Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar"

Transcrição

1

2 Conceitos Básicos: 1. Desinfecção Álcool Etílico 70º INPM É o processo de destruição de microorganismos patogênicos na forma vegetativa, presentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes químicos e físicos. 2. Microorganismos Patogênicos São microorganismos com características de alta virulência ou alta transmissibilidade, como os que secretam exotoxinas, liberam endotoxinas, formam cápsulas entre outras. 3. Desinfetante São agentes químicos capazes de destruir microorganismos na forma vegetativa existentes em superfícies inertes. 4. Anti-sepsia É o processo pelo qual utilizam-se substâncias providas de ação letal ou inibitória da reprodução microbiana, de baixa causticidade e hipoalergência na pele e mucosa. 5. Anti-séptico São agentes químicos capazes de destruir microorganismos existentes em tecidos vivos.

3 1. Mecanismo de Ação: Álcool Etílico 70º INPM O álcool nas formulações acima possui princípio ativo recomendados pelo Ministério da Saúde. Em concentrações apropriadas os álcoois possuem mais rápida e maior redução nas contagens microbianas. Destrói bactérias vegetativas, tanto pela desnaturação protéica quanto pela interferência no metabolismo bacteriano. Fungos e Vírus são também destruídos pelo álcool, mas esporos bacterianos podem ser resistentes. Quanto maior o peso molecular do álcool, maior ação bactericida. Um esfregão vigoroso de um minuto com álcool em quantidade suficiente para molhar as mãos completamente, tem se mostrado como o método mais efetivo para anti-sepsia das mãos. Na verdade, um minuto de imersão ou fricção das mãos com álcool é tão eficaz como 4 a 7 minutos de preparação da pele com outros anti-sépticos, na redução do número de bactérias na pele; a lavagem com álcool durante 3 minutos é tão eficaz como 20 minutos de escovação. Embora os álcoois não deixem efeitos químicos persistentes na pele, a contagem bacteriana em mãos esfregadas com álcool continua cair durante algumas horas após calçar as luvas, provavelmente como resultado da morte contínua dos organismos danificados. Álcoois nas concentrações de 70º e 92º INPM têm excelente atividade contra bactérias gram positivas e negativas, boa atividade contra Mycobacterium tuberculosis, fungos e vírus, além de serem baratos. O álcool 70º INPM possui concentração ótima para atividade microbicida, pois a desnaturação das proteínas do micro-organismo fazse mais rapidamente na presença da água e é também viruscida. Estudos mostram a redução de 99% da flora da pele, sendo de baixa irritabilidade cutânea, principalmente quando utilizado com um emoliente (1% de glicerol). É irritante de mucosa.

4 Álcool Etílico 70º INPM 2. Indicação do Álcool como Anti-séptico: Para degermação das mãos da equipe entre procedimentos quando da impossibilidade da lavagem das mãos. Na degermação das mãos o álcool deve ser esfregado vigorosamente nas mãos até secar (cerca de 30 segundos). O álcool não remove sujeira ou matéria orgânica. Para pele em procedimentos de baixo e médio risco. Antes de colocar luvas. A Organização Mundial de Saúde recentemente designou o álcool com o "padrão ouro" dentre os anti-sépticos que foram julgados, recomendando que seja altamente utilizado. BENEFÍCIOS POTENCIAIS DO ÁLCOOL GLICERINADO LAVAGEM ÁGUA E SABÃO LAVAGEM ÁLCOOL GLICERINADO Tempo necessário 30 a 120 segundos 10 a 30 segundos Eficácia Boa a muito boa Excelente Aceitação do pessoal Pobre Boa a excelente Obs: O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar solicita que se use álcool glicerinado nos contatos entre pacientes, tendo em vista o custo (30% mais barato) e a praticidade.

5 Álcool Etílico 70º INPM 3. Indicação do Álcool como Desinfetante: Para superfícies inertes após limpeza mecânica passar três vezes esperando a cada vez que o local fique seco. INDICAÇÃO DO USO DO ÁLCOOL 70º INPM PARA DESINFECÇÃO ARTIGO TEMPO DE EXPOSIÇÃO FREQÜÊNCIA Lâmina do Laringoscópio Fricção por 3x Cabo do Laringoscópio Cone do Otoscópio Bacias, comadres, papagaios Termômetro Estetoscópio Suporte de soro Colchão da cama Colchonete da maca Almofada de ar Cadeiras de rodas de banho e de transporte Maca para transporte Maca para exames Bancadas do posto de enfermagem Bancada de preparo de medicação Garrote Aparelho de barbear / tricotomia Monitores e réguas Superfície externa de respiradores Incubadora Secagem expontânea Diariamente ou na troca de paciente. Semanalmente ou diariamente e após a alta. Após cada uso após cada uso. Início e término de plantão. Antes e após preparo de medicação.

6 Álcool Etílico 70º INPM Referências deste Relatório Técnico: Fernandes, A. T. - Infecção Hospitalar e Suas Interfaces na Área da Saúde. - Editora Atheneu, Weinstein, R. A. - Controlling Antimicrobial Resistance in Hospitals: Infection Control and Use of Antibiotics EMERG. INF. DIS. Vol. 7, N o.2 Mar-Apr Larson, E. - American Journal of Infectologies. Dec., 1998.

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Controle da população microbiana Destruir, inibir ou remover microrganismos Agentes físicos Agentes químicos Microrganismos em n os aceitáveis

Leia mais

CONTROLE DE MICRORGANISMOS

CONTROLE DE MICRORGANISMOS CONTROLE DE MICRORGANISMOS 1. Acondicionamento de vidrarias para esterilizar Por quê vidrarias como pipetas, erlenmayers, balão, etc., devem ser acondicionados antes da esterilização? Resposta: É uma proteção

Leia mais

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE Kazuko Uchikawa Graziano Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP Produtos Saneantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SUPERFÍCIES E MATERIAIS HOSPITALARES Umidificador Água e sabão + Termodesinfecção 24h Enxaguar abundantemente Bandejas Diariamente

Leia mais

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva CONTROLE DE MICRORGANISMOS Prof. João Batista de Almeida e Silva Considerações Gerais ESTERILIZAÇÃO Destruição de todos os microrganismos presentes, incluindo os esporos Efeitos distintos Ação ANTIMICROBIANA

Leia mais

CONTROLE DE MICROORGANISMOS. Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária

CONTROLE DE MICROORGANISMOS. Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária CONTROLE DE MICROORGANISMOS Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária 1- Terminologia Esterilização Desinfecção Antissepsia Germicida Bacteriostase Assepsia Degermação Esterilização

Leia mais

ASSEPSIA ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO 04/10/2014 ESTERILIZAÇÃO: CALOR ÚMIDO ESTERILIZAÇÃO: CALOR SECO. Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS

ASSEPSIA ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO 04/10/2014 ESTERILIZAÇÃO: CALOR ÚMIDO ESTERILIZAÇÃO: CALOR SECO. Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS ASSEPSIA ASSEPSIA CIRÚRGICA Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS Conjunto de procedimentos que são empregados para evitar a contaminação dos tecidos durante as intervenções cirúrgicas. É um termo

Leia mais

De acordo com o Ministério da Saúde, a CM é o conjunto de elementos destinados á recepção, ç limpeza, esterilização, guarda e distribuição do

De acordo com o Ministério da Saúde, a CM é o conjunto de elementos destinados á recepção, ç limpeza, esterilização, guarda e distribuição do Central de Material e Esterilização Profª. Ms. Ana Célia Cavalcante Lima Conceito de Central de Material De acordo com o Ministério da Saúde, a CM é o conjunto de elementos destinados á recepção, ç limpeza,

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA INTRODUÇÃO Alto índice de produtividade Nutrição Manejo Genética Saúde animal Desenvolvimento e tecnificação Saúde animal INTRODUÇÃO BIOSSEGURIDADE Brasil Destaque na produção

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO 2009 Mantenedora Fundação Educacional de Além Paraíba Mantida Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Profª. Karime Augusta

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS

Leia mais

Central de Material Esterilizado

Central de Material Esterilizado Central de Material Esterilizado Centro Universitário UNIEURO Diônata Souza Leão DEFINIÇÃO CME é definida pelo Ministério da Saúde como um conjunto de elementos destinados à recepção, expurgo, preparo,

Leia mais

17/03/2016. Controle Microbiano por Métodos Químicos

17/03/2016. Controle Microbiano por Métodos Químicos Controle Microbiano por Métodos Químicos Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos Agentes químicos são substâncias que podem ser usadas como anti-sépticos ou desinfetantes em hospitais, clínicas e laboratórios,

Leia mais

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Respeitar o modo e a qualidade de vida do traumatizado. Respeitar a privacidade e a dignidade do paciente, evitando sua exposição desnecessária. Biossegurança

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 04/07/95 Portaria CVS-11, de 04-07-95 Dispõe sobre condições ideais de trabalho relacionadas ao controle de doenças transmissíveis em estabelecimentos de assistência

Leia mais

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis HIGIENE DAS MÃOS 1. INTRODUÇÃO A higienização das mãos é reconhecida mundialmente como a medida mais simples, de baixo custo e com maior impacto para prevenir as infecções relacionadas à assistência à

Leia mais

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA PARA COLETA 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO Descrever técnica correta para coleta de hemocultura e conduta frente a possíveis

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo LIMPEZA MANUAL DE ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES 2. Definição: Remoção de sujidades orgânicas e inorgânicas, redução da carga microbiana presente nos produtos para saúde, utilizando água, detergentes,

Leia mais

Preparo dos materiais para uso no atendimento ao paciente. Seminário de Biossegurança, curso de Odontologia UNIEURO.

Preparo dos materiais para uso no atendimento ao paciente. Seminário de Biossegurança, curso de Odontologia UNIEURO. Preparo dos materiais para uso no atendimento ao paciente Seminário de Biossegurança, curso de Odontologia UNIEURO. Introdução: O preparo dos materiais para uso no atendimento aos pacientes prevê a elaboração

Leia mais

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016)

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016) ENFERMAGEM 21. A desidratação pode ocorrer em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas, sendo sua incidência maior nas populações de baixo nível socioeconômico. A depressão da fontanela

Leia mais

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir:

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir: HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Anti-sepsia: é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele e mucosa. É realizada através de anti-sépticos que são formulações hipoalergênicas e

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Teste da eficácia de agentes físicos e químicos sobre

Leia mais

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento OS BENEFÍCIOS DA LIMPEZA ALCALINA Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento LIMPEZA Processo de remoção física por ação mecânica das sujidades, realizado com água e detergente, de forma manual

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Higienização das mãos Conceito Importância Finalidade Como e quando fazer Insumos e equipamentos necessários Técnicas Higienização das mãos - Histórico - Semmelweis, 1846. A preocupação

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 DESINFECÇÃO E DESINFETANTES Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 1 Limpeza e desinfecção Deve ser abrangente e rotineiro Microrganismos

Leia mais

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES PPCIRA OPERACIONALIDADE COM VPH CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA HABLO Hospital de Alcobaça HSA Hospital de Santo André HDP Hospital Distrital de Pombal

Leia mais

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 3: INFECÇÃO O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Conteúdo: Solução de 50 ml (100 ml/350 ml/500 ml/1000 ml/5 l/25 l/200 l/500 l)

Conteúdo: Solução de 50 ml (100 ml/350 ml/500 ml/1000 ml/5 l/25 l/200 l/500 l) BODE CHEMIE HAMBURG D - 22525 Melanchthonstraße 27 Telefone: +49-40-54006-0 e nome/telefone do distribuidor local Pictograma N.º 1 Sterillium Solução cutânea. Autorização de introdução no mercado n.º:

Leia mais

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Histórico A higienização das mãos, durante gerações, foi considerada uma medida de higiene pessoal. Histórico Em 1822, um farmacêutico francês escreveu que soluções

Leia mais

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram)

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram) Escola Secundária com 3º Ciclo D.Manuel I Beja Acção de Formação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Guião de actividade laboratorial versão aluno Colorações de Bactérias: Coloração Simples

Leia mais

Controle de Microrganismos

Controle de Microrganismos Controle de Microrganismos HISTÓRICO O controle científico do crescimento microbiano começou somente há cerca de 100 anos; Pasteur levou os cientistas a acreditarem que microrganismos eram a causa de doenças

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Sanitização + Sanitização + Sanitização! Nada arruina mais um dia duro de produção que uma cerveja

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia. Meios de cultura

Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia. Meios de cultura Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia Meios de cultura DEFINIÇÃO: Formulações químicas (associação qualitativa e quantitativa) Nutrientes necessários Multiplicação (desenvolvimento, cultivo)

Leia mais

P â ar metros de avalili ã aç o e en ermagem no trat amen o de B q ra i u titerapi pia

P â ar metros de avalili ã aç o e en ermagem no trat amen o de B q ra i u titerapi pia Enfª Sabrina Rosa de Lima E-mail: sabrina_rosa22@hotmail.com.br rosa22@hotmail Parâmetros de avaliação de enfermagem no tratamento t t de Braquiterapia BRAQUITERAPIA É o tratamento radioterápico onde a

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA

APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA Assépsia José Manuel Limão Oliveira 2002 0 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA Anestesia (Propedêutica

Leia mais

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer 1 MISSÃO: Fornecer condições de atendimento em ambiente limpo, seguro, agradável e confortável, agregando valor aos processos técnicos e assistenciais, na busca pela satisfação do cliente. 2 3 1 NORMAS

Leia mais

INDICAÇÕES: Em RNs instáveis hemodinamicamente e/ou em uso de drogas vasoativas e inotrópicas.

INDICAÇÕES: Em RNs instáveis hemodinamicamente e/ou em uso de drogas vasoativas e inotrópicas. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP N 13 Título: Instalação do Circuito de Pressão Área de Aplicação: Neonatologia Arterial Invasiva (com sistema VAMP) Setor: UTI Neonatal Responsável pela prescrição do

Leia mais

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento com espaço para 1 1 1 computadores e impressoras* Cadeira

Leia mais

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente ESTADO DA ARTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br POR VAPOR FERNANDO BUSTAMANTE 2010 HISTÓRIA DA DENYS PAPIN - 1680 (MARMITA DE

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos O que é Virulência? Infecção: Estabelecimento da bactéria capaz de produzir doença

Leia mais

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE INTERAÇÃO DA HIGIENE HOSPITALAR NO CONTROLE DE MRs COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE IZELÂNDIA VERONEZE SCIH/HC/UFPR 28/09/2013 O PROCESSO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO COM FOCO NO

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Gerência Assistencial do Centro Cirúrgico. Hospital Mãe de Deus

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Gerência Assistencial do Centro Cirúrgico. Hospital Mãe de Deus Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Gerência Assistencial do Centro Cirúrgico Hospital Mãe de Deus Motivações para a implantação Evidências científicas sobre os benefícios do antisséptico alcoólico

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos. 5 Tratamento. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2016.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos. 5 Tratamento. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2016. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 5 Tratamento Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho.

Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Saiba porque a higiene pessoal contribui para a sua saúde e para que você se sinta confortável na busca pelo emprego e no ambiente de trabalho. Os cuidados com a higiene pessoal demonstram que a pessoa

Leia mais

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível:

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível: LIMPEZA Consiste na remoção do Material Biológico; No material biológico se encontra a maior parte da carga microbiana; 1º Passo da Desinfecção e Esterilização; É feita com Detergente e Água; A desinfecção

Leia mais

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Microbiologia Oral Código: ODO-018 Pré-requisito: Microbiologia

Leia mais

LAVAGEM DAS MÃOS OBJETIVOS DA AULA CONCEITOS-CHAVE. CHAVE Anti-sepsia: Lavagem das mãos: o que é? Assepsia: Desinfecção:

LAVAGEM DAS MÃOS OBJETIVOS DA AULA CONCEITOS-CHAVE. CHAVE Anti-sepsia: Lavagem das mãos: o que é? Assepsia: Desinfecção: DISCIPLINA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA I LAVAGEM DAS MÃOS Saberes envolvidos na prática de enfermagem Prof. Jorge Luiz Lima OBJETIVOS DA AULA Dissertar sobre os saberes envolvidos na lavagem das mãos. Despertar

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108 Semana Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Turn Unidades Curiculares Seg Ter Qua Qui Sex o 3 4 5 6 7 Módulo I: Processos Patológicos Gerais ( horas) Profª.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Legislações - RDC Qua, 18 de Agosto de 2010 00:00 RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para produtos com ação antimicrobiana

Leia mais

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia 25/04/2016 Componentes Básicos L ixo E sgoto Prof. Carlos Almeida Á gua Importância para o organismo (o Corpo Humano é formado de 70% a 75% por água) e para o planeta. Fontes de água: Para o consumo, a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA MEIO AMBIENTE E MICRORGANISMOS Professor Esp. André Luís Souza Stella ENFERMAGEM 1º E 2º semestre profandreluis@anhanguera.com SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS Sistemas

Leia mais

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS Prof. Dra. Susana Moreno 1 Antibióticos Uma das mais importantes descobertas da medicina moderna Salva milhões de vidas ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS 3 Antibióticos Beta Lactâmicos

Leia mais

LUVAS CATÁLOGO 2017 LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE. spur-solutions.com -

LUVAS CATÁLOGO 2017 LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE. spur-solutions.com - LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE INDÚSTRIA ALIMENTAR, COSMÉTICA, DENTÁRIA, FARMACÊUTICA, HOSPITAIS, VETERINÁRIOS, LABORATÓRIOS LUVAS CATÁLOGO 2017 A EMPRESA SPUR SOLUTIONS é uma empresa jovem e dinâmica que

Leia mais

DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS. Enf. Andreza Bernardi Marques Laurencio

DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS. Enf. Andreza Bernardi Marques Laurencio DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS Enf. Andreza Bernardi Marques Laurencio Definição: Setor destinado a limpeza, preparo, acondicionamento, esterilização, guarda e distribuição de material esterilizado.

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO 2009 Mantenedora Fundação Educacional de Além Paraíba Mantida Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Profª. Karime Augusta

Leia mais

Amaciantes. Descrição Caixa EAN 13 DUN 14. Fonte: Anuário Abipla 2012.

Amaciantes. Descrição Caixa EAN 13 DUN 14. Fonte: Anuário Abipla 2012. Amaciantes Com sua fórmula especialmente elaborada, a linha de Amaciantes Suprema protege as fibras dos tecidos e garante a satisfação do consumidor em relação à maciez, facilidade de passar e roupas perfumadas.

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações MICROBIOLOGIA Observação de bactérias - colorações Como o índice de refração do protoplasma bacteriano difere muito pouco do meio circundante, é difícil o exame direto de preparações não coradas, a não

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

SEGURANÇA E MANUSEIO DE PRODUTOS DE USO DOMICILIAR. Profª Luzimar Rangel Moreira

SEGURANÇA E MANUSEIO DE PRODUTOS DE USO DOMICILIAR. Profª Luzimar Rangel Moreira SEGURANÇA E MANUSEIO DE PRODUTOS DE USO DOMICILIAR Profª Luzimar Rangel Moreira O AMBIENTE DOMICILIAR O doente passa a ocupar uma cama hospitalar. Se houver carpete no quarto, é necessário que seja adaptado

Leia mais

Introdução. Objetivo. Andrade Perez ( ) 3 ; Marisa Zenaide Ribeiro Gomes ( Área temática: Saúde

Introdução. Objetivo. Andrade Perez ( ) 3 ; Marisa Zenaide Ribeiro Gomes ( Área temática: Saúde TÍTULO: AVALIAÇÃO DO PROCESSAMENTO DE ARTIGOS HOSPITALARES EM UM HOSPITAL GERAL DA REDE PÚBLICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2002 AUTORES: Roberta Rodrigues Teixeira de Castro ( robycastro@ig.com.br )

Leia mais

é importante Bactérias e outros antissépticos instantâneos, saiba como funcionam figura 1 pode ter um grande impacto na eficácia.

é importante Bactérias e outros antissépticos instantâneos, saiba como funcionam figura 1 pode ter um grande impacto na eficácia. Antisséptico Instantâneo para as mãos sem precedentes - eficácia comprovada A Formulação Bactérias e outros antissépticos instantâneos, saiba como funcionam pode ter um grande Há a ideia de que todos os

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/5 1/11 1. OBJECTIVO Melhorar as práticas de higiene das nos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microorganismos patogénicos entre doentes e profissionais.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 01/CT/2016 Assunto: Desinfecção Terminal em UBS Palavras-chave: Desinfecção Terminal, UBS, Auxiliar de Limpeza I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Nas UBS os responsáveis

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Taxa de Morte Microbiana Quando as populações bacterianas são aquecidas ou tratadas com substâncias químicas antimicrobianas, elas normalmente

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade DOCUMENTO: LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Página: 1/12 DEFINIÇÃO: As superfícies ambientais são freqüentemente contaminadas com microrganismos. Vários estudos têm demonstrado a capacidade de resistência

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3.1 Bactérias CLASSIFICAÇÃO: Bactérias Quanto a respiração: Aeróbicas: crescem apenas na presença de O 2. Anaeróbicas: crescem em ausência

Leia mais

PORTARIA CVS-12 DE

PORTARIA CVS-12 DE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA CVS-12 DE 30-7-99 Dispõe sobre os estabelecimentos de interessa à saúde denominados Gabinetes

Leia mais

Equipamentos De Proteção Individual.

Equipamentos De Proteção Individual. Equipamentos De Proteção Individual. O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo profissional, destinado à proteção de riscos que podem ameaçar

Leia mais

Posicionamento técnico-comercial

Posicionamento técnico-comercial Posicionamento técnico-comercial EMBALAGENS de PERACETIC O que é Peracetic? Produto inovador Peracetic foi especialmente desenvolvido para todo o ciclo da cultura, pois é atóxico, biodegradável, não

Leia mais

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção.

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção. cüéya ]xtç UxÜz Imunologia Resposta imune Mecanismo pelo qual o organismo é capaz de reconhecer e eliminar as substâncias heterólogas. Resposta imune Substâncias heterólogas Endógena células mortas Exógena

Leia mais

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos para profissionais de saúde e observadores CENÁRIOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Drogas antimicrobianas: mecanismo de ação Um aspecto do controle do crescimento dos microrganismos envolve a utilização de fármacos no tratamento de

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Aula3: Nutrição, Metabolismo e Reprodução Microbiana

Aula3: Nutrição, Metabolismo e Reprodução Microbiana Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: MICROBIOLOGIA Aula3: Nutrição, Metabolismo e Reprodução Microbiana Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Mesmas

Leia mais

DERMODEX TRATAMENTO BULA DO PACIENTE

DERMODEX TRATAMENTO BULA DO PACIENTE DERMODEX TRATAMENTO BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Pomada: Bisnaga de 60 g Nistatina 100.000 U.I./g + óxido de zinco 200mg/g DERMODEX TRATAMENTO nistatina + óxido de zinco APRESENTAÇÃO DERMODEX TRATAMENTO

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas 14.09.2009 Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Resolução RCD 14/2007 (Anvisa) Aprova o Regulamento Técnico para Produtos

Leia mais

Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição:

Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: HIPOCLORITO DE SÓDIO AUDAX 5% Código: 000021 Descrição: Apresentado em bombonas de 5 litros. Geralmente utilizado para limpeza em geral, admite diluição em até 35 litros de água. Devido a seu alto

Leia mais

Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013. Comissão de Farmácia Hospitalar

Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013. Comissão de Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013 Comissão de Farmácia Hospitalar GERMICIDAS HOSPITALARES IZELÂNDIA VERONEZE Comissão de Farmácia Hospitalar GERMICIDAS HOSPITALARES

Leia mais

Manual de Biossegurança

Manual de Biossegurança Manual de Biossegurança INTRODUÇÃO A biossegurança é um tema de grande importância no campo da saúde, despertando cada vez mais o interesse dos profissionais comprometidos com um serviço de qualidade.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO ÁLCOOL

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO ÁLCOOL FB 07 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br

Leia mais

Cultivo de Células Animais

Cultivo de Células Animais Técnico em Biotecnologia Módulo IV Cultivo de Células Animais Aula 3 Esterilização de materiais para a Cultura de Células Prof. Leandro Parussolo Trabalhar com cultura de células Ambiente Estéril Cells

Leia mais

CLORIDRATO DE PIRIDOXINA

CLORIDRATO DE PIRIDOXINA F0LHA...: 1 / 5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 / 4772-4949 Cosmoquimica Indústria e Comércio Ltda Fax: 55

Leia mais