MANUAL DO SERVIDOR INTRODUÇÃO ACÚMULO DE CARGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO SERVIDOR INTRODUÇÃO ACÚMULO DE CARGO"

Transcrição

1 MANUAL DO SERVIDOR INTRODUÇÃO O Manual do Servidor é destinado exclusivamente aos servidores da Prefeitura do Município de Mauá. Foi elaborado de forma simples e objetiva, capaz de levar a informação e o conhecimento básico a respeito dos benefícios oferecidos pela Prefeitura do Município de Mauá, demonstrando: o que é, quem tem direito, o regulamento e os procedimentos. A nossa expectativa é que este Material possa ser tomado como importante referência para a compreensão e a interpretação dos seus direitos e deveres. ACÚMULO DE CARGO O QUE É: Configura-se pelo exercício simultâneo de cargos, empregos ou funções públicas, seja na administração direta ou indireta. A Constituição Federal tem como regra a proibição de exercício simultâneo, remunerado, de cargos, funções e empregos públicos, excetuando, entretanto, alguns casos onde é possível e legal a acumulação, a saber: (Art. 37, XVI e XVII, CF/88) a de dois cargos de professor; a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas; (ex.: médicos, técnicos em radiologia, auxiliares de enfermagem, técnicos em enfermagem, psicólogo, com atuação exclusiva na área de saúde, etc). QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. Os servidores deverão apresentar o Ato de Análise de Acúmulo de Cargo por ocasião da posse e, durante o exercício do cargo, nos casos de: Alteração de horário de trabalho; Alteração de jornada de trabalho; Atribuição anual de aulas (magistério); Atribuição de Carga Suplementar (magistério); Designação para o exercício de função gratificada (magistério). Caso haja a acumulação de cargos, o Ato de Análise de Acúmulo de Cargo deverá estar acompanhado de declaração de horário do outro vínculo público, conforme modelo anexo, para a verificação da compatibilidade de horário que deverá estar em consonância com o disposto na legislação municipal abaixo transcrita: I - 01 (uma) hora, quando o outro local de trabalho situar-se no Município de Mauá, podendo este intervalo ser reduzido em até 30 (trinta) minutos se as unidades de exercício do servidor situarem-se próximas uma da outra, o que ficará a critério da autoridade competente, haja vista que será responsável pela verificação do cumprimento regular dos respectivos horários de trabalho; (Redação dada pelo Decreto Municipal nº 6.958, de 14/09/2006) II - 01 (uma) hora, quando o outro local de trabalho situar-se nos Municípios de Ribeirão Pires, Santo André ou ainda nos bairros São Mateus, Parque São Rafael, Jardim Santo André e Jardim Santa Adélia, pertencentes ao Município de São Paulo, podendo este intervalo ser reduzido em até 15 (quinze) minutos se as unidades de exercício do servidor situarem-se próximas uma da outra, o que ficará a critério da autoridade competente, haja vista que será responsável pela verificação do cumprimento regular dos respectivos horários de trabalho; (Redação dada pelo Decreto Municipal nº 6.958, de 14/09/2006) III - 01 (uma) hora e 30 (trinta) minutos, quando o outro local de trabalho situar-se nos demais Municípios do Grande ABC; (Redação dada pelo Decreto Municipal nº 6.958, de 14/09/2006) IV - 02 (duas) horas, quando o outro local de trabalho situar-se na Capital ou demais Municípios. (Redação dada pelo Decreto Municipal nº 6.958, de 14/09/2006) Detectada a qualquer tempo a acumulação ilegal de cargos, empregos ou funções públicas, a autoridade que tiver ciência do fato notificará o servidor, por intermédio de sua chefia imediata, para apresentar opção no prazo improrrogável de dez dias,

2 contados da data da ciência e, na hipótese de omissão, adotará procedimento sumário para a sua apuração e regularização imediata. AFASTAMENTO PARA CASAMENTO É o afastamento concedido ao servidor para ausentar-se do serviço por um período de 08 (oito) dias consecutivos, a partir da data do matrimônio, sem qualquer prejuízo. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público COMO PROCEDER O servidor deverá comunicar a ocorrência previamente à chefia imediata, sendo esta condição indispensável para a concessão do afastamento; O servidor deverá no 1º (primeiro) dia em que comparecer ao trabalho, requerer o afastamento, apresentando a cópia da certidão de casamento; A chefia imediata anota no verso da cópia da certidão de casamento, as seguintes informações: I. Dados do servidor; II. III. Informações sobre o afastamento; Assinatura da chefia. A chefia imediata encaminha a cópia da certidão de casamento, devidamente protocolada, ao órgão central de recursos humanos, até o 2º dia útil após a entrega da mesma. Para sanar dúvidas procure a sua Secretaria ou Órgão Central de Recursos Humanos. APOSENTADORIA É a garantia de inatividade remunerada reconhecida aos servidores após comprovada prestação de serviços ou por se tornarem incapacitados para desempenhar as suas funções. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. DO REGULAMENTO:

3 Os tipos de aposentadoria às quais os servidores terão direito são: Aposentadoria por Tempo de Contribuição: É o benefício a que tem direito o segurado de sexo feminino que comprovar, no mínimo, 30 (trinta) anos de contribuição e ao segurado de sexo masculino que comprovar, no mínimo, 35 anos de contribuição. Aposentadoria Proporcional: O segurado que até 16/12/98 não havia completado o tempo mínimo para aposentadoria por tempo de contribuição tem direito a aposentadoria proporcional o servidor que cumprir a carência e os requisitos da Previdência Social. Aposentadoria por Idade: É aquela concedida ao servidor que completar 65 anos de idade (homem) ou 60 anos (mulher), uma vez cumprida a carência de contribuição exigida para a concessão do benefício. Aposentadoria por Invalidez: É aquela concedida ao servidor segurado que, após cumprir a carência exigida pelo INSS, e que esteja ou não recebendo auxílio doença, for considerado incapaz para o trabalho e não sujeito à reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência. A aposentadoria por invalidez só será concedida após a realização de perícia médica pelo o INSS e constatada a incapacidade para o trabalho. COMO REQUERER: Para obter os documentos necessários, o servidor deve comparecer ao Órgão Central de Recursos Humanos com carteira profissional, carnês de autônomos e certidão de tempo de serviço (se possuir) e solicitar à Administração o requerimento de aposentadoria, contagem de tempo de serviço, relação de salário de contribuição, DSS8030 e Laudo Técnico de condições ambientais de trabalho. Para dar entrada em seu benefício de aposentadoria, o servidor deverá comparecer a um posto de atendimento do INSS e apresentar a documentação solicitada pela autarquia. Os servidores ocupantes exclusivamente de cargos em comissão, independente da criação do regime de previdência de caráter contributivo, serão aposentados pelo regime geral da Previdência Social. DO DESLIGAMENTO: O servidor público desligado por motivo de aposentadoria receberá por ocasião de seu desligamento: I. Remuneração proporcional aos dias trabalhados; II. Indenização relativa do período de férias a que tiver direito e ao período incompleto, na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de efetivo exercício ou fração de 14 (quatorze) dias, calculada com base na remuneração do cargo na data da exoneração, compensada a importância recebida a título de adiantamento; III. 13º (décimo terceiro salário) na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de exercício ou fração superior a 14(quatorze) dias, calculada com base na remuneração do cargo na data da exoneração, compensada a importância recebida a título de adiantamento. AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO É um benefício concedido ao servidor destinado a subsidiar as despesas com refeição sendo-lhe pago em dinheiro através de crédito em folha de pagamento no mês anterior ao de utilização na proporção dos dias efetivamente trabalhados. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. DO PAGAMENTO: No valor atual de R$ 2,20 (Dois reais e vinte centavos), por dia trabalhado.

4 DO REGULAMENTO: I O servidor que exerce cargo em regime de plantão, sem intervalo regular para a refeição, receberá o benefício com prestações in natura, por meio de refeição, fornecida pela Administração em seu local de trabalho, não fazendo jus à percepção em dinheiro. II O servidor que acumule cargos ou empregos, na forma da constituição, fará jus à percepção de um único auxílio alimentação. III A administração firmará contrato com empresa especializada para fornecimento de refeições prontas aos servidores. IV O benefício não se incorporará ao salário ou vencimento-base ou remuneração para qualquer efeito e sobre ele não incidirá qualquer base de cálculo para contribuição providenciária Fiscal e ou Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. PARA SANAR DÚVIDAS: AUXÍLIO CRECHE É o benefício a ser concedido aos servidores públicos que tiverem filhos ou tutelados legais, de até 06 (seis) anos completos em estabelecimento particular de educação básica, desde que comprovada a inexistência de vaga na rede pública, desde que não seja cumulativo entre servidores e outro órgão público ou privado.. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. Que perceba remuneração igual ou inferior a (04) quatro vezes o menor vencimento do quadro geral do Poder Executivo. VALOR DO BENEFÍCIO: 50% (cinquenta por cento) calculado sobre o menor vencimento básico do quadro geral do Poder Executivo. - O auxílio será pago por filho até o limite de três filhos e não poderá exceder a 50% (cinquenta por cento) da remuneração do servidor. COMO PROCEDER: Os servidores públicos deverão requerer o benefício através do preenchimento correto do formulário de Requerimento de auxílio creche e entregá-lo ao Órgão Central de Recursos Humanos, observando as datas limites, anexando: - Comprovante de matrícula da criança em estabelecimento particular de Educação Básica; - Comprovante do valor da mensalidade a ser paga; - Cópia da licença de funcionamento da instituição de ensino; - Declaração de inexistência de vaga em escola da rede pública. SUSPENSÃO DO BENEFÍCIO: A pedido do servidor público; De ofício, quando constatado qualquer tipo de irregularidade, cabendo neste caso o ressarcimento aos cofres públicos dos valores indevidamente pagos e a apuração de responsabilidade criminal, e na ausência da entrega da documentação exigida mensalmente; Na ocorrência de mais de 4 (quatro) faltas injustificadas, solicitação de licença ou afastamentos não considerados como efetivo exercício; No mês subseqüente em que a criança completa 6 (seis) anos de idade; Quando ocorrer óbito da criança. DA MANUTENÇÃO:

5 A manutenção do benefício fica condicionada à apresentação mensal do comprovante de pagamento, declaração de freqüência da criança emitida pela Instituição de Ensino em papel timbrado e assinada por seu responsável. A ocorrência de mais de 4 (quatro) faltas injustificadas implica na perda do benefício relativo ao mês correspondente. Para efeito de concessão de auxílio creche não serão consideradas como efetivo exercício as ocorrências de faltas justificadas, as licenças para prestação de serviço militar, para candidatura política, transferência de cônjuge, interesses particulares, tratamento de saúde, tratamento de saúde por motivo de doença em família, os afastamentos para competição esportiva oficial, para cursos e para desempenho de mandato classista. AUXÍLIO FUNERAL É o benefício que é concedido à pessoa que comprovar ter efetuado as despesas com o funeral do servidor público. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. COMO PROCEDER: O requerente deverá apresentar juntamente com o formulário de solicitação do benefício: - Cópia do atestado de óbito do servidor; - Cópia de documento de identificação do requerente; - Nota Fiscal, recibo ou outro comprovante, em seu nome, das despesas efetuadas. DO PAGAMENTO: Valor de duas vezes sobre o menor vencimento básico do quadro geral do poder executivo. O pagamento do auxílio funeral será efetuado no prazo de 08 (oito) dias úteis do requerimento, através de guia de ressarcimento emitida pelo Órgão Central de Recursos Humanos. Eventuais despesas de transporte do corpo, em caso de falecimento do servidor fora do local de trabalho, a serviço, as referidas despesas correrão por conta dos recursos do órgão a que pertencer o servidor. Devem acompanhar o formulário de requisição: cópia do atestado de óbito, cópia de documento de identificação do requerente, nota fiscal, recibo ou outro comprovante das despesas efetuadas em seu nome. AUXÍLIO REFEIÇÃO É um benefício concedido ao servidor do Programa de Combate ao Desemprego e Incentivo à Qualificação Profissional (Frente de Trabalho), na forma de auxílio financeiro.

6 QUEM TEM DIREITO: Somente servidores da Frente de Trabalho. DO PAGAMENTO: Através de crédito em folha de pagamento no mês anterior ao de utilização, no valor de R$ 2,40 (Dois reais e quarenta centavos) por dia efetivo de trabalho. PARA SANAR DÚVIDAS: AUXÍLIO TRANSPORTE O auxílio transporte constitui ajuda de custo que será concedida em dinheiro aos servidores municipais, para o custeio da utilização efetiva e exclusiva em despesas de deslocamento da residência para o trabalho, trabalho para a residência ou entre locais de trabalho da administração pública municipal, no sistema de transporte coletivo público municipal ou intermunicipal. Entende-se como deslocamento a soma dos segmentos componentes da viagem por um ou mais meios de transportes coletivos, entre sua residência e o local de trabalho. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. PARA INCLUSÃO: A opção é feita no momento da admissão; Após a admissão, o servidor solicita na sua secretaria ou setor. DO PAGAMENTO: Através de crédito em folha de pagamento do servidor, do valor referente ao custo de transporte por dia efetivo de trabalho; O crédito é efetuado no mês anterior da utilização no transporte coletivo; A ocorrência de faltas, licenças ou afastamentos, implicará no desconto dos respectivos dias, no mês subseqüente. O CUSTO PARA O SERVIDOR: É descontado em folha de pagamento 3% do salário/vencimento-base; Para a Frente de Trabalho não há desconto (gratuito). DEVERES E OBRIGAÇÕES DO SERVIDOR: Utilizar de forma correta o benefício; Atualizar as informações cadastrais, sempre que ocorrerem mudanças. PARA SANAR DÚVIDAS:

7 BANCO DE HORAS São horas excedentes de trabalho prestadas pelo servidor com a finalidade de compensar ausências em decorrência da decretação de interrupção parcial ou integral de expediente nas repartições públicas municipais. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público As jornadas exercidas em regime irregular ou de plantão, dada a especificidade do trabalho, poderão exceder a jornada semanal fixada, até o limite de 20% (vinte por cento), sendo o excedente caracterizado como banco de horas a ser compensado dentro do mês, de acordo com a escala mensal. Eventuais saldos negativos de banco de horas decorrentes das compensações de ausências no mês deverão ser descontados no pagamento do mês subseqüente, a título de falta injustificada. CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES É a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do servidor. ABRANGÊNCIA: Servidores Estatutários e Celetistas Devem constituir a CIPA, por estabelecimento, e mantê-la em regular funcionamento, a Administração direta e indireta. A CIPA será integrada com reuniões ordinárias conjuntas com o objetivo de harmonizar as políticas de segurança e saúde no trabalho unificando as ações, mas respeitando-se as características de cada estabelecimento. A CIPA será composta de representantes da Administração e dos servidores públicos. Os representantes dos servidores na comissão serão eleitos em escrutínio secreto, do qual participam somente, quer como candidatos ou eleitores, os servidores efetivos e celetistas interessados. O mandato dos membros da CIPA terá a duração de 1 (um) ano, permitida a reeleição. Caberá à Administração designar entre os seus representantes o Presidente da CIPA, enquanto aos representantes dos servidores caberão a escolha, dentre os titulares, do Vice-presidente. Serão indicados, em comum acordo os membros da CIPA, um secretário e seu substituto, entre seus componentes.

8 CONCURSO PÚBLICO É a investidura legal para ingresso na Administração direta ou indireta, mediante aplicação de provas, ou de provas e títulos, na forma da Lei, atribuída a uma entidade de elevada notoriedade e idoneidade na área de concurso público. ABRANGÊNCIA: Todos os Interessados. O ingresso na Administração Municipal far-se-á no padrão inicial de classe / cargo. Os concursos serão supervisionados por uma comissão especial de acompanhamento, onde serão designados o mínimo de 05 (cinco) e o máximo de 09 (nove) membros, escolhidos dentre os componentes dos quadros de servidores da Administração direta ou indireta. À comissão incumbe o acompanhamento do concurso em todas as fases, desde o período de inscrições até a homologação deste, sendo de sua competência o exercícios das seguintes atribuições: I. Verificar a perfeita realização do certame nos termos do edital; II. Reportar eventuais inobservâncias relevantes a fim de corrigí-las e / ou prevení-las. A comissão reportar-se-á, em primeira instância, ao Órgão Central de Recursos Humanos e, em segunda instância, na hipótese de não ter sido reparada a inobservância relatada, ao Prefeito ou ao responsável máximo do órgão da Administração direta. Ao final do concurso, a comissão emitirá relatório conclusivo de sua atuação no acompanhamento do concurso, por meio de parecer final a ser publicado. CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO São as regras estabelecidas para o desconto de consignações obrigatórias e facultativas efetuadas na folha de pagamento do servidor. Compulsória: Desconto incidente sobre a remuneração do servidor, efetuado por força de Lei ou decisão judicial: contribuição providenciária; pensão alimentícia judicial; imposto de renda e outros tributos previstos em lei; reposição e indenizações ao erário; custeio parcial de benefício e auxílios concedidos pela Administração municipal; decisão judicial ou sentença transitada em julgado; outros descontos compulsórios instituídos por lei. Facultativa: Desconto incidente sobre a remuneração dos servidores mediante sua autorização prévia e formal, e anuência da Administração: Mensalidades para o custeio de sindicatos, associações, clube, cooperativa, prêmio de seguro de vida, amortização de empréstimo ou financiamento, valor pré-fixado na aquisição de produtos comerciais e de medicamentos. ABRANGÊNCIA: Servidor Público.

9 DO REGULAMENTO: O servidor poderá, a qualquer momento, manifestar sua opção, bem como a suspensão das consignações facultativas, por escrito, junto ao Órgão Central de Recursos Humanos. Não será permitido o desconto de consignações facultativas até o limite de 30%, quando a soma destas com as compulsórias exceder a 70% da remuneração do servidor. Caso a somas das consignações compulsórias e facultativas exceda ao limite, serão suspensos, até o limite, os descontos, relativos a consignações facultativas de menores níveis de prioridade. As consignações compulsórias têm prioridade sobre as facultativas. As consignações facultativas que ultrapassem o limite serão sumariamente negadas, a menos que, por opção do servidor, implique na cessação de outra, restabelecido o limite definido. Em se tratando de consignações de amortização de empréstimos, é vedada a acumulação de mais de um desconto do mesmo tipo, mesmo que de instituições diversas. O ato omissivo do dirigente poderá caracterizar grave inobservância às normas legais, cuja responsabilidade civil e administrativa deve ser apurada pela autoridade competente, mediante processo administrativo disciplinar, sem prejuízo das sanções penais cabíveis. CONVÊNIO MÉDICO É um benefício concedido, através do credenciamento de Empresa de atendimento médico, cujo objetivo é promover o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida do servidor e sua família. Empresa credenciada: SAMCIL Planos de Saúde QUE TEM DIREITO: Servidor Público. O servidor solicita ao Órgão Central de Recursos Humanos, quando de sua necessidade, e faz a opção. Serão solicitadas cópias de documentos para inclusão: I. Do cônjuge: 01 cópia da certidão de casamento; II. Em caso de ser companheira (o) e tiverem filho em comum: Será necessário trazer cópia da cédula de identidade; III. Em caso de ser companheira(o) e não possuírem filhos em comum: Será necessário apresentar Escritura Pública de Convivência em Comum emitida em Cartório; IV. Para inclusão de pai e/ou mãe: 02 cópias da Declaração de Imposto de Renda, onde constem como dependentes; V. Filho(a) menor de 21 anos: 01 cópia da Certidão de Nascimento; VI. Filho(a) maior de 21 anos que esteja cursando Faculdade e deseje utilizar o Convênio Médico até completar 23 anos, 11 meses e 29 dias:

10 01 cópia da Certidão de Nascimento, 02 cópias do comprovante de Matrícula na Faculdade e 02 cópias do comprovante de pagamento da mensalidade atual. Será descontado em folha de pagamento o valor do plano escolhido. DA MUDANÇA: Para mudança de categoria do plano, deverá ser obedecida a carência de 180 dias (6 meses), a partir da solicitação da nova opção: Da categoria IDEAL Enfermaria para a categoria IDEAL PLUS - Apartamento = carência de 180 dias (6 meses); Da categoria IDEAL PLUS Apartamento para a categoria IDEAL - Enfermaria = carência de 180 dias ( 6 meses); DA EXCLUSÃO: Para exclusão do convênio, o servidor deverá ter no mínimo 180 dias de plano (6 meses), mediante a manifestação e a devolução da respectiva carteirinha. PARA SANAR DÚVIDAS: DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO É a gratificação correspondente à remuneração do servidor no mês de dezembro, devida na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês ou fração superior a 15 (quinze) dias de exercício no respectivo ano. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. COMO FUNCIONA: Os servidores desligados do serviço público por motivo de exoneração, demissão, aposentadoria ou falecimento, perceberão o décimo terceiro salário na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de serviço prestado no ano de desligamento, calculado na fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de efetivo exercício, descontando-se a antecipação de 13º salário que porventura tenha ocorrido. - Para fins de cálculo e pagamento do décimo terceiro salário, será considerada como remuneração, o valor do vencimento básico ou salário base, acrescido das vantagens pecuniárias de caráter permanente, que forem percebidas pelos servidores, de forma ininterrupta pelo período de: I. 12 (doze) meses, os adicionais por serviço extraordinário, adicional de atividades insalubres ou perigosas e por trabalho noturno; II. 10 (dez) meses, a média aritmética da gratificação por exercício de função gratificada, da carga suplementar de trabalho docente e da retribuição por ampliação de carga horária para exercício de função gratificada. Para os servidores que sofrerem ampliação ou redução da jornada de trabalho durante o ano, o cálculo e pagamento do 13º salário será o resultado proporcional aos meses efetivamente exercidos nas respectivas jornadas. O 13º salário será pago aos servidores em 2 (duas) parcelas, da seguinte forma: A primeira parcela, correspondente a 50% do vencimento básico ou salário base do mês, no período de março a novembro, no mês de aniversário do servidor. A segunda parcela, correspondente a 100% do vencimento ou salário base de dezembro, acrescidos das vantagens pecuniárias permanentes, descontados os valores incidentes, incluindo-se a antecipação da primeira parcela. Os servidores admitidos até 15 de janeiro do ano em curso farão jus à antecipação. Os servidores admitidos após a data de 15 de janeiro receberão o décimo terceiro salário em uma única parcela, calculada proporcionalmente de acordo com a data de admissão. Os servidores que fizerem aniversário nos meses de dezembro, janeiro ou fevereiro receberão o pagamento da primeira parcela do 13º nos meses de março, abril e maio, respectivamente. Os descontos referentes à pensão alimentícia judicial, quando determinada, incidirão também sobre o pagamento da primeira parcela do 13º. Nos órgãos da Administração indireta, a primeira parcela do 13º corresponde a 50% do vencimento básico, e poderá ser concedida ao servidor na retirada de suas férias.

11 O valor do 13º será reduzido, como penalidade aplicável ao servidor em decorrência das ausências no serviço não consideradas de efetivo exercício, no período de apuração de 12 (doze) meses que antecedem a novembro do ano corrente, nas condições do quadro abaixo: Percentual do valor 13º / Limites Ausências Injustificadas / Limites de Ausências não consideradas efetivo exercício. 100% % % % superior a 20 dias superior a 30 dias Para efeito do 13º, as ausências não consideradas de efetivo exercício para sua aquisição são: Faltas justificadas; Licenças sem remuneração para prestação de serviço militar, candidatura política, por motivo de doença em pessoa da família, para desempenho de mandato classista, por motivo de transferência de cônjuge ou companheiro, para tratar de assuntos particulares; Afastamentos sem remuneração para servir a outro órgão ou entidade, para estudo, competição esportiva oficial, representação do município e para mandato eletivo. Nos casos de licenças para tratamento de saúde e tratamento de saúde por motivo de acidente de trabalho, superiores a 15 dias, será reduzido a 1/12 (um doze avos) a cada período de 30 dias, enquanto perdurar a licença. Nos casos de licença à maternidade e a adoção, a matéria será regulada pelas disposições do Instituo Nacional de Seguridade Social INSS. PARA SANAR DÚVIDAS: Para sanar dúvidas, procure a sua Secretaria ou o Órgão Central de Recursos Humanos ESTÁGIO PROBATÓRIO É o período de avaliação, obrigatório, do servidor nomeado em caráter permanente, para ocupar cargo efetivo, isolado ou inicial de carreira, com duração de 3 (três) anos, a partir de sua entrada em exercício, para adquirir sua estabilidade no serviço público. ABRANGÊNCIA: Servidor Público Efetivo. Durante o período de estágio probatório serão avaliadas a aptidão e a capacidade do servidor para o exercício do cargo, observados os seguintes fatores: - Assiduidade; - Pontualidade; - Disciplina; - Capacidade de iniciativa e eficiência; - Produtividade; - Responsabilidade; - Probidade; - Interesse pelo serviço. A avaliação dos servidores será efetuada pelo superior imediato, em comum entendimento com o superior mediato, devendo ambos assinar o formulário de avaliação de estágio probatório. Competirá aos avaliadores, baseando-se na observação, análise e julgamento dos antecedentes e histórico profissional de cada avaliado, proceder sua avaliação.

12 Cada avaliador fará a comunicação do processo avaliativo aos avaliados, explicando individualmente os conceitos dados, as orientações e encaminhamentos estabelecidos. Ao final de cada processo avaliativo os avaliadores deverão estabelecer e fixar metas aos avaliados para a correção de eventuais desvios de conduta ou insuficiência de desempenho observados, a fim de que o avaliado possa alcançar o pleno desempenho profissional e contribuir para a qualidade do serviço público. O formulário de avaliação deverá ser assinado pelos avaliadores e avaliado. O relatório conclusivo do estágio deverá ser encaminhado à autoridade competente até 120 (cento e vinte) dias antes do prazo final do estágio probatório. A aprovação do servidor acarreta sua conformação no cargo e estabilidade no serviço público. Na reprovação devidamente fundamentada deve ser concedido ao servidor prazo para que apresente recurso em sua defesa. Esgotados os recursos à decisão administrativa contrária à permanência do servidor, implicará na sua exoneração do cargo. FALTAS As faltas ao serviço poderão ser justificadas, injustificadas ou abonadas. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. FALTA JUSTIFICADA: Estatuto dos Servidores Públicos: é aquela apresentada em formulário próprio com anuência da chefia imediata, apresentada no primeiro dia útil de seu comparecimento, ficando, ainda a critério da chefia imediata, autorização para sua compensação; Estatuto do Magistério Público do Município de Mauá: as faltas justificadas pelo não comparecimento ao serviço, devidamente motivadas e comprovadas com atestado médico e/ou comprovante legal, restringir-se-ão a 06 (seis) ao ano, não podendo exceder a 2 (duas) ao mês. As faltas justificadas serão consideradas como dias de efetivo exercício para todos os efeitos legais e sem prejuízo na remuneração do servidor. O servidor deverá preencher formulário de Requerimento de Justificativa de faltas, anexando o documento comprobatório a ser encaminhado à chefia imediata no 1º dia útil em que comparecer ao trabalho. A chefia imediata deverá notar seu parecer sobre a justificativa da ausência no formulário. A chefia imediata encaminhará o requerimento da justificativa de falta, devidamente protocolado ao Órgão de Recursos Humanos, até o 4º dia útil após a ausência do servidor. O Órgão Central de Recursos Humanos observará os prazos e limitações legais para a entrega do requerimento de justificativa de falta, documentação comprobatória do motivo da falta e o número de faltas justificadas, podendo ratificar ou retificar o parecer da chefia. A falta justificada poderá ser em caso de moléstia do próprio servidor, do cônjuge/companheiro, dos filhos, dos pais ou da pessoa sob sua dependência legal. O não requerimento no 1º dia útil subseqüente ao da falta dada, implica na automática injustificativa da mesma. FALTA INJUSTIFICADA: No caso de falta injustificada, os dias intercalados de descanso semanal remunerado sábados, domingos, feriados e pontos facultativos serão descontados para todos os efeitos. FALTA ABONADA MÉDICA: É aquela proveniente da ausência do servidor ao trabalho por motivo de saúde, comprovada por atestado médico, até o 15º (décimo quinto) dia.

13 FALTA ABONADA: Estatuto dos Servidores Públicos: é aquela a que tem direito o servidor público, não excedendo a 6 (seis) por ano, nem a 2 (duas) por mês, solicitada por escrito ao superior imediato com antecedência de, no máximo, 7 (sete) dias, exceto os professores municipais e os guardas civis municipais, os quais deverão observar o disposto no estatuto de cada categoria; Estatuto do Magistério Público do Município de Mauá: as faltas abonadas pelo não comparecimento ao serviço, restringir-se-ão a 6 (seis) ao ano, não podendo exceder a 1 (uma) ao mês, sem a necessidade de apresentação de atestado médico e/ou outro comprovante. As faltas abonadas serão consideradas dias de efetivo exercício para todos os efeitos legais e sem nenhum prejuízo na remuneração do servidor. O servidor deverá comunicar a ausência à chefia imediata, previamente, salvo nas hipóteses de emergência, para o abono de faltas. No primeiro dia útil em que comparecer ao trabalho, o servidor deve requerer o abono de faltas junto à chefia imediata, preenchendo requerimento próprio. A chefia imediata deverá anotar seu parecer sobre o abono da ausência no formulário preenchido pelo servidor. A chefia imediata encaminhará o requerimento de abono de faltas, devidamente protocolado, ao Órgão Central de Recursos Humanos, até o 4º dia útil após a ausência do servidor. O Órgão Central de Recursos Humanos observará os prazos e limitações legais para a entrega do Requerimento de abono de falta e o número de faltas abonadas, podendo ratificar ou retificar o parecer da chefia nos casos em que o número de ausências extrapole os limites estabelecidos no caput deste artigo. O não requerimento no 1º dia útil subseqüente ao da falta dada, implica na automática injustificativa da mesma; Guardas Civis Municipais: não há nenhuma lei ou decreto que regulamente o direito às 6 (seis) faltas abonadas por ano. IDENTIFICAÇÃO FUNCIONAL É a identificação do servidor, através do uso obrigatório de crachá durante o período em que estiver no exercício de suas funções e nas dependências dos órgãos municipais. ABRANGÊNCIA: Servidor Público. IMPORTANTE: O crachá de identificação funcional é expedido pelo Órgão Central de Recursos Humanos e entregue a todos os servidores públicos municipais. O ingresso e a permanência nas dependências dos órgãos municipais somente será permitido ao servidor se este portar junto às suas vestes, em lugar visível, na altura do tórax, o crachá de identificação funcional. Caberá aos servidores que trabalham junto às recepções e aos guardas civis municipais a fiscalização do uso adequado do crachá de identificação funcional pelos servidores municipais, comunicando as faltas ocorridas ao Órgão Central de Recursos Humanos para que as medidas disciplinares sejam tomadas. Os servidores que prestam serviços em locais providos de coletores de relógio de ponto eletrônico deverão proceder à marcação de ponto utilizando-se do crachá de identificação funcional. Nos locais desprovidos de coletores de relógio de ponto, será efetuada a marcação do ponto através de atestado de freqüência (AF), controlado pela chefia imediata e autorizado pela chefia mediata. Na hipótese de extravio ou perda do crachá de identificação funcional, o servidor deverá comunicar imediatamente o ocorrido ao Órgão Central de Recursos Humanos. Poderá ser emitida uma segunda via do crachá de identificação funcional, devendo o servidor apresentar justificativas das circunstâncias nas quais se deu o fato. Quando ocorrer demissão, exoneração ou dispensa do servidor, o crachá de identificação funcional deverá ser devolvido pelo servidor ao Órgão Central de Recursos Humanos.

14 Em decorrência do descumprimento ao Decreto Municipal, serão aplicadas as penalidades previstas no Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Mauá. JORNADA DE TRABALHO É a carga horária semanal, prevista em lei, a ser cumprida obrigatoriamente pelos servidores que no âmbito da administração municipal será fixada em até 40 (quarenta) horas semanais. ABRANGÊNCIA: Servidor Público. DO REGULAMENTO: As jornadas de trabalho podem ser caracterizadas como: Integral para 40 (quarenta) horas semanais; Especial para jornadas de 12 (doze), 20 (vinte), 22 (vinte e duas), 24 (vinte e quatro), 25 (vinte e cinco) ou 36 (trinta e seis) horas semanais. A jornada semanal de trabalho deverá ser cumprida de acordo com o horário estabelecido pelo superior imediato e mediato para atendimento das necessidades do serviço, sendo o Órgão Central de Recursos Humanos previamente informado. As jornadas de trabalho poderão ser classificadas de acordo com sua forma de freqüência: I. Regular aquela exercida de segunda-feira a domingo, escalas pré-definidas, admitindo-se variação de horário para refeição e descanso, em um total de 40, 36, 30, 25, 22 ou 20 horas semanais; II. Plantão: aquela exercida entre domingo e sábado, não-diária, com horários especiais de entrada e saída, destinada a cobrir atividades de natureza contínua e que não comportem nenhuma interrupção em um total de 12, 20 ou 24 horas semanais. No estabelecimento da jornada em regime de plantão, o superior imediato ou mediato poderá compô-la em comum acordo com os servidores e, em não havendo acordo, esta será atribuída compulsoriamente, visando o interesse exclusivo do serviço público. Será admitido dentro da jornada regular para serviços caracterizados como essenciais e/ou que não sejam passíveis de descontinuidade, o sistema de turno, que ficará restrito às áreas de segurança comunitária, de atendimento ambulatorial e hospitalar, de atendimento nas unidades básicas de saúde 24 horas, de atendimento emergencial, na prestação de serviços de água e esgoto, fiscalização de posturas e trânsito. Para as jornadas regulares iguais ou superiores a 6 horas, exceto para aquelas em sistema de turnos, o intervalo para refeição e descanso é obrigatório, devendo ser contínuo, não integrado a referida jornada, obedecendo aos seguintes limites mínimos e máximos: Jornada Diária Mínimo (minutos) Máximo (minutos) 08 horas horas Os intervalos para refeição e descanso da jornada regular em sistema de turno ou dos plantões estarão integrados, sendo proibido, portanto, a ausência do servidor do local de trabalho. O intervalo será de, no máximo, 20 minutos a cada 4 horas, a serem gozados nos horários de melhor conveniência à eficácia do trabalho. A escala de horário de serviço da equipe de trabalho será obrigatoriamente afixada nos equipamentos públicos, sendo que a sua elaboração respeitará o horário de atendimento aos usuários a seguir expostos: Das 8:00h às 17:00h: horário de expediente administrativo; Das 7:00h às 19:00h: nos setores que fazem o atendimento via telefone (disque 156); Ininterruptamente: nas áreas de segurança comunitária, de atendimento hospitalar ou ambulatorial, nas unidades de saúde 24 horas ou de plantão, de atendimento emergencial de serviços de água e esgoto e fiscalização de postura e trânsito. O descanso semanal é o intervalo mínimo de 2 (dois) dias semanais, que poderão coincidir, preferencialmente, com o sábado e o domingo. DESCONTO DO (DSR): A ocorrência de ausência injustificada acarretará o desconto do descanso semanal remunerado (DSR), obedecendo aos seguintes limites semanais: Jornada Semanal (horas) Descanso Semanal Remunerado (DSR) 40 6 horas e 40 minutos 36 6 horas 30 5 horas 25 4 horas e 10 minutos

15 24 4 horas 22 3 horas e 40 minutos 20 3 horas e 20 minutos 12 2 horas A alteração de jornada de trabalho é a redução ou ampliação da carga horária, que poderá ser efetuada mediante a justificativa pela chefia imediata, com a concordância do servidor e do secretário ou autoridade equivalente, e expressa autorização do Prefeito ou autoridade máxima do órgão, restringindo-se aos ocupantes dos cargos ou empregos de médico, cirurgião dentista e psicólogo. A nova jornada de trabalho se iniciará sempre, no primeiro dia do mês subseqüente, e será precedida de ato formal publicado na imprensa local e/ ou regional. A jornada de trabalho será ininterrupta nas áreas de segurança comunitária, de atendimento hospitalar ou ambulatorial, nas unidades de saúde 24 horas ou de plantão, de atendimento emergencial de serviços de água e esgoto e fiscalização de postura e trânsito. LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES É a licença que poderá ser concedida ao servidor estável para tratar de interesses particulares com duração máxima de até 2 anos consecutivos. QUEM TEM DIREITO: Servidor Estável O servidor deve requerer a licença com 30 dias de antecedência, no mínimo, do início da mesma, anexando a certidão negativa de carga patrimonial, a ser expedida para Divisão de Controle de Patrimônio Público, ou unidade organizacional equivalente. O pedido desta licença pelo servidor não poderá ser efetuado novamente antes de decorridos 3 (três) anos do término da licença anterior. A licença poderá ser interrompida, a qualquer tempo, a pedido do servidor ou por interesse da administração municipal, sendo vedada em qualquer hipótese, o parcelamento. A concessão do afastamento dependerá de pré manifestação do responsável pela unidade organizacional ao qual o servidor se submete, sendo pré-requisito a conclusão fundamentada de inexistência de prejuízo institucional perante a pretensão apresentada. O servidor deverá aguardar em atividade a concessão da licença pelo Prefeito ou autoridade máxima do órgão a que estiver subordinado. O servidor que conte com tempo de serviço suficiente para a inativação poderá ser aposentado a pedido, mesmo que se encontre em licença para tratar de interesses particulares. Para sanar dúvidas procure a sua Secretaria ou Órgão Central de Recursos Humanos.

16 LICENÇA PATERNIDADE É a licença remunerada concedida ao servidor, com remuneração, por ocasião do nascimento ou adoção de filho. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público DO PERÍODO DA LICENÇA: O servidor terá licença de 5 (cinco) dias consecutivos a partir da data do nascimento. DA COMPROVAÇÃO O servidor comunicará a chefia previamente e entregará no prazo máximo de 48 horas após o retorno da referida licença, cópia da certidão de nascimento do(s) filho(s) ou do termo de adoção e preencherá o requerimento, que deverá ser encaminhada ao Órgão Central de Recursos Humanos. No caso de adoção de criança acima de 1 (um) ano de idade, até 7 (sete) anos, a licença será de 3 (três) dias consecutivos, a contar da entrega judicial. Para sanar dúvidas procure a sua Secretaria ou Órgão Central de Recursos Humanos. MARCAÇÃO DE PONTO Todo servidor está obrigado à marcação de ponto, preferencialmente por meio de ponto eletrônico e, na inexistência deste instrumento, através da folha de freqüência ou livro de ponto. Somente excetua-se da marcação de ponto os secretários municipais e os responsáveis máximos dos órgãos da Administração indireta. Os servidores cujas atividades sejam executadas fora da sede do Órgão ao qual está subordinado, em condições materiais que os impeçam do registro diários do ponto, preencherão folha de freqüência que comprove a respectiva assiduidade e a efetiva prestação do serviço, devidamente atestado pela respectiva chefia imediata. O Órgão Central de Recursos Humanos poderá solicitar informações complementares à unidade de controle de freqüência e indeferir o pedido se considerar insubsistentes os motivos alegados para não-marcação de ponto, aplicando as sanções cabíveis. O descumprimento implicará na suspensão do pagamento do servidor até que seja regularizada a situação. No cumprimento da jornada diária de trabalho do servidor, observar-se-ão as seguintes regras: O atraso de até 30 minutos no início do expediente de trabalho, desde que compensado ao final da jornada diária de trabalho, não acarretará qualquer desconto no vencimento ou remuneração e não sujeita o servidor a sanções disciplinares, exceto nas atividades de atendimento excluídas desse regime em razão da natureza do serviço. O descumprimento parcial da jornada de trabalho, a partir do 31º minuto até 50º minuto da jornada, será lançado como "falta parcial injustificada", acarretando o desconto das respectivas horas.

17 As faltas parciais injustificadas serão acumuladas e ao atingirem a totalidade da jornada média diária acarretarão no desconto do descanso semanal (DSR). Nos casos de atraso e saídas durante a jornada de trabalho por motivo de consulta ou tratamento médico do servidor, o período não trabalhado será computado como "falta parcial médica", desde que requerido e deferido o abono. As ausências serão somadas às outras de mesma natureza que se sucederem, até atingirem a totalidade da jornada diária. As alterações de horário de trabalho deverão ser autorizadas pelo superior imediato e mediato e comunicadas ao Órgão Central de Recursos Humanos, com a devida justificativa, preferencialmente antes desta ser efetivada e, na impossibilidade, a comunicação não poderá exceder 3 (três) dias do início da alteração. Poderá ser autorizada a isenção na marcação de ponto no intervalo de descanso da jornada, dada a natureza do serviço, devidamente justificada pela unidade de controle de freqüência e comunicada ao Órgão Central de Recursos Humanos. Os servidores que prestam serviços em regime de plantão, jornada irregular ou não-diária, estão desobrigados da marcação no intervalo de descanso da jornada. O descumprimento das normas referentes à jornada de trabalho sujeitará o servidor e a chefia imediata a processo administrativo disciplinar. NOMEAÇÃO / POSSE O QUE É NOMEAÇÃO: É o ato formal de provimento de cargo público efetivo ou em comissão, devidamente publicado na imprensa local e/ou regional. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público COMO FUNCIONA: A nomeação para os cargos de provimento efetivo dar-se-á, obrigatoriamente, mediante prévia aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos. Os cargos em comissão serão preenchidos a critério da autoridade nomeante, por pessoas de sua livre escolha, observados os requisitos de seu provimento. POSSE: É o ato formal pelo qual a autoridade realiza a investidura em cargo público. Somente será empossado aquele que for julgado apto física e mentalmente para o exercício do cargo, mediante prévia inspeção médica e comprovação dos requisitos exigidos para seu provimento. Como forma de comprovação dos requisitos para o provimento do cargo e para subsidiar a formalização dos atos administrativos necessários para o exercício do cargo, serão exigidos a apresentação dos originais e a entrega de cópias de documentos. Nos casos de nomeação e posse resultantes de cumprimento de ordem judicial, o Órgão Central de Recursos Humanos deverá receber cópias de inteiro teor da decisão proferida para iniciar os procedimentos operacionais para a efetivação das mesmas. O nomeado somente iniciará sua atividades após avaliação médica que deliberará sobre a aptidão física e mental para o exercício do cargo. Caso o candidato seja considerado inapto, por motivo diversos ao objeto da decisão judicial, o Órgão Central de Recursos Humanos encaminhará a justificativa ao Órgão jurídico da Administração Direta ou Indireta para que este informe ao Poder Judiciário as razões da impossibilidade da posse do candidato.

18 PARA SANAR DÚVIDAS: Para sanar duvidas, procure a sua Secretaria ou o Órgão Central de Recursos Humanos. PETIÇÕES E REQUERIMENTOS É assegurado ao servidor o direito de requerer informações relativas a sua vida funcional, representar, solicitar, pedir reconsideração, em defesa de direito ou interesse legítimo. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. COMO FUNCIONA: Toda solicitação do servidor deverá ser por escrito e dirigida à autoridade ou Órgão competente, através do superior imediato. A solicitação que não for feita através do superior imediato não será conhecida pela autoridade demandada, devendo ser remetida ao superior imediato do servidor para ciência, arquivo ou renovação. Somente serão isentos de taxas os requerimentos, solicitações e representações do servidor feitos nos termos do regulamento, exceto para o servidor inativo ou pensionista, que poderá fazê-lo diretamente no protocolo central da Prefeitura, Autarquia ou Fundação Pública, sem o pagamento de taxa. O servidor somente terá isenção de taxa de abertura de processo, devendo pagar pelas cópias e demais despesas processuais. PARA SANAR DÚVIDAS: QUINQUÊNIO É a percepção de um adicional de 5% (cinco por cento) sobre o vencimento a cada 5 (cinco) anos de efetivo exercício, ainda que investido em cargo e/ou função pública, efetivo ou de confiança, até o limite de 7 (sete) qüinqüênios, concedido automaticamente ao servidor. QUEM TEM DIREITO: Servidor Público Estatutário. DO CÁLCULO / TEMPO: O adicional será concedido, previamente, certificado o tempo de serviço até o 1º dia do 2º mês subseqüente ao que o servidor completar qüinqüênio aquisitivo no cargo, retroagindo o pagamento ao dia posterior ao que o servidor o completou. Calculado nas seguintes bases: 5% (cinco por cento) ao completar 5 anos no cargo. 10% (dez por cento) ao completar 10 anos no cargo. 15% (quinze por cento) ao completar 15 anos no cargo. 20% (vinte por cento) ao completar 20 anos no cargo. 25% (vinte e cinco por cento) ao completar 25 anos no cargo. 30% (trinta por cento) ao completar 30 anos no cargo. 35% (trinta e cinco por cento) ao completar 35 anos no cargo. Quando o servidor estiver designado para exercer função gratificada, o adicional de tempo de serviço adquirido para o cargo de origem será mantido e a contagem de tempo para nova aquisição continuará sendo processada normalmente.

19 Na remuneração dos servidores públicos estatutários serão incorporados os adicionais por tempo de serviço. Fica postergada, recomeçando a partir do retorno, a contagem por tempo de serviço ao servidor público estatutário que, no interregno do período aquisitivo, tiver interrupções, desconsideradas para apuração do tempo: a) 5 (cinco) ou mais faltas injustificadas ou 30 (trinta) ou mais ausências não consideradas de efetivo exercício; b) usufruído licença para tratamento de saúde ou por motivo de doença em pessoa da família, conjuntamente, por mais de 90 (noventa) dias, contínuos ou intercalados; c) usufruído afastamento para cursos por período superior a 180 (cento e oitenta) dias, contínuos ou intercalados, e; d) usufruído licença para desempenho de mandato classista por mais de 30 (trinta) dias. Compete ao órgão central de recursos humanos a expedição da certidão de tempo de serviço para fins deste adicional. SGD - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DESEMPENHO É o instrumento de avaliação que tem como objetivo melhorar a qualidade dos serviços, avaliar e aperfeiçoar os procedimentos de trabalho dos servidores públicos municipais. ABRANGÊNCIA: Servidor Público Estável. O SGD está dividido em três etapas: A primeira diz respeito ao estabelecimento de Metas e Competências; A segunda trata do acompanhamento do Plano de Ação de Trabalho; A terceira consiste na Avaliação Desempenho e Auto-Avaliação do servidor. O Órgão Central de Recursos Humanos terá a responsabilidade de treinar, subsidiar e acompanhar este programa. Foi criado o "Comitê da Avaliação", que é composto por representantes de todas as Secretarias e coordenado pelo Órgão Central de Recursos Humanos para: Acompanhar os procedimentos do SGD; Apreciar os recursos interpostos pelos servidores avaliados; Emitir parecer conclusivo acerca das avaliações apreciadas; Apreciar os resultados, ouvir as partes para esclarecimentos. À chefia imediata e mediata cabe: Participar dos treinamentos e capacitação sobre o SGD; Preencher o Plano de Ação de Trabalho; Acompanhar e desempenho do servidor; Comunicar periodicamente ao servidor fatos relevantes de seu desempenho; Emitir parecer técnico sobre o desempenho do servidor; Comunicar ao Órgão Central de Recursos Humanos as mudanças de atribuições do servidor avaliado; Procurar o Órgão Central de Recursos Humanos ou Comitê de Avaliação para dirimir dúvidas surgidas no processo; Assinar o Plano de Ação de Trabalho e o Formulário de Avaliação Periódica de Desempenho. Aos servidores avaliados cabe: Participar dos treinamentos, palestras e conhecer o SGD; Participar do preenchimento do Plano de Ação de Trabalho; Participar à chefia imediata qualquer dificuldade encontrada e ou formalizar sugestões; Comprometer-se e envolver-se com a melhoria do seu desempenho; Ter ciência dos requisitos da Avaliação de Desempenho; Preencher o formulário de Auto-Avaliação de Desempenho; O servidor poderá impetrar recurso contra a avaliação recebida, comparecendo ao Órgão Central de Recursos Humanos para orientação quanto ao preenchimento do documento que será posteriormente encaminhado ao Comitê de Avaliação de Desempenho, juntamente com as respectivas avaliações, onde será julgado. DO CONCEITO: A avaliação de desempenho é a ferramenta para avaliar o potencial das pessoas na organização e melhorar os resultados obtidos por elas em período e áreas específicas: identifica as pessoas que necessitam de aperfeiçoamento;

20 define o grau de contribuição individual ou grupal nos resultados; detecta novos talentos; facilita feedback às pessoas; subsidia programas de méritos e promoções. A primeira fase do sistema consiste no estabelecimento das Metas e Competências para o desempenho do servidor. Foram criados os agrupamentos por cargos e escolaridade e a tabela de competências necessárias ao desempenho do emprego público. Na lista, o servidor pode verificar quais as qualidades, capacidades e habilidades que ele precisa ter ou desenvolver no decorrer do processo: As competências necessárias para o desempenho das funções visam a melhoria constante das condições de trabalho, do relacionamento entre os servidores, do planejamento das atividades e, principalmente, do atendimento à população. Competências: Subfatores: Disciplina: - cumprimento das normas, civilidade, postura e apresentação pessoal; Responsabilidade: - cuidado com materiais e equipamentos, zelo com informações e comprometimento com tarefas e prazos e imparcialidade. Gestão: - senso de prioridade, tomada de decisão e liderança. Potencial: - interesse, iniciativa, novos conhecimentos, participação e versatilidade; Relacionamento: - sociabilidade, integração organizacional, cooperação e atendimento ao público externo. Produtividade: - conhecimento do trabalho, qualidade e organização. A tabela acima permite que as chefias imediatas e o servidor possam elaborar, em conjunto, o Plano de Avaliação de Trabalho. É neste momento que serão identificadas as condições de trabalho para o desempenho das funções, entre elas, a quantidade dos equipamentos, o treinamento específico para a área de atuação e o prazo para execução das tarefas propostas. Os instrumentos formalizadores do SGD são: Agrupamentos de cargos; Tabela de competências básicas; Plano de Ação de Trabalho; Registro de Acompanhamento do Desempenho e Alteração de Metas; Formulário de Avaliação de Desempenho; Auto-Avaliação do servidor. PARA SANAR DÚVIDAS. Para sanar dúvidas, procure a sua secretaria ou o Órgão Central de Recursos Humanos. VALE FARMÁCIA É um benefício concedido ao servidor para utilização na aquisição de medicamentos em estabelecimentos comerciais credenciados pela Prefeitura do Município de Mauá. FARMÁCIAS ENDEREÇOS 1. Farmácia e Drogaria Harmonia Ltda. Av. Barão de Mauá nº Centro - Mauá - tel.: Drogaria Vivaldo Ltda. Av. Barão de Mauá nº Centro - Mauá - tel.: Drogaria Nivaldo Av. Barão de Mauá nº Centro - Mauá - tel.: Drogaria Nova Barão de Mauá Ltda. Av. Barão de Mauá nº Centro - Mauá - tel.: Drogaria Edson R. Alonso Vasconcelos Pacheco nº Mauá - tel.: Drogaria Pilar Ltda. Av. Barão de Mauá nº Centro - Mauá - tel.: Drogaria Imperial Av. Barão de Mauá nº Jd. Mauá - tel.: Drogaria Barão Av. Barão de Mauá nº 17 - Centro - Mauá - tel.: Farmácia Alquifarma de Manipulação Rua Campos Sales nº 120 Centro Mauá tel: QUEM TEM DIREITO: Servidor Público. PARA ADQUIRIR O BENEFÍCIO: O servidor solicita a concessão do vale farmácia na própria secretaria; O Órgão Central de Recursos Humanos delibera sobre a concessão do benefício, autorizando até 10% da remuneração líquida recebida no mês anterior; O servidor recebe o vale farmácia em seu local de trabalho;

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006.

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. Regulamenta a jornada de trabalho, o controle de freqüência, serviços extraordinários dos servidores do Ministério Público da União e dá outras providências.

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público:

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público: SERVIDOR PÚBLICO São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que têm vínculo de trabalho com a Administração Municipal, seja direta ou indireta, mediante remuneração paga pelos cofres

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a jornada de trabalho, o registro e o controle da frequência dos servidores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 Índice Como tramita o processo...6 e 7 Abono Pecuniário... 8 Abono de Permanência... 8 Aposentadoria... 9 Auxílio Funeral...10 Auxílio Natalidade...11 Averbação

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr LEI Nº. 1054/2013 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO PUBLICADO EM PLACAR Em 16_/_04_/_07 MARIA NEIDE FREIRE DA SILVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 52, DE 16 DE ABRIL DE 2007. Regulamenta o art. 39 da Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011.

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. Regulamenta o art. 54 da Lei Complementar nº 392, de 17/12/2008, Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Uberaba e dá outras providências.

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o sistema de registro eletrônico de ponto e o controle de frequência dos servidores

Leia mais

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS Na página 115, onde se lê: 31. Pelo menos cinquenta por cento dos cargos em

Leia mais

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerencia de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Estabelece critérios e procedimentos

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA)

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) Resolução-CSDP nº 062, de 10 de setembro de 2010 Dispõe sobre a concessão de férias aos Defensores Públicos do Estado do Tocantins e dá outras providências. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

Serviço de Administração de Pessoal. Seape

Serviço de Administração de Pessoal. Seape Serviço de Administração de Pessoal Seape Considerações da Lei 8.112/1990 e Outras Orientações aos Candidatos Classificados Carlos Viana Chefe do Serviço de Administração de Pessoal PROVIMENTO Requisitos

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2014 Dispõe sobre a instituição do Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Efetivos do Município de Imperatriz, e dá outras providências. SEBASTIÃO TORRES MADEIRA, PREFEITO

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º PROVIMENTO ART. 8º Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º Significa o preenchimento de um cargo público, consubstanciado mediante ato administrativo de caráter funcional, pois o ato é que materializa ou formaliza

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF AGOSTO de 2014 Direção: Marlette Rose Galvão Alves Organograma elaborado com base na Portaria nº 45.242,de 21/07/2011-BS nº 117/2011 Departamento de

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 Institui o Estatuto dos Servidores Públicos do Quadro Geral de Pessoal do Município de Belo Horizonte vinculados à administração direta, (VETADO)

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a criação de estágio para estudantes de pós-graduação, denominado PGE Residência, no âmbito da Procuradoria-Geral do

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PAROBÉ EDITAL Nº 023/2013 SELEÇÃO PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA MÉDICO VETERINÁRIO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PAROBÉ EDITAL Nº 023/2013 SELEÇÃO PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA MÉDICO VETERINÁRIO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PAROBÉ EDITAL Nº 023/2013 SELEÇÃO PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA MÉDICO VETERINÁRIO O PREFEITO MUNICIPAL DE PAROBÉ no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA MANUAL DE INTEGRAÇÃO ENDEREÇO Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Rua Guarani, 735 - Bairro Conceição Cidade Diadema - SP CEP:09991-060 Telefone:4044-6431 Fax: 4056-1302 Site: EQUIPE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41)

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41) SERVIÇO DE PESSOAL Lista dos benefícios / direitos / deveres dos servidores Legislação trabalhista: ESU http://www.usp.br/drh/novo/esu/esuorig1.html CLT http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 2.912/11 DE 6 DE MAIO DE 2011.

LEI ORDINÁRIA Nº 2.912/11 DE 6 DE MAIO DE 2011. LEI ORDINÁRIA Nº 2.912/11 DE 6 DE MAIO DE 2011. Institui o Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de Gramado e dá outras providências TÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1.º

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS Palestra Tema: Formalização de Processo Administrativo na Gestão de Pessoas Aposentadoria é a contraprestação assistencial por serviços prestados, nos termos da

Leia mais

1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez.

1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez. 1. Finalidade Estabelecer critérios e procedimentos para a efetivação das Aposentadorias Compulsória, Voluntária e por Invalidez. 2. Base Legal e Normativa 2.1. Art. 40, 1º, inciso II, da Constituição

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDITAL DE ABERTURA Nº. 118/2012 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA E EMERGENCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDITAL DE ABERTURA Nº. 118/2012 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA E EMERGENCIAL EDITAL DE ABERTURA Nº. 118/2012 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA E EMERGENCIAL CÁSSIO LUIZ FREITAS MOTA, Prefeito Municipal de Canguçu, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais