A primeira vez que vi Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A primeira vez que vi Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers."

Transcrição

1 1 A primeira vez que vi Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers. O manobrista do estacionamento havia trazido o carro e ainda segurava a porta aberta pois o pé esquerdo de Terry se balançava do lado de fora, como se ele tivesse esquecido de que tinha um. Terry mostrava um rosto jovem, mas seus cabelos eram brancos como ossos. Pelos olhos, podia-se dizer que estava no limite do porre total, mas ao mesmo tempo parecia apenas um rapaz decente, de smoking, que estivera gastando dinheiro demais numa dessas espeluncas que existem para esse fim e não outro. Ao seu lado, havia uma garota. Seu cabelo era de um belo tom de ruivo escuro e tinha um sorriso distante nos lábios. Sobre os ombros, havia jogado um casaco de mink azul, que quase fazia o Rolls Royce parecer um automóvel qualquer. Bem, nem tanto. Nada conseguiria isso. O manobrista era o sujeito meio durão de sempre. Usava um paletó branco com o nome do restaurante bordado em vermelho na frente. E estava para explodir. Escute, meu senhor disse, com uma lâmina na voz, poderia puxar a perna pra dentro do carro, para eu poder fechar a porta? Ou devo abri-la toda para que o senhor possa cair pra fora de vez? A garota lançou-lhe um olhar que deve ter penetrado pelo menos alguns centímetros nas suas costas. Mas ele nem ligou, pelo menos não a ponto de se alterar. No The Dancers costuma aparecer este tipo de gente que nos desilude a respeito do que um monte de dinheiro pode fazer à personalidade das pessoas. Um carro esporte estrangeiro e comum, com a capota arriada, entrou no estacionamento. Um homem desceu e usou o isqueiro do carro para acender um cigarro comprido. Vestia um pulôver quadriculado de gola rolê, calças amarelas e botas de cavalgar. E foi em frente deixando nuvens de 7

2 fumaça no ar, sem sequer se importar em dar uma olhada para o Rolls Royce. Com certeza achou que era uma coisa vulgar demais. Aos pés da escada que dava para o terraço, parou um pouco para ajustar um monóculo no olho. A garota falou com um jeito encantador: Tive uma idéia incrível, querido. Por que a gente não vai de táxi até a sua casa e pega o conversível para dar uma volta? A noite está tão maravilhosa para um passeio pela costa até Montecito! Conheço um pessoal lá que está dando uma festa em volta da piscina. O cara de cabelos brancos disse, polidamente: Sinto muito, mas não tenho mais o carro. Fui obrigado a vendê-lo. Pela sua voz e pelo seu jeito de falar não se poderia saber se ele tinha bebido alguma coisa mais forte do que suco de laranja. Vendeu, meu bem? O que você quer dizer com isso? Ela se afastou dele, no banco do carro, porém sua voz se afastou um bocado a mais. Bem, precisei. Dinheiro para comer. Ah, sim, entendi. Se, nesse instante, alguém encostasse nela um sorvete, ele não conseguiria derreter. O manobrista não agüentava mais o rapaz de cabelos brancos. E baixou o nível: Escute aqui, cara. Preciso tirar um carro. A gente se vê outro dia, quem sabe. Deixou a porta aberta, balançando. O bêbado logo deslizou do banco e aterrissou o traseiro no asfalto. Fui em frente e decidi intervir. Acho que é sempre um erro a gente se meter com um bêbado. Mesmo que ele nos conheça e goste da gente, estará sempre pronto a nos enfrentar e a acertar um soco bem nos dentes. Segurei-o pelo braço e co loquei-o em pé. Muito, muito obrigado ele disse, educadamente. A garota deslizou para trás do volante. 8

3 Ele fica parecendo um inglês idiota quando enche a cara disse com um tom de aço inoxidável. Obrigada por apanhá-lo. Vou colocá-lo no banco de trás. Desculpe. Tenho um compromisso, estou atrasada. Ligou a chave e o motor começou a funcionar. Ele não passa de um cão perdido acrescentou, com um sorriso gelado. Talvez você consiga encontrar um lar pra ele. Anda assim, meio sem saber para onde vai. O Rolls Royce foi até a entrada da auto-estrada em direção ao Sunset Boulevard, dobrou à direita e desapareceu. Fiquei olhando até o sujeito do estacionamento voltar. Eu ainda segurava o homem, que agora dormia fundo. Bem, por essa eu não esperava falei pro cara de paletó branco. Claro ele disse, cinicamente. Por que perder tempo com um bêbado? Eles ficam dando voltas e voltas e coisa e tal. Você o conhece? A dona chamou-o de Terry, foi o que ouvi. Fora isso, não conseguiria distingui-lo de um vagão de carga. Mas estou aqui só há duas semanas. Traga meu carro, por favor. Dei o ticket. Quando ele chegou com meu Oldsmobile, parecia que eu estava segurando um saco de chumbo. O sujeito de paletó branco me ajudou a colocá-lo no banco dianteiro. Ele abriu um olho, nos agradeceu e voltou a dormir. É o bêbado mais educado que eu já encontrei disse para o cara de paletó branco. Eles aparecem por aí de todos os tamanhos e formas, com todo tipo de maneiras. E são todos uns vagabundos. Esse aí ao que parece já andou alguma vez mexendo com bombas. É. Dei-lhe um dólar e ele me agradeceu. Tinha razão a respeito do envolvimento com bombas. O lado direito do rosto do meu novo amigo parecia congelado, era esbran quiçado e marcado com finas e fortes cicatrizes. A pele ti nha 9

4 uma aparência horrível ao longo das cicatrizes. Mexia com bombas, e de um jeito bastante drástico. O que vai fazer com ele? Levá-lo pra casa até ficar sóbrio e me dizer onde mora. O de paletó branco sorriu pra mim: Tudo bem, cara. Se fosse eu, simplesmente jogava ele na sarjeta e seguia em frente. Esses cachorrões de cara cheia só trazem um bocado de encrenca e nenhuma compensação. Eu tenho uma filosofia sobre essas coisas. Do jeito que a luta pela vida é hoje em dia, o cara tem mais é que guardar suas forças pra se proteger na batalha. Pelo que vejo, você fez muito sucesso com essa tática. Pareceu confuso e logo começou a ficar zangado, mas a essa altura eu já estava no carro e em movimento. Mas o sujeito estava parcialmente certo, claro. Terry Lennox me trouxe um monte de encrencas. Mas, afinal, esse é o meu trabalho. Naquele ano, eu estava morando numa casa na Avenida Yucca, no distrito de Laurel Canyon. Era uma casinha no alto de uma rua sem saída, com uma comprida escada de degraus de sequóia até a porta da frente e um pequeno bosque de eucaliptos pelo caminho. A casa era mobiliada e pertencia a uma mulher que se mudara para Idaho para passar uns tempos com sua filha viúva. O aluguel era baixo, em parte porque a dona queria poder voltar após um pequeno aviso prévio, e em parte devido aos degraus. A proprietária era velha demais para enfrentar aqueles degraus toda vez que chegasse em casa. De alguma maneira, subi com o bêbado. Até que ele queria ajudar, mas suas pernas pareciam de borracha e ele caía no sono no meio de uma desculpa. Abri a porta, carreguei-o para dentro e o estendi no sofá, joguei um cobertorzinho em cima dele e deixei que voltasse a dormir. Durante uma hora ele roncou como uma pequena baleia. De repente acordou e quis ir ao banheiro. Quando voltou, me olhou 10

5 fixamente, apertou os olhos e quis saber, afinal, onde estava. Eu disse. Falou que seu nome era Terry Lennox e morava num apartamento em Westwood onde ninguém o esperava. Sua voz era clara e bem distinta. Disse que aceitaria uma xícara de café. Quando a trouxe, ele bebeu cuidadosamente, segurando o pires bem perto da xícara. Como é que vim parar aqui? falou, olhando em volta. Você desabou do The Dancers para um Rolls Royce. E sua amiga te deixou na mão. Certo. Sem dúvida, tinha toda a razão. Você é inglês? Morei lá. Não nasci lá. Se fizer o favor de chamar um táxi, vou embora. Meu carro está lá embaixo. Desceu a escada com as próprias pernas. Não chegou a dizer muita coisa a caminho de Westwood, a não ser que fora muito gentil da minha parte e que estava chateado por incomodar. Provavelmente havia dito isso tantas vezes e para tanta gente, que já era automático. Seu apartamento era pequeno, atravancado e impessoal. Ele poderia ter se mudado naquela tarde. Numa mesinha em frente a um sofá-cama verde-escuro havia uma garrafa de uísque pela metade, gelo derretido numa tigela, três garrafas vazias de soda, dois copos e um cinzeiro de vidro cheio de pontas de cigarro com e sem marcas de batom. Não havia fotos nem objetos pessoais de espécie alguma. Poderia ser um quarto de hotel alugado para uma reunião ou para uma despedida, para alguns drinques e um bate-papo, um joguinho de dados. Não parecia um lugar onde alguém morasse. Me ofereceu um drinque, eu disse não, obrigado. Não me sentei. Quando saí, me agradeceu ainda mais, mas não como se eu tivesse escalado uma montanha por ele, nem como se fosse uma coisa qualquer. Estava um pouco trêmulo e um pouco envergonhado, mas muito bem-educado. Ficou parado na porta aberta até o elevador automático chegar e eu entrar. Podia não possuir muitas coisas, mas tinha boas maneiras. 11

6 Não falou de novo na garota. Tampouco mencionou que estava desempregado, sem perspectivas, e que praticamente seu último dólar fora-se embora ao pagar a conta no The Dancers em troca de um pouco de frivolidade de classe, que não duraria muito, mas que lhe daria a certeza de não ser perturbado pela gozação de alguns garotões andando à toa de carro ou de ser atropelado por um táxi e jogado num buraco qualquer. No elevador, descendo, tive o impulso de voltar e tirar a garrafa de uísque de lá. Mas não tinha nada a ver com isso e não adiantaria grande coisa, de qualquer modo. Eles sempre encontram uma maneira de conseguir uma garrafa quando estão querendo mesmo. Guiei até minha casa mordendo os lábios. Sou um cara meio durão, mas havia alguma coisa naquele sujeito que me perturbava. Não sabia bem o que era, talvez os cabelos brancos, o rosto com cicatrizes, a voz clara e a gentileza. Desisti de descobrir. Não havia razão alguma pra que eu o encontrasse novamente. Afinal, ele não passava de um cão perdido, dissera a garota Foi na semana depois do dia de Ação de Graças que o vi novamente. As lojas ao longo do Hollywood Boulevard já começavam a se encher com lixo natalino remarcado e os jornais começavam a anunciar como seria terrível alguém não fazer as compras de Natal antecipadamente. Seria terrível de qualquer maneira; sempre é. A cerca de três quarteirões do meu escritório vi um carro de polícia estacionado em fila dupla e dois tiras dentro dele que observavam alguma coisa na frente de uma vitrina, junto à calçada. O alguma coisa era Terry Lennox ou o que restava dele e o que se via não era muito atraente. Encostava-se na vitrina da loja, precisava encostar em alguma coisa. A camisa estava suja e aberta no pescoço,

7 meio fora da calça. Não se barbeava há quatro ou cinco dias. O nariz estava achatado. A pele, tão pálida que mal se via as longas e finas cicatrizes. E os olhos pareciam buracos feitos na neve. Era evidente que os policiais dentro daquele carro-patrulha estavam a ponto de encaná-lo, de modo que me adiantei e segurei seu braço. Fique firme e caminhe disse, bancando o durão. Pisquei-lhe o olho, de lado. Vai conseguir? Tá se agüentando? Olhou para mim vagamente e então sorriu seu pequeno sorriso de canto de boca. Tudo bem e respirou. Só estou me sentindo um pouco... vazio. OK, mas pise firme. Já está a meio caminho de um porre total. Esforçou-se e deixou que o levasse pela calçada até perto do meio-fio. Havia um táxi parado, escancarei a porta com força. Ele está na minha frente o motorista disse, apontando com o dedo um táxi na frente dele. Virou o rosto para trás e viu Terry. Se é que faz diferença... É uma emergência. Meu amigo está doente. Está certo... mas bem que ele podia ficar doente num outro lugar. Cinco dólares. Para ir com cara boa. Hum, bem disse, e pôs de lado uma revista com um marciano na capa. Entrei e deixei a porta aberta. Puxei Terry pra dentro e a sombra do carro de polícia bloqueou a janela do lado de lá. Um tira de cabelos grisalhos se aproximou. Saí, dei a volta no táxi e me encontrei com ele. Só um momentinho, cara. O que temos aqui? Esse cavalheiro que estava em frente da loja é amigo seu? Amigo o suficiente pra eu saber que ele precisa de ajuda. Não está embriagado. Sem dúvida, talvez por razões financeiras disse o tira. Esticou a mão e coloquei minha licença nela. Olhou-a e me entregou de volta. Hum, hum. Um investigador particular 13

8 pegando um cliente. A voz mudou e tornou-se ríspida. Isso diz alguma coisa sobre o senhor, sr. Marlowe. E sobre ele? Chama-se Terry Lennox. Trabalha em cinema. Ótimo disse o tira, sarcástico. Inclinou-se no táxi e encarou Terry no fundo do banco. Diria que não tem trabalhado muito ultimamente, nem que tem dormido sob um teto ultimamente. Diria mesmo, em poucas palavras, que se trata de um malandro e que talvez seja o caso da gente levá-lo. Sua cota de prisões não pode estar tão baixa. Pelo menos não em Hollywood. Ele continuava olhando Terry. Qual é mesmo o nome do seu amigo, meu chapa? Philip Marlowe disse Terry, lentamente. Mora na Avenida Yucca, Laurel Canyon. O tira tirou a cabeça da janela. Voltou-se e fez um gesto com a mão. Você pode ter dito seu nome pra ele. Podia, mas não disse. Me encarou por uns segundos. Desta vez, vou deixar passar. Mas tire este cara de circulação. Entrou no carro-patrulha, que partiu. Entrei no táxi, seguimos três quarteirões até meu estacionamento e mudamos para o meu carro. Dei os cinco dólares pro motorista. Ele me lançou um olhar frio e sacudiu a cabeça. Apenas o que marca no taxímetro, cara, ou um dólar a mais se o senhor quiser. Já estive na pior, sei o que é isso. Em Frisco. Ninguém me pegou e me pôs num táxi. É uma cidade de coração de pedra. São Francisco falei, mecanicamente. Chamo ela de Frisco. Abaixo os grupos minoritários. Obrigado. Pegou o dólar e sumiu. Fomos para um drive-in onde se fazia um hambúrguer que não chegava a ter gosto de qualquer coisa que cachorro 14

9 não pudesse comer. Terry Lennox comeu dois hambúrgueres e tomou uma lata de cerveja. Levei-o pra casa. Os degraus ainda pareciam difíceis pra ele, mas Terry sorriu, respirou fundo e conseguiu subir. Uma hora mais tarde, estava barbeado e de banho tomado, parecendo novamente um ser humano. Sentamo-nos à volta de alguns drinques bem fraquinhos. Que sorte ter se lembrado do meu nome falei. Fiz questão de não esquecer. Além disso, andei procurando você. Era o mínimo... Por que não me ligou, então? Moro aqui o tempo todo. E ainda tenho um escritório. Por que deveria incomodá-lo? Parece que precisava incomodar alguém. Parece que não tem lá muitos amigos. Não, tenho amigos, em certo sentido... Colocou o copo na mesa. Pedir ajuda não é uma coisa que faço com facilidade, principalmente quando o problema é todo meu. Olhou pro alto com um sorriso cansado. Talvez eu possa parar de beber um dia desses. Todos dizem isso, não é mesmo? Leva pelo menos três anos. Três anos? Parecia chocado. Geralmente é o que se leva. É um mundo diferente. Vai precisar se acostumar a um conjunto mais pálido de cores, um agregado de sons mais tranqüilos. Precisa levar em conta as recaídas. Todas as pessoas que conhece vão começar a ficar um pouco estranhas. Você não vai, inclusive, gostar mais da maioria delas e elas tampouco vão gostar de você. Não, seria uma mudança considerável disse. Virouse e olhou o relógio. Tenho uma valise que vale duzentos dólares guardada na estação de ônibus de Hollywood. Se pudesse recuperá-la, compraria uma mais barata, empenharia a outra e conseguiria dinheiro para chegar a Las Vegas. Lá posso arrumar emprego. Não disse nada. Apenas concordei com a cabeça e fiquei sentado cuidando do meu drinque. 15

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

O, cara, vai te foder.

O, cara, vai te foder. 1 Eu morava num conjunto de casas populares na Carlton Way, perto da Western. Tinha cinqüenta e oito anos e ainda tentava ser escritor profissional e vencer na vida apenas com a máquina de escrever. Iniciara

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

Da primeira vez em que pus os olhos em Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls-Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers.

Da primeira vez em que pus os olhos em Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls-Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers. 1 Da primeira vez em que pus os olhos em Terry Lennox ele estava bêbado, num Rolls-Royce Silver Wraith, em frente ao terraço do The Dancers. O manobrista tinha trazido o carro e mantinha a porta aberta

Leia mais

ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro

ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro Flashback (Tomada de SAWYER abrindo os olhos. Ele está em um quarto de motel barato. Levanta da cama com as mãos na cabeça indicando uma ressaca forte. Há duas

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa CAPÍTULO UM LORRAINE Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa manhã a igreja demorou mais que o normal, e eu não vim direto para casa, como costumo fazer. Althea estava decidida

Leia mais

O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha

O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha CAPÍTULO 1 O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha só o meu nome: Jean. Não Jean Marie, nem Jeanine, Jeanette ou mesmo Jeanne. Só Jean. Sabe que na França os garotos são chamados de Jean?

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010 ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro de Fábio da Silva 15/03/2010 até 08/04/2010 Copyright 2010 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados silver_mota@yahoo.com.br 2. ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE?

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Perdendo tempo e ganhando a vida

Perdendo tempo e ganhando a vida Perdendo tempo e ganhando a vida Me acordaram as sete e meia da manhã. Era sábado. Quando se mora de favor muitas vezes dormir é um luxo. Fui deitar umas três horas. Fiquei jogando conversa fora e fumando

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 Cena 17 Jardim da casa dos Di Biasi/ Dia/ Externa O noivo já está no altar junto com os padrinhos e seus pais. Eis que a marcha nupcial toca e lá do fundo do

Leia mais

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA RUA SAUDADE Roteiro de Curta-Metragem São as últimas horas da madrugada., senhora viúva com mais de setenta anos, passa pelo portão da rua de sua casa no Bexiga. Carrega um carrinho de feira consigo. Sai

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Assassino metido a esperto

Assassino metido a esperto Assassino metido a esperto 1 O porteiro do Kilmarnock tinha quase um metro e noventa. Ele usava um uniforme azul-claro, e luvas brancas faziam sua mãos parecerem imensas. Ele abriu a porta do táxi Yellow

Leia mais

TÉRMINUS. AVCTORIS DIREITO AUTORAL & COPYRIGHT - Rafael Martins de Oliveira. CAPA Diego de Oliveira Castro. EDITORAÇÃO Diego de Oliveira Castro

TÉRMINUS. AVCTORIS DIREITO AUTORAL & COPYRIGHT - Rafael Martins de Oliveira. CAPA Diego de Oliveira Castro. EDITORAÇÃO Diego de Oliveira Castro AVCTORIS DIREITO AUTORAL & COPYRIGHT - Rafael Martins de Oliveira CAPA Diego de Oliveira Castro EDITORAÇÃO Diego de Oliveira Castro TÉRMINUS REVISÃO Rafael Martins de Oliveira Oliveira, Rafael Martins,

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

e apostar tudo nos vídeos foi uma boa. E jogar no computador é o que eu mais gosto de fazer. Sabe o que parece? Que estou entrando em outra dimensão.

e apostar tudo nos vídeos foi uma boa. E jogar no computador é o que eu mais gosto de fazer. Sabe o que parece? Que estou entrando em outra dimensão. capítulo 1 Mas o que eu vou dizer nesse evento? Eu gosto mesmo é de jogar! Passei a semana inteira com essa pergunta na cabeça. Só que, a caminho da Superultramegablaster Expogames Londrina, ao lado do

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Poder Invisível Use sua mente a seu favor!

Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Lucyana Mutarelli Poder Invisível Use sua mente a seu favor! 1 Edição Abril de 2013 "Concentre-se naquilo que tem na sua vida e terá sempre mais. Concentre-se

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA. Roteiro de Curta-metragem. Criação coletiva dos alunos da Oficina.

Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA. Roteiro de Curta-metragem. Criação coletiva dos alunos da Oficina. Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA Roteiro de Curta-metragem Criação coletiva dos alunos da Oficina. Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA Criação coletiva dos alunos da

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas

Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas Capítulo 1 Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas que ninguém mais podia saber. Uma delas era que o homem sentado ao seu lado no carro ia morrer. Também havia muitas coisas

Leia mais

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!!

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!! A Promessa N.Lym Consegui um bom emprego em São Paulo! Não posso levar você comigo, mas você pode me esperar. Prometo que vou voltar, vamos nos casar e morar juntos, bem longe daqui! Rosana ficou a pensar

Leia mais

BRINCADEIRA. por. Vinícius Bernardes

BRINCADEIRA. por. Vinícius Bernardes BRINCADEIRA por Vinícius Bernardes baseado na crônica "Brincadeira" de Luís Fernando Veríssimo oliverplentz@gmail.com Copyright (c) 2015 This screenplay may not be used or reproduced without the express

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

VERMELHO PROFUNDO. Adriano Henrique Cândido. Argumento de. Larissa Alvanhan. Oitavo Tratamento

VERMELHO PROFUNDO. Adriano Henrique Cândido. Argumento de. Larissa Alvanhan. Oitavo Tratamento VERMELHO PROFUNDO de Adriano Henrique Cândido Argumento de Larissa Alvanhan Oitavo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido e Larissa Alvanhan. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - EXT.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por Simone Teider SEQUENCIA 1 Uma mulher, (46), está sentada num sofá vendo TV e lixando as unhas. Ela veste um vestido florido e um brinco grande. (16), de

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito Era uma vez um boneco de neve chamado Bonifácio, que vivia numa terra distante onde fazia muito frio. Ele era um boneco especial, porque podia

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais