NCE/11/00706 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NCE/11/00706 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos"

Transcrição

1 NCE/11/00706 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/00706 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido o Relatório de Avaliação/Acreditação elaborado pela Comissão de Avaliação Externa relativamente ao novo ciclo de estudos Marketing Digital 2. conferente do grau de Mestre 3. a ser leccionado na unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.) Instituto Superior De Línguas Administração De Lisboa 4. a/o Ensilis - Educação E Formação Sa 5. decide: Apresentar pronúncia 6. Pronúncia (Português): Exmos. Senhores, Junto se inclui a pronúncia. 7. Pronúncia (Português e Inglês, PDF, máx. 100kB): (impresso na página seguinte) pág. 1 de 1

2 Anexos

3 Pronúncia relativa ao Relatório Preliminar da CAE Novo Ciclo de Estudos em Marketing Digital Gostaríamos, em primeiro lugar, de agradecer o Relatório Preliminar elaborado pela Comissão de Avaliação Externa (CAE), cujas observações e conclusões nos deram a oportunidade de, por um lado, sinalizar os pontos a melhorar no projecto educativo que se submeteu a acreditação de modo a que, quando o ciclo de estudos em Marketing Digital tiver início, sejam to madas as medidas necessárias para o seu bom funcionamento pedagógico e científico; por outro, esclarecer algumas questões que a ENSILIS, Educação e Formação S.A. deixou menos claras no relatório inicial e que não permitiram demonstrar plenamente a qualidade que se pretende imprimir a este projecto. Neste sentido, e tendo por base o Relatório Preliminar elaborado pela Comissão de Avaliação Externa (RPCAE) do ciclo de estudos em Marketing Digital (Processo n.º NCE/11/00706), submetido pela ENSILIS, Educação e Formação S.A., entidade instituidora do Instituto Superior de Línguas Administração de Lisboa, entendemos prestar os seguintes esclarecimentos: A. Descrição e Fundamentação do Ciclo de Estudos (pontos , , e do RPCAE) A secção 3.1. do RPCAE argumenta que os objectivos gerais e objectivos de aprendizagem foram definidos, mas que a formulação que lhes foi dada é ampla e genérica e, por isso, aplicável a qualquer ciclo de estudos. Ainda que possamos concordar genericamente com a conclusão da CAE, relembramos que as Instituições de Ensino Superior só dispõem de 1000 (mil) caracteres para um conjunto de campos em que seria necessário, em nossa opinião, um espaço superior, dado que existem requisitos mínimos que todos os ciclos de estudos devem cumprir. No entanto, e dada a oportunidade de nos pronunciarmos sobre esta matéria, informamos que os objectivos gerais e de aprendizagem para o ciclo de estudos em Marketing Digital são os seguintes: 1. Objectivos Gerais Proporcionar o desenvolvimento de co mpetências avançadas de investigação e de capacidades profissionais, suportada por uma lógica de complementaridade entre este ciclo de estudos e a licenciatura obtida. Deverá, também, permit ir o prosseguimento de estudos para Doutoramento na área das Ciências da Gestão, numa vertente de Marketing. Desenvolver a investigação, a formação avançada, o desenvolvimento tecnológico e cultural e os serviços à comunidade, potenciando o desenvolvimento desta área científica. Procurar-se-á, entre outros, envolver os estudantes nos projectos de investigação que irão ser desenvolvidos nesta área científica. Desenvolver esta área científica no ISLA, que propicie o desenvolvimento conjunto da área de Ciências da Gestão, ao nível do corpo docente, da investigação e dos recursos pedagógicos. Em part icular, pretendemos que os diplomados em Marketing Dig ital co m maior mérito académico possam integrar o corpo docente do ISLA Campus Lisboa, ao nível das licenciaturas e da formação pós-graduada. Fomentar a empregabilidade e o empreendedorismo dos estudantes, através da valorização da pró-actividade, comunicação e negociação e responsabilidade. Irá promover-se, também, a mobilidade internacional dos estudantes e docentes, estimulando a multiculturalidade e o intercâmbio de experiências. Satisfazer a procura não satisfeita pelo ensino superior público, oferecendo uma alternativa de Excelência e Valor. Em particular, e dado que não existe oferta pública ou privada nesta sub-área científica, o ISLA Campus Lisboa dará um contributo muito relevante para uma actividade que necessita de forte desenvolvimento no nosso país. 2. Objectivos de Aprendizagem Deter conhecimento avançado da área científica, do minando o seu aparelho conceptual e dando particular relevância aos principais eixos de pesquisa. O estudante deverá estar habilitado a fazer u ma apreciação crítica e a interpretar novos desenvolvimentos teóricos. Perspectiva-se a aquisição de conhecimentos sobre Marketing Relacional, Marketing Digital e estudo dos Novos Media.

4 Possuir competências de investigação independente, dominando as principais estratégias de investigação e fazendo uma avaliação crítica dos resultados. Utilizar os principais métodos e técnicas ligados à área, de forma eficaz e responsável. Assim, o diplomado estará apto a fazer contributos para o desenvolvimento da área científica, seja ao nível básico, aplicado ou introspectivo, quer de cariz teórico, quer metodológico. Para este efeito, deu-se particular importância ao ensino de métodos e técnicas de investigação, à análise de dados quantitativos, bem como à introdução de UCs teóricas, que possibilitam a compreensão do Paradigma de Marketing Relacional e do Consumo Online, bem como o estudo dos principais métodos de investigação em Digital Marketing. Desenvolver competências profissionais, nomeadamente ao n ível da análise e do planeamento estratégico, permitindo a integração de conhecimento nas actividades organizacionais, em particular com a leccionação das UCs de Social Media Marketing, Search e Mobile Marketing e Trade Marketing e Promoções Digitais, principais vertentes de aplicação do Marketing Digital. Valorizar a autonomia, o espírito empreendedor e a criatividade e desenvolver a capacidade de negociação e de entendimento multicultural. Além de outras, a UC Cibercultura e Comportamento do Consumidor Online procura dar uma perspectiva internacional a este ciclo de estudos. B. Descrição e Fundamentação do Ciclo de Es tudos (pontos , e do RPCAE) Argumenta a CAE que 1) existem várias UCs com muitas sobreposições; 2) a UC Marketing Relacional deveria ter conteúdos mais amplos e 3) o pedido não apresenta informação sobre as Opcionais, Pro jecto de Dissertação e Dissertação/Projecto Aplicado. No que diz respeito ao ponto 1), quanto à sobreposição dos objectivos e da bibliografia de Social Media Marketing, Search e Mobile Marketing e Trade Marketing e Promoções Digitais e apesar de entendermos a posição da CAE, não concordamos com a alegação proferida, u ma vez que, sendo estas as 3 (três) principais vertentes de aplicação do Marketing Digital e tendo um perfil eminentemente técnico, os objectivos de aprendizagem devem, em nossa opinião, ser muito idênticos. Neste sentido, os estudantes devem desenvolver uma abordagem aplicada às técnicas de Marketing, saber elaborar campanhas de comunicação e acumular competências processuais em cada uma destas áreas; de uma outra forma, os objectivos das UCs são idênticos, mas aplicados a diferentes ferramentas e técnicas. Tanto assim é que, apesar de procurarem fornecer co mpetências idênticas, os conteúdos leccionados em cada u ma das UCs é co mpletamente diferente. Deste modo, também nos parece de excluir a hipótese de fusão destas UCs, visto que as temáticas abordadas são muito distintas e necessitam, com a afirmação de cada uma destas áreas funcionais, de um grande aprofundamento teórico e técnico. Deste modo, defendemos que os conteúdos destas UCs são o eixo diferenciador entre elas, pelo que o plano de estudos deve manter a sua composição original. Relativamente ao segundo ponto, reconhece-se que se deve reforçar o conteúdo da UC Marketing Relacional co m conteúdos de Marketing Estratégico, pelo que, no Anexo I, se remete a Ficha da Unidade Curricular refeita. Eventualmente, se for esse o entendimento da CAE, o denominação da UC pode ser alterada para Marketing Estratégico e Relacional. Relativamente ao terceiro ponto, informamos que as UCs opcionais que os estudantes devem realizar no 1.º e 2.º semestre fazem parte do plano de estudos de outros Mestrados na mesma área científica (Marketing e Publicidade), sendo definidas e divulgadas, em cada semestre, por despacho do Director Académico do ISLA Campus Lisboa. Deste modo, os estudantes poderão participar na construção do seu currículo, elegendo, de entre as postas à sua disposição, aquelas UCs que mais se adeqúem aos seus percursos académicos e profissionais na área científica predominante do ciclo de estudos. Quanto às UCs Projecto de Dissertação e Dissertação/Projecto Aplicado, a ENSILIS, Educação e Formação, SA remete junto à presente Pronúncia, as fichas curricu lares, tal co mo solicitadas pela CAE (Anexo II e III, respectivamente). C. Recursos Docentes (pontos 4.2., 4.3., 4.4. e 4.6. do RPCAE) Nesta secção, a CAE argumenta, relativamente ao corpo docente, que: 1) alguns docentes a tempo inteiro têm uma actividade profissional a tempo inteiro, pelo que não podem ser considerados a tempo inteiro pela instituição, 2) o sistema de avaliação de desempenho incide sobre o desempenho pedagógico dos docentes e 3) corrigir a classificação dos docentes a tempo inteiro.

5 Argumenta no RPCAE que alguns docentes a tempo inteiro têm uma actividade profissional a tempo inteiro, pelo que não podem ser considerados a tempo inteiro pela instituição. No entanto, a interpretação realizada pela CAE não leva em linha de conta que os docentes que estão nesta situação não prestam serviço docente noutra instituição (conforme a alínea b) do n.º 2 do Artigo 47.º da Lei n.º 62/2007 permite), dedicando o seu tempo além da docência e investigação, isso sim, a serviços de consultoria e a funções organizacionais o que, em nosso entender, não é incompatível com a prestação de serviço a tempo inteiro nesta instituição, para além de beneficiar os docentes na docência e na investigação aplicada. Acresce que o pressuposto do qual a CAE parte para tecer esta consideração de que os docentes que têm uma actividade profissional não podem ser considerados a tempo inteiro pela instituição carece de suporte legal. Relativamente ao ponto 2), entende a ENSILIS, Educação e Formação S.A. informar que a avaliação de desempenho incide sobre a actividade científica dos docentes, uma vez que conforme constava no ponto 4.3. do Relatório Inicial enviado por esta instituição que a Avaliação semestral de competência e desempenho dos docentes incide, entre outros, sobre: 1) artigos e livros publicados, 2) referees para Revistas Internacionais ou Nacionais realizados, 3) organização de eventos científicos e 4) projectos de investigação promovidos, coordenados e executados. Acrescentamos, no entanto, que cada item científico produzido tem uma ponderação na avaliação final de cada docente, que a Direcção Académica tem em linha de conta para as decisões de prolongamento dos vínculos laborais e para a atribuição de prémios de desempenho aos melhores docentes. Quanto ao ponto 3) consideramos que as primeiras questões a abordar prendem-se com a contabilização do tempo de colaboração efectivo de cada docente, mas é necessário realizar um esclarecimento prévio. A ENSILIS, Educação e Formação S.A. utilizou no relatório inicial como sempre tem feito nos processos que submete à apreciação da A3ES o procedimento proposto pelo Gab inete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais para o preenchimento do sistema de informação REBIDES, onde se assume como base de cálculo que os docentes que leccionem 6 horas de aulas semanais estão em reg ime de tempo integral, co m 100% de tempo de colaboração. A part ir deste marcador são desenvolvidos todos os cálculos de afectação do corpo docente à instituição e a cada ciclo de estudos. Perante o pedido de esclarecimentos, a ENSILIS, Educação e Formação S.A. contactou a A3ES, que nos informou que o critério de avaliação da colaboração utilizado pela CAE é distinto do que foi utilizado inicialmente, assumindo-se que um docente está dedicado a 100% à instituição quando colabora 35 horas semanais, nas diversas actividades que lhe estão destinadas (docência, investigação, coordenação científica e pedagógica e trabalho administrativo). Esta bitola prevê ainda que, quando um docente colabora com a instituição menos horas do que as acima indicadas, seja utilizada uma regra de proporção simples para calcular a dedicação do docente à instituição. Deste modo, as informações que prestaremos adiante rectificam as informações prestadas no Relatório Inicial (Tabela 1), concorrendo para a correcta interpretação dos rácios de corpo docente na área científica fundamental do ciclo de estudos. Nome Grau Regime Colaboração Dedicação Área Científica > 3 Anos Ana Brochado PhD Tempo Integral 75 Gestão e Administração Sim João Pinto e Castro PhD Tempo Integral 100 Marketing e Publicidade Sim Rita Espanha PhD Tempo Integral 100 Sociologia e Outros Estudos Sim Fernando Ferreira PhD Tempo Parcial 33 Marketing e Publicidade Não Sandra Miranda PhD Tempo Parcial 33 Marketing e Publicidade Sim Eurico Brilhante Dias PhD Tempo Integral 66 Gestão e Administração Sim Joana Terra da Mota PhD Tempo Integral 100 Marketing e Publicidade Sim Eduardo Redondo PhD Tempo Integral 75 Marketing e Publicidade Sim Tabela 1 Corpo Docente do Ciclo de Estudos Pela leitura da Tabela 1, podemos constatar que existem 6 (seis) docentes a Tempo Integral e 2 (dois) a tempo parcial, num total de 8 (oito) docentes. Neste sentido, é nosso entendimento que o corpo docente afecto a este ciclo de estudos cumpre os requisitos legais em vigor, uma vez que: 100% do corpo docente proposto para o ciclo de estudos tem o grau de Doutor;

6 75% do corpo docente tem um vínculo contratual de tempo integral à instituição. 88% do corpo docente colabora com a instituição há mais de 3 anos. O rácio ETI Doutorados/ETI Docentes cifrar-se em 75%. 63% do corpo docente está nas áreas científicas fundamentais do ciclo de estudos. Deste modo e tendo por base os esclarecimentos efectuados, estamos em crer que se cumprem integralmente (e, em alguns indicadores, se ultrapassam largamente) as prerrogativas legais em vigor, em termos de afectação de corpo docente ao ciclo de estudos. Para além disso, procurou-se também demonstrar que a instituição tem uma preocupação com o desenvolvimento científico e pedagógico dos docentes, condições essenciais para se poder oferecer Ensino de Excelência. D. Actividade de formação e investigação (pontos 6.1., 6.2., 6.3., 6.4. e 6.6.) Neste ponto, a CAE aponta para os seguintes itens: 1) não identificação dos docentes com centros de investigação, 2) publicações referenciadas no pedido não se encontram na Web of Knowledge, através das palavras-chave ISLA e Portugal e 3) clarificar as estruturas de apoio à investigação e publicação científica internacional na área do ciclo de estudos. No que respeita ao primeiro ponto, a ENSILIS, Educação e Formação, SA passa a identificar os docentes do CE afectos aos Centros de Investigação listados: Docente Centro de Investigação Acreditado Ana Brochado Unide-IUL Excelente João Pinto e Castro Unide-IUL Excelente Rita Espanha CIES-IUL Excelente Eurico Brilhante Dias Unide-IUL Excelente Joana Terra da Mota Unide-IUL Réseau PGV Excelente Internacional Tabela 2. Docentes CE / Centros de Investigação Argumenta a CA E que as publicações referenciadas não se encontram na Web of Knowledge, através das palavraschave ISLA e Portugal. Recordamos que não existe uma obrigatoriedade legal de as publicações científicas na área do ciclo de estudos sejam feitas, necessariamente, em jornal indexados na ISI. Para além do mais, existem um conjunto de indexadores tão relevantes com aquele utilizado pela CAE, que podem ser igualmente relevantes em estudos desta natureza. Acresce, ainda, que a plataforma da A3ES não nos permite introduzir todas as publicações produzidas pelos docentes, pelo que se incluiu no Relatório Inicial aquelas que são mais recentes. Relativamente à terceira questão, gostaríamos de informar que foi firmado um protocolo com o ISCTE-IUL que prevê, entre outras actividades, a participação de docentes do ISLA Campus Lisboa no UNIDE-IUL, Centro de Investigação em Ciências da Gestão, avaliado pela FCT como Excelente. Referimos que as Prof.s Ana Brochado e Joana Mota e os Prof.s João Pinto e Castro e Eurico Brilhante Dias docentes do ciclo de estudos em apreço fazem parte deste centro (vide Tabela 2.). Reforçamos que a instituição tem u ma boa dinâmica de formação do pessoal docente, uma vez que conforme informação prestada no ponto 4.3. do Relatório Inicial se patrocina, actualmente, o Doutoramento a 5 (cinco) docentes, se patrocinou, no último ano lectivo 11 (onze) comunicações em conferências, tendo-se realizado, no período em análise, as seguintes acções de formação dirigidas, exclusivamente, para os docentes: SPSS e Proquest, Estratégias de Avaliação, Pensamento Lateral, Primavera, Fidelio Opera, Fidelio MC, Unit4Agresso, E-learning, Word, Excell e Powerpoint. E. Comparação com ciclos de estudos de referência no Es paço Europeu de Ensino Superior (ponto 10. do RPCAE) Argumenta a CAE que não são apresentados exemplos de outros ciclos de estudos de instituições de referência do Espaço Europeu de Ensino Superior, que possibilitem comparações de objectivos e competências. Voltamos a relembrar

7 que o campo de resposta no Relatório Inicial tem 1000 (mil) caracteres, o que não permite às instituições uma descrição profunda. No entanto, face à solicitação da CAE apresentamos um quadro síntese (Tabela 3), que compara o ciclo de estudos apresentado com outros pertencentes ao Espaço Europeu de Ensino Superior: Instituição Designação Duração/ECTS UCs Comuns Objectivos London School of Business & Finance Geneva Business School University of Wales Strategic Marketing (Digital and Social Media) Marketing Digital Digital Marketing 4 quadrimestres / 120 ECTS 4 quadrimestres / 120 ECTS 2 anos / 120 ECTS Consumer Behaviour and Research Integrated Marketing Communications Digital Marketing Communications Internet Marketing Management Social Media Communications Strategy of Digital Marketing Implementation of Digital Marketing Digital Communication Tools E-Communication Community management Performance-analysis tools Digital Marketing Management Managing Projects & Programmes Strategic Digital Marketing Strategic Entrepreneurial Marketing Tabela 3 Comparação com ciclos de estudos internacionais This programme bridges the gap between theoretical knowledge and its practical application in the field. You will learn to harness online communication resources and develop strategies to maximum effect. Special emphasis is also placed on applying these techniques at an international level equipping you for today s global marketplace. Integrate new technological tools and concepts of digital communication into overall marketing plans and designing effective digital marketing. Integrate the traditional and relational marketing fundamentals within the new digital environment. Create and optimize successful websites and Manage portal content. Measure and monitor marketing efforts through multiple channels. Take advantage of social media to develop new digital marketing tools The programme is designed to provide students with improved employment prospects. The programme provides its graduates with the opportunity to offer actual and prospective employers increased added value. Pelo exposto, fica demonstrada a semelhança entre o curso que se submeteu à apreciação e a prática das melhores escolas europeias. F. Conclusão Pelo exposto, entende a ENSILIS, Educação e Formação, S.A. solicitar a reapreciação do projecto educativo que se submeteu a apreciação pela A3ES e revisão do Relatório Preliminar elaborado pela CAE, solicitando que seja dada a acreditação ao ciclo de estudos em Marketing Dig ital, u ma vez que, conforme se demonstrou, este é um curso de elevada qualidade científica, munido de um corpo docente com as qualificações exigidas pelo disposto na legislação em vigor e dos recursos humanos e materiais necessários ao seu bom funcionamento e cujo plano de estudos e estrutura curricular cumprem o preceituado no enquadramento legal na área do Ensino Superior.

8 Unidade curricular: Marketing Relacional Anexo I Ficha da Unidade Curricular Objectivos de aprendizagem da unidade curricular: São objectivos da unidade curricular que os estudantes, no final do semestre, estejam em condições de: 0.Compreender o conceito de Marketing Transaccional e os conceitos estratégicos associados 1.Entender o conceito de Marketing Relacional 2.Compreender o modo como se diferencia do Marketing Transaccional 3.Entender as vantagens do Marketing Relacional e as condições da sua aplicabilidade 4.Aprender a identificar e diferenciar os clientes de acordo com o seu valor e necessidades 5.Conhecer as formas mais adequadas de interacção com os clientes Conteúdos programáticos: 1.O Conceito de Marketing e a evolução da função Marketing 2.O Marketing Estratégico e o ambiente envolvente 3.Estratégias de Segmentação e selecção do mercado alvo 4.Marketing Mix: Conceitos e definições 5.Ciclo de Vida do Produto: conceitos de definições 6.Planeamento de marketing 7.Antecedentes do Marketing Relacional 8.Conceito de Marketing Relacional 9.Modelos de Marketing Relacional 10.Valor Vitalício e Ciclo de Vida 11.Modelo IDIP 12.Identificação de Clientes 13.Diferenciação de Clientes 14.Interacção com Clientes 15.Construção de Relacionamentos Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: 0.Compreender o conceito de Marketing Transaccional e os conceitos estratégicos associados é conseguido através dos pontos 1 a 6 1.Entender o conceito de Marketing Relacional é conseguido através dos pontos 7 e 8 do programa; 2.Co mpreender o modo como se diferencia do Marketing Transaccional é conseguido através dos pontos 8 e 8 do programa; 3.Entender as vantagens do Marketing Relacional e as condições da sua aplicabilidade é conseguido através dos pontos 9 e 10 do programa; 4.Aprender a identificar e diferenciar os clientes de acordo com o seu valor e necessidades é atingido através dos pontos 11, 12 e 13 do programa; 5.Conhecer as formas mais adequadas de interacção com os clientes é atingido através dos pontos 11 e 14 do programa; Todos os objectivos de aprendizagem terminam consolidados no ponto 15 do programa. Metodologias de ensino (avaliação incluída): As aulas combinam a exposição de conceitos/modelos, recorrendo aos meios audiovisuais e bibliografia, com a aplicação desses mesmos conceitos através da apresentação de programas e acções específicas, da discussão de pequenos casos e da resolução de exercícios práticos que impliquem a exploração bibliográfica. A avaliação pode ser contínua ou final. A avaliação contínua é composta por 3 momentos de avaliação individual: 1) redacção de 1 paper individual (25%), 2) Execução de case studies em grupo, com apresentação oral (25%), 3) Frequência (50%). O estudante fica aprovado se obtiver uma classificação final global não inferior a 10 valores e se em nenhum dos momentos de avaliação obtiver classificação inferior a 8 valores. A exame final irão os estudantes que tenham optado por esta situação ou aqueles que tenham sido reprovados na avaliação contínua. Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Ao ser utilizada uma metodologia expositiva acompanhada de casos práticos e reais é possível identificar as vantagens do Marketing Relacional, em que se difere do Marketing Tradicional, e em última instância como implementar programas que permitam estabelecer as formas mais adequadas de interagir com os Clientes. A participação activa dos estudantes em aula, através do estímulo ao raciocínio crítico vai ajudá-los a identificar e diferenciar os Clientes e a melhor compreender e interiorizar o conceito de Marketing Relacional.

9 Bibliografia principal: Gronroos, C. (2000) Service Management and Marketing: A Customer Relationship Management Approach (2nd ed.), Wiley. Gummesson, E. (2002) Total Relationship Marketing (2nd ed.), Butterworth-Heinemann. Kumar, V. and W. Reinartz (2005) Customer Relationship Management: A Databased Approach, Wiley. Peppers, D. & M. Rodgers (1993) The One to One Future: Building Customer Relationships One Customer at a Time, Piatkus. Peppers, D. & M. Rodgers (2004) Managing Customer Relationships: A Strategic Framework, W iley. Casais, E. e J. P. Castro (2010) Is Relationship Marketing Relevant for Fast-Moving Consumer Goods?, Revista Portuguesa de Management, Nº 3, Ano 3. Castro, J. P. (2006) Relationship Marketing and Buyer Behavior in Fast-Moving Consumer Goods, Universidade do Algarve (http://www.ology.pt/images/tese_ pdf)

10 Unidade curricular: Projecto de Dissertação Anexo II Ficha da Unidade Curricular Objectivos de aprendizagem da unidade curricular: A UC visa o planeamento de um projecto de Dissertação (de cariz científico) ou de Projecto Aplicado (de cariz mais profissionalizante). Nesse sentido, procurar-se-á incentivar: 1) Definição de problemáticas de interesse científico e profissional na área de estudos em apreço; 2) Aplicação de conhecimentos sobre temas da actualidade científica na área de estudos do Mestrado, através da elaboração do estado da arte de um tema científico ou de aplicação profissional; 3) Aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas metodológicas, através da elaboração de um research design que permita ao estudante iniciar u m pro jecto de investigação aplicada ou profissional de forma coerente, estruturada e orientada. Conteúdos programáticos: Construção da problemática: Tópico de investigação, Problemática de investigação e Pergunta de Investigação; Etapas do processo: Investigação exploratória, Revisão da literatura, Research design e Recolha e análise dados; Trabalho de investigação: Elaboração do modelo de investigação e hipóteses/problemática profissional a resolver; Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Pretende-se que os outputs desta unidade curricular sejam: 1) Projecto Aplicado: redacção do Relatório de Diagnóstico, onde o estudante realiza a análise da estruturação do tema em estudo, bem como uma descrição dos métodos de análise que utilizou na realização do diagnóstico ou 2) Dissertação: redacção do enquadramento teórico, de referência e metodológico da Dissertação que os estudantes pretendem realizar. Neste sentido e dado que o conteúdo varia consoante se trate de um projecto aplicado/ dissertação e em função dos objectivos e tema delineados estamos certos que os conteúdos leccionados (em regime de tutoria) deste trabalho irão consolidar os conhecimentos adquiridos ao longo do ciclo de estudos, uma vez que se prende com a construção de uma problemática de investigação e da edificação de um projecto que seja coerente com os objectivos delineados para o mestrado em apreço. Metodologias de ensino (avaliação incluída): São utilizadas 2 metodologias de ensino: 1) Orientação tutorial durante o período lectivo do 3.º semestre; 2) Apresentação Escrita e Oral do Projecto de Dissertação/Projecto Aplicado. Assim, o processo pedagógico decorre da seguinte forma: 1) Na redacção do Projecto de Trabalho Final de Curso, os estudantes recebem au xílio do Orientador que lhes foi atribuído por resolução do Director Académico, ouvido o Coordenador do Mestrado. 2) O Projecto de Trabalho Final de Curso é apresentado, na época de avaliação do 3.º (terceiro) semestre, em sessão de discussão coordenada pelo Coordenador do Mestrado. Nesta sessão estão presentes o Coordenador do Mestrado, os Orientadores de Trabalho Final em discussão e os Docentes do Mestrado que desejem colaborar nesta sessão. Cada estudante dispõe de 15 minutos para a apresentação do seu Trabalho Final de Cu rso, havendo lugar a perguntas e sugestões dos docentes presentes. A sessão deve ficar concluída em 60 minutos. 3) Do Projecto, da sua apresentação e da sua defesa resultará uma classificação final (entre 0 e 20 valores), que será considerada para efeitos do cálculo da Média Final de Curso. Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Os objectivos são alcançados através de um acompanhamento focalizado do orientador de dissertação/projecto aplicado, permit indo uma maior autonomia do estudante. Acresce que a apresentação pública deste Projecto confere maior maturidade aos estudantes, expondo-os à crítica. Bibliografia principal: Creswell, J (2009) Research Design (3ªed.), London: Sage Publications Ghiglione, R. & Matalon, B. (1992) O inquérito: Teoria e prática, Oeiras: Celta Gilbert, N. (org.) (2001) Researching Social Life (2ª ed.), London: Sage Henn, M., Weinstein, M. & Foard, N. (2006) A Short Introduction to Social Research, London: Sage Publications Kalof, L., D.Amy & Dietz, T. (2008) Essentials of Social Research, New York: McGraw Hill Education Morse, J.M. (1994) Critical Issues in Qualitative Research Methods, Thousand Oaks, California: Sage Publications Ritchie, J. & Lewis, J. (2003) Qualitative Research Practice,Thousand Oaks: Sage Publications.Os orientadores sugerirão bibliografia adicional, em função do tema seleccionado pelo estudante.

11 Unidade curricular: Dissertação/Projecto Aplicado Anexo III Ficha da Unidade Curricular Objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Esta UC é o seguimento lógico da UC Dissertação/Projecto Aplicado I, em que se visa a realização da Dissertação (de cariz científico) ou de Projecto Aplicado (de cariz mais profissionalizante). Nesse sentido, procurar-se-á incentivar: 1) Implementação de processos de recolha e análise de dados; 2) Aquisição de capacidade crít ica, de modo a que o estudante esteja habilitado a fazer u ma apreciação de novos desenvolvimentos. Assim, o diplomado estará apto a fazer contributos para o desenvolvimento da área científica, seja ao nível básico, aplicado ou introspectivo, quer de cariz teórico, quer metodológico. 3) Desenvolvimento de competências profissionais, nomeadamente ao nível da análise e do planeamento estratégico, permitindo a integração de conhecimento nas actividades organizacionais. O objectivo central é a realização de um trabalho de investigação científica, com publicação dos resultados obtidos através da elaboração de uma dissertação ou de um relatório de projecto aplicado. Conteúdos programáticos: 1) Identificação de metodologias a aplicar e amostragem. Recolha de dados. Tratamento de dados. 2) Técnicas de Redacção da dissertação/projecto aplicado. 3) Discussão crítica de resultados. Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Pretende-se que os outputs desta unidade curricular sejam: 1) Projecto Aplicado: redacção do Relatório Estratégico para uma instituição. 2) Dissertação: realização do estudo conceptual, de referência e empírico. Neste sentido e dado que o conteúdo varia consoante se trate de um projecto aplicado/ dissertação e em função dos objectivos e tema delineados estamos certos que os conteúdos leccionados (em regime de tutoria) deste trabalho irão consolidar os conhecimentos adquiridos ao longo do ciclo de estudos, uma vez que se prende com a recolha e tratamento de dados, redigir a dissertação/projecto, à luz de teorias leccionadas ao longo dos semestres anteriores. Metodologias de ensino (avaliação incluída): São utilizadas 2 metodologias de ensino: 1) Orientação tutorial durante o período lectivo do 4.º semestre; 2) Apresentação Escrita e Oral da Dissertação/Projecto Aplicado. Assim, o processo pedagógico decorre da seguinte forma: 1) O orientador deve assegurar o cumprimento de todos os pressupostos metodológicos, conceptuais e, se for o caso, empíricos antes da entrega da tese, para o efeito da sua apreciação pelo relator que vier a ser designado. 2) Depois de entregue a Dissertação/Projecto Aplicado, o Director Académico, em concertação com o Coordenador de Curso, diligenciará no sentido de obter um parecer de um relator especialista com vista a propor a autorização da defesa pública do Trabalho Final. O relator pode condicionar o seu parecer favorável a alterações de forma e/ou de fundo a serem introduzidas no Trabalho Final. A referida exigência de alterações será comunicada, por escrito, ao Director Académico que, por sua vez, a trans mite às partes interessadas. 3) O desenrolar da prova oral obedece ao seguinte normativo: a) o candidato dispõe de 20 (vinte) minutos para apresentar o trabalho de projecto ou de dissertação, assim como outras considerações relacionadas com o acto, b) os membros do Júri usam, individualmente, da palavra para apresentarem a sua apreciação e colocarem ao candidato as perguntas que entendam necessárias e c) o candidato responde individual ou colectivamente às perguntas do Júri. Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objectivos de aprendizagem da unidade curricular: Os objectivos são alcançados através de um acompanhamento focalizado do orientador de dissertação/projecto aplicado, permit indo uma maior autonomia do estudante. Acresce que a apresentação pública deste Projecto confere maior maturidade aos estudantes, expondo-os à crítica. Bibliografia principal: Creswell, J (2009) Research Design (3ªed.), London: Sage Publications Ghiglione, R. & Matalon, B. (1992) O inquérito: Teoria e prática, Oeiras: Celta Gilbert, N. (org.) (2001) Researching Social Life (2ª ed.), London: Sage Henn, M., Weinstein, M. & Foard, N. (2006) A Short Introduction to Social Research, London: Sage Publications Kalof, L., D.Amy & Dietz, T. (2008) Essentials of Social Research, New York: McGraw Hill Education Morse, J.M. (1994) Critical Issues in Qualitative Research Methods, Thousand Oaks, California: Sage Publications Ritchie, J. & Lewis, J. (2003) Qualitative Research Practice,Thousand Oaks: Sage Publications Os orientadores sugerirão bibliografia adicional, em função do tema seleccionado pelo estudante.

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

NCE/13/00371 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00371 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00371 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00371 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00196 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

1331002 2013-14 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO

1331002 2013-14 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO Licenciatura em Engenharia Alimentar Ref.ª : 1331002 Ano lectivo: 2013-14 1. Caraterização FICHA DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO 1.1 - Área científica: 34 - Ciências Empresariais

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/14 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: METODOS E TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO SOCIAL Código: 172 Área Científica: SOCIOLOGIA Curso: MESTRADO EM GERONTOLOGIA

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00111 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Isla - Santarém, Educação E Cultura,

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca 1 Estatística II 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professor responsável Docentes 1.2. Síntese descritiva Psicologia

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere o grau de Mestre em Artes Visuais e Intermédia, especialidade de Artes Plásticas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN)

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) (Aprovado por despacho do Ministro da Defesa Nacional de 19 de Abril de 2010 Ofício nº 1816/CG Pº 18/10, de 20 de Abril de 2010, do MDN, com as alterações

Leia mais

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outra(s)

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade.

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade. Regulamento do EDP University Challenge 2011 EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade 2ª Edição Artigo 1º Objectivo do prémio 1. O EDP University Challenge

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: UTL + UCP A.1.a. Identificação

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01501 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Católica Portuguesa A.1.a.

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

NCE/09/02087 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/02087 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/02087 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Santarém 1.a. Descrição

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre na especialidade de Marketing,

Leia mais

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE)

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) RADPD_ISCE 1 Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) Artigo 1.º Princípios e fins 1. O presente regulamento de avaliação do desempenho

Leia mais

MESTRADO EM. Métodos Quantitativos e Gestão

MESTRADO EM. Métodos Quantitativos e Gestão MESTRADO EM Métodos Quantitativos em Economia e Gestão ANO LECTIVO 2011/2012 Mestrado em Métodos Quantitativos em Economia e Gestão Apresentação O Mestrado em Métodos Quantitativos em Economia e Gestão

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 8810004 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GESTÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO ENTERPRISE MANAGEMENT AND ENTREPRENEURSHIP 1. Unidade Curricular: 1.1

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

REGULAMENTO. Prémio EDP University Challenge 2014. 8.ª Edição 2014. Com o apoio de:

REGULAMENTO. Prémio EDP University Challenge 2014. 8.ª Edição 2014. Com o apoio de: REGULAMENTO Prémio EDP University Challenge 2014 8.ª Edição 2014 Com o apoio de: 1 Artigo 1º Objectivo do Concurso 1. O Prémio EDP University Challenge 2014 (Prémio) é uma iniciativa da EDP Energias de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO De acordo com a alínea b) do n.º 2 do artigo 74.º-A do ECDU, a avaliação dos docentes deve considerar as quatro vertentes de actividade académica: a) Investigação; b) Ensino;

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ensinus-Estudos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Santarém 1.a.

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADES DESPORTIVAS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADES DESPORTIVAS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADES DESPORTIVAS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Setembro de 2012 Luanda CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) Artigo 1.º (Natureza) O Trabalho de Conclusão do Curso, neste regulamento designado abreviadamente

Leia mais

design de jogos digitais o essencial da licenciatura

design de jogos digitais o essencial da licenciatura design de jogos digitais o essencial da licenciatura ÍNDICE ciclo de estudos plano de estudos metodologias de ensino perfil de saída candidaturas ipb virtual Dados do ciclo de estudos ciclo de estudos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Mestrado em TEATRO Normas regulamentares

Mestrado em TEATRO Normas regulamentares Mestrado em TEATRO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere o grau de Mestre em Teatro, opção Dramaturgia e Estudos Teatrais e opção Encenação e Produção. Artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA BSUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO Pós-Graduação em MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros 2005 2006 Associação Portuguesa de Bancos INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO B ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Tradução Jurídica) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade de Direito,

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) do Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Prática Jurídica em Macau) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

NCE/12/00356 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00356 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/12/00356 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/12/00356 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais