HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA"

Transcrição

1 SELEÇÃO PARA COOPERAÇÃO DE MÉDICOS Edital n. 01/2014 HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1 - Este caderno contém as questões da PROVA OBJETIVA. 2 - Ao receber a Folha de Respostas, confira seu nome, número de inscrição e o cargo. Assine, A TINTA, no espaço próprio indicado. ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTAS SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE. 3 - Ao transferir as respostas para a Folha de Respostas: use apenas caneta esferográfica azul ou preta; preencha, sem forçar o papel, toda a área reservada à letra correspondente à resposta solicitada em cada questão; assinale somente uma alternativa em cada questão. Sua resposta NÃO será computada se houver marcação de mais de uma alternativa; questões não assinaladas ou questões rasuradas. NÃO DEIXE NENHUMA QUESTÃO SEM RESPOSTA. A Folha de Respostas da PROVA OBJETIVA não deve ser dobrada, amassada ou rasurada. ATENÇÃO: No item 7.5 do Edital: O candidato somente poderá retirar-se definitivamente do local de realização da prova após 120 (cento e vinte) minutos contados do seu início O candidato deverá apor sua assinatura na lista de presença e na Folha de Respostas de acordo com aquela constante no seu documento de identidade apresentado Durante o período de realização das provas, não será permitido o uso de óculos escuros, bonés, chapéus e similares Findo o prazo limite para realização das provas, o candidato deverá entregar ao Aplicador de Sala o Caderno de Questões da Prova Objetiva e a Folha de Respostas da Prova Objetiva, devidamente preenchida e assinada (alíneas a, b, c, d, e, f, g, j, k e m). Será eliminado o candidato que: tratar com falta de urbanidade examinadores, auxiliares, aplicadores ou autoridades presentes; deixar o local de realização das provas sem a devida autorização; estabelecer comunicação com outros candidatos ou com pessoas estranhas a este processo seletivo por qualquer meio; usar de meios ilícitos para obter vantagem para si ou para outros; portar arma (s) no local de realização das provas, ainda que de posse de documento oficial de licença para o respectivo porte; fizer uso ou portar, mesmo que desligados, durante o período de realização das provas, qualquer equipamento eletrônico, como relógio digital, calculadora, walkman, notebook, palm-top, tablet, agenda eletrônica, gravador ou outros similares, ou de instrumentos de comunicação interna ou externa, tais como telefone celular, beep, pager, entre outros; fizer uso de livros, códigos, manuais, impressos e anotações; deixar de entregar o Caderno de Questões e a Folha de Respostas da Prova Objetiva, findo o prazo limite para sua realização; se apresentar após o horário estabelecido para a realização das provas; deixar de entregar a Folha de resposta objetiva ou entregá-la com marcação diferente das instruções contidas no caderno de questões ou sem assinatura no local reservado para a assinatura. O Caderno de Questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no endereço eletrônico no dia 17 de novembro de DURAÇÃO MÁXIMA DA PROVA: 5 (CINCO) HORAS Data: / /

2 ATENÇÃO Sr.(a) Candidato(a) Antes de começar a fazer a prova, confira se este caderno contém, ao todo, 70 (setenta) questões objetivas, cada uma constituída de 04 (quatro) alternativas assim distribuídas: BLOCO A: 4 (quatro) questões de Cirurgia Geral, 4 (quatro) questões de Clínica Médica, 4 (quatro) Ginecologia/Obstetrícia, 4 (quatro) questões de Pediatria, 4 (quatro) questões de Saúde Pública. BLOCO B: 50 (cinquenta) questões de Conhecimentos Específicos, todas perfeitamente legíveis. Havendo algum problema, informe imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias. Caso V.Sa. não observe essa recomendação, não lhe caberá qualquer reclamação ou recursos posteriores. 2

3 BLOCO A CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Em relação à avaliação clínica pré-operatória, assinale a alternativa INCORRETA. A) A concentração de hemoglobina não deve ser utilizada como critério de diagnóstico de hipovolemia, se a anemia é crônica. B) As alterações ao leucograma de rotina são frequentes e observadas, especialmente, em mulheres idosas. C) Intolerância a exercícios físicos e dispneia inexplicada constituem duas das principais indicações de espirometria em pacientes idosos. D) Pacientes muito idosos apresentam significativamente maior risco de complicações após operações prolongadas e de emergência. QUESTÃO 2 Em relação aos distúrbios hidroeletrolíticos, assinale a alternativa INCORRETA. A) As perdas de líquidos hipotônicos incluem causas renais, gastrointestinais e cutâneas. B) Na síndrome da produção inadequada do hormônio antidiurético, observa-se hiponatremia com sódio corporal total normal. C) O diabetes insipidus de origem central acarreta desidratação hipertônica. D) Pacientes com diabetes insipidus nefrogênico podem ser beneficiados com o uso de diuréticos tiazídicos. QUESTÃO 3 São possíveis exames para avaliar suspeita de trombose venosa, EXCETO: A) Dosagem do D-dímero, que avalia o produto de degradação da fibrina. B) Flebografia, exame ideal para avaliar essa suspeita, deve ser a primeira opção propedêutica. C) Ressonância magnética, importante para diagnóstico de lesão no interior da pelve. D) Duplex scan, que tem menor sensibilidade no estudo da panturrilha, quando comparado com lesões de localizações proximais em MMII. QUESTÃO 4 Em relação à antibioticoprofilaxia em pacientes cirúrgicos, assinale a alternativa CORRETA. A) Deve-se evitar o emprego de antibióticos de primeira linha. B) Nas cirurgias que envolvem o cólon, seu uso dispensa o preparo mecânico. C) O uso de associações deve ser incentivado. D) Visa à erradicação das bactérias patogênicas. CLÍNICA MÉDICA QUESTÃO 5 Em relação à vitamina B12, analise as afirmativas a seguir: I. A gastrite autoimune (anemia perniciosa) é a causa mais comum de deficiência grave de vitamina B12. II. Doses orais (1.000 a 2.000mcg/dia) são tão eficazes quanto injeções intramusculares mensais na correção das anormalidades hematológicas e neurológicas. III. Sua deficiência causa anemia megaloblástica reversível, doença neurológica desmielinizante, ou ambas. A partir dessa análise, pode-se concluir que estão CORRETAS as afirmativas: A) I e II apenas. B) I e III apenas. C) II e III apenas. D) I, II e III. 3

4 QUESTÃO 6 Considere o caso clínico em que um paciente está internado há quatro semanas, com politraumatismo, em coma devido a traumatismo crânioencefálico, recebendo dieta por cateter naso-entérico, vem evoluindo nos últimos dias com diarreia e distensão abdominal. O eletrocardiograma mostra ondas T achatadas e o aparecimento de ondas U. Esse quadro é compatível com: A) hipercalcemia. B) hipercalemia. C) hipocalemia. D) hiponatremia. QUESTÃO 7 Sobre o medicamento que pode desencadear uma crise tireotóxica, assinale a alternativa CORRETA. A) Amiodarona. B) Fenobarbital. C) Furosemida. D) Lítio. QUESTÃO 8 Sobre a AIDS, analise as afirmativas a seguir: I. A infecção primária pelo HIV, frequentemente, se apresenta como uma síndrome semelhante à mononucleose, manifestando-se com uma febre, exantema, faringite, mal estar e linfadenopatia. II. A principal causa de meningite nesses pacientes é a meningocócica, geralmente ocorrendo quando a contagem de linfócitos CD4 está abaixo de 200/mm³. III. Linfoma primário do sistema nervoso central é o tumor cerebral mais comum nesses pacientes, sendo considerado uma manifestação tardia da doença. A partir dessa análise, pode-se concluir que estão CORRETAS as afirmativas: A) I e II apenas. B) I e III apenas. C) II e III apenas. D) I, II e III. GINECOLOGIA / OBSTETRÍCIA QUESTÃO 9 Considere a situação clínica em que uma paciente primigesta, gestação de 37 semanas, apresentou trabalho de parto de cerca de 20 horas. O terceiro período durou mais de 2 horas. Sobre a situação clínica descrita, assinale a alternativa que apresenta, CORRETAMENTE, o risco esperado. A) Hemorragia por hipotonia uterina. B) Hemorragia por laceração do colo. C) Inversão uterina e choque. D) Hemorragia por descolamento placentário. QUESTÃO 10 Considere a situação clínica em que uma paciente primigesta, gestação de 38 semanas, procura atendimento de urgência devido amniorrexe espontânea e líquido esverdeado espesso. Esse caso sugere: A) descolamento prematuro de placenta. B) sofrimento fetal. C) óbito fetal. D) incompatibilidade sanguínea materno-fetal. QUESTÃO 11 Considere o caso clínico em que uma paciente do sexo feminino, 55 anos, pós-menopásica, com hipertensão, diabetes, e uma história de ovário policístico queixa-se de sangramento vaginal por duas semanas. A amostragem endometrial mostra poucos fragmentos de endométrio atrófico. É iniciada a terapia de reposição de estrogênio. A paciente continua a ter vários episódios de sangramento vaginal três meses depois. Diante desse caso clínico, assinale a alternativa que apresenta, CORRETAMENTE, a conduta a ser adotada. A) Teste de CA-125 sérico. B) Observação constante e tranquilização da paciente. C) Terapia de reposição de estrogênio sem oposição. D) Exame histeroscópico. 4

5 QUESTÃO 12 Segundo a orientação do Ministério da Saúde, o exame preventivo para câncer do colo do útero deve ser realizado A) em todas as mulheres com vida sexual ativa anualmente. Não há necessidade de realizá-lo se não houver atividade sexual há mais de três anos. B) anualmente, independente da faixa etária e repetido a cada seis meses em caso de NICIII. C) anualmente, em todas as mulheres com vida sexual ativa. Caso o período de coleta coincida com a gestação, o exame deve ser adiado para o puerpério. D) em mulheres de 25 a 60 anos de idade, uma vez por ano, e, após dois exames anuais consecutivos negativos, a cada três anos. PEDIATRIA QUESTÃO 13 Considerando o atendimento ao recém-nascido, assinale a alternativa INCORRETA. A) O recém-nascido pré-termo é aquele com idade gestacional inferior a 37 semanas. B) O recém-nascido é pequeno para a idade gestacional (PIG) quando o peso de nascimento é inferior ao percentil 10. C) Nos recém-nascidos saudáveis, a primeira consulta deverá ser realizada com 1 mês de vida, segundo o Ministério da Saúde. D) O recém-nascido a termo em aleitamento materno exclusivo não necessita de ingerir água no primeiro semestre de vida. QUESTÃO 14 Considerando o desenvolvimento e crescimento das crianças e adolescentes, é INCORRETO afirmar que: A) o recém-nascido pode perder cerca de 10% do peso nos primeiros dias de vida, sem significar uma alteração patológica. B) durante os dois primeiros anos, o corpo apresenta a maior velocidade de crescimento pós-natal. C) o início da puberdade é definido pelo aparecimento da pilosidade pubiana e axilar nos meninos e nas meninas. D) o estirão do crescimento ocorre quando a velocidade de crescimento do corpo aumenta novamente na puberdade. QUESTÃO 15 Considerando o atendimento ao adolescente, assinale a alternativa INCORRETA. A) Em nenhum momento, o adolescente deverá ser consultado separadamente do familiar ou responsável. B) O exame físico do adolescente segue as normas gerais estabelecidas para um adulto. C) Toda adolescente com atividade sexual deve passar por exame ginecológico completo. D) As atividades em grupo são muito úteis na abordagem dos adolescentes com problemas médicos. QUESTÃO 16 Considerando as infecções de vias aéreas superiores em crianças e adolescentes, é CORRETO afirmar que: A) a otite média é a infecção mais comum das vias aéreas superiores na infância. B) o tratamento de escolha para faringoamigadalite bacteriana é a penicilina. C) a radiografia dos seios da face é essencial para o diagnóstico de sinusite aguda em crianças. D) a epiglotite se instala lentamente e o agente principal é o vírus Influenza. 5

6 SAÚDE PÚBLICA QUESTÃO 17 Os Estudos Epidemiológicos constituem-se em importantes ferramentas para a construção do conhecimento médico. O conhecimento das características de seus diversos tipos permite ao médico fazer interpretações corretas para sua prática. A esse respeito, assinale a alternativa INCORRETA. A) Nos estudos observacionais descritivos, a formação correta do grupo controle é de grande importância para correção de seus resultados. B) Os estudos analíticos permitem o estabelecimento de associação causal. C) Os estudos de coortes prospectivos ou concorrentes são desenvolvidos a partir de grupos de pessoas sem a doença a ser investigada. D) A maior diferença entre um ensaio clínico e um estudo de coorte prospectivo é a distribuição ao acaso das pessoas estudadas no ensaio clínico. QUESTÃO 18 Em relação aos níveis de atenção à saúde, assinale a alternativa CORRETA. A) A promoção da saúde não se dirige a qualquer tipo específico de doença; visa, sim, ao bem-estar geral do indivíduo. B) A proteção específica visa ao diagnóstico e tratamento precoce, para que as sequelas sejam evitadas. C) O tratamento de uma doença é considerado como prevenção primária, quando realizado precocemente. D) Os programas de rastreamento contribuem de forma importante para a prevenção primária, evitando a ocorrência de sequelas. QUESTÃO 19 As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS) são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no artigo 198 da Constituição Federal de 1988, obedecendo ainda a princípios organizativos e doutrinários. Em relação a essas diretrizes e doutrinas, assinale a alternativa INCORRETA. A) Têm por objetivo a universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência. B) Têm como objetivo a integralidade de assistência, com prioridade para as atividades assistenciais, sem prejuízo das atividades preventivas. C) Têm como princípio a descentralização políticoadministrativa com direção única em cada esfera de governo. D) Reforçam as ações favoráveis à regionalização e hierarquização. QUESTÃO 20 Alguns indicadores são úteis para a organização do sistema de saúde, especialmente para sua gestão. Considerando as definições desses indicadores utilizados pelo SUS, assinale a alternativa INCORRETA. A) Razão de sexos é o número de homens para cada grupo de 100 mulheres, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. B) Grau de urbanização é o percentual da população residente em áreas urbanas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. C) Mortalidade proporcional por idade é a distribuição percentual dos óbitos, na população da mesma faixa etária residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. D) Taxa bruta de natalidade é o número de nascidos vivos, por mil habitantes, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. 6

7 BLOCO B CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 21 HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA A anemia, do ponto de vista fisiopatológico, é melhor definida como sendo: A) Redução do número de hemácias. B) Redução do valor do hematócrito. C) Redução da concentração de hemoglobina. D) Redução da concentração de hemoglobina corpuscular média. QUESTÃO 22 Considerando os índices hematimétricos, o que representa a quantidade de hemoglobina contida em cada hemácia é: A) MCV. B) RDW. C) CHCM. D) HB. QUESTÃO 23 O hemograma é o ponto de partida para a classificação das anemias e orientação diagnóstica dos casos a esclarecer. A esse respeito, assinale a alternativa INCORRETA. A) A presença de alterações nas series branca e plaquetária pode sinalizar para diagnósticos específicos. B) A intensidade da microcitose é irrelevante para os diagnósticos das anemias. C) Macrocitoses intensas quase sempre se acompanham de hipocromia. D) Anemias aplásticas tendem a ser normocíticas e normocrômicas. QUESTÃO 24 Sobre as anemias hemolíticas adquiridas, assinale a alternativa CORRETA. A) Sempre são acompanhadas de alterações significativas dos índices hematimétricos. B) A morfologia das hemácias tende a mostrar falcização devido ao trauma intravascular. C) Não são acompanhadas de elevações enzimáticas significativas. D) Podem ocorrer devido a alterações de enzimas intraeritrocitárias. QUESTÃO 25 Das patologias a seguir, qual é a que NÃO cursa com quadro de anemia hemolítica. A) Babesioses. B) Trypanosomiasis. C) Parvovirose. D) Diabetes mellitus. INSTRUÇÃO Leia o caso clínico a seguir para responder as questões de 26 a 29. Paciente de 19 anos de idade procura pronto-socorro com quadro de hemorragias gengivais, epistaxe e fraqueza. Avaliação clínica inicial mostra que ele está anêmico, taquicárdico e com elevação de temperatura axilar (38,3 o C). O baço era aumentado, estava sob a RCE, assim como o fígado que se projetava por 5cm além da RCD. Avaliação laboratorial mostrou que o paciente apresentava níveis elevados de escórias nitrogenadas, provas de função hepática normais e o hemograma mostrava: Hb 6,7g%; Leucócitos global : /mm3; Plaquetas: /mm3; e a contagem diferencial revelou que 95% das células brancas eram blastos (células grandes com grânulos, bastonetes de Auer e nucléolos evidentes). QUESTÃO 26 Considerando esse caso, é CORRETO afirmar que: A) trata-se de um caso de leucemia mieloide crônica em crise blástica, pois há esplenomegalia. B) o diagnóstico de leucemia aguda não é ainda certo, pois pode se tratar de mielodisplasia com excesso de blastos. C) trata-se de um caso de leucemia mieloide aguda, mas há necessidade de melhor caracterização por citometria de fluxo e cariótipo. D) esse é um caso de mielodisplasia que evolui para leucemização, pois as visceromegalias são bastante expressivas. QUESTÃO 27 O conjunto de exames que poderiam ajudar mais na condução clínica desse caso é: A) Mielograma, biópsia de medula óssea e imunohistoquímica. B) Mielograma, imunofenotipagem e cariótipo da medula óssea. C) Cariótipo de medula óssea, biópsia de medula e citoquímica de medula óssea. D) Biópsia de medula óssea, imuno-histoquímica e análise do líquor. 7

8 QUESTÃO 28 Na hipótese do paciente desse caso ter 72 anos ao invés de 19 anos de idade, assinale a alternativa INCORRETA. A) Pacientes idosos com leucemias agudas não precisam de avaliações laboratoriais extensas, pois apresentam sempre mau prognóstico. B) A idade não é um impedimento ao tratamento desses pacientes. C) O tratamento deve ser adaptado às condições clínicas dos pacientes. D) Pacientes muito idosos e com muitas comorbidades podem ser tratados apenas conservadoramente com tratamento de suporte. QUESTÃO 29 O tratamento de suporte inicial, para casos como o relatado, deve contemplar sempre que possível, as seguintes medidas, EXCETO: A) controle da hiperuricemia. B) colocação de cateter venoso central tunelizado. C) estabelecimento de medidas de controle de infecções. D) uso de bloqueadores de canal de cálcio para controle de eventual hipercalcemia paraneoplásica. QUESTÃO 32 Sobre as leucemias linfoblásticas agudas, assinale a alternativa CORRETA. A) São originadas em precursores de células B e T. B) Adultos apresentam a mesma incidência de fatores de mau prognóstico que as crianças. C) Pacientes portadores de cromossoma Philadelphia que entram em remissão rapidamente têm prognóstico bom. D) Na maioria dos casos, pode-se encontrar um fator causal conhecido. QUESTÃO 33 Sobre o tratamento de adultos portadores de leucemia linfoide aguda, assinale a alternativa CORRETA. A) Devem ser tratados de modo intensivo, pois, embora tenham pior prognóstico que crianças, muitos podem ser curados. B) A presença de fatores de mau prognóstico nesse paciente é irrelevante já que a idade por si só, define uma evolução pior para adultos. C) Adultos podem ser tratados com protocolos para LMA que são mais intensivos e eficazes. D) Não podemos indicar transplante de medula óssea alogênico em primeira remissão, pois a maioria dos pacientes deve ser curada com quimioterapia. QUESTÃO 30 As fases de tratamento de leucemias agudas compreendem diversas etapas. Sobre essas etapas, é CORRETO afirmar que: A) a indução de remissão envolve o uso simultâneo de múltiplas drogas em conjunto ou em uma sequencia lógica de administração. B) a consolidação da remissão exige o uso de drogas diferentes das usadas na indução. C) a fase chamada de intensificação pode ser feita com medicação oral e em doses continuadas por longo prazo. D) a profilaxia de infiltração no SNC é sempre feita com altas doses de quimioterapia. QUESTÃO 31 O mieloma múltiplo pode se manifestar clinicamente pelos seguintes mecanismos, EXCETO: A) Efeito de massa levando a compressões. B) Produção de citocinas. C) Imunossupressão. D) Hipocalcemia. QUESTÃO 34 Considere o caso clínico a seguir: Paciente de 63 anos de idade apresenta, durante exames de rotina, uma eletroforese de proteínas séricas com presença de pico monoclonal na região de gamaglobulinas (proteína M); o valor absoluto dessa proteína foi de 3,0g% e o restante das proteínas estavam dentro da normalidade. Veio encaminhado para esclarecimento diagnóstico trazendo exames gerais que mostravam os seguintes resultados: hemograma normal, ureia, creatinina, glicose e provas de função hepática, normais. Sobre esse caso, a propedêutica complementar indicada para melhor esclarecer esse quadro é: A) realização de dosagem de cadeia leve livre e dosagem de cálcio sérico. B) imunoeletroforese e dosagem de cadeia leve livre. C) mielograma, cariótipo, imunofenotipagem e radiografia de ossos. D) mielograma, ressonância magnética de crânio e biópsia de medula óssea. 8

9 QUESTÃO 35 As células leucêmicas são capazes de maturarem e se diferenciarem, mesmo que de forma imperfeita. Considerando isso pode-se observar leucemias mieloides agudas com características morfológicas de diversos tipos. Nesse contexto, assinale a forma a seguir, que NÃO é tipicamente observada na prática clínica. A) Leucemia megacariocítica. B) Eritroleucemia. C) Leucemia mielomonocítica crônica. D) Leucemia eosinofílica aguda. QUESTÃO 36 Dentre os fatores a seguir, assinale aquele que NÃO pode ser relacionado a prognóstico em pacientes portadores de mieloma múltiplo. A) Nível sérico de Beta 2 microglobulinas. B) Alterações citogenéticas complexas. C) Negativação da imunofixação e da DRM (doença residual mínima) detectada por citometria de fluxo pós-transplante autólogo. D) Presença de fraturas ao diagnóstico. QUESTÃO 37 Pacientes portadores de mieloma múltiplo podem apresentar um grande número de infecções durante a evolução da doença. Dentre os patógenos a seguir, assinale a alternativa que indica, CORRETAMENTE, quais são os mais observados em pacientes crônicos recebendo tratamento com melfalan e corticoide por longo tempo. A) Bactérias capsuladas e vírus da varicela. B) Fungos filamentosos e citomegalovírus. C) Bactérias gram negativas resistentes e estáfilococos multirresistentes. D) Bactérias gram negativas e mycobactérias atípicas. QUESTÃO 38 São complicações que podem ser observadas em pacientes recebendo medicação para mieloma múltiplo e relacionadas ao tratamento, EXCETO: A) tromboembolismo arterial. B) neuropatia periférica. C) osteonecrose de mandíbula. D) infecções. QUESTÃO 39 Quanto ao acometimento medular pelo mieloma múltiplo, é CORRETO afirmar que: A) pode ser difuso ou focal. B) mostra células sempre com o mesmo grau de maturação, já que são clonais. C) a medula óssea sempre está hiperplásica, pois a infiltração aumenta o volume celular da medula. D) mesmo em pacientes muito tratados, nunca apresenta alterações displásicas. QUESTÃO 40 Assinale a alternativa que indica, CORRETAMENTE, qual a causa de morte mais frequente em pacientes portadores de mieloma múltiplo. A) Insuficiência renal crônica. B) Distúrbios hidroeletrolíticos. C) Infecções. D) Embolismo gorduroso por fraturas ósseas. QUESTÃO 41 O linfoma de Hodgkin pode ser subdividido em dois grupos, a saber: A) linfomas de Hodgkin foliculares e difusos. B) linfoma de Hodgkin clássico e linfoma de Hodgkin com predominância linfocitária. C) linfoma de Hodgkin clássico e linfoma de Hodgkin com depleção linfocitária. D) linfoma de Hodgkin nodal e linfoma de Hodgkin extramedular. QUESTÃO 42 Sobre o linfoma de Hodgkin, assinale a alternativa CORRETA. A) A célula que o origina é um linfócito T precursor. B) Tem como característica o aparecimento de células grandes, uninucleadas, que se assemelham a grandes plasmócitos (células de Hodgkin). C) As células que caracterizam a doença se originam em linfócitos B maduros. D) Normalmente, na biópsia de gânglios, observase um aspecto monótono com predominância absoluta de células de Reed Sternberg. 9

10 QUESTÃO 43 Anticorpos monoclonais podem ser utilizados no tratamento de pacientes portadores de linfoma de Hodgkin nas suas duas formas, que são: A) anticorpos anti CD20 e anti CD30. B) anticorpos anti CD20 e anti CD38. C) anticorpos anti CD3 e anti CD19. D) anticorpos anti CD45 e anti CD30. QUESTÃO 44 Sobre o estadiamento de pacientes portadores de linfoma de Hodgkin, assinale a alternativa CORRETA. A) Pode seguir a classificação de Ann Arbor ou a de Rai modificada. B) O estadiamento clínico é definido pelos resultados de exame físico, de laboratório e das biópsias realizadas no paciente. C) O estadiamento não mudou desde sua concepção no início dos anos 70. D) Em pacientes jovens, assintomáticos, em estádio I ou II, pode-se omitir a realização de biópsia de medula óssea, pois a chance de positividade é muito baixa. QUESTÃO 45 Quanto ao tratamento de pacientes jovens portadores de linfoma de Hodgkin, com doença avançada, estádio IV, o tratamento de escolha mais usado atualmente é: A) quimioterapia com esquema MOPP ou híbrido (MOPP/ABVD). B) quimioterapia com ABVD. C) quimioterapia ABVD e radioterapia em manto associada nas áreas de doença volumosa. D) radioterapia isolada, deixando a quimioterapia para casos recivados. QUESTÃO 46 No que se refere à pacientes portadores de linfoma de Hodgkin em primeira recidiva precoce, é CORRETO afirmar que: A) podem ser curados com esquemas alternativos de quimioterapia na maioria dos casos. B) devem ter sua doença controlada com quimioterapia e imediatamente considerada a possibilidade de um transplante autólogo de medula óssea. C) jovens devem ser considerados para transplante alogênico de medula óssea, caso tenham um doador familiar compatível, logo na primeira recidiva. D) são pacientes de difícil manejo e quase sempre necessitam de combinação de radioterapia e quimioterapia. QUESTÃO 47 O tratamento de pacientes com linfoma de Hodgkin pode provocar muitas complicações agudas e crônicas. Dentre as complicações a seguir, assinale aquela que NÃO é comumente associada ao tratamento desses pacientes. A) Hiperemese. B) Mielodisplasia e leucemia secundária. C) Insuficiência renal crônica. D) Esterilidade. QUESTÃO 48 Pacientes portadores de Linfoma de Hodgkin podem apresentar vários sintomas constitucionais ao diagnóstico, EXCETO: A) febre. B) sudorese noturna. C) dor nos gânglios, acometidos após ingestão de álcool. D) mialgia generalizada. QUESTÃO 49 Considere o caso clínico a seguir: Paciente, sexo feminino, hígida até então, 63 anos de idade é encaminhada para avaliação de linfocitose. Está assintomática, tem boa performance física e em exame de rotina foi encontrada a presença de leucocitose, com linfocitose absoluta /mm³, sendo o restante do hemograma normal. O exame físico da paciente é normal, não sendo observadas adenomegalias ou visceromegalias. Sobre esse caso, assinale a alternativa CORRETA. A) Trata-se de paciente portadora de linfocitose reacional pelo quadro clínico. B) A repetição do exame e a avaliação da medula óssea por mielograma e imunofenotipagem devem ser suficientes para a elucidação diagnóstica e o acompanhamento da paciente. C) Nesse caso, será mandatório realizar FISH e pesquisa de mutação de IGHV, pois isto define o prognóstico da paciente. D) Pesquisa de presença de EBV no genoma dos linfócitos deve ser avaliada, pois esse vírus está presente com frequência em casos de linfocitoses reacionais. 10

11 QUESTÃO 50 Pacientes com leucemia linfocítica crônica apresentam no seu perfil epidemiológico as seguintes características, EXCETO: A) o risco de aparecimento da doença que aumenta progressivamente com a idade. B) a leucemia mais prevalente na população adulta na nossa sociedade. C) a leucemia linfocítica crônica é mais frequente em homens do que em mulheres. D) a exposição à radiação é uma causa comum de leucemia linfocitica crônica, especialmente entre japoneses. QUESTÃO 51 Em pacientes portadores de leucemia linfocítica crônica, qual dos fatores a seguir confere o pior prognóstico a eles? A) Deleção do braço curto do cromossoma 17 e mutação TP 53. B) Presença de sintoma B ao diagnóstico. C) Idade maior que 60 anos de idade ao diagnóstico. D) Doença acometendo mulheres em idade fértil. QUESTÃO 54 Assinale a alternativa que apresenta, CORRETAMENTE, o tratamento mais apropriado para pacientes idosos, já tratados anteriormente, portadores de comorbidades, que se apresentam com linfocitose intensa e rapidamente progressiva, associada a anemia e plaquetopenia. A) Tratamento conservador (Watch and wait). B) Quimioterapia com FC-R em doses plena. C) Uso de clorambucil oral associado ou não a corticoide. D) Uso de Rituximabe associado a altas doses de metilprednisolona. QUESTÃO 55 A situação que determina uma conduta agressiva, do ponto de vista terapêutico, para pacientes portadores de leucemia linfocítica crônica é: A) o aparecimento de anemia hemolítica autoimune. B) o aparecimento de Transformação de Richter no quadro do paciente. C) o aumento do volume de gânglios intraabdominais. D) a redução do nível de imunoglobulinas séricas. QUESTÃO 52 Pacientes portadores de leucemia linfocítica crônica podem apresentar fenômenos autoimunes durante a evolução da doença, sendo os mais frequentes: A) artrite reumatoide e púrpura imunológica. B) artrite reumatoide e anemia hemolítica. C) anemia hemolítica e púrpura imunológica. D) todas as doenças autoimunes são igualmente esperadas nesses pacientes. QUESTÃO 53 Considerando a avaliação de fatores de risco (prognóstico) para pacientes portadores de leucemia linfocítica crônica, assinale a alternativa que indica, CORRETAMENTE, o momento mais adequado para a pesquisa de alterações cromossômicas por FISH e da presença de mutação do PT53. A) No momento do diagnóstico. B) No momento em que se decide indicar tratamento. C) Na avaliação pré transplante de medula óssea. D) Na recidiva após tratamento de primeira linha. INSTRUÇÃO Leia a situação clínica a seguir para responder as questões 56 e 57. Um hematologista é chamado ao pronto-socorro para avaliação de um paciente de 18 anos de idade com quadro de febre, fraqueza, astenia, cansaço fácil e aumento do abdome, de evolução de aproximadamente dois meses, mas com piora rápida na última semana; o paciente se considerava hígido até então. Ao exame físico, o paciente mostrava palidez cutânea e sinais de emagrecimento e hiperpnéia. Abdome volumoso, com massa de forma irregular ocupando todo o lado esquerdo do abdome e grande parte do epigástrio. Hepatoesplenomegalia, de dimensões difíceis de serem caracterizadas devido ao deslocamento induzido pela massa abdominal. Não foram observadas adenomegalias ou outras alterações. Avaliação laboratorial inicial mostrou que o paciente apresentava elevação de ureia, creatinina e ácido úrico. O hemograma apresentava anemia (Hb10,5g%), leucócitos e plaquetas com valores e distribuição normais. QUESTÃO 56 A hipótese diagnóstica mais provável para esse paciente é: A) linfoma de Hodgkin. B) leucemia linfocítica crônica com transformação de Richter. C) linfoma de Burkitt, forma abdominal. D) linfoma da zona marginal esplênico leucemizado. 11

12 QUESTÃO 57 As condutas imediatas mais indicadas para a condução dessa situação clínica são: A) internar o paciente, fazer TC de abdome, mielograma e biópsia de medula óssea. B) internar o paciente, realizar avaliação cirúrgica para providências de biópsia da massa abdominal, controle da condição hidroeletrolítica e fazer tomografia de abdome e tórax. C) hidratar o paciente, realizar biópsia de medula óssea, mielograma, tomografia de abdome e encaminhar o paciente para controle ambulatorial. D) realizar biópsia por agulha da massa abdominal, hidratar o paciente e continuar a propedêutica em ambulatório. QUESTÃO 58 A combinação que apresenta situações que necessitam ser avaliadas para presença de alterações clonais que indicariam se tratar do caso de mielodisplasia é: A) anemia aplástica e HPN. B) neutropenia familiar e HPN. C) fasciite eosinofílica e neutropenia familiar. D) anemia aplástica e quadros trombofílicos. QUESTÃO 59 Em relação à pacientes portadores de linfoma folicular e sua doença, assinale a alternativa CORRETA. A) Esses linfomas são os mais frequentes na população adulta e evoluem de modo agressivo. B) São originados em células precursoras T do centro germinativo. C) Normalmente, os pacientes se apresentam com adenomegalias indolores, de evolução lenta e podem apresentar sintomas constitucionais. D) Em jovens, com frequência, apresentam-se de modo agressivo, com massas volumosas e visceromegalias. QUESTÃO 60 Para pacientes portadores de linfomas foliculares, ao diagnóstico, as alternativas terapêuticas a seguir podem ser consideradas, EXCETO: A) observação apenas da evolução da doença. B) uso de quimioterapia com droga única ou combinações de drogas. C) uso de anticorpos monoclonais isoladamente ou em combinação com quimioterapia. D) nos casos mais agressivos, o uso de esquemas com poliquimioterapia intensa (tipo LLA) deve ser considerado. QUESTÃO 61 Sobre as síndromes mielodisplásicas ou mielodisplasias, é CORRETO afirmar que: A) apresentam um espectro de distúrbios clonais de precursores mieloides que produzem quadro de hematopoiese ineficaz evidente. B) não possuem fatores causais bem definidos. C) acometem igualmente adultos jovens e idosos. D) nunca são vistos em crianças, pois como são doenças crônicas precisam de tempo para evoluir. QUESTÃO 62 Pacientes portadores de mielodisplasias podem apresentar várias manifestações clínicas, EXCETO: A) dermatose neutrofílica (síndrome de Sweet). B) neoplasias diversas em incidência aumentada. C) síndromes inflamatórias de natureza imunológica. D) coagulação intravascular disseminada nos casos de AREB-T. QUESTÃO 63 O índice internacional de prognóstico das mielodisplasias (IPSS) se baseia nos parâmetros a seguir para classificar os pacientes portadores dessa patologia, EXCETO: A) número de blastos na medula óssea, cariótipo e presença de citopenias. B) número de blastos no sangue periférico, imunofenotipagem e aspecto citológico. C) presença de alterações clonais, imunofenotipagem e presença de citopenias. D) cariótipo, sintomas clínicos e número de blastos na medula óssea. QUESTÃO 64 Assinale a alternativa que indica, CORRETAMENTE, os tratamentos que devem ser considerados para pacientes jovens, portadores de mielodisplasias com índice internacional de prognóstico das mielodisplasias (IPSS) alto. A) Tratamento de suporte apenas, quimioterapia em baixas doses e interferon alfa. B) Agentes hipometilantes, quimioterapia para LMA e transplante alogênico de medula óssea. C) Tratamento de suporte, transfusões de hemoderivados e uso de G-CSF e eritropoietina. D) Transplante autólogo de medula óssea após uso de agentes hipometilantes e uso de fatores de crescimento. 12

13 QUESTÃO 65 Nas policitemias, o fenômeno hematopoiético que se observa é: A) o aumento da massa medular mieloide com consequente aumento da massa eritrocitária periférica. B) o aumento da massa eritrocitária sanguínea que pode ser acompanhada do aumento de leucócitos e plaquetas nos casos de natureza clonal. C) o aumento da massa eritrocitária sanguínea e redução do volume medular por distribuição irregular da eritropoiese. D) o aumento dos níveis de hemoglobina por macrocitose, pois as hemácias passam a conter mais hemoglobina no seu interior. QUESTÃO 66 No tratamento das policitemias secundárias são consideradas as seguintes situações, EXCETO: A) flebotomias. B) uso de aspirina ou outro anticoagulante. C) uso de inibidores de JAK2. D) tratamento do fator causal quando ele for definido. QUESTÃO 69 Para pacientes portadores de trombocitose, observada no hemograma, deve-se considerar para seu diagnóstico, EXCETO: A) anemia ferropriva. B) trombocitemia essencial. C) infecção aguda ou inflamação. D) diabetes mellitus insulinodependente. QUESTÃO 70 Pacientes grávidas podem apresentar anemia de natureza diversa. A causa mais comum de redução dos níveis de hemoglobina em pacientes sadias é: A) ferropenia. B) hemodiluição. C) deficiência de ácido fólico. D) perdas sanguíneas. QUESTÃO 67 No processo evolutivo de pacientes portadores de policitemia vera, pode-se observar com mais frequência a seguinte situação: A) progressão para leucemia linfocítica crônica nos casos com mais de dez anos de evolução. B) aparecimento de leucemia mieloide aguda em um número pequeno, mas significativo de pacientes. C) evolução para falência medular por exaustão após poucos anos de evolução. D) evolução de modo crônico, mas a morte, em geral, não se relaciona à doença. QUESTÃO 68 Assinale a alternativa que apresenta, CORRETAMENTE, qual a combinação de problemas clínicos é observada com mais frequência em pacientes portadores de policitemia vera. A) Tromboses e hemorragias. B) Hemorragias e emagrecimento. C) Tromboses e insuficiência hepática. D) Síndrome de Budd-Chiari e prurido. 13

14 14

15 FOLHA DE RESPOSTAS (RASCUNHO) AO TRANSFERIR ESSAS MARCAÇÕES PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, OBSERVE AS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS DADAS NA CAPA DA PROVA. USE CANETA ESFEROGRÁFICA AZUL OU PRETA.

16 ATENÇÃO: AGUARDE AUTORIZAÇÃO PARA VIRAR O CADERNO DE PROVA.

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 A respeito do diagnóstico do Mieloma Múltiplo, qual entre as alternativas não representa um critério de diagnóstico? A) Componente M na Urina. B) Cálcio sérico >12mg/dl.

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral Doenças hematológicas tumorais Leucemias Linfomas Mieloma múltiplo Macrogobulinemia de Waldenstrom: discrasia de células plasmáticas com

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

APROVADO. Guia de Referencia~ao- Marca~ao de Primeiras consultas ANEMIAS MACROCITOSES TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOSES GAMAPATIAS MONOCLONAIS

APROVADO. Guia de Referencia~ao- Marca~ao de Primeiras consultas ANEMIAS MACROCITOSES TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOSES GAMAPATIAS MONOCLONAIS Guia de Referencia~ao- Marca~ao de Primeiras consultas ANEMIAS MACROCITOSES TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOSES APROVADO (Conselho de Administrac;;ao, reuniao de 19.01.2012) GAMAPATIAS MONOCLONAIS LEUCOPENIA

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica. Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mieloproliferativa Crônica. Sabemos que as informações médicas são cercadas, na maior parte das

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Linfomas. O que você deve saber sobre

Linfomas. O que você deve saber sobre Linfomas O que você deve saber sobre Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Comunicação & Marketing Diólia

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Bianca

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA TRANSPLANTE DE RIM ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE SEQ RESIDÊNCIA

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Tema: O que sabemos sobre PTI (Púrpura Trombocitopênica Idiopática)? Total atingido de pessoas na sala: 29 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante.

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. 17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. Tipos de Leucemia Leucemia mielóide aguda () 45% Leucemia linfocítica crônica (LLC) 30% Leucemia mielóide crônica (LMC)

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais