MANIFESTAÇÕES MANIFEST E XTRA- EXTRA HEPÁTICAS NAS HEPATITES VIRAIS 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANIFESTAÇÕES MANIFEST E XTRA- EXTRA HEPÁTICAS NAS HEPATITES VIRAIS 2010"

Transcrição

1 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NAS HEPATITES VIRAIS 2010

2 DEFINIÇÃO MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS Manifestações clínicas ou laboratoriais, em outros órgãos ou sistemas que não o fígado, e que podem ocorrer no curso de uma hepatite viral, durante os períodos de incubação, de estado ou de convalescença, sendo mais prevalentes nas infecções de caráter crônico, sobretudo nas ocasionadas pelo HCV.

3 HEPATITE A

4 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE A Manifestações extra-hepáticas do HAV: raras Artralgia tagae rashs s transitórios ta stó os(eritemas, máculas, petéquias ou urticárias) Excepcionalmente: vasculite, artrite (crio) Outras: polirradiculoneurite, alterações de ECG, anemia aplástica, hepatite autoimune

5 HEPATITE B

6 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE B rash cutâneo (urticária, acrodermatite) artralgia t l i e artrite Período prodrômico poliaterite nodosa glomerulonefrite Infecção crônica

7 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE B Artralgia e artrite Período prodrômico (até 20%) 2 Causadas por imunecomplexos 5 Simétrica e poliarticular Mãos, punhos, joelhos, tornozelos Rigidez matinal - 20 a 50% Katz JP e Lichtenstein GR, Siegel LB, Gall E P, Am Fam Phys, 1996.

8 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE B PAN Vasculite necrosante sistêmica Envolve principalmente vasos de médio calibre Lesões vasculares segmentares Acomete bifurcações e ramificações das artérias IC Inflamação aneurisma, necrose trombose, fibrinóide óde infarto e hemorragia

9 Poliarterite Nodosa - PAN Manisfestações de vasculite em vários órgãos/sistemas cardiovasculares renais gastrointestinais neurológicas dermatológicas

10 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE B Glomerulonefritesl Depósito de IC na membrana basal Mais freqüente em crianças Membranosa ou mambrano-proliferativa Associada com antígenos S, C e E Não responde a corticóides

11 HEPATITE C

12 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C % ME clínica % pelo menos uma ME 15 20% 19% 10 12% 5 7% 7% 0 6% 6% psoríase artralgia s.sicca púrpura neurop. Reynaud prurido Cacoub, 1999

13 CLASSIFICAÇÃO DAS M.EXTRA-HEPÁTICAS relatos anedóticos associação a ser confirmada provavelmente associadas definitivamente associadas Zignego, 2007

14 CLASSIFICAÇÃO DAS M.EXTRA-HEPÁTICAS crioglobulinemia mista definitivamente associadas Zignego, 2007

15 CLASSIFICAÇÃO DAS M.EXTRA-HEPÁTICAS provavelmente associadas linfoma céls B porfiria cutânea tarda líquen plano Zignego, 2007

16 CLASSIFICAÇÃO DAS M.EXTRA-HEPÁTICAS associação a ser confirmada tiroidite S.Sicca diabetes mellitus GN não crioglobulinêmica fibrose pulmonar Zignego, 2007

17 CLASSIFICAÇÃO DAS M.EXTRA-HEPÁTICAS relatos anedóticos artrite reumatóide poliarterite nodosa dermatomiosite vitiligo fibromialgia Zignego, 2007

18 PATOGÊNESE DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS FATORES AMBIENTAIS E GENÉTICOS INFECÇÃO PELO HCV Ligação E2-CD81 em céls B Ativação Bcl2 Ativação sustentada de céls B Inibição apoptose/> Sobrevida céls B Auto-Ac, A FR, IC, crioglob Outras aberrações genét. Alterações imunol. Ci Crioglobulinemia li i Linfomas céls B

19 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Produção de auto-anticorposanticorpos Doenças auto-imunes * órgão específicas (tiroidites, diabetes) * sistêmicas (crio, linfomas, LP, PCT)

20 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Auto-AnticorposAnticorpos Prevalência de auto-anticorposanticorpos na hepatite C: 10* a 66% Varia com: Ac. pesquisado Técnica População FAN 10 a 30%, anti-lkm1 5 a 50%, FR > 50% Título baixo, transitório Sem importância clínica significativa Maior cuidado no tratamento com INF Lopes EPA, 1995, Abuaf N, 1993, Richardet JP, 1994, Clifford BD, 1995, Czaja AJ, 1994, Lunel F, 1992.

21 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C CRIOGLOBULINEMIA Prevalência: 20 a 60% dos anti-hcv+ Aumenta com tempo infecção ou estágio da doença 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 47% 43% 37% 27% Cicardi, 2000; Ignatova, 2005, Garini, 2005; Parise, 2005

22 CRIOGLOBULINAS Inflamação aguda pequenos vasos:vênulas, capilares, arteríolas Crioprecipitado Púrpura palpável

23 Crioglobulinemia e HCV - patogenia Achados da crioglobulina relacionada ao HCV 1) Complexos auto-imunes circulantes contendo HCV 2) anti-hcv nos crioprecipitados 3) HCV-RNA 1000 x > crioprecipitados i i que no soro Notável modelo em que a ação viral deflagra a formação de imunocomplexos contendo produtos do próprio agente infeccioso Agnello, 1992

24 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Tipos de crioglobulinas na hepatite C Principalmente tipo II (IgM mono + IgG poli) Também tipo III (IgG poli + IgM poli) Relacionado ao tempo de infecção: Tipo III: 7,6 anos de infecção Tipo II: 14,2 anos de infecção (Tipo III II)

25 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C CRIOGLOBULINEMIA Q. CLÍNICO Geralmente assintomática Fraqueza Poliartralgia 70% dos casos Mãos e joelhos (45%), Tornozelos e cotovelos (25%) Pode ser intermitente Artrite é rara Púrpura Glomerulonefrite MP Neuropatia periférica

26 Vasculite crioglobulinêmica Arquivo - Setor de Hepatites da EPM Unifesp.

27 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Linfomas O HCV é linfotrópico - estimulação de céls B Está relacionado à presença de crio Linfomas não-hodgkin de céls B: 7 a 42% HCV + Patogênese: ligação da proteína E2 ao CD81

28 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Sialoadenite/Sjögren Sjögren: forma clássica (ac SSA/SSB) é rara Até 57% dos HCV cursam com sialoadenite Leve, sem ac. anti-ss-a Geralmente associada à crioglobulinemia < 50% achados Hx consistentes com Sjögren Alterações são mais brandas Apenas 37% xerostomia e 0% xeroftalmia

29 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Porfiria Cutânea Tarda Associação com HCV tem variação geográfica Lesões vesiculares e bolhosas (dorso das mãos) Fotossensibilidade d HCV é gatilho em indivíduos geneticamente predispostos

30 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Líquen plano Doença muco-cutânea HCV + em 20 a 30% dos LP orais Al lesão é resultado da resposta imune à presença de antígenos locais

31 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Diabetes mellitus Alta prevalência de DM tipo II em HCV+ Portadores de HCV com maior risco de desenvolver DM tipo II: Mais idosos, genótipo 3, fibrose avançada, com história familiar e transplantados de rim ou fígado

32 MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS NA HEPATITE C Tiroidopatias Positividade para auto-anticorpos tiroidianos: até 30% dos casos (> mulheres) Hipotiroidismo sub-clínico: 2-10% pacientes Hiper ou hipotiroidismo clínico é observado com mais freqüência durante a terapia com IFN

33 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS

34 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS MANIFESTAÇÕES EH QUE MELHORAM COM O TRATAMENTO COM IFN Crioglobulinemia Linfoma não Hodgkin Porfiria cutânea tarda Glmerulonefrite Medeiros at al, 2001.

35 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS MANIFESTAÇÕES EH QUE APARECEM OU PIORAM COM O TRATAMENTO COM IFN Tiroidite Líquen plano Psoríase Diabetes mellitus S. Sjögren Medeiros at al, 2001.

36 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS Crioglobulinemia Aspirina, AINEs: artralgia Imunossupr., corticóides, plasmaferese Quadros renais, neurológicos ou dermatológicos incapacitantes Tratamento anti-viral Katz JP e Lichtenstein GR, 1998.

37 Processo etiopatogênico da CM relacionada ao HCV e intervenção terapêutica Saadoun D et al. Rheumatology 2007.

38 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS IFN na Crioglobulinemia Negativação HCV-RNA leva a regressão dos fenômenos desencadeados pela crio Taxa de resposta ao INF: mesma taxa de resposta maior taxa de recidiva após suspensão

39 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS IFN + RBV na CM AUTOR n RVS Durand, % Calleja, % Zuckerman, % Cacoub, % Mazzaro, % Alric, %

40 TRATAMENTO DAS MANIFESTAÇÕES EXTRA-HEPÁTICAS Tratamento das formas graves de Crioglobulinemia GN rapidamente progressiva Vasculite disseminada Neuropatia sesitivo-motora Nestes casos, não iniciar IFN: Plasmaferese Corticóides e/ou ciclofosfamida Rituximab: anti-cd20 Zignego, 2007

41 Estratégias terapêuticas para síndrome da crioglobulinemia mista associada ao HCV Avaliação da SCM e contra-indicações para terapia baseada em interferon (IFN) SCM leve/moderada Sem contra-indicação ao IFN Contra-indicação ao IFN e/ou SCM grave Respondedores Resolução SCM PegIFN + RBV (esquema habitual) NR Manutenção SCM Púrpura leve/moderada Astenia Artralgia Neuropatia leve LAC diet a CTC b doses GNMP moderada/grave GNMP rapidamente progressiva Neuropatia sensorio-motor grave Vasculite difusa Plasmaferese + CTC dose ou pulso +/- Imunossupressor c Rituximab d Com resposta a: Alimentos com baixa alergenicidade - preconizada por alguns autores b: Corticoide dose: 0,3-0,5mg/Kg;, g; dose: 0,5-1,5mg/Kg;, g; pulso: 0,5 a 1g/dia/3dias c: Ciclofosfamida mg/dia/4 a 8 semanas durante redução da frequencia das sessões de plasmaferese d: 375 mg/m², IV,1x/semana/4 semanas; considerar segundo curso 2 meses após, em caso de recidiva Terapia antiviral? i Adaptado de Craxi A, Laffi G, Zignego AL. Mol Asp Med 2008.

42 Terapia com Rituximab Antes Depois Arquivo - Setor de Hepatites da EPM Unifesp.

43

Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease?

Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease? Hepa%te C Crônica e Doença Hematológica: Há espaço para o uso inibidores de protease? UFRJ Prof Cristiane Alves Villela Nogueira! Universidade Federal do Rio de Janeiro! Hepa%te C e Manifestações extrahepá%cas

Leia mais

Larissa Dias Biolcati Rodrigues INTRODUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

Larissa Dias Biolcati Rodrigues INTRODUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO CRIOGLOBULINEMIA Larissa Dias Biolcati Rodrigues INTRODUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO As crioglobulinas são imunoglobulinas (Ig) que precipitam in vitro quando resfriadas a menos de 37 C e se dissolvem quando reaquecidas.

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe.

CHIKUNGUNYA. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone da doença em vários países do Caribe. CHIKUNGUNYA Andyane Freitas Tetila Médica Infectologista Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela UFMS Coordenadora de Vigilância Epidemiológica SESAU/PMCG CHIKUNGUNYA A Febre do Chikungunya é

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

Caso clínico. André Caires Alvino de Lima

Caso clínico. André Caires Alvino de Lima Caso clínico André Caires Alvino de Lima Um homem de 47 anos, com antecedente de psoríase, apresenta-se com tosse, cefaleia, calafrios e rash petequial em membros inferiores. Avaliação laboratorial revela

Leia mais

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS [ Índice ] Lúpus eritematoso sistêmico Esclerodermia Polimiosite/Dermatomiosite Doença mista do tecido conjuntivo Síndrome de Sjögren Vasculites

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL

www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL O que é? A Dermatomiosite Juvenil (DMJ) pertence ao grupo das chamadas doenças auto-imunes. Nas doenças auto-imunes há uma reação anormal do

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 HEPATITE C Relatores dos Temas: Hugo Cheinquer, Edna Strauss,

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET

www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET O que é? A síndrome de Behçet ou a doença de Behçet (DB) é uma vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) sistêmica (porquê envolve órgãos internos)

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução Nefropatia por IgA Vega Figueiredo Dourado de Azevedo 1. Introdução Nefropatia por IgA é uma glomerulonefrite proliferativa mesangial caracterizada pelo depósito de IgA no mesângio 1. A apresentação clinica

Leia mais

ONCO HEMATO. anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise. D57.1 Anemia falciforme sem crise

ONCO HEMATO. anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise. D57.1 Anemia falciforme sem crise ONCO HEMATO anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise D57.1 Anemia falciforme sem crise anemia hemolítica autoimune D58.9 Anemia hemolítica hereditária não especificada D59.0 Anemia hemolítica

Leia mais

O fígado na Reumatologia II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba - 2007

O fígado na Reumatologia II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba - 2007 O fígado na Reumatologia II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba - 2007 Rosângela Teixeira O fígado e as doenças reumáticas: Breve histórico 1897: Still: possível associação entre

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

MANIFESTAÇÕES DERMATOLÓGICAS DURANTE O TRATAMENTO DA HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON ALFA PEGUILADO E RIBAVIRINA

MANIFESTAÇÕES DERMATOLÓGICAS DURANTE O TRATAMENTO DA HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON ALFA PEGUILADO E RIBAVIRINA LEONARDO AMÉDÉE PÉRET MANIFESTAÇÕES DERMATOLÓGICAS DURANTE O TRATAMENTO DA HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON ALFA PEGUILADO E RIBAVIRINA Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica

Leia mais

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Associação Paulista para o Estudo do Fígado Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Fabrício Guimarães Souza -FMUSP- 1- Indicações e problemas do tratamento 2- Condições

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL

www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL www.pediatric-rheumathology.printo.it DERMATOMIOSITE JUVENIL O que é? A dermatomiosite Juvenil (DMJ) pertence ao grupo das chamadas doenças auto-imunes. Nas doenças auto-imunes há uma reacção anormal do

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011 Definição Febre Reumática Doença inflamatória, sistêmica, deflagrada pelo agente infeccioso Streptococcus β-hemolítico do grupo A, que ocorre em pessoas geneticamente predispostas ; Professor Leonardo

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas

CLASSIFICAÇÃO 20/08/2010. Doenças das Glândulas Salivares AGUDA CRÔNICA EPIDÊMICA. Alterações de origem infecciosa. Alterações obstrutivas Diagnóstico e Tratamento CLASSIFICAÇÃO Alterações de origem infecciosa Alterações obstrutivas Alterações Auto-imunes Alterações tumorais ou neoplásicas Doenças das Glândulas Salivares Sialoadenites (Parotidites)

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

GERALDO RUBENS RAMOS DE FREITAS MARCEL RODRIGUES PRAXEDES. Disciplina de Nefrologia Faculdade de Medicina da USP

GERALDO RUBENS RAMOS DE FREITAS MARCEL RODRIGUES PRAXEDES. Disciplina de Nefrologia Faculdade de Medicina da USP GERALDO RUBENS RAMOS DE FREITAS MARCEL RODRIGUES PRAXEDES Disciplina de Nefrologia Faculdade de Medicina da USP GESF colapsante A primeira descrição desta GLOMERULOPATIA foi realizada por Weiss et al,

Leia mais

Hepatite C Casos Clínicos

Hepatite C Casos Clínicos DIA MUNDIAL DE ENFRENTAMENTO DAS HEPATITES VIRAIS Hepatite C Casos Clínicos Dr. Bernardo Machado de Almeida Hospital de Clínicas UFPR H. Municipal São José dos Pinhais Curitiba, 28 de julho de 2014 Para

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Dermatite Herpetiforme (DH): doença bolhosa cutânea crônica auto-imune caracterizada por intenso prurido e sensação de queimação

Dermatite Herpetiforme (DH): doença bolhosa cutânea crônica auto-imune caracterizada por intenso prurido e sensação de queimação Dermatite Herpetiforme (DH): doença bolhosa cutânea crônica auto-imune caracterizada por intenso prurido e sensação de queimação intolerância ao glúten Há evidências de que a DH deve ser considerada um

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas Vírus: Pequenos parasitas intracelulares obrigatórios com genoma constituído por um só tipo de ácido nucléico que utilizam o aparato enzimático da célula hospedeira para síntese de seus componentes e sua

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES Doenças auto-imunes CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES sistêmicas: LES, artrite reumatóide órgão-específicas: tireoidite de Hashimoto, hepatite auto-imune, Doença de Graves LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS

www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS www.pediatric-rheumathology.printo.it VASCULITES SISTÊMICAS RARAS PRIMÁRIAS O que significam? Vasculite significa inflamação de vasos sanguíneos. As Vasculites abrangem um grande grupo de doenças. Vasculite

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo QUINTA 06/08/2015 Aula Inaugural Med e Fisiopatologia das doenças respiratórias: edema, inflamação,

Leia mais

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Esclerose Sistêmica Disciplina Fisioterapia em Reumatologia acdffisio@gmail.com Definição Classificação Epidemiologia Fisiopatologia Diagnóstico Quadro

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 QUESTÃO 17 Qual teste é utilizado para diagnosticar a restrição da mobilidade lombar nos pacientes com Espondilite Anquilosante? a) Teste de Patte. b) Teste

Leia mais

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE

RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE RESUMO DAS INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS E ESQUEMAS RECOMENDADOS PELO CRIE/MINISTÉRIO DA SAÚDE Procedimentos para Avaliação e Indicação de Imunobiológicos Especiais: 1. Avaliar histórico vacinal

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais

Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais Analise das diretrizes internacionais de tratamento da hepatite C : populações especiais Quando? Prof. Henrique Sérgio Moraes Coelho HEPATOAIDS 2014 Guidelines e mais guidelines!!! AASLD 2009,2011,2014

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Letícia Coutinho Lopes 1

Letícia Coutinho Lopes 1 Musculatura Esquelética Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Doenças Nervos Periféricos B. Distrofia Muscular 2 A. Doenças Nervos Periféricos Neuropatias Inflamatórias Polineuropatias

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Vasculites. Coordenador Nacional do NEDAI: Dr. Luís Campos

Vasculites. Coordenador Nacional do NEDAI: Dr. Luís Campos Vasculites Elaborado pela Dr.ª Filipa Malheiro, Dr.ª Eugénia Santos e Prof. Dr. Carlos Ferreira, para o Núcleo de Estudos de Doenças Auto-imunes (NEDAI), da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI).

Leia mais

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA Departamento de Clínica Médica Disciplina de Gastroenterologia PROTOCOLO DE TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON E RIBAVIRINA. INTRODUÇÃO A hepatite C vem sendo

Leia mais

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)...

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)... NT93/2013 Solicitante: Ilmo Dr Anacleto Falci 2ª Juiz de Direito Auxiliar Especial 7ª Vara Cível - Comarca de Governador Valadares/MG Data: 14/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração:

Leia mais

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS;

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS; IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS São produtos (vacinas e Imunoglobulinas), destinados aos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais CRIES, objetivando facilitar o acesso de usuários portadores de quadros

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DENGUE Vera Magalhães Prof. Titular de Doenças Infecciosas da UFPE DENGUE Família Flaviviridae Gênero Flavivirus Virus RNA:

Leia mais

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Sintomas Como investigar Como tratar Acompanhamento

Leia mais

2. Da fundamentação e análise

2. Da fundamentação e análise PARECER COREN-SP 001/2013 CT PRCI n 100.546 e Ticket n 256.298 Assunto: Manuseio de equipamento de fototerapia em dermatologia por Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato A profissional questiona se o Auxiliar

Leia mais

Discussão de Caso Clínico. Dr. Dimas Carnaúba Junior Infectologista Centro de Referência e Treinamento de São Paulo

Discussão de Caso Clínico. Dr. Dimas Carnaúba Junior Infectologista Centro de Referência e Treinamento de São Paulo Discussão de Caso Clínico IP em paciente cirrótico Dr. Dimas Carnaúba Junior Infectologista Centro de Referência e Treinamento de São Paulo DISCLOSURE Nos últimos 12 meses exerci atividades para: ROCHE

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Vacina pneumocócica, polivalente, MSD. A Vacina pneumocócica, polivalente, MSD é apresentada em frascos de dose única (0,5 ml).

Vacina pneumocócica, polivalente, MSD. A Vacina pneumocócica, polivalente, MSD é apresentada em frascos de dose única (0,5 ml). FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vacina pneumocócica, polivalente, MSD A Vacina pneumocócica, polivalente, MSD é apresentada em frascos de dose única (0,5 ml). USO PEDIÁTRICO E ADULTO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Prevalência da HVC entre pacientes HIV(+) Published or presented 1990-2001 Canada: 69% Germany: 13.8 52%

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

José Carlos M. Szajubok Fac Med ABC e HSPE SP

José Carlos M. Szajubok Fac Med ABC e HSPE SP Artrite Séptica Quadro Clínico e Conduta Emergencial José Carlos M. Szajubok Fac Med ABC e HSPE SP » CONFLITOS DE INTERESSE» NÃO TENHO A A apresentação de um paciente com uma ou mais articulações inflamadas

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG TORC: importância do estudo da Avidez das IgG Carla Almeida 1, Teresa Tente 2 RESUMO TORC é um grupo de doenças infecciosas que é necessário despistar durante a gravidez, o qual corresponde às iniciais

Leia mais

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / /

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / A. Medicamentos que utiliza Nome fármaco Nome comercial dose Via administração Data início Data fim

Leia mais

Exames Laboratoriais em Reumatologia

Exames Laboratoriais em Reumatologia Exames Laboratoriais em Reumatologia Kaline Medeiros Costa Pereira Disciplina de Reumatologia da Unifesp Fleury Medicina e Saúde Agenda Proteínas de fase aguda ASLO Complemento total e frações Antifosfolípides

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

Abordagem do paciente Cirrótico. Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES

Abordagem do paciente Cirrótico. Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES Abordagem do paciente Cirrótico Dr. Elson Vidal Martins Junior Casa da Hepatite - UNIMES 7 o HEPATOAIDS 24/04/2014 Declaração de conflito de interesse Declaro que sou Professor de Gastroenterologia da

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo SAF Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Vasculopatias ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Gilvan Nunes EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

A. Doenças Nervos Periféricos B. Distrofia Muscular. 2 Letícia C. L. Moura

A. Doenças Nervos Periféricos B. Distrofia Muscular. 2 Letícia C. L. Moura Musculatura Esquelética Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Doenças Nervos Periféricos B. Distrofia Muscular 2 A. Doenças Nervos Periféricos Neuropatias Inflamatórias PolineuropatiasInfecciosas

Leia mais