ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI?"

Transcrição

1 1 ESTADO DA ARTE EM PROJETO DIGITAL: QUANTO TEMPO ATÉ LOGO ALI? Charles C Vincent Θ Eduardo Sampaio Nardelli Θ Abstract The prevalence of digital media in contemporary architectural production is dimly reflected on design teaching. Beginning from some groundbreaking experiments carried on in North American, Latin American and Brazilian colleges, we are in search for viable options to overcome the disjunction between design studios and computer labs practices. The various experimented tacks to deal with the differing practices attained only partial success. In this paper, we intend to put into evidence some of the impediments to the superseding of this state where computer labs and design studios are not constituted into a contiguous space. KEYWORDS: Digital design, Design studio, Design method. Resumo A predominância dos meios digitais na produção arquitetônica contemporânea encontra pouca correspondência na prática do ensino de projeto. A partir de algumas experiências inovadoras levadas a cabo em universidades Norteamericanas, Latino-americanas e Brasileiras, já há alguns anos buscamos alternativas viáveis para a superação da cisão entre Atelier de Projeto e Laboratório de Computação. Os inúmeros percursos experimentados têm se revelado apenas parcialmente bem sucedidos. Neste trabalho, buscamos colocar em evidência alguns dos motivos pelos quais a superação necessária não se dá quando os laboratórios e ateliers não se constituem em um espaço Θ Charles C Vincent, arquiteto e doutor pela FAUUSP, pesquisador vice-líder do grupo de pesquisa Teoria e Projeto na Era Digital. Investiga as mudanças de paradigma em projeto e design advindas da progressiva prevalência de mídias e ferramentas digitais. Tem trabalhos publicados em congressos do Design Research Society e SIGraDi Sociedad Iberoamericana de Grafica Digital e outros. Θ Eduardo Sampaio Nardelli, arquiteto, mestre e doutor pela FAU Mackenzie, pesquisador líder do grupo de pesquisa Teoria e Projeto na Era Digital. Investiga desde a década de 90 as mudanças de paradigma em projeto advindas da prevalência de mídias e ferramentas digitais. É secretário executivo da SIGraDi e tem inúmeros trabalhos publicados na revista AU, congressos SIGraDi, ecaade e outros.

2 2 contínuo. PALAVRAS CHAVE: Projeto Digital, Digital design, Atelier de Projeto, Metodologia de Projeto. Precedentes Ao menos desde 1962, quando aconteceu a Conferência sobre Métodos de Projeto no Departamento de Aeronáutica do Imperial College em Londres 1, houve um sem número de iniciativas em busca de mudanças no modo como educamos designes e arquitetos. Ainda assim, observando estúdios nas escolas de arquitetura e design e conversando com estudantes, freqüentemente percebemos como eles estão sendo educados de modo muito similar ao dos aprendizes na idade média: levados através de uma seqüencia interminável de tarefas repetitivas sob o argumento implícito de que talento e criatividade são valores que se revelam. Simultaneamente, disciplinas instrumentais como as do laboratório de computação vêm evoluindo lenta e constantemente, desde a época do simples treinamento em ferramentas CAD até as abordagens mais metódicas de processos projetuais nos quais as medias digitais influem decisivamente na concepção e desenvolvimento de projeto. Até agora, essa evolução pode ser resumida como um processo de três etapas: - Ensino e treinamento; - CAD como ferramenta de projeto, e Projeto com ferramentas paramétricas e BIM. Projeto com ferramentas inteligentes: Generative software e Performative software. Inúmeros relatos sobre esta evolução foram já apresentados em trabalhos precedentes e não serão rememorados aqui. 2 3 Revisitando Papert Quando nos encaminhamos para o final da primeira década do século XXI, em plena Era Digital, vale recuperar a citação com que Papert, importante pesquisador do MIT Massachusetts Institute of Technology abre o seu livro A máquina das Crianças, repensando a Escola na Era da Informática: Imagine um grupo de viajantes do tempo de um século anterior (séc. XIX), entre eles um grupo de cirurgiões e outro de professores primários, cada qual ansioso para ver o quanto as coisas mudaram em sua profissão há cem anos ou mais no futuro. Imagine o espanto dos cirurgiões entrando numa sala de operações de um hospital moderno. Embora pudessem entender que algum tipo de operação estava ocorrendo e pudessem até mesmo ser capazes de adivinhar o órgão-alvo, na maioria dos casos seriam incapazes de imaginar o que o cirurgião estava tentando fazer ou qual a finalidade dos muitos aparelhos estranhos que ele e sua equipe cirúrgica estavam utilizando. Os rituais de anti-sepsia e anestesia, os aparelhos eletrônicos com seus sinais de alarme e orientação e até mesmo as intensas luzes, tão familiares às platéias de televisão, seriam completamente estranhos para eles.

3 3 Os professores viajantes do tempo responderiam de uma forma muito diferente a uma sala de aula de primeiro grau moderna. Eles poderiam sentir-se intrigados com relação a alguns poucos objetos estranhos. Poderiam perceber que algumas técnicas-padrão mudaram e provavelmente discordariam entre si quanto a se as mudanças que observaram foram para melhor ou para pior mas perceberiam plenamente a finalidade da maior parte do que se estava tentando fazer e poderiam, com bastante facilidade, assumir a classe. 4 Estas palavras, publicadas no início dos anos 90, sintetizam de forma bastante clara a maneira pela qual o ambiente escolar tem reagido de forma refrataria ao intenso progresso tecnológico de nosso tempo, particularmente no que se refere às Tecnologias da Informação e Comunicação. E, o que é pior, são palavras que facilmente poderiam ser aplicadas à realidade contemporânea de nossas escolas, não apenas do ensino fundamental, como também do ensino superior e, em nosso caso particular, as que se dedicam ao ensino de arquitetura, em cujas salas de aula os alunos continuam a vivenciar os mesmos rituais metodológicos de ensino de praticamente um século atrás e, não raro, são impedidos de utilizar recursos digitais na concepção e desenvolvimento de seus trabalhos, em que pese todos os avanços ocorridos no mundo real do exercício da profissão em relação a esta matéria. Uma verdadeira e obscurantista ruptura entre o real e uma preconceituosa idealização acadêmica do que deva ser a formação do profissional arquiteto, que separa o conhecimento e domínio das técnicas de representação e simulação virtual proporcionadas pela tecnologia digital dos processos cotidianos de aprendizado, como se essa ruptura fosse, de fato, assumida pelos estudantes, estes sim nascidos e imersos em plena Era Digital. E o resultado que obtemos é, no mínimo, desconcertante: estudantes com pleno domínio de técnicas digitais capazes de apoiar o desenvolvimento de seus projetos e que, muitas vezes levam consigo para a sala de aula os seus próprios notebooks, obrigados a se submeter a pressupostos metodológicos da era mecanicista do início do século passado... Estudantes que seguem para seus estágios onde tudo, literalmente tudo, é operado através das Tecnologias da Informação e Comunicação, deixando para trás e de lado, um pesado fardo de preconceitos e inadequação metodológica. Como chegamos a isso? Certamente uma boa parte da explicação pode ser encontrada nessa obra de Papert, na qual o pesquisador advertia, no início da Era Digital, sobre os riscos da separação do então chamado ensino de informática das tarefas do cotidiano. Naquele momento ele nos advertia para o fato de que a criação do Laboratório de Computação era uma atitude reacionária, que confinaria numa sala um conhecimento revolucionário que, na vida real, permearia todas as atividades humanas, transformando-as completamente. O Laboratório de Computação, em sua visão, era a forma que a comunidade acadêmica havia encontrado para domesticar o perigo dessa transformação revolucionária.

4 4 Objetivos Estamos em busca de um novo padrão de educação em projeto que possibilite trazer nossos estudantes a um nível superior de compreensão das questões de projeto e produção na era digital. Até agora, não alimentamos grandes expectativas quanto à possibilidade de unir, no mesmo atelier, ferramentas digitais e ensino de projeto. Mas a emergência de novas ferramentas paramétricas, generativas e de desempenho brevemente nos levará a um estado de disjunção permanente entre o atelier e o laboratório. 5 A natureza desses novos softwares trás à tona questões projetuais que têm sido, até agora, tratadas como caixas pretas, e suspeitamos que muitos tutores nos ateliers ao menos estejam a par de metodologias de projeto, embora o mesmo não possa ser dito quando se trata de teoria e prática de projeto digital. A busca de estratégias projetuais derivadas ou concebidas em função do uso de softwares colocou em evidência essa condição de falta de clareza a respeito da natureza metodológica e das contribuições dos métodos de projeto digitais. [Oxman, 2006:235] 6 Embora estejamos ainda experimentando modos de lidar com o fenômeno que denominamos disjunção, como com a busca de uma consciência de processo junto aos estudantes durante seu treinamento em laboratório, nos parece que chegou a hora de pensar num modelo para o atelier digital de projeto. Metodologia Deve ser dito que embora a chamada revolução digital tenha imposto esta consciência de processo projetual como uma questão central, esta não é em absoluto uma novidade. Temos empregado representações gráficas dos fluxos de idéias em projeto de forma a tornar claros prováveis intercâmbios de informação entre cliente arquiteto e arquitetocolaboradores, enfocando o desenvolvimento da compreensão das fases de projeto e suas relações com demandas externas. Estes são diagramas de caminho crítico, sobre os quais os alunos são encorajados a indicar seu estágio de desenvolvimento no projeto. O emprego de gráficos torna simples a compreensão de diferentes exemplos de desenvolvimento projetual e, paralelamente, o impacto que ferramentas digitais exercem nesses processos. Evidentemente, a explicitação dos processos não era necessária enquanto utilizávamos apenas softwares rudimentares de CAD sendo o AutoCAD o principal e ainda mais utilizado no dia a dia profissional. Mas, à medida que ferramentas paramétricas e BIM Building Information Modeling, tais como Architectural Desktop e Revit passaram a ser empregadas no treinamento em

5 5 laboratório, tanto a questão da formação de idéias em arquitetura como o controle sobre o processo se tornaram centrais. Tornou-se necessário ajudar os estudantes a superar sua tendência a meramente utilizarem-se das ferramentas como simples auxílios à representação, em favor de sua adoção como ferramentas de projeto, nas quais interações entre proposições formais dos alunos e a automatização de montagens construtivas fossem compreendidas e usadas a favor das decisões de projeto. A maior falha dessa estratégia está na quase total ausência de exemplos metodológicos de projeto nos arquitetos estudados no curso. É notória a centralidade das questões formais em relação às questões funcionais e construtivas na abordagem curricular características de nossos principais cursos de arquitetura e é essa mesma centralidade que se reflete na abordagem formalista comum ao ensino de computação gráfica. A tarefa de ligar a formação em arquitetura às questões precedentes de funcionalidade e às questões procedentes de construção é remetida ao estudante. Mesmo no âmbito formal, o estudo dos grandes arquitetos se faz pela observação de representações planas: plantas, cortes e elevações, acrescidas de fotografias. Raramente se empregam vídeo e outras mídias. Quanto aos processos projetuais, as práticas de atelier dos arquitetos estudados são desconhecidas. Croquis esquemáticos, diagramas de fluxo, contigüidade e zoneamento empregados pelos arquitetos não são apresentados e discutidos, eliminando da educação a possibilidade de compreender-se, ainda que superficialmente, como diversos arquitetos organizam seu trabalho, suas idéias. Processo Há inúmeras dificuldades operacionais na implementação do que se convencionou chamar integração entre disciplinas, mesmo quando seus cronogramas de atividade parecem seguir a mesma lógica.

6 6 Figura 1: Evolução do curso de Computação na Arquitetura II e III Na cadeira de computação, o curso se inicia com uma série de exercícios curtos, abordandose desde modelagem formal em 3d superfícies, sólidos e NURBs em softwares como AutoCAD, Rhino3d e 3dsMAX, seguindo-se uma breve investigação de recursos para solução de problemas formais e funcionais Space Planning no Architectural Desktop e Revit. Após os primeiros exercícios, onde ferramentas de projeto são empregadas de forma simples uma estratégia para conquistar adeptos, temos uma aula sobre Projeto Digital. O argumento de que as ferramentas digitais estão transformando os processos projetuais em direção ao que agora poderíamos chamar de Digital Design 7 é um argumento forte e não é facilmente assimilado. O uso da schemata de Oxman tem se provado válido tanto para a explicitação do que está em jogo nos exercícios como na aula de metodologia projetual, onde tentamos associar alguns conceitos fundamentais ao planejamento do desenvolvimento do projeto. Figura 2: Na schemata proposta por Oxman, interações entre projetista e aspectos projetuais.

7 7 Ainda assim, enfrentamos junto aos alunos uma pressão implícita no sentido contrário ao do emprego de softwares, uma vez que os modelos criados em laboratório não são analisados no computador, mas através de impressões que raramente captam todo o potencial das idéias tridimensionais. Figura 3: Caminho crítico e organização de documentos de projeto por hipelinks. Figura 4: Organização de projeto por hiperlinks: módulos. O próprio cronograma proposto no atelier de projeto não leva em conta o impacto das ferramentas digitais, tendo sua formulação maior parentesco com as práticas tradicionais de projeto do que com as inúmeras possibilidades do laboratório. A estratégia tradicional de ensino de projeto é o fracionamento das tarefas de desenho seguida pela análise do contexto do problema e história das soluções precedentes. Na tentativa de adequação àquela estratégia, apresentamos no laboratório uma breve explanação sobre as ferramentas disponíveis no laboratório e fora deste e como tais

8 8 ferramentas potencializam o processo projetual. Alguns dos problemas típicos são: Assunto: Requisitos e restrições legais num dado sítio. Estratégia: Modelagem de massas representando envoltórias construtivas possíveis e interferência entre estas e as soluções formais pretendidas. Assunto: Incidências solares requeridas e indesejadas no sítio. Estratégia: Modelagem de massas e renderizações rápidas para visualização das incidências e sombreamentos. Zoneamento e escalonamento público-privado. Estratégia: Diagramas de bolha usando Spaces no ADT; Modelagem de volumetria com massas separadas por zona e função. Tabelas automáticas de área. Figura 5: estudo preliminar com massas e cômputo de áreas. Em que pese os exercícios não serem exemplos plenos do que Rivka caracteriza como Digital Design, apenas remotamente relacionados às questões que softwares generativos e avaliativos permitiriam, ainda assim levamos os estudantes a confrontar os processos tradicionais de atelier com o que essas ferramentas possibilitam. Está explicitada, nesse processo, a cisão e disjunção que se avizinha no ensino de arquitetura. Conclusões Treinamentos em CAD deverão brevemente ser abandonados em favor de formas de educação em Projeto Digital. Entretanto, o curso espaço de tempo dedicado às disciplinas de computação nos encaminha

9 9 para parcerias com disciplinas de atelier. As parcerias deveriam favorecer abordagens metodológicas em projeto de arquitetura, tanto quanto elas sejam necessárias quando da adoção de ferramental digital mas, de fato, ocorre um refreamento do potencial digital, uma vez que os instrutores no atelier não estejam capacitados ou inclinados à adoção de estratégias próprias. A avaliação das proposições dos estudantes é mediada em desenhos impressos, com as tradicionais vistas planificadas. Ora, o treinamento que os alunos recebem no laboratório enfoca claramente a solução tridimensional do projeto, numa mídia em que os estudantes rapidamente se desenvolvem, em detrimento do aprendizado das técnicas tradicionais de representação. Nessas primeiras tentativas de integrar atelier e laboratório, insistimos em seguir de perto as demandas do atelier tradicional, adequando o uso do ferramental digital a elas. Essa abordagem tem se provado ineficaz, uma vez que os softwares empregados claramente favorecem um desenvolvimento de projeto mais imersivo, ciclos de formação avaliação mais rápidos, que os estudantes não conseguem reproduzir ou explicar por completo ao apresentar seus trabalhos no atelier. De fato, com a maior parte de sua produção acontecendo no laboratório ou em seus computadores pessoais, tem-se menor influência dos instrutores no processo criativo. Figura 6: Processo de modelagem tridimensional e (quadro vermelho) avaliação no atelier. Resulta disso que, estando afastados do momento em que os estudantes concebem seus projetos, organizam suas idéias, avaliam as mesmas, reciclam conceitos e os reformulam, instrutores de atelier não compreendem plenamente o processo dos estudantes. Finalmente, a avaliação da produção discente se faz primeiramente sobre suas apresentações gráficas, as quais raramente atingem padrões aceitáveis em ateliers tradicionais. O enfoque das avaliações é deslocado da crítica projetual para o julgamento das apresentações.

10 10 Se em algum momento pretendemos formular e implementar um atelier digital, restarão ainda algumas questões em aberto. Como diz Nancy Yen-wen Cheng, to reach fruition, a digital design sensibility must pervade the school culture. Faculty, staff and students need access to internal knowledge sharing as well as external educational opportunities. 8 Referências 1 Christopher Jones, J.: The State-of-the-art in design methods, In Design Methods in Architecture, London: 1969, Lund Humphries. 2 Nardelli, E.S.: Desafios do Ensino de Arquitetura na Era Digital: Memória de uma Transição, In Experiencia Digital: Usos, Prácticas y Estrategias en Talleres de Arquitectura y Diseño en Entornos Virtuales, [Ed. Diana Rodríguez Barros], 2006: Mar del Plata, Editorial de la Universidad Nacional de Mar del Plata, p Vincent, Charles C.: Arquitetura Digital: Ensino para uma Prática Plena, In Experiencia Digital: Usos, Prácticas y Estrategias en Talleres de Arquitectura y Diseño en Entornos Virtuales, [Ed. Diana Rodríguez Barros], 2006: Mar del Plata, Editorial de la Universidad Nacional de Mar del Plata, pp Papert, Seymour: A máquina das Crianças, repensando a Escola na Era da Informática, Porto Alegre: 1994, Artes Médicas. 5 Vincent, Charles C.: Negotiating Disjunction: Methods and Strategies for Digital Teaching. No Prelo: XI Congresso da Sociedade Iberoamericana de Gráfica Digital, Ciudad de México: 2007, SIGraDi / Universidad La Salle. 6 Oxman, Rivka E.: Theory and Design in the first Digital Age, In Design Studies 27 (3), May 2006; pp Ibid 8 Cheng, Nancy Yen-wen: Digital Pedagogy :: C - Digital Curriculums: Effective Integration of Digital Courses, IN Digital Technology & Architecture White Paper, Washington: 2003,

11 11 ACADIA NAAB (National Architectural Accrediting Board)

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Computador, uma ferramenta educacional

Computador, uma ferramenta educacional SIDINEY RODRIGUES. Computador, uma ferramenta educacional Proposta de Curso, apresentada pelo professor e Pedagogo Sidiney Rodrigues, para a Superintendência Regional de Ensino de Governador Valadares.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS Coordenadora: Pedro Segreto 06/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais e pesquisadores das

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Introdução à Arquitetura de Software (continuação)

Leia mais

Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente

Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente Estrutura e caracterização dos modelos de projeto Performativo a partir da prática arquitetônica recente Structure and characterization of performative design based on the recente architecture practice

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Aula 1 Por Um Novo Ensino em Saúde Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Objetivo da Aula Promover uma reflexão sobre a importância e a necessidade de repensar o ensino em saúde

Leia mais

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com.

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com. SOA Porque adotar SOA (Service Oriented Architecture) Por Ricardo de Castro Barbosa Publicado Setembro/2008 Ricardo de Castro Barbosa é sócio da SOA- Savoir Faire (www.soa-savoirfaire.com.br) empresa dedicada

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

Abstract. 1. Introdução. 2. A pesquisa

Abstract. 1. Introdução. 2. A pesquisa A VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ONDE ERRAMOS? OU POR QUE OS ALUNOS ESTÃO PAGANDO POR SUAS MAQUETES ELETRÔNICAS? Gabriela de Souza Tenorio

Leia mais

O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO

O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO O DESENHO E O USO DO COMPUTADOR NA PRÁTICA DOS ARQUITETOS: POSSIBILIDADES PARA O ENSINO Mariza Barcellos Góes UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação. marizagoes@yahoo.com RESUMO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

integridade da administração pública

integridade da administração pública integridade da administração pública transparência, probidade, acesso à informação, combate à corrupção são paulo, 23 à 27 de março de 2015 fonte da ilustração: http://www.joincube.com fonte da ilustração:

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel.

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel. A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL Márcia Santos Melo Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul marciameloprofa@hotmail.com Marcos Henrique Silva Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Ronaldo Machado da silva, Keila de Deus ICEM Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) MT 130 JD. Atlântico Rondonópolis MT Brasil

Ronaldo Machado da silva, Keila de Deus ICEM Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) MT 130 JD. Atlântico Rondonópolis MT Brasil Levantamento da Situação dos Laboratórios de Informática nas Escolas Estaduais de Rondonópolis - Uma Contribuição para Implantação da Disciplina de Informática na Grade Curricular das Escolas Estaduais

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias SP I PR I DF Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG Revit 2011 - o software para projetos de edificações para agora

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação

CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação CoNaIISI 2014 2º Congresso Nacional de Engenharia Informática / Sistemas de Informação San Luis, 13 y 14 de Novembro de 2014 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS O CoNaIISI é organizado pela rede de

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Processo de Desenvolvimento de Software Faculdade Mauricio de Nassau S.I 5 Período NA Alunos: Elthon Diego 021707 Vitor da Cruz 033420 Professora Suzana Sampaio

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores TDIC: FORMAR OU NÃO FORMAR PROFESSORES PARA SEU USO? Eugenio Maria De França Ramos, Adriel

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos PROCESSO DE SOFTWARE Ao falar de processo, no contexto da Engenharia de Software, estamos nos referindo ao processo de desenvolvimento de software. O

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

QUESTIONÁRIO ONLINE NO MOODLE 2.x: NOVIDADES E POSSIBILIDADES

QUESTIONÁRIO ONLINE NO MOODLE 2.x: NOVIDADES E POSSIBILIDADES QUESTIONÁRIO ONLINE NO MOODLE 2.x: NOVIDADES E POSSIBILIDADES Sabrina Bobsin Salazar Universidade Federal de Pelotas sabrina.salazar@cead.ufpel.edu.br Daniela Stevanin Hoffmann Universidade Federal de

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO

ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO 1 ENSINO GLOBALIZADO: O MODELO FÍSICO E DIGITAL COMO ESTÍMULO DA PERCEPÇÃO ESPACIAL NO MEIO ACADÊMICO Nieri Soares de Araújo Θ Introdução A maquete como objeto de investigação para estudantes de arquitetura

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Série de ebooks sobre desenvolvimento em paralelo ágil: Capítulo 2 Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Novas pressões, mais restrições

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais