FarmacêuticoemFoco. Número 13 Agosto 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FarmacêuticoemFoco. Número 13 Agosto 2011"

Transcrição

1 Número 13 Agosto 2011 Novidades Terapêuticas * Material destinado exclusivamente aos profissionais de saúde É sempre uma grande satisfação promover atualização científica e o jornal Farmacêutico em Foco tem buscado a cada número assuntos variados e atuais, com a participação de renomados especialistas, a fim de divulgar novos conhecimentos. Nesta edição trazemos um artigo especial sobre artrite reumatoide: uma perspectiva atual de diagnóstico e tratamento. O Prof. Dr. Max Victor Carioca Freitas, professor adjunto do setor de Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará abordou o tema, desde características da doença até diagnóstico e tratamento. Pág. 2 ARTRITE REUMATOIDE Uma Perspectiva Atual de Diagnóstico e Tratamento Na sequência, um grupo de farmacêuticos do Hospital Sírio-Libanês fala sobre a atuação do farmacêutico clínico na utilização racional de antimicrobianos. Assinam esse artigo Jorge Augusto Siqueira, Maria Fernanda Salomão de Azevedo, Mayra Carvalho Ribeiro e Débora Cecília Mantovani Faustino de Carvalho. Ainda nesta edição, uma entrevista com o Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho, professor titular de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e chefe da disciplina de Cardiologia sobre a síndrome coronariana aguda. O professor abordou o impacto da patologia quanto a mortalidade e a terapêutica atual disponível. Finalizamos esta edição com Ronaldo Chalegre, Chefe de Suprimentos do Hospital São Camilo Pompeia, São Paulo, que aborda a implantação do sistema Kanban, um método adotado no sistema de planejamento de compras de medicamentos. Confira ainda na seção Em Foco os webmeetings recentemente realizados pela AstraZeneca. Boa leitura! Cristiane Piva Peres Codinhoto Camila Prince de C. Pereira Pág. 6 Pág. 9 Pág. 13 Pág. 16 FARMACÊUTICO CLINICO Atuação do Farmacêutico Clínico na Utilização Racional de Antimicrobianos ENTREVISTA Síndrome Coronariana Aguda: Impacto na Mortalidade e Terapêutica Atual * Este jornal, também, será publicado no site farmaceuticoemfoco.com.br PLANEJAMENTO DE COMPRAS Implantação do Sistema Kanban EM FOCO Webmeetings Tratam a Respeito de Síndrome Coronariana Aguda

2 Artrite reumatoide - Uma perspectiva atual de diagnóstico e tratamento Prof. Dr. Max Victor Carioca Freitas* * Professor Adjunto do Setor de Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Reumatologia. Doutor em Ciências Médicas pela Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. CRM-CE A artrite reumatoide (AR) é uma doença crônica autoimune que se caracteriza por reação inflamatória em articulações, levando à sinovite. Com a progressão, deformidades articulares podem surgir, gerando incapacidade funcional, que pode ser temporária ou irreversível, a depender da extensão do comprometimento articular. Além do envolvimento articular podem surgir manifestações extraarticulares em pulmões, nervos periféricos, pele e vasos, entre outros. É descrita em cerca de 1,0% da população mundial e em 0,2 a 1,0% da brasileira, (1) sendo mais comum em indivíduos do sexo feminino, com uma distribuição de 6:1 no Brasil. (2) Fatores imunológicos, genéticos e ambientais são responsáveis pelo surgimento da doença. É importante observar que nenhum destes 2

3 fatores de forma isolada pode ser apontado como responsável pela doença. O processo inflamatório da AR se caracteriza por expressiva ativação de células do sistema imunológico, sobretudo linfócitos T e B, levando à produção de citocinas pró-inflamatórias, dentre elas TNF-a, IL-6 e IL-1. Estas citocinas, por sua vez, induzem à secreção de metaloproteinases por células residentes da sinóvia, como osteoclastos, fibroblastos e condrócitos, além de promoverem o recrutamento de mais células inflamatórias para o tecido sinovial. (3) O resultado deste processo é a presença de tecido rico em células de inflamação como neutrófilos, linfócitos T, linfócitos B e plasmócitos, com intensa angiogênese e espessamento sinovial, chamado de pannus. Devido à ativação de imunidade humoral há produção de autoanticorpos, como fator reumatoide e anticorpos contra peptídeos citrulinados (ACPA), reforçando o componente autoimune da artrite reumatoide. Para que todo este processo ocorra assume-se que seja necessária uma desregulação dos mecanismos fisiológicos de tolerância imunológica e o componente genético pode contribuir para isso. É descrita uma maior incidência de AR em indivíduos portadores de alguns genes do HLA (human leucocyte antigens). Ao conjunto destes alelos de suscetibilidade do HLA-DRB1* chamou-se de epítopo compartilhado e sua presença implica maior chance de ativação da resposta imunológica autoimune na sinóvia, levando ao surgimento da doença. Nos últimos anos alguns estudos demonstraram um maior risco de artrite reumatoide em indivíduos tabagistas e portadores do epítopo O diagnóstico da artrite reumatoide baseia-se em achados clínicos, laboratoriais e alterações encontradas nos exames de imagem. A principal manifestação clínica é a presença de artrite em mais de três articulações, predominantemente as pequenas articulações de mãos e pés compartilhado. Aparentemente, o tabagismo desencadearia a produção de autoanticorpos, ACPA, em indivíduos portadores do epítopo compartilhado, mas não naqueles que não expressam os alelos de suscetibilidade. Desta forma, podemos perceber que a associação de múltiplos fatores pode ser responsável pela etiopatogenia da artrite reumatoide. O diagnóstico da artrite reumatoide baseia-se em achados clínicos, laboratoriais e alterações encontradas nos exames de imagem. A principal manifestação clínica é a presença de artrite em mais de três articulações, predominantemente as pequenas articulações de mãos e pés, mas também podendo ocorrer em articulações maiores como joelhos, tornozelos e cotovelos. Com o avanço da doença, ocorrem deformidades como dedos em pescoço de cisne, dedos em botoeira, polegar em z, desvio ulnar de dedos, desvio radial de punho e luxações. Sintomas gerais como fadiga, mialgia e indisposição também são frequentes. A rigidez matinal, em geral com duração maior do que uma hora, é outro sintoma característico da doença e indica doença ativa. Os testes laboratoriais mais úteis para o diagnóstico são as provas de atividade inflamatória, principalmente proteína C-reativa (PCR) e velocidade de hemossedimentação (VHS), além dos testes para detecção de autoanticorpos, fator reumatoide e ACPA. O VHS e a PCR são testes que demonstram a presença de processo inflamatório e podem ser utilizados como auxílio no diagnóstico e também no seguimento clínico, mas são testes de especificidade muito limitada, por que estão alterados nas mais diversas doenças. Por outro lado, a pesquisa de fator reumatoide e de ACPA, ressaltando-se que ACPA se refere ao que foi inicialmente descrito como anticorpos anticitrulina (anti-ccp), apresentam um bom desempenho para o diagnóstico da artrite reumatoide, conferindo sensibilidade em torno de 80%, mas especificidade de cerca de 65% para o fator reumatoide e 96% para o ACPA. (4) Por fim, deve-se atentar para o aspecto de que o diagnóstico de artrite reumatoide pode ser definido mesmo na ausência destes testes. Quanto à imagem é possível encontrar alterações compatíveis com artrite reumatoide em exames de raio X, ultrassonografia e ressonância magnética. O perfil de sensibilidade difere entre estes exames, sendo maior para ressonância magnética e ultrassonografia e menor para o raio X. 3

4 O tratamento da artrite reumatoide pode ser dividido em não medicamentoso e medicamentoso. O primeiro inclui fisioterapia, terapia ocupacional e medidas educacionais. O consenso brasileiro de diagnóstico e tratamento da artrite reumatoide destaca a importância do tratamento multidisciplinar. Quanto ao tratamento medicamentoso podemos incluir as drogas que são utilizadas essencialmente no controle da dor e da inflamação, com ação rápida e efeito a curto prazo, como os anti-inflamatórios não hormonais O principal grupo de drogas utilizadas no tratamento da artrite reumatoide é o das drogas modificadoras do curso da doença, chamadas DMCD. Estas têm potencial para retardar ou impedir a progressão radiográfica da doença e os hormonais. Tanto os anti-inflamatórios convencionais quanto os inibidores seletivos de COX-2 são úteis no controle da dor, sem efeito sobre a progressão radiológica da artrite reumatoide. Há benefícios do uso de inibidores de COX-2 pela menor incidência de eventos gastrointestinais. Por outro lado, os corticosteroides como prednisona, quando utilizada em dose de até 10 mg/dia, além do efeito anti-inflamatório parecem também trazer algum benefício na inibição da progressão da doença, sendo necessária uma prevenção de osteoporose com reposição combinada de cálcio e vitamina D e/ou uso de bifosfonados. (5) O principal grupo de drogas utilizadas no tratamento da artrite reumatoide é o das drogas modificadoras do curso da doença, chamadas DMCD. Estas têm potencial para retardar ou impedir a progressão radiográfica da doença e, consequentemente, impedir as limitações funcionais. Dentre estas temos: cloroquina, metotrexato, leflunomida, sulfassalazina, azatioprina e ciclosporina. A principal delas é o metotrexato, que atualmente é considerado padrão ouro para o tratamento. O consenso brasileiro de diagnóstico e tratamento indica o uso de uma DMCD tão logo o diagnóstico seja estabelecido, sendo priorizado o uso de metotrexato como primeira opção. Quando ocorrer falha a este tratamento estão indicadas a troca ou a associação com outra DMCD, podendo ser utilizada até a combinação de três drogas. Os efeitos adversos são comuns e cada uma destas drogas tem um perfil de segurança particular. A associação de drogas é comum e interações medica- 4

5 mentosas podem ocorrer, sendo o papel do farmacêutico hospitalar muito importante na orientação e no supervisionamento destes pacientes. Estudo brasileiro recente demonstrou polifarmácia em 95,1% dos pacientes com AR atendidos em farmácia escola de Florianópolis. (6) Além de reduzirem a atividade inflamatória da AR, os anti-tnf podem induzir remissão em percentual considerável de pacientes, assim como há evidências claras dos benefícios a longo prazo, com redução da progressão radiográfica, menor incapacidade funcional e interrupção da progressão para deformidades articulares Nos últimos dez anos, um grupo novo de DMCD, com perfil de ação mais específico na cadeia inflamatória da artrite reumatoide, tem sido utilizado com grande benefício para pacientes refratários às DMCD sintéticas. Estas novas drogas são chamadas genericamente de imunobiológicos e incluem drogas com diferentes mecanismos de ação: anti-tnf, anti-cd20, anti-il-6 e moduladores de coestimulação (tabela). Os anti-tnf liberados para uso no Brasil são: adalimumabe, certolizumabe, etanercepte, golimumabe e infliximabe. A via de administração é intravenosa para o infliximabe e subcutânea para os demais anti-tnf. No Brasil, os anti-tnf estão indicados quando se configura falência ao tratamento com as DMCD sintéticas. Além de reduzirem a atividade inflamatória da AR, os anti-tnf podem induzir remissão em percentual considerável de pacientes, assim como há evidências claras dos benefícios a longo prazo, com redução da progressão radiográfica, menor incapacidade funcional e interrupção da progressão para deformidades articulares. (7) Os principais efeitos colaterais são as reações infusionais e o aumento de incidência de intercorrências infecciosas. Destaque especial para o risco de reativação de tuberculose latente. Assim, é obrigatório que os pacientes façam rastreamento com teste tuberculínico e raio X de tórax, estando indicada a profilaxia com isoniazida quando configurada tuberculose latente. (8) Em resumo, pode-se observar que muito progresso ocorreu ao longo dos últimos anos quando se discute o tratamento da artrite reumatoide, com consolidação de esquemas terapêuticos já conhecidos de longa data e inclusão de novas drogas que atuam de forma mais específica e com perfil de segurança aceitável (tabela 1). Tabela 1. Esquemas terapêuticos Referências 1. Marques-Neto JF, Gonçalves ET, Langen LFOB, Cunha MFL, Radominski S, Oliveira SM et al. Multicentric study of the prevalence of adult rheumatoid arthritis in Brazilian population samples. Braz J Rheumatol 1993;33: Louzada-Junior P, Souza BDB, Toledo RA, Ciconelli RM. Descriptive analysis of the demographical and clinical characteristics of the patients with rheumatoid arthritis in the State of São Paulo, Brazil. Braz J Rheumatol 2007;47(2): Choy EHS, Panayi GS. Cytokine pathways and joint inflammation in rheumatoid arthritis. N Engl J Med 2001;344(12): Klareskog L, Widhe M, Hermansson M, Rönnelid J. Antibodies to citrullinated proteins in arthritis: pathology and promise. Curr Opin Rheumatol 2008;20: Bertolo MB, Brenol CB, Schainberg CG, Neubarth F, de Lima FAC, Laurindo EM, Silveira IG, Pereira IA, Loures MAR, de Azevedo MN, Freitas MVC, Neto MSP, Xavier RM, Giorgi RD, Kowalski SC, Anti SMA. Atualização do Consenso Brasileiro no Diagnóstico e Tratamento da Artrite Reumatóide. Braz J Rheumatol 2007;47(3): Bagatini F, Blatt CR, Maliska G, Trespash GV, Pereira IA, Zimmermannn AF, Storb BH, Farias MR. Potenciais interações medicamentosas em pacientes com artrite reumatoide. Braz J Rheumatol 2011;51(1): Smolen JS, Landewé R, Breedveld FC et al. EULAR recommendations for the management of rheumatoid arthritis with synthetic and biological diseasemodifying antirheumatic drugs. Ann Rheum Dis Conde FAB, de Melo FAF, Marques AMC et al. III Brazilian Thoracic Association Guidelines on Tuberculosis. J Bras Pneumol 2009;35(10): Medicamento Mecanismo de ação Via de administração Adalimumabe Anti-TNF Subcutânea Abatacepte Modulador de coestimulação Intravenosa Certolizumabe Anti-TNF Subcutânea Etanercepte Anti-TNF Subcutânea Golimumabe Anti-TNF Subcutânea Infliximabe Anti-TNF Intravenosa Rituximabe Anti-CD20 Intravenosa Tocilizumabe Anti-IL-6 Intravenosa 5

6 Maria Fernanda Salomão (à esq.), Jorge Augusto Siqueira e Mayra Carvalho Ribeiro. Atuação do Farmacêutico Clínico na Utilização Racional de Antimicrobianos Jorge Augusto Siqueira 1, Maria Fernanda Salomão de Azevedo 2, Mayra Carvalho Ribeiro 3, Débora Cecília Mantovani Faustino de Carvalho 4 N as discussões sobre medicamentos, o uso de antibióticos sempre é acompanhado por uma grande problemática, pois impacta não só para o paciente como também para a comunidade. Além disso, os antibióticos são os medicamentos mais indevidamente utilizados na área da saúde. Outro fato é a escassez de pesquisas de moléculas inovadoras. Os novos medicamentos apresentados ao mercado pouco trazem de benefício quando comparados ao arsenal terapêutico já existente. Em suma, a situação apresenta-se desfavorável e caminha para um beco sem saída. O que se faz necessário é aprimorar o uso dos antimicrobianos já disponíveis. 1 - Farmacêutico Clínico da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sírio-Libanês. CRF-SP Farmacêutica Clínica da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sírio-Libanês. CRF-SP Farmacêutica do Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM) do Hospital Sírio-Libanês. CRF-SP Gerente de Farmácia do Hospital Sírio-Libanês. CRF-SP O Hospital Sírio-Libanês (HSL) busca estratégias para otimização do uso destes medicamentos, e o farmacêutico está frequentemente envolvido nelas. No processo de uso de um antibiótico, a primeira etapa é a prevenção da infecção, como no caso de antibioticoprofilaxia cirúrgica. O uso ou não do antibiótico profilático depende de fatores como idade do paciente e tempo de hospitalização pré-cirurgia. Hoje há protocolos e estudos específicos para cada tipo de cirurgia. O farmacêutico no HSL auxilia a equipe multiprofissional e a 6

7 CCIH no acompanhamento do protocolo de antibioticoprofilaxia cirúrgica institucional. Um dos pontos importantes é a avaliação do tempo de uso do antibiótico, pois em grande parte das cirurgias a extensão da profilaxia para além de 24 h aumenta o custo, altera a microbiota do paciente e o padrão de resistência microbiana da instituição sem ganho clínico evidente. (1) O farmacêutico pode sugerir a suspensão do antibiótico quando o paciente não apresentar sinais de doença, através da análise de parâmetros infecciosos. Uma vez que a infecção esteja instalada, o tratamento é iniciado ou modificado. Nesta etapa, o tempo de início, o real reconhecimento de uma infecção ativa e as escolhas antimicrobianas adequadas são fatores determinantes para o sucesso terapêutico. Os tratamentos empíricos devem ser embasados na etiologia e epidemiologia da doença e nas características microbiológicas da instituição. A elaboração de protocolo para diagnóstico e tratamento de sepse com participação do farmacêutico mostrou-se capaz de aumentar a porcentagem de pacientes que receberam o antibiótico adequado precocemente quando comparados ao grupo anterior ao protocolo. Houve redução significativa da mortalidade em 28 dias (61% vs. 33%, P=0,004). (2) A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HSL possui equipe de farmacêuticos clínicos que realizam acompanhamento farmacoterapêutico utilizando a metodologia desenvolvida por Linda Strand. (3) Um dos critérios Estudo clínico envolvendo pacientes hospitalizados maiores de 80 anos revelou necessidade de ajuste na dose dos antimicrobianos em 34% das prescrições médicas. Desta forma, a falta de correção para pacientes com disfunção renal torna-se fator determinante para o aparecimento de eventos adversos aos antibióticos de seleção de pacientes a acompanhar é a condição de choque séptico. A monitorização terapêutica é uma questão de segurança no contexto hospitalar, normalmente os pacientes internados fazem uso de muitos medicamentos, podem estar acometidos por patologias que alteram o metabolismo fisiológico, e que pode comprometer a resposta desejada dos medicamentos. Nesse contexto, faz-se necessário o monitoramento de interações medicamentosas, avaliação das incompatibilidades físico-químicas e individualização de dose dos medicamentos, especialmente dos antimicrobianos. A escolha dos antibióticos também deve ser pautada em critérios intrínsecos ao fármaco que não o seu espectro de ação. A literatura apresenta alguns casos de interação medicamentosa com efeito clínico significativo, como carbapenêmicos e valproato de sódio, caspofungina e indutores de metabolismo hepático e interações dos macrolídeos. Do ponto de vista de eventos adversos, há antibióticos que podem exacerbar arritmias, afetar a função renal e hepática, provocar distúrbios hematológicos, causar rash cutâneo e intensificar convulsões. A análise destas situações é realizada pelo farmacêutico, e seu resultado é utilizado para embasar intervenções farmacêuticas e avaliação de reações adversas. O tipo de eliminação também é um critério importante na escolha do medicamento. Em pacientes com insuficiência renal aguda (IRA), por exemplo, o uso de antibióticos cuja eliminação ocorre por outras vias é desejado, evitando as incertezas de nível sérico adequado e ajustes de dose. Caso isso não seja possível é necessário o ajuste de dose do medicamento. Estudo clínico envolvendo pacientes hospitalizados maiores de 80 anos revelou necessidade de ajuste na dose dos antimicrobianos em 34% das prescrições médicas. Desta forma, a falta de correção para pacientes com disfunção renal torna-se fator determinante para o aparecimento de eventos adversos aos antibióticos. (4) Na UTI do HSL, pacientes com alterações nos marcadores renais são monitorados criteriosamente. A individualização das doses segue alguns critérios: escolha da fórmula de clearance de creatinina estimado adequada à situação clínica, o horário de administração mais indicado para o medicamento nos casos de diálise intermitente, cálculo da dose de ataque, monitoramento da concentração sérica dos fármacos e da evolução do paciente. (5) Os antimicrobianos são os medicamentos avaliados em que se contabiliza o maior número de intervenções farmacêuticas para 7

8 correção de dose, com média de 29 intervenções por mês. Uma vez disponibilizados os resultados de culturas e antibiograma, a terapia antimicrobiana deve ser direcionada para o patógeno isolado e baseado nas suscetibilidades obtidas. O farmacêutico da UTI do HSL participa das discussões clínicas e contribui na decisão da escolha terapêutica mais adequada à condição do paciente. Mesmo com escolhas iniciais adequadas, a emergência de resistência microbiana pode ocorrer como consequência de um processo de seleção natural. Porém, escolhas inapropriadas para infecções documentadas, uso desnecessário em suspeitas de infecção não sustentadas e tempo excessivo de tratamento são os principais fatores para o desenvolvimento de resistência. O farmacêutico pode contribuir para minimizar esse processo ao sugerir adequação do regime terapêutico, baseando-se em critérios farmacocinéticos e farmacodinâmicos. Estratégias possíveis são aumento de dose como para ciprofloxacino, infusão prolongada para betalactâmicos e associação de medicamentos com efeito farmacodinâmico aditivo ou sinérgico. (6) A atuação do farmacêutico clínico torna-se imprescindível para adequado manejo do uso de antimicrobianos, ao colaborar para escolha adequada do medicamento, adequação posológica, monitoramento de reações adversas e do tempo de utilização dos antibióticos, contribuindo para otimização terapêutica e diminuição da resistência bacteriana. Durante o tratamento da infecção, o paciente pode apresentar melhora clínica com possibilidade de modificar o tratamento inicial intravenoso para oral. Esta estratégia permite redução de custos, evita o manuseio de cateteres e reduz volume de infusão de fluidos. No entanto, é necessário considerar a funcionalidade do sistema digestório, a disponibilidade de formas farmacêuticas para administração oral, possibilidade de sub ou sobredosagem em casos de medicamentos com absorção oral errática. Esses aspectos devem ser considerados pelo farmacêutico na sugestão de alteração da via de administração. A duração do tratamento antimicrobiano numa infecção documentada ainda é motivo de muita A fórmula de Cockcroft-Gault é a mais comumente utilizada para cálculo de clearence de creatinina e nos fornece o resultado não normalizado, isto é, não corrigido para a superfície corporal. É importante destacar que para essa fórmula deve-se utilizar o peso ideal para cálculo do clearance, que pode ser obtido através do Índice de Massa Corporal (IMC) do limite superior de eutrofia (IMC = 24,9 para pacientes com idade inferior ou igual a 64 anos e IMC = 27 para maiores de 65 anos). Algumas situações invalidam o uso desta fórmula como: função renal instável; pacientes submetidos a tratamento dialítico e presença de anormalidades musculares, como caquexia e distrofias musculares. discussão. Para doenças em que a penetração do antibiótico é desfavorecida, os tempos de tratamento são extremamente longos, e mostram-se necessários, como na endocardite e osteomielite. Pneumonias por Pseudomonas aeruginosa e bacteremia por Staphylococcus aureus não respondem bem a terapia curtas; mas em outros casos é possível que um período curto de tratamento seja tão efetivo quanto um longo. Avaliando as condições e evoluções do paciente, o farmacêutico deve sugerir a suspensão precoce do tratamento. (6) A atuação do farmacêutico clínico torna-se imprescindível para adequado manejo do uso de antimicrobianos, ao colaborar para escolha adequada do medicamento, adequação posológica, monitoramento de reações adversas e do tempo de utilização dos antibióticos, contribuindo para otimização terapêutica e diminuição da resistência bacteriana. Referências 1. Helms R et al. Surgical infections and antibiotic prophylaxis. In: Textbook of Therapeutics: Drug and Disease Management. Lippincott Williams, cap. 89, Gurnani PK et al. Impact of the implementation of a sepsis protocol for the management of fluid-refractory septic shock: A single-center, before-and-after study. Clin Ther 2010;32(7): Tomechko MA et al. Quand A from the pharmaceutical care project in Minnesota. Am Pharm 1995;NS35: Hu K, Matayoshi A, Stevenson FT. Calculation of the estimated creatinine clearance in avoiding drug dosing errors in the older patients. Am J Med Sci 2001;322:3: Homsi E, Paloma H. Injúria renal aguda no paciente crítico. Editora Atheneu, cap 20, p , Martins SJ, Micek ST, Wood GC. Antimicrobial resistance: consideration as an adverse drug event. Crit Care Med 2010;38(6):S Pereira E. Nefrocalc 1.0 Calculadora de Filtração Glomerular e Ajuste de Fármacos em Insuficiência Renal. J Bras Nefrol 2008;30(1):

9 ENTREVISTA Síndrome Coronariana Aguda: impacto na mortalidade e terapêutica atual Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho* D ando continuidade à entrevista do Professor Titular de Cardiologia da Unifesp, Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho, a respeito do tema Síndrome Coronariana Aguda, publicada na edição anterior do Jornal Farmacêutico em Foco, o médico comenta nesta segunda parte as principais indicações cirúrgicas da doença e a importância das diretrizes para a escolha da melhor abordagem farmacológica. As diretrizes são importantes, porque elas servem como guia de orientação para determinados tratamentos e foram criadas por um grupo de especialistas que analisam um conjunto de trabalhos para dar respaldo na utilização ou não de um medicamento, salienta o cardiologista. Outro assunto importante abordado na entrevista diz respeito ao Estudo PLATO, publicado no New England Journal of Medicine, em 2009, o qual comparou o novo antiagregante plaquetário ticagrelor versus clopidogrel no tratamento de pacientes com Síndrome Coronariana Aguda, e que trouxe resultados impactantes, * Professor Titular de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Chefe da Disciplina de Cardiologia. 9

10 demonstrando uma superioridade do ticagrelor em comparação ao clopidogrel. Além de uma diminuição bastante significativa na taxa de evento composto (óbito, acidente vascular cerebral (AVC) e infarto), o estudo revelou que houve diminuição da mortalidade do grupo do ticagrelor, um dado que não se observava há muito tempo em estudos de cardiologia. Em vários estudos, inclusive o que aprovou o clopidogrel e mostrou que ele era efetivo, o objetivo composto foi alcançado, mas não à custa de diminuição de mortalidade, enquanto no PLATO o objetivo composto foi alcançado incluindo também uma diferença significativa na redução da taxa de mortalidade, explica Dr. Carvalho. Jornal Farmacêutico em Foco - Quais são as indicações cirúrgicas na Síndrome Coronariana Aguda? Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho - Com relação à cirurgia, a indicação indiscutível é para os casos de lesão das três artérias, então ela está indicada para o indivíduo que tem uma doença difusa ou que está com o ventrículo já com um grau de sofrimento grande, ele não está trabalhando normalmente, ou ainda naquele grupo que tem lesão de tronco de coronária. No tronco, por ser a área que vai originar toda a irrigação principal do ventrículo esquerdo, uma obstrução dessa região coloca em risco o ventrículo inteiro, sendo assim, essa é uma área que também tem um espaço muito grande de indicação cirúrgica. E quando existem alguns tipos de complicações após o infarto, como por exemplo, quando há uma perfuração na parede que separa um ventrículo do outro e fica uma comunicação entre essas cavidades, ou quando o infarto atinge a região da válvula mitral e de repente para de funcionar; aí o coração não tem condição de bombear o sangue efetivamente para o corpo e esse sangue retorna para o pulmão. Situações deste tipo têm indicações de cirurgia. J. F. - Quais são os critérios para a escolha da melhor abordagem farmacológica? Essa escolha se baseia em diretrizes estabelecidas por especialistas? Dr. Carvalho - Como regra, os especialistas seguem as diretrizes, mas existe sempre um espaço para uma indicação personalizada e o médico que está atendendo o paciente tem sempre que avaliar se ele se encaixa na diretriz ou não. As diretrizes valorizam muito os estudos randomizados, realizados de modo cego, porém esses estudos, para poderem ser feitos, excluem uma parcela da população, como por exemplo, indivíduos com doença pulmonar, insuficiência renal, população idosa, pessoas com alteração endócrina ou hepática, etc. Só que na vida real esse paciente existe e podemos nos deparar com um indivíduo que não necessariamente é contemplado pela diretriz. Neste caso, temos que fazer uma escolha da melhor abordagem para esse paciente baseado no conjunto de informações que temos. As diretrizes são importantes, porque elas servem como guia de orientação 10

11 para determinados tratamentos e foram criadas por um grupo de especialistas que analisam um conjunto de trabalhos para dar respaldo na utilização ou não de um medicamento. A diretriz não é só para dizer que a droga está indicada, mas também para dizer esse tipo de paciente não pode fazer uso desse medicamento, e isso também é muito importante. Em Síndrome Coronária Aguda, as diretrizes europeias, americanas e brasileiras têm poucas diferenças, de um modo geral elas se baseiam nos mesmos estudos. Os resultados de alguns trabalhos não são muito claros e permitem interpretações um pouco ambíguas, daí a indicação ou não de um determinado medicamento fica a critério de cada grupo. Mas os estudos que são absolutamente conclusivos não deixam nenhuma dúvida a respeito do benefício do medicamento em questão. As diretrizes são normalmente refeitas a cada dois a quatro anos e, como eu disse, não existem grandes diferenças entre a diretriz brasileira e a de outros países; o problema maior, na verdade, está no número de profissionais que não leem essas orientações e não se atualizam em relação às novas condutas terapêuticas. Educação médica continuada é fundamental, porque a medicina avança a passos rápidos e o profissional que não se atualiza não sabe direito o que pode ser utilizado, como deve ser utilizado, o que está disponível de novo e o que está ultrapassado. Dessa maneira, o efeito da desatualização, especialmente em uma área como a medicina, que muda constantemente e evolui muito rápido, é desastroso. Os resultados mostraram uma superioridade do ticagrelor em comparação ao clopidogrel. Houve uma diminuição bastante significativa na taxa de evento composto, que é a soma dos três eventos principais (óbito, AVC e infarto) da ordem de 16% favorável ao ticagrelor. E outro dado extremamente importante e que não se via há muito tempo em estudos de cardiologia é que houve uma diminuição da mortalidade do grupo do ticagrelor J. F. - O que foi o Estudo PLATO e quais foram os resultados mais impactantes desse trabalho? Dr. Carvalho - O PLA TO foi um grande estudo que contemplou 18 mil pacientes de vários centros de diferentes países. Foi um estudo extremamente interessante, porque fizeram uma comparação head-to-head contra o que era o gold standard de uso em Síndrome Coronária Aguda, o clopidogrel. O clopidogrel foi o medicamento que na última década trouxe uma melhora nos resultados, muito embora não tenha resolvido todos os problemas. O PLATO randomizou indivíduos com SCA, no qual englobou todo o espectro da patologia, o que é muito bom, porque estamos falando de um espectro da população muito mais amplo que selecionar apenas um subgrupo de pacientes. Eles compararam, então, indivíduos com SCA para receber clopidogrel versus ticagrelor. A dose do clopidogrel era adequada, dentro do melhor prazo, e mesmo pessoas que já estavam com o clopidogrel não eram excluídas, elas podiam receber um reforço ou não. E se o indivíduo não estivesse tomando o clopidogrel, podia tomar a dose máxima da droga. Foram analisados os resultados de óbito relacionado ao evento cardiovascular, de reinfarto e de AVC, além dos aspectos de sangramento, porque a finalidade era obter um benefício na eficácia sem que isso estivesse associado com um índice de sangramento maior. Os pacientes foram acompanhados por um período de seis meses a um ano e quem teve que fazer cateterismo, o fez, quem teve que fazer angioplastia, a fez, quem teve que fazer cirurgia cardíaca convencional, a fez; portanto, não houve nenhum tipo de exclusão terapêutica ou de proibição de um procedimento ou outro. Os resultados mostraram uma superioridade do ticagrelor em comparação ao clopidogrel. Houve uma diminuição bastante significativa na taxa de evento composto, que é a soma dos três eventos principais (óbito, AVC e infarto) da ordem de 16% favorável ao ticagrelor. E outro dado extremamente importante e que não se via há muito tempo em estudos de cardiologia é que houve uma diminuição da mortalidade do grupo do ticagrelor. Em vários estudos, inclusive o que aprovou 11

12 o clopidogrel e mostrou que ele era efetivo, o objetivo composto foi alcançado, mas não à custa de diminuição de mortalidade, enquanto no PLATO o objetivo composto foi alcançado incluindo também uma diferença significativa na redução da taxa de mortalidade. Isso não deixou de ser uma surpresa agradável, porque em vista de tanto tempo sem diminuição de mortalidade não se esperava que fosse haver uma diferença tão expressiva nesse sentido. J. F. - E quanto a complicações relacionadas a sangramento? Dr. Carvalho - Esse foi outro aspecto interessante do estudo; não houve uma taxa maior de sangramento importante com o uso do ticagrelor; dessa maneira, ele foi mais eficiente que o clopidogrel sem causar complicações em termos de hemorragia para o paciente. Sendo assim, o resultado foi ainda melhor, porque a soma do benefício não foi significantemente prejudicada pelo número de complicações. Esse foi um estudo de grande repercussão internacional e que trouxe uma série de contribuições importantes para a cardiologia. Recentemente, no último American College of Cardiology, realizado em Nova Orleans, foi apresentada uma parte do estudo PLATO somente em pacientes bem idosos, que é aquele grupo em que tudo é mais complicado, e o resultado foi o mesmo do que no estudo geral. A curva do grupo de pacientes idosos contra a curva da população geral não mostrou nenhuma diferença e isso representa uma segurança enorme, porque os idosos são Não houve uma taxa maior de sangramento importante com o uso do ticagrelor; dessa maneira, ele foi mais eficiente que o clopidogrel sem causar complicações em termos de hemorragia para o paciente os que mais têm problemas de coronária associados a outras doenças, são uma população crescente e com uma série de restrições para o uso de vários desses agentes utilizados em SCA. Isso significa que o ticagrelor, provavelmente, terá um espaço muito grande no tratamento de indivíduos mais idosos. J. F. - O que o PLATO representa hoje para a cardiologia? Dr. Carvalho - Podemos dizer que o PLATO é um divisor de águas na cardiologia, porque ele é um definidor de novos paradigmas ou de novas condutas. Estudos que entram nessa categoria acabam tendo uma importância muito grande, porque isso se traduz em melhores resultados, em menos complicações. E um aspecto extremamente relevante e que temos sempre de lembrar é que o objetivo não é só evitar a morte do paciente, mas lhe dar uma boa qualidade de vida. O indivíduo que faz o tratamento da SCA quer ficar saudável, quer ter uma qualidade de vida normal. E à medida que temos melhores resultados, isso melhora também o próprio sistema de saúde, pois ele gasta menos com o paciente crônico, economiza em internações, insuficiência cardíaca e em transplante. J. F. - Qual a indicação do ticagrelor e quando ele chega ao mercado? Dr. Carvalho - O ticagrelor já foi aprovado pela Anvisa e lançado no mercado em junho deste ano. Como o estudo foi em SCA, ele está indicado na população que apresenta esse quadro de desconforto coronariano. A única área que não foi testada dentro do PLATO é o paciente após uso de fibrinolíticos, esse foi um grupo que não foi contemplado no estudo, então por enquanto não terá essa indicação. Ele está indicado, de um modo geral, nos indivíduos de risco moderado a grave, como os do estudo PLA- TO. A expectativa é de que ele tenha uma grande penetração em relação ao número de casos que temos atualmente, sobretudo nos pacientes mais complicados, que são aqueles que acabam evoluindo mal. Acreditamos que esse é o grupo que mais irá se beneficiar do medicamento. O ticagrelor é, sem dúvida, uma evolução farmacológica em SCA, tendo em vista um resultado tão favorável na diminição da taxa de mortalidade quando comparado com o clopidogrel. Uma droga que promove redução na taxa de mortalidade tem realmente um valor considerável, especialmente em um estudo de grande porte como foi o PLATO. Evidente que seu uso em maior escala dependerá também de seu custo. 12

13 Utilização do Sistema Kanban na farmácia hospitalar: incorporação de ferramenta prática e de baixíssimo custo na gestão de estoques Ronaldo Chalegre* E m busca do aperfeiçoamento da difícil tarefa de gestão de estoque de medicamentos, cada vez mais hospitais estão utilizando uma nova ferramenta para a área hospitalar: o sistema Kanban, um mecanismo simples e prático, de custo inicial baixíssimo e que não possui gastos para ser mantido. Ele une gestão visual e redução de valor estocado, permitindo inclusive um aumento de giro. Kanban é uma palavra de origem japonesa que significa registro ou placa visível. Em Administração da Produção isso se traduz por um cartão de sinalização ou outro sistema visual que controle os fluxos de produção em uma indústria. Emprega-se o Kanban em peças ou partes específicas de uma linha de produção, para indicar a entrega de uma determinada quantidade. Quando se esgotam todas as peças, o mesmo aviso é levado ao seu ponto de partida, onde se converte num novo pedido para mais peças. Quando for recebido o cartão ou quando não há nenhuma peça na caixa ou no local definido, então deve-se movimentar, produzir ou solicitar a produção da peça. (1) O método permite agilizar a entrega e a produção de peças. É usualmente empregado em indústrias montadoras, porém pode ser aplicado em quaisquer atividades de movimentação ou estocagem de materiais, seja em aplicações industriais ou comerciais. (1) Os kanbans físicos (cartões ou caixas) transitam entre os locais de armazenagem e produção substituindo formulários e outras formas de solicitar peças, permitindo enfim que a produção se realize just in time - metodologia desenvolvida e aperfeiçoada por Taiichi Ohno e Toyota Sakichi, conhecida como Sistema Toyota de Produção. (1) O sistema de gestão Kanban funciona dentro de uma lógica de reposição de materiais, onde são controlados dois parâmetros: consumo (ou saída) e tempo de reposição, também conhecido como lead time. (1) É, resumidamente, um sistema de gestão visual pertencente à metodologia Lean Six Sigma, que faz uso de cartões para gerenciar o estoque. Para exemplificar o método, podese imaginar um estoque do com- * Chefe do Departamento de Suprimentos. Hospital São Camilo Pompeia. Formado em Logística pela Faculdade Eniac- FAPI, Guarulhos, São Paulo. CRA-SP

14 primido A cuja dispensação diária é de 50 unidades, como na figura 1. Se o estoque inicial era de 500 unidades no dia 0, consumindo 50 unidades por dia, o estoque chegará a zero no dia 10. Considerando que o fornecedor do comprimido A demora 2 dias úteis para entregar o pedido de reposição, a contar da data de emissão da sua ordem de compra, e o hospital faz um pedido por semana, tem-se o seguinte gráfico: Conforme demonstrado na figura 2, o pedido é emitido no dia 05 e o material é recebido no dia 07. Esse movimento de consumo e reposição é conhecido entre os profissionais de logística como dente de serra do item. (1) O objetivo principal da implantação desse método em um hospital é eliminar as oportunidades de faltas de medicamentos padronizados e manter um nível de atendimento satisfatório. Figura 1. Geralmente o planejamento para reposição do estoque de medicamentos em hospitais é feito com base no ponto de pedido, um sistema baseado em previsões de demanda e que por assim ser está sujeito a vulnerabilidade. Já com a introdução do Kanban, a previsão da demanda gerada por sistemas informatizados baseados em consumo x estoque disponível x tempo de reposição (também conhecida como sistema empurrado ) é substituída pela demanda real ( sistema puxado ) do produto. Assim, deixa-se de comprar medicamentos que não têm demanda e passa-se a comprar somente os produtos que têm demanda. Com isso o nível de serviço melhora muito por que se passa a fazer a gestão visual dos produtos. Com a implantação da metodologia é possível repor os medicamentos no estoque muito antes do risco de faltas nas unidades assistenciais. Em linhas gerais, o Kanban funciona da seguinte forma em uma farmácia hospitalar: a partir de um histórico de consumo dos medicamentos que forneça dados de um período confiável (costuma-se utilizar um intervalo mínimo de 12 meses para que o valor obtido reflita de maneira mais fidedigna possível a realidade, contemplando as oscilações e sazonalidades existentes) é possível calcular o consumo médio de um determinado medicamento, com base na demanda real, ou seja, no consumo diário. É realizado esse cálculo de todos os medicamentos padronizados, obtendo-se os valores a serem considerados no armazenamento dos produtos no estoque. Assim, os medicamentos são armazenados na prateleira do estoque dividindo a quantidade total de cada produto em três faixas coloridas: Verde faixa de consumo, equivalente a um período de consumo sem compra. Amarela precisa ser solicitada a compra do medicamento, é o Lead Time. Conhecida na gestão clássica de materiais como ponto de pedido, a faixa amarela contempla a quantidade que será consumida desde o momento em que se faz um pedido ao fornecedor ou a produção ate o momento do recebimento desses produtos no estoque; Fonte: VH2C Consultoria Empresarial. Figura Vermelha estoque de segurança equivalente a um período de estoque; utilizar esta faixa significa que o produto está com pico de consumo ou o fornecedor atrasou a entrega. O período a ser utilizado em cada

15 faixa do Kanban depende do que é preconizado pelo hospital. Pensando em manter-se o menor estoque seguro possível, é usual considerar que a faixa verde conterá o consumo previsto de um dia, a faixa amarela por sua vez três dias e por último a faixa vermelha armazenará mais um dia de estoque, considerando o consumo médio diário e o Lead Time. Após o cálculo de consumo de cada produto e definição da quantidade para cada faixa, o maior desafio é encontrar uma configuração de armazenagem que atenda à particularidade de cada item, uma vez que na área hospitalar existe um grande número de itens padronizados e de tamanhos variados, o que dificulta um pouco a disposição visual dos produtos. O controle de saldo de estoque com inventário rotativo atuante e a manutenção da acuracidade também são fatores relevantes para a realização dos cálculos de cada faixa. Com a aplicação do Kanban o estoque torna-se minimizado, evitando altos valores estagnados. Isso permite inclusive que sejam adquiridos medicamentos de melhor qualidade, sem que o impacto no saldo de estoque seja significativo, visto que não se compra em excesso e evitam-se desperdícios Toda vez que o medicamento entrar na faixa amarela, o responsável pela separação dos pedidos deve retirar o cartão de solicitação do medicamento localizado na prateleira e depositá-lo no espaço de solicitações do Painel de Compras Kanban (painel calendário fixado na parede). Uma vez por dia, ou em uma frequência que seja considerada segura, o responsável pelo planejamento de compras na farmácia deve retirar os cartões e fazer a solicitação dos medicamentos cujo ponto de pedido (faixa amarela) foi alcançado. Os cartões trazem a descrição do medicamento, código e quantidade a ser comprada, de forma a agilizar o pedido de compra. Assim que o pedido for efetuado, o cartão é então colocado na data estipulada para o recebimento do medicamento no Painel de Compras Kanban. Quando o medicamento chegar, após todo o processo de identificação para garantia da rastreabilidade, esse cartão retornará à prateleira junto com o medicamento, respeitando sempre a quantidade de cada faixa do Kanban. Este sistema permite um controle visual eficiente sobre o trabalho de entrega do fornecedor externo. Na data prevista para o recebimento do medicamento, caso o produto não tenha chegado, verifica-se através do cartão (Kanban) qual fornecedor fechou o pedido e efetua-se o contato telefônico de cobrança da entrega, evitando que ocorra a falta do produto. A utilização da metodologia Kanban apresenta muitos benefícios, dentre os quais pode-se citar: o uso racional do espaço, a gestão visual que facilita o acompanhamento da demanda e a organização do estoque seguindo um padrão de armazenagem. É importante enfatizar o ganho financeiro gerado pela utilização do Kanban, que anualmente chega a aproximadamente dois meses FarmacêuticoemFoco de redução de estoque de medicamentos, o que representa um valor muito expressivo e importante quando se pensa em uma unidade de farmácia hospitalar, que estoca permanentemente quantidades grandes de medicamentos e materiais previamente padronizados, gerando sempre um valor financeiro residual alto de um mês para o outro, o que preocupa os gestores e a alta administração do hospital, visto que essa importância econômica não pode ser investida em ampliações ou melhorias à Instituição. Com a aplicação do Kanban o estoque torna-se minimizado, evitando altos valores estagnados. Isso permite inclusive que sejam adquiridos medicamentos de melhor qualidade, sem que o impacto no saldo de estoque seja significativo, visto que não se compra em excesso e evitam-se desperdícios. A diminuição das oportunidades de faltas também é outro grande benefício; o nível de atendimento pode superar os 99%, tudo isto atrelado a um ótimo giro de estoque. Antes do Kanban entrar em funcionamento, o estoque usualmente está superlotado, o espaço físico é insuficiente e precisa ser ampliado. Com a implantação do Kanban eliminam-se os problemas de falta de medicamentos padronizados e o estresse entre a farmácia e as unidades assistenciais. A utilização do Kanban aprimora também o fluxo da Farmácia (recebimento unitarização estocagem dispensação) e possibilita o uso racional de espaço e equipamentos. Pensando na implantação da metodologia e das dificuldades iniciais existentes, é indicado iniciar 15

16 o processo de maneira gradativa, começando com itens de maior impacto financeiro, por exemplo. Pensando na divisão dos produtos em estoque por curvas (A, B e C) de Vilfredo Pareto, é mais interessante iniciar a implantação com itens de curva A, mais especificamente aqueles que têm baixo ou médio consumo, porém alto custo unitário. Isso evidencia uma redução importante no saldo final de estoque, motivando inclusive a administração do hospital na continuidade da implementação. Trata-se de uma mudança de método significativa, que necessita da adesão da equipe envolvida e previamente treinada. Por se tratar de um método visual e que pode falhar se não for corretamente utilizado, é necessário que todos entendam a importância do processo e o executem com seriedade e comprometimento. O ideal é que haja um responsável para realizar verificações periódicas, também visuais, no estoque existente, evitando assim que possíveis falhas humanas causem impacto negativo no objetivo final de todo o cuidado envolvido com a cadeia de medicamentos: o paciente. Referência 1. VH2C Consultoria Empresarial em Estratégia, Organização e Supply Chain, disponível em O Jornal Famacêutico em Foco é uma publicação da Office Editora e Publi cidade Ltda. patrocinada pela AstraZeneca do Brasil Ltda. - Diretor Respon sável: Nelson dos Santos Jr. - Diretor de Arte: Roberto E. A. Issa - Diretora Executiva: Waléria Barnabá - Publicidade: Adriana Pimentel Cruz, Rodolfo B. Faustino e Denise Gonçalves - Jornalista Responsável: Cynthia de Oliveira Araujo (MTb ) - Redação: Flávia Lo Bello, Luciana Rodriguez e Eduardo Ribeiro - Gerente de Produção Gráfica: Roberto Barnabá - Departamento Jurídico: Martha Maria de Carvalho Lossurdo (OAB/SP ) - Fotos: João Cláudio Cote. Office Editora e Publicidade Ltda. - Rua General Eloy Alfaro, Chácara Inglesa - CEP São Paulo - SP - Brasil - Tel.: (11) Fax: Todos os artigos assinados têm seus direitos reservados pela editora. É proibida a reprodução total ou parcial dos artigos e de qualquer imagem dos mesmos sem autorização dos autores e da editora. Os artigos publicados são de responsa bilidade de seus autores, não refletindo obrigatoriamente a posição desta publicação. (06911R) AstraZeneca do Brasil Ltda Rod Raposo Tavares km 26, Cotia SP Brasil SAC / ACCESS net EM FOCO Webmeetings tratam a respeito da Síndrome Coronariana Aguda Com o intuito de aprimorar os conhecimentos em torno da Síndrome Coronariana Aguda (SCA), a Astra- Zeneca promoveu nos meses de junho, julho e agosto de 2011 uma série de webmeetings relacionados à doença, ressaltando também a importância dos farmacêuticos no tratamento dos pacientes cardiopatas hospitalizados. A primeira aula foi apresentada pelo especialista Dr. Carlos Gun (Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia - SP), que entre outros assuntos tratou a respeito da definição, fisiopatologia e diagnóstico da SCA. As principais opções de tratamento para a doença foram o tema da conferência seguinte, realizada pelo Dr. Rui Fernando Ramos (Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia SP). O estudo PLATO e seus subestudos foram abordados respectivamente pelos Drs. José Roberto Tavares (UNIFESP - SP) e Felipe Gallego Lima (INCOR). Por fim, A difícil tarefa de aliar custos com qualidade e responsabilidade foi o tema da aula realizada por Juliana Fonseca Sad (Hospital Odilon Behrens - MG), no qual importantes informações e estratégias práticas foram ressaltadas para auxiliar nesse importante desafio. Acesse: Produzido em Agosto/

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE NOTA TÉCNICA 06/2014 HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE Data: 19/01/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Des. Raimundo Messias Número do processo: 1.0024.06.994853-7/001

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011 Definição Febre Reumática Doença inflamatória, sistêmica, deflagrada pelo agente infeccioso Streptococcus β-hemolítico do grupo A, que ocorre em pessoas geneticamente predispostas ; Professor Leonardo

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Claiton Viegas Brenol, MD, PhD Professor Adjunto do Departamento de Medicina Interna FAMED UFRGS - Serviço de Reumatologia - Hospital de

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 28 - Área de atuação em Infectologia Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO 1- O que mudou no tratamento da tuberculose (TB) padronizado no Brasil? A principal mudança consiste

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

Terapia medicamentosa

Terapia medicamentosa www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Terapia medicamentosa Versão de 2016 13. Medicamentos biológicos Nos últimos anos foram introduzidas novas perspetivas terapêuticas com substâncias conhecidas

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center I Simpósio de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center Regina Attiê Farmacêutica Coordenadora de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA Medicamento X Data: 30/09/2013 Nota Técnica 238 2013 Solicitante: Juiz de Direito JOSÉ CARLOS DE MATOS Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.13.009927-2. Réu: Município de João Monlevade

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Curso de Emergências Cardiorespiratórias

Curso de Emergências Cardiorespiratórias SBC Salvando Vidas Curso de Emergências Cardiorespiratórias A SBC é uma instituição que está habilitada pela American Heart Association (AHA) - importante entidade americana na área de doenças cardiológicas

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO E L A B O R A Ç Ã O Adriana de Oliveira Sousa Gerente daterapia Integrada ISGH Ana Karine Girão Lima Assessora Técnica da Educação Permanente ISGH Braulio Matias Coordenador

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU Salvador, 27 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: xxx Promotoria da Justiça de Brumado/Dispensação

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO CARDIOPULMONAR Unidade

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Coordenação Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Prof. Dr. Augusto Scalabrini Neto Professor Associado pela Faculdade

Leia mais

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto.

Manual de Compras. Calcular a Curva ABC de Vendas do produto. Manual de Compras Antes de se começar a operar a tela de compras, é necessário estabelecer a configuração ideal para o seu negócio. Este manual não visa impor a melhor forma ou o melhor calculo para se

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais