Hepatite B. Dr. José Eymard Medeiros Filho, MD PhD Professor Associado, Universidade Federal da Paraíba Fortaleza, Ceará 04 de dezembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hepatite B. Dr. José Eymard Medeiros Filho, MD PhD Professor Associado, Universidade Federal da Paraíba Fortaleza, Ceará 04 de dezembro de 2014"

Transcrição

1 Hepatite B Dr. José Eymard Medeiros Filho, MD PhD Professor Associado, Universidade Federal da Paraíba Fortaleza, Ceará 04 de dezembro de 2014

2 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSE Em conformidade com a RDC 96 de 17/12/2008, declaro que: Nos últimos 12 meses, participei como palestrante em simpósios e/ou recebi apoio para congressos de MSD Roche Gilead Abbvie Janssen

3 Importância global do HBV >350 milhões de indivíduos cronicamente infectados 15-40% evoluem para cirrose e/ou carcinoma hepatocelular Cerca de 1 milhão de mortes / ano diretamente relacionadas ao HBV Sorrell MF, et al. Ann Intern Med. 2009;150:

4 Pacientes VHB+ que não replicam tem sobrevida quase igual a da população geral... Probabilidade de sobrevida (%) Portadores inativos 95% Mutantes pré-core HBeAg positivos 50% 40% Fattovich G et al, Gut 2008; 57:

5 Supressão do VHB diminui chance de descompensação, HCC e morte Complicações da cirrose (%) Placebo (n=215) Lamivudina com mutação YMDD (n=209) Lamivudina sem mutação YMDD (n=221) 21% 15 13% % Lamivudina (meses de tratamento) Liaw Y-F, et al, N Engl J Med 2004

6 % HCC Benefícios da supressão da replicação Regressão da fibrose Menor risco de HCC Aumento da sobrevida Histologia antes do tto Placebo n=215 Lamivudina n= HBeAg (+) Anos de f-up Após 3 anos de HBV DNA (-) Niederau et al, Anos de tratamento HBeAg (-) Anos de f-up Chang TT, et al. Hepatology 2010 Liaw et al, NEJM Papatheodoridis et al, 2001

7 Objetivo do tratamento Supressão sustentada do HBV DNA EASL Clinical Practice Guidelines. J Hepatol, 2012 Lok & McMahon. AASLD Clinical Practice Guidelines. Hepatology, 2009

8 As quatro fases da hepatite crônica B Imuno tolerância Imuno eliminação Portador inativo Mutante pré-core HBeAg positivo HBeAg negativo DNA ALT N DNA ALT Tratar DNA / (-) ALT N DNA ALT Tratar

9 Várias opções de análogos: como decidir? LAM LdT ADV Adefovir ETV Entecavir TDF Tenofovir?

10 Resistência Genotípica (%) Chance de resistência com diferentes análogos Ausência quase total de resistência com drogas de alta potência e boa barreira genética Anos < < 1 1, LAM ADV ETV LdT TDF 0 0

11 SELECAO DO TRATAMENTO

12 Em que Fase o Paciente se Encontra? Imunotolerância Portador crônico inativo do vírus B Hepatite crônica: HBeAg (+)* HBeAg (- ) mutante pré-core* Doença hepática compensada* Doença hepática descompensada* AASLD Practice Guidelines - Hepatology 45:507-39, 2007

13 Em que Fase o Paciente se Encontra? Imunotolerância Portador crônico inativo do vírus B Hepatite crônica: HBeAg (+)* HBeAg (- ) mutante pré-core* Doença hepática compensada* Doença hepática descompensada* AASLD Practice Guidelines - Hepatology 45:507-39, 2007

14 Fase de Imunotolerância do Vírus B Pode durar 20 a 30 anos HBsAg reagente por MAIS de 6 meses ALT e ou AST persistente normal Elevada carga viral (> ui/ml) HBeAg reagente Na biópsia hepática, caso seja realizada, pouca inflamação Não tem indicação de tratar Mais frequente transmissão vertical

15 Duas visões Por que esperar? Tratar Todos Risco de CHC, cirrose Acompanhar Tratar se mudar Possível subgrupo precisa tratar World J Hepatol 2014;6:

16 História Natural Imunotolerante Seguimento 40 pacientes imunotolerante F0=20, F1=20 ==== Alterações mínimas Seguimento de 37,7 meses em 31 casos Ocorreu perda de tolerância em 12 (38%) Média de idade 30,7 anos PCIVB em 6 casos Hepatite crônica em 3 casos Elevação transitória da ALT em 3 casos Clin Gastroenterol Hepatol 2007;5:636

17 História Natural Imunotolerante Seguimento 57 pacientes imunotolerante F0 ou F1 biópsia inicial Alterações mínimas Seguimento de 5 anos nova biópsia Ocorreu elevação ALT 9/57 (15,8%) Quem permaneceu ALT nl pouco alterou Bx 3 de 48 (ALT nl) vs 5 de 9 (ALT elevada) p=0,001 Progressão fibrose: 0 u/ano (-0,40 a 0,20 u/ano) ALT nl vs 0,21 u/ano (0 a 1.11 u/ano) ALT elevada p=0,04 Hepatology 2007;46:395

18 História Natural Imunotolerante Seguimento 57 pacientes imunotolerante F0 ou F1 biópsia inicial Alterações mínimas Seguimento de 5 anos nova biópsia Ocorreu elevação ALT 9/57 (15,8%) Quem permaneceu ALT nl pouco alterou Bx 3 de 48 (ALT nl) vs 5 de 9 (ALT elevada) p=0,001 Progressão fibrose: 0 u/ano (-0,40 a 0,20 u/ano) ALT nl vs 0,21 u/ano (0 a 1.11 u/ano) ALT elevada p=0,04 Hepatology 2007;46:395

19 Gastroenterology 2008;134: pacientes HBeAg (+), ALT normais 40% F2-F3 Clin Gastroenterol Hep 2009;7: pacientes imunotolerante > 35 anos, ALT nls fibroscan sugestivo de fibrose avançada em 35%

20 Gastroenterology 2014;146: N= 126 pacientes tratados durante 192 semanas Perda do HBeAg ocorreu em apenas 5% em 4 anos de tratamento, entretanto 98% apresentam elevação HBV-DNA na 4 a semana após suspender tratamento Calcula que 23 anos de tratamento seriam necessário para soroconversão HBeAg anti-hbe, e 33 anos HBsAg anti-hbs

21 Gastroenterology 2014;146:

22 E os consensos? AASLD American Association of the Study of Liver Disease APASL Asian Pacific Association for the Study the Liver EASL European Association for the Study of the Liver Protocolo Clínico MS Brasil 2009

23 Recomendações Primeiramente definir em que fase da infecção se encontra o paciente. Tratar o imunotolerante nestas condições: Gestante HBsAg (+) com carga viral muito elevada administrar Tenofovir no 3 0 trimestre Imunotolerante que submeterá imunossupressão prolongada Pacientes acima de 30 a 40 com história familiar de cirrose e/ou CHC Pacientes acima de 30 anos fibroscan ou biópsia sugere fibrose ( F2), mesmo ALT normal

24 Em que Fase o Paciente se Encontra? Imunotolerância Portador crônico inativo do vírus B Hepatite crônica: HBeAg (+)* HBeAg (- ) mutante pré-core* Doença hepática compensada* Doença hepática descompensada* AASLD Practice Guidelines - Hepatology 45:507-39, 2007

25 HEPATITE CRÔNICA POR VHB QUEM DEVE SER TRATADO? HBsAg Positivo Portador inativo/ hepatite crônica leve Neg HBeAg Pos Cirrose descompensada Monitorar cada 3-6 meses HBV DNA < 10 4 cp/ml ALT normal 3-6 meses Zona cinzenta Considerar biópsia hepática HBV DNA >10 4 cp/ml ALT elevada 3-6 meses Considerar terapia Considerar terapia/ referir para TX

26 Imunossupressão prolongada em indivíduo com sorologia VHB positiva

27 O VHB transforma os hepatócitos numa fábrica de vírus... cccdna Werle-Lapostolle B, et al. Gastroenterology. 2004;126:

28 Linfócitos T citotóxicos (CD8+) atacam os hepatócitos infectados e replicação viral T cell cccdna T cell T cell Werle-Lapostolle B, et al. Gastroenterology. 2004;126:

29 Imunossupressão prolongada aumenta a replicação do VHB DNA cccdna T cell T cell HIV Corticóide Quimio Biológicos T cell Werle-Lapostolle B, et al. Gastroenterology. 2004;126:

30 Diminuição da imunossupressão pode causar reconstituição imunológica e dano hepático ALT T cell T cell cccdna T cell T cell T cell Werle-Lapostolle B, et al. Gastroenterology. 2004;126:

31 Efeito da imunossupressão no VHB HBeAg+ HBeAg- anti-hbe+ HBeAg+ Imunotolerância Imunoeliminação Portador inativo HBV DNA 1 Imunosupressão DNA ALT 0-30 anos Meses-anos Meses-anos Hoofnagle JH. Hepatology. 2009;49(5 suppl):s156-s165.

32 Efeito da imunossupressão no VHB HBeAg+ HBeAg- anti-hbe+ HBeAg+ Imunotolerância Imunoeliminação Portador inativo HBV DNA 1 2 Imunosupressão Reconstituição imunológica DNA ALT ALT 0-30 anos Meses-anos Meses-anos Hoofnagle JH. Hepatology. 2009;49(5 suppl):s156-s165.

33 Várias drogas podem causar reativação do VHB Anti-TNF ou CD-20 (infliximab, adalimumab, etanercept, rituximab, Ciclosporina ) Quimioterápicos (doxorubicinarituximab, Cisplatina, vincristina ) Agentes imunomoduladores Antimetabólitos (metotrexate, fluoracil ) Corticóide (prednisona, budesonida) Análogos da purina (azatioprina/6mp) Roche B, et al. Liver Int. 2011;31(suppl 1):

34 Pacientes (%) Alto risco de reativação com quimioterapia 27 pacientes HBsAg+ com linfoma NH em quimioterapia Reativação do VHB 22 Icterícia 8 Insuficiência Hepática 4 Morte Lok AS, et al. Gastroenterology. 1991;100:

35 Pacientes (%) Risco especialmente alto com corticóide 50 pacientes HBsAg+ com linfoma NH randomizados para epirubicina/ciclofosfamida/etoposida (ACE) ± prednisolona (P) * *P <.05 ACE ACE-P * 28* * Reativação ALT >10 x LSN Icterícia Cheng AL, et al. Hepatology. 2003;37:

36 Rituximab merece atenção especial!!! Anticorpo monoclonal contra células B (anti-cd20) Usado em vários esquemas de quimioterapia Reduz níveis de anticorpos circulantes Pode reativar o VHB até mesmo em pacientes HBsAg(-) com anti-hbs(+) Causa sororeversão: Retorno do HBsAg+ em pacientes HBsAg-negativos por perda do controle imunológico Yeo W, et al. Hepatology. 2006;43: Papamichalis P, et al. Clin Res Hepatol Gastroenterol. 2012;36:84-93.

37 Pacientes (%) Rituximab reativa o VHB em indivíduos HBsAg(-) Pacientes HBsAg negativos com anti-hbc isolado Todos com linfoma difuso de células B Esquema CHOP versus CHOP-R (rituximab) CHOP (n = 25) CHOP-R (n = 21) Sororeversão (volta do HBsAg+) 5 Morte relacionada ao VHB Yeo W, et al. J Clin Oncol. 2009;27:

38 Fatores de risco para reativação do VHB Tipo de neoplasia Linfoma NH: 40-60% CA mama: ±40% Duração da quimio Tipo de drogas Prednisona Rituximab Infliximab Carga viral HBV DNA > UI/ml HBeAg positivo Sorologia VHB HBsAg+ > anti-hbc+ Dados demográficos Homens > mulheres >50 anos Yeo W, et al. Hepatology. 2006;43: Hwang & Lok. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology. 2014; 11:

39 Potência DROGAS ANTI-VHB Nucleosídeo análogos Nucleotídeo análogos LAM FTC LdT telbivudina ETV TDF entecavir tenofovir lamivudina emtricitabina ADV adefovir IFN Barreira Genética

40 Escolha do tipo de antiviral usado Carga viral basal antes da quimioterapia DNA-VHB <2.000 UI/ml: qualquer um (até LAM) DNA-VHB >2.000 UI/ml: entecavir ou tenofovir Duração do tratamento > 12 meses: entecavir ou tenofovir Monitorização HBV DNA: cada 3 meses ALT: cada 3 meses EASL. J Hepatol. 2009;50: Lok AS, et al. Hepatology. 2009;50: Hwang & Lok. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology. 2014; 11:

41 Quando iniciar e quando parar o antiviral Quando iniciar Idealmente pouco antes ou junto com a quimioterapia Mas não vale a pena atrasar o início da quimioterapia Quando parar DNA-VHB basal >2.000 UI/ml: alto risco de rebote continuar tratamento igual ao indicado para hepatite crônica B DNA-VHB basal <2.000 UI/ml Tratar até 6 a 12 meses após quimioterapia Após a interrupção DNA-VHB e ALT mensais por ±3-6 meses EASL. J Hepatol. 2009;50: Lok AS, et al. Hepatology. 2009;50: Hwang & Lok. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology. 2014; 11:

42 Anti-HBc IgG+ com HBsAg negativo Baixo risco de reativação Maioria indica esperar DNA elevar para começar tratamento Considerar profilaxia em caso de: Pacientes com cirrose Uso de Rituximab Transplante de medula Manzano-Alonso ML, et al. World J Gastroenterol. 2011;17:

43 Manejo do VHB na imunossupressão Antes de iniciar imunossupressão pesquisar HBsAg, anti-hbc IgG e anti-hbs em todos HBsAg+ HBV DNA Positivo HBsAg-, anti-hbc+ HBV DNA < UI/ml UI/ml Positivo Negativo LAM ou ETV/TDF até 6-12m pós-tto ETV/TDF como hepatite B crônica DNA e ALT ± cada 6 meses Iniciar imunossupressão Testar HBsAg e DNA mensalmente durante todo tratamento Anti-HBc IgG+ isolado: iniciar profilaxia se F4, uso de Rituximab ou Tx de medula Lok AS, et al. Hepatology. 2009;50: ; EASL. J Hepatol. 2009;50: ; Feld J. CCO 2014

44 Tratamento da Hepatite crônica B Até quando manter os NUCs

45 Quando suspender o tratamento? HBeAg positivo HBeAg negativo IFN: 4 a 6 meses PEG: 12 meses Análogos: 6 a 12 meses após a soroconversão do HBeAg?ou do HBsAg? IFN: 12 a 24 meses PEG: 12 a 24 meses Análogos: possível parar após a soroconversão do HBsAg (<1%/ano) ou após anos de HBV Dna negativo?

46 Tratmento do pte HBeAg-Positivo principais aspectos para tratamento As drogas escolhidas devem ter alta potencia e baixo risco de resistencia Tenofovir: 0% aos 5 anos (0% em LMVr) Entecavir: <1-2% aos 4-5 anos Peg-IFN: sem problemas Seroconversão HBeAg/AntiHBe é almejada Duração do tratamento depende do desfecho Perda do HBsAg é desejada, mas é rara Lok A, AASLD Guidelines, 2009 Ono, J Hepatol 2012;57:508-14

47 Eficácia das terapias preferidas nos ptes HBeAg-Positivos Duração follow-up (anos) HBeAg Seroconversão HBsAg clearance Peg-IFN* 3 25% 8-11% Entecavir 3-5 anos 31-42% 1-7% Tenofovir 3-4 anos 19-31% 11% * Sem contar a resposta terapeutica Marcellin P,. N Engl J Med. 2008;359: Buster E Gastroenterology 135; ; Gish, R, Gastroenterology : ; Heathcote, Gastroenterology 2011; 140(1):132-43; Chang L, Hepatology 2010; 2010;51: \; Yeun MF, Am J Gastroenterol March 2011; Ono A J Hepatol May.; Lok AS, Gastroenterology in press

48 Durabilidade da seroconversão HBeAg/Anti HBe com NUCs Resultados conflitantea na literatura Durabilidade de 30-90% Possiveis casas de variabilidade Nivel de HBV DNA no momento da interrupção Duração da consolidação Idade O medicamento Dienstag JL, Hepatology 2003;37: Song BC Hepatology 2000;32:803-6 Tseng TC, J Infect Dis 2012;206: N=42 NUCs tratados com seroconversão FU 56 meses 44% de recidiva do HBeAg e 50% HBV DNA >10K copias/ml Reijnders Gastroenterology. 2010;139:491-8

49 Hepatite Cronica B HBeAg-positivo Implicações das novas evidencias cientificas na prática clinica Seroconversão HBeAg/antiHBe não é sempre duravel: Monitore reativação Considere manter tratamento por mais tempo para consolidar e resposta ou buscar a perda do HBsAg Sem evidencias para terapeutica combinada em pacientes naive tratados com drogas podentes e com elevada Barreira Genética (TDF/ETV)

50 Tratamento da Hepatite cronica B HBeAg-Negativo Pilares Drogas potentes com elevada barreira genética em naives Tenofovir: 0% aos 4 anos Entecavir: 1-2% aos 3-4 anos Peg-IFN = sem problemas Supressão do HBV DNA é objetivo principal Seroconversão HBsAg/anti Hbe é altamente desejavel Mais frequente com peg-ifn do que NUCs Com NUCs tratamento prolongado para HBsAg/Anti HBs Melhor parametro para suspender NUCs

51 Durabilidade da Resposta Virológica Response apos a terapia com ETV em Pts HBeAg-negativos Estudo Retrospectivoprospectivo, Pts HBeAg-neg CHB tratados com ETV, N=95 41% cirrose 59% previo tratamento Regras de parada HBV DNA UD 3 vezes, cada 6 meses a parte Duração média 24 meses Consolidação média 62 sem Follow-up 12 meses Nenhum perdeu HBsAg durante ou após o tratamento Taxa de Recidiva = HBV DNA >2000 IU/mL e ALT 2 ULN 55% 45% Jeng WJ, Hepatology, 2013, in press

52 Tratamento do HBV Sumário HBV se controla, mas não cura Se suprimir a replicação viral, reduz incidencia de complicações O tratamento é indicado em Pts com doença ativa (Histologica) ou fibrose Tenofovir, entecavir e peg-ifn Riscos x Beneficios devem ser individualizados Objetivos mais ambiciosos do tratamento Perda do HBsAg, desejado, mas infrequente Suspensão do tratamento mais segura com negativação do HBsAg.

Normas de Orientação Clínica da EASL: Abordagem da infeção crónica pelo vírus da hepatite B

Normas de Orientação Clínica da EASL: Abordagem da infeção crónica pelo vírus da hepatite B da EASL: Abordagem da infeção crónica pelo vírus da hepatite B Associação Europeia para o Estudo do Fígado* Introdução O nosso conhecimento da história natural da infeção pelo vírus da hepatite B (VHB)

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 HEPATITE B Relatores dos Temas: Esther Dantas Correa, João

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA,DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA HEPATITE B

EPIDEMIOLOGIA,DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA HEPATITE B EPIDEMIOLOGIA,DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA HEPATITE B Prof. Marcelo Simão Ferreira Faculdade de Medicina UFU PRESIDENTE DA SOC. BRAS. DE INFECTOLOGIA HBV: marcadores Componentes Sorologia Antígeno s

Leia mais

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM)

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM) Tratamento Clínico da Hepatite B e Coinfecções ANEXOS ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir 1 Lamivudina (3TC, LAM) A lamivudina (3TC) foi o primeiro análogo de nucleosídeo

Leia mais

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

Leia mais

Guias Práticas da Organização Mundial de Gastroenterologia. Hepatite B. Setembro de 2008

Guias Práticas da Organização Mundial de Gastroenterologia. Hepatite B. Setembro de 2008 Guias Práticas da Organização Mundial de Gastroenterologia Hepatite B Setembro de 2008 Equipe de revisão J. Heathcote (Presidente, Canadá), Z. Abbas (Paquistão), A. Alberti (Itália), Y. Benhamou (França),

Leia mais

Avanços no tratamento da hepatite pelo vírus B

Avanços no tratamento da hepatite pelo vírus B Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(4):451-462, jul-ago, 2007 ARTIGO DE REVISÃO/REVIEW ARTICLE Avanços no tratamento da hepatite pelo vírus B Advances in the treatment of hepatitis

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

Resistência ao adefovir, entecavir e telbivudina no tratamento da hepatite B crônica

Resistência ao adefovir, entecavir e telbivudina no tratamento da hepatite B crônica UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Resistência ao adefovir, entecavir e telbivudina no tratamento da hepatite B crônica Tamires Couto

Leia mais

HEPATITES VIRAIS: EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

HEPATITES VIRAIS: EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO HEPATITES VIRAIS: EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Programa de Educação Médica Continuada CREMESP MARCIA VILLANOVA Divisão de Gastroenterologia Departamento de Clínica Médica HCFMRP-USP HEPATITE

Leia mais

Hepatites B e C: diagnóstico e tratamento

Hepatites B e C: diagnóstico e tratamento Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Pediatria Disciplina de Gastroenterologia Hepatites B e C: diagnóstico e tratamento Especializanda Adélia Souza de Lima Sanches

Leia mais

Co-infecção HIV-VHB. Prof. Marcelo Simão Ferreira Serviço de Infectologia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Uberlândia-MG

Co-infecção HIV-VHB. Prof. Marcelo Simão Ferreira Serviço de Infectologia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Uberlândia-MG Co-infecção HIV-VHB Prof. Marcelo Simão Ferreira Serviço de Infectologia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Uberlândia-MG Co-infecção HIV-VHB Epidemiologia HIV e VHB compartilham as mesmas vias

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Prevalência da HVC entre pacientes HIV(+) Published or presented 1990-2001 Canada: 69% Germany: 13.8 52%

Leia mais

7 HEPATOAIDS. Hamilton Bonilha. Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14

7 HEPATOAIDS. Hamilton Bonilha. Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14 7 HEPATOAIDS Uso de boceprevir em coinfectados HCV-HIV HIV Hamilton Bonilha Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14 Declaração de conflito de interesse Declaro que nos últimos 36 meses

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções MINISTÉRIO DA SAÚDE Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções BRASÍLIA DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento

Leia mais

ANA LUIZA DE CASTRO CONDE TOSCANO

ANA LUIZA DE CASTRO CONDE TOSCANO ANA LUIZA DE CASTRO CONDE TOSCANO Evolução dos marcadores sorológicos da hepatite B, AgHBs e AgHBe, em pacientes AgHBs positivos coinfectados com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) Dissertação apresentada

Leia mais

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Associação Paulista para o Estudo do Fígado Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Fabrício Guimarães Souza -FMUSP- 1- Indicações e problemas do tratamento 2- Condições

Leia mais

Hepatite C Casos Clínicos

Hepatite C Casos Clínicos DIA MUNDIAL DE ENFRENTAMENTO DAS HEPATITES VIRAIS Hepatite C Casos Clínicos Dr. Bernardo Machado de Almeida Hospital de Clínicas UFPR H. Municipal São José dos Pinhais Curitiba, 28 de julho de 2014 Para

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Antivirais incorporados no Brasil para hepatite B crônica: análise de custo-efetividade

Antivirais incorporados no Brasil para hepatite B crônica: análise de custo-efetividade Rev Saúde Pública 2013;47(4):769-80 Prática Saúde Pública Artigo Original DOI: 10.1590/S0034-8910.2013047004529 Gustavo Laine Araújo de Oliveira I Alessandra Maciel Almeida II Anderson Lourenço da Silva

Leia mais

Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais

Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais Quando? Prof. Henrique Sérgio Moraes Coelho HEPATOAIDS 2014 Guidelines e mais guidelines!!! AASLD 2009,2011,2014

Leia mais

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde.

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Carine Raquel Blatt; Fabíola Bagatini Buendgens; Junior André

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

Diagnóstico molecular das Hepatites

Diagnóstico molecular das Hepatites Diagnóstico molecular das Hepatites B e C : novos algoritmos Dra REGINA CÉLIA MOREIRA Pesquisadora Científica VI - Instituto Adolfo Lutz SP regina.moreira7@gmail.com Vírus da hepatite B Partícula viral

Leia mais

Hepatite B Crônica: Tratamento

Hepatite B Crônica: Tratamento Autoria: Sociedade Brasileira de Hepatologia Sociedade Brasileira de Infectologia Sociedade Brasileira de Clínica Médica Elaboração Final: 30 de junho de 2009 Participantes: Strauss E, Sette Jr H, Nobre

Leia mais

Hepatites B e C Trabalho de Biologia Turma 12 Professor Cesar Fragoso José Carlos Teixeira Altomari - nº 15 Leonardo Da Costa Guimarães - nº 17 Pedro Henrique de Siqueira Vogas - nº 25 Pedro Luis Guimarães

Leia mais

A Imunossupressão e a Reativação do Vírus da Hepatite B

A Imunossupressão e a Reativação do Vírus da Hepatite B Ana Elisa Monteiro Serôdio Mestrado Integrado em Medicina Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto 2013/2014 Orientação: Dra. Isabel Pedroto Porto, 2014 A Imunossupressão e a

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Hepatite B. Riscos, prevenção e tratamento. Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico. European Liver Patients Association

Hepatite B. Riscos, prevenção e tratamento. Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico. European Liver Patients Association Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico Hepatite B Riscos, prevenção e tratamento European Liver Patients Association F. De Renesselaan, 57 B - 3800 Sint-Truiden, Belgium email: contact@elpa-info.org Caro paciente,

Leia mais

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA Departamento de Clínica Médica Disciplina de Gastroenterologia PROTOCOLO DE TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON E RIBAVIRINA. INTRODUÇÃO A hepatite C vem sendo

Leia mais

Métodos Não Invasivos para Avaliação da Fibrose Hepática: Experiência com a Elastografia Hepática

Métodos Não Invasivos para Avaliação da Fibrose Hepática: Experiência com a Elastografia Hepática Métodos Não Invasivos para Avaliação da Fibrose Hepática: Experiência com a Elastografia Hepática Dr. Humberto O. Galizzi Gastro- Hepatologista Membro da Sociedade Brasileira de Hepatologia Membro do Serviço

Leia mais

Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease?

Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease? Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease? Adalgisa Ferreira Nucleo de Estudos do Fígado HU-UFMA 2014 TRATAMENTO DA HEPATITE CRÔNICA C & IRC Consenso

Leia mais

HEPATITE B - Anti HBs

HEPATITE B - Anti HBs HEPATITE B - Anti HBs Material: soro Sinônimo: Anti -HBsAg Volume: 1,0 ml Método: Eletroquimioluminescência - ECLIA Volume Lab.: 1,0 ml Rotina: Diária Temperatura: Refrigerado Coleta: Jejum recomendado,

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease?

Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease? Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease? UFRJ Prof Cristiane Alves Villela Nogueira! Universidade Federal do Rio de Janeiro! Hepa%te C e Manifestações extrahepá%cas

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 HEPATITES VIRAIS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 6 ABORDAGEM SINDRÔMICA... 7 6.1 Hepatites virais agudas...

Leia mais

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)...

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)... NT93/2013 Solicitante: Ilmo Dr Anacleto Falci 2ª Juiz de Direito Auxiliar Especial 7ª Vara Cível - Comarca de Governador Valadares/MG Data: 14/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração:

Leia mais

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO EM ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO AO RISCO BIOLÓGICO ASSIS 2013 Página 1 de 7 COMISSÃO DE PREVENÇÃO

Leia mais

HEPATITES VIRAIS. A perspectiva do clínico

HEPATITES VIRAIS. A perspectiva do clínico HEPATITES VIRAIS A perspectiva do clínico CASO 1 Paciente de 28 anos, apresenta sintomas de mal-estar geral, anorexia, náuseas e fraqueza há 1 semana. Há 2 dias notou que a urina estava mais escura, os

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE ÍNDICE I INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TUMORES DO FÍGADO. José Velosa

TUMORES DO FÍGADO. José Velosa TUMORES DO FÍGADO José Velosa Tumores Primitivos do Fígado Benignos Tumores epiteliais Hepatocelular Adenoma Hiperplasia nodular focal Hiperplasia nodular regenerativa Epitélio biliar Adenoma ducto biliar

Leia mais

Tratamento da Cirrose Biliar Primária. Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia Santa Casa do Rio de Janeiro

Tratamento da Cirrose Biliar Primária. Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia Santa Casa do Rio de Janeiro Tratamento da Cirrose Biliar Primária Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia Santa Casa do Rio de Janeiro Doenças hepáticas auto-imunes HAI CBP CEP Overlap Syndromes (ano: 2001) HAI CBP

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

TRATAMENTO DA HEPATITE C: ESTADO DA ARTE. PARA ALÉM DOS CONSENSOS.

TRATAMENTO DA HEPATITE C: ESTADO DA ARTE. PARA ALÉM DOS CONSENSOS. TRATAMENTO DA HEPATITE C: ESTADO DA ARTE. PARA ALÉM DOS CONSENSOS. Mª Lurdes Gonçalves Unidade Gastrenterologia, Hospital Espírito Santo - Évora Reunião do NGHD Guimarães, Novembro 2006 Tratamento da Hepatite

Leia mais

Diagnóstico e tratamento da hepatite B

Diagnóstico e tratamento da hepatite B Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 33(4):389-400, jul-ago, 2000. ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO Diagnóstico e tratamento da hepatite B Diagnosis and treatment of hepatitis B Marcelo Simão Ferreira

Leia mais

Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008. 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos

Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008. 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos Consumo Alcoólico na Europa WHO 2008 Europa 4% da mortalidade global 7,9 % de anos de vida perdidos WHO report

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR I OFICINA DE HEPATITES HEMOCE DESAFIOS E PERSPETIVAS NO CONTROLE DA HEPATITE B Elodie Bomfim Hyppolito Coordenadora do Ambulatório de

Leia mais

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 HEPATITE C PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor

Leia mais

Resistência aos Inibidores de NS5A

Resistência aos Inibidores de NS5A II FÓRUM DE HIV E HEPATITES VIRAIS DA SOCIEDADE PAULISTA DE INFECTOLOGIA MESA REDONDA: REPERCUSSÃO CLÍNICA DA RESISTÊNCIA AOS ANTIVIRAIS DE AÇÃO DIRETA NA HEPATITE C Resistência aos Inibidores de NS5A

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO HEPATITE B em portadores de IRC Prevalência de HBsAg (+) em pacientes

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO QUAIS OS OBJETIVOS?

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

Abordagem do paciente Cirrótico. Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES

Abordagem do paciente Cirrótico. Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES Abordagem do paciente Cirrótico Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES 7 o HEPATOAIDS 24/04/2014 Declaração de conflito de interesse Declaro que sou Professor de Gastroenterologia da

Leia mais

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE AVALIAÇÃO DO STATUS SOROLÓGICO Conhecida Solicitar consentimento para a realização dos seguintes exames: HBs Ag, Anti-HBc IgM+IgG, Anti-HCV e Anti-HIV (teste rápido para HIV*) Desconhecida Material de

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? XVI WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO, 2012 Marcos Caseiro Médico Infectologista IIER-II Santos SP Centro de Referência em AIDS de Santos

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm?

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? Gustavo Rêgo Coêlho! Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia! Serviço de Cirurgia I e Transplante de Fígado! Hospital Universitário Walter Cantídio!

Leia mais

História natural da hepatite crônica B

História natural da hepatite crônica B ARTIGO DE REVISÃO/REVIEW ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(6): 672-677, nov-dez, 2007 História natural da hepatite crônica B Natural history of chronic hepatitis B José Carlos

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO 1 FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO FLUXOGRAMA DAS MEDIDAS A SEREM ADOTADAS APÓS O ACIDENTE BIOLÓGICO E OS CUIDADOS COM O ACIDENTADO: 1) PACIENTE FONTE ASSINA TERMO DE CONSENTIMENTO (pág 2); 2) COLHER EXAMES

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Hospital São José; São Paulo, SP Introdução Câncer de próstata castração-resistente (CRPC) A maioria dos

Leia mais

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais A B C D E DO DIAGNÓSTICO PARA AS HEPATITES VIRAIS Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

Revisão sistemática da eficácia do interferon alfa (convencional, peguilado) e lamivudina para o tratamento da hepatite crônica B

Revisão sistemática da eficácia do interferon alfa (convencional, peguilado) e lamivudina para o tratamento da hepatite crônica B REVISÃO REVIEW 1667 Revisão sistemática da eficácia do interferon alfa (convencional, peguilado) e lamivudina para o tratamento da hepatite crônica B Efficacy of interferon (conventional, pegylated) and

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEPATOLOGIA LAURA ALVES DE SOUZA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEPATOLOGIA LAURA ALVES DE SOUZA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEPATOLOGIA LAURA ALVES DE SOUZA Desfecho clínico dos pacientes residentes em Porto Alegre, notificados no

Leia mais

1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 CMY

1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 CMY 1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 C M Y CM MY CY CMY K Sumário 05 - Apresentação 07 - Introdução 14 - Transmissão Vírus da Hepatite B (VHB) 16 - Diagnóstico Vírus da Hepatite C (VHC) Diagnóstico laboratorial

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais O Fígado Limpa o sangue Regula os hormônios Ajuda na coagulação sanguínea Produz bile Produz proteínas importantes Mantém o nível de açúcar sanguíneo Etc O

Leia mais

HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV)

HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV) HIV/Aids Hepatites Virais Crônicas (HBV/HCV) Epidemiologia Paula V. M. Toledo Infectologista SVS SESA Infecções virais crônicas O quadro agudo pode ser assintomático Evoluem para a forma crônica permanece

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROCESSOS INTERATIVOS DOS ÓRGÃOS E SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROCESSOS INTERATIVOS DOS ÓRGÃOS E SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROCESSOS INTERATIVOS DOS ÓRGÃOS E SISTEMAS TAÍS GARDENIA SANTOS LEMOS LOPES PERFIL LINFOCITÁRIO DE INDIVÍDUOS

Leia mais

Tratamento Antirretroviral na Falha

Tratamento Antirretroviral na Falha AIDS NO NORTE-NORDESTE DO BRASIL Tratamento Antirretroviral na Falha Mônica Jacques de Moraes Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Fortaleza, 4 a 6 de dezembro

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

Hepatites virais: B, C e D: atualização*

Hepatites virais: B, C e D: atualização* ARTIGO DE REVISÃO Hepatites virais: B, C e D: atualização* Viral hepatitis: B, C and D: an update Alessandro Lisboa da Silva 1, Rodrigo Roger Vitorino 2, Vanderson Esperidião-Antonio 1, Elaine Travaglia

Leia mais

Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM

Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM Diagnóstico Laboratorial do HIV, HBV e HCV Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM 1981 uma nova síndrome descrita pelo Dr Kaposi-sarcoma (KS) Michael Gottlieb Gottlieb M.S.,

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Métodos Sorológicos Complexos (Comerciais) VII WIAH 29 e 30 de agosto de 2014 Prof Dra Dominique Muzzillo - UFPR

Métodos Sorológicos Complexos (Comerciais) VII WIAH 29 e 30 de agosto de 2014 Prof Dra Dominique Muzzillo - UFPR Métodos Sorológicos Complexos (Comerciais) VII WIAH 29 e 30 de agosto de 2014 Prof Dra Dominique Muzzillo - UFPR 1.Por que usar métodos não invasivos? 1.Por que usar métodos não invasivos? Para tentar

Leia mais

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 05/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0145.12.082745-9/001 Impetrato: Secretaria de Saúde de Juiz de Fora Data: 20/01/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com:

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com: NÚMERO: 0/05 DATA: /06/05 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP). Idade pediátrica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV 2004 Brasília DF 2004 RECOMENDAÇÕES

Leia mais

Hepatite B: Vacina R. PARANÁ

Hepatite B: Vacina R. PARANÁ Hepatite B: Vacina R. PARANÁ Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Unidade de Gastro-Hepatologia Representação esquemática do VHB Figura 1: Estrutura do Vírus da Hepatite B Core Icosaédrico

Leia mais

Contribuições da Consulta Pública a respeito do Maraviroque - CONITEC - 2012

Contribuições da Consulta Pública a respeito do Maraviroque - CONITEC - 2012 ? 3 1 2 24/07/2012 01:43 24/07/2012 08:33 24/07/2012 09:01 recoemndações das principais guias internacionais de tratamento de HIV/AIDS, com HIV. EACS: =article&id=59&itemid=41 DHHS: http://www.aidsinfo.nih.gov/contentfiles/lvguidelines/adultandadolescentgl.p

Leia mais

Identificação da mutação A1762T/G1764A do vírus da hepatite B em pacientes de Porto Alegre

Identificação da mutação A1762T/G1764A do vírus da hepatite B em pacientes de Porto Alegre UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UFCSPA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEPATOLOGIA Adaliany Cecilia da Silva Souza Identificação da mutação A1762T/G1764A do vírus da hepatite B em pacientes

Leia mais

Avaliação pré-tratamento com os DAA

Avaliação pré-tratamento com os DAA Avaliação pré-tratamento com os DAA Como lidar com a baixa elegibilidade ao tratamento em coinfectados HCV-HIV? Dra. Aline Gonzalez Vigani Médica Infectologista Grupo de Estudos das Hepatites Virais -

Leia mais

Recife, Junho de 2011

Recife, Junho de 2011 Recife, Junho de 2011 Mário Reis Álvares-da-Silva Professor Adjunto-Doutor de Hepatologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre mras@terra.com.br Declaração de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO OLYSIO. APRESENTAÇÕES Cápsulas duras de 150 mg de simeprevir em blíster com 28 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO OLYSIO. APRESENTAÇÕES Cápsulas duras de 150 mg de simeprevir em blíster com 28 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO OLYSIO simeprevir sódico cápsulas APRESENTAÇÕES Cápsulas duras de 150 mg de simeprevir em blíster com 28 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula dura contém 154,4

Leia mais