FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000. BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ASPECTOS SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDE E FERRAMENTAS DE INSPEÇÃO DE TRÁFEGO LIVIA GIULIANI ALVES EUSTAQUIO Uberlândia MG 2008

2 LIVIA GIULIANI ALVES EUSTAQUIO ASPECTOS SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDE E FERRAMENTAS DE INSPEÇÃO DE TRÁFEGO Trabalho de final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Esp. Alexandre Campos. Uberlândia MG 2008

3 LIVIA GIULIANI ALVES EUSTAQUIO ASPECTOS SOBRE A NEUTRALIDADE DE REDE E FERRAMENTAS DE INSPEÇÃO DE TRÁFEGO Banca Examinadora: Trabalho de final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Esp. Alexandre Campos Uberlândia, 28 de Agosto de Prof. Esp. Alexandre Campos Profa. Dra Kátia Lopes Silva Prof. Esp. Leandro de Souza Lopes Uberlândia MG 2008

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho primeiramente a Deus, pois, sem ele nada seria possível. A todos que me incentivaram a concluir mais esta etapa da minha vida. Em especial, aos meus pais, José Maria e Aparecida, minha irmã que adoro Eloainy, pelo esforço, dedicação e compreensão e por acreditarem que este sonho iria se realizar.

5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Deus e a Nossa Senhora Desatadora dos Nós, pelo dom da vida que me deu, pela luz que nunca se apagou, iluminando os meus passos, e por tudo o que não pode ser expresso com palavras. Especialmente, aos meus pais, José Maria e Aparecida, pela vida, pelo amor e pelo exemplo de luta, o meu agradecimento eterno, amo vocês. Agradeço minha irmã Eloiany por sempre estar ao meu lado incentivando em tudo em minha vida. Agradeço as minhas amigas Marselha e Elânia que, nesta caminhada, embarcaram comigo no meu sonho, incentivando e colaborando com os seus conhecimentos e sabedoria. Ao meu amigo, Paulo, pelo comprometimento e empenho na tradução. Ao meu orientador, Prof. Alexandre Campos, pelo incentivo, confiança e dedicação. A todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a elaboração deste trabalho. Finalmente, aos demais componentes da banca examinadora pelo tempo despendido para a leitura e análise deste trabalho. A todos, muito obrigada.

6 RESUMO No inicio da utilização da Internet as aplicações eram basicamente para troca de informações textuais, seja pela troca de s, transferência de (FTP), ou através da utilização de consoles remotos (Telnet). Com a evolução natural da infraestrutura tecnológica incorporaram-se novos tipos de mídias às aplicações, notadamente mídias contínuas, como áudio e vídeo. As aplicações que manipulam de forma integrada diferentes tipos de mídia, conhecidas como aplicações multimídia, têm como requisito comum a exigência de certa qualidade de serviço da infra-estrutura de rede da qual elas fazem uso, para que possam funcionar de maneira apropriada. Este trabalho apresenta a evolução e funcionalidade da Internet por camadas de pacotes, juntamente com os aspectos da Neutralidade de Rede Net Neutrality que permite que as pessoas possam comunica-se independentemente do lugar onde estejam e não desejam que operadoras possam bloquear estes acessos. Já para as operadoras de telecomunicação a liberdade deste segmento pode trazer prejuízo, pelo fato delas não poderem fazer cobranças diferenciadas para o acesso à Internet as quais julgam ser uma desvantagem da Neutralidade de Rede. Outro aspecto que é apresentado são as Ferramentas de Inspeção de Tráfego DPI Inspeção Profunda de Pacotes os quais são desenvolvidas para que os canais de informação da Internet não fiquem congestionados parando assim a entrega da comunicação. São ferramentas de proteção interna e externa da rede, sem comprometer o desempenho da mesma. Desta forma este trabalho serve como material de apoio e pesquisa para pessoas interessadas neste assunto possa adquirir conhecimentos básicos sobre os aspectos da Neutralidade de Rede e Ferramentas de Inspeção de Tráfego na Internet. PALAVRAS-CHAVE: neutralidade de rede, ferramentas de inspeção de tráfego, inspeção profunda de pacotes, DPI.

7 ABSTRACT In I begin him/it of the use of Internet all the applications that came along with it, were basically for the exchange of textual information, either for the exchanging and transference of files (FTP), or through the network protocol use (Telnet). With the natural evolution of the technological infrastructure, new types of medias to the applications had been incorporated, evidently uninterrupted medias, like audio and video. The applications that manipulate the integrated form different types of media, known as multimedia applications, have as common requisite the requirement of a certain quality of service of the net infrastructure of which they make use, so that they can work in an appropriate way. This work will present the evolution and the functionality of the Internet with the aspects of the Net Neutrality that allows the people to can he/she communicates independently of the place where you/they are and they don't want operators to block these accesses. Therefore, for the telecommunication operators, the availability of this segment can bring loss, for the fact that they cannot make any differentiated charges for the access to the Internet in which they judge to be a disadvantage of the Net Neutrality. Another aspect that it will be presented is the Tools of Inspection of Traffic DPI Deep Packet Inspection that is developed to ensure equitable bandwidth to all users by preventing network congestion. They are protection tools it interns and it expresses of the net, without committing the acting of the same. In such a way this present work will be used as a support and research for people interested in this subject and also to acquire basic knowledge on the aspects of the Net Neutrality and Deep Packet Inspection on the Internet. KEY WORDS: Net Neutrality, Traffic Inspection Tools, Deep Packet Inspections, DPI

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Funcionamento conexão ADSL Figura 2 Taxa de freqüência ADSL2 e ADSL Figura 3 Arquitetura do TCP/IP Figura 4 Alguns Protocolos Figura 5 Exemplo de conexão TCP Figura 6 Modelo de VoIP Figura 7 O número de subscritores ativos que usam aplicações diferentes Figura 8 Modelo para QoS Figura 9 Forma geral de um pacote IPv Figura 10 Estrutura do cabeçalho Ipv

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Camadas do Modelo de Referência TCP/IP Quadro 2 Protocolos TCP/IP Quadro 3 Serviços e Protocolos TCP/IP Quadro 4 Comparativos das tecnologias de rede para transmissão de voz... 43

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS ADSL Asymmetric Digital Subscriber ARP Address Resolution Protocol ARPA Advanced Research Projects Agency ARPANET Advanced Research Projects Agency Network CAR Committed Access Rate CERN Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire DPI Deep Packet Inspection DSL Digital Subscriber Line FCC Federal Communication Comission FTP File Transfer Protocol HTML Hypertext Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol ICMP Internet Control Message Protocol IGMP Internet Group Management Protocol IP Internet Protocol ISP Internet Service Provider MILNET MILitary NETwork NCP Network Control Protocol OSI Open Systems Interconnection P2 Peer-to-peer-P2P POP3 Post Office Protocol 3 PPPoE Point-to-Point Protocol over Ethernet QoS Quality of Service RARP Reverse Address Resolution Protocol RTP Real Time Protocol SMTP Simple Mail Transfer Protocol SNMP Simple Network Management Protocol TCP Transmission Control Protocol UDP User Datagram Protocol XML Extensible Markup Language

11 WAN Wide Area Network VSDL - Very-high-bit-rate Digital Subscriber Line MIB Management Information Base RITS Rede de Informações do Terceiro Setor COPE - Communications Opportunity, Promotion and Enhancement Act PSIs Provedores de Serviço Internet UTM - Unified Threat Managemen

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Cenário Atual Objetivo do Trabalho Objetivo Geral Objetivo Específico Justificativa para Pesquisa Organização do Trabalho FUNCIONAMENTO DA INTERNET 2.1 Introdução Tecnologia ADSL Protocolos de Internet Modelo de Referencia OSIxTCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace Camada Física Protocolo da Arquitetura TCP/IP Protocolo IP Protocolo TCP Protocolo TCP e Controle de Fluxo Controle de Fluxo - Stop And Wait Controle de Fluxo - Sliding Window HTTP (Hyper Text Transfer Protocol) O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) FTP (File Transfer Protocol) SNMP (Simple Network Management Protocol) UDP (User Datagrama Protocol) ARP (Address Resolution Protocol) RARP (Reverse Address Resolution Protocol) ICMP (Internet Control Message Protocol) IGMP (Internet Group Management Protocol) Algumas aplicações da Internet Voip - Voz sobre IP Peer-to-Peer- P2P Protocolo Fasttrack BitTorrent Web Mail Correio Eletrônico NEUTRALIDADE DE REDE (NET NEUTRALITY) 3.1 Introdução Origem da Neutralidade de Rede Argumentos Favoráveis à Neutralidade de Rede Argumentos Desfavoráveis à Neutralidade de Rede Quebra da Neutralidade de Rede...56

13 4. FERRAMENTAS DPI DEEP PACKET INSPECTION (INSPEÇÃO PROFUNDA DE PACOTES) 4.1 Introdução Fornecedores DPI Deep Packet Inspection Ellacoya Allot Packteer Sandvine Traffic Shaping (Modelagem de Tráfego) Objetivos do Traffic Shaping Aspectos e Necessidade do Traffic Shaping Inspeção e Controle de Tráfego Exemplos de Ferramentas IPv6 e Traffic Shaping Traffic Policing (Policiamento de Tráfego) CONCLUSÃO 5.1 Trabalhos Futuros...76

14 14 1 INTRODUÇÃO 1.1 Cenário Atual Atualmente a Internet, a rede mundial de computadores, é um privilégio aos usuários da vida moderna e está em freqüente expansão, revolucionando o mundo dos computadores e das comunicações. Ela funciona como mecanismo de disseminação da informação e divulgação mundial e um meio para colaboração e interação entre indivíduos e seus computadores, independentemente de suas localizações geográficas. Representa um dos mais bem sucedidos exemplos dos benefícios da manutenção do investimento e do compromisso com a pesquisa e o desenvolvimento de uma infra-estrutura para a informação. Começando com as primeiras pesquisas em trocas de pacotes, o governo, a indústria e o meio acadêmico tem sido parceiros na evolução e uso desta excitante tecnologia. Uma vez que, com a globalização o uso da Internet tem se tornado indispensável para esses setores, pois através dela é possível buscar e trocar informações de maneira rápida e eficiente com o mundo sem sair do lugar. A Internet surgiu nas décadas de 60 e 70 com objetivo inicial de atender as necessidades militares do governo americano. O governo norte-americano queria desenvolver um sistema para que seus computadores militares pudessem trocar informações entre si, de uma base militar para outra e que mesmo em caso de ataque nuclear os dados fossem preservados, ou seja, uma tecnologia de resistência e segura. Foi assim que surgiu então o antecessor da Internet a ARPANET (Advanced Research Projects Agency Network) criada pela ARPA (Advanced Research Projects Agency) no ano de 1969 com o objetivo de interligar as universidades juntamente com as bases militares do governo americano. (TANENBAUM, 1997). Na década de 80 a ARPA cedeu os direitos do código dos protocolos TCP/IP à Universidade da Califórnia para que fosse distribuído junto com o sistema operacional UNIX (Unics Uniplexed Information and Computing System). A ARPA solicitou que todos os computadores que estavam conectados a ARPANET para que utilizassem os protocolos TCP/IP. Com isso, esses protocolos se difundiram rapidamente, visto que não eram aplicativos comerciais. Com o passar dos anos, a Internet vem se popularizando e se tornando um

15 15 dos meios de comunicação mais eficazes do planeta. Sua utilização abrange desde fins pessoais e comerciais até fins não-legais. (TANENBAUM, 1997 p.253). A ARPA iniciou suas atividades voltando-se para tecnologia de interligação em redes em meados da década 1970, e a arquitetura e os protocolos adquiriram sua forma atual por volta de (Douglas E. Comer, 1998 p.305) Em Janeiro de 1983, a ARPANET mudou seu protocolo NCP (Network Control Protocol) para pilha TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol). O sucesso do sistema criado pela ARPANET foi tanto que as redes também foram voltadas para a área de pesquisas científicas das universidades. Com isso, a ARPANET começou a ter dificuldades em administrar todo este sistema, devido ao grande e crescente número de localidades universitárias contidas na mesma. Dividiu-se então este sistema em dois grupos a MILNET (Military Network NCP) (rede exclusiva para órgão militares), que possuía as localidades militares, e a nova ARPANET que possuía as localidades não militares. A transição para a tecnologia da Internet foi completa em janeiro de 1983, quando o Office of the Secretary of Defense ordenou que todos os computadores conectados a redes de longa distância utilizassem o TCP/IP. (Douglas E. Comer, 1998 p.305) Contudo, a Internet, como é conhecida, com sua interatividade como arcabouço de redes interligadas de computadores e seus conteúdos multimídia só se tornou possível no ano de 1990 pela contribuição do cientista Tim Berners-Lee e ao CERN (Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire) - Centro Europeu de pesquisas nucleares, que criaram a World Wide Web, o qual já havia criado o projeto de HTML Hyper Text Transfer Protocol, http Hypertext Transfer Protocol e primeiras páginas web, inicialmente interligando sistemas de pesquisa científicas e mais tarde acadêmicas ligadas às universidades. Segundo pesquisas realizadas, no ano de 1993, Tim Berners-Lee lançou um projeto chamado de Navegador Mosaic 1.0, mas foi apenas no final de 1994 que houve interesse do público na Internet. A palavra Internet só foi de uso comum, principalmente nos paises desenvolvidos no ano de 1996, referindo-se na maioria das vezes a WWW. A Internet hoje é uma larga infra-estrutura de informações, o protótipo inicial do que é frequentemente chamado a Infra-Estrutura Global da Informação.

16 16 A história da Internet é complexa e envolve muitos aspectos tecnológicos, econômicos, organizacionais e comunitários. Sua influência atinge não somente o campo técnico das comunicações via computadores, mas toda a sociedade na medida em que usa cada vez mais ferramentas online para fazer comércio eletrônico, adquirir informação, elaborar pesquisas e operar em comunidades. A Internet é um grande exemplo de um sistema de grande escala, bastante engenhado, ainda que muito complexo. A Internet é extremamente heterogênea, pois, por exemplo, as taxas de transferência de dados e as características físicas das conexões variam bastante. Adicionando à sua complexidade está a capacidade de mais de um computador utilizar a Internet através de um nó de rede com um endereço IP público chamado de proxy (um tipo de servidor que atua nas requisições dos seus clientes executando os pedidos de conexão a outros servidores), criando a possibilidade de sub-redes hierárquicas, que poderiam ser estendidas infinitamente (exceto pelas limitações técnicas de segurança por exemplo do protocolo IPv4, o qual é a quarta versão do protocolo IP). No IPV4, os endereço IP são compostos por 4 blocos de 8 bits (32 bits no total), que são representados através de números de 0 a 255, como " " ou " ". É importante compreender que a Internet não é um novo modelo de rede física. Ao contrário, é um conjunto de redes físicas ligadas entre si e de convenções sobre o uso de redes que estabelecem a conexão entre computadores. (Douglas E. Comer, 1998) Todas as redes conectadas pelo endereço IP na Internet comunicam-se para que todas possam trocar mensagens. Através da National Science Foundation, o governo norte-americano investiu na criação de backbones (que significa espinha dorsal, em português), que são poderosos computadores conectados por linhas que tem a capacidade de dar vazão a grandes fluxos de dados, como canais de fibra óptica, elos de satélite e elos de transmissão por rádio. Além desses backbones, existem os criados por empresas particulares. A elas são conectadas redes menores, de forma mais ou menos anárquica.

17 17 Hoje, a maioria dos sistemas operacionais comerciais inclui e instala a pilha TCP/IP por padrão. Para a maioria dos usuários, não há nenhuma necessidade de procurar por implementações, o TCP/IP é incluído em todas as versões do Unix e Linux, assim como no Mac OS X e no Microsoft Windows. Uma das características da Internet é que ela é interativa, não apenas absorve conteúdo, mas publica conteúdo, como por exemplo, a Web 2.0 que é um ambiente de orientação a conhecimento onde interações humanas geram conteúdos que são publicados, geridos e utilizados através de aplicações de rede em uma arquitetura orientada a serviços. Na Web 2.0 os softwares funcionam através da Internet, não somente instalados no computador local, de forma que vários programas podem se integrar formando uma grande plataforma. Por exemplo, os seus contatos do programa de podem ser usados no programa de agenda, ou pode-se criar um novo evento numa agenda através do programa de . Os programas funcionam como serviços em vez de vendê-los em pacotes. "Web 2.0 é a mudança para uma Internet como plataforma, e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência coletiva". (Tim O'Reilly). O termo Web 2.0 é uma expressão muito popular, é uma buzzword (é um BUZZ em torno de um novo termo, ou seja, o aparecimento de uma palavra até então desconhecida), um conceito de marketing. Desenvolveram alguns protocolos básicos que permitem a interação de vários processos na Internet, através de Standards (Normas para Web). Os objetos de XML - Extensible Markup Language (manipulação do arquivo texto em diferentes programas e sistemas operacionais) que foram uniformizados com propósitos de negócio na área da voz, pagamentos ou encomendas. Os standards podem ser utilizados nos negócios para aumentar a produtividade ou fomentar a comunicação. A Web 2.0 começou por aplicar standards a comunicações de negócios, automatizando práticas comerciais. Mas tornou-se mais abrangente que isso. Os serviços da Web exigem recursos físicos computadores, comunicações, processamento, memória... Só que agora há aplicações que não querem saber que máquinas estão a ser usadas, o que é positivo. Cada máquina pode ser encarada como um recurso virtual e, se deixar de funcionar, podemos mudar a aplicação para outra que não está avariada. Além disso, se um processo de

18 18 negócio exigir maior capacidade de computação é possível juntar duas ou três máquinas, através da virtualização de recursos. (Vinton Cerf) A Internet é uma via de duas mãos, ao contrário da TV convencional e do rádio analógico, por exemplo. Isso permite que se instale um espaço de expressão livre, onde um domínio tem o mesmo peso que qualquer outro. Ela surgiu sem despertar muita atenção das empresas de telecomunicações, usando justamente as redes destas para fazer trafegar seus conteúdos. Agora, quando a Internet se torna o novo paradigma das comunicações e outras mídias já começam a incorporar o IP - Internet Protocol, as donas das redes (operadoras de telefonia fixa e de TV a cabo) perceberam que elas podem auferir enormes vantagens com o controle da infraestrutura da Internet. As empresas de telecomunicação como a AT&T, Verizon e Comcast estão conseguindo mudanças de regras que desfiguram a Internet como a conhecemos, em sua condição essencial de rede de comunicação livre, sem discriminações. Foi assim que essas empresas exerceram um poderoso lobby e conseguiram que o órgão regulador norte-americano a Federal Communication Comission (FCC), revisse o princípio da Neutralidade de Rede. Desta forma, este trabalho serviu como material de estudo e de referência para que as pessoas interessadas neste assunto que é a Internet possam adquirir conhecimento sobre as mudanças e evolução que a Internet está sofrendo, ao longo do tempo.

19 Objetivos do Trabalho Objetivo Geral Este trabalho tem como objetivo principal mostrar o funcionamento da Internet com os aspectos sobre a Neutralidade de Rede ou Net Neutrality, que é um assunto pouco explorado e muito discutido no mundo inteiro, principalmente nos Estados Unidos, juntamente com as tecnologias de Inspeção de Tráfegos, controladores de IP, com ferramentas DPI (Deep Packet Inspection), para se ter um alto nível de confiabilidade no acesso à Internet Objetivo específico Descrever como é o funcionamento da Internet, por camadas de pacotes e vários caminhos; Mostrar o cenário da Neutralidade de Rede; Descrever o conceito e origem da Neutralidade de Rede; Apontar argumentos favoráveis e desfavoráveis à Neutralidade de Rede e sua quebra; Abordar o conceito e alguns fornecedores das Ferramentas de Inspeção de Tráfego DPI (Deep Packet Inspection) e alguns exemplos Justificativa para a Pesquisa Apresentar um assunto pouco difundido na Internet que é a Neutralidade de Rede e mostrar os seus benefícios, seus argumentos e as conseqüências de sua quebra. Este trabalho também irá mostrar o funcionamento de aplicação de Inspeção de Tráfego. Apresentando conceitos sobre a Internet a qual é uma rede global que conecta milhões de computadores e pessoas e está em pleno crescimento, evolução e discussão.

20 Organização do Trabalho Este trabalho está organizado da seguinte forma: no capitulo 1 apresentará de modo geral, o surgimento da Internet e os dados e informações que serão abordados neste trabalho. No capitulo 2 abordará o funcionamento da Internet em geral por camadas de pacotes. O capitulo 3 irá descrever o conceito e origem da Neutralidade de Rede, juntamente com os aspectos favoráveis e desfavoráveis e sua quebra. Já o capitulo 4 abordará o que são as ferramentas de DPI (Deep Packet Inspection) e seus fornecedores. Para concluir o trabalho, no capítulo 5 será apresentada a conclusão.

21 21 2 FUNCIONAMENTO DA INTERNET 2.1 Introdução A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo mundo inteiro de forma integrada viabilizando a conectividade independente do tipo de máquina que seja utilizada, para manter essa multi-compatibilidade se utiliza de um conjunto de protocolos e serviços em comum, podendo assim, os usuários a ela conectados usufruírem de serviços de informação de alcance mundial. A comunicação via Internet pode ser de diversos tipos: Dados, Voz, Vídeo e Multimídia. Devido a recursos cada vez mais "pesados", uma maior velocidade das transmissões torna-se cada vez mais necessária. A facilidade do acesso à rede vem estimulando inúmeras novas aplicações, incluindo streaming de áudio e vídeo, voz sobre IP, bem como uma variedade de maneiras de trocar informações, como sistemas para facilitar a interação entre grupos. (Vinton Cerf, 2006) Para um pacote de dados o caminho percorrido, nem sempre segue da fonte direto ao destino, pelo contrário, isto é até bem raro. Mais comum, são os dados percorrerem caminhos diversos, passando por vários computadores até o destino, visando sempre o menor trajeto, apesar disto, o processo é bem rápido. Com a aparição e uso mais difundido da Intranet, integrando redes internas de grandes empresas com a Internet, a utilização da mesma vem sendo cada vez mais diversificada. Os protocolos são a base do funcionamento da Internet, eles são regras para trocas de informações que garantem que computadores se comuniquem de forma eficiente. Diferentemente das redes telefônicas baseadas em tráfego comutado por centrais, a Internet baseia-se na troca de pacotes entre roteadores. Um arquivo, seja ele uma imagem, texto ou uma sessão de voz é transformado em pacotes de informação, ou seja, pacotes IP que são enviados através da rede de um roteador para outro. Todos os computadores ligados à Internet possuem um endereço próprio e os pacotes são simplesmente enviados de um roteador para outro, cujo endereço mostre que ele está mais perto do destinatário final do pacote. No processo de distribuição dos pacotes para envio ao destinatário por um roteador, os pacotes

22 22 pertencentes a um mesmo arquivo podem até mesmo chegar ao destinatário final através de diferentes vias, se em algum momento o caminho mais curto estiver desabilitado ou congestionado. É importante se ter em mente que a Internet é uma poderosa ferramenta de uso geral, nela pode trafegar qualquer tipo de informação que seja digital. Pode se referir ao fato de que como é possível trafegar na rede IP vários tipos de conteúdos (texto, dados, voz, audiovisual, etc), estas redes são inerentemente mais eficientes que redes dedicadas a um só tipo de conteúdo como as redes de voz na telefonia, por exemplo. Gosto de pensar na Internet sem fronteiras. Cada vez mais os fornecedores de rede vão descobrir formas de fazer coisas inteligentes dentro das suas redes. A pergunta que se coloca é até que ponto eles podem trabalhar com fornecedores de aplicativos de modo a melhor satisfazer as necessidades dos utilizadores? (Robert Kahn, 2006) Quando a Internet iniciou, utilizava-se uma rede de acesso disponível de forma universal, entretanto a característica técnica do processamento de informações via sistema de telefonia permitiam apenas velocidades muito baixas, limitadas, na prática, a cerca de 50 Kbps (kilobits por segundo) no modelo de acesso discado. Com o passar do tempo e com o barateamento de circuitos eletrônicos complexos, tornou-se economicamente viável fornecer equipamentos, que tornaram possível um maior aproveitamento da capacidade dos meios físicos existentes nas habitações, tanto a fiação telefônica como par trançado, quanto o cabo coaxial. Essa tecnologia permite velocidades de mais de 200 Kbps, o que é considerado o limiar mínimo para a caracterização de um serviço de banda larga na maioria dos países. Atualmente é possível acessar a Internet via banda larga, o qual é realizado pelas operadoras telefônicas que utilizam à tecnologia DSL (Digital Subscriber Line) ou pelas operadoras de TV a cabo que utilizam codecs ou ainda operadoras que utilizam enlaces via rádio-frequência. É importante frisar também que tecnologicamente tanto as redes das operadoras telefônicas como as dos operadores de TV por assinatura têm demonstrado uma notável convergência de sua arquitetura tecnológica. Embora o acesso à casa dos consumidores, se viabilize por diferentes meios físicos (par trançado no caso da telefonia/adsl, cabo coaxial

23 23 no caso dos provedores de TV por assinatura), o restante das redes tem arquitetura notavelmente semelhante, constituindo-se de centros periféricos de consolidação do tráfego que por sua vez podem conectar-se a uma outra camada hierárquica de centros operacionais. 2.2 Tecnologia ADSL Pode-se destacar também a tecnologia ADSL - Asymmetric Digital Subscriber a qual permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio de linhas telefônicas comuns. A ADSL basicamente divide a linha telefônica em três canais virtuais, sendo um para voz, um para download (de velocidade alta) e um para upload (com velocidade média se comparado ao canal de download). É por causa dessas características que o ADSL ganhou o termo assymmetric (assimétrica) no nome, pois, indica que a tecnologia possui maior velocidade para download e menor velocidade para upload. Na figura 1 mostra o funcionamento de conexão ADSL. Figura 1: Funcionamento conexão ADSL. Com a tecnologia ADSL, os dados transmitidos ou recebidos pelo usuário não interferem no canal de voz porque utilizam canais independentes, situados acima da faixa de freqüências de voz, quando fala-se em canais independentes, refere-se às faixas de freqüência dos sinais correspondentes aos dados que trafegam pelo mesmo canal de comunicação, ou seja, a linha telefônica.

24 24 O sistema ADSL pode transformar a cadeia de informação pública já existente que é limitada à voz, texto e gráficos de baixa resolução para um sistema poderoso, onipresente capaz de trazer multimídia, incluindo vídeo em full-motion como, por exemplo, videoconferência, para a casa de todos. A cada dia, o ADSL ganha novos usuários, tanto é que este é o tipo de tecnologia para conexão à Internet em banda larga mais usado no Brasil e um dos mais conhecidos no mundo. Além do ADSL original, existe também o ADSL2 e o ADSL2+, que oferecem taxas de download de, 12 megabits e 24 megabits. O ADSL2 opera na mesma faixa de freqüência do ADSL, utilizando a faixa dos 26 khz a 1100 khz, enquanto o ADSL2+ utiliza uma faixa mais ampla, de 26 khz a 2200 khz, o que permite dobrar a taxa de download, esta taxa de freqüência pode ser vista no figura2 abaixo. A grande limitação é que em ambos os casos é mantida a mesma faixa de freqüência para upstream, mantendo a taxa de upload em apenas 1 megabit. Figura 2: Taxa de freqüência ADSL2 e ADSL2+ O ADSL2 e o ADLS2+ trazem novos recursos e funcionalidade aos serviços de banda larga via par metálico, como a melhoria nas taxas de transmissão, maior alcance, recursos de diagnóstico, modo "espera" entre outros. O ADSL por si só é um meio físico de conexão, que trabalha com os sinais elétricos que serão enviados e recebidos. Funcionando dessa forma, é necessário um protocolo para encapsular os dados de seu computador até a central telefônica.

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet. Compreender os conceitos básicos de protocolo. Conhecer mais a respeito

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação 43 O Modelo OSI Para que sistemas diferentes possam comunicar em rede, é necessário garantir que todos eles respeitem as mesmas regras. Para isso,

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Arquitetura da Internet: TCP/IP www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Toda a estrutura atual da Internet está fundamentada na suíte de protocolos

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Padrão TCP/IP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CAMPUS JOÃO MONLEVADE

Padrão TCP/IP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CAMPUS JOÃO MONLEVADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CAMPUS JOÃO MONLEVADE Padrão TCP/IP Daniel Prato da Silva Guilherme Augusto Fernandes Marcel Mariano Rocha Oliveira Marcos Antônio Cota Thairone Ezequiel de Almeida Sumário

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Sistemas para Internet 02 Como funciona a Internet?

Sistemas para Internet 02 Como funciona a Internet? Sistemas para Internet 02 Como funciona a Internet? Componente Curricular: Bases da Internet Professor: Jorge Luís Gregório e-mail: jorge.gregorio@fatec.sp.gov.br @jlgregorio81 Jorge Luís Gregório Internet

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

1. AULA 2 TOPOLOGIAS, PROTOCOLOS, MODELOS OSI E TCP/IP... 2

1. AULA 2 TOPOLOGIAS, PROTOCOLOS, MODELOS OSI E TCP/IP... 2 1. AULA 2 TOPOLOGIAS, PROTOCOLOS, MODELOS OSI E TCP/IP... 2 1.1 Topologias de Rede... 2 1.1.1 Barra... 2 1.1.2 Estrela... 2 1.1.3 Anel (Token Ring)... 3 1.1.4 Árvore... 4 1.2 Protocolos... 5 1.2.1 TCP...

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Generalidades sobre Serviços de Comunicação na Internet Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 1 - Sumário

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP Prof. MSc. Hugo Souza É uma pilha de protocolos de comunicação formulada em passos sequenciais de acordo com os serviços subsequentes das camadas pela

Leia mais

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I:

Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP. Unidade I: Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP Unidade I: 0 Unidade: CIDR e Análise do protocolo TCP/IP CIDR Classless Inter-Domain Routing Em 1992, os membros do IETF começaram a ficar preocupados com o

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais