DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA Acadêmica: Raimunda Wania Alves da Silva Professora Orientadora: Donária Coelho Duarte, Dra.. GURUPI TO JUNHO, 2009

2 1 RAIMUNDA WANIA ALVES DA SILVA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA BANCO DA AMAZÔNIA Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitário UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Profa. Adm. Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO JUNHO, 2009

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recursos humanos Aspectos de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA REFERÊNCIAS... 38

4 3 1 INTRODUÇÃO O trabalho em questão tem por objetivo estudar e diagnosticar as áreas do Banco da Amazônia S/A de Gurupi-TO, bem como seus respectivos departamentos e planejamentos estratégicos que fazem da empresa parte integrante da econômia da cidade de Gurupi. A área predominante da empresa Banco da Amazônia, é a prestação de serviços aos interessados, à mesma, procura maximizar o desenvolvimento regional através da captação de recursos, expansão das aplicações, lucratividade e segurança, produtividade, expansão/inovação, desenvolvimento pessoal e melhoria de imagem. Além de parte integrante e obrigatória do curso de Administração, o Estágio Supervisionado I é de suma importância para o acadêmico, permitindo ao mesmo, que mostre como fora absorvidas as informações passadas ao longo dos períodos do curso de administração e colocando-as em prática, mostrando também a importância de um plano de estratégias dentro de uma organização. Este diagnóstico é composto de várias etapas que descreverão os processos que regem a empresa. Após uma breve introdução serão relatados os procedimentos metodológicos, caracterização da organização e o ambiente, tanto interno como externo, conclusão e situação problemática. Dentro dos procedimentos metodológicos será descrito os métodos utilizadas para o desenvolver da pesquisa bem como as técnicas e análise dos dados. Após descrever os procedimentos metodológicos, será descrito também a caracterização da organização e o ambiente. No ambiente interno serão apresentados os aspectos estratégicos, aspectos financeiros, mercadológicos, recursos humanos e por fim os aspectos de serviços de cada departamento seguindo o roteiro proposto. Por será definido o ambiente externo, que resumirá as características do município e a sua economia, conclusão e a situação problemática. Nos Aspectos Estratégicos relataremos todos os planos elaborados pela administração da empresa, que buscam determinar os caminhos que devem ser seguidos pelos seus colaboradores para atingir os objetivos e as metas estipuladas, determinado seu públicoalvo, missão, visão, políticas, ética, etc. Em seguida, mostraremos também as estratégias dos Aspectos Financeiros, onde serão enfatizados os métodos os quais são determinados para atingir os objetivos da empresa

5 4 como: demonstrativos contábeis, fontes de recursos, processo orçamentário, planejamento fiscal e tributário, capital de giro, despesas e investimentos, entre outros fatores que são utilizados pela empresa que determinam no seu sistema financeiro. Nos Aspectos Mercadológicos caberá mostrar todo o planejamento de marketing associado ao Banco da Amazônia, bem como os seguintes fatores: desejos e necessidades dos clientes, preço, produto, praça, divulgação, diferenciação, comércio eletrônico e fidelização dos seus clientes. Já nos aspectos de Recursos Humanos abrangerá a cultura da empresa, motivação, recrutamento e seleção, planos de cargos e salários e de carreira, treinamentos e preocupação com a saúde e higiene dos seus colaboradores. Os Aspectos de Serviços da empresa resumirá tudo que a empresa faz para melhoria contínua e qualidade na prestação de serviços bem como padronização, gerenciamento de filas, fluxograma de atividades e diferenciação dos seus serviços. Logo após, será analisado o Ambiente Externo, o qual a empresa está localizada, determinando a economia do município, sazonalidade, concorrentes, e outros fatores que afetam diretamente o Banco da Amazônia. Por fim, será concluído e ressaltado a situação problemática, de modo que o acadêmico por ressalvar as ameaças e oportunidades percebidas, analisando, juntamente com os proprietários, alguns pontos que poderão ajudar a empresa a corrigi-los, ou, até mesmo, implantá-los. Em seguida, analisaremos os procedimentos metodológicos, ou seja, os métodos utilizados para desenvolver a pesquisa.

6 5 2 PROCEDIMENTOS METOLÓGICO Para elaboração da pesquisa faz-se necessário utilizar técnicas que ajudam na coleta e análise dos dados e que auxiliam na organização das mesmas, determinando também quais os meios utilizados para desenvolver este diagnóstico. A seguir será explicado o delineamento da pesquisa feito através de pesquisa exploratória, método indutivo, pesquisa técnicas de pesquisa, e análise de dados. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA Para análise dos dados do diagnóstico do Banco da Amazônia, enfocou-se os procedimentos metodológicos os quais foram utilizados para elaboração do relatório presente na busca de informações condizentes e exatas. Segundo Marconi e Lakatos (2005, p. 83) método científico è: Conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e econômia permitem alcançar o objetivo-conhecimentos válidos e verdadeiros - traçando caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões dos cientistas. O método empregado para desenvolvimento da pesquisa foi de forma indutiva e descritiva, tendo como foco principal averiguação do cotidiano de todas as partes da empresa. Para Cervo e Bervian (2002, p. 32), o método indutivo baseia-se na generalização de propriedades comuns a certo número de casos, até agora observados, a todas as ocorrências de fatos similares que se verificam no futuro. Mediante observação dos dados, não podendo ser substituídos/alterados, a pesquisa também é classificada como descritiva. Cervo e Bervian (2002, p. 66), definem pesquisa descritiva, observa, registra, analisa e correlaciona fatos o fenômenos, sem manipulá-los. Segundo os conceitos citados, o acadêmico fez valer cada síntese, procurou-se observar cada departamento da empresa aplicando o questionário proposto, para descrever e analisar cada tarefa executada pelos colaboradores de cada departamento.

7 6 Portanto a pesquisa foi realizada com intuito de não alterar nenhum dos dados obtidos na empresa estagiada. Abordaremos a seguir as técnicas de pesquisa. 2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA Há varias técnicas para se desenvolver uma pesquisa, não sendo diferente, neste relatório as técnicas mais utilizadas foram às técnicas de entrevista, pesquisa bibliográfica e observação sistêmica. Segundo Cervo e Bervian (2002, p. 26), pode ser chamados de técnicas aqueles procedimentos científicos utilizados por uma ciência determinada no quadro das pesquisas próprias desta ciência. Como suporte, a pesquisa bibliográfica auxilia no desenvolver da pesquisa dando clareza ao assunto abordado. De acordo com Gil (1991, p. 159), pesquisa é bibliográfica quando é elaborada a partir de material já publicado. Constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e artigos de periódicos atualmente com material disponibilizado na internet. Destaca-se que o relatório das entrevistas teve como o texto-base o questionário preparado pela professora Danaria Coelho Duarte Dra., o mesmo contém questões investigadoras á observação do meio ambiente interno e externo da empresa. Marconi e Lakatos (2002, p. 92), afirmam que, a entrevista é um procedimento utilizado na investigação social, para a coleta de dados ou para ajudar no diagnóstico ou no tratamento de um problema social. A observação sistêmica, também utilizada, consiste na observação da empresa como um todo, o acadêmico procurou observar cada departamento individualmente, obtendo informações dos colaboradores, mas não interferindo assim nos processos de execução das tarefas. Cervo e Bervian (2002, p. 27), afirmam observar é aplicar atentamente os sentidos físicos a um objeto, para dele adquirir um conhecimento claro e preciso. Já Lakatos (2005, p. 196), diz a observação participante consiste na participação do pesquisador com a comunidade ou grupo. Ele se incorpora ao grupo, confunde-se com ele. Fica tão próximo quanto um membro do grupo que está estudando.

8 7 O esclarecimento das informações foi realizado em todas as áreas da agência de Gurupi - To que facilitou no levantamento dos dados para realização deste trabalho. Com a necessidade de aprofundar as técnicas de pesquisa, a seguir será abordada análise de dados. 2.3 ANÁLISE DE DADOS A análise dos dados permite que todos os dados coletados da organização serviram para ser estudados posteriormente. Para Vergara (2005, p. 59), tratamento dos dados, refere-se àquela seção na qual se explicita para o leitor como se pretende tratar os dados da coleta, justificando por que tal tratamento é adequado aos propósitos do projeto. Quando se fala em análise de dados pode-se afirmar que as mesmas servem para a conclusão dos dados obtidos. Diante da coleta de informações, os dados foram organizados detalhadamente possibilitando de forma clara e objetiva uma análise condizente da realidade da empresa estudada. Não sendo de interesse, analisar os dados quantitativos os quais se interpretam valores expressamente numéricos este relatório utilizará de uma análise qualitativa, pois somente analisará certas variáveis e a interpretação das particularidades ou atividade dos colaboradores. Oliveira (2004, p. 119), diz que: As pesquisas que se utilizam da abordagem qualitativa possuem a facilidade de poder descrever a complexidade de uma determinada hipótese ou problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos experimentados por grupos sociais, apresentar contribuição no processo de mudança, criação ou formação de opinião de determinado grupo e permitir, em maior grau de profundidade, a interpretação das particularidades ou atitudes dos indivíduos. Com todas as informações coletadas e devidamente averiguadas, é possível se ter um forte diagnóstico para a caracterização da organização e meio ambiente.

9 8 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE A empresa Banco da Amazônia S/A CNPJ /60, situada na Avenida Mato Grosso nº. 1417, telefone (63) , no centro da cidade de Gurupi-TO. É uma empresa que tem como público alvo, clientes que buscam empréstimos, financiamentos rurais FNO, dentre outros serviços prestados como aberturas de conta, movimentação da mesma, aplicações, titulo de capitalização, vendas de seguros e outros serviços. As análises serão realizadas na organização já mencionada que serão divididas em dois momentos: Ambiente interno e externo. A seguir será desenvolvido o questionamento sobre ambiente interno. 3.1 AMBIENTE INTERNO Numa organização empresarial tudo começa com ambiente interno. Na empresa Banco da Amazônia S/A não é diferente. Seu ambiente é complexo tendo seus departamentos bem definidos como: Gerencial, comercial, marketing, financeiro, sistema de informação e também recursos humanos. A seguir serão abordados os aspectos estratégicos, financeiros, mercadológicos, recursos humanos e por fim os aspectos de serviços que a empresa oferece Aspectos estratégicos O Banco da Amazônia em estudo tem como atividade atender clientes que buscam fazer empréstimos e financiamentos rurais, aberturas de contas para pessoas físicas, jurídicas e ruralistas, além de oferecer diversos produtos e serviços. A empresa estudada tem por objetivos o desenvolvimento regional, através da captação de recursos, expansão das aplicações, lucratividade e segurança, produtividade, expansão/inovação, desenvolvimento pessoal e melhoria de imagem (BANCO DA AMAZÔNIA S/A, 2009 a).

10 9 Para Costa (2005, p. 199), objetivos e metas referem-se aos parâmetros-chave, qualitativos ou quantitativos, que se pretende atingir ou manter num dado momento ou período de tempo futuro preestabelecido. A história do Banco da Amazônia está diretamente relacionada com o desenvolvimento econômico da região amazônica nas últimas seis décadas. Nasce em plena 2ª Guerra Mundial com o objetivo de financiar a produção de borracha destinada aos países aliados. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 b). Após a guerra, a borracha oriental volta ao mercado mundial e mais barato, supera a borracha nativa da Amazônia. Em 1950, o governo federal cria o Banco de Crédito da Amazônia S/A, ampliando o financiamento para outras atividades produtivas e assumindo contornos pioneiros de banco regional misto, a partir da implementação do Primeiro Plano de Valorização Econômica da Amazônia e dos novos pólos de crescimento propiciados pelo Governo Juscelino Kubitscheck com a abertura da rodovia Belém-Brasília. (BANCO DA AMAZONIA, 2009 b). Nos anos 80 e 90 Como gestor do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), criado em 1989, possibilita aos mini, micro e pequenos produtores e empresários da região o acesso a uma fonte permanente e estável de financiamentos de longo prazo, com encargos diferenciados, resultando no crescimento de postos de trabalho e da geração de renda. Atuação voltada para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal, através da definição de critérios rigorosos na análise do crédito. Modernização tecnológica, expansão da rede de atendimento e foco no cliente, tanto Pessoa Física como Pessoa Jurídica. Novas fontes de recursos. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 b). O Banco da Amazônia, dentro de seus aspectos estratégicos tem como público-alvo clientes que solicitam os financiamentos rurais e empréstimos, mas têm outras finalidades tais como: Compensação de documentos, CCF, compensação eletrônica, abertura de contas para pessoas físicas e jurídicas e atendimento de pessoas físicas, jurídicas e ruralistas. De acordo com Las Casas (2001, p. 53), para desenvolver uma estratégia, é necessário determinar o público-alvo. Quem a empresa quer atingir? Homens, mulheres ou crianças? Classes A, B, C ou D?.

11 10 O planejamento estratégico do Banco da Amazônia é todo formalizado, sendo estes elaborados pela alta administração da empresa, os quais os desenvolvem e repassam para os colaboradores em reuniões, que por sua vez, os fazem serem colocados em prática. Segundo Thompson Junior e Strickland III (2000, p. 33) plano estratégico é uma declaração que delineia a missão de uma organização e seu rumo futuro, suas metas de desempenho de curto prazo e de longo prazo e sua estratégia. A definição de uma missão dentro de uma organização é uma forma de repassar para a sociedade o motivo pelo qual a empresa decide se instalar em tal localidade para colocar seus planos e estratégia em prática. Oliveira (2004, p. 76, grifo do autor) a Missão é a determinação do motivo central do planejamento estratégico, ou seja, determinação de onde a empresa quer ir. Corresponde a um horizonte dentro do qual a empresa atua ou poderá atuar. Portanto, a missão apresenta a razão de ser da empresa. Por tanto, o Banco da Amazônia tem como missão ser o principal banco da Amazônia, promovendo o desenvolvimento da região através de recurso de fomento. Produtos e serviços visando à satisfação da sociedade, clientes e acionistas. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 c). Também é determinado como missão pela empresa, os pontos de atendimento funcionam como desenvolvimento sustentável e os novos negócios atendam aos critérios da política sócioambiental por nós preconizada. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 c). Assim como é importante definir uma missão, a visão também faz parte do planejamento de estratégias determinadas pela empresa. A visão foi estabelecida e formalizada pelos diretores, que a longo prazo buscam atingir os objetivos desejados. Todos os clientes, colaboradores, fornecedores, parceiros, a sociedade como um todo, o governo e os acionistas estejam satisfeitos e orgulhosos com os resultados quantitativos e qualitativos do Banco. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 d). Oliveira (2004, p. 2004, grifo do autor) conceitua visão é conceituada como os limites que o proprietário e principais executivos da empresa conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla. Os valores estabelecidos pela empresa resumem a forma de como ela lidar com as pessoas, ambiente e os negócios que ambas estão envolvidos, bem como a ética, a moral, a cultura etc.

12 11 De acordo com Thompson Junior e Strichland III (2000, p. 390) As declarações de valores servem de pedra fundamental para a formação da cultura; o código de ética serve para o desenvolvimento da consciência corporativa. Em relação aos princípios da organização, estão as de que empresa procura incentivar e valorizar atividade economicamente sustentável politicamente e ecologicamente correta, tendo como foco o desenvolvimento regional, a geração de emprego e renda, através dos financiamentos rurais". (BANCO DA AMAZONIA, 2009 e). Ressaltando ainda, a ética, excelência, criatividade e imaginação, busca do conhecimento, ousadia, transparência, confiança, harmonia, respeito ao ser humano, responsabilidade, gestão compartilhada, cultura empreendedora e formação profissional e humana. (BANCO DA AMAZONIA, 2009 e). Segundo Oliveira (2006, p. 70), valores representam o conjunto dos princípios e crenças fundamentais de uma empresa, bem como fornecem sustentação a todas as suas principais decisões. A empresa concedente desenvolve e seguem uma política formalizada, e que devem der cumpridas por todos os funcionários como: cumprir horários determinados, vestimentas com caráter social, sempre com boa aparência. Quanto às políticas da empresa, observa-se que esta empresa procura planejar o futuro de acordo com os princípios do desenvolvimento sustentável no seu sentido mais amplo. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 f). Afirma Oliveira (2004, p. 79) política da empresa é a definição de delegação, faixa de valores ou quantidades limites de abrangência das estratégias e ações para a consecução dos objetivos. A representação física da departamentalização do Banco da Amazônia é bem complexa tentando decifrá-la apenas como uma visão sistêmica, por isso, foi elaborado um organograma que facilita a visão e o entendimento do funcionamento da empresa, dando certa clareza para o acadêmico e aos funcionários que pretendem também obter essa entendimento. Oliveira (2006, p. 43) conceitua que organograma é a apresentação gráfica de determinados aspectos da estrutura organizacional. O organograma da empresa é representado da seguinte forma:

13 12 Presidência Gerência Geral Atendimento Operações Tesouraria Apoio Administrativo Figura 01: Organograma da empresa Banco da Amazônia S/A. Fonte: Dados primários (2009) Observa-se que a estrutura organizacional da empresa é adequada entre as atividades desenvolvidas em cada departamento. O Banco da Amazônia está presente em toda região norte do país, com desenvolvimento sustentável na região amazônica. Em análise, sua estrutura organizacional tem como parâmetros a adequação de suas atividades e estratégias para as atividades serem executadas. Portanto, Oliveira (2006, p. 12), apresenta que estrutura organizacional: o instrumento administrativo resultante da identificação, análise, ordenação e agrupamento das atividades e dos recursos das empresas, incluindo os estabelecimentos dos níveis de alçada e dos processos decisórios, visando ao alcance dos objetivos estabelecidos pelos planejamentos das empresas. Para Chiavenato (2004, p. 72), a estratégia representa o caminho escolhido pela empresa para enfrentar as turbulências externas e aproveitar os seus recursos e competências da melhor maneira possível. Depois de estabelecidos, os objetivos são repassados aos colaboradores, cada colaborador e seus respectivos departamentos estão informados a respeito do que a empresa pretende e deseja. A empresa estudada tem por objetivos o desenvolvimento regional, através da captação de recursos, expansão das aplicações, lucratividade e segurança, produtividade, expansão/inovação, desenvolvimento de pessoal e melhoria de imagem (BANCO DA AMAZÔNIA S/A, 2009 g).

14 13 Para Costa (2005, p. 199) objetivos e metas referem-se aos parâmetros-chave, qualitativos ou quantitativos, que se pretende atingir ou manter num dado momento ou período de tempo futuro preestabelecido. Para cada estratégia elaborada há acompanhamento de um plano de ação, e disponibilizado os recursos necessários para a mesma. Quanto às metas, a busca melhoria da qualidade de vida rural e urbana, geração de emprego e renda. Procura também estabelecer um desenvolvimento sustentável, com qualidade no gerenciamento econômico de menor porte, fixação do homem no campo, qualidade no atendimento. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 h). Segundo Oliveira (2006, p. 159), meta é a etapa ou passo intermediário para se alcançar determinado objetivo. O sistema de informação usado pelos funcionários e estagiários da área de produção, financeiro, mercadológico e RH é o Windows 2000, e ainda conta com uma página na internet, disponibilizando serviços que facilitam a vida dos clientes. Day Reibstein (1999, p. 11) sistema de informação, é um sistema integrado homem máquina, que prevê informações para suportar as funções de operações, administração e domínio de decisão da na empresa. Para a renovação ou manutenção de equipamentos são feitas programações de acordo com a necessidade. Todas as despesas são analisadas pelo gerente geral e por fim são ditas as reais necessidades e adquiridas se necessário. Pontos fortes e pontos fracos podem ser entendidos também como ameaças e oportunidades, ou seja, determinando um ponto fraco este poderá ser encarado como uma ameaça para a empresa, do mesmo modo acontece com os pontos fortes, só que ao contrário, um ponto forte pode ser encarado como uma oportunidade ou crescimento para o mercado o qual a empresa está inserida. Dentre os pontos fortes do Banco da Amazônia estão: o atendimento qualificado, os recursos necessários para o atendimento, à responsabilidade social e sustentável. Las Casas (2001, p. 68) nos diz que pontos fortes são todos os fatores que apresentam vantagem competitiva da empresa em relação aos concorrentes ou ao exercício de qualquer atividade. Em relação aos pontos fracos da organização está a pouca comunicação dos colaboradores, a divulgação para a captação de incentivos financeiros. De acordo com Thompson Junior e Strickland III (2000, p. 125) um ponto fraco é

15 14 algo que a empresa não tem ou não faz muito bem (em comparação as outras) ou uma condição que a coloca em desvantagem. Ao ser identificados os pontos fracos, caberá a gerência encontrar alternativas para reverte-los ou minimizá-los, e os pontos fortes caberá a mesma continuar implantando estratégias para aperfeiçoá-los. O Banco da Amazônia, na busca pela preservação do planeta, planeja ações com a pretensão de melhorar a qualidade de vida da sociedade e do meio-ambiente. São as ações desenvolvidas pela empresa. Banco da Amazônia (2009 i): Programa contra desmatamento da Amazônia; Distribuição de mudas de árvores para plantio; Reflorestamento de áreas desmatadas; Programa de desenvolvimento sustentável; Palestras de incentivo para redução do impacto ambiental; Promover o crescimento econômico. Além de preservar o meio-ambiente, as ações de responsabilidade social trazem uma grande imagem para a empresa associando-a aos programas de desenvolvimento. De acordo com Weston e Brigham (2000, p. 15) é o conceito de que se as empresas deveriam estar ativamente preocupadas com o bem-estar da sociedade em geral. Quanto aos Stakeholderes, que podem podem ser classificados, como clientes, fornecedores e todos que estão diretamente ligados ao Banco da Amazônia, a empresa procura manter um excelente relacionamento, maximizando assim a satisfação tanto do banco como desses participantes. A seguir de descritos os aspectos estratégicos da organização, será abordado abaixo os aspectos financeiros, onde se compreendem demonstrativos contábeis, fontes de financiamento, contribuição fiscal e tributária, auditoria interna e externa, entre outros Aspectos financeiros O departamento financeiro de uma empresa é considerado a parte que mais necessita de uma administração minuciosa, pois o mesmo determina a vida financeira, ou seja, a qual

16 15 poderá ou não garantir a continuidade da mesma perante o mercado em que atua. Conforme Braga, (1995, p. 4), podemos definir finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Na área financeira o Banco da Amazônia possui um supervisor administrativo habilitado na condução da escrituração com base nos princípios fundamentais da contabilidade, bem como as normas da legislação atual referente à comissão de valores mobiliários. A empresa tem um sistema de contabilidade único. Ocorre diariamente conciliada com controle interno. As fontes utilizadas para captação de recursos financeiros são realizadas através de depósitos a prazo (aplicações) e depósitos á vista (conta corrente e poupança e títulos de capitalização). Dotações orçamentárias à conta de recursos do Tesouro Nacional; Eventuais resultados de aplicações financeiras dos seus recursos; Produto da alienação de valores mobiliários e dividendos de ações a ele vinculados; e outros recursos previstos em lei. De acordo com Hoji (2005, p. 112) As principais fontes de financimento são onerosas, pois geram encargos financeiros, tais como empréstimos e financiamentos bancários e parcelamento de impostos vencidos. Kotler e Armstrong (2003, p. 87), comentam que as fontes servem como fundo rápido para empresa que quer realizar alguma benfeitoria e/ou pagamento de terceiros. Por tanto pode-se concluir que as estratégias elaboradas pela administração são condizentes com o objetivo da empresa pois tem atendido as necessidades da mesma. Os demonstrativos financeiros orientam o processo decisório ou refletem os planos da empresa. Assim, temos demonstrações que apresentam apenas dados históricos, outras que traduzem os efeitos de novas decisões através de dados projetados para o futuro e aquela que comparam as projeções com o que foi efetivamente realizado. Do ponto de vista de Braga (1995, p. 37): Os demonstrativos financeiros orientam o processo decisório ou refletem os planos da empresa. Assim, temos demonstrações que apresentam apenas dados históricos, outras que traduzem os efeitos de novas decisões através de dados projetados para o futuro e aquelas que comparam as projeções com o que foi efetivamente realizado. Os demonstrativos Financeiros são analisados por Analistas auditores e diretoria, sendo assim formada por uma auditoria interna e externa (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 j).

17 16 Os objetivos e estratégias na área financeira desta organização são relacionados com seus recursos financeiros, suas fontes e gastos são controlados rigorosamente e os objetivos de captação de recursos devem estar relacionados com a missão de organização (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 k). Os esforços de obtenção de recursos desempenham um papel significante no sucesso de uma empresa, Os objetivos da organização são viáveis com os recursos financeiros, todas as empresas agem de forma igualitária no que dizem respeito à captação de recursos, e agindo de forma rigorosa quanto a todos os tipos de gastos. A utilização de financeiros periódicos é de fundamental importância para melhor estratégia de como aplicar todos os recursos. Sendo assim capaz de suportar qualquer tipo de programas exigidos pelo ambiente organizacional. Toda empresa é focada no controle de suas finanças, com maior ênfase nas Instituições Bancárias, como no caso empresa em estudo. Os demonstrativos Financeiros são analisados por Analistas auditores e diretoria, sendo assim formada por uma auditoria interna e externa (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 l). A auditoria interna atua de duas formas: Tem amostras do que os auditores analisam, de acordo com o relatório é levado para auditoria que remete um relatório para a agência se houver erros, e enviada à agência que responde o que levou a acontecer o problema, depois de feita a auditória em todas as agências e departamentos é feito um relatório geral das auditorias. Os principais objetivos da auditoria interna do Banco da Amazônia referente a estes controles são: Informações gerenciais e financeiras completas, confiáveis e tempestivas conformidade com leis e regulamentos aplicáveis, possibilitar que negócios sejam conduzidos de maneira prudente e de acordo com as políticas e normas estabelecidas pela instituição; possibilitar atuação eficiente e segura, com o padrão ético definido pela administração; monitorar o cumprimento das políticas administrativas e operacionais; bem como de leis e normas; buscar precisão e integridade dos registros e controles; estabelecer mecanismos de uniformização e controle das informações; Desenvolver um adequado ambiente de controle Interno, após auditoria interna é efetuado uma auditória externa que é realizada através de fiscalização pelo Banco central. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 m). A auditoria externa é uma atividade de avaliação independente e de assessoramento da administração, voltada para o exame e avaliação da adequação, eficiência e eficácia dos sistemas de controle, bem como da qualidade do desempenho das áreas em relação às

18 17 atribuições e aos planos, metas, objetivos e políticas definidos para as mesmas. (BANCO DA AMAZONIA, 2009 m). Franco e Marra, (2001, p. 218), dizem que auditora externa é aquela realizada por profissional liberal, auditor independente, sem vínculo de emprego com a entidade auditada e que poderá ser contratado para a auditoria permanente ou eventual. O plano de contas é definido por uma pontuação, para cada conta de acordo com o seu relacionamento, quando um grupo de contas atinge certa pontuação é definido um gerente de relacionamento para que possa atuar de acordo com as necessidades dos clientes, tanto Física/Jurídicas. Com isso, o plano de contas desta Instituição é elaborado mediante a quantidade de clientes e o porte da agência, de acordo com a agência de Gurupi, encontra-se segundo o responsável pela área um plano bem elaborado, onde o processo é realizado através do Sistema Integrado de Informações Orçamentário (SISCORC), onde são feitos mensalmente depósitos com valores dentro dos orçamentos definidos por cada assinatura existente na agência (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 n). Segundo Franco (1996, p. 123), plano de contas é um dos aspectos mais importante da organização contábil, é destina-se a orientar o registro das operações, oferecendo a vantagem de uniformização das contas utilizadas em cada registro. O processo orçamentário da empresa é computado nas despesas que não são computadas nos custos que são aquela gastas com materiais de trabalho, salários dos funcionários, gastos com produtos e serviços. De acordo com Almeida (1996, p. 41), o processo orçamentário compreende as fases de elaboração e execução do orçamento da organização. Cobranças são realizadas por via telefônica e escritas que são emitidas pelo Banco da Amazônia, não tendo sucesso é incluída nos restritivos e dependendo da modalidade é enviada a uma empresa especializada em cobrança e em outros casos é cobrado judicialmente. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 o). Existem diversas modalidades de aplicações financeiras após consulta pelo cliente pela mais viável é feito um recibo da aplicação com todas suas informações que o cliente assina para a formalização da contratação. O contato é pessoalmente na agência, através de via telefônica e internet. Sobre as aplicações financeiras, são realizadas conforme o desejo e a necessidade do cliente, estas aplicações são feitas mediante o contato do cliente e um atendente qualificado para efetuar a

19 18 aplicação (BANCO DA AMAZÔNIA S/A, 2009 p). O planejamento fiscal e tributário é feito através de uma gerência executiva situada na matriz que faz o planejamento fiscal e tributário. O banco é regido de leis que são estabelecidas para o recolhimento de tributos e contribuições. Todas as áreas que constituem o Banco da Amazônia são regidas de normas que devem ser obrigatoriamente cumpridas (BANCO DA AMAZÔNIA S/A, 2009 q). Segundo Frabretti (2005, p. 32), O estudo feito preventivamente, ou seja, antes da realização do fato administrativo, pesquisando-se seus efeitos jurídicos e econômicos, essas alternativas legais menos onerosas, denomina-se planejamento tributário. Na questão do planejamento fiscal e tributário, há um acompanhamento rigoroso por parte do banco no que se refere a estes aspectos. No que diz respeito aos processos Fiscais e Tributários, o banco decorre da lei que é estabelecida para o recolhimento de tributos e contribuições. Martins (2002, p. 33) diz que: denomina-se planejamento fiscal ou tributário lato senso a análise do conjunto de atividades atuais ou dos projetos de atividades econômico-financeiras do contribuinte (pessoa física ou jurídica), em relação ao seu conjunto de obrigações fiscais com o escopo de organizar suas finanças, seus bens, negócios, rendas e demais atividades com repercussões tributárias, de modo que venha a sofrer o menor ônus fiscal possível. Existem planejamentos de metas para os próximos meses e anual que são passados aos colaboradores para que sejam cumpridos. È importante ressaltar que para realização de reuniões é formado um comitê de crédito que tem por objetivo principal avaliar os recursos de despesas e monitoramentos das propostas lançadas no intuito de verificar tanto positivamente/ negativamente se o realizado está compatível com o esperado (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 r). Conforme Gitman (2002, p. 294), despesas representam todo o consumo de bens ou serviços para a obtenção de receita. Ainda de acordo com Gitman (2002, p. 294), investimento é a saída de caixa associado a um projeto proposto. Sobre fluxo de caixa e aplicações é dada durante um período não especificadamente no prazo de 60 dias funciona de maneira convencional como em qualquer outra empresa. Segundo Gitiman (2002, p. 115). administração do fluxo de caixa na realidade resume as origens e aplicações de caixa durante um dado período.

20 19 O controle financeiro que tem por objetivo auxiliar o gestor ou empresário a tomar decisões sobre a situação do caixa da empresa. Este relatório gerencial informa a origem de todo o dinheiro que entrou no Caixa e aplicação de todo o dinheiro que saiu do Caixa em um determinado período. Pode ser elaborado de duas formas: Entradas e Saídas de Caixa Projetadas, neste caso os valores previstos para um determinado período de atividade, entradas e Saídas de Caixa Realizadas, neste caso os valores de fato ocorreram, ou seja, foram realizados em termos de entradas e saídas de recursos financeiros. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 s). Sobre o capital de giro o banco possui uma equipe que tem como função elaborar e gerenciar todas essas atividades financeiras. Uma das formas de verificar se a empresa está trabalhando com o capital de giro, é fazendo análise própria da empresa, se for necessário, a empresa utilizará deste recurso. O gerenciamento do capital de giro com base na captação de recursos de depósitos avista e a prazo. (BANCO DA AMAZÔNIA, 2009 t). Conforme Mazacazu (2001, p. 83). a compreensão da natureza do capital de giro é fundamental para a administração financeira, pois, geralmente os recursos que ficam girando em uma empresa são substanciais. Ainda sobre capital de giro, Gitman (2004, p. 42), define que: capital de giro é o elemento integrante do patrimônio da empresa. A empresa sabe da importância e necessidade do capital de giro, facilitando para que o empresário, não venha a contrair dívidas ou empréstimo que acarretara ônus à empresa, e diminuindo a rentabilidade do negócio proposto, além de evitar que a reputação da empresa venha a ser abalada. Para averiguar necessidade de utilizar o capital de giro, há pessoas especificas e preparadas para fazer um levantamento do mercado para o momento e situação adequado. Foram ressaltados os aspectos financeiros, tendo-se uma visão ampla dos procedimentos financeiros do Banco da Amazônia agência de Gurupi-To. Segue então para o próximo aspecto a ser analisado, o mercadológico, onde associaremos a empresa com o marketing planejado pela empresa.

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR. Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos. Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável.

EMPRESA JÚNIOR. Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos. Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável. 1 EMPRESA JÚNIOR Regulamento e Manual de Normas e Procedimentos Elaborado por / Revisado por Matildes José de Oliveira Responsável / / Aprovado para uso 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...... 2 DIRETRIZES ORGANIZACIONAIS...

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re.

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. 1. Código de Ética 1.1. Introdução Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. O IRB-Brasil Re valoriza a reflexão ética como forma de aprimorar comportamentos

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013 Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC Processo de Seleção de Empresas EDITAL nº 1/2013 Brasília, 01 de Junho de 2013 Apresentação É com satisfação que a Projetos Consultoria Integrada,

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prof.ª ORIENTADORA:

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Titulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos Art. 1º. Este Regulamento rege as Atividades de Estágio

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais