Componente Segurança Pública. Diagnóstico Regional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Componente Segurança Pública. Diagnóstico Regional"

Transcrição

1 Componente Segurança Pública Diagnóstico Regional 1

2 Índice I - Introdução Pg 3 II - Um comparativo estatístico Pg 4 III - Aparato e capacidade institucional Pg 7 IV - Leitura regional Pg 18 V - Bibliografia Pg 21 2

3 I - Introdução Há uma singularidade no que diz respeito às políticas de segurança pública no Brasil: por um lado, o tema se apresenta como um problema cada vez mais relevante para uma parte significativa dos municípios brasileiros, sendo um dos elementos que contribui para o desenho social e político dos territórios urbanos. Ao mesmo tempo, do ponto de vista da gestão e governança, o papel assim como as atribuições municipais em se tratando de segurança pública ainda não estão claramente definidos, seja de uma perspectiva legal, seja no repertório de práticas à disposição das cidades. Com efeito, podemos dizer que, hoje, há um descompasso entre demanda e capacidade institucional nesta esfera política particular, na medida em que a violência e criminalidade são desafios das cidades, mas não parecem ser ainda um campo claro de intervenção para as cidades. Essa tensão entre relevância do problema e a disposição e capacidade institucional das cidades para responder a ele pode ser percebida numa leitura regional das iniciativas municipais das 13 cidades que compõem o diagnóstico. Ela está expressa pela heterogeneidade da qualidade e alcance das respostas governamentais a cenários para os desafios associados à segurança e criminalidade, que são também diversos. Tal heterogeneidade mostra, em primeiro lugar, que entre os 13 municípios a centralidade da temática da segurança pública é variada. Mas, além disso, ela é também reveladora de uma agenda política em construção. Nesse sentido, sublinha a necessidade de um diagnósticos capaz de conjugar as especificidades locais com as potencialidades de ações pensadas a partir de uma perspectiva regional. Assim, esse documento de diagnóstico regional do Convênio Litoral Sustentável aborda com maior profundidade dois temas centrais: (I) a formulação de questões regionais a partir dos diagnósticos municipais; e (II) a identificação dos espaços de organização, articulação e gestão regional. Partindo desses aspectos em particular, a seguir apresentamos uma análise das políticas de Segurança Pública nos 13 municípios em área do Pré-Sal. 3

4 0 0 (por 100 mil habitantes) Taxa em (por 100 mil habitantes) 500 Taxa em (por 100 mil habitantes) Taxa em (por 100 mil habitantes) Taxa em II - Um comparativo estatístico Do ponto de vista dos registros criminais, os 13 municípios abordados no âmbito do Convênio Litoral Sustentável estão distribuídos entre o Deinter 6 e o Deinter 1 1. Sequência 1: Estatísticas dos municípios do Deinter 6 Homicídio Doloso Furto e Roubo de Veículos Cubatão Itanhaém Mongaguá Peruíbe São Vicente Guarujá Santos Praia Grande Bertioga Cubatão Santos Mongaguá São Vicente Peruíbe Praia Grande Itanhaém Guarujá Bertioga Roubo Furto Cubatão Santos Mongaguá Guarujá São Vicente Peruíbe Itanhaém Praia Grande Bertioga Itanhaém Santos Mongaguá Cubatão Peruíbe Guarujá São Vicente Bertioga Praia Grande As tabelas apresentadas na sequência 1 permitem a comparação entre os municípios objeto do Convênio Litoral Sustentável que fazem parte do Deinter 6: Bertioga, Cubatão, Itanhaém, 1 O DEINTER 6 foi criado através do Decreto n /1999. Sua sede está localizada no município de Santos, e suas funções conjugam ações da polícia judiciária, administrativa e preventiva especializada. Sob sua responsabilidade estão 4 delegacias seccionais: Santos, Itanhaém, Registro e Jacupiranga. O DEINTER 6 possui também em sua estrutura, a Delegacia de Investigação de Crimes de Extorsão Mediante Seqüestro de Santos, o Grupo de Operações Especiais GOE, a Unidade de Inteligência Policial e o Núcleo de Ensino Policial situado em Praia Grande (site da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo - SSP/SP.<www2.policiacivil.sp.gov.br/x2016/modules/mastop_publish/?tac=DEINTER_6>, consulta feita em 16/04/2012). O DEINTER 1 é responsável por uma região com aproximadamente 2,2 milhões de habitantes, e conta com as Delegacias Seccionais de Polícia de São José dos Campos, Taubaté, Jacareí, São Sebastião, Guaratinguetá e Cruzeiro (site da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo -SSP/SP. <http://www.ssp.sp.gov.br/noticia/lenoticia.aspx?id=27013>, consulta feita em 07/06/12). 4

5 Guarujá, Mongaguá, Peruíbe, Santos, São Vicente e Praia Grande. Sob essa perspectiva, alguns aspectos merecem ser ressaltados: Dentre esse grupo de cidades, Bertioga é a que registra as menores taxas para os crimes de homicídio doloso, roubo, e furto e roubo de veículos. Apenas para o crime de furto, o município tem a segunda menor taxa. Ainda assim, a diferença é muito discreta. Onde há maior distância entre as taxas observadas em Bertioga e o município com os maiores índices é em relação ao crime furto e roubo de veículos. A análise comparativa mostra como, de acordo com os dados até 2012, o município seria um dos mais seguros do litoral. Já no caso de Cubatão, temos um cenário distinto. Quando comparado às outras cidades da mesma região, o município registra as maiores taxas para os crimes de homicídio doloso, roubo, e furto e roubo de veículos. Apenas para o crime de furto, o município tem taxas intermediárias em relação às outras cidades. Ainda assim, os índices são elevados. A análise comparativa deixa claro como a violência e criminalidade são, hoje, grandes desafios para o município e reiteram a necessidade de políticas de prevenção. Itanhaém apresenta um quadro semelhante. Em relação a outras cidades da mesma região, o município registra a 2ª maior taxa de homicídios dolosos. A cidade também lidera a comparação em se tratando do crime de furto. Já para os crimes de roubo e furto e roubo de veículos, o município faz parte do grupo de cidades com as maiores taxas. No espectro das cidades com taxas intermediárias, temos o Guarujá, sobretudo no que se refere aos crimes de homicídio doloso e roubo. Em se tratando dos crimes de furto e furto e roubo de veículos, o município está no grupo que registra os menores índices. Ainda assim, como vimos, quando analisados individualmente, os índices do município demandam atenção. Somados ao aumento dos homicídios observado em 2012, tais indicadores sublinham a necessidade de políticas específicas para enfrentar a violência e a criminalidade no município. Quando comparada às outras cidades da mesma região, Mongaguá tem a terceira maior taxa de homicídio doloso. O mesmo acontece para os crimes de roubo, e furto e roubo de veículos e furto. Ainda que as dinâmicas da própria cidade devam ser consideradas individualmente para um diagnóstico municipal, a comparação é importante porque mostra como Mongaguá compartilha desafios relativos à segurança pública com outros municípios da região. Já no caso de Peruíbe a oscilação é mais relevante. Quando comparada às outras cidades da mesma região, o município ocupa um lugar intermediário, mas está mais próximo do grupo de cidades com as taxas mais elevadas. Em se tratando de crimes contra o patrimônio como 5

6 roubo, e furto e roubo de veículos, a cidade novamente ocupa um lugar intermediário, mas nesse caso agrupada com as cidades com os menores índices. No que se refere ao crime furto, o município volta a ter taxas elevadas em relação aos outros municípios onde esse tipo de ocorrência tem registros menores. No grupo das cidades com as menores taxas, podemos citar Praia Grande que, em 2011, teve a segunda menor taxa de homicídios dolosos quando comparada às outras cidades da mesma região. O mesmo acontece em se tratando de crimes contra o patrimônio como roubo, e furto (no caso do último, o município teve a menor taxa em 2001). Em se tratando de furto e roubo de veículos a cidade tem a 4ª menor taxa, mas ainda pode ser agrupada entre os municípios com os índices mais baixos na região. Quando comparada às outras cidades da mesma região, Santos registra a terceira menor taxa de homicídio doloso. Contudo, em se tratando dos crimes de roubo, e furto e roubo de veículos, o município tem a segunda maior taxa da região. A análise comparativa evidencia um quadro municipal distinto em relação aos crimes contra a vida e crimes contra o patrimônio. Essa diferença é um indicativo importante que deve nortear abordagens específicas das políticas de segurança pública. Por fim, São Vicente também ocupa um lugar intermediário quando comparada às outras cidades da mesma região em relação aos homicídios dolosos. Estando mais próxima do grupo de cidades com as taxas mais baixas. O mesmo acontece para os crimes de roubo, e furto e roubo de veículos. No caso do primeiro, a diferença entre São Vicente e as outras cidades é muito pequena. Em relação ao segundo, a diferença entre São Vicente e as cidades com as maiores taxas é mais evidente. Já no que se refere ao crime furto, o município tem a terceira taxa mais baixa da região. 6

7 (por 100 mil habitantes) 500 Taxa em 2011 (por 100 mil habitantes) Taxa em Sequência 2: Municípios Deinter 1 1,000 1,500 Furto Furto e Roubo de Veículos São Sebastião Ubatuba Caraguatatuba Ubatuba Caraguatatuba São Sebastião (por 100 mil habitantes) Taxa em 2011 (por 100 mil habitantes) Taxa em Homicídio Doloso Roubo Ubatuba Caraguatatuba São Sebastião São Sebastião Ubatuba Caraguatatuba As tabelas apresentadas na sequência 2 permitem a comparação entre os municípios objeto do Convênio Litoral Sustentável que fazem parte do Deinter 1: Caraguatatuba, São Sebastião e Ubatuba. A cidade de Ilhabela também faz parte do Deinter 1, mas não aparece no conjunto dos gráficos, isso porque os dados do município não estão disponíveis. A justificativa apresentada pela SSP/SP é que Dado não disponibilizado devido à grande variabilidade nas taxas de homicídios dolosos Esta variação é decorrente de flutuações naturais que ocorrem nos dados, quando se trabalha com número pequeno de eventos, o que prejudica o dimensionamento do fenômeno, podendo levar a conclusões equivocadas sobre o aumento ou queda. O mesmo princípio se aplica para outros tipos de crime. O fato da cidade não aparecer nos gráficos, reitera a percepção de que esse é um município com baixos indicadores de criminalidade. A comparação entre as três outras cidades, sugere algumas considerações. 7

8 Caraguatatuba registra as menores taxas para os crimes de furto e roubo quando comparada às outras cidades da mesma região. Já no que se refere a furto e roubo de veículos, contudo, a cidade tem o segundo índice mais elevado, muito próximo à Ubatuba, o município da região com os maiores índices de ocorrências. O mesmo acontece com os homicídios dolosos : o município tem praticamente os mesmos índices que Ubatuba. A análise comparativa reitera a percepção de que a temática da segurança pública deve ser um elemento de preocupação e atenção das políticas públicas da cidade. A comparação dialoga, ainda, com dados de 2012 que apontam Caraguatatuba na contramão da onda de redução da criminalidade pela qual algumas cidades do litoral vêm passando, como, por exemplo, um aumento considerável no registro de homicídios dolosos. Já São Sebastião registra as maiores taxas para os crimes de furto e roubo quando comparado aos outros municípios da mesma região. No que se refere a furto e roubo de veículos, contudo, a cidade tem o menor índice, significativamente mais baixo do que os outros dois municípios que fazem parte dessa análise. O mesmo acontece com os homicídios dolosos, mas nesse caso com uma diferença menor entre as três cidades. A análise comparativa mostra que São Sebastião é mais segura em comparação às cidades da mesma região, mas que que o crime de furto persiste como um problema. Quando comparada às outras cidades da mesma região, Ubatuba é a 2ª colocada em se tratando das taxas para os crimes de furto e roubo. No que se refere a furto e roubo de veículos, contudo, a cidade tem o índice mais elevado entre as três. O mesmo acontece com os homicídios dolosos : ainda que o município tenha praticamente os mesmos índices que Caraguatatuba, a cidade se destaca entre as três por conta das maiores taxas de homicídio. A análise comparativa reitera a percepção de que a temática da segurança pública deve ser um elemento de preocupação e atenção das políticas públicas da cidade. A comparação dialoga, ainda, com dados de 2012 que colocam Ubatuba na contramão da onda de redução da criminalidade pela qual algumas cidades do litoral vêm passando. III - Aparato e capacidade institucional A seguir apresentamos informações referentes ao aparato e estrutura institucional relacionados à temática da Segurança Pública de forma comparada, segundo a distribuição das cidades analisadas no Convênio Litoral Sustentável por região dos Deinter. Os dados apresentados foram obtidos junto a gestores municipais designados em cada cidade, a partir de um roteiro de perguntas pré-estabelecido. As informações foram obtidas entre os meses de março e julho de

9 Tabela 1 2 Possui secretaria ou outro órgão especificame nte destinado à SP? Possui Guarda Municipal? Possui Plano municipal de segurança? Possui lei Municipal que Bertioga Cubatão Guarujá Itanhaém Mongaguá Peruíbe Praia Grande Não Depto de Secret. Secret. de Diretoria Secretaria SP Municipal de Trânsito e Municipal de de Defesa Municipalcr Defesa e Seg. Segurança, Social. iado pela Convivência Lei Social. Municipal nº Guardas Civis. Não armada. Não 298 agentes. A guarda não atua armada. Não Não Não cidade está em fase de contratação de empresa especializada. 85 agentes. Não atua armada. Cerca de 50 guardas, que utilizam armas não letais. 75 guardas. Não atua armada. Subsecretari a de Assuntos 231 guardas em exercício 82 novos contratados. atua armada Não Sim Não Plano municipal de segurança em fase de conclusão Santos Sim, Secretaria Municipal de Segurança. 363 guardas desarmados. Sim Sim Sim Não Sim. Não Não Sim. Sim. Sim. São Vicente Secret. de Transportes, Segurança e Defesa Social 220 agentes, desarmados. Não 2 Para informações mais detalhadas sobre o conteúdo das respostas, consultar os relatórios relativos aos 13 diagnósticos municipais. 9

10 tenha impacto direto na segurança do município? Quantas Delegacias? Quantas Bases da PM? Possui Defesa Civil? Há Presídio ou Carceragem? Delegacia 03 Distritos Policiais para crimes comuns e 01 DDM 03, sendo uma DDM 06 Bases Comunit. de Segurança Cias da PM 01 Batalhão da PM 03 04, sendo uma DDM. 02 bases da PM e 01 Batalhão Regiona 01 base da PM , sendo uma DDM 01 base da PM 1ª e 2ª Cias Força Tática e 45º BPMI , sendo uma DDM 08 05: um Batalhão e quatro Cias. Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Não Não Não Não 01 presídio semi-aberto e 01 unidade da Fundação Casa. Não, apenas 01 unidade da Fundação Casa. 01 Centro de Detenção Provisória carceragem e presídio. Não foram especificado s quantos. Não O município usa câmeras de vigilância? Algum fórum p/ Sim Sim Em fase de planejame nto.. Sim, Gabinete 34 (processo de instalação de mais 21) Sim, Gabinete de Não Não Sim Sim Não, apenas um Sim Gabinete de Sim Sim Conselho 10

11 planejamento conjunto c/ outras secretarias para ações de SP? Algum fórum comunitário dedicado à SP? Algum programa de SP com verba do Gov. Estadual? Algum programa de SP com verba do Gov. Federal? de Gestão Integrada MunicipalG GI. Gestão Integrada de Segurança Municipal - GGIM, CONSEG CONSEG. três Conselhos Comunit. de Segurança CONSEG CONSEG e o Conselho de Segurança de Mongaguá (Consem). Conselho Municipal de SP. Não Gestão Integrada Municipal GGIM. Conselhos de Segurança Comunitário s Norte e Sul. Conselho Municipal de Segurança (CONSEM) Sim Sim Sim. Sim. Sim Sim Sim Sim. Sim Sim Sim Sim Não Não Não Sim Sim Não Municipal de Defesa Social. CONSEG 11

12 Tabela 2 Possui secretaria ou outro órgão especificamente destinado à SP? Possui Guarda Municipal? Possui Plano municipal de segurança? Possui lei Municipal que tenha impacto direto na segurança do município? Quantas Delegacias? Caraguatatuba Ilhabela São Sebastião Ubatuba Não Diretoria de Defesa Civil e Secretaria de Segurança Secretaria Municipal a Divisão de Trânsito Urbana. de Segurança Pública e Defesa Social. Não Não 60 guardas municipais armados. 56 guardas municipais armados. Não Não Plano de Defesa Civil. Sim, em fase de reelaboração. Não Não Sim, entre elas: Lei 1812/2006, Lei 2005/2009,Lei 1996/ : 3DPs, 01 DISE - Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes, 01 Sim, a lei de criação da guarda municipal

13 Quantas Bases da PM? Possui Defesa Civil? Há Presídio ou Carceragem? O município usa câmeras de vigilância? Algum fórum p/ planejamento conjunto c/ outras secretarias para ações de SP? Algum fórum comunitário dedicado à SP? Algum programa de SP com verba do Gov. Estadual? Algum programa de SP com verba do Gov. Federal? DIG -Delegacia de Investigadores Gerais e 01 DDM 02 03: 02 da PM e 01 do Corpo de Bombeiros. Sim Sim Sim Sim 01 Centro de Detenção Não Não Não Provisória Estão desativadas. 21 câmeras. 38 câmeras. Não Não Não Não CONSEG. Não CONSEG CONSEG. CONSEG. Sim Sim Sim Sim Não Não Não Não 13

14 Análise da Tabela 1 Entre os nove municípios do Convênio Litoral Sustentável que fazem parte do Deinter 6, oito possuem secretaria ou outro órgão especificamente destinado à Segurança Pública, sendo Bertioga a única cidade onde tal estrutura não aparece. Oito possuem Guarda Municipal, sendo que sete não atuam armadas. Cubatão é o único município do grupo que não possui GCM e Praia Grande a única cidade onde a Guarda atua armada. A despeito da existência das secretarias, apenas dois municípios possuem Plano municipal de segurança, Mongaguá e Santos, respectivamente. Na época em que esse diagnóstico foi realizado, Praia Grande estava em fase de conclusão de seu Plano. Por outro lado, seis cidades possuem leis municipais que tenham impacto direto na segurança do município, o que aponta uma plataforma legal mínima para impulsionar ações nesse campo. Todos os municípios possuem delegacias, bases da polícia militar e Defesa Civil; apenas três possuem presídio ou carceragem. Seis cidades utilizam câmeras de vigilância, e uma cidade está em fase de conclusão de um projeto para implantá-las. Nos últimos anos, temos visto a difusão cada vez maior desse tipo de tecnologia como estratégia de segurança. O uso de tal recurso merece atenção no que se refere ao planejamento, regulação e limitações. Oito cidades declaram possuir fórum de planejamento conjunto com outras secretarias para ações de Segurança Pública e oito também organizam algum tipo de fórum comunitário dedicado ao tema de Segurança Pública. Todos os nove municípios indicaram alguma relação e/ou parceria com o Governo Estadual para a implementação de ações de Segurança Pública. Essas se restringem, sobretudo, a parcerias no âmbito da chamada Operação Verão. Por fim, cinco cidades apontam a existência de programas de Segurança Pública implementados com recursos do Governo Federal. 14

15 Análise da Tabela 2 Dentre os quatro municípios do Convênio Litoral Sustentável que fazem parte do Deinter 1, três possuem secretaria ou outro órgão especificamente destinado à Segurança Pública. Dois deles - São Sebastião e Ubatuba - contam com uma Guarda Municipal, sendo ambas armadas. Também São Sebastião e Ubatuba possuem Plano municipal de segurança e leis Municipais que impactam diretamente a segurança do município. Nos quatro municípios, encontram-se delegacias, bases da polícia militar e Defesa Civil. Por outro lado, nenhum deles possui presídio ou carceragem. Apenas Caraguatatuba abriga um Centro de Detenção Provisória (CDP). Três cidades possuem câmeras de vigilância: Caraguatatuba, Ilhabela e S. Sebastião. Na primeira cidade, contudo, as mesmas estão desativadas. Ubatuba foi o único município a indicar o CONSEG como fórum de planejamento conjunto com outras secretarias para ações de Segurança Pública. Nesse grupo, apenas Caraguatatuba não possui algum fórum comunitário dedicado ao tema de Segurança Pública. As outras apontam o CONSEG como esse espaço de articulação. Todos os municípios indicaram uma relação estabelecida com o Governo Estadual em se tratando das questões de Segurança. Entretanto, novamente, essas são restritas quase que totalmente às parcerias no âmbito da chamada Operação Verão. Por outro lado, nenhuma das cidades indicou qualquer programa de Segurança Pública implementado localmente com verba do Governo Federal.

16 IV - Leitura regional Alguns exemplos atuais como a construção das usinas hidrelétricas de Jirau e de Belo Monte reforçam o argumento de que impactos de empreendimentos de desenvolvimento de grande magnitude têm sido suficientemente relevantes para transformar por completo a área onde são implementados. No âmbito das análises de impacto que consideram as dimensões ambientais, econômicos e sociais, é preciso dedicar atenção particular à segurança pública seja no que diz respeito ao aumento dos fatores de risco, seja no que se refere ao fortalecimento e resiliência das regiões impactadas. Entre os efeitos percebidos como decorrência de grandes empreendimentos, estão a alteração do volume e circulação de pessoas, de dinheiro, assim como a demanda crescente por todo tipo de serviço social. Cria-se um problema quando melhorias proporcionais em termos de infraestrutura, serviços públicos ou fortalecimento institucional não acompanham tais transformações. Os possíveis efeitos de cenários como o descrito acima são percebidos em diferentes níveis, com consequências diretas para as dinâmicas sociais em geral. Do ponto de vista da segurança, sem um planejamento prévio para mitigar tais efeitos, pode ocorrer, por exemplo, o aumento da violência, mas também da prostituição, dos mercados ilegais (não apenas de drogas) e da corrupção policial, entre outros. Todos esses são elementos que afetam a segurança e a capacidade de prover segurança de qualquer lugar, seja uma megacidade, um bairro ou uma comunidade. Nesse sentido, devem fazer parte de uma reflexão para a criação de uma agenda regional de políticas municipais de segurança pública para os 13 municípios objeto do Convênio Litoral Sustentável. Como vimos, há uma grande diversidade nos desafios enfrentados pelas 13 cidades. Ao mesmo tempo que encontramos municípios que acompanharam a redução dos homicídios vivida pelo Estado de São Paulo, temos cidades que observam uma tendência oposta, com um aumento das taxas desse tipo de crime. Ainda, se por um lado algumas cidades foram capazes de consolidar estratégias para prevenir crimes específicos como furto e roubo de veículo, por outro, os crimes contra o patrimônio em geral seguem sendo um dos principais elementos na disseminação da sensação de insegurança em várias das cidades analisadas. O mesmo nível de variação pode ser percebido quando avaliamos a capacidade municipal na elaboração de politicas de segurança. Os municípios parecem estar em momentos diferentes em se tratando da elaboração de planos municipais, treinamento das GCMs, etc. Isso não impede, no entanto, que uma série de pontos comuns sejam encontrados. O primeiro, e talvez um dos mais relevantes para esse diagnóstico, é a existência de uma demanda clara 16

17 por parte da população das diversas cidades para que haja um investimento no aprimoramento de ações capazes de promover a segurança pública. Tal demanda pode ser entendida como um reflexo imediato dos índices de criminalidade, nos lugares onde esses são elevados ou observam uma tendência nessa direção. Mas essas manifestações por parte da população podem ser lidas também como um efeito antecipado de uma visão que conjuga desenvolvimento econômico com determinados impactos sociais. Nas falas de vários entrevistados, há uma associação entre o desenvolvimento econômico e social das suas respectivas cidade com um aumento da criminalidade potencial ou real em muitos casos associados ao tráfico de drogas. Entre as consequências antecipadas estabelece uma conexão entre violência e criminalidade urbana e desenvolvimento sem planejamento. Essa conexão sublinha a necessidade de um desenho de uma política de segurança para a região (ou o aprimoramento quando ela já existir) em consonância com a vocação municipal. Em outras palavras, cujo foco não esteja no enfrentamento do crime (atribuição do Governo estadual e das Polícias), mas na ampliação da capacidade de prevenção da violência e da criminalidade das cidades. Tomando tal referência como ponto de partida, os diagnósticos locais identificaram potenciais iniciativas que podem contribuir para uma estratégia regional de segurança pública. Entre elas vale a pena destacar as seguintes recomendações feitas aos municípios: Ampliar a compreensão das atribuições, das estruturas organizacionais e das ações concretas realizadas pelas instituições de segurança existentes no sentido de mapear suas potencialidades e carências institucionais, necessidades de capacitação de recursos humanos e materiais.; Obter mais informações sobre como os diferentes segmentos da população da cidade são vitimizados e/ou estão envolvidos pelos diferentes crimes que ocorrem no município, de acordo com os critérios etário, de raça, gênero, renda, educação, etc.; Compreender, de forma mais detalhada, como o tráfico de drogas opera na cidade e qual vem sendo a sua história de desenvolvimento na região; Em parceria com as polícias, investir numa análise mais aprofundada dos homicídios na região, procurando estabelecer um perfil da ocorrência com informações sobre local, hora, vítima, agressor, motivação, etc.; Expandir o mapeamento e construir um mapa com a distribuição espacial dos diferentes tipos de crimes para subsidiar uma análise das dinâmicas criminais tomando em conta o desenho urbano da cidade, seus diferentes bairros, etc. ; Expandir o mapeamento dos programas implementados por outras secretarias, particularmente aqueles voltados para jovens, mulheres, e nas escolas municipais; 17

18 Há um conjunto de desafios relacionados a capacidade institucional de cada município estudado. Seu fortalecimento passa por: institucionalização das politicas de segurança, para que estas não estejam sujeitas a determinantes políticos e mudança de administração; Fortalecimento das capacidades dos gestores municipais que atuam no campo da segurança pública e áreas correlatas. Para tanto, são necessárias formações permanentes; Aproveitar a estrutura existente no município dedicada à Segurança Pública para fazer um planejamento focando na prevenção, contemplando os impactos previstos resultantes do Pré - Sal. Em relação ao último ponto, é ainda mais valioso reconhecer o potencial de ações integradas. Lembrando que um dos fenômenos encontrados na literatura do campo teórico da criminologia é a possibilidade de migração de determinadas condutas criminais diante de intervenções territoriais circunscritas. Nesse sentido, considerando a contiguidade dos municípios em questão, a elaboração de estratégias compartilhadas, que contemplem um diálogo permanente entre gestores de diferentes municípios, e que vislumbre espaços de planejamento conjuntos é essencial para o desenvolvimento de políticas sustentáveis e eficazes de prevenção e Segurança Pública. Tal cooperação pode permitir que as ações empreendidas tenham alcance efetivamente regional e não apenas neste ou naquele município. Não obstante, os diagnósticos de cada município retratam especificidades tanto do ponto de vista dos desafios quanto das potencialidades, pautados por dinâmicas sociais, econômicas e culturais locais. Com efeito, uma estratégia regional deve ter no seu horizonte o ponto de equilíbrio entre as formulações coletivas e compartilhadas e as respostas do poder público capazes de atender às demandas locais. A seguir alguns exemplos de gestão e planejamento compartilhados no campo da Segurança Pública: Possibilidade de criação de um Fórum Regional de Secretários Municipais de Segurança Pública; Estabelecimento de protocolos de cooperação entre as Secretarias de Segurança Municipais e as respectivas Guardas Municipais (GCM) para troca de informações, planejamento de intervenções específicas, como a Operação Verão, apresentação de resultados, estratégias inovadoras, etc.; Criação de um currículo comum de treinamento e formação para as guardas municipais de cada cidade; O acesso a estatísticas criminais territorializadas segue sendo uma das maiores lacunas na formulação das politicas de segurança municipais nas cidades compreendidas nesse projeto. Ao mesmo tempo, as experiências municipais exitosas no campo da segurança pública, nacional e internacionalmente, têm na produção de dados um dos seus pilares fundamentais. Nesse sentido, a constituição de observatórios locais e regionais de 18

19 criminalidade se coloca como uma ferramenta capaz de potencializar a formulação de politicas eficazes de segurança pública. 19

20 Bibliografia Constituição Da República Federativa Do Brasil. Texto consolidado até a Emenda Constitucional nº 70 de 29 de março de Senado Federal. Portal Legislação, Brasília. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Perfil dos Municípios Brasileiros Pesquisa de Informações Básicas Municipais. Rio de Janeiro, Jacobo Waiselfisz, Julio Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros. RITLA, Instituto Sangari, MMS, MMJ. Jacobo Waiselfisz, Julio Mapa da Violência 2012: Os novos padrões de violência homicida no Brasil. Instituto Sangari. Lei Complementar Nº. 016, DE 26/06/1992. Dispõe sobre a instituição do Plano Diretor do Município de Guarujá, Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo e dá outras providências. Lei Complementar n.º 30 de 12 de janeiro de Institui o Plano Diretor do Município de Itanhaém. Lei nº 315/1998. "Aprova o Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentado de Bertioga - PDDS/BERTIOGA, fixando seus conceitos, objetivos e diretrizes gerais." Lei Complementar nº , DE 10/09/1998. Institui o Novo Plano Diretor do Município de Cubatão, e dá outras providências. Lei Municipal N de 10/07/2006. Dispõe sobre a instituição do Plano Diretor do Município de Mongaguá. Lei Complementar nº 100, DE 29 DE MARÇO DE Institui o Plano Diretor, define princípios, objetivos, estratégias e instrumentos para a realização das ações de planejamento no município de Peruíbe e da outras providências. Lei Complementar Nº 473, DE 27 DE DEZEMBRO DE Aprova a Revisão do Plano Diretor da Estância Balneária de Praia Grande para o período de 2007 a Lei Nº 681/90, de 06 de abril de Institui a Lei Orgânica da Estância Balnearia de Praia Grande. Lei Complementar n.º 731 de 11 de Junho de Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento e Expansão Urbana do Município de Santos e dá Outras providências Lei Complementar n.º 270. Institui o Plano Diretor do Município de São Vicente, de 29 de dezembro de Lei nº de 15 de dezembro de Institui o Plano Diretor Participativo e o processo de planejamento e gestão do desenvolvimento urbano do Município de Ubatuba. Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ubatuba. Lei Orgânica Municipal de Bertioga. 20

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Uma vitória sobre o crime

Uma vitória sobre o crime Época 31/01/2008-21:44 Edição nº 507 Uma vitória sobre o crime Como o Estado de São Paulo conseguiu reduzir em mais de 60% a taxa de homicídios nos últimos oito anos e quais as lições que o Brasil pode

Leia mais

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema Região Metropolitana de São Paulo Área total: 7.944 Km² População: 20,3 milhões de habitantes Densidade hab/km² Município de Diadema Área total: 30,7 Km2 População: 386.089 (IBGE/2010) Densidade demográfica:

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A sensação de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS INTRODUÇÃO PROPOSTA ELABORAÇÃO DE UM DIAGNÓSTICO REALISTA. MATERIAL ESTATÍSTICAS, MAPEAMENTO DO CRIME MAPEAMENTO DA CONDIÇÃO SOCIAL ENTREVISTAS COM

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A falta de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada pelos

Leia mais

LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança

LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança (espaço coletivo de consulta e interação global através de um web site) www.levs.marilia.unesp.br

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de

Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de Diagnóstico Urbano Socioambiental e Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável em Municípios da Baixada Santista e Litoral Norte do Estado de São Paulo 2 Pressuposto : Verificar o potencial de implantação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR www.mariz.eti.br CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR Dentre as mudanças trazidas pela Portaria nº 3.233/12, podemos destacar a ampliação da carga horária de alguns cursos oficiais. O Curso

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

Edital 04/2015 Contratação de assessoria de imprensa para o Observatório Litoral Sustentável

Edital 04/2015 Contratação de assessoria de imprensa para o Observatório Litoral Sustentável Edital 04/2015 Contratação de assessoria de imprensa para o Observatório Litoral Sustentável O Instituto Pólis pretende selecionar uma empresa de assessoria de imprensa para divulgação do Observatório

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

GUIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

GUIA DE SEGURANÇA PÚBLICA GUIA DE SEGURANÇA PÚBLICA Desenvolvido para facilitar o acesso da população a todos os serviços relacionados à segurança pública no município de São José dos Campos. GUARDA CIVIL MUNICIPAL: 153 www.sjc.sp.gov.br/guarda

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação

SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação A Secretaria de Estado de Segurança (SESEG), através da subsecretaria de Planejamento e Integração

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

Especificações Técnicas. Elaboração da Pesquisa

Especificações Técnicas. Elaboração da Pesquisa Especificações Técnicas Período 28 a 31 de julho de 2011 Abrangência Nacional Universo Eleitores com 16 anos e mais Amostra 2.002 entrevistas em 140 municípios Margem de erro 2 pontos percentuais e grau

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Of/GP/CM/069/09 Canoas, 22 de abril de 2009. Senhor Presidente: Vimos respeitosamente apresentar para apreciação desta Casa Legislativa o Projeto de Lei 24/09, que Cria o Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

POLÍCIA FEDERAL. Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS

POLÍCIA FEDERAL. Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS POLÍCIA FEDERAL Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS AGENDA NOSSA ESTRUTURA O QUE FAZEMOS NOSSA MISSÃO NOSSA GESTÃO NOSSAS REALIZAÇÕES NOSSO FUTURO NOSSA ESTRUTURA ESTRUTURA

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Secretaria de Segurança Pública Segurança Pública Polícia Militar de S. Paulo Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Coronel PM Ricardo Gambaroni Comandante

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS Ministério da Justiça Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública DIAGNÓSTICO DA CRIMINALIDADE 24 Evolução dos

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012

GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012 GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012 1 APRESENTAÇÃO: 1) CENTRO DE REFERÊNCIA DO RSnaPAZ 2) COMITÊ GESTOR DO TERRITÓRIO DE PAZ 3) BANCO DE DADOS

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto November 19, Resultados em : A Pesquisa de Qualidade de Vida da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica Internacional BRA/04/029 Segurança Cidadã. Revisão Substantiva J

Projeto de Cooperação Técnica Internacional BRA/04/029 Segurança Cidadã. Revisão Substantiva J Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Projeto de Cooperação Técnica Internacional BRA/04/029 Segurança Cidadã Revisão Substantiva

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 1. INTRODUÇÃO A discussão em torno do tema criminalidade e violência é um assunto recorrente e atual em nossa sociedade. Aliado também ao crescente tráfico e uso

Leia mais

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011

SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011 SINTESE DO DIAGNÓSTICO TERRITÓRIO DE PAZ SANTO AFONSO NOVO HAMBURGO 2010/2011 REALIZAÇÃO: Diagnóstico Local - Território de Paz Santo Afonso Novo Hamburgo Página 1 DIAGNÓSTICO LOCAL TERRITÓRIO DE PAZ SANTO

Leia mais

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB.

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB. PARECER Referências: Indicações nos 055/2007, de autoria do Deputado Celso Russomano e 097/2006, do Deputado Milton Monti, referentes, respectivamente, aos Projetos de Lei n''s. 1.017, de 2007 e 7.284,

Leia mais

Economia Política da Violência em Alagoas

Economia Política da Violência em Alagoas Economia Política da Violência em Alagoas Fábio Guedes Gomes 1 "O sentimento de que as pessoas vivem com medo de serem assassinadas é um exagero muito grande. Existe situação terrível nas favelas, mas

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

CONSULTA POPULAR SEGUNDO PLANO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

CONSULTA POPULAR SEGUNDO PLANO MUNICIPAL DE SEGURANÇA CONSULTA POPULAR SEGUNDO PLANO MUNICIPAL DE SEGURANÇA Os avanços na segurança A Prefeitura de Diadema vem desenvolvendo, desde o ano de 2001, uma série de ações que tiveram impacto extremamente positivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde NOTA TÉCNICA 18/2014 Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde Brasília, 28 de outubro de 2014. 1 Introdução A Política Nacional de Promoção da saúde - PNaPS foi aprovada em 2006, no conjunto de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO SOCIAL À CRIMINALIDADE

POLÍTICA DE PREVENÇÃO SOCIAL À CRIMINALIDADE POLÍTICA DE PREVENÇÃO SOCIAL À CRIMINALIDADE 2014/2015 A POLÍTICA 1. A POLÍTICA DE PREVENÇÃO SOCIAL À CRIMINALIDADE 1.1. Objetivos A Política de Prevenção Social à Criminalidade tem como objetivo geral

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 Polícia Civil do Estado do Sergipe PC-SE Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS GERAIS LINGUA PORTUGUESA 1 Compreensão de textos. 2 Denotação e conotação...

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Curso de Analista de Crime Oferta 2011

Curso de Analista de Crime Oferta 2011 Curso de Analista de Crime Oferta 2011 Justificativa: Incrementar o caráter científico da formulação das políticas públicas de segurança. A análise de crimes compreende um conjunto de processos sistemáticos

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Aos vinte dias de maio do ano de dois mil e quinze, realizou-se na Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos - AEAS o fórum Incêndio Alemoa O

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS A segurança das áreas de fronteira Brasileira Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 Fronteira, aqui começa

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Ações Orçamentárias 12OM Ações Preventivas de Segurança Pública para a Copa do Mundo de 2014 Produto: Ação im plem entada Num ero de Ações 13 Desenvolver

Leia mais

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi

Criminalidade. Luciano Nakabashi Juliano Condi A Associação Comercial de (ACIRP) em parceria com a FUNDACE realiza uma pesquisa de qualidade de vida na cidade de desde 2009. Essa é uma pesquisa muito importante para se que se tenha uma base confiável

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Propostas de Políticas Setoriais, Projetos e Investimentos Prioritários

Propostas de Políticas Setoriais, Projetos e Investimentos Prioritários Propostas de Políticas Setoriais, Projetos e Investimentos Prioritários Volume 3 Maio de 2011 Relatório Final Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte Definição

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Transição para Democracia. Constituição de 1988. Aumento do efetivo, equipamento e armamento das polícias. Integração das polícias civil e militar + separação da polícia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

O Papel dos Municípios na Política de Segurança

O Papel dos Municípios na Política de Segurança 1 O Papel dos Municípios na Política de Segurança Jacqueline Muniz Centro de Estudos de Segurança e Cidadania - UCAM Jajamuniz@candidomendes.br Junho de 2000 Belo Horizonte Tradicionalmente, os problemas

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais DIRETORIA DO OBSERVATÓRIO DA GOVERNANÇA DIOBS Produtos Sala Situacional Rede de Salas de Situação Processos Monitoramento Agenda Estratégica Observatório da Governança DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local MANUAL do sistema SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local 1 Observação: Recomenda-se a leitura prévia da cartilha do programa Crack, É Possível Vencer, disponível no endereço http://www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer/home/publicacoes/materialinformativo/destaques/cartilha-crack-e-possivel-vencer-compromisso-detodos-1

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Edital 06/2012. Projeto Litoral Sustentável. convênio 6000.0064846.11.4 MELHOR PROPOSTA DE PLANO DE MÍDIA COTAÇÃO PRÉVIA DE ASSESSORIA DE IMPRENSA.

Edital 06/2012. Projeto Litoral Sustentável. convênio 6000.0064846.11.4 MELHOR PROPOSTA DE PLANO DE MÍDIA COTAÇÃO PRÉVIA DE ASSESSORIA DE IMPRENSA. Edital 06/2012 Projeto Litoral Sustentável convênio 6000.0064846.11.4 MELHOR PROPOSTA DE PLANO DE MÍDIA COTAÇÃO PRÉVIA DE ASSESSORIA DE IMPRENSA. O Pólis Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL O QUE É DIREITO? O QUE É DIREITO FUNDAMENTAL? O QUE É SEGURANÇA? A? COMO GARANTIR O DIREITO À SEGURANÇA NUM ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO? MAPA

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais