PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE CLÍNICA MÉDICA"

Transcrição

1 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA CM 01. Paciente 72 anos, masculino, com história de episódios de ausência, desenvolve quadro de febre, sensório rebaixado, associados a tosse e o exame de imagem do tórax mostra opacidades multifocais irregulares. Qual hipótese diagnóstica mais provável para esse quadro? A) Pneumonia viral. B) Pneumonia pneumocóccica. C) Boncoaspiração. D) Vasculite. E) Edema agudo de pulmão. CM 02. Paciente, sexo feminino, 48 anos com história de fadiga. Que níveis de glicemia de jejum e de glicemia pós-prandial seriam mais sugestivos do diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2, respectivamente? A) 98 mg% e 230 mg%. B) 110 mg% e 128 mg%. C) 118 mg% e 142 mg%. D) 97 mg% e 145 mg%. E) 99 mg% e 190 mg%. CM 03. Paciente 54 anos procurou assistência médica com queixa de astenia e palidez progressivas. Ao exame apresentava-se com hepatoesplenomegalia, leucocitose com escalonamento até mielócito e cromossomo Filadélfia. A hipótese diagnóstica mais provável é A) calazar. B) leucemia mieloide aguda. C) linfoma. D) leucemia mieloide crônica. E) síndrome mielodisplásica. CM 04. São objetivos precoces no tratamento do choque séptico A) PVC mmhg, PAm > 55 mmhg, SVC > 80%. B) PVC 8-12 mmhg, PAm > 65 mmhg, SVC > 70%. C) PVC mmhg, PAm > 55 mmhg, SVC > 70%. D) PVC 8-12 mmhg, PAm > 65 mmhg, SVC > 80%. E) PVC 8-12 mmhg, PAm > 55 mmhg, SVC > 70%. CM 05. Devido à frequente ocorrência neutropenia induzida por droga, qual dos medicamentos abaixo é contraindicado em paciente neutropênico? A) Buspirona. B) Lítio. C) Venlafaxina. D) Clozapina. E) Sertralina. 1

2 CM 06. Qual dos achados abaixo favorece o diagnóstico de nefrite intersticial aguda? A) Rins de tamanho diminuído. B) Eosinofilúria. C) Proteinúria nefrótica. D) Creatinina normal. E) Hematúria macroscópica. CM 07. Homem de 45 anos chega à emergência com dor torácica típica que iniciou há duas horas sem dispneia. É hipertenso, fumante e tem uma malformação arteriovenosa cerebelar. Seu eletrocardiograma mostra supradesnivelamento de ST em parede inferior. Qual a principal conduta nas primeiras 12h? A) Aspirina. B) Clorpidogrel. C) Enoxaparina. D) Estreptoquinase. E) Angioplastia coronariana primária. CM 08. Na análise de uma radiografia de tórax você observa linhas radiopacas horizontais com cerca de um cm de comprimento e poucos milímetros de espessura na periferia de ambos os lobos inferiores justapleurais. Em qual das doenças abaixo esse achado pode ser visto? A) Asbestose. B) Estenose mitral. C) Embolia pulmonar. D) Tuberculose miliar. E) Pneumonia por atípicos. CM 09. Em relação às anemias e seus aspectos fisiopatológicos, assinale a alternativa correta. A) A anemia ferropriva se caracteriza pela deficiência quantitativa de células progenitoras hematopoéticas (anemia normocítica). B) As talassemias têm como principal mecanismo fisiopatológico a deficiência na síntese de DNA e na divisão celular dos precursores eritroides (anemias macrocíticas/megaloblásticas). C) A hemoglobinúria paroxística noturna caracteriza-se por deficiência do heme durante a diferenciação das células eritroides, tal como a mielodisplasia. D) A anemia secundária a insuficiência renal tem como um dos principais aspectos fisiopatológicos a deficiência da eritropoetina. E) A anemia secundária a deficiência de cobalamina atua principalmente na síntese da globina durante a diferenciação das células eritroides (anemia microcítica). CM 10. Dentre as alternativas abaixo, qual NÃO constitui síndrome hereditária associada a câncer de cólon? A) Polipose adenomatosa familiar. B) Neurofibromatose. C) Câncer hereditário não polipoide de cólon. D) Síndrome de Peutz-Jeghers. E) Síndrome de Gardner. 2

3 CM 11. Principal causa subjacente de infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e doença vascular periférica é A) obesidade abdominal. B) hipercolesterolemia. C) diabetes mellitus tipo 2. D) aterosclerose. E) hipertensão. CM 12. Está incluída entre os fatores associados a desenvolvimento de lúpus eritematoso sistêmico A) reposição hormonal de estrogênio Y. B) exposição a raios ultravioleta. C) exposição a antígenos bacterianos. D) ingestão de álcool. E) utilização de contraceptivo oral. CM 13. Na insuficiência renal associada a sepse grave, indique a resposta correta. A) O uso de hemodiálise seis vezes por semana é melhor que a convencional. B) O controle intensivo da glicemia com insulina reduz a letalidade. C) A administração de bicarbonato de sódio melhora a resposta a vasopressores. D) Uso de antagonista de receptor H-2 reduz o risco de sangramento digestivo. E) O uso de baixas doses de dopamina reduz a necessidade de suporte renal. CM 14. Sobre a cistinúria é correto afirmar. A) Deve ser diagnosticada logo ao nascimento. B) Pode comprometer pulmões, músculos e olhos. C) Em geral, origina cálculos radiotransparentes. D) Aumento do volume e alcalinização da urina são indicados para tratar. E) Distúrbio no túbulo renal distal constitui o mecanismo básico da doença. CM 15. O parkinsonismo está mais associado com qual dos medicamentos abaixo? A) Metroclopramida. B) Diazepan. C) Penicilina. D) Propranolol. E) Dipirona. CM 16. Paciente portador de doença linfoproliferativa desenvolve quadro de cefaleia progressiva, que depois de 24 horas evolui com convulsão e torpor. Ao exame, apresenta rigidez de nuca. Líquor apresenta 430 leucócitos, com 60% de polimorfonucleares, 60 mg% de glicose e 70 mg% de proteína. A coloração pelo GRAM evidenciou bacilos GRAM positivos. Qual é a etiologia mais provável para esse quadro? A) Staphylococcus auereus. B) Neisseria meningitidis. 3

4 C) Haemophilus influenza. D) Listeria monocytogenes. E) Escherichia coli. CM 17. Em relação à transmissão de vírus da imunodeficiência adquirida (HIV), é correto afirmar. A) Pessoas em uso regular de antiretrovirais podem transmitir HIV. B) A lubrificação do preservativo com vaselina torna-o mais resistente. C) Sexo orogenital sem preservativo é seguro. D) Uso de espermicida pós-coito elimina o risco da transmissão. E) Aciclovir está indicada para profilaxia pós-exposição a secreções. CM 18. Paciente em tratamento para tuberculose com esquema básico procurou assistência médica por apresentar icterícia discreta. Aminotransferases estavam normais e havia aumento de bilirrubina indireta (2,4mg%). Considerando a possibilidade de ser induzida por medicamento, a principal suspeita recai sobre A) Isoniazida. B) Etambutol. C) Pirazinamida. D) Etionamida. E) Rifampicina. CM 19. O neurotransmissor responsável pela inibição do sono REM é A) acetilcolina. B) epinefrina. C) serotonina. D) norepinefrina. E) glicina. CM 20. Paciente admitido na Unidade de Terapia Intensiva por SARA foi colocado em ventilação mecânica assistocontrolada com FiO 2 = 100%, Peep = 5 cm H 2 O e volume corrente = 8 ml/kg. Após estabilização do quadro em poucas horas, qual o objetivo de volume corrente deste caso? A) 4 ml/kg. B) 6 ml/kg. C) 8 ml/kg. D) 10 ml/kg. E) 12 ml/kg. CM 21. Paciente de 35 anos, sexo masculino, apresenta queixa de dor em planta dos pés ao deambular com sensação de agulhadas, associada à diminuição da sensação térmica nestes locais. Após investigação clínica, a biópsia de pele evidenciou neuropatia de fibras finas. Assinale o item que descreve o achado clássico desta patologia na eletroneuromiografia. A) Neuropatia periférica sensoriomotora. B) Função motora preservada com neuropatia periférica sensitiva axonal. 4

5 C) Mononeurite múltipla. D) Função motora preservada com neuropatia periférica sensitiva desmielinizante. E) Funções motora e sensorial preservadas. CM 22. Mulher de 40 anos comparece a atendimento ambulatorial com queixa de dor lombar com características mecânicas que cede com uso de analgésicos. Qual das situações abaixo torna mandatória avaliação mais aprofundada com exames de imagem? A) Uso de corticoide há uma semana. B) História familiar de osteoporose. C) Queda de própria altura no último mês. D) História de neoplasia na família. E) Uso de drogas endovenosas. CM 23. Antes de iniciar tratamento com antipsicóticos, o médico deve sempre questionar sobre antecedentes de síncope ou morte súbita na família com o objetivo de detectar possíveis alterações cardíacas. Qual dos itens abaixo representa alteração eletrocardiográfica mais prevalente após uso de antipsicóticos? A) Aumento do intervalo PR. B) Prolongamento do intervalo QT. C) Supradesnivelamento do segmento ST. D) Aumento do segmento QRS. E) Inversão da onda T. CM 24. Paciente avaliado no pronto socorro por astenia apresenta os seguintes exames: ph = 7,35; po 2 = 80 mmhg; pco 2 = 28 mmhg; Na + = 140 meq/l; K + = 6,2 meq/l; Cl - = 115 meq/l; HCO3 - = 15 meq/l. Qual dos itens abaixo representa patologia compatível com este quadro? A) Intoxicação por salicilatos. B) Acidose tubular renal proximal. C) Acidose lática. D) Cetoacidose diabética. E) Acidose tubular renal tipo 4. CM 25. Qual a principal causa de insuficiência renal aguda em pacientes ambulatoriais e internados? A) Nefrite intersticial aguda. B) Obstrução pós-renal. C) Gromerulonefrite aguda. D) Azotemia pré-renal. E) Necrose tubular aguda. CM 26. Mulher de 22 anos comparece ao ambulatório por hipertensão arterial detectada em um exame admissional, estando totalmente assintomática. O exame físico evidencia PA = 220x120 mmhg nos quatro membros, sem assimetria de pulsos; fundo de olho com cruzamentos patológicos e aumento do brilho arteriolar; ausculta cardíaca com quarta bulha, sem sopros; 5

6 presença de sopro abdominal em mesogastro; sem outros achados. Qual das hipóteses abaixo é a mais compatível com este quadro clínico? A) Arterite de Takayasu. B) Hipertensão essencial. C) Arterosclerose de artéria renal. D) Trombose de veia renal. E) Fibrodisplasia de artéria renal. CM 27. Mulher de 25 anos procura atendimento por queixa de perda de peso. O quadro iniciou há cerca de 3 meses, mesmo com apetite preservado. Teve parto normal há 6 meses a amamentou a criança até o quinto mês, mas mesmo com a interrupção do aleitamento a perda de peso progrediu. O exame físico evidencia leve aumento da tireoide e taquicardia de repouso (FC = 105ppm). Exames laboratoriais evidenciam TSH supresso, com T4 livre aumentado. Cintilografia mostrou aumento difuso da captação de iodo na tireóide. Qual o diagnóstico desta paciente? A) Intoxicação exógena por levotiroxina. B) Tiroidite linfocítica. C) Tiroidite subaguda de Quervain. D) Doença de Graves. E) Tiroidite supurativa. CM 28. Os seguintes achados são esperados para pacientes com diabetes mellitus tipo 2 (DM-2): 1 - Glicemia aleatória > = 200 mg/dl associada a sintomas de polifagia, polidipsia e poliúria; 2 - Glicemia em após jejum de 8h > = 126 mg/dl; 3 - Glicosúria em dipstick de sumário de urina; 4 - Hb glicada >= 6,5%; e 5 - Glicemia > = 200 mg/dl 2h após ingesta de 75g de glicose. Desses, quatro são aceitos como critérios diagnósticos de DM-2; assinale o item que contém esses quatro achados diagnósticos. A) 1, 2, 3 e 4. B) 1, 2, 3 e 5. C) 1, 2, 4 e 5. D) 1, 3, 4 e 5. E) 2, 3, 4 e 5. CM 29. Paciente em acompanhamento por neoplasia de pulmão desenvolve quadro cushingoide. Estava sem tratamento medicamentoso há quatro meses e nega uso por conta própria de quaisquer drogas. Exames laboratoriais evidenciam níveis aumentados de cortisol basal e supressos de ACTH. Tomografia abdominal mostra atrofia bilateral de adrenais. Qual o diagnóstico mais provável deste paciente? A) Doença de Cushing (adenoma hipofisário). B) Cushing secundário ao câncer de pulmão. C) Cushing por abuso de corticoide exógeno. D) Ativação autônoma das adrenais. E) Secreção ectópica de CRH. 6

7 CM 30. Em pacientes com hipoglicemia e dificuldade extrema para punção de acesso venoso, qual droga deve ser prontamente administrada por via intramuscular com objetivo de normalização da glicemia? A) Adrenalina. B) Hidrocortisona. C) Octreotide. D) Glucagon. E) Somatostatina. CM 31. Paciente 58 anos, negro, portador de hipertensão arterial sistêmica retorna a seu consultório com exames. Após análise, você diagnostica insuficiência cardíaca em estágio C. Além de Captopril, Carvedilol e Furosemida, quais outras drogas podem ser usadas na terapia inicial para reduzir mortalidade e melhorar qualidade de vida nesse paciente? A) Isossorbida e Hidralazina. B) Verapamil e Losartan. C) Espironolactona e Lidocaína. D) Amiodarona e Aspirina. E) Digoxina e Sinvastatina. CM 32. Mulher de 25 anos foi submetida à ecocardiograma como exame admissional em uma empresa que revelou prolapso da valva mitral com leve regurgitação. Paciente é assintomática e sem passado mórbido. Qual sua recomendação quanto à profilaxia da endocardite em procedimentos dentários? A) Amoxicilina. B) Cefalexina. C) Clindamicina. D) Ciprofloxacina. E) Não é recomendada profilaxia. CM 33. Durante o exame físico de um paciente com queixas de dispneia e edema de membros inferiores, você observa que a distensão de suas veias jugulares aumenta durante a inspiração e sem outras anormalidades à inspeção. Qual o nome desse sinal e qual a provável doença desse paciente? A) Refluxo hepatojugular e insuficiência cardíaca. B) Pulso paradoxal e tamponamento cardíaco. C) Sinal de Kussmaul e Pericardite constrictiva. D) Sinal de Westermark e Embolia pulmonar. E) Sinal de Cullen e síndrome da veia cava superior. CM 34. Paciente de 32 anos comparece para avaliação de prurido. Seu quadro iniciou na gravidez e persiste até hoje (três meses após o parto). Seus exames mostram bilirrubina e transaminases normais com fosfatase alcalina e gama-glutamil transferase 3x acima do limite superior da normalidade. Qual dos exames abaixo se positivo, mais ajudaria na elucidação desse quadro? 7

8 A) FAN. B) c-anca. C) AntiLKM1. D) Antimitocôndria. E) Antimúsculo liso. CM 35. Uma mulher de 27 anos comparece para avaliar uma leve icterícia. Ela notou o quadro após jejum prolongado para colher exames de rotina. Ela já havia notado esse fato anteriormente. Não tem nenhum antecedente relevante, nem outras queixas. Uma ampla avaliação laboratorial mostrou bilirrubina total 4,5 mg/dl com predomínio de indireta (3,4 mg/dl). Qual das medicações abaixo pode ser usada para alívio dos seus sintomas? A) Colestiramina. B) Fenobarbital. C) Eritromicina. D) Diclofenaco. E) Prednisona. CM 36. Num paciente com diarreia há um mês com muco e sangue, que combinação de testes laboratoriais fortalece o diagnóstico de doença de Crohn contra retocolite ulcerativa? A) Anti-Saccharomyces cerevisiae positivo e p-anca negativo. B) Anti-Saccharomyces cerevisiae negativo e c-anca positivo. C) Anti-Saccharomyces cerevisiae negativo e p-anca negativo. D) Anti-Saccharomyces cerevisiae positivo e c-anca positivo. E) Anti-Saccharomyces cerevisiae negativo e p-anca positivo. CM 37. Após falha de terapia tripla para erradicar o Helicobacter pylori a opção é o chamado esquema quádruplo. Além de um inibidor da bomba de prótons, quais drogas o compõem? A) Amoxicilina, Metronidazol e Claritromicina. B) Bismuto, Metronidazol e Tetraciclina. C) Amoxicilina, Bismuto e Tinidazol. D) Levofloxacino, Tinidazol e Claritromicina. E) Levofloxacino, Bismuto e Amoxicilina. CM 38. Homem de 25 anos comparece com quadro de lesões papuloeritematosas em placas com descamação e escamas brancas na superfície localizadas em cotovelos, joelhos e couro cabeludo. Você observa pequenas depressões puntiformes em algumas unhas das mãos. Qual a neoplasia cujo risco, a longo prazo, é aumentado nesse paciente? A) Linfoma. B) Glioblastoma. C) Osteosarcoma. D) Adenocarcinoma gástrico. E) Carcinoma escamoso de pulmão. 8

9 CM 39. Uma jovem de 25 anos comparece para consulta com surgimento de lesões vesiculares agrupadas e pruriginosas em couro cabeludo, região posterior do pescoço, cotovelos, joelhos e nádegas durante o puerpério. Avaliação complementar mostra IgA antitransglutaminase positivo no soro. Qual o diagnóstico? A) Pomfolix. B) Herpes gestationis. C) Porfiria cutânea tarda. D) Dermatite herpetiforme. E) Dermatose bolhosa com IgA linear. CM 40. Homem de 23 anos comparece com quadro de dor lombar inflamatória, em surtos há um ano. Tem episódios de dor e edema na inserção do tendão de Aquiles há dois meses. Radiografias mostram sacroileíte bilateral grau 2. Usa de maneira esporádica Ibuprofeno, desde início do quadro. Qual a medicação deve ser usada de maneira contínua para controlar sua doença? A) Prednisona. B) Azatioprina. C) Cetoprofeno. D) Metotrexate. E) Sulfassalazina. CM 41. Após tratamento de indução da nefrite lúpica com ciclofosfamida qual das medicações abaixo deve ser usada para a fase de manutenção conforme diretrizes mais recentes? A) Rituximab. B) Azatioprina. C) Ciclosporina. D) Ciclofosfamida. E) Hidroxicloroquina. CM 42. Numa radiografia simples de tórax, qual o achado mais sensível para mostrar aumento do átrio esquerdo? A) Sinal do duplo contorno. B) Abaulamento da artéria pulmonar. C) Elevação do brônquio fonte esquerdo. D) Abaulamento do apêndice atrial esquerdo. E) Velamento do seio cardiofrênico direito. CM 43. Em relação aos principais aspectos clínicos da anemia por deficiência de ferro, assinale a alternativa INCORRETA. A) A deficiência de ferro é de longe a causa mais comum de anemia no mundo inteiro e está entre os problemas médicos mais vistos na atenção primária. B) Uma das causas de deficiência de ferro são as perdas sanguíneas, sendo o sangramento gastrointestinal o tipo de perda mais comum. C) O diagnóstico definitivo da anemia ferropriva é confirmado ao verificar-se no hemograma a presença de parâmetros de microcitose e hipocromia. 9

10 D) O tratamento da anemia ferropriva consiste na restauração das reservas de ferro do organismo e com o tratamento da causa subjacente (que deve ser sempre investigada). E) A via de administração de ferro é a via oral, sendo este mais rapidamente absorvido na ausência de alimentos. CM 44. Sobre as anemias hemolíticas intravasculares e autoimunes, assinale a alternativa INCORRETA. A) Muitos medicamentos e seus metabólitos apresentam potencial para induzir a formação de anticorpos antimedicamentos, podendo estes formarem ligações covalentes com proteínas da membrana eritrocitária causando hemólise. B) Dentre os aspectos bioquímicos encontrados, notam-se níveis elevados de bilirrubina indireta, de lactato desidrogenase (LDH) e uma concentração reduzida de haptoglobina. C) Dentre as anemias hemolíticas hereditárias, tem-se, como exemplo, a beta-talassemia, a esferocitose e a síndrome urêmico-hemolítica. D) Não há estudos controlados prospectivos de tratamento da anemia hemolítica autoimune. Corticosteróides, esplenectomia e outros agentes imunossupressores fazer parte da terapêutica. E) O rituximabe é um anticorpo monoclonal quimérico com alta afinidade para antígeno CD20 dos linfócitos B. Dados acerca do uso desta medicação em casos de anemia hemolítica autoimune são limitados porem promissores. CM 45. Dentre os vários distúrbios encontrados nas avaliações dos hemogramas na prática clínica, os distúrbios na contagem dos leucócitos podem estar presentes (leucopenia ou leucocitose). Sobre essa temática assinale o item INCORRETO. A) Se um hemograma apresentar uma contagem de neutrófilos abaixo de 500/mm3 existe uma ameaça de se adquirir infecções graves e recorrentes que colocam o paciente em risco de vida. B) Dentre as drogas que podem causar neutropenia estão: dapsona, propiltiuracil e a rifampicina. C) Dentre as síndromes neutropênicas herdadas encontram-se a neutropenia cíclica, a neutropenia grave congênita e a mielocatexia. D) Os fatores granulopoéticos humanos recombinantes (GM-CSF e G-CSF) são contraindicados nos pacientes neutropênicos. E) A eosinopenia e a basopenia são mais comuns que a monocitopenia e geralmente são secundários a mecanismos redistribucionais que resultam do estresse, incluindo infecções agudas, neoplasias e lesões graves (p.ex.queimaduras). CM 46. Sobre as anormalidades das plaquetas, assinale o item INCORRETO. A) Apesar dos estudos científicos serem conflitantes, existe uma possível associação entre a infecção por H. pylori e púrpura trombocitopênica imune crônica. B) A trombocitopenia autoimune é mais comumente encontrada em pacientes com doença vascular do colágeno ou desordens linfoproliferativas. C) Medicamentos tais como quinidina, sais de ouro, cloroquina e rifampicina podem causar trombocitopenia. D) Em pacientes com púrpura trombocitopênica trombótica autoimune a plasmaférese deve se iniciada imediatamente. Imunossupresssores e anticorpos monoclonais anti-cd-20 podem ser utilizados em casos refratários. 10

11 E) A Síndrome hemolítico-urêmica (SHU) pode-se apresentar com trombocitopenia, sendo mais comumente encontrada em adultos com infecção por Salmonella sp. CM 47. Em relação ao câncer de pulmão, é INCORRETO afirmar. A) Os subtipos de câncer de pulmão não pequenas células incluem: o adenocarcinoma, o carcinoma escamoso e o carcinoma de grandes células. B) O câncer de pulmão de pequenas células é responsável pela maioria dos casos de cânceres pulmonares. C) O tabagismo é responsável por aproximadamente 85% a 90% dos casos de câncer de pulmão. D) O fumo passivo, especialmente no local de trabalho, aumenta o risco de desenvolvimento de câncer de pulmão. E) Outros carcinógenos conhecidos para câncer de pulmão são radônio, asbestos, arsênico e cromo. CM 48. Sobre o câncer de estômago é INCORRETO afirmar. A) Grupos que emigram de locais de alta incidência de câncer gástrico para locais de baixa incidência mantém o alto risco de onde emigraram. B) Os adenocarcinomas gástricos podem ser divididos em dois tipos: intestinal e difuso. C) Infecção por H. pylori constitui fator de risco para desenvolvimento de câncer gástrico. D) Em seus estágios iniciais, pode muitas vezes ser assintomático ou provocar sintomas inespecíficos, o que dificulta o diagnóstico. E) Excesso de sal, nitritos/nitratos, deficiência de frutas frescas são condições que predispõe ao câncer gástrico. CM 49. Constitui fator de risco para desenvolvimento de câncer de mama, EXCETO A) hiperplasia atípica e parente de primeiro grau com câncer de mama. B) história pessoal de câncer de mama. C) pré-menopausa. D) história pessoal de câncer de endométrio ou ovário. E) nuliparidade. CM 50. Em relação aos tumores ginecológicos é INCORRETO afirmar. A) A incidência de câncer de ovário aumenta gradativamente e atinge um pico por volta dos 70 anos de idade. B) Os tumores epiteliais malignos de ovário constituem a minoria dos casos, sendo mais frequentes na pré-menopausa. C) Câncer do colo do útero constitui a principal causa de morte por doença maligna ginecológica em todo o mundo. D) O DNA do papilomavírus humano pode ser identificado na maioria dos casos de lesões displásica e malignas de colo de útero. E) A maioria dos cânceres cervicais é precedida por uma fase de neoplasia intraepitelial cervical (NIC) que progride lentamente para invasão do estroma. 11

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Caso Clínico! João Henrique Angelotto

Caso Clínico! João Henrique Angelotto Caso Clínico! João Henrique Angelotto Identificação Paciente feminina, 70 anos, nascida no leste da África, procedente de New England (EUA). Queixa Principal Dor nas costas e na perna há 2 semanas. HDA

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 INDICAÇÃO 1. Diabetes Mellitus (CIDs E11 ao E14) 2. Tireoidopatias (CIDs E01 ao E02 e E04 ao E05) 2.1. Hipotireoidismo e 2.2. Hipertireoidismo 3.

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Especialidades Pediátricas Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde

Leia mais

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Eu, (nome do(a) paciente), declaro

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / /

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / A. Medicamentos que utiliza Nome fármaco Nome comercial dose Via administração Data início Data fim

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

Padrão Resposta das Questões Discursivas

Padrão Resposta das Questões Discursivas Nefrologia Engenheiro Pediátrica Eletrônico Padrão Resposta das Questões Discursivas Questão 1 a) 1. Doença glomerular com lesões mínimas (nefrose lipoídica) 2. Síndrome Nefrótica da Infância b) Glomérulos

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Pericardite Aguda e Crônica

Pericardite Aguda e Crônica Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Pericardite Aguda e Crônica Jamil Cherem Schneider Pericárdio Normal a) Pericárdio Visceral: camada serosa inserida na superfície do coração. b)

Leia mais