8º, do Estatuto Social, são intransferíveis exceto o direito de herança previsto no parágrafo único do mesmo artigo. Seção III Dos benefícios Art. 21 Farão jus aos benefícios existentes, criados pela Unimed Cuiabá em conformidade com o artigo 9º, do Estatuto Social, e seus parágrafos, apenas os cooperados que estiverem efetivamente em atividade, conforme demonstrado pelas respectivas produções mensais. Art. 22 Ao Cooperado que se desligar da Cooperativa por meio de uma das condições previstas no artigo 19, incisos I e II, do Estatuto Social, será garantido o direito de permanência no plano de assistência médica, para si e seus dependentes diretos, nas mesmas condições dos cooperados ativos. 1º Os demais benefícios estatutários não se aplicam ao cooperado inativo. 2º Os cooperados regularmente licenciados farão jus aos benefícios estatutários desde que mantenham em dia o aporte pecuniário correspondente; Seção IV Das obrigações relativas ao atendimento Art. 23 O cooperado deverá observar com rigor o estabelecido nos incisos X e XI do artigo 10º, do Estatuto Social. Art. 24 O médico cooperado obriga-se a informatizar seus locais de trabalho a fim de que sua atividade se processe de acordo com as exigências da ANS Agência Nacional de Saúde, de outros órgãos oficias e da Unimed Cuiabá. Parágrafo Único. A Unimed, na medida de suas possibilidades, proporcionará ao Cooperado cursos de atualização em informática bem como facilitará a renovação tecnológica mediante adiantamento de produção. Art. 25 Ao atender um cliente do Sistema Unimed, o cooperado responsabilizase por sua adequada identificação utilizando os meios e a tecnologia colocados a sua disposição, pela Cooperativa. Art. 26 O cooperado obriga-se a utilizar os formulários padronizados pela Unimed bem como aqueles exigidos pela agência reguladora ANS providenciando o correto preenchimento dos campos a seu cargo, não sendo permitida a omissão dos dados exigidos sob pena de bloqueio do pagamento dos honorários médicos, até a devida regularização. 5

6 Parágrafo Único. A transmissão dos dados deverá ser feita segundo os padrões exigidos pela ANS. Art. 27 É vedado ao cooperado, durante o funcionamento do seu consultório, estabelecer qualquer ato discriminatório aos clientes Unimed. Art. 28 Ao solicitar exames subsidiários o cooperado deverá respeitar a livreescolha do cliente. Art. 29 Os relatórios e resultados dos exames complementares, após analisados pelo cooperado solicitante, deverão ser devolvidos ao cliente. Parágrafo Único. O cooperado obriga-se a disponibilizar para acesso eletrônico e para uso da Auditoria em Saúde da Unimed Cuiabá, laudo de exames complementares que realizar, ainda que cobrados através de pessoa jurídica de que participe. Art. 30 A solicitação de internação ou de serviços hospitalares será sempre feita pelo cooperado assistente, recaindo em estabelecimento credenciado da Unimed Cuiabá, ou do sistema Unimed, se permitido pelo contrato do cliente. Art. 31 Os exames pré-operatórios serão executados antes da internação, salvo nos casos agudos e naqueles que, por sua natureza e risco, exijam prévia internação. Art. 32 A solicitação de internação ou de serviços hospitalares deverá ser feita em guias apropriadas, com a justificativa clínica clara e legivelmente expressa, para análise da Auditoria em Saúde, quando necessário. Art. 33 A solicitação de parecer de cooperados especialistas para pacientes internados ou em passagem pelos serviços de pronto atendimento, deverá ser feita por escrito, com a devida justificativa clínica. Parágrafo Único. O parecer de especialista é ato isolado com a finalidade de subsidiar a conduta do médico assistente, não sendo permitida a duplicidade de acompanhamento do paciente, exceto com autorização prévia da Auditoria em Saúde da Unimed Cuiabá. Art. 34 A utilização de materiais em procedimento médico, fora do padrão dos materiais especificados pela Unimed Cuiabá, deverá ser objeto de prévio pedido devidamente justificado e de prévia autorização, sob pena de recusa de seu pagamento. Art. 35 A indicação de procedimentos que envolvam novas tecnologias, materiais, medicamentos e técnicas deverão receber prévia validação por parte da Comissão Técnica, antes de sua utilização, devendo o solicitante preencher o formulário adequado fornecido pela Cooperativa. Parágrafo Único. Só serão aceitas solicitações que possam ser amparadas por conceitos de Medicina Baseada em Evidência. 6

7 Art. 36 O médico cooperado deve zelar para que a internação hospitalar do cliente represente apenas o tempo necessário para o tratamento. A dilação injustificada da internação caracteriza infração regimental. Parágrafo único. Se necessária a permanência da internação por tempo superior ao habitualmente previsto para a patologia diagnosticada, o médico cooperado deve justificar por escrito perante a Auditoria em Saúde da Unimed. Art. 37 O cooperado deve respeitar e cumprir os regulamentos internos dos hospitais desde que estes estejam adequados às exigências éticas do exercício da medicina e aos compromissos contratuais assumidos com a Unimed. Seção V Das obrigações relativas ao recebimento de honorários Art. 38 As contas de honorários médicos deverão ser claramente preenchidas, seguindo a orientação da Cooperativa. Parágrafo Único. Os relatórios de cirurgias conterão, obrigatoriamente, os nomes dos componentes da equipe cirúrgica com suas respectivas assinaturas e carimbo de identificação, sob pena de bloqueio de pagamento dos honorários médicos até a regularização. Art. 39 É vedado ao cooperado enviar contas de honorários por atender ao cliente que lhe traz o relatório dos exames solicitados na consulta anterior, ou para renovação de receita, desde que dentro do prazo de acompanhamento não remunerado, estipulado pela Unimed Cuiabá, bem como não deve estimular os retornos desnecessários para consulta. Art. 40 Serão consideradas prescritas as contas de honorários profissionais, tanto locais quanto de intercâmbio, que não forem apresentadas ao setor competente da Cooperativa até 60 (sessenta) dias, após o término do atendimento ao beneficiário. Seção VI Da licença Art. 41 O direito de licenciar-se fica restrito às condições previstas no artigo 13, do Estatuto Social, devendo o Conselho de Administração zelar para que não ocorram afastamentos não regulamentados. Seção VII Da demissão Art. 42 A demissão é ato voluntário do cooperado acarretando a perda de direito de reingresso antes de decorridos 5 (cinco) anos a contar da data de afastamento, além da obrigatoriedade de quitação a vista das cotas-partes na ocorrência da hipótese de reingresso. (artigo 14, do Estatuto Social e seu parágrafo) 7

8 1º As demais situações que determinam a perda da condição de cooperado são denominadas eliminação e exclusão. 2º A admissão de um ex-cooperado deverá obedecer todas as condições previstas na Seção I. Seção VIII Da eliminação e da exclusão Art. 43 Eliminação é ato punitivo, decorrente da prática de infração por cooperado, aplicada pelo Conselho de Administração, com a finalidade de reparar danos materiais e/ou morais à Cooperativa e aos sócios. 1º As condições que determinam a penalidade de eliminação estão previstas nos incisos I a VI do artigo 16, do Estatuto Social e neste Regimento. 2º Antes de aplicar a penalidade de eliminação o Conselho de Administração observará, obrigatoriamente, as etapas previstas nos parágrafos 1º e 2º do artigo 16, do Estatuto Social, sob pena de nulidade do ato. Art. 44 Exclusão é ato administrativo aplicado pelo Conselho de Administração não decorrente de infração, mas determinado pelo enquadramento do cooperado em situações previstas em lei e no Estatuto Social. Parágrafo único. A penalidade de exclusão será aplicada quando ocorrer uma das condições previstas no artigo 17, do Estatuto Social. Seção IX Do cooperado inativo Art. 45 Considera-se cooperado inativo aquele que deixar de exercer atividades como cooperado em decorrência de incapacidade física ou mental bem como o cooperado com tempo de cooperação igual ou superior a 25 (vinte e cinco) anos e com pelo menos 60 (sessenta) anos de idade, que se desligar voluntariamente da atividade médica. 1º Poderá ser eliminado da condição de cooperado inativo aquele que, uma vez promovido a essa condição, permanecer na atividade médica ou reassumila posteriormente ao ato de afastamento; 2º O benefício a que se refere o inciso IV, do 1º, do artigo 88, do Estatuto Social, não se aplica ao cooperado inativo por não mais estar exercendo atividades médicas. 3º O recebimento das cotas-partes anula a condição de cooperado inativo devendo, quando de seu pagamento, ser assinado o termo de ciência de desligamento definitivo. 8

9 4º O cooperado inativo terá direito aos benefícios do plano de assistência médica do cooperado ativo, para si e seus dependentes diretos, na mesma condição de contribuição do cooperado ativo. 5º O auxílio-cônjuge, previsto no inciso V, do 1º, do artigo 88, do Estatuto, será aplicado somente quando o falecimento ocorrer na condição de cooperado ativo. 6º O auxílio funerário previsto no inciso III, do 1º, do artigo 88, do Estatuto Social, será devido pela Cooperativa ao cooperado inativo desde que este esteja para ele contribuindo, devendo o valor do seguro ser acrescentado ao boleto de cobrança de seu plano de saúde. CAPÍTULO IV Dos órgãos sociais Seção I - Do Conselho de Administração Art. 46 O Conselho de Administração é o órgão social gestor da Cooperativa com competência estatutária e legal para definir e aplicar a política de gestão cooperativista e supervisionar as ações práticas de cumprimento do planejamento estratégico e orçamentário, aprovado na Assembléia Geral Ordinária de cada exercício. Art. 47 As ações de gestão do Conselho de Administração serão assessoradas pelos demais órgãos sociais, que se obrigam a atuarem de forma efetiva na execução dos programas, objetivos e metas. 1º O Conselho de Administração dará ênfase ao trabalho conjunto e sinérgico dos órgãos sociais prestigiando a identidade e a área específica de cada um, porém, sem admitir concorrências ou divergências que prejudiquem o sentido de unidade da gestão. 2º Os órgãos sociais de que trata este artigo e seu 1º não incluem a Assembléia Geral e o Conselho Fiscal. Art. 48 O Conselho de Administração será assessorado, também, por uma equipe técnica de profissionais habilitados nas várias áreas de conhecimentos exigidos pelos negócios da Cooperativa, recrutando-os no mercado de trabalho externo ou entre os próprios colaboradores e cooperados. Seção II Da Comissão Técnica Art. 49 A Comissão Técnica, eleita juntamente com o Conselho de Administração, terá um Coordenador escolhido de comum acordo entre seus membros na primeira reunião que realizar após sua posse. 9

10 Art. 50 O membro da Comissão Técnica escolhido para Coordenador ficará responsável pela coordenação por período de um ano, podendo ser reconduzido ao cargo a critério de seus pares. 1º O Coordenador tem como função organizar e dirigir as reuniões, manter a unidade da equipe, acompanhar a resolução das incumbências de cada membro e verificar se as atividades estão sendo corretamente documentadas e registradas. 2º As reuniões semanais da Comissão Técnica terão seus assuntos registrados em ata circunstanciada, redigida por colaborador(a) do setor. Art. 51 As atribuições da Comissão Técnica estão listadas no artigo 55, do Estatuto Social, e seus incisos e o trabalho para cumpri-las poderá ser distribuído entre seus membros, por acordo destes. 1º A atribuição prevista no inciso V, do artigo 55, do Estatuto Social, elaborar e periodicamente revisar normas técnicas de atos médicos, quanto a sua conveniência, atualidade e custo não poderá, por sua relevância e abrangência, ser delegada a um único membro, devendo ser desempenhada e validada por todos. Art. 52 A normatização de procedimentos de que trata o inciso V, do artigo 55, do Estatuto Social, é considerada um processo de educação médica e cooperativista continuada, devendo pautar-se em conceitos de Medicina Baseada em Evidência. 1º É função da Comissão Técnica suprir, em primeira mão, conhecimentos ao setor de Auditoria em Saúde, através das normatizações de que trata este artigo, devendo repassá-las por escrito assim que elaboradas e, posteriormente, incluí-las no Manual de Procedimentos e Normas. 2º Para bem cumprir a função de criar normas cientificamente fundamentadas, a Comissão Técnica poderá dispor de consultorias em Medicina Baseada em Evidência, além de interagir com as Sociedades de especialidades e suas Câmaras Técnicas. Art. 53 As atribuições rotineiras de qualquer natureza, bem como pareceres solicitados, deverão ser providenciados pela Comissão Técnica em um prazo não superior a 48 horas, a menos que haja justificativa aceitável comunicada ao Coordenador, ao solicitante ou ao Conselho de Administração. 1º. Os relatórios conclusivos da Comissão Técnica, destinados a qualquer setor da Cooperativa conterão, obrigatoriamente, a evidência científica ou normativa que os ampararem, serão digitados, assinados pelo relator e rubricados pelos demais participantes em sua elaboração, sendo submetidos ao Conselho de Administração para conhecimento e/ou para homologação. 10

11 2º. Despachos de rotina em requerimentos ou assemelhados, contendo matéria regulamentada ou consolidada, poderão ser manuscritos com caracteres legíveis e assinados por um único membro. Seção III Comissão Disciplinar Cooperativista (CDC) Art. 54 O trabalho dos membros da CDC estará voltado para atender as demandas que lhes forem repassadas pelo Conselho de Administração e pela Ouvidoria Unimed. 1º. O Conselho de Administração poderá autorizar os demais órgãos sociais a repassarem diretamente à CDC assuntos pertinentes à alçada desta a fim de abreviar o início das providências; 2º. Qualquer que seja a origem da demanda repassada à CDC a destinação do parecer desta será sempre o Conselho de Administração. Art. 55 O Coordenador da CDC deverá: I convocar e presidir as reuniões ordinárias da CDC; II dar ciência aos demais membros das demandas dirigidas à Comissão; III colocar as demandas em regime de avaliação facilitando a coleta de informações e provas para embasar o parecer conclusivo final da Comissão; IV assinar com os demais membros as correspondências que tiver de remeter; V decidir em comum acordo com os demais membros a prioridade das matérias a serem analisadas; VI decidir com os demais membros a melhor forma de abordagem dos problemas demandados à Comissão, definindo com eles os critérios de condução de cada caso; VII - zelar pela preservação do sigilo em todas as questões que avaliar; VIII respeitar a votação colegiada fazendo valer o critério de decisão previsto no artigo 56, deste REGIMENTO; IX redigir, juntamente com os demais membros, e com estes assinar, o parecer conclusivo a ser enviado ao Conselho de Administração; X avaliar, juntamente com os demais membros, se o parecer conclusivo aponta claramente a existência de infração e que norma da Cooperativa está sendo infringida; XI convocar o suplente no caso de ausência temporária ou permanente de membro efetivo. Parágrafo único. Havendo denúncia escrita imputando infração a qualquer membro da CDC este deverá obrigatoriamente afastar-se da função para ensejar aos membros restantes a possibilidade de apuração imparcial dos fatos; 11

12 Art. 56 As decisões da CDC serão tomadas por maioria simples de votos de seus membros. Art. 57 Mensalmente, a Comissão enviará ao Conselho de Administração um relatório de suas atividades. CAPÍTULO V Do Comitê Educativo Art. 58 Cabe ao Comitê Educativo, conforme o Estatuto, coordenar as ações de interação sócio-cultural e técnico-educativa com os Cooperados, interagindo diretamente com eles ou através de suas sociedades de especialidade. Art. 59 As ações do Comitê Educativo serão subsidiadas por parte das verbas do RATES e, sendo estas insuficientes, por verbas do orçamento da Cooperativa; Art. 60 O Comitê Educativo deverá interagir com o Setor de Marketing da Unimed em assuntos que envolvam os cooperados, visando promover o melhor aproveitamento dos recursos destinados aos dois setores. Art. 61 O Comitê Educativo deverá elaborar um planejamento anual priorizando as ações que lhe são destinadas no artigo 60, do Estatuto Social. Art. 62 O Comitê Educativo deverá participar da reunião ordinária semanal do Conselho de Administração para apresentar resumo de suas ações bem como para obter aprovação de cursos e outros eventos e das respectivas verbas de custeio. CAPÍTULO VI Da Ouvidoria Art. 63 A Ouvidoria, como órgão auxiliar do Conselho de Administração, tem suas funções definidas no artigo 62, do Estatuto Social. Art. 64 Embora a interação principal da Ouvidoria seja com o cliente Unimed, esta poderá intermediar também relações com o médico cooperado quando este a ela se apresentar como cliente de plano de saúde Unimed. Art. 65 A Ouvidoria enviará diretamente à CDC as reclamações que receber de clientes envolvendo médico Cooperado, em denúncias de atendimento inadequado, quando a relevância do assunto requerer providências de ordem disciplinar, acima de sua alçada. Art. 66 Exceto quanto ao artigo anterior, a Ouvidoria se reportará à Comissão Técnica nos demais assuntos de sua alçada que, em razão de complexidade, não forem devidamente solucionados pela ação do Ouvidor. 12

13 Parágrafo Único. O Ouvidor deverá reunir-se uma vez por mês, ou sempre que solicitado, com a Comissão Técnica e com a CDC para dar ou obter esclarecimentos e auxiliar no encaminhamento de soluções. CAPÍTULO VII Do Conselho Fiscal Art. 67 O CONSELHO FISCAL é o representante da Assembléia Geral e suas funções estão definidas no artigo 54, do Estatuto Social. Parágrafo único. É obrigatória a presença de pelo menos um membro do CONSELHO FISCAL nas Assembléias Gerais Extraordinárias e dos três membros na Assembléia Geral Ordinária. CAPÍTULO VIII Das infrações, do processo disciplinar e das penas Seção I Das infrações Art. 68 É considerado infração todo ato cometido por cooperado que infrinja as normas internas da Cooperativa, o Estatuto Social e o Regimento Interno. Parágrafo único. Se das infrações cometidas resultar prejuízo financeiro à Unimed Cuiabá esta poderá ressarcir-se mediante desconto na produção ou em outros créditos que o cooperado possua ou venha a possuir junto à Cooperativa. Art. 69 As infrações serão: I de PRIMEIRO GRAU as que forem enquadradas nos incisos de I a X, do artigo 70, deste REGIMENTO; II de SEGUNDO GRAU as que forem enquadradas nos inciso de I a XI, do artigo 71, deste REGIMENTO; III de TERCEIRO GRAU as que forem enquadradas nos incisos de I a VIII, do artigo 72, deste Regimento. 1º. Cinco reincidências comprovadas nas infrações de PRIMEIRO GRAU, eleva-as à categoria de SEGUNDO GRAU e duas reincidências comprovadas nas infrações de SEGUNDO GRAU eleva-as à categoria de TERCEIRO GRAU. 2º. Definida a natureza da infração será o cooperado infrator comunicado por escrito e de forma confidencial, por meio que comprove o recebimento, fazendo-se no mesmo expediente a declaração da penalidade aplicada que ficará registrada em sua matrícula, para controle. Art. 70 Considera-se como tendo cometido INFRAÇÃO DE PRIMEIRO GRAU o cooperado que: 13

14 I cometer erros, de forma contumaz, no preenchimento de formulários que emitir, ainda que sem a intenção de ganho indevido; II deixar de preencher em tempo hábil formulários de sua responsabilidade, em nível ambulatorial ou hospitalar, causando transtorno ao fechamento das contas; III contribuir para retardar o fechamento das contas hospitalares causando perda de prazo e conseqüentes prejuízos à Unimed e aos parceiros; IV deixar de atender solicitações da Auditoria em Saúde da Unimed Cuiabá, ou de não se justificar a respeito; V discriminar, por si ou por seus prepostos secretários(as) e funcionários(as) de qualquer forma, os clientes da Unimed Cuiabá a quem tiver de prestar atendimento; VI tirar proveito de trabalho realizado por outro médico que lhe seja subordinado, estagiário ou residente; VII solicitar exames complementares destinados a favorecer empresas ou pessoas em processo de admissão, demissão ou regularização de situação empregatícia, salvo quando o serviço for contratado pela Unimed Cuiabá; VIII deixar de adequar seu local de trabalho às determinações de atendimento impostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS, e necessários à Cooperativa, impossibilitando a transmissão de informações exigidas. IX deixar de responder, em tempo prefixado, interpelações da Comissão Técnica, da Comissão Disciplinar Cooperativista e da Ouvidoria; X Cobrar pelo atendimento de seus dependentes e/ou agregados no plano de saúde dos cooperados. Art. 71 Considera-se como tendo cometido INFRAÇÃO DE SEGUNDO GRAU o cooperado que: I solicitar exames complementares sem as devidas correlações clínicas e sem observação dos protocolos e diretrizes de sua especialidade; II indicar e/ou solicitar exames de investigação diagnóstica e procedimentos, para favorecer terceiros, cooperados ou não; III permitir o uso de seu nome por outro médico, cooperado ou não, facultando-lhe acesso aos meios de autorização de consultas ou de procedimentos, gerando atendimento que não realizou; IV permitir que outro cooperado utilize meios eletrônicos que lhe tenham sido confiados, para registro eventual de consultas ou de procedimentos; V cobrar quantia complementar dos clientes da Unimed Cuiabá sem justificativa contratual prevista no plano de saúde; VI recusar-se a cumprir as deliberações de órgãos da administração da Unimed Cuiabá, desde que estas estejam amparadas por normas estatutárias, regimentais, assembleares ou legais; VII tiver conduta incompatível com a ética, a moral e os bons costumes, nas dependências da Unimed Cuiabá ou nos locais onde atenda aos clientes da Cooperativa, ou quando na função de representante desta; VIII agredir física ou moralmente membros dos órgãos da administração em todos os níveis, cooperados, colaboradores e clientes, nas dependências da 14

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE UNIMED JUIZ DE FORA CAP. I - DA COOPERATIVA

REGIMENTO INTERNO DE UNIMED JUIZ DE FORA CAP. I - DA COOPERATIVA REGIMENTO INTERNO DE UNIMED JUIZ DE FORA CAP. I - DA COOPERATIVA Art. 01: A união das singulares de um estado constitui uma Federação e, a união destas a Confederação, que constituem o SISTEMA DE SAÚDE

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO TÉCNICO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS EDITAL N o 01/2014, DO CONSELHO DA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS Regulamenta a eleição

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES

SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES SUCESSÃO DO CONSELHO FISCAL E COORDENAÇÃO COLEGIADA DO SINTET-UFU Biênio 2016-2018 REGIMENTO ELEITORAL PROCEDIMENTOS PRELIMINARES Art.1º. De acordo com os Art. 39, 40 e 50 do Estatuto Social do Sindicato

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o processo eletivo para escolha dos representantes dos servidores ativos e inativos no Conselho Deliberativo do Pro-Social.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOPATOLOGIA 2011 Artigo 3º - A Sociedade Brasileira de Citopatologia tem como finalidades: h) colaborar e intervir no processo de

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF CAPÍTULO I - OBJETO Artigo 1º. Este Regulamento disciplina o Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIDADE DESCENTRALIZADADE EDUCAÇÃO SUPERIORDA UFSM EM SILVEIRA MARTINS UDESSM COMISSÃO ELEITORAL REGIMENTO INTERNO DE CONSULTA À COMUNIDADE A comissão Eleitoral, no

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1 REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Além das disposições constantes do Estatuto Social e do Edital de Convocação, as chapas e candidatos individuais interessados em concorrer

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO A Faculdade Católica do Tocantins, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS EM PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 R E S O L U Ç Ã O:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 R E S O L U Ç Ã O: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Institui o Regimento Eleitoral que estabelece normas para a eleição on line (SIGEleição)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE:

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE: RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO O CONSELHO SECCIONAL DO ESTADO DE RONDÔNIA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso de suas atribuições estatutárias, com base no que dispõe o art. 10, 1º da Lei

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas Gerais Ltda. REGULAMENTO DO VOTO ELETRÔNICO PELA INTERNET

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais