Ele precisa começar. de Felipe Rocha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ele precisa começar. de Felipe Rocha"

Transcrição

1 Ele precisa começar de Felipe Rocha

2

3 Ele precisa começar de Felipe Rocha Ele Precisa começar. Já vão ser 21h15 e ele já está com 35 anos, vocês já vão estar todos sentados, olhando pra mim, esperando por ele. Hoje é dia 21 de outubro de 2007, são 12h37, ele está sozinho num quarto de hotel, sentado na cama, as costas na parede, um laptop no colo, vestindo um moletom listrado, preto e amarelo, e uma samba-canção azul(que vocês não vão ver, porque as pernas dele estão embaixo de um lençol verde-água). O hotel é simples, quase cafona, tem um pôster na parede com a palavra Champagne e o retrato de uma mulher, com gel no cabelo e um blush azul na bochecha, bem anos 80. Hoje é uma segunda-feira e ele tem o dia inteiro de folga. Ele resolve começar. Ele não projeta uma estrutura do que ele quer dizer ou de onde ele quer chegar. Ele prefere começar da primeira frase, sem saber aonde ela vai dar. E resolve que a primeira frase é ele precisa começar. E que a segunda é já vão ser 21h17 e ele já está com 35 anos, vocês já vão estar todos sentados, olhando pra mim, esperando por ele. Agora ele pára um pouco. (Posso te pedir um favor? Tem uma hora em que eu vou dizer Nessa hora, podia cair do teto um pano grande e suave que cobrisse a gente lentamente. Eu vou pedir pra você, nessa hora, me cobrir com esse lençol verde água. Vai ser daqui a uma meia-hora, então não precisa ficar preocupado, pode ouvir a história tranquilamente e, na hora, se você esquecer, provavelmente alguém vai te cutucar. Obrigado.) Ele se pergunta se vai tomar um café. Na recepção do hotel. Tem uma cafeteira elétrica em cima de uma mesa bonita, com tampo de mármore, uma pilha de xícaras de louça com a logomarca do hotel; ou uma térmica bege, encardida, uns copinhos de plástico, uns saquinhos melados de açúcar e adoçante, um copo de geléia de mocotó com uma água turva e uma colherzinha de alumínio; ou uma daquelas máquinas grandes, de colocar moedas, de capuchino... Ele se dá conta de que nesse ponto onde ele está, a história dele ainda pode ir pra qualquer lugar, pode ser qualquer coisa: pode ser um drama existencialista, ou uma comedia suave, uma obra conceitual, uma história de horror com monstros de lodo e

4 acontecimentos sobrenaturais... Pode começar a pingar água na pia do quarto de hotel, sem que ele tenha aberto a torneira. Pode começar a pingar água do teto da sala onde nós vamos estar, Primeiro do sistema de ar condicionado, depois do sistema elétrico, uma gota de água misturada com reboco, manchando a gola da sua camisa (desculpe). Muitas gotas caindo do teto, até que uma rachadura, maior do que as outras, se forme, e um naco de concreto caia, no meio da sala, seguido por um volume enorme de água, e a gente perceba que o andar de cima está todo tomado pela água, e que ela quer se apoderar da nossa sala, ela quer a nossa sala pra ela!,até que o nível da água comece a subir, lenta e inexoravelmente, e se a gente prestar bastante atenção vai conseguir ver um estojo de óculos boiando, um exemplar do programa da peça(aquela cadeira de plástico... será que ela bóia ou afunda?) Um copinho de papel... Alguém pode bater na porta do quarto, e ele pode dizer que não quer ser interrompido, que ele não vai abrir a porta. Ele não quer parar agora, ele não quer perder o élan, ele já está na página 2, não é nada ainda, e já é alguma coisa, ele demorou muito pra começar, agora ele vai até o fim, e a pessoa, lá fora, pode continuar batendo na porta, pode insistir pra entrar, e começar a esmurrar a porta, aos berros, implorando pra ele abrir. E ele fala eu não vou abrir, eu estou trabalhando, olhando pros seus dedos, ágeis no teclado, como se nem fossem dele, eu não vou abrir, não precisa, eu mesmo lavo, ele diz, eu lavo com as mãos! Eu lavo as toalhas desse hotel inteiro! Mas eu não vou abrir essa porta! Eu não vou abrir! E a outra pessoa pode começar a urrar como um porco sendo degolado, e pode se jogar contra a porta, fraturando várias cartilagens e pequenos ossos, e pode atear fogo às vestes, manchando a porta de pele carbonizada e pelo queimado, e pode arranhar a porta com as unhas, riscar o verniz da porta, deixando pedaços de unha e pele e sangue na madeira(de modo que no dia seguinte o gerente do hotel precise contratar um marceneiro pra lixar e envernizar aquela porta, ou pra arranhar todas as outras portas daquele andar, de modo que aquilo pareça uma escolha estética, como uma pátina ou um padrão qualquer), a pessoa pode começar a lamber a porta... E talvez lamber a porta seja demais. Não? Ok. Ela. Deve ter uns 28 anos, aproximadamente, um metro e... sessenta e cinco, um uniforme branco e azul claro, e um

5 avental de babados, Um carrinho com tocas de banho e miniaturas de sabonete, um crachá no peito com o nome Fátima, a respiração arfante, os cabelos desfeitos, as meias sujas, caídas pelos tornozelos, o olhar apavorado de quem acabou de voltar do inferno pra vir contar cá em cima os horrores que viu, implorando a ele que a esconda ali dentro, que deixe ela entrar no quarto. Que, pelo amor de Deus, deixe ela entrar no quarto. E ele deixa. E a sensação dela... Quando entrar nessa sala... Vai ser como se o chão se reajustasse sob os seus pés, como se placas tectônicas de milhões de anos atrás se reajustassem... Ela não vai entender... Ela estava num corredor de hotel, em outra cidade, um papel de parede vinho... Era vinho?... Ela não vai entender essa operação, essa sala, vocês. Ela vai olhar pra porta, assustada, vai tentar trancar a porta com apreensão, ou com uma cadeira, vai olhar pra mim, perceber que eu exerço alguma influência sobre vocês, vai pedir que eu a esconda em algum lugar, qualquer lugar, pelo amor de Deus. (Aonde é que alguém poderia se esconder nessa sala? Por favor.) Ele tem vontade de ajudá-la. Mas acha que nenhum lugar na sala em que nós vamos estar vai ser bom o suficiente pra esconder uma pessoa. Pra esconder de verdade. Que o que quer que fosse que estivesse procurando por ela... (Um monstro verde, com cinco fileiras de dentes afiados, apontados pra frente, que deixasse um rastro de lodo atrás de si?) Ele tem uma idéia: ele vai pedir a um de vocês que troque de lugar com a Fátima. E ele fica muito entusiasmado com essa idéia, ele precisa confessar, porque a idéia é ótima! Vai trazer um efeito dramatúrgico instigante, inesperado, vai colocar cada um de vocês na iminência de ocupar uma nova posição em relação à história, vai dobrar o número de pessoas contando essa história sem ônus algum, e o mais importante: vai resolver o problema da Fátima, por que se a coisa da qual ela está fugindo entrasse por aquela porta, qualquer coisa (a gerente do hotel, com uma toalha nas mãos, queimada do ferro-de-passar; uma gangue de mafiosos romenos, sedentos de sangue), se entrasse por aquela porta, na opinião dele não ia vê-la, no meio de vocês. Ela se confundiria com vocês. Como um peixe num imenso cardume, uma silhueta em contraluz, como lágrimas na chuva, fumaça na neblina. O corpo dela se diluiria, perderia o contorno, ela seria sugada pela massa.

6 E eu vou dizer que a pessoa que topar trocar de lugar com a Fátima não vai precisar fazer nada além de levantar o braço, de modo que a gente saiba que é ela a nossa voluntária, e sentar naquela cadeira, que vai estar reservada para ela. [Depois que Fátima se apresentar como voluntária eu vou lhe dizer que] Ela não vai saber o que a espera. Mas pelo estado emocional com que ela vai entrar na sala, a gente vai precisar concordar que ela não estará fugindo de nada muito amável. Ele também ainda não sabe o que vai acontecer com ela. Ainda não pensou nisso. Acabou de ter essa idéia. Ele não sabe nem como ela vai ser, se vai usar brinco de argola, bigode, óculos de aro grosso, piercing na sobrancelha... Mas embora a gente não saiba o que vai se passar, já vai haver uma espécie de acordo tácito entre nós todos sobre o que pode e o que não pode acontecer com ela. Por exemplo: A gente já vai saber que eu não vou machucá-la, que eu não vou encostar nas suas partes íntimas, que eu não vou estragar a sua roupa (de maneira definitiva), eu não vou colocar suavemente a minha língua dentro da sua orelha fazendo pequenos movimentos circulares. Daqui a pouco eu vou me sentar do seu lado, vou conversar com ela, vou cantar uma música pra ela, dependendo dela talvez eu deite a minha cabeça no seu colo, eu vou deixar que ela me salve, eu vou mostrar pra ela o meu próprio super-herói, a gente vai sair dessa sala, eu vou convidá-la pra um passeio de carro, vou convidá-la a pular do alto de um prédio, sem paraquedas... E cada uma dessas coisas, ela só vai aceitar se quiser. Isso ele gostaria que estivesse claro pra ela: Que nessa história, o que ela quiser fazer, ela pode fazer. E o que ela não quiser fazer, ela não precisa fazer. E sempre vai ser bom. E nunca ela vai estar atrapalhando. Agora ele se pergunta se essa história vai interessar a alguém algum dia. Ele se dá conta do quanto ele conta conosco pra criar as imagens da história. Por exemplo: Se a gente resolver fazer essa cadeira levitar? A gente vai precisar tentar junto. [Tentamos.] E Fátima? O que vai acontecer com Fátima? Tanto barulho pra quê? Ele não sabe (e nessas horas, o melhor é a pessoa ser franca, não é?). Então digamos que aqui acontece alguma coisa contundente e tocante, tem uma pequena passagem de tempo e que logo depois a Fátima vai se rebelar. Primeiro ela vai se rebelar contra a minha narração, toda no futuro, e traz a ação pra agora, pro

7 presente, praquele senhor de óculos, coçando o joelho, aquele carro passando lá fora. Ela vai pro centro dessa sala, diz WWVVVUUHHÖÖÖÖ, faz um gesto largo com os braços e puxa todo o ar da sala pro centro do seu corpo, com se puxasse pra cá todos os ponteiros do relógio do mundo, como o Super-Homem quando gira em volta da terra, na direção contrária à da nossa rotação, mudando como um deus o curso da história, por causa da mulher. É exatamente isso o que vai acontecer, ela vai se rebelar. Primeiro ela vai se rebelar contra a minha narração, toda no futuro e traz a ação pra agora, pro presente, praquele senhor de óculos, coçando o joelho, aquele carro passando lá fora. WWVVVUUHHÖÖÖÖ. Ela caminha na minha direção e senta do meu lado. Ela diz A. Ela levanta um dos braços, me dá um tapa na cara com força. Ela diz eu não aceito esse papel, eu não sou como você, um boneco de ventríloquo, incapaz de dizer uma palavra por conta própria. Sai dessa, bicho. Nessa hora, ela tem a sensação de que aquele tapa não fez o menor sentido, que foi um ato absolutamente despropositado, desproporcional, que se ela escrevesse a sua participação nessa história, nunca começaria de maneira tão estúpida. Me pede desculpas. Se enternece. Acaricia a marca vermelha dos seus dedos no meu rosto. Me estende a mão. E saímos os dois por aquela porta ali. E vocês, ficam meio sem ação... sozinhos. Uma tripulação sem capitão... Uma colméia sem abelha-rainha. Alguém tosse. Alguém cochicha uma coisa engraçada pra pessoa do lado, pra quebrar o gelo, o constrangimento da situação, essa senhora aqui pensa ah, essa novíssima safra de autores contemporâneos, que delícia, que gente anárquica, iconoclasta! Essa moça de tênis com estampa de borboleta e aquele rapaz, sentado do outro lado, acabam conversando um pouco e se perguntam se dá tempo de pegar uma sessão às dez horas, no cinema. Resolvem arriscar. Esse é mesmo um ótimo momento pra alguém ir embora, se já estiver achando chato (à essa altura já deu pra perceber mais ou menos por onde a coisa vai caminhar). Não tem constrangimento nenhum. Eu não estou aqui. Eu não estou vendo, ninguém fica sem graça. A pessoa simplesmente se levanta, sem nenhuma crítica, caminha até a porta, desce a escada, passa pelo Hall de entrada do prédio, chega na rua, e fica muito surpresa ao encontrar comigo e com Fátima, encostados num carro-esporte conversível que ela estacionou rente ao meio-fio. Nós três nos cumprimentamos, muito cordialmente, acariciados pela brisa fresca do início da noite. Fátima nos convida pra um passeio de automóvel. E nós aceitamos. Ela senta no banco do motorista, eu no banco do carona. E a pessoa que saiu no meio da peça senta no banco de trás do carro. Fátima dirige, eu não sei pra onde. Ela percebe um princípio de apreensão no meu rosto. Me olha confiante, compartilhando a sua segurança. Acaricia os meus

8 cabelos cacheados, o meu peito cabeludo. Com um suavíssimo meneio de cabeça ela me mostra um smoking completo, ao lado da pessoa que está sentada no banco de trás do carro, e coloca no meu bolso uma miniatura de garrafa térmica, sem que eu conheça o seu conteúdo. Engata a terceira marcha e desenha com precisão e segurança as curvas da estrada, de modo que eu não sinto medo do abismo rochoso colado na auto-pista, nem do mar escuro e silencioso, lá embaixo, iluminado por uma generosa lua cheia que desenha, no topo da montanha e no fim da nossa estrada, a imponente silhueta do luxuoso Hotel Cassino Luxemburgo. Um brilho forte no retrovisor volta a minha atenção para trás. Um carro. Um carro nos persegue em alta velocidade. Se uma gangue de mafiosos romenos, sedentos de sangue, estiver nesse carro, perseguindo Fátima, neste momento eu vou perceber no seu pescoço uma correntinha dourada, com o nome Tatjana Nicolayevna (Tatjana com J!), e raízes loiras sob a tinta negra que colorirá os seus cabelos (o que me fará desconfiar de que talvez o nome dela não seja Fátima! E que o uniforme de camareira talvez não passe de um mero disfarce!). Mas a gangue de mafiosos não estará no carro. Só um homem. Dois olhos. Dois arpões, cravados em mim, de maneira magnética e enigmática. Uma expressão cansada, aproximadamente 35 anos, vestindo um moletom listrado, preto e amarelo. É ele! É ele, no carro, atrás de nós! Ele arranca o cabo do laptop da tomada, veste um tênis, uma calça, sai pelo corredor aos tropeços, esquecendo a luz do quarto acesa, a porta destrancada, a torneira aberta. Se joga pra dentro de um carro, voa pela autopista na nossa direção, digitando no laptop aberto no banco do carona, não, trazendo na mão um dictafone, um desses gravadorezinhos K7, ele vai ditando o que vê e o que faz enquanto dirige, ou um revólver, ele dirige com um revolver na mão, não, um dictafone mesmo, Páh! AaAAai! Eu ouço um estampido seco, um grito grave: Hêêuhmm. Uma sensação liquida na nuca, sem que eu consiga distinguir entre um liquido quente ou gelado. Sangue. Muito sangue. O pedal do acelerador ficando melado e gosmento. Uma poça carmim no piso do automóvel. A pessoa no banco de trás do carro. O olhar fixo na eternidade. Um lugar muito estranho e preciso, entre um desespero abissal e uma serenidade delicadíssima... A pessoa no banco de trás do carro morre. (Bom, também ninguém mandou ela sair no meio da peça.)

9 Uma tremenda pancada no nosso pára-choque, me trás de volta pra perseguição. Ele joga o revólver no banco do carona e pega o tal dictafone. Com uma certa dificuldade eu consigo ler os seus lábios, encostados no aparelho, dizendo parem esse carro, prendam essa mulher! Vocês estão loucos! Vocês pegaram o caminho errado! Eu não quero me hospedar no Hotel Cassino Luxemburgo! Eu não quero beber um dry Martini, encostado na roleta, olhando pra uma mulher linda de vestido longo, costas nuas, preocupadíssimo se ela vai ou não acionar o detonador de explosivos que ela traz na bolsa. Eu quero falar da necessidade de comunicação humana, do desejo de permeabilidade com o mundo. De alguém que precisa contar uma história (ou abrir um restaurante vegetariano, ou pintar o cabelo de azul) porque aquela é a maneira que a pessoa encontrou pra ser atravessada pelo mundo e pelos outros. Alguém que precisa cantar num karaokê, ou começar um curso de cerâmica, telefonar pro pai e falar de coisas das quais ela nem se dá conta, que estão guardadas há décadas, alguém que precisa comprar uma camisa nova, mudar de emprego, dar a cara a tapa, ter um filho, entrar numa sauna gay pela primeira vez, branquear os dentes, participar de uma audição pra um espetáculo musical, se separar, viajar pro México, ter um salário fixo, atravessar o Oceano Atlântico sozinha num barquinho à remo, comprar uma guitarra elétrica, dançar nua escutando Philip Glass, viajar para Miami e voltar carregada de sacolas, e vocês me vêm com essa história de smokings e mafiosos romenos? Que idade vocês têm? 12 anos? Vocês acham que é só entrar num carro conversível e sair fazendo uma história? Não é não, queridos. Vocês não sabem com quem vocês tão mexendo. Aqui tem técnica, tem estudo, tem estofo. Eu acabo com vocês em quatro palavras: Eu acabo com vocês. eu cozinho vocês em óleo fervente, seus maracas... ou talvez seus babacas. Provavelmente seus babacas, não sei, porque à essa altura ela crava o pé no acelerador, a distância entre os carros aumenta consideravelmente e a leitura labial fica bastante prejudiantes que eu complete essa frase, brota do chão, à vinte metros do nosso carro, uma parede de caixas de som, dessas de megashows de rock internacional, de onde eu escuto a voz dele, com nitidez cristalina, perguntando ah é, bebé? Querem conhecer a envergadura da taioba? Na seqüência milhares de músicos aparecem pipocando ao longo da montanha, a nata da música brasileira e internacional, tocando cada um a sua música predileta, todos ao mesmo tempo, um pandemônio indescritível! Ela mal tem tempo de desviar daquela parede maciça de caixas de som e joga o nosso carro no vazio do abismo profundo. Puffff... estrada carro

10 mar Uma gota de suor nervoso brota na testa de Fátima. Ao invés de escorrer, desenhando o lindo contorno do seu rosto, sobe, plim, e se afasta de nós lentamente, como um derradeiro aceno da mãe natureza. O carro cai cada vez mais rápido no abismo, o mar cada vez mais perto, cada vez mais duro. Fátima me abraça com força, eu sinto o seu hálito doce e quente quase lambendo o meu rosto. Ela puxa do próprio peito uma fivela, com decisão e, PFUfHH, somos arrancados do automóvel enquanto um enorme paraquedas se abre atrás das suas costas. Eu vejo o carro se espatifando contra a água. Me agarro ao corpo torneado de Fátima com todas as forças. Muito menos pelo medo de cair do que pelo desejo que, à essa altura, já incendeia cada glândula do meu corpo, do meu sangue, da minha vida, do meu futuro, dos meus filhos, da minha aposentadoria em Paquetá. Recosto minha cabeça no calor do seu peito e me deixo embalar pelas batidas do seu coração, encostado na minha orelha, pelo balanço do paraquedas ao vento, pela intensidade dos seus olhos a menos de cinco centímetros dos meus, a pressão dos seus dedos das minhas costas, aquela música maravilhosa, múltipla, impossível, que vocês podem imaginar, se vocês quiserem, e da qual se destaca, por algum motivo que eu desconheço, a voz de Maria Bethânia cantando Ó abelha rainha, faz de mim um instrumento de teu prazer sim, e de tua glória, pois se é noite de completa escuridão, provo do favo de teu mel, cavo a direta claridade do céu e agarro o sol com a mão. É meio-dia, é meia-noite, é toda hora. Lambe olhos, torce cabelos, feiticeira vamonos embora. É meio-dia, é meia-noite, faz zum zum na testa, na janela, na fresta da telha. Pela escada, pela porta, pela estrada toda afora. Anima de vida o seio da floresta, amor empresta. A praia deserta zumbe na orelha, concha do mar. Ó abelha, boca de mel carmim, carnuda, vermelha. Ó abelha rainha, faz de mim um instrumento de teu prazer sim, e de tua glória, e de tua glória. Nessa hora, podia cair do teto um pano grande e suave que cobrisse a gente, lentamente. x x A música doce, o paraquedas, lindo, cobrindo lentamente o casal na beira de uma falésia, duas gaivotas voando ao longe numa espécie de dança do acasalamento... Seria um final lindo pra história. Um diamantesinho lapidado... Mas ele ainda está na página 8. Difícil, não é? Chato. Chato porque justo agora ele tinha achado um... um trilho, a gente estava, FFFFFHHH, a coisa tinha, não é? Estava tipo: UAU... A gente não tava mais pensando: ah, eu acho que na verdade, ele queria dizer... Nãão! A gente tava... ele... e ela... e ele, não, a gente ia

11 IÁÀÀÀ, IÁÀÀÁ... não é? Tinha uma coisa, né, de um fluxo, e agora ele tá lá, fodido, sem saber como continuar... E agora ele tá lá, fodido, sem saber como continuar. E Agora Ele Tá Lá Fodido. Fodido. Ele repara que a palavra fodido aparece sublinhada em vermelho na tela do computador. É o corretor ortográfico. Coitadinho, não conhece essa palavra? Fodido? (Ele deve ter sido gerado em algum outro tipo de processo). Fodido não pode. É feio. Não. Não, fodido, não. Desculpe. Nem puta que o pariu? Nem merda? Nem cocô? Cocô não pode? Uma dúvida: O sujeito tá sozinho em casa, entra no banheiro e tranca a porta com a chave. Ninguém vai entrar. Ele abaixa as calças, pega jornal do dia, senta no vaso, e... ele faz o quê? Toca flauta doce? Recita poemas de Olavo Bilac? Qualquer coisa, menos cocô. Ou xixi. Xixi? Ah, xixi pode? Xixi não fica sublinhado. Então ele não deixa a pessoa cagar, sob hipótese alguma, mas ela pode se mijar intei... Mijar não pode? Ah, não: xixi pode e mijar não pode? E como é que a pessoa se livra daquele material (que afinal existe!)? Enfia uma sonda pela boca até a bexiga, e puxa? E se ele escrever que o corretor ortográfico é babaca, pode? Repressor, controlador, pode? Puritano, reacionário, careta, que se mete aonde não tem que se meter! A tua função, palhaço, é corrigir ortografia, não é dizer que palavras ele tem que usar ou não pra contar a porra da história dele. Se ele quer enfiar uma piroca na história dele, e essa piroca tá escrita direito, você não tem que se meter. Vai tomar no cú! Vai se foder! Vai tomar no seu cú, no seu cú, no seu cuzinho, no seu cú, no seu cú, cú, cú, cú! Ele escreve hortográfico com H, hor-to-grá-fi-co, só pra você ficar vermelhinho também, palhaço. Saco. x x

12 Essa moça de tênis com estampa de borboleta e aquele rapaz, sentado do outro lado, conseguiram entrar no cinema. Estão sentados na poltrona 12 G e H. Perderam a primeira cena do filme, mas isso não tá interferindo na compreensão do enredo. Eles preferiram dividir um pacote grande de pipocas do que comprar cada um o seu. Ele se pergunta se toma mais um café. Na recepção do hotel. Tem uma cafeteira elétrica em cima de uma mesa com tampo de mármore, uma pilha de xicrinhas de louça com a logomarca do hotel... Até os 30 anos ele nunca tinha tomado café. Minto. Aos sete anos. Ele soube que ia passar na televisão o filme 007 contra o Satânico Dr. No. E ele não queria perder aquilo por nada. Ele não lembra que horas eram, mas era uma época em que os filmes do 007 passavam muito tarde na televisão. Pra não dormir ele tomou uma xícara grande de café preto sem açúcar (porque ele achou que sem açúcar, ele ficaria mais acordado), ficou em pé em frente à televisão. E dormiu. Aos 33 ele começou um trabalho que tinha uma demanda física muito intensa, muito maior do que ele poderia sonhar em dar conta. Foi nessa época que ele descobriu o seu próprio super-herói. E era super! Ele ficava animado, ágil, criativo, chato, potente, eu digo isso com uma música bem alta, pra vocês experimentarem no corpo a intensidade à que eu estou me referindo, ele ficava, abobado, rítmico, meticuloso, feliz, meio rock, bem alta, cardíaco, repetitivo, um microfone, com fio, raquítico, para vocês me ouvirem apesar da música alta, vibrátil, super, amoníaco, rocambolesco, anacrônico, retumbante, analítico, frisbeee, people, rewqrewqerwq, foi durante esse trabalho que ele descobriu o seu próprio super-herói, e deu a ele o nome de Super-Café!!! Nessa época ele contraiu uma crise de hemorróidas lancinante (e nessa frase o verbo contrair é bastante apropriado). Ele passou uma semana sem ir pro trabalho. Ficou em casa, folheando o catálogo de páginas amarelas, vendo o nome dos médicos daquela região. O tal projeto com o qual ele tava envolvido era feito só por homens. A masculinidade era uma questão inerente ao próprio trabalho. Ele pensava sobre isso (e sobre um jeito de seguir trabalhando, mesmo longe dos outros) quando pensou na seguinte proposição artística: Se consultar com todos os proctologistas que constassem naquele catálogo de páginas amarelas, e atendessem no bairro de Copacabana (eram 18). Fotografar as salas de espera, marcar num mapa de Copacabana o trajeto percorrido de um médico a outro, guardar as receitas, os remédios, fazer anotações, transcrever as conversas com os médicos, e depois ver se esse material reunido resultava em alguma coisa:

13 Prefiro marcar a primeira consulta com uma mulher. Marco o primeiro horário. Enquanto eu espero o elevador, chega uma senhora com o cabelo mal pintado de loiro, um batom vermelho-melado e umas unhas enormes, fico com medo daquelas unhas, torcendo pra que não seja ela. Não é. Sala de espera aconchegante, parece o cenário de um programa do GNT. Pra fotografar a sala eu uso o argumento de que um amigo tem um quadro muito parecido com outro que tem ali. A secretária liga pra alguém oferecendo amostras grátis de remédios, acho gentil. Procuro encontrar algum sentido nesse projeto. Me pergunto o porque de estar sentado aqui, nessa sala de espera. Começo a pensar em outras idéias: Entrar travestido num vestiário feminino, trabalhar numa empresa de telemarketing, Ser flanelinha de um orelhão, duas horas por dia durante uma semana, cobrando cinquenta centavos de cada pessoa que use o aparelho. Me pergunto como apresentar esses projetos? Um espetáculo? Um livro? Uma exposição? Muito simpática e atenciosa. Não me pede pra tirar a roupa, nem o sapato. Sai da salinha de exames dizendo que eu só abaixe as calças e me deite na maca, de barriga pra baixo. E só depois disso ela volta, como uma ladra furtiva no meio da noite, não nos olhamos durante o nosso momento íntimo, nessa hora eu não a vejo, só o branco da parede e do lençol da maca, e ela sai antes que eu me vire de volta. Posição deitado na maca é boa pra cena. No médico de amanhã, vou sem brincos e com uma camiseta menos justa. Depois da quinta consulta, ele abandonou o projeto. Mas no fim das contas a idéia não se perdeu de todo, porque no momento em que eu entubo esse relato na história, de algum jeito, parte do projeto dos proctologistas finalmente encontra o seu público. - No cú. - Perdão? - Eu disse No cú! Eu disse chega! Eu disse eu não tô interessado nas hemorróidas dele. Ou se ele toma ou não toma café. - Perdão. Desculpem. Eu acho que a gente tá com uma interferência na conexão, quem tá falando? - Sou eu. - Eu quem?

14 - Eu, aqui, na tua frente, ô palhaço! De óculos, camiseta sem manga e tênis vermelho. - Ah, oi, você quer que eu traga um formulário pra você listar alfabeticamente as suas queixas e deixar ali na recepç... - Cala a boca, palhaço. Essa história é um lixo, não tem sequência, não tem acontecimentos, não tem assunto, fala do quê, essa merda? Não tem história, não tem diálogo. - Não tem diálogo? - Não, é um lixo. Cansei. - É isso mesmo! - Ele tem razão. - É isso aí, cansamos. - Cansamos!! - É! Um lixo! Esse momento é assustador porque todos vocês se insurgem contra mim e contra ele, e os rostos de vocês vão se remexendo e se transformando em figuras assustadoras... Darth Vader; Chucky, o brinquedo assassino; o réveillon de 89 que ele passou sozinho com a vó Carminha em Araruama; a Cuca; João Figueiredo; minha tia Zeza; Gerald Thomas; Sargento Garcia; a crítica de teatro Bárbara Heliodora; George, o menino maior da quinta série; a noite em que ele acordou procurando a chupeta e viu que não tinha ninguém em casa; as contas do mês; a responsabilidade... Todos vocês vindo na minha direção como os zumbis do videoclipe Thriller, do Michael Jackson. Eu não sei o que fazer, eu não sei para onde ir, não sei como continuar, eu quero parar! Ele também.

15 Ele acha que já deu. Ele se pergunta: se a gente disser que é assim que termina, tudo bem? Que a história que a gente tem é essa. Tem gente que vai gostar, tem gente que não vai gostar, mas chega uma hora em que o sujeito tem que dizer: É isso aí, é o que temos. Pronto. Eu deixo o cara fugir pela porta, ele sobe a escada até o topo do prédio, perseguido pela platéia ensandecida, cadeiras nas mãos, dando sustos uns nos outros. O cara chega na beiradinha do prédio, acuado, e diz: Meu deus, estou na beiradinha do prédio! E agora, o que eu faço? Eu pulo do prédio? De repente o céu escurece, eu olho pro alto. Vejo o ponto final da história, que ele lançou lá de cima. Uma imagem apocalíptica: Uma bola preta, de mil toneladas, cada vez mais perto de nós, a própria imagem da morte, aquela esfera escura, gigantesca, cobrindo o sol e três quartos do céu, despencando vertiginosamente na nossa direção, eu pulo do prédio!!! Escuto o estrondo do ponto final da história espatifando o edifício, vigas de ferro e nacos gigantescos de concreto zunindo do meu lado, meu

16 corpo projetado no vazio, o chão cada vez mais perto, cada vez mais duro. Eu sinto um vulto do meu lado...é Fátima! Fátima, que louca! Como é que você se joga assim, no nada? Só pra ficar do meu lado? E essa roupa? É um látex? Parece pintada no corpo, revelando cada dobrinha... menina, ficou linda, você tinha que ver! Você ia adorar. Tá uma coisa! Um amanteigado de Petrópolis! Uma porcelaninha chinesa do século XIV antes de Cristo. Você aponta pro meu bolso, eu pergunto o quêêêê?!? Os nossos corpos caindo no vazio, você aponta pro meu bolso, eu vejo aquela garrafinha térmica que você me deu no princípio da história, lembra? Eu abro a garrafinha e... Ah! E eu digo querida, queridos, chegou o momento de vocês conhecerem o Supeeer-Café!!! Eu te agarro com força, você fica louca com o meu apertão másculo, a minha barba por fazer, os meus cabelos nas orelhas. Eu uso todo meu poder mental, me concentro nessa cadeira [a cadeira que juntos a gente fez levitar], ela começa a tremer, tremer, e sai voando na nossa direção, como mais um cometa entre os meteóricos escombros voadores do edifício. Eu seguro a cadeira com uma das mãos, com a outra seguro em você. Nós quase lambemos o chão da rua e saímos sobrevoando os céus da noite carioca até pousar no cocuruto de Jesus Cristo, no alto do morro do Corcovado. Eu amparo a tua queda com meu próprio corpo, como se eu fosse um colchão de amor. Eu sinto o peso do teu corpo sobre o meu, teus ossos, tua carne, tuas articulações sobre as minhas. O teu hálito doce e quente quase lambendo meu rosto. Uma sensação de cumplicidade que eu não imaginava existir no mundo. Penso em finalmente aproximar os meus lábios dos teus, mas eu sou interrompido (Merda!) por um barulho metálico... O que é isso? Um gancho cravando o braço direito de Jesus, atrás do gancho, uma corda, atrás da corda: Ele!, agora com uma roupinha de tirolês, um macacãozinho de veludo marrom, um chapeuzinho de feltro verde com uma pluma, uma escopeta nas mãos... É isso? É isso mesmo? [Eu despenco estatelado aos pés do Cristo.] Ele caminha na tua direção como um demônio possuído por todas as forças do mal, e diz agora é entre você e eu, mocinha. E então você tem a sensação de que alguma coisa está mal contada nessa história. Porque eu estou

17 morto, lá embaixo, estirado no chão, no meio dos turistas, atônitos, como é que você continua ouvindo a minha voz, hein? E é só nesse momento que você, pela primeira vez, olha para ele. E você olha para mim. E para ele. E para mim. E é só então que você se dá conta de que eu e ele... E nessa hora você se sente a mais solitária de todas as criaturas, a mais abandonada, e você foge. Sabendo que não adianta fugir, que nessa história ele está em toda a parte, em cada pedaço de cascalho, em cada pontoparágrafo. E ainda assim você foge, até encontrar uma porta, cravada na pedra do morro do Corcovado. [Essa porta também é aquela por onde Fátima entrou no início da história, a porta do quarto de hotel. Eu repito um pouco do gestual de Fátima, no momento em que ela entrou na sala pela primeira vez. Talvez com isso alguns de vocês pensem que era dele, ou dessa história, que ela fugia naquele primeiro momento]. Desde pequeno ele tem um sonho que se repete. Nesse sonho, ele é perseguido por uma força mil vezes maior do que a dele. Numa das últimas vezes em que ele teve esse sonho, ele parou de correr, deu meia-volta, e caminhou na direção da coisa. E ele não sabe se foi por coragem ou por covardia, por preguiça, pra dizer: Chega, vamos ver, então. Como é que termina? O que acontece depois? O que é que tem do outro lado? [Eu cochicho no ouvido de Fátima. Peço que ela vá até a minha mesa (aonde está um laptop, um abajur, uma pequena mesa de luz e um gravador k7) apague as luzes, feche a tampa do laptop, e saia pela porta por onde entrou.] Sobre o texto Esse texto estreou em 5 de setembro de 2008 na Sala Multiuso do Espaço SESC, em Copacabana, Rio de Janeiro, com direção minha e do Alex Cassal, e comigo em cena. É o meu primeiro texto dramatúrgico. Eu comecei a escrever, como está descrito na peça, no dia 21 de outubro de 2007, às 12h37. Eu também estava num hotel (o quadro com a

18 palavra Champagne, deve continuar por lá e a camareira, romena, era muito simpática), em turnê com a Gaivota, dirigida pelo Enrique Diaz, que a gente apresentava à noite. E tinha os dias todos livres. Há muito tempo eu tinha vontade de escrever uma peça e nesse dia resolvi que ia começar a escrever um texto. E mesmo que fosse muito ruim eu ia tentar terminá-lo. A Isabel Teixeira, atriz paulista que também fazia a Gaivota, curiosa de ver o cocuruto da minha cabeça debruçada na janela, sobre o laptop, foi a primeira pessoa a escutar a peça (com uma generosidade que me fez acreditar (até hoje) que ela estava gostando). Chamei o Alex pra trabalharmos juntos, sem dinheiro, sem pauta e sem pretensões maiores do que mostrar a peça pros amigos. Durante os ensaios a gente mexeu muito no que estava escrito. A Dani Lima, que fez a orientação corporal também foi muito importante em relação ao texto. Sinto os dois muito parceiros na escrita da peça e muito responsáveis pela versão que dela existe hoje. A idéia era uma peça de estrutura muito simples, que a gente pudesse montar sem um tostão, em qualquer tipo de sala. Na nossa montagem eu opero a luz e o som, o que pra mim fala desse sujeito que manipula todos os elementos pra contar a história. A gente sempre se adapta ao local da apresentação, então, por exemplo, o morro do Corcovado, vira algum ponto alto na cidade onde a gente está. E a peça tem um jogo de abertura pro que o público propõe na hora, podendo desviar um pouco do texto escrito pra depois voltar. A musica Mel, que eu canto na peça é de Waly Salomão e Caetano Veloso.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por Simone Teider SEQUENCIA 1 Uma mulher, (46), está sentada num sofá vendo TV e lixando as unhas. Ela veste um vestido florido e um brinco grande. (16), de

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima A BOLINHA por RODRIGO FERRARI Versão finalíssima rodrigoferrari@gmail.com (21) 9697.0419 Do lado direito do palco, CLÁUDIA está sentada numa cadeira. Ela segura um teste de gravidez. Ela abre a caixa e

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA O LAVA JATO MACABRO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA Rua alameda dom Pedro II n 718 Venda da cruz São Gonçalo. e-mail:jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.LAGE DA CASA.DIA Renam está sentado na

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

"INSOLÚVEL" SEGUNDO RASCUNHO. Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro

INSOLÚVEL SEGUNDO RASCUNHO. Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro "INSOLÚVEL" SEGUNDO RASCUNHO Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro Rua Faustolo, 371 São Paulo SP CEP 05041-000 (11) 9272-4021 1 INSOLÚVEL FADE IN: INT. CASA DO MENINO MANHÃ MENINO de 12-13 anos acorda.

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de NOVEMBRO DE 2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) --------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011 UMA PIZZA CHAMADA DESEJO por Rodrigo Ferrari Versão final 02/09/2011 rodrigoferrari@gmail.com (21)9697.0419 Iluminados, no fundo do palco, BLANCHE e o. O Médico veste um jaleco branco, estetoscópio, óculos

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

O, cara, vai te foder.

O, cara, vai te foder. 1 Eu morava num conjunto de casas populares na Carlton Way, perto da Western. Tinha cinqüenta e oito anos e ainda tentava ser escritor profissional e vencer na vida apenas com a máquina de escrever. Iniciara

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido FADE IN: INT. CASA DE BANHO - DIA Um homem fala para a câmara. É, 28 anos, magro e mortiço. Queres casar comigo? Não fica satisfeito com o resultado.

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de OUTUBRO/2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) ---------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE

RELATÓRIO DE ATIVIDADE RELATÓRIO DE ATIVIDADE A IMPORTÂNCIA DE CADA ALIMENTO Coordenador da atividade: Thaís Canto Cury Integrantes da equipe: Manha: Bianca Domingues, Fernando Peixoto e Juliana Ravelli Tarde: Thaís Cury, Thalita

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

O NASCIMENTO DE RUNA

O NASCIMENTO DE RUNA Für die Übersetzung ins brasilianische Porugiesisch danken wir herzlich Adriana Dantas Breust. O NASCIMENTO DE RUNA MINHA IRMÃ VEM AO MUNDO Concepção e texto: Uwe Spillmann. Ilustração: Inga Kamieth Este

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais