Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional"

Transcrição

1 Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional Foto: Arquivo MEC Gleicivan Barbosa Rodrigues Capacitação de Gestores e Técnicos da Educação Profissional

2 Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional Capacitação de Gestores e Técnicos da Educação Profissional Programa de Fortalecimento dos Gestores e Técnicos da Educação Profissional em Metodologias para Elaboração, Seleção e Organização de Propostas Curriculares Gleicivan Barbosa Rodrigues Secretaria de Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Desenvolvimento Tecnológico do Estado do Maranhão SECTEC Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 1

3 Equipe Gestora Eliana Inês Wilder Coordenadora de Educação Profissional Vânia Cristiane Chaves Fonseca Rozileide da Silva Barbosa Coelho Eusébia de Araújo Pereira Noleto Gianfranco Dalsasso Márcio Allan de Lima Martins O preenchimento consciente dos instrumentos de acompanhamento e de avaliação das atividades de estágio é fundamental na geração de informações e conhecimentos norteadores na tomada de decisões, aumentando a eficácia, a qualidade e a eficiência da educação profissional UNESCO. Todos os direitos reservados. Publicado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Esta publicação é fruto de uma parceria entre a Representação da UNESCO no Brasil e o Governo do Estado do Maranhão. Esta publicação tem a cooperação da UNESCO no âmbito do Projeto BR, o qual tem o objetivo de capacitar e promover o desenvolvimento das equipes locais responsáveis pela educação profissional nos estados do Brasil. Os autores são responsáveis pela escolha e pela apresentação dos fatos contidos nesta publicação, bem como pelas opiniões nela expressas, que não são necessariamente as da UNESCO, nem comprometem a Organização. As indicações de nomes e a apresentação do material ao longo desta publicação não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte da UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região ou de suas autoridades, tampouco a delimitação de suas fronteiras ou limites. BR/2005/PI/H/42 2 Educação Profissional :: Pontos de partida

4 Prefácio O presente documento incorpora três textos que, originalmente, foram editados em separado. São os planos de curso Técnico em Informática, Técnico em Hotelaria (integrado com o Ensino Médio) e Técnico em Turismo produzidos por diferentes grupos de trabalho durante oficina que integrou capacitação. de órgãos ligados à educação profissional do estado do Maranhão. Neste texto, a consultora responsável pela orientação do trabalho relata o desenvolvimento da capacitação, com 72 horas de duração, e incluindo cinco módulos, a saber: I. Políticas Públicas para a Educação Profissional; II. Legislação da Educação Profissional; III. Diretrizes Curriculares Nacionais; IV. Metodologia de Planejamento e Desenvolvimento de Currículos; V. Organização Curricular. O documento descreve a forma como a capacitação foi desenvolvida e registra os produtos das dinâmicas de trabalho. Os módulos IV e V foram desenvolvidos no formato de oficina: três grupos de participantes foram montados e envolvidos, cada um deles, no processo de elaboração orientada dos planos de curso Técnico em Turismo, Técnico em Hotelaria e Técnico em Informática. O texto menciona três Anexos Ficha de Avaliação da Capacitação, Folha de Frequência e Relação de Participantes, estando somente o primeiro deles incorporado ao documento. Os outros dois contêm nomes e s de participantes, portanto, não são de interesse geral. Os planos de curso foram integrados ao documento, pois, apesar de terem sido editados em arquivos separados, são produtos construídos pelos participantes, organizados em três grupos de trabalho, durante os módulos IV e V da Capacitação, desenvolvidos, como mencionado anteriormente, no formato de oficina. Os planos de curso Técnico em Informática, Técnico em Hotelaria (integrado com o Ensino Médio) e Técnico em Turismo apresentam justificativa, objetivos, requisitos de acesso, perfil profissional de conclusão, organização curricular, critérios de aproveitamento de conhecimentos e de experiências anteriores, critérios de avaliação, instalações e equipamentos, pessoal docente e técnico, certificados e diplomas, procurando seguir conceitos e princípios, bem como diretrizes e orientações estabelecidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Elementos dos Referenciais Curriculares da Educação Profissional de Nível Técnico, correspondentes às duas áreas que foram contempladas na oficina Informática e Turismo e Hospitalidade foram, também, utilizados. Elizabeth Fadel Consultora Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 3

5 Sumário APRESENTAÇÃO MÓDULO I Políticas Públicas para a Educação Profissional MÓDULO II Legislação da Educação Profissional MÓDULO III Diretrizes Curriculares Nacionais MÓDULO IV Metodologia de planejamento e desenvolvimento de currículos...15 ANEXO...19 Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 5

6 Apresentação Delimitação e caracterização da capacitação Capacitação da equipe técnica do Órgão Gestor da Educação Profissional, em Metodologia para a Elaboração dos Planos de Cursos de Qualificação e Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio com base em competências profissionais. A referida ação encontra-se, conforme o Termo de Referência previsto no Plano Estadual de Educação Profissional, como ação estruturante e fundamental para implantação dos Centros Estaduais de Educação Profissional. Título da Capacitação PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DOS GESTORES E TÉCNICOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM METODOLOGIAS PARA ELABORAÇÃO, SELEÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE PROPOSTAS CURRICULARES Objetivos Capacitar a equipe técnica do Órgão Gestor da Educação Profissional na elaboração dos Planos de Cursos de Qualificação e Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, centrados no desenvolvimento de competências conforme o estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais. Período: 7 a 19 de julho de 2005 Público: 23 participantes Sectec Secretaria de Ciência e Tecnologia oito técnicos Cetec-Ma Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão cinco técnicos Seduc Secretaria de Estado da Educação cinco técnicos Senac Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial um técnico Cefet Centro Federal de Educação Tecnológica um técnico EAF Escola Agrotécnica Federal um técnico Projeto Escola de Fábrica um técnico CEE Conselho Estadual de Educação um técnico Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 7

7 Cronograma das atividades realizadas na capacitação Atividades CH Dias Módulo I Políticas Públicas para a Educação Profissional 8 x Módulo II Legislação da Educação Profissional 8 x Módulo III Diretrizes Curriculares Nacionais 8 x Módulo IV Metodologia de Planejamento e Desenvolvimento de Currículos Módulo V Organização Curricular Desenvolvimento das Oficinas: Elaboração dos Planos de Cursos de Turismo, Hotelaria e Informática 12 x x 36 x x x x x Total de horas 72 Metodologia utilizada exposição oral dos temas; estratégias vivenciais com situações reais de trabalho, distribuídas em quatro módulos; arquitetura das oficinas centrada na ação, na reflexão crítica e na construção do conhecimento; valorização dos saberes individuais e da construção coletiva da aprendizagem; uso de recursos e dinâmicas que promoveram o relacionamento interpessoal e o contato dos participantes, contextualizando a aprendizagem; atividades não presenciais (20 horas) orientadas. Desenvolvimento da capacitação A capacitação foi organizada em cinco módulos, que reuniram um conjunto de atividades organizadas para subsidiar o trabalho das equipes técnicas no desenvolvimento, no planejamento, na elaboração, na implementação, no acompanhamento e na avaliação de propostas curriculares focados em competências. 8 Educação Profissional :: Pontos de partida

8 1. MÓDULO I 1.1. Políticas Públicas para a Educação Profissional 8 horas Os trabalhos foram iniciados com a abertura oficial feita pela equipe da Secretaria, com a participação do Secretário Estadual e do Vice-Reitor da Universidade Virtual do Maranhão Univima. Logo após, foi dada a palavra à Consultora, que se apresentou e expôs a proposta de trabalho, a programação prevista, as normas de convivência e a contribuição de todos para o alcance dos objetivos propostos, dando início, assim, às atividades do curso. É importante ressaltar a excelente estrutura da sala de aula, composta de equipamentos de multimídia, como TV/vídeo, tela de projeção, câmeras e som, bem como móveis adequados à necessidade do curso. Atividade 1: Apresentação do grupo e levantamento de expectativas Procedeu-se à apresentação do grupo e ao levantamento das expectativas, utilizando uma dinâmica de grupo com balões. As expectativas emitidas pelo grupo foram: aprender e praticar as bases que serão ensinadas; ampliar conhecimentos; refletir sobre a prática da elaboração de planos de cursos; trocar ideias que colaborem com a aprendizagem dos temas propostos; integrar-se e interagir com os demais participantes; aprimorar os conhecimentos sobre organização de propostas curriculares; adquirir novos conhecimentos; realizar qualificação; desenvolver a proposta de um curso técnico; aprender a elaborar um plano de curso; adquirir subsídios técnicos e pedagógicos para aplicar na gestão da educação profissional; receber atualização sobre a nova política de educação profissional. Atividade 2: Apresentação dos slides sobre Políticas Públicas para a Educação Profissional Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 9

9 A consultora fez explanação com o apoio de slides em PowerPoint dos seguintes temas: Mercado de trabalho no Brasil; Conceitos de políticas públicas, educação, ciência, tecnologia, educação tecnológica e educação profissional; Princípios e pressupostos da educação profissional; Quadro descritivo da educação profissional e tecnológica no Brasil; Censo da Educação Profissional ano 2004; A conjuntura atual revisão da legislação, financiamento, formação de docentes, novos projetos etc. Estratégias do Ministério da Educação ações em andamento. Atividade 3: Plano Estadual de Educação Profissional PEP A consultora fez uma explanação sobre a proposta dos planos estaduais, os objetivos, a estruturação, a importância deles como instrumentos de implantação de uma política pública nos estados e a situação nacional atualmente. Em seguida, solicitou que a Secretaria de Ciência e Tecnologia fizesse uma explanação sobre o Plano Estadual de Educação Profissional do Maranhão. A equipe apresentou para o grupo os seguintes pontos: metodologia de elaboração do PEP em 1999 e aprovação em 2000; principais objetivos do plano; parceria com a UNESCO na implantação e na execução das atividades previstas trabalhos já realizados; demanda estadual cadeias produtivas locais e áreas profissionais, conforme pesquisa realizada; número de escolas previstas no PEP dezenove centros; implantação de três centros, em fase de construção, com ênfase nas dificuldades encontradas na execução e nos vários problemas junto ao PROEP; cursos de qualificação ou formação inicial e continuada esta oferta, por enquanto, está acontecendo por meio do Cetec-Ma Centro de Tecnologia, vinculado à Sectec. Em seguida, a consultora exibiu o filme Quebra de Paradigmas, com trinta minutos de duração, levando o grupo à reflexão sobre a necessidade de implementar mudanças, de estar aberto a inovações e desafios, diante do contexto socioeconômico e do quadro político que então se apresentava. Recursos utilizados no módulo I Crachás Quadro branco Pincel atômico 10 Educação Profissional :: Pontos de partida

10 Balões Cópia dos slides Documento: Políticas Públicas para a Educação Profissional e Tecnológica Setec/MEC/2004 a consultora distribuiu um exemplar a cada participante Folder A Educação Profissional no Brasil Setec/MEC/2004 Censo Escolar 2004 Fita de vídeo filme Quebra de Paradigmas, de Joel Backer Siamar TV e videocassete 2. MÓDULO II 2.1. Legislação da Educação Profissional 8 horas As atividades tiveram como objetivo propiciar espaço para interpretação e compreensão dos dispositivos legais que disciplinam a oferta de cursos técnicos de nível médio, bem como as novas orientações do Conselho Nacional de Educação sobre a integração com o ensino médio. Atividade 1: Explanação da legislação vigente Dinâmica de integração: A inversão da roda. A consultora fez uma explanação da legislação, utilizando exposição em PowerPoint e distribuindo a todos os participantes cópias dos slides e dos instrumentos legais abaixo: Decreto Federal nº 5.154/04; Parecer CNE/CEB nº 16/99; Resolução CNE/CEB nº 4/99; Resolução CNE/CEB nº 1/2004; Parecer CNE/CEB nº 39/2004; Resolução nº 134/2001 CEE-MA; Resolução CNE/CEB nº 1/2005. Atividade 2: Trabalho em grupo Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 11

11 Após apresentação dos slides e debates, realizou-se um trabalho em grupo para aprofundamento da legislação. Para a formação dos grupos, a consultora utilizou uma dinâmica de grupo com balas de diversos sabores. Formaram-se quatro grupos. A atividade consistiu em realizar uma leitura dos textos legais já distribuídos, discuti-los internamente e elaborar um quadro com os principais pontos abordados na legislação vigente. Em seguida, os grupos apresentaram os seguintes pontos: 1º grupo Organização da educação profissional. 2º grupo Organização curricular (criação de módulos, itinerários formativos etc.). 3º grupo Articulação/integração com o ensino médio (formas possíveis de concretização desta articulação ). 4º grupo Planos de cursos técnicos e de formação inicial e continuada (organização, etapas, cargas horárias, estágio etc.). A consultora fechou as apresentações, esclarecendo possíveis dúvidas. Explicou ainda sobre a organização dos cursos de qualificação, conforme o PNQ Plano Nacional de Qualificação, do Ministério do Trabalho e Emprego MTE, distribuindo a todos cópias do plano. Atividade 3: Conclusão do módulo A consultora concluiu o módulo, levando o grupo à reflexão sobre a necessidade de educação profissional que atenda a demandas sociais, demandas do mercado e demandas pessoais. Enfatizou a importância do conhecimento da fundamentação legal, que orienta as ações da educação profissional, e fez o seguinte questionamento: A educação profissional que estamos desenvolvendo atende ao que está sendo preconizado? Por quê? Solicitou que cada um respondesse com apenas uma palavra. Como é Como desejamos Educação Profissional Algumas respostas: Difícil Comprometida Incipiente Fraca Boa Respeitada Precisa melhorar Precisa ser fortalecida Deficiente Pouca oferta etc. Algumas respostas Abrangente De sucesso Valorizada Atuante Implementada com urgência Essencial De qualidade Respeitada Fortalecida Com mais oportunidades etc. 12 Educação Profissional :: Pontos de partida

12 A discussão foi encerrada, evidenciando a importância de uma educação profissional que atendesse ao pleno desenvolvimento do ser humano. Recursos utilizados no módulo II: Slides PowerPoint Textos principais dispositivos legais já mencionados Documento: PNQ Plano Nacional de Qualificação Folhas para flip-chart Pincel atômico Balas 3. MÓDULO III 3.1. Diretrizes Curriculares Nacionais 8 horas Os trabalhos consistiram de exposição oral, com o recurso de slides no PowerPoint, sobre planejamento das atividades de ensino para o desenvolvimento de competências, conceito de competência e currículo focado no desenvolvimento de competências. Além dos slides, foram usados textos como base para discussão, reflexão e compreensão dos conceitos, alternando atividades em grupo, dinâmicas, e concluiu-se com o filme Visão de futuro. Atividade 1: As aprendizagens essenciais Dinâmica de integração: os bichos (gato, pato, carneiro e cachorro). A dinâmica, além de integrar o grupo, teve como objetivo dividi-lo em subgrupos. A consultora distribuiu dois textos: As quatro aprendizagens essenciais, de Celso Antunes, e A Educação Profissional do Século XXI, de José Eustáquio Romão, para leitura em grupo e desenvolvimento de algumas atividades. O texto de Romão discute os re-aprenderes necessários, segundo o Relatório Jacques Delors RJD. O relatório é resultado dos trabalhos desenvolvidos, de 1993 a 1996, pela Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura UNESCO, com o qual colaboraram educadores do mundo inteiro. Publicado no Brasil sob o título de Educação um tesouro a descobrir (2000), representa a síntese do pensamento pedagógico oficial da humanidade, já que foi formulado e lançado sob a chancela do órgão máximo responsável pelo setor educacional no mundo. Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 13

13 Os grupos, após lerem os textos, discutiram como a educação profissional desejada pode contemplar estas aprendizagens essenciais: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a conviver; aprender a ser. Foi distribuído um quadro impresso, para ser preenchido com sugestões de ações educativas adequadas a cada uma dessas aprendizagens. Após o preenchimento, os grupos apresentaram suas sugestões, seguindo-se discussão e análise das propostas. Educação Profissional Aprendizagens Essenciais Ações Educativas Conhecer Fazer Conviver Ser Atividade 2: Currículo focado no desenvolvimento de competências Continuando com a explanação dos slides, discutiu-se o conceito de competência, conforme definido no Parecer nº 16/99 CNE/CEB. Competência profissional é a capacidade de mobilizar, articular e colocar em ação valores, conhecimentos e habilidades necessários para o desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho. A consultora dividiu o grupo em sete subgrupos, distribuiu cópias do item 7 do Parecer nº 16/99 CNE/CEB, para leitura, discussão interna, conclusão das principais ideias e apresentação na plenária dos subitens: estética da sensibilidade; política da igualdade; a ética da identidade; competências para o trabalho; flexibilidade, interdisciplinaridade e contextualização; identidade dos perfis profissionais; atualização permanente dos cursos e currículos e autonomia da escola. 14 Educação Profissional :: Pontos de partida

14 Os grupos leram os textos, discutiram e apresentaram os resultados, utilizando datashow, flipchart ou mesmo o quadro branco, fazendo a relação dos temas com as diretrizes curriculares e com a proposta de definição dos planos de cursos técnicos. Foi uma apresentação muito rica, em que se percebeu a compreensão e o envolvimento dos grupos com os assuntos estudados. Recursos utilizados no módulo III: Slides PowerPoint Textos e parecer CNE nº 16/99 Folhas para flip-chart Pincel atômico Data show/tela de projeção Filme: Visão de Futuro, Siamar Quadro Aprendizagens essenciais 4. MÓDULO IV 4.1. Metodologia de planejamento e desenvolvimento de currículos 12 horas O cenário nacional tem-se alterado substancialmente, com seus reflexos em todas as cadeias dos processos produtivos, no mercado de trabalho e, em particular, nas relações trabalhistas. Assim se elevam as exigências quanto ao desempenho pessoal e profissional dos indivíduos, levando os responsáveis pela implementação da oferta de cursos de educação profissional a promover a formação de qualidade, e isso perpassa a compreensão em desenvolver propostas curriculares condizentes com as realidades local e regional. Dessa forma, o curso, naquele momento, passou a ser direcionado para os objetivos específicos da construção de Planos de Cursos, levando em consideração a real necessidade do estado do Maranhão. A consultora promoveu uma discussão para definição das habilitações técnicas a serem desenvolvidas, lembrando que elas devem estar em consonância com o PEP e o termo de referência que norteia esse trabalho. Após as discussões, ficou decidida a divisão do grupo em três subgrupos, com afinidades e interesses comuns, para desenvolverem os seguintes planos de cursos: 1º Subgrupo Componentes: Secretaria de Ciência e Tecnologia Sectec, Conselho Estadual de Educação CEE, e Escola de Fábrica onze membros. Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 15

15 Área Profissional: Turismo e Hospitalidade Habilitação Técnica de Nível Médio em Turismo 2º Subgrupo Componentes: Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão Cetec-MA cinco membros. Área Profissional: Informática Habilitação Técnica de Nível Médio em Informática 3 Subgrupo Componentes: Secretaria de Educação Seduc, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac e Escola Agrotécnica Federal EAF sete membros. Área Profissional: Turismo e Hospitalidade Curso Técnico integrado com o Ensino Médio, com habilitação em Hotelaria. Após a definição dos grupos e habilitações que seriam desenvolvidas, a consultora deu continuidade às atividades sobre a metodologia para a elaboração dos planos de cursos. Atividade 1: Estudos de Demandas para Definição de Perfil A consultora usou slides no PowerPoint para apresentar o processo de construção de um plano de curso, iniciando com os estudos de demandas para definição da justificativa, objetivos e perfil profissional. O conhecimento e o entendimento da realidade educacional e profissional do estado e da região é a base para o início dos trabalhos de construção de um Perfil Profissional. Os estudos de demandas foram realizados pela Secretaria de Educação e pela Secretaria de Ciência e Tecnologia, para elaboração do Plano Estadual, do documento de Políticas Públicas para Educação Profissional do Estado do Maranhão e para subsidiar os projetos escolares dos centros de São Luis, Balsas e Açailândia, em fase de implementação. Analisaram-se também os estudos de mercado da Paer/Fundação Seade-SP, os quais foram realizados especificamente para subsidiar os estados na elaboração das suas propostas de educação profissional. Para auxiliar os grupos nos estudos e na análise desses documentos, a secretaria providenciou cópias para todos. Os grupos foram orientados a desenvolver estudos de demandas ou atualizar os existentes, sempre que forem implantar novos cursos técnicos. 16 Educação Profissional :: Pontos de partida

16 Num estudo de demanda, devem ser considerados aspectos como: perfil socioeconômico da área de abrangência; indicadores populacionais, por atividade econômica, faixa etária etc.; indicadores educacionais; PIB; indicadores habitacionais e IDH; características da demanda por mão de obra; caracterização, integração, organização e dinâmica do mercado de trabalho; segmentação do mercado de trabalho (trabalho formal e informal); distribuição do emprego por setores de atividade econômica e CBO Classificação Brasileira de Ocupações; informações sobre o desemprego; políticas, diretrizes e programas do governo federal, regional e municipal e suas relações com o projeto de qualificação profissional; previsão financeira de investimento por ramo de atividade; previsão de geração de postos de trabalho; projetos de geração de emprego e suas relações com a demanda por qualificação profissional; instalação de novos polos e empresas na região (caso existam); oferta concorrente (instituições, vagas e egressos por áreas e cursos). 5. MÓDULO V 5.1. Organização curricular Desenvolvimento das Oficinas: Elaboração dos Planos de Cursos de Turismo, Hotelaria e Informática 36 horas Com base na discussão e na compreensão dos estudos de demandas para definição da justificativa, objetivos e perfil profissional, os grupos iniciaram a elaboração dos planos de cursos. Antes, a consultora trabalhou todos os passos da metodologia, utilizando slides no PowerPoint, apostilas e textos sobre: identificação das competências requeridas por função e subfunção (Turismo e Informática); verificação das competências gerais; identificação das habilidades dos cursos de Turismo e Informática; definição das bases tecnológicas, correlacionadas com as competências e habilidades; organização curricular: definição de terminalidades; desenho dos módulos; definição dos itinerários; Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 17

17 definição e planejamento de estágio supervisionado; definição e planejamento do processo de avaliação; critérios de aproveitamento de conhecimentos e experiências anteriores; instalações e equipamentos; pessoal docente e técnico; certificados e diplomas. anexos que poderiam fazer parte de um plano. Durante o período de elaboração dos planos de cursos, foram desenvolvidas, junto aos grupos, diversas atividades teóricas e práticas, como: análise de diversos planos de cursos, utilizando o roteiro definido pela Setec/MEC; análise de documentos do Ministério da Educação, que orientam a construção dos planos de cursos; análise de documentos utilizados pelos Conselhos Estaduais de Educação; análise de documentos do Cadastro Nacional de Cursos Técnicos CNCT (sistematização dos planos para inserção e validação nacional); consulta à internet Classificação Brasileira de Ocupações CBO, e Cadastro Nacional de Cursos Técnicos CNCT. Avaliação do Curso A avaliação do curso foi realizada no último encontro, após as apresentações e a entrega dos planos concluídos. A consultora fez uma revisão das expectativas do grupo levantadas no primeiro dia e, junto com o grupo, analisou se o programa atingiu ou não os objetivos. De forma unânime, todos concordaram com o alcance dos objetivos propostos. Realizou-se então a seguinte dinâmica: Foram distribuídas quatro folhas de papel sulfite para cada participante. Solicitou-se que, na 1ª folha, o participante desenhasse o contorno da própria mão e escrevesse o que adquiriu e o que poderia oferecer ao grupo a partir de então. Na 2ª folha, pediu-se que desenhasse o contorno do próprio pé e escrevesse qual havia sido a contribuição do grupo para o seu caminhar. Na 3ª folha, deveria desenhar um coração e escrever seu sentimento em relação ao grupo. Na 4ª folha, pediu-se desenhasse uma cabeça e escrevesse quais tinham sido as ideias sobre educação profissional que surgiram na convivência com o grupo. Procedeu-se à solicitação de quatro voluntários para recolher separadamente as folhas com as mãos, pés, corações e cabeças desenhados. Pediu-se a cada voluntário que lesse: O que este grupo oferece A caminhada do grupo Os sentimentos do grupo As ideias construídas pelo grupo 18 Educação Profissional :: Pontos de partida

18 As respostas foram muito ricas e encontram-se, junto com os demais documentos trabalhados no curso, arquivadas na secretaria. Em seguida, foi exibido o filme Juntos e projetado o poema Certeza, de Fernando Sabino. Houve manifestações do grupo, comentários sobre o quanto valeu à pena terem participado do curso, dos conhecimentos adquiridos e do crescimento profissional e pessoal. Distribui-se a ficha de avaliação, que foi respondida por todos. A palavra foi dada à superintendente, professora Maria de Fátima Durans, que realizou o encerramento oficial, com a entrega dos certificados aos participantes. Brasília, 28 de julho de Gleicivan Barbosa Rodrigues Consultora Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 19

19 FICHA DE AVALIAÇÃO CAPACITAÇÃO DOS GESTORES E TÉCNICOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM METODOLOGIAS PARA ELABORAÇÃO SELEÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE PROPOSTAS CURRICULARES, Data: 7 a 19/7/2005 Local: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia Sectec Cidade: São Luís MA Dê a sua opinião quanto aos aspectos relacionados, marcando seu grau de satisfação, numa escala crescente de 1 a 3. Sua avaliação é essencial para orientar nossas atividades futuras. QUANTO AO EVENTO Alcance dos objetivos Qualidade do material Adequação das instalações Adequação da carga horária QUANTO AO DINAMIZADOR Relacionamento com o grupo Conhecimento dos temas trabalhados Facilitação e estímulo à aprendizagem QUANTO À SUA PARTICIPAÇÃO Interesse e dedicação Aprendizagem COMPLETE CONSIDERANDO ASPECTOS FACILITADORES OU DIFICULTADORES Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 21

20 Que bom... Que pena... Que tal... Consultora: Gleicivan Rodrigues 22 Educação Profissional :: Pontos de partida

21 ANEXO 24 Educação Profissional :: Pontos de partida

22 GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CENTRO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO PLANO DE CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO NA ÁREA DE INFORMÁTICA Equipe de elaboração: Manoel Machado Amorim José Willame Nascimento Santos Luciana Protázio Barbosa Janaína Pinheiro Heloísa Helena M. G. Guimarães São Luís MA 2005

23 SUMÁRIO CAPÍTULOS Pág. CAPÍTULO 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS Justificativa Objetivos Geral Específico...02 CAPÍTULO 2. REQUISITOS DE ACESSO...02 CAPÍTULO 3. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO...02 CAPÍTULO 4. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Matriz curricular Fluxograma Competências, habilidades e bases tecnológicas Módulo introdutório Informática Competências Habilidades Bases tecnológicas Módulo II Informática Competências Habilidades Bases tecnológicas Módulo III Arquitetura de hardware Competências Habilidades Bases tecnológicas Módulo IV Noções de programação Competências Habilidades Bases tecnológicas...21 CAPÍTULO 5. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES...22 CAPÍTULO 6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO...23 CAPÍTULO 7. DAS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Acervo bibliográfico...25 CAPÍTULO 8. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO...27 CAPÍTULO 9. CERTIFICADOS E DIPLOMAS...30

24 CAPÍTULO 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS 1.1. Justificativa Com a economia globalizada e os constantes avanços tecnológicos que se verificam no mundo e no Brasil, onde tudo gira em torno do mercado, a geração de trabalho e renda só poderá acontecer com massificação do conhecimento, que deve ocorrer em todos os níveis educacionais. Nesse âmbito, o Governo do Estado do Maranhão possui como meta mobilizadora a elevação do IDH Índice de Desenvolvimento Humano, pois este índice reúne três variáveis fundamentais ao desenvolvimento social e econômico: saúde, educação e renda. Em uma sociedade imersa nas evoluções tecnológicas do mundo globalizado, faz-se cada vez mais necessária a inclusão do cidadão por meio da educação, como via de acesso ao trabalho. Considerando essa relação que se estabelece, a opção de oferta de educação profissional deve apoiar-se na análise das características locais e das necessidades e possibilidades para formação profissional em diferentes áreas, sendo a área de informática a que concentra uma grande demanda, por estar presente em praticamente todos os campos de atividade. De certa forma, é exigido dos profissionais, de um modo geral, conhecimentos na área de informática, para atuarem de forma eficiente e eficaz no mundo laboral. Conforme consta no PEE Plano Estadual de Educação, no estado do Maranhão, a grande maioria dos cursos de educação profissional (antigos cursos de ensino médio profissionalizante) foram, gradativamente, extintos nas redes estadual e municipal, a partir de 1997, o que reforça ainda mais a carência desses profissionais, uma vez que cursos técnicos se têm concentrado somente na esfera federal e privada, não contemplando, dessa forma, uma camada relevante e necessitada da sociedade. Nessa perspectiva, destacam-se as dez unidades dos Centros de Capacitação Tecnológica do Maranhão Cetecs-MA, implantadas em municípios Polos de Desenvolvimento Regional do estado, constituindo-se, dessa forma, como instituições, em potencial para oferta de cursos técnicos na área de informática, bem como em outras áreas emergentes, uma vez que dispõem de infraestrutura adequada, com instalações compostas de equipamentos avançados e de um quadro de profissionais de elevada qualificação, sendo 70% com MBA em Gestão Tecnológica e Inovação, 20% com especialização em Gestão Tecnológica e Inovação e 10% com especialização em Gestão Empreendedora e Inovação. Estes cursos foram oferecidos pela FGV Fundação Getulio Vargas, por intermédio de parceiros como Cefet-PR, Escola do Futuro USP, Sangari do Brasil, entre outros. Cabe ressaltar, que os Cetecs-MA oferecem, há quatro anos, cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores na área das Ciências Naturais e Informática (Biologia, Física, Química e Informática) e cursos de qualificação profissional nas áreas de Alimentos, Eletricidade, Informática e Higiene e Limpeza. Ao todo são oferecidos, nos centros, em média, 28 cursos, variando este quantitativo conforme a demanda existente em cada município polo. Registra-se, portanto, que a evolução na oferta dos cursos está contemplada na Proposta Técnica dos Cetecs-MA, que vêm propor, por meio deste documento, a implantação do curso técnico de nível médio na área de informática, contribuindo, assim, com a meta mobilizadora do estado no que concerne à elevação do IDH Índice de Desenvolvimento Humano. Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional 1

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO. Deliberação CEE 105/2010 e Indicação CEE 108/2010

EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO. Deliberação CEE 105/2010 e Indicação CEE 108/2010 1 EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO Deliberação CEE 105/2010 e Indicação CEE 108/2010 Parecer Técnico 2 O parecer técnico, elaborado por especialista vinculado à instituição de ensino credenciada pelo CEE, deve

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA Documento elaborado no encontro realizado de 10 a 12 de agosto de 2004. Curitiba, PR Perfil do Profissional Ao final de cada

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

Ensino Técnico FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Tecnologia da Informação Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CARGO PROFESSOR BOLSISTA Edital nº 002/2015 de 07 de Maio de 2015. O Coordenador Geral do Núcleo de Ensino a Distância

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 35/2008-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 08/04/2008 I RELATÓRIO: INTERESSADO: SENAC CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO RECIFE JOÃO RODRIGUES MAIA ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO E SUPORTE DE REDES E DE SISTEMAS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS

EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS EDITAL 01/2014 EDITAL DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO PROJETOS PESSOAIS CAPÍTULO I Do Programa Art. 1º O BP Instituto, doravante denominado BPI, pessoa jurídica, responsável pela gestão do Condomínio Empresarial

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2011. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE. Professora: Ms. Eveline Batista Rodrigues

Plano de Trabalho Docente 2011. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE. Professora: Ms. Eveline Batista Rodrigues Plano de Trabalho Docente 011 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA - TARDE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

PROCESSO N.º 1771/2007 PROTOCOLO N.º 9.442.771-1 PARECER N.º 762/07 APROVADO EM 05/12/07

PROCESSO N.º 1771/2007 PROTOCOLO N.º 9.442.771-1 PARECER N.º 762/07 APROVADO EM 05/12/07 PROTOCOLO N.º 9.442.771-1 PARECER N.º 762/07 APROVADO EM 05/12/07 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: COLÉGIO SÃO JOSÉ EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO EMPRESARIAL FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Sistemas de Informação para Gestão Empresarial será oferecido em nível

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2013/11/1,29083/senai-educacao-profissional.html 21 de Novembro de 2013 SENAI - Educação profissional As possibilidades

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A Portaria MEC nº 328 de 1º de Fevereiro de 2005, instituiu o Cadastro de Pós- Graduação Lato Sensu a ser administrado pelo INEP. Assim, o cadastro

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO: INTERESSADO: INTERFACE CURSOS E CONSULTORIA RECIFE/PE ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGIMENTO, DA PROPOSTA PEDAGÓGICA E DO PLANO DO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. 54) O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Serviços Jurídicos

Leia mais

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino;

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; Compete ao Secretário Escolar: I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; II. cumprir a legislação em vigor e as instruções normativas emanadas da SEED, que regem o registro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico Plano Plurianual de Gestão 2013-2017 Etec Rubens de Faria e Souza Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico ORIENTAÇÕES: O Projeto Político Pedagógico é a identidade da escola. Nesta tela, apresente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis

Curso Técnico em Informática para Internet. Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Curso Técnico em Informática para Internet Depto Acadêmico de Saúde e Serviços (DASS) Campus Florianópolis Rede Escola Técnica Aberta do Brasil Programa nacional MEC (SEED/SETEC) - Decreto No.6301 de 12/12/2007

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Proposta de Estrutura Curricular do Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos com um Bloco Pedagógico nos Três Anos Iniciais RELATORA: Aldenilse Araújo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O curso de Sistemas de Informação teve início no segundo semestre de 003 e desde então vem formando profissionais capacitados a atuar no mercado

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1 - O presente Manual tem por finalidade orientar os alunos concluintes do Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Este plano de curso é válido para turmas iniciadas a partir de 31/01/2004, autorizado pela Portaria CEE/GP- 24 de 31/01/2004.

Este plano de curso é válido para turmas iniciadas a partir de 31/01/2004, autorizado pela Portaria CEE/GP- 24 de 31/01/2004. Este plano de curso é válido para turmas iniciadas a partir de 31/01/2004, autorizado pela Portaria CEE/GP- 24 de 31/01/2004. 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS JUSTIFICATIVA Bases Legais A habilitação profissional

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional

Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional Foto: Arquivo MEC Ivone Marchi Lainetti Ramos Manual do Estágio Diretrizes Pedagógicas para a Educação Profissional Ivone Marchi Lainetti Ramos 1 Equipe Gestora Eliana Inês Wilder Coordenadora de Educação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 201 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 0059 Município: Casa Branca Área Profissional: Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional:

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça / SP EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Redes de Computadores Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação, ofertado

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais