A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO"

Transcrição

1 A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO

2 Estudaremos a Revolução Científica que teve início no Renascimento. Nessa revolução, a matemática teve um importante papel, pois passou a ser considerada o melhor instrumento para entender a realidade e explicar o mundo.

3 Nunca saberemos ao certo, mas quando o ser humano desenvolveu plenamente e sua mente adquiriu capacidade de raciocínio lógico, ele continuou admirando as estrelas. Continuou encantado com os mistérios da natureza. Seu olhar jánão era tão ingênuo e solitário. Ele estava acompanhado de instrumentos astronômicos e da linguagem científica. Com a ciência moderna e os estudos de cientistas como Galileu e Newton, o ser humano pôde se desenvolver ainda mais.

4 Leonardo da Vinci: a caminho da ciência moderna O italiano Leonardo da Vinci tinha várias habilidades e atuou, por isso nas mais diferentes áreas. Foi engenheiro, arquiteto, mecânico, desenhista, pintor, filósofo, anatomista etc. Fazia tudo com perfeição. Sua obra Monalisaéum dos quadros mais famosos de toda a história da pintura.

5 Leonardo da Vinci era um típico pensador renascentista. Em sua maneira de pensar conviviam ideias da Idade Média e, de alguma maneira, o novo pensamento que se consolidaria com a Idade Moderna. Mas o que Leonardo antecipava? O que havia em seu modo de pensar que era próprio dos novos ares modernos que ainda estavam por vir?

6 Existem pelo menos duas características da ciência moderna que já estavam presentes no pensamento de Leonardo ainda de maneira tímida e pouco desenvolvida. O conhecimento da natureza deveria se basear: na experiência sensível observação direta dos fenômenos naturais no cálculo matemático tico - os fenômenos Observados deveriam ser traduzidos para relações numéricas. Exemplo: choveu 100mm. Temperatura 32 ºC

7 Para Leonardo da Vinci, a experiência sensível e o cálculo matemático explicam a natureza como ela verdadeiramente é. Ao investigar os fenômenos naturais, Da Vinci eliminava as explicações místicas, espirituais e metafísicas, que eram comuns na Idade Média. Resumindo, a ideia de Leonardo da Vinci, era: Deus fez a natureza, mas a fez com determinada ordem. essa ordem, segundo Leonardo, só poderia ser captada pela experiência sensível e pela matemática.

8 Do geocentrismo ao heliocentrismo Copérnico utilizou um recurso poético para afirmar que o Sol estáno centro do universo [...] o Sol estásentado sentado num trono real, governando a sua família de astros que giravam à volta dele, Sua teoria foi recebida com muita resistência, e o pensador morreu antes mesmo que ela fosse aceita. a maior parte da sociedade e dos cientistas defendia a teoria de Ptolomeu, baseado na física de Aristóteles, teles, a qual sustentava que a Terra estava no centro do universo.

9 A resistência ao sistema heliocêntrico durou muito tempo, principalmente devido à oposição da Igreja Católica, que defendia o sistema que estava de acordo com a história bíblica, isto é, ptolomaico. Outros pensadores contribuíram para comprovar o heliocentrismo, como o astrônomo e matemático alemão Kepler, que estudou o movimento dos planetas e demonstrou, por meio de cálculos matemáticos, que os planetas giravam em torno do Sol. Os estudos de vários cientistas confirmaram a teoria heliocêntrica. Dois foram decisivos: Galileu e Newton Galileu e Newton responsáveis por completar e consolidar a Revolução Científica iniciada por Copérnico.

10 As descobertas de Galileu O filósofo e matemático Galileu Galilei não foi o inventor da luneta, mas aperfeiçoou esse instrumento. Com o invento aprimorado Galileu começou a revelar a organização do mundo e a demonstrar os erros do sistema ptolomaico e da física aristotélica. Desde de Aristóteles dizia-se que o universo era dividido em duas partes: mundo sublunar-mundo que iria da terra atéa Lua; mundo celeste - iria da Lua até um conjunto de estrelas fixas que comporiam o limite do universo. A Terra, imóvel e rodeada de planetas, estaria no centro do universo, que seria finito.

11 No mundo sublunar não haveria perfeição, mas o mundo celeste, da Lua em diante, tudo seria perfeito. Contudo, com a ajuda da luneta, Galileu viu que a Lua não era perfeita, pois havia irregularidades e crateras em seu solo. Percebeu também que o Sol não era perfeito, pois apresentava manchas que se modificavam constantemente.

12 A luneta revelou ainda que existiam outras estrelas além das que podiam ser vistas a olho nu, e que, portanto, não era possível estabelecer o limite do universo. Galileu percebeu que Júpiter tinha duas luas girando ao eu redor e que Vênus girava em torno do Sol. Portanto, era possível que a Terra girasse em torno do Sol ao mesmo tempo que a Lua girasse em torno da Terra.

13 Galileu diante do tribunal O pensamento e as investigações de Galileu chocavam-se com a crença e os dogmas do cristianismo. Por isso, em 1633, ele foi condenado pelo tribunal da Inquisição ão, o que o forçou a negar todas as conclusões de seus estudos. Eu, Galileu Galilei, professor de matemática tica e física da Universidade de Florença, abjuro o que ensinei: que o Sol seja o centro do mundo, imóvel em seu lugar, e que a Terra não seja centro nem imóvel. De coração sincero e fénão f fingida, eu abjuro, detesto e maldigo todos esses enganos e essas heresias, assim como quaisquer outros enganos e pensamentos contrários rios à Santa Igreja.

14 É uma situação difícil, pois Galileu teve que discordar do que sabe ser a verdade. O tempo, no entanto, serviu para mostrar que as ideias de Galileu estavam corretas. Hoje sabemos que o Sol é um dos focos do universo e, portanto, adotamos o sistema heliocêntrico (o Sol está no centro do Sistema Solar).

15 O surgimento de uma nova ciência Ao contrário dos filósofos cristãos, Galileu não reconhecia a autoridade da Igreja ou da Bíblia em estudos da natureza. Segundo ele, existiam leis naturais certa e imutáveis, as quais não estavam nas Escrituras Sagradas nem nos livros de Aristóteles. Essas leis fariam parte da própria natureza, por isso o homem poderia descobri-las ao investigar os fenômenos naturais.

16 Galileu estudava a natureza observando-a e realizando experimentos para confirmar suas hipóteses. Além disso, seguindo Leonardo da Vinci e Kepler, para Galileu a matemática era uma ferramenta fundamental na construção do conhecimento. No pensamento de Galillei, a natureza tinha uma ordem, uma regularidade. Essa regularidade poderia ser apreendida pela matemática.

17 Por exemplo: A água colocada na chaleira evapora a 100ºC; A água écolocada em forminhas na geladeira congela a 0ºC. Esses fenômenos acontecem com regularidade e podem ser mensurados. o Para Galileu, a natureza estava escrita em linguagem matemática. o Observação, experimentação e o uso da linguagem matemática tica são três características marcantes da ciência que estava nascendo: a ciência moderna.

18 Newton e o universo A revolução copernicana só se completou com o matemático e físico inglês Isaac Newton. Apoiado nos estudos de Kepler e de Galileu, Newton elaborou uma teoria física que era simples de entender e ao mesmo tempo explicava todos os movimentos do universo. Sua originalidade foi perceber que as leis e as forças que agem na Terra são as mesmas que agem nos movimentos dos planetas. Tomemos como exemplo a força a gravitacional e o princípio pio ou lei da inércia rcia.

19 A força gravitacional é responsável pela queda dos coros. Se você pular o mais alto que pode, em algum momento seráatraído para o chão, por causa da força da gravidade. De acordo com o princípio da inércia, todo corpo permanece em seu estado de repouso ou de movimento retilíneo uniforme, a menos que forças externas atuem sobre ele. Quando você estáem um veículo em movimento retilíneo uniforme e ele freia bruscamente, seu corpo tende continuar em movimento, de acordo com o princípio da inércia.

20 Para você não se deslocar ou não bater a cabeça no para-brisa, uma força de sentido contrário ao do movimento deve ser aplicada em seu corpo (cinto de segurança). Como você pode perceber a força gravitacional e a lei d inércia estão no nosso dia a dia, atuando sobre o nosso corpo e sobre os movimentos da Terra. Mas elas estão presentes também nas órbitas dos planetas.

21 Por exemplo: A Lua, pela lei da inércia, se distanciaria da Terra, mas, por causa da força gravitacional, ela é atraída pelo nosso planeta. Assim há um equilíbrio entre as duas forças ( a inercia e a gravitacional) A atuação dessas duas forças explica o movimento da Lua e a harmonia do universo.

22 A descoberta de Newton foi extraordinária. Com poucas leis, ele unificou a explicação sobre os fenômenos terrestres e celestes. Qualquer pessoa a partir de Newton poderia compreender o funcionamento do universo. Não havia mais como sustentar a ideia de que o universo era dividido em duas partes, como defendeu Aristóteles. Também não era mais possível sustentar o sistema geocêntrico. A Revolução Científica feita por Copérnico, Kepler, Galileu, Newton e vários outros pensadores e cientistas modificou para sempre o nosso entendimento sobre o homem e o universo.

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre A filosofia Moderna Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre Uma nova forma de se pensar a realidade A era moderna é marcada por um

Leia mais

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo.

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo. 12. IDADE MODERNA A ciência moderna foi preparada pelo Renascimento. Seriam Galileu, graças às observações com o seu telescópio, e o astrônomo alemão, Kepler, (1571-1630), ao descobrir as célebres leis

Leia mais

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ O ENEM AO LONGO DOS ANOS CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL 1) (1998) Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5.10 9 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então,

Leia mais

Colégio Santa Cruz - Profª Beth

Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 Andreas Cellarius (1660) 2 3 Aristóteles (sec. IV ac): Tratado Do Céu: Mundo terrestre (sublunar): 4 elementos fundamentais (terra, água, fogo e ar) Não é descrito com a matemática Mundo celeste (supra-lunar):

Leia mais

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS

CONCEITOS DE GRAVITAÇÃO E NOÇÕES DE BURACOS NEGROS Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Metodologia do Ensino de Física Professor Maurício Pietrocola São Paulo 2008 André Quirino Pereira 4895646 Caio Correia Gomes 4897839 Clayton Alves Figueiredo

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros?

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros? TC I e a LEIC O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Que desafios presentes e futuros? Objectivos da LEIC FEUP: Conhecimentos, capacidades e atitudes para exercer a profissão? Componentes de "educação liberal

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Esfera das estrelas fixas Sistema Geocêntrico ( Ptolomeu, séc. II ) Neste sistema, tudo

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com efabiopablo.wordpress.com Conteúdo O humanismo e o Renascimento Cultural Marco Polo. Multimídia A arte renascentista e o mecenato A Revolução Científica #Conceito O Renascimento foi um movimento artístico,

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

0 mensageiro sideral: Galileu Galilei

0 mensageiro sideral: Galileu Galilei A C o n s t r u ç ã o d e u m a N o v a C iê n c ia 0 mensageiro sideral: Galileu Galilei A consolidação do sistema heliocêntrico deixava um problema sério a ser resolvido: como explicar os movimentos

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar Sala: N101 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Sumário Prof. Pedro T. Abreu abreu@lip.pt Atrito e Rolamento As Leis de Kepler e a sua dedução a partir do Movimento num campo de Forças central. O Universo está escrito

Leia mais

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1 Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 3 - Um panorama histórico da física III Assunto: A ciência na Renascença

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade

UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade UMA NOVA VISÃO DE MUNDO Renascimento foi um movimento artístico (XIV e XVI); O período medieval era considerado limitado e pouco criativo; A Idade Média ficou conhecida como a Idade das Trevas; Surgia,

Leia mais

Aristóteles. Os primeiros passos da ciência. Tradução do trabalho de: André Ross. Professeur de mathématiques Cégep de Lévis-Lauzon

Aristóteles. Os primeiros passos da ciência. Tradução do trabalho de: André Ross. Professeur de mathématiques Cégep de Lévis-Lauzon Aristóteles Os primeiros passos da ciência Tradução do trabalho de: André Ross Professeur de mathématiques Cégep de Lévis-Lauzon Elementos biográficos Filófoso grego, nascido em Stagire, na Macedônia,

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que:

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que: QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: Em uma passagem do poema Os lusíadas (canto X, 89) de Luís de Camões (1525-1580), brilharam os astros. Um belo exemplo da influência do pensamento científico nas artes. O

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido Movimento aparente diurno e anual Sistemas geocêntrico e heliocêntrico Leis de Kepler Rotação e translação da Terra Definição de dia e ano Precessão e nutação Estações do ano Movimentos da Terra Gastão

Leia mais

Relação ciência e religião

Relação ciência e religião UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA LICENCIATURA EM FÍSICA GRAVITAÇÃO Relação ciência e religião Julgamento de Galileu Galilei Alunos Gabriel Almeida Bispo dos Santos nº USP: 9051293 Lucas Vieira

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

O Argumento da Queda da Lua

O Argumento da Queda da Lua O Argumento da Queda da Lua Uma exposição didática de como Newton apresentou a idéia de força gravitacional Freire, Matos e Valle, Física na Escola, 5(1), 2004 Newton e a gravitação universal Que a Lua

Leia mais

CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON ( )

CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON ( ) CONHECIMENTO É PODER FRANCIS BACON (1561-1626) EM CONTEXTO ÁREA Filosofia da ciência ABORDAGEM Empirismo Empirismo é o movimento que acredita na experiência como formadora de ideias, discordando da noção

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

O Renascimento A redescoberta da cultura grega

O Renascimento A redescoberta da cultura grega O Renascimento A redescoberta da cultura grega A Vénus de Milo B Virgem e Menino C Pietá Estatuária grega (A), medieval (B) e renascentista (C) Discóbolo Séc. V a. C. Victória de Samotrácia, Séc. II a.c.

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 90 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 25: Funcionalidade e Funções 01/06/2015 2 Funcionalidade na Antiguidade Ideia de correspondência ou noção de dependência. Tabelas babilônicas

Leia mais

A transição para o capitalismo

A transição para o capitalismo A transição para o capitalismo Embora não tenham elaborado uma teoria do conhecimento, pensadores modernos como Galileu e Newton propuseram, na prática, caminhos para chegar à verdade. Os pensamentos Modernos

Leia mais

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo.

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo. MECÂNICA - Área da Física que estuda os movimentos. Foi dividida em: CINEMÁTICA: Estuda o movimento dos corpos sem enfocar sua causa, procurando investigar o que está acontecendo durante esse movimento:

Leia mais

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra 1 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Módulo VII Neste módulo estudaremos o Binômio de Newton que foi desenvolvido em 1667, por Isaac Newton. O Binômio de Newton trata dos números binomiais em

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA: Reconhecer a importância da Trigonometria na compreensão de fenômenos naturais 2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E

Leia mais

XII OBA PROVA DO NÍVEL 1

XII OBA PROVA DO NÍVEL 1 XII OBA PROVA DO NÍVEL 1 (Para alunos da 1 a e 2 a séries das escolas nas quais o ensino fundamental tem 8 anos e para alunos do 1 o ao 3 o ano das escolas nas quais o ensino fundamental já é de 9 anos).

Leia mais

Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares?

Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares? Ano 1, n. 1, 2008 Seção Artigos 17/07/2008 Por que um livro de Copérnico vale mais de 2 milhões de dólares? Francisco Caruso Francisco Caruso é físico, professor da UERJ e pesquisador do Centro Brasileiro

Leia mais

Módulo 05 - Balança Hidrostática

Módulo 05 - Balança Hidrostática Módulo 05 - Balança Hidrostática No século III a.c., o grande filósofo, matemático e físico Arquimedes, realizando experiências cuidadosas, descobriu uma maneira de calcular o empuxo que atua em corpos

Leia mais

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico.

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Área 1, Aula 5 Alexei Machado Müller, Maria de Fátima Oliveira Saraiva & Kepler de Souza Oliveira Filho Simulação do movimento aparente

Leia mais

UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR

UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE IV - LEITURA COMPLEMENTAR Alunos (as), Para que vocês encontrem mais detalhes sobre o tema Métodos Científicos, sugerimos a leitura do seguinte texto complementar, desenvolvido pelos professores

Leia mais

ESCOLA MAGNUS DOMINI

ESCOLA MAGNUS DOMINI ESCOLA MAGNUS DOMINI DE ARISTÓTELES A HIGGS: UM PANORAMA DA HISTÓRIA DO UNIVERSO Gabriel Dainez Aquotti Guilherme Marion Mangili Ricardo Yudi Takahashi Rodrigo Costa Rocha MARINGÁ 2016 1. INTRODUÇÃO O

Leia mais

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GISELLE PALMEIRA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade IV Ser humano e saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 21 Conteúdos Aula 21.1 - Forças Aula

Leia mais

Exercícios complementares - Física

Exercícios complementares - Física - Física Exercícios Conteúdo Habilidade 1, 2 e 3 Grandezas físicas e unidades de medidas 4 Aceleração média 5 Força resultante 6 Gráficos do M.R.U. e M.R.U.V. 7 Leis de Newton 8, 9 10 e 11 Trabalho e energia

Leia mais

Renascimento comercial e urbano + surgimento da burguesia

Renascimento comercial e urbano + surgimento da burguesia Renascimento comercial e urbano + surgimento da burguesia Explicações religiosas sobre o mundo - INSUFICIENTES 1- Rupturas e continuidades Inspiração greco-romana cultura Influências da Igreja Católica

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

1 10 kg, bem menor que a massa da Terra. O módulo da força gravitacional entre duas massas m 1 e é

1 10 kg, bem menor que a massa da Terra. O módulo da força gravitacional entre duas massas m 1 e é Física nos Vestibulares Prof. icardo Bonaldo Daroz Gravitação 1. (Fuvest 016) O grande mérito do sábio toscano estava exatamente na apresentação de suas conclusões na forma de leis matemáticas do mundo

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 13 Revisão e avaliação da unidade III HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 O que é um Fato Histórico? Quando ultrapassa

Leia mais

Física dos Sistemas Dinâmicos

Física dos Sistemas Dinâmicos Física dos Sistemas Dinâmicos Trabalho Prático nº 1 Equação de Friedmann Trabalho de: Marcos Liberal (ei04050) 1 Índice: Introdução 3 Um pouco de história 4 Equação de Friedmann 5 Análise geral 6 Análise

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 2

Ficha de Avaliação Sumativa 2 Ficha de Avaliação Sumativa 2 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos Introdução à Astronomia Fundamental A renascença chegou na astronomia através dos estudos de Nicolau Copérnico, que propôs um modelo heliocêntrico do Universo

Leia mais

Biografias. Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles

Biografias. Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles Biografias Claudio Ptolomeu Nicolau Copérnico Pitágoras de Sámos Aristóteles Claudio Ptolomeu Claudio Ptolomeu Cláudio Ptolomeu nasceu no início do século II da era cristã em Ptololemaida, Hérmia. Com

Leia mais

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 006/ UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA O Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor é um dos interesses mais antigos da humanidade. Os movimentos do Sol e da Lua, os dois

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

Aula 1: Modelo geocêntrico (Aristóteles Ptolomeu)

Aula 1: Modelo geocêntrico (Aristóteles Ptolomeu) Aula 1: Modelo geocêntrico (Aristóteles Ptolomeu) Caro aluno, provavelmente você já deve ter percebido que todos os dias que o Sol se põe por volta das 18h, em um local que chamamos de oeste. E na extremidade

Leia mais

MATÉRIA ESCURA, EPICICLOS E OUTRAS HIPÓTESES AD-HOC

MATÉRIA ESCURA, EPICICLOS E OUTRAS HIPÓTESES AD-HOC MATÉRIA ESCURA, EPICICLOS E OUTRAS HIPÓTESES AD-HOC Leandro Lage Doutorando do HCTE/UFRJ leandrolsguedes@gmail.com Muitas vezes a ciência passa por situações em que a observação de um determinado fenômeno

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GAVIAÇÃO UNIVESAL Histórico: Astronomia Uma das ciências mais antigas de que se tem registro. Geocentrismo A erra é o centro do Universo Hiparco ( sec II a.c ) Defensores Cláudio Ptolomeu ( sec II d.c

Leia mais

MODELOS PLANETÁRIOS I 5

MODELOS PLANETÁRIOS I 5 Licenciatura em Ciências USP/Univesp MODELOS PLANETÁRIOS I 5 38 TÓPICO Enos Picazzio 5.1 Os movimentos aparentes decorrem da visão geocêntrica 5.2 Geocentrismo 5.2.1 Aperfeiçoamentos de Ptolomeu 5.3 Heliocentrismo

Leia mais

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE IV

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE IV Arquitetura e Sustentabilidade Antonio Castelnou PARTE IV CASTELNOU Mundo Moderno A partir do século XIV, os movimentos comunais reivindicaram o retorno do Poder municipal, passando os mercadores a financiarem

Leia mais

Day Camp. Prova de Laboratório: inversão de sentido e esta aula (sem equações) Conferir a resolução da Ficha 3C no site

Day Camp. Prova de Laboratório: inversão de sentido e esta aula (sem equações) Conferir a resolução da Ficha 3C no site 1 Day Camp Prova de Laboratório: inversão de sentido e esta aula (sem equações) Conferir a resolução da Ficha 3C no site Assistir ao vídeo MUV Inversão de Sentido no site 2 t(ut) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 S

Leia mais

GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE?

GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE? GRAVIDADE: O QUE É? PARA QUE SERVE? Ana Carolina Simão Zabott¹- CAG Andressa Kloster Couto²- CAG Debora de Oliveira Licheski³-CAG Professor Orientador Allison Klosowski4-CAG Grupo de Trabalho - Astronomia

Leia mais

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 2

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 2 Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 3 - Um panorama histórico da física III Assunto: A ciência na Renascença

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA NIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR APLICADA (LFNA) criado em 1977 VISITE NOSSO SITE: http://www.fisica.uel.br/gfna Venha conhecer o laboratório! Micro e Macrocosmos Uma rápida

Leia mais

1. Mecânica do Sistema Solar (I)

1. Mecânica do Sistema Solar (I) 1. Mecânica do Sistema Solar (I) AGA 215 Elisabete M. de Gouveia Dal Pino Astronomy: A Beginner s Guide to the Universe, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e 1) Introductory Astronomy & Astrophysics, M.

Leia mais

DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR

DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR ASTRONOMIA DO SISTEMA SOLAR Enos Picazzio (IAGUSP 2006) DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES. Até o final do século XVII eram conhecidos:

Leia mais

+ qd + Prof.: Rhafael Roger

+ qd + Prof.: Rhafael Roger TEORIAS PLANETÁRIAS Desde a época do homem das cavernas o ser humano foi, é e sempre será fascinado pelo universo, seus mistérios, suas peculiaridades, seus fenômenos e seu misticismo. Em todas as civilizações

Leia mais

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Aula 1 Estrutura do Universo Interações fundamentais O Universo geocentrismo vs heliocentrismo Nicolau Copérnico Tycho Brahe Galileu e Galilei Ptolomeu afirmava

Leia mais

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Telescópios na Escola Osvaldo Souza (osvald.souza@usp.br) Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Recentemente o sistema educacional brasileiro vem aumentando

Leia mais

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES Mundo antes dos telescópios Terra não era contada como um planeta... Estrelas (6000) S l Lua Mercúrio Vênus Marte Júpiter Saturno Planetas estrelas :

Leia mais

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Astronomia Antiga Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Arqueoastronomia Arché (antigo) + Astro e Nomos (astronomia ou lei das estrelas); Monumentos megalíticos: Mega (grande)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão.

PLANO DE TRABALHO DOCENTE. 2. CONTEÚDOS BÁSICOS Empuxo, Densidade, Flutuação de Corpos, Pressão, O Princípio de Pascal, Vazão. Colégio Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Professor.: José Renato Batista Área de Conhecimento.: Física Série.: 1º Ano do Ensino Médio Período.: 2º Semestre 2010 PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1.

Leia mais

Física Aplicada à Engenharia I

Física Aplicada à Engenharia I Física Aplicada à Engenharia I Força e Movimento I: Leis de Newton O estudo do movimento ao longo do tempo Ao longo dos séculos o movimento foi sendo estudado por vários cientistas. Destes trabalhos três

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Ita 016) A partir do repouso,

Leia mais

Modelos planetários. AGA 292 Enos Picazzio

Modelos planetários. AGA 292 Enos Picazzio Modelos planetários AGA 9 Enos Picazzio Paraíso: Divina Comédia (Dante Alighieri- 165-131) 10 ESFERAS 1ª à 7ª planetas ptolomaicos 8ª estrelas fixas, morada da Igreja triunfante, 9ª "Primum Mobile www.settemuse.it/divina_commedia_index.htm

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 10 Gravitação e relatividade geral A lei da gravitação universal.

Leia mais

XII OBA PROVA DO NÍVEL 2

XII OBA PROVA DO NÍVEL 2 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: XII OBA PROVA DO NÍVEL 2 (Para alunos da 3 a e 4 a séries das escolas nas quais o ensino fundamental tem 8 anos e para alunos do 4 o ao 5 o ano das escolas nas

Leia mais

A Epistemologia de Imre Lakatos

A Epistemologia de Imre Lakatos ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências A Epistemologia de Imre Lakatos Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Imre Lakatos Nasceu na Hungria em

Leia mais

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009

... RIO DE JANEIRO, 22 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO-GERAL DIRETORIA DE ENSINO EXAME DE SELEÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CANDIDATOS À MATRÍCULA NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 UNIDADE ESCOLAR NOME DO(A) CANDIDATO(A):......

Leia mais

Problemas com o modelo de Ptolomeu.

Problemas com o modelo de Ptolomeu. Problemas com o modelo de Ptolomeu. - Apesar do seu imenso sucesso, o sistema de Ptolomeu teve que ser adaptado à medida que observações mais precisas eram feitas. - Uma saída comum era adicionar epiciclos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Um pouco de história Antigamente, antes dos telescópios serem usados nas observações

Leia mais

1. A planta, o planisfério e o globo terrestre são utilizados para representar, respectivamente:

1. A planta, o planisfério e o globo terrestre são utilizados para representar, respectivamente: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

Renascimento. Clique para adicionar texto

Renascimento. Clique para adicionar texto Clique para adicionar texto DEFINIÇÃO Renascimento: movimento artísticocultural, ocorrido na Europa Ocidental entre os séculos XV e XVI; conjunto de manifestações artísticointelectuais-científicas que

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

Aluno (a): Para as questões de Ciências Exatas têm que ser apresentados os respectivos cálculos.

Aluno (a): Para as questões de Ciências Exatas têm que ser apresentados os respectivos cálculos. Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Bateria de Exercícios Data: 08/04/2016 Turma: 9º Ano Área II Aluno (a): Prezado aluno caso prefira responder na

Leia mais

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio Professora: Renata Disciplina: Física Série: 2ª Aluno(a): Turma: 2ª Nº.: Caro(a) aluno(a), Os objetivos listados para esta atividade são parte

Leia mais

FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA

FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA O céu sempre foi motivo de fascinação e interesse para o homem. Chineses, indianos e as populações que habitavam as regiões consideradas como o berço da civilização

Leia mais