CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FAC CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL NATÁLIA DE ANDRADE LOPES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FAC CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL NATÁLIA DE ANDRADE LOPES"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FAC CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL NATÁLIA DE ANDRADE LOPES SOB O OLHAR DOS CLIENTES : A IMAGEM DO BANCO PALMAS COMO EXPERIÊNCIA COLETIVA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO CONJUNTO PALMEIRAS FORTALEZA - CE 2013

2 NATÁLIA DE ANDRADE LOPES SOB O OLHAR DOS CLIENTES : A IMAGEM DO BANCO PALMAS COMO EXPERIÊNCIA COLETIVA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO CONJUNTO PALMEIRAS Monografia submetida à aprovação da coordenação do curso de Serviço Social do Centro Superior do Ceará como requisito parcial para obtenção do grau de Graduada em Serviço Social, sob orientação do Prof.Ms. Mário Henrique Castro Benevides. FORTALEZA - CE 2013

3 NATÁLIA DE ANDRADE LOPES SOB O OLHAR DOS CLIENTES : A IMAGEM DO BANCO PALMAS COMO EXPERIÊNCIA COLETIVA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO CONJUNTO PALMEIRAS Monografia como pré-requisito para obtenção do título de Bacharelado em Serviço Social, outorgado pela Faculdade Cearense FaC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data da aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Professor Ms. Mário Henrique Castro Benevides (Orientador) Faculdades Cearenses - FaC Professor Ms Francisco Secundo Neto FAMETRO Professor (a) Ms Priscila Nottingham Faculdades Cearenses - FaC

4 Aos meus pais, D. Francisca e seu Maciel (in memorian). Ao meu amor e companheiro, Ribamar Júnior

5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais/avós D. Francisca e Maciel (in memorian). Obrigada pela grande missão em desempenhar esse duplo papel com muito amor. Agradeço a vocês pela minha formação como pessoa e pelos valores que hoje carrego. A minha linda e grande família, meu maior tesouro... Ao meu amor e companheiro, Ribamar Júnior, pelo incentivo diário... você me faz continuar... Obrigada por estar sempre ao meu lado. Kézia, Janielle, Cristiane, Mikaella, Franciana: vocês são mais que colegas de profissão: são minhas amigas! Vocês tornaram esses quatro anos menos densos, e as tenho como um grande presente de Deus. Mikaella, obrigada por ter me apresentado a Economia Solidária, através de um dos trabalhos durante o semestre. Posso dizer que a primeira semente lançada para essa pesquisa nasceu ali. Franciana, nunca vou esquecer seu companheirismo na caça ao orientador. Obrigada mesmo pela preocupação, ajuda e principalmente o apoio e incentivo nos rumos da pesquisa. Germana, querida cunhada, obrigada por contribuir com a revisão deste trabalho. Obrigada pelo apoio! Aos meus amigos, colegas e pessoas as quais me relacionei durante a formação profissional, que tenho um carinho muito singular. Tantos entraram e saíram no decorrer do curso, mas cada um deixou um pouco de si. Maximiana, obrigada pela contribuição ímpar para minha formação profissional durante período de estágio no Hospital Gonzaguinha do José Walter.

6 Ao corpo docente da FaC, que colaboraram com meu processo de aprendizagem. Obrigada por compartilhar conosco o capital do cumulativo do conhecimento. Ao meu orientador Mário Henrique Benevides, pela dedicação, compromisso, humildade, e sabedoria a cada orientação, principalmente pelo apoio na difícil tarefa de mudar a pesquisa no andar do semestre. Obrigada por ter confiado em mim. A grande contribuição das participantes das entrevistas. A pesquisa não teria sentido sem a participação delas. Enfim, obrigada a todos. Deixo os meus mais sinceros agradecimentos por terem colaborado de forma tão singular para que esta fase se tornasse possível.

7 Muito dinheiro na mão de poucos gera o caos, enquanto pouco dinheiro na mão de muitos gera resultados impressionantes em termos de progresso econômico e social. Mohammad Yunus

8 RESUMO Este trabalho é uma proposta de análise da imagem do Banco Palmas como experiência coletiva de economia solidária no Conjunto Palmeiras, sob o olhar dos clientes pequenos comerciantes e trabalhadores autônomos. Nele buscou-se elucidar o processo de reestruturação produtiva e o contexto neoliberal, para através da abordagem qualitativa, chegar a estas iniciativas tituladas de Economia Solidária, que podem ser consideradas como uma das alternativas de trabalho e renda aos trabalhadores, especialmente aos menos qualificados. Debateu-se também acerca das iniciativas da Associação de Moradores do Conjunto Palmeiras, através da criação do Banco Palmas que foi criado em 1998, como mecanismo de inclusão financeira, geração de trabalho e renda no bairro e incentivo à produção e ao consumo interno através de uma moeda local circulante, tendo como objetivo principal identificar como essa iniciativa contribui para o trabalho desses sujeitos. Fundamentado nos depoimentos de pequenos comerciantes e trabalhadores autônomos, discute-se sobre os resultados da pesquisa, nos quais se buscou perceber a visão das entrevistadas acerca dessa forma alternativa de fazer economia e quais as implicações nas suas vidas e em seu trabalho. E por último, mostramos as percepções e compreensões acerca dessa temática. Palavras-chaves: Economia solidária. Reestruturação Produtiva. Banco Palmas

9 ABSTRACT This work is a proposal for analysis of the image of the Bank Palmas as a collective experience of solidarity economy in the Conjunto Palmeiras, under the "the look of the customers"-small merchants and self employed. In it we sought to elucidate the process of productive restructuring and neoliberal context, In it we sought to elucidate the process of productive restructuring and neoliberal context, through qualitative approach to reach these experiences alternatives titled Solidarity Economy, which can be considered as an alternative work and income to workers, especially the less qualified. It is also discussed about the initiatives of the Association of Residents of Conjunto Palmeiras, through the creation of Banco Palmas which was created in 1998 as a mechanism for financial inclusion, generation of employment and income in the neighborhood and encourage the production and internal consumption through one local currency circulating having as main objective to identify how this initiative contributes to the work of these individuals. Based on the testimonies of small merchants and self-employed, we discuss the results of the survey, in which it sought to realize the vision of the interviewees about this alternative way of doing economics and the implications on their lives and their work. Finally, we show the perceptions and understandings concerning this subject. Key Words: Social Economy. Productive Restructuring. Palmas Bank

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Trabalho artesanal das garrafas empalhadas...23 QUADRO 1 Publicações do Banco Palmas...46 FIGURA 2 Números do Banco Palmas...47 QUADRO 2 Rede Solidária de Produção e Consumo Local da ASMOCONP/ Banco Palmas...48 FIGURA 3 Banco da Periferia...51 FIGURA 4 Rede Brasileira de Bancos Comunitários...53 QUADRO 3 Parceiros Governamentais e Não Governamentais...54

11 LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS Associação dos Moradores do Conjunto Palmeiras (ASMOCONP) Centro Industrial do Ceará (CIC) Conselho Nacional de Economia Solidária (CNES) Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) Fórum Socioeconômico Local (FECOL) Fundação de Serviço Social de Fortaleza (FSSF) Fundação Municipal de Profissionalização, Geração e Emprego e Renda e Difusão Tecnológica da Prefeitura de Fortaleza (PROFITEC) Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Organização Não Governamental (ONG) Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) Sistema Nacional de Cooperativas de Economia e Credito Solidário (ECOSOL)

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E O CONTEXTO NEOLIBERAL 1.1 Transformações no mundo do trabalho a partir da reestruturação produtiva As implicações sociais e econômicas deste novo modelo de produção Novas formas de organização e sistematização do trabalho OS DISCURSOS SOBRE ECONOMIA SOLIDÁRIA: ENTRE A RETÓRICA DA POLÍTICA E AS INICIATIVAS COMUNITÁRIAS DE AUTOGESTÃO 2.1 A política de economia solidária versus a lógica capitalista O primeiro contato: conhecendo o cenário e os sujeitos da pesquisa A gênese do Conjunto Palmeiras: uma história pautada na organização e mobilização popular Criação do Banco Palmas: uma estratégia da ASMOCONP de inclusão financeira A retórica do Banco Palmas: como este se apresenta publicamente Sob a ótica dos clientes: a imagem do Banco e da moeda Palmas para a economia local CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAS APENDICES APÊNDICE A- ROTEIRO PARA ENTREVISTA E QUESTIONÁRIO APÊNDICE B PERFIL DOS ENTREVISTADOS ANEXOS ANEXO A- TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO... ANEXO B- TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

13 12 INTRODUÇÃO Esta pesquisa constitui-se em uma análise da imagem do Banco Palmas, como experiência coletiva de Economia Solidária no Conjunto Palmeiras, construída sob o olhar dos clientes pequenos comerciantes e trabalhadores autônomos a fim de identificar como esta iniciativa contribui para o trabalho desses sujeitos. O envolvimento com esta discussão surgiu através de um dos trabalhos do curso de graduação apresentado por uma amiga, ocasião que despertou a curiosidade em conhecer de perto o mecanismo de organizações comunitárias através de formas alternativas de gerar emprego e renda em territórios economicamente pobres, especificamente no Conjunto Palmeiras. Nessa perspectiva, entendemos que, inseridos no sistema capitalista global, são vários os desafios para efetivar formas alternativas e solidárias de desenvolvimento econômico local, tanto para os Bancos Comunitários, como para os moradores, em relação ao cultivo da cultura da solidariedade. Assim, para a realização desta pesquisa, partimos da seguinte indagação: como essas iniciativas comunitárias de economia solidária afetam a vida dos sujeitos que estão à margem do mercado de trabalho ou que buscam no trabalho autônomo uma forma de empregabilidade? A partir desse questionamento podemos citar outros pertinentes ao tema: a moeda e o Banco Palmas fazem alguma diferença para estes trabalhadores? O que mudou no bairro com o Banco Palmas e sua moeda de circulação local? Os questionamentos apontados nesse estudo buscam obter novos conhecimentos sobre o assunto, com a finalidade de discutir seus resultados tanto na esfera acadêmica quanto no mercado de trabalho, fazendo com que os efeitos desta pesquisa favoreçam e tragam contribuições aos profissionais da área, aos estudantes, ao poder público, aos usuários e outros.

14 13 O presente trabalho teve como objetivo geral analisar a imagem do Banco Palmas construída por comerciantes e trabalhadores autônomos, clientes da instituição, no sentido de conhecer esta experiência coletiva de Economia Solidária no Conjunto Palmeiras. Como objetivos específicos, procuramos compreender esse mecanismo de geração de emprego e renda através da fala dos sujeitos; identificar como essa iniciativa afeta a vida desses comerciantes e trabalhadores autônomos; e analisar o significado da moeda e do Banco para estes sujeitos. O tema é muito pertinente se levarmos em consideração que essas experiências são organizadas e alicerçadas em princípios de cooperação, autogestão e solidariedade, que dão sentido às suas ações, tendo como finalidade o desenvolvimento econômico da comunidade que o criou e o utiliza. Para dar subsídios para nos aprofundarmos este estudo, foram utilizadas como embasamento as categorias teórico-temáticas: Reestruturação Produtiva, Economia Solidária e Banco Palmas. Portanto, mostramos as mudanças no mundo do trabalho a partir do processo de reestruturação produtiva segundo as discussões de Ricardo Antunes (2012), relacionando esta,às implicações sociais e econômicas deste novo modelo de produção com as discussões de Richard Sennett (2010). Apresentamos também a categoria Economia Solidária através dos discursos de Luiz Inácio Gaiger (2003) e Paul Singer(2002), bem como trabalhamos a categoria Banco Palmas tendo como base os estudos das publicações oficiais da instituição, para compreendermos outros elementos e como estes se apresentam publicamente. Tivemos como campo de estudos para esta pesquisa o Conjunto Palmeiras, localizado na cidade de Fortaleza-CE, escolhido por ser uma experiência pioneira em banco comunitário no Brasil, que traz em sua essência uma economia diferente dos moldes capitalistas, buscando, através de uma perspectiva solidária, fomentar inclusão social e financeira dos moradores locais.

15 14 No sentido de observar a realidade e de que forma essas iniciativas, tituladas de Economia Solidária, afetam o modo de vida dos indivíduos, optamos por fazer uma pesquisa influenciada por uma análise do materialismo histórico, pois, através dele, podemos pensar a realidade a partir da perspectiva dos sujeitos, ou seja, reconhecendo que eles estão interpretando a realidade, nas questões econômicas e políticas. É o momento em que o real é mostrado a partir da realidade vivida por esses sujeitos. O enfoque qualitativo foi predominante neste estudo, em busca de uma maior visibilidade e apreensão da realidade proposta, a partir da qual podemos trabalhar com um nível de realidade subjetiva que não pode ser quantificado. Através da pesquisa qualitativa, pudemos analisar a realidade dessa comunidade, através do olhar de comerciantes e trabalhadores autônomos além de nos permitir um olhar mais abrangente sobre o tema. A coleta de dados foi realizada no período de abril de 2013, com comerciantes e trabalhadores autônomos do Conjunto Palmeiras, e se deu através da aplicação de um breve questionário (cf. apêndice A), em que foi traçado o perfil dos entrevistados (cf. apêndice B), e pesquisa de campo,na qual foi aplicada a técnica da entrevista.para a entrevista, foi elaborado um roteiro (cf. apêndice A), que contemplou perguntas tematizadas e semi-estruturadas, através das quais o entrevistado tem possibilidade de discorrer o tema proposto. Todas as entrevistas foram gravadas e transcritas de forma integral e, logo após, realizamos a leitura cuidadosa de cada depoimento, procurando identificar os aspectos significativos sobre a temática de interesse. Fizemos uma comparação entre a fala dos sujeitos sobre os temas propostos e utilizamos alguns de seus depoimentos no decorrer da pesquisa. O universo da pesquisa é composto por um total de 05 (cinco) pequenos comerciantes e trabalhadores autônomos para a realização desse estudo. O parâmetro estabelecido para a escolha dos sujeitos foi que os mesmos utilizassem algum serviço ofertado pelo Banco Palmas, pois assim deveriam conhecer melhor a proposta de economia solidária dessa instituição.

16 15 Todos os entrevistados foram convidados a assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (cf. anexos A e B), impresso em duas vias, onde a primeira ficou com a entrevistada e a segunda com a entrevistadora. Nesse termo consta que sua identidade será preservada, e seu anonimato garantido. Nesse estudo, seus nomes foram substituídos pela atividade laboral exercida por cada um. Diante do exposto, a monografia foi estruturada em dois capítulos, além da Introdução e Considerações Finais. Embora algum aspecto não tenha sido devidamente aprofundando foi realizado um amplo esforço para dar conta da pesquisa proposta, bem como dos outros assuntos que a complementam. No primeiro capítulo, abordamos o tema Reestruturação produtiva e o contexto neoliberal contextualizando o cenário das transformações no universo do trabalho e da classe trabalhadora com o advento do neoliberalismo e sua expansão em nível global. Faz-se primeiro essa discussão, tendo em vista as consequências geradas no bojo econômico, social, político que afetaram os sujeitos que vivem do trabalho e a intervenção, cada vez mais, mínima do Estado na economia, para podermos elucidar nos capítulos subsequentes as iniciativas da classe trabalhadora, tituladas de Economia Solidária, como alternativa a atenuar esses impactos, principalmente o desemprego. No segundo capítulo, trabalhamos os discursos sobre economia solidária: entre a retórica da política e as iniciativas comunitárias de autogestão, no qual realizamos uma discussão sobre novas formas de fazer economia, que conduzem a outro modelo de desenvolvimento, tendo como base a experiência do conjunto palmeiras através do banco palmas, trazendo os elementos da pesquisa. Por último, serão tecidas nossas considerações finais acerca do estudo elaborado e dos materiais coletados durante a pesquisa.

17 16 1 A REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E O CONTEXTO NEOLIBERAL 1.1 Transformações no mundo do trabalho a partir da reestruturação produtiva A década de 1970 foi o período em que o capitalismo e seu sistema de produção engendraram significativas mudanças no universo do trabalho e da classe trabalhadora. No mundo do trabalho, deu-se via processo de reestruturação produtiva que pôs em xeque a crise do taylorismo e fordismo, marcando a transição para o modelo de produção toyotista, o que o cientista social e geógrafo norteamericano David Harvey chamou de era da acumulação flexível 1 (ANTUNES, 2012 apud HARVEY,1992). Para a classe trabalhadora, essas mudanças contribuíram para o desemprego e para a precarização do trabalho de homens e mulheres e para a desvalorização de sua mão de obra como mercadoria. Essas mudanças aconteceram devido à expansão do capitalismo em nível global, à crise econômica do período pós-guerra e à financeirização da economia, levando muitas indústrias à falência por não pagarem seus financiamentos com os bancos. Diante da crise financeira, a saída encontrada pelas empresas foi investir em um maquinário capaz de aumentar sua produção e enxugar as folhas de pagamento, gerando uma onda massiva de desempregados, mantendo apenas um número mínimo de trabalhadores capaz de operar simultaneamente várias máquinas. Essa reestruturação produtiva limita o trabalho vivo, ampliando o maquinário tecnocientífico, que Marx denominou de trabalho morto, (ANTUNES, 2011, p. 53, apud MARX, 1972) reduzindo assim a força de trabalho e ampliando sua produtividade, resultando no desemprego massivo e na precarização do trabalho. Isso também acabou gerando um processo de desindustrialização, no qual grandes indústrias desconcentram-se e distribuem-se em polos produtivos 1 HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

18 17 pequenas e médias empresas levando a um processo de reterritorialização produtiva, principalmente em países em desenvolvimento que atraiam as empresas de capital externo oferecendo isenções fiscais para estas se instalarem e gerarem empregos locais, implicando numa nova divisão do trabalho em alguns setores industriais nos países capitalistas de primeiro mundo. A produção também passa a ser um diferencial daquele modelo padrão fordista, pois, com a crise financeira, não há mercado consumidor para absorver o mesmo produto em grande escala. A lógica agora é produzir coisas personalizadas por uma equipe qualificada que começa e finaliza o processo, buscando um padrão de qualidade e a satisfação do consumidor. Para Antunes (2012), o mercado de trabalho absorveu muitos aspectos do toyotismo, modelo de produção criado no Japão do pós-segunda Guerra, que demandava um trabalho menos especializado e multifuncional nos diversos espaços fabril, industrial, serviços. Nessa nova lógica de acumulação capitalista, o homem deve exercer na automação funções mais abstratas e intelectuais (GOERK, 2005 apud IANNI, 1999, p.19), fazendo com que o mercado requisite constantemente um profissional mais qualificado e polivalente. Parafraseando Iamamoto, polivalente, aquele que é chamado a exercer várias funções, no mesmo tempo de trabalho e com o mesmo salário, como consequência do enxugamento do quadro de pessoal das empresas (IAMAMOTO, 2012, p. 32). Por isso que, nos nossos dias, o trabalhador passa a ser chamado de colaborador, assumindo um trabalho menos especializado e multifuncional, bem diferente daquele proposto pelo modelo fordista. Esse novo sistema de produção, denominado modo de acumulação flexível ou toyotismo, não deve ser entendido como um avanço em relação ao modelo fordista e taylorista, o que, para Goerk (2006 apud MATTOSO,1995), consiste da mesma forma em manter a alienação do trabalhador aos processos produtivos, só que de uma forma cada vez mais irreversível, pois acarreta mudanças qualitativas e quantitativas na vida dos trabalhadores.os trabalhadores tornam-se inseguros em relação ao mercado de trabalho, ao emprego, à geração de renda, às formas de contratação e à sua representação sindicatos. As longas jornadas de

19 18 trabalho são agora delineadas e substituídas pelas horas extras, ofertas de empregos efetivos são substituídas pelas terceirizações e trabalhos temporários. Essas transformações no modelo de produção capitalista em nível global, de acordo com Antunes (2012, p. 61), tiveram forte incentivo com as experiências neoliberais propostas na Inglaterra por Margareth Thatcher, eleita em 1979, e por Ronald Reagan, eleito em 1981, nos Estados Unidos. Essas experiências neoliberais surgem como alternativa à substituição ao Welfare State, através de uma onda de liberalizações, desregulamentações e privatizações que se revelaram instrumentos importantes para o desenvolvimento dos fluxos internacionais de capitais. Dessa forma, regido pelo mundo do mercado, incentivaram-se as privatizações, minimizando o papel do Estado no âmbito produtivo e o desmonte das políticas sociais públicas, implicando a perda dos direitos sociais adquiridos historicamente pela classe trabalhadora. No Ceará, de acordo com Teixeira (2000, p. 24),esse processo de reestruturação produtiva chega num momento ainda não propício ao desenvolvimento desses novos métodos e técnicas modernas, tendo em vista o período ainda de domínio dos coronéis, considerados como os responsáveis pelo atraso político, econômico e social no desenvolvimento do Estado. A introdução desses novos métodos só se faria com novas forças políticas no comando da coisa pública. Segundo Teixeira (2000, p. 25), surge, então, em meados da década de 1970, um grupo de empresários cearenses que diziam ter um projeto modernizador que libertaria a sociedade cearense do poder dos coronéis e das relações políticas pautadas nas trocas de favores e apadrinhamento. Quando esse grupo de empresários recebe o Centro Industrial do Ceará (CIC) das mãos da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), promovem uma campanha de esclarecimento à sociedade, discutindo um novo projeto para o Ceará. De acordo com Nobre (2008, p. 69), esse discurso neoliberal no Ceará foi apresentado na primeira campanha de Tasso em 1986 através do Projeto das mudanças 2,assentado em nítidas bases 2 Termo utilizado para designar as administrações desse ciclo de hegemonia.

20 19 ideológicas, alimentando que a única forma de superar a pobreza do Ceará seria com sua inserção no mercado mundial. Logo que eleito, Tasso Jereissati pôs em prática as primeiras medidas: contenção de despesas e enxugamento do quadro de funcionários, e a reestruturação da economia cearense através de um Pacto de Cooperação, a partir da interação entre o governo do Estado e o empresariado, dando início à lógica neoliberal da máquina pública no Ceará. (TEIXEIRA, 2000, p. 29). Para Antunes (2012), as consequências em nosso país são tão intensas que estudiosos têm afirmado que parcela significativa do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro transferiu-se do setor produtivo estatal para o capital privado em função do intenso processo de privatização ocorrido nos anos Uma década depois, Nobre (2008, p. 72) aponta que, assim como no Brasil, as privatizações no Ceará ocorreram nos setores estratégicos e mais lucrativos, sendo os exemplos mais importantes o de energia elétrica (Coelce) e o de telecomunicações (Teleceará) no ano de A Constituição de 1988 assume um divisor de águas para as políticas públicas e aos direitos conquistados pela classe trabalhadora, porém estes logo são subordinados à mercantilização, obedecendo à lógica econômica e produtiva. E o Estado? Esse aparece como provedor de mínimos para os diversos serviços públicos, principalmente na saúde, educação e previdência, afetando gravemente os trabalhadores dos setores estatal e público. 1.2 As implicações sociais e econômicas deste novo modelo de produção Na década de 1940, o Brasil marca a passagem de um país agrícola para industrializado, embora ainda subdesenvolvido, ocasionando a migração de trabalhadores rurais para os centros urbanos. Em Fortaleza, esse crescimento populacional, ao longo dos anos, tem seu início em detrimento às secas periódicas, e, embora com o aumento do setor industrial, este não demandava postos de trabalho capazes de absorver o grande contingente de trabalhadores que chegava à capital fugindo da seca. Isso acarretou uma série de consequências ao cenário urbano, entre elas, a violência e a formação de extensas periferias urbanas. Ao final

21 20 dos anos 1980, durante a gestão da prefeita Maria Luíza Fontenelle, os mutirões começaram a compor a paisagem urbana da cidade, alterando sobremaneira sua imagem. (SILVA, 2000). Ainda de acordo com Silva (2000), a partir dos anos 1980, dentro dessa lógica da reestruturação produtiva, as indústrias buscam instalações em espaços nas cidades menores, regiões metropolitanas, buscando reduzir ainda mais os custos da produção e distanciar-se dos entraves com as lutas sindicais. Nos anos 1990, a globalização da economia impulsiona outros setores produtivos, principalmente, o ramo de prestação de serviços e o turismo que ganha destaque na economia nordestina como possibilidade de geração de emprego e renda, dando margem a um amplo segmento da população ligado ao artesanato e a atividades voltadas à cultura regional. Nesse contexto, o trabalho dentro dessa sociedade capitalista se torna fator primordial para aderir às regras que esta condiciona. No entanto, na sua ausência, são comprometidas outras dimensões das relações sociais. E o que acontece quando estão desempregados? Como isso os afeta? O que acontece nas suas casas? Como eles interagem com seus parceiros e com as suas famílias? Além das relações sociais, este tema propicia uma discussão política e ética do que está no pano de fundo: o desemprego estrutural, a precarização do trabalho e o impacto sobre o caráter pessoal. Vai se revelando o lugar e o sentido do de produção do trabalho como fontes de garantia de subsistência, de posição social e de constituição de identidades, submetendo as pessoas a buscarem empregos precários em outras atividades de trabalho e a buscarem estratégias de empregabilidade em atividades que não lhes fazem sentido. (SENNET, 2010) Tais mudanças e incertezas que nasceram com a reestruturação produtiva acarretaram transformações importantes e decisivas no mundo do trabalho, como o valor que é dado ao mesmo pela sociedade atual e do padrão de vida alcançado pela pessoa enquanto ativa. As consequências implicaram nas mais diferentes instâncias da vida das populações, desde a aquisição de uma tão sonhada casa própria ou na instituição família.

22 21 No mundo contemporâneo marcado pela globalização, industrialização, busca incessante do lucro e pelo aumento da automação que leva ao desemprego, demanda um sistema que, de acordo com Sennett (2010), pede aos trabalhadores que sejam ágeis, abertos à mudança de curto prazo. O autor ainda destaca que é por conta desse capitalismo flexível que hoje cada vez mais são frequentes as agências de emprego temporárias ou terceirizadas, para que dependam cada vez menos de leis e procedimentos formais que se caracterizam fundamentalmente pela perda de direitos sociais e trabalhistas, trazendo a constante incerteza da permanência do trabalhador, frente às constantes reduções que acontecem no quadro funcional. Os trabalhadores que não acompanham tais mudanças e que não têm como preparar-se para responder às necessidades impostas por esta nova ordem estão automaticamente desligados e fora do mercado de trabalho. As condições que essa nova economia gera, são destacadas por Sennett (2010, p. 27) em seu livro A corrosão do caráter. O autor destaca as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo, nesse sistema que alimenta a experiência com a deriva no tempo, de lugar em lugar, de emprego em emprego, onde os trabalhadores lidam com a incerteza quanto à duração de seu emprego e nos impõem questionar como se podem buscar objetivos de longo prazo numa sociedade de curto prazo?. Em contrapartida, diante desse quadro e num contexto de alta competitividade, intensa globalização e de economia capitalista, exigem uma mão de obra jovem, partindo do princípio de que é um público mais adepto à mudança. Nesse sentido, as implicações tendem a avolumar-se à medida que este indivíduo vai envelhecendo, pois, nesse sistema, vai sendo cada vez mais colocado a escanteio, encontrando dificuldades para ingressar no mercado formal de trabalho, formando um grande número de sobrantes que não conseguiram se inserir nas novas exigências criadas pelo modelo de produção vigente. Esse novo capitalismo, ao excluir os indivíduos de suas indústrias, obriga-os a criarem formas próprias e individualizadas de gerarem renda, de suprirem suas necessidades, gerando um grande contingente de trabalhadores autônomos.

23 22 Estas implicações reproduzem como o Estado e o capitalismo, influenciam na vida das pessoas, fazendo com que elas "parem" na vida cotidiana, não conseguindo se desenvolver, pela situação social do desemprego, pois pensam que suas habilidades como trabalhadores de nada servem depois que foram substituídos por um maquinário ou por outra mão de obra mais qualificada. Assim, são forçados pelas circunstâncias a procurar trabalho na informalidade. Porém, esta prática vigente tira do trabalhador a garantia de proteção social, haja vista que, nessas condições, o trabalhador não conta com seguro-desemprego, férias remuneradas, entre outras formas de amparo por parte do Estado. Essa precarização do trabalho em escala globalizada, postas pelas relações capitalistas, afetam predatoriamente comunidades que lutam em busca de formas alternativas e solidárias de fazer a economia local. Aproximando nossa discussão aos resultados da pesquisa realizada no Conjunto Palmeiras, encontramos também o exercício do trabalho não regulamentado para alimentar a cadeia produtiva de grandes empresas. O que resume bem essa condição é a fala de uma artesã, por meio de entrevista 3, que, além da venda de tapioca, ainda encontra tempo para o ofício que aprendeu com a mãe, que trabalha na informalidade para uma empresa do ramo de bebidas, em uma relação que consiste na venda do trabalho artesanal em troca de um valor agregado à produção. É, eu vejo minha mãe, ela trabalha pra Ypioca há uns 35 anos (...). Então ela não tem carteira assinada, não tem nada, nenhum seguro. Eu vejo, assim, a luta dela pra ela se aposentar por tempo de serviço. Por idade... Então eu fico pensando... eu não queria passar por isso. Queria muito parar de fazer isso aqui, e trabalhar fora, de carteira assinada pra ter uma segurança, mas até agora eu não consegui porque eu tenho duas filhas, (...) mas eu tenho vontade quando elas crescerem mais um pouquinho, eu quero ir trabalhar de carteira assinada. Eu reconheço que tem as garantias de trabalhar de carteira assinada. (Artesã) Esse trecho me faz refletir o quanto essas pessoas não têm outra expectativa de emprego, por não saberem fazer outra coisa que lhe gere renda, 3 Entrevista realizada em 22 de Abril de As entrevistas serão analisadas no capítulo 2. O fragmento da fala nesse contexto tem o objetivo de iniciar uma relação entre o que já foi discutido acerca das implicações sociais e econômicas advindas do processo de reestruturação produtiva, trazendo elementos do campo pesquisa.

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

ipea BANCOS COMUNITÁRIOS

ipea BANCOS COMUNITÁRIOS BANCOS COMUNITÁRIOS João Joaquim de Melo Neto Segundo* Sandra Magalhães** Bancos comunitários são serviços financeiros solidários, em rede, de natureza associativa e comunitária, voltados para a geração

Leia mais

A RELAÇÃO MIGRAÇÃO-TRABALHO: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA QUESTÃO SOCIAL RESUMO

A RELAÇÃO MIGRAÇÃO-TRABALHO: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA QUESTÃO SOCIAL RESUMO A RELAÇÃO MIGRAÇÃO-TRABALHO: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA QUESTÃO SOCIAL Sâmia Bessa de Moraes 1 Edvânia Custódio do Nascimento 2 RESUMO Este trabalho faz uma breve análise sobre a relação existente entre

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

abrangendo atividades econômicas, de produção, comercialização, consumo, poupança e crédito.

abrangendo atividades econômicas, de produção, comercialização, consumo, poupança e crédito. TESE- Grupo IV Desenvolvimento Sustentável por meio da Economia Solidária. Constituição de Cooperativas de Produção de Bens e Cooperativas de Prestação de Serviços. Economia solidária é uma forma de produção,

Leia mais

LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005

LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005 Carregando a Lei. Aguarde, Por Favor. LEI Nº 3978, de 27 de dezembro de 2005 INSTITUI PROGRAMA OSASCO SOLIDÁRIA, ESTABELECE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E OBJETIVOS DA POLÍTICA DE FOMENTO À ECONOMIA POPULAR

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Observatório das Metrópoles

Observatório das Metrópoles Direito à Cidade e a Segregação Residencial: desafios do Estatuto da Cidade Prof. Luiz César de Queiroz Ribeiro Observatório das Metrópoles A aprovação do Estatuto da Cidade marca nova etapa na política

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013 Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 1. Desenvolvimento, crises e implicações sobre o mundo trabalho

Leia mais

Política Metropolitana Integrada de Apoio à Produção em Pequena Escala

Política Metropolitana Integrada de Apoio à Produção em Pequena Escala Política Metropolitana Integrada de Apoio à Produção em Pequena Escala Objetivos Dar visibilidade à produção em pequena escala e promover sua expansão, integrando-a ao atual movimento de expansão econômica

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE TÍTULO: TREINAMENTO PARA AUTO-SUSTENTABILIDADE E AUTOGESTÃO ASSOCIAÇÃO DE TREINAMENTO E COSTURA DE SÃO DOMINGOS/ BREJO DA MADRE DE DEUS/PE AUTORES: Adriana Lima de Carvalho (adriana-carvalho@ig.com.br),

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL (PROPOSTA DE AGENDA MÍNIMA PACTUADA ENTRE MEC/SETEC CONCEFET - CONDAF CONDETUF SINASEFE) Contexto As

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se nas dependências do Complexo Poli Esportivo Gothard Kaesemodel Junior Ferraz de Vasconcelos

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID)

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID) Introdução Em três de março, na ONG Ação Educativa, o Centro Cultural da Espanha, em parceria com a Rede Kultafro, realizou o quarto AFROLAB, workshop livre que visa orientar formas de tornar um empreendimento

Leia mais

Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1

Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1 1 Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1 O ano de 2013 entrará para a história do jornalismo brasileiro como um divisor

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR.

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. OBJETO Contratação de Serviços de Capacitação de Pessoal, Coordenação e Gerência de Projetos no âmbito do

Leia mais

Projeto de Lei 33/2010

Projeto de Lei 33/2010 Projeto de Lei 33/2010 CAPÍTULO 1 Da Política de Apoio e Fomento à Economia Solidária e seus Agentes Art. 1 A Política Municipal de Fomento à Economia Solidaria integra a Política de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria Nacional de Economia Solidária. Finanças Solidárias: Apoio a Bancos Comunitários no Brasil

Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria Nacional de Economia Solidária. Finanças Solidárias: Apoio a Bancos Comunitários no Brasil Finanças Solidárias: Apoio a Bancos Comunitários no Brasil Seminário do Banco Central de Microfinanças Haroldo Mendonça Objetivos da política de Microcrédito e Microfinanças do Governo Federal Facilitar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA

2 O GOVERNO FEDERAL E A ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA A ECONOMIA SOLIDÁRIA NA ESTRATÉGIA DE ERRADICAÇÃO DA POBREZA EXTREMA NO BRASIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE* Sandro Pereira Silva** 1 INTRODUÇÃO O termo economia solidária, enquanto marca política,

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS

EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS 1 EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS Deanne Teles Cardoso - Mestranda em Geografia/PPG/UFG/CAC/Membro do NEPSA/UFG/CAC. deannetc@hotmail.com José Vieira

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Falta de Financiamento.

Falta de Financiamento. Variável: Falta de Financiamento.. Expressão Mnemônica: FALTAFIN Participantes do Aprofundamento da Variável: Tasso Mendonça Júnior Sara do Socorro Silva André Luiz Pereira GOIÂNIA GO Março 2014 1 - Descrição

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

OS NOVOS DADOS DO MAPEAMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: APONTAMENTOS INICIAIS PARA O DEBATE

OS NOVOS DADOS DO MAPEAMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: APONTAMENTOS INICIAIS PARA O DEBATE OS NOVOS DADOS DO MAPEAMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: APONTAMENTOS INICIAIS PARA O DEBATE Sandro Pereira Silva 1 Leandro Marcondes Carneiro 2 1 INTRODUÇÃO Em 2009 a Secretaria Nacional de Economia

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais