DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland"

Transcrição

1 MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

2 Cimento Portland

3 Cimento Portland 3

4 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por silicatos de cálcio hidráulicos, usualmente com adição de sulfato de cálcio 4

5 Fabricação do cimento 5

6 Compostos principais do clínquer 6

7 Fabricação do cimento Moagem e estocagem do cimento 7

8 Hidratação do cimento Portland A HIDRATAÇÃO GERA: PEGA: período de solidificação da pasta ENDURECIMENTO: ganho de resistência x tempo Mecanismos de hidratação: 1 - dissolução / precipitação 2 - topoquímico 8

9 9

10 FINURA DO CIMENTO Grau de Moagem Além da composição, a finura do cimento influencia a sua reação com a água. haverá uma taxa de reatividade maior e, portanto, maior velocidade no ganho de resistência. HIDRATAÇÃO acontece da superfície para o interior dos grãos grau de moagem influencia taxas de hidratação aumento da velocidade das reações desenvolvimento de calor retração e o aumento da resistência com a idade. 10

11 Curvas Granulométricas dos Cimentos 11

12 CALOR DE HIDRATAÇÃO As reações de pega e endurecimento dos cimentos são exotérmicas com elevação da temperatura da massa. quantidade de calor liberada é função da composição do clínquer e é expresso em calorias por grama. É problema em estruturas de concreto massa, de grandes volumes. 12

13 Resistência aos Esforços Mecânicos A necessidade de qualificação do cimento obedece às razões: seleção pela qualidade vários tipos e vários fabricantes conhecimento prévio do seu comportamento argamassas e concretos. NBR Determinação da resistência à Compressão argamassa 1:3:0,48 (em massa) areia normal corpos de prova cilíndricos 5 x 10cm idades de 3, 7 e 28 dias 13

14 Quadro Geral tipos de Cimento

15 15

16

17 CIMENTOS outras características ARI (alta resistência inicial) finura maior que os demais máx. de 6% retido na peneira 200# e área específica >300m²/Kg). COMPOSTOS CP II-E com até 34% de escória CP II- Z com até 14% de pozolana CP II-F que é simples, todos possuem ainda até 10% de Filler. O cimento ARS (alta resistência aos sulfatos) só é apresentado na classe 20 (20MPa de resistência à compressão no ensaio normal). POZOLÂNICO teores de materiais pozolânicos: 15 e 50% da massa total do cimento. 17

18 Aplicações Cimento Portland comum CPI e CPI-S (NBR 5732) construção em geral não indicado para exposição a sulfatos do solo ou águas subterrâneas. Cimento Portland Composto CP II-Z (com material pozolânico - NBR11578 gera menos calor que o CP comum. indicado para concretagens de grandes volumes com pequena capacidade de resfriamento da massa. obras em geral, subterrâneas, marítimas e industriais. baixa permeabilidade, mais durável.

19 Aplicações Cimento Port. Composto CP II-E (com escória AF NBR11578) intermediário entre o CP comum e o CP de alto-forno. Cimento P Composto CP II-F (com adição de filer calcário NBR 11578) serve para aplicações gerais, locais sem grande agressividade. Cimento Port. de Alto Forno CP III (com até 70% de escória - NBR 5735) apresenta maior impermeabilidade e durabilidade baixo calor de hidratação. indicado para misturas RAA (reação álcali-agregado) RS (resistente a sulfatos). aplicação geral, inclusive obras em ambientes 19 agressivos.

20 Cimento Portland Pozolânico CP IV (com pozolana NBR 5736) Para ambientes agressivos. Dá concreto mais impermeável e durável. O baixo calor de hidratação favorece sua aplicação em casos de grande volume de concreto. Cimento Portland ARI- CP V (Alta Resistência Inicial - NBR 5737) Adquire resistência rapidamente, é recomendado em indústrias de elementos arquitetônicos prémoldados e de pré-fabricação.

21 Cimento Portland CP (RS) (Resistente a sulfatos NBR 5733) Pode ser usado em estações de tratamentos de água e esgotos, obras em regiões litorâneas, subterrâneas e marítimas, etc. Qualquer dos tipos pode ser resistente aos sulfatos, desde que atendam a pelo menos uma das condições: teor de C3A e adições carbonáticas 8% e 5% em massa, cimentos do tipo CP III com 60% a 70% de escória, em massa; cimentos CP IV com 25% a 40% de material pozolânico, em massa;

22 Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação (BC) NBR para grandes massas. Cimento Portland Branco CPB - (NBR 12989) A cor branca: baixos teores de óxido de ferro uso de caulim no lugar de argila. pode ser colorido com pigmentos adequados.

23 Cimentos da Holcim 23

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades É um aglomerante hidráulico obtido pela moagem do clínquer Portland com adições de gesso e, eventualmente, escória básica de alto-forno, pozolana

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais ASTM C125 Aditivos/adições (Admixtures): Qualquer

Leia mais

O que é cimento Portland?

O que é cimento Portland? O que é cimento Portland? HISTÓRICO PRODUTO FABRICAÇÃO TIPOS APLICAÇÕES QUALIDADE ITAMBÉ Fonte: SNIC, 2015 70,2 milhões de toneladas 353 kg/hab Cimento Bloco Alvenaria Residência PRODUÇÃO APLICAÇÃO E

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND Adição material inorgânico, com finura à do cimento, adicionado ao betão o na amassadura para melhorar certas propriedades ou para adquirir propriedades especiais Tipos de adições Podem substituir parcialmente

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 08. Cimento Portland

Materiais de Construção Civil. Aula 08. Cimento Portland Materiais de Construção Civil Aula 08 Cimento Portland Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Definição Cimento Portland é a denominação técnica do material usualmente conhecido como cimento. Foi criado e

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Concreto translúcido M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Concreto Translúcido Uma empresa húngara desenvolveu um tipo de concreto que, misturado a uma pequena porcentagem de fibras

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

Cimento Portland comum

Cimento Portland comum CDU: 666.942.2 JUL 1991 NBR 5732 Cimento Portland comum ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro

Leia mais

Rodovia Presidente Dutra, km 163 Nº total de Centro Rodoviário Vigário Geral

Rodovia Presidente Dutra, km 163 Nº total de Centro Rodoviário Vigário Geral DNIT MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA ESTRUTURA DE TRANSPORTES NORMA DNIT 050/2004 EM Pavimento rígido Cimento Portland Especificação de material Autor: Diretoria de Planejamento

Leia mais

Cimento Portland pozolânico

Cimento Portland pozolânico JUL 1991 NBR 5736 Cimento Portland pozolânico ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28! andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ

Leia mais

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo (http://www.tallestskyscrapers.info/images/tallest-buildings.jpg) MCC I - AGLOMERANTES MCC I Aglomerantes Aglomerante Aéreo Gesso de Construção O gesso de construção é produzido por calcinação do minério

Leia mais

APLICAÇÕES DO CIMENTO

APLICAÇÕES DO CIMENTO UNIVERSIDADE DO ALGARVE APLICAÇÕES DO CIMENTO Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos, S.A. Definição de Cimento Material inorgânico finamente moído que, quando misturado com água, forma uma pasta

Leia mais

Materiaisde Construção. UCP Engenharia Civil

Materiaisde Construção. UCP Engenharia Civil Materiaisde Construção Parte II CimentoPortland UCP Engenharia Civil II Clinker (silicatos hidráulicos de cálcio)+ adições Clinker = produto granular resultado da calcinação de cal (CaO), sílica(sio2),

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Realização 20 a 22 de Junho de 2016 - São Paulo/SP Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Gabriel Alves Vasconcelos Engenheiro Civil João Henrique da Silva Rêgo Professor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3

SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3 A)- DOSAGEM, SECAGEM E HOMOGENEIZAÇÃO DAS MATÉRIAS-PRIMAS... 4 B)- CLINQUERIZAÇÃO... 5 C)- MINERALOGIA DO CLÍNQUER... 6 D)-

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO NO CONCRETO COM SILICA ATIVA ATRAVÉS DO ENSAIO DE COMPRESSÃO AXIAL

INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO NO CONCRETO COM SILICA ATIVA ATRAVÉS DO ENSAIO DE COMPRESSÃO AXIAL INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO NO CONCRETO COM SILICA ATIVA ATRAVÉS DO ENSAIO DE COMPRESSÃO AXIAL José de Ribamar Mouta Araújo 1,a ; Marco Antonio Barbosa de Oliveira 2,b ; Laércio Gouvêa Gomes 3,c ; Paulo

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Cimentos Portland Porto Alegre, RS Versão 1.1

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Cimentos Portland Porto Alegre, RS  Versão 1.1 GRUPO TCHÊ QUÍMICA Cimentos Portland Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1 Sumário Introdução... 03 Experiência brasileira... 04 Fundamentação teórica... 05 - CP I e CP II - CP III e CP IV -

Leia mais

ANEXO I Especificações Técnicas

ANEXO I Especificações Técnicas ANEXO I Especificações Técnicas Edital de Pregão Eletrônico nº 05/SMSP/COGEL/2016 Processo nº 1. OBJETO 1.1 Registro de preços para fornecimento de cimento Portland a Prefeitura do Município de São Paulo;

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

Mercado Mundial de Gipsita Países Produção (103t) TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 8 Mercado Brasileiro de Gipsita Mercado Brasileiro de Gesso

Mercado Mundial de Gipsita Países Produção (103t) TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 8 Mercado Brasileiro de Gipsita Mercado Brasileiro de Gesso PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Mercado Mundial de Gipsita TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 8 Revestimento de gesso Profa. Dra. Yêda Vieira Póvoas Produção em 2013 160.000.000t (SUMÁRIO

Leia mais

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em:

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em: Materiais de Construção Araujo, Rodrigues & Freitas 18 3. Aglomerantes 1. Definição e Uso Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor Agregados Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

A especificação LNEC E 464:2016 O que muda? Arlindo Gonçalves e Manuel Vieira - LNEC

A especificação LNEC E 464:2016 O que muda? Arlindo Gonçalves e Manuel Vieira - LNEC A especificação LNEC E 464:2016 O que muda? Arlindo Gonçalves e Manuel Vieira - LNEC Secções a alterar Errata 2008 Índice Preâmbulo 1 Objecto 2 Referências normativas 3 Aptidão dos cimentos, adições e

Leia mais

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA ESCÓRIA DE ALTO FORNO COMO AGREGADO GRAÚDO EM CONCRETOS FABRICADOS EM MARABÁ

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA ESCÓRIA DE ALTO FORNO COMO AGREGADO GRAÚDO EM CONCRETOS FABRICADOS EM MARABÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS DE MARABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE MATERIAIS ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA ESCÓRIA DE ALTO FORNO COMO AGREGADO GRAÚDO EM CONCRETOS FABRICADOS EM MARABÁ MARABÁ 2013 PAMELLA

Leia mais

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO Umberto Gonçalves Ribeiro 1 Raimundo Pereira de Vasconcelos 2 1. INTRODUÇÃO No

Leia mais

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Desafios e Futuro A Sustentabilidade é o futuro da indústria A busca pela Eficiência Energética e Os esforços para redução dos

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Materiais de Construção II Propriedades Mecânicas do Concreto em seu estado ENDURECIDO Professora: Mayara Moraes Propriedades no estado endurecido

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios Prof. Fábio Costa Magalhães MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

Leia mais

Veruska Kelly Gomes Rocha Avelino

Veruska Kelly Gomes Rocha Avelino UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Veruska Kelly Gomes Rocha Avelino ESTUDO DO COMPORTAMENTO NO ESTADO FRESCO E ENDURECIDO DO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND Acadêmicos: Ariany Cardoso Pereira Camila Silva Kloster João Luiz da Silva Sobrinho Tamiris Luiza Soares Lanini Úrsula

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IFRS LABORATÓRIO DE ESTRUTURAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LEMCC TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS COMPONENTES DO

Leia mais

Argamassa produzida com resíduo de vidro substituindo o agregado miúdo

Argamassa produzida com resíduo de vidro substituindo o agregado miúdo Argamassa produzida com resíduo de vidro substituindo o agregado miúdo Maria Cleide Ribeiro de Oliveira¹, Allyson Leandro Bezerra da Silva², Francisco Flaviano A. Pereira², Gabriel Louiz Silva da Costa²,

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás 56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, 2014 Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás Vigas jacarés e degraus pré-moldados do Maracanã INTRODUÇÃO DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

Leia mais

CAPÍTULO 2. a) cimento; b) agregado miúdo (areia); c) agregado graúdo. Figura 2.1 Materiais básicos constituintes do concreto.

CAPÍTULO 2. a) cimento; b) agregado miúdo (areia); c) agregado graúdo. Figura 2.1 Materiais básicos constituintes do concreto. Materiais 10 CAPÍTULO 2 2. MATERIAIS Para compreender o comportamento, projetar e dimensionar as estruturas de concreto, primeiramente é necessário conhecer as características e as propriedades dos dois

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 Definições Pastas Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso, denomina-se nata. Argamassa São misturas

Leia mais

GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND

GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND 0 GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO CIMENTO PORTLAND São Paulo dezembro de 2002 Revisão: 7 1 1 a edição - 1989 (com o código de ETE-8) 2 a edição - 1994 (rev. atual.) 3 a edição - 1997 (rev. atual.) 4 a edição

Leia mais

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o 1 INTRODUÇÃO Entre os diversos problemas enfrentados atualmente pelo setor industrial, um dos principais é a necessidade de minimizar, quando não é possível eliminar, os efeitos da agressão ambiental que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND PANORAMA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO E SUAS AÇÕES EM DIREÇÃO DA SUSTENTABILIDADE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND Distribuição das fábricas de cimento no Brasil (2012) 14 grupos industriais

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

24/11/2016. Cimento Aluminoso. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico

24/11/2016. Cimento Aluminoso. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico. Origem, um breve histórico N5 Cimento Aluminoso A palavra CIMENTO é originada do latim CAEMENTU Designava na velha Roma, espécie de pedra natural de rochedos e não esquadrejada A cerca de 4.500 anos, os imponentes monumentos do

Leia mais

Capitulo 3 Resíduos Sólidos Industriais Utilizados em Argamassas/Concretos

Capitulo 3 Resíduos Sólidos Industriais Utilizados em Argamassas/Concretos Capitulo 3 Resíduos Sólidos Industriais Utilizados em Argamassas/Concretos 55 Atualmente existem três rotas que têm sido utilizadas, ou pelo menos estudadas, nestes últimos anos com relação à problemática

Leia mais

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência Utilização dos Resíduos de Empresas de Beneficiamento de Granito e Mármore como Adição na Produção de Concreto de Alto Desempenho na Região do Agreste Alagoano. Júlia Karolline V. Duarte 1, Lucas R. Silva

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Componentes Formas: molde para

Leia mais

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP PÁGINA 01/05 RELATÓRIO DE ENSAIO : Ensaio em argamassa texturizada INTERESSADO : Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP REFERÊNCIA : n/d NATUREZA DO TRABALHO : Determinação da resistência

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA DO RESÍDUO DE TIJOLO MOÍDO NA RESISTÊNCIA DE ARGAMASSAS

AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA DO RESÍDUO DE TIJOLO MOÍDO NA RESISTÊNCIA DE ARGAMASSAS Conferência Interamericana sobre Materiais e Tecnologias não-convencionais na Construção Ecológica e Sustentável. IAC-NOCMAT 2005 Rio de Janeiro, Brasil, 11 a 15 de novembro de, 2005 AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil 1 Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, 05508-901, São Paulo, SP, Brazil. 2 Centro Universitário do Norte Paulista - UNORP, 15020-040, São José do Rio Preto, SP, Brazil. 3 São Paulo State University,

Leia mais

INOVAÇÕES EM CIMENTO PORTLAND E NOVOS LIGANTES

INOVAÇÕES EM CIMENTO PORTLAND E NOVOS LIGANTES INOVAÇÕES EM CIMENTO PORTLAND E NOVOS LIGANTES Arnaldo Battagin Associação Brasileira de Cimento Brasileira SEMINÁRIO DE NOVAS TECNOLOGIAS Evolução tecnológica na fabricação do cimento Portland 1824 Patente

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 O QUE SÃO? - Material ativo e ligante - Em geral pulverulento (que se reduz a pó ou se apresenta em estado de pó) - PRINCIPAL FUNÇÃO: formar

Leia mais

Efeitos da Temperatura Sobre o Concreto

Efeitos da Temperatura Sobre o Concreto Efeitos da Temperatura Sobre o Concreto Professora: Carmeanne Effting Equipe: Débora Ganasini Isabeli Zenato Patruni Janine Garcia Jayne Garcia Miqueias Paulo Brikalski 13/04/2015 Efeitos da Temperatura

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Camilo Mizumoto (1); Flávio Moreira Salles (2) (1) Engenheiro da Leonardi Construção Industrializada Ltda e-mail: mizueng@yahoo.com.

Camilo Mizumoto (1); Flávio Moreira Salles (2) (1) Engenheiro da Leonardi Construção Industrializada Ltda e-mail: mizueng@yahoo.com. Efeitos da aplicação de escória granulada de alto forno em diferentes finuras em composições de argamassa Effects of granulated blast furnace slag in different fineness in mortar composition Camilo Mizumoto

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Unidade Propriedades da matéria

Unidade Propriedades da matéria Unidade 1 1. Propriedades da matéria O que é matéria? O que é matéria? Tudo que ocupa lugar no espaço é feito de matéria. Ex: Mesas, cadeiras, animais, plantas e até o ar que respiramos! Chamamos de corpo

Leia mais

CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE SINAPI LOTE 1 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONTRAPISO, CONTRAPISO ACÚSTICO E CONTRAPISO AUTONIVELANTE LOTE 1 Versão: 007 Vigência:

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

ANGELINA DO NASCIMENTO OLIVEIRA ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR RESÍDUOS DE CERÂMICA VERMELHA

ANGELINA DO NASCIMENTO OLIVEIRA ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR RESÍDUOS DE CERÂMICA VERMELHA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLOGICAS CURSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANGELINA DO NASCIMENTO OLIVEIRA ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br / bftutikian@unisinos.br Head of Itt Performance / Unisinos Presidente Alconpat

Leia mais

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA (PÓS-GRADUAÇÃO) IDENTIFICAÇÃO Centro CCT Laboratório LECIV Pré-requisito ----------

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland?

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND 1. HISTÓRICO 2. PRODUTO 3. FABRICAÇÃO 4. TIPOS 5. APLICAÇÕES 6. QUALIDADE 7. ITAMBÉ HISTÓRIA DO CIMENTO MURALHA DA CHINA PANTEON COLISEU ROMANO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I Código da Disciplina: ECV004 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 3 Faculdade responsável: ENGENHARIA CIVIL Programa

Leia mais

Cimento Portland branco

Cimento Portland branco JUL 1993 Cimento Portland branco NBR 12989 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d Allison Rosa Castro 1 Sandra Maria de Lima 2 Re s u m o: Este artigo

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil. Materiais de Construção Civil. Prof. Marcos Alyssandro. Natal, 2013

Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil. Materiais de Construção Civil. Prof. Marcos Alyssandro. Natal, 2013 Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil Materiais de Construção Civil Prof. Marcos Alyssandro Natal, 2013 Conteúdos 1) Generalidades sobre materiais de construção; 2) Introdução à

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O CONCRETO Engº Rubens Curti O QUE É CONCRETO Mistura em proporções pré-fixadas de um aglutinante (cimento) com água e um agregado constituído

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A. PPGEC Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil RONALDO PILAR

U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A. PPGEC Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil RONALDO PILAR U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A PPGEC Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil RONALDO PILAR AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE POZOLÂ ICA DA CI ZA PESADA MOÍDA EM PASTAS DE CIME TO PORTLA D Dissertação

Leia mais

Redução potencial do cimento portland por meio da sílica da casca do arroz (SCA)

Redução potencial do cimento portland por meio da sílica da casca do arroz (SCA) Redução potencial do cimento portland por meio da sílica da casca do arroz (SCA) Optimization of portland cement content by the husk rice ash (SCA) Gomes, Carlos Marmorato Gomes (1); Marton; Luiz Fernando

Leia mais

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a As Novas Normas (revisadas): ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a ABNT NBR 7680 Concreto Extração, preparo, ensaio e analise de testemunhos de estruturas

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Desenvolvimento de sistema alternativo de construção em alvenaria estrutural para habitação de interesse social

Desenvolvimento de sistema alternativo de construção em alvenaria estrutural para habitação de interesse social Desenvolvimento de sistema alternativo de construção em alvenaria estrutural para habitação de interesse social Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) FND CT/CT VERDE AMARELO: CHAMADA PÚBLICA 01/2003

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO Construção Civil Importância no desenvolvimento social e econômico. Novas moradias, indústrias, estradas... Geradora de impactos ambientais e consumo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTUDO COMPARTIVO ENTRE ESTRUTURAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL E CONCRETO

Leia mais

Assunto: Agregados Prof. Ederaldo Azevedo Aula 3 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Agregado é um material granular, inerte, com dimensões e propriedades adequadas para uso na construção civil. MATERIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONCRETO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONCRETO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONCRETO MICHELLE AKEMI FATIGA ONUKI PATRYCIA ALBERTON GASPARETTO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

Reaproveitamento de cinzas de carvão mineral na formulação de argamassas. (Reuse of ash coal in the formulation of mortars)

Reaproveitamento de cinzas de carvão mineral na formulação de argamassas. (Reuse of ash coal in the formulation of mortars) 275 Cerâmica 58 (212) 275-279 Reaproveitamento de cinzas de carvão mineral na formulação de argamassas (Reuse of ash coal in the formulation of mortars) J. S. Siqueira, C. A. G. Souza, J. A. S. Souza Programa

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETO PROJETADO LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 01/2016 Última atualização: 05/2016 GRUPO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RODRIGO MANOEL DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RODRIGO MANOEL DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RODRIGO MANOEL DO NASCIMENTO ESTUDO DA ADITIVAÇÃO DO METACAULIM DE ALTA REATIVIDADE, PRODUZIDO POR MEIO DO MÉTODO DE CALCINAÇÃO FLASH EM CIMENTO PORTLAND CURITIBA 2009 RODRIGO

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 01/2015 ATENCIOSAMENTE, AGNALDO CORRÊA DIRETOR TÉCNICO

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 01/2015 ATENCIOSAMENTE, AGNALDO CORRÊA DIRETOR TÉCNICO CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CANDIDATA: LÉA CORINA VILAS BOAS NEVES DE SOUZA PROVA Nº 25 ESPECÍFICA QUESTÃO Nº 32: A CANDIDATA REQUER ANULAÇÃO DA QUESTÃO, ALEGANDO FALTAR A PALAVRA HAVER PARA QUE A ALTERNATIVA

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais