As tochas Olímpica e Paralímpica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As tochas Olímpica e Paralímpica"

Transcrição

1

2 As tochas Olímpica e Paralímpica Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Rio 2016 Versão 1.1

3 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 O simbolismo da chama 2 O surgimento da tocha Olímpica 3 O revezamento da chama Olímpica 4 O surgimento da tocha Paralímpica 5 O revezamento da chama Paralímpica

4 Introdução Introdução O fogo sempre desempenhou um papel essencial na vida dos homens. Descobrir como produzi-lo está entre as realizações mais extraordinárias da humanidade! Uma prova disso é o papel que ele exerce na maioria das mitologias, especialmente na grega, representando a busca humana pelo conhecimento e pela razão. Não é à toa que o fogo, também chamado de chama, é um dos símbolos mais importantes dos Jogos Olímpicos. A tradição de manter a chama acesa está presente desde os primórdios dos Jogos no século 8 a.c.

5 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Introdução Desde então, quase 3 mil anos se passaram, mas a chama e a tocha continuam mais vivas do que nunca, tornando-se dois dos principais símbolos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos da atualidade. Por isso, nesta aula, saberemos mais sobre como a tradição da chama Olímpica se manteve acesa por todos esses séculos. Pronto para começar? Então, vamos lá!

6 1 O simbolismo da chama

7 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 1 O simbolismo da chama Os gregos antigos explicavam a presença do fogo na Terra por meio do mito do titã Prometeus. Na mitologia grega, Zeus (o pai dos Deuses e dos homens) tinha o controle do fogo, cedendo-o à humanidade apenas em troca de sacrifícios. Compadecido pela falta de liberdade dos mortais, Prometeus rouba uma faísca de fogo e a entrega aos humanos, fazendo com que, a partir desse momento, eles passem a participar de tudo o que é divino. Por esse feito, Prometeus é considerado o primeiro portador da chama Olímpica. A ópera

8 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 1 O simbolismo do chama Saiba mais... Na mitologia grega, Prometeus (seu nome também aparece com as grafias Prometeu ou Prometheus) é um titã uma entidade mística, metade homem, metade Deus. Ele foi um grande defensor da humanidade e, por isso, foi condenado por Zeus que temia que os mortais se tornassem tão poderosos quanto os deuses a ficar aprisionado por 30 mil anos. Em homenagem a esse importante personagem mitológico, um dos 56 satélites de Saturno foi nomeado Prometeu.

9 2 O surgimento da tocha Olímpica

10 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 2 O surgimento da tocha Olímpica O surgimento da tocha Olímpica: a Grécia Antiga e os Jogos da Era Moderna Desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Antiguidade, em 776 a.c., uma chama era acesa em Olímpia, na Grécia, no templo de Hera. Para acendê-la, utilizava-se um espelho côncavo chamado skaphia. Ele convergia os raios de sol para um ponto específico, produzindo a chama. A chama queimava durante todos os Jogos para representar os valores da PUREZA, da AMIZADE, da RAZÃO e da PAZ. Porém, após o domínio romano, os Jogos Olímpicos foram extintos por mais de mil anos, terminando, também, com a tradição da chama Olímpica...

11 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas 1896 Capítulo 2 O surgimento da tocha Olímpica O retorno da chama Foi em 1896, nos Jogos Olímpicos de Atenas, que a chama voltou a ser acesa na Grécia, tornando-se o elo mitológico entre os Jogos da Antiguidade clássica e os Jogos da Era Moderna. Nessa edição, foi feita uma procissão de tochas no centro de Atenas, celebrando o renascimento dos Jogos. Porém, alguns anos se passaram até que o ritual de revezamento da chama Olímpica fosse criado, em 1936, nos Jogos de Berlim.

12 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas O acender da chama Olímpica Para refletir A chama Olímpica é acesa muitos meses antes dos Jogos iniciarem. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing Mesmo nos elit. dias Pellentesque atuais, para garantir vel risus a nisl, tradição, sit amet a chama laoreet é acesa em odio. Olímpia, Praesent no templo vulputate de Hera, ligula no ut local ante original venenatis dos Jogos Olímpicos suscipit. Suspendisse da Antiguidade. aliquam ipsum id risus fermentum vestibulum. Duis et nunc in lacus A cerimônia blandit recria faucibus. o método Aliquam usado na pulvinar Grécia ornare Antiga, ipsum, utilizando o sed mesmo consectetur espelho tellus côncavo rutrum (a skaphia). nec. Morbi Para accumsan, acender a chama, nulla nec sacerdotisas cursus aliquam, inserem sodales uma quam, pira et na porta concavidade erat desse est eu espelho, quam. que concentra os raios da luz do Sol. Capítulo 2 O surgimento da tocha Olímpica Em seguida, na mesma cerimônia, essa chama irá acender a tocha Olímpica. Veja como ela acontece. Olympic Flame Lit for Games in Russia

13 3 O revezamento da chama Olímpica

14 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 3 O revezamento da chama Olímpica A tradição do revezamento da chama Olímpica foi iniciada nos Jogos Olímpicos de 1936, em Berlim. Foi nesta edição que, pela primeira vez, um grupo de atletas transportou uma chama das ruínas do templo de Hera, em Olímpia, até o Estádio Olímpico de Berlim. O revezamento da chama foi criado para simbolizar a paz, a união entre os povos e a luta pela vitória. Seu objetivo é também anunciar o início dos Jogos Olímpicos e a sua chegada a uma nova cidade-sede.

15 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 3 O revezamento da chama Olímpica O ritual de revezamento 1 o Passo A chama é acessa em uma cerimônia com rituais antigos, no templo de Hera, em Olímpia. 2 o Passo A chama é transportada por atletas e convidados, que a revezam, tocha por tocha, até a cidade-sede dos Jogos Olímpicos. Tradicionalmente, a chama passa por vários pontos do país que irá sediar os Jogos. 4 o Passo Durante a cerimônia de abertura, a pira Olímpica é acessa, ritual que tem se tornado cada vez mais emocionante a cada edição dos Jogos. 3 o Passo Um atleta ou figura famosa, usualmente um nome bastante renomado no país ou cidade-sede, carrega a chama até a pira Olímpica na cerimônia de abertura.

16 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 3 O revezamento da chama Olímpica O transporte da chama Olímpica: criatividade e inovação Você já deve ter visto muitas imagens de atletas correndo e repassando a chama de tocha em tocha, não é mesmo? Mas existem muitas outras maneiras de transportá-la... Londres, 1948 Helsinke, 1952 Lillehammer, 1994 Sidney, 2000 Sochi, 2013 Para atravessar o Canal da Mancha, a chama Olímpica foi levada por um barco. Pela primeira vez, a chama foi transportada num avião até a cidadesede, Helsinke. Nesta edição dos Jogos Olímpicos de Inverno, na Noruega, a chama foi carregada por um esquiador. Na Austrália, a chama passou até pelo fundo do mar, transportada por um mergulhador. Nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, a chama Olímpica visitou a Estação Espacial Internacional (ISS). Veja aqui qual será o caminho percorrido pela tocha Rio 2016:

17 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 3 O revezamento da chama Olímpica Para refletir Na cerimônia de revezamento, a chama Olímpica representa os valores da paz, da união entre os povos e da luta pela vitória. O objetivo é acender o espírito Olímpico! Mas não é só nos Jogos Olímpicos que o fogo é utilizado para festejar. Leve essa reflexão para a turma, pedindo para que cada um cite algum momento em que usamos o fogo, a chama ou fogos especiais para celebrar. Pergunte, também, quais os cuidados que se deve ter nestas situações. Finalize questionando por que a turma acha que o fogo e a chama são tão importantes em momentos de celebração ou cerimônias.

18 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 3 O revezamento da chama Olímpica Originalidade, beleza e surpresa no ritual da pira Olímpica O ritual para acender a pira Olímpica tem se tornado um dos momentos mais emocionantes e surpreendentes da abertura dos Jogos Olímpicos. Um dos momentos mais impactantes foi na cerimônia dos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, quando um arqueiro acendeu a pira disparando uma flecha com a chama retirada da tocha. Após acesa, a chama da pira queima durante todo o período dos Jogos, sendo apagada durante a cerimônia de encerramento. Veja o ritual da pira Olímpica nos Jogos de Barcelona, em 1992.

19 4 O surgimento da tocha Paralímpica

20 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas 2008 Capítulo 4 O surgimento da tocha Paralímpica A primeira tocha Paralímpica surgiu em 1988, nos Jogos Paralímpicos de Seul. Era a 8ª edição dos Jogos Paralímpicos, mas, pela primeira vez, em 24 anos a competição foi disputada na mesma estrutura usada pelos Jogos Olímpicos. Desde então os Jogos Paralímpicos crescem a cada edição, passando a ser, por regra, na mesma cidade do evento Olímpico. Hou Bin subindo em direção à tocha durante os Jogos Paralímpicos de Pequim, 2008.

21 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 4 O surgimento da tocha Paralímpica Saiba mais... Participaram dos Jogos Paralímpicos de Seul atletas de 61 delegações e foram quebrados 971 recordes mundiais. Antes, o recorde de países participantes havia sido nos Jogos de Nova York, em 1984, que contou com a presença de 45 nações. Nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 irão participar atletas de 176 países.

22 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas 1948 Capítulo 4 O surgimento da tocha Paralímpica O nascimento dos Jogos Foi em 1948, em Stoke Mandeville, na Inglaterra, que aconteceu a primeira competição para atletas com deficiência. A iniciativa foi do médico alemão Ludwing Guttmann e reuniu veteranos da Segunda Guerra Mundial com lesão na medula espinhal. Competição de arcos em Stoke Mandeville (1948) O sucesso foi tanto que atletas Holandeses se uniram ao movimento e, quatro anos depois, em 1960, aconteceu a primeira edição oficial dos jogos Paralímpicos, em Roma na Itália.

23 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 4 O surgimento da tocha Paralímpica Jogos Paralímpicos: momentos marcantes Primeira competição com atletas que tinham sofrido lesões na medula. Primeira Edição Oficial dos Jogos Paralímpicos. Grupos com diferentes deficiências participam dos Jogos Paralímpicos. Os Jogos Paralímpicos passam a ser sediados na mesma cidade que os Jogos Olímpicos. Primeira edição dos Jogos Paralímpicos da América do Sul Stoke Mandeville 1960 Roma 1976 Toronto 1988 Seul 2016 Rio de Janeiro

24 5 O revezamento da chama Paralímpica

25 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 5 O revezamento da chama Paralímpica O revezamento da chama Paralímpica foi lançado com uma cerimônia de luzes na Montanha de Mani, na Ilha Kangwa, na Coréia. A chama foi transportada por 282 atletas (111 portadores de alguma deficiência) em uma rota de cerca de 105 km. Símbolo dos Jogos Paralímpicos de Seul, em 1988.

26 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 5 O revezamento da chama Paralímpica O revezamento da chama Paralímpica: momentos importantes Em Atlanta, em 1996, mais de atletas Paralímpicos carregaram a chama durante o revezamento, o dobro da edição anterior, em Barcelona. Em Salt Lake City, nos Jogos Paralímpicos de Inverno de 2002, Eric Weihenmeyer, o primeiro homem cego que escalou com sucesso o Monte Everest, carregou a tocha Paralímpica guiado por seu cão. Nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012, o revezamento da chama gerou 4 cerimônias realizadas nos pontos mais altos de cada país do Reino Unido: Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales.

27 Aula 1 A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas Capítulo 5 O revezamento da chama Paralímpica Relembrando Acesse o vídeo para assistir a história da Tocha Olímpica, contada nesta aula, e descobrir outras curiosidades:

28 Conclusão Você concluiu a Aula 1, A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas, do curso As tochas Olímpica e Paralímpica! Nesta aula, você conheceu a origem das tochas Olímpica e Paralímpica e a simbologia por trás desta chama, que está ligada ao mito grego de Prometeus. Aprendeu que a tocha Paralímpica começou a ser usada em 1988 e que a tradição da chama Olímpica foi extinta por mais de mil anos, mas retornou nos Jogos de Atenas, em Mais do que um elo mitológico que conecta os Jogos da Antiguidade clássica aos Jogos da Era Moderna, a chama e o seu ritual de revezamento anunciam o início dos Jogos e simbolizam a paz, a união entre os povos e a luta pela vitória. Nas próximas aulas, você irá saber mais sobre as tochas Olímpica e Paralímpica dos Jogos Rio Até mais!

29 FICHA CATALOGRÁFICA Título: As tochas Olímpica e Paralímpica Assunto: A história das tochas Olímpicas e Paralímpicas tocha Olímpica, tocha Paralímpica, chama, história, simbolismo, Palavras-chave: revezamento Data da publicação: 04/2016 Edição: 2ª edição Autor/Criador: Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Comitê Olímpico Brasileiro COB Colaboração: Área de Revezamento de Tocha do Comitê Rio 2016 Banco de Imagens Rio 2016 Imagens: Getty Images Tipo de Documento: Aula Digital Idioma: Português (Brasil) Objeto Digital: Slide de Apresentação Formato:.pptx e.pdf Local original: Apoiador oficial Parceiros nacionais Parceiros internacionais Realização

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 1 A história da tocha Olímpica Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 O simbolismo da chama 2 O surgimento da tocha Olímpica 3 O revezamento

Leia mais

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016 1 CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2016 2 Pratique, pratique, pratique,. Pode inovar, não ha regra apenas sugestões. Pode falar

Leia mais

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores MERCM Mestrado em Eng. de Redes de Comunicação e Multimédia Dissertação

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36 MANUAL DE NORMAS Universo cromático Pantone 470 C C M Y K 0% 58% 100% 33% Black 50% Black Família Tipográfica Barmeno Regular utilizado nas palavras municipal de lisboa abcdefghijklmnopqrstuvxz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXZ

Leia mais

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA RTP MÚSICA VERSÃO VERTICAL GRELHA / EIXOS BRAND GUIDELINES GRELHA / EIXOS VERSÃO VERTICAL VERSÃO HORIZONTAL BRAND GUIDELINES VERSÃO MOSCA COMPORTAMENTOS CROMÁTICOS (VERSÃO HORIZONTAL E VERTICAL) Cor Directa

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS IFDR, IP MANUAL DE NORMAS Este guia de normas representa, no seu conteúdo, o conjunto das regras básicas de utilização da marca, bem como das suas declinações e complementos visuais. A utilização dos elementos

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 3 A Mascote e a Marca. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 3 A Mascote e a Marca. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 3 A Mascote e a Marca Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Identificar a mascote como o símbolo de cada edição dos Jogos Olímpicos. 2 Reconhecer as principais mascotes ao longo das

Leia mais

POCH MANUAL DE NORMAS

POCH MANUAL DE NORMAS POCH MANUAL DE NORMAS 2015 A MARCA A marca é o elemento mais identificativo da identidade corporativa. A normalização da mesma é essencial para preservar a sua legibilidade e percepção. Por esse motivo,

Leia mais

MANUAL NORMAS GRÁFICAS

MANUAL NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2016 MIGUEL GATA INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da ESCOLA PROFISSIONAL PRÁTICA UNIVERSAL BRAGANÇA Dada a importância que

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016 MANUAL DE NORMAS Guia de identidade visual Abril. 2016 A logomarca tem como base a interação com as pessoas. É por isso que é tão importante que todos os que trabalham com a logomarca Nosso Shopping percebam

Leia mais

Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos

Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos Edital de Chamada para Trabalhos Acadêmicos A Comissão Organizadora do VI Encontro Estudantil Regional de Relações Internacionais EERRI convida a comunidade acadêmica de relações internacionais para o

Leia mais

KIT DE NORMAS GRAFICAS

KIT DE NORMAS GRAFICAS KIT DE NORMAS GRAFICAS ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 INTRODUÇÃO CONCEÇÃO DO SELO CORES DO SELO SELO MONOCROMÁTICO REFERÊNCIAS DE COR OUTRAS CORES FUNDOS FOTOGRÁFICOS ÁREA DE PROTEÇÃO REDUÇÃO TIPOGRAFIA

Leia mais

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE: FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE:  FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/ CATÁLOGO 2015 DE PRODUTOS FORMA DE BAURU C/1 009118 ROLO PARA PINTURA 15CM C/1 009197 ESPREMEDOR DE LARANJA C/1 009149 FURA COCO C/1 009301 Página 12 Página 12 VISITE NOSSO SITE: www.grupoufs.com.br HISTÓRIA

Leia mais

Manual de Normas Gráficas

Manual de Normas Gráficas Manual de Normas Gráficas A criação da identidade visual da Proxira, tem por base um sistema de aplicações coerente, organizado e bem definido. O manual de identidade visual apresentado reúne os elementos

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

Brand Identity Guidelines

Brand Identity Guidelines Brand Identity Guidelines manual PARA QUÊ? Índice 1.0 Logotipo 00 1.1 Apresentação 00 1.2 Cores Institucionais 00 1.3 Símbolo 00 1.4 Família Tipográfica 00 1.5 Redução 00 1.6 Versões 00 Este manual explica

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN:

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN: Normas para publicação Formatação da página (margens): Topo: 3,3 cm Inferior: 3 cm Esquerda: 2,3 cm Direita: 2 cm Título: Fonte: Arial, 14 Alinhamento do texto: à esquerda Norma para publicação Autoria:

Leia mais

MUSEU do FUTEBOL manual da marca

MUSEU do FUTEBOL manual da marca manual da marca MUSEU do FUTEBOL manual da marca 03 06 07 11 13 14 15 19 23 24 25 conceito ASSINATURAS PREFERENCIAIS ASSINATURAS secundárias dimensões da marca uso da tipologia Auxiliar opções de uso da

Leia mais

Processamento da Informação Vetores Parte 1 (Arrays / Arranjos )

Processamento da Informação Vetores Parte 1 (Arrays / Arranjos ) Processamento da Informação Vetores Parte 1 (Arrays / Arranjos ) Prof. Jesús P. Mena-Chalco CMCC/UFABC Q1/2017 1 Armazenar 10 inteiros em um programa... Usando variáveis: Usando um vetor: Para acessar

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas 01 Índice Introdução # 3 Marca # 4 Logótipo # 5 Símbolo # 6 Construção Identidade # 7 Versões # 8-9 - 10 Arquitetura Marca # 11 Identidade Inglês # 12 Identidade Espanhol # 13 Área de proteção # 14 Dimensões

Leia mais

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS.

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS. Aplicações Cartão Loja Buscamos e aviamos sua receita www.pharmasu.com.br Matriz: Av. C-159 nº 670 Filial T-9: Av. T- 9 nº 2.811 (62) 3526-4910 Farmacia Ipasgo: Av. Anhanguera nº 8517 Campinas (62) 3526-5900

Leia mais

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Concursos Empregos Proxima edição/fi cha técnica 19 Prêmio Design MCB http://www.mcb.sp.gov.br web designer

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL APRESENTAÇÃO DA MARCA Uma nova marca, um novo momento, Apontando Para o futuro. Apresentamos o novo logotipo da Azuma Kirin Company, com sua assinatura. Neste arquivo você encontra

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 4 Ciclismo, ciclismo BMX e paraciclismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas

Leia mais

Monografia Índice Completo

Monografia Índice Completo Monografia Definição: dissertação a respeito de um assunto único; estudo minucioso a fim de esgotar determinado tema relativamente restrito. Monografia é uma dissertação sobre um ponto particular de uma

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

Série. 1º ano. MAT. Disciplina: ED. FÍSICA Professor: Rogério Toscano. O Movimento Olímpico

Série. 1º ano. MAT. Disciplina: ED. FÍSICA Professor: Rogério Toscano. O Movimento Olímpico Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2016 Série 1º ano ATIVIDADES TURMA (S) B Valor da Lista R$ MAT. Disciplina: ED. FÍSICA Professor: Rogério Toscano Data: / / 2016.

Leia mais

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência Prof.: Ivan R. Pagnossin Tutora: Juliana Giordano Coordenadoria de Tecnologia da Informação Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada Definição e dimensões Largura Altura Profundidade g Altura total Linha-base

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

[ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ ]

[ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ ] [ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ 10.07.14 ] INTRODUÇÃO A proposta de identidade institucional da união das freguesias de

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO MARCA

MANUAL DE APLICAÇÃO MARCA MANUAL DE APLICAÇÃO DA MARCA 3 4 5 6 GRADE DE CONSTRUÇÃO EXEMPLOS MARGENS DE SEGURANÇA REDUÇÃO MÁXIMA 7 7 8 9 APLICAÇÃO DO ÍCONE EXEMPLOS CORES VERSÕES DO LOGOTIPO 10 11 APLICAÇÕES DO LOGOTIPO TIPOGRAFIA

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Manual de Identidade Visual

Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Manual de Identidade Visual Universidade Federal da Integração Latino-Americana Manual de Identidade Visual Índice 1. Sistema Básico 2. Sistema Aplicativo 1.1 Assinatura Institucional 1.1.1 Preferencial / Versão Horizontal 1.1.2

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014

MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014 MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014 INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da Marca de Bragança. Dada a importância que tem a imagem gráfica na

Leia mais

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX www.in-lex.pt ª 12EDIÇÃO In-Lex 2017 ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX Lorem ipsum dolor sit amet, Suspendisse at tellus. Nullam in nisl. Curabitur dolor metus, consectetuer adipiscing elit. nisl.

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 2 Tênis e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais

1 Sumário Origem... 3 Símbolos... 4 Jogos de Inverno... 5 Jogos Paraolímpicos... 6 Modalidades... 7 Entrega de Medalhas... 8 Cerimônias... 9 Referências Bibliográficas... 10 2 Origem Os Jogos Olímpicos

Leia mais

Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G.

Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G. Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G. Oque são os jogos olímpicos Jogos Olímpicos são um evento multiesportivo mundial com modalidades de verão

Leia mais

MERCHANDISING. highdesignexpo.com

MERCHANDISING. highdesignexpo.com MERCHANDISING highdesignexpo.com /Prezado Expositor, BEM VINDO À HIGH DESIGN HOME & OFFICE EXPO! Agora que estamos juntos e sua empresa faz parte deste seleto grupo, porque não se destacar ainda mais?

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MUNICÍPIO DE BRAGANÇA NOVEMBRO 2014 INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas gráficas do Município de Bragança. Dada a importância que tem a imagem

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

CONQUISTAS MELHORES MARCAS. Bronze na Maratona Internacional de Porto Alegre (21km) Ouro no Campeonato Mundial (42km) 2017

CONQUISTAS MELHORES MARCAS. Bronze na Maratona Internacional de Porto Alegre (21km) Ouro no Campeonato Mundial (42km) 2017 DESENVOLVIDO POR PERFIL Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco

Leia mais

Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016

Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016 Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016 De 5 a 21 de agosto do ano que vem serão realizados os jogos olímpicos 2016 na cidade do Rio de Janeiro. O evento contará com a participação de 10.500

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION. Semana de 8 a 12 de agosto de A história das olimpíadas

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION. Semana de 8 a 12 de agosto de A história das olimpíadas COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa / 5ºano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 Troca do Livro 5º A e B 5º C quarta-feira quinta-feira Leia o texto a seguir para fazer as lições da

Leia mais

MANUAL DE MARKETING. Realização e Promoção

MANUAL DE MARKETING. Realização e Promoção Realização e Promoção APRESENTAÇÃO No catálogo oficial da Feira de Beleza do Nordeste - HAIRNOR 2017, você encontra a relação de expositores e seus dados como endereço, contatos, marcas, incluindo a descrição

Leia mais

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016 XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas 30/05 a 04/06/2016 Apresentação Oral Apenas trabalhos experimentais concluídos Instruções para Resumos Expandidos Formatação Os resumos devem ser

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 SURGIMENTO DOS JOGOS

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 SURGIMENTO DOS JOGOS COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 Troca do livro 2 A, B e C terça-feira Segunda-feira Curitiba, 8 de agosto de 2016. Leia o texto e

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL RECEITA ESTADUAL RS Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL RECEITA ESTADUAL RS Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul Conceituação.2 O maior patrimônio de muitas grandes empresas é sua identidade visual ou sua imagem corporativa. E como essas empresas

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 2015

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 Conceito Uma das características mais marcantes do Grupo Mirante é a forte ligação com os aspectos regionais da cultura maranhense. Por esse motivo, o Grupo leva o nome de

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa / 4ºano 4º A. Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 sexta-feira q. A história das olimpíadas

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa / 4ºano 4º A. Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 sexta-feira q. A história das olimpíadas COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa / 4ºano 4º A Troca do Livro 4º B 4º C Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 sexta-feira q quarta-feira segunda-feira Leia o texto a seguir para fazer

Leia mais

Título da Dissertação

Título da Dissertação FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Título da Dissertação Nome do Autor VERSÃO DE TRABALHO Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Orientador: Nome do Orientador 24 de Janeiro

Leia mais

Área de proteção, Malha construtiva e Redução mínima.

Área de proteção, Malha construtiva e Redução mínima. MANUAL DE MARCA Área de proteção, Malha construtiva e Redução mínima. MENOR APLICAÇÃO x REFERÊNCIA 15 mm com slogan Para web: 100 pixels com slogan 10 mm sem slogan Para web: 50 pixels sem slogan y y MENOR

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL Catarinense. Manual de Identidade Visual do Instituto Federal Catarinense

INSTITUTO FEDERAL Catarinense. Manual de Identidade Visual do Instituto Federal Catarinense INSTITUTO FEDERAL Manual de Identidade Visual do Instituto Federal CECOM/Reitoria - 2016 Apresentação A marca Instituto Federal é o principal elemento da identidade visual institucional, que simboliza

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

TÍTULO DA MONOGRAFIA

TÍTULO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO NOME SOBRENOME TÍTULO DA MONOGRAFIA Belém 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Informações do contratante. Pré-contrato. Informações do Titular. Informações de Endereço Residencial. Informações de Endereço Comercial

Informações do contratante. Pré-contrato. Informações do Titular. Informações de Endereço Residencial. Informações de Endereço Comercial Informações do contratante Nome: carol Email: carolina.mello@axeisaude.com.br Data de Nascimento: 12/12/1990 Sexo: Feminino Fone: (99) 23232-3232 CEP: 15010-085 Tipo de Plano: Coletivo Adesão CPF: 123..

Leia mais

Elaborar Apresentações. Luís Garcia

Elaborar Apresentações. Luís Garcia Elaborar Apresentações Luís Garcia E falemos de apresentações É necessária uma hora de preparação para cada minuto de uma apresentação. Wayne Burgraff Ninguém se queixa de um discurso demasiado curto!

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 13/Nov/13 A FAMÍLIA TRAPO FOI RENOVADA, MAS CONTINUA CAUSANDO MUITA CONFUSÃO. A REDE RECORD, RECORD NEWS e PORTAL R7, oferecem

Leia mais

Empresa. Fluxograma. Nosso site. Manual de Montagem. Produtos. Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico. Soluções.

Empresa. Fluxograma. Nosso site. Manual de Montagem. Produtos. Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico. Soluções. Capa Empresa 6 Fluxograma 14 Manual de Montagem Nosso site 8 9 Produtos 17 Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico Soluções 9 Índice QUALIDADE SEGURANÇA INOVAÇÃO 03 05 Desde

Leia mais

olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21

olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21 olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21 O que são os jogos? É o maior evento esportivo do planeta. Como surgiram? Foram criadas a mais de 4000 anos

Leia mais

Manual - Design UFAM

Manual - Design UFAM Manual - Design UFAM Índice Introdução 3 Aplicações principais 20 A marca Inspiração/Conceito Desenho da marca Assinaturas Malha de construção Versões monocromáticas Aplicaçao sobre fundos Redução máxima

Leia mais

Manual de aplicação da marca

Manual de aplicação da marca Manual de aplicação da marca Uso da Marca Submarcas Tipografias Índice 05 06 07 08 10 11 12 13 15 LOGOTIPO REDUÇÃO MÁXIMA ÁREA DE PROTEÇÃO VERSÃO P&B / NEGATIVO APLICAÇÃO DO SÍMBOLO ÁREA DE PROTEÇÃO SÍMBOLO

Leia mais

Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado da Bahia Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES sumário sumário 7 Apresentação 8 A NOVA MARCA FECOMÉRCIO

Leia mais

NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO

NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO FORTALEZA

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 12/Nov/13 TÁ TUDO EM CASA A REDE RECORD e o PORTAL R7, oferecem ao mercado anunciante a oportunidade de estar presente como

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração dos Trabalhos Finais Nota prévia: As normas agora aprovadas devem ser entendidas

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

ap e em Em busca dos melhores São Paulo, 16 de outubro de 2015

ap e em Em busca dos melhores São Paulo, 16 de outubro de 2015 São Paulo, 16 de outubro de 2015 Secretaria Executiva Comunicação Visual: Patrocínio Conceito Criar um evento independente da marca Captativa porém com relações subliminares. O objetivo de criar um evento

Leia mais

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 2 A tocha dos Jogos Rio 2016 Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 As principais características da tocha dos Jogos Rio 2016 2 O revezamento

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

SUGESTÃO DE ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES S.R.E UBERLÂNDIA EQUIPE PIPII/CBC

SUGESTÃO DE ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES S.R.E UBERLÂNDIA EQUIPE PIPII/CBC SUGESTÃO DE ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES S.R.E UBERLÂNDIA EQUIPE PIPII/CBC DEUSES E HOMENS HISTÓRIA DAS OLIMPÍADAS Os gregos inventaram os Jogos Olímpicos há mais de 3 mil anos. Durante esse tempo, muitas

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

Trabalho sobre Olímpiadas e o Japão. Felipe Isler nº6 Gabriel Mol nº7 Heloísa Bagatini nº9 Luiza Inforzato nº22

Trabalho sobre Olímpiadas e o Japão. Felipe Isler nº6 Gabriel Mol nº7 Heloísa Bagatini nº9 Luiza Inforzato nº22 Trabalho sobre Olímpiadas e o Japão Felipe Isler nº6 Gabriel Mol nº7 Heloísa Bagatini nº9 Luiza Inforzato nº22 A Origem Ainda não se tem certeza sobre o nascimento das olimpíadas. Sua origem é incerta

Leia mais

Sindicatos. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO

Sindicatos. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO ligados à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Manual de

Leia mais

ESCREVER O TÍTULO NO IDIOMA EM QUE FOI ESCRITO A PUBLICAÇÃO

ESCREVER O TÍTULO NO IDIOMA EM QUE FOI ESCRITO A PUBLICAÇÃO aa/bb/cc/dd-tdi ESCREVER O TÍTULO NO IDIOMA EM QUE FOI ESCRITO A PUBLICAÇÃO Nome Completo do Autor Tese de Doutorado ou Dissertação de Mestrado do Curso de Pós- Graduação em Nome do Curso, orientada pelo(a)

Leia mais

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA CONSTRUÇÃO HORIZONTAL CONSTRUÇÃO VERTICAL LOGÓTIPO de artes e design de artes e design de tecnologia do mar de tecnologia do mar de saúde de tecnologia

Leia mais

O QUE É MARCA? Tem a capacidade de traduzir a essência de uma organização em seus produtos, serviços e na forma de se relacionar e se comunicar.

O QUE É MARCA? Tem a capacidade de traduzir a essência de uma organização em seus produtos, serviços e na forma de se relacionar e se comunicar. MANUAL da Marca O QUE É MARCA? Marca é a expressão da cultura, do jeito de ser de uma organização. Marcas são experiências construídas junto às pessoas, que refletem uma forma única de ser, de se relacionar

Leia mais

Como Usar Este Modelo por [Autor do Artigo]

Como Usar Este Modelo por [Autor do Artigo] TÍTULO SUBTÍTULO Edição nº Título Subtítulo Data da Edição Como Usar Este Modelo DIGITE O SLOGAN AQUI Este boletim informativo é criado principalmente usando colunas de texto, para que o texto quebre automaticamente

Leia mais

Colégio Interamericano de Defesa

Colégio Interamericano de Defesa 2016-2017 Colégio Interamericano de Defesa Manual de Procedimentos de Admissão FORT LESLEY J. MCNAIR WASHINGTON, D.C. Conteúdo Mensagem da Diretora... 1 Orientações... 2 Requisitos de admissão... 3 Biografia

Leia mais

REGULAMENTO GALO AWARDS. 1) Apresentação

REGULAMENTO GALO AWARDS. 1) Apresentação REGULAMENTO GALO AWARDS 1) Apresentação O Primeiro Prêmio GaloAwards, instituído pelo curso de Comunicação Social do Centro Universitário da Grande Dourados - UNIGRAN, localizada na Rua Balbina de Matos,

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Para ajustar as velas, é preciso conhecer a direção dos ventos

Para ajustar as velas, é preciso conhecer a direção dos ventos Para ajustar as velas, é preciso conhecer a direção dos ventos Lorem ipsum dolor sit amet, ligula suspendisse nulla pretium, rhoncus tempor placerat fermentum, enim integer ad vestibulum volutpat. Nisl

Leia mais

A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc

A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc Ana Cláudia Coutinho Leal Andyara Stephanie dos Santos Almeida Daiany Aparecida da Silva Batista Joyce Grazielle Castilho Nereu

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014 PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014 1.1. SÍMBOLO, LOGÓTIPO E BRANDLINE 01. 12 - VERSÃO PRINCIPAL BRANDLINE SÍMBOLO LOGÓTIPO Apresentação da identidade ALER -. A identidade é composta

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL. Club Athletico Paulistano

GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL. Club Athletico Paulistano GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL Club Athletico Paulistano GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL Fevereiro 2013 INTRODUÇÃO Este guia traz os elementos básicos da identidade visual da marca Club

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

Produto. logótipo no suporte a ser utilizado.

Produto. logótipo no suporte a ser utilizado. Apresentação do conceito, Apresentação desde das palavravas-chave, diferentes versões inspirações e referências para a criação com da nova normas imagem relativas do curso à disposição de licenciatura

Leia mais