Clínica Médica de Pequenos Animais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clínica Médica de Pequenos Animais"

Transcrição

1 V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Enfermidades Oncológicas Introdução à Oncologia Conceitos -Neoplasia benigna: composta por células anormais agregadas em cadeia formando uma massa única compressiva que não invade tecidos periféricos. -Neoplasia maligna: invadem tecido periférico e ocasiona metástase em órgãos distantes. Biologia tumoral Carcinogênese: a origem ocorre na maioria das vezes por uma única célula. Ocorre mutação genética nos mecanismos de crescimento e diferenciação celular. Protooncogenes e genes supressores tumorais estão envolvidos. -Proto-oncogenes: regulam resposta a estímulos externos de crescimento e diferenciação. -Genes supressores tumorais: codificam proteína p53, que restringem ou inibem a proliferação celular. Herança genética. Mecanismos de reparo do DNA -Proteínas de reparo: atuam caso haja lesão no DNA, seja por raios ultravioletas, químico ou por separação de filamentos, por exemplo. Carcinogênese de progressão múltipla *Apoptose e carcinogênese: morte celular programada como ocorre, por exemplo, em enterócitos. DNA mutagênico apoptose pela proteína p53. 1

2 -Iniciação: mutação permanente e irreversível, não sendo suficiente para a malignidade. -Agentes promotores: expansão de células iniciadas e defeitos adicionais (ex: hormônios). -Agentes progressivos: fenótipo maligno e potencial metastático. Alterações genômicas. Lesões no DNA: pode ocorrer por carcinogênese hereditária, carcinogênese biológica, carcionogênese química ou carcinogênese física. Mecanismos de metástase Menos de 0,01 a 0,1% das células tumorais sobrevivem. Geralmente ocorrem por via linfática, hematógena ou por planos teciduais. Mecanismo: ocorre a indução da angiogênese, que acaba por invadir a matriz extracelular, há a entrada na circulação, adesão na membrana basal de endotélio. Invasão, proliferação e angiogênese. Opções de tratamento em oncologia veterinária Pode optar por cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapia com alvos moleculares, imunoterapia, crioterapia ou fototerapia. Deve-se sempre avaliar o estado geral do paciente (estado nutricional e funcionalidade orgânica), idade, exames hematológicos, etc. O comprometimento por parte do proprietário é de extrema importância, o médico deve discutir as opções com o proprietário, explicar potenciais complicações e esclarecer os custos. O tratamento pode ter indicação específica (local ou sistêmico). Deve-se tratar grande quando está pequeno. O ponto chave do tratamento em oncologia é a qualidade de vida do paciente. O tratamento pode ser curativo ou somente paliativo. Abordagem do paciente com formação -Massas superficiais: podem ser formações subcutâneas ou dermoepidérmicas ou ainda podem ser linfoadenomegalia. -Massas profundas: podem ser formações em órgãos cavitários, podem ser massa mediastínica, etc. Nunca se deve não tomar iniciativa e observar o desenvolvimento da massa para ver se esta aumentará ou regredirá, não sendo uma opção viável, pois a simples presença de uma massa já é uma anormalidade. Exceções são encontradas em pacientes com risco 2

3 proibitivo de realização de procedimentos cirúrgicos, devendo-se acompanhar com exames de imagem rotineiramente. Deve ser feita uma avaliação citológica ou histopatológica. A avaliação citológica é barata, simples e rápida, fornece resultado presuntivo ou definitivo. Cuidado com falsos positivos e negativos. Diagnostica formações benignas, malignas, inflamatórias ou hiperplásicas, sendo a características de células epiteliais, mesenquimais ou de células redondas. Realizar avaliação completa do paciente com exames de imagem e laboratoriais. Considerações gerais sobre avaliação citológica e histológica A avaliação de uma amostra citológica obtida por punção aspirativa por agulha fina (PAAF) em pequenos animais com suspeita de lesões neoplásicas muitas vezes fornecem informações que podem ser usadas para o diagnóstico definitivo, evitando desse modo, a necessidade imediata de realização de biópsia cirúrgica. Os riscos e custos associados a PAAF são consideravelmente mais baixos do que os associados a biópsia cirúrgica. 01-Avaliação citológica Serve para planejar o tratamento e testes adicionais; clínico. -Benignos ou inflamatórios: cirurgia, acompanhamento ou tratamento 02-Avaliação histológica -Maligno: depende do tipo, deve-se pesquisar por metástases. É um procedimento mais invasivo, requer mais tempo, pode ser incisional ou excisional, utilizado em casos de citologia inconclusivos sugere o prognóstico e tratamento de acordo com o tipo histológico. Avaliação completa Avalia-se o estado geral de saúde do paciente, pesquisa por metástases, presença de síndrome paraneoplásicas e informações sobre a lesão; 3

4 Princípios da Quimioterapia Relação entre peso e superfície corporal de cães e gatos Tabela 1. Relação entre peso e superfície corporal em cães. Fonte: RODASKI e NARDI, Tabela 2. Relação entre peso e superfície corporal de gatos. Fonte: RODASKI e NARDI,

5 Cinética Celular Semelhante a célula normal, mas sem diferenciação terminal. Fases (repouso e mitose) Repouso S (síntese): DNA é sintetizado. G1 (intervalo 1): RNA e enzimas são sintetizados. G2 (intervalo 2): fuso mitótico é produzido. G 0: repouso. Mitose (fase M) Conceitos Figura 1. Representação do ciclo celular. Fonte: RODASKI e NARDI, Índice mitótico: células em mitose em campo de grande aumento. Tempo de duplicação: tempo que leva para duplicar a formação, visto ao ultrassom, radiografia ou a palpação. Geralmente entre 2 a 24 dias. 5

6 Agentes Quimioterápicos (agem em células de replicação rápida) Protocolo de múltiplos fármacos: ação sobre o tipo tumoral específico, agem em diferentes mecanismos e deve-se evitar a toxicidade sobreposta (Ex.: utilização de dois fármacos imunossupressores). *A efetividade dos quimioterápicos é maior em pequenas neoplasias pois possuem alto índice mitótico, baixo tempo de duplicação e alta fração de crescimento. Cálculo da dose Geralmente o cálculo se dá pela superfície corporal. Cuidado em animais pequenos (Ex.: doxorrubicina superestima a dose e deve-se utilizar a dose em mg/kg ao invés de mg/m² principalmente em animais abaixo de 10 kg. Indicações -Neoplasias sistêmicas (Ex.: linfoma multicêntrico e leucemia); -Neoplasias metastáticas (Ex.: neoplasia mamária avançada); -Neoplasias quimiorresponsivas (Ex.: tumor venéreo transmissível); -Adjuvante em cirurgia total ou parcial (Ex.: osteossarcoma em membros); -Aplicação intracavitária (Ex.: efusão pleural carcinomatosa); -Terapia neoadjuvante (Ex.: quando o tamanho da neoplasia inviabiliza a ressecção cirúrgica, utiliza-se quimioterápicos para diminuição do tumor para posterior remoção cirúrgica mastocitoma); Contra Indicações -Substituição à cirurgia (Ex.: carcinoma de células escamosas não é muito responsivo à quimioterápicos); -Risco aumentado de toxicidade (Ex.: utilização de imunssupressores em animais anêmicos/linfopênicos e doxorrubicina em animais com cardiomiopatia dilatada). Mecanismo de Ação Ocorre destruição das células proporcional a dose. Tipos não em G0. -Fase inespecífico: age na divisão de células, nas fases M, S, G1 e G2 e -Fase específicos: age em apenas um tipo de fase. 6

7 Tipos (6 categorias) -Alquilantes; -Fármaco ciclo inespecífico: age em qualquer fase e tem alta toxicidade. -Antimetabólitos; -Antibióticos antitumorais; -Alcalóides de plantas; -Hormônios; -Diversos; 01-Alquilantes Mecanismo de ação: ligação cruzada no DNA impedindo a duplicação (age em células de rápida replicação). O principal efeito é sobre as células na fase G1 ou em mitose. Características São ciclo inespecíficas e possuem toxicidade imunossupressora causando anemia, leucopenia e trombocitopenia e também causam toxicidade em trato gastrointestinal causando vômito e diarreia. Exemplos melfalano. Derivados da mostarda nitrogenada: ciclofosfamida, clorambucil, e 02-Antimetabólitos Nitrosuréias: lomustina e carmustina. Sais metálicos: cisplatina e carboplatina. Mecanismo de ação: são análogos aos metabólitos normais necessárias à função de replicação celular. Agem na fase S e substituem no DNA as purinas e pirimidinas normais. Características São fase específicas e possuem toxicidade imunossupressora causando anemia, leucopenia e trombocitopenia e também causam toxicidade em trato gastrointestinal causando vômito e diarreia. Exemplos 7

8 Análogos do ácido fólico: metotrexato. Análogos da pirimidina: citosina arabnosídeo (citarabina) e 5- fluorouracil (5-FU). *Azatioprina Análogos da purina: 6-mercaptopurina. 03-Antibióticos antitumorais Mecanismo de ação: causam dano ao DNA por radicais livres como o oxigênio e hidroxilas. Características São fase inespecíficos (agem em todas as fases menos G0) possuem toxicidade imunossupressora causando anemia, leucopenia e trombocitopenia, causam toxicidade em trato gastrointestinal causando vômito e diarreia, cardiotoxicidade (efeito acumulativo) e necrose tecidual (cuidado com injeção extra venosa). Exemplos: doxorrubicina, bleomicina, actinomicina D e mitoxantrona. *Doxorrubicina e daunorrubicina produzem toxicidade cardíaca dose-dependente, a qual é irreversível. Atualmente, estão sendo realizadas pesquisas com agentes de menor toxicidade cardíaca e alta atividade antitumoral como a epirrubicina, mitoxantrona e idarrubicina, 04-Alcalóides de Plantas Tipos -Derivados alcalóides da Vinca rosea: são fase específicos (fase M) causando inibição da mitose e podem causar destruição do aparelho mitótico. -Derivados alcalóides da Podophyllum peetatum (Mandrágora): há ligação cruzada com o DNA. Podem atuar inibindo o transporte de nucleotídeos e sua incorporação ao DNA e RNA. *Os alcaloides vegetais são alvos preferenciais para a glicoproteína P, produto do gene RMF (resistência a múltiplos fármacos) resultando em resistência clínica aos quimioterápicos. Características Causam necrose tecidual. Exemplos: vincristina e vimblastina (derivados da Vinca) e etoposídeo (derivados da mandrágora). 8

9 05-Hormônios Mecanismo de ação: os glicocorticoides atuam em receptores celulares específicos e causam cisão do DNA em células sensíveis. 06-Enzimas Exemplo: prednisona. Mecanismo de ação: a enzima L-asparaginase é capaz de destruir as reservas exógenas do aminoácido asparagina o qual é vital para o processo de síntese protéica das células neoplásicas que são incapazes de produzir asparagina endógena. Característica Podem induzi a reação anafilática após a primeira administração, mas é mais frequente após múltiplas aplicações. A administração prévia de anti-histamínicos e dexametasona diminui este risco, mas não o exclui. Podem induzir uma pancreatite hemorrágica além de potencial hepatotóxico e neurotóxico. Exemplo: L-asparaginase. Novas Estratégias de Tratamento Antineoplásico Alvos moleculares (Terapia Molecular Dirigida TMD): compreendem as substâncias que agem destruindo células tumorais através de moléculas específicas envolvidas no crescimento da célula cancerosa. Fármacos Inib: pequenas moléculas inibidoras. Ex.: geftinib (alvo: EGFr) e imatinib (alvo: tirosino-quinase) Mab: anticorpos monoclonais. Ex.: rituximab (alvo: anti-cd20) e anfliximab (alvo: anti-tnfα) Mersen: oligonucleotídeos antisense. Ex.: oblimersen (alvo: RNAm). 9

10 Tabela 3. Alvos moleculares para terapia antineoplásica. Fonte: REIS,

11 Células Malignas As células que constituem a maioria dos órgãos e tecidos normais (com exceção dos precursores da medula óssea) são bem diferenciadas e a maioria delas é similar no tamanho e forma, possui a razão núcleo: citoplasma (N:C) normal, os núcleos geralmente possuem cromatina condensada e sem nucléolos e o citoplasma pode exibir características de diferenciação, como por exemplo formação de queratina em epitélio escamoso. Células malignas possuem uma ou mais das seguintes características: núcleos maiores e citoplasmas menores, padrão de cromatina frouxa, nucléolos geralmente múltiplos, anisocariose (células com núcleos de diferentes tamanhos), um núcleo comprime o outro em uma célula multinucleada, homogeneidade morfológica entre as células, pleomorfismo (células em diferentes estágios de desenvolvimento), vacuolização (primariamente em tumores epiteliais malignos), anisocitose (células de tamanhos diferentes), células gigantes multinucleadas, ocasionalmente células com atividade fagocítica e heterotipia (presença de certo tipo celular onde ele não é encontrado anatomicamente). Carcinomas: a maioria dos carcinomas é constituída por células arredondadas ou poligonais que tendem a se juntar, formando cachos ou grandes placas. Seus citoplasmas geralmente são azul-escuros e na maioria dos adenocarcinomas a vacuolização é evidente. Os limites citoplasmáticos são difíceis de serem reconhecidos e as células se assemelham mais a uma massa de protoplasma do que a uma placa de células individualizadas. Nos carcinomas de células escamosas, as células geralmente estão individualizadas, podem ser irregulares ou poligonais, possuem citoplasma azulescuro e grandes vacúolos. Células neoplásicas em carcinomas de células escamosas frequentemente apresentam leucofagia. Os núcleos nos adenocarcinomas e carcinomas de células escamosas são grandes, com padrão de cromatina frouxa e nucléolos evidentes. Sarcomas: as características citológicas dos sarcomas variam com o tipo histológico. Entretanto a maioria dos tumores mesenquimais possui células com formato fusiforme, poligonal poliédrico ou oval, com citoplasma azul-avermelhado a azulescuro e núcleo de forma irregular. A maioria das células é individualizada, embora possam ocorrer aglomerações, particularmente em esfregaços por imprint. Na maioria dos sarcomas as células possuem a tendência de formar caudas e o núcleo projeta-se do citoplasma. A presença de células fusiformes ou poligonais com citoplasma vacuolizado azul-acinzentado é altamente sugestiva de hemangiossarcoma. Ocasionalmente, encontra-se matriz intracelular (osteóide ou condróide), as células geralmente são arredondadas ou ovoides nesses dois tipos tumorais. Células gigantes multinucleadas são comuns em alguns sarcomas em gatos. Como regra geral, tendo em vista que as células dos sarcomas não esfoliam facilmente, os aspirados dessas formações podem fornecer resultados falso- 11

12 negativos. Sendo assim, quando houver suspeita clínica de que uma formação é um sarcoma e a PAAF for negativa, deve-se proceder á biópsia da formação. Tumores de células redondas: os tumores compostos por uma população homogênea de células arredondadas ou individualizadas são denominados tumores de células redondas. Esses tumores são comuns em cães e gatos e incluem os linfomas, histiocitomas, mastocitomas, tumores venéreos transmissíveis, plasmocitomas e melanomas malignos. Os osteossarcomas e condrossarcomas podem ser constituídos por células redondas. Os tumores de células redondas são facilmente diagnosticados por citologia. A presença ou ausência de grânulos ou vacúolos citoplasmáticos e a localização do núcleo auxiliam na classificação desses tumores. As células que compõem os mastocitomas, linfomas e melanomas geralmente possuem grânulos citoplasmáticos, as células de tumores neuroendócrinos também podem conter grânulos. Quando são utilizadas colorações hematológicas, os grânulos ficam roxos nos mastocitomas, vermelhos nos linfomas e pretos, verdes, marrons ou amarelos nos melanomas. Os linfomas, histiocitomas, plasmocitomas e tumores venéreos transmissíveis não possuem grânulos citoplasmáticos. As células dos osteossarcomas, ocasionalmente, contêm pequenos a grandes grânulos citoplasmáticos de coloração rosa (osteóide). Vacúolos citoplasmáticos são comuns em tumores venéreos transmissíveis e histiocitomas. Resumidamente, os linfomas de células grandes são caracterizados por uma população monomórfica de células redondas indiferenciadas individuais com núcleo grande, padrão de cromatina grosseiro e um ou dois nucléolos, as células podem, ocasionalmente, estar vacuolizadas. Os linfomas de células pequenas e intermediárias são difíceis de diagnosticar citologicamente, uma vez que a população neoplásica pode parecer linfócitos normais. As células nos histiocitomas são similares àquelas nos linfomas, com exceção no padrão de cromatina, que é mais frouxo do que grosseiro, apresentando citoplasma mais abundante e frequentemente vacuolizado. Como a inflamação é um importante componente dos histiocitomas, são encontradas comumente células inflamatórias nesses tumores como linfócitos e neutrófilos. Os mastocitomas são distintos por suas células conterem, em seu citoplasma, grânulos roxos, que podem ser tão numerosos a ponto de esconderem as características nucleares, os eosinófilos são também uma característica comum nesses tumores. Os grânulos dos mastocitomas podem estar ausentes em tumores pouco diferenciados. 12

13 Enfermidades Oncológicas 01-Linfoma Sinônimos Introdução Linfoma maligno ou linfossarcoma. É a neoplasia hematocitopoiética mais comum em cães e gatos, malignidade linfóide relacionada tanto a linfócitos B como linfócitos T, que acomete órgãos sólidos como o fígado, baço e linfonodos. Tipos Linfoma Hodgkin e não-hodgkin: a diferenciação é feita pelas características das células malignas. Essa distinção só é possível após a biópsia e avaliação microscópica das células cancerígenas. Em geral, podemos dizer que as células malignas do linfoma de Hodgkin sofrem muitas alterações, tornando-se muito diferentes das células normais dos tecidos linfoides, enquanto que as células do linfoma não-hodgkin sofrem transformação maligna, mas preservam algumas características iniciais. O linfoma não-hodgkin constitui cerca de 90% das neoplasias hematopoiéticas em cães e gatos. Etiologia -Felinos: Infecção por vírus da leucemia felina (FeLV feline leucemia virus): este retrovírus se integra ao DNA da célula hospedeira alterando o crescimento celular o que pode resultar em uma transformação maligna. Nos felinos a prevalência da infecção com FeLV é de linfoma multicêntrico em 90% dos casos, mediastinal em 80%, alimentar ou gastrointestinal em 30% e cutâneo em nenhum caso. Infecção por vírus da imunodeficiência felina (FIV feline imumunodeficency virus) aumenta a chance de um felino apresentar linfoma. Este retrovírus participa indiretamente da oncogênese, uma vez que, por ser imunossupressor compromete a habilidade do sistema imune em destruir células malignas. *Infecção por FIV e FELV associados, possuindo chance 75 vezes maior de o felino apresentar linfoma. 13

14 -Caninos Nenhum agente identificado: tem sido associado à exposição a agentes químicos (Ex.: herbicidas, solventes orgânicos e fármacos imunossupressores) e também com campos eletromagnéticos (sendo então multifatorial). Componente genético herdado é significativo e evidente. Mutações genéticas somáticas propiciam o aparecimento como a ativação de proto-oncogenes (genes da família BCL-2 e c-myc) e/ou inativação de genes supressores de tumor (p53). Formas anatômicas É a classificação mais prática encontrada para classificar os linfossarcomas Multicêntrico Linfadenomegalia generalizada exuberante, mesmo linfonodos normalmente não palpáveis como os retrofaríngeos, inguinais e axilares tornam-se evidentes. Através de exame ultrassonográfico pode-se verificar linfadenomegalia em linfonodos ilíacos e mesentéricos. Forma mais comum em cães, sendo a primeira patologia a se pensar em casos de linadenomegalia. Também ocorre em gatos, geralmente infectados por FeLV. Envolvimento hepático, esplênico e/ou medula óssea. Não forma massas ou nódulos, pois é um tumor infiltrativo. Erliquiose e babesiose estão correlacionadas. Casos de anemia com leucopenia indicam envolvimento medular Mediastinal Linfadenopatia mediastinal com ou sem envolvimento de medula óssea. Pode ou não haver citopenias. É comum em felinos FeLV positivos e pouco comum em caninos Alimentar Ocorre de modo espontâneo em cães e mais comumente ocorre em gatos. Há infiltração do trato gastrointestinal de células linfoides malignas com ou sem acometimento dos linfonodos mesentéricos. Felinos FeLV negativos e adultos ou idosos são mais afetados; 01.4-Extranodal Pode ser renal, ocular, sistema nervoso central, pele, sistema respiratório, entre outros. 14

15 Linfoma Cutâneo É a forma mais complexa do ponto de vista terapêutico, uma vez que poucos animais respondem ao tratamento. Pode envolver mucosa oral e outros órgãos como: linfonodos, baço, fígado e medula óssea. Tipos Epiteliotrófico: presença de linfócitos neoplásicos na epiderme, geralmente de origem T. É também conhecido como micose fungóide. Não-epiteliotróficos: presença de linfócitos neoplásicos na derme, geralmente de origem B. Síndrome de Sézary: forma rara e agressiva em que há presença acentuada de células neoplásicas no sangue, constituindo a forma leucêmica da micose fungóide. Epidemiologia Caninos: 80% multicêntrico. Raças: Boxer, Rottweiller, Poodle, Chow-Chow, Beagle, Basset Hound, Pastor Alemão, São Bernardo, Bulldog, Bull Mastiff e Golden Retriever. Felinos: 70% alimentar (FeLV negativos, adultos, mas em dados bibliográficos europeus, na realidade de Lages-SC/Brasil ocorre com maior frequência a forma mediastinal em gatos jovens e FeLV positivos). Raças: Siameses e raças orientais. Geralmente acomete animais adultos a idosos, mas existem relatos de acometimento em animais jovens, menos de 1 ano de idade. Sinais Clínicos Estão relacionados e variam com a forma anatômica. Cães podem aparecer na clínica com sinais inespecíficos como hiporexia e perda de peso, sendo trazido apenas pelo proprietário ter relatado o aparecimento de nódulos/massas pelo corpo do animal. Na palpação abdominal facilmente verifica-se a hepatoesplenomegalia. Pode-se ter o envolvimento ocular, podendo ser linfoma primário, porém mais comumente originário da forma sistêmica. Ocorre quemose pelo infiltrado de células linfoides malignas. Forma multicêntrica: hiporexia/anorexia, apatia, linfoadenomegalia generalizada e hepatoesplenomegalia. 15

16 Forma mediastinal: dispneia, tosse, regurgitação, poliúria e polidipsia por síndrome paraneoplásica devido à produção de uma proteína que absorve uma maior quantidade de cálcio levando a hipercalcemia, efusão pleural com presença de células atípicas, síndrome de Horner (ptose palpebral e labial, miose e enoftalmia) e síndrome caval. Ocorre a compressão de estruturas como lobos pulmonares, vasos e nervos, que contribuem para a sintomatologia clínica. Forma alimentar: vômitos e diarreia crônicos, anorexia/hiporexia, perda de peso, ruptura de nódulos levando a peritonite asséptica, caso não haja ruptura de trato gastrointestinal associada e massas abdominais palpáveis. Forma extranodal: dependente da localização. Pode haver compressão ou substituição do parênquima com perda da funcionalidade do órgão acometido. -Linfoma cutâneo: qualquer lesão e eritrodermia esfoliativa (vermelhidão, região alopécica e descamação). Apresenta grande variação no seu aspecto clínico, podendo ser lesões ulceradas, delimitadas, etc. -Linfoma ocular: origem no próprio globo ocular. Infiltrados, uveíte, glaucoma e deslocamento de retina. -Linfoma no Sistema Nervoso Central: qualquer sinal neurológico. A forma primária ocorre em gatos jovens e FeLV positivos. -Linfoma nasofaríngeo: ocorrem lesões expansivas em felinos adultos a idosos e FeLV negativos. Diagnóstico -Outros: linfoma renal, linfoma em tecido ósseo, etc. -Anamnese e História Clínica; -Exame físico; -Exames complementares: -Hemograma e bioquímica sérica: demonstram alterações inespecíficas como anemia arregenerativa (anemia mielotísica que ocorre por infiltração da medula óssea por processos neoplásicos, a medula óssea na microscopia óptica encontra-se ocupada por tecidos estranhos a ela), leucocitose por neutrofilia, trombocitopenia, atipias celulares no sangue periférico, hipercalcemia pela síndrome paraneoplásica em cães com linfoma mediastinal, além de alterações hepáticas e renais, principalmente em felinos com linfomas renais primários; *Deve-se ter cuidado ao tratar com determinados fármacos pacientes com citopenias pré-existentes. 16

17 -Radiografia: no exame radiográfico observa-se linfadenopatia, organomegalia (hepatoesplenomegalia), infiltração nos pulmões, efusão pleural ou formações expansivas no mediastino medial quando na forma mediastinal. Aparece padrão alveolar evidente como manchas em penugem, visualização de broncograma aéreo e aumento dos linfonodos hilares. -Ultrassonografiaa: o exame ultrassonográfico é fundamental em linfoma alimentar, pois há o espessamento focal ou difuso da parede do estômago, espessamento intestinal, perda da estratificação em camadas, linfadenomegalia e efusão abdominal. Observam-se ainda formações mediastinais e alterações em textura e tamanho de órgãos. -Imunofenotipagem: serve para diferenciar o linfoma em origem linfocitária T ou B. Feito com maior frequência em medicina humana para que assim o tratamento seja feito de forma direcionada, já existe em medicina veterinária, mas não se sabe muito a respeito da importância dessa diferenciação. Acredita-se que os linfomas correlacionados aos linfócitos T sejam mais graves. -Análise do líquido abdominal: pode ser definitiva no diagnóstico. -Citologia: Punção Aspirativa por Agulha Fina (PAAF) realizada em linfonodos periféricos ou para formações intra-abdominais e mediastinais sendo mais difícil realizar (diagnóstico definitivo). -Histopatologia: raramente necessária, diferencia linfonodo normal de formação neoplásica. Importante em linfoma cutâneo e em formas extranodais (diagnóstico definitivo). *Em gatos jovens com efusão pleural a chance de linfoma é grande. Figura 2. (A) Imagem demonstrando múltiplos neoformações cutâneas (linfoma cutâneo). (B) Microscopia demonstrando microabscesso de Pautrier (linfócitos neoplásicos) seta vermelha. Fonte: UNESP Araçatuba. 17

18 Figura 3. Imagem demonstrando aumento de volume ventralmente ao pescoço (linfoma) em Pit Bull. Fonte: Clínica Veterinária Cães e Gatos Lages/SC, Estadiamento Uma vez estabelecido o diagnóstico, deve-se determinar o estádio clínico de acordo com a extensão e a gravidade da enfermidade. Possui pouco valor prognóstico e terapêutico. Determinar se é FIV ou FELV e também pode-se realizar a imunofenotipagem para linfócitos T ou B, sendo possivelmente linfomas de linfócitos T mais graves. Deve-se ter uma base mínima de dados como hemograma, painel bioquímico, auxiliando assim a escolha do tratamento e acompanhamento clínico. Tabela 4. Estadiamento em linfoma. Classificação clínica da OMS para linfoma em cães Estádio Estádio I Estádio II Estádio III Estádio IV Estádio V Característica Envolvimento limitado a um linfonodo ou tecido linfoide (exceto medula óssea). Envolvimento de linfonodos regionais. Aumento generalizado dos linfonodos. Envolvimento de fígado e/ou baço com ou sem estádio I, II ou III. Envolvimento do sangue, medula óssea, com ou sem estádio I, II, III ou IV. Fonte: DALECK, RODASKI e NARDI,

19 Diagnóstico diferencial Leucemias linfoides. A origem dos Linfomas ocorre em fígado, baço e linfonodos, que os diferenciam da leucemia, que por sua vez possui origem na medula óssea. Deve-se diferenciar de timona também. Tratamento A poliquimioterapia é a modalidade terapêutica mais eficaz e utilizada no tratamento de cães com linfoma. 01-Tratamento quimioterápico para linfomas sistêmicos: existem duas abordagens quimioterápicas principais: quimioterapia de indução seguida por manutenção (e reindução) ou quimioterapia mais agressiva por um tempo finito, a qual, ao término não se usa qualquer quimioterapia de indução. -Indução e manutenção: consiste em induzir a remissão da doença e manter drogas para que o paciente fique livre da doença. -Quimioterapia agressiva por tempo finito Protocolo baseado em COAP: indução da remissão, manutenção ou intensificação e reindução da remissão. COAP: ciclofosfamida, vincristina, citosina arabnosídeo e prednisona Indução Indução da remissão: Citosina arabinosídeo (citarabina): 100 mg/m² EV ou SC Ciclofosfamida: 50 mg/m² VO Prednisona: 40 mg/m² na 1ª semana e reduzir para 20 mg/m² VO Vincristina: 0,5 a 0,7 mg/m² EV Tratamento executado por 6 a 8 semanas. Tabela 5. Protocolo COAP. Semana de administração Prednisona* Ciclofosfamida** Citarabina** Vincristina Indução 1ª semana X X X X 2ª semana X X X 3ª semana X X X 4ª semana X X X 5ª semana X X X 6ª semana X X X 19

20 7ª semana X X X 8ª semana X X X Manutenção Repetir o esquema da 8ª semana a cada 15 dias. Fonte: RODASKI e NARDI, *Prednisona: administração diária SID VO; **Ciclofosfamida: administração em dias alternados VO; ***Citarabina: administração diariamente do 1º ao 4º dia EV ou SC; A avaliação clínica é quem dirá quando parar com o tratamento, assim que diminuir a hepatoesplenomegalia e os linfonodos regredirem de tamanho. O proprietário, na fase de indução da remissão, não vê alterações devido a quimioterapia, apenas o hemograma demonstra alteração, ocorrendo citopenia. Apresenta toxicidade menor que 15%, causando citopenias Manutenção Manutenção (opções) 1ª-Repetir o esquema do protocolo COAP da 8ª semana a cada 15 dias. 2ª-Pode-se adicionar metotrexato com retirada da vincristina e citarabina. Metotrexato: 5 mg/m² VO Tabela 6. Terapia de manutenção. Dia de administração Metotrexato Ciclofosfamida Prednisona 1º dia X X 3º dia X 5º dia X 8º dia Repetir o ciclo acima durante 6 semanas. A cada 6 semanas de quimioterapia de manutenção, repetir uma semana de indução. Fonte: RODASKI e NARDI,

21 Todos os fármacos dessa fase de manutenção são administrados por via oral e são de uso contínuo. Deve-se monitorar os pacientes a cada 2 meses com controle hematológico e clínico. Estes fármacos podem causar anorexia, vômito e diarreia Reindução da remissão (resgate): cães e gatos tratados com quimioterapia de indução seguida de manutenção eventualmente apresentam recidiva. Isto ocorre de 3 a 6 meses após o início da terapia de indução. Neste momento indica-se a reindução da remissão e geralmente não é tão bem sucedida em gatos como em cães. Reindução (opções) 1ª: Acrescentar Vincristina a cada 1 ou 2 semanas; 2ª: Protocolo D-MAC: Dexametasona, Melfalano, Citosina Arabinosídeo (citarabina), Actinomicina D. Após 4 ciclos o Clorambucil substitui o Melfalano. 3ª: Doxorrubicina e Dacarbazina. *Voltar à manutenção se reinduziu ou passar para CHOP se não reinduziu. Esse protocolo de reindução da remissão deve ser utilizado em caso de recidiva (aumento de linfonodos), sendo que o sucesso diminui a cada recidiva. Protocolo D-MAC: deve-se suspender a Vincristina e a manutenção. Manter esse protocolo até a reindução. Tabela 7. Protocolo D-MAC (ciclo de 14 dias) Dia de administração Dexametasona Actinomicina D Citarabina Melfalano 1º dia X X X 8º dia X X O proprietário necessita ir ao veterinário uma vez a cada 2 semanas. A mediana de remissão é de cerca de 60 dias. Fonte: RODASKI e NARDI, Reindução (protocolo D-MAC) Dexametasona: 0,2 mg/kg VO ou SC Actinomicina D: 0,75 mg/m² bolus EV Citocina arabnosídeo: 200 a 300 mg/m² infusão EV por 4 horas ou SC Melfalano: 20 mg/m² VO Intensificação: é necessária caso não haja remissão completa. Intensificação: L-asparaginase: a UI/m² IM : intervalos de 2 a 3 semanas. Pode-se fazer 1 ou 2 aplicações. 21

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Área do Candidato: ONCOLOGIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA Numero de Inscrição: Nome do Candidato: Assinatura do Candidato:

Área do Candidato: ONCOLOGIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA Numero de Inscrição: Nome do Candidato: Assinatura do Candidato: 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Comissão de Residência Multiprofissional Instituto de Veterinária / Hospital Veterinário Programas de Residência

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL Curso: Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 NEOPLASIAS NOMENCLATURA - O critério

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS

OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS Firocoxibe - Últimos avanços no tratamento de neoplasias em cães e gatos Marta León Artozqui Doutora em Medicina Veterinária Gerente Técnica - Animais de Companhia Merial Espanha OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO

OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO MEDEIROS, Fabrícia ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Mariana Soares Pereira email: fabriciamedvet@hotmail.com Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Afecções Ósseas. Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens. Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz

Afecções Ósseas. Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens. Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz Afecções Ósseas Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz Definição estados patológicos que se manifestam sobre o esqueleto apendicular e axial

Leia mais

Alquilantes Diretrizes para Quimioterapia e Modificações das Dosagens Farm. William Rotea Junior Mostardas nitrogenadas Nitrosuréias Triazenos Etileniminas Alquilsulfonados Divisão Celular Mostardas Quimioterápicos

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP

LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP RELATO DE CASO Almeida L.P.1, Radke E.1, Negretti F.2 Cascavel, 2008 1 Academicos do Curso de Medicina da Unioeste 2 Professor de

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TOXICIDADE DE ANTINEOPLÁSICOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Autores SOUZA, Wagner Amaral de NEGRÃO, Arthur José Moraes FILHO, Cláudio Garcia FERREIRA, Vitor Hugo LINO, Ricardo Stanger FREITAS, Rogério Ernandes

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA. 14 a 18 de outubro de 2013 PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA. 14 a 18 de outubro de 2013 PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, FLADEMIR WOUTERS 3, PAULA BAETA DA SILVA RIOS 4, ARYENNE KAROLINNE

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil Grupo de Protecção e Segurança Radiológica 1st Workshop for Stakeholders - 6 de Dezembro de 2013 Radioactividade A radioactividade existe desde a formação do Universo, e os seres humanos viveram sempre

Leia mais

Quimioterapia antineoplásica

Quimioterapia antineoplásica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Programa de Educação Tutorial Grupo PET Farmácia Quimioterapia antineoplásica Gisele Ribeiro

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da epidemiologia e das bases genéticas do câncer pediátrico, julgue os itens a seguir. 41 As leucemias e linfomas são os tumores malignos mais frequentes em lactentes, enquanto os sarcomas ósseo

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais