PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES APLICATIVO WEB PARA GERÊNCIAMENTO DE ROTEADORES CISCO CURITIBA 2011

2 ANDRE LUIS ARAUJO BELEM APLICATIVO WEB PARA GERÊNCIAMENTO DE ROTEADORES CISCO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica Telecomunicações da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial á obtenção do título de Engenheiro Eletricista com ênfase em Telecomunicações. Orientador: Prof. Dr. Edgar Jamhour CURITIBA 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA

4 ANDRE LUIS ARAUJO BELEM APLICATIVO WEB PARA GERÊNCIAMENTO DE ROTEADORES CISCO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Programa de Engenharia Elétrica Telecomunicações da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial á obtenção do título de Engenheiro Eletricista com ênfase em Telecomunicações. COMISSÃO EXAMINADORA James Alexandre Baraniuk Pontifícia Universidade Católica do Paraná Edgard Jamhour Pontifícia Universidade Católica do Paraná Ricardo Cassiano Nabhen Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, 02 de Dezembro de 2011

5 Dedico este trabalho a minha família e amigos.

6 RESUMO Este projeto contempla o desenvolvimento de um Aplicativo WEB para visualizar as informações de interesse de roteadores cisco, de forma tão simples e clara como se deseje. O Aplicativo Web possui a lista de equipamentos armazenados em um banco de dados MySQL, mostrando graficamente e em tempo real toda e qualquer informações disponível na MIB que o equipamento possui, para isso, é utilizado o protocolo SNMP. O Crescimentos exponencial do tráfego de dados e o aumento da demanda dos clientes reflete na rede de telecomunicações, forçando a prestadora de serviço a constantemente aumentar a capacidade e a quantidade de equipamentos. Para projetos de expansão e para análise, é necessário recolher informações físicas e lógicas do equipamento, realizando através de acesso ssh ou telnet diversas trocas de comandos de texto. Este processo requer uma familiaridade com a sintaxe do equipamento, e demanda mais tempo, é necessário executar vários comandos para obter uma resposta completa., este Aplicativo Web pode pode mostrar todas essas informações de maneira simples, funcionando como ferramenta ao desenvolvimento dos projetos. Devido à segurança, essas informações trafegam em uma rede secundária destinada apenas à gestão dos equipamentos. O estudo de caso aqui apresentado realiza duas atividades, o primeiro é a concepção de uma página web montada de forma dinâmica de acordo com modelo do roteador, o segundo é para espelhar as informações de interesse e analisá-los e extrair deles a partir da página Web via HTTP. O servidor utilizado é o Apache, que deve ser executado em uma máquina dentro da rede de gestão Palavras-chave: SNMP, Apache, PHP, MySQL, Roteador, Cisco, Gerência.

7 ASTRACT This project includes the development of a web application to view information of interest from cisco routers, so simple and clear as desired. The web application retrieves the list of equipment stored in a MySQL database, and show graphically in real-time any information available on MIB of equipment, for this, is utilized the SNMP protocol. Exponential growths of data traffic and customer demand in the telecommunications network, forces increase the capacity and quantity of equipment every day. For expansion projects and analysis is necessary to collect information physical and logical from the equipment, performing by exchanges of text commands to the machine via ssh or telnet access. This process requires a familiarity with the syntax of the equipment, and demand more time, it is necessary to run various commands to get one answer, these Web Aplication can display all this information in a simple manner, working how tool for network projects, collecting and showing all the informations in a Web Page. Due to security, this information travels on a secondary network intended only to the management of equipment. The case study presented here carries out two activities, the first is design a generic database with capability of accept any other equipment without big changes, the second is mirror the information of interest in a dynamically web page to analyze and show then. The Server used is Apache, which must be running on a machine within the management network.keywords: SNMP, Apache, PHP, MySQL, Router, Cisco, Management.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Diagrama Geral Figura 2 Roteador Cisco Figura 3 Topologia Utilizada Figura 4: Sentidos do termo MIB Figura 5: Árvore MIB (fonte: David Perkins, 2001, pg. 1) Figura 6: Tela Inicial do Programa Mib Browser Figura 7: Estrutura do Site Figura 8: Cenário de Desenvolvimento Figura 9: Configuração do Servidor FTP no Dreamweaver Figura 10: Configuração do MySql no Dreamweaver Figura 11: Software para Modelagem do Banco de Dados Figura 12: Banco de Dados Figura 13: Cronograma resumido... 32

9 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os Professores do Curso de Engenharia Elétrica da PUCPR, cada qual a sua maneira tornou esse sonho realidade. Agradeço a GVT por disponibilizar o laboratório para testes e validação do projeto. Agradeço a todos os amigos e familiares que me acompanharam e apoiaram nessa jornada. Agradeço ao Ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva e sua equipe, que tiraram do papel o PROUNI e salvo exceções deram oportunidade para quem é capaz. Agradeço a meu orientador Dr. Edgard Jamhour, cuja postura em sala é exemplo. Agradeço em especial a Agnes pelo apoio e principalmente pelo suporte nos momentos de maior necessidade.

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ISP SNMP MIB MAN WAN OID - Internet Service Provider - Simple Network Management Protocol - Management Information Base - Metropolitan Area Network - World Area Network - Object Identifier

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA DIAGRAMA GERAL EQUIPAMENTO UTILIZADO Descrição do Roteador Levantamento Físico Topologia e Acesso PROTOCOLO SNMP Sobre o SNMP O Modelo Identificação dos Objetos (OID) Configuração do SNMP no Equipamento Pesquisa dos OID s Coleta dos Dados BANCO DE DADOS Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Atributos Relacionamento Base de Imagens SERVIDOR WEB Página WEB Servidor WEB Desenho das Telas IMPLEMENTAÇÃO APLICATIVO WEB Diagrama das Páginas Plataforma de Desenvolvimento Cenário... 26

12 Software Upload para o servidor Integração com o Banco de Dados BANCO DE DADOS Estratégia Software para Design Diagrama do Banco de Dados SNMP OID s CRONOGRAMA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APENDICE A FUNCIONALIDADES DO MIB BROWSER APENDICE B CRONOGRAMA APENDICE C SCRIPT DO BANCO DE DADOS APENDICE D CODIGOS DAS PAGINAS APENDICE E OID s APENDICE F CADERNO DE TESTES... 40

13

14 9 1 INTRODUÇÃO Este projeto contempla o desenvolvimento de uma ferramenta web para gerenciamento de equipamentos de rede que suportem o protocolo SNMP, este protocolo é suportado em praticamente qualquer equipamento de rede, desde equipamentos residenciais a equipamentos de grande capacidade localizados nos provedores de serviço internet, do inglês ISP Internet Service Provider. O desenvolvimento da ferramenta foi direcionado para atender as necessidades de uma equipe de engenharia responsável pela ampliação da planta de telecomunicações de um ISP, reunindo as informações relevantes em uma página web, fornecendo um meio de visualizar diretamente na página as configurações de hardware e interfaces, sem necessidade de aplicar comandos via um programa cliente ssh ou telnet. Com o aumento do tráfego e a expansão da rede de telecomunicações as informações de ocupação das portas e slots disponíveis precisam ser consultadas constantemente, um método gráfico de visualizar estas informações gera economia de tempo e facilidade. Sendo estes os maiores incentivos ao desenvolvimento da ferramenta web, melhorando a rotina de trabalho ao facilitar a coleta das informações.

15 10 2 METODOLOGIA 2.1 DIAGRAMA GERAL As atividades para o desenvolvimento da ferramenta foram subdivididas em etapas comuns, de acordo com a atividade ou área de conhecimento necessária. Nos demais capítulos deste projeto podem ser encontradas informações específicas para cada grupo de atividade, aqui será realizado apenas uma explicação geral. O primeiro passo é o levantamento do equipamento físico que será gerenciado, quais placas são utilizadas, quais informações são relevantes a equipe que utiliza os mesmos. De posse das necessidades, é utilizado o protocolo SNMP para obter as informações de maneira genérica e dinâmica, essa coleta de informações será realizada por meio de um Shell Script. Todas as informações serão armazenadas em um banco de dados para que futuramente uma página Web possa utiliza-las para montar um espelho do equipamento Físico. O projeto do Banco de Dados será realizado utilizando o Modelo Entidade Relacionamento, com a preocupação que não seja necessária uma reestruturação para inclusões de roteadores de fabricantes diferentes. Figura 1 Diagrama Geral

16 EQUIPAMENTO UTILIZADO Descrição do Roteador O projeto será desenvolvido e homologado utilizando um Roteador Cisco 7609, este roteador possui nove slots, sendo dois destes destinados as placas controladoras, a numeração dos slots diferentemente de outros equipamentos inicia da direita para a esquerda. Em uma configuração de 40Gbps por slot possui capacidade roteamento de 720Gbps, com diversas combinações de placas e tecnologias, isto faz dele um modelo destinado a provedores de serviço internet para atender aplicações de Redes Metropolitanas ou Mundiais (MAN/WAN). The Cisco 7600 Series is the industry's only edge router that delivers robust, high performance IP/MPLS features for a range of service provider edge and enterprise MAN/WAN applications. Coupled with the broadest set of interfaces and innovative adaptive network processing technology the Cisco 7600 leads the industry with integrated Ethernet, private line and subscriber aggregation capabilities. The Cisco 7600 Series is a natural evolution for existing Cisco 7500 Series customers with Cisco IOS feature parity and FlexWAN support for existing Cisco 7200/7500 Series port adapters The Cisco 7609 Router features 720 Gbps of switching capacity in a 40 Gigabit/slot configuration, delivering the needed capacity to power robust edge services for IP/MPLS networks. This 9-vertical slot, 1/2 rack system delivers 30 Mpps centralized processing coupled with distributed processing for line-rate 10 & 1 Gigabit Ethernet services. Additionally, this NEBS-compliant system offers front-to-back airflow and integrated cable management. Fonte: Figura 2 Roteador Cisco 7609

17 Levantamento Físico Os projetos de ampliação ou migração disparados pela Engenharia precisam de informações físicas do roteador, de maneira genérica no projeto são verificadas as placas e portas disponíveis no roteador, a partir daí temos três situações distintas, se existe porta/slot disponível, se será necessária expansão, e nos casos críticos, se está lotado. Essa analise precisa levar em consideração as combinações de placas, os modos de operação dos transceivers (responsáveis pela conversão do sinal elétrico/ótico), a capacidades de throuput do slot, e a nomenclatura das interfaces. Cada informação é coletada de uma maneira distinta, e variando de acordo com o roteador, mesmo considerando um mesmo fabricante, este é um dos maiores incentivos ao desenvolvimento deste projeto. Para o equipamento utilizado neste projeto será realizado o levantamento de tudo que existe instalado fisicamente, registrando as informações de estrutura e as imagens das placas para futura utilização no desenvolvimento da página Web Topologia e Acesso O equipamento utilizado está localizado no laboratório da empresa GVT, com finalidade de padronização e homologação o mesmo foi inserido na rede DCN (Data Control Network), assim o acesso é realizado da mesma maneira que qualquer outro elemento de rede de serviço. Foi utilizada a interface Gi6/2 para acesso a rede DCN da operadora, as configurações abaixo devem ser aplicadas na interface em questão, pela ordem, foi definido a velocidade da interface para 100Mbps, atribuído um IP único na rede DCN e o tipo de mídia utilizado foi cabo UTP.! interface GigabitEthernet6/2 bandwidth ip address media-type rj45!

18 13 Para proteção das informações confidências da empresa foram omitidos equipamentos de transporte e core da rede DCN, a topologia resumida deste projeto pode ser vista na figura abaixo. Figura 3 Topologia Utilizada

19 PROTOCOLO SNMP Sobre o SNMP O SNMP (Simple Network Management Protocol) é um protocolo desenvolvido para o gerenciamento de equipamentos de rede, ele organiza as informações em uma estrutura em forma de árvore chamada de MIB (Management Information Base) como definido por David Perkins (1997, p. 5) MIBs are specifications containing definitions of management information so that networked systems can be remotely monitored, configure. Em geral o termo MIB tem diferente sentidos dependendo do contexto em que é utilizado. Ás vezes há uma distinção feita entre uma única especificação, chamada uma MIB, e a união de varias especificações, chamada a MIB. E, finalmente, o termo MIB é também utilizado para significar os valores atuais da informação gerenciada em um sistema, conforme figura abaixo. Figura 4: Sentidos do termo MIB Ffonte: David Perkins (1997, p. 1) O protocolo de gerenciamento SNMP nasceu com o IETF (Internet Engineering Task Force), uma organização aberta para criar padrões para a Internet. Os alvos iniciais para essa equipe eram os roteadores TCP/IP e Hosts (Máquinas). No entanto, o SNMP é inerentemente genérico, podendo ser usado para gerenciar muitos tipos de sistemas. Como redes de computadores, redes de tráfego, rede de refrigeração, redes de irrigação, ou plantas químicas. Assim, podemos ver que qualquer sistema de tempo real que seja constituído de uma coleção de elementos independentes se comunicando, pode usar o SNMP. The genesis of SNMP-based management is the Internet Engineering Task Force (IETF), na open organization to create standards for the Internet. The initial targets for this effort were TCP/IP routers (also called gateways) and hosts (i.e, computer systems). However, the SNMP-based management approach is inherently generic so that it can be used to manage many types of systems. This approach can be used

20 15 with computer data networks, automotive traffic networks, heating and cooling control networks, irrigation networks, or chemical plants. Thus, you can see that almost any real-time system consisting of a collection of independent communicating elements can user SNMP. Outro método de obter as informações do equipamento seria acessá-lo utilizando um usuário genérico, aplicar comandos de visualização e capturar o resultado, este processo não se mostra eficaz, visto que cada equipamento necessitaria de funções específicas e de complexidade alta apenas para desformatar as informações, alguma alteração de software que mudasse a estrutura de visualização implicaria em refazer tais funções. O SNMP ao padronizar a estrutura para diferentes equipamentos torna o código altamente reaproveitável, a inserção de novos elementos ou de novas informações é realizada de maneira simples, no máximo exige o desenho de uma nova tela O Modelo O SNMP vê a informação gerenciada como uma variável e seu valor. O SNMP pode capturar ou modificar o valor da variável. Uma classe (ou tipo) de informação gerenciada é chamada de objeto ou tipo do objeto. Uma Instancia de uma classe de informação gerenciável é chamada de variável SNMP ou uma instância de um objeto Identificação dos Objetos (OID) O esquema de identificação utilizado é chamado de ASN.1 (Abstract System Notation 1) sendo utilizado através do SNMP para identificar itens unicamente em todo espaço e tempo. Um identificador neste esquema é chamado de identificador de objeto ou OID (Object identifier). Um valor OID é uma sequencia ordenada de números inteiros não negativos, escritos da esquerda para a direita, contendo no mínimo dois elementos. Esse esquema foi criado pelas organizações ISO e CCITT (Agora ITU). O valor OID é organizado como um sistema de fila hierárquica e seu nome de domínio do sistema (DNS). O OID não é limitado a objetos do SNMP, pode ser usado para identificar qualquer tipo de item. Por exemplo, um valor OID pode ser usado para identificar um

21 16 documento dentro do sistema de arquivos. Tambem, um OID pode ser atribuído a cada pessoa que já nasceu, e a cada futura pessoa que nascerá. Teoricamente não há limite para valores OID, na prática há restrição em relação à memória do equipamento utilizado. Abaixo temos um exemplo de árvore OID o objeto desejado é localizado utilizando uma sequência de números, o objeto x é localizado pela sequência 1.1.1, assim como o objeto y é localizado pela sequencia 2.1.0, onde cada número representa a posição dentro do respectivo nível. Figura 5: Árvore MIB (fonte: David Perkins, 2001, pg. 1) Configuração do SNMP no Equipamento Para a troca de mensagens SNMP é necessário configurar uma community no roteador e definir a permissão para a mesma. No comando abaixo é criada a community public com permissão para leitura e escrita nas variáveis manipuladas. Essa permissão de escrita não sobrepõem a regra que algumas variáveis podem apenas serem lidas. rlabcta1#configure terminal Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z. rlabcta1(config)#snmp-server comm rlabcta1(config)#snmp-server community public RW rlabcta1(config)# rlabcta1# Pesquisa dos OID s As informações que são necessárias para este projeto são localizadas dentro da árvore pelo seu respectivo OID. Para a pesquisa das informações é utilizado o programa chamado MIB BROWSER.

22 17 O programa MIB BROWSER será utilizado para varrer completamente a estrutura que contem as informações do equipamento, e por meio da busca do próprio programa é localizado o OID correspondente. Este programa pode ser baixado pelo site existem versões destinadas ao uso Profissional, Por Empresas e Pessoal. Neste projeto será utilizada a versão pessoal, cuja utilização é exclusiva para uso privado e em apenas uma máquina, não podendo ser utilizado com propósitos comerciais e profissionais. As principais características fornecidas pelo desenvolvedor podem ser encontradas no Anexo 1 deste projeto, abaixo pode ser visualizado a interface do software. Figura 6: Tela Inicial do Programa Mib Browser Os itens em destaques são detalhados a seguir: 1) Address: Endereço IP do elemento que irá ser acessado;

23 18 2) Advanced: Este botão abre uma nova janela onde é possível configurar a porta que será utilizada, a versão do SNMP e a community configurada anteriormente no equipamento. 3) OID: Identificador do objeto em questão, no nosso caso, como será utilizado o comando Walk que percorre toda a árvore, foi inserido o nó inicial dentro da árvore de objetos. 4) Operations: Comando desejado a ser aplicado no objeto definido pelo OID, dentre as opções temos Get, Get Bulk, Get Subtree, Walk e Set Após a varredura da árvore pelo MIB BROWSER, é utilizada a busca do próprio programa para localizar o objeto desejado dentro da árvore e seu respectivo OID. Após a varredura da árvore pelo MIB BROWSER, é utilizada a busca do próprio programa para localizar o objeto desejado dentro da árvore e seu respectivo OID. Outro método para localizar os objetos é utilizando a ferramenta web fornecida pela Cisco no endereço a principal vantagem do MIB EXPLORER é realizar a busca pelo OID com algum parâmetro conhecido, por exemplo MAC Address da interface Coleta dos Dados Com as informações de interesse definidas e conhecendo o seu OID, nesta fase é desenvolvido o script para coleta dos dados, no futuro este script será reaproveitado, e ficará responsável também pelo armazenamento das informações no Banco de Dados, sendo executado com a periodicidade que se deseje. Existem diferentes opções para a coleta dos dados, poderia ser escrito um programa em linguagem C++ utilizando API s específicas do SNMP, o que viabilizaria o trabalho no Windows. Ou instalar pacotes de atualização no Linux e obter suporte ao protocolo SNMP direto na console. Diante de dois caminhos, vence a solução mais simples, utilizando Shell Script aplicam-se diretamente os comandos na console e temos o resultado, podendo ainda chamar um programa escrito em C++ com o objetivo de formatar os dados da resposta.

24 19 O SNMP não define um grande número de comandos, temos duas operações básicas, o GET (para obter um valor de um dispositivo), e o SET (Para colocar um valor num dispositivo). Podemos citar tambem o GETNEXT (usado interativamente para retirar sequências de informações) e o TRAP (usado para reportar uma notificação ou para outros eventos assíncronos sobre o subsistema gerido).

25 BANCO DE DADOS Com as informações necessárias coletadas, organizadas e verificadas, será definido o modelo da estrutura das informações para montagem do banco de dados, reunindo todas as informações necessárias para a página Web de forma padronizada. Aqui é importante levar em consideração a escalabilidade, de maneira que futuras alterações para adição de outros equipamentos ou fabricantes não implique em uma reestruturação do banco de dados. Existem diferentes opções de bancos de dados, o critério de escolha neste projeto é por uma plataforma livre, o MySql é um sistema de gerencialmente de banco de dados com plataforma opensource mais difundido no mundo, com grande literatura de suporte e exemplos de código pela internet. No texto do André Milani (2006) podemos conhecer um pouco da história do MySQL e sua licença de uso. O MySQL teve origem quando os desenvolvedores David Axmark, Allan Larsson e Michael Monty Widenius, na década de 90, precisaram de uma interface SQL compatível com as rotinas ISAM que utilizavam em suas aplicações e tabelas. Em um primeiro momento, tentaram utilizar a API msql, contudo a API não era tão rápida quanto eles precisavam, pois utilizavam rotinas de baixo nível (mais rápidas que rotinas normais). Utilizando a API do msql, escreveram em C e C++ uma nova API que deu origem ao MySQL. Com o ótimo resultado gerado por essa nova API, o MySQL começou a ser difundido e seus criadores fundram a empresa responsável por sua manutenção, que é a MySQL AB. A partir dessa fase, o MySQL tornou-se mais conhecido por suas características de rápido acesos e cada vez mais utilizado. Novas versões foram lançadas, contemplando novas necessidades e firmando, assim, sua posição no Mercado ( ) O MySQL é desenvolvido e distribuído por meio de duas licenças que irão depender do tipo de uso da ferramenta. Na maioria dos casos, seu uso é livre. Contudo, vale a pena conhecer as duas possíveis licenças do MySQL. A primeira, software livre, é baseada nas cláusulas da GNU-GPL (General Public Licence) a qual estabelece oque se pode ou não fazer com a ferramenta e demais recursos. Além do programa, o seu código-fonte também é disponibilizado para que qualquer pessoa possa adapta-lo ás suas necessidades; contudo, todas essas situações serão tratadas e detalhadas na licença GNU-GPL. Basicamente, a licença do itpo GNU-GPL baseia-se nos seguintes princípios: Utilização: Permite utilizar o software par qualquer propósito. Distribuição: Permite a livre distribuição do software entre todas as pessoas.

26 21 Didática: Permite que seu funcionamento seja estudado a partir de seu códigofonte. Colaboração: Permite que seu código-fonte seja alterado para evoluir a ferramenta, desde que seu novo código-fonte continue sendo livre seguindo esta licença. (...) Modelo Entidade-Relacionamento O objetivo da modelagem é transmitir e apresenta uma representação única, não redundante e resumida dos dados deste projeto, para esta representação, será utilizado o Modelo Entidade- Relacionamento, utilizando como base o livro de Maurício Machado (1996). O modelo Entidade-Relacionamento foi definido por Peter Chen em 1976, e teve como base a teoria relacional criada por E. F. Codd (1970). Ao longo dos anos, vários estudiosos evoluíram e expandiram este meta-modelo. Os conceitos do modelo E-R destinam-se prioritariamente ao projeto de banco de dados, mas podem ser utilizados para o entendimento de um determinado negocio (modelo do negócio) bem como auxiliar o desenvolvimento de estrutura de dados que possam ser implementadas fora de um ambiente de banco de dados, utilizando-se uma linguagem de programação (COBOL, C, PASCAL, etc). O modelo E-R é, atualmente, a base para o desenvolvimento de sistemas orientados a objetos. O objetivo da modelagem de dados é possibilitar apresentação de uma visão única, não redundante e resumida dos dados de uma aplicação. No desenvolvimento de aplicações em banco de dados, o modelo Entidade- Relacionamento é o mais largamente utilizado para a representação e entendimento dos dados que compõem a essência de um sistema de informações Entidades A entidade e o objeto que existe no mundo real com uma identificação distinta e um significado próprio, são as coisas que existem no projeto, no nosso caso as peças que compõem o equipamento. A representação de uma Entidade é realizada através de um retângulo, com o nome desta entidade em seu interior, conforme exemplo abaixo: INTERFACE ROTEADOR PLACA

27 22 As entidades devem ser entendidas como uma tabela de dados, onde cada linha representa uma instância da mesma Atributos Para ser uma entidade o objeto deve possuir propriedades que são descritas por atributos e valores, juntos eles descrevem as instâncias de uma entidade, formando os registros, no exemplo abaixo temos a Entidade Roteador: Nome na Rede Fabricante Modelo Rlabcta1 Cisco 7609 Rlabcta2 Cisco 7606 Neste exemplo o Roteador é descrito pelo seu fabricante, modelo, fabricante e seu nome na Rede DCN da operadora, mas podemos descrevê-lo com muito mais dados, estes dados que caracterizam o objeto roteador são os atributos inerentes á entidade Roteador. Os valores que nunca se repetem tem a função de atuar como identificador único das instâncias da entidade, esta propriedade é chamada de Chave Primária de uma tabela, neste projeto a coluna Nome da Rede representa esta Chave Relacionamento Relacionamento pode ser definido como o fato que liga dois objetos existentes, temos duas situações distintas seguindo esta lógica, a primeira chamada de relacionamento condicional, onde nem todos os elementos de uma entidade estão ligados a outra. A segunda, onde obrigatoriamente todos os elementos de uma entidade devem estar relacionados a no mínimo outra entidade. Utilizando este projeto para exemplificar, toda interface deve possuir uma placa, que deve possuir um roteador, assim nos enquadramos nos relacionamentos incondicionais.

28 Base de Imagens Para a montagem do modelo do roteador na página Web são necessárias diversas imagens com detalhes que possam identificar o hardware instalado ou status da porta de maneira direta. Todas as imagens serão armazenadas no próprio banco de dados, e relacionadas com os valores dos OIDs utilizados, esta estratégia pode consumir um processamento elevado do servidor de banco de dados à medida que o número de acessos simultâneos aumente, só sendo relevante em um momento futuro onde se tenha alta demanda, podendo ser facilmente contornado hospedando as imagens em diretórios no servidor.

29 SERVIDOR WEB Página WEB A página web será desenvolvida em HTML (HyperText Markup Language) com funções utilizando a linguagem PHP (Hypertext Preprocessor). Este método foi utilizado devido a semântica do PHP ser quase idêntica a linguagem C & C++, bem difundida no meio acadêmico, e pela facilidade de construção de uma página dinâmica baseada em banco de dados. O PHP provê suporte a um grande número de bases de dados, dentre as mais populares podemos citar: Oracle, Sybase, PostgreSQL, InterBase, SQLite, MSSQL, Firebird, etc., e claro MySQL, que será utilizado neste projeto Servidor WEB A hospedagem da página Web será realizada pelo Servidor Web mais difundido no mundo o Apache. Ele possui versões para diversos sistemas operacionais, neste projeto é utilizado o Ubuntu na versão 11.04, que pode ser baixado pelo site e possui licença de distribuição GPL (General Public License) Desenho das Telas De posse de todas as informações é possível iniciar o desenho da página Web, esta página será desenhada sob algumas premissas: Visual claro e objetivo, evitando a utilização de diversos recursos que venham a confundir o usuário final. Destaque em cores, status de interfaces serão diferenciados por cores para tornar a visualização o mais próxima possível dos leds indicadores do equipamento. Semelhança com o equipamento Físico, as imagens serão criadas com base nas imagens reais dos componentes.

30 25 3 IMPLEMENTAÇÃO 3.1 APLICATIVO WEB Diagrama das Páginas O caminho lógico para localizar um determinado equipamento é de acordo com sua localização geográfica, as páginas são dinâmicas e variam de acordo com o interesse do usuário, os valores possíveis são carregados da estrutura do banco de dados, como em qualquer página dinâmica. ESTADOS CENTRAIS EQUIP. EQUIP. TEMPLATE TEMPLATE Legenda Home Folder (index) Página HTML Acesso ao Banco de Dados Página PHP c/ Script de Coleta Modulos Interfaces Hardware (?) Figura 7: Estrutura do Site No último nível após a escolha do equipamento do qual deseja-se as informações, é apresentada uma tela padrão, que identifica o template e a família a qual aquele equipamento pertence.

31 26 A página template.php centraliza e serve de interface para todas as outras páginas que executam ações específicas de acordo com os dados coletados via SNMP, em tempo real com o equipamento em questão Plataforma de Desenvolvimento Cenário As páginas foram desenvolvidas utilizando um segundo computador, este com Windows e uma tela Maior, para facilitar a utilização de ferramentas mais poderosas, descritas a frente. O cenário proposto na Metodologia sofreu uma leve alteração, para acessar a Rede DCN da GVT de qualquer lugar foi utilizada uma conexão VPN, o software utilizado é o openvpn, distribuído sobre licença GNU e instalado no servidor utilizando o comando: #apt-get install openvpn Figura 8: Cenário de Desenvolvimento

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Sistema para diminuir a probabilidade de falhas nas conexões Internet e possibilitar controle de fluxo com base em hosts e aplicações

Sistema para diminuir a probabilidade de falhas nas conexões Internet e possibilitar controle de fluxo com base em hosts e aplicações Sistema para diminuir a probabilidade de falhas nas conexões Internet e possibilitar controle de fluxo com base em hosts e aplicações Marcelo Rios Kwecko 1, Raphael Lucas Moita 1, Jorge Guedes Silveira

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Tarefas práticas da disciplina

Tarefas práticas da disciplina Tarefas práticas da disciplina Objetivo: As atividades têm por objetivo consolidar os conceitos de redes de computadores, aplicando os conceitos teóricos de forma a desenvolver no estudante a capacidade

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02 Manual de Instalação Instalação via apt-get SIGA-ADM versão 12.02 Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação..................................................... 05 2 - Instalando o SIGA-ADM..............................................................

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL.

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA MySQL. DISCIPLINA: Banco de Dados II PROF.: ROMULO VANZIN Data: 27/06/2014 Banco

Leia mais

Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores

Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO 802.1x UTILIZANDO SERVIDOR DE AUTENTICAÇÃO FREERADIUS Aluno: Diego Miranda Figueira Jose Rodrigues de Oliveira Neto Romário

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get

Manual de Instalação. Instalação via apt-get Manual de Instalação Instalação via apt-get Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação......................................... 01 2 - Instalando o SIGA-ADM.................................................

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Manual de Acesso a Servidores SSH

Manual de Acesso a Servidores SSH UFF - Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Manual de Acesso a Servidores SSH Autor : Orientador: Vinicius

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA TÍTULO: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL PELA INTERNET COM PHP E ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS AUTOR(ES):

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das 324 Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das Estações Linux numa Rede LTSP Herlon Ayres Camargo 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Departamento de Desenvolvimento Educacional Escola Agrotécnica

Leia mais

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005 HP 690 East Middlefield Road Mt. View, CA 94043, EUA Resposta de Clientes N.º (650) 960-5040 System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: IMPORTANTE: Todos os

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc.

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. SENAI - FATESG Gerência de Redes Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. Introdução Redes de Computadores É um conjunto de computadores autônomos interconectados [Tanenbaum, 1997] Introdução Mainframe

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Aluno : André Mafinski Orientador : Prof. Sérgio Stringari ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO - Introdução; - Gerenciamento de Redes; - Considerações;

Leia mais

Fábio Rocha de Araújo & Felipe Rocha de Araújo. 30 de janeiro de 2012

Fábio Rocha de Araújo & Felipe Rocha de Araújo. 30 de janeiro de 2012 Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 30 de janeiro de 2012 Introdução Conhecendo o Joomla! Administrando extensões Joomla! e criando Módulos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Raphael Celuppi Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Setembro 2009 Sumário

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO V E R S Ã O D O A P L I C A T I V O : 8. 0 C F 1 Caro usuário. Obrigado por escolher nosso produto. Esperamos que esta documentação lhe ajude em seu

Leia mais

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Otimização de banda utilizando IPANEMA Matheus Simões Martins Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo O projeto

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião PHP AULA1 Prof. Msc. Hélio Esperidião NAVEGADOR O navegador também conhecido como web browseré um programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos hospedados em um servidor Web. SERVIDOR

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011 l CRONOGRAMAS E TEMAS DAS Verifique o dia, o horário e o local das aulas práticas no quadro-resumo e nas tabelas seguintes de acordo com o seu número de inscrição e o seu cargo. QUADRO-RESUMO CARGO DESCRIÇÃO

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO

Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO V E R S Ã O D O A P L I C A T I V O : 8. 0 Caro usuário. Obrigado por escolher nosso produto. Esperamos que esta documentação lhe ajude em seu trabalho

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM

SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM SISTEMA PARA CONTROLE DE RESERVA DE EQUIPAMENTOS MULTIMEIOS E AMBIENTES DE APRENDIZAGEM Marcelo Karpinski Brambila Acadêmico em Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil Guaíba mkbrambila@connect-rs.com.br

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais