CAAM Funds Global Quant

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAAM Funds Global Quant"

Transcrição

1 CAAM Funds Global Quant PROSPECTO SIMPLIFICADO Abril de 2009 Este prospecto simplificado contém informações sobre o CAAM Funds Global Quant, um subfundo (o "SubFundo") da CAAM Funds (o "Fundo"), um agrupamento de fundos presentemente organizado sob a forma de sociedade de investimento de capital variável (SICAV) e criado em 18 de Julho de 1985 como fundo de investimento mútuo não constituído em sociedade ("Fundo de Investimento Aberto") ao abrigo da lei do Luxemburgo e qualificado como organismo de investimento colectivo em valores mobiliários (OICVM) ao abrigo da Parte I da Lei do Luxemburgo de 20 de Dezembro de A sede social é em 5 allée Scheffer, L2520 Luxembourg. O Fundo encontrase registado sob o número B na Conservatória de Registo Comercial da comarca do Luxemburgo. O Fundo integra um vasto número de outros subfundos, conforme descritos no Prospecto do Fundo. Para mais informações, consultar o Prospecto do Fundo em vigor. Sempre que os termos em maiúsculas não se encontrem definidos no presente documento, a respectiva definição consta do Prospecto do Fundo. Para mais informações sobre os valores mobiliários detidos por este Subfundo, consultar o mais recente relatório anual ou semestral do Fundo. O Prospecto do Fundo e os últimos relatórios anuais e semestrais podem ser obtidos gratuitamente junto do Crédit Agricole Asset Management Luxembourg ou junto do Representante local do país em questão. As subscrições apenas se podem basear no Prospecto em vigor e no documento local de oferta em vigor (se aplicável), conforme autorizados pela Autoridade de Supervisão do país em questão. Em caso de inconsistência, ambiguidade ou discrepância com reflexos no significado de qualquer expressão ou frase em qualquer tradução, prevalece a versão inglesa.

2 CAAM Funds Global Quant (data de lançamento: 1 de Outubro de 2004) PARTE A: INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL Introdução aos Subfundos de Acções A política de investimento de cada Subfundo descreve, de forma sistemática, o universo de investimento definido para um mínimo de duas terças partes dos activos do Subfundo. Na ausência de outras/quaisquer indicações relativamente à alocação da parte restante dos activos, cada Subfundo está autorizado a investir em: acções e instrumentos associados a acções para além dos mencionados na política de investimento; instrumentos de dívida; obrigações convertíveis; unidades de participação/acções de OICVMs e/ou de outros OICs até 10 % dos activos líquidos; numerário e/ou depósitos; outros valores mobiliários e instrumentos de mercado monetário conforme referidos nos Pontos 1.1 e 1.2 do Capítulo XX "Outras Informações: A Poderes e Limites de Investimento" do prospecto integral. Cada Subfundo pode investir em instrumentos derivados financeiros para fins de cobertura e de gestão eficiente da carteira, mas sempre na observância, no que respeita aos títulos subjacentes, do(s) limite(s) de investimento fixados na respectiva política de investimento. Cada Subfundo pode, também, utilizar técnicas e instrumentos relacionados com valores mobiliários e instrumentos de mercado monetário na observância das condições e limites referidos nos Pontos 1.3 a 1.6 do Capítulo XX "Outras Informações: B Restrições Adicionais de Investimento" do prospecto integral. Objectivos e política de investimento Este Subfundo tem por objectivo a obtenção de uma rendibilidade acima do índice de referência MSCI World (USD) mediante a aplicação de um processo de gestão activa. Para atingir este objectivo, a equipa de gestão investe um mínimo de duas terças partes dos activos em empresas com grande potencial de crescimento, subavaliadas pelos mercados ou líderes do respectivo sector de actividade. Os investimentos são efectuados segundo um modelo quantitativo de selecção individualizada de títulos, o qual permite identificar os títulos mais atractivos de cada sector à luz de um rigoroso controlo de risco. A parte restante dos activos pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos em "Introdução aos Subfundos de Acções". O índice de referência deste Subfundo é o "MSCI World Index". A moeda de denominação do Subfundo é o dólar norteamericano. Perfil de risco De um modo geral, os Subfundos Globais/Regionais/Nacionais podem envolver a exposição ao Risco de Mercado e ao Risco de Volatilidade.A utilização de instrumentos derivados por determinados Subfundos, enquanto parte do seu processo de investimento e de estratégias de investimento especificas, pode traduzirse por uma exposição ao Risco de Gestão e de Estratégia de Investimento, assim como ao Risco de Transacções com Derivados. Mais ainda, na medida em que os investimentos de um determinado Subfundo possam ser efectuados ou cobertos noutras moedas que não a respectiva moeda de denominação, a aquisição de Acções desse Subfundo pode traduzirse por uma exposição ao Risco Cambial. Dependendo das condições de mercado, os investidores deverão estar preparados para a hipótese de terem de suportar perdas não realizadas sobre o investimento original ao longo de um período de tempo ou perdas efectivas, no caso de optarem por dispor do seu investimento num mercado desfavorável. De notar que as Acções não são objecto de garantia ou de protecção do capital, além de não ser certo que as Acções sejam resgatadas pelo mesmo preço a que foram subscritas. Perfil do investidor típico O Subfundo poderá ser adequado para os investidores que: procurem uma valorização do capital a longo prazo; não procurem obter rendimento regular do investimento (excepção feita àqueles que subscrevam Acções de Distribuição); estejam dispostos a assumir os riscos acrescidos associados ao investimento em títulos estrangeiros; e possam suportar a volatilidade no valor das suas Acções. 2 2

3 Um investimento neste Subfundo não é um depósito num banco ou noutra instituição depositária garantida. O investimento poderá não ser adequado para todos os investidores. O Subfundo não pretende ser um programa de investimento completo, pelo que, ao tomar uma decisão de investimento relativamente ao Subfundo, os Investidores deverão tomar em consideração os seus objectivos de investimento e as suas necessidades financeiras numa perspectiva de longo prazo. Um investimento neste Subfundo deve ser considerado como um investimento de longo prazo. O Subfundo não deve ser utilizado como um veículo de negociação. Classes de Acções / Aplicação dos rendimentos As Acções do Subfundo estão divididas em várias Classes disponíveis para diferentes grupos de Investidores. Além disso, as Acções podem subdividirse em Acções de Distribuição e Acções de Capitalização. As Acções de Capitalização retêm e reinvestem automaticamente todos os rendimentos atribuídos ao Subfundo, enquanto as Acções de Distribuição distribuem tais rendimentos sob a forma de um dividendo. Tal dividendo pode ser pago por meio de transferência para a sua conta bancária ou por meio de cheque remetido para o seu domicílio e, em ambos os casos, na moeda especificada (tome devida nota do facto de os custos com a transferência bancária e o câmbio de moeda estrangeira serem suportados pelo investidor). As Acções de Capitalização nominativas e escriturais poderão ser a forma mais eficiente para os investidores gerirem a sua conta. Com efeito, estas Acções permitem aos investidores remeter instruções de conversão ou resgate por carta, telefax ou telex sem necessidade de proceder à devolução de Certificados de Acções. Classe de Acções Categorias de Acções disponíveis* Pagamento do dividendo de Acções de Distribuição Investidores autorizados Subscrição inicial mínima * C = Acções de Capitalização ** ou o equivalente noutra moeda D = Acções de Distribuição Subscrição seguinte mínima Clássica (C) C / D Setembro Todos os investidores Clássica S (S) C Todos os investidores. Acções apenas disponíveis através de uma rede de distribuidores especificamente autorizados pelo Conselho de Administração. Classe M (M) C Esta Classe fica reservada a OICs Institucional (I) C / D Setembro regidos pela lei italiana e a investidores institucionais no quadro de mandatos de gestão discricionária de carteira em Itália e que invistam, exclusivamente, em OICVMs/OICs (Gestioni Patrimoniali in Fondi). Investidores institucionais a investir por conta própria ou em nome de pessoas singulares no quadro de um esquema de poupança colectiva ou equiparável ou OICVMs. **USD Comissões e despesas Comissões cobradas ao investidor: Classe de Acções Classe I Classe M Classe C Classe S Comissão de subscrição máxima 2,50% 2,50% 4,50% 3,00% Comissão de conversão máxima 1,00% 1,00% 1,00% Comissão de resgate máxima Despesas de exploração directamente imputadas ao Subfundo e reflectidas no Valor Patrimonial Líquido: Classe de Acções Classe I Classe M Classe C Classe S Comissão anual de 0,65% 0,55% 1,30% 1,70% (inclui uma comissão gestão de investimento de distribuição de 0,40%) Comissão 0,25% ao ano 0,35% ao ano 0,35% ao ano administrativa máxima do VPL do VPL do VPL taxe d abonnement * 0,01% ano 0,05% ano Comissão de desempenho 20% sobre a Base de Desempenho: MSCI World * ver parágrafo "Fiscalidade do Fundo". Conforme o indicado nos quadros acima, à Comissão de Gestão deste Subfundo foi acrescentada uma Comissão de Desempenho, cuja estrutura é a seguidamente apresentada: A rendibilidade diária da Classe em questão é calculada com base na variação do Valor Patrimonial Líquido por Acção dessa Classe (Comissão de Desempenho excluída) multiplicada pelo número de acções do dia. A rendibilidade de cada Classe é, então, comparada com o desempenho do indicador de referência (a "Base de Desempenho"). 3 3

4 Diariamente, a variação de valor do indicador de referência é aplicada aos montantes investidos durante o Período de Observação (ou seja, o Valor Patrimonial Líquido no início do Período de Observação acrescido/diminuído do saldo líquido das subscrições/resgates que tenham lugar durante o mesmo período). Cada saldo líquido (subscrições resgate num dia x) contribuirá para a constituição de uma provisão para a Comissão de Desempenho ao longo do ano ou para o montante da Comissão de Desempenho devida no final do exercício. Período de Observação O Período de Observação (o "Período") terá a duração mínima de 1 ano e máxima de 3 anos. O mecanismo aplicado na determinação do final do Período é o seguinte: no final do primeiro ano, é cobrada a Comissão de Desempenho da Classe relevante e dado início a um novo Período; na ausência de Comissão de Desempenho no final do primeiro ano, o Período prolongase pelo segundo ano, no final do qual a Comissão de Desempenho é cobrada e dado início a um novo Período; na ausência de Comissão de Desempenho no final do segundo ano, o Período prolongase pelo terceiro ano; no final deste último ano, é dado início a um novo Período, independentemente de ter sido ou não cobrada uma Comissão de Desempenho. O início do primeiro Período corresponde à data de introdução da Comissão de Desempenho relativa às Classes I, I(7) e M, ou seja, o dia 1 de Dezembro de Cada ano de cada Período termina sempre no último dia útil de Novembro. Generalidades Se, no Período, a Classe relevante obtiver uma rendibilidade superior à respectiva Base de Desempenho, a componente variável da Comissão de Gestão será igual a 20% da diferença entre a rendibilidade acumulada da Classe relevante e a respectiva Base de Desempenho acumulada. Se, a qualquer momento, durante o Período, a Classe relevante atingir uma rendibilidade superior à Base de Desempenho calculada desde o início do mesmo Período, tal diferencial de rendibilidade será objecto de uma provisão para efeitos de Comissão de Desempenho por ocasião do cálculo do valor de resgate (ou seja, do Valor Patrimonial Líquido por acção da Classe relevante). Se, no Período, a Classe relevante obtiver uma rendibilidade inferior à Base de Desempenho acima referida, a componente variável da Comissão de Gestão será igual a zero. Se, entre dois valores de resgate, a Classe relevante obtiver uma rendibilidade inferior à Base de Desempenho, qualquer provisão previamente constituída será ajustada (redução da provisão), sendo o limite superior do ajustamento representado pela soma das alocações prévias efectuadas desde o início do Período. A referida componente variável apenas será definitivamente devida no encerramento de cada Período e se, nesse Período, a Classe relevante tiver obtido uma rendibilidade superior à respectiva Base de Desempenho. A Comissão de Desempenho acima referida será levada directamente à demonstração de resultados de cada Classe do Subfundo. O método de cálculo da Comissão de Desempenho será verificado pelo auditor da SICAV. A Comissão de Desempenho é paga anualmente. Fiscalidade Fundo No Luxemburgo, o Fundo não se encontra sujeito a quaisquer impostos sobre rendimentos ou maisvalias. O Fundo apenas se encontra sujeito a uma taxa de assinatura (taxe d abonnement). Esta taxa, paga trimestralmente com base no Valor Patrimonial Líquido do Fundo no final do período de calendário relevante, é de 0,05% ao ano (0,01 % no caso das classes Institucionais, da classe M e dos Subfundos de Reserva). Os juros e dividendos recebidos pelo Fundo podem ser objecto, no país de origem, de retenções na fonte não recuperáveis. Fiscalidade Accionistas Ao abrigo da legislação luxemburguesa em vigor, não são aplicados impostos a rendimentos ordinários ou a maisvalias. Apenas os investidores residentes no Luxemburgo se encontram sujeitos a impostos locais. Contudo, em conformidade com o disposto na Directiva da União Europeia sobre Poupança, em vigor desde 1 de Julho de 2005, determinados Subfundos são objecto de uma retenção de imposto, sempre que um agente de pagamento do Luxemburgo entregue somas a título de dividendo ou de resgate de acções a investidores com residência noutro EstadoMembro. Excepto se os investidores que sejam pessoas singulares solicitarem expressamente a respectiva integração no sistema de troca de informações da Directiva da União Europeia sobre Poupança, tais montantes a título de dividendos ou de resgates ficarão sujeitos à taxa de retenção de 20% até 31 de Dezembro de 2010 e de 35% a partir dessa data. Os potenciais investidores deverão obter informações e, se adequado, aconselhamento sobre leis e regulamentos (nomeadamente, nos domínios da fiscalidade e do controlo de divisas) aplicáveis à subscrição, compra, detenção e resgate de Acções no respectivo país de nacionalidade, residência ou domicílio. Cálculo do Valor Patrimonial Líquido (VPL) e Divulgação dos Preços O Valor Patrimonial Líquido (VPL) por Acção do Subfundo é calculado no Luxemburgo em cada Dia de Cálculo e datado do Dia de Negociação (o Dia Útil anterior ao Dia de Cálculo). Dia Útil significa qualquer dia em que os bancos se encontrem abertos para expediente no Luxemburgo. O VPL por Acção de cada Dia de Negociação será disponibilizado pelo Agente Administrativo, assim como pela agência Reuters e, se assim decidido pelo Conselho de Administração, será publicado num qualquer jornal de circulação nacional de cada país em que se encontre autorizada a distribuição ao público do Fundo. 4 4

5 Subscrições, resgates e conversões de Acções Em conformidade com os Estatutos, as acções podem ser vendidas ou resgatadas (e/ou convertidas) em qualquer Dia de Negociação, pelo respectivo Preço de Negociação (Valor Patrimonial Líquido). As ordens de subscrição, resgate ou conversão de Acções podem ser apresentadas por fax, telex ou via postal, quer directamente ao Fundo, quer a um distribuidor autorizado. A atribuição de Acções será executada na observância do calendário/horário abaixo (horas do Luxemburgo). Dia Dealing de negociação day Calculation Dia de day cálculo Tempos de negociação D D+1 D+2 D+3 D+4 14:00 13: :00 CUT OFF PRAZO TIMLIMITE E CONFIRMATION CONFIRMAÇÃO NAV COMUNICAÇÃO COMMUNICATION DO VPL CASH SETTLEMENT PAGAMENTO Além disso, a atribuição de Acções ficará pendente da recepção pelo Depositário das somas libertas no prazo de quatro Dias Úteis a contar do Dia de Negociação relevante. Em caso de não liquidação atempada, o pedido de subscrição poderá caducar ou ser cancelado. Todos os pedidos de subscrição serão devidamente confirmados por meio de notas de execução. Excepto se por outra forma e claramente especificado, as Acções serão resgatadas ao Preço de Negociação calculado na moeda de denominação do Subfundo. Na ausência de instruções específicas, as Acções emitidas serão Acções de Capitalização escriturais da Classe Clássica. Se, num qualquer Dia de Negociação, o Fundo receber pedidos de resgate (ou de conversão) de Acções que igualem ou ultrapassem 10 por cento do número de Acções do Subfundo relevante, o Fundo poderá declarar o diferimento de tais resgates (ou conversões) por um período não superior a sete Dias de Negociação. A conversão de Acções de uma Classe de um Subfundo em Acções de outra Classe do mesmo ou de outro Subfundo só é permitida no caso do investidor preencher todas as condições exigidas pela Classe em que pretenda a conversão. Excepto em caso de suspensão ou diferimento do direito de resgate ou de compra de Acções dos Subfundos relevantes, uma vez efectuada uma ordem de conversão, esta não poderá ser cancelada pelo investidor. O Fundo pode proceder, temporariamente, à suspensão ou restrição da emissão, resgate ou conversão de Acções, conforme se revele necessário à protecção dos interesses dos Accionistas. Proibição de Late Trading e de Market Timing As práticas de Late Trading e de Market Timing são expressamente proibidas conforme detalhadamente descrito no Prospecto do Fundo. Rendibilidade do Subfundo A rendibilidade do Subfundo é apresentada na Parte B Estatísticas em anexo ao presente. A rendibilidade respeita ao ano fiscal do Fundo (1 de Julho a 30 de Junho). Os investidores poderão consultar os relatórios periódicos mais recentes ou aceder ao portal da Internet da CAMM Funds (www.caamfunds.com). Informações complementares importantes Forma jurídica: Autoridade Supervisora: Sociedade Gestora: Gestor de Investimento: Promotor e Distribuidor: O Subfundo é um subfundo do CAAM Funds, um agrupamento de fundos constituído como "sociedade de investimento de capital variável" ao abrigo da Parte I da Lei de 20 de Dezembro de 2002 sobre organismos de investimento colectivo. Commission de Surveillance du Secteur Financier (Comissão de supervisão do sector financeiro), Luxemburgo (www.cssf.lu). Crédit Agricole Asset Management Luxembourg, 5, Allée Scheffer, L2520 Luxemburgo. CPR Asset Management, 10 Place des 5 Martyrs du Lycée Buffon, F75015 Paris, France Crédit Agricole Asset Management, 90, boulevard Pasteur, F75015 Paris, França Agente Depositário, Administrador Central e Agente de Pagamento Principal: CACEIS Bank Luxembourg, 5 allée Scheffer, L2520 Luxemburgo. Auditor independente: PricewaterhouseCoopers s.a.r.l., 400 route d Esch, L1471 Luxemburgo. 5 5

6 Assembleia de Accionistas: A Assembleia Geral Anual de Accionistas do Fundo reúne no Luxemburgo às 11:00 da última sextafeira de Outubro de cada ano (caso tal dia seja um Dia Útil no Luxemburgo, reúne no Dia Útil seguinte no Luxemburgo). Para mais informações, contactar Crédit Agricole Asset Management Luxembourg, 5, Allée Scheffer, L2520 Luxemburgo. 6 6

7 PARTE B ESTATÍSTICAS Acções de Capitalização Moeda de denominação: USD ATENÇÃO Rendibilidades passadas não garantem resultados futuros. O valor de um investimento pode aumentar ou diminuir consoante as flutuações de mercado e o investidor pode perder o montante originalmente investido. O Rácio Total de Despesas não inclui as comissões de subscrição e de resgate. Os dados relativos a transacções devem ser analisados à luz da estratégia de investimento do SubFundo. CAAM FUNDS Global Quant C RENDIBILIDADE EM 30/06/08 As rendibilidades são calculadas com reinvestimento do dividendo líquido (se aplicável). RENDIBILIDADE EM 30/06/08 Nota: No histórico de rendibilidades, é tomada em consideração a rendibilidade do fundo Lion Fortune Global Small Caps, o qual foi integrado no Global Quant em 17 de Dezembro de Rendibilidades 1 ano 3 anos 5 anos GLOBAL QUANT C 15,90% 100% MSCI THE WORLD INDEX 10,68% COMISSÕES COBRADAS AO OICVM ENTRE 01/07/07 E 30/06/08 Rácio total de despesas (excluindo Comissões de Desempenho) 1,70 Rácio total de despesas (incluindo Comissões de Desempenho) 1,70 INFORMAÇÕES SOBRE TRANSACÇÕES ENTRE 01/07/07 E 30/06/08 Rácio de rotatividade da carteira 1,75 DATA DE PUBLICAÇÃO 26/11/08 7 7

PARTE A: INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL

PARTE A: INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL Crédit Agricole Funds - EUROSTOCKS O Crédit Agricole Funds é um OICVM umbrella constituído ao abrigo da Parte I da Lei de 20 de Dezembro de 2002, conforme alterada Sede social: 39, Allée Scheffer, L-2520

Leia mais

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond PROSPECTO SIMPLIFICADO DEZEMBRO 2006 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond, um subfundo (doravante designado

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex

AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex Formatted Table AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex Prospecto Simplificado - Novembro 2010 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Amundi Funds Dynarbitrage Forex, um subfundo (o "SubFundo")

Leia mais

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008 PARVEST USA LS30 Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável O subfundo Parvest USA LS30 foi lançado a 30 de Outubro de 2007. Prospecto simplificado Abril de 2008 Este prospecto

Leia mais

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO FEVEREIRO DE 2006 Este prospecto

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL PARVEST Europe Real Estate Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006

Leia mais

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo )

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este prospecto simplificado

Leia mais

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo.

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo. JPMorgan Funds Global Socially Responsible Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este

Leia mais

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 200 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo )

JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo ) JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado agosto de 2006 Sub-Fundo do JPMorgan Investment Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado

Leia mais

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A.

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. I. Identificação do Distribuidor A Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. (doravante,

Leia mais

JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the "Company") Registered Office:

JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the Company) Registered Office: JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the "Company") Registered Office: European Bank & Business Centre, 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

PARVEST EQUITY WORLD EMERGING

PARVEST EQUITY WORLD EMERGING Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 2010 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

PARVEST EQUITY TURKEY

PARVEST EQUITY TURKEY Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 2010 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

AMUNDI FUNDS Euro Select Bond

AMUNDI FUNDS Euro Select Bond Formatted Table AMUNDI FUNDS Euro Select Bond Prospecto Simplificado - Novembro 2010 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Amundi Funds Euro Select Bond, um subfundo (o "SubFundo") do

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal:

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal: CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da PIONEER FUNDS (a) Data de autorização do Organismo de Investimento

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

DB PLATINUM IV - Condições Particulares do Distribuidor

DB PLATINUM IV - Condições Particulares do Distribuidor CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da DB PLATINUM IV (a) Data de autorização do Organismo de Investimento

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Condições e Termos Particulares de Comercialização de Fundos da ComStage utilizados pelo Distribuidor Commerzbank Aktiengesellschaft em Portugal

Condições e Termos Particulares de Comercialização de Fundos da ComStage utilizados pelo Distribuidor Commerzbank Aktiengesellschaft em Portugal Condições e Termos Particulares de Comercialização de Fundos da ComStage utilizados pelo Distribuidor Commerzbank Aktiengesellschaft em Portugal Setembro 2014 I. Colocação e Comercialização em Portugal

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Prospecto simplificado do subfundo

Prospecto simplificado do subfundo Prospecto simplificado do subfundo Fundo de investimento de direito luxemburguês («Fonds commun de placement») Constituído conforme a parte I da lei de 20/12/2002 relativa aos organismos de investimento

Leia mais

Crédit Agricole Funds European High Yield Bond

Crédit Agricole Funds European High Yield Bond Crédit Agricole Funds European High Yield Bond PROSPECTO SIMPLIFICADO DEZEMBRO 2006 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Crédit Agricole Funds High Yield Bond, um subfundo (doravante

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

Este depósito não garante uma remuneração mínima.

Este depósito não garante uma remuneração mínima. Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentesou associados Perfil de cliente recomendado Condições

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

CONDIÇÕES FINAIS. Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa

CONDIÇÕES FINAIS. Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa CONDIÇÕES FINAIS Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa Emissão até EUR 100.000.000 de Obrigações a Taxa Fixa BPI RENDIMENTO

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Emissão de Obrigações ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 10,000,000,000 do Banco BPI para a emissão

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 4 de Junho de 2014 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. RESOLUCAO 2.689 --------------- Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Um investimento responsável exige que conheça todas as suas implicações. Certifique-se de que conhece essas implicações e que está disposto a

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 -

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ), com sede na Av.

Leia mais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais 1. DEFINIÇÕES 1.1. Para os efeitos do presente Contrato, entende-se por:» I.C.A.E.: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado ;» Seguradora: ;» Tomador de Seguro: a Entidade que celebra o Contrato

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Dirigimo-nos a V. Exa. na qualidade de acionista do BBVA Multi-Asset Moderate EUR Fund, um sub-fundo da BBVA Durbana International Fund ( SICAV ).

Dirigimo-nos a V. Exa. na qualidade de acionista do BBVA Multi-Asset Moderate EUR Fund, um sub-fundo da BBVA Durbana International Fund ( SICAV ). BBVA Durbana International Fund Société d investissement à capital variable 20, boulevard Emmanuel Servais, L-2535 Luxembourg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 27 711 Esta carta ( Carta ),

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados de: - Oferta Pública de Subscrição de Obrigações ME Fev-2020 - Oferta Pública de Troca de Obrigações ME Mar-2016 1 de Julho de 2015 Não

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

[tradução livre dos Termos Finais em língua inglesa. Em caso de discrepância, a versão inglesa prevalecerá]

[tradução livre dos Termos Finais em língua inglesa. Em caso de discrepância, a versão inglesa prevalecerá] [tradução livre dos Termos Finais em língua inglesa. Em caso de discrepância, a versão inglesa prevalecerá] Termos Finais datados de 22 de Dezembro de 2011 Banif Banco Internacional do Funchal, S.A. Emissão

Leia mais

2. TÍTULOS (PARTICULARES)

2. TÍTULOS (PARTICULARES) 2. TÍTULOS (PARTICULARES) Entrada em Vigor: 05-Mar-2012 (ÍNDICE) 2.1. Títulos e/ou outros valores depositados Euros (Mín/Máx) A - GUARDA DE VALORES (TRIMESTRAL) Comissão Guarda es 12,50 / 50,00 Nota (3)

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Designação Classificação Caracterização do Produto Depósito Dual China e México BBVA Produto financeiro complexo O Depósito Dual China

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento:

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento: RESUMO DA OFERTA Este resumo tem de ser visto como uma introdução a este Prospecto. Qualquer decisão de investimento em quaisquer Acções Preferenciais deve basear-se numa avaliação deste Prospecto como

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1.

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1. Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.)

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.) Mod. Versão 90-25 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 10/04/2006 Data fim de Comercialização: 28/02/2007

Leia mais