DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS. Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS. Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ESPECIALISTA EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL. Aprovado por: Prof. Marcos do Couto Bezerra Cavalcanti, D.Sc. Profa. Raquel Borba Balceiro, D.Sc. Prof. Paulo Josef Hirsch, D.Sc. RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL NOVEMBRO DE 2005

2 Guimarães, Francisco José Zamith Melo, Elisete Sousa Diagnóstico Utilizando Análise de Redes Sociais [Rio de Janeiro] 2005 VIII, 51 p. 29,7 cm (COPPE/UFRJ, Especialização, Engenharia de Produção, 2005) Projeto Final Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE 1. Gestão do Conhecimento I. COPPE/UFRJ II. Título (série) i

3 Dedicamos esse trabalho a memória de Luiz Carlos Zamith. ii

4 Agradecemos às nossas famílias, que durante este período, nos incentivaram e souberam compreender nossa ausência nos finais de semana. Agradecemos a minha orientadora Raquel Borba Balceiro pelo suporte e zelo dispensado a equipe. Agradecemos ao Sr. Alexandre Korowajczuk pelo incentivo a fazer o curso e a realização desse trabalho. Agradecemos a toda equipe do DSG pela ajuda. Agradecemos a Petróleo Brasileiro S.A. pelo apoio propiciado a realização desse trabalho. iii

5 Resumo do Projeto Final apresentado à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Especialista em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial. DIAGNÓSTICO UTILIZANDO ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo Novembro/2005 Orientadora: Raquel Borba Balceiro Programa: Engenharia de Produção A principal característica do conhecimento tácito é sua dificuldade de ser explicitado. A principal forma de transferência desse tipo de conhecimento é por meio do contato entre as pessoas. Portanto, para que essa transferência ocorra de uma maneira eficiente, é de vital importância o entendimento de como se dá a interação entre as pessoas. Uma forma de ter esse entendimento é com a ajuda da técnica de análise de rede social. Esse trabalho apresenta a aplicabilidade da técnica dentro do contexto da Gestão do Conhecimento, mostrando seu valor para o entendimento do fluxo de conhecimento tácito dentro de uma organização. iv

6 Abstract of Final Project presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of specialist in Knowledge Management and Enterprise Intelligence. EVALUATION USING SOCIAL NETWORK ANALYSIS Francisco José Zamith Guimarães Elisete de Sousa Melo Novembro/2005 Advisor: Raquel Borba Balceiro Department: Industrial Engineering The main characteristic of the tacit knowledge is his difficult of being explicitated. The principal way of transfer this kind of knowledge is through the connection of people face-to-face. Therefore, for this transfer be effective, is important the understanding of how happens the people connections. One way to have this understand is with the use of the social network analysis method. This work presents the method applicability into the Knowledge Management context, presenting your value to understand the flow of tacit knowledge into an organization. v

7 Índice de texto 1 - Introdução Análise de Rede Social Visão Geral Visão básica Histórico da técnica Aplicações Benefícios esperados A Técnica de Análise de Rede Social Análise da rede pessoal Análise da rede em grupos fechados Identificação do grupo estratégico Construção do questionário Coleta das informações Análise das informações Análise visual Análise quantitativa Apresentação do resultado Análise comparativa entre as técnicas Uso da S.N.A. na área de Gestão do Conhecimento Aplicação em gestão de mudanças Aplicação em diagnósticos de Gestão do Conhecimento Aplicação em ferramenta de Páginas Amarelas Aplicação em Comunidades de Prática Gestão de Competências Exercício de aplicação da técnica de S.N.A Técnica utilizada Identificação do grupo estratégico Construção do questionário Coleta das informações Análise das informações Apresentação dos resultados Resultados obtidos Conclusões sobre os resultados Considerações Finais Referências Bibliográficas vi

8 Índice de Figuras Figura 1 - Ilustração da análise da rede pessoal. (Fonte: elaboração própria, 2005).. 10 Figura 2 - Ilustração da análise da rede em grupos fechados. (Fonte: elaboração própria, 2005) Figura 3 - Exemplo básico de rede de consciência das competências. (Fonte: elaboração própria, 2005) Figura 4 - Subgrupos em uma rede. (Fonte: elaboração própria, 2005) Figura 5 - Padrões em uma rede. (Fonte: elaboração própria, 2005) Figura 6 - Questionário utilizado na coleta das informações do exercício de aplicação. (Fonte: Petrobras, Gerência de Gestão do Conhecimento, 2005) Figura 7 - Rede de conhecimento de pessoas (quem conhece quem?). (Fonte: Petrobras, Gerência de Gestão do Conhecimento, 2005) Figura 8 - Rede de comunicação regular (quem se comunica regularmente com quem?). (Fonte: Petrobras, Gerência de Gestão do Conhecimento, 2005) Figura 9 - Rede de pessoas com potencial de conhecimento para me ajudar (quem tem conhecimento para me ajudar?). (Fonte: Petrobras, Gerência de Gestão do Conhecimento, 2005) Figura 10 - Interseção entre as redes de comunicação regular e de pessoas com potencial de conhecimento para me ajudar. (Fonte: elaboração própria, 2005) vii

9 Índice de tabelas Tabela 1 - As quatros principais escolas. (MOLINA, 2004)... 6 Tabela 2 - Questionário básico de análise de redes em grupo fechado. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 3 - Quadro comparativo entre as várias formas de coleta das informações. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 4 - Métricas básicas de rede. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 5 - Tabela de densidades da figura 6. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 6 - Quadro resumo com os tipos de redes versus as práticas de Gestão do Conhecimento. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 7 - In-degree e out-degree dos nós da rede de conhecimento de pessoas. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 8 - Densidades de conexão entre as faixas de experiência para rede de conhecimento de pessoas desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 9 - Densidades de conexão entre novos e antigos para rede de conhecimento de pessoas desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 10 - In-degree e out-degree dos nós da rede de comunicação regular. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 11 - Densidades de conexão entre as faixas de experiência para rede de comunicação regular desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 12 - Densidades de conexão entre novos e antigos para rede de comunicação regular desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 13 - In-degree e out-degree dos nós da rede de pessoas com potencial de conhecimento para me ajudar. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 14 - Densidades de conexão entre as faixas de experiência para rede de pessoas com potencial de conhecimento para me ajudar desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 15 - Densidades de conexão entre novos e antigos para rede de pessoas com potencial de conhecimento para me ajudar desconsiderando as pessoas que não responderam o questionário. (Fonte: elaboração própria, 2005) Tabela 16 - Grau de densidade e de reciprocidade das 3 redes analisadas. (Fonte: elaboração própria, 2005) viii

10 1 - Introdução Uma das questões mais relevantes dentro de Gestão do Conhecimento é a forma de se lidar com o conhecimento que está na cabeça das pessoas, ou seja, o conhecimento tácito 1. É muito difícil propagá-lo, mas principalmente medi-lo e avaliálo nas organizações. Isso pode parecer um pouco distante da fria realidade empresarial porém, segundo Rasmus (2002), de todo conhecimento necessário para uma empresa funcionar (100%), o mesmo está distribuído da seguinte forma: 4% encontra-se descrita explicitamente em bancos de dados (informação explícita estruturada), 16% encontra-se descrita explicitamente em documentos Word, Excel, PowerPoint, etc. (informação explícita não estruturada), e os outros 80% encontra-se na cabeça das pessoas (conhecimento tácito). Como o conhecimento tácito é dificilmente explicitado, a principal forma de transferência do mesmo é por meio do contato entre as pessoas. Dessa forma, é de vital importância o entendimento de como se dá a interação entre as pessoas da organização. Por meio da técnica de análise de rede social, conhecida também por Social Network Analysis (S.N.A.), é possível fazer esse tipo de diagnóstico. Uma vez coletada as informações é possível ter uma visão abrangente de como ocorre à transferência de conhecimento dentro da organização. Esse trabalho visa mostrar a aplicabilidade da técnica dentro do contexto da Gestão do Conhecimento, mostrando seu valor para o entendimento do fluxo de conhecimento tácito dentro de uma organização. O objetivo desse trabalho é mostrar que a técnica de S.N.A. é uma ferramenta de diagnóstico, e pode ser proficuamente utilizada dentro do contexto da GC. Para alcançarmos o objetivo supracitado, o presente trabalho está organizado da seguinte forma: no capítulo 1, apresenta-se a introdução; no capítulo 2, apresenta-se uma perspectiva geral da técnica de S.N.A. proporcionando uma visão básica da técnica, seu histórico, e aplicações existentes; no capítulo 3, discorre-se sobre os principais métodos de aplicação da técnica; no capítulo 4, aborda-se a relação da técnica com a Gestão do Conhecimento; no capítulo 5, detalha-se um exercício de aplicação da técnica de S.N.A. na indústria do petróleo; no capítulo 6, apresenta-se a conclusão do trabalho; 1 O conhecimento tácito é pessoal, específico ao contexto e, assim, difícil de ser formulado e comunicado. Ele inclui elementos cognitivos (modelos mentais) e técnicos (know-how concreto, técnicas e habilidades). (Polanyi (1966), citado por (NONAKA & TAKEUCHI, 1997)) 1

11 e, finalmente, no capítulo 7, são relacionados os possíveis trabalhos futuros vislumbrados. 2

12 2 - Análise de Rede Social Visão Geral O objetivo desse capítulo é fornecer uma visão básica da técnica, seu histórico, e aplicações existentes. 2.1 Visão básica S.N.A. surge no contexto das Ciências Humanas em meados dos anos 30, nos anos 60 é conduzido para o estudo da teoria dos gráficos (grafos) e a partir dos anos 70 é aplicada a diversas áreas do conhecimento, especialmente utilizado na Sociologia como instrumento para mapear os movimentos sociais. A Social Networking Analysis trata-se de uma técnica interdisciplinar que propicia uma leitura dinâmica das interações sociais. Propicia uma alternativa à interpretação estática (no momento da leitura) do papel social do indivíduo ou grupo dentro de um contexto. Pressupõe uma análise de tendência em um determinado contexto e não afirmações absolutas, isto é, a técnica é utilizada para oferecer uma perspectiva. A aplicação da técnica numa organização ou área de uma empresa visa reconhecer oportunidades ou desafios, identificando lacunas no fluxo de conhecimento. Ela possibilita mapear a interação de conhecimento de uma pessoa ou grupo na estrutura de uma organização, onde os movimentos e contatos não são aleatórios. Pode-se dizer que enquanto a estrutura organizacional é hierárquica, as redes sociais numa empresa são flexíveis (característica de sua natureza), e têm o poder de dominar (entravar) os processos da empresa. Karen Stephenson fala sobre o poder das redes (ROSENBURG, 2003)... trata-se de um sistema invisível, mas muito poderoso e que é ignorado por muitos executivos. Na análise de redes sociais são observados os atores sociais, seus papéis e suas ligações. A análise de rede social é uma ciência interdisciplinar especializada no comportamento. Ela está fundamentada na observação que os atores sociais são interdependentes e que as conexões entre eles possuem importantes conseqüências para cada indivíduo. (FREEMAN, 2004) S.N.A. trata de sistemas interativos de relações entre pessoas ou grupos. O que interessa é o posicionamento estrutural de cada ator dentro de um contexto, isto é, sua posição na rede. 3

13 2.2 Histórico da técnica A técnica de análise de redes sociais interessa a pesquisadores de vários campos do conhecimento que, na tentativa de compreenderem o impacto da rede sobre a vida social, deram origem a diversas técnicas de análise que têm como base as relações entre os indivíduos, em uma estrutura em forma de redes (MARTELETO & SILVA, 2004). Uma prova concreta do parágrafo anterior é o histórico de aplicação da técnica nos diversos campos de conhecimento (MORTON et al., 2004): O primeiro uso da técnica data de 1933, onde o psiquiatra Jacob Levi Moreno apresentou o sociograma, ferramenta essa originária de seu trabalho em sociometria. Moreno criou o método para analisar relacionamentos emotivos interpessoais dentro de um grupo. Por meio dessa ferramenta era possível identificar líderes, e indivíduos isolados. (MORTON et al., 2004) Radcliffe Brown (1940) e John Barnes (1954) inventaram o termo rede social, pois o foco deles estava nas características da estrutura global da sociedade e não nas características das redes pessoais. Em 1951, Lewis, em sua teoria de campo, focou nas propriedades estruturais do espaço social. Nas décadas de 1960 e 1970, antropólogos associados ao Rhodes Livingstone Institute (Universidade de Manchester), coordenado por Max Gluckman e, posteriormente, por J. Clyde Mitchell, desenvolveram diversas pesquisas sobre os processos migratórios rural-urbanos em países africanos, tendo como principal foco analítico a identificação das redes sociais da migração. Frank Harary (1963) aplicou a teoria dos gráficos na Antropologia, na Sociologia e na Psicologia. David Douglas Massey (1990) utilizou a técnica de S.N.A. para explicar os processos migratórios de mexicanos para os EUA. Dimitri Fazito e Weber Soares (1991) utilizaram à técnica para compreender as redes de migração interna no Brasil. A análise de redes pessoais é derivada de quatro principais escolas, segundo Molina (2004): escola de Manchester, de estudos de comunidades, de estudos de estimação do tamanho das redes pessoais e de capital social. 4

14 Os antropólogos urbanos da escola de Manchester estavam interessados nas redes sociais para explicar o comportamento que não podia ser explicado por um paradigma teórico estrutural-funcionalista, o qual mostra a existência de uma rede ativa de instituições que permitia dar conta da vida social do individuo. Estes pesquisadores documentaram a relação entre a estrutura da rede pessoal e a conduta pessoal em situações baseadas em lutas políticas, conflitos sociais em alguns ambientes, tais como ambiente de trabalho. A escola de estudos de comunidade é conhecida como a tradicional no estudo da investigação centrada na localização das redes de apoio social. São redes constituídas por parentes, amigos e vizinhos que proporcionam socialização, informação e ajuda em geral. Este estudo possibilita conhecer características globais das redes pessoais. Já a escola de estudo de estimação do tamanho das redes pessoais tem seu ponto de partida na resposta obtida à pergunta A quantas pessoas conheces? a resposta a essa questão dá lugar ao estudo. Suas características são os experimentos entre eles o cálculo do volume total de conhecidos de uma pessoa utilizando listas telefônicas e a aplicação aproximada das redes pessoais, segundo os critérios de contatos acumulados, contatos ativos e laços fortes. Por último, a escola de estudo do capital social e redes pessoais, escola centrada em três grupos: o capital social com foco na pessoa, o capital social centrado na rede e o capital social focado na rede de associações (sociedades civis). No primeiro uso, o capital social é algo inerente às pessoas, isto é, ao número e a qualidade de relações, determinado por sua classe social. No segundo sentido, o capital social reside nos recursos das propriedades da rede de relações, mais que nas pessoas. A terceira aplicação associa o êxito econômico de uma região do país com a rede de entidades civis e econômicas existente na região. A tabela 1 apresenta um quadro com o resumo das principais escolas, e estudiosos sobre a técnica de S.N.A.. 5

15 Tradição Enfoque teórico Principais estudos Métodos Escola de Manchester Escola de Estudos de Comunidade Complemento do paradigma estrutural - funcionalismo em um mundo urbano fluído. Laços comunitários além dos limites residenciais, apoio social e troca da rede pessoal ao longo do tempo. Movimentos sociais. Barnes (1954) Bott (1955,1957) Epstein (1957, 1963) C. Mitchell (1969) Boissevain (1973) Kapferer (1972) Laumann (1973) Fisher (1982) Wellman (1979, 1982, 1988, 1997, 1999) Litwin (1996) Tilburg (1998) Ferrand (1999) Sociogramas, Observação de participante, conceitos sobre teoria de gráficos e matrizes.. Grandes pesquisas egocéntricas. Bases de dados públicos com dados de redes sociais. Escola de Estimativa do tamanho das redes pessoais Escola Capital Social Tamanho, estrutura ou amostras representativas de redes pessoais. Acesso a pessoas em posições sociais superiores e seus recursos associados. Gerador de nomes a partir de posições sociais, gerador de nomes a partir de recursos acessíveis. Poole y Kochen (1978) Killworth e Bernard (1978, 1984) Killworth et al. (1998,1990) Freeman e Thompson (1989) Bernard (1990, 1998) McCarty (1997, 2000) Lin (1982, 2001), Lin et al. (2001), Burt (1992), Flap et al. (1999), van der Gaag e Snijders (2003) Tabela 1 - As quatros principais escolas. (MOLINA, 2004) Amostras de guias telefônicas locais ou listas de nomes, Mundo Pequeno ao contrário, RSW, método Scale-up. Gerador de nomes a partir de posições sociais. Gerador de nomes a partir de recursos acessíveis. No Brasil, a literatura é restrita. Após uma pesquisa foram identificados os professores e autores Regina Marteleto e Eduardo Marques, entre outros que publicaram artigos sobre o uso de S.N.A. como ferramenta para análise. Marteleto usou a técnica para estudar os movimentos sociais, enquanto Marques usou a técnica dentro da empresa CEDAE-RJ (Companhia Estadual de Águas e Esgoto Rio de Janeiro). Outra referência sobre o tema no Brasil é o trabalho de Tonia Marta Barbosa Macedo sobre a importância das redes informais para um sistema de inteligência competitiva. Nesse trabalho, ela realizou pesquisa empírica entre os profissionais do Centro de Desenvolvimento de R.H. da Petrobras. Os Programas de Mestrado e de Doutorado em Sociologia e Ciência Política da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais Fafich/UFMG ofereceu em 2004, um curso avançado de Introdução à análises de redes sociais dentro do curso de Metodologia Quantitativa (http://www.fafich.ufmg.br/~mq/ 6

16 ementas.htm - ver cursos avançados). O curso teve por objetivo apresentar a técnica para os alunos de forma instrumental e aplicada. 2.3 Aplicações Entre as principais aplicações da técnica de S.N.A. descrevemos algumas a seguir. Na área médica, a técnica é aplicada para estudar a propagação e evolução de diversos tipos de doenças. Cohen et al. (2000), com seu estudo sobre como uma rede social diversa influencia a saúde do indivíduo, é um típico exemplo de aplicação nesse campo. Na sociologia, essa técnica é utilizada para estudar a formação das redes sociais humanas. Os cientistas sociais observaram que as redes sociais tendem a aproximar as pessoas com interesses mútuos. A S.N.A. também é aplicável em sistemas de recomendação de especialistas. Nesses sistemas, os resultados da aplicação de uma dinâmica de S.N.A. podem ser usados em dois momentos: utilizar a opinião das demais pessoas da rede para indicar o grau de competência de uma determinada pessoa e, também, para ordenar uma lista de especialistas priorizando os mais próximos da rede social da pessoa que fez a busca. McDonald (2003) aborda a utilização da técnica para filtrar e ordenar a resposta à busca de um especialista. Segundo o sistema proposto, os especialistas seriam apresentados em ordem de proximidade na rede social do usuário que faz a pesquisa no sistema. Percebemos a S.N.A. também como ferramenta útil ao campo da Gestão de Conhecimento (BUSCH at el., 2001; CROSS at el., 2001; PARKER at el., 2001). É importante observar, no entanto que dentro da literatura sobre Gestão do Conhecimento são raros os artigos que abordam aplicações de S.N.A.. Um exemplo de aplicação da técnica é a sua utilização para avaliar a evolução da implantação de uma comunidade. A técnica também pode ser utilizada para identificar as dificuldades de comunicação entre pessoas de um mesmo processo chave ou grupo no interior de uma organização. A dificuldade de comunicação tende a surgir devido à grande fragmentação existente ao longo do processo (fronteiras funcionais, hierárquicas e físicas). 7

17 2.4 Benefícios esperados Alguns benefícios esperados da aplicação da técnica de S.N.A. observados por CROSS & PARKER (2004) são os seguintes: Integrar a rede de pessoas que participam de processos de negócios da empresa. Identificar os indivíduos centralizadores de informação da rede pesquisada. Motivá-los para disseminar informações entre seus pares. Capacidade de avaliar o desempenho de um grupo de pessoas que deve trabalhar de forma integrada. 8

18 3 - A Técnica de Análise de Rede Social Há duas formas de se fazer uma análise de rede social: uma por meio da análise do perfil de relacionamentos de um indivíduo, sem qualquer restrição sobre a fonte do relacionamento; e a outra, por meio da análise dos relacionamentos de um grupo de pessoas onde os relacionamentos estão restritos ao grupo. Cada uma dessas formas tem uma maneira diferente de condução, com vantagens e desvantagens distintas para cada uma delas. 3.1 Análise da rede pessoal Resumidamente, na análise da rede pessoal, é solicitada a pessoa mapeada que identifique outras pessoas que são importantes para a execução de uma dada função ou tarefa (por exemplo: obtenção de informação, consolidação de idéias etc.) sendo que para cada pessoa identificada deve-se responder um conjunto de questões sobre esse relacionamento. Nessa técnica pode-se ou não limitar o grupo de pessoas que podem ser apontadas pelo indivíduo mapeado. Por exemplo, pode-se restringir o mapeamento somente às pessoas que trabalham na mesma empresa da pessoa mapeada, ou pode-se fazer sem qualquer limitação, coletando informações de relacionamentos provenientes de qualquer natureza (pessoas do mesmo departamento, colegas de empresa, amigos de escola, familiares etc.). Normalmente, a técnica é aplicada sem qualquer limitação sobre a fonte do relacionamento. Após o levantamento dos relacionamentos da pessoa mapeada, é feita a análise destes tendo por base uma distribuição de relacionamentos ideal que a pessoa deveria seguir. A partir dos hiatos existentes entre a distribuição de relacionamentos ideal e a distribuição de relacionamentos atual desta pessoa é elaborado um diagnóstico com uma recomendação sobre com quais grupos ela deve procurar se relacionar mais. 9

19 A figura 1 ilustra a técnica de análise da rede pessoal. Construção do questionário Coleta das informações Análise das informações Apresentação dos resultados Proximidade Mesmo Andar = 4 pessoas Mesmo Prédio = 2 pessoas Mesma Cidade = 0 pessoas Questionário.. Posição Hierárquica Acima = 0 pessoas Mesma = 1 pessoas Abaixo = 5 pessoas Tempo de relacionamento 1 3 anos = 2 pessoas 3 6 anos = 2 pessoas + de 6 anos = 2 pessoas Devido ao seu perfil de gerente, é sugerido: - aumentar a interação com superiores. - aumentar a interação com pessoas em outras cidades. Figura 1 - Ilustração da análise da rede pessoal. (Fonte: elaboração própria, 2005) Na etapa de construção do questionário objetiva-se elaborar o questionário que será utilizado para coleta das informações. Normalmente o questionário na análise da rede pessoal é aberto, onde o respondente pode apontar seus principais relacionamentos para um determinado contexto (busca de informações, solução de problemas etc.). Para cada relacionamento apontado pelo respondente, o mesmo deve fornecer algumas informações que permitam identificar as suas principais tendências de relacionamento (por exemplo: indicar a localização geográfica das pessoas com que se relaciona). O segredo na construção do questionário está na definição precisa do contexto que o respondente deve utilizar para apontar seus relacionamentos, e nas informações extras que ele deve indicar para cada relacionamento. Alguns exemplos dessas informações extras podem ser: Posição hierárquica da pessoa com quem ele se relaciona (acima, igual, abaixo). Proximidade física da pessoa com quem ele se relaciona (mesma sala, mesmo andar, mesmo prédio, mesma cidade, mesmo país). Tempo de relacionamento com a pessoa (menos de 1 ano, entre 1 e 3 anos, entre 3 e 7 anos, mais de 7 anos). Freqüência com que interage com essa pessoa (todo dia, uma vez por semana, uma vez por mês). 10

20 Na etapa de coleta das informações mapeiam-se os relacionamentos da pessoa alvo. A coleta das informações pode acontecer por meio de entrevistas ou por meio da resposta individual ao questionário. Devido a maior simplicidade do questionário em comparação com o questionário da técnica de análise da rede em grupos fechados (seção 3.2.2), a resposta individual a esse questionário não apresenta maiores dificuldades para o respondente. Na etapa de análise das informações se compara a distribuição dos relacionamentos da pessoa com uma distribuição ideal 2, segundo o perfil da pessoa. Por exemplo, é provável que a distribuição ideal de relacionamentos para gerentes de nível médio seja composta de pessoas que estejam presentes em vários locais geográficos da empresa. Se na análise das informações coletadas de um gerente de nível médio encontra-se somente relacionamento com pessoas de uma única localidade, esse seria um possível hiato de relacionamento para esse gerente, segundo a distribuição ideal. Por fim, na etapa de apresentação dos resultados aponta-se o hiato entre a distribuição da pessoa analisada em comparação com essa distribuição ideal. A partir da análise destes hiatos a pessoa alvo pode ser mais pró-ativa na criação de novos relacionamentos visando equilibrar a sua rede pessoal, procurando assim atingir sua distribuição ideal. 2 A distribuição ideal varia conforme o perfil de trabalho do indivíduo que está sendo analisado. Por exemplo, um gerente teria uma distribuição ideal de relacionamentos diferente de um pesquisador. 11

21 3.2 Análise da rede em grupos fechados Na análise da rede em grupos fechados, deve-se começar delimitando o grupo estratégico que se deseja analisar para, posteriormente, coletar de cada uma das pessoas que compõem esse grupo o seu tipo e grau de relacionamento com as outras pessoas desse mesmo grupo. Após essa coleta é realizada a análise do relacionamento do grupo como um todo, como também uma análise do papel de cada indivíduo dentro desse grupo. Por fim, é apresentado o retorno do diagnóstico para o grupo. A figura 2 ilustra a técnica. Na etapa de identificação do grupo estratégico escolhe-se o grupo alvo para aplicação da técnica; na etapa de construção do questionário elabora-se o questionário utilizado para coleta das informações; na etapa de coleta das informações há a coleta propriamente dita; na etapa de análise das informações as informações dos vários membros do grupo são analisadas em conjunto; e por fim na etapa de apresentação dos resultados divulgam-se as conclusões do trabalho. 12

22 Construção do questionário Identificação do grupo estratégico Questionário.. Apresentação dos resultados Análise das informações Coleta das informações Figura 2 - Ilustração da análise da rede em grupos fechados. (Fonte: elaboração própria, 2005) A seguir, abordaremos com mais detalhes cada uma das etapas Identificação do grupo estratégico O primeiro passo para realizar uma análise de rede em grupo fechado é identificar e delimitar o grupo que será analisado. Grupos onde a colaboração entre seus membros traz um grande diferencial para a empresa são fortes candidatos a serem analisados por essa técnica. É interessante realizar a análise nesses grupos tanto para identificar as características que conduzem a uma boa colaboração, nos que funcionam bem, como também para otimizar a colaboração, nos que funcionam mal. 13

23 Os grupos a serem analisados não precisam necessariamente estar dentro de uma mesma unidade organizacional da empresa. A delimitação dos grupos dentro de uma empresa pode se dar, por exemplo, das seguintes formas: pessoas que se encontram em mesma função, pessoas que contribuem para execução de um processo, pessoas que trabalham em uma mesma unidade organizacional etc. Nessa etapa é importante saber delimitar o grupo de forma a manter o seu tamanho aceitável para execução da coleta das informações. Apesar de teoricamente a análise poder ser feita para um grupo de tamanho arbitrário, na prática algumas questões de ordem técnica devem ser levadas em conta na hora da definição das pessoas que terão suas informações coletadas (por exemplo: número de pessoas a terem suas informações coletadas e o tempo de preenchimento dos questionários). Para casos onde o grupo é muito grande (maior que 200 pessoas), uma boa prática é realizar a análise somente em uma amostra dessa população, a ser definida segundo critérios de confiabilidade estatísticos. Caso seja realmente necessário trabalhar com grupos com mais de 200 pessoas uma solução pode ser a análise dos s enviados pelas pessoas desse grupo. Na seção sobre coleta das informações abordam-se os prós e contras dessa forma. O produto desta etapa é o conjunto dos nomes das pessoas que compõem o grupo a ser analisado. Isso serve como base para a construção do questionário que será aplicado às pessoas do grupo para coletar os tipos e graus de relacionamentos Construção do questionário O objetivo do questionário em uma análise de rede social é coletar informações sobre os relacionamentos de cada pessoa que compõe o grupo de forma a que se possa entender claramente a forma de trabalho do grupo que está sendo analisado. Esse entendimento é alcançado através do cruzamento das respostas ao questionário dos diversos componentes do grupo. A tabela 2 apresenta um questionário básico de análise de redes em grupo fechado, baseado em (CROSS & PARKER, 2004). 14

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Prof. Gilson Yukio Sato UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 1 Aviso Esta apresentação foi baseada no texto Metodologia de análise de redes sociais de

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS DÉBORA ZANINI Data Intelligence Ciências Sociais UNICAMP JOÃO PAULO BELUCCI Social Intelligence Midialogia UNICAMP OBJETIVOS DA OFICINA Compreender conceitos básicos

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais Análise de Redes Sociais Isabela Dantas de Melo 1 Leonardo Augusto Lima Ferreira da Silva 2 Rodrigo Augusto Vasconcelos Sarmento 3 Victor Souza Fernandes 4 Resumo Este trabalho apresenta análises de redes

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV

Análise de Redes. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e Mauricio C. Serafim. Curso: Introdução às Ciências Sociais EESP / FGV Análise de Redes Texto original: Introduction to Social Network Methods de Robert A. Hanneman, Department of Sociology University of California, Riverside. Tradução/compilação: Ana Cristina B. Martes e

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search

Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search Gerenciamento de Carreira pelo Bluesteps.com Contents: Introdução: O recrutamento de Executivos de Nível Sênior Page 1-2: O que é Retained Executive Search?

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Análise de requisitos Definição de requisitos do sistema Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Exercício Análise de Requisitos Análise de Requisitos É o 1º passo

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

O impacto da distribuição geográfica dos Stakeholders na gestão de requisitos em uma organização multi-site

O impacto da distribuição geográfica dos Stakeholders na gestão de requisitos em uma organização multi-site O impacto da distribuição geográfica dos Stakeholders na gestão de requisitos em uma organização multi-site Daniela E. Damian and Didar Zowghi University of Technology, Sydney Professor: Jaelson Castro

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social

Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Proposta de Actividade para desenvolvimento do Trabalho Final: Análise de uma Rede Social Autor Fernando Miranda MESTRADO EM EDUCAÇÃO TIC E EDUCAÇÃO Análise

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

2ª avaliação - SIMULADO INSTRUÇÕES

2ª avaliação - SIMULADO INSTRUÇÕES Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Gerenciamento de Projetos 2ª avaliação - SIMULADO INSTRUÇÕES 1. Identifique todas as folhas da avaliação, inclusive a capa, com seu nome em letra

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais