ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI?"

Transcrição

1 1 ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI? Charles C Vincent Θ Eduardo Sampaio Nardelli Θ Abstract The prevalence of digital media in contemporary architectural production is dimly reflected on design teaching. Beginning from some groundbreaking experiments carried on in North American, Latin American and Brazilian colleges, we are in search for viable options to overcome the disjunction between design studios and computer labs practices. The various experimented tacks to deal with the differing practices attained only partial success. In this paper, we intend to put into evidence some of the impediments to the superseding of this state where computer labs and design studios are not constituted into a contiguous space. KEYWORDS: Digital design, Design studio, Design method. Resumo A predominância dos meios digitais na produção arquitetônica contemporânea encontra pouca correspondência na prática do ensino de projeto. A partir de algumas experiências inovadoras levadas a cabo em universidades Norteamericanas, Latino-americanas e Brasileiras, já há alguns anos buscamos alternativas viáveis para a superação da cisão entre Atelier de Projeto e Laboratório de Computação. Os inúmeros percursos experimentados têm se revelado apenas parcialmente bem sucedidos. Neste trabalho, buscamos colocar em evidência alguns dos motivos pelos quais a superação necessária não se dá quando os laboratórios e ateliers não se constituem em um espaço Θ Charles C Vincent, arquiteto e doutor pela FAUUSP, pesquisador vice-líder do grupo de pesquisa Teoria e Projeto na Era Digital. Investiga as mudanças de paradigma em projeto e design advindas da progressiva prevalência de mídias e ferramentas digitais. Tem trabalhos publicados em congressos do Design Research Society e SIGraDi Sociedad Iberoamericana de Grafica Digital e outros. Θ Eduardo Sampaio Nardelli, arquiteto, mestre e doutor pela FAU Mackenzie, pesquisador líder do grupo de pesquisa Teoria e Projeto na Era Digital. Investiga desde a década de 90 as mudanças de paradigma em projeto advindas da prevalência de mídias e ferramentas digitais. É secretário executivo da SIGraDi e tem inúmeros trabalhos publicados na revista AU, congressos SIGraDi, ecaade e outros.

2 2 contínuo. PALAVRAS CHAVE: Projeto Digital, Digital design, Atelier de Projeto, Metodologia de Projeto. Precedentes Ao menos desde 1962, quando aconteceu a Conferência sobre Métodos de Projeto no Departamento de Aeronáutica do Imperial College em Londres 1, houve um sem número de iniciativas em busca de mudanças no modo como educamos designes e arquitetos. Ainda assim, observando estúdios nas escolas de arquitetura e design e conversando com estudantes, freqüentemente percebemos como eles estão sendo educados de modo muito similar ao dos aprendizes na idade média: levados através de uma seqüencia interminável de tarefas repetitivas sob o argumento implícito de que talento e criatividade são valores que se revelam. Simultaneamente, disciplinas instrumentais como as do laboratório de computação vêm evoluindo lenta e constantemente, desde a época do simples treinamento em ferramentas CAD até as abordagens mais metódicas de processos projetuais nos quais as medias digitais influem decisivamente na concepção e desenvolvimento de projeto. Até agora, essa evolução pode ser resumida como um processo de três etapas: - Ensino e treinamento; - CAD como ferramenta de projeto, e Projeto com ferramentas paramétricas e BIM. Projeto com ferramentas inteligentes: Generative software e Performative software. Inúmeros relatos sobre esta evolução foram já apresentados em trabalhos precedentes e não serão rememorados aqui. 2 3 Revisitando Papert Quando nos encaminhamos para o final da primeira década do século XXI, em plena Era Digital, vale recuperar a citação com que Papert, importante pesquisador do MIT Massachusetts Institute of Technology abre o seu livro A máquina das Crianças, repensando a Escola na Era da Informática: Imagine um grupo de viajantes do tempo de um século anterior (séc. XIX), entre eles um grupo de cirurgiões e outro de professores primários, cada qual ansioso para ver o quanto as coisas mudaram em sua profissão há cem anos ou mais no futuro. Imagine o espanto dos cirurgiões entrando numa sala de operações de um hospital moderno. Embora pudessem entender que algum tipo de operação estava ocorrendo e pudessem até mesmo ser capazes de adivinhar o órgão-alvo, na maioria dos casos seriam incapazes de imaginar o que o cirurgião estava tentando fazer ou qual a finalidade dos muitos aparelhos estranhos que ele e sua equipe cirúrgica estavam utilizando. Os rituais de anti-sepsia e anestesia, os aparelhos eletrônicos com seus sinais de alarme e orientação e até mesmo as intensas luzes, tão familiares às platéias de televisão, seriam completamente estranhos para eles.

3 3 Os professores viajantes do tempo responderiam de uma forma muito diferente a uma sala de aula de primeiro grau moderna. Eles poderiam sentir-se intrigados com relação a alguns poucos objetos estranhos. Poderiam perceber que algumas técnicas-padrão mudaram e provavelmente discordariam entre si quanto a se as mudanças que observaram foram para melhor ou para pior mas perceberiam plenamente a finalidade da maior parte do que se estava tentando fazer e poderiam, com bastante facilidade, assumir a classe. 4 Estas palavras, publicadas no início dos anos 90, sintetizam de forma bastante clara a maneira pela qual o ambiente escolar tem reagido de forma refrataria ao intenso progresso tecnológico de nosso tempo, particularmente no que se refere às Tecnologias da Informação e Comunicação. E, o que é pior, são palavras que facilmente poderiam ser aplicadas à realidade contemporânea de nossas escolas, não apenas do ensino fundamental, como também do ensino superior e, em nosso caso particular, as que se dedicam ao ensino de arquitetura, em cujas salas de aula os alunos continuam a vivenciar os mesmos rituais metodológicos de ensino de praticamente um século atrás e, não raro, são impedidos de utilizar recursos digitais na concepção e desenvolvimento de seus trabalhos, em que pese todos os avanços ocorridos no mundo real do exercício da profissão em relação a esta matéria. Uma verdadeira e obscurantista ruptura entre o real e uma preconceituosa idealização acadêmica do que deva ser a formação do profissional arquiteto, que separa o conhecimento e domínio das técnicas de representação e simulação virtual proporcionadas pela tecnologia digital dos processos cotidianos de aprendizado, como se essa ruptura fosse, de fato, assumida pelos estudantes, estes sim nascidos e imersos em plena Era Digital. E o resultado que obtemos é, no mínimo, desconcertante: estudantes com pleno domínio de técnicas digitais capazes de apoiar o desenvolvimento de seus projetos e que, muitas vezes levam consigo para a sala de aula os seus próprios notebooks, obrigados a se submeter a pressupostos metodológicos da era mecanicista do início do século passado... Estudantes que seguem para seus estágios onde tudo, literalmente tudo, é operado através das Tecnologias da Informação e Comunicação, deixando para trás e de lado, um pesado fardo de preconceitos e inadequação metodológica. Como chegamos a isso? Certamente uma boa parte da explicação pode ser encontrada nessa obra de Papert, na qual o pesquisador advertia, no início da Era Digital, sobre os riscos da separação do então chamado ensino de informática das tarefas do cotidiano. Naquele momento ele nos advertia para o fato de que a criação do Laboratório de Computação era uma atitude reacionária, que confinaria numa sala um conhecimento revolucionário que, na vida real, permearia todas as atividades humanas, transformando-as completamente. O Laboratório de Computação, em sua visão, era a forma que a comunidade acadêmica havia encontrado para domesticar o perigo dessa transformação revolucionária.

4 4 Objetivos Estamos em busca de um novo padrão de educação em projeto que possibilite trazer nossos estudantes a um nível superior de compreensão das questões de projeto e produção na era digital. Até agora, não alimentamos grandes expectativas quanto à possibilidade de unir, no mesmo atelier, ferramentas digitais e ensino de projeto. Mas a emergência de novas ferramentas paramétricas, generativas e de desempenho brevemente nos levará a um estado de disjunção permanente entre o atelier e o laboratório. 5 A natureza desses novos softwares trás à tona questões projetuais que têm sido, até agora, tratadas como caixas pretas, e suspeitamos que muitos tutores nos ateliers ao menos estejam a par de metodologias de projeto, embora o mesmo não possa ser dito quando se trata de teoria e prática de projeto digital. A busca de estratégias projetuais derivadas ou concebidas em função do uso de softwares colocou em evidência essa condição de falta de clareza a respeito da natureza metodológica e das contribuições dos métodos de projeto digitais. [Oxman, 2006:235] 6 Embora estejamos ainda experimentando modos de lidar com o fenômeno que denominamos disjunção, como com a busca de uma consciência de processo junto aos estudantes durante seu treinamento em laboratório, nos parece que chegou a hora de pensar num modelo para o atelier digital de projeto. Metodologia Deve ser dito que embora a chamada revolução digital tenha imposto esta consciência de processo projetual como uma questão central, esta não é em absoluto uma novidade. Temos empregado representações gráficas dos fluxos de idéias em projeto de forma a tornar claros prováveis intercâmbios de informação entre cliente arquiteto e arquitetocolaboradores, enfocando o desenvolvimento da compreensão das fases de projeto e suas relações com demandas externas. Estes são diagramas de caminho crítico, sobre os quais os alunos são encorajados a indicar seu estágio de desenvolvimento no projeto. O emprego de gráficos torna simples a compreensão de diferentes exemplos de desenvolvimento projetual e, paralelamente, o impacto que ferramentas digitais exercem nesses processos. Evidentemente, a explicitação dos processos não era necessária enquanto utilizávamos apenas softwares rudimentares de CAD sendo o AutoCAD o principal e ainda mais utilizado no dia a dia profissional. Mas, à medida que ferramentas paramétricas e BIM Building Information Modeling, tais como Architectural Desktop e Revit passaram a ser empregadas no treinamento em

5 5 laboratório, tanto a questão da formação de idéias em arquitetura como o controle sobre o processo se tornaram centrais. Tornou-se necessário ajudar os estudantes a superar sua tendência a meramente utilizarem-se das ferramentas como simples auxílios à representação, em favor de sua adoção como ferramentas de projeto, nas quais interações entre proposições formais dos alunos e a automatização de montagens construtivas fossem compreendidas e usadas a favor das decisões de projeto. A maior falha dessa estratégia está na quase total ausência de exemplos metodológicos de projeto nos arquitetos estudados no curso. É notória a centralidade das questões formais em relação às questões funcionais e construtivas na abordagem curricular características de nossos principais cursos de arquitetura e é essa mesma centralidade que se reflete na abordagem formalista comum ao ensino de computação gráfica. A tarefa de ligar a formação em arquitetura às questões precedentes de funcionalidade e às questões procedentes de construção é remetida ao estudante. Mesmo no âmbito formal, o estudo dos grandes arquitetos se faz pela observação de representações planas: plantas, cortes e elevações, acrescidas de fotografias. Raramente se empregam vídeo e outras mídias. Quanto aos processos projetuais, as práticas de atelier dos arquitetos estudados são desconhecidas. Croquis esquemáticos, diagramas de fluxo, contigüidade e zoneamento empregados pelos arquitetos não são apresentados e discutidos, eliminando da educação a possibilidade de compreender-se, ainda que superficialmente, como diversos arquitetos organizam seu trabalho, suas idéias. Processo Há inúmeras dificuldades operacionais na implementação do que se convencionou chamar integração entre disciplinas, mesmo quando seus cronogramas de atividade parecem seguir a mesma lógica.

6 6 Figura 1: Evolução do curso de Computação na Arquitetura II e III Na cadeira de computação, o curso se inicia com uma série de exercícios curtos, abordandose desde modelagem formal em 3d superfícies, sólidos e NURBs em softwares como AutoCAD, Rhino3d e 3dsMAX, seguindo-se uma breve investigação de recursos para solução de problemas formais e funcionais Space Planning no Architectural Desktop e Revit. Após os primeiros exercícios, onde ferramentas de projeto são empregadas de forma simples uma estratégia para conquistar adeptos, temos uma aula sobre Projeto Digital. O argumento de que as ferramentas digitais estão transformando os processos projetuais em direção ao que agora poderíamos chamar de Digital Design 7 é um argumento forte e não é facilmente assimilado. O uso da schemata de Oxman tem se provado válido tanto para a explicitação do que está em jogo nos exercícios como na aula de metodologia projetual, onde tentamos associar alguns conceitos fundamentais ao planejamento do desenvolvimento do projeto. Figura 2: Na schemata proposta por Oxman, interações entre projetista e aspectos projetuais.

7 7 Ainda assim, enfrentamos junto aos alunos uma pressão implícita no sentido contrário ao do emprego de softwares, uma vez que os modelos criados em laboratório não são analisados no computador, mas através de impressões que raramente captam todo o potencial das idéias tridimensionais. Figura 3: Caminho crítico e organização de documentos de projeto por hipelinks. Figura 4: Organização de projeto por hiperlinks: módulos. O próprio cronograma proposto no atelier de projeto não leva em conta o impacto das ferramentas digitais, tendo sua formulação maior parentesco com as práticas tradicionais de projeto do que com as inúmeras possibilidades do laboratório. A estratégia tradicional de ensino de projeto é o fracionamento das tarefas de desenho seguida pela análise do contexto do problema e história das soluções precedentes. Na tentativa de adequação àquela estratégia, apresentamos no laboratório uma breve explanação sobre as ferramentas disponíveis no laboratório e fora deste e como tais

8 8 ferramentas potencializam o processo projetual. Alguns dos problemas típicos são: Assunto: Requisitos e restrições legais num dado sítio. Estratégia: Modelagem de massas representando envoltórias construtivas possíveis e interferência entre estas e as soluções formais pretendidas. Assunto: Incidências solares requeridas e indesejadas no sítio. Estratégia: Modelagem de massas e renderizações rápidas para visualização das incidências e sombreamentos. Zoneamento e escalonamento público-privado. Estratégia: Diagramas de bolha usando Spaces no ADT; Modelagem de volumetria com massas separadas por zona e função. Tabelas automáticas de área. Figura 5: estudo preliminar com massas e cômputo de áreas. Em que pese os exercícios não serem exemplos plenos do que Rivka caracteriza como Digital Design, apenas remotamente relacionados às questões que softwares generativos e avaliativos permitiriam, ainda assim levamos os estudantes a confrontar os processos tradicionais de atelier com o que essas ferramentas possibilitam. Está explicitada, nesse processo, a cisão e disjunção que se avizinha no ensino de arquitetura. Conclusões Treinamentos em CAD deverão brevemente ser abandonados em favor de formas de educação em Projeto Digital. Entretanto, o curso espaço de tempo dedicado às disciplinas de computação nos encaminha

9 9 para parcerias com disciplinas de atelier. As parcerias deveriam favorecer abordagens metodológicas em projeto de arquitetura, tanto quanto elas sejam necessárias quando da adoção de ferramental digital mas, de fato, ocorre um refreamento do potencial digital, uma vez que os instrutores no atelier não estejam capacitados ou inclinados à adoção de estratégias próprias. A avaliação das proposições dos estudantes é mediada em desenhos impressos, com as tradicionais vistas planificadas. Ora, o treinamento que os alunos recebem no laboratório enfoca claramente a solução tridimensional do projeto, numa mídia em que os estudantes rapidamente se desenvolvem, em detrimento do aprendizado das técnicas tradicionais de representação. Nessas primeiras tentativas de integrar atelier e laboratório, insistimos em seguir de perto as demandas do atelier tradicional, adequando o uso do ferramental digital a elas. Essa abordagem tem se provado ineficaz, uma vez que os softwares empregados claramente favorecem um desenvolvimento de projeto mais imersivo, ciclos de formação avaliação mais rápidos, que os estudantes não conseguem reproduzir ou explicar por completo ao apresentar seus trabalhos no atelier. De fato, com a maior parte de sua produção acontecendo no laboratório ou em seus computadores pessoais, tem-se menor influência dos instrutores no processo criativo. Figura 6: Processo de modelagem tridimensional e (quadro vermelho) avaliação no atelier. Resulta disso que, estando afastados do momento em que os estudantes concebem seus projetos, organizam suas idéias, avaliam as mesmas, reciclam conceitos e os reformulam, instrutores de atelier não compreendem plenamente o processo dos estudantes. Finalmente, a avaliação da produção discente se faz primeiramente sobre suas apresentações gráficas, as quais raramente atingem padrões aceitáveis em ateliers tradicionais. O enfoque das avaliações é deslocado da crítica projetual para o julgamento das apresentações.

10 10 Se em algum momento pretendemos formular e implementar um atelier digital, restarão ainda algumas questões em aberto. Como diz Nancy Yen-wen Cheng, to reach fruition, a digital design sensibility must pervade the school culture. Faculty, staff and students need access to internal knowledge sharing as well as external educational opportunities. 8 Referências 1 Christopher Jones, J.: The State-of-the-art in design methods, In Design Methods in Architecture, London: 1969, Lund Humphries. 2 Nardelli, E.S.: Desafios do Ensino de Arquitetura na Era Digital: Memória de uma Transição, In Experiencia Digital: Usos, Prácticas y Estrategias en Talleres de Arquitectura y Diseño en Entornos Virtuales, [Ed. Diana Rodríguez Barros], 2006: Mar del Plata, Editorial de la Universidad Nacional de Mar del Plata, p Vincent, Charles C.: Arquitetura Digital: Ensino para uma Prática Plena, In Experiencia Digital: Usos, Prácticas y Estrategias en Talleres de Arquitectura y Diseño en Entornos Virtuales, [Ed. Diana Rodríguez Barros], 2006: Mar del Plata, Editorial de la Universidad Nacional de Mar del Plata, pp Papert, Seymour: A máquina das Crianças, repensando a Escola na Era da Informática, Porto Alegre: 1994, Artes Médicas. 5 Vincent, Charles C.: Negotiating Disjunction: Methods and Strategies for Digital Teaching. No Prelo: XI Congresso da Sociedade Iberoamericana de Gráfica Digital, Ciudad de México: 2007, SIGraDi / Universidad La Salle. 6 Oxman, Rivka E.: Theory and Design in the first Digital Age, In Design Studies 27 (3), May 2006; pp Ibid 8 Cheng, Nancy Yen-wen: Digital Pedagogy :: C - Digital Curriculums: Effective Integration of Digital Courses, IN Digital Technology & Architecture White Paper, Washington: 2003,

11 11 ACADIA NAAB (National Architectural Accrediting Board)

Computador, uma ferramenta educacional

Computador, uma ferramenta educacional SIDINEY RODRIGUES. Computador, uma ferramenta educacional Proposta de Curso, apresentada pelo professor e Pedagogo Sidiney Rodrigues, para a Superintendência Regional de Ensino de Governador Valadares.

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente

Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente Structure and characterization of performative design based on the recente architecture practice

Leia mais

Abstract. 1. Introdução. 2. A pesquisa

Abstract. 1. Introdução. 2. A pesquisa A VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ONDE ERRAMOS? OU POR QUE OS ALUNOS ESTÃO PAGANDO POR SUAS MAQUETES ELETRÔNICAS? Gabriela de Souza Tenorio

Leia mais

GRÁFICA DIGITAL APLICADA À ARQUITETURA: DA FORMAÇÃO ATUAL AO FUTURO DE SUA APLICAÇÃO

GRÁFICA DIGITAL APLICADA À ARQUITETURA: DA FORMAÇÃO ATUAL AO FUTURO DE SUA APLICAÇÃO GRÁFICA DIGITAL APLICADA À ARQUITETURA: DA FORMAÇÃO ATUAL AO FUTURO DE SUA APLICAÇÃO Eduardo Sampaio Nardelli Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Rua da Consolação,

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS Coordenadora: Pedro Segreto 06/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais e pesquisadores das

Leia mais

AUTOCAD E REVIT ARCHITECTURE NO ENSINO DO DESENHO ARQUITETÔNICO

AUTOCAD E REVIT ARCHITECTURE NO ENSINO DO DESENHO ARQUITETÔNICO AUTOCAD E REVIT ARCHITECTURE NO ENSINO DO DESENHO ARQUITETÔNICO Andréia Saugo UFFS, Curso de Arquitetura e Urbanismo andreia.saugo@uffs.edu.br Resumo Este artigo apresenta uma experiência realizada na

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura

Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura Mudanças metodológicas decorrentes da implantação recente de BIM em escritórios de arquitetura Methodological changes resulting from the recent implementation of BIM in architectural firms Ludmila Cabizuca

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE METODOLOGIA DE ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA: uma experiência com estudantes de arquitetura e urbanismo

INVESTIGAÇÃO DE METODOLOGIA DE ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA: uma experiência com estudantes de arquitetura e urbanismo INVESTIGAÇÃO DE METODOLOGIA DE ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA: uma experiência com estudantes de arquitetura e urbanismo José Euzébio Costa Silveira PUC-MINAS Pontifícia Universidade de Minas Gerais euzebio65@hotmail.com

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias SP I PR I DF Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG Revit 2011 - o software para projetos de edificações para agora

Leia mais

Análise Comparativa do Uso de Diversas Mídias Digitais no Desenvolvimento do Projeto Arquitetônico

Análise Comparativa do Uso de Diversas Mídias Digitais no Desenvolvimento do Projeto Arquitetônico Análise Comparativa do Uso de Diversas Mídias Digitais no Desenvolvimento do Projeto Arquitetônico / Comparative analyses of use of different digital media in architectural design process Max Lira Veras

Leia mais

Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!!

Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!! Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!! Miriam Castanho Contier Arquitetura AUBR-03 Os documentos do projeto tradicional - folhas de desenho, tabelas, quantitativos e memoriais - são fundamentais

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO

O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO Mariza Barcellos Góes UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação. marizagoes@yahoo.com RESUMO

Leia mais

Soluções para imaginar, projetar e criar um mundo melhor.

Soluções para imaginar, projetar e criar um mundo melhor. Soluções para imaginar, projetar e criar um mundo melhor. , tecnologia e melhores processos Ao permitir que arquitetos, designers, engenheiros e artistas digitais criem modelos digitais de seus projetos

Leia mais

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/ Demonstrar o fluxo de trabalho e Gestão de Orçamento REVIT/BIM da Construtora FA OLIVA com o Escritório de Engenharia Wendler Projetos para projetos de alvenaria estrutural. Apresentadores: Marcelo Antoniazzi

Leia mais

GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica

GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica Ana Paula Santos Rebello Universidade do Vale do Rio dos Sinos Brasil prof.anapaula@ibest.com.br Márcio Alexandre Rodriguez

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO

ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO 1 ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO Nieri Soares de Araújo Θ Introdução A maquete como objeto de investigação para estudantes de arquitetura

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS

ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS 1 ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS Uso de tecnologias computacionais como ferramentas auxiliares no processo projetual e de análise de espaços arquitetônicos e urbanos. Luciene Pessotti de Souza Departamento

Leia mais

Ensinando Colaboração aos Estudantes

Ensinando Colaboração aos Estudantes Arq. Fernando Lima Autodesk Education ED4900_V Essa aula vai demonstrar o processo básico de colaboração usando o Autodesk Revit 2013, depois de preparar o projeto básico de arquitetura vamos simular um

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional: : Técnica

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Modelagem Tridimensional: O Uso do Programa Google SketchUp na Representação do Projeto Arquitetônico

Modelagem Tridimensional: O Uso do Programa Google SketchUp na Representação do Projeto Arquitetônico 1 Modelagem Tridimensional: O Uso do Programa Google SketchUp na Representação do Projeto Arquitetônico Three-dimensional Modeling: The Use of Google SketchUp on Representation of Architectural Design

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS Ariane Mileidi Pazinato; Neuza Terezinha Oro; Eliamar Ceresoli Rizzon; Maria Elene Mallmann; Josiane Muller; Adriano Canabarro Teixeira; Jaqueline

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 FISTA 2015. http://fista.iscte-iul.pt/

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 FISTA 2015. http://fista.iscte-iul.pt/ Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2015 Pág. 1 de 9 Propostas de Workshops para Escolas Secundárias (10º, 11º e 12º anos) no âmbito do (Forum of ISCTE-IUL School of Technology and

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Introdução à Arquitetura de Software (continuação)

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória 2011 Michel de Vilhena Ferreira Pedagogo (DFCS/UEPA). Psicólogo (IFCH/UFPA). Professor colaborador

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura www.ravagnistudio.it PROPOSIÇÃO Esta proposta destina-se a arquitetos, estudantes de arquitetura e também pessoas desejosas de aprender língua italiana, que

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Morgana Braga Universidade de Brasília Obras Militares do Exército Brasileiro, Brasil morganabraga@yahoo.com.br

Leia mais

VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO

VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO Wilson Flório Universidade Presbiteriana Mackenzie Departamento de Projetos de Arquitetura Rua Itambé, 45 Prédio 9 wflorio@uol.com.br

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo

Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Viabilizando a utilização do Autodesk Revit Structure com outras soluções de cálculo Palestrante: Rafael Ramalho ConstruBIM Co-Palestrante: Manuel Casanova Estra Engenharia A utilização da tecnologia BIM

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF 1 O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF Brasília DF Maio 2012 Kelly Ramos de Souza Bitencourt Escola de Administração

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CONTRIBUIÇÕES DO BUILDING INFORMATION MODELING NO PROCESSO DE PROJETO EM ARQUITETURA (1)

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CONTRIBUIÇÕES DO BUILDING INFORMATION MODELING NO PROCESSO DE PROJETO EM ARQUITETURA (1) 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CONTRIBUIÇÕES DO BUILDING INFORMATION MODELING NO PROCESSO DE PROJETO EM ARQUITETURA (1) Wilson Florio Θ Os edifícios da Era Digital são mais complexos do

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Recursos Humanos Qualificação:

Leia mais

Processo de projetos em BIM: Vasari, Revit, Shared Coordinates, Design Options e 3ds Max

Processo de projetos em BIM: Vasari, Revit, Shared Coordinates, Design Options e 3ds Max Processo de projetos em BIM: Vasari, Revit, Shared Coordinates, Ivo Mainardi Aflalo & Gasperini Arquitetos A sessão irá apresentar um modelo de processo projetual, partindo de massas inseridas no Vasari,

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Integração Laser Scanner - BIM

Integração Laser Scanner - BIM Fernando Cesar Ribeiro Toppar Engenharia de Levantamentos Marcelo Nepomuceno Uso da nuvem de pontos geradas em levantamentos por Laser Scanner para modelagem de geometria e informações para construção

Leia mais

Ronaldo Machado da silva, Keila de Deus ICEM Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) MT 130 JD. Atlântico Rondonópolis MT Brasil

Ronaldo Machado da silva, Keila de Deus ICEM Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) MT 130 JD. Atlântico Rondonópolis MT Brasil Levantamento da Situação dos Laboratórios de Informática nas Escolas Estaduais de Rondonópolis - Uma Contribuição para Implantação da Disciplina de Informática na Grade Curricular das Escolas Estaduais

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

http://www.fec.unicamp.br/~parc vol1/#2 junho de 2008 1

http://www.fec.unicamp.br/~parc vol1/#2 junho de 2008 1 A geração dos sistemas CAD The generation of systems CAD GELLY RODRIGUES Mestre em arquitetura e construção pelo programa de pós-graduação da FEC-UNICAMP. gelly@fec.unicamp.br Resumo Este trabalho pretende

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA *

PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA * PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA * Luciana Patricia Schumacher Eidelwein - UFSM RESUMO: Este trabalho apresenta uma proposta de utilização do uso das Tecnologias Digitais

Leia mais

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM 1A Tic Em Apoio A Projeto 1 1 A Realidade Virtual Imersiva Como Tecnologia De Suporte À Compreensão De Modelos Computacionais 37 O Uso De Tecnologias De Realidade Aumentada Como Estratégia De Empoderamento

Leia mais

Forma e função nas casas de Peter Eisenman

Forma e função nas casas de Peter Eisenman Forma e função nas casas de Peter Eisenman Form and function in Peter Eisenman houses Luis Paulo Hayashi Garcia, Valeria Cássia dos Santos Fialho Centro Universitário Senac Departamento de Arquitetura

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído

A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído Análise e representação em contextos diversos: projeto, técnica e gestão do ambiente construído A contribuição do BIM para a representação do ambiente construído HIPPERT, Maria Aparecida Steinherz (1)

Leia mais

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA Sérgio SCHEER D.Sc / Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Construção

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 2 º. ano Disciplina: Historia da Formação dos Países Latino Americanos Profª Lidia M.

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos um breve conceito de T.I. e T.I.Cs abordarmos a partir de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

Chamada de Projetos Laboratório Ibero-Americano de Inovação Cidadã

Chamada de Projetos Laboratório Ibero-Americano de Inovação Cidadã Chamada de Projetos Laboratório Ibero-Americano de Inovação Cidadã Chamada aberta para projetos de inovação cidadã A iniciativa Inovação Cidadã da Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB) e o Ministério

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

Professores de Matemática e o Uso do Computador

Professores de Matemática e o Uso do Computador Secretaria de Estado da Educação SEED Superintendência da Educação - SUED Diretoria de Políticas e Programas Educacionais DPPE Programa de Desenvolvimento Educacional PDE SILVIA VILELA DE OLIVEIRA RODRIGUES

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DIGITAL DURANTE O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ARQUITETÔNICO

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DIGITAL DURANTE O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DIGITAL DURANTE O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ARQUITETÔNICO Luisa Rodrigues Félix Dalla Vecchia Adriane Borda Almeida da Silva UFPEL - Universidade Federal de Pelotas, Departamento

Leia mais

MAQUETE FÍSICA E VIRTUAL APLICADA AO PROJETO DE RESTAURO

MAQUETE FÍSICA E VIRTUAL APLICADA AO PROJETO DE RESTAURO 698 MAQUETE FÍSICA E VIRTUAL APLICADA AO PROJETO DE RESTAURO B. M. Luciano Arquiteto; Rua Cosmorama 700, Mesquita, Rio de Janeiro, Brasil bmodel@ig.com.br RESUMO O uso da maquete física e virtual tem como

Leia mais

Prototipagem rápida e fabricação digital em ateliê vertical: do processo à materialização

Prototipagem rápida e fabricação digital em ateliê vertical: do processo à materialização Prototipagem rápida e fabricação digital em ateliê vertical: do processo à materialização Rapid prototyping and digital fabrication in vertical atelier: from process to materialization Paula Batistello

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro Desenho Auxiliado por Computador Aula 2 Professora: Priscila Medeiro O que é CAD? Desenho auxiliado por computador Sistema baseado em desenho Facilita o Projeto e Desenhos Técnicos Utilizados pela geologia,

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

METODOLOGIAS PROJETUAIS EM ARQUITETURA

METODOLOGIAS PROJETUAIS EM ARQUITETURA METODOLOGIAS PROJETUAIS EM ARQUITETURA Adriana Volpon Diogo Righetto METROCAMP- Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas adrid@mpc.com.br RESUMO Inserida no questionamento da sintaxe visual, estudar

Leia mais

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia

O Uso de Tecnologias de Informação Geográficas no Ensino de Geografia Samira Franqui Fanti Christian Junior Licheski Díaz Clayton Luiz da Silva Marcos Aurélio Pelegrina UNICENTRO - Universidade Estadual do Centro Oeste (samira_ff@hotmail.com), (licheski.diaz@gmail.com),

Leia mais