Qualidade de vida de portadores de Artrite Reumatóide

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de vida de portadores de Artrite Reumatóide"

Transcrição

1 PESQUISA Qualidade de vida de portadores de Artrite Reumatóide Luciana Midori Aoyama Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientador. RESUMO Este estudo teve como objetivo identificar o nível de Qualidade de Vida (QV) de portadores de Artrite Reumatóide. Tratou-se de um estudo de corte transversal realizado com 27 sujeitos pertencentes ao Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo, SP. Foi utilizado o questionário WHOQoL-abreviado e a análise de dados foi realizada mediante estatística descritiva. Foram estabelecidas como padrão de comparação o uso de medicação e a prática de atividade física. Da amostra, 62,96% realiza atividade física regular e 59,25% está sob tratamento medicamentoso. Na análise comparativa, verificou-se que a realização da atividade física assim como o uso de medicamentos não influenciou no aumento ou diminuição da QV, sobretudo no domínio físico. A média global da QV apresentou melhores resultados nos indivíduos que praticam atividade física e não usam medicação (média=15,15). Conclui-se que a prática de atividade física e o não uso de medicações proporcionam melhor QV entre os participantes do estudo. Descritores: Qualidade de vida; Artrite reumatóide; Enfermagem em saúde comunitária. Aoyama LM, Marques IR. Qualidade de vida de portadores de Artrite Reumatóide. Rev Enferm UNISA. 2012; 13(2): INTRODUÇÃO A Artrite Reumatóide (AR) é um distúrbio crônico, sistêmico e inflamatório de etiologia desconhecida que é caracterizado por seu padrão de envolvimento articular simétrico. Seu principal local de agressão é a sinóvia das articulações. A membrana sinovial inicialmente fica inflamada e se prolifera, formando um pannus com invasão óssea, da cartilagem e dos ligamentos, causando lesão e deformidades. A Artrite reumatóide tem uma evolução subaguda (20%) ou insidiosa (70%) com sintomas articulares de dor, edema e rigidez, com aumento no número das juntas envolvidas com o passar de semanas a meses (1). A atividade da doença leva em consideração quatro fatores básicos: A Avaliação dos sintomas e estado funcional: graduação da dor articular, rigidez matinal e severidade da fadiga; Avaliação do envolvimento articular e manifestações extra-articulares: as articulações devem ser avaliadas quanto ao edema, dolorimento, perda de movimento e deformidade. As Manifestações extra-articulares incluem, astenia, fadiga, modificações cutâneas e vasculares, linfadenopatia, esplenomegalia, manifestações oculares, cardíacas, respiratórias, neuropatias reumáticas, anemia e presença de nódulos reumatóides subcutâneos, manifestações sistêmicas como febre, anorexia, náuseas e perda de peso devem ser investigadas; Marcadores laboratoriais: proteína C reativa e velocidade de eritrossedimentação (reatores de fase aguda) são marcadores inespecíficos que refletem grau de inflamação sinovial; Estudos radiológicos: acompanhamento com radiografias após 6-12 meses de tratamento e sua comparação com as basais podem indicar atividade da doença (desenvolvimento ou piora de osteopenia e/ou erosões articulares e redução do espaço articular são indicativos de atividade da doença) (1-2). Quanto à severidade da doença, a artrite reumatóide costuma ser dividida em: Leve: paciente apresenta artralgias, pelo menos três articulações com sinais de inflamação, nenhuma doença extra-articular, fator reumatóide costumeiramente negativo, elevação dos reatores de fase aguda e nenhuma evidência de erosão ou perda de cartilagem ao estudo radiográfico; Moderada: entre seis e 20 articulações acometidas, comumente doença restrita a articulações, elevação de reatores de fase aguda, positividade do fator reumatóide, evidência de inflamação a radiografia; Grave: mais de 20 articulações persistentemente acometidas, elevação dos reatores de fase aguda, anemia de doença crônica, hipoalbuminemia, fator reumatóide positivo, radiografias demonstrando erosões e perda de cartilagem e doença ex- 85

2 tra-articular (1). Artrite reumatóide terminal é caracterizada clinicamente pelas características seguintes: dor que acontece com atividade mínima e em repouso; atrofia e fraqueza muscular periarticular; declínio significante em estado funcional que resulta em inaptidão; e dano de articular comprovado radiograficamente (1). Os critérios para diagnósticos de artrite reumatóide mais comuns são: Rigidez matinal: rigidez articular e periarticular durando pelo menos 1 hora antes de máxima melhora; artrite em três ou mais áreas: pelo menos três áreas articulares com edema de partes moles ou derrame articular; artrite de articulações das mãos (interfalangianas proximais ou metacarpofalangianas) ou punhos; artrite simétrica: comprometimento simultâneo bilateral; nódulos reumatóides: nódulos subcutâneos sobre proeminências ósseas, superfície extensora ou região justarticular; fator reumatóide sérico; alterações radiológicas: erosões localizadas ou osteopenia justarticular em radiografias de mãos e punhos. Critérios: 1 até 4 devem estar presentes por, pelo menos, 6 semanas. O médico deve ter observado os critérios 2 até 5 (3). O diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento são fundamentais para o controle da atividade da doença e para prevenir incapacidade funcional e lesão articular irreversível. Os objetivos principais do tratamento são: prevenir ou controlar a lesão articular, prevenir a perda de função e diminuir a dor, tentando maximizar a qualidade de vida destes pacientes. A remissão completa, apesar de ser o objetivo final do tratamento, raramente é alcançada. A abordagem terapêutica começa com a educação do paciente e de seus familiares sobre sua doença, as possibilidades de tratamento, com seus riscos e benefícios. O acompanhamento multidisciplinar é necessário, preferencialmente sob a orientação do reumatologista.(4). Em relação ao tratamento da AR, os objetivos atuais são a prevenção ou o controle da lesão articular, a manutenção ou melhora da capacidade funcional, a redução da dor e a tentativa de obter a remissão da doença. Estudos recentes mostraram que existe um grande benefício na resposta ao tratamento, quando se iniciam as drogas anti-reumáticas modificadoras da doença (DMARDs) em sua fase inicial e de forma mais agressiva. No passado, a clássica pirâmide terapêutica que consistia em um tratamento conservador na fase inicial da doença deu chance para que muitos pacientes tivessem mais erosões e deformidades irreversíveis antes do uso de drogas mais efetivas. A ineficácia do esquema terapêutico proposto pela pirâmide terapêutica da AR levou à mudança daquele paradigma de tratamento. O tratamento ideal da AR deve iniciar com a educação do paciente sobre a doença, sobre os riscos de deformidades articulares e perda de capacidade funcional, assim como a orientação sobre os riscos e benefícios das opções terapêuticas disponíveis. Drogas antiinflamatórias não hormonais (AINH) e glicocorticóides, que podem ser utilizados como injeção intra-articular ou como baixa dose oral, podem ser considerados para o controle dos sintomas articulares, embora não mudem a evolução natural da doença, se utilizados de forma isolada. Assim, todos os pacientes com AR são candidatos ao uso de drogas anti-reumáticas modificadoras da doença (DMARDs), que têm o objetivo de impedir a sua progressão, além de impedir o aparecimento de lesões articulares permanentes. Os DMARDs comumente utilizados na AR devem ser iniciados preferencialmente até três meses e incluem os anti-maláricos (difosfato de cloroquina e sulfato de hidroxicloroquina), sulfassalazina, metotrexate, leflunomida, etanercepte, adalimumabe, anakinra e infliximabe. Outros menos utilizados atualmente incluem a azatioprina, d-penicilamina, sais de ouro, minociclina e ciclosporina. Estudos recentes têm mostrado que as combinações de DMARDs são mais efetivas do que monoterapia, embora alguns autores discutam que a maior eficácia da terapia de combinação dos DMARDs possa ser secundário ao uso concomitante dos glicocorticóides. O uso das drogas modificadoras de resposta biológica, anti-tnf alfa, anti- IL1 que têm como alvo terapêutico as citocinas específicas importantes no processo inflamatório, tem ocupado atualmente um papel importante na terapêutica da AR. Os bloqueadores do TNF têm se mostrado bastante efetivos nos pacientes com AR e incluem o infliximabe, que é um anticorpo monoclonal quimérico anti-tnf, o etanercepte, um receptor solúvel do TNF e o adalimumabe, um anticorpo monoclonal anti-tnf totalmente humanizado. Estes bloqueadores do TNF quando utilizados como monoterapia são tão efetivos quanto o metotrexate em reduzir a atividade da doença, assim como em retardar o aparecimento de erosões, mas a sua maior eficácia no tratamento ocorre apenas quando estes são utilizados de forma combinada com o metotrexate. Novos agentes biológicos que têm como alvo as outras citocinas como a IL6, IL15, IL18, as moléculas de co-estimulação da interação entre as células B e T (CTLA4-Ig) e as moléculas de superfície de células B (anti-cd 20-rituximabe) tem mostrado resultados favoráveis e sugerem uma perspectiva futura ainda melhor para o tratamento da AR (5). No caso de pacientes em risco de integridade cutânea comprometida, a enfermeira pode monitorizar o estado da pele, bem como instruir o paciente e a família, fornecer ajuda, ou supervisioná-los em relação ás medidas de cuidados preventivos com a pele. O enfermeiro também avalia a necessidade de assistência do paciente em casa e supervisiona as cuidadoras domiciliares que podem satisfazer muitas das necessidades do paciente portador de doença reumática. Um enfermeiro de cuidado domiciliar pode visitar a residência para assegurar-se de que o paciente pode agir da forma mais independente possível, apesar dos problemas de mobilidade, e pode controlar seguramente os tratamentos e farmacoterapia. O paciente e família devem ser alertados sobre serviços de apoio. Como muitos dos medicamentos para suprimir a inflamação são injetáveis, o enfermeiro pode administrar o medicamento no paciente ou ensinar-lhe o procedimento de autoinjeção. Esses contatos freqüentes permitem que o enfermeiro reforce outras técnicas de tratamento da doença. A enfermeira também avalia os estados físico e psicológico do paciente, a adequação ao tratamento dos sintomas e a adesão ao plano de tratamento. Deve ser dada maior 86

3 atenção para as alterações psicológicas que fazem parte da experiência dos pacientes com AR através do cuidadoso histórico das atitudes e sentimentos dos pacientes sobre a normalidade. As atividades que estimulam os sentimentos de normalidade por parte do indivíduo devem ser encorajadas e as modificações feitas para promovê-las, quando necessário, enquanto se enfatizam, de maneira simultânea, as questões de segurança. Ajudar o paciente a aprender como lidar com os perigos potenciais pode estimular uma sensação de competência no controle das situações. O ensino prévio é reforçado com ênfase nos efeitos colaterais dos medicamentos e alterações no estado físico que indiquem a progressão da doença e a necessidade de contactar ou procurar o profissional da saúde para a reavaliação. De outra forma os pacientes podem aguardar até a próxima consulta. A importância das consultas é enfatizada para o paciente e família (6). A prevalência da AR varia de 0,3 a 1,5% para a população adulta, sendo predominante no sexo feminino. Pode ocorrer em qualquer faixa etária, apesar de a prevalência aumentar com a idade, geralmente com pico entre as 4ª e 6ª décadas, e de ser incomum em homens jovens (0 a 0,5%). A AR ocorre em todas as raças e em todas as partes do mundo, não havendo diferença na prevalência quanto à latitude, longitude ou clima (7). O curso da AR pode ser variável, desde acometimento leve e intermitente até forma mais grave e progressiva. Tem sido relatado que os pacientes com AR deixam de trabalhar 20 anos antes do que se espera na sua idade e que apresentam grandes prejuízos na qualidade de vida (8). Por ser uma doença crônica, a AR interfere diretamente na qualidade devida incluindo aspectos físicos, psicológicos e sociais. É tradicionalmente considerada a doença de maior impacto em todos os aspectos de qualidade de vida. Assim, as intervenções terapêuticas propostas no tratamento dessa patologia visam à melhora na qualidade de vida dos pacientes (2). O suporte emocional nesse tipo de doença é fundamental. É fácil entender que uma doença como essa que além de causar dor crônica promove o aparecimento de muitas deformidades, impedindo o indivíduo de realizar muitas de suas tarefas, e que por isso tem um impacto socioeconômico grande sobre sua vida, acompanhado de ansiedade, depressão, diminuição da autoestima e perda da motivação. Essas alterações psíquicas não só prejudicam a qualidade de vida do paciente como também impedem que ele colabore com o tratamento (8). Segundo a Organização Mundial da Saúde qualidade de vida é definida como a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações (4). A qualidade de vida relacionada a com saúde (QVRS), é definida como sendo a avaliação que o próprio sujeito faz do impacto que a doença e seus tratamentos têm sobre as diferentes dimensões física,funcional, emocional, social e espiritual (8). A AR, sendo uma doença crônica que pode evoluir com deformidade articular e incapacidade funcional, não deve ser avaliada pelas medidas epidemiológicas tradicionais, tais como morte ou cura (que refletiriam os extremos da doença) e sim por seu impacto na saúde individual em termos de bem estar físico, mental e social. Por esse motivo, tem-se desenvolvido vários instrumentos para avaliar qualidade de vida que, além de medir essas dimensões, têm a capacidade de detectar alterações no estado de saúde ao longo do tempo, bem como avaliar prognóstico e os riscos e benefícios de determinada intervenção terapêutica (7). Considerando o contexto apresentado, este estudo teve como objetivo avaliar a qualidade de vida de portadores de Artrite Reumatóide. MÉTODO Tratou-se de uma pesquisa não-experimental desenvolvimental de corte transversal. Neste tipo de pesquisa os dados são coletados ao longo de um processo, que no caso é o conviver com o adoecimento com a AR. Neste tipo de pesquisa foram coletadas descrições detalhadas de variáveis existentes e utilizados os dados para justificar e avaliar condições e práticas correntes ou fazer planos para me-lhorar as práticas de atenção a saúde. Os investigadores usam esse desenho e tipo de pesquisa para buscar informações precisas sobre as características dos sujeitos de pesquisa, grupos, instituições ou situações, ou sobre a frequência da ocorrência de um fenômeno (9). A pesquisa foi realizada em uma associação civil, sem fins lucrativos, que congrega portadores de doença reumática como: Lúpus, Artrite Reumatóide, Osteoartrite, Gota, Espondilite Anquilosante, Miosites e outras. O Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo a (GRUPASP) foi contatado e autorizou a realização da pesquisa em suas dependências com os seus associados. O GRUPASP está localizado na cidade de São Paulo e tem como finalidade informar ao associado e a população sobre as doenças, as formas adequadas de tratamento e de reabilitação, por todos os meios de divulgação disponíveis, especialmente através de palestras educativas, boletins e website. A Pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Santo Amaro sob o parecer número 145b/2011. Participaram pacientes portadores de AR com os seguintes critérios: de ambos os sexos, com faixa etária de 18 a 80 anos de idade, que estejam participando do GRUPASP e que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Escalarecido. A composição da amostra foi não-probabilística de conveniência (10). Na amostragem de conveniência, não é estipulada uma amostra representativa, mas objetiva-se alcançar a maioria dos sujeitos dentro dos critérios de pesquisa. O GRUPASP tem cerca de 150 associados na cidade de São Paulo. A amostra final foi constituída por 27 sujeitos. O Instrumento de coleta de dados (ICD) foi constituído pelo questionário que avalia a qualidade de vida, instrumena O Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo permitiu o uso do nome da instituição no anteprojeto de pesquisa. 87

4 to este já validado pela Organização Mundial de Saúde que é o WHOQoL-Abreviado (11). Este instrumento é amplamente utilizado em pesquisas semelhantes. O instrumento WHOQoL-Abrevidado contém 26 questões que abrangem os seguintes domínios: auto-avaliação da qualidade de vida, abordagem sobre a saúde física e psicológica, as relações sociais e o meio-ambiente. A coleta de dados ocorreu nas dependências do GRU- PASP em datas e horários previamente agendados. A coleta de dados deu-se pelo método manual pela autora da pesquisa. Os associados do GRUPASP foram informados sobre o propósito da pesquisa, condições de participação, conforme a Carta de Informação. Houve anuência com relação à participação, e os sujeitos de pesquisa assinaram o Termo de Consentimento livre e Esclarecido. Considerando as características do estudo, as variáveis foram analisadas do ponto de vista da estatística descritiva. Foi utilizada planilha desenvolvida por Pedroso et al (12). A planilha usa a tabulação dos dados e faz os cálculos das médias por domínio, assim como o desvio padrão e o coeficiente de variação. Este tipo de análise estatística permite reduzir os dados a proporções controláveis, dando um sentido claro aos dados. RESULTADOS E DISCUSSÃO Perfil da Amostra Participaram da pesquisa 27 sujeitos de 150 associados do GRUPASP. A Tabela 1 apresenta as variáveis demográficas dos participantes do estudo. Quanto à faixa etária 7,41% pertencia à faixa etária entre 30 a 40 anos, 11,11% pertencia à faixa etária entre 41 a 50 anos, 22,22% pertencia à faixa etária entre 51 a 60 anos, 37,04% pertencia à faixa etária entre 61 a 70 anos, 14,81% pertencia à faixa etária entre 71 a 80 anos, 3,70% pertencia à faixa etária maior que 80 anos e 3,70% não especificou a idade (Tabela 1). No estudo de Laurindo et al (13), mostra que a faixa etária de maior prevalência é de 55 a 75 anos. Já em outros estudos (2,7,14), foram verificadas que taxa de maior frequência é entre 40 à 60 anos. Segundo Brandão et al (7) a AR pode ocorrer em qualquer faixa etária, apesar de sua prevalência aumentar com a idade. Quanto ao sexo, 85,19 % pertence ao sexo feminino e 14,81% pertence ao sexo masculino. No estudo de Ferreira et al (2) a AR é mais comum em mulheres numa proporção de 5:1, porém quando há acometimento masculino, o curso da doença tende a ser pior. Em outros estudos (5,7,14-16,) também foi concluído que a AR acomete mais o sexo feminino. Quanto ao tempo de tratamento, 40,74% faz tratamento de 0 a 10 anos, 37,03% faz tratamento de 11 a 20 anos, 7,40 % de 21 a 30 anos, 14,81% não especificaram e não há nenhum paciente que faz tratamento há mais de 30 anos. O estudo de Mota et al (16) mostra que o tratamento precoce da AR está associada com a melhora da qualidade de vida relacionada com a saúde dos portadores de AR. Quanto ao tipo de tratamento 3,70% utiliza antiinflamatório associado ao biológico, 3,70% utiliza somente o Biológico, 3,70% utiliza somente o antiinflamatório, 29,63% utiliza medicamentos combinados, 18,52% utiliza medicamento, porém não especificaram quais e 40,74% não informou o tipo de tratamento que utiliza. Quanto à atividade física 62,96% pratica atividade física e 37,03% não pratica. Segundo Ferreira et al (2) os programas de treinamento físico trazem benefícios a pacientes com AR, como o aumento da força muscular e capacidade aeróbica, redução da dor e inflamação, e incremento na função, refletindo-se diretamente na qualidade de vida e na realização das atividades diárias dos sujeitos. Qualidade de Vida do Portador de Artrite Reumatóide Os dados do WHOQoL-abreviado foram acondicionados na planilha para a obtenção das médias, desvio padrão e coeficiente de variação para avaliação dos domínios do instrumento. A Tabela 2 apresenta estes valores considerando todos os grupos; ou seja, sem distinção entre as variáveis de comparação selecionadas. Na avaliação global dos domínios, verificou-se que o domínio de melhor desempenho é o Psicológico (média=16,05 ± 1,83) e o de pior desempenho o domínio Físico (média=13,35 ± 2,80). O domínio de Relações Sociais apresentou média de (15,46 ± 3,76) e o Meio ambiente média de (14,07 ± 2,72). A Auto-avaliação da QV apresentou média de (15,85 ± 3,92) demonstrando que os participantes do estudo têm QV que varia de boa a ótima (Figura 1). Notou-se que a média global da QV apresentou melhores resultados nos indivíduos que praticam atividade física e não usam medicação média de (15,15 ± 2,43), os que não praticam atividade física e utilizam medicação apresentaram média de (14,38 ± 1,37), os indivíduos que praticam atividade física e utilizam medicação têm média de (14,54 ± 1,88) enquanto a pior média foi dos indivíduos que não praticam atividade física e não usam medicação média de (13,69 ± 1,52). Na análise comparativa por grupos, verificou-se que a realização da atividade física (AF) assim como o uso de medicamentos (MED) influencia no aumento ou diminuição da QV. Análise da QV por Grupos O grupo de indivíduos que realizavam atividade física e não usavam nenhuma medicação foi constituído por nove participantes (G1). No domínio físico foi verificada a média de 13,90. Esta foi a pior média de todos os domínios. A melhor média foi verificada no domínio Autoavaliação da QV. Neste grupo foi observada a média de idade de 61,04 anos, sendo um indivíduo do sexo masculino e oito do sexo feminino. A média de tempo que estes indivíduos tinham a doença foi 13 anos. O grupo de indivíduos que não realizavam atividade física e não usavam nenhuma medicação foi constituído por oito participantes (G2). No domínio físico foi verificada a média de 12,71. Esta foi a pior média de todos os domínios. A melhor média foi verificada no domínio Psicológico. Neste grupo foi observada a média de idade de 65,62 anos, sendo dois indivíduos do sexo masculino e seis do sexo feminino. A 88

5 Tabela 1. Variáveis demográficas dos participantes do estudo. São Paulo, Faixa etárias (em anos) n % 30 a ,41 41 a ,11 51 a ,22 61 a ,04 71 a ,81 >80 1 3,70 Não infor mado 1 3,70 Sexo Masculino 4 14,81 Feminino 23 85,19 Tempo de Tratamento (em anos) 0 a ,74 11 a ,03 21 a ,40 > Não infor mado 4 14,81 Medicações ou Tratamentos Utilizados Biológico+Antiinflamatório 1 3,70 Medicamento combinado 8 29,63 Biológico 1 3,70 Antiinflamatório 1 3,70 Usa medicamento indeterminado 5 18,52 Não infor mado 11 40,74 Prática de atividade física S im 17 62,96 Não 10 37,03 Tabela 2. Valores da média, desvio padrão e coeficiente de variação de acordo com os domínios do WHOQoL-Abreviado. São Paulo, Domínio Média DP Coeficiente de Variação Valor mínimo Valor máximo Amplitude Fí si co 13,35 2,80 20,97 8,57 20,00 11,43 Psicológ ico 16,05 1,83 11,40 13,33 20,00 6,67 Relações Sociais 15,46 3,76 24,31 6,67 20,00 13,33 Mei o Ambiente 14,07 2,72 19,30 9,00 20,00 11,00 Auto-avalia ção da QV 15,85 3,92 24,73 8,00 20,00 12,00 Total 14,63 1,88 12,86 10,46 18,15 7,69 média de tempo que estes indivíduos tinham a doença foi 12,75 anos. O grupo de indivíduos que realizavam atividade física e usavam medicação foi constituído por oito participantes (G3). No domínio físico foi verificada a média de 12,71. Esta foi a pior média de todos os domínios. A melhor média foi verificada no domínio Psicológico. Neste grupo foi observada a média de idade de 59,12 anos, sendo que nenhum indivíduo era do sexo masculino e oito do sexo feminino. A média de tempo que estes indivíduos tinham a doença foi 8,87 anos. O grupo de indivíduos que não realizavam atividade física e não usavam medicação foi constituído por dois participantes (G4). No Domínio Meio ambiente foi verificada a média de 12,00. Esta foi a pior média de todos os domínios. A melhor média foi verificada no domínio Físico. Neste grupo foi observada a média de idade de 54 anos, sendo que um indivíduo era do sexo masculino e um do sexo feminino. A média de tempo que estes indivíduos tinham a doença foi 20 anos. A análise comparativa das variáveis média de idade e média do tempo da doença revelou que a possibilidade da existência de um fator para explicar a pior média global da qualidade de vida do G4 (13,69 ± 1,52). Ao analisar a média de idade desse grupo, verificou-se que era a média menor (54 anos) entre os quatro grupos e a média de tempo com a doença (20 anos) a maior (Figura 2). Ao buscar a explicação para o resultado da QV, verificou-se que este grupo teve o pior desempenho no domínio Psicológico (13,33 ± 0,00). Com esse resultado, infere-se que o fato de ser portador de 89

6 Figura 1. Médias dos grupos com e sem atividade física (AF) e com e sem medicação (MED). São Paulo, Figura 2. Médias de idade, média do tempo da doença e médias do domínio psicológico dos quatro grupos. São Paulo, AR há mais tempo pode causar um fator psicológico de descrença em relação ao tratamento e que conduz a não usar medicamentos e a não realizar atividade física. Embora não realizando atividade física, surpreendentemente este grupo teve uma média elevada no domínio Físico (16,00 ± 5,66) e no domínio Autoavaliação da QV a média foi mais baixa (14,00 ± 2,83) em relação aos demais grupos. CONCLUSÃO O instrumento WHOQoL-abreviado foi adequado para avaliar a QV dos portadores de AR que participaram da pesquisa. Os resultados alcançados permitiram concluir os portadores de AR têm QV que se situa entre boa e ótima nos domínios avaliados. Notou-se que a média global da QV apresentou melhores resultados nos indivíduos que praticam atividade física e não usam medicação (média=15,15), enquanto a pior média foi dos indivíduos que não praticam atividade física e não usam medicação (média=13,69). Conclui-se que a prática de atividade física e o não uso de medicações proporcionam melhor QV entre os participantes do estudo. No entanto, estes dados são insuficientes para generalizações, uma vez que os grupos não foram homogêneos. Isto leva a inferir que nova pesquisa deva ser conduzida com uma amostra maior que a obtida. Embora estes sujeitos estejam sob tratamento ambula- 90

7 torial, não estão distantes da atenção de enfermagem e a avaliação da QV pode indicar aspectos para a enfermagem abordar com essa população, o que pode favorecer a melhora ou manutenção da QV. Outros estudos com outra abordagem de pesquisa poderão ser úteis para identificar outras possíveis variáveis que influenciam a QV. O instrumento WHOQoL-abreviado é sensível para a avaliação dos domínios da QV, entretanto não explica algumas relações entre as variáveis selecionadas. Novas pesquisas devem ser encaminhadas buscando-se uma amostra maior e homogênea entre os grupos. REFERÊNCIAS 1. Weet SG. Segredos em Reumatologia. 1 a ed. Porto Alegre: Artmed; Ferreira LRF, Pestana PR, Oliveira JD, RA Mesquita- Ferrari. Efeitos da reabilitação aquática na sintomatologia e qualidade de vida de portadores de artrite Reumatóide. Fisioter Pesq. 2008, 15(2): Ministério da Saúde (BR). Portaria SCTIE nº 66. Brasília; [citado em 2011 maio 14]. Disponível em: /portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pcdt_artrite _reumatoide_2006.pdf 4. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Qualidade de vida. Porto Alegre; 1998 [citado em 2011 Mai 27]. Disponível em: 5. Pereira IA. Artrite reumatóide. Arq Catarinenses Med. 2007; 36(3). 6. Smeltzer SC, Bare BG. Brunnner & Suddarth. Tratado de enfermagem médico cirúrgica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Brandão L, Ferraz MB, Zerbini CAF. Avaliação na qualidade de vida na Artrite Reumatóide: Revisão atualizada. Rev Bras Reumatol. 1997; 37(5). 8. Corbacho MI, Dapueto JJ. Avaliação da capacidade funcional e da qualidade de vida de pacientes com artrite reumatóide. Rev Bras Reumatol. 2010; 50(1): 9. LoBiondo-Wood G, Haber J. Desenhos não experimentais. In: Lobiondo-Wood G, Haber J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p Haber J. Amostragem. In: LoBiondo-Wood G, Haber J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p World Health Organization. The WHOQoL Group. The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQoL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995; 41: Pedroso B, Pilatti LA, Gutierrez GL, Picinin CT. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Rev Bras Qualidade Vida. 2010; 2(1): Laurindo IMM. Artrite Reumatóide no idoso. Eistein. 2008; 6(supl 1): S33-S PJ Louzada, Souza BDB, Toleto RA, Ciconelli RM. Análise Descritiva das características Demográficas e Clínicas de pacientes com Artrite Reumatóide no Estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Reumatol. 2007; 47(2): Laurindo IMM, Ximenes AC, Lima FAC, Pinheiro GRC, Batistella LR, Bertolo MB, et al. Artrite Reumatóide: Diagnóstico e Tratamento. Rev Bras Reumatol. 2004; 44(6): Mota LMHD, Laurindo IMM, LLDN Souza. Avaliação Prospectiva da qualidade de vida em uma coorte de pacientes com artrite reumatóide inicial. Rev Bras Reumatol. 2010; 50(3):

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC Autores: Eduardo José Cecchin(1), Luiza Pinto de Macedo Soares(1), José Augusto Bach Neto(1), João

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ²

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ² Avaliação epidemiológica de pacientes portadores de doenças reumáticas atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da Eseffego-UEG no período de 2006 a 2008 Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva

Leia mais

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE NOTA TÉCNICA 06/2014 HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE Data: 19/01/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Des. Raimundo Messias Número do processo: 1.0024.06.994853-7/001

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Artrite reumatoide Sociedade Brasileira de Reumatologia

Artrite reumatoide Sociedade Brasileira de Reumatologia Artrite reumatoide 1 Artrite Reumatoide Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Artrite Reumatoide da Sociedade Brasileira de Reumatologia ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Le déjeuner des canotiers,

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET NOTA TÉCNICA 69-2014 TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET Data: 04/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíz de Direito Dr. Rafael Murad Brumana Número do processo: 0377.14.000764-4

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009)

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Janssens HJEM, Lagro HAHM, Van Peet PG, Gorter KJ, Van der Pas P, Van der Paardt M, Woutersen-Koch H traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

Área de Abrangência / População

Área de Abrangência / População QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES COM AFECÇÕES MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Elaine A. de Paula Orientador:

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs Ciclo de Atualização em Farmacologia Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença Drogas Modificadoras de Doença - DMARDs @ Diasese-modifying antirheumatoid drugs; @ Suprimem em parte ou totalmente

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Prof André Montillo UVA

Prof André Montillo UVA Prof André Montillo UVA Doença Articular Degenerativa Sinônimos: Osteoartrite Osteoartrose: Artrose Artrose Condramalácea Artrite Degenerativa Artrite Hipertrófica Artrite Deformante Doença Articular Degenerativa

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Acabe, com a dor II 1

Acabe, com a dor II 1 ACABE COM A DOR Acabe, com a dor São as mulheres quem mais sofre quadros dolorosos, com maior frequência e em mais áreas corporais, revela a Associação fnternacional para o Estudo da Dor. Conheça as dores

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia Fibromialgia Fibromialgia Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.singpr.com/business/singapore-telcocompanies-see-fiber-optic-light-as-future-for-broadband

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Introdução - Estima-se que a dor lombar afete até 84% da população adulta. - Episódio de dor autolimitado

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011 Definição Febre Reumática Doença inflamatória, sistêmica, deflagrada pelo agente infeccioso Streptococcus β-hemolítico do grupo A, que ocorre em pessoas geneticamente predispostas ; Professor Leonardo

Leia mais

Artrite Reumatóide ARTHRITIS FOUNDATION CÓD. 30.592. www.apsen.com.br

Artrite Reumatóide ARTHRITIS FOUNDATION CÓD. 30.592. www.apsen.com.br Artrite Reumatóide CÓD. 30.592 www.apsen.com.br ARTHRITIS FOUNDATION ARTHRITIS FOUNDATION A missão da Arthritis Foundation é a de melhorar a qualidade de vida através da liderança na prevenção, controle

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Mariana Leone Perissinotto 1 ; Carla Alexandra Gomes Jardim

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Adna Nascimento Souza 1 Layne de Paiva Sousa 1 Francisca Aline Arrais Sampaio Santos 2 Maria Aparecida Alves de Oliveira Serra 2 Thamyres

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 PEIXOTO, Maristela Jaqueline Reis 2 ; LENA, Marisangela Spolaôr 3, CULAU, Fernanda Steffen 4, CASSEL, Paula Argemi

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

ARTRITE REUMATÓIDE. Articulações acometidas com maior frequência Articulações acometidas com menor frequência. O que é a doença?

ARTRITE REUMATÓIDE. Articulações acometidas com maior frequência Articulações acometidas com menor frequência. O que é a doença? ARTRITE REUMATÓIDE O que é a doença? A artrite reumatóide(ar) é uma doença auto-imune, isto é, quando os sistemas de defesa do corpo perdem a capacidade de discernir o próprio do não próprio, atacando

Leia mais