Anais 5º Congresso Brasileiro Sobre HIV/Aids e Vírus Relacionados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais 5º Congresso Brasileiro Sobre HIV/Aids e Vírus Relacionados"

Transcrição

1 Apresentação oral

2 AO-01 TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS CÉLULAS CITOTÓXICAS NA SÍNDROME DE RECONSTITUIÇÃO IMUNE ASSOCIADA À COINFECÇÃO HIV E TUBERCULOSE AUTOR(ES): BEATRIZ KAWASAKI MENESES, LUANA LEANDRO GOIS, MONIQUE LÍRIO CANTHARINO DE CARVALHO, ANTÔNIO CARLOS BANDEIRA, ROBERTO JOSÉ DA SILVA BADARÓ, MARIA FERNANDA RIOS GRASSI INSTITUIÇÃO: FIOCRUZ-BA Introdução. A terapia antiretroviral de alta eficácia (HAART) reduziu a morbi-mortalidade da AIDS. Contudo, alguns pacientes vivenciam uma piora clínica devido à restauração da resposta imune contra patógenos oportunistas, denominada de Síndrome Inflamatória de Reconstituição Imune (IRIS). A tuberculose associada à IRIS (TB-IRIS) é uma das manifestações clínicas mais prevalentes, principalmente em locais onde o HIV e o Mycobacterium tuberculosis (Mtb) são endêmicos. A imunopatogênese da TB-IRIS não está esclarecida. O objetivo deste estudo foi avaliar a função citotóxica inata e adaptativa em resposta aos antígenos de Mtb Material e Método. Avaliou-se a resposta imunológica em 20 pacientes divididos nos grupos: 1) pacientes HIV+ com TB-IRIS, 2) pacientes HIV+ com infecção latente por Mtb virgens de HAART, 3) pacientes HIV+ com infecção latente por Mtb sob HAART entre 3 a 6 meses, 4) pacientes HIV- com TB sintomática. Foi feita coleta de 10 ml de sangue para os ensaios imunológicos por citometria de fluxo. Realizou-se a quantificação da frequência de linfócitos T citotóxicos (CTLs) e células NK no sangue total. A avaliação da atividade citotóxica foi realizada através do ensaio de degranulação por CD107a. Para tal, as células mononucleares do sangue periférico (CMSPs) foram separadas e estimuladas por 18h com PPD, fitohemaglutinina ou meio, na presença de anti- CD107a. Posteriormente, as CMSPs foram marcadas com anticorpos para avaliar expressão de IFN-g e perforina. Análise estatística realizada no software Graphpad Prisma utilizando o teste Kruskal-Wallis. Considerou-se significante valores de p<0,05.resultados. Observou-se uma maior frequência de CTLs perforina NEG CD107a POS nos pacientes TB-IRIS e TB- HIV-TARV. As frequências de CTLs específicos que expressaram unicamente perforina, unicamente CD107a ou coexpressaram perforina e CD107a foram semelhantes entre os grupos. Foi observada uma frequência semelhante de células NK e NKT no sangue periférico dos pacientes. Além disso, observou-se uma maior expressão de HLA-DR nas células NKT dos pacientes do grupo TB-IRIS em comparação aos dos outros grupos. Em relação às células NK, foi observado no grupo TB-IRIS que a maior parte das células NK produzem IFN-g ou degranulam em resposta ao PPD. No grupo de pacientes TB-HIV e TB foi identificado uma maior proporção de células NK IFN-g POS CD107a NEG, enquanto a maior parte das células NK do grupo TB-HIV-TARV são IFN-g NEG CD107a POS. Quanto às medianas das subpopulações de NK observadas nos grupos estudados, não foi encontrada diferença estatística. Discussão. Neste estudo foi observado que no grupo TB-IRIS, a maioria dos CTL é perforina NEG CD107a POS, enquanto a maior parte das células NK é IFNg POS CD107a NEG e IFN-g NEG CD107a POS. Estes dados sugerem que as CTLs e as células NK possuem uma importante atividade degranulativa em reposta ao PPD. A atividade citotóxica contra células infectadas por Mtb pode contribuir o aumento da carga antigênica, o que promove a ampliação do estímulo da resposta imune. Além disso, os dados indicam que as células NK podem ser uma importante fonte de IFN-g, o qual está aumentado nos indivíduos com TB- IRIS. Conclusões. A imunopatogênese da TB-IRIS envolve tanto células da imunidade inata quanto da imunidade adaptativa que podem estar induzindo uma resposta inflamatória exacerbada em resposta a patógenos pré-existentes.

3 AO-02 TÍTULO: CARACTERÍSTICAS CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICAS E FATORES ASSOCIADOS À MORTALIDADE EM UMA COORTE DE INDIVÍDUOS INFECTADOS PELO HIV POR TRANSMISSÃO VERTICAL (TV) EM SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM SALVADOR, BAHIA. AUTOR(ES): CYNTHIA RODAMILANS SERRA LORENZO, CARLOS ROBERTO BRITES ALVES, FÁTIMA REJANE PATRÍCIO INSTITUIÇÃO: CEDAP Introdução: Desde a introdução da terapia antirretroviral combinada (TARV) houve importante redução na morbimortalidade de crianças infectadas pelo HIV. As crianças necessitam diagnóstico e tratamento precoce, já que tem progressão rápida e alta mortalidade até 2 anos de vida. O objetivo deste trabalho é descrever as características clínicoepidemiológicas e fatores associados à mortalidade em uma coorte pediátrica acompanhada em serviço de referência no Estado da Bahia. Métodos: Estudo de sobrevida composto por coorte retrospectiva de crianças infectadas pelo HIV admitidas entre janeiro de 2002 e dezembro de Coleta de dados feita através de revisão de prontuários e análise pelo SPSS versão 20. Resultados: Foram analisados 245 indivíduos infectados por TV (95%). Destes, 50,6% do sexo masculino e 68,2% de Salvador. Apenas 30,9% das crianças iniciaram acompanhamento por exposição ao HIV (1,8% nascidos até 2001, 47,6% e 82% após 2009), os demais por sintomas clínicos, doença/óbito de familiar ou outra gestação materna. A média de idade à primeira consulta foi de 4 anos (por exposição ao HIV 6,7 meses e 5,6 anos para os demais); por época de nascimento: 6,7 anos até 2001, 2,2 anos e 6,3 meses após Crianças submetidas a profilaxia para prevenção da TV evoluíram para óbito em 6,6% comparado a 12,9% dos que não se submeteram, diferença não significante. O mesmo ocorreu com o grau de imunossupressão, sem diferença entre os sem ou com imunossupressão. 4,8% dos pacientes assintomáticos/sintomas leves evoluíram para óbito comparado a 17% com sintomatologia moderada/grave, dado estatisticamente significante (p=0,004, OR=4). Permaneciam em acompanhamento no serviço 68,2% dos indivíduos, 51,9% com carga viral < limite mínimo; Óbito ocorreu em 11%, com média de idade de 7,5 anos. Discussão: A não diferença de mortalidade entre as crianças expostas e as não expostas pode ser justificada pelo início ainda tardio no acompanhamento, não favorecendo tratamento em tempo hábil. Conclusões: O fator mais associado ao óbito foi a sintomatologia clínica inicial. As crianças continuam com diagnóstico e início de tratamento tardio, porém isso vem melhorando ao longo do tempo.

4 AO-03 TÍTULO: EXPANSÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM AIDS: A ENFERMAGEM PODE SER UMA ALTERNATIVA? AUTOR(ES): GILMARA DE SOUZA SAMPAIO, CAMILA COUTINHO, LUZIA ESTELA MENEZES LUZ MARQUES, HAINA ARAÚJO, IVANA LUZ, POLLYANNA OLIVEIRA, EDUARDO MARTINS NETTO INSTITUIÇÃO: HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS Introdução: A cronificação da infecção pelo HIV/Aids permite pensar na inserção da enfermagem no processo de monitoramento de pacientes ambulatoriais, visto que algumas ações do MS em programas de atenção básica já estabelecidos (TB, DM, HAS, etc.) conferem ao enfermeiro papel no acompanhamento do paciente, solicitação de exames complementares e prescrição de medicações, conforme protocolos. Entretanto, são raros os trabalhos que abordam o desenvolvimento de estratégias de promoção da saúde nos programas de prevenção e assistência aos portadores de HIV/Aids. Objetivos: Traçar o perfil de complexidade dos pacientes maiores de 18 anos atendidos no ambulatório especializado em HIV/Aids do Hospital Universitário Prof. Edgard Santos/UFBA e avaliar se os pacientes atendidos permitem acompanhamento pela enfermagem. Metodologia: Estudo transversal do perfil epidemiológico de pacientes com Aids atendidos no ambulatório, com análise de 282 prontuários referentes aos atendimentos no período entre junho de 2012 a julho de Para a classificação de complexidade, foram considerados de baixa complexidade (BC) [CD4 + > 200 cels/ml e carga viral < 50 cópias/ml], e alta complexidade (AC) CD4 + < 200 ou carga viral > 50 cels/ml]. Para traçar o perfil, observou-se: contagem de CD4 +, carga viral, sexo, idade, procedência, tempo de diagnóstico e estado civil. Resultados: Dos 282 usuários atendidos no período, 71 (25,2%) foram classificados como AC e 211 (74,8%) como BC e nenhum desses apresentou no último período de 12 meses alguma condição definidora de Aids ou mudou TARV. Do total, 261 (92,6%) apresentavam contagem de células CD4 + > 200cels/ml e 215 (76,2%) tinham carga viral indetectável; quanto ao gênero, a maioria, 181 (64,3%), era do sexo masculino e a relação homem/mulher era de 1,8/1; a faixa etária de maior concentração foi dos 36 a 45 anos, em 113 pacientes (40,1%), e menor entre 18 a 25 anos, com apenas 3 (1,1%), sendo a média da idade de 46,2 anos; grande parte residia em Salvador, 237 (84%); 114 (40,2%) receberam o diagnóstico de Aids há 15 anos ou mais; em relação ao estado civil, a informação estava presente em apenas 190 prontuários, destes, 119 (62,7%) eram solteiros. Conclusões: O perfil epidemiológico desta população aponta para um número grande de pacientes com Aids clinicamente estáveis, com boa adesão ao tratamento, que são acompanhados por um longo período a nível ambulatorial, o que possibilita começar uma mudança de pensamento em relação ao seguimento de pacientes de Aids pelo profissional de enfermagem, sendo necessário o aprimoramento dessa abordagem para acompanhamento desses pacientes.

5 AO-04 TÍTULO: GLICOCÁLIX ENDOTELIAL ASSOCIADO A PARÂMETROS DE DISFUNÇÃO RENAL EM PACIENTES COM HIV AUTOR(ES): MALENA GADELHA CAVALCANTE, GDAYLLON CAVALCANTE MENESES, ALICE MARIA COSTA MARTINS, GERALDO BEZERRA DA SILVA JUNIOR, ROBERTO DA JUSTA PIRES NETO, LEONARDO DUARTE SOBREIRA LUNA, ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS, FACULDADE DE MEDICINA,UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Apresentação/Introdução: A doença renal é uma das principais complicações da infecção pelo HIV. A infecção pelo HIV e o uso de antirretrovirais (ARV), como o tenofovir (TDF), estão associados com dano cardiovascular subclínico e disfunção endotelial, fatores observados em pacientes com Doença Renal Crônica. Objetivos: Avaliar a função renal e endotelial de pacientes com HIV em uso de ARV. Metodologia: Foram incluídos na pesquisa pacientes com HIV que não apresentaram outros fatores de risco para doença renal, como diabetes e hipertensão. A função renal desses pacientes foi avaliada em dois grupos, com e sem uso de ARV, após 10 horas de jejum através da Creatinina (Cr) e Ureia séricas, etfg (Cockcroft Gault), Albuminúria, Proteinúria, Fração de Excreção (FE) de eletrólitos e Osmolalidade Urinária (Uosm). Foi quantificada a liberação de Syndecan-1 (Syn- 1), marcador de lesão do glicocálix endotelial, por ELISA (Abcam, Cambridge, MA). Resultados: Ao todo, 55 pacientes foram incluídos, com média de idade de 33±9 anos, sendo 80% do sexo masculino; 11 (20%) pacientes estavam sem uso de ARV e 24 (43,63%) usavam TDF. Foi observada etfg, Cr e proteinúria normal em todos os pacientes, 3 (5%) apresentaram albuminúria>30mg/g-cr e 8 (14,5%) exibiram defeitos de concentração urinária (Uosm<500mOsm/kg após jejum hídrico), destes 5 (62,5%) usavam TFD, 2 (25%) não usava ARV. Comparando os diferentes grupos não foi observado diferença significativa em relação aos marcadores tradicionais de função renal e endotelial, porém houve significativa correlação positiva do Syn-1 com a Cr (r=0,167 ; p=0,002) e ureia séricas (r=0,135 ; p=0,007), e correlação negativa com a etfg (r=0,159 ; p=0,003). Conclusões/considerações: Os pacientes com HIV estudados não apresentaram alterações renais significativas segundo os marcadores tradicionais de função renal, entretanto foi observado, através da liberação de Syndecan-1 do glicocálix, sua correlação com marcadores de disfunção renal, apontando uma relação entre disfunção renal e o endotélio ou vice-versa. Como atualmente os pacientes com HIV apresentam maior risco cardiovascular, o estudo dessa interação endotélio-função renal deve ser investigada de forma mais detalhada. Os achados sugerem que a disfunção endotelial pode estar relacionada com a disfunção renal na infecção pelo HIV e precede a ocorrência de alterações nos marcadores tradicionais de função renal.

6 AO-05 TÍTULO: QUALIDADE DO SONO COMO FATOR DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA EM PESSOAS QUE VIVEM COM HIV/AIDS AUTOR(ES): TATIANE ANDREZA LIMA DA SILVA, JULIANY DE SOUZA ARAUJO, DANIELLE COUTINHO DE MEDEIROS, RAFAELA CATHERINE DA SILVA CUNHA DE MEDEIROS, JASON AZEVEDO DE MEDEIROS, RICARDO DIAS DE ANDRADE, EVELYN LARISSA GOUVEIA MACHADO, LÚCIA DANTAS LEITE, PAULO MOREIRA SILVA DANTAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução: A infecção pelo HIV e a terapia antirretroviral (TARV) estão associadas a inúmeras alterações metabólicas e fisiológicas, como dislipidemia, obesidade central, resistência à insulina e distúrbios do sono. Esses últimos, apesar de reconhecidos desde o início da epidemia do HIV, carecem de dados na literatura científica no que diz respeito a sua prevalência após a era da TARV de alta atividade, como também a sua relação com alterações metabólicas. Nesse contexto, o estudo objetivou avaliar a associação entre qualidade do sono e Síndrome Metabólica (SM) em pessoas que vivem com HIV/Aids (PVHA) sob TARV.Materiais e métodos: Estudo transversal realizado com 100 PVHA, sendo 61 indivíduos do sexo masculino e 34 do sexo feminino, com idade média de 44 ± 10 anos. A coleta de dados incluiu entrevista estruturada, a qual foi composta por questões socioeconômicas e características da infecção (tempo de infecção e de uso da TARV); investigação de SM de acordo com pontos de corte da NCEP ATP III; e Índice de Qualidade do Sono de Pittsburg. Considerou-se boa qualidade do sono os escores menores ou iguais a 5 e má qualidade do sono os escores maiores que 5. A análise estatística compreendeu a determinação frequência (prevalência) de má qualidade do sono e SM e associação entre estas variáveis foi demonstrada através da Razão de Prevalência (RP). As inferências foram feitas levando em consideração um valor de alfa inferior a 5%. Resultados: Quanto aos aspectos socioeconômicos, a renda média foi de 543 reais e 44,7% cursaram, no máximo, o ensino fundamental. Quanto às características da infecção, o tempo de diagnóstico foi de 108 meses (Intervalo de Confiança -IC: 94,2 137,9) e o tempo sob uso da TARV foi de 84 meses (IC: 79,6-117,83). As prevalências de SM e Má Qualidade do Sono foram de 27% e 49%, respectivamente. A SM apresentou forte associação com má qualidade do sono (RP=1,8), Discussão: Sabe-se que a relação entre distúrbios do sono e SM é complexa. A SM pode influenciar a qualidade do sono, assim como prejuízos na qualidade do sono podem contribuir para a SM, estando os dois fatores associados ao desenvolvimento de alterações características da Síndrome Lipodistrófica. Conclusões: Além de fatores já anteriormente associados à SM, como dieta inadequada, tabagismo e uso de inibidores de protease, observou- se que, em PVHA, a qualidade do sono é um fator fortemente associado a SM. Partindo dessas observações, faz-se necessário o esclarecimento sobre a etiologia das alterações metabólicas e as vias pelas quais os distúrbios do sono influenciam a SM em PVHA

7 AO-06 TÍTULO: COMPORTAMENTOS DE RISCO EM MULHERES USUÁRIAS DO CTA DA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA DST/AIDS DE JUAZEIRO/BA, EM AUTOR(ES): ACÁSSIO DOS SANTOS AMORIM VIANA, LARISSA ROCHA DE OLIVEIRA SIMÕES, RAISA EVALY ALVES DE REZENDE, ZILENE CASTRO, ROSANE SILVIA DAVOGLIO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF Introdução: Com a evolução da epidemia da Aids, as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passaram a ser foco de atenção. As lesões provocadas pelas IST atuam como porta de entrada para HIV no organismo, facilitando a infecção. Devido ao processo de feminização da Aids que vem ocorrendo, aumentou a busca por estratégias de diagnóstico de IST entre mulheres. Este trabalho tem como objetivo caracterizar o perfil sociodemográfico e comportamental de usuárias do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) da Unidade de Referência para DST/Aids de Juazeiro/BA, no ano de Métodos: Trata-se de um estudo descritivo realizado com 507 participantes, utilizando dados secundários do CTA de Juazeiro/BA, coletados dos Formulários de Entrada do Sistema de Informações do CTA, prontuário clínico e folha de descrição de atendimentos. Os dados foram armazenados no programa Microsoft Office Excel e transpostos para o software Stata 9.0 para a análise estatística, que avaliou a distribuição das variáveis por frequência simples com valores absolutos e relativos. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Deontologia em Estudos e Pesquisa desta universidade. Resultados: Os resultados apontaram predomínio de usuárias na entre 20 a 35 anos (43,39%), casadas (51,68%), de cor parda (70,61%), com oito ou mais anos de estudo (57,6%), autônomas ou empregadas (39,83%), sendo que a maioria tinha relações do tipo heterossexual (93,89%), parceiro estável (74,56%) e contraído alguma DST no último ano (54,83%). O uso rotineiro de preservativo foi baixo com parceiro fixo (10,45%) e não fixo (23,40%). Os principais motivos apontados para não usar foram os mesmos em ambas as parcerias: não gostar, confiar no parceiro e parceiro não aceita/não consegue negociar. A prevalência de IST foi 11,64%, com maior ocorrência de sífilis (5,33%), seguida por HIV (3,35%) e hepatite B (3,16%) e hepatite C (1,58%). As infecções foram mais frequentes entre as de cor preta (15,38%), com menor escolaridade (57,69%), com anos de idade (21,05%) e viúvas (33,33%). Discussões: Ainda existem muitos tabus e dificuldades para as mulheres na negociação e na decisão final sobre o uso do preservativo devido às desigualdades de gênero, onde a decisão do homem prevalece. Evidencia-se a elevada prevalência de IST, com destaque para a sífilis, que apesar de já se ter formas de prevenção e cura há muito tempo, ainda não se alcançou um controle efetivo na transmissão. Além disso, existe o risco de transmissão vertical e risco até 10 vezes maior de contrair HIV na presença de sífilis. Conclusão: A maioria das mulheres investigadas e seus parceiros encontram-se extremamente vulneráveis à IST, sugerindo a necessidade de mais ações de educação em saúde que estimulem o uso do preservativo e de ações de empoderamento da mulher em relação à sua saúde sexual e reprodutiva.

8 AO-07 TÍTULO: DIFERENÇAS DE GÊNERO NA OCORRÊNCIA DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ENTRE ADOLESCENTES USUÁRIOS DE UM CTA DA BAHIA. AUTOR(ES): RAISA EVALY ALVES DE REZENDE, ARTUR ALVES DA SILVA, CAROLINE FERREIRA DE OLIVEIRA, ANANDA ARIANE JANUÁRIO DO NASCIMENTO, ROSANE SILVIA DAVOGLIO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF Introdução: No Brasil, cerca de 20% da população é constituída por adolescentes. Estima-se que, anualmente, 4 milhões deles iniciam a vida sexual, tornando-se vulneráveis à Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), pois apenas cerca de 55% usam preservativo na primeira experiência sexual e nas relações posteriores. As IST são agravos com distribuição desigual entre os sexos: as adolescentes e mulheres jovens são mais vulneráveis, tendo sido observada incidência crescente dessas infeções no sexo feminino, em especial por HIV/Aids. O objetivo do estudo é investigar diferenças de gênero na prevalência de IST em adolescentes usuários do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) para DST/Aids de Juazeiro/BA, entre 2006 a Métodos: Estudo analítico observacional transversal exploratório, utilizando dados secundários obtidos dos Formulários de Entrada do Sistema de Informações do CTA, prontuários clínicos e folha de descrição de atendimentos. Para definição do desfecho (IST) foram considerados os resultados das sorologias realizadas no serviço (HIV/Aids, sífilis, hepatites B e C). A análise estatística foi realizada pelo teste Qui-quadrado de Pearson, adotando um intervalo de confiança de 95% e nível de significância de 5%. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Univasf. Resultados: Foram investigados adolescentes, sendo 658 do sexo feminino (56.9%). A idade dos participantes variou entre 11 e 19 anos com uma média de 17 anos (Dp=1,9 anos). Quanto à presença do desfecho, 71 adolescentes (6,13%) tiveram resultado sorológico positivo para pelo menos uma das IST testadas. Na distribuição por sexo, 22 (4,39%) são do sexo masculino e 49 (7,45%) do sexo feminino, com diferença estatisticamente significativa (p= 0.032). Discussão: A prevalência de IST nas meninas foi quase o dobro do observado entre os meninos. Isso se deve ao fato que para as mulheres, de um modo geral, a negociação quanto ao uso de preservativo nas relações sexuais é mais difícil. Essa dificuldade de negociação é resultado das diferenças de poder entre os gêneros. O aumento do número de casos de IST entre as adolescentes também está relacionado ao início precoce da atividade sexual, muitas vezes com homens mais velhos e mais expostos às IST, ao abuso e à exploração sexual. Além disso, existem aspectos biológicos que aumentam a suscetibilidade feminina. Conclusões: Os profissionais e serviços de saúde devem criar espaços de escuta e acolhimento dos adolescentes, promovendo discussões, fornecendo informações, insumos e suporte, incentivando o autocuidado e a autonomia em relação à sua vida sexual e reprodutiva, com especial atenção para as adolescentes, que se mostram mais vulneráveis às IST.

9 AO-09 TÍTULO: O LOCAL DE TRABALHO COMO ESPAÇO DE TESTAGEM RÁPIDA EM HIV E SÍFILIS: UMA ESTRATÉGIA PARA EXPANSÃO DO DIAGNÓSTICO EM ITABUNA-BAHIA AUTOR(ES): JOSE ANTONIO LOYOLA FOGUEIRA, SUSE MAYRE MARTINS MOREIRA AZEVEDO, NAYALA DE JESUS BISPO, JOÃO ROSÁRIO DE MELO NETO, JONAS SANTOS BARBOSA, CÁTIA SIRENE DA SILVA PEREIRA INSTITUIÇÃO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS DR. JULIO BRITO A testagem para HIV e Sífilis, por meio de Teste Rápido (TR) tornou-se um estratégia importante para diagnostico precoce do HIV e Sífilis, incentivada pelo Ministério da Saúde por meio de campanhas intituladas FIQUE SABENDO. Diante da necessidade de ampliação e popularização do FIQUE SABENDO efetivando as políticas sociais de prevenção a outros públicos que, por incompatibilidade de horários devido às jornadas de trabalho têm dificuldades em realizar os referidos testes e acessar este serviço de saúde é que esta ação foi desenvolvida, sendo realizada pela equipe multiprofissional do Centro de Referência em DST/AIDS e Hepatites Virais (CR) nos anos de 2013 e O trabalho teve como objetivo ampliar o diagnostico precoce para HIV e Sífilis, por meio de realização de TR em locais de trabalho, onde o publico prioritário foram homens. Uma equipe formada por profissionais como: Biomédicos, enfermeiros, psicólogo, assistente social e atendentes elaboram material didático para divulgação do projeto e um Termo de Parceria, entre a empresa privada e o serviço publico de saúde, contendo as condições necessárias para realização do FIQUE SABENDO, baseando se em primícias como sigilo, gratuidade, facultatividade de realização do teste e individualidade de resultados. Em data e horário previamente agendados a equipe do CR, chega à empresa, para apresentação do serviço e esclarecimento aos funcionários dispõe-se na organização dos espaços, um local amplo para cadastro com documento original com foto para identificação (RG) e aconselhamento coletivo pré-teste. Uma outra equipe se coloca na coleta de material (sangue), em outro espaço individualizado outros profissionais fazem a entrega do exame com aconselhamento pós-teste e gerencia os encaminhamentos quando necessários. Em dois anos de realização do projeto podemos mensurar em números a ampliação e eficácia do serviço, no segundo semestre de 2013, ano de criação do serviço foram celebrados 04, parceria, com realização de 182 testes conjuntos para HIV e Sífilis. No ano de 2014 foram celebrados 11 parcerias e realizados 408 testes, mostrando em números um aumento de 124,5 % na oferta e ampliação desta ação, sendo uma estratégia exitosa na perspectiva de melhoria e ampliação dos serviços de saúde, alcançando outros públicos em outros espaços. Além da oferta de TR foram feitos encaminhamentos para tratamento de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis( IST s) durante o aconselhamento pré e pós-teste.

10 AO-10 TÍTULO: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS USUÁRIOS DO CENTRO DE TESTAGEM E ACONSELHAMENTO DA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA DST/AIDS DE JUAZEIRO-BA AUTOR(ES): CAROLINE DE OLIVEIRA FERREIRA, ANA VITÓRIA TEIXEIRA DE MEDEIROS GOMES, JÉSSICA BEZERRA DE ARAÚJO, ZILENE CASTRO, ROSANE SILVIA DAVOGLIO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Introdução: Os Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) têm por função realizar ações preventivas e diagnósticas para doenças sexualmente transmissíveis, oferecendo testagem sorológica para HIV, sífilis e Hepatites virais B e C. Além disso, a equipe de saúde auxilia os usuários no processo de adesão ao tratamento, estimula o diagnóstico dos parceiros sexuais, assiste os serviços de pré-natal e oferece informações sobre prevenção de DTS/HIV/AIDS e uso de drogas. Objetivo: Caracterizar o perfil epidemiológico dos usuários do CTA da Unidade de Referência para DST/ AIDS de Juazeiro, Bahia, no período de 2006 a Material e Método: Consiste em um estudo descritivo do tipo levantamento epidemiológico, utilizando dados secundários de serviço de saúde. A população foi composta por 7048 usuários cadastrados no CTA no período, cujos dados foram coletados dos Formulários de Entrada do Sistema de Informação do CTA, folha de descrição do atendimento e prontuário clínico. Foram excluídos da pesquisa os formulários de usuários com idade inferior a 10 anos, formulários em branco, não localizados ou que não apresentavam pelo menos um resultado de sorologia. Os dados foram digitados no Excel 2007 e analisados no Stata 9.0. A análise estatística consistiu na distribuição das variáveis por frequência simples, com valores absolutos e relativos. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Univasf. Resultados: Houve predomínio de usuários do sexo feminino (52,87), na faixa etária entre 20 a 30 anos (40,88%), pardos (24%), solteiros (44,59%), com 8 a 11 anos de estudo (38,14%) e parceiro fixo (74,13%). A prevalência de IST foi 12,30%, com distribuição similar entre os sexos. O agravo mais prevalente foi a sífilis (4,52%), seguido do HIV (3,33%) e hepatites B (2,62%) e C (1,78%). O tipo de exposição mais frequente foi a relação sexual (83,94%), a ocorrência de DST no último ano foi elevado (41,86) e o uso consistente do preservativo foi baixo, tanto com parceiro fixo (17,19) como não fixo (34,37%). Discussão: A maior procura do serviço pelas mulheres pode estar relacionada ao aumento da incidência da Aids no sexo feminino. A faixa etária predominante corresponde a adultos jovens, geralmente com maior atividade sexual e, por consequência, com maior exposição e risco de contaminação, justificando a busca por aconselhamento e testagem sorológica. A adesão ao preservativo foi baixa e a prevalência de IST elevada, podendo estar subestimada devido ao grande número de usuários que não realizou alguma sorologia, principalmente para hepatites. Conclusões: Os resultados podem nortear as equipes no planejamento de ações de prevenção de IST, educação e promoção da saúde estimulando a adoção de comportamentos sexuais mais seguros.

11 Pôster

12 P-01 TÍTULO: A PREOCUPANTE BAIXA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES COM HIV/AIDS EM TRATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MACEIÓ AUTOR(ES): CECILIO ARGOLO JUNIOR, SONIA MARIA SOARES FERREIRA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC Viver com HIV/AIDS é uma missão bastante difícil, haja vista atrelados a essa condição estão os preconceitos e sofrimentos que a própria patologia carrega consigo. Essa cicatriz deixada pela doença nos soropositivos ajuda a produzir eventos traumáticos em suas vidas, causando-lhes impactos negativos e progressivos no coping, enfrentamento da doença. Dos municípios alagoanos, Maceió é o que possui mais casos de AIDS, O aumento de casos de AIDS em heterossexuais é explicado pelo grande número de mulheres que vêm sendo infectadas diariamente pelo HIV, inclusive, em Alagoas. Objetivo: verificar a qualidade de vida (QV) de mulheres com HIV/AIDS que frequentavam um centro de referência (Maceió-AL). Método: Trata-se de um estudo observacional, transversal e descritivo, com 154 mulheres portadoras do vírus HIV/AIDS, com idades entre 18 e 68 anos, atendidas no Serviço Ambulatorial Especializado (SAE), do Programa Municipal de AIDS de Maceió, Alagoas, Brasil, no período de abril a outubro de Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário CESMAC sob o n 1651/2012. A amostra foi não probabilística por conveniência. As pacientes responderam a uma entrevista, que constava de dois instrumentos: o primeiro, um questionário semiestruturado com dados sociodemográficos e clínicos, e o segundo, um instrumento de avaliação de qualidade de vida específico para indivíduos infectados pelo HIV, denominado HAT-QoL (HIV/AIDS-Targeted Quality of Life).Resultados: a maioria das mulheres declarou-se solteiras, divorciadas ou separadas; moravam na capital do estado; tinham baixa escolaridade; tinham baixa renda. A maioria disse estar inativa do ponto de vista laboral e declararam ter incapacidade em virtude da AIDS. Elas declararam ser heterossexuais, com parceiros, que consideravam ser relacionamento fixo. Usavam preservativo, masculino. Referem contaminação sexual. Com relação à infecção pelo HIV, as mulheres apresentavam uma infecção recente de até cinco anos, havendo 54% com até um ano de diagnóstico. Tinham a infecção sob controle, uma vez que a maioria fazia uso do HAART; tinham contagem de linfócitos T CD4+ maior que 200 células/mm 3 e carga viral indetectável 85 (55,2%). Todos os domínios apresentaram média entre 27,3 e 83,7. Conclusão: os resultados deste estudo permitem concluir que esse instrumento adequadamente traduzido e validado nos mostra um importante prejuízo da qualidade de vida das mulheres pesquisadas.

13 P-02 TÍTULO: ACOLHIMENTO E ACOMPANHAMENTO A PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE HTLV: CAMINHANDO PARA A VISIBILIDADE. UMA AÇÃO DESENVOLVIDA NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS DR. JÚLIO BRITO AUTOR(ES): SUSE MAYRE MARTINS MOREIRA AZEVEDO, KLAREANA AZEVEDO FERREIRA, JOSÉ ANTÔNIO LOYOLA FOGUEIRA INSTITUIÇÃO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS DR. JULIO BRITO- ITABUNA- BAHIA O HTLV (HumanT Lymphotropic Virus) foi o primeiro retrovírus humano descrito. No Brasil, o HTLV-1 é o tipo predominante em regiões urbanas, enquanto o HTLV-2 é encontrado em populações indígenas, no norte do país. A prevalência da infecção pelo HTLV-1 pode ser mais elevada onde há maior concentração de população afrodescendente, a exemplo do Estado da Bahia, onde o índice é mais elevado (1,8%). No município de Itabuna-BA as pessoas com resultado reagente para HTLV são encaminhadas ao Centro de Referencia em DST/AIDS e Hepatites Virais Drº Júlio Brito, onde é feito todo acompanhamento, porém, esses são ainda invisíveis ao sistema de saúde por não haver nenhum tratamento específico. São acompanhados 119 pessoas com diagnóstico de HTLV e desses, 50 possuem o exame confirmatório Western Blot. Em um recorte de raça/cor 51 são de raça negra e em relação ao sexo as mulheres, somam 87 casos. Do total, 53 pacientes, apresentam sintomas, estando assim relacionados: 34 com mielopatia associada ao HTLV/paraparesia espástica tropical HAM/TSP, 18 com Sífilis ou outras IST s. Todos os pacientes que apresentam alterações sensoriais progressivas, que evolui para dificuldade de deambular, incontinência urinária franca e restrição à cadeira de rodas, são encaminhadas para o Centro de HTLV na cidade de Salvador BA, com recurso do TFD Tratamento Fora do Domicilio e recebem suporte fisioterapêutico no centro de referência. Em 2014 também foram atendidas 15 gestantes que receberam orientações sobre amamentação, acompanhamento ginecológico, bem como um kit com inibidor de lactação e fórmula infantil até 01 ano. O objetivo desse trabalho é demonstrar o acompanhamento e encaminhamentos realizados pelo Centro de Referencia, dando visibilidade aos casos de HTLV diagnosticados no município de Itabuna - BA. Utilizamos o método quantitativo para analisar, no período de 22/08/14 a 13/02/15, 119 prontuários de onde extraímos dados gerais. Como resultado desse acompanhamento percebemos que existe um numero expressivo de pessoas que buscam tratamento para doença. Do total, 10 pessoas foram encaminhadas ao Centro de HTLV na cidade de Salvador Ba, 34 fazem fisioterapia e outros casos de co-infecção com outras IST s também são tratados no Centro de Referencia. Atualmente, por meio de uma parceria com uma universidade local todas as pessoas com diagnóstico inicial para HTLV estão sendo submetidas a outros exames visando avaliar o seu estado de saúde em relação a outras patologias. Faz-se necessário uma maior atenção para essa população que até então é invisível ao sistema público de saúde e espera-se que os números e dados sobre essa patologia comecem a ser divulgados e revertidos em política de saúde.

14 P-03 TÍTULO: APRESENTAÇÃO TARDIA AOS CUIDADOS DE SAÚDE EM UMA COORTE DE CASOS HIV/AIDS ACOMPANHADOS EM DOIS SERVIÇOS DE REFERÊNCIA PARA AIDS NA CIDADE DO RECIFE, PERNAMBUCO, ENTRE 2009 A 2013 AUTOR(ES): JOSÉ GILMAR COSTA DE SOUZA JÚNIOR, ANA MARIA DE BRITO, NAIDE TEODÓSIO VALOIS SANTOS, IRACEMA DE JESUS ALMEIDA ALVES JACQUES, RITA DE CÁSSIA ALBUQUERQUE SOARES, ANA LÚCIA RIBEIRO DE VASCONCELOS INSTITUIÇÃO: CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES, FIOCRUZ-PE A apresentação tardia aos cuidados de saúde, particularmente em pessoas vivendo com HIV/aids é um fenômeno universal, sendo observado tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento. Embora o Brasil tenha uma política de acesso universal e gratuito de terapia antirretroviral, há fortes indícios de que o início dessa terapia ocorre tardiamente para uma parcela razoável de pacientes, especialmente na Região Nordeste. Com o objetivo de estimar a magnitude e os fatores associados a apresentação tardia para o cuidado em saúde de pessoas vivendo com HIV/aids, em serviços de referências na cidade do Recife, realizou-se estudo de coorte retrospectiva, com base na revisão de prontuários médicos, dos pacientes acompanhados entre janeiro de 2009 e dezembro de Considerou-se apresentação tardia, conforme o Consenso Europeu, aquele paciente que acessou os serviços de saúde para o cuidado em HIV/aids, quando ao primeiro teste sorológico, apresentou uma contagem de células T CD células/mm 3 e/ou ainda, apresentou pelo menos uma doença definidora de aids, e para a análise dos fatores associados considerou-se o conjunto de variáveis (sociodemográficas, uso de drogas, uso de preservativos, antecedentes de DST, orientação sexual, teste anti-hiv, contagem de linfócitos T CD4 +, comorbidades e uso de TARV), selecionadas a partir do modelo explicativo, com base em ampla revisão de literatura e das frequências relativas obtidas quando da caracterização da amostra de estudo. Mais da metade dos pacientes (50,4%) já se apresentou ao serviço de referência tardiamente. Na análise não ajustada, em relação às variáveis sociodemográficas, a idade foi a única variável com associação significativa (p < 0,05) com a apresentação tardia, sendo observada uma relação direta entre elas, ou seja, quanto maior a idade maior a proporção de casos com apresentação tardia. Embora não tenha mostrado associação com a apresentação tardia, a apresentação tardia foi mais frequente entre os homens, entre os pacientes com baixa escolaridade, e residentes em municípios da RMR e ou interior. Das demais variáveis, ter antecedentes de DST e ter realizado o teste por estar doente se mostraram associadas à apresentação tardia. No modelo multivariado, utilizou-se o processo de seleção Backward, com p < 0,20 para inclusão da variável no modelo e, p < 0,05, para ser mantida, foram utilizadas as variáveis: faixa etária, sexo, local de moradia, uso de drogas ilícitas e antecedentes de DST. Foi obtido o modelo, com três variáveis significativas: faixa etária, local de moradia e história de DST, ou seja, a chance de um paciente ser classificado como apresentação tardia é mais elevado para aqueles com idade mais elevada, ser residente do interior do estado, e ter tido DST. O modelo foi aceito através do teste de Lemeshow (p = 0,991). Conclusão: a alta proporção de pessoas vivendo com HIV/aids em Pernambuco que se apresentam tardiamente aos serviços para cuidados de saúde (50,4%) é preocupante e reforçam a necessidade de testagem e assistência em estágios mais precoces da doença, sobretudo àquelas em situação de maior vulnerabilidade biológica e social, assim como ampliação da rede de assistência especializada no interior do Estado.

15 P-06 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ADESÃO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL (TARV) EM CRIANÇAS DE 1 A 12 ANOS EM SALVADOR/BA AUTOR(ES): GABRIELA TELES RICCI, LUZIA ESTELA MENEZES LUZ MARQUES, EDUARDO MARTINS NETTO, CARLOS ROBERTO BRITES ALVES INSTITUIÇÃO: CENTRO ESPECIALIZADO EM DIAGNÓSTICO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA - CEDAP E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROFESSOR EDGARD SANTOS - HUPES Introdução: Para o sucesso da TARV em crianças soropositivas, é necessária adesão ao tratamento de pelo menos 95%, que pode sofrer influência do regime prescrito e características dos cuidadores. Foi analisado se fatores ligados ao tratamento e ao cuidador, têm correlação com a adesão da criança. Metodologia: Estudo de corte-transversal. Para a coleta dos dados, foi utilizado um questionário estruturado, de setembro de 2013 a junho de 2015 em dois centros de referência (HUPES e CEDAP) localizados em Salvador/BA. Foram incluídas 76 crianças de 1 a 12 anos infectadas por transmissão vertical, com pelo menos 6 meses de tratamento e seus responsáveis. As características dos responsáveis avaliadas foram escolaridade, renda mensal e soropositividade, e da criança, retirada dos antirretrovirais da farmácia, carga viral (CV), se o esquema tem ou não inibidor de protease (IP) e a adesão. Posteriormente, foram feitas as correlações. Resultados: A média de idade das crianças foi de 6,8 (+3,1) anos e a média do tempo de tratamento foi de 3,4 (+2,3) anos; 62/76 (81,5%) apresentaram adesão ideal, no questionário dos últimos 4 dias, 42% retiraram de forma regular os medicamentos nos últimos 6 meses e 54% das crianças apresentaram carga viral indetectável. Foram identificados 19 esquemas diferentes de TARV, sendo que 55,3% utilizavam IP. Dos responsáveis, 40 tinham HIV (52,6%) e a média de idade foi de 40,9 (+12,0) anos. A renda mensal prevalente foi de 1 a 2 salários mínimos (56,6%) e a maior parte possuía o ensino fundamental incompleto (48,7%). Dos 40 responsáveis soropositivos, 68,4% apresentaram 100% de adesão, 2 não usavam nenhum medicamento e 48,7% apresentaram carga viral indetectável. A carga viral indetectável da criança, apresentou correlação com a sua adesão (p=0,0001). Fatores como tempo de tratamento da criança (p=0,94), escolaridade do cuidador (p=0,38), renda mensal (p=0,23), soropositividade do responsável (p=0,94) e ter ou não IP no esquema da criança (p=0,41) não foram associados com a adesão à terapia. Conclusão: Dos fatores verificados, somente a redução da carga viral mostrou correlação com a adesão.

16 P-07 TÍTULO: BLITZ DA PREVENÇÃO- COMBINANDO PREVENÇÃO E CIDADANIA COM PRAZER: UMA AÇÃO VOLTADA PARA POPULAÇÕES CHAVE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA-BAHIA AUTOR(ES): SUSE MAYRE MARTINS MOREIRA AZEVEDO, JOSÉ ANTÔNIO LOYOLA FOGUEIRA INSTITUIÇÃO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS DR. JULIO BRITO- ITABUNA- BAHIA Diante do aumento de casos de HIV em populações denominadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como populações-chave onde fazem parte Homens que fazem sexo com homens (HSH), trabalhadores do sexo, usuários de drogas, pessoas que vivem em prisões e transgêneros faz-se urgente a necessidade de políticas sociais de prevenção voltada para este público. Essas populações especificas estão normalmente em espaços públicos de nossas cidade, em ruas e avenidas no período noturno. Esse trabalho tem como objetivo contribuir para aumentar o acesso aos serviços de saúde com foco na prevenção às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), HIV/AIDS e Hepatites Virais, respeitando à diversidade e dignidade humana destas populações. Esta ação é desenvolvida pela equipe do Centro de Referencia em DST/AIDS e Hepatites Virais (CR) em parcerias com outros organismos governamentais e ONGs parceiras, com a participação de enfermeiros, psicólogos e pedagogo em abordagens diretas e simplificadas. O resgate da cidadania, a divulgação de direitos são mecanismos por meio dos quais podemos construir redes de apoio e amparo para essas populações que se encontram em constante situação de vulnerabilidade e violências de diversas formas. A ação é desenvolvida com rodas de conversa com uma abordagem descomplicada e com uma pedagogia apropriada para o espaço da rua, com distribuição de panfletos com informações em direitos humanos, cidadania, educação, dando-se ênfase ao cuidado com o corpo e a saúde sexual aproximando essa população do SUS. Nos dois anos nos quais o projeto tem sido executado houve um aumento nos índices, que comprovam a eficácia do projeto e apontam algumas linhas especificas de atuação a serem trabalhadas, foram cadastradas 26 travestis, 03 transexuais, e 57 profissionais do sexo, sendo que 100% dos cadastrados realizaram todos os exames ofertados no CR. Além do acesso ao serviço de saúde o total de 86 cadastros, resultaram em 09 ações jurídicas, 40 acessos a algum tipo de documentação e 18 inscrições e contribuições ao INSS, o projeto continua com suas visitas mensais a ruas e praças e casa de prostituições do município.

17 P-08 TÍTULO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS DOS USUÁRIOS DE ANTIRRETROVIRAIS ATENDIDOS NA FARMÁCIA DE UM CENTRO DE REFERÊNCIA NO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI-BA AUTOR(ES): LAURIANE DOS SANTOS CARNEIRO INSTITUIÇÃO: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ESPECIALIDADES EM SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI-BA INTRODUÇÃO: A aids é uma doença pandêmica e, após 30 anos do surgimento da epidemia, o perfil das Pessoas que Vivem com HIV/aids (PVHA) sofreu importante mudança. A feminização, heterossexualização, pauperização e interiorização da epidemia mostraram a necessidade de ampliar o acesso da população à prevenção e assistência ao HIV/Aids. A descrição do perfil dos pacientes, aspectos comportamentais, crenças e atitudes em relação a terapia antirretroviral permite o conhecimento das demandas dos usuários bem como dos pontos de vulnerabilidade que necessitam de ações corretivas ou de monitoramento contínuo. OBJETIVO: Conhecer as características epidemiológicas das PVHA e em uso de Terapia Antirretroviral, atendidas na Farmácia do Centro de Referência do município de Camaçari-Ba. MÉTODOS: O estudo baseou-se em um corte transversal, retrospectivo, através da coleta de dados nos registros do Sistema de Controle Logístico de Medicamentos Antirretrovirais (SICLOM) dos pacientes que fazem uso da terapia antirretroviral no período de janeiro/2010 a maio/2015, além de discriminar a ocorrência quanto ao gênero, faixa etária e município de residência. RESULTADOS E DISCUSSÃO: No período de estudo foram atendidos 467 pacientes por mês, destes 225 (48,18%) do gênero masculino e 242 (51,82%) do gênero feminino, observando que as mulheres apresentam um maior percentual. No item faixa etária revelou um predomínio entre as idades de 31 a 40 anos, 175 (37,5%) pacientes, seguidos da faixa etária 41 a 50 anos, 113 (24,2%) e da faixa etária 21 a 30 anos, 81 (17,3%), seguidos da faixa etária 51 a 60 anos, 52 (11,1%), faixa etária 11 a 20 anos, 23 (4,9%) pacientes, faixa etária maior que 60 anos, 18 (3,9%) e apenas 5 (1,1%) da faixa etária 0 a 10 anos. Em relação ao município de residência dos pacientes observou-se um predomínio dos residentes no município de Camaçari, 322 (69,4%), seguido do município de Simões Filho, 52 (11,15), residentes em Dias D Avila, 45 (9,6%), residentes em Salvador, 26 (5,6%), Mata de São João, 5 (1,1%), Lauro de Freitas, 04 (0,86%), seguidos Pojuca, 3 (0,64%), São Sebastião do Passe, 3 (0,64%), Candeias, 3 (0,64%) e Feira de Santana, 01 (0,21%). CONCLUSÃO: Este estudo possibilitou traçar o perfil dos pacientes atendidos na Farmácia do Centro de Referência em HIV/ Aids no município de Camaçari-Ba e verificar a necessidade de implementação de outros estudos para aprofundar o conhecimento acerca desta população em estudo, bem como avaliar a adequação da assistência prestada pelo serviço de farmácia.

18 P-09 TÍTULO: COMPOSIÇÃO CORPORAL E IMAGEM CORPORAL DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS APÓS 12 SEMANAS DE EXERCÍCIO E ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL: UM ESTUDO DE CASO. AUTOR(ES): DANIELLE COUTINHO DE MEDEIROS, JULIANY DE SOUZA ARAÚJO, HUNAWAY ALBUQUERQUE GALVÃO DE SOUZA, RAFAELA CATHERINE DA SILVA CUNHA DE MEDEIROS, JASON AZEVEDO DE MEDEIROS, TATIANE ANDREZA LIMA DA SILVA, RICARDO DIAS DE ANDRADE, PAULO MOREIRA SILVA DANTAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução: Os avanços da terapia antirretroviral (TARV) promoveram o controle do sistema imunológico e supressão da carga viral, aumentando a expectativa de vida de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Em contrapartida, seus efeitos adversos são inevitáveis e culmina na lipodistrofia, responsável por provocar desordens físicas e metabólicas, as quais aumentam os riscos no desenvolvimento de doenças cardiovasculares, além de gerar insatisfação com a imagem corporal. Diante desse contexto, o estudo se propôs a avaliar as mudanças corporais relacionadas à lipodistrofia após um programa de treinamento aeróbico de 12 semanas associado a orientação nutricional, e suas repercussões na imagem corporal do indivíduo.material e Métodos: Estudo descritivo longitudinal, o qual participou uma mulher de 57 anos, com diagnóstico de HIV/Aids, sob TARV. Avaliou-se a sua composição corporal antes e após um protocolo de treinamento aeróbico de 12 semanas associado à orientação nutricional, através da antropometria. Nesse protocolo a composição corporal foi aferida por região corporal: tronco superior, tronco inferior, membros superiores e membros inferiores, devido ao comportamento peculiar da lipodistrofia nessas regiões corporais. Avaliou-se também a imagem corporal através da escala de silhuetas proposta por Stunkard. Nesse instrumento, o resultado da imagem corporal se dá por meio da subtração da imagem atual (como o indivíduo se vê) pela imagem ideal (como gostaria de estar). O resultado dessa subtração igual a 0, indica satisfação com a imagem corporal; e o resultando diferente de 0, indica a insatisfação. No entanto, podem variar de números negativos (insatisfação pela falta de peso) a números positivos (insatisfação pelo excesso de peso). Resultados: Os resultados demonstraram uma redução considerável no percentual de gordura da participante em todas as regiões corporais, evidenciadas pelo comparativo entre a 1º e 12º semana dos somatórios das dobras cutâneas Suprailíaca e supraespinhal (54,2-44,6); subescapular e tórax (66,4 56,6); coxa (31,2 28,9); e tríceps e bíceps (37,8 21,6), como também pelas perimetrias de cintura (95,5 88,2); tórax (94,5 88,8), coxa média (52 52,5); e braço relaxado (33 31). Quanto à imagem corporal, observou-se redução na insatisfação da imagem corporal, comprovada através da aproximação da imagem atual com a imagem ideal ( 5 3) descrita pela participante. Discussão: A redução expressiva no percentual de gordura, principalmente na região central (tronco inferior e tronco superior), normalmente acometidas pela lipo-hipertrofia; e redução das perimetrias de cintura e tórax no período de intervenção, favoreceram à melhoria da saúde cardiovascular da participante, contribuindo com a diminuição dos fatores de riscos para o desenvolvimento de alterações cardiometabólicas associadas à gordura abdominal,como também a remodelação corporal, afetada pela TARV. Conclusão: O programa de treinamento concorrente produziu mudanças corporais notórias, as quais minimizaram os sinais estéticos da lipodistrofia e refletiram na melhoria da imagem corporal e, consequentemente, no bem estar e resgate da autoestima da participante.

19 P-10 TÍTULO: DISCUTINDO SOBRE SEXUALIDADE E SUAS VERTENTES NA ESCOLA SEGUNDO A ÓTICA DE ESTUDANTES ADOLESCENTES AUTOR(ES): GUSTAVO ELIAS DA SILVA, ALBERTINO JOSÉ FERREIRA NETO, ANA PAULA TEIXEIRA DA SILVA CARVALHO, EDUARDO FRANCISCO MONTENEGRO DUTRA, ISABELLA MENDES GOMES, JÉSSICA LOPES GOMES, NAYANNE MARIA MAGALHÃES BRINGEL, FÉLIX ALEXANDRE ANTUNES SOARES, MÔNICA CECÍLIA PIMENTEL DE MELO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF Introdução: A escola é um lócus de ações de promoção à saúde do adolescente em que o assunto sexualidade pode ser tratado de forma mais natural e propício. Possui um campo fértil de discussões e práticas de ações na promoção a saúde e prevenção das vulnerabilidades, logo se destacou-se como objetivo: identificar a partir da ótica de estudantes o modelo de adoção de práticas discursivas e reflexivas sobre sexualidade. Material e Método: Pesquisa quantitativa, transversal, exploratório-descritiva, através da aplicação de questionário estruturado padronizado, autopreenchível e não identificável, realizado entre novembro a dezembro de 2014, com estudantes do nível fundamental II e médio, dos 3 turnos escolares, durante as aulas, por adesão voluntária, no Colégio Estadual Misael Aguilar Silva. Para a análise dos dados, utilizou-se do software Microsoft Excel 2007/2010, sendo considerados os dados estatísticos em sua forma percentual. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética da UNIVASF, sob nº 0014/ Resultados: Os estudantes foram questionados sobre como gostariam que a escola desenvolvesse a temática sexualidade, apresentando as seguintes porcentagens: durante aulas rotineiras (6%); em exposição de filmes sobre o assunto (14%); em aulas específicas de educação sexual (39%) e através de palestras (41%). Nessa trajetória, os alunos sugeriram os seguintes assuntos: masturbação (5%); homossexualidade (6%); uso de camisinha masculina e feminina (7%); anabolizantes e outras drogas e sua relação com a sexualidade (8%); gravidez (8%); métodos anticoncepcionais (8%); violência sexual (8%); aborto (9%); higiene corporal e ato sexual (9%); menstruação e cuidados com o corpo (10%); transformações no corpo do adolescente (10%); aids e outras DST (11%); outros assuntos (1%). Dessa forma, voltando-se aos temas que mais suscitavam dúvidas, destaca-se o maior interesse pelo assunto "aids e outras DST" (11%). Discussão: Como os adolescentes passam boa parte de seu tempo na escola, ela é a principal fonte de conhecimento para o fortalecimento de decisões assertivas. Portanto, nada mais natural que almejem na escola a responsabilidade por um papel mais informativo. Dadas as peculiaridades desse público, nota-se, dentre os assuntos de maior interesse, um potencial preventivo para DST/Aids com ações em saúde mais articuladas. Conclusões: Os Parâmetros Curriculares Nacionais já apontam para os temas trabalhados, ressaltando a necessidade de intervenções no cotidiano escolar. Sabe-se que a faixa etária de 13 a 24 anos, representa 80% dos casos de Aids identificados no país entre 2000 e 2006, o que evidencia a vulnerabilidade do grupo-alvo pesquisado. Assim, a atenção primária em saúde, juntamente com a gestão escolar, devem se tornar aliados na efetivação da promoção do cuidado voltado à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes.

20 P-11 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO CONCORRENTE NA CONFORMAÇÃO CORPORAL DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS, SOB TARV: UM ESTUDO DE CASO AUTOR(ES): JULIANY DE SOUZA ARAUJO, DANIELLE COUTINHO DE MEDEIROS, TATIANE ANDREZA LIMA DA SILVA, RAFAELA CATHERINE DA SILVA CUNHA DE MEDEIROS, JASON AZEVEDO DE MEDEIROS, RICARDO DIAS DE ANDRADE, EVELYN LARISSA GOUVEIA MACHADO, HUNAWAY ALBUQUERQUE GALVÃO, PAULO MOREIRA SILVA DANTAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução: A Terapia Antirretroviral (TARV) está associada ao surgimento de diversos efeitos adversos na população com HIV/AIDS, dentre as quais, a lipodistrofia que caracteriza-se como redistribuição anormal de gordura pelo corpo. Um método bastante utilizado para verificar a conformação corporal é o somatótipo, o qual avalia não somente a forma, mas também a composição corporal, sendo definida por três componentes denominados endomorfia (distribuição de gordura), mesomorfia (massa muscular) e ectomorfia (linearidade corporal). Partindo desse contexto o objetivo desse estudo se propôs a analisar o somatótipo de pessoas vivendo com HIV/Aids, com lipodistrofia, após intervenção de 16 semanas do protocolo de treinamento concorrente associado à orientação nutricional. Métodos: A amostra consistiu em 1 mulher (40 anos), fisicamente ativa e em uso de antirretrovirais. Foi realizada uma intervenção de 16 semanas com o treinamento concorrente, caracterizado pela associação de exercícios aeróbicos e de força numa mesma sessão de treino, sendo suas intensidades de 60 a 80% FCmáx para o componente aeróbico e intensidade 8 (moderada) na escala de percepção de esforço para exercícios resistidos (OMNI-RES). Além disso, a participante também recebeu aconselhamento dietético. A partir dessa intervenção avaliou-se a conformação corporal através do somatótipo entre a 1º e 8º semana; 8º e 16º semana; e 1º e 16º semana. A análise estatística do estudo foi realizada através de um tratamento de dados específico para os somatótipos, em que se observou os espaços bi e tridimensional do somatótipo através do DDS (bidimensional) e o DES (tridimensional) com seus índices de dispersão, respectivamente IDS e IDES, utilizando como ponto de corte para determinação das diferenças DDS 2,0 e DES 1,0. Resultados: Os resultados mostraram uma redução entre os componentes de endormorfia, manutenção da mesomorfia e um aumento na ectomorfia quando se comparou as avaliações da 1º, 8º e 16º semana. Esses achados foram comprovados e visualizados por meio da somatocarta e pela análise estatística específica para os somatótipos, que apontou diferença significativa tanto na análise da distância de dispersão entre somatótipos da 1º e 16º semana(dds = 2,69) quanto para a distância espacial entre somatótipos da 8º e 16º semana (DES = 1,03) e os da 1º e 16º semana (DES = 1,82). Discussão: A participante foi classificada em todas as avaliações como endomesomórfica. No entanto, apesar de não haver mudança quanto a essa classificação, os dados referentes aos componentes somatotípicos evidenciaram redução na distribuição de gordura (endomorfia), melhoria na linearidade do corpo (ectomorfia) e manutenção da massa magra (mesomorfia) que está relacionado ao controle da lipodistrofia e com a melhoria da pressão arterial. Sendo assim, tais resultados vem a contribuir para a redução dos fatores de risco preditores do desenvolvimento de doenças cardiometabólicas, inerentes às pessoas vivendo com HIV/Aids. Conclusão: O programa de treinamento concorrente associado à orientação nutricional produziram resultados positivos no somatótipo das participantes, melhorando a composição corporal e, por conseguinte, comprovando sua eficácia no controle da lipodistrofia, bem como reduzindo os riscos no desenvolvimento de doenças cardiometabólicas da participante avaliada. Palavras-Chave: Lipodistrofia; Treinamento Concorrente; Composição Corporal; Somatotipo; HIV.

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER 1. Riscos e causas de contaminação na Central de Material de Juliana Santos Andrade Esterilização: uma análise teórico-reflexiva 2. Biossegurança e Higienização das mãos:

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Controle da Transmissão Vertical HIV/Aids e Sífilis. Marina A. W. Gonçalves Programa Municipal DST/Aids

Controle da Transmissão Vertical HIV/Aids e Sífilis. Marina A. W. Gonçalves Programa Municipal DST/Aids Controle da Transmissão Vertical HIV/Aids e Sífilis Marina A. W. Gonçalves Programa Municipal DST/Aids Controle da Transmissão Vertical HIV/Aids e Sífilis É ético, é lei, é urgente, é possível Controle

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM NÚCLEO DE ESTUDOS E APOIO AO PACIENTE HIV/ AIDS

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM NÚCLEO DE ESTUDOS E APOIO AO PACIENTE HIV/ AIDS 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM NÚCLEO DE ESTUDOS E APOIO AO PACIENTE HIV/ AIDS Áurea Regina Telles Pupulin 1 Adrielli Priscilla Machado 2 Cleverson Jose Bezerra 2 Laís Carolina Laurenti Mortean

Leia mais

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde Sumário 05 07 07 07 09 10 12 12 12 14 17 17 17 18 19 19 21 21 Apresentação O que é aconselhamento? Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

Projeto Horizonte (Belo Horizonte, MG) - Coorte de Homossexuais e Bissexuais Masculinos HIV Negativos: Discussão Metodológica - 1994-2005

Projeto Horizonte (Belo Horizonte, MG) - Coorte de Homossexuais e Bissexuais Masculinos HIV Negativos: Discussão Metodológica - 1994-2005 Projeto Horizonte (Belo Horizonte, MG) - Coorte de Homossexuais e Bissexuais Masculinos HIV Negativos: Discussão Metodológica - 1994-2005 Mariângela Carneiro Professora Adjunto Universidade Federal de

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Versão: 2011 Manual de utilização do menu de Cadastramento Versão: 2013 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Introdução. 5 Cadastramento. 6 Cadastro de usuário SUS.

Leia mais

com HIV/Aids no Brasil:

com HIV/Aids no Brasil: Aborto induzido entre mulheres vivendo com HIV/Aids no Brasil: aspectos analíticos e metodológicos Equipe de pesquisa: Regina M. Barbosa Adriana A. Pinho Naila S. Seabra Elvira Filipe Wilza V. Vilella

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS CURITIBA/PR 2014 Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Manual de cadastramento de usuário SUS Versão: 2011 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Cadastramento. 1 Cadastro de usuário SUS. 1 Transferência de usuário SUS.

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2013 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS HIV- AIDS GOIÁS - 2013 Situação Epidemiológica da aids em crianças, aids em jovens, aids em adultos e gestantes

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Desafios para o controle da

Desafios para o controle da Desafios para o controle da Tuberculose como problema de saúde pública e doença determinada Tuberculose e perpetuadora no Brasil da miséria Draurio Barreira Coordenador do PNCT Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012 Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis 18 de junho de 2012 LINHA DE CUIDADO TV DO HIV Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Serviço de Atenção Especializada (Pré-natal,

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

PERSPECTIVAS DO ENFRENTAMENTO DO HIV/AIDS EVIDENCIADOS EM GRUPO FOCAL

PERSPECTIVAS DO ENFRENTAMENTO DO HIV/AIDS EVIDENCIADOS EM GRUPO FOCAL PERSPECTIVAS DO ENFRENTAMENTO DO HIV/AIDS EVIDENCIADOS EM GRUPO FOCAL Walterlânia Silva SANTOS. UFG/Campus Catalão. walterlaniasantos@gmail.com. Marcelo MEDEIROS. UFG/Faculdade de Enfermagem (FEN). marcelo@fen.ufg.br.

Leia mais

Grazielly Rita Marques Giovelli (1); Gabriel José Chittó Gauer(1) orientador; Prisla Ucker Calvetti (1); João Feliz Duarte de Moraes(2)

Grazielly Rita Marques Giovelli (1); Gabriel José Chittó Gauer(1) orientador; Prisla Ucker Calvetti (1); João Feliz Duarte de Moraes(2) 1418 IV Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação PUCRS SINTOMAS DE DEPRESSÃO, SUPORTE SOCIAL, QUALIDADE DE VIDA E ADESÃO EM PESSOAS QUE VIVEM COM HIV/AIDS Grazielly Rita Marques Giovelli (1); Gabriel José

Leia mais

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL INTRODUÇÃO: Ítala Mônica de Sales Santos Joelma Barros de Sousa Ana Izabel Oliveira Nicolau As Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 (02 cópias) Data limite para apresentação de candidaturas: 08/08/2013 Endereço eletrônico para envio de candidaturas: selecao@unfpa.org.br Identificação a ser utilizada como título do e-mail de candidatura:

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 10/2015 1. Perfil: Código: 20/ 2015 - Consultor em epidemiologia 3. Qualificação educacional: Nível superior completo na área da saúde. Pós-graduação

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013

IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013 IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013 O que são Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) São doenças causadas por vários tipos de agentes; São transmitidas, principalmente, por contato sexual

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde TRADUÇÃO LIVRE, ADAPTADA AO PORTUGUÊS PELA OPAS/OMS BRASIL. Organização Mundial da Saúde Uma Resposta Sustentável do Setor Saúde ao HIV Estratégia mundial do setor da saúde contra o HIV/aids para 2011-2015

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DAS PVHIVAIDS

MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DAS PVHIVAIDS SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA ÀS DST/AIDS/HEPATITES E OUTRAS DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS CONTAGIOSAS QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA E DA REDE BASICA E ESPECIALIZADA FORTALECIMENTO DA REDE DE APOIO MELHORAR

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais