UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS SISTEMA EDUCACIONAL HIPERMÍDIA APLICADO AO ENSINO DA TÉCNICA CIRÚRGICA VETERINÁRIA - SÍNTESE DOS TECIDOS EMANOEL FERREIRA MARTINS FILHO Salvador Bahia 2010

2 ii EMANOEL FERREIRA MARTINS FILHO SISTEMA EDUCACIONAL HIPERMÍDIA APLICADO AO ENSINO DA TÉCNICA CIRÚRGICA VETERINÁRIA - SINTESE DOS TECIDOS Dissertação apresentada à Escola de Medicina Veterinária da Universidade Federal da Bahia, como requisito para obtenção do título de Mestre em Ciência Animal nos Trópicos, na área de Saúde Animal. Orientado: Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Salvador Bahia 2010

3 iii Sistema de Bibliotecas - UFBA Martins Filho, Emanoel Ferreira. Sistema educacional hipermídia aplicado ao ensino da técnica cirúrgica veterinária - síntese dos tecidos / Emanoel Ferreira Martins Filho, f. : il. Inclui anexos. Orientador : Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Escola de Medicina Veterinária, Salvador, Cirurgia veterinária - Metodologia. 2. Sistemas multimídia. 3. Medicina veterinária - Estudo e ensino. 4. Informática na medicina. I. Costa Neto, João Moreira da. II. Universidade Federal da Bahia. Escola de Medicina Veterinária. III. Título. CDD CDU - 619:

4 iv Esta dissertação é dedicada a meu querido tio José Augusto Martins Tio Zé (in memoriam), exemplo de vida, caráter, luta e perseverança;

5 v AGRADECIMENTOS À Deus por conceder-me a compreensão, necessária para todo discernimento e por todas as oportunidades de seguir o caminho almejado; Ao Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto por me aceitar como seu orientado, pelos anos de convivência, ensinamentos, opiniões, conversas e toda a paciência, e principalmente pelo grande amigo que você se tornou. Ao Hospital de Medicina Veterinária da UFBA, por conceder gentilmente as instalações para realização do experimento. Ao curso de Mestrado em Medicina Veterinária Tropical da Escola de Medicina Veterinária da UFBA, pelo apoio na realização do Mestrado. À Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pela concessão da Bolsa de estudo. Obrigado à Salvador, cidade que me acolheu tão bem, e a todos os amigos que fiz ao logo desta jornada. À Profª. Drª Telma Sumie Masuko pela sua colaboração e finais de semanas abdicados em prol desta dissertação. Aos professores Dr. Humberto Campos e Dr. Carlos Roberto Franke pela atenção e incentivo neste projeto. À Profª Drª Ariane Pontes Oriá e a Camila Paes Bürger pela revisão textual. Ao amigo e Prof. Carlos Humberto pela convivência e a oportunidade de absorver seus conhecimentos e experiência de vida.

6 vi Ao amigo Levi de Castro Fiúza (in memoriam) que, apesar do pouco tempo entre nós, sempre acreditou no sucesso deste trabalho. Onde quer que você esteja. Muito obrigado! Aos amigos Mário Jorge, Matheus Alves, Wellington Matos, Thiago Gondin, Vladmir Lênin, Diana Mello, Vinícius Moraes, Deusdete Gomes e Joelma Silva pela participação e ajuda durante toda a fase experimental. As amigas Júlia Toríbio, Raquel Teixeira, Luciana Cardin e Ilka Gonçalves pelos eternos momentos de convivência e orgias alimentares. Agradeço por tudo que fizeram por mim. Aos funcionários Roberta, Alanis, Zaíra, Dermeval e Antônio (divisão administrativa do HOSMEV) que foram atenciosos comigo durante o período de clausura na diretoria para a escrita da dissertação. A minha querida família. Em especial à meus pais que me ensinaram a lutar com dignidade, acreditaram no meu sonho e sempre rezaram por mim, pelo meu sucesso profissional e pela minha felicidade. A meu irmão Samuel e sua esposa Mariane pelo incentivo e torcida, mesmo à distância. E ao meu amor, Andressa, que permaneceu incondicionalmente ao meu lado, vibrando com as pequenas vitórias e compreendendo os momentos mais difíceis, minhas ausências e minhas angústias. Agradeço por todos os gestos de confiança e dedicação vindos de sua parte. Muito Obrigado!!!

7 vii "Nada se constrói sem que alguém tenha sonhado com isso, alguém tenha acreditado que isso fosse possível e alguém tenha desejado que isso acontecesse!..." (Charles F. Kettering)

8 ÍNDICE LISTA DE TABELAS... LISTA DE FIGURAS... LISTA DE ABREVIATURAS... RESUMO... SUMMARY... Páginas 1. INTRODUÇÃO GERAL REVISÃO DE LITERATURA ARTIGO CIENTÍFICO Desenvolvimento e validação de um Sistema Educacional Hipermídia no formato DVD-Rom aplicado ao ensino da técnica cirúrgica veterinária síntese dos tecidos CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA ANEXOS ix x xi xii xiii

9 ix LISTA DE TABELAS Página TABELA 01 Desempenho dos grupos nas avaliações teórica e prática... 46

10 x LISTA DE FIGURAS Páginas FIGURA 01 Aproveitamento prático dos grupos PR (disciplina presencial) e PR_OFF (disciplina presencial com suporte off-line) FIGURA 02 Screenshot de duas janelas do SEH aplicado ao Ensino da Técnica Cirúrgica Veterinária Síntese dos Tecidos. Em A página inicial e em B, janela relacionada à síntese com sutura. Observa-se o contraste de cores e formas entre elementos de design FIGURA 03 Screenshot de duas janelas do SEH aplicado ao Ensino da Técnica Cirúrgica Veterinária Síntese dos Tecidos, mostrando o menu do SEH, a partir do qual o processo de navegação se inicia FIGURA 04 Esquema representativo do processo de navegação do SEH aplicado ao Ensino da Técnica Cirúrgica Veterinária Síntese dos Tecidos. A: layout da janela referente ao tema Sutura continua com uso de fios de sutura Sutura de Wolf. Observa-se que além de descrições técnicas em forma de texto, a janela possui 03 hiperlinks que, representativamente, ao serem ativados, acessam isoladamente telas cheias. B: flash de gif animado. C: vídeo da confecção da sutura de Wolf em bastidor e D: vídeo da confecção da mesma sutura durante a realização de cirurgia de rotina... 58

11 xi LISTA DE ABREVIATURAS AVI - Audio Vídeo Interleave BMP - BitMap Picture CD-ROM - Compact Disc - Read Only Memory DVD-ROM Digital Video Disc ou Digital Versatile Disc - Read Only Memory E-learning - electronic learning ou aprendizagem eletrônica - Electronic Mail ou correio eletrônico GIF - Graphics Interchange Format HTML - Hipertext Markup Language JPG (JPEG) - Joint Photographic Experts Group Moodle - Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment MPEG - Moving Picture Experts Group NTSC - National Television System(s) Committee PR - Disciplina presencial PR_OFF -Disciplina presencial associada ao suporte off-line SEH Sistema Educacional Hipermídia UFBA Universidade Federal da Bahia Web - World Wide Web WWW - World Wide Web "Rede de âmbito mundial"

12 xii MARTINS FILHO, E. F. SISTEMA EDUCACIONAL HIPERMÍDIA APLICADO AO ENSINO DA TÉCNICA CIRÚRGICA VETERINÁRIA SÍNTESE DOS TECIDOS. Salvador, Bahia, p. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos); Escola de Medicina Veterinária, Universidade Federal da Bahia, RESUMO A formação cirúrgica envolve complexos conceitos teóricos e práticos, particularmente relacionados à Técnica Operatória e suas fases fundamentais, dentre os quais o desenvolvimento de habilidades é considerado essencial. As cirurgias experimentais, outrora realizadas com esta finalidade, atualmente são conflitantes com os conceitos de bem estar animal e gradualmente vem sendo desestimuladas. Por conseguinte, para garantir a aquisição de agilidade e destreza manual, foram desenvolvidos métodos alternativos ou substitutivos. Com a evolução da informática, inovou-se todo sistema educacional. Nesta perspectiva de ensino, surgiram os Sistemas Educacionais Hipermídia (SEH), que trazem recursos didáticos inteiramente novos para o desenvolvimento de habilidades mediadas por computador. Dessa forma, buscou-se desenvolver um recurso hipermídia destinado ao aprendizado da Síntese Cirúrgica e comparativamente ao método tradicional de ensino, avaliar sua eficácia, tendo-se como público alvo acadêmicos da Disciplina Técnica Cirúrgica do Curso Medicina Veterinária da Universidade Federal da Bahia. Conclui-se que a pesar do SEH proporcionar um melhor grau de entendimento relativo ao conteúdo teórico, não se verificou diferenças estatísticas neste âmbito, quando comparado ao método tradicional, porém enfatizando-se o desenvolvimento de habilidades aplicáveis à síntese cirúrgica, o recurso apresentou resultados satisfatório superiores. Vale ressaltar que o êxito alcançado, deu-se em virtude da boa fundamentação pedagógica e ergonômica empregadas no desenvolvimento do projeto. Palavras chave: multimídia; educação, informática, cirurgia.

13 xiii MARTINS FILHO, E.F. HYPERMÉDIA EDUCATIONAL SYSTEM APPLIED TO TEACHING VETERINARY SURGICAL TECHNIQUE - SUTURING. Salvador, Bahia, p. Dissertation (Master of Science in Tropical animal Science) - School of Veterinary Medicine, Universidade Federal da Bahia, SUMMARY Surgical learning involves complex theorical and practical concepts. This is particularly important in relation to basic surgical techniques, where development of skills is essential. Live animal practical surgeries, used to teach these skills, are against current thoughts of animal welfare and are no longer favored. Therefore, alternative or substitute methods have been developed to guaranteed development and practice of surgical skills. A new educational system has been developed thanks to technological advances. Hypermedia Educational System (HES) were developed within this teaching perspective, and they bring completely new teaching resources using computer-mediated ability development. This study aimed to develop a multimedia tool to be used for teaching basic surgery, and compared it to traditional teaching methods in terms of efficacy. The public used in this study consisted of students attending at the surgical technique course within the veterinary medicine major of the Universidade Federal da Bahia. Even though the HES gave a better theoretical understanding compared to traditional teaching methods, this improvement was not statistically significant. In contrast, in the development of practical skills that could be applied to surgical suturing, HES was a superior teaching tool than other methods. This success was due to the good pedagogical basis and ergonomical techniques used in the development of this project. keywords: Multimedia; education; informatics surgery.

14 14 1. INTRODUÇÃO GERAL O processo educacional da área médica é bastante complexo, formado a partir de sólida fundamentação teórica associada a um vasto conhecimento prático, habitualmente obtido através de experiências hospitalares e laboratoriais. Por conseguinte, a formação do jovem cirurgião envolve uma série de conceitos teóricos e práticos, particularmente, relacionados à técnica operatória, dentre os quais o desenvolvimento de habilidades é considerado essencial. A forma pela qual uma cirurgia é realizada influencia, sobremaneira, o seu resultado, e assim alguns aspectos devem ser considerados no atual método de ensino (MARQUES, 2005). A ampla fundamentação teórica exigida na graduação, muitas vezes compromete o desenvolvimento de aulas práticas nesta fase de aprendizado (JENKINS et al., 2008). As cirurgias experimentais em animais, primordialmente preconizadas para aprendizado dos cirurgiões, atualmente são conflitantes com os modernos conceitos de bem estar animal e gradualmente vem sendo desestimuladas. Em virtude disto tem sido gradativamente substituído por métodos alternativos baseados em demonstrações práticas e simulações (BASTOS et al., 2002) O treinamento adquirido na graduação, em geral, não é suficiente para o exercício da prática cirúrgica, para tanto busca-se a aquisição de habilidades e conhecimentos práticos através de programas de internato ou residência, os quais empregam o modelo de aprendizagem observacional, conhecido como ver, fazer e repetir para consolidação dos conhecimentos teóricos e práticos na rotina cirúrgica

15 15 (BUYUKMIHCI, 2007; JENKINS et al., 2008). Todavia, alguns autores questionam este modelo de ensino, uma vez que, permite que cirurgiões aprendizes exerçam a prática e comprometam o sucesso do procedimento cirúrgico (PORTE et al., 2007; XEROULIS et al., 2007). Com a popularização da informática, o computador se tornou uma máquina indispensável ao cotidiano das sociedades, atingindo vários âmbitos do processo educativo e alterando de forma definitiva todo sistema educacional, seja através de novas necessidades de conteúdo que acompanhem as mudanças de diversas áreas profissionais, ou na forma de organização e apresentação desses conteúdos (ANGELONI et al., 2000; CABRAL JUNIOR. et al., 2005). Com o intuito de se adequar a essa perspectiva de ensino, surgiram os sistemas ou recursos educacionais hipermídia, valendo-se de ferramentas didáticos inteiramente novos para o desenvolvimento de habilidades mediado por computador (CAMPOS & ROCHA, 1996; GREENHALGH, 2001; HUANG, 2005; FRANÇA et al., 2006). O objetivo deste novo método para a transferência de informações, não é necessariamente uma mudança de material, mas sim a reorganização do modo de apresentação. A intenção deve ser a de transmitir em um adequado período de tempo, informações necessárias para satisfatória formação profissional, maximizando assim o aprendizado (MEHRABI et al., 2000; FRANÇA et al, 2006). O intuito é disponibilizar informações na rede de alcance mundial internet ou em mídias de armazenamento óptico de dados (CD e DVD-ROMs), para que as mesmas

16 16 sejam utilizadas pelo estudante em qualquer horário e local, com total liberdade de revisão do assunto (ZUBAS et al., 2006; FONSECA et al., 2008; JENKINS, et al. 2008). Para tanto, sua criação deve ser fundamentada em um planejamento técnico-educacional criterioso, tendo-se como base conceitos ergonômicos e principalmente pedagógicos. Além de uma interface consistente e agradável do ponto de vista estético e amigável, o recurso multimídia, pautado em conceitos psicopedagógicos, deve promover situações estimulantes para o estudante, não apenas por despertar sua atenção, mas mantendo-a ao longo de sua interação com o programa (OLIVEIRA et al., 2002). Adicionalmente, princípios de engenharia também devem ser considerados para que se possa obter um software confiável, funcional e viável economicamente. O modelo de desenvolvimento mais aceito é o que através de um feedback autor/usuário, permite a avaliação prévia do recurso e a realização de ajustes no ambiente do protótipo, antes de sua conclusão, minimizando assim, índices de rejeição quando colocado em uso (SINGH, 1996; SOMMERVILLE, 2005; ARAÚJO & ALMEIDA, 2009). Na área de saúde, diversos sistemas educacionais hipermídia (SEH) têm sido propostos para suporte educacional, entretanto, igualmente ao que se verifica quanto aos métodos alternativos convencionais, a falta de padronização no desenvolvimento e avaliação, comprometendo a adoção dessa nova tecnologia como material didático (GREENHALGH, 2001). Dessa forma, seguindo-se preceitos formulados por Campos

17 17 & Rocha. (1996) para o desenvolvimento destes sistemas, buscou-se desenvolver um recurso hipermídia destinado ao ensino da Síntese Cirúrgica, bem como validar sua eficácia como instrumento pedagógico para estudantes de graduação em Medicina Veterinária.

18 18 2. REVISÃO DE LITERATURA Atualmente, o ensino contemporâneo na área de saúde, particularmente na graduação, passa por período de reformulação na maioria das Instituições Educacionais. Antigos preceitos que estimulam a memorização de conteúdos em detrimento da intuição e da racionalidade têm sido evitados. Aulas teóricas, presenciais, ministradas para um grande número de estudantes estão implicadas com o desinteresse dos mesmos e a redução dos níveis de retenção do conhecimento (SEABRA et al., 2006). Há de se ponderar também que a ampla fundamentação teórica exigida, geralmente limita o treinamento prático nesta fase de aprendizado (MALDONADO-ZIMBRÓN et al., 2006; JENKINS et al., 2008). A diminuição da ênfase e do tempo dedicado às aulas práticas, particularmente no âmbito hospitalar, prejudica o desenvolvimento de habilidades técnicas essenciais para a boa evolução profissional, particularmente na cirurgia (JENKINS et al., 2008). Por conseguinte, para garantir a aquisição de habilidades, foram desenvolvidos diversos métodos alternativos ou substitutivos, dentre os quais estão alencados a utilização de cadáveres preservados (BUYUKMIHCI, 2007; MATERA, 2008); os bastidores para confecção de suturas (BUYUKMIHCI, 2007; COSTA NETO, 2008), os artefatos confeccionados a partir de espuma, látex e outros materiais sintéticos (BUYUKMIHCI, 2007; ANDRADE, 2009, INTERNICHE, 2009); os órgãos e tecidos obtidos em

19 19 matadouros (BUYUKMIHCI, 2007, TUDURY & POTIER, 2008); e os manequins anatômicos em resina emborrachada (INTERNICHE, 2009). Todavia, a despeito de contribuir para a consolidação do pensamento ético e serem bastante difundidos, parcos são os estudos que comprovam sua eficácia e padronizam a sua utilização (TUDURY & POTIER, 2008). A limitação à prática vivenciada na rotina hospitalar é considerada prejudicial ao aprendizado, uma vez que, é no centro cirúrgico que os estudantes consolidam o conhecimento teórico e prático através exercícios cotidianos, iniciados com o acompanhamento de pacientes sob estrita supervisão de instrutor capacitado para, gradativamente, aumentar o seu nível de envolvimento e, passar a executar manobras básicas e seguidas por procedimentos considerados de baixa complexidade (BUYUKMIHCI, 2007). De acordo com Matera (2008), o centro cirúrgico permanece ainda como o ambiente onde os estudantes aprendem a unir tudo nas diferentes circunstâncias como ocorre na prática. Considerando-se que o treinamento adquirido na graduação não é suficiente para o exercício da prática cirúrgica, busca-se a aquisição de habilidades e conhecimentos práticos através de programas de internato ou residência (JENKINS et al., 2008). Porém, deve-se ressaltar que o desenvolvimento de habilidades técnicas em pacientes, prática comum nestes programas, é contestado por permitir que cirurgiões aprendizes exerçam a prática e comprometam o risco cirúrgico (PORTE et al., 2007; XEROULIS et al., 2007).

20 20 Segundo Campos & Rocha (1996) e Mehrabi et al. (2000) a diversidade e a complexidade do conhecimento cirúrgico requerem orientação direcionada no ensino através de meios inovadores para a transferência de conteúdo. O objetivo deste redirecionamento não é necessariamente uma mudança de material, mas sim a reorganização do modo de apresentação. A intenção deve ser a de transmitir em adequado período de tempo, informações necessárias para satisfatória formação profissional, maximizando, assim o aprendizado. Novas tecnologias são desenvolvidas para complementar e não substituir a educação tradicional preservando-se os valores dos métodos de ensino, com a máxima oportunidade de inovação (CAMPOS & ROCHA, 1996; BUYUKMIHCI, 2007). Com o intuito de se adequar, ao novo panorama educacional, surge uma nova forma de ensino, realizada através de laboratórios voltados para o desenvolvimento de habilidades e instruções mediadas por computador, cujas principais vantagens incluem a oportunidade da prática repetitiva, deliberada e participativa sem consequência e com capacidade para corrigir erros de desempenho, diferentemente do modelo vigente que se baseia na aprendizagem observacional, conhecido como ver, fazer e repetir (XEROULIS et al., 2007; PORTE et al., 2007; INTERNCHE, 2010) Com a popularização da informática, o computador se tornou máquina indispensável ao cotidiano das sociedades, atingindo vários âmbitos do processo educativo e alterando de forma definitiva todo sistema educacional, seja através de novas necessidades de conteúdo que acompanhem as mudanças de diversas áreas profissionais, ou na forma de

21 21 organização e apresentação desses conteúdos (ANGELONI et al., 2000; CABRAL JUNIOR, et al., 2005). As câmeras digitais, os recursos de animação, desenhos e simulações, bem como as facilidades de edição não-linear, trouxeram novas possibilidades de desenvolvimento de materiais audio-visuais, que, supostamente podem servir para potencializar a aprendizagem através da visualização de conceitos complexos, da interatividade e da motivação dos estudantes, buscando assim, associar recursos e linguagens de mídia às necessidades educacionais para o ensino presencial e a distância (ZARO & TIMM., 2001 ; SCHNAID et al., 2003;CABRAL JUNIOR,. et al., 2005). A disposição de informações na rede de alcance mundial (internet) ou em mídias de armazenamento óptico de dados (CD e DVD-ROMs) permite a utilização do recurso em horário e local cômodo para o estudante, com total liberdade de revisão do assunto, conforme necessário, tornando a aprendizagem individualizada e a maximização do tempo de graduação (ZUBAS et al., 2006; FONSECA et al., 2008; JENKINS, et al., 2008). Além disso, a permanência em ambiente sem estresse minimiza as interferências consolidação de conteúdo causadas pela dinâmica do ambiente cirúrgico (PORTE et al., 2007). O termo mídia, em linhas gerais, refere-se ao veículo de comunicação de toda e qualquer informação. Os cinco mais utilizados são: texto, som, imagens estáticas,

22 22 animação e vídeo. Por conseguinte, a palavra composta multimídia (ou mídias, originada do plural inglês médium) é a combinação destes diversos meios (CARVALHO JUNIOR & SABBATINI, 1994). Esses recursos são sofisticados materiais audiovisuais, que objetivando transmitir informação ou proporcionar entretenimento (WEBBER & RINEHART, 1992; MARKS et al., 1997). Por este motivo são melhores assimilados pelo sistema cognitivo humano, permitem interatividade, autonomia de ação e reação e maior adaptabilidade a diferentes estilos de aprendizagem (LÉVY, 2000; OLIVEIRA et al., 2002; FRANÇA et al., 2006; ADAMCZYK et al., 2009; FOCKING, 2009; PRATA & LOPES, 2009) Os recursos multimídia têm surgido como uma nova classe para o gerenciamento de informações, pois permitem criar, anotar, unir, e compartilhar informações a partir de uma variedade de mídias (WEBBER & RINEHART, 1992; MARKS et al., 1997; FRANÇA et al., 2006), proporcionando o acesso às informações de uma forma não sequencial e utilizando métodos didáticos inteiramente novos, ao contrário dos sistemas de informações tradicionais, livros e apostilas, que são sequenciais por natureza (FRANÇA et al., 2006). Ao conjunto de nós conectados por ligações, da-se o nome de hipertexto. Estes nós são palavras, páginas, imagens, gráficos, ou partes de gráficos e áudio (CONKLIN, 1987; LÉVY, 2000). A união dos conceitos de multimídia com o hipertexto produz um sistema de interatividade caracterizado pela mutabilidade e capacidade de reestruturação

23 23 da informação ao longo de diferentes dimensões, propósitos e tempos, surgindo então, os Sistemas Educacionais Hipermídia (FRANÇA et al., 2006). Os Sistemas Educacionais Hipermídia são ferramentas de apoio que auxiliam o processo de aprendizagem por apresentarem características que permitem reforçar o conhecimento, respeitar a capacidade individual de retenção de informações e organizar grandes quantidades de informação de forma não-linear. O que, resulta, em formas de aprendizado diferente comparativamente ás observadas no ensino tradicional (D ALESSANDRO et al., 1993). A criação de um SEH necessita de planejamento técnico-educacional criterioso que resulte em produto confiável e de qualidade. Para tanto deve-se considerar a adequação dos elementos da mídia e as necessidades dos usuários. Quando bem utilizados, os múltiplos formatos de informação (simulações, imagens estáticas, textos, som, animações, vídeos) desempenham papel importante na aquisição do conhecimento. Entretanto, a prioridade deve estar voltada para os quesitos pedagógicos, neste aspecto, a psicologia cognitiva, com estudos sobre o processo da informação e a memória humana, tem dado muitas contribuições para o design destes formatos (CARRAHER, 1990; NASCIMENTO, 2004). Segundo Pusic et al. (2007) os SEH são, geralmente, fundamentados sob duas filosofias. Na comportamental, os objetivos são pré-estabelecidos e a aprendizagem do estudante é

24 24 determinada pelo professor (visão passiva do estudante). Dessa forma, o educador oferece um programa de ensino específico para a meta desejada. O seu layout é linear, ou seja, a informação é apresentada de forma sequenciada. A segunda filosofia apresenta natureza construtivista, possui layout não-linear e é baseado em diálogo mediado pela utilização de interface computadorizada, o que cria um ambiente de aprendizagem exploratório e promove situações estimulantes para o usuário, não apenas por despertar sua atenção, mas mantendo-a ao longo de sua interação com o programa. O usuário passa a construir seu conhecimento ao interagir com o material a ser aprendido e compreender ao invés de memorizá-lo (FRANÇA et al., 2006; OBERST et al.,2006; OLIVEIRA et al., 2007). Com intuito de desenvolver uma interface consistente e agradável do ponto de vista estético e amigável, Nascimento (2000) descreveu princípios de design na elaboração de um Sistemas Educacionais Hipermídia. Neste contexto, o autor recomenda o emprego de: cores que agrupem as informações e despertem a atenção do usuário; tamanho de tela que possibilite a distribuição correta do conteúdo; disposição do texto em pequenos blocos, evitando-se barra de rolagem; fontes que facilitem a visão e a leitura na tela e uma hierarquia tipográfica consistente; uso de sentenças curtas, palavras claras, evitando termos muito técnicos e abreviações para elaboração de instruções; imagens que sirvam de referência concreta ao significado, animações ou vídeos para expressar as ações que não possam ser representadas por imagens estáticas. O autor ainda alerta para o uso do som, a sonorização deve completar e não competir com a informação na tela.

25 25 Para o desenvolvimento de um recurso hipermídia, também é necessário o estabelecimento e uso de sólidos princípios de engenharia para que se possa obter economicamente um software que seja confiável e funcional. Origina-se a partir de uma idéia ou de uma necessidade que pode ser inteiramente ou parcialmente concretizada. Seu padrão é construído através de etapas que estão interligadas e correlacionadas. De acordo com Sommerville (2005) sua criação pode ser norteada por um dos três modelos gerais de desenvolvimento de software. No modelo em cascata as atividades só poderão ter continuidade quando a anterior for concluída; no modelo de desenvolvimento interativo todas as atividades são executadas e caso o sistema não tenha chegado à perfeição, ou perto dela as atividades são refeitas até se chegar ao buscado (SOMMERVILLE, 2005; ARAUJO & ALMEIDA, 2009); O terceiro modelo, mais atual, mescla características dos anteriores, o usuário final testa o produto e expressa sua impressão sobre o mesmo. Este feedback possibilita ajustes no ambiente do software, proporcionando uma baixa rejeição quando colocado em uso (SINGH, 1996; SOMMERVILLE, 2005; ARAÚJO & ALMEIDA, 2009). Campos & Rocha. (1996), propuseram etapas para o adequado desenvolvimento deste recurso. A etapa inicial envolve o planejamento pedagógico e financeiro, com a definição do modelo de ensino/aprendizagem implícito no software e a estimativa de recursos/custos através de analises de viabilidade e risco, respectivamente. Concomitantemente ocorre a definição do tema, objeto de estudo e a realização do levantamento bibliográfico. O estágio subsequente envolve a criação, seleção e organização do conteúdo multimídia relacionado ao objetivo pedagógico e os respectivos programas necessários para seu desenvolvimento. Paralelamente, ocorre a

26 26 seleção do sistema para criação do ambiente hipermídia e o planejamento da interface que permitirá a comunicação homem-software enfocando os sentidos visual, tátil e auditivo. Ato contínuo, dar-se-á início ao processo de autoração e implementação, promovendo a união dos elementos multimídia e textos através do sistema de navegação. Esta fase pode, na maioria das vezes, exigir a participação de profissionais. Na etapa final são aplicados critérios de avaliação e validação do recurso, com o propósito de determinar a sua aceitação ou liberação. Para tanto, podem ser empregados, dois tipos de avaliação: a formativa, realizada pelos autores, durante o desenvolvimento do projeto e a somativa, realizada, geralmente, com o produto final, por pessoas não envolvidas na produção. Pesquisas apontam que programas multimídias em comparação com aula teórica do tipo expositiva apresentam resultado semelhante quanto ao aspecto cognitivo, entretanto, poucos estudos foram realizados para avaliá-los (JAFFE & LINCH, 1996; OLIVEIRA et al., 2007). Logo, a ausência de uma avaliação padronizada e da comprovação da eficácia desses meios torna-se uma barreira para adoção desta nova tecnologia por parte dos professores (JENKINS et al. 2008; TANG & AUSTIN, 2009). O elevado custo de produção também tem sido relacionado como ponto de reflexão para o desenvolvimento destes recursos, particularmente em instituições de ensino (MEHRABI et al., 2000; PERFEITO et al., 2008). Em contrapartida, as inovações e a difusão de programas de autoração de fácil utilização, permitiram a diminuição dos custos operacionais para o desenvolvimento de modelos, uma vez que, suprimem a

27 27 necessidade de profissionais com formação específica na área de informática (GREENHALGH, 2001). Outros fatores também podem prejudicar a implantação dessas novas tecnologias para fins didáticos, dentre os quais relacionam-se: interface mal planejada; inoperância e lentidão do sistema de navegação; sobrecarga de informações; resistência dos usuários a novas tecnologias e custos para a sua concepção. Além disso, a de se considerar que fatores relacionados à rede de alcance mundial (Internet), como capacidade de transmissão de dados e de execução de fluxos de mídia, pode comprometer o acesso de informações disponíveis na rede (NASCIMENTO, 2000; GREENHALGH, 2001; POPESCU & NAVARRO, 2005; JENKINS et al., 2008; TANG & AUSTIN, 2009). Adicionalmente, quando comparada à reedição de um livro, a atualização de um software torna-se de menor custo (MEHRABI et al., 2000). Porem os livros didáticos, principal fonte de informação utilizada no ensino tradicional, além dos textos informativos, utilizam imagens estáticas para compreensão de idéias e conceitos. A dificuldade de entendimento muitas vezes ocorre quando são tratados assuntos complexos, de difícil compreensão teórica como por exemplo, a dinâmica envolvida nos testes de força muscular (CASTILHO et al., 2008). Motivados pela dificuldade de entendimento dos acadêmicos e pela impossibilidade de se representar estes conteúdos, os SEH têm sido propostos para suporte educacional de diversas instituições de ensino, principalmente na área de saúde (GREENHALGH, 2001).

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA?

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA? USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA? João Moreira da Costa Neto 1, Emanoel Ferreira Martins Filho 2 A formação cirúrgica envolve complexos conceitos teóricos

Leia mais

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA?

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA? USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA. QUAL A ALTERNATIVA? João Moreira da Costa Neto 1, Emanoel Ferreira Martins Filho 2 A formação cirúrgica envolve complexos conceitos teóricos

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro?

Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro? 1 Sala de aula presencial virtual a sala de aula do futuro? Maio de 2005 064-TC-D4 Rui Seabra Ferreira Júnior Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos Unesp rseabra@cevap.org.br Ana Silvia Sartori

Leia mais

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA QUAL A ALTERNATIVA?

USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA QUAL A ALTERNATIVA? XIX SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA USO DE ANIMAIS PARA O ENSINO DA CIRURGIA NA MEDICINA VETERINÁRIA QUAL A ALTERNATIVA? Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Ana Paula Cavalheiro Oliveira (man05103@feg.unesp.br) Diego Teixeira de Souza (man05109@feg.unesp.br) Rodrigo Alexandre Ribeiro (man04023@feg.unesp.br)

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG*

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* ALVES, Ricardo Henrique Fonseca 1 ; DEUS JÚNIOR, Getúlio Antero de 2 ; CASTRO, Marcelo Stehling de 3 ; LEMOS, Rodrigo Pinto 4 Palavras-chave: Ensino a Distância

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY Daiyane Akemi Morimoto- Graduanda em Pedagogia- Unisalesiano de Linsday_akemi@hotmail,com

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes O Adobe Photoshop vem liderando o mercado de imagem digital há anos. Portanto, não podemos deixar de explorar essa ferramenta

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Palavras Chaves: Interdisciplinar, Orofacial, Educação a Distância Autores: Lívia Maria do Prado 5, Eliene Silva

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL *

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * DUARTE, Yara de Paula 1 ; VALADÃO, Danilo Ferreira 2 ; LINO-JÚNIOR, Ruy de Souza 3. Palavras-chave:

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais. Setembro/2006

Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais. Setembro/2006 Implementação de Teletrabalho por meio de equipes virtuais Setembro/2006 Objetivo Nesta apresentação vamos discutir o teletrabalho através de equipes virtuais, ou seja, como realizar trabalhos através

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Relatório Técnico de Pesquisa

Relatório Técnico de Pesquisa Projeto 5: Projeto de Pesquisa: Tele-Enfermagem para a América Latina: implantando uma rede de facilitadores em informática em Enfermagem Coordenação: Prof a Drª Maria Madalena Januário Leite Equipe de

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

INTRODUÇÃO. Engenharia Ambiental PUCPR. 1 COURA, Gustavo Adriano & 2 ANDREOLI, Fabiana de Nadai 1 Orientando 2 Orientador

INTRODUÇÃO. Engenharia Ambiental PUCPR. 1 COURA, Gustavo Adriano & 2 ANDREOLI, Fabiana de Nadai 1 Orientando 2 Orientador DESENVOLVER E APLICAR O CONTEÚDO TÉCNICO INTERATIVO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FUNDAMENTADA NO PARADIGMA DA COMPLEXIDADE MEDIADO PELO SISTEMA DE APOIO AO ALUNO VIA WEB - SAAW 1 COURA, Gustavo

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

Manual do. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Manual do

Manual do. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Manual do Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment 1 Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem gratuito para gestão e desenvolvimento de cursos na modalidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS

USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS GT 13- Popularização da Ciência Gleidially Nayara Bezerra de Moraes; Paulo

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Jorge Luis Palacios Felix URI jlpfelix@urisan.tche.br Resumo: O presente trabalho traz uma motivação da maneira

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos um breve conceito de T.I. e T.I.Cs abordarmos a partir de

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais