Redes de Computadores 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores 1"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIDADE DE LUCAS DO RIO VERDE UNIDADE 09: PROTOCOLOS Redes de Computadores 1 Profª Patrícia Graciela Pagliuca Lucas do Rio Verde-MT, abril de 2012

2 O que é Protocolo? SUMÁRIO ARP FTP RARP DNS BOOTP DHCP ICMP NAT SMTP WAP TCP TELNET UDP POP IP IMAP ENDEREÇAMENTO IP PPP MASCARA DE REDE HTTP CIDR SNMP REFERENCIAS IPX/SPX EXERCICIOS 2

3 O QUE É PROTOCOLO? Um protocolo de comunicação é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que permitem a comunicação através de uma rede. Esse conjunto de regras estabelece como um computador conecta-se ao outro, como se identifica, quando pode enviar ou receber informações e quanto tempo pode esperar para que cada evento ocorra, bem como a forma de se desfazer a conexão. (MIRANDA, 2007) 3

4 FTP File Transfer Protocol ou Protocolo de Transferência de Arquivos, oferece um meio de transferência e compartilhamento de arquivos remotos. Entre os seus serviços, o mais comum é o FTP anônimo, pois permite o Download de arquivos contidos em diretórios sem a necessidade de autenticação. (MIRANDA, 2007) 4

5 FTP Provê serviços de transferência, renomeação e eliminação de arquivos, além da criação, modificação e exclusão de diretórios. Para sua operação, são mantidas duas conexões: uma de dados e outra de controle. Não implementa segurança, o que deixa para o TCP, exceto as requisições de senhas de acesso a determinados arquivos (ou servidores FTP). As transferências de arquivos podem ser no modo TEXTO (arquivos ASCII), onde há conversões de codificação para o sistema destinatário, e o modo BINÁRIO (arquivos executáveis), onde não há nenhuma conversão e todos os bytes são transferidos como estão. (MIRANDA, 2007) 5

6 DNS (Domain Name System) é um mecanismo para gerenciamento de domínios em forma de árvore. Tudo começa com a padronização da nomenclatura onde cada nó da árvore é separado no nome por pontos. No nível mais alto podemos ter: COM (organizações comerciais), EDU (instituições educacionais), GOV (instituições governamentais), MIL (órgãos militares), ORG (outras organizações), NET (Netwotking), etc. O DNS possui um algoritmo confiável e eficiente para tradução de mapeamento de nomes e endereços. (MIRANDA, 2007) 6

7 DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) Com este protocolo, quando um sistema é ligado em rede, é lhe atribuído automaticamente um endereço IP único. Ao mesmo tempo, é fornecida uma série de parâmetros de rede, tais como o endereço do gateway, o endereço do servidor DNS, etc. O protocolo DHCP torna a tarefa do administrador de rede bastante fácil, pois a configuração é centralizada, e não distribuída em cada posto. É ideal para uso quando existem muitas máquina e utilizado por provedores de internet. (ALECRIM, 2005) 7

8 NAT (network address translation) é um protocolo que faz a tradução dos endereços IP e portas TCP da rede local para a Internet, ou seja, o pacote enviado ou a ser recebido de sua estação de trabalho na sua rede local, vai até o servidor onde é trocado pelo IP do mesmo substitui o IP da rede local validando assim o envio do pacote na internet, no retorno do pacote a mesma coisa, o pacote chega e o IP do servidor é trocado pelo IP da estação que fez a requisição do pacote. (AMADEU, 2004) 8

9 WAP Wireless Application Protocol ou Protocolo de Aplicação Sem-fio: é um protocolo desenvolvido para ambientes móveis que necessitem de informações independentemente de sua localidade física. Ele é um padrão desenvolvido por grandes empresas de telefonia móvel para ser usado de forma que aparelhos como celulares ou palms sejam capazes de acessar informações disponíveis na Internet. Com o WAP é possível acessar informações sobre contas bancárias, ler e até mesmo enviar s, consultar a programação da TV e realizar qualquer outra tarefa que esteja disponível na Internet para a tecnologia WAP através da mobilidade criada pelo uso de aparelhos celulares. (MIRANDA, 2007) 9

10 TELNET (Terminal Virtual) É um protocolo que permite a operação em um sistema remoto através de uma sessão de terminal. Com isso, a aplicação servidora recebe as teclas acionadas no terminal remoto como se fosse local. Utiliza a porta 23 do TCP. O TELNET oferece três serviços: Definição de um terminal virtual de rede, Negociação de opções (modo de operação, eco, etc.) e transferência de dados. (MIRANDA, 2007) 10

11 POP O Post Office Protocol (versão 4) é um protocolo utilizado no acesso remoto a uma caixa de correio eletrônico. O POP4 está definido no RFC 1225 e permite que todas as mensagens contidas na caixa de correio eletrônico remota possam ser transferidas sequencialmente para o computador local. Desta forma, o usuário pode ler as mensagens recebidas, apagá-las, respondê-las, armazenálas, etc. Tudo localmente e Off-line. (MIRANDA, 2007) 11

12 IMAP-Interactive Mail Access Protocol é outro protocolo para recebimento de e- mails, que difere do POP pelo fato de que os s continuam no servidor até serem deletados manualmente, ao contrário do POP, onde estes são apagados automaticamente. (OLIVEIRA et all, 2010) 12

13 PPP- Point-to-Point Protocol Um dos protocolos mais conhecidos para acesso via interface serial, permite que um computador faça uso do TCP/IP através de uma linha telefônica convencional e um modem de alta velocidade. É considerado o sucessor do SLIP por ser mais confiável e eficiente. (MIRANDA, 2007) 13

14 HTTP Hyper Text Transfer Protocol é o protocolo usado na World Wide Web (WWW) para a distribuição e recuperação de informação. A troca de informações entre um browser e um servidor Web é toda feita através desse protocolo, que foi criado especificamente para a WWW. O HTTP é o principal protocolo da internet. Embora a porta 80 seja a porta padrão dos servidores web, é possível configurar um servidor web para usar qualquer outra porta TCP. (OLIVEIRA et all, 2010; MENDES, 2007) 14

15 SNMP Simple Network Management Protocol É utilizado para trafegar as informações de controle da rede. De acordo com o sistema de gerenciamento da arquitetura TCP/IP, existem o agente e o gerente que coletam e processam respectivamente, dados sobre erros, problemas, violação de protocolos, dentre outros. Na rede existe uma base de dados denominada MIB (Management Information Base) onde são guardadas informações sobre máquinas, Gateways, interfaces individuais de rede, tradução de endereços, e softwares relativos ao IP, ICMP, TCP, UDP, etc. Através do SNMP é possível acessar aos valores dessas variáveis, receber informações sobre problemas na rede, armazenar valores, todos através da base do MIB. (MIRANDA, 2007) 15

16 IPX/SPX Internet Packet Exchange/Sequence Packet Exchange. Foi desenvolvido para suportar redes NetWare/Novell, redes de tamanho pequeno e médio e também tem a capacidade básica de roteamento. (MIRANDA, 2007) 16

17 ARP (Address Resolution Protocol) O ARP permite que um host encontre o endereço físico de um host destino, tendo apenas o seu endereço IP. Apesar de ter sido criado especificamente para uso com IP sobre Ethernet, devido à forma que foi implementado, seu uso não está restrito a este ambiente. É responsável por realizar o mapeamento de endereços lógicos (end IP) em endereços físicos (end MAC), quando utilizamos o IP em redes Ethernet. Este protocolo é aceito na Internet por meio da RFC 826. (MENDES, 2007) 17

18 ARP (Address Resolution Protocol) O ARP é dividido em duas partes: a primeira determina endereços físicos quando manda um pacote, e a segunda responde os pedidos de outros hosts. Geralmente antes de enviar, o host consulta seu cache ARP procurando o endereço físico. Se encontrar o endereço, anexa-o no frame e envia acrescentando os dados. Se o host não encontrar o endereço, é realizado um broadcast de pedido ARP. Se o PC A quer se comunicar com o PC B e não sabe seu endereço físico, envia um pacote ARP em modo broadcast pedindo informações para todos os computadores em operação na rede, O PC B reconhece que o pedido é o seu e responde. (MENDES, 2007) 18

19 ARP (Address Resolution Protocol) A segunda parte do código do ARP manuseia os pacotes recebidos da rede. Quando chega um pacote, o programa extrai e examina o endereço físico e IP para verificar se já existe a entrada no cache e atualiza novamente sobreescrevendo os endereços. Depois, o receptor começa a processar o resto do pacote. O receptor processa dois tipos de entrada de pacotes ARP: pedido ARP de um outro host : o receptor envia o endereço físico ao emissor e armazena o endereço do emissor no cache. Se o endereço IP do pacote recebido não for igual do receptor, o pacote ARP é ignorado. 19

20 ARP (Address Resolution Protocol) resposta de um pedido ARP: Após verificar a entrada no cache ARP, o receptor verifica primeiro a resposta com o pedido ARP enviado anteriormente. Enquanto o receptor espera pela resposta, as aplicações podem gerar outros pacotes que geralmente esperam na fila. Após verificar o endereço IP, o receptor atualiza os pacotes com o mesmo. O ARP retira os pacotes da fila depois de fornecer os endereços. Se durante o broadcast o destinatário não puder aceitar um pedido, o host emissor deve armazenar o pacote enviado para retransmiti-lo. Pode acontecer, também, de o hardware de um host ter sido substituído. Se algum host tentar enviar dados para ele, utilizará um endereço não existente na rede, por isso é importante atualizar e remover os endereços no cache em períodos regulares. 20

21 RARP(Reverse Adress Resolution Protocol) O RARP ou Protocolo de Resolução Reversa de Endereços é semelhante ao ARP, os dois possuem o mesmo formato de pacotes, o que permiti o aproveitamento de trechos de códigos já existentes, ou até a união dos dois num único programa. A única diferença é que o campo operação ganhou mais dois valores possíveis: RARP Request Reverse e RARP Reply Reverse. O protocolo RARP permite que se obtenha os endereços IP. A estação que não sabe seu IP, envia uma mensagem em broadcast com seu endereço físico, solicitando seu endereço IP. O servidor responde diretamente para a estação solicitante. (PISSURNO) 21

22 RARP(Reverse Adress Resolution Protocol) Há casos que é necessário resolver o problema inverso. Ex.: um computador sem HD é iniciado, ele dispara seu endereço físico tentando saber seu endereço lógico. Este protocolo resolve o problema e foi especificado na RFC 903. Sua desvantagem é o uso do broadcast, deixando a rede mais lenta. Outra desvantagem é ser necessário um servidor RARP em cada rede. (MENDES, 2007) 22

23 BOOTP Foi inventado para resolver o problema de broadcast. Ele utiliza mensagens UDP, que podem ser enviadas entre roteadores. Fornece informações adicionais para estações sem disco, mantém uma imagem na memória do end IP ligado ao end MAC, o end do roteador padrão e a máscara da sub-rede usada. Foi descrito na RFC 951. Usados em redes Novell. (MENDES, 2007) 23

24 24 ICMP - Internet Control Message Protocol Opera na camada Internet do modelo TCP/IP. O protocolo ICMP, por sua vez, é responsável por garantir que roteadores e equipamentos interligados a roteadores sejam informados de que um destino não está disponível na rede. Ex.: o uso do comando ping. Depois de ser executado, esse comando informa ao usuário ou ao roteador se um equipamento destino está ou não respondendo na rede. (MENDES, 2007)

25 ICMP é um protocolo que permite gerir as informações relativas aos erros nas máquinas conectadas. Dado os poucos controles que o protocolo IP realiza, permite não corrigir estes erros mas dá-los a conhecer aos protocolos das camadas vizinhas. Assim, o protocolo ICMP é utilizado por todos os switchs, que o utilizam para assinalar um erro (chamado Delivery Problem). (Kioskea.net) 25

26 SMTP - Simple Mail Transfer Protocol Implementa o sistema de correio eletrônico da Internet, operando via TCP é orientado à conexão, provê serviços de envio e recepção de mensagens do usuário. Tais mensagens são armazenadas num servidor de correio eletrônico onde o destinatário está cadastrado, até que este a solicite, quando são apagadas da área de transferência do sistema que originou a transferência. O SMTP divide a mensagem em duas partes: corpo e cabeçalho que são separados por uma linha em branco. No cabeçalho existe uma sequencia de linhas que identificam o emissor, o destinatário, o assunto, e algumas outras informações opcionais. (MIRANDA, 2007) Ex.: Sendmail, Lotus Notes e Outlook. 26

27 TCP Utilizado na camada de transporte. O TCP mantém um diálogo entre a origem e o destino enquanto empacota as informações da camada de aplicação, em unidades conhecidas por segmentos. A mensagem recebida da camada de aplicação será dividida em pedaços pequenos que serão repassados à camada de Internet. O TCP garante a entrega dos pacotes, assegura seu sequenciamento e providencia um checksum que valida tanto o cabeçalho quanto os dados do pacote. No caso de a rede perder ou corromper um pacote TCP durante a transmissão, é tarefa do TCP retransmitir o pacote faltoso ou incorreto. A retransmissão é feita baseando-se em um tempo acordado entre o receptor e o emissor. (MENDES, 2007) 27

28 28 TCP Essa confiabilidade torna o TCP o protocolo escolhido p/ transmissões baseadas em sessão, aplicativos cliente-servidor e serviços críticos, nos quais a qualidade é mais importante do que a velocidade. Para garantir a entrega dos pacotes, o protocolo TCP requisita que o destinatário informe, por meio do envio de um acknowledgement (ACK), qual foi o último pacote recebido com sucesso. Os segmentos desta camada trafegam entre dois computadores para confirmar que a conexão existe logicamente durante um certo período. Isso é conhecido como comutação de pacotes. (MENDES, 2007)

29 29 UDP O protocolo UDP (User Datagram Protocol) não é confiável, pois não implementa o ACK, janelas ou sequenciamento. O único controle feito é um checksum opcional, que está dentro do seu próprio header. O UDP é utilizado por aplicações que não geram altos volumes de tráfego na Internet. (MENDES, 2007)

30 IP (Internet Protocol) Não é confiável pois a entrega não é garantida, não tem controle de sequenciamento, não detecta erros nem informa o transmissor. É orientado a pacote, assim cada pacote é tratado independentemente dos outros. (ANGÉLICA, 2012) Foi padronizado no início da década de 1980, onde foi estabelecido que cada equipamento ligado à Internet deveria ser associado a um único endereço IP. Os roteadores devem informar um endereço IP diferente para cada interface de rede. Não existem 2 ou + equipamenos com o mesmo endereço IP. (MENDES, 2007) 30

31 ENDEREÇAMENTO IP A arquitetura TCP/IP propõe que o endereço IP deve identificar cada rede na Internet e identificar cada máquina da rede. O endereço é composto de números na faixa de 0 a 255 (4 byte). Sendo representado por: número.número.número.número Exemplo: ;

32 ENDEREÇAMENTO IP Classe Menor Endereço Maior Endereço A B C D E

33 ENDEREÇAMENTO IP Uma parte do endereço representa a rede e a outra parte representa o computador. O padrão as 5 classes de endereços IP foram estabelecidos pela IANA (instituição responsável pela atribuição de endereços para cada computador na Internet). Classe A: Utiliza o primeiro numero do endereço entre 1 e 127, sendo que os outros 3 bytes podem variar cada um deles entre 0 até 255. Os 24 bits restantes significam que essas redes podem ter 2 elevado a 24 ou computadores diferentes ligados a cada rede. Um bit fixo p/ identificar a classe do endereço 0 Identificador da rede Identificador do host 7 bits 24 bits 33

34 ENDEREÇAMENTO IP Classe B: Possui o primeiro byte com valores 128 a 191 e o segundo com valores entre 0 e 255. É possível endereçar até diferentes redes, e cada rede pode oferecer computadores conectados. 10 Identificador da rede Identificador do host Dois bits fixos p/ identificar a classe do endereço 14 bits 16 bits 34

35 ENDEREÇAMENTO IP Classe C: possuem no máximo 256 equipamentos conectados a rede, os endereços variam de 192 até 233. A IANA têm os primeiros 24 bits definidos pelo comitê. Esta classe pode trabalhar com possíveis redes.sobrando para o administrador local 8 bits para utilização em equipamentos. 110 Três bits fixos para identificar a classe do endereço Identificador da rede Identificador do host 21 bits 8 bits 35

36 ENDEREÇAMENTO IP Classe D: possui o primeiro byte superior a 224 e variam até 239. Essa classe é reservada para criar agrupamentos de computadores para o uso em transmissões multicast Endereço de Multicast Quatro bits fixos para identificar a classe do endereço 36

37 ENDEREÇAMENTO IP Classe E: Os endereços variam de 240 a 255. Esses endereços não podem ser utilizados para endereçar os computadores de usuários em redes configuradas no modelo de TCP/IP. Cinco bits fixos para identificar a classe do endereço Não definido Os 32 bits dos numeros IP, tornam possíveis 4 bilhões de computadores ligados em rede. Porém parte deste número é reservado pela IANA, o que leva a perda de 16 milhões de endereços IP somente na classe A. 37

38 Endereços Reservados Loopback address (endereço de retorno): iniciam com o valor 127 e foram reservados para receber informações de retorno dos servidores, ou seja, uma mensagem de dados destinada a um servidor 127.x.x.x deverá retornar para o emitente. Todas as vezes que um computador emitir uma requisição não passa da camada de rede para a camada de enlace (em redes TCP/IP). Ela simplesmente volta direto ao equipamento sem a utilização das camada inferiores. Quando essa resposta não acontecer, indicará um problema de software ou hardware no computador testado. Essa função é útil para efetuar testes e para otimizar a comunicação entre processos em um mesmo computador. (MENDES, 2007) 38

39 Endereços Reservados Rota-padrão: O endereço é reservado para uso como a rota-padrão do computador, assim toda vez que um destino for requisitado, e o endereço não estiver presente na rede local, o protocolo procura pelo endereço e avaliará a rota configurada previamente para direcionar a requisição. Endereço de broadcast: O endereço é reservado para tranmissões de pacotes em broadcast. Um transmissão em broadcast indica para todos os computadores da rede local que a informação recebdida deverá ser processada independetemente do seu endereço MAC ser ou não igual ao endereço MAC recebido do quadro Ethernet. O endereço MAC utilizado em transmissões broadcast é FF:FF:FF:FF:FF:FF. (MENDES, 2007) 39

40 Endereços Reservados Endereço IP público e privado: são utilizados em redes locais e não podem ser usados na internet. A RFC 1918 sugere o seguinte esquema de alocação de endereços IP nas redes privadas: Endereço IP não roteável Início Fim Classe A Classe B Classe C Qualquer administrador de Intranet e Extranet pode utilizar estes endereços, sem pedir para a IANA, pois não causaria problemas se estiverem ligados a Internet.Os roteadores ignoram estes pacotes de dados, não retransmite-os. (MENDES, 2007) 40

41 Máscara de Rede ou Sub-rede Ela determina o comportamento do endereço IP, quando se refere a rede e a qual e a equipamentos. A máscara de sub-rede informa aos dispositivos da rede que parte de um endereço é o campo da rede e que parte é o campo do computador. Normalmente uma máscara de sub-rede tem os bits iguais a 1 para a parte do endereço de rede e os bits iguais a 0 para a parte de endereçamento das máquinas, como esta máscara deve trabalhar com um endereço IP o tamanho dela será de 32 bits (4 bytes). (MIRANDA, 2007) 41

42 Máscara de Sub-rede A tabela a seguir mostra a máscara de sub-rede padrão para as redes Classe A, B e C. Os bits 1 são utilizados para o endereço da rede e os bits 0 servem para endereçar os computadores em cada sub-rede. É possível emprestar alguns bits 0 para criar sub-redes, quando isso acontece, a rede não esta mais fazendo uso da máscara padrão e sim de uma outra máscara de sub-rede que foi adotada devido às exigências e as particularidades de cada rede LAN. O número de bits emprestados indicará quantas sub-redes podemos criar dentro da nossa rede. (MIRANDA, 2007) 42

43 Classe Máscara de Sub-rede Máscara de Sub-rede Padrão A B C Classe A -> endereço de rede > máscara ; Classe B -> endereço de rede > mácara ; Classe C -> máscara A máscara de rede afeta somente a interpretação local de n. IP. A máscara não é o n. IP, ela é utilizada para definir qual parte do endereço IP refere-se à parte de rede. 43

44 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) foi introduzido em 1993, como um refinamento para a forma como o tráfego era conduzido pelas redes IP. Permitindo flexibilidade acrescida quando dividindo margens de endereços IP em redes separadas, promoveu assim um uso mais eficiente para os endereços IP cada vez mais escassos. O CIDR está definido no documento RFC (MIRANDA, 2007) Em Portugues: Roteamento Inter-Domínios sem-classe. É utilizado para retardar o encolhimento da quantidade de endereços IP até a chegada da próxima geração do IP (versão 6). O CIDR tem por objetivo evitar desperdício de endereços IP. (MENDES, 2007) 44

45 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) O CIDR usa máscaras de comprimento variável, para alocar endereços IP em sub-redes de acordo com as necessidades individuais e não nas regras de uso generalizado em toda a rede. Assim a divisão de endereçamento de Rede (bits 1) e endereçamento de Computadores (bits 0) poderia ocorrer em qualquer fronteira de bits no endereço IP. Devido a que as distinções de classes normais são ignoradas, o novo sistema foi chamado de roteamento sem classes. Isto levou a que o sistema original (aquele visto anteriormente) passasse a ser chamado de roteamento de classes. (MIRANDA, 2007) 45

46 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) Um exemplo de um endereço IP na nomenclatura CIDR é: /22, o número (/22) indica que estamos trabalhando com 22 bits (de valor 1) na máscara de sub-rede. Este IP representa os 1024 (2^10) endereços IPv4 de até inclusive, com sendo o endereço de Broadcast para essa rede. (MIRANDA, 2007) 46

47 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) Ex. 2: Se uma empresa precisar de 500 endereços Ips para equipamentos, ela receberia uma rede da classe C com máscara (/22), ou seja, 2 elevado a 10 é igual a 512. O /22 significa que os 22 bits mais significativos se referem à rede, e ainda sobram 10 bits para endereçamento de equipamentos. Caso utilizassemos a máscara , estaríamos fornecendo 2 elevado a 16 bits, o que corresponderia a endereços. Estaríamos desperdiçando milhares de endereços IPs. (MENDES, 2007) 47

48 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) A máscaras correspondem a 32 bits, sendo contados a quantidade de bit 1 da esquerda para direita = / = / = / = / = / = /25 48

49 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) Enquanto os endereços válidos da Internet estão se tornando escassos, empresas e indivíduos podem maximizar o uso do seu atual espaço de endereçamento e até mesmo expandir seu espaço através do uso de endereços privados. CIDR também pode ser usado para melhorar a segurança e aumentar o tempo de resposta da rede através do uso de sub-redes. (MIRANDA, 2007) 49

50 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) Região Início Fim Europa América do Norte América Centra e do Sul Ásia e região do Pacífico Faixas de endereços válidos na Internet 50

51 CIDR (Classless Inter-Domain Routing) (MIRANDA, 2007) 51

52 Glossário de Redes Gateways: São elementos de interconexão de concepção mais complexa; Compatibiliza diferenças estruturais e de protocolos existentes entre duas redes. Os gateways devem possuir duas pilhas de protocolos: uma baseada nomodelo OSI de 7 camadas e outra baseada na arquitetura proprietária. 52

53 Glossário de Redes IPv6: atualização do IPv4, agora operando com 128 bits, sendo dividido em 8 pares de 16 bits. Ex.: 0:0:0:0:0:0: ou abreviado ::

54 Referências MENDES, Douglas Rocha. Redes de Computadores: Teoria e Prática. São Paulo: editora Novatec, MIRANDA, Anibal D.A. Introdução às Redes de Computadores. 1 a Edição. Vila Velha, ES: ESAB, AMADEU, Renato. Afinal, o que é NAT? artigo disponivel em: <http://imasters.com.br/artigo/1904/redes/afinal_o_que_e_nat/> no dia 26/03/2004. Acesso em 11/04/2012. PISSURNO, Gabriela. PROTOCOLOS ARP E RARP. Acesso em 05/04/2012. Kioskea.net. O protocolo ICMP. Acesso em: <http://pt.kioskea.net/contents/internet/icmp.php3> no dia 05/04/2012. ANGÉLICA, Antonio dos Santos. Introdução a Redes de Computadores. Acesso em: <http://www.m8.com.br/antonio/redes/index.htm> no dia 05/04/2012. ALECRIM, Emerson. Protocolo DHCP. Publicado em: 23/03/2005. Acesso em: <http://www.infowester.com/printversion/dhcp.php> no dia 05/04/

55 EXERCÍCIOS 1. Comente sobre 5 protocolos que achou mais interessante. 2. Por que os endereços IP vão somente de 0 até 255? (2 pontos) 3. Transforme o endereço IP em decimal. (2 pontos) 4. A qual classe pertence o endereço de máscara ? Identifique a notação CIDR do endereço. (2 pontos) 55

56 5. Na tecnologia Internet, o elemento principal de endereçamento, identificador de uma máquina conectada à rede, é: a) TCP b) UDP c) IPX d) IP e) SPX 56

57 6. Sobre os Ips reservados é correto afirmar: a) O endereço é reservado para broadcast na rede local. b) O endereço é conhecido por endereço de loopback. c) O endereço está na faixa de endereços da classe C. d) O endereço é reservado como endereço de Broadcast. 57

58 7. Um serviço muito utilizado em ambientes Internet, tendo como porta padrão de funcionamento a TCP 80: a) DNS b) FTP c) TELNET d) HTTP e) POP4 58

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes Nome do Curso: Técnico em Informática Nome da Disciplina: Redes de Computadores Número da Semana: 2 Nome do Professor: Dailson Fernandes Elementos da Comunicação Protocolos Regras Padrões Controle Possibilitam

Leia mais

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Histórico Objetivos Camadas Física Intra-rede Inter-rede Transporte Aplicação Ricardo Pinheiro 2 Histórico Anos

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS Arquitetura TCP/IP Por André Luís Santos de Aguiar Visitantes: http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip Índice 1. HISTÓRICO 2. MODELO

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Sub-redes NAT CIDR Protocolos de controle Sub-redes Todos os hosts de uma rede devem ter o mesmo número de rede Ex.: Universidade pega endereço de classe

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação 43 O Modelo OSI Para que sistemas diferentes possam comunicar em rede, é necessário garantir que todos eles respeitem as mesmas regras. Para isso,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES PROTOCOLOS MODELO OSI PROF. ALEXANDRE

REDES DE COMPUTADORES PROTOCOLOS MODELO OSI PROF. ALEXANDRE REDES DE COMPUTADORES PROTOCOLOS MODELO OSI PROF. ALEXANDRE Camadas Para reduzir a complexidade de seu projeto, as redes de computadores são, em sua maioria, organizadas em camadas ou níveis, que representam

Leia mais

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam.

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam. I. Número de IP II. Máscara de Sub-Rede III. Gateway Padrão (Default Gateway) IV. DNS V. DHCP VI. Portas VII. Outros Termos VIII. Visão Geral de uma rede TCP/IP IX. Protocolos do TCP/IP TCP/IP (Transmission

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Arquitetura da Internet: TCP/IP www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Toda a estrutura atual da Internet está fundamentada na suíte de protocolos

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP Prof. MSc. Hugo Souza É uma pilha de protocolos de comunicação formulada em passos sequenciais de acordo com os serviços subsequentes das camadas pela

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte V Inicialização e auto-configuração (RARP, BOOTP e DHCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte V Inicialização e auto-configuração (RARP, BOOTP e DHCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte V Inicialização e auto-configuração (RARP, BOOTP e DHCP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Atribuição de endereço IP RARP (Reverse ARP) BOOTP (BOOTstrap Protocol) DHCP

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 4 PROTOCOLO ARP...5 ARP - ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL...5 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ARP...5 CACHE ARP... 6

Sumário INTRODUÇÃO... 4 PROTOCOLO ARP...5 ARP - ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL...5 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ARP...5 CACHE ARP... 6 IESPLAN Instituto de Ensino Superior Planalto Departamento de Ciência da Computação Curso: Ciência da Computação Disciplina: Engenharia de Software Professor: Marcel Augustus O Protocolo ARP Brasília,

Leia mais

by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES)

by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES) by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES) Número de IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão (Default Gateway) DNS DHCP Portas Outros Termos Visão Geral de uma rede TCP/IP Protocolos do TCP/IP

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 2. TCP/IP i. Fundamentos ii. Camada de Aplicação iii. Camada de Transporte iv. Camada de Internet v. Camada de Interface

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo IP

Redes de Computadores. Protocolo IP Redes de Computadores Protocolo IP Sumário! Endereços IP Classes de endereços Tipos de endereços Endereços especiais Máscaras Redes privadas Endereçamento IP dinâmico 2 Esquema de endereçamento IPv4! Endereços

Leia mais