Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita"

Transcrição

1 Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007

2 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades da USP assenta nos seguintes princípios: Contextualização Benchmark Áreas Operacionais A separação entre actividades da USP e das áreas operacionais são geralmente influenciadas por algumas circunstâncias e preferências da organização Unidade de Serviços Partilhados Decisão Decisão Suporte à Decisão Reporting Processos Transaccionais Exemplos: Tomada de decisão; Definição de estratégias. Exemplos: Análises financeiras, proposta de estratégias, gestão de custos. Exemplos : Reports legais, fecho de contas; contabilidade analítica. Exemplos: Contas a pagar, contas a receber, contabilidade. As melhores práticas definem que as funções de decisão (funções core) deverão estar afectas às áreas operacionais enquanto que as funções associadas a processos transaccionais (não core), responsáveis por grandes volumes e actividades repetitivas, têm uma grande potencialidade de serem elegíveis para integrar a USP. 2

3 Processos Importância Estratégica: criticidade de cada processo para a estratégia dos hospitais, misericórdias, etc.; Homogeneidade e/ou Volumes: rotina de execução do processo, i.e., tarefas padronizadas e bem definidas Contextualização Benchmark Podem ser partilhados ou únicos Importância estratégica Partilha provável Muito críticos Pouco críticos Orçamentação e controlo Actividades orientadas para Análise financeira e reporting os utentes (serviço de Sistemas de Informação urgência, consultas externas, (Desenvolvimento) etc.) Compras (Sourcing e Procurement) Facturação Contact Center (presencial) Gestão de edifícios Contas a Pagar e a Receber Impostos Processamento de Vencimentos Jurídicos Contabilidade Geral e Analítica Tesouraria Operacional Gestão de activos fixos Consolidação contabilística Sistemas de Informação (infraestrutura, operações) Contact Center (ITT) Comuns Homogeneidade Únicos Processos específicos de algumas entidades Potencial USP: Alto Médio Baixo Podem ser partilhados ou únicos 3

4 Modelos de organização alternativos no âmbito hospitalar CENTRALIZAÇÃO OUTSOURCING SERVIÇOS PARTILHADOS OBJECTIVO Maiores níveis de eficácia e produtividade Externalizar as áreas de competência não nuclear, permitindo a concentração nas actividades core Concentração nas actividades core Actividades não core confiadas a um parceiro - USP VANTAGENS Racionalização de circuitos, normalização de processos e eliminação redundâncias Qualificação e especialização dos profissionais Propriedade dos meios Especialização nas actividades externalizadas Benefício de preço no arranque se o fornecedor trabalha em grande escala Objectivos contratualizados SLA Escala e especialização Investimentos partilhados com outros hospitais Melhor informação gestão Redução de custos e controlo da sua evolução LIMITES Escala esgotada no hospital Investimento suportado integralmente Dependente de consultadoria para desenvolvimento Difícil controlo da evolução dos custos ao longo do tempo Ausência de sinergias com outros hospitais Excesso de dependência em relação a terceiros Enfoque nos resultados Competências internas residentes nas pessoas que gerem os SLA Dependência em relação àusp 4

5 Conclusões do benchmarking promovido pelo SUCH em Junho casos analisados em cincos países: Tenet s Patient Finantial Services Estados Unidos SBS - NHS Reino Unido Health Alliance Nova Zelândia Logaritme Espanha Eastern Health Shared Services Irlanda Poupanças concretizadas entre 10%-20% dos custos iniciais em todos os casos Recuperação do investimento sempre em prazos inferiores a 4 anos Factores que mais contribuíram ram para o bom desempenho das unidades de Serviços Partilhados: incremento de escala e de poder negocial normalização de processos, artigos e serviços informatização 5

6 SUCH Serviços Partilhados em Saúde Arquitectura geral da solução Prestadores de Cuidados de Saúde HOSPITAIS CENTROS DE SAÚDE MISERICÓRDIAS OUTROS PRINCÍPIOS GERAIS OPERAÇÃO Relações contratualizadas Níveis de serviço definidos Facturação de acordo com a utilização Recuperação total dos custos Estruturação por processo e multi-site SUCH e Outros Promotores PLATAFORMA DE SERVIÇOS PARTILHADOS COMPRAS E LOGÍSTICA RECURSOS HUMANOS GESTÃO FINANCEIRA GESTÃO DE FROTAS OUTROS Fornecedores MERCADOS DE BENS E SERVIÇOS Fluxo de solicitação de serviços e de pagamentos Fluxo de entrega de bens e de prestação de serviço 6

7 Porquê o SUCH como USP? Instituição sem fins lucrativos Associação 40 anos dedicados em exclusivo ao Sector da Saúde Missão Promover a redução de custos e o aumento da qualidade e eficiência dos Associados e do SNS 7

8 Oferta de valor da USP promovida pelo SUCH no campo das Compras e Logística Planeamento Estratégia de Compras Monitorização Negociação e Contratação Pagamento Aprovisionamento Gestão Armazéns e Distribuição 8

9 Exemplos USP de Compras e Logística e comparação com a futura oferta do SUCH HEALTH ALLIANCE LOGARITME EASTERN HEALTH SHARED SERVICES PILOTO DO SUCH ENTIDADES SERVIDAS Tipo População Alvo (milhões) V. Negócios (milhões ) Nº Colaboradores Hospitais Clínicas de ambulatório Hospitais Centros de Saúde Banco de Sangue 1 ~2,5 Hospitais Centros de Saúde Cuidados Continuados Clínicas 1,5 Hospitais Centros de Saúde Cuidados Continuados ~1,5 790 ~ NATUREZA DA ENTIDADE Associação de ARS Associação de Instituições de Saúde Departamento Governamental Associação de Instituições de Saúde 9

10 Exemplos internacionais de USP de Compras e Logística e comparação com a futura oferta do SUCH (cont.) GOVERNANCIA SERVIÇO AO CLIENTE HEALTH ALLIANCE LOGARITME EASTERN HEALTH SHARED SERVICES 10 PILOTO DO SUCH BOARD GRUPOS ACONS. ACONS. ASSOC. CLIENTES CLIENTES SLA GESTORES DE CONTA RELATÓRIOS CONTA Semanai s Mensais Regulare s VISITAS UNIDADES UNIDADES FOCUS GROUP

11 Exemplos internacionais de USP de Compras e Logística e comparação com a futura oferta do SUCH (cont.) TEMPO DE OPERAÇÃO USP HEALTH ALLIANCE 5 anos > 5 anos LOGARITME EASTERN PILOTO DO HEALTH SUCH SHARED > 5 anos SERVICES > 5 anos TIPO DE ADESÃO À USP PRICING RECUP. CUSTOS BASE FACTURAÇÃO Vinculativa À escolha Vinculativa À escolha Total Parcial Nº Transacç. T. fixa Desc. Cl. Anteriore s 11

12 Oferta de valor da USP promovida pelo SUCH na Área Financeira Planeamento e preparação do Orçamento Planeamento Orçamento Preparação Orçamento Contabilidade Geral Criar Plano de Contas Gerir Plano de Contas Encerrar Períodos / Exercícios Contabil ísticos Controlo Orçamental Criar Controlo Orçamental Gerir Controlo Orçamental Controlar o Orçamento de Produção Encerrar Períodos ao Nível do Orçamento Contas a Pagar Dados Mestre Fornecedores Gestão de Facturas Gestão de Pagamentos Gestão Contas Correntes de Fornecedores Controlo de Gestão Gerir Controlo de Gestão Contas a Receber Dados Mestre Clientes Emissão de Facturas Gestão de Recebimentos Gestão Contas Correntes e Controlo de Crédito Gestão de Contratos Gerir Contratos Imobilizado Contabilizar Cadastro Aquisições de Imobilizados de Imobilizado Contabilizar Encerrar Per íodos Abates e / Exerc ícios Transferências Contabil ísticos de Imobilizados (Imobilizado) Contabilidade Analítica Criar Classes de Custo e Centros de Custo Planear e Orçamentar Centros de Custo Realizar Lançamentos a Centros de Custo Encerrar Períodos ao nível dos Centros de Custo Tesouraria Movimentos Diversos de Caixa e Bancos Gerir a Posição de Tesouraria Gerir a Previsão de Tesouraria Âmbito de prestação de serviços na fase 1 12

13 Oferta de valor da USP promovida pelo SUCH na Área de Recursos Humanos Outputs Directos Inputs Indirectos 1. Vencimento dos colaboradores 4. Cadastro 7. Gestão de Contratos 9. Gestão de Benefícios 2. Mapas de controlo e reporting 5. Gestão de assiduidades 6. Gestão do trabalho suplementar 8. Gestão de turnos e escalas 10. Selecção e Recrutamento 11. Formação 3. Pagamento e contabilização Arquivo 12. Avaliação de Desempenho Âmbito da prestação de serviços na fase 1 13

14 SUCH Serviços Partilhados em Saúde Prestadores de Cuidados de Saúde que integram o Piloto Prestadores de Cuidados de Saúde Hospitais Centro H. Lisboa Centro H. Lisboa Ocidental S. José S. Francisco Xavier Santa Marta Santa Cruz Capuchos Egas Moniz Santa Maria Cuidados Primários Centros de Saúde da actual Sub Região de Saúde de Coimbra Cuidados Continuados Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Piloto representa em relação ao SNS (2004): 17% das compras 13% do número de colaboradores 14

15 SUCH Serviços Partilhados em Saúde Libertação de Fundos para os Cuidados de Saúde no SNS ÁREA DE POUPANÇA Produtos e Serviços Adquiridos Produtos farmacêuticos Materiais de consumo clínico Outros Total Funções de natureza administrat. Gestão Financeira RH (Remunerações) Gestão de Frota Total Poupança anual estimada ,2 2,6 21 Este valor corresponde ao encargo anual do Estado com os cuidados continuados estimados necessários para de cidadãos com idade superior a 65 anos Este valor corresponde ao encargo anual do Estado com 180 médicos e 360 enfermeiros hospitalares Total Geral 221 Valores em milhões de euros 15

16 O SUCH Serviços Partilhados em Saúde Criar valor e gerar escala Manter controlo sobre a despesa Libertar fundos para a prestação de cuidados de saúde Devolver poupanças aos associados 16

17 Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos na área da Saúde - Perspectivas e desafios

Gestão de Recursos Humanos na área da Saúde - Perspectivas e desafios Gestão de Recursos Humanos na área da Saúde - Perspectivas e desafios II Seminário de Gestão em Saúde Universidade da Beira Interior 2007 18 de Maio O FUTURO É INEVITÁVEL Oscar Wilde Podemos afirmar com

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

Serviços Partilhados e Externalização Logística

Serviços Partilhados e Externalização Logística Serviços Partilhados e Externalização Logística Vias para aumentar a eficiência nos cuidados de saúde e recuperar a sustentabilidade do SNS Augusto Mateus 23.11.2011 1. (In)sustentabilidade do SNS 2.

Leia mais

Referencial para análise do posicionamento das áreas de negócio do SUCH

Referencial para análise do posicionamento das áreas de negócio do SUCH PLANO ESTRATÉGICO 2007 2009 ANEXOS Referencial para análise do posicionamento das áreas de negócio do SUCH ANEXO I Matriz de definição de posicionamento competitivo Sim Actuação no apoio à eficiente contratação

Leia mais

Benchmarking Internacional Serviços Partilhados no Sector da Saúde*

Benchmarking Internacional Serviços Partilhados no Sector da Saúde* Benchmarking Internacional Serviços Partilhados no Sector da Saúde* Junho de 2006 * Extracto da Apresentação realizada no Seminário Serviços Partilhados - Uma Oportunidade para a Saúde 7. O r ç amentoe

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados

Leia mais

Atracção e Retenção de Talentos

Atracção e Retenção de Talentos Atracção e Retenção de Talentos FORUM RH 08 O Estado da Arte na Gestão das Pessoas Paula Nanita 18 de Abril de 2008 Atracção Leis de Newton: 1. Todo o corpo continua em repouso ou em movimento rectilíneo

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

2012 Plano Actividades

2012 Plano Actividades 2012 Plano Actividades Índice 1. Enquadramento... 2 2. Órgãos Sociais... 4 3. Organograma... 4 4. Recursos Existentes... 6 5. Objectivos Estratégicos, Operacionais e Actividades... 7 1 Plano de Actividades

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

Serviços Partilhados. 06 / Dezembro / 2006. Ministério das Finanças e da Administração Pública

Serviços Partilhados. 06 / Dezembro / 2006. Ministério das Finanças e da Administração Pública Serviços Partilhados 06 / Dezembro / 2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública 1. Objectivos da apresentação Apresentação do conceito de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados no domínio

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

Sérgio Gomes Saúde 24

Sérgio Gomes Saúde 24 Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Sérgio Gomes Saúde 24 Patrocínio: Patrocinadores Globais Centro de Atendimento

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS SERVIÇO IMUNOHEMOTERAPIA SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇO RADIOLOGIA SERVIÇO CENTRAL ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA

GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA António Serrano Presidente do CA ORGANIZAÇÃO Direcção Clínica Presidente do CA Planeamento e Controlo de Gestão Gestor do Medicamento

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 FINANCE Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

Certificação ISO 22000 motivações e desafios

Certificação ISO 22000 motivações e desafios Certificação ISO 22000 motivações e desafios SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Maria Isabel Carvalho Setembro de 2008 Apresentação QUEM SOMOS ÁREAS DE NEGÓCIO SOMOS NUTRIÇÃO 2 Visão Ser referência

Leia mais

Finance. Estudos de Remuneração 2012

Finance. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Finance 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Finance Auditor Interno Controller Financeiro Contabilista Accounts Payable Accounts Receivable Técnico de Controlo de Crédito e Cobranças

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

O seu parceiro de negócios. APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1

O seu parceiro de negócios. APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1 O seu parceiro de negócios APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1 Serviços prestados A AGEMPER iniciou a sua actividade há mais de 50 anos e actualmente presta serviços em diversas áreas Contabilidade

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

ESEIGlobal Simulador Empresarial 3ª Edição - 2005/2006 NEGÓCIOS. Ana Pestana SEGMENTO DE MERCADO CAPACIDADE FINANCEIRA.

ESEIGlobal Simulador Empresarial 3ª Edição - 2005/2006 NEGÓCIOS. Ana Pestana SEGMENTO DE MERCADO CAPACIDADE FINANCEIRA. PLANO DE NEGÓCIOS Ana Pestana VIABILIDADE DO PROJECTO SEGMENTO DE CAPACIDADE FINANCEIRA Ana Pestana 1 CARACTERÍSTICAS Elevado nível de objectividade Adaptado àrealidade do projecto Transmitir uma imagem

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

O Grupo Medlog. 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde

O Grupo Medlog. 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde O Grupo Medlog 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde Plataformas Logísticas Gondomar 11.000 m2 Macedo Cavaleiros 1.040 m2 Aveiro 1.000 m2 Guarda 910 m2 Alcochete 4.000 m2

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

Digitalização e Classificação Automática de Documentação Contabilística

Digitalização e Classificação Automática de Documentação Contabilística Digitalização e Classificação Automática de Documentação Contabilística Apresentação do Grupo NUCASE Contabilidade Recursos Humanos Gestão e Processos Sistemas de Informação Seguros Projecto de Digitalização

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda?

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Do Orçamento da Saúde ao Orçamento das Instituições de Saúde Luís Viana Ministério da Saúde - ACSS 12 de Julho de 2011 workshop organizado

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Perguntas & Respostas. Ferramenta de Benchmarking hospitais EPE e PPP

Perguntas & Respostas. Ferramenta de Benchmarking hospitais EPE e PPP Ferramenta de Primeiro Semestre de 2013 Desde setembro de 2011, o processo de contínua disponibilização de informação tem permitido um maior conhecimento do desempenho das instituições hospitalares do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Ambiente na Saúde. SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais. 21 de Novembro de 2008

Ambiente na Saúde. SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais. 21 de Novembro de 2008 Ambiente na Saúde SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 21 de Novembro de 2008 21-Nov-08 Direitos reservados SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 1 de 46 Agenda da Sessão Breve apresentação

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Normas e Procedimentos

Normas e Procedimentos Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos Normas e Procedimentos Definidos ao abrigo do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado MODELO DE REESTRUTURAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO ESTADO

Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado MODELO DE REESTRUTURAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO ESTADO Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado MODELO DE REESTRUTURAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO ESTADO MARÇO DE 2006 SUMÁRIO EXECUTIVO Pela Resolução de Conselho de Ministros nº 124/2005,

Leia mais

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde ACSS Administração Central do Sistema de Saúde Projecto: Definição do Plano de Transformação dos Sistemas de Informação Integrados da Saúde (PTSIIS) Sumário executivo Versão final (v3.0) Lisboa, 30 de

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Hospitais SA. Hospitais SA: O Primeiro Ano de Actividade

Hospitais SA. Hospitais SA: O Primeiro Ano de Actividade Hospitais SA Hospitais SA Hospitais SA: O Primeiro Ano de Actividade H SA Consigo, Sempre! Hospitais SA: O Primeiro Ano de Actividade PRINCIPAIS ACÇÕES DESENVOLVIDAS EM 2003 Durante o ano de 2003, foram

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Índice Preâmbulo 1 2 Preâmbulo Enquadramento e organização da

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

Implementação de um SIFM num Hospital

Implementação de um SIFM num Hospital Implementação de um SIFM num Hospital Gestão do Inventário e Gestão da Manutenção no Hospital Distrital de Santarém Apresentação PROCOS Portugal O Hospital Distrital de Santarém Dados*: Área total do terreno

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões

Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões Financiar Pagar Contratualizar Cidadão Actividades Resultados ÍNDICE MODELO DE FINANCIAMENTO HOSPITALAR

Leia mais

Custeio Baseado nas Actividades

Custeio Baseado nas Actividades Custeio Baseado nas Actividades João Carvalho das Neves Professor Catedrático, ISEG Lisboa Professor Convidado, Accounting & Control, HEC Paris Sócio de Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC Email:

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

Criação da Unidade de Serviços Partilhados de Saúde Documento de síntese. 8 de Dezembro de 2008

Criação da Unidade de Serviços Partilhados de Saúde Documento de síntese. 8 de Dezembro de 2008 Criação da Unidade de Serviços Partilhados de Saúde Documento de síntese 8 de Dezembro de 2008 Principais mensagens e conclusões 1. Serviços Partilhados (SP) são uma best practice na promoção de eficiência

Leia mais

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 -

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - WACT We Are Changing Together A WACT é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), apolítica, laica, e sem fins lucrativos, com a missão

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 HUMAN RESOURCES Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

O FUTURO DOS HOSPITAIS E OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

O FUTURO DOS HOSPITAIS E OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O FUTURO DOS HOSPITAIS E OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manuel Delgado Presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares COIMBRA 04JAN28 by AC S U M Á R I O I. O CONTEXTO! Mercado da Saúde!

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

Rede de Hospitais Empresa: Mudar para Melhorar a Saúde

Rede de Hospitais Empresa: Mudar para Melhorar a Saúde Hospitais SA Hospitais SA H SA Consigo, Sempre! PERSPECTIVA ACTUAL SOBRE O SECTOR DA SAÚDE EM PORTUGAL O desenvolvimento deste sector no nosso País tem sido pautado por um extenso conjunto de mudanças

Leia mais

Caderno de Introdução Bases Dados

Caderno de Introdução Bases Dados José Adriano Adriano@ipb.pt Página 1 Sumário 1. Introdução ao Ambiente de Base de Dados 1.1 Contextualização das Base de Dados 1.2 Noção de Base de Dados 1.3 Características das Bases de Dados 1.4 Objectivos

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa.

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. Dun-Trade As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. O que é o DUN-Trade? é um programa de partilha de informação, totalmente gratuito,

Leia mais

Redução de Custos e Plataformas de Serviço Centralizado. Paulo Fernandes Membro da CE e CEO IT

Redução de Custos e Plataformas de Serviço Centralizado. Paulo Fernandes Membro da CE e CEO IT Redução de Custos e Plataformas de Serviço Centralizado Paulo Fernandes Membro da CE e CEO IT Progressos Verificados Milhões Euro Opex 3.603-7,0% 3.352 870-8,9% 793 2001 2002 1T02 1T03 Capex 1.316-41,0%

Leia mais

A indústria do do golfe exige uma gestão profissional

A indústria do do golfe exige uma gestão profissional Portugal Destino de Golfe Golfe Uma experiência de gestão Pedro Pereira Coutinho ESAY Golf Management BTL 20 Janeiro 2006 A indústria do do golfe exige uma gestão profissional Temos 75 campos de golfe

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Técnico(a) Administrativo(a) e Financeiro(a) LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): março 2015 - fevereiro 2016

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

sage Infologia50 Contabilidade

sage Infologia50 Contabilidade Contabilidade Nova Versão SAFT-PT Sage 2008 e Analisador SAFT: Validação, consulta e exploração de dados do ficheiro SAFT. Automatização do CMVMC: Automatização do CMVMC, permitindo a introdução da existência

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO Município de Olhão Saldo Inicial Débitos Créditos Saldo Final Faturas Clientes Conta Corrente 575.655,98 1.151.592,32 1.547.633,80 179.614,50 Faturas

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Drifting or driving? Desempenho da função financeira

Drifting or driving? Desempenho da função financeira www.pwc.com/pt Drifting or driving? Desempenho da função financeira As ferramentas, tecnologias e serviços de suporte para uma função financeira líder no desempenho a um custo reduzido estão disponíveis

Leia mais