UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR VII SÃO JOSÉ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR VII SÃO JOSÉ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR VII SÃO JOSÉ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Análise e Caracterização de Tráfego da Rede Local da ALESC Área de Concentração: Redes de Computadores Rodrigo Brasil Gonçalves SÃO JOSÉ, JANEIRO DE 2005.

2 Rodrigo Brasil Gonçalves ANÁLISE E CARACTERIZAÇÃO DE TRÁFEGO DA REDE LOCAL DA ALESC Projeto apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão de Curso de Engenharia de Computação na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ensino Superior VII, Campus São José, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Computação. Orientador: Rivalino Matias Júnior São José, Janeiro de 2005.

3 RODRIGO BRASIL GONÇALVES ANÁLISE E CARACTERIZAÇÃO DE TRÁFEGO DA REDE LOCAL DA ALESC Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia da Computação, tendo sido aprovado pelo Curso de Engenharia da Computação, Centro de Educação São José da Universidade do Vale do Itajaí (SC). São José, 21 de Dezembro de Prof. Esp. Alecir Pedro da Cunha Prof. Raimundo Celeste Ghizoni Teive Responsável pela Coord. do TCC Coordenador do Curso Apresentada à Banca Examinadora formada pelos professores: Orientador Prof. Rivalino Matias Júnior Prof. Alessandra Schweitzer, membro da banca examinadora Prof. Alexandre Moraes Ramos membro da banca examinadora ii

4 3 EQUIPE TÉCNICA Nome do aluno Rodrigo Brasil Gonçalves Área de Concentração Redes de Computadores Coordenador de Estágio Professor Alecir Pedro da Cunha Orientador de Conteúdo Professor Rivalino Matias Júnior

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização Objetivos Gerais Específicos Justificativa Metodologia Introdução População e Amostra Coleta de dados Análise dos Dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Arquitetura de redes Modelo OSI TCP/IP Endereçamento Tecnologias de Enlance Mapeamento de endereços Internet para endereços físicos (ARP-Address Resolution Protocol) Determinação de um endereço de interligação em redes na inicialização (RARP- Reverse Address Resolution Protocol) Redes Locais (LAN) O Padrão IEEE Padrão Ethernet (10/FAST/GIGA) Ethernet e IEEE Ethernet de 10Mbps Ethernet de 100 Mbps Gigabit Ethernet Elementos de Rede e Conectividade Hubs e Repetidores Pontes Switches Roteadores Gerenciamento de Redes de Computadores Áreas Funcionais Protocolos Protocolo de Gerenciamento SNMP Protocolo de Gerenciamento CMIP Gerência de desempenho em redes locais Conceitos Básicos Definições de desempenho da rede Abordagens utilizadas para a Gerência de Desempenho...50

6 Coleta e Monitoramento Análise exploratória de dados (EDA) Introdução a Séries Temporais Modelos (univariados) A REDE LOCAL DA ALESC Infra Estrutura de TI Principais Recursos de Software e Hardware Estrutura da Rede ANÁLISE E CARACTERIZAÇÃO DO TRÁFEGO DA ALESC Etapas do Trabalho Estratégia de monitoração Escolha do Sistema Operacional Escolha das ferramentas e dados a serem coletados Organização dos dados coletados Análise do link Distribuição do Tráfego de Saída por Protocolo Distribuição do Tráfego de Entrada por Protocolo Comparação entre Entrada e Saída Análise do Servidor de Tráfego de Saída Tráfego de Entrada Comparação de Entrada e Saída Relação de Tráfego entre Link x servidor SMTP Análise do padrão de tráfego Padrão Semanal Padrão Diário Modelo de Predição Metotodologia utilizada para a seleção do modelo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Estrutura do Modelo OSI...15 Figura 2 Comparação entre as arquiteturas OSI e TCP/IP...18 Figura 3 Representa as três classes de endereços IP mais importantes Figura 4 Exemplo de designações de endereço IP para roteadores e hosts acoplados a três redes Figura 5 Padrão IEEE Figura 6: Exemplos de conexões Ethernet 100BaseT...32 Figura 7 - Repetidor...34 Figura 8 - Hub...34 Figura 9 - Funcionamento do switch comunicando-se a...37 Figura 10 Mostra o Switch Cisco Catalyst 3750 Metro Series...38 Figura 11 Roteadores Cisco 7600 Series...39 Figura 12 Ilustração do funcionamento de um roteador...40 Figura 13 - Áreas funcionais de gerenciamento...41 Figura 14 - Modelo de Gerenciamento...44 Figura 15 - Vazão x Carga oferecida...48 Figura 16 - Tela do Ethereal...54 Figura 17 - Tela do Analisador de Protocolos NTOP, acessado via browser...55 Figura 18 - Tela de captura do Sniffer TCPDUMP, em modo promíscuo fazendo captura de pacotes...56 Figura 19 Detalhamento de um pacote coletado no Sniffer TCPDUMP...57 Figura 20 Servidor de arquivos (Digital/OSF1/True 64)...71 Figura 21 Servidor de ALESC...72 Figura 22 - Switch Router Alcatel Omniswitch Figura 23 - Switch Alcatel OmniStack Figura 24 Rede Interna ALESC (Estações e alguns Servidores)...75 Figura 25 - Rede Interna ALESC (Visão dos Principais Servidores)...76 Figura 26 Desenho da Rede no contexto da Internet, conexão com o CIASC...77 Figura 27 Tela de gerência do switch...77 Figura 28 Tráfego de saída do link...82 Figura 29 Tráfego de entrada do link Figura 30 Primeira semana - bytes enviados por protocolos...85 Figura 31 Segunda semana - bytes enviados por protocolos...85 Figura 32 Terceira semana - bytes enviados por protocolos Figura 33 Quarta semana - bytes enviados por protocolos...86 Figura 34 Quinta semana - bytes enviados por protocolos...87 Figura 35 Sexta semana - bytes enviados por protocolos...87 Figura 36 Sétima semana - bytes enviados por protocolos...88 Figura 37 Oitava semana - bytes enviados por protocolos Figura 38 Primeira semana - bytes recebidos por protocolos...89 Figura 39 Segunda semana - bytes recebidos por protocolos...90 Figura 40 Terceira semana - bytes recebidos por protocolos Figura 41 Quarta semana - bytes recebidos por protocolos...91 Figura 42 Quinta semana - bytes recebidos por protocolos...91 Figura 43 Sexta semana - bytes recebidos por protocolos...92

8 Figura 44 Sétima semana - bytes recebidos por protocolos Figura 45 Oitava semana - bytes recebidos por protocolos Figura 46 Primeira semana - bytes enviados por protocolos do servidor de s...94 Figura 47 Segunda semana - bytes enviados por protocolos do servidor de s...95 Figura 48 Terceira semana - bytes enviados por protocolos do servidor de s...95 Figura 49 Quarta semana - bytes enviados por protocolos do servidor de s Figura 50 Quinta semana - bytes enviados por protocolos do servidor de s Figura 51 Primeira semana - bytes recebidos por protocolos do servidor de s Figura 52 Segunda semana - bytes recebidos por protocolos do servidor de s Figura 53 Terceira semana - bytes recebidos por protocolos do servidor de s...97 Figura 54 Quarta semana - bytes recebidos por protocolos do servidor de s Figura 55 Quinta semana - bytes recebidos por protocolos do servidor de s Figura 56 Fluxo de entrada e saída de bytes da ALESC no servidor de s usando protocolo MTP Figura 57 Fluxo de entrada e saída de s da ALESC usando protocolo SMTP...99 Figura 58 Tráfego de saída do servidor de Figura 59 Tráfego de entrada do servidor de s Figura 60 Tráfego de entrada + saída de dados Figura 61 Horários de pico do tráfego de saída Figura 62 - Horários de pico do tráfego de entrada Figura 63 Valores observados e os melhores modelos

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Camadas TCP/IP...17 Tabela 2 Formato de estrutura IEEE Tabela 3 Mostra as restrições de facilidade de escalonamento para Ethernet de 10 Mbps coaxial e UTP...28 Tabela 4 Mostra as limitações para Ethernet de 10 Mbps sobre cabeamento de fibra óptica...29 Tabela 5 - Mostra alguns modos típicos pelos quais repetidores 100BaseT podem ser conectados sem quebrar regras de distância...31 Tabela 6 Mostra as variações de Gigabit Ethernet...32 Tabela 7 - Grupos RMON...51 Tabela 8 Tabela de medidas de tendência central com suas vantagens e desvantagens...61 Tabela 9 Informações do número de bytes de saída e entrada de bytes da ALESC...82 Tabela 10 Informações dos hosts internos que mais enviam e recebem bytes na ALESC...83 Tabela 11 Informações dos hosts externos que mais enviam e recebem bytes na ALESC..84 Tabela 12 Número de bytes de saída e entrada por protocolo no link...84 Tabela 13 Número de bytes de saída e entrada por protocolos do servidor Tabela 14 Correlação entre SMTP do link e do servidor de Tabela 15 Calculo dos modelos Tabela 16 Tabela com as medidas dos modelos testados...106

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ALESC Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina ARP - Address Resolution Protocol BGP- Border Gateway Protocol CSMA/CD - Carrier sense multiple access/collision detection DNS - Domain Name System. FOIRL - Fiber-Optic Inter-Repeater link ICMP - Internet Control Message Protocol IEEE - Institute of Electrical and Eletronic Engineers IP - Internet Protocol MAC - Media Access Control MIB Managent information Base OSI - Open System Interconnection PDU - Protocol Data Unit RIP - Routing Information Protocol SMTP - Simple Mail Transfer Protocol SNMP - Simple network management protocol STA - Spanning Tree Algorithm TCP - Transport Control Protocol TCP/IP - Transmission Control Protocol / Internet Protocol UDP - User Datagram Protocol RTT Round Trip Time HTTP - Hiper Text Transfer Protocol FTP - File Tranfer Protocol

11 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização Na década de 80 surgiram as primeiras redes de computadores. Estas foram criadas com o intuito de compartilhamento de dados entre duas ou mais estações. Com o crescimento das redes de computadores surgiu a Internet (Rede Mundial de Computadores), com fins de interconectar estações não apenas localmente, mas também estabelecendo uma ligação de longa distância. Apesar de seu crescimento exponencial, verificado nos últimos anos, e de sua importância cada vez maior na economia e na sociedade, a Internet caracteriza-se por ser uma rede fracamente monitorada e instrumentalizada. Com algumas exceções, o planejamento de capacidade e desempenho das redes são processos muitas vezes baseados na intuição e premissas duvidosas do que em dados concretos dos níveis de utilização e desempenho da rede. (CARVALHO, 1993). Infra-estruturas de medição de tráfego são cada vez mais necessárias em redes a fim de as tornarem mais previsíveis, gerenciáveis e escaláveis. Com o crescimento destas redes se fez necessário o gerenciamento para a operação de redes. O gerenciamento de redes é muito extenso e por esta razão se divide em cinco áreas funcionais, que são: Falhas; Configuração; Contabilização; Desempenho; Segurança. O gerenciamento de desempenho é importante para garantir a qualidade de serviço e assegurar que esta seja atingida a menores custos. (CARVALHO, 1993). Através deste gerenciamento pode-se adequar os meios de comunicação utilizados pelos usuários às suas reais necessidades, auxiliando o setor responsável pela administração de redes a antecipar-se às demandas dos usuários e com isso realizar a manutenção dos níveis de desempenho dos serviços oferecidos. O planejamento da capacidade do sistema sob gerenciamento está diretamente relacionado com a gerência de desempenho. (CARVALHO, 1993). As atividades de controle e monitoração de redes são realizadas, na grande maioria dos casos, por meio de softwares proprietários. Algumas ferramentas de livre distribuição também

12 11 estão disponíveis para monitoração e análise de dados, tais como: IPTRAFFIC, TCPDUMP, ETHEREAL, NTOP dentre outros. De forma geral, a coleta dos dados necessários para a análise é realizada através de um programa chamado Sniffer. O Sniffer é uma ferramenta que coloca uma ou mais interfaces de rede, do sistema monitor, em modo promíscuo, a fim de capturar todos os dados que trafegam por estas interfaces. Ao serem inseridos em pontos estratégicos da rede, estes permitem a coleta de dados globais ou setoriais do ambiente monitorado. Com os dados obtidos, utiliza-se um outro programa chamado de analisador de protocolos (AP), o qual sumariza e classifica os dados de acordo com os padrões de protocolos sendo utilizados. Um analisador de protocolo avançado também fornece estatísticas e informações sobre as tendências do tráfego capturado. Analisadores de protocolos fornecem informações sobre o fluxo de tráfego da rede, a partir do qual pode-se visualizar informações de elementos de rede específicos. Ao contrário dos consoles de gerenciamento baseados em SNMP (simple network management protocol), os analisadores de protocolo são independentes dos dispositivos.(carvalho, 1993). Este trabalho visa caracterizar e analisar o tráfego de dados da rede da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina (ALESC). Ao final do processo de medição e análise do tráfego, serão feitas estimativas visando o planejamento de capacidade da rede da ALESC. Neste sentido serão usados dois softwares que conjugam as funções de Sniffer e análise de protocolos. Posterior à coleta e classificação dos dados, será realizada uma análise exploratória de dados, utilizando complementarmente técnicas estatísticas aplicadas aos dados coletados, de forma a se obter um ou mais modelos analíticos que representem o padrão de tráfego da rede da ALESC. 1.2 Objetivos Gerais Caracterizar o tráfego de dados da rede local da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina Específicos Apresentar estatísticas do tráfego Internet da ALESC; Apresentar estatísticas do tráfego de E/S do servidor de da ALESC;

13 Criar um modelo analítico para a previsão da carga total voltado para o servidor de e- mail Justificativa Por estar trabalhando na área de gerenciamento de redes há aproximadamente três anos na ALESC, o autor deste trabalho identificou uma oportunidade de se realizar um estudo aprofundado a respeito da rede local ALESC. Esta motivação deve-se, principalmente, por uma forte necessidade de se compreender a referida rede, no que tange à sua atual utilização, a fim de prover informações detalhadas sobre a carga atual e tendências futuras da mesma. Como exemplo de aplicação deste trabalho, recentemente foi feita uma atualização (upgrade) da rede ALESC, substituindo-se Hubs por switches, bem como a atualização do firmware de alguns switches. Esta modificação influenciou o desempenho da rede, porém atualmente não se tem dados suficientes para quantificar o impacto, positivo ou não, deste tipo de modificação. Um trabalho de caracterização de tráfego é de suma importância para não só avaliar a condição atual, mas entender o comportamento da rede em seus diversos aspectos de utilização, ajudando a prever futuras demandas e possíveis gargalos existentes. Baseado em informações consistentes a organização pode realizar seus investimentos de forma orientada, baseando suas decisões em dados confiáveis. Esta avaliação trará não apenas resultados para a rede da ALESC no âmbito técnico, mas contribuirá para o enriquecimento dos profissionais atuantes no setor responsável pela gerência desta rede, por estarem acompanhando e envolvidos neste processo. Além dos aspectos práticos do trabalho citados anteriormente, outros aspectos acadêmicos são relevantes, destacando a aquisição de novos conhecimentos na área de gerencia de redes ao autor deste. 1.4 Metodologia Introdução Basicamente o tipo da pesquisa pode ser exploratória ou descritiva.

14 13 A investigação exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa. A pesquisa descritiva expõe características de determinada população ou de determinado fenômeno. Pode também estabelecer correlações entre variáveis e definir sua natureza. Não tem compromisso de explicar os fenômenos que descreve, embora sirva de base pata tal explicação. Diante destes conceitos é seguro dizer que a pesquisa no qual irei me empenhar será do tipo descritiva. Com relação aos procedimentos técnicos adotados a pesquisa se caracteriza como um estudo de campo. Este estudo de campo é feito a partir de entrevistas, observações, formulários, história de vida, conhecendo o local no qual se implementará o projeto População e Amostra Será feito um estudo de toda a população no período de coleta de dados Coleta de dados Nesta etapa de coleta de dados serão usadas ferramentas que ainda serão selecionadas para a captura de dados, sendo que os instrumentos de coleta serão do tipo passivo, ou seja, não interferem no ambiente do estudo Análise dos Dados A utilização de técnicas estatísticas é empregada nesta fase do projeto para que assim seja possível fazer uma análise dos dados coletados. Além destas técnicas estatísticas será feito uso de ferramentas a serem selecionadas para a implementação de gráficos. Desta maneira se torna viável o desenvolvimento de modelos de caracterização do tráfego da ALESC possibilitando predições futuras no tráfego da organização.

15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Arquitetura de redes O conjunto de camadas e protocolos de uma rede é chamado de arquitetura de rede. Para reduzir a complexidade de projeto a maioria das redes estão organizadas em camadas ou níveis, cada uma construída sobre sua predecessora. O número de camadas, o nome, o conteúdo e a função de cada camada diferem de uma rede para a outra. A camada n de um sistema estabelece uma comunicação com a camada n de outro sistema, e assim sendo a comunicação entre ambos está estabelecida. As regras e convenções utilizadas nesta comunicação são chamadas coletivamente de protocolo da camada n. As entidades que compõem as camadas correspondentes em sistemas diferentes são chamadas de processos pares, ou seja, são os processo pares que se comunicam utilizando um dado protocolo. (TANENBAUM, 1997). A seguir serão apresentados dois dos principais modelos de arquitetura de redes Modelo OSI Com as dificuldades de inter operação entre diversos protocolos, foi implementada a padronização internacional para a área de redes chamada de modelo OSI (Open System Interconnection) que padroniza a interconexão de sistemas abertos (TANENBAUM, 1997). Os diferentes computadores que trabalham em rede precisam saber de que forma eles irão receber as informações. Quando uma certa palavra começa, quando ela termina e quando a próxima palavra começa? Existe alguma forma para que o computador verifique se a sua mensagem foi misturada durante a transmissão? O modelo OSI responde a essas perguntas (e mais outras) com um conjunto de padrões que permita ao público comprar produtos de redes de diferentes vendedores com alguma garantia de que eles funcionarão juntos. (SCHOTT, 1993, p.31). O modelo OSI possui sete camadas onde cada camada é responsável por uma determinada função específica. Os princípios utilizados para se chegar a estas camadas são (TANENBAUM, 1997 apud MANSUR, 1999): Deve haver a criação de uma camada onde é necessário um nível de abstração diferente; Cada camada deve exercer uma função bem definida; A função exercida por cada camada deve ser definida tendo por base a definição de protocolos padrões internacionais;

16 As fronteiras entre as camadas devem ser escolhidas de forma a minimizar as informações que trafegam através das interfaces; O número de camadas deve ser grande o suficiente para evitar agrupar funções em uma mesma camada por necessidade, e pequeno o suficiente para que a arquitetura fique manejável. (MANSUR, 1999). 15 O comportamento entre as camadas acontece à medida que a camada é usuária dos serviços prestados pela camada imediatamente inferior e presta serviços para a camada imediatamente superior. O câmbio de informações entre as camadas adjacentes ocorre por meio da troca de primitivas de serviços nas interfaces entre as camadas. (MANSUR, 1999). Figura 1 Estrutura do Modelo OSI Fonte: (MANSUR, 1999). A comunicação entre sistemas acontece em nível de camadas, desta forma a camada de aplicação do sistema A pode se comunicar com a camada de aplicação do sistema B e assim por diante até chegar ao nível físico, ocorrendo à comunicação física entre os sistemas. (MANSUR, 1999). Estas camadas que compõem o modelo OSI têm suas respectivas funcionalidades as quais estão descritas abaixo:

17 16 Camada Física Responsável pela transmissão pura de bits através de um canal de comunicação. Camada de Enlace de Dados Consiste em usar a facilidade de transmissão de dados brutos e procura corrigir os erros de transmissão fazendo com que a camada de rede seja livre de erros de transmissão. Esta camada exerce controle de erros e controle de fluxo. Camada de Rede - Preocupa-se com o controle da operação da sub-rede, ou seja, faz o roteamento, atuando ainda no controle do congestionamento. Camada de Transporte A função básica da camada de transporte é aceitar dados da camada de sessão, dividi-los se necessário em unidades menores, passá-las a camada de rede garantindo assim que os pedaços menores cheguem corretamente ao outro lado. Camada de Sessão Cuida das conexões fim a fim confiáveis às camadas superiores. Camada de Apresentação Lida com a padronização da forma como são descritas e representadas as estruturas de dados. Camada de Aplicação Contém protocolos para transferência de arquivos, correio eletrônico, terminal virtual e diversos outros protocolos específicos de aplicações. (TANENBAUM, 1997) TCP/IP Desenvolvido pelo departamento de defesa norte-americano, o TCP/IP (Transmission Control Protocol / Internet Protocol) é uma família de protocolos utilizada nas comunicações de computador. O TCP e o IP são protocolos individuais que podem ser descritos isoladamente, mas estes não são os únicos protocolos que compõem esta família. Pode acontecer de um outro protocolo estar sendo usado, que não seja o TCP, mas fazendo parte desta mesma família. (ARNETT, 1996). A família de protocolos TCP/IP é formada por protocolos como IP (Internet Protocol), ARP (Address Resolucion Protocol), ICMP (Internet Control Message Protocol), UDP (User Datagram Protocol), TCP (Transport Control Protocol), RIP (Routing Information Protocol), Telnet, SMTP (Simple Mail Transfer Protocol), DNS (Domain Name System) e muitos outros (ARNETT, 1996). É possível compreender na (Tabela 1) como estão divididas as quatro camadas: aplicação, transporte, rede e física pela qual a pilha de protocolos TCP/IP é composta. E ainda é visto a definição dos protocolos que compõem a família TCP/IP (OLIVEIRA, 2004).

18 17 Tabela 1 - Camadas TCP/IP Fonte: (Oliveira, 2004). Ao se inserir dois computadores em uma rede, com protocolos diferentes como um protocolo TCP/IP em uma estação e a outra estação com NETBEUI 1, por exemplo, estes dois computadores não conseguirão estabelecer comunicação e trocar informações. Na ocorrência deste exemplo, o computador que estiver com o protocolo NETBEUI instalado, não será capaz de acessar uma pasta ou uma impressora compartilhada no computador com o protocolo TCP/IP instalado. (BATTISTI, 2003). Com o aumento da popularidade da Internet e o aumento exponencial do número de usuários desta tecnologia, o protocolo TCP/IP passou a ser um padrão de facto, utilizado não só na rede Internet, como também nas redes internas das empresas (intranets), redes estas muitas vezes conectadas à Internet. Com a necessidade das redes internas precisarem conectar-se à Internet, usou-se o mesmo protocolo da Internet para esta ligação, ou seja, o TCP/IP. (BATTISTI, 2003). 1 Sigla para Netbios Enhanced User Interface, uma versão aprimorada da Netbios usada nos sistemas operacionais de rede como LAN Manager, LAN Server, Windows Workgroups, Windows 95/98 e Windows NT. NetBios significa Network Basic Input Output System, extensão do sistema básico de entrada e saída de dados (Bios) do PC para uso em redes.

19 Fazendo uma comparação entre o modelo OSI e o TCP/IP (Figura 2), percebe-se que a parte referente às sub-redes de acesso da arquitetura internet corresponde à camada física, à de enlace e, parcialmente, à de rede do modelo OSI, sem nenhuma padronização neste sentido. (MANSUR, 1999). O IP corresponde à camada de rede, enquanto o TCP e o UDP oferecem serviços semelhantes aos prestados, respectivamente, pelos protocolos de transporte orientados e não-orientados à conexão do modelo OSI. Nas camadas superiores, a arquitetura Internet coloca sob responsabilidade da aplicação os serviços fornecidos pelas camadas de sessão, apresentação e aplicação do modelo OSI. (MANSUR, 1999). 18 Figura 2 Comparação entre as arquiteturas OSI e TCP/IP Fonte: (MANSUR, 1999). Visto na Figura-2 que o fato da arquitetura TCP/IP possuir menos camadas que o modelo OSI implica na sobrecarga de algumas camadas com funções que não lhe são específicas. Pode-se citar a transferência de arquivos como exemplo: no ambiente TCP/IP, as funções que correspondem à camada de apresentação OSI são exercidas pelo próprio protocolo de transferência de arquivos FTP. Por outro lado, o TCP/IP oferece aplicações simples, eficientes e de fácil implementação ao nível de produtos. Como desvantagem, vale citar que uma das maiores limitações da arquitetura TCP/IP é em relação a sua capacidade de endereçamento, devido ao crescimento acelerado da Internet (MANSUR, 1999). No TCP/IP, o transporte de todos os protocolos é feito por uma inter-rede IP e encapsulados em datagramas IP. Pelo IP ser um protocolo passível de roteamento, isto significa que dois nós que estejam se comunicando com o IP não precisarão estar conectados ao mesmo meio físico (ARNETT, 1996). Visto os modelos de arquitetura, o ítem 2.2 irá retratar o padrão de rede Ethernet, explicando os tipos de tecnologias Ethernet mais utilizadas pelo mercado atualmente. Visto

20 este padrão os principais dispositivos para interconexão de redes estarão esclarecidos, mostrando os principais equipamentos necessários que constituem uma rede local Endereçamento Para que seja viável a troca de informação entre os computadores de uma rede, necessário se faz que todos adotem as mesmas regras para o envio e o recebimento de informações, ou seja, é necessário que todos estejam utilizando o mesmo protocolo. No protocolo de comunicação estão estabelecidas todas as regras necessárias para que o computador de destino entenda" as informações no formato que foram enviadas pelo computador de origem (ARNETT, 1996). Nas linhas a seguir passaremos a tratar do endereçamento e suas peculiaridades. a) Três classes principais de endereços IP Para o roteamento eficiente de um protocolo roteável, que no caso em questão tratase do TCP/IP, deve o endereço ser composto por duas partes: um componente de rede(ou área) e um componente de host (ou nó) (ARNETT, 1996). Os endereços utilizados com o TCP/IP são compostos por quatro bytes (32 bits) e denominados simplesmente endereços IP (e não endereços TCP/IP). (ARNETT, 1996). Conceitualmente, cada endereço é um par (netid, hostid) em que netid identifica uma rede e hostid identifica um host naquela rede.(comer, 1998). De forma a utilizar os endereços adequadamente, os endereços de IP são segmentados em classes. As três mais importantes classes de redes são A, B e C. (ARNETT, 1996). Dado um endereço IP, seu tipo pode ser determinado a partir de três bits de alta ordem, sendo dois bits suficientes para distinguir entre as três classes principais. Endereços do tipo A, que são usados pelas nomerosas redes que não possuem mais de 2 16 (ou seja, ) hosts. Dedicam sete bits para netid e 24 bits para hostid. Endereços tipo B, que são usados para redes de tamanho médio que possuem entre 2 8 (ou seja, 256) e 2 16 hosts, alocam 14 bits para o netid e 16 bits para o host id. Finalmente, redes do tipo C, que possuem menos de 28 hosts, alocam 21 bits para o netid e somente oito bits para o hostid. (COMER, 1998, p ). Primeiro Byte Classe A ID da Rede ID do Host Classe B 1 0 ID da Rede ID do Host Classe C 0 ID da Rede ID do Host Figura 3 Representa as três classes de endereços IP mais importantes. Fonte: (ARNETT, 1996, p. 61).

21 20 b) Endereços especificam conexões de rede Segundo Comer, como os endereços de IP codificam não apenas uma rede, como também um host daquela rede, os endereços IP não especificam um computador individual, e sim uma conexão à rede. (COMER, 1998, p. 67). Partindo deste princípio, pode-se concluir que: um roteador conectado a n redes, te n endereços diferentes de IP, um para cada conexão de rede. c) Endereços de redes e broadcast Uma das vantagens de codificar informações de rede em endereços de interligação em redes é a possibilidade do roteamento eficiente, outra delas é que podem ser usados tanto para se referir a redes, como também a hosts individuais. (COMER, 1998) d) TCP/IP Arquétipo Outra vantagem significativa do esquema de endereçamento da interligação em redes é que ele inclui um endereço de difusão que se refere a todos os hosts da rede. De acordo com p padrão, qualquer host que consista de todos os 1s é reservado para difusão. Em muitas tecnologias de rede (p. ex., Ethernet), difusão pode ser tão eficiente quanto as transmissões normais; em outras, difusão é apoiada pelo software da rede, mas requer uma demora muito mais substancial do que uma transmissão única. Algumas redes não aceitam qualquer difusão. Assim, ter um endereço de difusão de IP não assegura a disponibilidade ou a eficiência da entrega de difusão. (COMER, 1998, p. 68). A título de esclarecimento do endereçamento IP, utilizaremos a rede exemplificada por Comer em obra Interligação em rede com TCP/IP. Nela, pode-se constatar a existência de três redes do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Purdue, com especificação de host, e endereços Internet Designados para cada conecção de rede. Vejamos:

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

TRABALHO SOBRE ETHERNET

TRABALHO SOBRE ETHERNET TRABALHO SOBRE ETHERNET Centro de Formação de Alcoitão UFCD 0831 Topologias de redes Ethernet Formador(a): Daniela Azevedo Formandos: António Rocha, Célia Silva e Rui Bárcia Índice Introdução Características

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Prof. Bruno Guilhen Brasília Setembro CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Arquitetura e Protocolo de Redes Realidade atual Motivação Ampla adoção das diversas tecnologias de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES

Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Questionário 01 FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES 1- Questão: (CESPE/MPE-TO) Considere que, no processo de informatização de uma empresa, tanto na matriz quanto nas filiais, serão implantadas redes

Leia mais

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes 2 Bibliografia

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

Redes de Computadores II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

Redes de Computadores II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Redes de Computadores II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br PROTOCOLO MAC (Media Access Control) Não existe controlador central Entrega por broadcast Canal compartilhado CSMA/CD Carrier

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

1 Entendendo Ethernet

1 Entendendo Ethernet APÊNDICE 1 1 Entendendo Ethernet 1.1 Introdução A imensa maioria das redes locais no mundo utiliza a tecnologia Ethernet. Iniciamos a breve apresentação dessa tecnologia perguntando: qual é o problema

Leia mais

1. INTERCONECTIVIDADE

1. INTERCONECTIVIDADE 1. INTERCONECTIVIDADE Para entender a forma com que diversas redes podem ser interconectadas, deve-se procurar compreender o modelo OSI, pois torna-se bem mais fácil o entendimento quando se visualiza

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais