ANALISANDO OS PERSONAGENS E O CENÁRIO EM NARRATIVAS PRODUZIDAS POR ALUNOS DA 7ª SÉRIE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALISANDO OS PERSONAGENS E O CENÁRIO EM NARRATIVAS PRODUZIDAS POR ALUNOS DA 7ª SÉRIE"

Transcrição

1 ANALISANDO OS PERSONAGENS E O CENÁRIO EM NARRATIVAS PRODUZIDAS POR ALUNOS DA 7ª SÉRIE 1 Jéssica Reinert dos Santos (FURB) Este artigo faz parte do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência), subprojeto de Letras da Universidade Regional de Blumenau, e tem como objetivo analisar a construção de personagens e cenários que são apresentados nas narrativas produzidas pelos alunos da 7ª série de uma escola situada no município de Brusque, no estado de Santa Catarina. Para que a coleta de dados fosse efetuada, os alunos receberam um comando com cinco cenas sequenciais mudas e, a partir dessa proposta, deveriam criar uma narrativa, dando sucessão aos fatos. Após a recolha dos dados, as narrativas foram analisadas e constatou-se que os alunos não exploraram as várias possibilidades de criação de personagem. Na maioria das narrativas, não havia descrição de características físicas ou psicológicas dos personagens e, em alguns casos, não possuíam nome. Quanto à criação de cenários, muitas vezes esse recurso não foi utilizado na narrativa, tornando difícil a compreensão do ambiente no qual a narrativa se passava. Pode-se concluir que há uma lacuna no processo de aprendizagem dos elementos essenciais que uma narrativa deve apresentar. Os alunos ainda não compreenderam o papel desses elementos para que a narrativa possa ter sentido, sendo necessário detalhar características dos personagens e cenários para que o leitor possa entender aquilo que se quer narrar e descrever. Com base em tudo o que foi relatado, o projeto terá continuidade a partir da introdução do gênero Diário, onde será trabalhado com conectores, anafóricos e entrevistas que se transformarão em conto, que farão parte de um livro que será organizado e ilustrado pela turma. Palavras-chave: Personagem, Cenário, Análise, Narrativas. INTRODUÇÃO O do subprojeto de Letras do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) tem por objetivo preparar o graduando para analisar e diagnosticar dificuldades que são apresentadas pelos alunos na produção textual. As escolas participantes foram escolhidas através das baixas notas do último IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), sendo, neste caso, a Escola de Ensino Fundamental Municipal Lions Clube Companheiro Oscar Maluche, que obteve a nota 3,4. O projeto está sendo desenvolvidos com as turmas de 6ª, 7ª e 8ª séries e 6º ano do Ensino Fundamental, totalizando 173 alunos participantes. 1 Acadêmica do curso de Letras da Furb. Endereço eletrônico:

2 Para um melhor preparo dos graduandos participantes do projeto, foram realizados encontros mensais com os coordenadores e professores envolvidos para discussão de leituras, filmes e trabalhos relacionados à teoria de Stein e Glenn, sendo uma das mais utilizadas pelo grupo. A coleta dos dados foi realizada através de uma proposta de produção de narrativa, onde fora entregue aos alunos uma sequência de cinco imagens, as quais os estudantes poderiam criar suas narrativas. Após a recolha dos textos, estes foram digitados de maneira fiel à escrita dos alunos, conservando erros de ortografia para possíveis análises. Foram coletadas vinte e cinco narrativas desenvolvidas pelos alunos da 7ª série do período matutino, porém, neste artigo, serão analisadas apenas cinco produções, levando em consideração a construção das personagens e cenários. 1 A PERSONAGEM 2 A personagem é um ser fictício que é responsável pelo desempenho do enredo; em outras palavras, é quem faz a ação (GANCHO, 1991, p. 14). Elas podem ser um animal, pessoa, irreal e inanimado ou ainda um objeto. Esses seres são criados pelo narrador e pertencem a uma realidade ficcional. Segundo Junior (1995) a personagem é um ser de papel, construído através de palavras e recebe um sistema de predicação, podendo ocorrer de maneira direta ou indireta, de acordo com seu modo de pensar e agir. Dependendo do papel que desempenha na narrativa, a personagem pode ser classificada como protagonista, antagonista e secundários. A personagem protagonista é aquela cujas ações ocorrem em seu redor. Ela pode ser herói, tendo características superiores às de seu grupo (GANCHO, 1991, p. 14) ou anti-herói, possuindo características iguais ou inferiores às de seu grupo, mas que por algum motivo está na posição de herói (...)" (GANCHO, 1991, p. 14). Quando a personagem é antagonista, além de colocar obstáculos à concretização dos desejos e objetivos da protagonista, esta personagem ainda disputa o mesmo objeto pretendido pela personagem protagonista (JUNIOR, 1995, p. 45). Se a antagonista possui muitos atributos negativos, pode ser atribuído o nome de vilã da narrativa. Já a personagem secundária desempenha um papel pouco importante na narrativa, podem desempenhar papel 2 É possível utilizar a palavra personagem precedida tanto do artigo o quanto a.

3 de ajudantes do protagonista ou do antagonista, de confidentes, enfim, de figurantes. (GANCHO, 1991, p. 16). As personagens são classificadas dependendo da maneira como suas características e traços vão sendo apresentadas durante a narrativa e se dividem em planas ou redondas. Segundo Gancho (1991), as personagens planas são aquelas cujas características são identificadas facilmente pelo leitor, contendo um número pequeno de características. Esse tipo de personagem plana é dividido ainda em dois segmentos: as tipos, sendo aquelas que contêm apenas seus traços mais marcantes, tanto os físicos como os psicológicos. (...) Somente os traços mais significativos interessam (RAMAZINI, 1991, p. 98), contendo predicativos típicos e invariáveis; e as caricaturas, sendo o personagem reconhecido por características fixas e ridículas. Geralmente é um personagem presente em histórias de humor. (GANCHO, 1991, p. 17). O narrador também pode ser um personagem da narrativa, o que irá determinar o foco narrativo do texto, ou seja, o ângulo de visão através do qual o autor vai contar a história (CAMPEDELLI, p. 357), podendo ser como personagem, protagonista, testemunha, onisciente, intruso e ainda observador. O narrador personagem narra à história em 1ª pessoa e pode interagir com os outros personagens, mas nada sabe sobre o que se passa com eles, a não ser aquilo que é capaz de observar diretamente (SARMENTO, p. 383). Já o narrador protagonista, é quando este é o personagem principal. O narrador se torna testemunha quando narra a história do personagem principal em 1ª pessoa, também conforme aquilo que vê (SARMENTO, p. 383). Quando o narrador omite opinião, pode até conversar com o leitor, mostrando que sabe o que está acontecendo, o que vai acontecer e mesmo o que os personagens pensam (CAMPEDELLI, p. 358), ele se torna o narrador onisciente, pois tem uma visão mais ampla do que está sendo narrado. Além do narrador onisciente, há o narrador intruso, que além de tudo narrar (e conhecer) em 3ª pessoa, fala (e tece comentários sobre personagens) com o leitor. (SARMENTO, p. 383). Por último, mas não menos importante, existe o narrador observador, cujo texto é narrado também em 3ª pessoa, porém ele apenas narra o que vê e descreve as ações feitas

4 pelos personagens, não sabendo o que se passa nos pensamentos dos outros envolvidos na trama. 2 - O ESPAÇO E O AMBIENTE O espaço é o local onde ocorrem os conflitos vividos pelos personagens, suas derrotas, vitórias e medos, tendo como principais funções situar as ações dos personagens e estabelecer com eles uma interação, quer influenciando suas atitudes, pensamentos ou emoções, quer sofrendo eventuais transformações provocadas pelos personagens. (GANCHO, 1991, p. 22). Da mesma maneira que ocorre com os personagens, o espaço pode ser definido diretamente na narrativa, ou suas características podem vir no decorrer do texto. Segundo Gancho (1991), o espaço designa apenas o lugar físico onde ocorre a história. O ambiente pode refletir a atmosfera psicológica vivida pela personagem (JUNIOR, 1995, p. 48). Segundo Gancho (1991) o ambiente tem como função: situar o personagem no tempo, espaço e grupo social; projetar os conflitos enfrentados pela personagem; entrar em conflito com o personagem e constituir pistas para o desfecho da história. A autora ainda cita que para caracterizar o ambiente, alguns fatores precisam ser levados em consideração, como a época em que se passa a narrativa, características físicas, aspectos socioeconômicos, psicológicos, morais e religiosos. 3 ANALISANDO AS NARRATIVAS 3 Observando as narrativas produzidas pelos alunos, nota-se que na maioria das histórias foi designado um nome para a personagem protagonista, como João, Pedrinho, José, Júnior ou até mesmo menino. Em duas das cinco narrativas analisadas, o personagem é plano e tipo, aparecendo suas características logo no início da narrativa e podem ser facilmente identificadas, como nos segmentos a seguir: 3 As narrativas encontram-se em sua maneira original, não sendo corrigidos possíveis erros de ortografia ou demais.

5 João era um garoto que gostava muito da natureza, sempre que passava por árvores e paisagens bonitas ficava sempre admirando (...) Era uma vez um menino que se importava bastante com o meio ambiente, o nome dele era Pedrinho.(...) Nas demais narrativas, os alunos não deram características para as personagens, passando diretamente para a situação-problema que a figura mostrava: Junior sempre estava cansado logo após brincar, mas ele nunca tinha lugar para descansar. Então um dia Junior resolveu plantar uma árvore em seu jardim. Num belo dia, um menino chamado José plantou duas árvores, e ele foi regando cuidando das duas árvores, e foram-se passando os anos e cada vez elas iam crescendo mais. Era uma vez um menino que queria ter uma rede para dormir mas ele não tinha como montar dois ganchos e ai ele descidio plantar duas árvores As narrativas foram escritas com o narrador em 3ª pessoa, apenas duas histórias utilizaram personagens secundários e nenhuma apresentou uma personagem como vilã. Nas histórias analisadas, não há descrição do espaço em que a narrativa acontece e não aparecem relatos de ambientes. João e a Árvore João era um garoto que gostava muito da natureza, sempre que passava por árvores e paisagens bonitas ficava sempre admirando, então um dia ele chegou em casa e pediu para seus pais que comprassem uma árvore para ele plantar, os pais disseram que ele só poderia ter a arvore se ele cuidasse dela direito, regasse etc... Então o garoto promoteu cuidar, e os pais deram, ele ficou feliz e foi plantar, todo dia ele cuidava. Passou alguns anos e a árvore, cresceu, então o garoto não sai de lá até dormir ele dormia lá. (B. E. P. 13 anos) Narrador em 3ª pessoa: Então o garoto promoteu cuidar, e os pais deram, ele ficou feliz e foi plantar, todo dia ele cuidava. Personagem secundário: os pais

6 Espaço: árvores e paisagens bonitas / Não apresenta descrição do local onde foram plantadas as árvores. Descanso natural Junior sempre estava cansado logo após brincar, mas ele nunca tinha lugar para descansar. Então um dia Junior resolveu plantar uma árvore em seu jardim. Outro dia, ele foi e plantou mais uma árvore. Com o passar do tempo, Junior sempre regava suas árvores, e então, um dia elas cresceram e ficaram bem grandes e bonitas. Junior então, como não tinha um lugar legal para descansar, amarrou uma rede entre as árvores, e é lá que ele sempre descansa, até hoje. (. L. P. 13 anos) Narrador em 3ª pessoa: Com o passar do tempo, Junior sempre regava suas árvores, e então, um dia elas cresceram e ficaram bem grandes e bonitas. Personagem secundário: Não existente Espaço: jardim As árvores Num belo dia, um menino chamado José plantou duas árvores, e ele foi regando cuidando das duas árvores, e foram-se passando os anos e cada vez elas iam crescendo mais. Quando elas estavam grandes ele descidiu colocar uma rede, ele colocou a rede e foi descançar. (A. F. 13 anos) Narrador em 3ª pessoa: Num belo dia, um menino chamado José plantou duas árvores, e ele foi regando cuidando das duas árvores, e foram-se passando os anos e cada vez elas iam crescendo mais. Personagem secundário: Não existente Espaço: Não há relatos do local onde as árvores foram plantadas

7 O dia mas feliz Era uma vez um menino que se importava bastante com o meio ambiente, o nome dele era Pedrinho. Um dia Pedrinho foi ao parque e levou duas mudas de uma árvore muito bonita e plantou elas, cada dia que passava Pedrinho ia ver como ela estava, ele regava e cuidava dessa arvore que nem um animal de estimação. Os dias se passaram e a árvore crecia mais e mais, então ele decidio em levar a rede que seu vô tinha para tirar uma soneca bem nas árvores que ele plantou. Esse foi o dia mais feliz da vida de Pedinho. Fim (A. C. S. 13 anos) Narrador em 3ª pessoa: Os dias se passaram e a árvore crecia mais e mais, então ele decidio em levar a rede que seu vô tinha para tirar uma soneca bem nas árvores que ele plantou. Personagem secundário: Não existente Espaço: o parque O menino e sua árvore Era uma vez um menino que queria ter uma rede para dormir mas ele não tinha como montar dois ganchos e ai ele descidio plantar duas árvores e de re criou duas arvores que ele, regava quase teodos os dias, e ele deixou um tempo de ir lá e quando ele foi as duas árvores ja estavam Bem grandes e ai ele montou uma rede de dormir. (G. P. 12 anos) Narrador em 3ª pessoa: Era uma vez um menino que queria ter uma rede para dormir mas ele não tinha como montar dois ganchos Personagem secundário: Não existente Espaço: Não há relatos do local onde as árvores foram plantadas 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS No início deste artigo, foram apresentadas as classificações e o processo de criação de um personagem, bem como do espaço pelo qual se passará a narrativa. Com base nos trechos e

8 narrativas expostas, o que se percebe é que os alunos não possuem, com clareza, o domínio de produzir um texto, de forma que sejam criados personagens, os espaços e outros elementos que são necessários para a escrita de uma narrativa. Estes mostram possuir uma base muito superficial sobre personagens e cenários, não conseguindo explorar todas as possibilidades de criação. Além disso, os alunos ainda não compreenderam a importância desses dois elementos para um melhor entendimento daquilo que se quer dizer e contar através de uma narrativa. Atualmente, um problema observado é que os alunos têm trocado o hábito da leitura e escrita fora da sala de aula por outras mídias como a internet, televisão, jogos e entre outros. Devido a isso, caberia à escola despertar novamente o interesse dos alunos por esse tipo de atividade, desenvolvendo novas didáticas e materiais pedagógicos que despertem nos alunos a mesma atenção e interesse que as demais atividades por eles apreciadas. REFERÊNCIAS CAMPEDELLI, Samira Yousseff. Português Literatura, Produção de Textos e Gramática. 3. ed. São Paulo: Saraiva, GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, JUNIOR, Benjamin Abdala. Introdução à análise da narrativa. São Paulo: Scipione, RAMANZINI, Haroldo. Literatura, gramática e criatividade: volume II. São Paulo: Editora do Brasil, SARMENTO, Leila Lauar. Português Literatura, Gramática, Produção de Textos. 1. ed São Paulo: Moderna, 2010.

9

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO Aulas 21 à 24 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

ERA UMA VEZ...E FORAM FELIZES PARA SEMPRE: ANÁLISE DE ESQUEMAS NARRATIVOS DOS ALUNOS DO 6º ANO Mariana Aparecida Vicentini (FURB)

ERA UMA VEZ...E FORAM FELIZES PARA SEMPRE: ANÁLISE DE ESQUEMAS NARRATIVOS DOS ALUNOS DO 6º ANO Mariana Aparecida Vicentini (FURB) ERA UMA VEZ...E FORAM FELIZES PARA SEMPRE: ANÁLISE DE ESQUEMAS NARRATIVOS DOS ALUNOS DO 6º ANO Mariana Aparecida Vicentini (FURB) A presente pesquisa foi desenvolvida como atividade componente do PIBID

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros

A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros A contribuição do PIBID na melhoria do ensino de Geografia Verônica Amparo Medeiros Discente do Curso de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, campus

Leia mais

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto Narrativo P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto narrativo É um relato de um acontecimento ou uma série de acontecimentos, reais ou imaginários; Exemplos de textos narrativos: conto, novela, romance,

Leia mais

Projeto Quero Ler Fundamental 2. Coleguium/2017

Projeto Quero Ler Fundamental 2. Coleguium/2017 Projeto Quero Ler Fundamental 2 Coleguium/2017 O que é o PQL? É a construção de um conto a partir da leitura feita pelo aluno de um livro escolhido por ele e supervisionado pela professora da turma. Instruções

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

ANÁLISE DOS ELEMENTOS DA NARRATIVA DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

ANÁLISE DOS ELEMENTOS DA NARRATIVA DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL ANÁLISE DOS ELEMENTOS DA NARRATIVA DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Odete Ignaczuk (FURB) (oigletras@gmail.com) Este trabalho apresenta uma análise inicial de dados dos elementos da narrativa de textos

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO Proporciona no aluno a habilidade de conhecer os diversos tipos de contos, e desenvolver no aluno

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A1 Prova A (13A1AE) 60 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

Patricia de Jesus Araujo. Relatório

Patricia de Jesus Araujo. Relatório Patricia de Jesus Araujo Relatório Outubro de 2012 Reuniões do Grupo PIBID dias 02, 03, 04, 09, 16, 22, 30. O QUE Nas datas acima, foram realizadas reuniões com o grupo PIBID Pedagogia Educação Ambiental.

Leia mais

O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA

O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA O OLHAR DO PROFESSOR DA EJA: METODOLOGIA COM CARÁTER INVESTIGATIVO EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO Renata Nery Ribeiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia natinhanery@hotmail.com Baraquizio Braga do

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN

Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN Primeiro Passo: Desenvolver uma Idéia. Todo roteiro - assim como toda obra literária e toda obra de arte - começa sempre a partir de uma Idéia. Idéias valem ouro! A criatividade

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

O Gigante Egoísta e O Príncipe Feliz. Oscar Wilde. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho

O Gigante Egoísta e O Príncipe Feliz. Oscar Wilde. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho O Gigante Egoísta e O Príncipe Feliz Oscar Wilde Fichas de leitura Criação intelectual: Fátima Patronilho 45 O Gigante Egoísta Ficha de leitura 1. Quem é a personagem principal da história? I 2. Em que

Leia mais

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas.

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas. Nome: Ano: 6 ANO Disciplina: P. textos Nº: Data: Professor: Valdeci Lopes 1. Organizar registros do caderno ( trazer o caderno para visto) Dica: como referencia para a proposta 1 - procure um amigo da

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP)

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) ALMEIDA, Cristine Nachari Moura 1 - UEPB Subprojeto: Química Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar, detalhar e discutir o projeto

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

PROJETO DE OFICINA PEDAGÓGICA

PROJETO DE OFICINA PEDAGÓGICA PROJETO DE OFICINA PEDAGÓGICA Dhiogo Jose Caetano Graduando da UEG-UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. 1. APRESENTAÇÃO Podemos notar a dificuldade que encontramos na educação atualmente, seja pelo desrespeito

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 O CAT nº 15 vale dez pontos e deverá ser entregue à professora de Redação no dia 08 de setembro

Leia mais

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir.

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 1. Fez o anúncio... todos ansiavam. 2. Avise-me... consistirá o concurso. 3. Existe um decreto...

Leia mais

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA Paulo Célio Soares 1 Luciano Alves Pereira, Flaviane Rezende De Almeida, Daniele Ouverney Francisco 2 Resumo Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO UNIDADE 1 EU E OS OUTROS *Perceber a diversidade étnica física e de gênero no seu meio de convivência. *Reconhecer mudanças e permanências nas vivências humanas, presentes na sua realidade e em outras

Leia mais

TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES

TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES ISSN 2316-7785 TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES Aline Sant Anna 1 licaolive@hotmail.com Filomena Teruko Tamashiro Arakaki 1 filoteko@hotmail.com Grasiella

Leia mais

O USO DE CONECTORES EM NARRATIVAS: UMA ANÁLISE DAS PRODUÇÕES DOS ALUNOS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

O USO DE CONECTORES EM NARRATIVAS: UMA ANÁLISE DAS PRODUÇÕES DOS ALUNOS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL O USO DE CONECTORES EM NARRATIVAS: UMA ANÁLISE DAS PRODUÇÕES DOS ALUNOS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Cinara da Silveira Machado RESUMO Partindo do princípio que o uso de conectores na produção

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA EJA 4ª PROF. JOSÉ FRANCISCO PROF.ª RISONILDE ARAÚJO

LÍNGUA PORTUGUESA EJA 4ª PROF. JOSÉ FRANCISCO PROF.ª RISONILDE ARAÚJO LÍNGUA PORTUGUESA EJA 4ª PROF. JOSÉ FRANCISCO PROF.ª RISONILDE ARAÚJO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: corpo, movimento, linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6.1

Leia mais

JOGO: DESEMBARALHANDO OS ALIMENTOS.

JOGO: DESEMBARALHANDO OS ALIMENTOS. Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia Autores: Bruna Ranêly 1 ; Josielma Priscila 2 ; Ivaneide

Leia mais

OBJETIVOS DESENVOLVIMENTO

OBJETIVOS DESENVOLVIMENTO Entidade Mantenedora: SEAMB Sociedade Espírita Albertino Marques Barreto CNPJ:16.242.620/ 0001-77 Educação Infantil: Jardim I II Unidade Sequência nº 01 Período: 19 a 23/05/2014 Tema Transversal Norteador:

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): NOME DO LIVRO: O MUNDINHO DE BOAS ATITUDES AUTOR:INGRID BIESEMEYER BELLINGHAUSEN Competências Perceber a importância do auto respeito. Desenvolver o senso critico.

Leia mais

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física.

1- Prof. Me. Dep. Química/UERN; 2- Alunos de Licenciatura em Química, Matemática e Física. PIBID- O Ensino na Área de Ciências Exatas e Naturais com Alunos 1 ano A e 2 ano D do Ensino Médio no Centro de Educação Integrada Professor Eliseu Viana (CEIPEV) Mossoró/RN. Gama, K. K. S. 2 ; Leite,

Leia mais

NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO

NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO PARCIAL DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL PONTA PORÃ/MS ANO NOME DO ACADÊMICO (A) RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL Trabalho apresentado à

Leia mais

c- Muitas vezes nos deparamos com situações em que nos sentimos tão pequenos e às vezes pensamos que não vamos dar conta de solucioná-las.

c- Muitas vezes nos deparamos com situações em que nos sentimos tão pequenos e às vezes pensamos que não vamos dar conta de solucioná-las. FICHA DA SEMANA 5º ANO A e B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE RESUMO O presente trabalho apresenta os resultados da aplicação da

Leia mais

FICHAS DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA PARA AS AULAS DE MATEMÁTICA

FICHAS DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA PARA AS AULAS DE MATEMÁTICA ISSN 2316-7785 FICHAS DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA PARA AS AULAS DE MATEMÁTICA Resumo expandido Isabel Cristina Thiel 1 UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina isabelthiel@gmail.com Regina

Leia mais

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel.

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Olá, vamos conversar um pouco sobre o texto narrativo, suas artimanhas e algumas dicas para começar seu livro. Não se iluda achando que os grandes escritores

Leia mais

Beatriz A. C. de Castro

Beatriz A. C. de Castro Estação Ciência Centro de Difusão Científica, Tecnológica e Cultural da Pró Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo Beatriz A. C. de Castro beathayde@uol.com.br A realidade

Leia mais

MARIAS [ELAS NÃO VÃO COM AS OUTRAS]!

MARIAS [ELAS NÃO VÃO COM AS OUTRAS]! P R Ê M I O M A R K E T I N G C O N T E M P O R Â N E O O U T U B R O PRÊMIO MARKETING CONTEMPORÂNEO 2 0 1 6 2016 - ABMN 1 SUMÁRIO SÍNTESE INTRODUÇÃO CENÁRIO SOLUÇÕES RESULTADOS PRÊMIO MARKETING CONTEMPORÂNEO

Leia mais

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas.

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas. AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIA: TEORIA E PRÁTICA NO CONTEXTO DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Camilla da Rosa Leandro (Bolsista PUIC) 1 Diva Marília Flemming (Profa. Orientadora) 2 INTRODUÇÃO Na Educação é frequente,

Leia mais

Categorias da narrativa

Categorias da narrativa Categorias da narrativa Ação Conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados, mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história. Ação principal: constituída

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE:

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE: MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO D E C E x D E P A COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO Língua Portuguesa 7º ano E.F. Cel Arthur, Maj Luiz Fernando, Ten Mõnica Hipólito Texto Narrativo 1 SEMANA:1

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA

PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA PROJETO PIBID: RELATANDO EXPERIÊNCIAS EM SALA DE AULA Mayara Carvalho Peixoto 1 (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com Márcia Candeia Rodrigues 2 (UFCG) marciac_rodrigues@hotmail.com Introdução Este relato

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO Simone Marks Santos 1 Alessandro Frederico da Silveira 2 Resumo: O presente artigo apresenta o resultado de uma investigação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Cláudia Martins de Oliveira Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA claudia.moliveira@yahoo.com.br Caroline Lima de Oliveira

Leia mais

Relatório de participação no PIBID

Relatório de participação no PIBID Relatório de participação no PIBID Pedro Henrique Silva São João Del Rei Janeiro 2013 Introdução O PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência), da CAPES, foi iniciado em 2008. É um

Leia mais

Filme: Enquanto a tristeza não vem

Filme: Enquanto a tristeza não vem Filme: Enquanto a tristeza não vem Gênero: Documentário Diretor: Marco Fialho Elenco: Sérgio Ricardo Ano: 2003 Duração: 20 min Cor: Colorido Bitola: vídeo País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=2677

Leia mais

EDITAL Nº 02/ Processo Seletivo de Bolsistas para o PIBID/UNIFRA -

EDITAL Nº 02/ Processo Seletivo de Bolsistas para o PIBID/UNIFRA - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 02/2011 - Processo Seletivo de Bolsistas para o PIBID/UNIFRA - O Centro Universitário Franciscano, por

Leia mais

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DE MÓDULO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS SOUZA, Nathália Melo¹; ATHAYDE, Ana Paula G²; SILVA, Aline M 3.

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DE MÓDULO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS SOUZA, Nathália Melo¹; ATHAYDE, Ana Paula G²; SILVA, Aline M 3. ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DE MÓDULO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS SOUZA, Nathália Melo¹; ATHAYDE, Ana Paula G²; SILVA, Aline M 3. Trabalho de Iniciação à Docência ¹- Acadêmica do Curso de

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID)

Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM BIOLOGIA TEMA: ENSINO INVESTIGATIVO

Leia mais

Concurso de Redação São Francisco de Sales

Concurso de Redação São Francisco de Sales Concurso de Redação São Francisco de Sales 1. Tema O Colégio Salesiano Nossa Senhora da Vitória promove o 1º Concurso Interno de Redação Francisco de Sales com o tema: A nossa preocupação como Meio Ambiente,

Leia mais

PROPOSTA DIDÁTICA. (30 MIN) Primeira parte da oficina, relacionando atividades que levem os alunos a refletir sobre o valor do dinheiro.

PROPOSTA DIDÁTICA. (30 MIN) Primeira parte da oficina, relacionando atividades que levem os alunos a refletir sobre o valor do dinheiro. 1. Dados de Identificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROPOSTA DIDÁTICA 1.1 Nome do bolsista: Gabriel Prates Brener 1.2 Público alvo: 6º e 7º Ano do Ensino Fundamental 1.3 Duração: 120 Minutos 1.4 Conteúdo

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Compre, compre, compre... Você já deve ter percebido a guerra que determinados anúncios ou

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

PIBID Ciências da Natureza/2011. Grupo de Química

PIBID Ciências da Natureza/2011. Grupo de Química PIBID Ciências da Natureza/2011 Grupo de Química TERRÁRIO COMO UNIDADE APRENDENTE Bolsistas: Adelaide Maldonado Cátia Carrazoni Lopes Emersom de Lima Soares Marli Spat Taha Sônia Flores Supervisora Química:

Leia mais

A Aventura do Gaspar. Projeto de Empreendedorismo para o 1º Ciclo do Ensino Básico

A Aventura do Gaspar. Projeto de Empreendedorismo para o 1º Ciclo do Ensino Básico A Aventura do Gaspar Projeto de Empreendedorismo para o 1º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo 2016/2017 6 AOS 10 ANOS A necessidade Os principais pilares da nossa vida são definidos até aos 10 anos de idade

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2016 Semana de 07/11 a 11/11 Língua Portuguesa

GUIA DE ESTUDOS 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2016 Semana de 07/11 a 11/11 Língua Portuguesa GUIA DE ESTUDOS 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2016 Semana de 07/11 a 11/11 Língua Portuguesa Matemática Temas: Leitura, compreensão e Temas: Expressões numéricas com números decimais, expressões numéricas

Leia mais

PRÁTICA INVESTIGATIVA COM AUXÍLIO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NO ENSINO E APRENDIZADO DE POLÍGONOS

PRÁTICA INVESTIGATIVA COM AUXÍLIO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NO ENSINO E APRENDIZADO DE POLÍGONOS PRÁTICA INVESTIGATIVA COM AUXÍLIO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NO ENSINO E APRENDIZADO DE POLÍGONOS Instituição de Ensino Bolsistas ID Supervisor Coordenador Escola Municipal Coronel Durival de Britto e Silva

Leia mais

PROCESSOS ANAFÓRICOS NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

PROCESSOS ANAFÓRICOS NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL PROCESSOS ANAFÓRICOS NAS PRODUÇÕES ESCRITAS DE ALUNOS DA 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Lutiane Schramm Cugik (FURB-Universiade Regional de Blumenau) lutiane.letras@hotmail.com Otilia Lizete de Oliveira

Leia mais

1. O rapaz da história faz realmente uma sopa de pedras? Explique.

1. O rapaz da história faz realmente uma sopa de pedras? Explique. Nome: Data: Unidade 1 Leia o texto a seguir e depois responda às questões de 1 a 9. A sopa de pedras Um rapaz pobre e faminto andava pelo campo em busca de alimento. Teve uma ideia e resolveu colocá-la

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID FORMULÁRIO DE DETALHAMENTO DO SUBPROJETO POR ÁREA DE CONHECIMENTO 1. Nome da Instituição: 2. UF CAMPUS

Leia mais

ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Auta Paulina da Silva Oliveira; Milena Maria de Luna Francisco; Wesley Correia Francelino da Silva. Programa Institucional de Bolsas de iniciação

Leia mais

PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE

PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE PIBID UMA BREVE REFLEXÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DOCENTE Andrieli Petrouski Guardacheski Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein,

Leia mais

HISTÓRIAS DA AJUDARIS 16. Agrupamento de Escolas de Sampaio

HISTÓRIAS DA AJUDARIS 16. Agrupamento de Escolas de Sampaio HISTÓRIAS DA AJUDARIS 16 Agrupamento de Escolas de Sampaio JOÃO FRAQUINHO Era uma vez um menino que estava muito fraquinho, não tinha força para nada nem para se pôr de pé. Estava deitado no chão da rua,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: História Série: 1 Eixo Tecnológico:

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I Maceió, 16 de julho de 2016. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I Senhores pais ou responsáveis Estamos iniciando o terceiro bimestre letivo e gostaríamos de informar-lhes sobre os projetos que serão

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

SUB14 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010

SUB14 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 SUB14 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 Problema 3 Canteiros no Jardim Municipal Um jardineiro foi encarregado de fazer a plantação de 200 canteiros de flores no jardim

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

Pequenos Poetas. 3º Ano

Pequenos Poetas. 3º Ano Pequenos Poetas 3º Ano Escola Escola Básica Municipal Padre Germano Brandt Turma 3º Ano Organização e orientação Professora Fabiani Cervi Colombi Professor Alex Lennon de Souza Bolsista Inajara Antunes

Leia mais

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas

Como se escreve? Expectativas de aprendizagem. Recursos e materiais necessários. Público-alvo: 3º ano. Duração: 4 aulas Como se escreve? nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 10 Antigamente a ortografia era vista apenas como um monte de regras que deviam ser decoradas, mas os estudos atuais

Leia mais

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa:

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Sabendo que o aluno tem pouco contato com a leitura em seu ambiente familiar, apresentando na escola dificuldades de aprendizagem, decorrentes dessa

Leia mais

O PIBID LETRAS PORTUGUÊS NO COLÉGIO ESTADUAL PADRE HONORINO: INSERÇÃO DA LITERATURA POR MEIO DE CONTOS E FÁBULAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

O PIBID LETRAS PORTUGUÊS NO COLÉGIO ESTADUAL PADRE HONORINO: INSERÇÃO DA LITERATURA POR MEIO DE CONTOS E FÁBULAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II O PIBID LETRAS PORTUGUÊS NO COLÉGIO ESTADUAL PADRE HONORINO: INSERÇÃO DA LITERATURA POR MEIO DE CONTOS E FÁBULAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Ana Hemily Procz (UNICENTRO CAPES) Daiane Campagnaro (UNICENTRO

Leia mais

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Caroline Pires Ruas 1 ; Viviane Conceição D. Madeira 2 Introdução Esse trabalho é o resultado de duas aplicações

Leia mais

Escola Secundária de Caldas das Taipas

Escola Secundária de Caldas das Taipas Escola Secundária de Caldas das Taipas Planificação de Português Ano Letivo de 2016/2017 Ensino Profissional 11.º Ano Distribuição por turma (previsão) Módulo 5 Módulo 6 Módulo 7 Módulo 8 11 P 1 15/09

Leia mais

O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ

O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ Daniele de Oliveira Santana, Thiago José Souza Gomes, Adriano Alves de Araujo, Gabryell Malcher

Leia mais

ABORDAGEM HISTÓRICA DA TABELA PERIÓDICA NO 9º ANO: PERCEPÇÔES NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III

ABORDAGEM HISTÓRICA DA TABELA PERIÓDICA NO 9º ANO: PERCEPÇÔES NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III ABORDAGEM HISTÓRICA DA TABELA PERIÓDICA NO 9º ANO: PERCEPÇÔES NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III Modalidade: ( X ) Ensino ( ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( X ) Superior ( ) Pós-graduação Área: (

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E.M. Cléia Carmelo da Silva Professor(es) Apresentador(es): Sandra Mara De Jesus Miquelini Fernandes Realização: Foco do Projeto Utilização dos contos de fada e de brincadeiras

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: Geografia / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 3ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora:

Leia mais

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 Renata Cleiton Piacesi Corrêa 2 ; Vitoria Cardoso Batista 3 INTRODUÇÃO O ensinar e aprender a matemática nas salas de aula da

Leia mais

PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS

PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS ORIENTAÇÃO AOS DOCENTES DAS DISCIPLINAS COM CONTEÚDOS INTEGRADORES PRIMEIROS PERÍODOS DOS CURSOS DO CCS EMENTA: Conceito ampliado de saúde e

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

Legenda: De preto estão as ordens dos exercícios.

Legenda: De preto estão as ordens dos exercícios. ANÁLISE DO ERRO 1ª AVALIAÇÃO PORTUGUÊS VALOR: 9,0 Gênero trabalhado: conto fantástico (além de termos trabalhado o conto A caçada, do livro didático, trabalhamos o texto Travesseiro de penas. Todas as

Leia mais

GEOMETRIA DAS ABELHAS: APLICAÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS UTILIZANDO MATERIAL MANIPULÁVEL

GEOMETRIA DAS ABELHAS: APLICAÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS UTILIZANDO MATERIAL MANIPULÁVEL ISSN 2316-7785 GEOMETRIA DAS ABELHAS: APLICAÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS UTILIZANDO MATERIAL MANIPULÁVEL Luana Pimentel Universidade Federal do Recôncavo da Bahia pimentelluana@ymail.com Emanuele da Silva

Leia mais

Aprendizagem e lazer

Aprendizagem e lazer PROJETO DIA DAS CRIANÇAS Aprendizagem e lazer ESCOLA MUN. ANA LEMES ESCOLA MUN. ABEL LEMES ESCOLA MUN. CATARINA BOLDARIM ESCOLA MUN. CERCADO ESCOLA MUN. PONTE DE PEDRA ESCOLA MUL. PROFESSOR RAIMUNDO CRECHE

Leia mais

7 o ANO. Tema de Redação FTD Ensino Fundamental 2. Poema narrativo. A borboleta

7 o ANO. Tema de Redação FTD Ensino Fundamental 2. Poema narrativo. A borboleta Porfia: luta; persiste. Trazendo uma borboleta, Volta Alfredo para casa. Como é linda! é toda preta, Com listas douradas na asa. Tonta, nas mãos de criança, Batendo as asas, num susto, Quer fugir, porfia,

Leia mais