DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA LABORATÓRIO VIRTUAL (WEBLAB) DE SISTEMA DE BIODEGRADAÇÃO AERÓBICA DE MATERIAIS POLIMÉRICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA LABORATÓRIO VIRTUAL (WEBLAB) DE SISTEMA DE BIODEGRADAÇÃO AERÓBICA DE MATERIAIS POLIMÉRICOS"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA LABORATÓRIO VIRTUAL (WEBLAB) DE SISTEMA DE BIODEGRADAÇÃO AERÓBICA DE MATERIAIS POLIMÉRICOS M. A. G. Bardi 1,2*, C. K. Umezu 2, S. P. de Campos 2, D. S. Rosa 1 1 Universidade São Francisco, Laboratório de Polímeros Biodegradáveis e Soluções Ambientais 2 Universidade São Francisco, Unidade Acadêmica da Área de Ciências Exatas e Tecnológicas, Curso de Engenharia de Computação Rua Alexandre Rodrigues Barbosa, nº 45, Centro, CEP , Itatiba, SP RESUMO A comunidade científica está engajada na pesquisa por materiais que possam substituir os derivados do petróleo sem agredir o ambiente e melhorando a qualidade de vida da população. A determinação da taxa de biodegradação apresentada pelos materiais poliméricos, tal como descrito pela norma ASTM-D- 5988/96, é viável por se tratar de ensaios em escala laboratorial, porém, devido ao número de replicações das amostras, há a necessidade de uma grande disponibilidade de recursos. A automação de experimentos permite que grupos de pessoas possam acompanhar, em tempo real, sua evolução, mesmo que distantes do mesmo. Neste trabalho são apresentados os resultados do desenvolvimento do ambiente computacional automatizado para quantificação da biodegradação através da produção de dióxido de carbono. O ambiente foi desenvolvido usando práticas de software livre e ferramentas de domínio público, possuindo uma interface gráfica que permite atuar sobre o ensaio e acompanhá-lo de forma local ou remota, através da Internet. Palavras-chave: laboratório virtual, biodegradação, weblab, automação, polímeros biodegradáveis INTRODUÇÃO Com o crescente desenvolvimento de atividades que exijam o processamento contínuo e prolongado de determinados ensaios e atividades, busca-se que tais processos, antes executados por humanos, sejam gradativamente automatizados e controlados por sistemas capazes de tomar certas decisões e solicitar, quando necessário, uma ação do usuário. Dessa forma, nota-se que os recursos humanos antes empregados na execução do ensaio não mais terão suas horas alocadas continuamente para a execução de tal ensaio;

2 pelo contrário, enquanto uma série de análises é realizada, este ator poderá passar a realizar outras tarefas e assim se mostrar mais dinâmico e produzir muito mais. Atualmente, com o advento da Internet, os laboratórios virtuais (web labs) vêm se tornando cada vez mais populares, pois são capazes de conduzir um experimento a qualquer hora e de qualquer lugar (1-3). Em seu trabalho (4), García-Zubia ainda afirma que o uso de laboratórios virtuais está crescendo em importância devido à necessidade de se descentralizar funções em laboratórios e salas de aula, permitindo que seus recursos estejam disponíveis em qualquer lugar e em qualquer momento. Os laboratórios virtuais foram primeiro usados pelo Massachussets Institute of Technology (MIT) para fins de adquirir dados, em tempo real, de um hardware CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor), localizado no Grupo de Desenvolvimento Alpha da Compaq, em Shrewsbury, Massachussetts (5). Em seguida, esta prática foi adotada para o acompanhamento diário de estruturas submetidas a diferentes tipos de fadigas mecânicas pelo curso de Engenharia Civil, no funcionamento de um trocado de calor pelo curso de Engenharia Química e para análise de estruturas mecânicas por meio dos cursos de Engenharia Aeronáutica e Astronomia (5). De acordo com Sandhu (5), a prática de automação de experimentos permite que grupos de pessoas possam, em conjunto, estudar, em tempo real, a ocorrência de determinado fenômeno e expor suas idéias, mesmo que distantes do experimento realizado. No trabalho citado (5), imaginou-se utilizar sistemas automáticos na realização de experimentos constantes do curso de Engenharia Mecânica do MIT e que pudessem ser visualizados remotamente, via web-can ou vídeo-conferência. Laverty Jr (6) realizou estudos sobre um laboratório virtual desenvolvido para análises mecânicas em ambientes marinhos, de modo a estudar conceitos de hidrodinâmica marinha através de experiências laboratoriais. De acordo com o referido trabalho, o laboratório virtual permite que usuários acessem remotamente experimentos em andamento e a processar informações já coletadas e armazenadas nos bancos de dados do sistema. De acordo com a literatura (7-9), as principais tendências de tecnologia e arquiteturas empregadas no desenvolvimento de weblabs são as seguintes: instrumentação remota: um ou mais experimentos onde o usuário somente poderá ativar sua(s) entrada(s) (switches virtuais, geradores de sinal etc.) e verificar suas saídas virtuais ou reais (através de webcam, para LED's, sinais em osciloscópios etc.) Um exemplo é o descrito por Gustavsson e colaboradores (7), onde o usuário pode visualizar as alterações causadas na variação de voltagem através de uma webcam conectada a um osciloscópio

3 controle remoto de parâmetros: os usuários têm a liberdade de alterar os parâmetros de controle de modo a modificar a lógica do sistema. Um exemplo de aplicação é em um sistema PID, descrito por Casini e colaboradores (8), onde o usuário pode manipular alguns parâmetros (controle de posição, controle de velocidade, controle de nível, controle de fluxo etc.) que influenciam a lógica do modelo enquanto os resultados podem continuar a ser visualizados usando-se uma webcam. lógica de controle remoto: os usuários podem alterar os parâmetros lógicos e de controle do sistema. Um exemplo seria um modelo didático clássico controlado por CLP, microcontrolador, DSP, PLD ou FPGA que foi carregado por uma aplicação (LabView ou semelhante). Neste caso, pode ocorrer que o sistema seja destruído pela ação de erros de programação causados pelo usuário, visto que este tem todo o controle das variáveis envolvidas no experimento (7,9). Muitos esforços têm sido feitos para se popularizar ainda mais a aplicação dos laboratórios virtuais. Basicamente, os laboratórios virtuais são compostos por três partes principais, normalmente conhecidos por camadas (tiers, do inglês), tal como listado pelos principais autores da área (1,10,11) e ilustrado na Figura 1: console do cliente, o qual fornece ao executor da tarefa poderes de administração do experimento e controle de parâmetros a serem capturados durante o experimento. Ainda permite ao usuário descrever, através de um script o roteiro da análise a ser realizada pelo equipamento remoto; service broker, que é um sistema intermediário ao cliente/servidor e que permite a autenticação somente de clientes autorizados ao servidor em questão. De certa forma, esta camada lida com tarefas administrativas e de gerenciamento, além de realizar controle de congestionamento do servidor e formatar as informações enviadas pelo mesmo de uma forma que o cliente possa compreender (11) ; console do servidor, o qual implementa, propriamente dito, o experimento e executa os passos descritos no script pelo usuário do sistema

4 Figura 1 - Topologia de um modelo de arquitetura de laboratórios virtuais (1,10). Com a análise de todos os itens apresentados neste texto, deve-se garantir que a segurança do ponto de vista da Tecnologia da Informação seja preservada de modo que o sistema no qual o weblab está inserido, o da própria universidade, seja preservado. Em algumas situações, a arquitetura do weblab pode requisitar a abertura de muitas portas, o que vai contra as políticas de segurança da informação normalmente adotadas. De modo a se poder avaliar a eficiência de um laboratório virtual, deve-se adotar experimentos que possam ser analisados continuamente, durante um longo espaço de tempo. Além disso, deve-se pensar em análises que possam ser úteis do ponto de vista social e acadêmico, podendo muitas vezes alcançar escalas produtivas e de mercado. Atualmente, com a crescente preocupação de diversos cientistas com os assusntos relacionados ao meio ambiente e aos agressivos ataques que a humanidade vem causando ao mesmo, analisar o comportamento de matérias-prima que não agridam o meio ambiente e que, quando aplicados em produtos apresentem baixa vida útil após o seu descarte e possam ser facilmente assimilados pela Natureza quando descartados inadequadamente (12) vem sendo muito discutido. E é entre estes materiais, os chamados bio-corretos, que se enquadram os polímeros biodegradáveis. Os materiais biodegradáveis são aqueles que, por meio da biodegradação, são completamente (bio)assimilados pela ação de mecanismos microbianos, transformando-os em elementos não nocivos à natureza, formadores da chamada biomassa (13). De acordo com Krzan e colaboradores (14), os polímeros naturalmente biodegradáveis fazem parte de um grupo de materiais especiais que vêm apresentando um rápido crescimento em número dos tipos, bem como em suas aplicações e em quantidades que são utilizados. Assim, a obtenção de um laboratório virtual que possa quantificar a taxa de biodegradação aeróbica (perda de massa e de propriedades físicas de um material quando introduzido em um meio rico em microorganismos) apresentada pelos materiais poliméricos,

5 tal como o método descrito pela norma ASTM-D-5988 (15), onde uma pequena massa de material poderia utilizada, se torna viável por se tratar de ensaios em escala laboratorial. Além disso, pela necessidade de realizar os ensaios de forma redundante, o que levaria à elaboração de um gigantesco aparato de equipamentos, o que tomaria grande parte do tempo disponível, de acordo com o apresentado por Bragança (16), caso este processo viesse a ser desenvolvidos manualmente. Além disso, o desenvolvimento de tal sistema quantificador da produção de dióxido de carbono (CO 2 ) também requisitaria que recursos humanos constantemente realizassem medições em todos os sistemas simultâneos de biodegradação, visto que a referida norma (15) recomenda que leitura sejam feitas a cada 2 dias durante as primeiras 4 semanas e semanalmente a partir de então. Tendo-se em vista que, para cada leitura são gastos normalmente 15 minutos para titulação e mais 30 minutos para se renovar o ar do ambiente, leva-se cerca de 45 minutos para se realizar uma única leitura. Se considerarmos que temos 5 tipos de materiais diferentes, e para cada material temos 3 repetições a realizar, obtemos um total de 15 repetições, o que nos levaria a uma quantidade de horas extremamente elevadas e gastas em um processo que consiste basicamente de ações repetitivas. Assim, este trabalho tem por objetivo estudar a tecnologia de laboratórios virtuais através de diversos enfoques e apresentar um protótipo universal para conexão de quaisuqer equipamentos como entrada ao laboratório virtual. Como método de avaliação, pretende-se desenvolver um esquema automatizado de quantificação da biodegradação polimérica através da produção de dióxido de carbono de acordo com a norma ASTM-D- 5988/96 (15). MATERIAIS E MÉTODOS MATERIAIS Vasilhame com volume interno de 2l; Solo simulado para ensaio de biodegradação, contendo 23% de terra, 23% de areia, 23% de esterco bovino e 31% de água destilada. FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS Sistema operacional Debian GNU/Linux versão 4.0 r3 Etch, para arquiteturas Intel x86, disponível para download gratuito em <www.debian.org.br> (acesso em 16 jun 2008);

6 Linguagem interpretada Python versão 2.4, presente como padrão no sistema operacional Debian citado anteriormente; Servidor Apache, com extensão à scripts CGI, presente como padrão no sistema operacional Debian citado anteriormente; Banco de dados MySQL versão 5.0.5, presente como padrão no sistema operacional Debian citado anteriormente; Módulo de expansão da linguagem Python (API) MySQLdb, disponível em <www.python.org> (acesso em 05 mai 2008); DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Como a concentração de dióxido de carbono a ser medida é baixa, comparada com outros sensores utilizados, tais como o de aferição de escapamentos automotivos, foi adquirido um sensor de dióxido de carbono com range de ppm, exatidão de 50 ppm, fabricado por Elektronic Ges.m.d.H, Alemanha. Com relação ao modo de se converter os valores analógicos fornecidos pelo sensor em números digitais, de modo que os valores possam ser computados pelo software do weblab, verificou-se na literatura o emprego de uma placa de aquisição de dados modelo 6024E fabricada pela National Instruments, a qual já foi utilizado por vários autores (17-18). RESULTADOS E DISCUSSÃO A Figura 2 apresenta um modelo da arquitetura proposta para o sistema de laboratório virtual. Pela Figura 2, modificada de García-Zubia (4) verifica-se que o sistema é composto por três entidades principais: servidores de processo, usuários finais e service broker, cujas funcionalidades foram descritas na revisão da literatura apresentada (1,10-11). Note que podem haver tantos servidores e usuários finais quanto forem necessários, de que obedeça a algum limite, ainda a ser definido, de atendimento de requisições imposto ao único service broker do sistema

7 p P r o c e s s o s SNMP s Servidores Service Broker HTTP u Usuários Finais Figura 2: Arquitetura proposta para o WebLab. A arquitetura proposta permite que cada nível da mesma apresente um tipo de implementação própria e diferenciada, porém comunicantes entre si, tal como descritos a seguir: Os servidores de processo seriam as aplicações físicas em si que estão em contato direto com o service broker. Cada servidor deve apresentar uma base de dados específica que permite armazenar, em tempo real, os dados que estão sendo coletados e que, quando solicitados, enviem suas informações para uma base temporária no service broker. Os servidores devem ser implementados de forma simples, de preferência em linguagem C, padrão ANSI. A comunicação entre os servidores e o service broker deve ser realizada via protocolo SNMP (Simple Network Manager Protocol); O Service Broker é a entidade hierárquica responsável por fazer a interação entre os usuários finais e os servidores de processo, fornecendo autorização para acessar determinadas informações. Note que esta entidade é única e centralizadora de poderes, restringindo o acesso indevido de usuários não-autorizados. Em caso de falhas, permite que os servidores de processo continuem funcionando normalmente, visto que a interação entre os servidores e o service broker não é contínua. Basicamente, duas aplicações estarão em funcionamento nesta entidade: o servidor Apache e as bases de dados MySQL, além das rotinas de operações apresentadas em scrips CGI empregando-se Python; Já as aplicações dos usuários finais seriam meros ambientes desenvolvidos para browser Internet, que interage diretamente com o Service Broker. Algumas das funcionalides inerentes seriam autenticação do usuário, solicitação de serviços, atuação em servidores de processo e visualização de resultados. A comunicação

8 entre os usuários finais e o service broker será realizada via HTTP (HyperText Transfer Protocol). Durante a fase de esquematização do projeto mecânico, procurou-se encontrar na Literatura um guia para a melhor implementação do dispositivo, sendo que optou-se pelo processo descrito por Columbus Instruments (19). Assim, nesta fase de desenvolvimento do projeto, teve-se ainda que definir a forma de transferência do dióxido de carbono produzido para a tubulação que leva até o sensor quantificador desta produção, localizado na extremidade desta. De acordo com observações do mundo real, três opções foram levantadas como possíveis solucionadoras do problema, a saber: Passagem natural; Passagem acelerada por ventilação forçada; Passagem por vácuo. Analisando-se mais detalhadamente, durante a atual fase do desenvolvimento do projeto, as diversas opções citadas, verificou-se que a mais adequada para as condições do projeto seria a criação de um fluxo de gás gerado graças à diferenças leves na pressão do meio, através do fornecimento de um baixo nível de vácuo, próximo a 10-1 mbar, o que já fornece uma velocidade de escoamento considerável para o fluído, em função da área disponível para escoamento, de acordo com o que define a Equação 1: Q = A v Equação 1 onde: Q = Vazão do fluido (m 3 s -1 ) A = Área da secção transversal do tubo coletor (m 2 ) v = Velocidade do fluido (m s -1 ) Deve-se fazer uma ressalva que o nível de vácuo que deve ser adotado foi o que apresentou uma vazão que proporcionasse uma velocidade de medição adequada à sensibilidade do sensor escolhido, pois se deve lembrar de que, caso o fluido passe muito rapidamente pela extremidade medidora, corre-se o risco de se obter leituras errôneas e que se refiram a dados não-reais. Ainda como justificativa à aplicabilidade da fluidez graças à variações de pressão interna, deve-se ressaltar que esta forma não causará poluição dos resultados, ou seja, não

9 será necessária a injeção de determinada dose de ar externo de modo a favorecer transposição, como estava previsto para o caso de ventilação forçada. Assim, somente ficará dentro do recipiente o gás realmente produzido a partir do processo de degradação do material polimérico. Para a implementação eletrônica, deve-se compreender a interação entre os dispositivos analógicos com o processo de produção de CO 2, de acordo com a ASTM-D- 5988/96. A distância entre os frascos foi considerada a menor possível, de modo que o processo de leitura/estabilização fosse minimizado. Entre os dois vasilhames, foi inserida uma válvula solenóide de acionamento elétrico, responsável pela liberação do gás a partir do vasilhame produtor rumo àquele que contem o sensor. Em seguida, uma válvula é aberta para renovar o ar presente no vasilhame de produção e para que o gás já quantificado também fosse expelido. CONCLUSÕES A melhor forma de se projetar o weblab é em três camadas independentes, porém comunicantes entre si, o que permite que níveis de segurança possam ser incorporados às camadas sem prejudicar a integridade da rede corporativa como um todo, além de deixar as atividades transparentes tanto para o lado cliente quanto para o servidor. Durante a fase de projeto, foi visto que questões da complexidade do sistema, e de suas funcionalidades, devem ser consideradas desde o princípio, procurando responder à questões que resumam estas idéias. A utilização de dispositivos de coleta de dados já empregados pela literatura fornecem um grau de confiabilidade dos dados apresentados maior, além de que facilita também o desenvolvimento de aplicações para ela, já que apresentam normalmente softwares embarcados. Para o desenvolvimento de aplicações web, deve-se sempre vislumbrar linguagens de programação que já apresentem funções e módulos já prontos para manipular rotinas de rede, tais como scripts CGI. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à FAPESP (processo nº 04/ ) e à Universidade São Francisco

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) NÚÑES, Gerardo Viedma. Design and implementation of the feedback systems web laboratory p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica e Ciência da Computação) Massachussets Institute of Technology, Massachussets, U.S.A. (2) ALAMO, Jesús A. del; CHANG, Victor; HARDISON, James; ZYCH, David; HUI, Lisa. An online microelectronics device characterization laboratory with a circuit-like user interface. In: American Conference on Engineering Education, Valencia, Spain, July, 21-25, (3) CESCHINI, Gabriela W.; PEREIRA, Gilberto A.; CUNHA, Rafael A.; CUGNASCA, Carlos E.; SARAIVA, Antonio M. The greenhouse web lab: implementation of a remotely monitored and controlled greenhouse. In: III Workshop FAPES TIDIA 2006, São Paulo, SP, Brazil, pp.112, November, 15-17, (4) GARCÍA-ZUBIA, Javier; LÓPEZ-DE-IPIÑA, Diego; ORDUÑA, Pablo.; HERNÁNDEZ, Unai.; TRUEBA, Ivan. Questions and answers for designing useful weblabs. International Journal of Online Engineering, v.2, n.3, 6p (5) SANDHU, Jaspal Singh. An active engagement pedagogy for introductory solid mechanics p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) Massachussetts Institute of Technology, Massachussetts, U.S.A. (6) LAVERTY Jr, Stephen Michael. Experimental hydrodynamics of spherical projectiles impacting on a free surface using high speed imaging techniques p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Oceânica) Massachussets Institute of Technology, Massachussets, U.S.A. (7) GUSTAVSSON, I. et al. A flexible remote electronics laboratory. In: 2nd International Symposium in Remote Engineering and Virtual Instrumentation, REV 2005, Brasov, Romaine, July, (8) CASINI, M.; PRATTICHIZZO, D.; VICINO, A. e-learning by remote laboratories: a new tool fo control education. In: The 6th IFAC Conference on Advances in Control Education, Finland, (9) GARCÍA-ZUBIA, J et al. A new approach for implementing remote laboratories: a practical case. In: 2nd International Symposium REV, Brasov, Romaine, July, (10) SOLIS, Adrian. MIT device simulation weblab: an online simulator for microeletronic device p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica e

11 Ciência da Computação) Massachussetts Institute of Technology, Massachussetts, U.S.A. (11) VIEDMA, Gerardo.; DANCY, Isaac J..; LUNDBERG, Kent H.. A web-based linearsystems ilab. In: American Control Conference, Portland, O.R., U.S.A. June, 18-21, (12) ROY, P. K.; SUREKHA, P.; RAJAGOPAL, C.; RAMAN, R.; CHOUDHARY, V. Study on the degradation of low-density polyethylene in the presence of cobalt stearate and benzyl. Journal of Applied Polymer Science, v.99, p , (13) BARDI, M. A. G.; ROSA, D. S.; Avaliação da biodegradação em solo simulado de poli(ε-caprolactona), acetato de celulose e suas blendas. Revista Brasileira de Aplicações de Vácuo, v.26, n.1, p.43-47, (14) KRZAN, A. et al. Standardization and certification in the area of environmentally degradable plastics. Polymer Degradation and Stability, v.91, p , (15) AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Standard test method for determining aerobic biodegradation in soil of plastic materials or residual plastic materials after composting. Phyladelphia, (16) BRAGANÇA, Fabio do Carmo. Desenvolvimento de blendas de poli(εcaprolactona) e acetato de celulose e suas propriedades mecânicas, térmicas, morfológicas e de biodegradação p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Ciência dos Materiais) Universidade São Francisco, Itatiba. (17) CARBALLO, V.M. Blanco; CHEFDEVILLE, M.; COLAS, P.; GIOMATARIS, Y.; VAN DER GRAAF, H.; HARTJES, F.; KLUIT, R.; KOFFEMAN, E.; SALM, C.; SCHIMTZ, J.; SMITS, S.M.; TIMMERMANS, J.; VISSCHERS, J.L. Charge amplitude distribution of the Gossip gaseous pixel detector. Nuclear Instruments and Methods in Physics Research Section A: Accelerators, Spectrometers, Detectors and Associated Equipment, v.583, n.1, p , (18) D ALESSANDRO, R.; HARTJES, F.; LAGOMARSINO, S.; SCIORTINO, S. Influence of temperature on the response of high-quality polycrystalline diamond detectors. Nuclear Instruments and Methods in Physics Research Section A: Accelerators, Spectrometers, Detectors and Associated Equipment, v.570, n.2, p , (19) COLUMBUS INSTRUMENTS. Micro-Oxymax Layman s guide to measurement principles. Columbus Instruments. 9p Arquivo enviado por

12 DEVELOPMENT OF FRAMEWORK FOR A WEBLAB-BASED POLYMERIC MATERIALS BIODEGRADATION SYSTEM ABSTRACT The scientific society is widely researching materials that can substitute the petroleum derivatives but not harming the environment and also improving the life quality. The determination of the biodegradation rate presented by these polymeric materials, as the method described by ASTM-D-5988/96 standard, is tangible because is a laboratorial scale testing, but it requires a great number of replication for each sample, and so becoming necessary the allocation of many hours of staffs. In this context, the automation of experiments allows that groups of people can accompany, in real time, their evolution, even though these people are too physically distant. In this work, the results of the development of a web-based framework for quantifying the biodegradation of polymeric materials are discussed. The framework was developed applying the free software practices and public tools, containing a graphic interface that allows their users to actuate over the experiment by the Internet. Key-word: web lab, biodegradation, automation, biodegradable polymers

PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO

PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO PLANTA DIDÁTICA COMANDADA VIA SUPERVISÓRIO Aline Lima Silva¹; Danilo Menezes de Abreu²; Jailson da silva Machado³; Alexandre Teles 4 (orientador) ¹Faculdade de Engenharia de Resende. Resende - RJ alinel-silva@hotmail.com

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Julyanne Silva Cunha 1 ; Francisco Aurilo Azevedo Pinho 2 1 Aluna do Curso de Física;

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO Alessandro A. M de Oliveira 1 ; Alexandre de Oliveira Zamberlan 1 ; Péricles Pinheiro Feltrin 2 ; Rafael Ogayar Gomes 3

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO Pedro José Moacyr Rangel Neto pedrorangel@pucrs.br PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES Bárbara Dias Pereira Prof. Miguel Alexandre Wisintainer, Orientador ROTEIRO DA

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros Solução em software exclusivo, o SIM V.T 3D oferece um design intuitivo, animações em 3D, animação virtual

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS EDILBERTO SILVA 1, AQUILA ISRAEL (1316079) 2, CYNTHIA FERREIRA (1316079) 2, MARKO DE CASTRO (1316119) 2, RAFAELA ALMEIDA (1316189)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments Seja um Guru de Aquisição de Dados Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments On-demand Dia 06/10/2015 Às 10h Agenda Dia 06/10/2015 Às 14h Dia 07/10/2015 Às 10h

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação.

1 DIFERENCIAIS. de CO do forno são até 200% menores do que exige a legislação. FORNO CREMATŁRIO JUNG - CR270012 1 2 Obs.: As imagens acima são meramente ilustrativas. O equipamento das fotos é semelhante ao modelo cotado, entretanto, sua aparência, acessórios e funcionalidade podem

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais