Case Farmácia FEHOSP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Case Farmácia FEHOSP"

Transcrição

1 Case Farmácia FEHOSP 25º Congresso de Presidentes, Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de SP

2 ACSC - Associação Congregação de Santa Catarina

3 Linhas de Serviço CIRURGIA ONCOLOGIA NEUROLOGIA CARDIOLOGIA ORTOPEDIA GERAL PEDIATRIA

4 Estrutura 324 leitos 16 salas cirúrgicas FONTE: CNES 2015

5 Leitos de UTI 1 UTI NEURO 85 LEITOS UTI 1 UTI CARDIO 2 UTI GERAL UTI PEDIATRICA FONTE: CNES 2015

6 Atendimento ATENDIMENTOS PA ADULTO CIRURGIAS ATENDIMENTOS PA INFANTIL INTERNAÇÕES FONTE: MV/NGI - MÉDIA MENSAL 2015

7 Atendimento EXAMES CMD 800 QT/RT AMBULATORIAL 1567 PROCEDIMENTOS ENDOSCÓPICOS CONSULTAS FONTE: MV/NGI - MÉDIA MENSAL 2015

8 Estrutura 3 MIL MÉDICOS CADASTRADOS 543 TERCEIROS 98% SATISFAÇÃO DO CLIENTE 2095 COLABORADORES FONTE: CADASTRO MÉDICO/ RH / SAC

9 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

10 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

11 Farmácia Criação Criação Comissão de Padronização de Medicamentos e Materiais Criação Almoxarifado Central Criação Central de Materiais Consignados CIMED (Centro de Informação Sobre Medicamentos) Centro de Infusão Início das Atividades da Farmacovigilância Aquisição e instalação Dispensários Eletrônicos 7 (sete) Modernização e ampliação Farmácia Central CAF : 110 anos Transferência de Gestão da Farmácia De: Irmã Lidvina (Farmacêutica) Para: Prof. Leigos (Farmacêuticos ) Implantação do atendimento de prescrição via Palm Top Início das atividades de Farmácia Clínica Criação CAF (Central de Abastecimento Farmacêutico) Automação Processo de Fracionamento de Medicamento (Máquina Opuspac) Descentralização da Comissão de Padronização Materiais Medicamentos Parceria INSPER

12 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

13 Estrutura Diretoria de Operações Gerência Adm e Apoio Gerência de TI Gerência Eng. e Projetos Coordenação Farmácia Supervisão Farmárcia Administrativa Supervisão Farmácia Clínica Supervisão Almoxarifado Supervisão Almox. Consignados Coordenação Apoio Coordenação Nutrição Supervisão Nutrição SND Lactário Coordenação Hotelaria Supervisão de Hotelaria Serviço Hotelaria SHL SPR Supervisão Segurança Patrimonial Coord. Adm. Cardio/CDI/ Pneumo Supervisão Admininistrativa Lab. Analises Clínicas Met. Graf. Cardio Endoscopia Apoio CDI Coord. Adm. Orto/Neuro Agendamento Supervisão Atendimento Telefonia Amb. Centro Médico Central Agend. Centro Trat. Coluna COE / SAC Supervisão de TI T.I. Infraestrutura T.I. Sistemas Central Cadastros Coord. Infraestrutura Supervisão Infraestrutura Civil Instalações Supervisão Infraestrutura Caldeira Central Ar Condicionado Mecanica Supervisão de Obras Gerenciamento Obras Supervisão Eng. Clínica Coordenação Suprimentos Compras Costura Transporte Expedição Coord. Adm. Internação/ Gestão Leitos Engenharia Clinica Supervisão Atendimento Amb. Onco Centro Infusão Med. Gerenc. Leitos Recep. Central PA Adulto / Ped Radioncologia

14 Estrutura Farmácias X Serviços Farmácia Administrativa Farmácia Clínica 09 Centros Estocadores Farmácia Central Farmácia PA Farmácia Oncologia Farmácia UTI Cardiológica Farmácia UTI Neurológica Farmácia UTI Geral Adulto Farmácia UTI Multidisciplinar Farmácia CC Farmácia Hemodinâmica 1 Centro Distribuidor CAF (Centro de Abastecimento Farmacêutico) UTIs: UTI Cardiológica UTI Neurológica UTI Pediátrica UTI Neonatal UTI Geral Adulto UTI Multidisciplinar 2ºA (Oncologia) 3ºA (Clínica Cirúrgica) Ambulatório de Oncologia CIMED (Centro de Informações de Medicamentos) Farmacovigilância

15 Estrutura Equipe 1 Coordenador 2 Supervisor Farmacêutico Técnico de Farmácia Auxiliar de Farmácia 4 Estagiário de Farmácia 12 Jovem Aprendiz

16 Estrutura Programa Cadeia de Suprimentos Documental: registro e acompanhamento no Sistema VSupply Visita in loco: realizada pelo Farmacêutico grupo interno (Corporativo) e externo (GAFO Grupo de Avaliação e Qualificação de Fornecedor) Programação 100% Sistema MV conforme parâmetros pré definidos Compra: Sistema Vsupply Portal de Compras Corporativo Contratos - inseridos VSupply Spot - 100% via VSupply Aprovações: Conforme alçada Centro Estocadores Por meio de Cota gerada via Sistema MV para consumo de 1 dia Almoxarifado Central Materiais Médico Hospitalares CAF Central de Abastecimento Farmacêutico - Medicamentos

17 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

18 Farmácia Clínica O Serviço de Farmácia Clínica é uma atividade de grande importância, que está em evidência dentro do HSC, atuando na promoção do uso seguro e racional de medicamentos. Atualmente, os farmacêuticos clínicos estão alocados nas UTIs, Unidades Assistenciais de Internação 2ºA, 3ºA, 4ºA, Pediatria e Ambulatório de Oncologia.

19 Farmácia Clínica CAP Central de Avaliação de Prescrição A validação da prescrição médica com intervenções do profissional farmacêutico, tem como objetivo criar uma barreira de prevenção aos erros de medicação, antes da dispensação. A aplicação de um sistema de validação, ou seja o CAP, é garantia de maior segurança e qualidade do tratamento ao paciente internado. Capacidade de Análise 50 prescrições/dia por profissional 220 horas (22 dias úteis/mês) prescrições/mês por profissional Cada paciente-dia gera no mínimo uma prescrição/dia Premissas Farmacêuticos Especialistas Prescrição Eletrônica Sistema de Farmácia Clínica

20 Farmácia Clínica CAP Central de Avaliação de Prescrição 100% 67% 82% 7 Farmacêuticos 9 Farmacêuticos Garantir maior segurança e qualidade do tratamento ao paciente internado. 6 Farmacêuticos

21 Farmácia Clínica Panorama Atual % de Prescrições Médicas Validadas pelo Farmacêutico 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% TAXA DE PRESCRIÇÕES MÉDICAS DE PACIENTES INTERNADOS VALIDADAS PELO FARMACÊUTICO 58,6% 45,4% 46,9% 43,6% 42,9% 37,5% 31,8% 26,9% 24,7% 21,6% 19,6% 17,3% 52,6% 50,6% 46,3% 47,8% 49,4% 47,5% 39,3% 35,3% 30,6% 32,3% 31,1% 32,1% 26,1% 17,3% 62,0% 38,7% 64,4% 41,8% 10,0% 0,0% MÉDIA 2014 MÉDIA 2015 MÉDIA 2016 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 Mês Tx de PM de Pacientes Internados validadas pelo Farmacêutico - Geral Tx de PM de Pctes Internados validadas pelo Farmacêutico - Setores Cobertos

22 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

23 Objetivo dos Dispensários Eletrônicos Reduzir o volume de urgências e consequente espera do paciente, além de devoluções e eliminar as Farmácias Satélites do HSC.

24 Considerações Identificado satisfação dos profissionais da enfermagem Diminuição das devoluções Agilidade das medicações de urgência Na prática não evidenciado redução de equipe Evidenciada queda das devoluções Equipe não concorda em fechar as Farmácias Satélites Investimento de R$ ,21 por equipamento R$ ,47 Identificado necessidade de 24 equipamentos Investimento total na quantia de R$ ,04

25 Resultado Esperado Custo Total com impostos e despesas de importação R$ ,04 Economia gerada em 1 ano - R$ ,26 Retorno Total em meses 13 meses Fonte: ROI Dispensário Eletrônico Para essa análise, considerou-se a redução de estoque de 13%, aumento de 5% do faturamento e redução de 5 Auxiliares de Farmácia, totalizando economia de R$ ,00/ano.

26 Fases do Projeto 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase 4ª Fase Dispensários Dispensários Dispensários Dispensários Concluída Não Aprovado Não Aprovado Não Aprovado Estoque 91 - Dispensário 2ºA depois transferido para o 3ºC - 28/07/2014 Estoque 92 - Dispensário 3ºA - 17/11/2014 Estoque 93 - Dispensário 4ºA - 01/12/2014 Estoque 94 - Dispensário 5ºA - 12/01/2015 Estoque 95 - Dispensário 6ºA - 19/01/2015 Estoque 96 - Dispensário UTI PED - 09/02/2015 Estoque 98 - Dispensário 2ºA - 03/03/2015

27 Projeção do Quadro

28 PANORAMA ATUAL 7 dispensários instalados 11 unidades atendidas 2ºA (2ºA) 3ºA (3ºA) 3ºC (2ºC e 3ºC) 4ºA (4ºA e 4ºB) 5ºA (5ºA e 5ºB) 6ºA (6ºA e 6ºB) UTI Pediátrica Atendimento somente SN e urgente Atendimento de Horários, ACM, SN e urgente

29 Quantidade de itens Indicadores Itens movimentados Farmácia Central Implantação Dispensário 3A em 17/11/14, 4A em 01/12/14, 5A em 12/01/15 e 6A em 19/01/ Mês Saídas Devoluções % Devoluções Linear (Saídas)

30 Taxa de Devolução Indicadores Taxa de Devolução Farmácia Central 21,0% 20,0% 19,0% 18,0% 17,0% 16,0% 15,0% 14,0% 13,0% 12,0% 17,4% 18,9% 16,8% 19,6% 18,8% 19,1% 18,6% Início da implantação do Dispensário 18,0% 16,1%16,0% 16,9% 17,8% 15,4%15,5% 14,1%14,2% 14,7% Final da implantação do Dispensário Eletrônico nas CMCs 15,0% 14,4% 16,4% 15,7% 17,6%17,7% Mês % Devoluções Mediana

31 Conclusão O projeto de automatização da dispensação, por meio dos Dispensários Eletrônicos, atende a necessidade de agilidade do atendimento para Assistência e consequentemente para o paciente, porém não prevê redução de quadro, uma vez que é necessária mão de obra para a reposição de cada máquina, na proporção de 1 Auxiliar de Farmácia por equipamento. Reafirma-se a necessidade de existir um projeto de implantação para novas propostas. Ao confeccionar esse projeto, observou-se a necessidade de criar uma estrutura de suporte para atendimento das Pyxys, reposição e gerenciamento, que não havia sido planejada. Por fim, para garantir a qualidade e segurança da dispensação, faz-se necessário antecipar o projeto de Validação da Prescrição Médica antes da Dispensação, que contempla também o processo de Transcrição segura, até que as Prescrições Eletrônicas sejam implantadas na sua totalidade.

32 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

33 Parceria com o INSPER Programa Resolução Eficaz de Problemas (REP), voltado à formação de alunos da graduação nas competências de resolução de problemas, trabalho em equipe, comunicação, pensamento crítico e orientação para resultado. Mentor para orientar e apoiar os alunos O mentor é um executivo com ampla experiência corporativa, parceiro da Escola e dedicado à formação dos alunos Certificação Green Belt aos alunos com destaque Conta com a contribuição e a experiência do professor Vicente Falconi

34 Parceria com o INSPER Responsabilidades Benefícios Empresa Fornecer os problemas e a base de dados para análise Identificar o responsável técnico para acompanhar os alunos Empresa Discutir e analisar os problemas Alunos Desenvolver os projetos, com base em metodologia Garantir a confidencialidade das informações Gerenciar o projeto Alunos Vivência corporativa e maturidade profissional Receber certificação de resolução de problemas valorizada pelo mercado Insper Preparar os alunos para o programa Manter parceria ao longo do desenvolvimento do projeto Insper Apoiar as organizações na solução de problemas e ao mesmo tempo permitir uma experiência de aprendizado única para os alunos

35 Parceria com o INSPER

36 Parceria com o INSPER

37 Parceria com o INSPER 20% 17,25% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% 13% HCOR 250 leitos 10% 13% 8% 12,38% Hospital do São Camilo HAOC HSC Rim leitos leitos leitos leitos 15% 10% 5% 0% Média Farmácia Central 8,34% Melhor prática realizada

38 Parceria com o INSPER

39 Case Farmácia Linha do tempo Estrutura Farmácia Clínica Dispensário Eletrônico Parceria com INSPER Desafios

40 Desafios da Farmácia Garantir a rastreabilidade para todos os medicamentos - Soros de grande volume - Gases Medicinais (RDC 32) Modernização e ampliação Farmácia Central CAF Validação de 100% das Prescrições antes da dispensação ao paciente (Projeto CAP) Plano de Ações (Projeto INSPER)

41 Obrigada

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar Inovação na Farmácia Hospitalar Nossa instituição hoje 439 Leitos Operacionais UTI com 57 leitos Unidades Críticas 62 leitos 19 Salas Cirúrgicas

Leia mais

Organograma UDI Hospital

Organograma UDI Hospital Organograma UDI Hospital ASSEMBLÉIA DOS SÓCIOS CONSELHO CONSULTIVO Centro de Estudos Ensino e Pesquisa CONSELHO FISCAL/ AUDITORIA INDEPENDENTE COMISSÃO DE ÉTICA MÉDICA UDI HOSPITAL SUPERINTENDÊNCIA DIRETOR

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos 15/03/2017 Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos Modelo Adotado Grupo São Lucas Ribeirania Ribeirão Preto Dr Pedro Antonio Palocci o Médico Pediatra formado pela XXIIIª Turma da FMRP-USP 1979

Leia mais

Gestão de Estoque Hospitalar

Gestão de Estoque Hospitalar II Forum de Lean Healthcare de São Paulo Gestão de Estoque Hospitalar Jorge Luiz Bison Mauricio Jacó Cerri UNIMED Araras Hospital Próprio em Araras e Leme SP 50.000 vidas (Araras, Leme e Conchal) 700+

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO Zona Norte Zona Leste Av. Água Fria, 135- Santana Av. Celso Garcia, 4974 -Tatuapé Para atender as necessidades de mercado e se tornar ainda mais competitiva, a Unimed adotou

Leia mais

Fórum de Custos. Gestão Corporativa de Faturamento Automatização de Indicadores Corporativos

Fórum de Custos. Gestão Corporativa de Faturamento Automatização de Indicadores Corporativos Fórum de Custos Gestão Corporativa de Faturamento Automatização de Indicadores Corporativos Mauricio Rodrigues Loures - Diretoria Financeira Corporativa Selma Santos Gerente Corporativo de Faturamento

Leia mais

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas.

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas. Setor: Escritório da Qualidade Pág. 1 de 10 Código:.QLD.NOR.002 Versão: 00 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5.

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Cronograma de Educação Permanente 2016

Cronograma de Educação Permanente 2016 Cronograma de Educação Permanente 2016 JANEIRO FEVEREIRO Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia, equipe do SAME e colaboradores. MARÇO

Leia mais

Divisão de Assistência Farmacêutica

Divisão de Assistência Farmacêutica Divisão de Assistência Farmacêutica 1. Introdução A Divisão de Assistência Farmacêutica, unidade pertencente ao Departamento de Apoio Técnico, atende cerca de 58.631.430 solicitações/mês, englobando prescrições

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15 PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/15 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

Fórum de Compras e Suprimentos Hospitalares Sustentáveis

Fórum de Compras e Suprimentos Hospitalares Sustentáveis Fórum de Compras e Suprimentos Hospitalares Sustentáveis Como a Área de Suprimentos pode impactar na redução de custos e contribuir na performance do Hospital Leonisa Scholz Obrusnik SAÚDE PRIVADA COMPLEXO

Leia mais

COMPRAS CORPORATIVAS NO FORTALECIMENTO DA CADEIA PRODUTIVA DE VALOR. Daniela Eugênio Gerente Corporativa de Logística

COMPRAS CORPORATIVAS NO FORTALECIMENTO DA CADEIA PRODUTIVA DE VALOR. Daniela Eugênio Gerente Corporativa de Logística COMPRAS CORPORATIVAS NO FORTALECIMENTO DA CADEIA PRODUTIVA DE VALOR Daniela Eugênio Gerente Corporativa de Logística Associação Congregação de Santa Catarina ACSC: Uma rede a serviço da vida 18 milhões

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA 1. APRESENTAÇÃO O objetivo principal da Comissão de Farmácia e Terapêutica é elaborar a cada dois anos a padronização de medicamentos disponível

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP Seguem abaixo os ramais com suas respectivas classificações. RAM AL LOCAL CLASSIF. 6284 Acesso Legal - Rafael 2 6412 Agendamento - Bloco 2 6425 Agendamento - Núcleo - Administração 4 6427 Agendamento -

Leia mais

3 INDICADORES QUANTITATIVOS

3 INDICADORES QUANTITATIVOS 3 INDICADORES QUANTITATIVOS Saídas Hospitalares Serviços Contratados Saídas Hospitalares Clínica Médica Clínica Cirúrgica TOTAL DE SAÍDAS Meta Média Meta Jul Ago Set Out Nov 136 163 150 228 228 217 154

Leia mais

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS 1 - PRONTO SOCORRO 1.1 - Atendimento de Urgência e/ou Emergência Segundo Especialidade Especialidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov ez % Clínica Pediátrica 2131 2132 3541 4612 3604 3159 2596

Leia mais

O PAPEL DA ALTA DIREÇÃO NA GESTÃO DA PRODUTIVIDADE

O PAPEL DA ALTA DIREÇÃO NA GESTÃO DA PRODUTIVIDADE O PAPEL DA ALTA DIREÇÃO NA GESTÃO DA PRODUTIVIDADE Hospital Moinhos de Vento PORTO ALEGRE, 26 DE MAIO DE 2017. MODELO DE GESTÃO MOINHOS Marcos Históricos do Moinhos 2014 Inauguração HRES 1927 Início das

Leia mais

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85) COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE nucit@saude.ce.gov.br (85) 3101-5234 SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE E SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS 5 e 6 de Maio de 2009 Fortaleza / CE Comissão

Leia mais

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Débora C M F de Carvalho Gerente de Farmácia Regina M Y Conishi Gerente Administrativa de Enfermagem Assistência farmacêutica Debora C M F de Carvalho Gerente

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA

UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA Lidiana Oliveira Mendes Vanessa Esperidião da Silva Tatiane Silva Vieira UNIMED PAULISTANA 252

Leia mais

HOSPITAL UNIMED NOROESTE RS SERVIÇO DE QUIMIOTERAPIA

HOSPITAL UNIMED NOROESTE RS SERVIÇO DE QUIMIOTERAPIA HOSPITAL UNIMED NOROESTE RS SERVIÇO DE QUIMIOTERAPIA Serviço de Quimioterapia inaugurado em agosto de 2005 FATORES QUE LEVARAM A ABERTURA DO SERVIÇO Custo elevado dos medicamentos quimioterápicos; Aumento

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG Hospital público, geral, universitário, integrado ao Sistema Único de Saúde (SUS), Unidade Especial da UFMG; Atende a todas especialidades e subespecialidades oferecidas ao

Leia mais

DADOS E INDICADORES HOSPITALAR

DADOS E INDICADORES HOSPITALAR DADOS E INDICADORES HOSPITALAR - 2015 INDICADORES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL DIÁRIA INTERNAÇÕES 2.209 2.005 2.380 2.214 2.095 2.164 2.126 2.240 17.433 2.179 73 ALTAS 2.184 2.002

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos.

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Nome da Instituição envolvida: Instituto do Câncer do

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento. Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA

Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento. Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento das Pessoas na Estratégia Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA ESCOLHAS Forças Motrizes do Trabalho Necessário Relevante

Leia mais

O Desafio do Prontuário Eletrônico

O Desafio do Prontuário Eletrônico O Desafio do Prontuário Eletrônico SOUZA J. G. A.; BOULANGER A.; LANDSBERG.G. Unimed-BH INTRODUÇÃO Contexto e Porte da Rede Núcleos de Atenção à Saúde Atenção Domiciliar Unimed Maternidade Unimed Centro

Leia mais

Santa Casa de Franca

Santa Casa de Franca Santa Casa de Franca o Graduação: Contabilidade - UNIFAFIBE o Pós Graduação: Gestão Financeira - FGV o Mestrando: Gestão Hospitalar FEA-RP o Ernst & Young Big Four o Unimed e Uniodonto o Hospital São Francisco

Leia mais

Logística Hospitalar. Hospital do Futuro. Julho Pedro Lima

Logística Hospitalar. Hospital do Futuro. Julho Pedro Lima Logística Hospitalar Hospital do Futuro Julho 2009 Pedro Lima Agenda Contexto CHLN 2006: Reestruturação Processos 2008: Diferenciação de Consumos 2009: Melhores Práticas Julho 2009 Pedro Lima 2 Agenda

Leia mais

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Brasil 2016 Erros de medicações Na Inglaterra, um levantamento em 19 hospitais apontou que uma em cada

Leia mais

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Seminários de Gestão Tendências e Inovações em Saúde Tendências em Saúde e Impactos na Gestão Hospitalar FEHOSUL Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Helena Barreto

Leia mais

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style Click to edit Master subtitle style CHECAGEM BEIRA LEITO Hospital Unimed Recife III Autor: Dr. Fernando José Barbosa da Cruz Diretor Médico Enf Ana Paula Vasconcelos de Farias Supervisora Geral de Enfermagem

Leia mais

Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica. Coordenadora da COREME. Coordenador do Programa de Pediatria

Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica. Coordenadora da COREME. Coordenador do Programa de Pediatria PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica Dr. Arnaldo Prata Barbosa Coordenadora da COREME Dra. Vanessa Soares Lanziotti Coordenador do Programa de

Leia mais

Resumo Profissional. Vivências em gestão de áreas administrativas em Hospital.

Resumo Profissional. Vivências em gestão de áreas administrativas em Hospital. Laurival Anjo da Silva CRA-SP 120688 38 Anos Casado, dois filhos. Reside em Cotia E-mail: contato@laurivalsilva.adm.br Rede social: https://br.linkedin.com/in/laurivalsilva Fone: 11-4242 0796 Celular:

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA

Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA Inaugurada em 1953. Gestão municipal desde 2000 (ano em que recebeu o selo Amigo da Criança). Direção HMIPV Geral: Marcos Slompo Técnico: Felipe Cabral

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016 TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM MEDICINA INTENSIVA PEDIÁTRICA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE INFORMÁTICA Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e valores dispendidos TI 2015 Jan.2016 Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos Autores Ananda Hoffmann Sandra da Silva Kinalski Silvia Furian El Ammar Ijuí, Rio Grande do Sul Objetivos Qualificar Técnicos

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO:

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: MINISTERIO DA SAUDE PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 043034/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL PERMANENTE PARA UNIDADE

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

4ª Reunião do Subgrupo de Req to Pay Recebimento Fiscal

4ª Reunião do Subgrupo de Req to Pay Recebimento Fiscal 4ª Reunião do Subgrupo de Req to Pay Recebimento Fiscal 18/11/2014 Agenda 1. Alocação de pessoas e volumetria 2. Grau de terceirização 3. Sistemas utilizados 4. Principais desafios 5. Outros 1. Alocação

Leia mais

Equipe IABAS. 92 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS)

Equipe IABAS. 92 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) Equipe IABAS 92 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) b lanço soci l Equipe IABAS (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

Planejamento de materiais com foco na eficiência: Giro de estoque e planejamento de materiais. Sérgio Henrique Oliveira

Planejamento de materiais com foco na eficiência: Giro de estoque e planejamento de materiais. Sérgio Henrique Oliveira 15 de Março 2017 Planejamento de materiais com foco na eficiência: Giro de estoque e planejamento de materiais Sérgio Henrique Oliveira Gerente de Logística da Rede Mater Dei de Sáude Rede Mater Dei de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA EM SAÚDE - CQIS/DESID MARCELO SETTE GUTIERREZ Coordenador Economia

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. APRESENTAÇÃO O Setor de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação consta com refeitório, lactário, copas separadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DO ENXOVAL

GERENCIAMENTO DO ENXOVAL GERENCIAMENTO DO ENXOVAL Enfª Jaqueline Vieira Dellagustinho LAVANDERIA HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL UNIMED NORDESTE-RS HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL DADOS GERAIS 12.284m²

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

Curso Pré-congresso Governança Corporativa Governança em Hospitais

Curso Pré-congresso Governança Corporativa Governança em Hospitais QualiHosp 2017 Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Curso Pré-congresso Governança Corporativa Governança em Hospitais São Paulo, 20 de março de 2017 Renilson Rehem Governança

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca Gestão de Custos Soluções e Controle de Doenças Crônicas Junho, 2017 Romero Franca Nossa missão $184,8 Bi Ajudar as pessoas a viver de forma mais saudável e contribuir para que o sistema de saúde funcione

Leia mais

LINHAS DE CUIDADO! Impactos sobre a Gestão Sergio Albuquerque Frederes Diretor de Relações Institucionais do HDP Médico

LINHAS DE CUIDADO! Impactos sobre a Gestão Sergio Albuquerque Frederes Diretor de Relações Institucionais do HDP Médico LINHAS DE CUIDADO! Impactos sobre a Gestão Sergio Albuquerque Frederes Diretor de Relações Institucionais do HDP Médico Rede de Saúde Divina Providência Rede de Saúde Divina Providência UMA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

3º Avaliação Trimestral 2º Ano do Contrato de Gestão nº. 02/2010 Dezembro de 2011 à Fevereiro de 2012

3º Avaliação Trimestral 2º Ano do Contrato de Gestão nº. 02/2010 Dezembro de 2011 à Fevereiro de 2012 Governo do Estado de Pernambuco Secretaria Estadual de Saúde Secretaria Executiva de Atenção à Saúde Diretoria Geral de Modernização e Monitoramento de Assistência à Saúde UPA Torrões 3º Avaliação Trimestral

Leia mais

GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES

GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2006 Apresentação GV Novos modelos de financiamento: HOSPITAL NOSSA SENHORA DE LOURDES Fundo imobiliário Dr Cicero Aurélio Sinisgalli Diretor Presidente 05.03.2007 O GRUPO

Leia mais

REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL

REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS SÃO PAULO, 05 DE MAIO 2011 UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PAULO CESAR PRADO JR. GERENTE EXECUTIVO

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Hospital Estadual Rocha Faria RJ Novembro/2015 PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Hospital Estadual Rocha Faria RJ Novembro/2015 PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR PRÓ-SAÚDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR Serviço Público Estadual Processo: E-08/7782/2012 Data: 26/12/2012 Fls. 1 Rubrica: LFS ID. 500.5891-6 EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008/2012 Seleção

Leia mais

Profª Ellen R. S. Quadrado. Parte 1

Profª Ellen R. S. Quadrado. Parte 1 Parte 1 Planejamento: Função administrativa que visa aprimorar o processo de tomada de decisão. Foco: Alcance dos objetivos pré-estabelecidos, antecipando oportunidades. Relação: Decisão do Presente e

Leia mais

Indicadores P&D ( Agosto )

Indicadores P&D ( Agosto ) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Indicadores P&D 2016 ( Agosto ) Variação do Custo dos produtos base dez 2015 (%) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Variação do custo ao decorrer do ano 35 30 25 20 15 10 5 0-5 -10-15

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC

Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC Potencialidades da Economia na Tomada de Decisão dos Gestores Estaduais do SUS Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC São Paulo, 24 de junho de 2016 Departamento de Economia, Investimentos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013 30/09/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos:

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: DEFINIÇÃO De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), Farmácia Hospitalar e outros serviços

Leia mais

Prof. Luiz Eduardo G. Martins. Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan

Prof. Luiz Eduardo G. Martins. Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan Prof. Luiz Eduardo G. Martins Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan São Paulo Fevereiro/2014 Histórico Junho/2013 - CETI inicia discussão sobre possível mudança

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2015 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE ANO 2013 Conforme previsto no art. 36 da Lei Complementar N.º 141/2012, o Relatório Detalhado do Quadrimestral Anterior contém informações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE.

A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE. A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE. BLOCO C- 1992 INAUGURAÇÃO DO BLOCO C. NO FINAL DA DÉCADA DE 70 A DIRETORIA DE SENHORAS

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Programa SOS Emergências Ministério da Saúde Brasil Ação Estratégica do Ministério da Saúde para as Portas de Entrada Hospitalares Prioritárias Lançamento Nacional

Leia mais

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Fábio Sinisgalli Diretor Geral do Grupo Nossa Senhora de Lourdes Conselheiro da ANAHP Diretor do Sindhosp Apresentação Grupo Nossa

Leia mais

LOGÍSTICA HOSPITALAR. ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA ADMINISTRADORA RESIDENTE EM GESTÃO HOSPITALAR HU/UFJF/Ebserh

LOGÍSTICA HOSPITALAR. ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA ADMINISTRADORA RESIDENTE EM GESTÃO HOSPITALAR HU/UFJF/Ebserh LOGÍSTICA HOSPITALAR ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA ADMINISTRADORA RESIDENTE EM GESTÃO HOSPITALAR HU/UFJF/Ebserh residecoadm.hu@ufjf.edu.br LOGÍSTICA Processo que planeja, implementa e controla o fluxo

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO I DA FINALIDADE INTRODUÇÃO O presente regulamento tem por finalidade estabelecer normas, rotinas e critérios para compras, contratação de obras, serviços terceirizados e especializados da entidade

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM CLINICA MÉDICA E MEDICINA INTESIVA ADULTO PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

MODELO AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORATIVA E DO NEXO TECNICO PREVIDENCIÁRIO

MODELO AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORATIVA E DO NEXO TECNICO PREVIDENCIÁRIO MODELO AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORATIVA E DO NEXO TECNICO PREVIDENCIÁRIO Brasília Julho/2013 GRANDES NÚMEROS DO INSS 1.501 Agências da Previdência Social 39.392 servidores (4.730 peritos médicos) 198.000

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO Nº 568, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Ementa: Dá nova redação aos artigos 1º ao 6º da Resolução/CFF nº 492 de 26 de novembro de 2008, que regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento

Leia mais

EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE TDE TORNA PÚBLICO:

EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE TDE TORNA PÚBLICO: EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 - TDE CERTIDÃO Certifico que o presente edital foi afixado no mural de avisos da PRH/TDE, no dia 21/09 /2009, às 14h00min Ricardo Remígio Pereira Considerando o

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável Painel Santa Casa SUStentável Em 11 de dezembro de 2013 foi realizado o lançamento do Programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo. O projeto, conhecido como Santa

Leia mais

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 Auditoria Concorrente Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 UNIMED PORTO ALEGRE 40,7% 46 de participação do mercado de planos de saúde no RS (ANS dezembro/2014) Municípios

Leia mais

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento O Serviço de Terapia Intensiva Adulto, possui 10 leitos que incluem 2 leitos de isolamento distribuídos em uma área aproximada de 130m2. Encontra-se

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

GERENCIANDO O PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO UMA ESTRATÉGIA PARA REDUZIR O RISCO ASSISTENCIAL

GERENCIANDO O PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO UMA ESTRATÉGIA PARA REDUZIR O RISCO ASSISTENCIAL GERENCIANDO O PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO UMA ESTRATÉGIA PARA REDUZIR O RISCO ASSISTENCIAL CELIANE MARIA LOPES MUNIZ; HILDA PONCIANO; MARCOS GADELHA Hospital Regional da Unimed de Fortaleza Unidades

Leia mais

PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL Dados, informações, fatos, análises.

PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL Dados, informações, fatos, análises. PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2017 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais