ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO-"

Transcrição

1 ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO- Secretaria de Recursos Hídricos 1) IDENTIFICAÇÃO Folha 01/15 Processo N o : 1.1) CONTRATANTE: Nome Completo : CPF / CNPJ: ; CPF do Responsável : Nome do Responsável: Endereço: 1.2) CONTRATADO: Nome Completo: CPF / CNPJ: ; Registro no CREA/PE: Endereço: ;FONE : Nome do Responsável Técnico: Profissão: ; Registro no CREA/PE: Número da ART (CREA/PE): ; Data: / / ; FONE : 2) DADOS DO POÇO Nomenclatura Usuário:, Nomenclatura CPRH :, Data de Perfuração: / / Localidade: Coordenadas UTM : N, E ; Datum : Empresa perfuradora: Profundidade total : m ; Nível Estático : m ; Altura do tubo de boca : m Diâmetros de Perfuração: ( a m) ; ( a m); ( a m); Diâmetros Tubos/Completação: ( a m) ; ( a m); ( a m); Revestimentos: Extensão total: m Tipo: PVC comum PVC geomecânico aço Filtros: Extensão total: m Tipo: PVC comum PVC geomec. aço abertura mm Pré-Filtro: Extensão total: m Tipo: ; Granulometria: mm Cimentação: Extensão total: m ; Isolamento sanitário Observações: 3) DADOS DO CONJUNTO EDUTOR Tipo de Bomba: Submersa Injetora Centrífuga Outra: Marca: ; Modelo: ; Potência : CV Tensão: V Características Operacionais (Max. Rendimento): Vazão: m 3 /h, AMT: m.c.a Profundidade do Crivo da Bomba: m ; Profundidade dos Eletrodos : m Coluna Edutora: Tipo : ; Diâmetro : pol. ; Comprimento : m

2 4) TESTES DE BOMBEAMENTO Folha 02/ DADOS BÁSICOS Tipo de Teste: de Produção (Escalonado) de Produção (Sucessivo) de Aqüífero Nome do Aquífero : ; Tipo: Confinado Semi-Confinado ; Livre; Meio Aquífero: Intersticial/Granular Cárstico-Fissural Profundidade do Topo : m ; Profundidade da Base : m Período de Repouso do Poço até início dos Testes de Bombeamento: horas EQUIPAMENTOS UTILIZADOS: - Controle da Vazão: Eletrônico/Eletromagnético Turbina Sônico Escoador de orifício circular : Outro: - Controle dos Rebaixamentos: Eletrônico Elétrico- sonoro / luminoso / amperímetro - Controle do Tempo: Relógio Cronômetro : analógico digital - Tubo Guia para Medidor Elétrico do Nível D agua : (diâmetro: ; comprimento: m) DADOS DO PRÉ-TESTE: - Data: / / - Tempo de bombeamento: horas - Nível Estático : m - Nível Dinâmico: m - Vazão : m 3 /h ; (m 3 /seg); - Tempo de recuperação : horas VAZÕES DEFINIDAS E BOMBEADAS : a) - TESTE DE PRODUÇÃO (escalonado ou sucessivo) Aquífero Intersticial/Granular - Medidor de Orifício Circular - Vazões Crescentes Etapas I II III IV Vazão Diâmetro Da Placa de Orifício (pol.) b) - TESTE DE AQUÍFERO Aquífero Intersticial/Granular - Vazão : ; m 3 /seg) Diâmetro do Tubo de Descarga (pol.) Altura Manométrica c) - TESTE DE PRODUÇÃO Aquífero Cárstico Fissural - Vazão : ; (m 3 /seg)

3 REBAIXAMENTOS - 4) TESTES DE BOMBEAMENTO Folha 03/ GRÁFICOS TESTE DE PRODUÇÃO (escalonado ou sucessivo) Aquífero Intersticial/Granular Escalonado Sucessivo -Duração : cada etapa TIPO ESCALONADO REBAIXAMENTOS ESPECÍFICOS OBTIDOS TABELA 6.2 GRÁFICO 01 Etapas I II III IV Vazões (m 3 /seg) Rebaixamentos Medidos- Rebaixamentos Específicos /Q (m/m 3 /seg) TIPO SUCESSIVO REBAIXAMENTOS ESPECÍFICOS CORRIGIDOS - TABELA 6.3 GRÁFICO 01: Etapas Vazões (m 3 /seg) Rebaixamentos Medidos- Rebaixamentos Corrigidos- c Rebaixamentos Específicos Corrigidos c/q (m/m 3 /seg) I II III IV Gráfico 01 : Rebaixamentos x Tempos (04 Etapas de Bombeamento) /Q Tempos - t (min)

4 4) TESTES DE BOMBEAMENTO Folha 04/ GRÁFICOS (continuação) Gráfico 02: Rebaixamentos Específicos x Vazões 1050, , , ,000 s/q ou sc/q (m/m 3 /seg) 850, , , , , ,000 0,00E+00 5,00E-03 1,00E-02 1,50E-02 2,00E-02 2,50E-02 3,00E-02 Vazões Q (m 3 /seg) TESTE DE AQUÍFERO (Aqüífero Intersticial/Granular): Gráfico 03:Rebaixamentos x Tempos (Bombeamento Contínuo mínimo de 24 horas = 1440 min) Poço Bombeado; Vazão Constante : (m 3 /seg) ; 0,000 1,000 2,000 3,000 4,000 s 5,000 6,000 7,000 8,000 9,000 10,000 1 ano anos Tempos t (min)

5 Rebaixamentos Medidos 4) TESTE DE BOMBEAMENTO Folha 05/ GRÁFICOS (continuação) Gráfico 04:Rebaixamentos xtempos (Bombeamento Contínuo mínimo de 24 horas = 1440 min) Piezômetro; Nomenclatura ; Vazão : ; (m 3 /seg) ; Distância : Poço Piezômetro : m , Tempos t (min) TESTE DE PRODUÇÃO Aquífero Cárstico Fissural Gráfico 05:Rebaixamentos x Tempos (Bombeamento Contínuo mínimo de 24 horas = 1440 min) Vazão Constante : ; (m 3 /seg) Q/ (m 3 /seg/m) ano Tempos - t (min)

6 5) INTERPRETAÇÕES E DETERMINAÇÕES Folha 06/ TESTE DE PRODUÇÃO Aquífero Intersticial/Granular EQUAÇÃO CARACTERÍSTICA DO POÇO ( t = 01 hora de bombeamento) GRÁFICO 02 - Coeficiente B = m/m 3 /seg ; (valor correspondente a interseção da reta com o eixo dos rebaixamentos específicos) ( /Q) y - ( /Q) y-1 - Coeficiente C = = seg 2 /m 5 ; Q x Q x-1 n = 2 (Método simplificado) = B.Q + C.Q 2 equação EQUAÇÃO CARACTERÍSTICA DO POÇO ( t = 01 ano de bombeamento) (01 ano) = m ; (Gráfico 03) Q = vazão do Teste de Aquífero = m 3 /seg ; (Tabela 6.4) Coeficiente C = seg 2 /m 5 C.Q 2 = m (01 ano) - C.Q 2 Coeficiente B (01 ano) = = = m/m 3 /seg Q (01 ano) = B (1ano). Q + C. Q 2 equação EQUAÇÃO CARACTERÍSTICA DO POÇO ( t = 05 anos de bombeamento) (05 anos) = m ; (Gráfico 03) Q = vazão do Teste de Aquífero = m 3 /seg ; (Tabela 6.4) Coeficiente C = seg 2 /m 5 C.Q 2 = m (05 anos) - C.Q 2 Coeficiente B (05 anos) = = = m/m 3 /seg Q (05 anos) = B (5 anos). Q + C. Q 2 equação 03

7 5) INTERPRETAÇÕES E DETERMINAÇÕES Folha 07/ TESTE DE AQUÍFERO Aquífero Intersticial/Granular PARÂMETROS HIDRODINÂMICOS DETERMINADOS Dados do Poço Bombeado ; GRÁFICO 03 ; Método de Interpretação : - Espessura do Aquífero (b) = m ; - Transmissividade (T) = m 2 /seg ; - Condutividade Hidráulica (k) = (T/b) = m/seg ; PARÂMETROS HIDRODINÂMICOS DETERMINADOS Dados de Piezômetro ; GRÁFICO 04 ; Método de Interpretação : - Espessura do Aquífero (b) = m ; - Distância Poço Bombeado Piezômetro (D) : m ; - Transmissividade (T) = m 2 /seg ; - Condutividade Hidráulica (k) = (T/b) = m/seg ; - Coeficiente de Armazenamento (S) = 5.3- TESTE DE PRODUÇÃO Aquífero Cárstico - Fissural DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA DE EXPLOTAÇÃO 1- Critério:Profundidade da 1 A Entrada D água Principal (P EAP ) = m; (Tabela 6.5) - Nível Estático (NE) = m ; - Vazão Específica para (t = 01 ano) Q/ (01 ano) = m 3 /h/m ; (Gráfico 05) - Rebaixamento Máximo Disponível ( max.) = P EAP NE = m ; -Vazão Máxima de Explotação (Qmax) = Q/ (01 ano) x max ; Qmax = m 3 /h ; m 3 /seg ; 2 - Critério:Espessura da Lâmina D agua presente no poço - Vazão Específica para (t = 01 ano) Q/ (01 ano) = m 3 /h/m ; (Gráfico 05) - Espessura da Lâmina D água (ELA) = m ; (Tabela 6.5) - Rebaixamento Máximo Disponível ( max.) = 0,40 x ELA = m ; -Vazão Máxima de Explotação (Qmax) = Q/ (01 ano) x max ; -Qmax = m 3 /h ; m 3 /seg ;

8 5) INTERPRETAÇÕES E DETERMINAÇÕES Folha 08/ VAZÕES MÁXIMAS E VAZÃO REQUERIDA VAZÃO MÁXIMA PERMISSÍVEL PELAS PAREDES DO AQUÍFERO (Fórmula de Sichardt) Q MAX = Vazão Máxima Permissível pelaaredes (m 3 /seg) ; k = Condutividade Hidráulica do Aquífero = m/seg ; (itens e 5.2.2) k V MAX = V MAX = Velocidade Máxima Permissível de saída do fluxo do aquífero = m/seg ; b = Espessura Produtiva do Aquífero = m ; R p = Raio do Poço = m ; Q MAX = 2.π.R p.b.v MAX = m 3 /seg ; m 3 /h VAZÃO MÁXIMA POSSÍVEL Q MAX = Vazão Máxima Possível pelo Rebaixamento Máximo Disponível no Poço (m 3 /seg) ; P ROF - IB = Profundidade de Instalação da Bomba = m ; NE = Nível Estático = m ; S B = Submergência Mínima da Bomba = m ; V S = Variação Sazonal do Nível D água = m ; I NT = Estimativa de Interferências Futuras de Novos Poços na Área de Influência = m R MD = Rebaixamento Máximo Disponível no Poço ; R MD = P ROF - IB NE - S B - V S - I NT = m Equação Característica do Poço para (t = 5 anos) de Bombeamento (equação 03, item 5.3.1) (05 anos) = B(5 anos). Q + C. Q 2 ; Fazendo : R MD = (05 anos) ; R MD = B(5 anos). Q + C. Q 2 ; C. Q MAX 2 + B(5 anos) - R MD = 0 - B(5 anos) ± [B(5 anos)] C. R MD Q MAX = C Q MAX = m 3 /seg ; m 3 /h

9 5) INTERPRETAÇÕES E DETERMINAÇÕES Folha 09/ VAZÃO REQUERIDA E REGIME DE EXPLOTAÇÃO USO DA ÁGUA Abastecimento Público ; N O de Habitantes ; ; Demanda Estimada: m 3 /hora Abastecimento Condominial ; N O de Habitantes ; Demanda Estimada m 3 /hora Abastecimento Industrial ; Produto Fabricado ; Produção Mensal ; Demanda Estimada m 3 /hora Irrigação ; Hectares Irrigados ha ; Demanada por Hectare m 3 /hora/ha ; Demanda Total Estimada m 3 /hora Abastecimento Comercial ; Tipo ; Demanda Estimada m 3 /hora Abastecimento Doméstico m 3 /hora VAZÃO REQUERIDA (Q REQ ) - Nível Estático (NE) : m; - Rebaixamento Máximo Disponível (R MD ) = m - Nível Dinâmico Máximo (NDmax) = NE + R MD - NDmax = m + m; = m ; - Aquífero: Confinado Semi-Confinado ; Livre - Profundidade do Topo do Aquífero : m ; - Espessura Saturada : m ; - Vazão Requerida (Q REQ ) : =; m 3 /h ; m 3 /dia; m 3 /seg ; - Regime Operacional /24h ; - Volume Mensal a ser Produzido m 3

10 6) TABELAS E DADOS CADASTRAIS 6.1- PERFIL CONSTRUTIVO E PERFIL LITOLÓGICO Folha 10/15 Poço Bombeado ; Piezômetro: ; Processo Localidade:, Município Coordenadas UTM N ; E ; Datum Empresa perfuradora: ; Início,, ; Conclusão,, PROF. PERFIL CONSTRUTIVO DIÂMETROS (POL.) FORMAÇÕES GEOLÓGICAS DESCRIÇÃO LITOLÓGICA

11 6) TABELAS E DADOS CADASTRAIS 6.2- TESTE DE PRODUÇÃO TIPO ESCALONADO Folha 11/15 AQUÍFERO INTERSTICAL/GRANULAR Poço Bombeado ; Sistema. de Abastecimento Localidade ; Município ; Processo ETAPAS ETAPA I HORA INÍCIO HORA CONCLUSÃO DATA: / / h min h min ETAPA II DATA: / / h min h min ETAPA III DATA: / / h min h min ETAPA IV DATA: / / h min h min Hora Hora Observações Complementares NE ND VAZÃO -Q m 3 /h; m 3 /s; m 3 /h; m 3 /s; m 3 /h; m 3 /s; m 3 /h; m 3 /s; ETAPA I - Q 1 = m 3 /h ETAPA II - Q 2 = m 3 /h t(min) N.D Vazão N.D (m 3 Hora t(min) /h) ETAPA III - Q 3 = m 3 /h ETAPA IV - Q 4 = m 3 /h t(min) N.D Vazão N.D (m 3 Hora t(min) /h) TEMPO BOMB. (min) Vazão Vazão

12 6) TABELAS E DADOS CADASTRAIS 6.3- TESTE DE PRODUÇÃO TIPO SUCESSIVO Folha 12/15 AQUÍFERO INTERSTICAL/GRANULAR Poço Bombeado ; Sistema. de Abastecimento ; Data / / Localidade ; Município: ; Processo ETAPAS HORA INÍCIO HORA CONCLUSÃO NE ND VAZÕES -Q TEMPO BOMB. (min) ETAPA I ETAPA II ETAPA III ETAPA IV Etapa l t N.D Vazão t (min) (m 3 Etapa /h) (min) lll N.D Vazão Etapa ll t N.D Vazão t (min) (m 3 Etapa /h) (min) lv Observações Complementares N.D Vazão,63

13 6) TABELAS E DADOS CADASTRAIS 6.4- TESTE DE AQUÍFERO Folha 13/15 AQUÍFERO INTERSTICAL/GRANULAR Poço bombeado ; Piezômetro ; Processo : Sis.Abastecimento ; Localidade : Distância Poço Bombeado Piezômetro m ; Município: INÍCIO HORA CONCLUSÃO HORA NE ND VAZÃO TEMPO BOMB. (min.) TEMPO RECUP. (min.) HORA DADOS DE REBAIXAMENTO t (min) N.D Vazão t (min) DADOS DE RECUPERAÇÃO N.D Vazão t/t +1 Observações Complementares

14 6) TABELAS E DADOS CADASTRAIS 6.5- TESTE DE PRODUÇÃO Folha 14/15 AQUÍFERO CÁRSTICO FISSURAL Poço Bombeado ; Processo Sist.Abastecimento Localidade ; Município DATA INÍCIO HORA DATA CONCLUSÃO HORA NE ND VAZÃO TEMPO BOMB. (min.) TEMPO RECUP. (min.) Hora t (min) N.D Vazão - Q Vazão Específica Q/ s (m 3 /h/m) - Profundidade da Primeira Entrada D água Principal : m ; - Espessura da Lâmina D água Presnte no Poço : m ; Entradas D água Detectadas Profundidades 1 a 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a 7 a Observações Complementares

15 7) DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA Folha 15/15 Foto 01: Foto 02: Foto 03: Foto 04: Foto 05: Foto 06:

Considerando a deliberação do plenário da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Pernambuco,

Considerando a deliberação do plenário da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Pernambuco, RESOLUÇÃO CRH Nº 01, 25 DE MARÇO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Testes de Bombeamento de PRODUÇÃO e de AQÜÍFERO com elaboração e apresentação de Relatório Técnico e dá outras

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

AÇÕES EMERGENCIAIS DE COMBATE AOS EFEITOS DAS SECAS

AÇÕES EMERGENCIAIS DE COMBATE AOS EFEITOS DAS SECAS AÇÕES EMERGENCIAIS DE COMBATE AOS EFEITOS DAS SECAS Execução de Testes de Bombeamento em Poços Tubulares CE RN PI São PE Francisco PB Manual Prático de Orientação Rio AL SE BA Programa de Perfuração, Instalação,

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE TESTES DE VAZÃO EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS, DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÕES DE BOMBAS SUBMERSAS. Hélio Nóbile Diniz

INTERPRETAÇÃO DE TESTES DE VAZÃO EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS, DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÕES DE BOMBAS SUBMERSAS. Hélio Nóbile Diniz INTERPRETAÇÃO DE TESTES DE VAZÃO EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS, DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÕES DE BOMBAS SUBMERSAS Hélio Nóbile Diniz Walter Jorge Michaluate ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO I. HIDRÁULICA

Leia mais

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO CONVITE SESC/MA 1/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO 1. ESCOPO DOS SERVIÇOS 1.1 BOMBEAMENTO ESCALONADO INICIAL Deve ser feito

Leia mais

POÇOS TUBULARES. Prof. Marcelo R. Barison 2009

POÇOS TUBULARES. Prof. Marcelo R. Barison 2009 POÇOS TUBULARES Prof. Marcelo R. Barison 2009 Introdução Poço mais antigo antigo Egito reinado de Mentuhotip 11º dinastia (~1990 ac) número de trabalhadores 3.000 para escavar 14 poços HOJE poços = abastecimento

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 05 Reservas e Projetos de Abastecimento de Comunidades Prof. Milton Matta 1- INTRODUÇÃO O Capítulo de Projetos e Análises de poços tem como principal objetivo transmitir

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

3 Rebaixamento temporário do lençol freático

3 Rebaixamento temporário do lençol freático 61 3 Rebaixamento temporário do lençol freático 3.1. Introdução Na maioria dos casos onde se pretende construir abaixo do lençol freático, como no caso de garagens subterrâneas quando o nível d água encontra-se

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE POÇOS TUBULARES

RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE POÇOS TUBULARES RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE POÇOS TUBULARES Waldir Duarte Costa Filho 1 ; Waldir Duarte Costa 2 & Alexandre Luiz Souza Borba 3 Resumo Com a procura de água

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE TESTES DE BOMBEAMENTO DE PRODUÇÃO E DE AQUÍFERO COM ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO TÉCNICO

RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE TESTES DE BOMBEAMENTO DE PRODUÇÃO E DE AQUÍFERO COM ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO TÉCNICO RESOLUÇÃO SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE TESTES DE BOMBEAMENTO DE PRODUÇÃO E DE AQUÍFERO COM ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO TÉCNICO Waldir Duarte Costa Filho 1 ; Waldir Duarte Costa 2

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO 1 POÇO MANUAL E CISTERNA Poço Manual - Poço escavado, com trado manual ou mecânico, de diâmetro inferior a 0,5 (meio) metro e profundidade máxima de 20 (vinte) metros, com revestimento protetor, geralmente

Leia mais

Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO. Outubro / 2007

Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO. Outubro / 2007 U F C G SUPRA OMNES LUX LUCES Rede Cooperativa de Pesquisa COMPORTAMENTO DAS BACIAS SEDIMENTARES DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO HIDROGEOLOGIA DO AQÜÍFERO AÇU NA BORDA LESTE DA BACIA POTIGUAR:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos:

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos: 196 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos 3.12 Simulação de Experiência de Reynolds Além de simular a experiência de Reynolds, objetivamos mostrar uma das muitas possibilidades de construção de uma bancada

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO 1!" AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também chamado bomba de aríete hidráulico, balão de ar, burrinho, etc., foi inventado em 1796 pelo cientista francês Jacques

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1

SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1 SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1 Resumo - O software Poços Tubulares na sua versão 1.0 teve como principal objetivo o cadastramento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 05, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. Estabelece as diretrizes e critérios para concessão de outorgas de direito de uso de águas subterrâneas e define as disponibilidades hídricas dos aquíferos

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

PROJETO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO

PROJETO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO PROJETO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO Município de Abdon Batista Rua João Santin, 30 - Centro Abdon Batista - SC Local - Rodovia SC 390, Km 1,5 - Saída para Campos Novos - Parque Municipal Responsável

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA PARA CONSTRUÇÃO DE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS NA ÁREA URBANA DE CUIABÁ - MT

PROPOSTA TÉCNICA PARA CONSTRUÇÃO DE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS NA ÁREA URBANA DE CUIABÁ - MT PROPOSTA TÉCNICA PARA CONSTRUÇÃO DE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS NA ÁREA URBANA DE CUIABÁ - MT Marco Aurélio de Carvalho 1 & Kurt João Albrecht 2 Resumo - Esta proposta foi formulada baseando-se em um banco

Leia mais

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles:

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles: Pivô Central Luiz Antonio Lima / Dep. Engenharia / UFLA INTRODUÇÃO O pivô central foi construído pela primeira vez em 1948. Em 1949, seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (PROJETO BÁSICO)

TERMO DE REFERÊNCIA (PROJETO BÁSICO) TERMO DE REFERÊNCIA BASICO PARA CONSTRUÇÃO E COMPLETAÇÃO DE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS O presente termo de referência (projeto básico), doravante denominado TDR, visa estabelecer diretrizes de ordem técnica

Leia mais

1.1 Expressões Técnicas e dos Serviços

1.1 Expressões Técnicas e dos Serviços TERMO DE REFERENCIA PARA LOCAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE POÇOS O presente termo de referência vem estabelecer diretrizes de ordem técnica e especificações, em nível de anteprojeto, para orientar a execução dos

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos;

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Geotigre Localização no Website Tigre: Obra Predial Poços GEOTIGRE Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Aplicações: Completação de poços tubulares totalmente ou parcialmente

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS 1. Introdução Carlos Rogério de Mello 1 Tadayuki Yanagi Jr. 2 Com a evolução dos processos produtivos agrícolas, demonstrada principalmente pela presença cada vez maior da

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA).

MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA). MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA). LOCAL: CENTRO NOVO LINHA JAQUES - DERRUBADAS-RS. DESCRIÇÃO DO MUNICÍPIO / LOCALIDADES - O Município

Leia mais

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇOS DE MONITORAMENTO

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇOS DE MONITORAMENTO PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇOS DE MONITORAMENTO HORIZONTE NÃO SATURADO N.E. AQUÍFERO HORIZONTE SATURADO BASE IMPERMEÁVEL Data: 20 de agosto de 2008 Docente: João Alberto Bottura PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

TOTAL GERAL R$ 185.478,76

TOTAL GERAL R$ 185.478,76 P - 01 1.5 Execução de perfilagem óptica antes da limpeza do poço, com entrega em CD m 147,00 54,67 8.036,49 1.15 Execução de perfilagem óptica após a limpeza do poço, com entrega em CD m 147,00 54,67

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 Page 1 of 5 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31770 de 11/10/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 55/2010 Número de Publicação: 166363 Instrução Normativa n o _55_/2010 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

V-030 - ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE AQUÍFEROS EM POÇOS PROFUNDOS UTILIZANDO-SE DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

V-030 - ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE AQUÍFEROS EM POÇOS PROFUNDOS UTILIZANDO-SE DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS V-030 - ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE AQUÍFEROS EM POÇOS PROFUNDOS UTILIZANDO-SE DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Nilton José Saggioro (1) Engenheiro Eletricista pela Universidade de Bauru (atual UNESP) - 1985.

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

PLANILHA DE PREÇO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR

PLANILHA DE PREÇO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR QUADRO II- ESPECIFICAÇÕES DA OBRA Ministério da Integração Nacional Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba PLANILHA DE PREÇO PARA PERFURAÇÃO DE POÇO TUBULAR ITEM MÃO DE OBRA/

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. 1. OBJETIVO Estabelecer orientações e diretrizes para execução

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático 1 - Introdução A construção de edifícios, barragens, túneis, etc. normalmente requer escavações abaixo do lençol freático. Tais escavações podem exigir tanto uma drenagem,

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações 5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações Na prática as canalizações não são constituídas exclusivamente de tubos retilíneos e de mesmo diâmetro. Usualmente, as canalizações apresentam peças especiais

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO INTRODUÇÃO 1.1 Partes de um Sistema de Esgotamento Sanitário: Rede Coletora: Conjunto de tubulações destinadas a receber e Conduzir

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas.

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Folheto Técnico 01 / 2015 Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Flexboard Flexboard é a mais delgada chapa Knauf Drywall, desenvolvida especialmente para permitir

Leia mais

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CATÁLOGO 2014 Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CISTERNAS VERTICAIS Nossa linha de Cisternas Verticais foi desenvolvida para se adaptar às mais diversas estruturas e, atráves de vasos comunicantes,

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HIDRÁULICA EM SANEAMENTO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS João Pessoa, 26 de julho de 2007 Prof. Heber Pimentel Gomes

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-09/94 Instrução Normativa

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar

Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Sistemas de Bombeamento Através de Energia Solar Introdução Uma das vantajosas aplicações para energia solar é o bombeamento d água. Em sistemas que requerem bombeamento constante ou durante o período

Leia mais

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO)

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo / Hidrogeólogo Professor de Hidrogeologia CEFET MG (Campus Araxá) Supervisor Corporativo de Hidrogeologia

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA)

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA) 1 OBJETIVO Normatizarprocedimentos pararegularização de Outorgade Direito de Uso de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro relativoa documentação necessária para abertura de processo administrativo

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período.

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período. 11 CENTRÍFUGAS 11.1 FUNDAMENTOS: Em algumas separações, principalmente com partículas muito pequenas, emprega-se a força centrífuga cuja ação pode chegar várias vezes a força da gravidade, ou seja, aceleração

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/1/P/3 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Séries TVZ, TVA TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 1-INTRODUÇÃO: Equipamento utilizado para indicar o volume de líquidos remanescente dentro de tanques de armazenamento. Baixo

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE POÇO TUBULAR PROFUNDO (ETF-06)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE POÇO TUBULAR PROFUNDO (ETF-06) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE POÇO TUBULAR PROFUNDO () Página: 2 de 10 1. GERAL 1.1. As prescrições a seguir fixam as

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

ESTUDOS DE GRUPOS GERADORES DE PCHs ATRAVÉS DE UM LABORATÓRIO MÓVEL DE HIDRÁULICA

ESTUDOS DE GRUPOS GERADORES DE PCHs ATRAVÉS DE UM LABORATÓRIO MÓVEL DE HIDRÁULICA ESTUDOS DE GRUPOS GERADORES DE PCHs ATRAVÉS DE UM LABORATÓRIO MÓVEL DE HIDRÁULICA Augusto Nelson Carvalho Viana e Mateus Ricardo Engenharia Hídrica do Instituto de Recursos Naturais da Universidade Federal

Leia mais