CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL"

Transcrição

1 MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das nossas actividades. O presente Código de Conduta pretende realçar a forma como todos nós, colaboradores e dirigentes da CERTIEL, devemos agir no sentido de alcançar o modelo de comportamentos e de atitudes que consideramos fundamentais. Pretendemos, assim, que este documento seja uma referência para os nossos clientes e possa contribuir para um clima de confiança entre todos os nossos interlocutores. O QUE É O CÓDIGO DE CONDUTA É o conjunto de princípios, comportamentos, atitudes e regras de actuação, de ordem ética e deontológica, que todos os que representam, em algum momento, a CERTIEL, devem respeitar. O Código de Conduta tem expressão no presente documento que é distribuído a todos os colaboradores da CERTIEL. A QUEM SE DIRIGE Aos colaboradores da CERTIEL. PRINCÍPIOS GERAIS Os colaboradores, no exercício da sua actividade, devem actuar tendo como princípios gerais o respeito pelos valores da CERTIEL, que devem orientar a sua conduta, tendo em conta o interesse da CERTIEL e dos utilizadores das instalações eléctricas.

2 OS NOSSOS VALORES São valores da CERTIEL a respeitar por todos os colaboradores: ISENÇÃO Os colaboradores da Certiel devem assegurar total isenção na análise e decisão sobre os processos de certificação. EQUIDADE As decisões tomadas deverão garantir a equidade e a justiça no relacionamento com os clientes dos serviços da CERTIEL, nomeadamente dos técnicos responsáveis e dos proprietários das instalações. HONESTIDADE Honestidade é um valor fundamental da CERTIEL devendo o mesmo ser princípio orientador de todos os actos praticados pelos seus colaboradores. TRANSPARÊNCIA As decisões tomadas deverão ser sempre tecnicamente fundamentadas. URBANIDADE Os colaboradores devem assegurar, no seu relacionamento com os clientes da CERTIEL, civismo, cortesia e afabilidade. CONFIDENCIALIDADE Os colaboradores da CERTIEL devem assegurar que as informações recolhidas, no âmbito da sua actividade e mais concretamente no tratamento dos pedidos de certificação, são confidenciais, só devendo ser comunicadas aos técnicos responsáveis e ou proprietários das instalações.

3 ACTIVIDADES A CERTIEL tem como actividades delegadas pelo estado: o Análise e aprovação de projectos de instalações eléctricas, do tipo C; o Inspecção e certificação de instalações eléctricas, do tipo C; o Certificação de Instalações de Microprodução; o Gestão da Base de dados nacional de Elevadores; o Formação. Segurança de pessoas e bens A promoção da segurança de pessoas e bens são objectivos que resultam da aplicação rigorosa dos regulamentos técnicos que suportam a actividade da CERTIEL. Formação técnica de todos os profissionais A CERTIEL promove, junto dos profissionais da actividade, acções de formação, publicando documentação técnica e disponibilizando acesso gratuito a esclarecimentos técnicos, de forma a contribuir para a formação dos profissionais que exercem a actividade de elaboração de projecto e de execução das instalações eléctricas.

4 Conflito de interesses Os colaboradores da CERTIEL não podem exercer nenhuma actividade que, nos termos da legislação aplicável, possa ser considerada como incompatível com as funções que desempenham, estando assim impossibilitados de exercer a actividade de elaboração de projectos ou de execução de instalações eléctricas, nos termos definidos pela legislação que a regulamenta. Discricionariedade Os colaboradores da CERTIEL não devem, tomar qualquer atitude que possa ser considerada como discricionária, devendo assegurar o acesso a todos os clientes aos serviços que presta, nos termos previsto na legislação que regula a sua actividade. Não devem usar o seu poder de decisão como factor que limite, de alguma forma, os direitos dos clientes. Tomada de Decisão A tomada de decisão sobre os processos de certificação deve reger se unicamente pelos aspectos técnicos que a suporta, não podendo quaisquer outros factores interferir na mesma. As decisões tomadas devem ainda assegurar o cumprimento de todos os procedimentos e instruções técnicas estabelecidos no âmbito do sistema da qualidade. Aceitação Ofertas O respeito pelo princípio da independência é incompatível com o recebimento de qualquer gratificação que exceda um valor meramente simbólico.

5 Relacionamento entre colaboradores Os valores da cooperação, espírito e equipa e lealdade devem estar sempre presentes no relacionamento entre todos, com a consciência de que só desta forma será possível assegurar que os valores, princípios e objectivos serão atingidos. Relacionamento com entidades externas O relacionamento com as entidades externas deve ter por base os princípios e valores da CERTIEL, não devendo os mesmos ser postos em causa por qualquer atitude menos correcta. Relacionamento com entidades públicas No relacionamento com entidades públicas e de acordo com o estatuto das mesmas deverá ser prestada toda a colaboração e informação solicitada nos termos em que esta divulgação não coloque em risco o dever de confidencialidade.

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC RANSP RÊNCIA Código de conduta da FPC Código de Conduta O Código de Conduta da Fundação Portuguesa das Comunicações (FPC) apresenta dois objetivos fundamentais: regular as obrigações de transparência,

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5 Índice 1. Âmbito de aplicação... 2 2. Princípios Gerais 2.1 Integridade... 2 2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade... 2 2.3 Igualdade de Tratamento e a não discriminação... 3 2.4 Lealdade e cooperação...

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer CÓDIGO DE CONDUTA No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante uma adequada conduta, a

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. O Código de Ética da Empresa BeSafe

RESPONSABILIDADE SOCIAL. O Código de Ética da Empresa BeSafe RESPONSABILIDADE SOCIAL O Código de Ética da Empresa BeSafe 02 de Março de 2012 ÍNDICE 1.CÓDIGO DE ÉTICA DA BESAFE... 3 2 OBJECTIVOS GERAIS... 4 3. VALORES... 4 4. NORMAS DE CONDUTA... 5 4.1. Âmbito da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS CÓDIGO DE CONDUTA DO ÍNDICE Capítulo I Âmbito de Aplicação Capítulo II Princípios Gerais Capítulo III Relacionamento com o Exterior Capítulo IV Relações Internas Capítulo V - Aplicação CÓDIGO DE CONDUTA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 1 Objetivos do Código de Ética A Câmara Municipal de Cascais está motivada em criar todas as condições necessárias para que os seus colaboradores desenvolvam as suas funções

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM

CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM CÓDIGO DE CONDUTA DO ICP-ANACOM Janeiro 2010 INDÍCE 1. Âmbito e Objecto 2. Princípios Gerais 3. Igualdade de Tratamento e Não Discriminação 4. Diligência, Eficiência e Responsabilidade 5. Independência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 DO MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE O presente Código de Ética e Conduta, a seguir designado abreviadamente por Código, estabelece o conjunto

Leia mais

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA

(Certificado NP 4427 nº 2012/GRH.009, desde 19/01/2012) CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA ENQUADRAMENTO Na sociedade contemporânea, melhor preparada e informada, o reconhecimento público de uma organização não se confina ao campo estrito do seu desempenho económico. A responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de 2010 1 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O presente Código de Conduta (a seguir designado por «Código») estabelece linhas de orientação em matéria de ética profissional para todos os

Leia mais

Código de Conduta. dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva

Código de Conduta. dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva Código de Conduta dos Colaboradores da Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva Outubro de 2012 1 Índice Introdução 3 Artigo 1º 4 Artigo 2º 4 Artigo 3º. 4 Artigo 4º. 5 Artigo 5º. 5 Artigo 6º.

Leia mais

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Campus Universitário de Viseu ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Ano Letivo de 2012-2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ARTIGO 1º... 3 FUNÇÕES DO PROVEDOR DO ESTUDANTE... 3 ARTIGO 2º... 3 DESIGNAÇÃO DO PROVEDOR

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Missão... 3 3. Principais objetivos... 3 4. Legalidade... 4 5. Governação... 4 6. Principais regras de conduta... 4 7. Transparência...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE BOMBARRAL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE BOMBARRAL CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE BOMBARRAL ÍNDICE ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1. Igualdade de tratamento e não discriminação... 4 2. Diligência, eficiência e

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante

Leia mais

Nenhum acto humano é moralmente indiferente José Ferrer-Bonsoms Empresário

Nenhum acto humano é moralmente indiferente José Ferrer-Bonsoms Empresário código de ética Nenhum acto humano é moralmente indiferente José Ferrer-Bonsoms Empresário ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II AGENTES ENVOLVIDOS CAPÍTULO III PRINCÍPIOS

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

Relatório de Conformidade 2013

Relatório de Conformidade 2013 Relatório de Conformidade 2013 março de 2014 Responsável de Conformidade Índice 1. Introdução... 3 2. Obrigações... 3 Independência e Autonomia de Gestão... 3 Não Discriminação... 4 Confidencialidade da

Leia mais

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Mensagem do Presidente O novo Código de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em CÓDIGO DE CONDUTA DA 1ª Versão, aprovada em 25.03.2014 PREÂMBULO A Fundação Pão de Açúcar Auchan é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, constituída em 1993 pelos quadros

Leia mais

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 7 Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 7 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Responsabilidade da Área...3 3) Monitoramento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS

CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS CÓDIGO DE CONDUTA DA CAIXA AGRICOLA DE TORRES VEDRAS ÍNDICE 1 - PREÂMBULO 2 - ÂMBITO 3 - OBJECTIVOS 4-PRINCÍPIOSGERAIS 4.1 Igualdade de tratamento e não discriminação 4.2 - Profissionalismo, competência

Leia mais

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde.

Leia mais

Planos de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Planos de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas CÓDIGO DE CONDUTA DA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. Planos de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas GABINETE JURÍDICO/2011 Considerada a Recomendação n.º 1/2009, do Conselho

Leia mais

TEATRO NACIONAL S. JOÃO

TEATRO NACIONAL S. JOÃO TEATRO NACIONAL S. JOÃO CÓDIGO DE ÉTICA E REGRAS DE CONDUTA MISSÃO O TNSJ como Entidade Pública Empresarial que é, tem como missão a prestação do serviço público área da criação e apresentação de espectáculos

Leia mais

Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural

Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural A EDP Gás Distribuição (marca comercial da Portgás S.A., Concessionária de Serviço Público de Distribuição de Gás Natural), na observância

Leia mais

Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho AXA Portugal, Companhia de Seguros, SA AXA Portugal, Companhia de Seguros de Vida, SA AXA

Leia mais

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação Código de Ética 1. Introdução As questões éticas têm uma importância crescente na vida das organizações, sendo conhecidos inúmeros casos em que a reputação destas fica manchada de forma muito negativa,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE CAPÍTULO I

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE CAPÍTULO I CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE O Código de Ética e Conduta profissional é um documento que define os modelos de comportamento a observar pelos profissionais do Município de

Leia mais

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal TRADUÇÃO da versão em francês CONSELHO DA EUROPA Recomendação CM/Rec(2012)11 do Comité de Ministros aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal (adoptada pelo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA Pág. 1 Índice Preâmbulo... 4 Capítulo I Parte Geral... 7 Artigo 1º - Objecto... 7 Artigo 2º - Âmbito

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP.

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP. Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado aplica-se a todos os colaboradores do Grupo EDP Energias de Portugal, adiante também referenciado como EDP, incluindo a Fundação EDP

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SUMÁRIO O que é Código de Ética e Conduta?...04 Condutas esperadas...06 Condutas intoleráveis sujeitas a medidas disciplinares...10 Suas responsabilidades...12 Código de Ética

Leia mais

CÓDIGO ÉTICO DE CONDUTA. Companhia Logística de Combustíveis

CÓDIGO ÉTICO DE CONDUTA. Companhia Logística de Combustíveis Companhia Logística de Combustíveis APROVADO E PUBLICADO A 26/01/2016 O presente Código Ético de Conduta estabelece os princípios e valores éticos da independência funcional da operação da CLC Companhia

Leia mais

DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A. EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia. DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.

DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A. EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia. DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n. DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 272/92 SUMÁRIO: Estabelece normas relativas às associações inspectoras

Leia mais

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação Avenida Luís Bívar, 85 1050-143 Lisboa, Portugal Tel: +351 21 781 62 82 Regulamento Geral Formação Última revisão Fevereiro 2011 Índice Índice 2 Introdução 3 Inscrições e Condições de Acesso 3 Funcionamento

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO DE PORTUGAL INDÍCE 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 2.1. Igualdade de tratamento e não discriminação 2.2. Diligência, eficiência e responsabilidade 3. RELACIONAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Aprovado em reunião da Comissão Diretiva de 6/Nov/2015 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética e Conduta (a seguir designado por Código) estabelece linhas de orientação

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal Código de Ética e Conduta Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal ÍNDICE ÍNDICE 1 PREÂMBULO 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4 Princípio 1 Proteção dos interesses dos associados 4 Princípio

Leia mais

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE I 2 / 14 Objectivos Gerais 5 II Órgãos de Gestão 3 / 14 5 III Corpo Docente 6 4

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM Obs. Artigos 30º e 31º dos Estatutos da ADAC. Capítulo I Disposições Preliminares Art. 1º Âmbito de Aplicação 1. O presente Regulamento aplica-se ao Conselho de Arbitragem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES Divisão de Recursos Humanos 1 Março de 2015 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - CAPITULO I Âmbito... 3 3 - Artigo 1.º

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética O conjunto de princípios e regras dispostas neste Código de Conduta Ética é imponível a todos os sócios, diretores, empregados, colaboradores e prestadores de serviços que venham,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta prevalecerá. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ Índice Índice... 3 Apresentação... 4 O que representa um código de ética... 4 Conteúdo de um código de ética... 4 Vantagens e desvantagens... 5 Introdução... 6 Código de Ética

Leia mais

Código de Ética ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Código de Ética ÂMBITO DE APLICAÇÃO de Ética OBJECTIVOS DO CÓDIGO DE ÉTICA O presente pretende constituir-se como um quadro de valores que possam sustentar um conjunto de orientações práticas de acção exigível a todos os colaboradores da

Leia mais

Regulamento Interno. para o. Voluntariado

Regulamento Interno. para o. Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Lei n.º 45/2003, de 22 de Agosto Lei do enquadramento base das terapêuticas não convencionais

Lei n.º 45/2003, de 22 de Agosto Lei do enquadramento base das terapêuticas não convencionais Lei do enquadramento base das terapêuticas não convencionais A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER

Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER 2008 Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA Martifer SGPS, S.A., sociedade aberta ARTIGO 1º (Composição)

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO DE INSTITUCIONAL

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO DE INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES CÓDIGO DE CONDUTA APS DEZEMBRO 2013 CÓDIGO LAYOUT GERAL DE INSTITUCIONAL CONDUTA APS DOCUMENTOS A4 SUB TÍTULO No mundo atual dos negócios reveste se de particular relevância

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO

CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO As Fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento sustentável e para a promoção de respostas aos desafios

Leia mais

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 2 DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL A REMETER 2 ESTRUTURA DE GOVERNANCE 3 1. Estrutura Orgânica 3 2. Órgão de Administração (Conselho de administração/direcção)

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo 1 PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca e Pinheiro Grande,

Leia mais

Aula 14 Ética e Deontologia

Aula 14 Ética e Deontologia Portfolio MEEC 1 Aula 14 Ética e Deontologia Objectivos Introdução à Ética e Deontologia dos alunos e profissionais de Engenharia Portfolio MEEC 2 Ètica e Deontologia Ética (ethos do Grego carácter): Conjunto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação Ficha técnica Título: Código de Ética da Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios Estrangeiros Data: Janeiro 2013 Contacto:

Leia mais

EDIÇAONº1 OUTUBRODE2012

EDIÇAONº1 OUTUBRODE2012 Códigode Conduta EDIÇAONº1 OUTUBRODE2012 2 Manual de conduta lamil Códigode Conduta Manual de conduta lamil 3 APRESENTAÇÃO O presente manual deve servir como orientação aos colaboradores da Lamil quanto

Leia mais

Código de Ética. Versão resumida para Parceiros e Fornecedores

Código de Ética. Versão resumida para Parceiros e Fornecedores Código de Ética Versão resumida para Parceiros e Fornecedores Apresentação do Código de Ética NOS Para a NOS as questões éticas e deontológicas são fundamentais. O profissionalismo, a integridade e a transparência

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA

DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA DA FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DO EOA 1. Hoje, quando se fala na reforma do actual Estatuto, que constitui um processo moroso e dependente do poder político, ocorre-nos a estranheza da ausência de preocupação

Leia mais

Código de Ética Janeiro de 2013

Código de Ética Janeiro de 2013 Janeiro de 2013 Índice 1 PREÂMBULO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 OBJECTIVOS... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 NORMAS DE CONDUTA... 4 6 CONFLITOS DE INTERESSES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 2013 espap Entidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA AVALIAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA AVALIAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA AVALIAÇÃO 2014 FICHA TÉCNICA Título: Código de Ética da Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ INTRODUÇÃO 1. As presentes regras que integram o programa de Certificação Profissional Elotech, instituído pela Diretoria

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio. Sistema de Incentivos à I&DT

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio. Sistema de Incentivos à I&DT Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT Contrato Consórcio Externo (aplicável a Projectos de I&DT Empresas em Co-promoção e a Projectos Mobilizadores) I. Legislação

Leia mais

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO DO DEPARTAMENTO Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e com o Regulamento Interno, o presente Regimento define as regras de organização e de

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito I N S T I T U T O D E E N G E N H A R I A B I O M É D I C A REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento, aprovado pela Fundação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA... 2 1. Considerações Gerais... 3 2. MISSÃO, VISÃO, VALORES... 3 Missão da GPS... 3 Visão da GPS... 3 Valores da GPS... 3 3. Padrão Geral de Conduta

Leia mais

Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém

Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém Visão Ser uma Instituição de referência para as pessoas com deficiência e incapacidades no concelho de Santarém e concelhos limítrofes.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO Av. Elias Garcia, nº 93, 2º andar 1050-097 Lisboa +351 218 056 717 www.kpsa.pt Acompanhe-nos nas nossas redes socias: INTRODUÇÃO O presente documento - Regulamento Geral da

Leia mais