Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar"

Transcrição

1

2 Conceitos Básicos: 1. Desinfecção Álcool Etílico 70º INPM É o processo de destruição de microorganismos patogênicos na forma vegetativa, presentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes químicos e físicos. 2. Microorganismos Patogênicos São microorganismos com características de alta virulência ou alta transmissibilidade, como os que secretam exotoxinas, liberam endotoxinas, formam cápsulas entre outras. 3. Desinfetante São agentes químicos capazes de destruir microorganismos na forma vegetativa existentes em superfícies inertes. 4. Anti-sepsia É o processo pelo qual utilizam-se substâncias providas de ação letal ou inibitória da reprodução microbiana, de baixa causticidade e hipoalergência na pele e mucosa. 5. Anti-séptico São agentes químicos capazes de destruir microorganismos existentes em tecidos vivos.

3 1. Mecanismo de Ação: Álcool Etílico 70º INPM O álcool nas formulações acima possui princípio ativo recomendados pelo Ministério da Saúde. Em concentrações apropriadas os álcoois possuem mais rápida e maior redução nas contagens microbianas. Destrói bactérias vegetativas, tanto pela desnaturação protéica quanto pela interferência no metabolismo bacteriano. Fungos e Vírus são também destruídos pelo álcool, mas esporos bacterianos podem ser resistentes. Quanto maior o peso molecular do álcool, maior ação bactericida. Um esfregão vigoroso de um minuto com álcool em quantidade suficiente para molhar as mãos completamente, tem se mostrado como o método mais efetivo para anti-sepsia das mãos. Na verdade, um minuto de imersão ou fricção das mãos com álcool é tão eficaz como 4 a 7 minutos de preparação da pele com outros anti-sépticos, na redução do número de bactérias na pele; a lavagem com álcool durante 3 minutos é tão eficaz como 20 minutos de escovação. Embora os álcoois não deixem efeitos químicos persistentes na pele, a contagem bacteriana em mãos esfregadas com álcool continua cair durante algumas horas após calçar as luvas, provavelmente como resultado da morte contínua dos organismos danificados. Álcoois nas concentrações de 70º e 92º INPM têm excelente atividade contra bactérias gram positivas e negativas, boa atividade contra Mycobacterium tuberculosis, fungos e vírus, além de serem baratos. O álcool 70º INPM possui concentração ótima para atividade microbicida, pois a desnaturação das proteínas do micro-organismo fazse mais rapidamente na presença da água e é também viruscida. Estudos mostram a redução de 99% da flora da pele, sendo de baixa irritabilidade cutânea, principalmente quando utilizado com um emoliente (1% de glicerol). É irritante de mucosa.

4 Álcool Etílico 70º INPM 2. Indicação do Álcool como Anti-séptico: Para degermação das mãos da equipe entre procedimentos quando da impossibilidade da lavagem das mãos. Na degermação das mãos o álcool deve ser esfregado vigorosamente nas mãos até secar (cerca de 30 segundos). O álcool não remove sujeira ou matéria orgânica. Para pele em procedimentos de baixo e médio risco. Antes de colocar luvas. A Organização Mundial de Saúde recentemente designou o álcool com o "padrão ouro" dentre os anti-sépticos que foram julgados, recomendando que seja altamente utilizado. BENEFÍCIOS POTENCIAIS DO ÁLCOOL GLICERINADO LAVAGEM ÁGUA E SABÃO LAVAGEM ÁLCOOL GLICERINADO Tempo necessário 30 a 120 segundos 10 a 30 segundos Eficácia Boa a muito boa Excelente Aceitação do pessoal Pobre Boa a excelente Obs: O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar solicita que se use álcool glicerinado nos contatos entre pacientes, tendo em vista o custo (30% mais barato) e a praticidade.

5 Álcool Etílico 70º INPM 3. Indicação do Álcool como Desinfetante: Para superfícies inertes após limpeza mecânica passar três vezes esperando a cada vez que o local fique seco. INDICAÇÃO DO USO DO ÁLCOOL 70º INPM PARA DESINFECÇÃO ARTIGO TEMPO DE EXPOSIÇÃO FREQÜÊNCIA Lâmina do Laringoscópio Fricção por 3x Cabo do Laringoscópio Cone do Otoscópio Bacias, comadres, papagaios Termômetro Estetoscópio Suporte de soro Colchão da cama Colchonete da maca Almofada de ar Cadeiras de rodas de banho e de transporte Maca para transporte Maca para exames Bancadas do posto de enfermagem Bancada de preparo de medicação Garrote Aparelho de barbear / tricotomia Monitores e réguas Superfície externa de respiradores Incubadora Secagem expontânea Diariamente ou na troca de paciente. Semanalmente ou diariamente e após a alta. Após cada uso após cada uso. Início e término de plantão. Antes e após preparo de medicação.

6 Álcool Etílico 70º INPM Referências deste Relatório Técnico: Fernandes, A. T. - Infecção Hospitalar e Suas Interfaces na Área da Saúde. - Editora Atheneu, Weinstein, R. A. - Controlling Antimicrobial Resistance in Hospitals: Infection Control and Use of Antibiotics EMERG. INF. DIS. Vol. 7, N o.2 Mar-Apr Larson, E. - American Journal of Infectologies. Dec., 1998.

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Controle da população microbiana Destruir, inibir ou remover microrganismos Agentes físicos Agentes químicos Microrganismos em n os aceitáveis

Leia mais

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE Kazuko Uchikawa Graziano Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP Produtos Saneantes

Leia mais

ASSEPSIA ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO 04/10/2014 ESTERILIZAÇÃO: CALOR ÚMIDO ESTERILIZAÇÃO: CALOR SECO. Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS

ASSEPSIA ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZAÇÃO 04/10/2014 ESTERILIZAÇÃO: CALOR ÚMIDO ESTERILIZAÇÃO: CALOR SECO. Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS ASSEPSIA ASSEPSIA CIRÚRGICA Prof. Marcelo Meller Alievi FAVET - UFRGS Conjunto de procedimentos que são empregados para evitar a contaminação dos tecidos durante as intervenções cirúrgicas. É um termo

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO 2009 Mantenedora Fundação Educacional de Além Paraíba Mantida Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Profª. Karime Augusta

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA INTRODUÇÃO Alto índice de produtividade Nutrição Manejo Genética Saúde animal Desenvolvimento e tecnificação Saúde animal INTRODUÇÃO BIOSSEGURIDADE Brasil Destaque na produção

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS

Leia mais

Central de Material Esterilizado

Central de Material Esterilizado Central de Material Esterilizado Centro Universitário UNIEURO Diônata Souza Leão DEFINIÇÃO CME é definida pelo Ministério da Saúde como um conjunto de elementos destinados à recepção, expurgo, preparo,

Leia mais

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Respeitar o modo e a qualidade de vida do traumatizado. Respeitar a privacidade e a dignidade do paciente, evitando sua exposição desnecessária. Biossegurança

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 04/07/95 Portaria CVS-11, de 04-07-95 Dispõe sobre condições ideais de trabalho relacionadas ao controle de doenças transmissíveis em estabelecimentos de assistência

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo LIMPEZA MANUAL DE ARTIGOS MÉDICOS HOSPITALARES 2. Definição: Remoção de sujidades orgânicas e inorgânicas, redução da carga microbiana presente nos produtos para saúde, utilizando água, detergentes,

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Teste da eficácia de agentes físicos e químicos sobre

Leia mais

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016)

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016) ENFERMAGEM 21. A desidratação pode ocorrer em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas, sendo sua incidência maior nas populações de baixo nível socioeconômico. A depressão da fontanela

Leia mais

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento OS BENEFÍCIOS DA LIMPEZA ALCALINA Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento LIMPEZA Processo de remoção física por ação mecânica das sujidades, realizado com água e detergente, de forma manual

Leia mais

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES PPCIRA OPERACIONALIDADE COM VPH CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA HABLO Hospital de Alcobaça HSA Hospital de Santo André HDP Hospital Distrital de Pombal

Leia mais

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram)

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram) Escola Secundária com 3º Ciclo D.Manuel I Beja Acção de Formação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Guião de actividade laboratorial versão aluno Colorações de Bactérias: Coloração Simples

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

Conteúdo: Solução de 50 ml (100 ml/350 ml/500 ml/1000 ml/5 l/25 l/200 l/500 l)

Conteúdo: Solução de 50 ml (100 ml/350 ml/500 ml/1000 ml/5 l/25 l/200 l/500 l) BODE CHEMIE HAMBURG D - 22525 Melanchthonstraße 27 Telefone: +49-40-54006-0 e nome/telefone do distribuidor local Pictograma N.º 1 Sterillium Solução cutânea. Autorização de introdução no mercado n.º:

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS. Patrícia Ruiz Spyere HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Higienização das mãos Conceito Importância Finalidade Como e quando fazer Insumos e equipamentos necessários Técnicas Higienização das mãos - Histórico - Semmelweis, 1846. A preocupação

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir:

AGENTES BACTERIOSTÁTICOS: crescimento destes microrganismos. Propriedades e requisitos que um anti-séptico deve possuir: HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Anti-sepsia: é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele e mucosa. É realizada através de anti-sépticos que são formulações hipoalergênicas e

Leia mais

P â ar metros de avalili ã aç o e en ermagem no trat amen o de B q ra i u titerapi pia

P â ar metros de avalili ã aç o e en ermagem no trat amen o de B q ra i u titerapi pia Enfª Sabrina Rosa de Lima E-mail: sabrina_rosa22@hotmail.com.br rosa22@hotmail Parâmetros de avaliação de enfermagem no tratamento t t de Braquiterapia BRAQUITERAPIA É o tratamento radioterápico onde a

Leia mais

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente ESTADO DA ARTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INDICAÇÕES: Em RNs instáveis hemodinamicamente e/ou em uso de drogas vasoativas e inotrópicas.

INDICAÇÕES: Em RNs instáveis hemodinamicamente e/ou em uso de drogas vasoativas e inotrópicas. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP N 13 Título: Instalação do Circuito de Pressão Área de Aplicação: Neonatologia Arterial Invasiva (com sistema VAMP) Setor: UTI Neonatal Responsável pela prescrição do

Leia mais

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer

1 NORMAS DE CONDUTA. Apresentação. Comportamento Ético. Comportamento Profissional. O que não devemos fazer 1 MISSÃO: Fornecer condições de atendimento em ambiente limpo, seguro, agradável e confortável, agregando valor aos processos técnicos e assistenciais, na busca pela satisfação do cliente. 2 3 1 NORMAS

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia

Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Carlos Henrique Pessôa de Menezes e Silva Alessandro Pereira Lins Microbiologistas / Dr Yeast Tecnologia Sanitização + Sanitização + Sanitização! Nada arruina mais um dia duro de produção que uma cerveja

Leia mais

APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA

APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA APONTAMENTOS DE TÉCNICA OPERATÓRIA E SEMIOLOGIA CIRÚRGICA Assépsia José Manuel Limão Oliveira 2002 0 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA Anestesia (Propedêutica

Leia mais

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível:

Desinfecção de alto nível: Desinfecção de médio nível: Desinfecção de baixo nível: LIMPEZA Consiste na remoção do Material Biológico; No material biológico se encontra a maior parte da carga microbiana; 1º Passo da Desinfecção e Esterilização; É feita com Detergente e Água; A desinfecção

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA DEGERMAÇÃO DAS MÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA EFICÁCIA IMEDIATA DE TRÊS AGENTES ANTI-SÉPTICOS UTILIZADOS NA

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108

Módulo I: Processos Patológicos Gerais (108 Semana Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Turn Unidades Curiculares Seg Ter Qua Qui Sex o 3 4 5 6 7 Módulo I: Processos Patológicos Gerais ( horas) Profª.

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações MICROBIOLOGIA Observação de bactérias - colorações Como o índice de refração do protoplasma bacteriano difere muito pouco do meio circundante, é difícil o exame direto de preparações não coradas, a não

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos. 5 Tratamento. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2016.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos. 5 Tratamento. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2016. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Elfuentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 5 Tratamento Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO 2009 Mantenedora Fundação Educacional de Além Paraíba Mantida Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Profª. Karime Augusta

Leia mais

Introdução. Objetivo. Andrade Perez ( ) 3 ; Marisa Zenaide Ribeiro Gomes ( Área temática: Saúde

Introdução. Objetivo. Andrade Perez ( ) 3 ; Marisa Zenaide Ribeiro Gomes ( Área temática: Saúde TÍTULO: AVALIAÇÃO DO PROCESSAMENTO DE ARTIGOS HOSPITALARES EM UM HOSPITAL GERAL DA REDE PÚBLICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2002 AUTORES: Roberta Rodrigues Teixeira de Castro ( robycastro@ig.com.br )

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac BIOSSEGURANÇA EM ODONTOLOGIA Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos O que é Virulência? Infecção: Estabelecimento da bactéria capaz de produzir doença

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Legislações - RDC Qua, 18 de Agosto de 2010 00:00 RESOLUÇÃO-RDC Nº 35, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para produtos com ação antimicrobiana

Leia mais

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Leia mais

Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos

Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos Registo dos Produtos Fitofarmacêuticos Os Produtos Fitofarmacêuticos (PF) são um dos setores de atividade mais

Leia mais

Posicionamento técnico-comercial

Posicionamento técnico-comercial Posicionamento técnico-comercial EMBALAGENS de PERACETIC O que é Peracetic? Produto inovador Peracetic foi especialmente desenvolvido para todo o ciclo da cultura, pois é atóxico, biodegradável, não

Leia mais

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Drogas antimicrobianas: mecanismo de ação Um aspecto do controle do crescimento dos microrganismos envolve a utilização de fármacos no tratamento de

Leia mais

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos

Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos Instruções para usar os Filmes de Treinamento para as sessões de instrução sobre infecções relacionadas à assistência à saúde e higienização das mãos para profissionais de saúde e observadores CENÁRIOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) Reino Monera REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo).

Leia mais

Importância e Descoberta

Importância e Descoberta Importância e Descoberta OMS - VACINAÇÃO E ÁGUA LIMPA INTERVENÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA COM MAIOR IMPACTO NA SAÚDE MUNDIAL, APLICADAS MESMO ANTES DO CONHECIMENTO DA EXISTENCIA DE GERMES EM 1786 JENNER, APÓS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL DE SÃO GONÇALO, S.A. - AMARANTE. PROCESSO Revisão Pág. Norma Nº 1 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/05 Lavagem das Mãos Mês/Ano 11/5 1/11 1. OBJECTIVO Melhorar as práticas de higiene das nos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microorganismos patogénicos entre doentes e profissionais.

Leia mais

ÁCARO BICHINHO TENAZ! HÁBITOS ALIMENTARES. Pode chegar a mm de tamanho. É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses

ÁCARO BICHINHO TENAZ! HÁBITOS ALIMENTARES. Pode chegar a mm de tamanho. É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses ÁCARO CARACTERÍSTICAS DO ÁCARO Pode chegar a 0.2-0.33 0.33 mm de tamanho São visíveis veis a microscópio É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses 18 000 ácaros podem viver em um grama de poeira

Leia mais

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Descrição industrial foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança

Leia mais

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA Profa. Dra. Teresinha Covas Introdução Controle de Infecção Hospitalar; Qualidade dos profissionais; Área Suja (críticas) potencialmente

Leia mais

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286.

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286. Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa PRODUTO Nome do Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Registro M.S. nº: 3.2263.0006-015-1 (Embalagem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: PROTETOX NS EMULSÃO Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: PROTETOX NS EMULSÃO Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6 Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Código interno de identificação: 000027 Nome da empresa: Endereço: PROTETOX NS EMULSÃO Telefone para emergências:

Leia mais

2. (Insper) A partir do momento em que é ativado, um vírus de computador atua da seguinte forma:

2. (Insper) A partir do momento em que é ativado, um vírus de computador atua da seguinte forma: Matemática e Suas Tecnologias Prof.: Robermática 1. (Ufpr) Uma pizza a 185 C foi retirada de um forno quente. Entretanto, somente quando a temperatura atingir 65 C será possível segurar um de seus pedaços

Leia mais

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro

Confidencial Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Alexandra paschoalin Fun CCC-Biocidas 14.09.2009 Métodos aplicados à avaliação de eficácia de desinfetantes para o mercado brasileiro Resolução RCD 14/2007 (Anvisa) Aprova o Regulamento Técnico para Produtos

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR ASSOCIADA A CATETER VESICAL PREVENÇÃO ASSOCIADA A CATETER VESICAL INSTALAÇÃO DO CATETER VESICAL 1. Realizar primeiramente rigorosa higiene da genitália externa com água e sabão, utilizando luvas de procedimento. Higiene feminina:

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril.

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. FINALIDADE Detectar e identificar a presença de microorganismos patogênicos

Leia mais

EBOLA - Protocolo de atendimento a caso suspeito HU USP - 17/12/2014

EBOLA - Protocolo de atendimento a caso suspeito HU USP - 17/12/2014 EBOLA - Protocolo de atendimento a caso suspeito HU USP - 17/12/2014 Definição de caso suspeito pelo Ministério da Saúde: Indivíduo procedente, nos últimos 21 dias, de país com transmissão disseminada

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO Lâminas de Corte Registro ANVISA n Revisão 01

INSTRUÇÃO DE USO Lâminas de Corte Registro ANVISA n Revisão 01 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: H5 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina TOCE

Universidade Federal de Santa Catarina TOCE Universidade Federal de Santa Catarina TOCE Assepsia e Antissepsia Vestuário Instrumentação Assepsia e Antissepsia Semmelweis Histórico - Grandes Nomes da Assepsia e Antissepsia Semmelweis (1846) Lister

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade 9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade Existem certos riscos associados ao uso de produtos químicos: Danos materiais Danos à saúde humana Danos ambientais (seres vivos

Leia mais

Substância: ACIDO CITRICO Fórmula molecular: C6 H8 O7. H2 O. Nº CAS: [ ] Peso molecular: 210,14

Substância: ACIDO CITRICO Fórmula molecular: C6 H8 O7. H2 O. Nº CAS: [ ] Peso molecular: 210,14 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ Data: 11/10/2005 07:09:49 Revisão: 001 Data rev.: 14/4/2005 1. Identificação do produto e da Empresa Nome: ACIDO CITRICO Nº: 053 Códigos CETUS

Leia mais

Lavagem de roupa. Separar A.S.C.R.D.P.P. SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Lavagem de roupa. Separar A.S.C.R.D.P.P. SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Não encha demasiado a máquina de lavar. Não deixe roupas brancas e coloridas em imersão durante períodos prolongados. Não deixe roupas com peças de metal em imersão. Não utilize demasiado detergente. Utilize

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01 PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO DE CIRURGIA CARDÍACA OBJETIVO Padronizar a prática de medidas preventivas para minimizar a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico, destinadas a equipe multiprofissional

Leia mais

Marília: Boa tarde a todos, sou médica veterinária formada pela UFMG em 93

Marília: Boa tarde a todos, sou médica veterinária formada pela UFMG em 93 Philipe: Boa tarde. Em nome da DeLaval e do MilkPoint, agradecemos a presença de todos. Nosso tema de hoje é: "Problemas de mastite no rebanho: medidas para evitar a mastite na época das águas". Philipe:

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 15 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 3 e 4- Preparações Microscópicas Fixadas e Coradas (coloração simples e Diferencial)

Leia mais

Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos. Thomas Hänscheid. Microrganismos indígenas do Homem

Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos. Thomas Hänscheid. Microrganismos indígenas do Homem Relações hospedeiro-parasita, Acção patogénica dos microrganismos Thomas Hänscheid Microrganismos indígenas do Homem Nascimento estéril Colonização por biliões de microrganismos Pele, mucosas nasal, bucal,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS PRODUTO: ALCOOL ETÍLICO HIDRATADO INDUSTRIAL FLOP S. Liquido Inflamável Inflamável

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS PRODUTO: ALCOOL ETÍLICO HIDRATADO INDUSTRIAL FLOP S. Liquido Inflamável Inflamável 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO Nome do comercial: Álcool Etílico Hidratado 92,8º INPM NOME DO FABRICANTE Indústria Comercio de Produtos Químicos Tangara ENDEREÇO Rod. Comte João

Leia mais

LL-SAL DE SELAGEM NF

LL-SAL DE SELAGEM NF Patentes: Italiana, Européia, USA, Canadá e México. DESCRIÇÃO O produto permite a selagem da camada anódica do Alumínio Anodizado e suas ligas, operando num intervalo de temperatura de 26 ºC a 30 ºC. A

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS. Detergente Enzimático Cisa Zymes

PERGUNTAS E RESPOSTAS. Detergente Enzimático Cisa Zymes PERGUNTAS E RESPOSTAS Detergente Enzimático Cisa Zymes Este questionário, com perguntas e respostas sobre o detergente enzimático comercializado pela Cisa, é um material de suporte para a Diretoria e Gerência

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

PLANO DE CURSO. Identificar as bactérias de acordo com suas formas e arranjos;

PLANO DE CURSO. Identificar as bactérias de acordo com suas formas e arranjos; CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Microbiologia e Imunologia Código: FAR - 310 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001

Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001 Assepsia, estabelecimento e multiplicação in vitro Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001 Assepsia Material Vegetal: Campo X Viveiro? Assepsia Campo... Está em contato direto com esporos de fungos,

Leia mais

10/02/2011 VACINAS IMUNIZAÇÃO. Referências Bibliográficas:

10/02/2011 VACINAS IMUNIZAÇÃO. Referências Bibliográficas: INTRODUÇÃO À IMUNOLOGIA: PROPRIEDADES GERAIS Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com Referências Bibliográficas: ANTUNES, L. Imunologia Geral. Rio de Janeiro: Atheneu, 1998.

Leia mais

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno Monitoramento da Limpeza Enfª. Cristiane Uyeno Responsabilidade O Enfermeiro é responsável legal, por assegurar ao cliente uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes a imperícia, imprudência

Leia mais

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA Emergências Pré-hospitalares Edis Rodrigues QUEIMADURA QUEIMADURAS SÃO LESÕES DECORRENTES DE AGENTES, TAIS COMO: ENERGIA TÉRMICA; QUÍMICA; ELÉTRICA. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A PROFUNDIDADE: 1º GRAU; 2º GRAU;

Leia mais

Exercícios de Proteínas

Exercícios de Proteínas Exercícios de Proteínas 1. As são compostos formados por unidos (as) por ligações e as são orgânicos, de natureza sensíveis às variações de temperatura. Os termos que corretamente preenchem as lacunas

Leia mais

Capítulo 34. a) originam um líquido transparente ou translúcido ou uma emulsão estável sem separação da matéria insolúvel; e

Capítulo 34. a) originam um líquido transparente ou translúcido ou uma emulsão estável sem separação da matéria insolúvel; e Capítulo 34 Sabões, agentes orgânicos de superfície, preparações para lavagem, preparações lubrificantes, ceras artificiais, ceras preparadas, produtos de conservação e limpeza, velas e artigos semelhantes,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Célula Procariótica. Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Célula Procariótica. Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Célula Procariótica Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc mackswendhell@gmail.com Roteiro Células procarióticas não possuem envoltório nuclear

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (0XX11)

Leia mais

3 Dados Técnicos Página 1 de 6 Protetores Auditivos com Haste Modelo 1310

3 Dados Técnicos Página 1 de 6 Protetores Auditivos com Haste Modelo 1310 3 Dados Técnicos Página 1 de 6 Protetores Auditivos com Haste Modelo 1310 C.A.: 8670 DESCRIÇÃO E APLICAÇÕES DO PRODUTO Protetor auditivo do tipo capa de canal, de espuma com haste. A haste é confeccionada

Leia mais

PREPARO E ADMINISTRAÇÃO POR VIA SUBLINGUAL E BUCAL

PREPARO E ADMINISTRAÇÃO POR VIA SUBLINGUAL E BUCAL Revisão: PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos por meio da mucosa da boca produzindo efeitos locais ou sistêmicos quando deglutido junto com a saliva, evitando efeitos lesivos dos sucos

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: Departamento: Ciências Básicas

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: Departamento: Ciências Básicas PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas Disciplina: Microbiologia I Cód.: FCB00010 Período Ministrado / Semestre / Ano : 2ºP/ 1ºSem/2010 Corpo Docente: Prof. Dr. Renato Varges

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Pagina: 1 de 6 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do versões: Tradicional, Fresh, Citrus e Limpeza pesada. Principal uso: Limpeza geral de superfícies laváveis com 1,15% de ativo Nome da Empresa:

Leia mais

O vírus é um organismo infecioso que não é constituído por células e é invisível ao microscópio ótico. A bactéria é um micróbio unicelular que se apre

O vírus é um organismo infecioso que não é constituído por células e é invisível ao microscópio ótico. A bactéria é um micróbio unicelular que se apre Bactérias e vírus CRUZ VERMELHA PORTUGUESA Medidas de proteção O vírus é um organismo infecioso que não é constituído por células e é invisível ao microscópio ótico. A bactéria é um micróbio unicelular

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ Em conformidade com a NBR :2009

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ Em conformidade com a NBR :2009 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Amida 60. Empresa: AGROQUÍMICA DO NOREDESTE EPP Contato para emergências: 81-33757070 2. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS Perigos mais importantes: Não

Leia mais

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA (Fotos gentilmente cedidas pelo KwaZulu-Natal Rabies Project e pelo Serengueti Carnivore Disease Project) Preparação

Leia mais

Produção de microrganismos entomopatogênicos: situação atual

Produção de microrganismos entomopatogênicos: situação atual Produção de microrganismos entomopatogênicos: situação atual Controle microbiano Inseticidas organoclorados Manejo Integrado de Pragas Fungos, vírus, bactérias, nematóides Bioinseticidas: disponibilidade

Leia mais