Conselho Brasileiro de Oftalmologia Diretoria ( ) Presidente Paulo Augusto de Arruda Mello

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Brasileiro de Oftalmologia Diretoria (2009-2011) Presidente Paulo Augusto de Arruda Mello"

Transcrição

1

2 Comissão de Ensino ( ) Rubens Belfort Junior Ana Rosa Pimentel de Figueiredo Bruno Castelo Branco Haroldo Vieira de Moraes Junior João Orlando Ribeiro Gonçalves Liana Maria Vieira de Oliveira Ventura Marcelo Palis Ventura Maria Cristina Nishiwaki Dantas Rodrigo Jorge Assessores Raul Nunes Galvarro Vianna Ana Maria Noriega Petrilli Conselho Brasileiro de Oftalmologia Diretoria ( ) Presidente Paulo Augusto de Arruda Mello Vice-Presidente Marco Antonio Rey de Faria Secretário Geral Nilo Holzchuh 1 Secretário Fabiola Mansur de Carvalho 2 Tesoureiro Mauro Nishi

3 Apresentação O convite do Prof. Paulo Augusto de Arruda Mello para coordenar a Comissão de Ensino, há dois anos, foi recebido com muita responsabilidade, pois a Comissão de Ensino do CBO, nos últimos anos, sob sua liderança, avançou muito e trouxe nossa especialidade a um dos patamares mais altos da Medicina brasileira. Aceitamos com a ideia de investir em gente mais jovem e com grande liderança e capacidade de trabalho e, assim, foi constituída a atual Comissão do Conselho Brasileiro de Oftalmologia que vem trabalhando com muita eficiência e dedicação. Está de parabéns a Oftalmologia brasileira, o nosso Conselho e, principalmente, a Dra. Liana Ventura por este Censo que será muito útil no planejamento das atividades de ensino do CBO para divulgar a nossa Oftalmologia internacionalmente. Prof. Dr. Rubens Belfort Junior Coordenador da Comissão de Ensino O Censo Ensino é fruto de parte das atividades de toda a Comissão de Ensino, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, e existe graças à liderança e ao longo trabalho realizado pela Dra. Liana Ventura, uma das grandes líderes da nossa Oftalmologia atual pelo seu dinamismo, capacidade profissional, envolvimento com outras áreas da Medicina e, principalmente, no que diz respeito ao ensino e participação social. Liderou toda a Oftalmologia brasileira e os coordenadores dos Cursos de Especialização do CBO na realização de simpósios regionais e, em seguida, na elaboração detalhada deste Censo. Traz a cooperação do Dr. Bruno Castelo Branco que, há anos, se dedica à Comissão de Ensino, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, inclusive com a elaboração de instrumentos objetivos de avaliação e também da especializanda Dra. Camila Ventura, que mostrou a importância de albergarmos indivíduos das próximas gerações, investindo e recebendo deles a energia e a criatividade. 3

4 4 Introdução A Comissão de Ensino do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) sente-se honrada em poder oferecer esta publicação com importantes informações fornecidas pelos coordenadores de Cursos de Especialização em Oftalmologia, credenciados pelo CBO. Esta descrição sistemática dos dados coletados de cada serviço deve ser levada aos gestores de educação e saúde do Brasil para alicerçar o fomento a um plano nacional, objetivando melhores condições nos serviços que oferecem cursos de especialização em Oftalmologia do país. É um desafio verificar o panorama destes serviços, já que cada um deles sofre influência de acordo com a conjuntura política, socioeconômica nacional, regional e institucional em que está inserido. Considerando a importância deste tema, a Comissão de Ensino do CBO reuniu esforços para desenvolver o Censo Ensino, destinado aos interessados no ensino da Oftalmologia, gestores de educação e saúde, médicos oftalmologistas e ao público em geral. Apresentamos, nesta publicação, os resultados da pesquisa realizada pelo CBO sobre as características de cada Curso quanto ao credenciamento simultâneo, ou não, com o Ministério de Educação (MEC); presença de grade nuclear programática curricular; processo seletivo; avaliação do aluno e do docente; infraestrutura; recursos humanos; oferta de curso de fellow nas diversas subespecialidades da Oftalmologia 1. A segunda fonte de dados foi o material coletado nos Fóruns de Ensino realizados em cada região do país, que contou com a participação da diretoria do CBO, representantes da Comissão de Ensino e dos coordenadores de cada serviço. Foram apresentados os principais pontos positivos e negativos de cada instituição que repercutem na qualidade dos cursos. Alguns serviços enviaram estas informações por ou fax para o CBO. A terceira fonte de dados deste Censo foi as informações do instrumental de avaliação da Comissão de Ensino do CBO, encaminhadas pelos Cursos de Especialização em Oftalmologia para o recredenciamento do Curso. A importância do tema é inconteste tendo em vista que o ensino da Oftalmologia é de fundamental interesse para toda a nação. Mais uma vez, o CBO cumpre seu papel na sociedade. Agradecemos ao Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello, Presidente do CBO, pela oportunidade e confiança. Uma homenagem e agradecimento especiais devem ser feitos ao Dr. Bruno Castelo Branco, por ter elaborado os instrumentais de avaliação com apoio da diretoria do CBO, do CDG e da própria Comissão de Ensino do CBO. Agradecemos a todos os coordenadores de cursos credenciados pelo CBO por terem fornecido os dados que refletem a realidade de seus serviços; à toda equipe do CBO, que dedicou tempo e esforço necessários para coletar os dados e execução deste Censo; à equipe da Fundação Altino Ventura e do Hospital de Olhos de Pernambuco, por ter participado ativamente na alimentação dos dados e elaboração deste Censo. Liana Vieira de Oliveira Ventura Cols: Rubens Belfort Junior Bruno Castelo Branco Camila Vieira de Oliveira C. Ventura

5 Prefácio A Oftalmologia é uma especialidade que requer conhecimentos técnico-científicos específicos, necessita atender pacientes de todas as faixas etárias e com distintos perfis socioeconômicos 2. Diante dos avanços tecnológicos da Oftalmologia contemporânea, aliado ao acesso globalizado ao conhecimento da especialidade, quando as bibliotecas virtuais permitem levar o conhecimento às áreas mais remotas do mundo, fazse necessário a adequação curricular e da infraestrutura dos serviços responsáveis pelos cursos de pós-graduação, aliada à busca de uma medicina humanizada e ética 2-4. O CBO, ao longo de seus 70 anos de existência tem procurado introduzir e aprofundar a utilização de ferramentas de ensino facilitadoras na construção do conhecimento, com adequação à realidade dos Cursos de Especialização em Oftalmologia, credenciados pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia 5. É notória a discrepância da distribuição geográfica dos cursos de especialização, sendo este desequilíbrio também evidenciado quanto à distribuição do número de oftalmologistas, de acordo com o Censo de 2011 realizado pelo CBO 6. Existe também uma importante diversidade na qualidade do ensino oferecida pelos Cursos, que sofre variação de acordo com o perfil institucional, conjuntura política e condição sócioeconômica regional e nacional. Estas informações possibilitarão nortear políticas públicas estratégicas de investimento nas instituições públicas, filantrópicas ou privadas, responsáveis pela formação de profissionais médicos oftalmologistas de todo o país. A Diretoria do CBO e a Comissão de Ensino, neste momento, agradecem a confiança e a valiosa contribuição de todos os coordenadores de Cursos de Especialização credenciados pelo CBO, sem os quais seria impossível a coleta de dados tão importantes. Estes dados respaldam pleitos aos poderes públicos, que possibilitarão suprir as carências de cada serviço para o adequado ensino da Oftalmologia. Paulo Augusto de Arruda Mello Presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia A diretoria do CBO, através da Comissão de Ensino, decidiu fazer Fóruns de Ensino em cada região do Brasil, onde foram incluídos temas pertinentes à melhoria do ensino da Oftalmologia, desde a seleção do aluno ingressante, como a implementação de currículo mínimo padronizado, avaliação do serviço (avaliação 3600), biblioteca virtual, treinamento cirúrgico virtual e com wet lab e com discussões sobre as principais barreiras e soluções para o ensino da Oftalmologia no país 1. A publicação do Censo Ensino apresenta também os principais dados coletados nos Fóruns. 5

6 ÍNDICE 6 Resumo Introdução Fóruns de Ensino Características dos Cursos de Especialização em Oftalmologia do Brasil Aspectos positivos e negativos dos serviços credenciados pelo CBO Estratégias Instrumental de Avaliação Perspectivas Referências Bibliográficas

7 Capítulo Resumo

8 Resumo Este Censo Ensino tem como objetivo realizar dentre os Cursos de Especialização, credenciados pelo CBO, o diagnóstico situacional do ensino da Oftalmologia no país. Os dados coletados tiveram como fonte: 1. Fóruns de Ensino realizados regionalmente; 2. Enquete realizada com os coordenadores dos Cursos de Especialização, quanto às características, aspectos positivos e negativos de cada serviço e sugestões de estratégias a serem adotadas para melhoria das condições do ensino no país; 3. Dados obtidos através do Instrumental de Avaliação que foi utilizado pelo CBO para recredenciamento dos Cursos. Verificou-se que existe variação do perfil de cada instituição de ensino, em cada região e, até mesmo, dentro da mesma região. Algumas instituições são vinculadas a órgãos públicos, outras a filantrópicas e até mesmo a entidades privadas. Todos os serviços são credenciados pelo CBO, sendo que 70% são credenciados simultaneamente pela Comissão Nacional de Residência Médica / Ministério de Educação (MEC). Um dado muito positivo é que existe elevada motivação dos serviços na construção e na transmissão do conhecimento em Oftalmologia. Não existe desinteresse em aprender por parte dos especializandos. Cada Curso de Especialização funciona como centro multiplicador, formando pós-graduandos de todo país, suprindo em parte as necessidades deste Brasil de dimensões territoriais com tanta diversidade socioeconômica. 8 Há escassez de serviços credenciados para o ensino de Oftalmologia em algumas áreas do país, tais como as regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste, diminuindo o número de oftalmologistas que permanecem na região para exercer a profissão após o término do curso de especialização.

9 A maioria dos serviços possui grade nuclear formal e realiza seleção dos seus alunos através de testes e avaliação curricular. A avaliação dos alunos é feita em 100% dos serviços, porém a dos docentes só é feita em 40%. Foi ressaltada carência de wet labs nas regiões Sul, Norte e Nordeste; escassez de equipamentos foi referida por alguns serviços em todas as regiões do país, especialmente nas regiões Norte e Nordeste. A oferta do curso de extensão (fellow) é feita por 70% dos serviços, entretanto existe escassez nas áreas de Oftalmologia pediátrica, uveítes e neuroftalmologia. O estímulo ao uso da ferramenta de biblioteca online é uma estratégia adequada no sentido de estimular uma educação continuada mesmo à distância. O Instrumental de Avaliação elaborado pelo CBO, cujos dados podem ser analisados neste documento, juntamente com 29 vistorias realizadas nos serviços, permitiram a homologação em fevereiro de 2011, pelo Conselho Deliberativo do CBO, do credenciamento de 13 novos serviços e a ampliação de vagas em cinco Cursos de Especialização já credenciados. A análise destes dados permitirá aos gestores públicos elaborar estratégias visando minimizar as dificuldades encontradas pelos diretores de serviços, para o cumprimento de suas atribuições quanto ao ensino da Oftalmologia, em curso de pós-graduação lato sensu. 9

10 Capítulo Introdução

11 Introdução O ensino da Oftalmologia em todo o mundo tem exigido a utilização de ferramentas inovadoras e ousadas sem dispensar a supervisão de experientes mestres competentes, habilidosos e atualizados 3,4,7. A oferta de infraestrutura adequada, aliada a docentes comprometidos na construção e transmissão do conhecimento, pode levar a uma nova geração de profissionais com competências e capacidade resolutiva quanto à saúde ocular do país, preparados para enfrentarem os desafios da vida moderna 2,7,8. O avanço tecnológico, a renovação dos costumes e do comportamento e as perspectivas do mercado de trabalho exigem profundas alterações no ensino da Oftalmologia 9. Precisamos adotar uma estratégia de ensino que seja atualizada e adequada à realidade brasileira, que venha atender aos anseios da sociedade carente de serviços especializados dotados com oftalmologistas qualificados 2,5. Este Censo Ensino sumariza os dados obtidos por meio de importantes informações fornecidas pelos coordenadores de Cursos de Especialização em Oftalmologia, credenciados pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, acerca da situação atual do ensino da Oftalmologia em seus respectivos serviços. O momento é oportuno para o lançamento de uma estratégia política que venha suprir as carências apontadas por este documento, tendo-se a consciência de que contribuiremos para fortalecer a base da pirâmide do conhecimento que gera a assistência oftalmológica adequada e resolutiva em um país francamente em crescimento. O ensino da Oftalmologia alicerçado na capacitação dos recursos humanos, e aliado ao uso de tecnologia de ponta em infraestrutura institucional adequada, é responsável pela força geradora e propulsora, fundamental para suprir as carências quanto à oferta de saúde ocular no país. 11

12 Capítulo Fóruns de Ensino

13 A experiência pioneira dos fóruns de ensino regionais Durante o ano de 2010, a Comissão de Ensino do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) promoveu quatro Fóruns, que reuniram coordenadores e preceptores dos cursos credenciados das diferentes regiões brasileiras. Foram realizados debates em relação aos desafios enfrentados pelos coordenadores dos serviços quanto ao ensino da Oftalmologia em suas instituições. Essas condições específicas constituíram a base para a discussão de soluções e para a troca de experiências entre instituições que atuam no mesmo espaço geográfico, social e cultural. Os Fóruns de Ensino realizados foram: 1) 21 de março - Com os representantes dos cursos das regiões Norte e Nordeste do país, como parte da programação do XVII Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia, em Aracaju; 2) 19 de junho - Com coordenadores e preceptores dos Cursos de Especialização credenciados pelo CBO no Estado de São Paulo, realizado durante o XVI Simpósio Internacional de Atualização em Oftalmologia, da Santa Casa de São Paulo; 3) 26 de junho - Com coordenadores e preceptores dos Cursos de Especialização credenciados pelo CBO dos Estados de Santa Catarina e Paraná, durante o 35º Congresso da Associação Paranaense de Oftalmologia; 4) 21 de agosto - Com coordenadores e perceptores dos Cursos de Especialização Credenciados pelo CBO nos Estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Embora destinados a discutir as condições e os problemas locais enfrentados para o ensino da especialidade, os fóruns tiveram estrutura comum, a partir da qual os debates se desenvolveram. A primeira fase de cada encontro foi dedicada à análise dos aspectos favoráveis e dificuldades dos Cursos de Especialização em Oftalmologia da região e, o currículo mínimo que necessita ser implantado em todas as instituições credenciadas pelo CBO. 13

14 A partir das primeiras apresentações, os debates evoluíram para os processos de seleção e avaliação dos alunos, o papel dos educadores, as barreiras e obstáculos enfrentados em cada serviço e os modos de superá-los. Parte significativa de cada encontro foi dedicada ao estudo, difusão e discussão das novas ferramentas para a difusão do conhecimento através da internet e às potencialidades e limitações de tais modalidades de ensino. Entre os pontos debatidos em todas as ocasiões, estiveram a possibilidade de implantação da avaliação seriada dos alunos dos diferentes cursos de especialização, a elaboração de um programa curricular mínimo para cada subespecialidade e a utilização da produção científica dos alunos na contagem de pontos para a obtenção do Título de Especialista em Oftalmologia. A coordenação geral da iniciativa foi compartilhada entre Rubens Belfort Junior (Coordenador da Comissão de Ensino) e Liana Ventura (Coordenadora do Curso de Especialização em Oftalmologia da Fundação Altino Ventura, do Recife, PE). A coordenação do Fórum de Ensino, que reuniu os Cursos do Estado de São Paulo, também contou com a colaboração de Maria Cristina Nishiwaki Dantas (Coordenadora do Curso de Especialização do Departamento de Oftalmologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - SP) e a coordenação do Fórum de Ensino de Curitiba contou com a parceria de Fernando César Abib e Hamilton Moreira (Presidente do CBO - gestão 2007/09). Finalmente, a coordenação do encontro do Rio de Janeiro contou com a participação dos integrantes da Comissão de Ensino, Haroldo Vieira Moraes Júnior, Marcelo Palis Ventura e Raul Nunes Galvarro Vianna. 14 Para Rubens Belfort Junior, o grande resultado dos Fóruns de Ensino, organizados pela Comissão de Ensino, em 2010, foi a possibilidade de discutir os pontos positivos e negativos existentes nos Cursos de Especialização em cada região do país e o ideal a ser alcançado com a ajuda de todos. As sugestões, recomendações e propostas foram alinhadas para estudo, aprimoramento e execução e todos os participantes concordaram que a iniciativa contribuiu para o aprimoramento do ensino da Oftalmologia no Brasil.

15 O saldo foi extremamente positivo, pois as discussões atingiram um grau de profundidade e a troca de experiências foi tão abrangente que cada instituição pode enxergar seus problemas de uma nova forma. A Comissão de Ensino pode ter novos aportes para colaborar com o aprimoramento dos cursos e do ensino da especialidade, concluiu Liana Ventura. Fórum de Ensino: XVII Congresso N/NE de Oftalmologia Fórum de Ensino: XVI Simpósio Internacional de Atualização em Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo. Fórum de Ensino: Programas de Especialização dos Estados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul. 15

16 Capítulo Características dos Cursos de Especialização em Oftalmologia do Brasil

17 Características dos cursos de especialização em Oftalmologia do Brasil Serviços credenciados pelo CBO e respectivos coordenadores (2010) REGIÕES NORTE-NORDESTE Região UF Serviço Norte AM BA Inst. de Oftalmologia Oculistas Associados de Manaus Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública- IBOPC Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia - BA Coordenador (a) Dr. (a) Claudio C. Chaves Regina H. R. Pinheiro Roberto L. Marback Nordeste CE Clínica Oftalmológica do Hospital Geral de Fortaleza Fundação Leiria de Andrade Marineuza Rocha Memória Leiria de Andrade Neto PE Fundação Altino Ventura Universidade Federal de PE Liana Mª O. Ventura Fernando P. Paiva PI Universidade Federal do PI João Batista Lopes Fº RN Universidade Federal do RN (Hosp. Onofre Lopes) Carlos Alexandre de A. Garcia 17

18 REGIÃO CENTRO-OESTE Região UF Serviço Coordenador (a) Dr. (a) DF Hospital de Base do DF HBDF Procópio M. Santos Centro-Oeste GO Universidade Federal de GO Alan Ricardo Rassi MS Soc. Beneficente Santa Casa de Campo Grande Beogival W. L. Santos REGIÃO SUDESTE Região UF Serviço Universidade Federal de MG Coordenador (a) Dr. (a) Roberto Márcio Teixeira 18 Sudeste MG Fac. Ciências Médicas Minas Gerais - Santa Casa de BH Inst. de Estudos e Pesquisa Centro Oftalmo. Minas Gerais Fac. Med. Triângulo Mineiro João Agostini Netto Paulo Peret Hélia S. Angotti

19 Univ. Est. Rio de Janeiro Ricardo L. de A. Neves RJ CEPOA Serv. Oftalmo. Instituto Benjamin Constant Hospital dos Servidores do Estado Fac. Med. da Universidade Federal Fluminense Universidade Federal do RJ Fundão Luiz A. Molina Mônica Abelardo S. Couto Jr. Gilberto dos Passos Marcelo Palis Ventura Haroldo V. de Moraes Jr. Hospital da Piedade Yoshifumi Yamane Hospital da Lagoa Roberli H. B. Pinto Hospital Geral de Bonsucesso Arlindo J. F. Portes Policlínica de Botafogo Morizot Leite Filho 19

20 SP Fac. de Med. da Univ. de São Paulo FMUSP Univ. Fed. de S. Paulo UNIFESP EPM Fac. de Ciências Méd. da Santa Casa SP Hospital do Serviço Público Estadual de SP Fac. de Med. Ribeirão Preto USP Ribeirão Preto Inst. Dr. João Penido Burnier Univ. Estadual de Campinas UNICAMP Fac. de Med. de Jundiaí Universidade Estadual Paulista - UNESP Fac. de Med. Fundação Univ. do ABC Fac. de Medicina de Marília FAMEMA Univ. de Santo Amaro UNISA Univ. de Mogi das Cruzes UMC Milton Ruiz Alves Wallace Chamon Maria Cristina N. Dantas Pedro D. Serracarbassa Jayter Silva de Paula Elvira B. Abreu Carlos E. L. Arieta Marta B. C. de F. Sartori Amelia Kamegasawa José Ricardo C. L. Rehder José Augusto A. Ottaiano Silvia P. S. Kitadai Ana Maria N. Petrilli 20 Hospital Oftalmológico de Sorocaba Inst. CEMA de Oftalmo.e Otorrino. Luciene Barbosa de Souza José Carlos E. Carani

21 REGIÃO SUL Região UF Serviço Fac. Evangélica Med. do Paraná Coordenador (a) Dr. (a) Carlos Augusto Moreira PR Fac. Med. Univ. Federal do Paraná Hospital de Olhos do Paraná Ana Tereza R. Moreira Hamilton Moreira Univ. Estadual de Londrina Gerson J. A. Lopes Sul Univ. Federal Rio Grande do Sul Jacó Lavinsky RS Instituto Oft. Prof. Ivo Correa Meyer Santa Casa de Porto Alegre Manuel Augusto Vilela Alexandre S. Marcon Hosp. Bco. de Olhos de Porto Alegre João Borges Fortes Fº SC Hosp. Reg. São José Luis Cesar Q. Galvão 21

22 Distribuição dos serviços por região de acordo com o credenciamento - CBO ou MEC/CBO (2010) CBO MEC/CBO 24 (83%) 3 (17%) (33%) (25%) (0%) 0 (0%) 6 (67%) 6 3 (75%) (100%) 1 (100%) 22 SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE

23 Distribuição dos serviços por região de acordo com a presença de grade curricular nuclear, processo seletivo e avaliação do aluno/docente G. curricular Seleção teste Seleção currículo Avalição aluno Avaliação docente SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (100%) 3 (100%) 8 (100%) (100%) 8 (100%) 3 (100%) 7 (88%) (100%) 9 (100%) (67%) 7 (10%) (88%) 7 (78%) (100%) 8 (100%) (100%) 3 (34%) 1 (33%) (13%) (100%) 11 (38%) (100%) (97%) (93%) (97%) 23

24 Distribuição dos serviços por região de acordo com a infraestrutura e recursos humanos Wet lab Carência equipamento Carência docente Desinteresse aluno (90%) (41%) 12 (41%) (34%) 3 (100%) 5 (55%) 3 0 (0%) 4 (45%) (34%) (13%) (100%) (45%) 4 2 (67%) 1 (13%) (0%) 0 4 (45%) (0%) 1 (34%) 1 (13%) (0%) SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE

25 Distribuição dos serviços por região de acordo com a infraestrutura e recursos humanos SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE 0 7 (78%) 2 (67%) 3 (38%) (0%) 23 (79%) Fellow SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE 0 2 (22%) 1 (34%) 1 (13%) (0%) 12 (41%) Uveíte SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE 0 0 (0%) 1 (34%) 1 (13%) (0%) 8 (28%) Seg. anterior SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (67%) 2 (25%) (0%) (67%) 18 (62%) Neuroftalmo SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (67%) 2 (25%) (0%) (87%) 21 (72%) Oftalmopediatria 25

26 SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (17%) 5 (34%) 1 (13%) 1 (0%) 0 Seg. posteriror (0%) 0 SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (41%) 12 (34%) 1 (25%) 2 (0%) 0 (34%) 3 SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (66%) 19 (34%) 1 (25%) 2 (0%) 0 (55%) 5 SUL SUDESTE CENTRO-OESTE NORDESTE NORTE (62%) 18 (34%) 1 (38%) 3 (0%) 0 (55%) 5 Glaucoma Plástica ocular Estrabismo 26

27 Capítulo Aspectos positivos e negativos dos serviços credenciados pelo CBO

28 Aspectos positivos e negativos dos serviços credenciados pelo CBO REGÕES NORTE-NORDESTE Instituição Positivos Negativos Instituto de Olhos de Manaus - AM 1. Único na região Norte. 2. Incentiva interiorização da Oftalmologia. 3. Contribui para a saúde ocular da população. 1. Alunos egressos provêm de universidades de currículo pobre. 2. Carência de docentes em todas as subespecialidades. 3. Desequilíbrio em relação aos outros cursos de Oftalmologia do país. 4. Não oferece curso básico de Oftalmologia. 1. Serviço bem estruturado e organizado. 1. Falta de departamento de tumores oculares. 2. Acesso à moderna aparelhagem oftalmológica. 2. Número reduzido de transplantes de córnea. 28 Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública - IBOPC - BA 3. Proporção especializando/preceptores acima do exigido pelas normas de ensino. 4. Treinamento cirúrgico dos especializandos em catarata. 5. Treinamento dos especializandos em refração. 3. Ausência de realização de cirurgias refrativas no próprio serviço. 4. Número reduzido de urgência oftalmológica. 5. Pequena produção científica e publicação.

29 Fundação Leiria de Andrade - CE 1. Elevado volume clínico-cirúrgico. 2. Estrutura física adequada. 3. Aulas teóricas. 1. Carência de docentes. 2. Docentes pouco envolvidos. 3. Preceptoria insuficiente. Hospital Geral de Fortaleza - CE 1. Apresenta instalações novas. 2. Novos equipamentos. 3. Preceptores capacitados e comprometidos. 4. Grande volume de pacientes. 5. Faz parte de um hospital geral. 1. Ausência de alguns departamentos (Lente de Contato, Órbita, Uveítes, Neuroftalmologia). 2. Escassez de número de mestres e doutores. 3. Descompromisso de alguns especializandos. 4. Demora na solução de alguns problemas pela burocracia do serviço público. 5. Pessoal insuficiente para um bom suporte cirúrgico. Universidade Federal de Pernambuco (Hospital das Clínicas) - PE 1. Intercâmbio multidisciplinar por ser hospital universitário. 2. Oferece pós-graduação stricto sensu e lato sensu. 3. Conta com professores voluntários além dos contratados. 1. Ausência de alguns departamentos (Lente de Contato, Órbita, Uveítes, Neuroftalmologia). 2. Escassez de número de mestres e doutores. 3. Descompromisso de alguns especializandos. 4. Demora na solução de alguns problemas pela burocracia do serviço público. 5. Pessoal insuficiente para um bom suporte cirúrgico. 29

30 30 Fundação Altino Ventura - PE Universidade Federal do Piauí - PI Universidade do Rio Grande do Norte (Hospital Onofre Lopes) - RN 1 Procedimentos de alta complexidade e tecnologia de ponta em todas as subespecialidades. 2. Grande volume de procedimentos clínicocirúrgicos. 3. Motivação da equipe. 4. Incentivo à produção científica. 5. Equipe multidisciplinar. 6. Oferece curso de fellow em todas as subespecialidades. 1. Professores e preceptores com bom relacionamento com especializandos. 2. Reuniões científicas semanais e de boa qualidade. 3. Treinamento cirúrgico adequado. 4. Qualificação dos docentes. 5. Serviço de urgência satisfatório. 1. Aulas ou seminários de segunda a sábado. 2. Novos médicos contratados pela Secretaria de Saúde Estadual ou Municipal à disposição do serviço. 3. Centro cirúrgico próprio do serviço. 1. Dificuldade dos oftalmologistas realizarem cursos de pós-graduação stricto sensu. 2. Área física (imóveis alugados). 3. Carência de departamento de Patologia Ocular e laboratório de Doenças Externas Oculares. 1. Carência de equipamentos (OCT, retinógrafo, Yag Laser e topógrafo). 2. Preceptoria presencial insuficiente. 3. Aulas teóricas e práticas deficientes. 4. Pouca exigência das atividades aos especializandos e preceptores. 5. Ausência de departamentos de Lente de Contato, Cirurgia Refrativa e Uveíte. 1. Falta aquisição de novas tecnologias. 2. Falta na manutenção dos equipamentos. 3. Total dependência financeira da gestão hospitalar. 4. Relação desgastante com direção do hospital (há 18 anos o mesmo diretor). 5. Falta renovação de docentes e médicos.

31 REGIÃO CENTRO-OESTE Instituição Positivos Negativos Hospital de Base do Distrito Federal - DF 1. Volume adequado de pacientes clínico-cirúrgicos. 2. Oportunidade de discussões/aulas diárias, com preceptores de diferentes áreas. 3. Diversidade de patologias. 1. Depende da estrutura de um serviço público. 2. Dependente de insumos, recursos humanos. 3. Algumas limitações físicas. Universidade Federal de Goiás - GO 1. Alto nível do corpo discente/docente. 2. Instalações físicas e todos os equipamentos necessários para prática da Oftalmologia geral e todas subespecialidades. 3. Grande volume de pacientes de patologias diversificadas, procedentes não só da região do Centro-Oeste, mas da região Norte. 4. Ligação com a UFGO, facilitando o desenvolvimento de pesquisa clínica e experimental. 5. Grande número de voluntariado. 1. Dificuldade de realização de licitações para aquisição de insumo e equipamentos. 2. Dificuldade na manutenção de equipamentos. 3. Dificuldade de contratar pessoal técnico administrativo. 4. Dificuldade burocrática de atendimento de pacientes fora da rede municipal/estadual de pactuação. 5. Número de alunos inferior ao planejamento estratégico. Soc. Beneficente Sta Casa de Campo Grande - MS 1. Serviço tem credibilidade. 2. Biblioteca conta com coleções do CBO. 3. Apoio ao ensino através do ICO. 4. Participação em congressos do CBO. 5. Alunos realizam a prova para título de especialista no CBO. 1. Pouco incentivo aos docentes. 2. Necessidade do curso de FACO do CBO. 3. Falta de cobrança de CBO ao Ministério da Saúde. 4. Deveria contar como pontos na validação do título. 31

32 REGIÃO SUDESTE Instituição Positivos Negativos 32 F. M. U. Federal de Minas Gerais - MG Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais - MG 1. Alunos do curso de especialização de elevado nível, aprovados por concurso. 2. Volume de procedimentos clínico-cirúrgicos. 3. Dispõe de todas as subespecialidades da Oftalmologia. 4. Urgência 24h. 5. Apoio institucional da Faculdade de Medicina/ Hospital das Clínicas UFMG. 1. Preceptoria contratada, há vários anos na parte ambulatorial e cirúrgica do curso. 2. Oferta de curso de fellow em todas as áreas de subespecialidades oftalmológicas. 3. Equipamentos e aparelhagens atualizados e satisfatórios. 4. Atendimento de urgências e emergências 24 horas. 5. Seguimento dos casos clínicos ou cirúrgicos pelos alunos com supervisão das subespecialidades. 1. Carência de renovação material e humana deficiente, sucateamento. 2. Resistência a mudanças, práticas arraigadas às vezes inoperantes, direitos adquiridos. 3. Dificuldade de planejamento global de toda a instituição. 4. Burocracia e inoperância de instituição pública (editais, licitações, greves, remuneração, etc.) 5. Dificuldades de relacionamento com gestor municipal do SUS/Vigilância Sanitária/Promotoria de Justiça, etc. 1. Carência de estruturação do departamento de Visão Subnormal. 2. Espaço físico insuficiente. 3. Burocracia do SUS (Secretaria Municipal Saúde) para agendamento de procedimentos. 4. Excesso de atendimento de urgências por falta de outros serviços credenciados para atendimento do SUS. 5. Excesso de exigências por parte do CBO (correspondência e normas).

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Região Sudeste Total Espírito Santo 229 Minas Gerais 1.361 Rio de Janeiro 1.953 São Paulo 4.050 7.593

Região Sudeste Total Espírito Santo 229 Minas Gerais 1.361 Rio de Janeiro 1.953 São Paulo 4.050 7.593 30 Quantos somos? 31 Pelo cadastro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, existem 13.089 médicos oftalmologistas em todo o Brasil. Este número, entretanto, deve ser tomado como ponto de referência e não

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

A Formação do Especialista em Oftalmologia após o Programa Mais Médicos Propostas do CBO

A Formação do Especialista em Oftalmologia após o Programa Mais Médicos Propostas do CBO A Formação do Especialista em Oftalmologia após o Programa Mais Médicos Propostas do CBO Marcos Ávila Conselho Brasileiro de Oftalmologia AS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR NO BRASIL - 2015 Aliança pela Saúde

Leia mais

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM...

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM... Cursos de Especialização em Oftalmologia Normas para Credenciamento de Cursos de Especialização em Oftalmologia Art. 75 Para obter o credenciamento do CBO para ministrar Curso de Especialização em Oftalmologia,

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem

SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem ARTIGO SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem AUTORES Ênio Rogacheski Especialista e Mestre em Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Médico Radiologista do Hospital

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 FORMAÇÃO Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna de Pediatria.

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Cerca de 62.2% dos candidatos que

Cerca de 62.2% dos candidatos que 24 Comissão de Ensino Resultados da Prova Nacional de Oftalmologia 2013 Cerca de 62.2% dos candidatos que prestaram a primeira fase da Prova Nacional de Oftalmologia foram aprovados. Esta etapa, realizada

Leia mais

Reunião do Conselho Deliberativo

Reunião do Conselho Deliberativo Ensino 41 Reunião do Conselho Deliberativo CBO decide utilizar vagas ociosas e homologa credenciamento de 13 programas de especialização e aumento do número de alunos em outros cinco O CBO homologou o

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

X assinale (X) X. assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) X X X X X X X

X assinale (X) X. assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) X X X X X X X I Modo de Inserção do Curso de Especialização 1- Curso de Especialização promovido por Fac. de Medicina assinale () 2-Inserção no SUS 3-Coexistência de Programa de Residência Médica em Oftalmologia credenciado

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 27/05/2004 (*) Portaria/MEC nº 1.502, publicada no Diário Oficial da União de 27/05/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886 UNIDADE : 26101 - MINISTERIO DA EDUCACAO 0910 OPERACOES ESPECIAIS: GESTAO DA PARTICIPACAO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS 500.000 OPERACOES ESPECIAIS 12 212 0910 00B9 CONTRIBUICAO A ORGANIZACAO DAS NACOES

Leia mais

COLÉGIO BRSILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE RELATÓRIO DE GESTÃO DIREÇÃO NACIONAL BIÊNIO 2007-2009 2009 Fernando Mascarenhas Presidente Dinah Vasconcellos Terra Vice-Presidente Yara Maria de Carvalho Diretora

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012 GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES Autores: Profa Dra. Marysia Mara Rodrigues do Prado De Carlo Profa Dra. Sandra Maria Galheigo - Retrospectiva - II Seminário Nacional

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

2.463.466 NACIONAL F 3 2 90 0 112 2.463.466 TOTAL - FISCAL 44.744.830 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 44.744.830

2.463.466 NACIONAL F 3 2 90 0 112 2.463.466 TOTAL - FISCAL 44.744.830 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 44.744.830 UNIDADE : 26101 - MINISTERIO DA EDUCACAO 0750 APOIO ADMINISTRATIVO 5.580.000 12 122 0750 2000 ADMINISTRACAO DA UNIDADE 5.580.000 12 122 0750 2000 0053 ADMINISTRACAO DA UNIDADE - NO DISTRITO FEDERAL 5.580.000

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC

Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC Região Centros Vagas Oferecidas Vagas Ocupadas % Ocupação % Não Ocupação Estado Sudeste 23 177 38 21,47% 78,53% SP 12 123 31 25,20% 74,80% RJ 7 34

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910 Formação inicial 80000 Plano Nacional de Formação de Professores 70000 60000 50000 40000 Formação Pedagógica 30000 2ªLicenciatura 1ªLicenciatura especial 20000 1ªLicenciatura existente 10000 0 Presencial

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - FCAP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DO RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 Reconhece e regulamenta a Residência Médico- Veterinária e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MODELOS DE COMPRAS ESTADUAIS Grupo de trabalho Metodologia BID ENAP Modelo colaborativo de construção e desenvolvimento do projeto com grupo multidisciplinar

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 15/03/2004 (*) Portaria/MEC nº 552, publicada no Diário Oficial da União de 15/03/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais