Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar"

Transcrição

1

2 Conceitos Básicos: 1. Desinfecção Álcool Etílico 70º INPM É o processo de destruição de microorganismos patogênicos na forma vegetativa, presentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes químicos e físicos. 2. Microorganismos Patogênicos São microorganismos com características de alta virulência ou alta transmissibilidade, como os que secretam exotoxinas, liberam endotoxinas, formam cápsulas entre outras. 3. Desinfetante São agentes químicos capazes de destruir microorganismos na forma vegetativa existentes em superfícies inertes. 4. Anti-sepsia É o processo pelo qual utilizam-se substâncias providas de ação letal ou inibitória da reprodução microbiana, de baixa causticidade e hipoalergência na pele e mucosa. 5. Anti-séptico São agentes químicos capazes de destruir microorganismos existentes em tecidos vivos.

3 1. Mecanismo de Ação: Álcool Etílico 70º INPM O álcool nas formulações acima possui princípio ativo recomendados pelo Ministério da Saúde. Em concentrações apropriadas os álcoois possuem mais rápida e maior redução nas contagens microbianas. Destrói bactérias vegetativas, tanto pela desnaturação protéica quanto pela interferência no metabolismo bacteriano. Fungos e Vírus são também destruídos pelo álcool, mas esporos bacterianos podem ser resistentes. Quanto maior o peso molecular do álcool, maior ação bactericida. Um esfregão vigoroso de um minuto com álcool em quantidade suficiente para molhar as mãos completamente, tem se mostrado como o método mais efetivo para anti-sepsia das mãos. Na verdade, um minuto de imersão ou fricção das mãos com álcool é tão eficaz como 4 a 7 minutos de preparação da pele com outros anti-sépticos, na redução do número de bactérias na pele; a lavagem com álcool durante 3 minutos é tão eficaz como 20 minutos de escovação. Embora os álcoois não deixem efeitos químicos persistentes na pele, a contagem bacteriana em mãos esfregadas com álcool continua cair durante algumas horas após calçar as luvas, provavelmente como resultado da morte contínua dos organismos danificados. Álcoois nas concentrações de 70º e 92º INPM têm excelente atividade contra bactérias gram positivas e negativas, boa atividade contra Mycobacterium tuberculosis, fungos e vírus, além de serem baratos. O álcool 70º INPM possui concentração ótima para atividade microbicida, pois a desnaturação das proteínas do micro-organismo fazse mais rapidamente na presença da água e é também viruscida. Estudos mostram a redução de 99% da flora da pele, sendo de baixa irritabilidade cutânea, principalmente quando utilizado com um emoliente (1% de glicerol). É irritante de mucosa.

4 Álcool Etílico 70º INPM 2. Indicação do Álcool como Anti-séptico: Para degermação das mãos da equipe entre procedimentos quando da impossibilidade da lavagem das mãos. Na degermação das mãos o álcool deve ser esfregado vigorosamente nas mãos até secar (cerca de 30 segundos). O álcool não remove sujeira ou matéria orgânica. Para pele em procedimentos de baixo e médio risco. Antes de colocar luvas. A Organização Mundial de Saúde recentemente designou o álcool com o "padrão ouro" dentre os anti-sépticos que foram julgados, recomendando que seja altamente utilizado. BENEFÍCIOS POTENCIAIS DO ÁLCOOL GLICERINADO LAVAGEM ÁGUA E SABÃO LAVAGEM ÁLCOOL GLICERINADO Tempo necessário 30 a 120 segundos 10 a 30 segundos Eficácia Boa a muito boa Excelente Aceitação do pessoal Pobre Boa a excelente Obs: O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar solicita que se use álcool glicerinado nos contatos entre pacientes, tendo em vista o custo (30% mais barato) e a praticidade.

5 Álcool Etílico 70º INPM 3. Indicação do Álcool como Desinfetante: Para superfícies inertes após limpeza mecânica passar três vezes esperando a cada vez que o local fique seco. INDICAÇÃO DO USO DO ÁLCOOL 70º INPM PARA DESINFECÇÃO ARTIGO TEMPO DE EXPOSIÇÃO FREQÜÊNCIA Lâmina do Laringoscópio Fricção por 3x Cabo do Laringoscópio Cone do Otoscópio Bacias, comadres, papagaios Termômetro Estetoscópio Suporte de soro Colchão da cama Colchonete da maca Almofada de ar Cadeiras de rodas de banho e de transporte Maca para transporte Maca para exames Bancadas do posto de enfermagem Bancada de preparo de medicação Garrote Aparelho de barbear / tricotomia Monitores e réguas Superfície externa de respiradores Incubadora Secagem expontânea Diariamente ou na troca de paciente. Semanalmente ou diariamente e após a alta. Após cada uso após cada uso. Início e término de plantão. Antes e após preparo de medicação.

6 Álcool Etílico 70º INPM Referências deste Relatório Técnico: Fernandes, A. T. - Infecção Hospitalar e Suas Interfaces na Área da Saúde. - Editora Atheneu, Weinstein, R. A. - Controlling Antimicrobial Resistance in Hospitals: Infection Control and Use of Antibiotics EMERG. INF. DIS. Vol. 7, N o.2 Mar-Apr Larson, E. - American Journal of Infectologies. Dec., 1998.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SUPERFÍCIES E MATERIAIS HOSPITALARES Umidificador Água e sabão + Termodesinfecção 24h Enxaguar abundantemente Bandejas Diariamente

Leia mais

CONTROLE DE MICRORGANISMOS

CONTROLE DE MICRORGANISMOS CONTROLE DE MICRORGANISMOS 1. Acondicionamento de vidrarias para esterilizar Por quê vidrarias como pipetas, erlenmayers, balão, etc., devem ser acondicionados antes da esterilização? Resposta: É uma proteção

Leia mais

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva

CONTROLE DE MICRORGANISMOS. Prof. João Batista de Almeida e Silva CONTROLE DE MICRORGANISMOS Prof. João Batista de Almeida e Silva Considerações Gerais ESTERILIZAÇÃO Destruição de todos os microrganismos presentes, incluindo os esporos Efeitos distintos Ação ANTIMICROBIANA

Leia mais

CONTROLE DE MICROORGANISMOS. Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária

CONTROLE DE MICROORGANISMOS. Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária CONTROLE DE MICROORGANISMOS Profa Cristina Petrarolha Silva FCAA FEA Medicina Veterinária 1- Terminologia Esterilização Desinfecção Antissepsia Germicida Bacteriostase Assepsia Degermação Esterilização

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 DESINFECÇÃO E DESINFETANTES Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 1 Limpeza e desinfecção Deve ser abrangente e rotineiro Microrganismos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 01/CT/2016 Assunto: Desinfecção Terminal em UBS Palavras-chave: Desinfecção Terminal, UBS, Auxiliar de Limpeza I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Nas UBS os responsáveis

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br POR VAPOR FERNANDO BUSTAMANTE 2010 HISTÓRIA DA DENYS PAPIN - 1680 (MARMITA DE

Leia mais

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE

COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE INTERAÇÃO DA HIGIENE HOSPITALAR NO CONTROLE DE MRs COMO DEFINIR PRODUTOS E PRIORIDADES PARA LIMPEZA DO AMBIENTE IZELÂNDIA VERONEZE SCIH/HC/UFPR 28/09/2013 O PROCESSO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO COM FOCO NO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 010 / 2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 010 / 2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 010 / 2010 Assunto: Abertura do invólucro de seringas. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a abertura do invólucro de seringas. 2. Da fundamentação e análise As seringas

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA ITEM QUANT UNID ESPECIFICAÇÃO VALOR UNIT. (R$) VALOR TOTAL (R$) 1 180 LITRO PREPARAÇÃO ALCÓOLICA PARA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS, INSTANTÂNIA, SOB A FORMA DE ESPUMA, EM REFIL COM CONTEÚDO MÍNIMO DE 600ML E

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

Controle de Microrganismos

Controle de Microrganismos Controle de Microrganismos HISTÓRICO O controle científico do crescimento microbiano começou somente há cerca de 100 anos; Pasteur levou os cientistas a acreditarem que microrganismos eram a causa de doenças

Leia mais

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODOONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Microbiologia Oral Código: ODO-018 Pré-requisito: Microbiologia

Leia mais

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Portos, Aeroportos e Fronteiras Anexo XI PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO EMBARCAÇÕES MÉTODO I A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Técnica de Desinfecção

Leia mais

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Taxa de Morte Microbiana Quando as populações bacterianas são aquecidas ou tratadas com substâncias químicas antimicrobianas, elas normalmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Reposição e Organização de Materiais no Alojamento Conjunto Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 03 Área de Aplicação: Materno-Infantil

Leia mais

PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA

PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA Justificativa: A higienização adequada das mãos é considerada a medida de maior impacto e comprovada eficácia na prevenção das infecções relacionadas à

Leia mais

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Módulo 3: INFECÇÃO. O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 3: INFECÇÃO O que é sepse? Quais são suas complicações? Como um bebê pode contrair sepse na UTI neonatal? Como prevenir a sepse?

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

PORTARIA CVS-12 DE

PORTARIA CVS-12 DE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA CVS-12 DE 30-7-99 Dispõe sobre os estabelecimentos de interessa à saúde denominados Gabinetes

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis

Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis Farmacologia e Enteral (oral) tubo digestivo Parenteral - Injetaveis Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Oral V (vantagens) - mais conveniente, econômica e segura D (desvantagens)

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento com espaço para 1 1 1 computadores e impressoras* Cadeira

Leia mais

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia

25/04/2016. Vibrião colérico. Vírus da dengue. Amebíase e Giardíase. Entamoeba coli e Giardia lamblia 25/04/2016 Componentes Básicos L ixo E sgoto Prof. Carlos Almeida Á gua Importância para o organismo (o Corpo Humano é formado de 70% a 75% por água) e para o planeta. Fontes de água: Para o consumo, a

Leia mais

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Evitar contaminação e DTAs Qualidade do Alimento Proteção da Saúde Contaminação Física

Leia mais

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 (Fuvest 2002) Os vírus A. ( ) possuem genes para os três tipos de RNA (ribossômico, mensageiro e transportador), pois utilizam apenas aminoácidos

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo VIVIAN PUPO DE OLIVEIRA MACHADO Nutricionista (Unoeste) Especialista em Saúde Coletiva (UEL) Especialista em Educação Inclusiva (Facol) Mestranda em Agronomia/Produção Vegetal (Unoeste) Controle de Qualidade

Leia mais

Eleger um do grupo e senha: 1a. etapa identificação do grupo

Eleger um  do grupo e senha: 1a. etapa identificação do grupo FICHA DE INSCRIÇÃO DO ESTUDANTE PESQUISADOR Abaixo você visualizará as informações que serão solicitadas no ambiente de inscrição da FICIENCIAS. Comece escolhendo seu país de procedência. País: [ ] Argentina

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade DOCUMENTO: LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Página: 1/12 DEFINIÇÃO: As superfícies ambientais são freqüentemente contaminadas com microrganismos. Vários estudos têm demonstrado a capacidade de resistência

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR O QUE É ESTERILIZAÇÃO É correto definir esterilização como um conjunto de operações destinadas a eliminar ou matar todas as formas de microrganismos, de um material ou substância? MODERNA CONCEITUAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA rte INFORMAÇÕES GERAIS Em caso de dúvidas, alterações no estado de saúde do paciente, você pode entrar em contato com o Ambulatório da ALA I do HUSM através do telefone 3220 8538. Telefones úteis: Bombeiros:

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição:

Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: Código: Descrição: Nome: HIPOCLORITO DE SÓDIO AUDAX 5% Código: 000021 Descrição: Apresentado em bombonas de 5 litros. Geralmente utilizado para limpeza em geral, admite diluição em até 35 litros de água. Devido a seu alto

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00005/2016 (SRP)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00005/2016 (SRP) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00005/2016 (SRP) Às 09:53 horas do dia 29 de julho de 2016, após analisado o resultado

Leia mais

Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013. Comissão de Farmácia Hospitalar

Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013. Comissão de Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar 2012/2013 Comissão de Farmácia Hospitalar GERMICIDAS HOSPITALARES IZELÂNDIA VERONEZE Comissão de Farmácia Hospitalar GERMICIDAS HOSPITALARES

Leia mais

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS Prof. Dra. Susana Moreno 1 Antibióticos Uma das mais importantes descobertas da medicina moderna Salva milhões de vidas ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS 3 Antibióticos Beta Lactâmicos

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MFI

MANUAL DO FORNECEDOR MFI PAG: 1/ 5 1. CONCEITO 1.1. Balteração dimensional É a variação no comprimento ou largura sofrida pelo corpo-de-prova após passar pelo processo de lavagem. Pode ser positiva (aumento na dimensão especificada)

Leia mais

Exames Periódicos. Admissão do Profissional SMO. Admissão do Profissional Orientações. Integração do Profissional

Exames Periódicos. Admissão do Profissional SMO. Admissão do Profissional Orientações. Integração do Profissional Admissão do Profissional SMO Avaliação inicial: Local de trabalho Função exercida Avaliação do Risco conforme NR 32 Anamnese/Exame físico A Segurança do Profissional da Saúde Profª Alessandra Destra Encaminhamentos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Refil para apagador 150N Flip Top. CARACTERÍSTICA: Refil (Feltro) para

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Ciências da Natureza 2º Ciclo 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM,

Leia mais

2.Introdução A Doença Descrição...11

2.Introdução A Doença Descrição...11 Índice 1.Apresentação... 05 2.Introdução...07 3.A Doença... 11 3.1. Descrição...11 3.2. Epidemiologia... 11 3.2.1. Agente Etiológico e Ciclo Evolutivo...11 3.2.2. Reservatórios / Hospedeiros Intermediários...

Leia mais

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves

Noções Gerais de Biossegurança. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Noções Gerais de Biossegurança Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Neves Conceito Conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização eliminação de RISCOS inerentes às atividades de pesquisa, produção,

Leia mais

Peeling Químico - Médio

Peeling Químico - Médio Peeling Químico - Médio Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 3º BIMESTRE - 2º ANO - PROF. RODOLFO (COC-VILA VELHA)

LISTA DE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 3º BIMESTRE - 2º ANO - PROF. RODOLFO (COC-VILA VELHA) LISTA DE EXERÍIS DE REUPERAÇÃ DE QUÍMIA 3º BIMESTRE - 2º AN - PRF. RDLF (-VILA VELA) LISTA DE REUPERAÇÃ QUÍMIA 131 2º AN VV MÓDULS 18 A 23 PRFº RDLF Questão 01) Analise a fórmula estrutural da curcumina,

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Peeling Químico - Superficial

Peeling Químico - Superficial Peeling Químico - Superficial Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR. Membrana Plasmática e Organelas Celulares Prof. João Mendanha

BIOLOGIA CELULAR. Membrana Plasmática e Organelas Celulares Prof. João Mendanha BIOLOGIA CELULAR Membrana Plasmática e Organelas Celulares Prof. João Mendanha MEMBRANA PLASMÁTICA Estrutura que limita a célula; É fronteira entre o meio externo do meio interno; Tem papel fundamental

Leia mais

Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica

Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica Racionalizar o uso do cobre em viticultura biológica 1 INTRODUÇÃO O COBRE NA VINHA INTRODUÇÃO O cobre é uma das substâncias utilizadas desde há mais tempo na vinha acção anti-míldio descoberta por Millardet

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim SACRAL - CONCAVE Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann

Leia mais

LARINGOSCÓPIO MANUAL DE INSTRUÇÕES. PSM Página 1 de 11 Código _Vs 04

LARINGOSCÓPIO MANUAL DE INSTRUÇÕES. PSM Página 1 de 11 Código _Vs 04 LARINGOSCÓPIO MANUAL DE INSTRUÇÕES PSM 081-16 Página 1 de 11 Código 008057_Vs 04 IMPORTANTE! Parabéns pela aquisição do Laringoscópio, um produto para saúde com design moderno e tecnologia de ponta, resultado

Leia mais

BR Km 35 CEP: Frederico Westphalen - RS

BR Km 35 CEP: Frederico Westphalen - RS BR 386 Km 35 CEP: 98400000 Frederico Westphalen RS 55 3744 3232 HISTÓRICO Fundada em 1987, na cidade de Frederico Westphalen, interior do Rio Grande do Sul, a Bakof Tec destacase pelo pioneirismo no segmento

Leia mais

Medidas de precaução

Medidas de precaução Medidas de precaução INFLUENZA A (H1N1) GGTES - Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Medidas de Precaução Precauções Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%.

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%. Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 5 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente

Leia mais

AÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE À DENGUE

AÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE À DENGUE AÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE À DENGUE Atitudes e práticas de prevenção não só estarão contribuindo para que não ocorra transmissão de dengue, mas proporcionarão melhor qualidade de vida para todos. Nos

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção NVES-INFEC scies-dvs@saude.rs.gov.br

Leia mais

OdontoPrev. Sorria: você está sendo bem cuidado.

OdontoPrev. Sorria: você está sendo bem cuidado. OdontoPrev Sorria: você está sendo bem cuidado. Dicas OdontoPrev para um sorriso perfeito INTRODUÇÃO Por um sorriso mais saudável e bonito! É A OdontoPrev quer ver você saindo por aí com um sorrisão estampado

Leia mais

O que essas imagens têm em comum???

O que essas imagens têm em comum??? Características Gerais dos Seres Vivos Curso de Educação Física Disciplina: Bases Biológicas da Educação Física Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva O que essas imagens têm em comum??? 1 28/3/2016

Leia mais

A utilização inadequada dos antibióticos provoca o aparecimento de bactérias resistentes. Mais de pessoas morrem cada ano na EU!

A utilização inadequada dos antibióticos provoca o aparecimento de bactérias resistentes. Mais de pessoas morrem cada ano na EU! A utilização inadequada dos antibióticos provoca o aparecimento de bactérias resistentes. Mais de 25 000 pessoas morrem cada ano na EU! inadequada? A utilização inadequada dos antibióticos provoca o aparecimento

Leia mais

SEGURANÇA COM SERRA TICO TICO J U A R E Z S A B I N O D A S I LV A J U N I O R T É C N I C O D E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O

SEGURANÇA COM SERRA TICO TICO J U A R E Z S A B I N O D A S I LV A J U N I O R T É C N I C O D E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O SEGURANÇA COM SERRA TICO TICO J U A R E Z S A B I N O D A S I LV A J U N I O R T É C N I C O D E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O ÁREA DE TRABALHO Mantenha sua área de trabalho limpa e bem iluminada.

Leia mais

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA?

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA? O QUE É A FISIOLOGIA? A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... Biologia Molecular Bioquímica Psicologia Histologia Biologia Celular Anatomia Genética Medicina Biofísica MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... A

Leia mais

BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO

BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO Biologia Prof. Rogério 2016 BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet Biologia Prof. Rogério 2016 O QUE CARACTERIZA UM

Leia mais

PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características

PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características que diferenciam um ser vivo de um não vivo? De que são

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS Professora: Erika Liz Características necessárias de microrganismos para aplicação industrial Apresentar elevada eficiência na conversão de nutrientes, de forma a

Leia mais

UNIDADE 2 Vírus, bactérias, protistas e fungos

UNIDADE 2 Vírus, bactérias, protistas e fungos UNIDADE 2 Vírus, bactérias, protistas e fungos A descoberta do Vírus pág. 45 Em 1892, o cientista russo Dimitri Ivanovski descobriu que existia algo menor do que uma bactéria atacando as folhas do tabaco.

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Linha Mello Clean. Tradição, aliada à constante busca pela qualidade de seus produtos, eficiência em nosso atendimento.

Linha Mello Clean. Tradição, aliada à constante busca pela qualidade de seus produtos, eficiência em nosso atendimento. Linha Mello Clean Tradição, aliada à constante busca pela qualidade de seus produtos, eficiência em nosso atendimento. GLASSES BAG DE MICROFIBRA CARACTERÍSTICAS DO Desenvolvido exclusivamente para proteção

Leia mais

LOGO MARCA DA EMPRESA NOME COMERCIAL DA EMPRESA CNPJ Nº MODELO DA PROPOSTA DE PREÇOS ANEXO I

LOGO MARCA DA EMPRESA NOME COMERCIAL DA EMPRESA CNPJ Nº MODELO DA PROPOSTA DE PREÇOS ANEXO I Ao Governo do Estado de Roraima Secretaria de Estado da Saúde SESAU Gerencia Especial de Cotação GEC MODELO DA PROPOSTA DE PREÇOS PROCESSO N 02060.003602/5-06 CARIMBO ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

SEMPRE LISO COMPONENTES

SEMPRE LISO COMPONENTES E S C O V A M Á G I C A SEMPRE LISO Parabéns por ter escolhido um produto da KG Line! A tecnologia, desenho e funcionalidade, além do rigoroso controle de qualidade a que são submetidos nossos produtos,

Leia mais

ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO

ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO ANEXO I - PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS DA DIÁRIA PADRÃO DESCRIÇÂO INCLUI TIPO QTDE (MÊS) PREÇO UNITÁRIO ITENS INCLUÍDOS NA DIÁRIA PADRÃO EQUIPE PROFISSIONAL Visita de enfermeiro

Leia mais

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCAV/UNESP. ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCAV/UNESP ASSUNTO: Forças Intermoleculares e Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 FORÇAS INTERMOLECULARES Fonte: BARBOSA, 2004. 2 FORÇAS INTERMOLECULARES 1.

Leia mais

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Em nossa aula passada falamos de ligações iônicas, aquelas que ocorrem entre átomos com grandes diferenças de eletronegatividade. Entretanto, essa não é a única

Leia mais

BIOLOGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA DE VIRUS E BACTÉRIA

BIOLOGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA DE VIRUS E BACTÉRIA BIOLOGIA Prof. Fred LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA DE VIRUS E BACTÉRIA 1. (UDESC SC/2011) Assinale a alternativa incorreta a respeito das características gerais dos vírus. a) Muitos vírus são específicos

Leia mais

O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS. Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura

O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS. Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura VÍRUS Vírusvem do latim = veneno São pequenos - ultramicroscópicos Um pouco de história Louis Pasteur (1822-1895)

Leia mais

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Manual do Locatário RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Instruções para Instalação, Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO 1 RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA As réguas vibratórias duplas são utilizadas para dar acabamento

Leia mais

Cuidados com Portacath

Cuidados com Portacath Procedimento médico tipo pequena cirurgia para a implantação. Este cateter(portacath) é instalado após anestesia local, o procedimento leva de 30minutos a 1 hora. A incisão para colocação é fechada por

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS Conceito do DESENHO UNIVERSAL Pensar em quem vai utilizar o espaço, e como. Deficientes físicos; Deficientes mentais; Cegos; Surdos; Pessoas com nanismo; Idosos; Gestantes;

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir a escova elétrica facial D-Clean Mini. Este manual deve ser guardado para consultas futuras.

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir a escova elétrica facial D-Clean Mini. Este manual deve ser guardado para consultas futuras. MANUAL DE INSTRUÇÕES Obrigado por adquirir a escova elétrica facial D-Clean Mini. Este manual deve ser guardado para consultas futuras. 2 Esse produto contém: Aparelho 1 escova Manual de instrução Adaptador

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996 Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição Agente? População Quadro IV.2 - O que é a Avaliação da Exposição? A avaliação da exposição é a determinação ou estimativa da magnitude, frequência, duração

Leia mais

CONTROLO DOS MICRORGANISMOS

CONTROLO DOS MICRORGANISMOS CONTROLO DOS MICRORGANISMOS evitar ou minimizar a contaminação de materiais inertes ou tecidos vivos por microrganismos que possam levar à sua deterioração ou causar doenças. - Medicamentos (industria

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

Limpeza e desinfeção de superfícies

Limpeza e desinfeção de superfícies Limpeza e desinfeção de superfícies Dispensador de toalhetes multi-usos para todos os desinfetantes de superfícies líquidos BODE. Para uma desinfeção de superfícies diária com elevados padrões de higiene.

Leia mais

SIM 3 sabões em barras, pedaços ou figuras moldados ,85% SIM

SIM 3 sabões em barras, pedaços ou figuras moldados ,85% SIM ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST PRESENTE NO ACORDO 1 água sanitária, branqueador ou alvejante 2828.90.11 55,66% 1 água sanitária, branqueador ou alvejante 2828.90.19 55,66% 1 água sanitária, branqueador ou alvejante

Leia mais

Linha do Tempo. 400 a.c. Radioatividade. Demócrito. Dalton. Thomson. Rutherford Rutherford-Bohr Rutherford-Bohr (Chadwick)

Linha do Tempo. 400 a.c. Radioatividade. Demócrito. Dalton. Thomson. Rutherford Rutherford-Bohr Rutherford-Bohr (Chadwick) Linha do Tempo 400 a.c. 1808 1897 1911 1913 1932 Demócrito Dalton Radioatividade Thomson Rutherford Rutherford-Bohr Rutherford-Bohr (Chadwick) Evolução dos Modelos Atômicos Teoria dos quatro elementos

Leia mais

O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou em seu em seu nome, promulgo e sanciono a seguinte Lei:

O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou em seu em seu nome, promulgo e sanciono a seguinte Lei: LEI N 1.660/2005 Dispõe sobre os estabelecimentos de interesse à saúde denominados Gabinetes de Tatuagem e Gabinetes de Piercing e dá outras providências. O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes

Leia mais