A fronteira Portugal/ Espanha, 18 anos depois de Schengen. O caso de Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A fronteira Portugal/ Espanha, 18 anos depois de Schengen. O caso de Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO A fronteira Portugal/ Espanha, 18 anos depois de Schengen. O caso de Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz MIGUEL CASTRO DOUTORAMENTO EM GEOGRAFIA Geografia Humana 2013 UNIVERSIDADE DE LISBOA

2 INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO A fronteira Portugal/ Espanha, 18 anos depois de Schengen. O caso de Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz Miguel Castro Tese orientada pela Professora Doutora Teresa Barata Salgueiro, especialmente elaborada para a obtenção do grau de Doutor em Geografia Humana DOUTORAMENTO EM GEOGRAFIA Geografia Humana

3 Miguel Castro 3

4 ÌNDICE Pag. 1 Apresentação: A fronteira Portugal/ Espanha. O caso de Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz 19 2 Uma abordagem ao espaço de fronteira 23 3 Os estudos sobre a fronteira Definindo fronteira Classificando as fronteiras e as suas dinâmicas regionais As fronteiras: Cicatrizes da História As fronteiras coloniais A fronteira das populações Uma economia de raia O contrabando Da fronteira ao debordering 81 4 A fronteira Ibérica nos estudos geográficos A fronteira Portugal/Espanha A fronteira adormecida A diluição do efeito de barreira (pós- 1986) O P.I.C. INTERREG A A cooperação transfronteiriça ao longo da fronteira A. Alentejo/Extremadura A cooperação Institucional transfronteiriça no Alto Alentejo/Extremadura A cooperação das organizações da sociedade civil na fronteira do Alto Alentejo/Extremadura A conectividade transfronteiriça entre os municípios de fronteira AltoAlentejo/Extremadura O comércio retalhista, os novos formatos e novas procuras Centros urbanos, comércio e transformações recentes Uma abordagem ao urbanismo comercial Algumas experiências de revitalização das áreas centrais e de urbanismo comercial recentes O comércio retalhista na área A actividade retalhista nos núcleos urbanos da área Valência de Alcântara Elvas Portalegre Badajoz Os consumidores na fronteira do A. Alentejo/Extremadura: deslocação para aquisição de bens e serviços As populações e a localização raiana 315 Considerações finais 330 Bibliografia 343 4

5 ÌNDICE DE FIGURAS Figura Pag. 1 Abordagem ao Espaço de Fronteira 29 2 Formas de cooperação em matéria de desenvolvimento territorial - UE 30 3 O limes romano 46 4 Densidade Pop. na fronteira interior Port/Esp Perdas de População Fronteira interior Portugal/Espanha 99 6 Plano Espanhol da rede de auto-estradas (1970) Rede de Auto Estradas de Portugal em Regiões de Fronteira Portugal/Espanha Taxa de mobilidade intraconcelhia no território fronteiriço % de Alunos no E. Sec. e Sup nas Reg. de Fronteira (2002/03) Índice de Poder de Compra Taxa de Actividade Densidade Pop. - Províncias de Fronteira Variação da Pop. das Província de Fronteira (%) 1991/ Espanha Índice de Envelhecimento (1998) - Províncias de Fronteira Espanholas Sistema Urbano, acessibilidades e conectividade em Portugal Continental Corredores de Acessibilidades - Alto Alentejo - PNPOT Modelo territorial do Alentejo Sistema Urbano e de Suporte à Coesão Territorial Euro Regiões Centro Sul da Península Ibérica Euro Região Alentejo/Centro/Extremadura Euro Região Alentejo/Algarve/Andaluzia ExtremAlentejo Rede 7X Rede Triurbir Eurorregiaão ExtremAlentejo Proposta de desenvolvimento regional no sudoeste ibérico Polos Urbanos do Suoeste Peninsular Equipamentos de Saúde Equipamentos Educativos Localidades abrangidas pelo Programa de Intercâmbio escolar na área considerada - GIT Principais Museus e Postos de Turismo na Áreas de fronteira Alto Alentejo - Extremadura Euro-região ExtremAlentejo Interacção e Cooperação Transfronteiriça na Área em Estudo Rede Principal Rodoviária e Ferroviária Ibérica Rede Rodoviária fundamental - Portugal Continental 199 5

6 37 Ligações de fronteira Port. /Esp Rede principal de Estradas - Espanha Rede de ligações rodoviárias na área em estudo Grafo da Região Distâncias Absolutas entre os Principais Centros urbanos da região Distância - tempo regionais Ligações rodoviária a melhorar na Região Rede Ferroviária Nacional e Regional Rede Ferroviária nacional Faixa de Fronteira Portugal - Espanha (norte) Faixa de Fronteira Portugal Espanha (sul) Rede rodoviária regional Valência de Alcântara Evolução da População Valência de Alcântara - Principais áreas de comércio retalhista Valência de Alcântara Principais áreas comerciais Elvas Evolução da população A expansão da cidade - Elvas A expansão da cidade - Elvas Elvas - Localização das grandes superfícies de distribuição Elvas - Planta do Casco Antigo Principais áreas (artérias) de comércio tradicional no centro de Elvas Portalegre - Evolução da população Delimitação da área em estudo - Portalegre Localização das grandes superfícies - Portalegre Visitantes espanhóis na feira de Portalegre - Distribuição por sexo Visitantes espanhóis na feira de Portalegre Estrutura etária Origem dos visitantes na feira de Portalegre Produtos adquiridos pelos visitantes espanhóis na feira de Portalegre Evolução Demográfica do Município de Badajoz Áreas comerciais de Badajoz - centro da cidade Planta da área Central de Badajoz Casco Antigo de Badajoz - Principais artérias de comércio Tradicional Badajoz Áreas comerciais e expansão da cidade Distribuição por sexo da população inquirida - Portugal Distribuição por sexo da população inquirida - Espanha Estrutura etária dos inquiridos - Portugal Estrutura etária dos inquiridos - Espanha Frequência das deslocações dos portugueses a Espanha Frequência das deslocações dos espanhóis a Portugal Motivação para a deslocação transfronteiriça Que tipo de consumos faz em Espanha - Pop. Portuguesa Que tipo de consumo faz em Portugal - Pop. Espanhola Comparação do tipo de consumo Portugueses e Espanhóis 310 6

7 80 Sentido Predominante dos fluxos de consumidores transfronteiriços Considera uma visita ao estrangeiro - Portugal Considera uma visita ao estrangeiro - Espanha Se existisse controlo de fronteira deslocava-se com maior frequência? Como Considera as suas relações com o povo vizinho? - Portugal Como Considera as suas relações com o povo vizinho? - Espanha 318 7

8 ÌNDICE DE QUADROS Quadro Pag. 1 Postos de Fronteira (desactivados) entre Marvão/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz 72 2 Principais lugares sem Postos de controlo fronteiriço entre Marvão/Valência de Alcântara Elvas/Badajoz 74 3 Variação da População nos municípios de fronteira Variação da População nas freguesias de fronteira portuguesas (Nisa/Elvas) Demografia das Povoações Fortificadas de Fronteira 96 6 População nos Distritos/Províncias Fronteiriços (1960/1970) 97 7 Indicadores de Saúde 1970 Distritos/Províncias Fronteiriços 99 8 % De População Residente Nos Municípios De Fronteira População Portuguesa nas Regiões de Fronteira 1991/2001/ % de Alunos no Ensino Sec. E Sup. Nas Reg. De Fronteira (2002/03) Indicadores Nuts III Regiões de Fronteira - Portugal PIB/cap Nuts III Regiões de Fronteira - Portugal Cidades de fronteira consideradas População residente Indicadores Nuts III Províncias de Fronteira - Espanha PIB/cap Nuts III Regiões de Fronteira - Espanha Factores Endémicos Negativos na Fronteira de Portugal com Espanha Áreas de oportunidades de crescimento e desenvolvimento para as regiões de fronteira Principais domínios de intervenção do Programa Interreg A I Instrumentos legais de cooperação Interreg A I Domínios de Intervenção Objectivos Interreg A II Domínios Inovadores/Adicionais PIC INTERREG A III P.I.C. INTERREG A III INTERREG A Projectos/Investimentos Interreg A entidades Gestoras de Projectos Nº de Projectos transfronteiriços (INTERREG A) EuroAce - Áreas de intervenção prioritária Projectos Transfronteiriços com a Região da Extremadura Espanhola EuroAce Objectivos específicos de actuação Vectores estruturantes de actuação EuroAce Eurorregião ExtremAlentejo Infraestruturas de base económica e estruturas sociais e culturais da Região Número de estudantes U. Ext / I.P.Portalegre Número de estudantes de nacionalidade portuguesa matriculados na 8

9 Universidade de Extremadura Número de estudantes espanhóis matriculados no I. P. Portalegre Intercâmbios Escolares Transfronteiriços Subvencionados pelo GIT G. Autónomo da Extremadura Fronteira Alto Alentejo/Extremadura Centros escolares e Escolas Secundárias Subvencionadas por Programas do GIT para divulgação da Língua e Cultura Portuguesa na Fronteira Alto Alentejo/Extremadura (região em análise) - Espanha Agrupamentos Escolares e Escolas Secundárias com Língua Espanhola como 2ª Língua ou Opção na Fronteira Alto Alentejo/Extremadura (região em análise) - Portugal Projectos em Curso Badajoz Empresas (exceptuando agricultura e pecuária) Actividade dos parques empresariais de exposição/feiras e negócios Matriz de Conectividade Regional Tempos Médios de Deslocação Entre os Principais Núcleos Urbanos Regionais Tráfego Médio de Veículos de Passageiros nos Principais Postos Fronteiriços (2003) Tráfego Médio de Veículos Pesados nos Principais Postos Fronteiriços (2003) Volume de tráfego rodoviário nas fronteiras regionais Nº de Pessoas Entradas em Portugal Via Rodoviária Ligações Regionais Avanza Bus Ligações Regionais Grupo Ruiz Estrutura comercial da Calle Duquesa de La Vitoria Estrutura comercial do Paseo de San Francisco Estrutura comercial da Rua de Alcamim Estrutura comercial darua da Carreira + Rua de Olivença Estrutura comercial da Rua Direita Estrutura comercial da Calle de San Juan Estrutura comercial da Calle Menacho Distribuição dos Inquéritos - Portugal Distribuição dos Inquéritos - Espanha Estrutura etária relativa aos inquéritos realizados O que procura no país vizinho? Gastos médios por agregado familiar ( ) Despesa anual média por Agregado Familiar PIB/cap ( ) Alto Alentejo/Extremadura Consumidor tipo do polígono Portalegre/Elvas Valência de Alcântara/Badajoz Questão 10 - Não existir controlo alfandegário é um facto Razões pelas quais deveria existir maior aproximação entre as 9

10 instituições dos dois lados da fronteira Ocupações dos entrevistados

11 ÌNDICE DE FOTOGRAFIAS Foto Pag. 1 Entrada do Museu dedicado ao Contrabando - Melgaço 69 2 Pormenor do Museu em Santana de Cambas 69 3 Cartazes da XII Rota do Contrabando INIJOVEM Rota do contrabando do Café - Município de Marvão Entre Montalvão e Cedillo - Rota do Contrabando Marco - Arronches. Marco fronteiriço 72 7 Marco - Arronches. Ponte internacional Pot/Esp 72 8 La Fontañera - Placa de início de localidade e marco de fronteira 73 9 flama unex.blogspot.pt flama unex.blogspot.pt Sr. João Rabaça - Contrabandista de Campo Maior (Ouguela) Aspecto da Almossassa - Marvão Publicidade relativa à feira Árabe Almossassa Publicidade ao desfile da Boda Régia - V de Alcântara Publicidade ao Circuito Turístico: Por Terras Raianas Publicidade ao Projecto transfronteiriço da Fileira Corticeira Nerpor - Sede - Portalegre Centro de Negócios Transfronteiriços - Elvas IFEBA - Badajoz Autocarro parado no parque da feira de Portalegre - Serviço ocasional Autocarro parado no parque da feira de Portalegre - Serviço ocasional Anúcio do encerramento do ramal de Cáceres - Estação de Torre das Vargens Painéis de protecção e logotipo da AECAB - Rua San Juan, Badajoz Aspecto dos painéis suspensos para protecção do sol e calor - Badajoz Posto fronteiriço de Galegos Marvão Portugal. Anos Posto fronteiriço de Galegos Marvão Portugal. Imagem actual Posto fronteiriço desactivado fronteira de Galegos Espanha Posto fronteiriço desactivado fronteira de Galegos Espanha Calle Duquesa de La Vitoria Paseo de San Francisco Carretera de Portugal Armazens de móveis Carretera de Portugal Armazens de móveis Feira - Plaza Mayor - V. de Alcântara Feira de produtos agrícolas Plaza Gregorio Bravo V. de Alcântara Posto de abstecimento de combustíveis - Fronteira de Galegos - Espanha Armazém geminado com o posto de combustíveis - Fronteira de Galegos - Espanha

12 37 Aspecto interior do supermercado do posto de combustíveis. Publicidade escrita em português Fronteira de Galegos Espanha Aspecto da Rua Alcamim - Elvas Aspecto da Rua de Olivença - Elvas Espaço comercial fechado - R. de Olivença - Elvas Comércio tradicional - R. Alcamim - Elvas Feira de Velharias Praça da República - Elvas Espaços Comerciais Encerrados - Rua "Direita" - Portalegre Espaços Comerciais Encerrados - Rua "Direita" - Portalegre Exemplos típicos do comércio tradicional - Rua "Direita" - Portalegre Exemplos típicos do comércio tradicional - Rua "Direita" - Portalegre Exemplo de Franchising - U. Color of Benneton - Rua "Direita" - Portalegre Cartaz de propaganda ao comércio tradicional (único na área central) Rua "Direita" - Portalegre Portalegre - Aspecto da Feira Mensal Portalegre - Aspecto da Feira Mensal Autocarros espanhóis estacionados feira de Portalegre El Corte Inglês - Plaza de Los Conquistadores - Badajoz El Corte Inglês - Plaza de Los Conquistadores - Badajoz Espaço de Animação Infantil parque de estacionamento - Calle Menacho - Badajoz Espaço de Animação Infantil parque de estacionamento - Calle Menacho - Badajoz Calle Menacho Espaço de paragem e animação Badajoz Aspectos da CalleMenacho - Badajoz Aspectos da CalleMenacho - Badajoz Centro Comercial El Faro Aspecto exterior Badajoz Centro Comercial El Faro Aspecto exterior Badajoz Porta com mensagem em português e espanhol C. Comercial El Faro Badajoz C. Comercial El Faro aspecto interior - Badajoz

13 SIGLAS UTILIZADAS NO TEXTO ACV - Associations de Centre-Ville ADENEX - Asociación para la Defensa de la Naturaleza y los Recursos de Extremadura ADR/IPP - Associação de Desenvolvimento Regional do Instituto Politécnico de Portalegre AECAB - Associação de Empresários de Casco Antigo de Badajoz AECT - Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial AIP - Associação Industrial Portuguesa A.M. Área Metropolitana A.M.L. Área Metropolitana de Lisboa APCOR - Associação Portuguesa de Cortiça APDR Associação Portuguesas de Desenvolvimento Regional APEC - Asia Pacific Economic Cooperation ARS Administração Regional de Saúde ASEAN - Association of Southeast Asian Nations ASECOR - Agrupamento Sanvicentino de Empresárioas da Cortiça BCE Banco Central Europeu B.I.D. - Business Improvement District CC.AA Comunidade autonómicas de Espanha CEBP Cooperação Empresarial Badajoz Portalegre C.C.D.R. Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional C.C.D.R.A. - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo CE Comissão Europeia C.E.E Comunidade Económica Europeia CEG Centro de Estudos Geográficos, IGOT, U. Lisboa CEI Comunidade de Estados Independentes CET Curso de Especialização Tecnológica CIMAA - Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo COEBA - Confederação Empresarial de Badajoz CONFAES -Confederación de Organizaciones de Empresarios Salmantinos C3i Centro Interdisciplinar de Investigação, Inovação do Instituto Politécnico de Portalegre DREA- Direcção Regional de Educação do Alentejo 13

14 EDEC Esquema de Desenvolvimento do Espaço Comunitário ERTA - Entidade Regional de Turismo do Alentejo E.U.A Estados Unidos da América do Norte Euro AAA - Eurorregião Alentejo, Algarve e Andaluzia EUROACE - Eurorregião Alentejo, Centro e Extremadura EUROCEI - Centro Europeu de Empresas e Inovação ESPIN SUDOE - cooperação transnacional para a geração e desenvolvimento de spinoffs de base tecnológica (eibt) e a sua integração na economia do sudoeste FECIEX - Feira de Caça, Pesca e Natureza Ibérica da Extremadura FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FEHISPOR - Feira Multisectorial de Espanha e Portugal FNCV - Federation Nationale dês Centre-Villes FEOGA Fundo Europeu de Orientação e Garantia Agrícola FERPOR - Feira empresarial da região de Portalegre FSE Fundo Social Europeu GIT - Gabinete de Iniciativas Transfronterizas GNR Guarda Nacional Republicana IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação IC Itinerário Complementar ICNB Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade ICOMOS - International Council on Monuments and Sites I&D Investigação e Desenvolvimento IEEX Instituto de Estadística de Extremadura IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional IFEBA - Instituición Ferial de Badajoz INE Instituto Nacional de Estatística de Portugal / Instituto Nacional de Estadística de Espanha INTERREG Programa de cooperação Transfronteiriça inter-regional da União Europeia IP Itinerário Principal IPP Instituto Politécnico de Portalegre IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social L.A- Los Angeles MAI Ministério da Administração Interna 14

15 MERCOSUL - Mercado Comum do Sul (América do Sul) NAFTA North America Free Trade Association NERBE - Núcleo Empresarial de Beja NErcab - Núcleo empresarial da Região de Castelo Branco NERE - Núcleo Empresarial de Évora NERGA -Núcleo Empresarial da Região da Guarda NERPOR AE - Núcleo empresarial da região de Portalegre Associação de Empresas NETUR - Rede de Cidades para implementar o padrão de excelência Patrimônio Cultural e Turismo NOTE - Novas Formas de Organização do Trabalho e do Emprego NUTS Nomenclatura das Unidades Territoriais para fins estatísticos OCDE - Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico OIT Organização Internacional do Trabalho ONG Organização Não Governamental OPEP Organização dos Países Exportadores de Petróleo OTEP Observatório Transfronteiriço Espanha/Portugal PAC Política Agrícola Comum P.I.C. INTERREG Programa de Iniciativa Comunitária INTERREG PNPOT Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território POCTEP - Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Portugal-Espanha PME Pequenas e Médias Empresas POE - Programa Operacional da Economia PORAlentejo - Plano Operacional Regional do Alentejo PP Partido Popular ProCom Programa de Apoio à Modernização do Comércio PROT - Plano Regional de Ordenamento do Território PROTAlentejo - Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo PSOE Partido Socialista Operário Espanhol QCA - Quadro Comunitário de Apoio RAN - Reserva Agrícola Nacional REN - Reserva Ecológica Nacional RITECA Rede de Investigação Transfronteiriça Extremadura, Centro, Alentejo SIMC - Sistema de Incentivos à Modernização do Comércio 15

16 SWOT Strengths, weeknesses, Opportunities and Threats (Pontos fortes, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças) TCM - Town Center Management TGV Train à Grande Vitesse TIC Tecnologias da Informação e Comunicação TRIURBIR Triângulo Urbano Ibérico Raiano U.E União Europeia UEX - Universidade da Extremadura UNESCO - United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization UrbCom - Sistema de Incentivos a Projectos de Urbanismo Comercial 16

17 RESUMO O objectivo deste trabalho é averiguar se a eliminação do controlo alfandegário conduziu a uma nova realidade espacial regional, mais articulada a nível de cooperação das instituições locais e das populações. A área de investigação incide no segmento de fronteira entre o Alto Alentejo e a Extremadura, tendo como vértices Castelo de Vide, Valência de Alcântara, Badajoz e Elvas. A análise é feita tendo em conta três dimensões: institucional; comportamento das populações; actividade comercial retalhista. Considerando que o comércio e o lazer são a maior força de atracção das populações, centramos a nossa atenção neste campo, que estrutura parte da vida das cidades de fronteira. Para provarmos de que modo a diluição da fronteira influencia o comércio e as deslocações da população nesta área, recorreremos à recolha de informação directa através de inquéritos e entrevistas a instituições, actores da sociedade civil e populações, para além de alguns dados estatísticos e levantamentos de campo. A realidade marginal da fronteira, face aos centros de inovação e decisão política e económica, condiciona as realidades de desenvolvimento locais. A procura de cooperação entre actores surge como uma forma de ganhar massa crítica para aceder a realidades comparáveis aos padrões nacionais. Estas intervenções só conseguem ser bem-sucedidas se acompanhadas da vivência das populações. Os contactos populacionais dos habitantes seguem um ritmo cada vez mais intenso de proximidade e bom relacionamento. Ambos os lados encaram o outro como parte do seu todo espacial, apesar de lhes reconhecerem características diferentes. Palavras-chave: Fronteira; Comércio retalhista; Populações fronteiriças; Cooperação Institucional 17

18 ABSTRACT In this work we intend to investigate whether the elimination of the border control has led to a new spatial regional reality, more articulated at the level of institutional cooperation and populations, resulting from the better mobility between both sides. The area of research was focused on the border segment between the Alto Alentejo and Extremadura, whose vertices are Castelo de Vide, Valência de Alcantara, Badajoz and Elvas. We analysed it in three dimensions: institutional; behaviour of the populations; the retail trade. Considering the retail trade and leisure as the major attraction force of the populations, we focused our attention in this field, which organises part of the life of border towns. To prove how the blurring of the border influences trade and the movement of the population in this area, we collected direct information through surveys and interviews with institutions, civil society actors and populations, besides some statistical data and field work. The marginal border reality compared to the centers of innovation and political and economic decision determines the opportunities of local development. The demand for cooperation among actors emerges as a way to gain critical mass, to access the realities comparable to national standards. These interventions only seem to succeed if they are accompanied by the experience of the populations. The contacts between the inhabitants follow an increasingly intense path of proximity and good relations. Both sides face each other as part of a whole space, despite their different recognized characteristics. Keywords: Border; Retailing; Border populations; Institutional Cooperation 18

19 1 - Apresentação: A Fronteira Portugal/Espanha. O caso de Portalegre/Elvas Badajoz/Valência de Alcântara O objectivo geral deste projecto de investigação é a verificação das possíveis repercussões que a eliminação do controlo alfandegário (Acordo de Schengen ) teve nas relações entre as regiões de fronteira de Portugal e Espanha (a denominada Raia, ou em castelhano, La Raya), a nível da uniformização e hábitos de consumo (comércio a retalho) das populações e das relações institucionais de ambos os lados. Deste modo, pretendemos averiguar se a eliminação do controlo alfandegário na fronteira (no sentido físico e jurídico-económico) terá conduzido a uma nova realidade espacial regional, mais integrada e articulada a nível das economias regionais e das populações. Sendo a actividade comercial e o lazer (em sentido lato) a maior força de atracção das populações, centramos neste campo a nossa atenção, pensando que estas actividades estruturam grande parte da vida dos centros urbanos, estejam eles na fronteira ou mais deslocados para o interior o comércio faz parte da razão de ser da cidade. Viabiliza a sua existência, explica a sua organização e justifica muito do movimento e animação que nesta acontece. 1 A realidade comercial e de lazer encontram-se também dentro de um enquadramento mais vasto da integração dos dois países, dentro do mesmo bloco político e económico. Este facto induz acções de cooperação transfronteiriça, também analisadas neste projecto, para sustentar e melhor entender a dinâmica da área em estudo. Devido à grande extensão de fronteira comum entre os dois países (1214 Km), como referem Pintado e Barrenechea, Há na Península Ibérica uma grande zona (maior em extensão superficial que a Grécia ou a Checoslováquia, vez e meia a Áustria, três vezes maior que a Dinamarca ou a Suíça e quatro vezes a Holanda ou a Bélgica), formada por nove distritos portugueses e seis províncias espanholas 2, torna-se, assim, inexequível realizar uma investigação pormenorizada a toda a área em causa, no espaço de tempo do Curso de Doutoramento. Deste modo, delimitámos a nossa área de investigação a uma parte da fronteira entre os dois países, compreendida entre o Alto Alentejo e a Extremadura, abrangendo uma pequena parte da Província de Cáceres e uma parte mais substancial da fronteira com a província de Badajoz. Definimos um polígono, mais ou menos rectangular, que tem os seus vértices em Castelo de Vide, Valência de Alcântara, Badajoz e Elvas. 1 BARATA SALGUEIRO, Teresa, CACHINHO, Herculano (2006); pp. 1 2 PINTADO, Antª, BARRENECHEA, Eduardo (1972); pp. 9 19

20 A selecção deste troço da linha fronteiriça entre os dois países ibéricos prende-se com motivos práticos, mas também de ligação pessoal à área. Habitando neste espaço, (quase) desde sempre, existe um conhecimento das pessoas, dos hábitos e vivências, num sentido mais lato, que nos orientou na escolha e facilitou, de certa forma, a nossa investigação. No entanto, por parte das instituições de Espanha, embora tenha existido no início grande abertura, a sua colaboração efectiva foi menos fácil. Embora esta área seja o fulcro do estudo, o restante da fronteira Portugal/Espanha e as relações e cooperação transfronteiriças são também objecto de análise, a nível bastante mais geral; será, fundamentalmente, para enquadrar os problemas das relações de cooperação entre os dois países, em aspectos macroeconómicos e de integração social e política, que também se vão repercutir em aspectos mais locais. Como acreditamos que a eliminação do efeito de barreira conduziu a um novo esquema de organização espacial das regiões de fronteira, no que respeita à alteração na hierarquia da frequência dos lugares preferenciais para aquisição de bens e serviços, ocasionada pelas possibilidades de mobilidade e cooperação transfronteiriça a nível central, regional e local, a nossa pesquisa procurará entender a actuação dos actores envolvidos na gestão, governança e actividades económicas na área. Toda a análise desta realidade será feita tendo em conta que estas regiões, como quaisquer outras, estão sujeitas a influências mais gerais de homogeneização de hábitos, padrões e modos de vida, provocados pela generalização dos meios de informação, das tecnologias da comunicação e informação, da mobilidade individual e da transformação de uma sociedade moderna para um paradigma pós-moderno, mais aberto e com uma organização social diferente das tradicionais divisões de classes. A sociedade pós moderna complexificou-se e as relações não se balizam apenas entre o trabalho e o capital, burguesia e proletariado. Uma multiplicidade de novos grupos sociais interrelacionados por interesses, modos de vida, valores e atitudes, face a uma sociedade cada vez mais polarizada, fragmentada e socialmente caótica, alterou as relações sociais, os modos de actuação e de consumo. Interesses de grupos/tribos sobrepõem-se a interesses de classe, desfragmentando-a como grupo homogéneo; modos de viver a realidade são transversais a classes diferentes e são identificadores de parcelas desconexas de um todo, que não se assume como um conjunto coerente. Neste projecto, desenvolvemos e cruzamos dois campos de estudo, geralmente abordados separadamente: o comércio a retalho e as regiões de fronteira. 20

21 Em Portugal, a literatura que aborda, directa ou indirectamente, a geografia comercial tem bastante tradição. Podemos encontrar estudos e textos desde Orlando Ribeiro, até mais recentemente, Teresa Barata Salgueiro, Herculano Cachinho ou Carlos Balsas, que se debruçam sobre a realidade comercial de um ponto de vista mais global, integrada na nova realidade urbana, fruto da transformação social, económica e política do fim do século passado e início do século XXI. Os problemas relacionados com as fronteiras e as áreas que as bordejam não têm sido fruto de muitos estudos geográficos no nosso país, embora exista literatura relativamente recente que aborda o tema, como por exemplo, alguns estudos realizados e orientados por Carminda Cavaco e, mais recentemente, Iva Pires e Sérgio Caramelo. Outros estudos, não exclusivamente geográficos, incidem na realidade do contrabando, mas sempre como fenómeno marginal e limitado. Para conseguirmos apreender e tentar provar de que modo a diluição da fronteira influencia o comércio na área de fronteira Portalegre/Elvas Badajoz/Valência de Alcântara, recorreremos à recolha de informação directa a instituições, actores da sociedade civil e populações através de inquéritos e entrevistas, para além de alguns dados estatísticos e levantamentos de campo. Analisámos ainda literatura específica e alguns documentos de planeamento sobre as políticas de maior ou menor cooperação. A determinação de uma visão anterior e outra posterior a Schengen levou a que os inquéritos e entrevistas realizadas privilegiassem indivíduos com idades que lhes proporcionassem ter um termo de comparação. Para perceber as alterações nas formas como a procura se relaciona com os novos formatos comerciais traçámos um perfil dos consumidores desta área de fronteira, tanto do lado espanhol como do lado nacional. As conclusões que se retiraram das realidades fronteiriças dificilmente são comparáveis. Contextos diferentes correspondem a realidades distintas. A realidade marginal da fronteira, face aos centros de inovação e decisão política e económica, condiciona as realidades de desenvolvimento locais; a procura de cooperação institucional dos actores formais e os moldes como esta é implementada com o outro lado surge, essencialmente, como uma possível forma de ganhar massa crítica, para aceder a realidades mais compatíveis com os padrões nacionais. Este tipo de intervenções parece só conseguir vingar com a vivência das populações. A nível institucional, político ou proveniente de actores regionais, muito se tem avançado. Os contactos populacionais dos habitantes deste troço da fronteira seguem um ritmo cada vez mais intenso de proximidade e bom relacionamento. Ambos os lados encaram o outro como parte do 21

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos:

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: exemplificação em territórios de baixa densidade* Tema 1: Desenvolvimento, competitividade e cooperação inter-municipal

Leia mais

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 Nuno Miguel Ferreira CCDR-N, Comunidade de Trabalho Galiza-Norte de Portugal Localização Geográfica Galiza

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ESPANHA PORTUGAL (POCTEP) 2007-2013

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ESPANHA PORTUGAL (POCTEP) 2007-2013 Nesta exposição apresentam-se os resultados de alguns projetos aprovados, representativos das seis áreas de cooperação do Programa. Na sua maioria são projetos estruturantes, que respondem às prioridades

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Decreto n.º 19/95 Protocolo sobre o Programa INTERREG II - Portugal e Espanha, entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha

Decreto n.º 19/95 Protocolo sobre o Programa INTERREG II - Portugal e Espanha, entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha Decreto n.º 19/95 Protocolo sobre o Programa INTERREG II - Portugal e Espanha, entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU

UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU Versão final da pequena brochura por país [Página 1 capa] Fundos Estruturais Europeus para as pequenas e médias empresas (PME) e para os organismos públicos UTILIZAR DA MELHOR FORMA O DINHEIRO EUROPEU

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Adoptada na reunião informal dos Ministros responsáveis pelo Desenvolvimento Urbano e Coesão Territorial, em 24 e 25 de Maio de 2007, em Leipzig

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura Facultad de Filosofía y Letras DEPARTAMENTO DE ARTE Y CIENCIAS DEL TERRITORIO Campus Universitario 10071-Cáceres SEMINÁRIO IBÉRICO COMBATE À DESERTIFICAÇAO, ABANDONO RURAL E DESPOVOAMENTO INTERVENÇOES

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

(SUMÁRIO EXECUTIVO EN PORTUGUÊS) FINAL REPORT. CROSS-BORDER COOPERATION IN LATIN AMERICA Contribution to the regional integration process

(SUMÁRIO EXECUTIVO EN PORTUGUÊS) FINAL REPORT. CROSS-BORDER COOPERATION IN LATIN AMERICA Contribution to the regional integration process (SUMÁRIO EXECUTIVO EN PORTUGUÊS) FINAL REPORT CROSS-BORDER COOPERATION IN LATIN AMERICA Contribution to the regional integration process (Reference nº 2009.CE.16.0.AT.118) Association of European Border

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade»

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» SISTEMA DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 1 Os sistemas de incentivos ao investimento das empresas são um dos instrumentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE Enquadramento PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 7.6.2006 COM(2006) 275 final Volume I COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONOMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Consultores de Políticas Comunitarias

Consultores de Políticas Comunitarias Documento de Trabalho para a Programação 2014-2020: RESUMO DO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÓMICO DA ZONA DE COOPERAÇÃO 16 de outubro de 2013 1. RESUMO DA ANÁLISE DO CONTEXTO ECONÓMICO, SOCIAL E TERRITORIAL DA

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 11º ANO ANO 2014/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA 1- Elenco Modular Número Designação Duração

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Controlo da velocidade em eixos rodoviários

Controlo da velocidade em eixos rodoviários Controlo da velocidade em eixos rodoviários Definição de soluções combinadas de acalmia de tráfego Sílvia SANTOS 1 ; Ana BASTOS SILVA 2 Departamento de Engenharia Civil Universidade de Coimbra Rua Luís

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

O CONCEITO DE SEGURANÇA NACIONAL NA EUROPA

O CONCEITO DE SEGURANÇA NACIONAL NA EUROPA O CONCEITO DE SEGURANÇA NACIONAL NA EUROPA VICTOR ÂNGELO Representante Especial do Secretário-geral e Secretário-geral Adjunto das Nações Unidas Escrevo, hoje, na minha coluna habitual na Visão que: os

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE AS REGIÕES DO NORTE E DE CASTILLA Y LEÓN 2009-2013 PLANO DE ACÇÃO 2009

COOPERAÇÃO ENTRE AS REGIÕES DO NORTE E DE CASTILLA Y LEÓN 2009-2013 PLANO DE ACÇÃO 2009 COOPERAÇÃO ENTRE AS REGIÕES DO NORTE E DE CASTILLA Y LEÓN 2009-2013 PLANO DE ACÇÃO 2009 FICHA TÉCNICA COOPERAÇÃO ENTRE AS REGIÕES DO NORTE E DE CASTILLA Y LEÓN 2009-2013 PLANO DE ACÇÃO Equipa Técnica:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE ACICB Castelo Branco 23 Novembro 2011 Apresentação do Projecto Apoio à execução do projecto Enquadramento Projecto financiado pelo QREN, no âmbito do Mais Centro - Programa Operacional Regional do Centro

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

INTERREG V-A 2014-2020. Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1

INTERREG V-A 2014-2020. Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1 INTERREG V-A 2014-2020 BASES DA PRIMEIRA CONVOCATÓRIA Elena de Miguel Gago Diretora, Secretariado Conjunto 1 I. EIXOS E PRIORIDADES DE INVESTIMENTO As propostas deverão enquadrar-se numa das seguintes

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Transportes: projectos prioritários até 2020

Transportes: projectos prioritários até 2020 Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 210140312 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt Transportes: projectos prioritários até 2020 A ADFERSIT (Associação Portuguesa para

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais